segunda-feira, 19 de abril de 2021

Dez curiosidades sobre o Antonov An-225, o maior avião de todos os tempos

Avião gigante da ucraniana Antonov é uma das obras mais impressionantes da história da aviação.

Antonov An-225
Maior avião de todos os tempos, o Antonov An-225 é uma máquina que parece desafiar as leis da física. Um mastodonte com asas capaz de suportar centenas de toneladas de carga, a gigante aeronave construída na Ucrânia é uma das obras mais impressionantes da história da engenharia aeronáutica. Não à toa, o modelo ganhou o nome Mriya, que significa “sonho” em ucraniano.

Único exemplar de sua espécie, o An-225 com matrícula UR-82060 é a estrela da Antonov Airlines, companhia aérea controlada pelo grupo Antonov especializada no transporte de cargas superpesadas e que herdou a aeronave após o colapso da União Soviética, dando continudade a um legado que dificilmente deve ser superado.

Veja abaixo dez curiosidades sobe o maior avião de todos os tempos.

1. Carregador de ônibus espacial



A origem do An-225 está intrisicamente ligada ao antigo programa espacial da União Soviética. A aeronave foi concebida para transportar por via aérea o ônibus espacial soviético Buran e componentes do foguete Energia em suportes na parte superior da fuselagem.

2. Segundo exemplar nunca foi concluído



A encomenda original previa a construção de dois exemplares do An-225. No entanto, o segundo aparelho nunca foi concluído e até hoje a célula inacabada permanece armazenada na fábrica da Antonov, em Kiev, à espera de investidores interessados em terminar sua construção.

3. Colecionador de recordes


Desde o seu primeiro voo, em 21 de dezembro de 1988, o An-225 quebrou mais de 200 recordes na aviação. Entre as marcas mais expressivas, destacam-se o de avião com maior peso máximo de decolagem (640 toneladas) e a carga útil mais pesada transportada por via aérea (253,8 toneladas).

4. Trem de pouso com 32 rodas


Trem de pouso do Antonov An-225
Nenhum outro avião já construído possui tantas rodas como o An-225: são quatro rodas no trem de pouso dianteiro e mais 28 no trem de pouso principal. Com tantos pneus, a chance de algum deles estourar ou ser danificado durante uma operação é maior. Por isso, a aeronave sempre viaja com estepes de reserva.

5. 84 metros de comprimento e 88 m de envergadura


Para armazenar o An-225 é necessário um hangar com medidas comparáveis a um campo de futebol. A aeronave mede 84 metros de comprimento por 88 metros de envergadura. É o avião com a fuselagem mais comprida que alçou voo. Considerando apenas o tamanho das asas, o Antonov ainda perde para o Hughes H-4 Hercules (97,5 m de envergadura) e o Stratolaunch (117 m) –embora essas aeronaves só tenham voado apenas uma vez.

6. Seis motores



Em tempos em que grandes aviões de passageiros ou mesmo cargueiros contam com apenas dois motores, o An-225 é impulsionado por uma rara combinação de seis turbofans (Progress D-18T). Cada um deles gera 51.600 libras de empuxo, totalizando 309.600 libras.

7. Operação requer sete tripulantes


Cabine do Antonov An-225
Enquanto um Airbus A380 ou um Boeing 747 pode ser comandado por apenas dois pilotos, o An-225 precisa de seis tripulantes no cockpit: piloto, co-piloto e quatro engenheiros de voo. Normalmente, 20 membros viajam em tempo integral com o Antonov, incluindo uma equipe de pilotos e engenheiros reservas, mecânicos e técnicos especialistas no manejo de cargas.

8. Frete milionário


Contratar os serviços da Antonov Airlines com o An-225 custa em torno de US$ 30 mil (cerca de R$ 171 mil) por hora de voo da aeronave. Considerando que uma operação de transporte com diversas escalas dure mais de 48 horas, a conta pode passar de US$ 1,4 milhão. O avião executa cerca de 20 missões por ano.

9. Vida útil expira na próxima década


Em 2013, a agência de aviação civil da Ucrânia aprovou uma requisição da Antonov para estender a vida útil do An-225. Os estudos apresentados pela fabricante mostraram que a aeronave podia completar mais 20 mil horas de voo em cerca de 4.000 ciclos até completar 45 anos de serviço. Sendo assim, o maior avião do mundo deve continuar ativo até meados de 2033.

10. Visitou o Brasil duas vezes


O An-225 esteve no Brasil em duas oportunidades, atraindo uma legião de fãs. A primeira passagem ocorreu em 14 de fevereiro de 2010 e teve como destino o aeroporto de Guarulhos (SP), onde o avião desembarcou três enormes válvulas adquiridas para a refinaria da Petrobras em Paulínia (SP).

A segunda visita aconteceu entre os dias 14 e 15 de novembro de 2016, quando a aeronave passou pelos aeroportos de Viracopos, em Campinas (SP), e novamente por Guarulhos, para buscar um transformador de 155 toneladas e transportá-lo até Santiago do Chile.

Antonov AN-225 em Viracopos: de volta ao Brasil em 2016
Via Thiago Vinholes, colaboração para o CNN Brasil Business - Fotos> Thiago Vinholes

Aconteceu em 19 de abril de 2009: Voo 918 da Canjet - Anatomia de um sequestro frustrado


Na noite de domingo, 19 de abril de 2009, o Aeroporto Internacional de Sangster, localizado na costa noroeste da Jamaica e a aproximadamente 3 milhas da cidade de Montego Bay, estava quieto. O fluxo de veranistas que passa pelo portal movimentado para a costa norte da Jamaica diminuiu para um fio quando os passageiros embarcaram no último voo.

O voo 918 da CanJet era um voo com duas escalas vindo de Halifax, no Canadá, aceitando e deixando passageiros na Jamaica antes de continuar para Cuba, em seguida, voltando para a Nova Escócia, onde a agora extinta companhia aérea charter de baixo custo estava baseada. 

Pouco depois das 22h, quando os últimos passageiros se aproximaram da área de embarque, uma figura esguia apareceu entre os turistas. Bonito e jovem, de shorts e mocassins, o homem parecia qualquer outro jamaicano abastado. 

Quando os seguranças pediram que ele passasse pelo detector de metais, ele recusou. Ele puxou a camisa para revelar um brilho prateado, então sacou um revólver .38 e correu em direção ao portão onde o Boeing 737 estava esperando.


A bordo do Boeing 737-8AS, prefixo C-FTCZ, da CanJet (foto acima), oito tripulantes e 159 passageiros desavisados ​​já estavam sentados quando o atirador entrou. O piloto, Capitão James Murphy, saiu da cabine para investigar, e a comissária de bordo Heidi Tofflemire e o copiloto Glenn Johnson trancaram a porta atrás dele, isolando a cabine de comando. 

No início do sequestro, o atirador estava ameaçando matar pessoas, dizem os investigadores. Ele continuou batendo na porta da cabine, exigindo que o avião o levasse para os Estados Unidos.

Quando o homem anunciou que precisava deixar a Jamaica naquela noite, Murphy mentiu e disse que o avião ainda precisava ser reabastecido. Foi então que o sequestrador colocou o cano da arma contra a garganta do piloto. “Eu sou Deus”, disse ele. “Eu gosto de tirar vidas.”

Alguns passageiros temiam que ele tivesse um cúmplice. "Ficamos olhando em volta para ver quem poderia estar trabalhando com ele", disse Donald Porter, de West Bay.

Os passageiros também viram o atirador apontar repetidamente sua arma para a cabeça e o pescoço da comissária de bordo Carolina Santizo Arriola que foi extremamente eficaz com o sequestrador. "Havia uma aeromoça em particular que era extremamente calma", disse Walters, que interrogou quatro membros da tripulação após o sequestro.

"Ele falava com ela mais do que qualquer outra pessoa, independentemente de quão exaltado ele fosse. Se ele gostava dela pessoalmente, eu não sei. Ela era claramente uma pessoa muito calmante para ele."

Carolina Santizo Arriola, de anos, era comissária de bordo há pouco mais de seis meses, sempre pegando voos no mesmo dia e voltando para casa em Toronto todas as noites para cuidar de seu filho de sete anos, Thomas. 

Era um trabalho duro para uma mãe solteira, mas Santizo Arriola sempre se lembrava de seus primeiros meses no Canadá, quando chegara da Guatemala aos seis anos que não sabia uma única palavra em inglês. 

Se ela pudesse sobreviver a isso, ela disse a si mesma, ela poderia sobreviver a qualquer coisa. Naquela semana ela concordou em cobrir o turno de um colega doente, deixando o filho com os pais.

Enquanto o avião esperava em Montego Bay, Santizo Arriola estava no meio da cabine distribuindo formulários da alfândega quando ouviu uma tumulto a frente. Um passageiro voltou correndo, alarmado, e disse a ela que havia um homem com uma arma a bordo.

Santizo Arriola olhou em um silêncio atordoado. Parecia algo saído de um filme. Enquanto ela avançava, no entanto, ela viu que a cabine estava fechada e um jovem alto com uma expressão selvagem nos olhos estava segurando uma arma no pescoço de Murphy. Ela não sabia o que fazer, mas sabia que não podia deixar seu colega de trabalho, pai e marido, com o atirador.

Como comissária de bordo, Santizo Arriola aprendera a sorrir sempre. Quando um passageiro está sendo difícil, sorria. Quando você deixar cair uma bandeja de copos no chão, apenas sorria e finja que está tudo bem. E então, sem perceber totalmente, ela abriu seu sorriso mais amigável ao se aproximar do atirador.

O atirador sorriu de volta. Mais tarde, ela descobriria que ele era Stephen Fray, filho de 21 anos de um respeitado empresário jamaicano. Ela teria tempo para se perguntar o que teria acontecido com o jovem tão promissor, um garoto que frequentou boas escolas e correu na equipe de atletismo. 

Ele estava drogado? Doente mental? No momento, tudo o que ela viu foi alguém em pânico. Seus instintos lhe diziam que a melhor esperança para todos a bordo era fazer com que Fray se acalmasse.


Fray disse a Santizo Arriola que queria bilhões de dólares. Ele exigiu que o piloto o levasse para o Oriente Médio, depois para os Estados Unidos e depois para Cuba. Antes que pudesse ir a qualquer lugar, entretanto, ele estava convencido de que precisava reabastecer o avião e, para conseguir combustível, precisava de dinheiro. Vendo uma oportunidade, Santizo Arriola deu uma sugestão. “Os passageiros têm muito dinheiro”, disse ela a Fray, sugerindo que ele os libertasse em troca do que tinham em suas carteiras.

Quando o sequestrador concordou, a comissária começou a gritar para os passageiros se moverem rápido. Os passageiros rapidamente se reuniram, distribuíram dinheiro para as crianças e outras pessoas que não tinham, e começaram a fazer fila para a porta. 

Enquanto uma aeromoça estava tremendo e segurando uma bolsa, o agressor apontou sua arma para o pescoço de outra. Os passageiros, tentando não fazer contato visual, jogavam seu dinheiro, às vezes centenas de dólares, na sacola ou a seus pés.

A aeromoça dizia: 'Ele não quer mais o seu dinheiro, fique com o seu dinheiro.' Mas jogamos no chão mesmo assim ", disse Porter. Ele lembrou que o homem parecia estar sob o efeito de drogas ("ele ficava cheirando e esfregando o nariz") e exigiu uísque Jack Daniels (não lhe deram).

Os passageiros foram liberados, entretanto, o sequestrador continuou a manter cinco reféns da tripulação enquanto as negociações, que incluíam o pai de Fray e o primeiro-ministro da Jamaica, Bruce Golding, continuavam.

O sequestrado Stephen Fray
O jovem sequestrador, que gostava de ser chamado de "Gênio", estava ficando cada vez mais agitado. Periodicamente, ele marchava até a cabine e batia na porta, exigindo que o avião decolasse. Parecia que ele já estava voando, fora deste mundo.

Algumas fontes disseram que os investigadores puderam ouvir o suspeito pelo sistema de intercomunicação do avião e que estavam se comunicando com ele pelo fone de ouvido do copiloto no interfone da cabine. O sequestrador recebeu um telefone celular, mas ele se recusou a abrir a porta principal para recuperá-lo, aparentemente pensando que era um truque, disse um investigador. 

O Rev. Courtney Walters, um ministro protestante, foi treinado em habilidades de negociação de reféns, mas nunca teve que colocá-las em prática. Um homem modesto, mas confiante, a princípio foi reticente em falar com a Estrela , incomodado com os holofotes. Desempenhar um papel tão central foi emocionante, mas também assustador, disse ele.

“Não tendo feito nada parecido, ou mesmo uma simulação em alguns anos, foi um pouco cansativo no início, quando você tinha que encontrar uma resposta às suas demandas e garantir que estava coordenando com a equipe tática. “Uma coisa é saber ou ser treinado na arte (da negociação)”, acrescentou. "É outra coisa estar nele."

"Eu disse: 'Gênio, o que você realmente quer?'", relatou o Rev. Courtney Walters, capelão da Força Policial da Jamaica, a polícia nacional do país. "Ele disse: 'Quero US $ 8 trilhões'", lembrou Walters. "Agora, quem em sã consciência estaria fazendo um pedido de US $ 8 trilhões? E ele estava falando sério. Todas as suas conversas sobre dinheiro giravam em torno de bilhões e trilhões."

Em solo, um comando de operações estava sendo configurado dentro do terminal. O esquadrão antiterrorista das Forças de Defesa da Jamaica e o subcomissário policial Owen Ellington - que assumiria o papel de "comandante ouro", coordenando toda a operação - vinham de Kingston.

"Esperávamos que ele não enlouquecesse", disse o inspetor. Melvin Dennis, que comanda a delegacia de polícia do aeroporto. "Fiquei chocado e surpreso e orando o tempo todo pela segurança das pessoas a bordo e esperando por uma resolução sensata."

Enquanto os passageiros libertados eram levados para uma área de segurança no terminal, cinco tripulantes - Santizo Arriola, Tony Bettencourt e Anu Goswami, todos residentes do GTA, e Knickle e Nicole Rogers de Halifax - permaneceram na cabine, junto com os dois em o cockpit.

Após cerca de duas horas de provação, a polícia decidiu colocar um oficial tático armado na cabine. Tofflemire foi ajudado a sair pela janela, até a qual um veículo transportador de bagagem havia sido elevado. Ela foi substituída pelo oficial que vestia uma camisa de piloto.

Vestir o papel era uma estratégia para fazer todo o possível para não sinalizar seus movimentos para o atirador. “Era para dar a impressão de que ninguém havia saído da cabine e que os pilotos ainda estavam a bordo, e o avião ainda estava operável”, explicou Ellington.

"Se ele soubesse que os pilotos haviam abandonado o avião, isso poderia ter causado frustração e ele poderia ter ferido os membros da tripulação." Ele precisava acreditar que, enquanto ele fosse complacente, ainda seria possível conceder seus desejos.

O copiloto Glenn Johnson, de Montreal, trabalhou com o negociador. Quando Walters não estava falando com o suspeito, Johnson estava, com sua orientação, disse Walters. Enquanto isso, o capitão Murphy havia partido, disse Porter, porque o atirador frustrado exigira que ele fosse embora. "O homem não o queria lá porque ele não estava fazendo o que o homem queria."

Oito horas de sequestro, estava claro que o clímax estava próximo. Cada minuto que passava era mais um passo no desconhecido, como trabalhar contra uma ampulheta que não indica quando a areia vai acabar. O jovem sequestrador teria que ser derrubado.


O próximo passo foi uma resposta tática. Johnson e o policial foram retirados da cabine e substituídos por comandos antiterroristas. Algum tempo depois, os soldados canadenses treinados também arrombaram a cabine de outra porta de passageiro. Então, uma virada dramática.

Contra todas as probabilidades, enquanto os comandos antiterroristas criaram uma distração, a comissária Nicole Louise Foran agarrou o revólver .38, a arma que ameaçava uma pessoa após a outra a noite toda - apontada para o piloto, segurado no pescoço de outra aeromoça, disparou na rampa de carregamento. Os comandos vieram do nada e atacaram. Por volta das 6h40 de segunda-feira, ele foi dominado e nenhum tiro foi disparado.


O sequestro do voo 918 da CanJet no domingo à noite em Montego Bay se desdobraria como uma história de corações batendo forte e orações silenciosas, de procedimentos praticados e ação instantânea.

Um comissário de bordo negociaria a liberação dos passageiros. Outro rastejaria para fora da janela da cabine. Um policial usaria uniforme de piloto.

Nicole Louise Foran, à esquerda, que apreendeu a arma do sequestrado, ao lado de e sua colega Carolina Aida Santizo Arriola, que convenceu o atirador a libertar os passageiros
Por meio de entrevistas com alguns dos principais envolvidos, se pode revelar alguns dos detalhes intrincados e dramáticos envolvidos na queda do jovem que queria ser chamado de "Gênio" e no salvamento de uma tripulação traumatizada.

O suspeito, Stephen Fray, de 21 anos, foi interrogado, de acordo com o vice-superintendente Michael Garrick, o investigador principal. O advogado de Fray havia solicitado um exame psiquiátrico primeiro. Ele ficou detido na prisão na delegacia de Montego Bay.

Acredita-se que o cara alto, que vinha de uma família proeminente e frequentou boas escolas e uma faculdade comunitária, recentemente havia passado por um colapso de relacionamento e problemas financeiros. Para ele, era o início de um caminho longo e incerto.

O sequestrador escolheu um bom momento para abordar um avião. Era o último voo no domingo. O aeroporto estava fechando, prestes a fechar, à meia-noite. "O suspeito chegou ao aeroporto em um horário muito bem planejado", disse o ministro dos Transportes da Jamaica, Michael Henry. "Ele sabia que o voo seria embarcado."

Murphy estava com a arma apontada para sua cabeça e pescoço, disse ele aos investigadores mais tarde. Ele não foi o único. O revólver também foi apontado para a cabeça de Gary Knickle, um empreiteiro de segurança privada da CanJet, disseram os passageiros. Knickle trabalha para a segurança da Air Kare, uma empresa de Ontário, e voa para destinos específicos como Montego Bay, monitorando bagagens em busca de roubo e drogas, explicou um porta-voz da CanJet.


Mais tarde, a CanJet enviou uma aeronave de seu hub em Montreal para recuperar os passageiros a partir de Montego Bay e levá-los para o Canadá. Uma investigação foi aberta para apurar como um homem armado foi capaz de embarcar em um avião na Jamaica 

O governador emitiu um pedido de desculpas aos passageiros e tripulantes do voo 918 e ofereceu uma semana de férias em um resort Sandals, na Jamaica. O ministro dos Transportes, Mike Henry, também ordenou uma revisão de segurança, que abrangeu o MBJ e o Aeroporto Internacional Norman Manley na capital, Kingston.

A Airline Pilots Association (ALPA) elogiou a tripulação por seus esforços em impedir o sequestro do avião, e em 15 de junho de 2009, a tripulação do voo 918 foi convidada a se reunir com o governador geral do Canadá , Michaëlle Jean, em Rideau Hall.

A tripulação do voo 918 aguardando a condecoração por seus atos de bravura
Em 1 de maio de 2009, Stephen Fray foi oficialmente acusado de agressão, roubo com agravamento, posse ilegal de arma de fogo, posse ilegal de munição, tiro com intenção e violação da Lei da Aviação Civil em conexão com o sequestro. Fray foi condenado e sentenciado a um total de 20 anos de prisão.

Em 20 de maio de 2011, um recurso da condenação e sentença de Fray foi interposto no Tribunal de Apelação da Jamaica. O advogado de Fray alegou no tribunal que quando Fray cometeu o crime, ele estava "sofrendo de uma doença mental conforme entendido pela lei jamaicana, especificamente a Lei de Saúde Mental", acrescentando que passar um tempo na prisão "não ajudaria Fray ou a sociedade em geral". Ele perdeu o recurso.

Tendo vivido um grande trauma, os membros da tripulação não falaram com a mídia na época. Em um comunicado, Murphy chamou o que viveram de "um dos piores pesadelos de cada passageiro, piloto e comissário de bordo". Passageiros e investigadores também os chamam de heróis. Agora sabemos por quê.

Por Jorge Tadeu (com Wikipedia, ASN, The Star, Magzter)

Aconteceu em 19 de abril de 2000: Voo 541 da Air Philippines - O desastre aéreo mais mortal nas Filipinas


O Voo Air Philippines 541 foi um voo doméstico regular operado pela Air Philippines do Aeroporto Internacional Ninoy Aquino, em Manila, para o Aeroporto Internacional Francisco Bangoy, na Cidade de Davao. 

Em 19 de abril de 2000, o Boeing 737-2H4 caiu em Samal, enquanto se aproximava do aeroporto, matando todos os 124 passageiros e 7 membros da tripulação. Até hoje, é o desastre aéreo mais mortal nas Filipinas e o terceiro acidente mais mortal envolvendo o Boeing 737-200 , depois do Voo Mandala Airlines 091, que caiu 5 anos depois na Indonésia, e o Voo Indian Airlines 113 em 1988.

Aeronave



A aeronave, o Boeing 737-2H4, prefixo RP-C3010, da Air Philippines (foto acima), e anteriormente pertencente à Southwest Airlines, como N50SW, foi entregue pela primeira vez em fevereiro de 1978 e vendida para a Air Philippines em 1999.

Acidente


Em 19 de abril de 2000, o voo 541, com 124 passageiros e sete tripulantes, deixou Manila por volta das 5h30, com destino à cidade de Davao. Por volta das 7h, o Boeing estava se aproximando da Pista 05, seguindo um Airbus A319. 

O avião era pilotado pelo Capitão Evarisito Catipay e pelo copiloto Capitão Don Sardalla, de apenas 22 anos.

Quando o voo 541 saiu das nuvens, a tripulação observou que o A319 ainda não havia saído da pista, momento em que avisaram ao controle de tráfego aéreo que um procedimento de aproximação frustrada seria executado. 

O voo 541 começou a subir e voltou a entrar nas nuvens. O procedimento correto teria sido subir a 4.000 pés (1,200 metros) nos instrumentos e dar a volta para uma segunda tentativa. 

Em vez disso, a tripulação tentou voar VFR em condições de instrumentos a uma altitude inferior. O voo 541 colidiu em um coqueiro a cerca de 150 metros acima do nível do mar e caiu algumas milhas a oeste do aeroporto. O avião posteriormente pegou fogo e se desintegrou, deixando sem sobreviventes.


Testemunhas



Moradores da ilha disseram que o avião estava voando em baixa altitude e atingiu o topo de um coqueiro, que quebrou parte de sua asa. Eles disseram que parecia que o avião tentou ir à potência máxima do motor, mas não conseguiu e caiu. O avião se desintegrou e pegou fogo ao cair em um coqueiral. Autoridades do aeroporto disseram que o céu estava nublado no momento do acidente.

O Aeroporto Internacional de Davao não tinha equipamento completo para pousos por instrumentos, e pousos visuais haviam sido suspensos visuais foram suspensos vários minutos antes do acidente.


A Administração Federal de Aviação dos Estados Unidos levantou preocupações sobre a segurança do sistema de controle de leme do Boeing 737-200s. Samson Badilles, capitão do barangay de San Isidro e um dos primeiros a chegar ao local do acidente, disse que viu uma espessa fumaça saindo do avião enquanto ele descia. Alguns segundos depois, ele ouviu uma explosão no ar.

Judito Rosalejos, um coletor de tuba que estava a 100 metros do local do acidente, disse ter ouvido explosões enquanto o avião ainda estava no ar. Rosalejos é inquilino de Dorotea Pestano, dona da propriedade onde o avião caiu.


O fazendeiro Alvin Navarro, cuja residência fica a cem metros do local do acidente, disse que viu o avião circulando cerca de 10 vezes e então ouviu o que parecia ser barris de estanho caindo. Segundos depois, ele ouviu uma explosão. Outro residente disse que o avião já estava pegando fogo antes de cair.

A cauda do Boeing 737-200 com o logotipo vermelho-branco e azul foi a única parte da aeronave que ficou intacta.


O prefeito Rogelio Antalan, um dos primeiros a chegar ao local 30 minutos após a denúncia, disse que “a maioria dos corpos está carbonizada”. Antalan disse que poucas partes de corpos foram arremessadas com o impacto da explosão. Eles estavam em um raio de 10 metros.

Por Jorge Tadeu (com Wikipedia, baaa-acro e ASN)

Aconteceu em 19 de abril de 1997: Acidente no voo 106 da Merpati Nusantara Airlines na Indonésia

Em 19 de abril de 1997, o voo 106 da Merpati partiu de Jacarta em um voo doméstico para o Aeroporto Internacional HAS Hanandjoeddin, em Tanjung Pandan, ambas localidades da Indonésia, onde o avião, denominado "Sangeang", havia sido liberado para uma aproximação da pista 36.


A aeronave era o British Aerospace ATP (BAe), prefixo PK-MTX, da Merpati Nusantara Airlines (foto acima), que teve seu primeiro voo em 1992. Havia cinco tripulantes e 48 passageiros a bodo.

Na aproximação final à pista 36 do aeroporto Tanjung Pandan-Buluh Tumbang, a 2.000 pés de altitude, a aeronave rolou para a esquerda em ângulo de 80°, perdeu altura e caiu em um coqueiral localizado a cerca de 1.500 metros da pista.

Quinze ocupantes morreram no acidente, entre eles quatro membros da tripulação, enquanto todos os outros ocupantes foram resgatados.


Causa provável: Por razões desconhecidas, o motor esquerdo falhou ao se aproximar e sua hélice embandeirou quando o controle foi perdido. Esta foi a primeira perda de casco de um ATP da British Aerospace.

Por Jorge Tadeu (com Wikipedia e ASN)


Dia histórico: Helicóptero da Nasa em Marte faz voo histórico; veja como foi


O histórico primeiro voo de um helicóptero em outro planeta finalmente aconteceu. Nesta segunda-feira (19), o Ingenuity, construído pela Nasa, concluiu a sua missão de decolar com sucesso em Marte.

As informações do voo e o resultado do procedimento foram confirmados depois das 7h30 (horário de Brasília) O voo no planeta vermelho aconteceu horas antes, o dados demoraram um tempo para chegar até a Terra devido à distância.

O voo foi feito de modo autônomo, sem controle humano. Apenas alguns comandos foram enviados da Terra com antecedência. As decisões do momento foram tomadas pelo próprio helicóptero robozinho.

O sucesso da ação do Ingenuity virou um dos assuntos mais comentados nas redes sociais na manhã de hoje. A #MarsHelicopter está reunindo comentários oficiais da Nasa e de fãs da astronomia.

A reação das equipes da Nasa ao receber as informações do Ingenuity foi transmitida ao vivo no perfil dela no YouTube. Eles comemoraram bastante.


Inicialmente previsto para 11 de abril, a data da decolagem já havia sido adiada duas vezes por problemas nos softwares do helicóptero. Condições atmosféricas do momento também poderiam abortar o teste.

A imagem abaixo mostra o Ingenuity durante o primeiro voo e a sua sombra no chão.


Uma coletiva de imprensa da Nasa está marcada para 15h desta segunda-feira. Nela, os especialistas darão explicações mais detalhadas do Laboratório de Propulsão a Jato (JPL), da Nasa. Assista abaixo o Ingenuity em ação:


Via Tilt/UOL

'Oscar da aviação': melhores projetos de cabines de aeronaves têm salão de jogos, áreas para exercícios e beliches

Projeto vencedor do Airbus (Imagem: Airbus/Divulgação)
Entrar na cabine do avião e encontrar uma área para prática de exercícios ou salões de jogos? Parece um sonho, mas este futuro pode não estar tão longe. Projetos assim têm sido desenvolvidos por empresas e universidades, e alguns deles foram premiados com o Crystal Cabin Awards, prêmio para projetos de "excelência em interiores de aeronaves". O resultado da edição de 2021 acaba de ser divulgado, destacando projetos como uma cabine no estilo de um café e com assentos personalizáveis.

O prêmio principal na categoria Conceitos Visionários foi para a Airbus por seu Airspace Cabin Vision 2030, que oferece assentos giratórios flexíveis, beliches, uma área de exercícios e salões para jogos ou famílias.

Em sua 14ª edição, o reconhecimento é dividido em oito categorias: conceitos de cabine; sistemas de cabine; saúde, segurança e meio ambiente; entretenimento e conectividade de bordo; materiais e ferragens; hardware de conforto do passageiro; prêmio da universidade; e conceitos visionários.

Trazendo a sala de reuniões para os céus (Imagem: Universidade de Cincinnati)
A Universidade de Cincinnati conquistou o prêmio voltado para uma área acadêmica com a Coffee House Cabin, com longas mesas para trabalho, áreas para reunião e espaço de coffee breaks. "Com quatro passageiros sentados em cada mesa, uma cabine Coffee House permite que os passageiros tenham espaço de trabalho pessoal durante o voo. Por segurança, durante a decolagem e aterrissagem, todos os assentos giram em direção à frente da aeronave e as asas da mesa se dobram e são fixadas", diz o site oficial.

O Modulair S traz conforto para todos os viajantes econômicos (Imagem: Safran)
Na categoria Conforto do Passageiro, o conceito de assento econômico Modulair S, da Safran Assentos, foi o vencedor. O assento pode "ser adaptado e vários recursos, como apoio de pescoço ou suporte para tablet", de acordo com o site. A empresa também desenvolveu o melhor conceito de "sistema de cabine", com o SOPHY, módulo integrado em um carrinho de alimentação que fornece informações à tripulação, como quando é necessário recarregar e quando precisa ser limpo.

O RAVE permite conectividade de áudio Bluetooth para todos (Foto: Frank Rogozienski/CAPA Pictures/Safran)
Na categoria Conectividade e Entretenimento a Bordo, um Rave Bluetooth, que "permite que cada passagem ou assento de uma aeronave se conecte ao áudio Bluetooth sem afetar uma conexão de outros assentos", de acordo com o site, foi a vencedora.

A Diehl Aviation quer economizar carbono reduzindo a água transportada a bordo (Imagem: Diehl)
O prêmio para Saúde, Segurança e Meio Ambiente foi para a Diehl Aviation por sua "Unidade de Reutilização Greywater", que faz o reaproveitamento da água do lavatório para descarga, em vez de despejá-la pelo ralo. Como resultado, de acordo com a descrição no site da empresa, “a aeronave precisa carregar menos reservas de água, o que torna acessível mais leve. Para um Boeing 787, isso significa economia de até 550 toneladas de CO2 por ano".

MiG-31 intercepta aeronave espiã da Força Aérea dos Estados Unidos sobre o Pacífico

Uma aeronave de reconhecimento dos EUA foi escoltada por um caça a jato russo MiG-31 na costa sudeste da Península de Kamchatka, no Oceano Pacífico, na sexta-feira (16).


De acordo com a Tass Russian News Agency, o Ministério da Defesa russo divulgou esta declaração: “Um jato de combate MiG-31 foi enviado de um campo de aviação na região de Kamchatka para identificar e escoltar o avião espião. A tripulação o identificou como uma aeronave de reconhecimento US RC-135.”

O vídeo mostra o encontro de dentro da cabine de um caça a jato russo voando até a aeronave de reconhecimento. A agência russa informou que “o voo do jato de combate foi realizado em estrita observância às regras internacionais de uso do espaço aéreo.

O avião retornou com segurança ao seu campo de pouso após desviar a aeronave dos EUA da fronteira com a Rússia.

A manobra ocorre um dia depois que o governo Biden impetrou novas sanções contra a Rússia. Em resposta, a Rússia expulsou 10 diplomatas americanos.

As medidas dos EUA deveriam servir como punição à Rússia pela invasão de agências federais pela SolarWinds e pelos esforços do país em se intrometer nas eleições americanas. A Rússia negou os esforços de intromissão.

MD-88 e MD-90: a queda dos 'Mad Dog'

Quase um ano se passou desde que a Delta aposentou os MD-88 e -90, outra vítima da crise do coronavírus. Isso marcou o fim do MD-90 em todo o mundo, enquanto a série MD-80 continua viva - principalmente nos países em desenvolvimento. A Delta foi absolutamente vital para o MD-80/90, com mais de um terço de um bilhão de assentos em menos de uma década.

A aposentadoria do MD-90 pela Delta em 2020 marcou o fim do tipo em todo o mundo.
A série MD-80 continua viva (Foto: Vincenzo Pace)
A Delta Air Lines aposentou seus últimos MD-88s e MD-90s em 2 de junho de 2020, encerrando uma era para o 'Mad Dog' nos Estados Unidos e no mundo. Naquele último dia, o último vôo MD-88 (DL88) estava programado para chegar a Atlanta às 8h55 de Washington Dulles. Em contraste, o serviço final MD-90 (DL90) deveria chegar três minutos depois do Houston Intercontinental. O último toque do MD-90 significou o fim do tipo em todo o mundo no serviço comercial.

Oito chegadas no último dia


Naquele último dia, sete MD-88 e um MD-90 chegaram em Atlanta com a Delta:
  1. Raleigh Durham
  2. Sarasota
  3. Pittsburgh
  4. Richmond
  5. Norfolk
  6. Hartford
  7. Houston: última chegada do MD-88
  8. Washington: última chegada MD-90
  9. Delta Air Lines, MD-90, MD-88
Nos primeiros meses de 2020, cerca de 48 rotas viram o MD-90 da Delta (Foto: Getty Images)

Delta: mais de um terço de um bilhão de assentos


Globalmente, 126 milhões de assentos foram fornecidos por todas as séries MD-80 e aeronaves -90 em 2011, analisando programas de dados da OAG. Isso foi reduzido para 44 milhões em 2019 e apenas 14 milhões na pandemia atingida em 2020. Agora, em 2021, há menos de oito milhões disponíveis; isso é explorado abaixo.

A Delta sempre foi uma importante operadora do MD-80/90. Se somarmos 2011-2020, aquela companhia aérea tinha aproximadamente 373 milhões dos 853 milhões de assentos. Era de longe o número um, com a American Airlines em segundo e a Allegiant em terceiro. A Simple Flying recentemente analisou os principais aeroportos da Allegiant .

A American aposentou seus MD-80s em setembro de 2019, seguindo o Allegiant em 2018. Neste período de 2011-2020, a American tinha cerca de 212 milhões de assentos e o Allegiant 64 milhões. Como era de se esperar, essas três companhias aéreas sozinhas tinham a maior parte da capacidade de MD-80/90 globalmente, quase oito em cada dez - uma quantidade enorme.

Pense no MD-80/90, pense nos Estados Unidos (Fonte: OAG Schedules Analyzer)

Agora, uma aeronave em países em desenvolvimento


Atualmente, os MD-80 são usados ​​principalmente em países em desenvolvimento, principalmente no Irã, mas também em países como a Venezuela e a Nigéria. As três principais operadoras do tipo - Caspian Airlines, Zagros Airlines e Iran Air Tours - vêm todas do país do Oriente Médio.

A razão é simples. Essas aeronaves mais antigas resultam de sanções rígidas e da incapacidade das companhias aéreas iranianas de refazer a frota ou aumentar significativamente o número de aeronaves. Na verdade, em 2021, o MD-82 e o -83 são as aeronaves mais comuns no Irã, mostram os dados da OAG.

O fim da série MD-80 com Delta (2020), American (2019) e Allegiant (2018) significa que o
tipo agora é usado principalmente em países em desenvolvimento (Foto: Getty Images)

Rotas MD-88/90 da Delta em 2020


Nos primeiros meses de 2020, a Delta usou seus -88s em 60 rotas, todas de Atlanta. Alguns eram únicos, mas a maioria era regular ou semirregular. O serviço de 259 milhas para Charleston, Carolina do Sul, foi o melhor, seguido por Columbus, Nashville, Sarasota, Pittsburgh, Memphis, Toronto, Filadélfia, Hartford e Cleveland.

Os anos 90, entretanto, apareceram em 48 rotas, novamente todas de Atlanta. Houston Intercontinental foi o número um, seguido por Buffalo, San Antonio, Milwaukee, Raleigh Durham, Syracuse, Memphis, Filadélfia, Rochester e Richmond.

As 20 rotas principais da Delta para os -88s/-90s (quando combinadas) no início de 2020
são mostradas acima (Imagem: GCMap)
Tudo chega ao fim, com a aposentadoria das aeronaves - e a pressão por uma melhor economia e simplificação da frota - mais clara durante o coronavírus do que provavelmente nunca. Objetivamente, isso faz sentido. Ao substituí-los por aeronaves mais novas, eles provavelmente também terão mais assentos, se beneficiando de custos mais baixos e mais oportunidades de geração de receita.

A companhia aérea estará mais bem preparada para enfrentar o futuro. Mas, em um nível pessoal, o autor está triste por ver aeronaves tão cheias de personalidade e excitantes desaparecerem para nunca mais voltar.