quarta-feira, 28 de setembro de 2022

O verdadeiro motivo para colocar o celular em modo avião quando viajamos

Por que não podemos usar o celular no modo normal, mesmo com
tantos avanços da tecnologia digital nas últimas décadas?
Todos nós que viajamos de avião conhecemos a rotina de cor: "mantenham os encostos das poltronas na posição vertical, suas mesas fechadas e travadas, as persianas levantadas, os laptops nos compartimentos superiores e os aparelhos eletrônicos em modo avião".

Os primeiros quatro parecem razoáveis, certo? As persianas precisam estar levantadas para podermos ver se houver uma emergência, como um incêndio. As mesas precisam estar fechadas e os assentos na posição vertical para podermos sair rapidamente. Os laptops podem virar projéteis em uma emergência e seus locais de armazenagem nos assentos não têm resistência suficiente para contê-los.

E os telefones celulares precisam estar em modo avião para não causarem uma emergência para a aeronave, certo? Bem, isso depende da pessoa para quem você perguntar.

A tecnologia avançou muito


A navegação e a comunicação aérea dependem de serviços via rádio, que são coordenados para minimizar interferências desde os anos 1920.

A tecnologia digital utilizada atualmente é muito mais avançada do que algumas das tecnologias analógicas mais antigas que usávamos 60 anos atrás. Pesquisas demonstraram que os aparelhos eletrônicos pessoais podem emitir um sinal na mesma faixa de frequências dos sistemas de navegação e comunicação das aeronaves, criando o que é conhecido como interferência eletromagnética.

Interferências terrestres podem impedir o uso do celular nos voos fora do modo avião
Mas, em 1992, a Autoridade Federal de Aviação dos Estados Unidos (FAA, na sigla em inglês) e a Boeing, em um estudo independente, pesquisaram a interferência com as aeronaves durante o uso de aparelhos eletrônicos e não encontraram problemas com computadores ou outros aparelhos eletrônicos pessoais durante as fases não críticas do voo (as fases críticas são a decolagem e a aterrissagem).

A Comissão Federal de Comunicações dos Estados Unidos (FCC, na sigla em inglês) também começou a criar faixas de frequências reservadas para diferentes usos — como telefones celulares, comunicações e navegação aérea — a fim de evitar interferências entre eles.

Outros governos de todo o mundo desenvolveram as mesmas estratégias e políticas para evitar problemas de interferência com a aviação. A União Europeia, por exemplo, permite que os aparelhos eletrônicos fiquem ligados desde 2014.

2,2 bilhões de passageiros


Então, por que, com esses padrões globais estabelecidos, a indústria da aviação continua a proibir o uso de telefones celulares?

Um dos problemas é algo que pode ser difícil de imaginar — a interferência com a Terra.

Operadores de aeroportos expressaram sua preocupação com possíveis interferências causadas pela rede 5G
As redes sem fios são conectadas por uma série de torres. Essas redes podem ficar sobrecarregadas se todos os passageiros que voam sobre essas redes terrestres estiverem usando os seus telefones.

O número de passageiros de avião em 2021 foi de mais de 2,2 bilhões — e este número é apenas a metade da quantidade de passageiros verificada em 2019, de forma que as empresas de telefonia podem ter razão neste ponto.

É claro que, quando a questão são as redes móveis, a maior mudança dos últimos anos é o avanço para um novo padrão. As redes sem fios 5G atuais — desejáveis pela sua maior velocidade de transferência de dados — causaram preocupação para muitos na indústria da aviação.

O espectro de rádio frequências é limitado e ainda estamos tentando acrescentar mais aparelhos. A indústria da aviação alerta que a faixa de frequências da rede sem fios 5G fica muito próxima do espectro reservado para a aviação, o que pode causar interferência com sistemas de navegação perto de aeroportos que ajudam na aterrissagem das aeronaves.

Operadores de aeroportos na Austrália e nos Estados Unidos manifestaram preocupações sobre a segurança da aviação com o desenvolvimento do 5G. Mas, aparentemente, o novo sistema vem se desenvolvendo sem problemas na União Europeia.

De qualquer forma, é prudente limitar o uso do telefone celular nos aviões enquanto as questões relativas ao 5G são esclarecidas.

E não podemos esquecer o comportamento dos passageiros


A maioria das companhias aéreas agora fornece aos clientes serviços de Wi-Fi gratuitos ou pagos conforme o uso. E, com as novas tecnologias de Wi-Fi, os passageiros teoricamente podem usar seus telefones celulares para fazer chamadas de vídeo para os amigos ou clientes durante o voo.

O uso de telefones celulares pelos passageiros poderia prejudicar o bom andamento do serviço de bordo
Em uma viagem recente, perguntei a uma comissária de bordo qual a opinião dela sobre o uso do telefone durante os voos.

Ela respondeu que seria inconveniente para os comissários esperar que os passageiros terminassem uma ligação para perguntar se eles queriam alguma bebida ou algo para comer. Em um avião com 200 passageiros ou mais, o serviço de bordo levaria mais tempo se todos estivessem fazendo ligações telefônicas.

Para mim, o problema com o uso de telefones durante o voo é mais sobre a experiência social de ter 200 pessoas ou mais em um avião, todas podendo falar ao mesmo tempo.

Em uma época em que o mau comportamento dos passageiros é cada vez mais frequente, incluindo acessos de raiva durante os voos, o uso do telefone durante a viagem pode ser outro gatilho para alterar toda a experiência de voar.

O mau comportamento assume diversas formas, desde o desrespeito das normas de segurança, como não usar o cinto, discussões verbais com outros passageiros e com os comissários de bordo até discussões físicas com passageiros e comissários — tipicamente chamadas em inglês de air rage, ou "raiva aérea".

Concluindo, o uso de telefones durante o voo atualmente não prejudica a capacidade de operar a aeronave. Mas os comissários de bordo podem preferir não atrasar o oferecimento do serviço de bordo para todos os passageiros — são muitas pessoas para servir.

Por outro lado, a tecnologia 5G está invadindo o espectro de frequências de rádio dos sistemas de navegação das aeronaves. Precisaremos de mais pesquisas para responder à questão da interferência entre o 5G e a navegação aérea durante as aterrissagens.

Lembre-se de que, quando discutimos as duas fases mais críticas do voo, as decolagens são opcionais — mas as aterrissagens são obrigatórias.

Via BBC - Por Doug Drury é professor e chefe de aviação da Universidade Central de Queensland, na Austrália - Imagens: Getty Images e Thinkstock

Aconteceu em 28 de setembro de 2018: A queda do voo 73 da Air Niugini nas águas da Micronésia


No dia 28 de setembro de 2018, um Boeing 737 em uma viagem de salto de ilha pela Micronésia inesperadamente bateu nas águas azuis brilhantes da Lagoa Chuuk durante a aproximação final, parando 140 metros antes da pista. A amarração não planejada pegou os ocupantes de surpresa, e um passageiro que não usava o cinto de segurança bateu com a cabeça e morreu, mas os 46 passageiros restantes e a tripulação escaparam milagrosamente com vida. 

Atordoados pela queda repentina e felizes por estarem vivos, só mais tarde eles perguntariam como foi que um avião moderno equipado com vários sistemas de segurança de última geração poderia simplesmente perder a pista e voar para o mar. 

Os investigadores de Papua Nova Guiné, o estado de registro do avião, se pegaram fazendo a mesma pergunta. O que eles descobriram foi chocante: enquanto um mecânico ficava na cabine com a câmera do smartphone em movimento, os pilotos voaram para dentro de uma nuvem, iniciaram uma descida excessivamente íngreme e ignoraram treze alarmes separados avisando-os de que estavam prestes a cair. 

As descobertas ressaltam a importância do treinamento completo de pilotos em um mundo onde as tecnologias avançadas de segurança da aviação estão cada vez mais fornecendo uma ilusão de invulnerabilidade.


A Air Niugini é a companhia aérea de bandeira estatal da ilha do Pacífico Ocidental Papua-Nova Guiné (“Niugini” é a grafia padrão de “Nova Guiné” em Tok Pisin, um crioulo com sede no inglês que serve como a língua franca mais usada no país).

A companhia aérea foi fundada em 1973, dois anos antes da independência de Papua-Nova Guiné, e continua operando desde então, oferecendo voos para destinos não atendidos dentro da Nova Guiné, bem como para vários países ao redor do Pacífico por meio de seu hub em Port Moresby, a capital. 

Embora Papua-Nova Guiné seja um dos países mais pobres e menos desenvolvidos do planeta, a Air Niugini tem um bom histórico de segurança; em 2018, ele operou por 45 anos sem uma única fatalidade, graças em grande parte à aceitação altruísta da companhia aérea da ajuda de especialistas australianos.


Entre os aviões da frota da Air Niugini em 2018 estava o Boeing 737-8BK (WL), prefixo P2-PXE (foto acima), de próxima geração. O proprietário do avião era na verdade a Loftleiðir Icelandic Airlines, mas a transportadora islandesa estava alugando o avião para a Air Niugini desde que o adquiriu no verão de 2013. 

Em 28 de setembro de 2018, este avião estava programado para operar um voo da ilha de Pohnpei nos Estados Federados da Micronésia, a Port Moresby com escala nas Ilhas Chuuk. Os Estados Federados da Micronésia são um país da Oceania, localizado principalmente ao norte e nordeste da Nova Guiné, consistindo em cerca de 600 pequenas ilhas e atóis de coral, que somam uma área de terra com pouco mais da metade do tamanho da cidade de Nova York, mas espalhados a uma distância de 2.700 quilômetros. 

A população do país é de apenas cerca de 100, 000 e não tem nenhuma companhia aérea regular doméstica. No entanto, os aviões são o único meio de transporte conveniente entre as ilhas e de e para os países vizinhos, então a Air Niugini e a transportadora norte-americana United Airlines entraram em cena para oferecer voos domésticos conectando as ilhas de Pohnpei, Kosrae e Chuuk.


Sob o comando de um capitão da Papua Nova Guiné de 52 anos e de seu primeiro oficial australiano de 35 anos, o P2-PXE chegou a Pohnpei, onde fica a capital e centro administrativo da Micronésia, em algum momento depois das 22h da noite de setembro 27º. 

Por volta das 9h da manhã seguinte, os pilotos estavam de volta ao avião, supervisionando o embarque de 35 passageiros para o voo 73 da Air Niugini para Chuuk e Port Moresby. Como esse voo era um serviço público e não uma tentativa de gerar receita, não era grande coisa que o avião estivesse apenas um quinto cheio. 

No entanto, apesar do baixo número de passageiros, o avião transportava uma tripulação invulgarmente grande de doze, incluindo os dois pilotos, um chefe de carga, um engenheiro de solo, quatro comissários de bordo regulares, um comissário de bordo estagiário e instrutor, uma comissária de bordo monitorando o treinamento processo, e um observador monitorando a aeromoça do cheque. 

O engenheiro instalou-se no assento auxiliar da cabine, mas o chefe da carga e um dos funcionários do check-in sentaram-se na primeira classe (que continha apenas um passageiro pagante) porque não havia assentos suficientes para a tripulação no avião para lidar com tantos membros da tripulação .


O voo de aproximadamente uma hora prosseguiu normalmente, enquanto o Boeing 737 subia até sua altitude de cruzeiro de 40.000 pés, permanecia lá por alguns minutos e então começava a descer em direção a sua escala em Chuuk. O atol de Chuuk consiste em 57 ilhas montanhosas que se erguem das águas da Lagoa de Chuuk, uma área de águas rasas delimitada por um quebra-mar de coral de 225 quilômetros de comprimento. 

O principal centro de transporte do atol é o Aeroporto Internacional de Chuuk, uma pequena pista de pouso única em Weno, um vilarejo na ilha de mesmo nome, que com 13.700 habitantes é a maior cidade dos Estados Federados da Micronésia. 

Devido à sua localização isolada, a área recebe relativamente poucos turistas, mas dentro da comunidade internacional de mergulho é bem conhecida por sua abundância de naufrágios japoneses da Segunda Guerra Mundial.


A bordo do voo 73, os pilotos decidiram se aproximar da Pista 4 do Aeroporto Internacional de Chuuk pelo sudoeste usando a abordagem RNAV publicada. Uma abordagem RNAV, uma inovação relativamente moderna, permite que um avião faça uma aproximação usando GPS sem referência a auxílios à navegação baseados em terra, como balizas não direcionais e sistemas de pouso por instrumentos. 

Voar em uma abordagem RNAV é tão simples quanto chamar o conjunto apropriado de waypoints GPS e suas altitudes de cruzamento no computador de voo; a abordagem pode então ser executada automaticamente pelo piloto automático ou manualmente seguindo as instruções geradas por computador com base no plano de GPS. 

Os pilotos aparentemente ficaram tão confiantes na técnica que nunca conduziram um briefing de abordagem formal, que cobriria os parâmetros exigidos em detalhes consideráveis. Durante o cruzeiro, o primeiro oficial usou a “Ferramenta de desempenho operacional” da Boeing, um aplicativo que ele instalou em seu iPad, para calcular a configuração de pouso necessária. 

O aplicativo não havia sido aprovado pela companhia aérea para uso em operações de linha, mas o primeiro oficial aparentemente se acostumou com ele mesmo assim. Ele avisou ao capitão que eles precisariam pousar com os flaps estendidos para 40 graus, o máximo permitido, a fim de desacelerar para o pouso na pista muito curta em Chuuk, e o capitão concordou sem hesitar.

Acima: uma imagem tirada de vídeo da cabine
Ao contrário do resto da frota da Air Niugini, P2-PXE também veio com um Sistema de Navegação de Aproximação Integrado, que poderia simular os componentes de um sistema de pouso por instrumentos (ILS), a fim de fornecer à tripulação mais informações sobre sua posição durante uma abordagem que faltou um ILS real. 

Em uma abordagem ILS regular, os faróis baseados no solo produzem um localizador e um glide slope, um par de sinais que podem ser captados pelos instrumentos do avião para produzir um caminho de descida preciso que leva diretamente ao limiar da pista. 

Mas com o IANS instalado, os pilotos voando em uma aproximação de RNAV em um aeroporto sem ILS (como Chuuk) poderiam receber indicações de instrumentos mostrando sua localização em relação a um localizador imaginário e declive, permitindo-lhes manobrar mais facilmente o avião na trajetória de pouso precisa. 

Enquanto o voo 73 descia em direção a Chuuk no piloto automático, o avião girou para seguir os waypoints do GPS para se alinhar com a pista, interceptando no processo o localizador imaginário exibido nos instrumentos dos pilotos. Enquanto eles passavam por 4.100 pés, o capitão disse: "Ok, estamos no RNAV em 041 e irei para 1.000." No assento de salto, o engenheiro puxou seu smartphone e começou a filmar a aterrissagem, capturando uma visão cristalina do painel de instrumentos quando o avião começou sua aproximação final.


No início, tudo parecia estar indo de acordo com o planejado. Seguindo os dados de navegação vertical programados, o piloto automático colocou o avião em uma trajetória de descida de três graus em direção à pista, no processo de alinhamento com a inclinação de planeio imaginária gerada pelo IANS. 

Embora o radar meteorológico mostrasse uma pequena mas intensa célula de tempestade movendo-se entre eles e o aeroporto, os pilotos pareciam despreocupados.

“Deve ser uma tempestade, mas logo vai acabar”, comentou o capitão. 

“Ah, provavelmente vamos cair nos PAPIs”, disse o Primeiro Oficial. 

O PAPI, ou Indicador de Caminho de Aproximação de Precisão, era um conjunto de quatro luzes no lado esquerdo da pista que mostraria branco se estivesse muito alto, vermelho se estivesse muito baixo e ambos se estivessem em curso.

“Tudo bem, flaps 30, flaps 40,” o Primeiro Oficial continuou, fazendo as alterações finais de configuração para o pouso. 

“Verificações de pouso”, disse o capitão. 

“UM MIL”, disse uma voz automática, chamando sua altitude.

“Ok, estável,” disse o Primeiro Oficial. 

Eles estavam em curso e configurados para pousar. 

“Continue”, declarou o capitão. 

"E visual, base de nuvem 900”, disse o primeiro oficial, avistando a pista enquanto eles rompiam uma camada baixa e nublada a 300 metros. 

Nesse ponto, a extensão dos flaps para 40 graus aumentou a quantidade de sustentação gerada pelas asas e fez com que o avião subisse ligeiramente acima da inclinação de planagem imaginária de 3 graus. 

Com o aeroporto à vista, o Comandante decidiu assumir o controle manual para voltar ao curso. “Vou voltar ao perfil”, anunciou ele, desconectando o piloto automático a uma altura de 677 pés acima do solo. Para voltar ao declive, ele abaixou-se e aumentou a razão de descida.


Em torno da borda do poço de chuva, os pilotos ainda eram capazes de ver as luzes de borda da pista e as luzes PAPI, mas seu campo de visão estava se estreitando. 

“Ok, pousando”, disse o capitão. 

“Visual, um vermelho, três brancos,” o Primeiro Oficial anunciou. 

O PAPI estava mostrando três luzes brancas, indicando que elas estavam um pouco altas. 

De repente, o avião entrou no poço de chuva e todas as referências visuais desapareceram. Chuva intensa e vento varreram o avião, mas os pilotos mal reagiram. 

“MÍNIMOS”, disse a voz automatizada do Sistema de Alerta de Proximidade do Solo Aprimorado (EGPWS), informando à tripulação que eles haviam atingido a altitude mínima de descida para a aproximação. 

Nesse ponto, eles foram obrigados a abandonar a abordagem caso não conseguissem ver a pista, mas os pilotos continuaram descendo. Eles acabaram de entrar na pista há um momento - certamente ela voltaria à vista em breve, eles devem ter pensado. Mas isso não aconteceu. 

Descendo a mais de 1.000 pés por minuto de uma altura de menos de 500 pés acima da água, o voo 73 passou de volta pela encosta de planagem imaginária e começou a cair abaixo dela. 

“SINK RATE! SINK RATE! SINK RATE! ” berrou o EGPWS. 

Mas os pilotos o ignoraram.

“Eu só quero entrar no perfil”, disse o Capitão. 

“GLIDESLOPE”, pronunciou o EGPWS. “GLIDESLOPE! GLIDESLOPE! ” 

O avião tentava freneticamente avisar os pilotos que eles estavam descendo abaixo do caminho de descida de 3 graus. Seus instrumentos mostraram claramente que eles estavam muito baixos. As palavras “PULL UP” apareceram em vermelho em suas exibições de voo principais. Mas os pilotos pareciam alheios ao perigo.

Enquanto o avião avançava em direção às águas da Lagoa Chuuk, o EGPWS continuava a berrar: “SINK RATE! SINK RATE! ” 

“Tudo bem, só irei um pouco mais”, disse o Capitão, esperando estourar o outro lado da tempestade a qualquer momento. 

“GLIDESLOPE! GLIDESLOPE!” 

“Está vendo a pista?” o Primeiro Oficial perguntou de repente. O capitão não respondeu.

“Cem”, disseram os EGPWS, novamente chamando sua altitude em pés. “GLIDESLOPE!” 

“Monitore a velocidade no ar, ok, entendi”, disse o capitão.

“GLIDESLOPE! SINK RATE! SINK RATE! ” 

De repente, o primeiro oficial percebeu que eles estavam em perigo mortal. 

"Muito baixo!" ele gritou. “Estamos muito baixos! Estamos muito baixos! Estamos muito baixos! ” 

Mas já era tarde demais. Dois segundos depois, o voo 73 da Air Niugini se chocou contra a Lagoa Chuuk com um respingo poderoso.


A princípio, alguns dos passageiros pensaram que haviam apenas pousado com força, mas essas ilusões foram rapidamente destruídas quando a parte inferior da fuselagem se abriu perto da linha 22 e a água derramou na parte de trás da cabine da classe econômica. 

Ainda avançando com seu próprio impulso, o avião avançou na água por várias centenas de metros, girou mais de 90 graus para a direita e parou a cerca de 140 metros da cabeceira da pista. 

Quase imediatamente, a água na parte de trás da cabine subiu até a altura dos joelhos e, com um coro de cliques, os passageiros desabotoaram os cintos de segurança e correram para as saídas. 


Devido ao baixo volume de passageiros, ninguém estava sentado nas filas de saída de emergência e a fila rapidamente bloqueou o acesso às portas, forçando os comissários de bordo a empurrar a multidão para chegar às saídas sobre as asas. 

Mais atrás, vários passageiros perto da ruptura na fuselagem sofreram ferimentos graves e precisam urgentemente de ajuda. A situação poderia ter ficado feia rapidamente se não fosse pelas ações de testemunhas de raciocínio rápido.

O aeroporto de Chuuk não tinha serviços de resgate aquático, mas um grupo de mergulhadores da Marinha dos EUA testemunhou o acidente, assim como vários residentes locais, que correram para o local em seus próprios navios motorizados. 


Os mergulhadores da Marinha chegaram de barco assim que as primeiras saídas sobre as asas foram abertas, desembarcando na asa parcialmente submersa para ajudar. 

No lado esquerdo do avião, 28 passageiros e dois comissários de bordo desceram da asa e entraram em barcos particulares, enquanto os mergulhadores da Marinha levaram seis passageiros, quatro comissários de bordo e o loadmaster do lado direito. Outros cinco tripulantes foram puxados por velejadores da porta L1 atrás da cabine. 


Em alguns minutos, todos pareciam ter saído do avião; os mergulhadores da Marinha dos Estados Unidos entraram na cabine e não encontraram retardatários aparentes, mas consideraram muito perigoso entrar na cabine traseira agora submersa da classe econômica, que rapidamente se tornou uma armadilha mortal quando o avião escorregou mais fundo na água e o combustível de jato vazou do tanques de asa.

Como o aeroporto de Chuuk não tinha uma área de encontro designada, o transporte das vítimas para o hospital local foi extremamente caótico e ninguém conseguiu fazer uma contagem até muitas horas após o acidente. 

Apesar disso, as autoridades relataram inicialmente que todos os 47 passageiros e tripulantes haviam sobrevivido, um número que foi citado pela mídia de todo o mundo. Mas quando uma contagem foi finalmente realizada naquela noite, os funcionários chegaram a uma conclusão perturbadora: um passageiro, um homem indonésio sentado na fileira 23, estava desaparecido. 


As equipes de resgate inicialmente esperavam que ele pudesse ser encontrado vagando em algum lugar próximo, mas em uma ilha tão pequena não havia muitos lugares onde ele pudesse ter ido, e logo ficou claro que ele não havia chegado a um lugar seguro. Mergulhadores começaram a procurar seu corpo na área próxima ao avião afundado, mas depois de três dias, nenhum vestígio dele foi encontrado.

Por fim, as autoridades locais chamaram uma equipe de mergulhadores japoneses especializados para fazer uma busca no interior do avião, que estava sob cerca de 25 metros de profundidade.

Ao entrar na fuselagem, os mergulhadores japoneses fizeram uma descoberta sombria: o corpo do homem desaparecido estava caído entre as fileiras 22 e 23, bem ao lado da fratura na fuselagem, tendo feito isso a apenas alguns metros de seu assento. Na verdade, ele estivera a bordo do avião o tempo todo. 

Acima: dentro do avião depois que ele afundou
As suspeitas iniciais eram de que o homem havia se afogado ao tentar escapar do avião, mas uma autópsia não revelou sinais de afogamento. Na verdade, ele sofreu lesões faciais e cranianas traumáticas no impacto que o levaram à morte cerca de três minutos após o acidente. 

Embora seus companheiros de viagem o tivessem visto se levantar de sua cadeira, ele aparentemente desmaiou e morreu pouco depois, e enquanto os passageiros corriam para escapar da cauda que afundava, ninguém percebeu. 

Com base na ausência de hematoma do cinto de segurança, presente nos seis passageiros que sofreram ferimentos graves, os patologistas concluíram que ele não estava usando o cinto de segurança no momento do impacto, pelo que foi atirado para o assento dianteiro com força suficiente para matá-lo.


Enquanto isso, os investigadores correram para as ilhas Chuuk para iniciar uma investigação sobre o acidente. Inicialmente, a investigação foi conduzida pela Divisão de Aviação Civil dos Estados Federados da Micronésia, com o auxílio da Comissão de Investigação de Acidentes de Papua Nova Guiné, cujos investigadores chegaram ao local no dia seguinte ao acidente. 

No entanto, em fevereiro de 2019, ficou claro que a Micronésia carecia de instalações e conhecimentos para conduzir uma investigação de um grande acidente aéreo, então o país delegou essa responsabilidade a Papua-Nova Guiné.


Pouco tempo depois do acidente, os investigadores descobriram que o engenheiro - a bordo para fazer a manutenção do avião enquanto ele estava em vários aeroportos mal equipados da Micronésia - havia filmado toda a abordagem de 3.000 pés até o impacto enquanto estava sentado no assento traseiro da cabine. 

Além das evidências do gravador de voz da cabine e do gravador de dados de voo, o vídeo ajudou a fornecer aos investigadores uma imagem incomumente completa dos momentos finais do voo 73. A sequência básica de eventos se assemelhava a de vários acidentes anteriores, embora principalmente da década de 1960 e 1970. 

Depois de subir um pouco acima do plano de planagem de 3 graus, o capitão assumiu o controle manual, aumentou a razão de descida e simplesmente falhou em corrigi-lo ao atingir a trajetória adequada. O avião posteriormente desceu ao mar antes da pista. 


O problema é que não estávamos na década de 1960, quando a única coisa que impedia um avião de voar para a água era a vigilância do piloto. Era 2018, e o avião estava equipado com todos os tipos de equipamentos de última geração, desde o Sistema Avançado de Alerta de Proximidade do Solo até a Navegação de Área (RNAV) e o Sistema de Navegação de Aproximação Integrada. 

A uma altura de 1.000 pés, o avião estava em curso e pronto para pousar com todos os sistemas funcionando perfeitamente. Não havia razão para o voo ter terminado da maneira que terminou.


Pela gravação de voz do cockpit, ficou claro que os pilotos ignoraram 13 alertas “SINK RATE” e “GLIDESLOPE” nos momentos que antecederam o acidente. Como os pilotos sobreviveram ao acidente, os investigadores puderam perguntar por que eles fizeram isso. A resposta foi tragicamente simples: os pilotos pensaram que eram avisos incômodos. 

Retroceder o CVR e o FDR de volta à abordagem do dia anterior em Pohnpei confirmou que avisos semelhantes foram gerados nessa abordagem, embora tenha pousado com sucesso. 

Desde o início, os pilotos voaram a abordagem de Pohnpei abaixo do plano de planagem de 3 graus padrão, disparando nada menos que 24 alertas "GLIDESLOPE", mas eles simplesmente falaram por cima deles, engajando-se em uma conversa irrelevante mesmo enquanto o avião tentava desesperadamente para chamar sua atenção. Essa conversa não apenas continuou por meio de vários avisos, mas também violou a regra estéril da cabine, que proíbe discussões não pertinentes abaixo de 10.000 pés. 

Os investigadores não investigaram explicitamente por que os pilotos voaram nesta abordagem anormalmente baixa, mas pode ter sido uma técnica improvisada que os pilotos da Air Niugini desenvolveram para pousar mais perto do início da pista, aumentando a distância de pouso disponível - um importante consideração nos aeroportos apertados da Micronésia, que careciam de áreas desobstruídas.


Por causa dessas descobertas, o fato de que o P2-PXE estava equipado com IANS de repente se tornou bastante importante. O IANS cria um glide slope imaginário onde nenhum glide slope real existe, o que permite que alertas “GLIDESLOPE” sejam gerados pelo EGPWS durante as aproximações de RNAV em Pohnpei e Chuuk. 

Mas P2-PXE era o único avião em toda a frota da Air Niugini equipado com IANS, e os pilotos não eram explicitamente treinados para usá-lo, então o fato de que este avião em particular produzia alertas “GLIDESLOPE” em aproximações de RNAV enquanto outros aviões não poderia ter levado os pilotos a acreditar que os avisos eram um bug em vez de um recurso. 

De fato, em 2016 a Air Niugini havia ordenado a retirada do sistema do P2-PXE para padronizar sua frota, mas o retrofit nunca foi realizado e ninguém na companhia aérea sabia que ele ainda estava instalado.


No entanto, havia uma série de outras pistas que deveriam ter informado aos pilotos que algo estava errado, como os alertas “SINK RATE”, as indicações “PULL UP” em seus visores e o simples fato de estarem em baixa altitude. 

Seu aparente esquecimento a esses sinais de alerta sugeria que os pilotos estavam sofrendo de um caso de visão de túnel. Pouco antes de as coisas darem errado, o avião foi estabilizado na aproximação, a pista estava à vista e os pilotos já haviam mudado mentalmente para a expectativa de um pouso iminente. 

Então, quando o avião repentinamente voou em uma tempestade e a pista desapareceu de vista, os pilotos ficaram presos em seus modos de pensamento previamente estabelecidos, mas agora desatualizados. O capitão já havia mudado para o voo visual, mas quando perdeu de vista a pista, não olhou para trás para seus instrumentos, fazendo com que ele perca a consciência situacional. 

A mesma coisa aconteceu com o Primeiro Oficial, que vinha monitorando sua posição ao observar as luzes do PAPI. A última vez que ele viu o PAPI, ele estava mostrando três luzes brancas - indicando um pouco alto demais - e quando a tripulação o perdeu de vista, a última indicação conhecida ficou em suas mentes mesmo depois de se tornar obsoleto. 

O efeito cumulativo desses fatores foi que os pilotos ficaram fixados em recuperar a referência visual e terminar o pouso, às custas de tudo o mais, incluindo varreduras de instrumentos e tomada de decisões. Tendo perdido a consciência geral da situação, eles falharam em parar a descida até que o avião atingiu a água.


Obviamente, a coisa correta a ser feita pelos pilotos ao perderem de vista a pista seria abandonar a aproximação. É proibido descer abaixo dos mínimos quando a pista não está visível. Continuar descendo sob tais condições é imprudente e irresponsável. 

Além disso, eles deveriam ter antecipado a possibilidade de perder o contato visual quando viram a célula de tempestade no radar, mas o Capitão inexplicavelmente descartou seu significado. 

Embora várias razões para sua decisão de continuar a abordagem sob essas condições pudessem ser propostas, no final do dia este continua sendo o erro mais antigo do livro, a única decisão que matou a maioria dos aviadores e o fato de que um par de aviadores treinou os pilotos fariam isso em 2018, o que sugere que sua educação talvez não tenha enfatizado suficientemente esse ponto.

Como resultado do acidente, a Air Niugini parou de voar no Boeing 737 para Chuuk e Pohnpei, e requisitos de treinamento mais rígidos foram introduzidos para os pilotos que voam para esses aeroportos. 


A companhia aérea também introduziu cenários de "perda repentina de referência visual na abordagem final" no treinamento do simulador, melhorou seu treinamento de resposta EGPWS e mudou-se para garantir que um passageiro sem deficiência esteja sempre sentado em cada fila de saída de emergência, junto com vários outros pontos. 

Os investigadores também recomendaram que a Honeywell, o fabricante do EGPWS, alterasse o regime de alerta para que os pilotos em situações semelhantes recebessem avisos sonoros de "puxar", ou pelo menos uma indicação visual piscante "puxar" que tem mais probabilidade de ganhar os pilotos. atenção que a versão estática que existe atualmente. 

No entanto, a Honeywell respondeu que em um caso como o voo 73 da Air Niugini, um aviso sonoro de "puxar para cima" violaria as diretrizes federais para sistemas de alerta de proximidade do solo, que são projetados para garantir que um aviso de "puxar para cima" seja gerado apenas se a situação for extremamente terrível (garantindo assim que os pilotos não sejam condicionados a ignorar isto). 

O US National Transportation Safety Board, que auxiliou na investigação, também apontou que, em um caso em que os pilotos ignoraram 13 avisos antes de voar para o solo, adicionar mais avisos provavelmente não seria a solução.


No final das contas, os que estavam a bordo do voo 73 da Air Niugini tiveram a sorte de o resultado não ter sido pior. Apesar da falta de preparação para um pouso na água, o avião permaneceu intacto e 46 dos 47 passageiros e tripulantes se afastaram dos destroços. 

Mas o acidente também foi um conto de advertência sobre as limitações da tecnologia. Nenhuma quantidade de aplicativos para iPad, abordagens de RNAV e avisos sofisticados evitou esse acidente clássico de voo controlado no terreno, e a falta de contexto para o Sistema de Navegação de Abordagem Integrada provavelmente ajudou a causar o acidente em primeiro lugar. 

Portanto, embora a tecnologia possa e reduza os acidentes, muito ainda depende da maneira como é usada, e os pilotos e as companhias aéreas não devem considerar isso garantido. Nas circunstâncias certas, com a combinação certa de condicionamento, arrogância e desatenção, os pilotos modernos ainda podem voar com seus aviões no solo, e ainda é responsabilidade dos pilotos e daqueles que os treinam garantir que um acidente desnecessário como o Air Niugini o voo 73 não acontece novamente.

Edição de texto e imagens por Jorge Tadeu (Site Desastres Aéreos)

Com Admiral Cloudberg, Wikipedia e ASN - Imagens: Marinha dos Estados Unidos, Air Niugini, Randall Munro, Google, Wikimedia Aotearoa, FAA, Comissão de Investigação de Acidentes de Papua Nova Guiné, James Yaingeluo, Guam Daily Post, Loop PNG e Reuters. Vídeo cortesia da Comissão de Investigação de Acidentes de Papua Nova Guiné e da Marinha dos Estados Unidos.

Aconteceu em 28 de setembro de 2012: Voo Sita Air 601 - Grave acidente após a decolagem no Nepal


Em 28 de setembro de 2012, o voo Sita Air 601 (ST601) foi um voo doméstico de passageiros do Nepal, operado pela Sita Air, do Aeroporto Internacional Tribhuvan, na capital do Nepal, Catmandu, ao Aeroporto Tenzing-Hillary em Lukla, que levava a bordo 16 passageiros e três tripulantes.

A maioria dos passageiros eram estrangeiros, viajando para Lukla para uma caminhada no Himalaia. A Embaixada Britânica no Nepal confirmou que pelo menos 7 britânicos estavam no vôo. A vítima britânica mais jovem tinha 27 anos, enquanto a mais velha tinha 60. Pelo menos 5 cidadãos chineses e 7 nepaleses estavam a bordo do voo.


O voo 601, operado pelo Dornier 228-202, prefixo 9N-AHA, da Sita Air (foto acima) decolou do Aeroporto Internacional de Tribhuvan às 06h17, horário local. Foi o primeiro voo a partir do Aeroporto Internacional de Tribhuvan naquele dia. Enquanto a uma altitude de 50 pés (15 m), o piloto relatou problemas técnicos com a aeronave e solicitou que voasse de volta para o aeroporto.

A tripulação relatou a Kathmandu que a aeronave pode ter atingido um abutre. Isso foi notado pelo controlador de tráfego aéreo de Katmandu, quando a aeronave começou a balançar e fazer manobras incomuns. 

Três minutos após a decolagem, no caminho de volta ao aeroporto, a aeronave desceu perto do rio Manohara. Em seguida, mergulhou de nariz, errou por pouco uma favela e se espatifou nas margens do rio Manohara, pegando fogo. A parte frontal da fuselagem foi totalmente destruída.


Imediatamente após o acidente, o corpo de bombeiros do Aeroporto de Tribhuvan foi rapidamente implantado. Dezenas de militares e equipes de resgate correram para o local do acidente, embora alguns relatórios afirmem que o corpo de bombeiros demorou mais de meia hora. 


Testemunhas afirmaram que várias pessoas sobreviveram ao acidente e gritavam por ajuda dentro dos destroços em chamas. Os moradores locais queriam ajudar, mas temiam que, se direcionassem água para o motor, ele explodisse.


Quando os serviços de emergência chegaram ao local do acidente, muitas partes do avião foram completamente destruídas. Todas as 19 pessoas a bordo morreram no acidente.


A Autoridade de Aviação Civil do Nepal recebeu ordens para investigar o acidente com a ajuda do Departamento Britânico de Investigação de Acidentes Aéreos. Os investigadores começaram a coletar evidências relacionadas ao acidente. O gravador de dados de voo e o gravador de voz da cabine foram recuperados.

Durante a corrida de decolagem, o clima em Tribhuvan estava em boas condições com boa visibilidade. Com base em entrevistas feitas por testemunhas oculares, a aeronave estava pegando fogo enquanto se espatifava no solo.


Um parente do copiloto do voo 601 disse ter avisado que os voos da companhia aérea costumavam ficar sobrecarregados e que uma favela próxima atraiu pássaros para a pista. No entanto, Sagar Acharya, chefe de segurança de voo da companhia aérea, negou que a aeronave carregue muito peso. 

A maioria dos relatórios afirma que a aeronave sofreu um colisão com um pássaro logo após decolar de Tribhuvan. Relatórios conflitantes afirmam que ela atingiu uma águia negra, enquanto outros afirmam que ela atingiu um abutre. 


Este relatório de colisão com pássaros foi confirmado pelo controlador de tráfego aéreo de plantão, uma vez que o controlador de tráfego aéreo afirmou que o piloto contatou a Torre do Tribhuvan para uma intenção de pouso de emergência devido a "falhas técnicas", possivelmente devido a um colisão com pássaros. 

Com base nas declarações ATC, o motor certo do voo 601 pode ter sido atingido por um pássaro e pegou fogo. Os investigadores mais tarde se concentraram na teoria do ataque de pássaros.


Mais tarde, os investigadores afirmaram que o impacto da colisão com o pássaro pode ter deixado o piloto nervoso. A aeronave mais tarde pegou fogo e, na tentativa de apagar o fogo, o piloto tentou um pouso de emergência no rio Manohara, mas de alguma forma mergulhou de nariz e bateu no campo de futebol.

Com base no relatório preliminar publicado em 30 de setembro de 2012, o pássaro colidiu com o motor direito a cerca de 50 pés acima do solo, fazendo com que alguma parte se separasse do motor. A peça posteriormente impactou a cauda vertical e desativou o leme, cortando os controles do avião. O avião então começou a virar bruscamente. Em seguida, ele saiu do controle e, posteriormente, caiu.


Os investigadores inspecionaram a filmagem CCTV do acidente e notaram que um flash ocorreu no motor direito do voo 601, aproximadamente 5 segundos antes da rotação. Uma testemunha ocular, um piloto profissional, relatou ter notado que a aeronave havia uma tentativa malsucedida de içá-la. O nariz ergueu-se, porém, com a cauda do avião quase atingindo o solo. 

O NAAIC então descobriu que a tripulação chamou "V1" prematuramente, portanto, a aeronave não poderia voar. O NAAIC relatou então que a aeronave não era capaz de manter 77 KIAS em voo nivelado, sugerindo que um motor havia falhado e o outro sofreu uma perda de potência de pelo menos 13%.


Uma análise posterior foi feita pelo NAAIC: “É possível que o pássaro perturbou momentaneamente o fluxo de ar para o motor antes de ser atingido pela hélice, causando uma onda e a suspeita chama vista na filmagem do CCTV, mas o fabricante do motor considerou isso improvável. O fabricante considerou que se o ave tivesse estado suficientemente perto da entrada de ar para perturbar o fluxo de ar, ela teria sido sugada. Se a chama vista no CCTV e o 'estouro' que acompanhava ouvido no CVR fossem evidências de um pico de motor, então outra causa possível é um problema de fluxo de combustível. No entanto, o fabricante também comentou que esse tipo de motor era muito resistente a sobretensões."


Uma investigação posterior descobriu que as hélices do voo 601 não estavam na posição emplumada e estavam operando normalmente. A investigação revelou que o motor não havia perdido toda a potência, mas estava operando com baixa potência. 

As alavancas de impulso na cabine também revelaram que não havia motores que foram desligados pela tripulação durante o incidente. Nenhum resto de pássaro foi encontrado dentro dos motores. No entanto, havia evidências de que a pipa preta havia sido atingida pelas hélices.


De acordo com a planilha de carga do voo 601, o voo decolou com uma massa de decolagem de 5.834 kg e uma massa de pouso estimada de 5.698 kg. A ficha de carga indicava que nenhuma bagagem havia sido carregada, porém os vídeos de vigilância mostraram que a bagagem de cerca de 80 kg foi carregada e não foi retirada antes da aeronave decolar. 

Assim, o peso de decolagem foi corrigido para 5.914 kg usando os pesos padrão do Nepal para passageiros, portanto, a aeronave ficou sobrecarregada. No entanto, a sobrecarga por si só não pode explicar o problema de desempenho, já que uma análise mais aprofundada revelou que uma aeronave muito sobrecarregada teria um desempenho melhor do que o 9N-AHA durante o voo do acidente.


A análise de som do gravador de voz da cabine e as gravações de dados de voo revelaram que o arrasto produzido pela hélice excedeu o empuxo produzido. A investigação declarou mais tarde: "O arrasto de um motor em marcha lenta em voo é maior do que a resistência em um motor inoperante (OEI) e, no caso do 9N-AHA, onde o fluxo de combustível em marcha lenta foi incorretamente ajustado muito baixo, a resistência seria foram ainda maiores em marcha lenta (mais de 350 lb de arrasto - seção de referência 1.16.2). 

Portanto, é possível que em cerca de 6.200 kg com um motor a 100% da potência e um motor em marcha lenta, teria sido insuficiente empuxo para manter 77 kt, e o arrasto adicional em um lado teria afetado a controlabilidade mais do que no caso OEI."

Os investigadores afirmaram que a perda de potência ocorreu em 70 KIAS, enquanto V1 estava em 83 KIAS. Quando uma perda de potência ocorreu abaixo de V1, a tripulação deveria ter rejeitado a decolagem. A tripulação parecia não estar ciente da perda de energia. 


A aeronave continuou a acelerar, embora a uma taxa mais baixa do que durante as decolagens anteriores, tornou-se no ar a 86 KIAS acima de V2 e continuou a acelerar por cerca de 2 segundos, ponto em que a velocidade começou a diminuir continuamente. NAAIC afirmou que a tripulação possivelmente não reconheceu a perda de potência porque ela ocorreu de forma gradual e progressiva ao invés de instantaneamente.

Se ocorrer um mau funcionamento da aeronave na decolagem ou acima de V1, o aeroporto permite que as tripulações de voo continuem a decolagem ou pousem de volta na pista, caso seja longo o suficiente para parar a aeronave com segurança. Uma longa pista estava disponível durante o acidente, o que deveria ter sido suficiente para parar a aeronave. 

No entanto, a tripulação optou por não escolher esta opção e continuou o voo. A investigação afirmou que a tripulação provavelmente optou por não pousar de volta no aeroporto devido à política da empresa de continuar o voo devido a um mau funcionamento do motor igual ou superior a V1.


O NAAIC então concluiu sua investigação da seguinte maneira: "Nenhuma falha foi encontrada em nenhum dos motores, não havia evidência de ingestão de um pássaro no motor. Ambos os motores estavam produzindo baixa potência no impacto, ambas as hélices estavam em sua faixa normal de operação. No entanto, uma redução de potência insidiosa ocorreu a partir de 70 KIAS que passou despercebido pela tripulação. Após a atitude de decolagem fora do campo ter sido definida muito alta para a aeronave manter V2, a velocidade da aeronave caiu abaixo de V2, exigindo mais empuxo do que disponível para acelerar novamente. A investigação não foi capaz de determinar a causa de a redução de empuxo."

Por Jorge Tadeu (com Wikipedia, ASN e baaa-acro)

Vídeo: Mayday Desastres Aéreos - Pakistan voo 268 - Em Busca de Respostas

Aconteceu em 28 de setembro de 1992: Voo PIA 268 - 167 mortos em colisão contra montanha no Nepal

Na segunda-feira, 28 de setembro de 1992, o Airbus A300B4-203, prefixo AP-BCP, da PIA (Pakistan International Airlines) (foto abaixo), partiu às 11h13 (hora local) para realizar o voo 268, de Karachi, no Paquistão, com destino a Kathmandu, no Nepal. 

A bordo da aeronave estavam 19 tripulantes e 148 passageiros. O capitão era Iftikhar Janjua, de 49 anos, que havia realizado 13.192 horas de voo, incluindo 6.260 horas no Airbus A300. O primeiro oficial era Hassan Akhtar, de 38 anos, que tinha 5.849 horas de voo, sendo 1.469 delas no Airbus A300.

Da direita para a esquerda: Primeiro Oficial Farooq Ahmad, Capitão M. Nazeer 'Lala' e Primeiro Oficial Hassan Akhtar
Havia dois engenheiros de voo a bordo (em vez de um), um operando e outro observando. O engenheiro de voo operacional era um homem de 40 anos (não identificado) que tinha 5.289 horas de voo, sendo 2.516 delas no Airbus A300. O engenheiro de voo observador era Muhammad Ashraf, de 42 anos, que havia feito 8.220 horas de voo, incluindo 4.503 horas no Airbus A300.

A parte do voo em rota transcorreu sem intercorrências e a aeronave foi liberada para uma abordagem de 'Sierra' para a pista 02 de Kathmandu. 

Perfil de abordagem Sierra
O voo foi instruído a manter 11.500 pés e reportar a 16 DME (16 milhas do farol VOR/DME, que está localizado 0 , 6 nm antes da pista). 

A abordagem de Kathmandu é muito difícil, uma vez que o aeroporto está localizado em um vale de formato oval cercado por montanhas de até 9.665 pés. A elevação da pista é de 4.313 pés. 

As próximas correções de abordagem para o voo PK268 foram em 13 DME (a 10.500 pés), 10 DME (a 9.500 pés) e 8 DME (a 8.200 pés). Alguns segundos após reportar 10 DME (abordagem que permite que as aeronaves passem sobre a cordilheira Mahabharat, diretamente ao sul de Katmandu, cuja crista está localizada ao norte do ponto de referência da 'Sierra', em uma altitude segura).

Pouco depois de reportar às 10 DME, às 14h30, a aeronave desceu para aproximadamente 7.300 pés (2.200 m) na lateral da montanha de 8.250 pés (2.524 m) em Bhattedanda, chocando-se contra ela e desintegrando-se no impacto, matando instantaneamente todos a bordo. A barbatana caudal separou-se e caiu na floresta na base da encosta da montanha.

Todas as 167 pessoas a bordo morreram. É o acidente de aviação mais mortal que já ocorreu em solo nepalês. Este acidente ocorreu 59 dias após o voo 311 da Thai Airways ter caído ao norte de Kathmandu.

Após o acidente, os militares nepaleses ajudaram os investigadores a encontrar a caixa preta da aeronave . A investigação foi conduzida por Andrew Robinson do Air Accident Investigation Branch (AAIB). A caixa preta foi inicialmente enviada a Paris para decodificação.

No momento do impacto, testemunhas oculares próximas ao local do acidente confirmaram que havia pouco ou nenhum vento, chuva e nenhuma tempestade na área. Os investigadores não encontraram nenhum problema técnico documentado para o A300 e, após considerá-lo como uma causa, posteriormente descartaram o terrorismo.

Embora nenhuma conversa pertinente da cabine de comando tenha sido recuperada do gravador de voz da cabine do voo 268 pelos investigadores do Transportation Safety Board of Canada (TSB), que auxiliou na investigação, os dados recuperados do gravador de dados de voo pelo TSB mostraram que a aeronave iniciou cada etapa de sua descida um passo muito cedo.

Em 16 DME a aeronave estava a 1.000 pés completos abaixo de sua altitude autorizada; em 10 DME (o ponto de referência da Sierra) estava 1.300 pés abaixo de sua altitude liberada. A aeronave se aproximou da Cordilheira do Mahabharat em uma altitude insuficiente e colidiu com a encosta sul. Embora os pilotos do vôo 268 tenham relatado a altitude de sua aeronave com precisão paracontrole de tráfego aéreo , os controladores não fizeram nada para alertá-los de sua altitude inadequada até segundos antes do acidente.

Perfil da abordagem realizada
Os investigadores determinaram que o acidente foi causado principalmente por erro do piloto. A visibilidade era fraca devido ao tempo nublado e o sistema de alerta de proximidade do solo não teria sido acionado a tempo por causa do terreno íngreme.

As placas de aproximação para Kathmandu emitidas para os pilotos da PIA também foram determinadas como obscuras, e os controladores de tráfego aéreo nepalês foram considerados tímidos e relutantes em intervir no que eles viam como questões de pilotagem, como separação de terreno. 

O relatório recomendou que a ICAO revisasse as cartas de navegação e encorajasse sua padronização, e que a abordagem do Aeroporto de Kathmandu fosse alterada para ser menos complexa. 

A PIA pagou e mantém o Parque Memorial Lele PIA em Lele , no sopé de uma montanha cerca de 10 km ao norte do local do acidente. O Wilkins Memorial Trust, uma organização de caridade do Reino Unido que fornece ajuda ao Nepal, foi criado em memória de uma família morta no acidente.

Por Jorge Tadeu (com ASN / Wikipedia / baaa-acro / Site Desastres Aéreos)

Aconteceu em 28 de setembro de 1977: O sequestro do voo 472 Japan Airlines em Bangladesh


Em 28 de setembro de 1977, o McDonnell Douglas DC-8-62, prefixo JA8033, da JAL - Japan Airlines (foto acima), a vindo de Paris, na França, para o aeroporto de Haneda, em Tóquio, no Japão, com 156 pessoas a bordo, realizou uma escala programada em Bombaim, na Índia. 

Pouco depois de decolar de Bombaim, cinco membros armados do JRA, o  Exército Vermelho Japonês, liderados por Osamu Maruoka, sequestraram a aeronave e ordenaram que voasse para Dhaka, em Bangladesh. 

O avião sequestrado em Bangladesh
Em Dhaka, os sequestradores levaram os passageiros e tripulantes como reféns, exigindo 6 milhões de dólares e a libertação de nove membros da JRA presos.

AG Mahmud, como chefe da aeronáutica de Bangladesh, tomou posição na torre de controle do aeroporto, de onde negociou com os terroristas durante três dias. Durante as negociações, um golpe militar também ocorreu, com vários amotinados espalhando-se na pista. 

O porta-voz do refém e Mahmud haviam estabelecido uma relação cordial até então, que foi ameaçada pelos amotinados que escalaram a situação para um tiroteio aberto entre três grupos armados. 

Toda a situação dos reféns foi transmitida ao vivo pela incipiente BTV com o apoio da embaixada japonesa. A BTV, que iria ao ar apenas quatro horas por dia, basicamente se tornou uma emissora 24 horas durante a crise.


O papel de Mahmud em manter a situação sob controle e garantir a vida de cada passageiro levou o governo japonês a conferir a ele a “Ordem do Sol Nascente, Estrela de Ouro e Prata”. Ele foi a pessoa mais jovem a se tornar o chefe da Força Aérea de Bangladesh.

Em 1º de outubro, o primeiro-ministro Takeo Fukuda anunciou que o governo japonês aceitaria as exigências dos sequestradores, com base no princípio de que "a vida de uma única pessoa pesa mais que a terra". Seis dos membros presos do JRA foram então libertados.


Um voo fretado da Japan Airlines transportou o dinheiro e os seis membros da JRA foram liberados para Dhaka, onde a troca ocorreu em 2 de outubro. Os sequestradores libertaram 118 passageiros e membros da tripulação. Em 3 de outubro, eles voaram para a cidade do Kuwait e Damasco, onde libertaram mais onze reféns. Finalmente, a aeronave foi enviada para a Argélia, onde foi apreendida pelas autoridades e os restantes reféns foram libertados. 

O incidente contrastou a abordagem da Europa e dos Estados Unidos de não negociação com terroristas com a abordagem do Japão de apaziguar terroristas, se necessário. Pouco depois do incidente, a Agência Nacional de Polícia do Japão estabeleceu uma Equipe Especial de Assalto para lidar com futuros atos de terrorismo. Vários dos terroristas do JRA envolvidos no sequestro ainda não foram detidos e seu paradeiro atual é desconhecido.

01 de outubro de 1977: Membros liberados do Exército Vermelho Japonês caminham em direção a uma aeronave especial indo para Dhaka, onde a troca seria realizada, no Aeroporto de Haneda em 1 de outubro de 1977 em Tóquio, Japão. Cinco membros do Exército Vermelho Japonês sequestraram o vôo 472 da Japan Airlines em 28 de setembro após decolar de Mumbai, levaram 156 passageiros e tripulantes como reféns e exigiram 6 milhões de dólares americanos e a libertação de nove membros da JRA presos. O governo japonês aceitou as demandas dos sequestradores. (Foto de The Asahi Shimbun via Getty Images)
Osamu Maruoka, que também liderou o sequestro do voo 404 da Japan Air Lines em 1973, escapou e permaneceu fugitivo até 1987, quando foi preso em Tóquio após entrar no Japão com um passaporte falso. Recebendo uma sentença de prisão perpétua, ele morreu na prisão em 29 de maio de 2011. Outro dos sequestradores, Jun Nishikawa, acabou retornando ao Japão, foi preso, condenado e sentenciado à prisão perpétua.

Por Jorge Tadeu (com Wikipedia, ASN, londoni.co)

Hoje na História: 28 de setembro de 1988 - 34 anos atrás, o Ilyushin Il-96 fez seu primeiro voo

(Foto:  Missão Alexander via Wikimedia Commons)
Em 28 de setembro de 1988, exatamente 34 anos atrás, a Associação de Produção de Aeronaves de Voronezh (VASO) construiu o Ilyushin Il-96 quadrimotor de longa distância . A aeronave fez seu primeiro voo do Aeródromo Khodynka, no noroeste de Moscou.

Sob o comando do Herói da União Soviética Stanislav Bliznyuk, a aeronave fez um voo de 40 minutos diretamente sobre os bairros centrais da capital russa. Alimentado por quatro motores turbofan de dois eixos Aviadvigatel PS-90, o avião foi desenvolvido a partir do primeiro avião widebody da União Soviética, o Ilyushin Il-86 . Avanços sobre o antecessor incluíram: uma cabine de vidro, um sistema de controle fly-by-wire, aviônicos avançados e asas equipadas com winglets.

A Rússia ainda usa o Il-96 para transporte VIP (Foto: David McKelvey via Flickr)
Duas versões de aeronaves deveriam ser construídas. O Il-96-300 e o Il-96-300PU. O Il-96 -300 apresentava uma capacidade de passageiros de 262 assentos configurados em um layout de duas classes. Dezoito dos assentos premium apresentavam um espaçamento de assento de 54 polegadas, enquanto os 244 assentos da economia padrão ofereciam um espaçamento de assento de 32 polegadas. Na seção econômica do avião, os assentos são dispostos de forma 3+3+3.

O Il-96-300PU é uma versão altamente personalizada do Il-96 -300 feito para a frota de aeronaves presidenciais russas. Quatro dos aviões foram usados ​​pelo ex-presidente russo Dmitry Medvedev e o atual presidente Vladimir Putin como transporte VIP. A liderança no país de Cuba, administrado por Marxistas-Leninistas, também usa um Il-96 para transporte VIP.

Durante seus testes de voo, o Il-96 realizou vários voos notáveis ​​de longo alcance, incluindo um voo de 9.196 milhas de Moscou a Petropavlovsk-Kamchatskiy e de volta sem pousar em Petropavlovsk. No verão de 1992, um Il-96 voou de Moscou sobre o Pólo Norte até Portland, passando 15 horas no ar.

A cabine de um Aeroflot Il-96 (Foto: Dmitry Petrov via Wikimedia Commons)
A aeronave foi então levada para Yakutsk para testes de clima frio, onde encontrou temperaturas de -58° F, e para Tashkent, no Uzbequistão, onde enfrentou temperaturas de mais de 100 graus Fahrenheit. Após completar com sucesso os testes de voo, o Il-96 recebeu seu certificado de aeronavegabilidade em 29 de dezembro de 1992.

Considerado como o novo avião principal da transportadora de bandeira nacional russa Aeroflot, o primeiro voo comercial do avião foi em 14 de julho de 1993, entre Moscou e Nova York. A aeronave foi então implantada em muitas das rotas de longo curso da Aeroflot. Apesar do pouco interesse do exterior, embora os aviões concorrentes Airbus e Boeing fossem consideravelmente mais baratos, três Il-96 serviram com a transportadora de bandeira nacional de Cuba, a Cubana de Aviación.

Dentro da cabine de uma Cubana Il-96 (Foto: DomodedovoSpotters via Wikimedia Commons)
Infelizmente, o Il-96 nunca se tornou a aeronave produzida em massa que a Rússia esperava que fosse e foi atingida pela crise de 2008. No ano seguinte, em 29 de agosto de 2009, o ministro russo da Indústria e Comércio, Viktor Khristenko, anunciou que a fabricação do Il-96-300 cessaria. A razão era que era inferior aos seus homólogos ocidentais e que o fabricante de aeronaves só podia construir um avião por ano. A decisão foi, no entanto, de continuar produzindo uma versão de carga da aeronave.

Após a anexação russa da Crimeia em 2014, as relações entre a Rússia e o Ocidente azedaram. Em 2015, a Rússia anunciou que poderia construir uma versão melhorada do avião para que a Rússia se tornasse menos dependente da Boeing e da Airbus.

Nunca houve um acidente fatal envolvendo um Il-96 (Foto: Anna Zvereva via Wikimedia Commons)
Em setembro de 2017, Aleksandr Tulyakov, vice-presidente da United Aircraft Corporation da Rússia, anunciou o desenvolvimento de uma aeronave widebody 250-280 com um parceiro chinês. Isso foi pensado para ser um golpe mortal para o programa Il-96, mas dada a situação atual com a Rússia buscando aumentar a produção doméstica de aeronaves, isso pode mudar.

Desde que foi introduzido, apenas 30 Il-96s foram construídos. Dez foram para a Aeroflot e três para a Cubana, das quais duas ainda estão em serviço.

Via Simple Flying