quinta-feira, 19 de outubro de 2023

9 filmes e séries para não assistir antes de uma viagem de avião


O mundo do entretenimento usa diversos meios de transportes para ambientar o enredo de seus filmes, sendo o avião um deles. Em alguns casos as aeronaves ficam bem e são usadas apenas para transporte de passageiros, mas em outros ela transforma a vida de todos em seu interior em um verdadeiro pesadelo.

Dessa forma, vamos listar abaixo alguns filmes e séries sobre avião para você não assistir quando estiver em uma aeronave ou no dia anterior ao embarque. Confira!

1. Turbulência (1997)



Filmes sobre avião e problemas em viagens podem ter ganho mais destaque depois do ano 2000, mas antes dessa data já era possível encontrar alguns bons representantes, sendo Turbulência um destes exemplos.

Turbulência conta uma história pela qual muitos certamente não gostariam de passar, já que o enredo se baseia em um voo realizado na véspera do Natal e no qual os dois pilotos são assassinados em uma troca de tiro entre dois criminosos e um policial. Dessa forma, uma aeromoça é a única esperança de pousar o avião com segurança.

2. Apertem os Cintos... o Piloto Sumiu! (1980)



Ok, estamos falando agora de um filme de comédia, mas a última coisa que qualquer pessoa gostaria de imaginar durante uma viagem é que o piloto sumiu enquanto o avião está no ar.

Ainda que as piadas e situações hoje possam soar forçadas e até um pouco datadas, não há como negar que esse é um daqueles filmes sobre avião que foi um clássico à sua época e um dos grandes trabalhos estrelados pelo saudoso Leslie Nielsen.

3. Plano de Voo (2005)



Plano de voo é um filme sobre avião que pende mais para o suspense e drama. Estrelado por Jodie Foster, ele narra a história de uma mulher que perdeu o marido e está fazendo uma viagem de Berlim a Nova York.

Enquanto realiza esse trajeto, ela entra em desespero ao perceber que sua filha Julia está desparecida e ainda precisa provar a todos que está mentalmente saudável, já que ninguém tem ideia de onde a garota está e se ela, de fato, é real.

4. O Voo (2012)



Estrelado por Denzen Washington, O Voo é um filme sobre avião que narra a história de Whip, piloto de aviação comercial que mostrou ser bastante habilidoso ao fazer um pouso de emergência depois que o avião que ele conduzia apresentou uma pane, salvando a vida dos que estavam a bordo.

Muitos passaram a considerá-lo um herói depois que sua frieza e experiência permitiram que ele realizasse a difícil aterrizagem, e agora cabe a ele tentar descobrir quem foi o responsável pelo problema que a aeronave apresentou.

5. Serpentes a Bordo (2006)



Situações de queda por si só já são desesperadoras, mas imagine estar em um avião repleto de cobras venenosas prontas para dar o bote? É exatamente isso que temos a chance de presenciar em Serpentes a Bordo.

Este é um daqueles longas sobre avião com diversos momentos de ação. O agente do FBI Nelville Flynn (Samuel L. Jackson) está escoltando um adolescente que presenciou uma execução brutal, mas a máfia associada a esse crime contratou um assassino para espalhar serpentes venenosas na aeronave e eliminar todos em seu interior.

6. Sully: O Herói do Rio Hudson (2016)



Sully - O Herói do Rio Hudson é mais uma produção que poderia terminar em tragédia, porém a habilidade do protagonista acaba salvando a vida de todos.

O enredo desse filme mostra o piloto Sully (interpretado por Tom Hanks) realizando um pouso forçado em pleno rio Hudson para salvar todos que estavam a bordo da aeronave depois que uma revoada de pássaros atinge as turbinas do avião. Definitivamente, não é indicado assistir antes ou durante o seu voo.

7. Survive (2020)



Depois de alguns filmes, vamos agora a indicações de duas séries sobre aviões que vale a pena conferir enquanto você está em terra firme – e nada de maratonar em pleno ar. A primeira delas é Survive.

Survive narra a história de Jane e Paul, dois sobreviventes de uma queda de avião que se encontram em uma montanha gelada e precisam unir forças para se manterem vivos até encontrar alguém que possa ajudá-los a sair do local.

8. Sequestro no Ar (2023)



Sequestro no Ar é o projeto mais recente dessa lista, já que sua primeira temporada foi disponibilizada no Apple TV neste ano e conquistou a atenção de diversas pessoas por conta de sua trama, que já a consideram uma das melhores séries sobre avião.

Como o próprio nome dá a entender, Sequestro no Ar é um suspense policial que narra a história de um voo sequestrado a caminho de Londres. Enquanto tudo isso acontece, as autoridades em solo buscam uma forma de tentar reverter esse quadro e trazer todos em segurança de volta para terra firme.

9. Manifest: O Mistério do Voo 828 (2018)



Sucesso quando foi lançada, retornou a ser destaque ao ficar disponível na Netflix. E precisamos falar, se você deseja ter um voo tranquilo psicologicamente, nada de maratonar a série antes de viajar. Afinal de contas, ninguém quer chegar ao destino escolhido após 5 anos voando, não é mesmo?

O enredo conta com personagens bem desenvolvidos, que possuem os próprios traumas de vida e ainda precisam lidar com o fato de terem sumido por anos. O voo que os protagonistas estavam era para durar horas, que acabaram se tornando anos. Entretanto, esse "atraso" tem um motivo e é isso que eles devem desvendar.

Quais são os filmes e séries favoritos sobre avião? Compartilhe os títulos com os demais leitores do Minha Série usando as nossas redes sociais. Até uma próxima!

Via Douglas Vieira (TecMundo)

Por que às vezes aparece névoa nas cabines de aeronaves?

Não há nada de perigoso nesta ocorrência ocasional.


Para muitos passageiros, voar pode ser uma experiência assustadora e, para aqueles que não estão familiarizados com as operações técnicas que envolvem aeronaves, a visão de uma cabine cheia de fumaça pode ser extremamente preocupante. Isto ocorre por uma razão justa: a fumaça a bordo de uma aeronave deve aumentar um certo nível de alarme. A fumaça e o que a segue, o fogo, são alguns dos maiores perigos para a segurança dos passageiros a bordo de uma aeronave, e a visão da fumaça geralmente leva ao desvio imediato da aeronave.

Frequentemente, o rápido processo de aquecimento ou resfriamento de uma aeronave pode fazer com que o vapor d'água, ou névoa, encha a aeronave. Como a fumaça e a névoa são relativamente difíceis de distinguir, especificamente no contexto de estar a bordo de uma aeronave, muitos confundem névoa com fumaça e podem ficar imediatamente preocupados. Mas, na realidade, a névoa é relativamente inofensiva e simplesmente demonstra certas condições que envolvem temperatura e humidade.

O que causa a névoa?


Os sistemas de aquecimento e resfriamento de aeronaves operam de maneira drasticamente diferente daqueles em espaços residenciais ou comerciais. Especificamente, devido à imensa disparidade de temperatura entre o interior das aeronaves e o ambiente externo, os sistemas são robustos e gerenciam constantemente a temperatura, o nível de umidade e a pressão do ar na cabine.


Apesar da percepção comum, a névoa em uma aeronave não indica que o sistema de ar condicionado não esteja funcionando como deveria, muito pelo contrário. Em situações em que o ar quente e húmido entra num sistema de ar condicionado, o ar frio forçará imediatamente o ar anteriormente húmido a libertar a sua água, resultando em névoa.

Quando é mais provável que encontre neblina a bordo de uma aeronave?


Mais comumente, a neblina ocorre em situações em que uma aeronave esteve estacionada em um destino quente durante a noite. Manter as aeronaves com ar condicionado quando os passageiros não estão presentes é uma despesa desnecessária para as transportadoras.


Como resultado, quando as companhias aéreas ligam os seus sistemas de ar condicionado em ambientes quentes e húmidos, surge frequentemente uma névoa inofensiva. Em última análise, esta névoa não indica perigo para os passageiros a bordo de uma aeronave, e os pilotos experientes passaram a não se preocupar com tal vapor.

Como posso saber a diferença entre névoa e fumaça?


Notavelmente, a névoa a bordo de uma aeronave ocorre principalmente ao partir de um aeroporto localizado em um clima quente e úmido, como a Flórida, o Caribe ou o Brasil. Nestes casos, a neblina só deverá ser perceptível no início do voo ou logo após a decolagem.

Além disso, a névoa só deve emergir diretamente das aberturas de ventilação do sistema de ar condicionado da aeronave, normalmente localizadas diretamente acima das janelas ou das aberturas de ventilação pessoais acima do assento do passageiro. 


No entanto, se a fumaça estiver saindo de um local diferente, como um painel elétrico ou do chão, isso pode ser uma indicação mais forte da presença de fumaça. Finalmente, se um passageiro realmente quiser ter certeza de que neblina não é fumaça, o cheiro desta certamente tornaria relativamente fácil descobrir isso.

Por Jorge Tadeu com informações do Simple Flying

Aconteceu em 19 de outubro de 2021: Avião fretado MD-87 transportando fãs de beisebol cai e pega fogo ao decolar


Em 19 de outubro de 2021, o avião McDonnell Douglas MD-87, prefixo N987AK, da 987 Investments LLC (foto abaixo), operava um voo fretado corporativo.


 O avião foi originalmente entregue à Finnair em 1988 com o prefixo OH-LMB. Em seguida, foi vendido para a Aeroméxico em 2000 e passou a usar o prefixo N204AM. A seguir, passou então por diversas outras companhias aéreas antes de entrar em serviço em configuração corporativa com a 987 Investments LLC, como N987AK, em 2015.

A aeronave estava em um voo fretado não regular de Brookshire, no Texas, para Boston, em Massachusetts, ambos nos Estados Unidos, já que os passageiros estavam destinados a ver o Houston Astros jogar em Boston contra o time de beisebol Boston Red Sox na American League Championship Series de 2021. A bordo estavam três tripulantes e 18 passageiros.

A aeronave estava decolando às 10h00 da pista 36 quando ultrapassou a pista, bateu em uma cerca e em uma linha de energia antes de parar, a 500 metros (1.600 pés; 550 jardas) da pista. Imediatamente pegou fogo. 


Todos os 21 ocupantes a bordo escaparam com segurança da aeronave em chamas. Dois ocupantes sofreram ferimentos graves, enquanto um outro ocupante sofreu ferimentos leves.

“Durante a decolagem, parecia uma decolagem normal. Como eu disse, uma vez que ficou atrás dos cabides, não consegui dizer a mim mesmo o que estava acontecendo com a aeronave”, disse o diretor executivo do aeroporto, Andrew Perry. "Deveria estar no ar. Eu sabia que algo estava errado e, alguns segundos depois, vimos a bola de fogo e corremos para o local".


Os serviços de emergência agiram com retardadores de fogo e controlaram com sucesso as chamas dos destroços. A aeronave pegou fogo, deixando apenas a cauda intacta. A aeronave foi danificada sem possibilidade de reparo e posteriormente foi cancelada.

O National Transportation Safety Board (NTSB) iniciou a investigação sobre o acidente. Os gravadores de dados de voo danificados pelo fogo foram recuperados dos destroços do N987AK. 

O gravador de dados de voo da aeronave (esquerda) e o gravador de voz da cabine (direita)
Em novembro de 2021, o NTSB revelou que ambos os elevadores da aeronave estavam presos na posição abaixada. Uma condição semelhante foi encontrada na queda do voo Ameristar Charters 9363, um MD-83, quatro anos antes.


Em 28 de setembro de 2023 o NTSB divulgou a provável causa do acidente. O NTSB afirmou que os elevadores emperrados impediram que o avião girasse durante a decolagem. A condição dos elevadores emperrados foi causada por vento forte enquanto estacionados, como o acidente do voo 9363 da Ameristar Charters em 2017. 


Após o acidente de 2017, a Boeing recomendou procedimentos de pré-voo revisados ​​para detectar elevadores emperrados. Apesar da recomendação revisada, o primeiro oficial não seguiu os procedimentos revisados ​​devido ao seu desconhecimento dos procedimentos atualizados. 


A Everts Air Cargo, seu principal empregador, não baixou nem teve conhecimento do boletim da Boeing. Após o acidente, a Everts Air Cargo atualizou seus manuais e treinamento de pilotos para detectar eventos de bloqueio de elevadores.

Por Jorge Tadeu (Site Desastres Aéreos) com Wikipédia, ASN e baaa-acro

Vídeo: Mayday Desastres Aéreos - Voo Corporate Airlines 5966 - Dialógo Mortal


Aconteceu em 19 de outubro de 2004: Voo Corporate Airlines 5966 - Diálogo Mortal


O voo 5966 da Corporate Airlines foi um voo regular de passageiros de St. Louis para Kirksville, ambos no Missouri, nos Estados Unidos. Em 19 de outubro de 2004, o avião British Aerospace 3201 Jetstream 32EP, prefixo N875JX, da Corporate Airlines (foto abaixo), que operava o voo pela AmericanConnection, caiu ao se aproximar do Aeroporto Regional de Kirksville devido a um erro do piloto. Treze pessoas foram morreram.


O voo 5966 foi uma rota de voo do Aeroporto Internacional St. Louis Lambert em St. Louis, Missouri, para o Aeroporto Regional de Kirksville no condado não incorporado de Adair, também no Missouri, perto da cidade de Kirksville, nos Estados Unidos . 

A Corporate Airlines (mais tarde RegionsAir e agora extinta) voou a rota como parte da rede AmericanConnection, uma afiliada da American Airlines.

O capitão era Kim William Sasse, de 48 anos, ex-instrutor de voo que trabalhava na Corporate Airlines desde 2001. Ele registrou 4.234 horas de voo, incluindo 2.510 horas no Jetstream 32. O primeiro oficial era Jonathan Palmer, de 29 anos, também ex-instrutor de voo. Palmer havia sido contratado pela Corporate Airlines apenas três meses antes do acidente e tinha 2.856 horas de voo, embora apenas 107 delas estivessem no Jetstream 32.

A rota do voo Corporate Airlines 5966
Por ser um pequeno aeroporto regional, Kirksville não possuía um sistema de pouso por instrumentos (ILS). Apesar disso, os pilotos decidiram continuar em vez de desviar para outro aeroporto. O Controle de Tráfego Aéreo (ATC) autorizou o avião a descer de 12.000 para 8.000 em preparação para uma aproximação do Equipamento de Medição de Distância (DME) à pista 36. 

Em 19 de outubro de 2004, às 19h20, os pilotos foram informados de que a visibilidade havia caído para três milhas. Quando a aeronave nivelou a 8.000 pés, o ATC autorizou a descida para 3.000 pés. Após receber os vetores da pista 36, ​​o capitão nivelou a 3.100 pés.

Às 19h30, o avião estava a 11 milhas da pista e liberado para pouso. Flaps e trem de pouso foram acionados para pouso, com a aeronave rastreando o localizador. 

Às 19h36, enquanto o avião descia 1.450 pés, o Sistema de Alerta de Proximidade do Solo (GPWS) da cabine soou "mínimos, mínimos", ao que o capitão pode ser ouvido dizendo: "Não consigo ver o solo". O primeiro oficial disse ainda que também não conseguia ver o solo, mas o avião continuou a perder altitude.

Alguns segundos depois, o comandante disse que tinha as luzes da pista à vista e decidiu prosseguir com o pouso. De repente, o avião bateu no topo de algumas árvores, caiu e pegou fogo. 

que voava na rota caiu ao se aproximar do aeroporto de Kirksville. O acidente matou os pilotos e 11 dos 13 passageiros a bordo. Os dois passageiros sobreviventes ficaram gravemente feridos  


Os dois sobreviventes foram o Dr. John Krogh, que já havia morado em Kirksville, e sua assistente, Wendy Bonham. Krogh sofreu queimaduras e quebrou o quadril, enquanto Bonham teve apenas um braço quebrado.

Alguns dos 13 passageiros eram médicos de outros estados que deveriam participar de um seminário na Universidade AT Still. Entre eles estava Steven Z. Miller, que morreu no acidente. Dr. Miller foi diretor de medicina de emergência pediátrica no Hospital Presbiteriano de Nova York, uma figura proeminente no movimento "humanismo na medicina".

Mapa de assentos do voo 5966 da Corporate Airlines produzido pelo NTSB
O National Transportation Safety Board (NTSB) determinou que a causa provável do acidente foi: "a falha dos pilotos em seguir os procedimentos estabelecidos e conduzir adequadamente uma aproximação por instrumentos de não precisão à noite em condições meteorológicas por instrumentos, incluindo sua descida abaixo da altitude mínima de descida antes que as dicas visuais necessárias estivessem disponíveis (que continuou sem moderação até o avião atingir o árvores) e o seu não cumprimento da divisão de funções estabelecida entre o piloto voador e o piloto não voador (monitorador)."


A análise NTSB do Cockpit Voice Recorder (CVR) sugere que ambos os pilotos estavam olhando para fora da cabine em busca de pistas visuais sobre a localização do aeroporto e não conseguiram perceber o quão baixo haviam descido abaixo da altitude mínima de descida. 


O relatório afirma ainda: "Contribuíram para o acidente a falha dos pilotos em fazer chamadas padrão e os atuais Regulamentos Federais de Aviação que permitem que os pilotos desçam abaixo da altitude mínima de descida em uma região na qual a eliminação segura de obstáculos não é garantida com base na visão apenas das luzes de aproximação do aeroporto. A incapacidade dos pilotos em estabelecer e manter uma atitude profissional durante o voo e a sua fadiga provavelmente contribuíram para a degradação do seu desempenho."


A série de televisão Aircrash Confidential apresentou o incidente no terceiro episódio da 2ª temporada, intitulado 'Pilot Fatigue'.

O acidente também foi apresentado na 23ª temporada, episódio 1 da série de documentários canadenses Mayday, intitulada "Deadly Exchange".


Por Jorge Tadeu (Site Desastres Aéreos) com Wikipédia, ASN e baaa-acro

Aconteceu em 19 de outubro de 1988: Queda do voo Indian Airlines 113 deixa 133 mortos e dois sobreviventes


Em 19 de outubro de 1988, o voo 113 da Indian Airlines foi um voo doméstico operando de Mumbai para Ahmedabad, ambas cidades da Índia, que levava a bordo 135 pessoas, sendo 129 passageiros e seis tripulantes. A tripulação de voo consistia no capitão OM Dallaya e no primeiro oficial Deepak Nagpal.


A aeronave que operava o voo era o Boeing 737-2A8, prefixo VT-EAH, da Indian Airlines (foto acima), entregue à companhia aérea em dezembro de 1970, e que havia acumulado 42.831 horas de voo e 47.647 pousos.

O voo estava programado para decolar às 05h45, mas atrasou 20 minutos devido a um passageiro que não compareceu. A aeronave partiu de Bombaim às 06h05 e às 6h20 a tripulação contatou o Controle de Aproximação de Ahmedabad. 

A rota do voo 113
O METAR das 05h40 foi então transmitido para a tripulação, e novamente às 06h25 o tempo de 06h10, devido à redução da visibilidade de 6 km para 3 km. A autorização para descer para o FL 150 foi dada às 06h32 e a tripulação foi aconselhada a relatar quando a aeronave estava a 1700 pés acima do alcance omnidirecional VHF Ahmedabad (VOR). A visibilidade era de 2.000 m na névoa e o QNH era de 1010. O QNH foi lido corretamente de volta pela tripulação.

O piloto decidiu realizar uma abordagem via localizador DME para a pista 23 e relatou sobrecarga de Ahmedabad às 06h47. A aeronave partiu e relatou estar virando para dentro às 06h50. Esta foi a última transmissão da aeronave para o ATC.

A tripulação de voo não pediu permissão ou autorização para o pouso, nem deu avisos padrão após 1.000 pés. A velocidade da aeronave era de 160 nós, que era maior do que a velocidade prescrita, e o piloto não deveria ter descido abaixo de 500 pés (Altitude Mínima de Descida) a menos que tivesse avistado a pista. 

A conversa entre o piloto e o copiloto no gravador de voz da cabine mostrou que ambos estavam focados em tentar ver a pista e haviam decidido tentar o pouso e na ansiedade de ver o campo, perderam a noção da altitude. Em vez de o piloto em comando se concentrar nos instrumentos, os dois pilotos tentavam avistar a pista sem prestar a atenção necessária ao altímetro.

Às 06h53, a aeronave atingiu árvores e um poste de transmissão de eletricidade de alta tensão e caiu nos arredores da vila de Chiloda Kotarpur, perto da Noble Nagar Housing Society, perto de Ahmedabad. O local do acidente estava a 2.540 metros do final de aproximação da pista 23.

O voo transportou 129 passageiros (124 adultos e 5 crianças) e 6 tripulantes (piloto, copiloto e 4 tripulantes de cabine). Todos os 6 membros da tripulação morreram no acidente. O professor Labdhi Bhandari, do Indian Institute of Management, Ahmedabad foi uma das vítimas mais importantes do acidente. Cinco passageiros sobreviveram ao acidente e foram transportados para o hospital, mas três morreram posteriormente.


Havia um nevoeiro incomum em Ahmedabad na manhã de 19 de outubro. Como recorda Pratapji Ramsinhji Thakore, 45 anos, um agricultor que estava nos campos perto da aldeia de Nana Chiloda: "Eu não conseguia ver além de um metro e meio."

De repente, bem acima dele, ele viu uma enorme aeronave voando anormalmente baixo e emitindo fumaça. “Senti que o céu ia cair”, diz ele, lembrando-se da enorme bola de fogo que floresceu à sua frente no nevoeiro. Ele estava perto o suficiente para ver a aeronave roçar o topo das árvores perto de sua casa, cair em um arrozal, deslizar sobre uma colina, sua asa esquerda ceifando uma árvore babul e bater em um poste elétrico antes de explodir em chamas.

Quando chegou ao local, outros aldeões convergiram. Eles retiraram os cinco sobreviventes (Vinod Tripathi, 52, Jaykrishna Rao, 7, Parag Vasawada, 29, Rajiv Pillai, 32, e Ashok Aggarwal, 28) para longe das chamas, mas não fizeram nenhum esforço para ir além disso. Como diz Otaji Thakore: “Não queríamos tocá-los, caso contrário a polícia teria nos envolvido em algum lafda (problema)”.

Em vez disso, os moradores ligaram para a delegacia de polícia de Narora e para os bombeiros. Mas demoraram mais de uma hora para chegar ao local, embora fique a apenas cinco quilômetros do aeroporto.

A cena do acidente em si foi horrível. Corpos carbonizados estavam espalhados por toda parte e o fedor de carne queimada era insuportável. Entre os escombros estavam seringas, uma impressão de computador da análise de vendas de May e Baker, cartazes do misturador Sumeet, uma garrafa plástica de leite com o bico intacto, uma cópia original de uma proposta da ONGC e, como um lembrete comovente dos limites além dos quais o esforço humano não pode desafiar a gravidade, um folheto de segurança emitido pela Indian Airlines.

Ao meio-dia, Amarsinh Chaudhary, o ex-chefe do PCC (I) Ahmed Patel, o ministro do Planejamento da União, Madhavsinh Solanki, o ministro de Estado da Aviação Civil, Shivraj Patil, e o diretor-gerente da Indian Airlines, Gerry Pais, chegaram ao local. Patil anunciou prontamente um inquérito judicial e uma indenização de Rs 2 lakh aos parentes mais próximos do falecido.

A essa altura, a notícia do acidente começou a se espalhar como um incêndio. Sushant Deshmukh, 32 anos, designer de interiores baseado em Bombaim, esperava que sua esposa e filhos se juntassem a ele em Ahmedabad. Ao saber do acidente, ele ligou freneticamente para Bombaim para perguntar se sua família havia embarcado no IC-113. Ele só respirou novamente quando soube que não.

Mas nem todos tiveram a mesma sorte. Tushar Joshi e sua mãe Chandrika estavam na lista de espera, números 49 e 50. Mas como tiveram que comparecer à última cerimônia de um tio que morreu na noite anterior, a companhia aérea os acomodou. Manoj Kothari, 34 anos, um empresário baseado em Bombaim, que havia comemorado o aniversário de seu primeiro filho após nove anos de casamento na semana anterior, decidiu voar mesmo sendo o número 14 da lista de espera. teve uma reunião urgente. “Deve ter sido o seu destino”, diz um amigo inconsolável, Prashant Chovatia.

A cena no necrotério do hospital civil de Ahmedabad foi horrível. Sangue, intestinos e ossos carbonizados estavam por toda parte. Os corpos estavam torcidos com os membros, firmados pelo rigor mortis, projetando-se grotescamente. Cabeças se abriram, exibindo o interior do crânio, outras estavam sem cabeça. "A visão era insuportável. As autoridades policiais não poderiam ter decidido não fazer autópsias?" perguntou Shyam Waghmode, cujo amigo, Pankaj Bar, morreu no acidente.

A mãe do capitão Nagpal, Kailash, não suportava nem ir ao necrotério. Ela tentou cinco vezes e, chorando copiosamente, retirou-se para os braços reconfortantes de um sobrinho. “Eu simplesmente não consigo acreditar”, disse ela com a voz embargada pelas lágrimas. No dia seguinte, ela visitou o local do acidente e chorou alto, como se repreendesse com raiva as forças que reduziram seu filho a uma mera estatística.

Para aumentar a agonia, Ahmedabad não tinha caixões adequados. No dia seguinte foi Dussehra, o que tornou ainda mais difícil localizar um carpinteiro. Uma igreja enviou alguns, e uma organização voluntária local forneceu a maior parte.

Nessa confusão, surgiu um problema que desafiava a solução: seis corpos foram reivindicados por duas famílias cada. Embora cinco disputas tenham sido resolvidas amigavelmente, uma não foi. Waghmode insistiu que os restos mortais carbonizados de um homem eram de Pankaj Bar. Ele ressaltou que Bar havia furado as orelhas, pois pertencia à tribo Rabari e o cinto que usava lhe foi entregue no balcão de check-in por outro parente.

Sobrevivente acompanhado da família no hospital
Mas os familiares de Jaykrishna Rao, de 7 anos, que sobreviveu ao acidente e lutava pela sua vida, disseram que o corpo pertencia ao seu pai, Bhagwat Rao, um geólogo que trabalhava na Zâmbia. Rao, junto com sua esposa Usha e seu filho mais novo, Jeet, morreram. A avó de Rao implorou aos parentes de Bar: por que não fazer uma cremação conjunta? Mas os parentes de Bar, sendo tribais, queriam enterrar o corpo, enquanto os Raos, sendo hindus, queriam cremá-lo. Por fim, as autoridades intervieram e entregaram o corpo à família Bar, com base nas provas do cinto e do buraco no lóbulo da orelha.

Apenas duas pessoas foram salvas naquele acidente. Um deles foi o empresário têxtil de Gujarat, Ashok Aggarwal e o outro Vinod Shankar Tripathi. Gujarat, Ashok Aggarwal passou por tratamento por cerca de 4 anos e também veio para a América para fazer uma prótese de quadril e morreu em 2020.

Gujarat, Ashok Aggarwal, um dos dois sobreviventes
Mas nada simbolizava tanto a tragédia e a dor como uma jovem viúva, soluçando incontrolavelmente nos braços da mãe, no saguão do aeroporto de Ahmedabad. Seu pai, num gesto de futilidade, ficava dando tapinhas nela e repetindo: "Beti, himmat rakh" ("Filha, tenha coragem").

Vários NOTAMs foram emitidos para o aeroporto de Ahmedabad, especificamente pela ausência de luzes de aproximação; e para a trajetória de planagem estar ausente do Sistema de pouso por instrumentos, deixando apenas o localizador disponível. Isso ainda deixava luzes VASI, VOR, DME e localizador, que eram suficientes para pousar aeronaves mesmo com visibilidade a 1600m. 

A Autoridade Aeroportuária disse que era um requisito obrigatório que o piloto fosse capaz de ver a pista de 500 pés e que se o piloto não tivesse visto a pista, ele nunca deveria ter descido abaixo de 500 pés, e se a pista fosse visível, ele deveria foram capazes de pousar. O fato de a aeronave ter caído a 2,6 km do aeroporto mostra que ele não avistou a pista.

A Autoridade Aeroportuária também afirmou que o VOR deveria estar operacional na época, porque o piloto era capaz de fazer curvas de ida e volta usando o VOR como referência. O localizador também deveria estar operacional e utilizado pelos pilotos, pois a aeronave havia colidido na linha central estendida da pista. 

Dados coletados dos gravadores de voo da aeronave mostram que os pilotos não se certificaram das luzes DME e VASI do aeroporto e, como seus altímetros estavam funcionando corretamente, ignoraram ou não mantiveram conhecimento da altitude da aeronave.

Também foi determinado que o pessoal do aeroporto não fazia medições de alcance visual da pista na situação de visibilidade em declínio, como era seu dever e totalmente dentro de sua capacidade, e, portanto, não apresentava relatórios de RVR aos pilotos.

O Tribunal de Inquérito chegou à seguinte conclusão: A causa do acidente é erro de julgamento por parte do Piloto em comando e também do Co-piloto associado à má visibilidade que não foi repassada à aeronave. Depois de receber o relatório, o Governo da Índia nomeou um comitê para avaliar o relatório com o Conselho Nacional de Segurança de Transporte dos Estados Unidos. O Governo da Índia então aceitou o relatório e fez as seguintes modificações. A causa do acidente é erro de julgamento por parte do Piloto em comando e também do copiloto devido ao não cumprimento dos procedimentos previstos, em condições de pouca visibilidade.

Em 1989, a Indian Airlines ofereceu inicialmente o pagamento de $ 200.000 como indenização total e final para os parentes de cada uma das vítimas, o valor máximo permitido pelas Regras 17 e 22 do Segundo Programa para a Lei de Transporte Aéreo de 1972. Para receber um pagamento mais alto, os demandantes teriam que provar, de acordo com a Regra 25 do referido cronograma, que o dano resultou de um ato ou omissão da companhia aérea feito de forma imprudente e com conhecimento de que o dano provavelmente resultaria, de modo a tornar o limite de responsabilidade ($ 200.000) inaplicável.

Isso foi contestado com sucesso no tribunal civil da cidade de Ahmedabad em 14 de outubro de 2009 e valores mais altos foram concedidos pelo tribunal caso a caso, incluindo fatores como idade do falecido, renda, ocupação, perspectivas futuras e expectativa de vida. Uma bancada composta pelos juízes MS Shah e HN Devani aprovou a ordem e instruiu a Indian Airlines e a Autoridade Aeroportuária da Índia (AAI) a pagar a indenização aos peticionários até 31 de dezembro de 2009. A Indian Airlines pagaria 70 por cento da indenização e a AAI o restante 30 por cento. O valor da indenização seria pago junto com juros de nove por cento ao ano calculados a partir de 1989, quando os peticionários abordaram o tribunal inferior.

A decisão final da Suprema Corte foi esta: "Somos, portanto, de opinião que para o acidente em questão, ou seja, a queda da aeronave da Indian Airlines Corporation Boeing 737 Aircraft VT-EAH em seu voo programado diário IC 113 de Bombaim para Ahmedabad às 0653 IST na manhã de 19 de outubro de 1988 a uma distância de 2540 metros do início da pista 23 do Aeroporto de Ahmedabad em condições de visibilidade ruim, a maior parte vai para o piloto no comando e o copiloto da Indian Airlines. Eles agiram de forma imprudente com conhecimento dos prováveis ​​danos sobre as consequências de seus atos e omissões. Também somos da opinião de que houve alguma negligência por parte da Autoridade do Aeroporto de Ahmedabad em não fornecer o relatório de visibilidade mais recente para a aeronave, obtendo o RVR do escritório meteorológico no aeroporto." (parágrafos 53 a 57 - Tribunal Civil da Cidade de Ahmedabad)

Por Jorge Tadeu (Site Desastres Aéreos) com Wikipédia, ASN e India Today

Aconteceu em 19 de outubro de 1986: Presidente de Moçambique morre em acidente com Tupolev Tu-134


Em 19 de outubro de 1986, um jato Tupolev Tu-134 pertencente à República Popular de Moçambique, transportando o Presidente Samora Machel e 43 outros de Mbala, na Zâmbia para a capital moçambicana Maputo, caiu em Mbuzini, na África do Sul. 

Nove passageiros e um membro da tripulação sobreviveram ao acidente, mas o Presidente Machel e 33 outros morreram, incluindo ministros e funcionários do governo de Moçambique. 

Uma comissão de inquérito culpou o capitão por não reagir ao Sistema de Alerta de Proximidade do Solo . Outros alegaram que a tripulação ajustou os receptores de VOR para a frequência errada, fazendo com que recebessem sinais de um aeroporto diferente, ou mesmo que um farol falso foi instalado para desviar o avião do curso. Embora houvesse suspeitas generalizadas de que o regime de apartheid da África do Sul estava envolvido no acidente, nenhuma evidência conclusiva surgiu.

A aeronave e a tripulação

C9-CAA, a aeronave envolvida no acidente

O avião utilizado para o transporte de Machel naquele dia, era o Tupolev Tu-134A-3, prefixo C9-CAA (foto acima), que foi fabricado pela Tupolev em 1980 de acordo com as especificações para Moçambique. 

Ele voou cerca de 1.100 horas desde o primeiro voo e passou por sua última grande inspeção em agosto de 1984 na URSS. Os registros do serviço indicavam que ele havia sido mantido de maneira adequada e os dados recuperados do Gravador Digital de Dados de Voo (DFDR) mostraram que a aeronave e todos os seus sistemas estavam operando normalmente.

A tripulação de voo de cinco consistia no capitão Yuri Viktorovich Novodran (48), copiloto Igor Petrovich Kartamyshev (29), engenheiro de voo Vladimir B. Novoselov (idade desconhecida), navegador Oleg Nikolaevich Kudryashov (48) e operador de rádio Anatoly Shulipov ( 39), que eram todos funcionários de Estado da URSS que operavam a aeronave para o governo de Moçambique. Tinham bastante experiência tanto em voos diurnos como noturnos em Moçambique e em aterragens no aeroporto de Maputo. 

O voo

Na manhã de 19 de Outubro, Machel embarcou no avião em Maputo e, após uma paragem para reabastecimento em Lusaka, a Zâmbia chegou a Mbala às 11:00. Após o encontro com Kaunda e Dos Santos, Machel e o seu grupo embarcaram novamente no avião e partiram de Mbala às 18h38 para um regresso sem escalas a Maputo. 

A bordo estavam nove tripulantes e 35 passageiros. A previsão do tempo para o voo era favorável, com previsão de chegada às 21h25.

Local do acidente próximo às fronteiras convergentes de Moçambique, Suazilândia e África do Sul

Às 20:46, o voo fez o seu primeiro contato rádio com o Controle de Tráfego Aéreo (ATC) de Maputo, informando a sua posição e que continuava em direção ao farol de navegação VHF Omnidireccional (VOR) de Maputo , mantendo uma altitude de 35.000 pés (11.000 m)) 

Às 21:02 a tripulação comunicou por rádio que estava pronto para começar a descer e, após ter sido instruída pelo controlador de Maputo a relatar o alcance de 3.000 pés MSL ou quando as luzes da pista estavam à vista, iniciou a descida para uma aproximação ILS para a pista 23.

Ao longo dos próximos oito minutos, a aeronave manteve a sua rota necessária para Maputo com pequenos desvios laterais. Então, às 21:10, o avião começou uma curva para longe de Maputo para a direita, durando quase um minuto de duração e uma mudança de rumo resultante de 184° magnético para 221. 

Nesta altura, o Cockpit Voice Recorder (CVR) registou o navegador indicando a distância restante até Maputo como 100 quilômetros (62 mi; 54 nm), depois um comentário do capitão sobre a curva e a resposta do navegador de que o "VOR indica que caminho".

O painel principal de sintonia de rádio para auxílio à navegação a bordo de um TU134 está no painel de instrumentos central. Observe as pequenas janelas numéricas nos mostradores de ajuste do VOR (logo abaixo dos cartazes amarelos) colocados em ambos os lados do painel seletor central

Por volta das 21:15 o navegador afirmou que a distância até Maputo era de 60 quilômetros (37 mi; 32 nm). Nos minutos seguintes, houve vários comentários da tripulação indicando que acreditavam que os auxílios à navegação em Maputo estavam indisponíveis: o capitão afirmou que "não há Maputo" e "desligou-se a energia elétrica, pessoal!", enquanto o navegador relatou que o Sistema de Pouso por Instrumentos (ILS) e o Equipamento de Medição de Distância (DME) foram desligados e que as balizas não direcionais (NDBs) não estavam funcionando. 

Autorização de pouso e acidente 

Pouco depois das 21h18, a aeronave atingiu 910 metros (3.000 pés) na sua descida, e a tripulação informou ao controlador de Maputo que estava a manter essa altitude. No entanto, o avião continuou a descer.

O controlador de Maputo concedeu autorização ao voo para uma aproximação ILS à pista 23, mas após a tripulação de voo reportar que o ILS estava fora de serviço, o controlador mudou a autorização para uma aproximação visual à pista 05. Durante este tempo, o navegador declarou a distância até Maputo como 25-30 km (16-19 mi; 13-16 nm), o capitão observou que algo estava errado e o copiloto disse que a pista não estava iluminada. 

A tripulação comunicou-se pelo rádio com o controlador de Maputo e pediu-lhe para "verificar as luzes da pista". Por volta das 21:21, o navegador declarou o alcance até Maputo como 18–20 km (11–12 mi; 9,7–10,8 milhas náuticas), e o voo repetiu o seu pedido a Maputo para verificar as luzes da pista. Ao atingir uma altitude de 796 metros (2.611 pés) AGL, o Sistema de Alerta de Proximidade do Solo (GPWS) soou e permaneceu ligado, e embora o capitão praguejasse, a descida continuou.

Nos últimos 22 segundos do voo, a tripulação comunicou mais duas vezes pelo rádio a Maputo sobre as luzes da pista, afirmando que não estavam à vista, o que acabou por ser reconhecido pelo controlador de Maputo. 

Enquanto isso, o capitão dizia "nublado, nublado, nublado" e o navegador exclamava "não, não, não tem para onde ir, não tem NDBs , nada!". O capitão então acrescentou "Nem NDBs, nem ILS!", Que foram as últimas palavras gravadas no CVR. 

A aeronave primeiro impactou o terreno às 21:21:39,  a aproximadamente 65 quilômetros (40 mi; 35 nm) a oeste de Maputo em uma região montanhosa a uma altitude de 666 metros (2.185 pés). A asa esquerda bateu em uma árvore e a aeronave quebrou antes de escorregar por uma colina, distribuindo os destroços sobre um campo de destroços de 846 metros (2.776 pés) de comprimento.

Dos cinco membros da tripulação de voo, apenas o engenheiro de voo sobreviveu. Todos os quatro tripulantes moçambicanos ficaram mortalmente feridos, assim como 26 dos 35 passageiros.

De acordo com a autópsia conduzida por um patologista sul-africano, Machel morreu instantaneamente. Além de Machel, os mortos incluíam o erudito marxista e diplomata Aquino de Bragança, o possível sucessor de Machel, Fernando Honwana, o secretário de imprensa Muradali Mamadhussein, o fotojornalista Daniel Maquinasse e o ministro dos transportes Alcantara Santos. Um sobrevivente morreram dois meses após o acidente devido aos ferimentos.

Samora Machel, o então Presidente de Moçambique

No momento do acidente, era uma noite muito escura. O último boletim meteorológico transmitido à aeronave indicava 10 quilômetros (5,4 milhas náuticas; 6,2 mi) de visibilidade com 3/8 de cobertura de nuvens a 550 metros (1.800 pés).

Busca e salvamento 

Depois de não ter conseguido contatar o voo pela rádio, o controlador de Maputo alertou as autoridades e unidades militares moçambicanas preparadas para a busca e salvamento. Como a última comunicação de rádio com a aeronave ocorrera quatro minutos antes da hora estimada de chegada, a área de busca inicial foi definida em torno de Maputo. 

Ao longo do resto da noite e de madrugada, helicópteros realizaram missões de busca e salvamento na tentativa de encontrar o avião desaparecido e, para além disso, foi efetuada uma busca marítima à Baía de Maputo, tudo sem sucesso. O local do acidente real foi em um canto remoto e inacessível da África do Sul, a aproximadamente 150 metros (500 pés) da fronteira com Moçambique. 

Um policial foi alertado aproximadamente às 23:00 por um morador de Mbuzini, e o primeiro a responder à cena foi um membro da delegacia de polícia que chegou às 23h40. A primeira equipe médica chegou ao local às 01:00. Pouco depois das 04:00, um helicóptero e uma equipe médica da base da Força Aérea da África do Sul em Hoedspruit chegaram e evacuaram os sobreviventes para o hospital de Nelspruit .

Investigação 

No local, a polícia sul-africana localizou e assumiu a custódia do gravador de voz da cabine (CVR) e do gravador de dados de voo (FDR) (a aeronave estava equipada com FDRs digitais e magnéticos). De acordo com Pik Botha, isso foi devido a suspeitas de que eles poderiam ser adulterados. O acesso da mídia ao site foi limitado a uma equipe da SABC-TV. 

As autópsias foram realizadas em apenas quatro tripulantes de voo mortos e três outros e os corpos voltaram a Moçambique sem a aprovação da SACAA.

À chegada, o ministro moçambicano Sérgio Vieira pediu que lhe fossem entregues os documentos retirados do avião. O comissário de polícia da SA, Johann Coetzee , já tinha feito cópias destes, e os documentos foram transferidos para Vieira.

De acordo com a Lei de Controle Aéreo da África do Sul, os acidentes de aeronaves devem ser investigados pelo Departamento de Transporte da África do Sul. Assim, Pik Botha consultou Hendrik Schoeman do Departamento de Transportes, assim que a morte de Machel foi confirmada. Depois que Botha e Schoeman visitaram o local do acidente, Botha citou circunstâncias especiais e outros protocolos internacionais como razões para se envolver.

Cooperação 

Numa conferência de imprensa a 6 de novembro, Botha anunciou que um documento retirado do avião revelava uma conspiração moçambicano-zimbabuense para derrubar o governo do Malawi. As três equipes internacionais assinaram um protocolo de sigilo em 14 de novembro de 1986, pois os anúncios seletivos de Botha estavam estressando as relações entre as equipes e os governos. 

No entanto, Botha relatou ao jornal Beeld em 24 de novembro de 1986 que tinha ouvido as gravações do controle de tráfego aéreo de Maputo e estudado sua transcrição. Ele os havia adquirido de um representante de relações exteriores da equipe sul-africana.

A diretora Renee van Zyl do Gabinete de Aviação Civil da África do Sul cumpriu uma ordem judicial contra Botha e o SAP e recebeu os dois gravadores às 15h45 de 11 de novembro de 1986. Em 24 de outubro, uma delegação soviética e moçambicana de 26 membros viajou de Maputo para Komatipoort para se juntar à equipe sul-africana que investiga o acidente. Eventualmente, chegou-se a um acordo para que representantes da África do Sul, Moçambique e União Soviética examinassem em conjunto as fitas CVR sob os auspícios da Suíça em Zurique .

Causa provável do acidente

A causa provável do acidente se deveu ao fato de que a tripulação de voo não cumpriu os requisitos de procedimento para uma abordagem de descida por instrumentos, mas continuou a descer sob as regras de voo visual na escuridão e alguma nuvem, ou seja, sem ter contato visual com o solo, abaixo altitude mínima de segurança e, além disso, o alarme GPWS ignorado,

Memorial


O Monumento Samora Machel em Mbuzini, perto de Komatipoort, na província de Mpumalanga, da África do Sul, assinala o local onde o avião que transportava o então Presidente de Moçambique caiu em 1986. Foi declarado Patrimônio Nacional em 2006.

Restos do avião acidentado no Monumento Samora Machel
Por Jorge Tadeu (Site Desastres Aéreos) com ASN, Wikipédia, politicsweb.co.za e baaa-acro

Avião sofre pane, e piloto faz pouso forçado em plantação de milho em Cambé (PR)

Avião havia decolado da região de Ponta Grossa e tinha como destino Ourinhos, no interior paulista. Caso ocorreu na manhã desta quarta-feira (18).


Um avião monomotor precisou fazer um pouso forçado nesta quarta-feira (18), em uma plantação de milho em Cambé, no norte do Paraná, após pane no motor.

De acordo com a Polícia Militar (PM), o piloto contou que saiu da região de Ponta Grossa para Ourinhos, interior paulista.


O homem disse aos agentes que percebeu o problema ao se aproximar do Aeroporto 14 Bis, na zona rural de Londrina, e precisou forçar o pouso, ao lado da Estrada da Prata.

O piloto não ficou ferido.


A corporação isolou o local e aguarda autorização da Agência Nacional de Aviação Civil (ANAC) para fazer a remoção da aeronave.

A suspeita é de que teria uma segunda pessoa no avião e os agentes fazem buscas na região.


Via g1 - Fotos: Reprodução/RPC

Avião faz pouso forçado em rodovia município de Juara, em Mato Grosso


O avião de pequeno porte, fez um pouso forçado de emergência, nesta quarta-feira (18), na MT-338, no distrito de Águas Claras, que pertence ao município de Juara (300 quilômetros de Sinop), em Mato Grosso. Não houve feridos. Duas armas de fogo foram apreendidas e o piloto, de 28 anos, detido em flagrante pelo crime de porte ilegal de arma de fogo.

Conforme o boletim de ocorrência, a Polícia Militar esteve no local e, conforme o relato do piloto, o mesmo solicitou socorro de uma caminhonete e ao vistoriar o veículo, os policiais encontraram uma arma de fogo tipo carabina 38 com 11 munições intactas e uma pistola 9 milímetros com 18 munições intactas e um carregador. Ambas as armas estavam municiadas.


O piloto afirmou que as armas estavam na aeronave. Ele foi conduzido à delegacia de Juara, onde está sendo lavrado o flagrante de prisão pelo crime de porte ilegal de arma de fogo de uso restrito. A Polícia Civil continua as investigações.

Ao Só Notícias, a PM informou que o piloto detalhou que a aeronave apresentou problema mecânico, momento em que houve o pouso de emergência. Moradores e condutores que passavam pelo local registraram a aeronave na pista, que não é pavimentada.

Aeroporto de Goiânia interdita pista após acidente com avião

Aeroporto divulgou que ninguém ficou ferido. Aeronave foi removida e equipes fizeram uma inspeção para avaliação de impactos no solo da pista.

(Foto: Reprodução/TV Anhanguera)
O acidente com um avião de pequeno porte Cessna 152, prefixo PP-NET, da Escola de Aviação Civil PLA, interditou todas as pistas do Aeroporto Internacional de Goiânia, nesta quarta-feira (18).

No avião estavam o piloto e instrutor. Nenhum dos dois ficou ferido. O toque-arremetida, manobra realizada no momento do acidente, é o procedimento usado pelos pilotos para treino dos procedimentos de pouso.

(Foto: Reprodução/@guanabaranoticias)
Ninguém ficou ferido, conforme divulgou o aeroporto. O acidente aconteceu às 12h34, a aeronave foi removida e às 13h44 começou uma inspeção para avaliação de impactos no solo da pista. Às 14h09, as pistas foram liberadas.

Via g1 e Metrópoles