terça-feira, 18 de maio de 2021

Avião de pequeno porte faz pouso e emergência e se incendeia em canavial da cidade de Leme (SP)


Na tarde desta terça-feira (18), um avião agrícola de pequeno porte Piper PA-25 Pawnee, teve de realizar um pouso de emergência em um canavial na cidade de Leme (SP). De acordo com primeira informações, a aeronave pegou fogo e ficou completamente destruída.

Equipes da Polícia Militar e Corpo de Bombeiros, foram acionadas e rapidamente se deslocaram até o local, onde de de acordo com apurações, o piloto saiu ileso do acidente. 


Via gruporioclarosp.com.br (com informações Ederaldo Poy)

LATAM vai expandir sua frota de cargueiros Boeing 767-300F até 2023


O Grupo LATAM anunciou a expansão de sua frota de cargueiros sob a qual agora planeja adicionar 10 cargueiros convertidos Boeing 767-300 Boeing nos próximos três anos. Isso aumentará o tamanho da frota para até 21 cargueiros em 2023 . Espera-se que a primeira aeronave comece a operar em dezembro de 2021.

O plano de crescimento da frota de cargueiros do Grupo inicialmente incluía quatro pedidos firmes de conversão da Boeing e outras quatro opções de conversão. Dois meses após o anúncio inicial, a LATAM exerceu as quatro opções, oito aviões e a conversão de dois Boeing 767-300ERs adicionais. Isso significa que a frota de cargueiros será composta de até 21 aeronaves até o final de 2023. Após a conclusão do plano, o Grupo terá quase dobrado sua capacidade de cargueiros, bem como reduzido a idade média da frota de 17 para 14 anos.

O crescimento de 11 para 21 cargueiros permitirá às subsidiárias de carga do Grupo LATAM expandir e reforçar sua capacidade de, de e dentro da América do Sul, posicionando o Grupo como o principal grupo de operadoras de cargueiros da região. Os primeiros oito aviões foram alocados em mercados que são críticos para os principais segmentos de clientes.

“Em termos gerais, a maior parte do plano se concentra na melhoria da conectividade entre as Américas do Sul e do Norte. Em particular, a capacidade da Colômbia e do Equador será fortalecida para apoiar a indústria de exportação de flores. Também serão reforçados voos adicionais para apoiar as exportações de salmão chileno, bem como o tráfego de importação para o país. A capacidade de e para o Brasil também aumentará à medida que adicionarmos rotas da América do Norte e Europa, impulsionando os mercados de exportação e importação”, disse Kamal Hadad, Diretor de Rede e Alianças da LATAM Cargo.


Hadad acrescentou que a flexibilidade da frota de cargueiros ajudará a LATAM a avaliar uma gama de opções. “Por exemplo, as duas conversões adicionais podem ser usadas para renovar a frota atual ou para iniciar novos projetos de crescimento. O Grupo ainda tem tempo para tomar as decisões relevantes”, concluiu.

A LATAM também anunciou que usará alguns dos 767-300ERs que aguardam conversão em um formato híbrido para beneficiar os clientes em curto prazo. Os assentos serão totalmente retirados de três aviões para essa finalidade, a fim de terem uma carga útil de até 46 toneladas por voo. Dois desses aviões já estão operacionais. O terceiro deverá estar disponível no segundo trimestre de 2021.

Além disso, a LATAM está otimizando a uniformidade em sua frota de produção de 767-300 e cargueiros convertidos para maximizar a capacidade, incluindo a habilidade de transportar mercadorias delicadas.

Piloto levado ao hospital após F-15 se envolver em incidente na pista do Aeroporto MidAmerica, perto de St. Louis (EUA)


Dois pilotos da Força Aérea dos EUA em serviço ativo se ejetaram de uma aeronave McDonnell Douglas F-15QA no aeroporto MidAmerica, perto de St. Louis, em Illinois (EUA) depois que o jato saiu da pista hoje (18). Ambos os pilotos sofreram ferimentos leves.

A causa do incidente está sob investigação, mas a Força Aérea não aterrou seus próprios dois jatos F-15EX, que são baseados no F-15QA , nem emitiu um aterramento de segurança no F-15QA ou aeronave semelhante.

O jato havia sido recentemente aceito pela Força Aérea e seria transferido para o Catar no âmbito do programa de Vendas Militares Estrangeiras.

Os relatórios iniciais indicaram que apenas um membro da tripulação foi ejetado da aeronave. Um dos pilotos recusou o tratamento. O outro foi levado para o hospital.

Imagens da aeronave tiradas pela mídia local mostraram a aeronave fora da pista sem o velame. A Boeing usa a MidAmerica para algumas funções de treinamento do F-15QA. Ela constrói a série F-15 em sua fábrica adjacente a Lambert Field, St. Louis.

Aconteceu em 18 de maio de 2018: 112 mortos na queda do voo 972 da Cubana de Aviación


O voo 972 da Cubana de Aviación foi um voo doméstico regular operado pela companhia aérea mexicana Global Air em nome da Cubana de Aviación, do Aeroporto Internacional José Martí, em Havana, Cuba, para o Aeroporto Frank País em Holguín, também em Cuba.

Em 18 de maio de 2018, o Boeing 737-201 Adv. operar a rota caiu logo após a decolagem, perto de Santiago de las Vegas, a 19 quilômetros do centro da cidade de Havana. 

Daqueles a bordo, 112 morreram e um passageiro sobreviveu com ferimentos graves. Inicialmente havia quatro sobreviventes, mas três deles morreram posteriormente em um hospital local. A maioria dos passageiros a bordo eram cidadãos cubanos, embora a tripulação fosse inteiramente mexicana.
O acidente foi examinado por investigadores de segurança cubanos, com assistência dos Estados Unidos e do México. Embora a Administração Federal de Aviação não tenha jurisdição oficial em Cuba, sua assistência foi voluntária e bem-vinda pelas autoridades cubanas devido à falta de experiência geral dos investigadores locais com aeronaves de fabricação americana. 

Assistência adicional foi prestada pelo México, onde a aeronave foi registrada, e também onde a companhia aérea e a tripulação de voo que possuíam e operavam a aeronave estavam baseadas. A investigação multinacional acabou determinando em setembro de 2019 que a aeronave estava fora do centro de gravidade. Os pilotos não tiveram sucesso na tentativa de remediar problemas relacionados ao desequilíbrio de carga/peso do avião.

Aeronave



A aeronave alugada pela Cubana de Aviación era o Boeing 737-201 Adv, prefixo XA-UHZ, operada pela companhia aérea mexicana Global Air (Aerolíneas Damojh) (foto acima), em um voo doméstico regular de Havana para Holguín em nome da Cubana de Aviación. O voo inaugural da aeronave foi em julho de 1979, e depois de pertencer a várias companhias aéreas diferentes, foi adquirida em julho de 2011 pela Global Air, que começou a operar o avião para a Cubana de Aviación em 2018.

Um comunicado da Global Air disse que sua aeronave havia passado por uma inspeção do governo mexicano em novembro de 2017 e que estava em dia com suas licenças de operação e arrendamento de aeronaves.

Acidente


O voo 972 estava em um voo doméstico para o aeroporto Frank País em Holguín, leste de Cuba. Transportava um total de 113 pessoas - 107 passageiros e seis tripulantes. Todos os passageiros, exceto cinco, eram cidadãos cubanos e todos os membros da tripulação eram mexicanos.


A aeronave caiu perto do aeroporto às 12h08, logo após a decolagem. Testemunhas oculares disseram que o avião fez uma curva incomum após deixar a pista; uma testemunha no solo disse que viu um dos motores do avião pegando fogo. 

O avião colidiu com os trilhos do trem e uma fazenda, e um incêndio irrompeu dos destroços. Ninguém no terreno ficou ferido. Os primeiros respondentes, incluindo bombeiros e equipes médicas de emergência, correram para o local para ajudar nos esforços de resgate.


Todas, exceto quatro das 113 pessoas a bordo, morreram no acidente; no entanto, três dos quatro sobreviventes morreram posteriormente no hospital.

O voo 972 é o segundo acidente aéreo mais mortal em Cuba, superado apenas pela queda do voo Cubana de Aviación 9046 em 1989, que matou 150 pessoas. O principal acidente anterior de aeronave comercial em Cuba foi o voo 883 da Aero Caribbean em 2010.


Imagens de câmeras de segurança do acidente foram divulgadas em 25 de maio, mostrando os momentos finais da aeronave antes do acidente, de um local próximo.

Resposta


O presidente Miguel Díaz-Canel, o ministro da Saúde, Roberto Morales , e outras autoridades locais chegaram ao local para observar e monitorar os esforços de resgate. Família e parentes das pessoas a bordo também se reuniram no local e foram posteriormente levados para o aeroporto.


O país declarou um período oficial de luto das 6h00 de 19 de maio à meia-noite de 20 de maio, com bandeiras a hastear a meio mastro fora das instalações governamentais e militares.

Parentes foram chamados a Havana para identificar os mortos, com a Polícia Nacional Revolucionária os escoltando para limpar o caminho.


Passageiros e tripulantes


A tripulação mexicana era composta por dois pilotos e quatro comissários de bordo, e havia 107 passageiros a bordo. A Secretaria de Comunicações e Transporte do México divulgou um comunicado identificando os membros da tripulação.

Dos 113 a bordo, quatro passageiros sobreviveram inicialmente ao acidente, todos com ferimentos graves, mas um deles morreu horas depois no hospital. Um passageiro que inicialmente sobreviveu ao acidente morreu três dias depois, em 21 de maio, e outro morreu em 25 de maio. 


No total, 112 pessoas, incluindo toda a tripulação membros, foram mortos no acidente. Uma cidadã cubana, permaneceu como o única sobrevivente do acidente. Ela sofreu queimaduras graves, fragmentação da memória, lesão na coluna cervical que a deixou paraplégica, com amputação da perna esquerda, entre outras lesões e complicações que exigiram hospitalização prolongada. Ela recebeu alta do hospital pela primeira vez em março de 2019.

O presidente da Igreja do Nazareno de Cuba confirmou que dez pastores da igreja, e suas esposas, estavam entre os passageiros que morreram no acidente.

Investigação


O presidente Miguel Díaz-Canel anunciou que uma comissão especial foi formada para descobrir a causa do acidente. Tanto o National Transportation Safety Board dos Estados Unidos quanto a Federal Aviation Administration declararam que poderiam oferecer assistência na investigação, se solicitado. 


O fabricante de aeronaves Boeing disse que estava pronto para enviar uma equipe técnica a Cuba "conforme permitido pela lei dos Estados Unidos e sob a orientação do Conselho Nacional de Segurança de Transporte dos Estados Unidos e das autoridades cubanas".

O ministro dos Transportes, Adel Yzquierdo, relatou a recuperação do gravador de dados de voo do local do acidente em 19 de maio. O gravador de voz da cabine foi localizado em 24 de maio. Ambos foram enviados ao National Transportation Safety Board para análise.

Em 19 de maio, o governo mexicano anunciou que sua Autoridade Nacional de Aviação Civil (DGAC) iria iniciar uma auditoria operacional da Global Air para ver se a companhia aérea estava em conformidade com os regulamentos, e, posteriormente, em 21 de maio, as autoridades mexicanas suspendeu temporariamente as operações da Global Air.


Nos dias que se seguiram ao acidente, foram feitas denúncias por ex-trabalhadores e funcionários da Cubana em relação ao histórico de aeronavegabilidade, manutenção e segurança da Global Air. Incidentes envolvendo a Autoridade de Aviação Civil da Guiana e a Diretoria Geral de Aviação Civil do Chile foram relatados: em 2017, por exemplo, o XA-UHZ foi banido do espaço aéreo da Guiana devido à sua tripulação sobrecarregar o avião com bagagens e armazená-lo indevidamente.

Ovidio Martínez López, piloto da Cubana por mais de 40 anos até se aposentar em 2012, escreveu em um post no Facebook que um avião alugado da empresa mexicana pela Cubana sumiu brevemente do radar enquanto sobrevoava a cidade de Santa Clara em 2010 ou 2011, disparando uma resposta imediata das autoridades de segurança da aviação cubana. 


Como resultado, as autoridades cubanas suspenderam um capitão e um copiloto por "graves problemas de conhecimento técnico", e a autoridade de Segurança da Aviação de Cuba emitiu uma recomendação formal para que Cubana parasse de alugar aviões e tripulações da Global Air , escreveu Martínez.

Em 17 de julho, o proprietário da aeronave Global Air divulgou um comunicado que, após estudos dos gravadores de voo da aeronave por especialistas internacionais, a causa do acidente foi determinada como erro do piloto , explicando que os pilotos subiram a uma taxa muito alta, resultando no estolamento da aeronave.

A autoridade de aviação civil do México (DGAC) disse que não levantaria a suspensão das operações da Global Air que a empresa lutava para remover, e que seu homólogo em Cuba, o Instituto de Aeronáutica Civil de Cuba (IACC), que estava liderando a investigação, ainda não divulgou quaisquer conclusões. 

O Sindicato de Pilotos do México, a Asociación Sindical de Pilotos Aviadores (ASPA), disse que a Global Air foi "irresponsável" em divulgar sua declaração antes que a investigação fosse concluída, e que não levou em consideração fatores como distribuição de peso na aeronave ou possíveis falhas de equipamento. O porta-voz da ASPA, Mauricio Aguilera, disse ao jornal local Milenio : "Eles estão apenas procurando defender seus interesses".


Em 16 de maio de 2019, o Instituto Cubano de Aeronáutica Civil divulgou um comunicado que dizia: "A causa mais provável do acidente foram as ações da tripulação e seus erros nos cálculos de peso e equilíbrio que levaram à perda de controle do avião e sua queda durante a fase de decolagem." 

Eles apontam que o número de passageiros na cabine de proa foi dado como 62 quando tinha capacidade para 54, e o peso nos compartimentos de carga estava "incorreto". Os cálculos também mostram que o peso do combustível na decolagem excedeu em cerca de 5.000 libras.

A planilha de carga apresentada à tripulação estimava o peso de decolagem em cerca de 99.900 libras, mas o recálculo pelos investigadores produziu um valor de pouco mais de 104.000 libras, enquanto o peso sem combustível estava errado porque o peso da bagagem foi menor do que o planejado.


Relatório Final


A IACC publicou seu relatório final sobre o acidente em 12 de setembro de 2019. A IACC determinou que a causa mais provável do acidente "foi o colapso da aeronave como resultado de sua entrada em posições anormais imediatamente após a decolagem, durante a decolagem, o que levou à perda de controle do avião devido a uma cadeia de erros, com predomínio do fator humano”.

O relatório afirmou que os fatores humanos que contribuíram para isso foram "principalmente devido a inconsistências no treinamento da tripulação, erros nos cálculos de peso e equilíbrio e os baixos padrões operacionais que foram revelados durante o voo", de acordo com as traduções do OnCuba News e Havana Times.

Por Jorge Tadeu (com Wikipedia, ASN, El País e baaa-acro)

Vídeo: Mayday Desastres Aéreos - Sol Líneas Aéreas 5428 - Queda no Deserto da Patagônia

Via Cavok Vídeos

Aconteceu em 18 de maio de 2011: Voo 5428 da Sol Líneas Aéreas - Tragédia na Patagônia


O voo 5428 da Sol Líneas Aéreas foi um voo de passageiros que caiu perto de Los Menucos, na Argentina, em 18 de maio de 2011, matando todas as 22 pessoas a bordo. A aeronave envolvida, um Saab 340, operava o serviço doméstico regular da Sol Líneas Aéreas de Neuquén a Comodoro Rivadavia.

A investigação a seguir concluiu que o congelamento severo da fuselagem havia levado a uma perda de controle da qual a tripulação foi incapaz de se recuperar. O acidente é o acidente de aviação mais mortal envolvendo um Saab 340.

Histórico do voo



O voo 5428 decolou do Aeroporto Internacional de Rosário às 17h35 hora local (20h35 UTC) em 18 de maio com destino ao Aeroporto Comodoro Rivadavia. O serviço estava programado para passar por Córdoba, Mendoza e Neuquén. Depois de completar sem intercorrências os três primeiros trechos, o Saab 340 decolou do Aeroporto Internacional Presidente Perón, em Neuquén, às 20h05 para sua última etapa.

Por volta das 20h29, enquanto subia em direção ao seu nível de voo designado FL190 (19.000 pés), a aeronave encontrou condições de congelamento e nivelou a 17.800 pés, continuando nesta altitude por aproximadamente 9 minutos. 


Com a persistência das condições de gelo, a tripulação iniciou uma descida para o FL140, mas durante os 7 minutos seguintes, as condições de gelo pioraram significativamente. Pouco depois, o controle da aeronave foi perdido e o Saab 340 atingiu o solo em uma região remota da província de Río Negro , entre as aldeias de Los Menucos e Prahuaniyeu.

A aeronave voava à noite, em condições meteorológicas instrumentais e em área sem cobertura de rádio VHF. Uma chamada de socorro foi recebida pela tripulação de um jato executivo voando na área pouco antes do voo 5428 ser perdido. 

A população local a cerca de 2 quilômetros de distância do local do acidente viu um avião voando extremamente baixo. Alguns momentos depois, eles ouviram explosões e notaram uma fumaça preta saindo do solo. Os bombeiros chegaram ao local três horas depois, sem encontrar sobreviventes, entre os 19 passageiros e o três tripulantes.


Aeronave e tripulação


O avião envolvido no acidente era o duplo turboélice Saab 340A, prefixo N344CA, da Sol Líneas Aéreas (foto abaixo)  com 26 anos de idade. Foi entregue à Comair em 1985. Em 1997, tornou-se N112PX com a Northwest Express. 


Manteve o mesmo registro quando foi para a operadora porto-riquenha Fina Air em 2003 e, posteriormente, quando foi voar para o RegionsAir em 2006. O avião foi armazenado por esta última companhia aérea em 2007 antes de ser comprado pela Sol Líneas Aéreas em Julho de 2010.

A tripulação de voo era composta pelo Capitão Juan Raffo (45), que tinha 6.902 horas de voo (2.181 no Saab 340 ), o Primeiro Oficial Adriano Bolatti (37), que tinha 1.340 horas de voo (285 no Saab 340), e um comissário de bordo.

Passageiros


Um dos passageiros era criança, enquanto os demais eram adultos. Nove passageiros embarcaram no avião em Mendoza, nove em Neuquén e um em Córdoba. Um dos passageiros utilizou passaporte para fins de identificação no balcão de check-in, enquanto os demais utilizaram documentos de identidade do Documento Nacional de Identidad (DNI) argentino. Todos os passageiros tiveram como destino final Comodoro Rivadavia , exceto um deles, que voou de Córdoba a Mendoza.

Investigação


Os gravadores de voo da aeronave foram recuperados dois dias após o acidente. A Junta de Investigaciones de Acidentes de Aviação Civil argentina (JIAAC) abriu uma investigação sobre o acidente. Em setembro de 2011, um relatório preliminar foi emitido, afirmando que a causa do acidente foi um estol devido ao congelamento severo da fuselagem e subsequente perda de controle.


O JIAAC publicou seu relatório final em março de 2015, confirmando as conclusões do relatório preliminar. Não foram encontradas evidências de defeitos técnicos na aeronave. Foi determinado que as condições de gelo encontradas foram tão severas que os sistemas de degelo da aeronave ficaram sobrecarregados. 

No entanto, também foi observado que o gerenciamento da potência do motor e da velocidade no ar pela tripulação de voo era inadequado; em particular, os motores nunca foram ajustados para potência total e a velocidade no ar foi permitida diminuir até que a aeronave estolasse. 

Também foi determinado que os relatórios meteorológicos que a tripulação recebeu pediam uma pequena formação de gelo e, portanto, eles não estavam preparados para as condições que realmente encontraram.


O JIAAC descreveu a técnica de recuperação de estol da tripulação como inadequada para as condições de voo dadas, e emitiu várias recomendações de segurança para as autoridades e organizações da aviação, solicitando um treinamento mais avançado de pilotos em recuperação de falha de aeronave, reconhecimento de estol incipiente e recuperação de estol.

Por Jorge Tadeu (com Wikipedia, ASN e baaa-acro)

Aconteceu em 18 de maio de 1973: Sequestro e explosão a bordo do voo 109 da Aeroflot e deixa 81 mortos

O voo 109 da Aeroflot era um voo doméstico regular de passageiros de Moscou para Chita com escalas em Chelyabinsk, Novosibirsk e Irkutsk. No trecho final da rota, em 18 de maio de 1973, um terrorista sequestrou a aeronave, exigindo um voo para a China; a bomba do terrorista detonou em voo depois que ele foi baleado pelo policial a bordo.


A aeronave envolvida no acidente era o Tupolev Tu-104A, prefixo CCCP-42379, da Aeroflot (foto acima). O layout da cabine originalmente tinha assentos suficientes para 70 passageiros, mas a configuração dos assentos foi alterada para acomodar 85 passageiros. O Tupolev Tu-104 fez seu primeiro voo em 17 de maio de 1958. No momento do acidente, a aeronave sustentava 19.329 horas de voo e 8.841 ciclos de pressurização.

A bordo do avião estavam 72 passageiros, incluindo quatro crianças, e nove tripulantes: Capitão Nikolai Obodyansky, Copiloto Yuri Ponomarev, Navegador Vladislav Baryshnikov, Engenheiro de voo Georgy Kuzenkov, Operador de rádio Nikolai Yefimtsev e as comissárias de bordo Tatiana Evstigneeva, Olga Koritsko e Gennady Grachyov. O voo era monitorado pelo policial Vladimir Yezhikov da Militsiya que o acompanha.

O voo realizou a parte Moscou-Irkutsk da rota sem incidentes. Em 18 de maio às 03h02, horário de Moscouo voo partiu do aeroporto de Irkutsk, com destino a Chita a uma altitude de 9.000 metros. 

Às 03h22 o voo 109 entrou na zona de controle de tráfego aéreo de Chita, e às 03h32 o controlador de tráfego aéreo permitiu que o voo descesse até 3.900 metros. 

Pouco depois, às 03h36, o rádio de voo transmitiu três vezes uma indicação de perigo; a tripulação então informou ao controle de tráfego aéreo que um passageiro na cabine insistiu que o voo mudasse de curso. 

O controlador confirmou o recebimento das informações. Às 03h36m30s, a tripulação informou que manteria um padrão de espera a 6.500 metros; às 03h36m45 o despachante perguntou à tripulação a altitude atual, para a qual eles informaram que aumentariam para 6.600 metros.

Às 03h38 uma transmissão codificada indicando que o voo estava em perigo foi enviada, mas foi interrompida após o nono traço. 

Quando o oficial de segurança a bordo Vladimir Yezhikov atirou no sequestrador, a bomba explodiu. O despachante informou ao voo sua localização em relação ao aeroporto, mas o voo não respondeu; o ponto na tela do radar onde o voo estava apareceu como um borrão antes de desaparecer completamente do radar.

Às 4h55, a tripulação de um helicóptero Mi-8 descobriu os restos da aeronave 97 km diretamente a oeste do Aeroporto de Chita, estendendo-se por uma área de terra com mais de 10 quilômetros de largura. Nenhuma das 81 pessoas a bordo da aeronave sobreviveu.

Cinco testemunhas oculares relataram ter visto e ouvido uma explosão no ar entre 09h35 e 09h45, horário local (03h35 às 03h45 horário de Moscou); de acordo com a comissão responsável pela investigação, a aeronave se partiu no ar em várias seções consistentes com uma mudança brusca de pressão.

A investigação forense revelou que a explosão foi causada pelo passageiro Chingis Yunusogly Rzayev, nascido em Irkutsk em 1941. Quando ele tentou se infiltrar na cabine, o policial Vladimir Yezhikov atirou nas costas dele; a bala atingiu a área do 8º espaço intercostal antes de penetrar no coração. Enquanto Rzayev estava morrendo, ele conseguiu ativar a bomba que trazia consigo, consistindo de 5,5 a 6 kg de TNT. 

O relatório final afirmou que "a causa da queda do avião, que se partiu no ar matando todos os passageiros e tripulantes, foi a explosão de uma bomba por um terrorista que tentou forçar a tripulação a mudar o curso da aeronave."

Por Jorge Tadeu (com Wikipedia)

Aconteceu em em 18 de maio de 1972: Queda do voo 1491 da Aeroflot deixa 122 mortos na Ucrânia


Em 18 de maio de 1972, o Antonov An-10A, prefixo СССР-11215, da Aeroflot (foto acima), realizava o voo 1491, um voo doméstico regular de passageiros do aeroporto Moscou-Vnukovo para o aeroporto de Kharkiv, na antiga União Soviética, levando a bordo 115 passageiros e sete tripulantes.

O avião foi fabricado na planta de aviação de Voronezh, em 3 de fevereiro de 1961. Em 7 de fevereiro de 1961, foi entregue à divisão Kharkiv da Aeroflot. Estava equipado com 4 motores turboélice Ivchenko AI-20. Até aquela data, a aeronave acumulava 11.105 ciclos de voo e 15.483 horas de voo.

A tripulação de voo responsável pela operação da aeronave era do 87º Esquadrão de Voo (Kharkiv United Squadron). O capitão Vladimir Vasiltsov estava encarregado desse voo; o primeiro oficial Andrei Burkovskii, o navegador Aleksandr Grishko, o engenheiro de voo Vladimir Shchokin e o operador de rádio Konstantin Peresechanskii também estavam na cabine de comando.

O voo 1491 decolou do aeroporto de Moscou-Vnukovo às 10h39 a caminho de Kharkiv no SSR ucraniano. Ao descer de sua altitude de cruzeiro de 7.200 metros (23.600 pés) para uma altitude de 1.500 metros (4.900 pés), o Antonov An-10 sofreu falha estrutural, resultando na separação de ambas as asas. 

A fuselagem então mergulhou em uma área arborizada, a 24 km do aeroporto de destino, matando todos os 115 passageiros e 7 tripulantes a bordo da aeronave.

O Pravda informou sobre a queda do voo 1491 logo depois que aconteceu. Na época, era incomum na União Soviética que houvesse relatos na imprensa sobre acidentes aéreos domésticos.

A causa provável do acidente foi determinada como sendo a seção central da asa falhando devido a uma rachadura por fadiga no painel central inferior da asa.

Após este acidente, a Aeroflot encerrou a operação do An-10.

Por Jorge Tadeu (com Wikipedia e ASN)

Aconteceu em 18 de maio de 1958: Acidente com Douglas DC-7 da Sabena em Casablanca


Em 18 de maio de 1958, o Douglas DC-7C, prefixo OO-SFA, da Sabena (foto acima), com origem em Bruxelas, na Bélgica, partiu de Lisboa, em Portugal, após uma escala intermédia de um voo para Leopoldville (atual Kinshasa), no Congo Belga. 

A bordo da aerove estavam 56 passageiros e nove tripulantes. Quando estava em voo, a vibração de um motor forçou a tripulação a desligá-lo. O Casablanca ACC foi avisado de que o voo queria fazer um pouso de emergência por lá. 

Às 04h19 a tripulação tentou uma aproximação a pista 21, mas a aeronave não pousou. Cerca de 600 m além da cabeceira da pista a uma altura de 5 m e com o trem de pouso abaixado e flaps totais, a potência máxima foi aplicada.

O DC-7 então subiu em uma curva acentuada à esquerda. Alcançando uma altura de 25 m, o avião 'apagou', colidiu com edifícios e pegou fogo, matando 52 passageiros e os nove tripulantes. Quatro passageiros sobreviveram ao acidente.

O procedimento correto para dar a volta seria aplicar aceleração total apenas gradualmente, atingindo a velocidade V2; retrair o trem de pouso; e, a 115 kt, retraindo as abas de 50 a 20°.

Erro de julgamento ao reaplicar a potência quando a aeronave não estava na configuração apropriada nem em velocidade suficiente para realizar a tentativa de manobra de segurança.


Por Jorge Tadeu (com ASN e baaa-acro)

Rússia embarca no projeto da primeira missão a Vênus desde a era soviética

De acordo com o chefe do Instituto de Pesquisa Espacial da Academia Russa de Ciências, Lev Zelyony, os principais contornos do programa Venus russo tomarão forma durante o planejamento do projeto.

Estação interplanetária "Venus-D" (Imagem: © NASA / JPL-Caltech)
A Rússia começa a projetar a estação interplanetária automática Venus-D, disse o chefe do Instituto de Pesquisa Espacial da Academia Russa de Ciências (RAS), Lev Zelyony, acrescentando que as negociações com os contratantes estão em andamento.

"Estamos embarcando na engenharia de design. Uma importante reunião entre a administração da RAS e da Roscosmos ocorreu; tomamos uma série de decisões, em particular, sobre o programa Venus", disse Zelyony.

De acordo com o cientista da RAS, os principais contornos do programa veneriano russo vão tomar forma durante o planejamento do projeto. A primeira etapa da exploração planetária será o lançamento da estação interplanetária automática Venus-D. 

Os contratantes do projeto são Lavochkin NPO e o Instituto de Pesquisa Espacial. O planejamento do projeto pode levar dois anos, especulou Zelyony. "Esperamos que a primeira espaçonave voe para Vênus em 2029", disse o cientista.

O programa Venus visa entregar o solo do planeta à Terra. Será realizado após o pouso, exploração da área de pouso e exame de espécime de solo.

Em 2020, Zelyony disse à TASS que a Rússia planeja um novo programa de exploração de Vênus, que envolverá o lançamento de pelo menos três espaçonaves científicas. O Venus-D se tornaria a primeira expedição, programada para o final da década de 2020, disse ele na época, acrescentando que o mais recente programa Venus da Rússia ocorreu durante a era da União Soviética.

Anteriormente, o CEO da Roscosmos, Dmitry Rogozin, disse que a Rússia planeja enviar sua própria missão a Vênus, além do projeto Venus-D conjunto EUA-Rússia. Roscosmos destacou que a Rússia não se recusa a cooperar com os EUA no projeto Venus-D, mas planeja se abster de cooperação internacional em larga escala nesta missão.

Via Agência Tass

Passageiro indisciplinado enfrenta uma multa de $ 52.500 depois de tentar abrir a porta da cabine e atingir um comissário de bordo

Um passageiro de avião que tentou abrir a porta da cabine e acertou um comissário no rosto duas vezes está enfrentando a maior multa do ano da Administração Federal de Aviação: US$ 52.500.


O passageiro em um voo da Delta Airlines em 23 de dezembro de Honolulu para Seattle é um dos quatro “passageiros indisciplinados” que a agência anunciou na segunda-feira que está buscando multas sob sua política de tolerância zero.

O aumento das multas ocorre com o aumento do número de passageiros. Mais de 1,8 milhão de pessoas foram rastreadas no domingo pela Administração de Segurança de Transporte, o maior número desde 8 de março de 2020, quando a agência rastreou mais de 1,9 milhão de passageiros. O número de passageiros de companhias aéreas caiu 61% em 2020.

A agência relata que não rastreou menos de um milhão de pessoas por dia em mais de dois meses, já que o número de passageiros atinge cerca de 70% dos níveis de rastreamento pré-pandemia.

A FAA afirma que o passageiro que enfrenta a maior multa também se recusou a cumprir as instruções dos tripulantes, ameaçou o comissário e escorregou das algemas de plástico durante o voo, que foi recebido pela polícia no momento do pouso.

Embora não esteja claro se essa é a multa mais alta já solicitada pela agência, é a mais anunciada este ano. A maior multa que a agência pode solicitar é de US$ 35.000, mas vários delitos podem resultar em uma pena mais alta, disseram autoridades à CBS News.

A agência também anunciou que está buscando multas contra outros três passageiros, que têm 30 dias para responder à agência. Uma mulher está enfrentando uma multa de US$ 9.000 por continuamente se recusar a usar uma máscara corretamente e xingar comissários de bordo em um voo da Allegiant Air de 15 de fevereiro de Fort. Lauderdale, Flórida, para Knoxville, Tennessee.

Um passageiro em um voo de 5 de fevereiro enfrenta uma multa de US $ 18.500 por trazer sua própria bebida alcoólica a bordo de um voo da JetBlue de Fort Lauderdale para Las Vegas e se recusar a parar de beber quando questionado por comissários de bordo. A FAA diz que ele também tirava a máscara facial e a usava de maneira inadequada, apesar das instruções dos comissários de bordo.

A agência também está buscando uma multa de US $ 27.000 contra um passageiro cujas ameaças de matar alguém e que ele tinha uma bomba em um voo da Southwest em 1º de janeiro de 2020 de Phoenix para Chicago. O voo teve que ser desviado para Oklahoma City e a polícia prendeu o homem quando o avião pousou.


A FAA disse no início deste mês que recebeu mais de 1.300 relatos de passageiros indisciplinados desde fevereiro, disse um porta-voz, e identificou "possíveis violações" em cerca de 370 deles. Até o momento, está buscando 27 ações coercitivas. Em 2019, o último ano completo para o qual há dados disponíveis, a agência processou 142 passageiros indisciplinados.

As próprias companhias aéreas baniram mais de 4.000 passageiros desde que as máscaras entraram em vigor, em fevereiro, segundo dados compilados pela CBS News.

Dos relatórios à FAA, a agência iniciou cerca de 20 casos de execução, disse um porta-voz no início deste mês, e está "preparando uma série de ações adicionais de coação".

Por que a Air France se uniu à KLM em 2003?

Na época da fusão Air France-KLM, a união dessas duas companhias aéreas formava a maior operadora do mundo em receita. Mudou a forma da aviação, não apenas na Europa, mas também nos Estados Unidos. Por que essas companhias aéreas tomaram as decisões que tomaram e seguiram em frente com essa fusão?

Por que a Air France e a KLM se fundiram? (Foto: KLM)

Objetivos estratégicos da KLM


Para entender o ímpeto por trás da fusão da KLM e da Air France, é importante entender de onde essas companhias aéreas vinham. Particularmente, a KLM foi uma das primeiras pioneiras em alianças, vendo o benefício de se alinhar estrategicamente com companhias aéreas de outros lugares, tanto em suas próprias perspectivas de receita quanto para a conveniência de seus passageiros.

A KLM iniciou uma das primeiras alianças verdadeiramente estratégicas através do Atlântico quando se alinhou com a Northwest Airlines em 1991. Começou como um codeshare, mas logo evoluiu para imunidade antitruste e ampla receita e compartilhamento de custos em voos transatlânticos. Uma rede inteira de parceiros de codeshare foi adicionada, incluindo Aer Lingus, Jet Airways, Kenya Airways, Malaysia Airlines, Alaska Airlines, China Southern, Continental e muitos mais.

A aliança 'Wings' viu até mesmo um DC-10 co-branded pintado meio a noroeste e KLM
(Foto: Paul Spijkers via Wikimedia)
Conhecida coloquialmente como a aliança 'Wings', essa cooperação permitiu à KLM preencher seus voos de longa distância saindo de Schiphol com passageiros em conexão, construindo uma das primeiras operações de hub e spoke do mundo. Em 2016, a KLM transportava 30 milhões de passageiros por ano e mais de 630 mil toneladas de carga e correio.

Mas essa não foi a primeira investida da KLM em alianças. Na verdade, a companhia aérea já havia encontrado a Air France em um sentido colaborativo várias vezes antes.

As tentativas de aliança anteriores


Muito antes de 'Wings' ser formado, a KLM e a Air France estavam em negociações para formar uma aliança europeia. Outras partes nas negociações, que ocorreram em 1958, incluíam a Alitalia e a Lufthansa. O plano era criar uma entidade corporativa conhecida como 'Air Union', que ajudaria todas as partes a encher os jatos maiores e mais rápidos, como o 707 e o DC-8, que estavam se tornando a base das viagens.

As negociações chegaram a ponto de abrir uma sede em Paris em 1959. No entanto, a ideia nunca saiu do papel. A KLM saiu em 1959, mas tentou reunir-se com a Luxair em 1962. Mas, a essa altura, o ímpeto havia desaparecido do projeto. Barreiras políticas e financeiras fizeram com que fosse abandonado no início dos anos 60.

O surgimento de jatos maiores e mais rápidos uniu as companhias aéreas europeias,
embora temporariamente (Foto: Lufthansa)
A próxima tentativa de aliança foi em 1994, que pretendia ir mais longe do que apenas uma aliança. Alcazar teria visto várias companhias aéreas se fundindo em uma, incluindo KLM, Swissair, Finnair, SAS e Austrian Airlines. Se tivesse acontecido, teria criado a segunda maior companhia aérea depois da British Airways.

No entanto, uma a uma, as companhias aéreas saíram das discussões. Os únicos dois que falaram foram a Lufthansa e a SAS, que seguiram em frente com uma estreita cooperação e, por fim, deram à luz o que agora é conhecido como STAR Alliance .

O problema da Alitalia


Embora a Wings funcionasse bem para a KLM, ela queria crescer. Em 1999, ela se comprometeu com a Alitalia para formar uma parceria que criaria a maior companhia aérea da Europa. Com a parceira norte-americana Northwest a reboque, incluiria codeshares, integração de programas de passageiros frequentes, acesso aos lounges de cada um dos aeroportos e coordenação de rotas e horários.

A Continental, que na época era 14% controlada pela Northwest, também se juntou à festa. No entanto, tudo encalhou em 2000, quando a KLM rompeu seu vínculo com a Alitalia. A companhia aérea citou 'diferenças culturais' como a causa da ruptura nos relacionamentos, mas, nos bastidores, o governo italiano estava se atrasando em vários aspectos do projeto.

No final, KLM disse 'comeserci' para a Alitalia (Foto: Vincenzo Pace)
O rompimento com a Alitalia custou à KLM € 175 milhões (US$ 214 milhões) em um pagamento de liquidação. Crucialmente, isso custou uma chance importante de expansão. E o que veio a seguir foi provar o ponto de inflexão para a gestão da KLM.

Em 11 de setembro de 2001, colocou aviação contra uma parede. Já enfraquecida pela separação da Alitalia, a KLM se viu em uma situação complicada. Nos dois anos seguintes (ano fiscal de 2002 e 2003), a KLM registrou um prejuízo líquido combinado de € 572 milhões (US $ 700 milhões aproximadamente), e o futuro parecia sombrio. No final de 2002, Leo van Wijk, CEO da KLM na época, disse (conforme relatado por Sveinn Vidar Gudmundsson em seu artigo de pesquisa),

“… Dificilmente existem oportunidades para gerar mais receitas. Não estamos crescendo e tarifas mais altas estão fora de questão neste mercado incrivelmente competitivo. Se você considerar todos esses fatores juntos, verá que nossas perspectivas não são muito brilhantes."

Aliar ou morrer


Para a KLM, era hora de apertar. O mundo estava se precipitando em direção a uma crise financeira global, e a guerra do Iraque estava jogando os preços dos combustíveis para o alto, devorando os poucos lucros que podiam ser assegurados. A liberalização dos direitos de tráfego aéreo intensificou a competição, e a parceria benéfica da KLM com as 'Wings' não era mais suficiente.

A KLM discutiu a possibilidade de ingressar no One World e na SkyTeam, e até considerou a fusão com uma companhia aérea mundial, a British Airways. No entanto, naquela época, o Reino Unido não havia assinado um acordo de 'céu aberto' com os EUA e, como o Departamento de Transporte dos EUA declarou que revisaria os direitos de tráfego de ambas as companhias aéreas em caso de fusão, isso provou ser um intransponível obstáculo.

A British Airways era uma candidata à fusão, mas questões com direitos
de tráfego aéreo interromperam as discussões (Foto: Vincenzo Pace)
A SkyTeam era uma opção atraente. Os parceiros de longa data da KLM, Northwest e Continental, firmaram uma parceria de marketing com a importante companhia aérea SkyTeam Delta . Com a vizinha Air France, sua companhia aérea SkyTeam mais próxima, a KLM estava conversando extensivamente com a companhia aérea parisiense. O que veio a seguir foi uma surpresa.

Embora os espectadores estivessem bastante confiantes de que a KLM realmente ingressaria na SkyTeam, ninguém esperava uma fusão completa com a Air France. O anúncio no final de 2003 criou a maior companhia aérea do mundo em receita e acrescentou 90 rotas para passageiros da KLM e 40 para passageiros da Air France.

Por que mesclar?


A fusão fez sentido por vários motivos, principalmente para reduzir custos em ambas as companhias aéreas. Estrategicamente, a alta administração da KLM havia concluído que só havia espaço na Europa para três grupos de companhias aéreas principais. Para sobreviver, precisava alinhar-se com a British Airways, Lufthansa ou Air France.

Alinhar-se com uma das três grandes companhias aéreas europeias foi um
movimento de sobrevivência para a KLM (Foto: Getty Images)
Do lado financeiro, esperava-se que a fusão produzisse mais € 400 milhões no quinto ano, e € 600 milhões todos os anos depois disso para as contas consolidadas do grupo. A economia de custos também seria obtida através da consolidação de itens como catering, administração de estações e compartilhamento de salas VIP em aeroportos. As companhias aéreas deveriam ser mantidas separadas, mas operar sob o mesmo guarda-chuva - o Grupo Air France-KLM .

No ano seguinte à fusão, a KLM anunciou que havia retornado à lucratividade. Por alguns anos, o grupo combinado teve um desempenho muito bom, ganhando uma receita de € 3,2 bilhões entre 2003 e 2008. Desde 2008, o grupo tem lutado financeiramente , mas isso tem sido tanto resultado de fatores externos e aumento da concorrência de baixo custo quanto uma falha com a fusão.

Embora não tenha sido uma viagem totalmente tranquila , no geral, a fusão da KLM e da Air France provou ser poderosa para ambas as companhias aéreas. Se não tivesse acontecido, a aviação europeia poderia ser muito diferente hoje.

O maior projeto de defesa da Europa custa mais de 100 mil milhões de euros


Depois de alguns retrocessos, França, Espanha e Alemanha já fecharam acordo sobre os próximos passos do avião caça do futuro, naquele que é considerado o maior projeto de defesa da Europa e que custa mais de 100 mil milhões de euros.

O novo avião de combate, com uma versão tripulada e outra não tripulada, pensado para substituir os Eurofighters alemães e espanhóis e os Rafales franceses, deverá estar pronto em 2027. A aeronave deverá ser fisicamente maior do que os atuais caças.

França considera este jato de próxima geração crucial para a Europa, não só para fortalecer a sua autonomia de defesa, como também para enfrentar a concorrência da China, Rússia e Estados Unidos.

“França, Alemanha e Espanha estão a construir uma das ferramentas mais importantes para a sua soberania e para a da Europa no século XXI”, anunciou a ministra francesa das Forças Armadas, Florence Parly, no seu Twitter.

França e Alemanha deveriam ter chegado a acordo no fim de abril, não fosse a disputa sobre como os direitos de propriedade intelectual a atrasar as negociações.


A próxima fase de desenvolvimento do Future Combat Air System (FCAS) deve custar 3,5 mil milhões de euros, a serem divididos igualmente pelos três países, avança a Reuters.

Fotos revelam como leões viajam de avião


ONG especializada em transporte aéreo levou animais para reserva na África do Sul para evitar consanguinidade.

O voo, que ocorreu em 25 de março, foi descrito como "tranquilo" no Instagram da ONG e recentemente viralizou no Facebook.

Os três leões foram levados da Reserva Khamab Kalahari — na fronteira entre a África do Sul e Botswana — para uma outra reserva na África do Sul.

Via R7

O Vídeo da Tensão dos Pilotos Na Arremetida

Via Canal Aviões e Músicas com Lito Sousa

Vídeo: "Avião de Juliette Arremete 2 vezes"

Via Canal Aviões e Músicas com Lito Sousa