sábado, 27 de setembro de 2008

Piloto morre em queda de avião em Massachusetts, nos EUA

A queda de um avião Cesssna 402, da Cape Air, matou o piloto David Willey, de 61 anos, na sexta-feira (26).

O acidente ocorreu em West Tisbury, em Massachusetts (EUA).

Um porta-voz da Cap Air informou que a aeronave havia decolado do Aeroporto de Martha's Vineyard (KMVY) em direção ao Aeroporto Internacional Logan (KBOS) em Boston, para pegar passageiros quando o avião caiu.

A causa do acidente ainda está sob investigação, mas funcionários no Aeroporto de Martha's Vineyard, disseram que havia uma forte chuva e muito vento quando o avião decolou.

Fontes: Cape Cod Times / ASN - Fotos: Steve Heaslip (Cape Cod Times)

Avião cai em escola peruana e mata dois

Acidente aconteceu em Lima, capital peruana.

Crianças estavam no local, mas não foram feridas.

Duas pessoas morreram neste sábado (27) quando um avião ultraleve caiu no jardim de uma escola em Lima, informou a imprensa local.

As vítimas foram o instrutor de vôo e general reformado da Força Aérea peruana David Alarcón Bullón, de 50 anos, e uma jovem de sobrenome Merea, de 18 anos, informou um porta-voz policial à agência "Andina".

O pequeno avião, que teria decolado da Base Aérea de Las Palmas, no sul de Lima, caiu no colégio de educação básica especial Laura Alva Saldaña, no limite do bairro de Barranco.

Algumas crianças estavam no colégio no momento do acidente, mas saíram ilesas. Só não houve uma tragédia maior porque no era fim de semana e os estudantes estavam em casa.

Suspeita-se que a causa do acidente tenha sido uma imperfeição mecânica que impediu aos tripulantes da aeronave aterrissar corretamente.

Fontes: EFE / Andina

Cidade de Palomares, na Espanha, luta para esquecer seu 'momento nuclear'

Região foi palco da queda acidental de 4 bombas de hidrogênio em 1966.

Tudo parecia passado, até o surgimento de lesmas radioativas no local.


O restante do mundo praticamente já esqueceu, mas uma pincelada do Armageddon está sendo cauterizada nas mentes dos residentes daqui e ainda dói, 42 anos depois.


Duas das quatro bombas nucleares envolvidas no incidente de Palomares, em exibição no National Atomic Museum, em Albuquerque, Novo México, nos EUA - Foto: Domínio Público

Na manhã de 17 de janeiro de 1966, um bombardeiro B-52 da Força Aérea dos Estados Unidos, retornando de uma missão de rotina, colidiu com o avião-tanque que iria reabastecê-lo. A explosão resultante destruiu as duas aeronaves e lançou as bombas de hidrogênio do bombardeiro diretamente para o solo. Uma caiu nas águas azuis do Mediterrâneo, e três outras caíram perto dessa pobre vila de agricultores, a cerca de 200 quilômetros a leste de Granada.

Sete tripulantes pereceram na bola de fogo, enquanto quatro se salvaram usando seus pára-quedas. Ninguém em terra morreu. As ogivas nucleares, muito mais poderosas que as lançadas em Hiroshima, não foram detonadas.

Praia próximo à vila espanhola de Palomares, região na qual tropas de EUA e Espanha procuram uma bomba de hidrogênio desaparecida desde 1966 - Foto: Paul Geitner (International Herald Tribune)

Mas os pára-quedas falharam em duas das bombas, resultando em detonações de explosivos fortes que, embora não-nucleares, espalharam material radioativo numa ampla área de terreno acidentado e rochoso.

Um enorme esforço de recuperação e limpeza se seguiu, com centenas de militares americanos e guardas civis espanhóis examinando a área durante meses. Dezenas de milhões de dólares foram gastos. Finalmente, com o trabalho feito, eles foram para casa, e a atenção foi desviada para qualquer outro lugar.

Os quase 1.200 residentes de Palomares também queriam esquecer o acidente. Hoje, o meio de vida vai além da agricultura e depende mais de atrair nortistas sedentos de sol para vastos prédios de apartamentos com vista para o mar e oásis de golfe.

Mas o passado literalmente ressurgiu com a recente descoberta de lesmas anormalmente radioativas e o confisco de trechos de terra para testes e limpeza adicionais. Não exatamente um argumento de venda para os melões e tomates ainda cultivados em larga escala, em estufas cobertas de plástico ali perto, e muito menos para uma vida sem preocupações na praia.

“Isso está prejudicando a vila”, diz um agricultor aposentado de 74 anos, Antonio, fumando do lado de fora do centro de idosos de Palomares. “Está acontecendo há quarenta anos. Queremos que acabe para sempre.”

Grande parte da incerteza de hoje remete ao segredo imposto à época pelo regime opressor de Franco e pelo Pentágono.

Tudo começou logo após as 10h em um limpo dia de inverno.

“Houve uma grande explosão”, contou rancorosamente Antonio, que se recusou a dizer seu sobrenome. “Voavam coisas por todos os lados. Todos correram para fora.”

Ninguém sabia o que havia acontecido, mas os primeiros soldados americanos chegaram numa questão de horas. Somente depois que os soviéticos acusaram Washington de violar um tratado banindo os testes nucleares é que os Estados Unidos admitiram, mais de um mês depois, que os detonadores em duas das três bombas que aterrissaram aqui haviam explodido com o impacto.

A bomba que atingiu o solo mais ou menos intacta foi rapidamente recuperada, enquanto a que aterrissou no Mediterrâneo levou meses para ser localizada. Cerca de 1.270 toneladas métricas de solo e vegetação contaminados foram colhidas e enviadas à Carolina do Sul para tratamento.

Oficiais tentaram de todas as maneiras acalmar os temores públicos. Em certo ponto, o ministro de informação e turismo espanhol, Manuel Fraga Iribarne, reuniu-se com o embaixador americano, Angier Biddle Duke, para uma “festividade de natação” no mar para demonstrar que as águas estavam seguras. As fotos foram publicadas em todo o mundo (incluindo a primeira página do "New York Times").

Em Palomares, hoje, não há memorial ou museu, apenas uma pequena rua lateral chamada “17 de Janeiro, 1966”, sem explicações. Na biblioteca, uma modesta pasta de plástico contém cópias de recortes de notícias em espanhol, francês, alemão e inglês.

Talvez uma vez por mês alguém peça para vê-los, de acordo com a bibliotecária, mas nada foi adicionado desde 1985.

“Eles não te contam a respeito antes que você chegue aqui”, diz Bárbara Newman, 65, enquanto toma um drinque no La Dulce Casa, um entre o punhado de restaurantes que oferece alimentação aos europeus recém-chegados do norte em busca do sol. Ela e seu marido, Larry, 73, se mudaram para Palomares no ano passado vindos de Stoke-on-Trent, na Inglaterra.

“Você vira alvo de muitas piadas quando as pessoas descobrem que você mora em Palomares”, diz Denise Angus, antes moradora de sul de Gales, que abriu um salão de beleza aqui há quatro anos. “Coisas como, ‘Você vai brilhar no escuro.’”

Entretanto, a maioria dos novos moradores ignora quaisquer preocupações com a saúde, tomando como base os residentes locais e sua notória longevidade.

Em verdade, décadas de monitoramento financiadas pelos Estados Unidos não descobriram nada fora do comum.

“O lado bom é que eles descobrem casos de diabetes ou colesterol alto” que poderiam passar despercebidos, diz Antonia Navarro, proprietária de uma loja de ferramentas. Com 37 anos, ela nasceu depois da queda das bombas, mas já fez três viagens a Madri para exames com sua avó.

O acordo de divisão de custos entre o Departamento de Energia e a Espanha, que teve início em 1966, foi programado para terminar em 2008. Mas, em outubro de 2006, oficiais da agência de pesquisa de energia da Espanha, a Ciemat, relatou a descoberta de lesmas radioativas, exigindo mais trabalho.

Um ano atrás, os Estados Unidos concordaram em pagar US$ 2 milhões por mais dois anos de “assistência técnica”, de acordo com o jornal espanhol "El País". Em abril, a Ciemat identificou dois fossos contendo cerca de 1.000 metros cúbicos cada de material radioativo que havia sido deixado para trás, disse ao jornal Teresa Mendizabal, diretora de estudos ambientais da Ciemat.

Maria, 48 anos, dona do Bar Tomás, na Constitution Square, disse: “Eles vieram e limparam e agora, 42 anos depois, eles estão limpando de novo. A agência nuclear nacional precisa de justificativas para continuar trabalhando.”

Novas cercas, marcadas com placas de advertência, foram levantadas ao redor da terra, perto do cemitério da cidade. Bem perto estão as empresas agricultoras. Logo depois ficam os apartamentos dos caçadores-de-sol e o mar reluzente.

“Já existem buracos nas cercas, e cabras entram para pastar”, disse superficialmente Maria, a dona do bar, que também se recusou a informar o sobrenome.

Ela tinha 6 anos quando as bombas caíram e tem ternas lembranças de soldados americanos trazendo biscoitos e doces. “Achávamos que era como chocolate que vinha do céu”, disse Maria.

Ela disse acreditar que a cidade deveria ter algum tipo de memorial, pelo bem da posteridade. Mas chega de manchetes. “Nós gostaríamos que isso terminasse e que pudéssemos recomeçar uma vida normal.

Fonte: Paul Geitner (New York Times)

Familiares de vítimas do acidente da Gol cobram relatório da Aeronáutica

Há dois anos, avião caiu no Norte de Mato Grosso; 154 pessoas morreram.

Em boletim preliminar, Aeronáutica descarta falha de radares.

O Centro de Investigação e Prevenção de Acidentes Aeronáuticos (Cenipa), ligado à Aeronáutica, ainda não concluiu o relatório da investigação sobre o acidente com o Boeing da Gol. O documento é esperado por familiares das vítimas. Logo após a queda da aeronave, o órgão disse que o trabalho deveria ser concluído em 12 meses.

Avião da Gol caiu em região de mata fechada em Mato Grosso

O Boeing da Gol caiu em uma região de mata fechada no Norte de Mato Grosso, em 29 de setembro de 2006, depois de bater em um jato Legacy. Foi o segundo maior acidente aéreo do país; 154 pessoas morreram. O jato, com sete ocupantes, pousou em uma base aérea, no Sul do Pará.

"Os familiares com quem converso são unânimes em dizer que esse relatório será o ponto final sobre o caso. Eles estão indignados e revoltados com a demora para revelar o conteúdo do documento. Já se passaram dois anos", disse Leonardo Amarante, advogado que representa 60 famílias.

"A última vez que a FAB [Força Aérea Brasileira] disse que não poderia entregar o relatório era por causa da demora em traduzir documentos em inglês. Era prevista a conclusão no ano passado e, até agora, nada foi apresentado", afirmou Luciana Siqueira, da diretoria da Associação de Familiares e Amigos das Vítimas do Vôo 1907.

Compromisso

O brigadeiro Jorge Kersul Filho, chefe do Cenipa, disse ao G1, em 2007, que o documento seria finalizado abaixo dos 18 meses, que é o cronograma estabelecido em padrões internacionais de investigação de acidente aéreo. O documento deve revelar as causas do acidente, sem apontar culpados, segundo a FAB.

Na sexta-feira (26), a FAB divulgou boletim com balanço dos quase dois anos de investigações do acidente. O documento revela pontos do relatório final, que foi encaminhado, em agosto deste ano, para representantes da Comissão de Investigação no exterior (Estados Unidos e Canadá). Eles têm 60 dias para enviar comentários sobre o texto do Cenipa. O rito segue a Convenção de Chicago.

A FAB informou ainda que foram realizados ensaios, testes e simulações em laboratórios brasileiros e estrangeiros. Representantes do Cenipa participaram de cinco reuniões com familiares das vítimas. Em uma delas, os participantes viram a reconstituição do acidente.

A Aeronáutica disse, ainda, que já foram emitidas recomendações de segurança de vôo nesses dois últimos anos e que o relatório sobre o acidente deverá ser divulgado depois de finalizados os trabalhos da comissão do exterior.

Informações publicadas

No boletim, o Cenipa indicou as cinco principais informações publicadas durante as investigações sobre a queda do Boeing da Gol:

1- Não foram encontrados erro de projeto ou integração nos equipamentos de comunicação no jato Legacy, que colidiu com a aeronave da companhia brasileira;

2- Os pilotos do Legacy disseram que não tiveram intenção de interromper o funcionamento do transponder (equipamento anticolisão) da aeronave;

3- O transponder estava em condições de uso, porém não estava em operação no momento da colisão;

4- Algumas normas e procedimentos não foram corretamente executados, o que levou a comissão a analisar os motivos pelos quais isto ocorreu. As considerações serão prestadas no relatório final;

5- Não foram encontradas indicações de influência de cobertura de radares na área do acidente, por ineficiência ou deficiência de equipamentos de comunicação e vigilância no controle de tráfego aéreo.

Leia mais sobre o acidente: CLIQUE AQUI.

Fonte: G1 - Foto: Divulgação (Bombeiros de Sinop)

Ocean Air é condenada a indenizar passageiro por vôo que atrasou 1 dia

Um passageiro que sofreu atraso de quase um dia em seu vôo vai ser indenizado em R$ 4.150 pela Ocean Air Linhas Aéreas. A condenação foi da 13ª Câmara Cível do TJ-MG (Tribunal de Justiça de Minas Gerais) que manteve o valor de indenização por danos morais fixado em primeira instância.

De acordo com informações do tribunal, a relatora, desembargadora Cláudia Maia, entendeu que “não resta dúvida de que o serviço prestado pela apelante foi defeituoso, tendo em vista que problemas técnicos no avião resultaram na transferência do vôo para o dia seguinte, ou seja, em atraso excessivo”.

Para ela, “a disponibilização de hotéis e transporte adequados não se revela suficiente para elidir o dano moral quando o atraso no vôo se configura excessivo”.

Em seu voto, a magistrada citou também o entendimento do STJ (Superior Tribunal de Justiça), segundo o qual “a ocorrência de problema técnico é fato previsível, não caracterizando hipótese de caso fortuito ou de força maior”, de modo que “cabe indenização a título de dano moral pelo atraso de vôo. O dano decorre da demora, desconforto, aflição e dos transtornos suportados pelo passageiro, não se exigindo prova de tais fatores”.

Segundo os autos, em 30 de julho de 2007 passageiro, residente em Belo Horizonte, partiu do Aeroporto de Confins em um vôo da OceanAir com escala em Uberaba e chegada a São Paulo prevista para as 13h05. Em Uberaba, antes da decolagem para São Paulo, houve uma pane na aeronave e os passageiros tiveram de sair do avião e aguardar no aeroporto. Às 15h45, os passageiros foram de ônibus para Uberlândia, de onde, segundo funcionários da OceanAir, conseguiriam embarcar em um avião rumo a São Paulo, o que não aconteceu.

O cliente que receberá indenização afirmou que teve de dormir em um hotel e só conseguiu embarcar para São Paulo na manhã do dia seguinte. Ele alegou que tinha que proferir uma palestra em São José dos Campos, e, em virtude do atraso, não pôde descansar e se preparar corretamente para o compromisso.

Em primeira instância, o juiz da 13ª Vara Cível da comarca de Belo Horizonte, Llewellyn Davies A. Medina, condenou a empresa aérea a indenizar o passageiro em R$ 4.150 por danos morais. A Oceanair recorreu, alegando que o atraso foi causado por problemas técnicos na aeronave, que ficou impossibilitada de decolar. Ainda segundo a empresa, foram oferecidas todas as comodidades possíveis aos passageiros, como hotel, transporte e refeições, e, portanto, não houve dano moral.

Fonte: Última Instância

Avião de carga sai da pista em Angola

Incidente envolvendo IL-18 não provocou vítimas humanas nem graves danos materiais

Um IL-18 semelhante ao do incidente em Angola

Uma aeronave do tipo Ilyushin Il-18 da companhia aérea privada de Angola, Alada, saiu da pista na quinta-feira (25) no aeroporto de Cabinda, em Angola, sem provocar vítimas humanas nem grandes danos materiais.

O incidente ocorreu momentos depós de a aeronave ter descarregado marcadorias de uma empresa comercial local.

A diretora adjunta da Empresa Nacional de Navegação Aérea (ENANA) em Cabinda, Amélia dos Santos, não disse quais foram os motivos que causaram o incidente, às 11h30, da aeronave da Alada, um aparelho de fabricação russa.

O Jornal de Angola apurou no local que o incidente teve lugar logo após se ter verificado chamas nos trens de aterrissagem, quando este se desfazia da pista para a decolagem no sentido Sul/Norte.

Face à situação, a tripulação, de naturalidade russa, que tinha na altura perdido parcialmente o controle da aeronave, conseguiu imobilizar o avião, já fora da pista.

“Temos a realçar que não houve vítimas, e, de forma visível, não há grandes danos”, disse Amélia dos Santos.

Segundo a diretora adjunta da ENANA, ainda ontem era aguardada uma equipe do Instituto Nacional de Aviação Civil, INAVIC, para apurar as razões que estiveram na base do incidente com o avião.

De momento, disse Amélia dos Santos, “ainda não sabemos de concreto o que terá acontecido e aguardamos a vinda de uma equipa do INAVIC para fazer o levantamento e apuramento das causas do incidente.”

De acordo com a responsável, o incidente não vai alterar o movimento habitual do tráfego aéreo no aeroporto de Cabinda, quer de aviões de pequeno quer de médio porte.

Fonte: Jornal de Angola

Caça F-18 australiano faz pouso de emergência

Um caça F-18 Hornet Fighter da RAAF (Real Força Aérea Australiana) comunicou um Mayday e fez uma aterrissagem de emergência na base aérea Williamtown (NTL), perto de Newcastle, na Austrália, na sexta-feira (26).

O incidente ocorreu pouco após meio-dia.

O procedimento de emergência posto em prática na base aérea incluiu a utilização de um cabo para ajudar a parar o avião e espuma para ajudar a reduzir o risco de incêndio por um vazamento de combustível.

Uma investigação sobre as causas do incidente estão atualmente em curso.

Ninguém ficou ferido.

Fonte: ABC News

As grandes datas da conquista espacial

A seguir algumas das datas mais importantes da conquista espacial humana:

- 1926: O cientista americano Robert Goddard lança o primeiro foguete de combustível líquido com capacidade de chegar ao espaço.

- 4 de outubro de 1957: a União Soviética lança o Sputnik 1, primeiro satélite artificial.

- 3 de novembro de 1957: a União Soviética coloca em órbita a cadela Laika, primeiro ser vivo a ser mandado para o espaço, a bordo da Sputnik 2, que não estava preparada para voltar à Terra. Laika morre na incineração da nave ao reentrar na atmosfera.

- 31 de janeiro de 1958: os Estados Unidos lançam seu primeiro satélite, o Explorer 1.

- 1º de outubro de 1958: criada a Nasa, agência espacial americana.

- 2 de janeiro de 1959: o satélite soviético Luna 1 sai do campo de atração terrestre rumo à Lua.

- 7 de outubro de 1959: o satélite soviético Luna 3 transmite as primeiras imagens já vistas pela humanidade da face oculta da Lua.

- 12 de abril de 1961: o soviético Yuri Gagarin, a bordo da nave Vostok 1, se torna o primeiro ser humano a entrar em órbita, durante um vôo de 1 hora e 48 minutos, no qual dá uma volta ao redor da Terra.

- 5 de maio de 1961: Alan Shepard é o primeiro americano no espaço, depois de um vôo suborbital de 15 minutos.

- 27 de agosto de 1962: os Estados Unidos lançam a primeira sonda espacial para Vênus. Em novembro, a União Soviética lança sua primeira nave robô rumo a Marte.

- 16 de junho de 1963: a soviética Valentina Terechkova torna-se a primeira mulher no espaço.

- 18 de março de 1965: o soviético Alexis Leonov se torna o primeiro homem a sair da nave e fazer uma caminhada espacial.

- 15 de dezembro de 1965: primeiro acoplamento no espaço entre duas naves americanas Gemini. Os Estados Unidos começam a superar a União Soviética.

- 27 de janeiro de 1967: um incêndio durante um teste de lançamento da Apolo 1 causa a morte de seus três astronautas: Virgil Grissom, Roger Chaffee e Ed White. O incêndio ocorre durante teste em terra, realizado em Cabo Canaveral.

- 23 de abril de 1967: queda da Soyuz-1; o soviético Vladimir Komarov é o primeiro cosmonauta a morrer voltando do espaço.


- 20 de julho de 1969 (21 de julho em horário GMT): o módulo Águia da missão Apolo 11 pousa na Lua, com os americanos Neil Armstrong e Edwin Aldrin; Michael Collins permanece na órbita lunar no comando da nave principal. Armstrong é o primeiro homem a pisar na Lua. "Um pequeno passo para o homem, um enorme passo para a humanidade" são suas primeiras palavras.

- 11-15 de abril de 1970: a Apolo 13 não consegue chegar à Lua por causa de incidentes técnicos. A nave volta à Terra com seus três tripulantes sãos e salvos após quatro dias de angústia.

- 19 de abril de 1971: lançamento da Saliut 1, a primeira estação orbital soviética.

- 29 de junho de 1971: os três ocupantes da Soyuz-11 - Georgui Dobrovolsky, Vladimir Volkov e Viktor Patsaiev - morrem devido à queda de pressão de seu módulo de aterrissagem.

- 14 de dezembro de 1972: o módulo lunar Challenger decola da superfície lunar na última missão tripulada no satélite da Terra.

- 5 de abril de 1973: a Nasa lança a sonda Pioneer 10, a primeira que atravessará o cinturão de asteróides e observará os planetas externos. Trinta anos depois suas transmissões são captadas ao dobro da distância de Plutão, fora do sistema solar e a caminho da constelação de Orion.

- 14 de maio de 1973: é posta em órbita a estação orbital americana Skylab.

- 31 de maio de 1975: criada a Agência Espacial Européia (ESA).

- julho de 1975: uma nave americana Apolo e outra russa Soyuz se encontram no espaço.

- 24 de dezembro de 1979: lançamento do foguete Ariane, que se torna o primeiro foguete espacial europeu.

- 12 de abril de 1981: os Estados Unidos lançam seu primeiro ônibus espacial, Columbia.

- 28 de janeiro de 1986: sete astronautas morrem na explosão do ônibus espacial americano Challenger, pouco mais de um minuto depois do lançamento. Os vôos ficam suspensos até 1988.

- 19 de fevereiro de 1986: lançamento da estação espacial soviética de terceira geração MIR. A estação funcionou até março de 2001.

- 25 de abril de 1990: o telescópio espacial Hubble é posto em órbita.

- 2 de novembro de 2000: dois russos e um americano se tornam os primeiros tripulantes da estação espacial internacional ISS.

- 1º de fevereiro de 2003: o ônibus espacial Columbia explode durante a reentrada sobre o estado do Texas. Os sete tripulantes a bordo (seis americanos e um israelense) morrem.

- 27 de setembro de 2003: um foguete europeu Ariane lança a sonda Smart-1, que chegaria à Lua 13 meses depois no primeiro vôo interplanetário bem sucedido usando a revolucionária propulsão iônica.

- 16 de outubro de 2003: a China se torna o terceiro país a fazer um vôo espacial tripulado, com o "taikonauta" (astronauta em chinês) Yang Liwei em sua nave Shenzu V.

- 3 de janeiro de 2004: a sonda americana Spirit, que contém um robô explorador, pousa com sucesso no planeta Marte.

- 14 de janeiro de 2005: a sonda européia Huygens pousa em Titã, lua de Saturno localizado a 1,5 bilhão de quilômetros da Terra.

- 4 de julho de 2005: um projétil enviado pela sonda americana Impacto Profundo (Deep Impact) colide com o cometa Tempel 1, a 133 milhões de quilômetros da Terra.

- 19 de setembro 2005: a Nasa revela seus planos de enviar uma missão tripulada para a Lua em 2018.

- 21 setembro 2006: missão do foguete americano Atlantis para continuar com a construção da ISS, interrompida desde 2002.

- 19 de janeiro de 2006: a Nasa envia a sonda New Horizons a Plutão, o último planeta inexplorado.

- 14 setembro 2007: Japão lança um foguete com uma sonda de observação para a Lua.

- 25 de maio de 2008: A sonda americana Phoenix pousa no polo norte de Marte.

Fonte: France Presse


Nasa quer levar nomes ao espaço em missão científica

A Nasa iniciou hoje um projeto para enviar o nome de cidadãos comuns na carga de um satélite cuja missão será estudar os efeitos das partículas na atmosfera e a influência do Sol no clima terrestre.

Os participantes receberão um certificado da Nasa e seu nome será gravado em um microprocessador que fará parte da equipe do satélite "Glory", disse a agência espacial americana em comunicado.

Os interessados em deixar seu nome girando na órbita terrestre durante os próximos anos devem acessar o site "Send Your Name Around the Earth" (http://polls.nasa.gov/utilities/sendtospace/jsp/sendName.jsp).

O prazo para enviar os nomes termina no dia 1° de novembro deste ano, segundo o comunicado da Nasa.

O satélite "Glory" partirá ao espaço em junho de 2009 e fará parte de um projeto da Nasa formado por satélites de observação que completam cada órbita terrestre a cada 100 minutos.

Os instrumentos da nave permitirão que os cientistas meçam de maneira mais precisa as partículas espaciais chamadas "aerossóis", que são similares às que se encontram na atmosfera, como as de pó e poluição.

"Sem dúvida, os gases estufa são a origem da mudança climática", disse Michael Mishchenko, cientista do projeto no Instituto Goddard de Estudos Espaciais da Nasa, em Nova York.

"No entanto, os efeitos dos aerossóis são a maior incerteza climática do presente", acrescentou.

Fonte: EFE

VEM conclui reestruturação e busca novos parceiros

A VEM Manutenção e Engenharia concluiu seu processo de reestruturação e está pronta para ter parte de suas ações negociadas, o que pode acontecer até o final deste ano. A informação é do brasileiro Fernando Pinto, presidente da estatal portuguesa de aviação TAP, dona de 95% das ações da VEM. Os 5% restantes são do fundo de pensão Aerus, composto basicamente de ex-funcionários da Varig. A TAP, diz ele, quer ficar com cerca de 50% de participação na VEM a dividir os 45% restantes.

"Nossa prioridade era esse plano de reestruturação e botar a VEM no caminho certo. Em paralelo, temos conversado com possíveis parceiros, que são mais de fora do que de dentro do Brasil, mas existem parceiros brasileiros possíveis", afirmou Pinto, que em março deste ano já havia contado à Agência Estado sobre as negociações com os seis investidores. "Continua dentro daquilo mesmo (seis potenciais investidores)", acrescentou o executivo.

O presidente da TAP espera que as negociações possam ser concluídas ainda em 2008. "Temos a vontade (até o final deste ano). Nossa idéia é ter um bom parceiro estratégico. Tínhamos um bom parceiro capitalista, mas nós achamos que era muito mais importante um parceiro estratégico. Não obrigatoriamente do setor (aéreo), mas que ajude na captação dos negócios", afirma, acrescentando que existe a possibilidade de a TAP negociar com até dois investidores.

O programa de reestruturação da VEM foi batizado de 100 dias e tinha como objetivo aumentar sua rentabilidade e dar mais agilidade na entrega dos aviões. O presidente da VEM, o português Filipe Morais de Almeida, afirma que a empresa deverá encerrar este ano com receita de até R$ 400 milhões, em linha com o resultado do ano passado.

De acordo com Almeida, o objetivo para 2009 é fazer com que as companhias estrangeiras respondam por 60% da receita da VEM, sendo que atualmente essa porcentagem está em 50%. O executivo diz que a redução do faturamento com empresas que já têm infra-estrutura de manutenção, como TAM e Gol, está sendo recompensada por empresas de médio e pequeno porte que estão avançando no mercado brasileiro, como WebJet e Trip Linhas Aéreas.

"Estamos investindo muito no mercado internacional. Só o mercado brasileiro não vai permitir o crescimento que a VEM precisa e imagina", afirmou Almeida.

Fonte: Agência Estado

Parentes das vítimas do acidente da TAM fazem novo encontro

Após 14 meses da tragédia ocorrida no dia 17 de julho de 2007, na qual morreram 199 pessoas, a Associação das Famílias e Amigos das Vítimas do Vôo TAM JJ3054 realiza nos próximos dias 27 e 28, em Porto Alegre (RS), seu 13º encontro, o quarto a ocorrer na capital gaúcha.

No primeiro dia do encontro, que visa discutir as causas do acidente, os participantes se reunirão, às 10h, com as defensoras públicas Adriana Burger e Laiana Elisa de Souza, da Defensoria Pública do Rio Grande do Sul. Elas irão falar sobre a ação movida pelo Procon-RS contra a TAM, iniciativa que resultou na aplicação de uma multa de R$ 1 milhão à empresa aérea pela demora na divulgação da lista das vítimas do acidente.

À tarde, os familiares se reunirão com o delegado responsável pelo inquérito policial, Antônio Carlos de Menezes Barbosa, com o perito do Instituto de Criminalística de São Paulo, Antonio Nogueira, e com o advogado criminalista Eduardo César Leite, indicado pela Ordem dos Advogados do Brasil de São Paulo (OAB-SP) para acompanhar as investigações.

No domingo pela manhã participam do encontro o chefe de gabinete da Secretaria de Direito Econômico do Ministério da Justiça, Diego Faleck, os defensores públicos do Estado de São Paulo, Renata Tibiriçá e Vitore Maximiniano, além dos observadores da Câmara Indenizatória, as advogadas Vanessa Bispo e Melissa Mestriner.

Em seguida, os familiares irão ao Largo da Vida, próximo ao Aeroporto Internacional Salgado Filho, onde, em maio deste ano, plantaram 199 árvores em homenagem às vítimas. No domingo também será apresentado o projeto do memorial que as famílias querem que seja construído no terreno onde ficava o prédio da TAM, em frente ao Aeroporto de Congonhas, na zona sul de São Paulo - edifício com o qual o avião se chocou após perder o controle.

Fonte: Agência Brasil

sexta-feira, 26 de setembro de 2008

Vidro de cabine quebra e avião faz pouso de emergência na Nicarágua

Aeronave partia de Miami para a Libéria com 73 passageiros.

Aeroporto entrou em estado de emergência.


Um avião da American Airlines que partira de Miami e seguia para a Libéria, na África, com 73 passageiros a bordo, teve que fazer um pouso de emergência no aeroporto de Manágua depois que um dos dois vidros da cabine do piloto quebrou, informou nesta sexta-feira (26) o Instituto Nicaragüense de Aeronáutica Civil (Inac).

A fonte acrescentou que, devido à situação, ocorrida na quinta, foi o Aeroporto Internacional Augusto C. Sandino entrou em estado de emergência, e toda a equipe de segurança e os peritos em investigação de acidentes foram mobilizados.

O Inac afirmou que a aeronave da American Airlines aterrissou no aeroporto "sem complicações".

"A tripulação disse que tudo estava sob controle", segundo o órgão.

A fonte não disse se os passageiros foram desembarcados do aparelho e transferidos ao terminal para aguardarem o conserto da aeronave ou um outro vôo.

Fonte: EFE

Justiça condena União a indenizar passageiro por "apagão aéreo"

A Justiça Federal condenou a União a pagar indenização por danos morais e materiais a um passageiro em razão do chamado "apagão aéreo" ocorrido em dezembro de 2006. Pela decisão, o passageiro deve receber R$ 178,50 atualizados por danos materiais e dez salários mínimos (R$ 4.150) por danos morais, mais juros.

No fim daquele ano, cerca de dois meses depois de acidente com um avião da Gol que deixou 154 mortos, começou o caos nos aeroportos, com falhas no sistema aéreo e atrasos e cancelamentos de vôos.

O passageiro ajuizou a ação por ter chegado a Florianópolis com 22 horas de atraso após sair de São Paulo. Disse que sofreu "enorme desconforto, transtorno, aborrecimento, sentimentos agravados pelo descaso e falta de assistência e informações". O passageiro afirmou ainda que foi obrigado a cobrir despesas de hospedagem e transporte em razão da demora.

O juiz Cláudio Roberto da Silva, da 3ª Vara Federal de Florianópolis, considerou que a TAM e a Anac (Agência Nacional de Aviação Civil) não foram culpadas, porque a empresa é impedida de levantar vôo sem autorização do órgão responsável e porque a Anac não tem atribuição de fiscalização do controle do tráfego aéreo.

Mas condenou a União a pagar as indenizações. "Ora, se o dano se deu porque o Cindacta-1 [Centro Integrado de Defesa Aérea e Controle de Tráfego Aéreo] realizou mal o serviço que se encontrava sob sua responsabilidade, seja por falha do equipamento, seja por 'movimento' dos controladores, [...] não há como eximir sua responsabilidade pelo evento", disse na decisão.

"Constata-se que o desconforto do autor se deu em razão de atraso no vôo, provocado pela omissão da União, quanto ao planejamento e controle das atividades relacionadas com o controle do espaço aéreo brasileiro", afirmou.

A AGU (Advocacia Geral da União) não informou à reportagem quais medidas irá tomar diante da decisão.

Fonte: Agência Folha

Empresas aéreas registram perdas de R$ 1,27 bi em um ano, aponta Anac

As empresas aéreas brasileiras de transporte regular registraram, em 2007, perdas que somam R$ 1,270 bilhão, contra resultado negativo de R$ 172,6 milhões registrados em 2006, segundo balanço divulgado pela Anac (Agência Nacional de Aviação Civil) nesta sexta-feira. O resultado é obtido pela chamada receita de vôo menos as despesas.

Segundo a agência, no segmento doméstico, o desempenho foi afetado pela política agressiva de tarifas, com promoções e descontos, enquanto no setor internacional, o principal impacto foi causado pelo fim das operações do grupo Varig.

Os dados, inseridos no anuário econômico, são resultado do balanço de 23 empresas aéreas brasileiras.

De acordo com o anuário, nos vôos domésticos, as perdas somaram R$ 563,7 milhões, contra ganho de R$ 27,5 milhões em 2006. Nas rotas internacionais, o resultado foi negativo em R$ 706,8 milhões em 2007, contra perda de R$ 443 milhões no ano anterior.

Segundo o documento, a TAM registrou resultado negativo de R$ 418 milhões em 2007, contra ganho de R$ 517 milhões em 2006. A Gol registrou resultado positivo de R$ 167,6 milhões, queda de 60,1% em relação a 2006, quando apontou R$ 420,3 milhões.

As receitas de vôo da TAM em 2007 somaram R$ 7,274 bilhões, mas as despesas foram de R$ 7,692 bilhões. No caso da Gol, as receitas somaram R$ 4,372 bilhões e, as despesas, R$ 4,205 bilhões.

No caso da Varig, comprada pela Gol em março de 2007, o desempenho ficou negativo em R$ 528,4 milhões, resultado de uma receita de R$ 738,2 milhões e de uma despesa de R$ 1,266 bilhão.

A OceanAir fechou o ano de 2007 com perdas de R$ 141 milhões. As receitas da empresa somaram R$ 303 milhões, mas as despesas chegaram a R$ 444 milhões.

Fonte: Folha Online

Infraero considera simulação de acidente com quatro 'mortos' um sucesso

Treinamento envolveu duas aeronaves e 45 vítimas em São Paulo.

Bombeiros, voluntários, médicos e helicópteros foram usados no resgate.


Voluntários participam de simulação, que teve quatro 'mortos'

As vítimas, os gritos, o sangue e o fogo foram colocados de maneira proposital, mas serviram para deixar alertas os voluntários para possíveis situações semelhantes na realidade. Por isso, o simulado de acidente aéreo realizado na tarde desta sexta-feira (26) pela Infraero no Aeroporto de Cumbica, em Guarulhos, na Grande São Paulo, foi considerado um sucesso, mesmo tendo um balanço final de quatro 'mortos', entre as 45 vítimas.

"É um balanço bastante positivo, porque sabemos que a tendência dos acidentes desse tipo é ter muitos óbitos", explicou Samuel Conceição da Silva, coordenador de prevenção, emergências e combate a incêndios da Infraero em Cumbica.

O simulado treinou 150 voluntários do Corpo de Voluntários de Emergências, recém-formados no curso ministrado no aeroporto. O acidente reproduziu a colisão de um Focker 27 com 40 passageiros em um A340 com dois tripulantes, cedido pela TAM, estacionado na pista. Três mecânicos que trabalhavam na aeronave também foram atingidos. Apenas os dois tripulantes saíram ilesos na simulação, e a maior parte das vítimas teve ferimentos graves.

Para testar a ação do corpo de voluntários, tudo é muito real. O fogo e a fumaça ao lado do avião menor eram de verdade, e as vítimas – soldados da Base Aérea de São Paulo, foram maquiadas para mostrar os ferimentos. Elas também agiam de acordo, com gritos de dor e de socorro.

Após o alerta, o Corpo de Bombeiros do aeroporto chegou ao local, apagou o fogo e liberou a ação para CVE, que passou a socorrer as vítimas. Desse momento ate o último ferido ser levado, foram 1h06. "Foi considerado um sucesso, com um tempo de resposta dos recursos adequados. Foi tudo dentro do planejado", explicou Silva. Funcionários de diversos setores da Infraero e da Agência Nacional de Aviação Civil (Anac) acompanharam o processo, que será discutido posteriormente para a adoção de possíveis melhorias.

Ao atender as vítimas, os voluntários – divididos em maqueiros, socorristas e líderes – precisavam identificar a gravidade dos ferimentos para encaminhá-los ao atendimento dos médicos. As vítimas foram divididas em quatro lonas – verde, para ferimentos leves, amarela, para ferimentos médios, vermelha para os feridos muito graves e preta para os óbitos.

Apesar de tudo ser uma grande simulação, um incidente inusitado fez com que precisasse haver socorro real. Um dos soldados que atuava como vítima, deitado no mato, acabou sendo picado por um inseto e teve uma reação alérgica. "Ele teve que ter atendimento real, foi levado para o nosso posto e está bem", contou Silva.

O resgate também foi auxiliado pelas ambulâncias do aeroporto, do 190 e do Serviço de Atendimento Móvel de Urgência (Samu) e pelos helicópteros do Exército, da Polícia Militar e da Polícia Civil, que fizeram o "transporte virtual" das vítimas para hospitais da região.

Para os voluntários que participaram do resgate – todos funcionários do aeroporto – a simulação deu uma boa noção de como proceder em uma situação do tipo. "Só quando está exercitando que dá para ter noção do tamanho. Você se entrega, não sente nada, enfrenta mato, se coloca no lugar das vítimas", explica Ana Lúcia de Carvalho Calhau, que trabalha da área de planejamento de segurança da Infraero.

Para Cristiane Nobre, funcionária da companhia aérea Lan Chile, a atuação dos soldados que fizeram o papel de vítimas também ajudou. "Eles foram bem preparados, tiveram reações verdadeiras. É uma experiência única, só assim é possível ter uma noção desse tipo de acidente".

Fonte: G1 - Foto: Juliana Cardilli

Funcionários da Infraero dão abraço simbólico no Galeão

Eles protestam contra a privatização do Aeroporto Tom Jobim.

Medida tem como objetivo mostrar que ele não está abandonado.

Funcionários do Galeão fazem protesto contra a privatização

Cerca de 400 funcionários da Infraero deram um abraço simbólico no Galeão, na Ilha do Governador, subúrbio do Rio, na manhã desta sexta-feira (26), em protesto contra o projeto de privatização do Aeroporto Internacional Tom Jobim. A iniciativa é uma resposta à intenção do governador Sérgio Cabral de transferir a administração do Galeão para empresas privadas.

Com adesivos colados na roupa de 'O Galeão é nosso!', os funcionários gritavam em coro: "Não, não, não à privatização". Segundo Alex Fabiano Costa, funcionário do Centro de Operações de Emergência da Infraero, o objetivo do abraço é mostrar para a população que o aeroporto não está abandonado e nem entregue ao desgoverno.

"Existem trabalhadores que têm afinco aqui. O Galeão é a principal porta de entrada do Rio, é um patrimônio histórico da cidade, é bonito e dá lucro. Já foi até cantado em verso e prosa".

Alex Fabiano rebateu ainda às críticas de Cabral que, em recente entrevista, pediu ao presidente da Infraero para 'largar esse osso'. "O aeroporto deve ser um osso bem saboroso, osso para cachorro de high society, porque tá todo mundo de olho nele", ironizou.

Fonte: G1 - Foto: Cláudia Loureiro (G1)

Avião sai da pista durante pouso e fecha aeroporto alemão de Dortmund

Airbus pertence à companhia tunisiana Nouvel-Air.

Ninguém ficou ferido, segundo autoridades do aeroporto.

O aeroporto de Dortmund, no oeste da Alemanha, foi fechado nesta sexta-feira (26) ao tráfego aéreo depois que um avião da Nouvel-Air saiu da pista e ficou com uma das rodas presas no solo.

O Airbus A321-200, prefixo TS-IQA realizava o vôo BJ2045 de Monastir (Tunísia) para Dortmund (Alemanha) com 168 passageiros a bordo, saiu da pista 06 por volta das 10:15 (hora local).

Os passageiros deixaram o Airbus da companhia tunisiana ilesos, segundo autoridades do aeroporto. As atividades devem ser reiniciadas ainda nesta sexta.


Avião da empresa tunisiana Nouvel Air que saiu da pista durante pouso nesta sexta-feira (26) no aeroporto alemão de Dortmund

Cerca de 60 vôos foram afetados pelo problema e tiveram de ser desviados para os aeroportos de Münster-Ornabrück e Colonia-Bonn.

As autoridades disseram que estão investigando as causas do incidente, mas descartam problema relacionado ao tempo, pois as condições na hora do pouso eram boas.

Fonte: G1 / Agências Internacionais / IOL Diário - Foto: Reuters

Infraero simula choque de aviões em Cumbica

Cerca de 250 pessoas participaram do exercício.

Bombeiros treinaram o resgate de vítimas.

Cerca de 250 pessoas participam na tarde desta Sexta-feira (26) de um simulado de um acidente aéreo realizado pela Infraero no Aeroporto de Cumbica, em Guarulhos, na Grande São Paulo. O 25º Exercício Simulado de Acidente Aéreo Completo (EXEAC) simula o choque de um Focker 27, com capacidade para 40 pessoas, com um A340, cedido pela TAM, estacionado no pátio da aviação executiva do aeroporto

Cinqüenta soldados da base área atuam como as vítimas do acidente, maquiados para simular os ferimentos. Logo após o início do fogo, o Corpo de Bombeiros do aeroporto chegou e começou a realizar o resgate. As chamas foram apagadas e os voluntários do Corpo de Voluntários de Emergências de Cumbica – formado por funcionários treinados do aeroporto – passou a realizar o atendimento aos feridos

Segundo a Infraero, 150 integrantes do Corpo de Voluntários de Emergências participam do simulado, que é realizado todos os anos

Fonte: G1 - Fotos: Juliana Cardilli (G1)

Movimentação de "carga", de janeiro a agosto de 2008 no Brasil

Em Kg:

1° Guarulhos/São Paulo : 280.193.859
2° Viracópos/Campinas : 171.343.734
3° Manaus : 76.058.976
4° Galeão/Rio de Janeiro : 51.185.692
5° Recife : 34.702.956
6° Brasília : 33.218.066
7° Salvador : 28.583.014
8° Fortaleza : 22.818.796
9° Congonhas/São Paulo : 21.733.697
10° Curitiba : 17.732.270
11° Belém : 17.383.253
12° Porto Alegre : 17.081.887
13° Confins/Belo Horizonte : 13.333.525
14° Vitória : 8.036.227
15° Natal : 5.893.397
16° São Luís : 4.856.651
17° Goiânia : 4.066.338
18° Florianópolis : 3.650.578
19° Santarém : 3.250.909
20° Cuiabá : 3.001.386

Fonte: ANAC

Movimentação de passageiros de janeiro a agosto de 2008 no Brasil

1°. São Paulo (Guarulhos): 13.845.829
2º. São Paulo (Congonhas): 9.163.383
3°. Rio de Janeiro (Galeão): 7.314.005
4°. Brasília: 7.169.255
5°. Salvador: 4.072.645
6º. Belo Horizonte (Confins): 3.308.282
7º. Porto Alegre: 3.260.468
8°. Recife: 3.150.754
9º. Curitiba: 2.930.789
10º. Rio de Janeiro (Santos Dumont): 2.361.210
11°. Fortaleza: 2.349.069
12°. Belém: 1.476.586
13°. Florianópolis: 1.454.733
14°. Vitória: 1.365.596
15º. Manaus: 1.275.121
16°. Natal: 1.117.490
17°. Goiânia: 1.071.063
18°. Cuiabá: 933.316
19°. Campinas: 741.496
20º. Maceió: 647.121

Fonte: ANAC

Pilotos que dormiram durante vôo poderão voltar a trabalhar

Avião ficou sem comunicação por 17 minutos; aviadores já cumpriram suspensão.

Dois pilotos de um avião comercial que dormiram na cabine e passaram do aeroporto no Havaí onde deveriam pousar, poderão voltar ao trabalho.

No começo de 2008 os pilotos da companhia Go!, que faziam o vôo entre Honolulu e Hilo, passaram de seu ponto de pouso em mais de 24 quilômetros, quando estavam a 6,4 mil metros de altura, segundo o jornal local "Star Bulletin".

Os pilotos foram demitidos da companhia aérea e também suspensos pela Autoridade Federal de Aviação dos Estados Unidos (FAA, na sigla em inglês).

O piloto Scott Oltman foi suspenso por 60 dias por violar duas regulamentações da FAA: operação negligente e imprudente de uma aeronave, colocando em risco a vida ou propriedade de outra pessoa; e a falta de comunicações de rádio necessárias.

A FAA também suspendeu a licença do piloto Dillon Shelpey por 45 dias, também por operação negligente e imprudente de uma aeronave.

Mas a Autoridade Federal de Aviação informou que os dois pilotos tiveram o período de suspensão encerrado no dia 9 de setembro.

Distúrbio do sono

O incidente ocorreu no dia 13 de fevereiro de 2008, quando o vôo que levava 40 passageiros e um comissário de bordo ultrapassou em 24 quilômetros seu local de pouso, antes de voltar e aterrissar.

Controladores de vôo notaram a irregularidade e tentaram entrar em contato com a cabine mais de dez vezes, sem obter resposta por 17 minutos.

O contato foi restabelecido quase no último minuto do vôo, que inicialmente deveria durar 44 minutos, mas chegou a 45, e os pilotos receberam ordens para pousar.

A companhia aérea demitiu os dois pilotos no dia 13 de abril.

Em junho a Diretoria Nacional de Segurança nos Transportes dos Estados Unidos determinou que os dois pilotos "adormeceram de forma não intencional".

Depois do incidente de fevereiro Oltman foi diagnosticado com "apnéia obstrutiva do sono grave", que causa várias paradas respiratórias durante o sono, o que faz com que a pessoa não tenha uma noite de descanso satisfatória.

A empresa aérea não foi processada, pois teria agido de acordo com as regras e ofereceu aos dois pilotos os intervalos para descanso necessários entre vôos.

Fontes: G1 / BBC

"Homem-pássaro" atravessa o Canal da Mancha voando


Depois de adiar o desafio devido ao mau tempo, o suíço Yves Rossy atravessou nesta sexta-feira (26) o Canal da Mancha usando asas de propulsão a jato.

Em pouco menos de 15 minutos, segundo a CNN, o "homem-pássaro" completou o percurso de cerca de 35 quilômetros entre Calais, na França, e Dover, na Inglaterra.

Rossy, 49 anos, acionou o mecanismo a bordo de um avião a uma altitude de mais de 2,5 mil metros e saltou usando um pára-quedas, segundo a BBC.

Rossy fez suas manobras na asa usando a cabeça e as costas. Além de capacete e pára-quedas, noticiou a BBC, ele precisou usar um macacão especial para protegê-lo das quatro turbinas movidas a querosene colocadas na asa, a poucos centímetros de seu corpo.



A travessia estava programada para a quinta-feira, mas havia pouca visibilidade devido ao mau tempo, o que torna o vôo muito perigoso, principalmente por não operar nenhum instrumento, disse Rossy ao National Geographic Channel.

Fonte: Terra - Fotos: AP - Vídeo: MSNBC

Alitalia afirma que o pouso em Recife não foi de emergência



A empresa afirmou que os pilotos tinham detectado problemas na aeronave e por precaução resolveram pousar. De acordo com a Alitalia, outro avião partiu de Roma para Recife para levar os passageiros.

Fontes: G1 / Globonews

Alemanha prende 2 suspeitos de terrorismo em avião

Polícia afirma que africanos tinham cartas de despedida em casa.

Suspeitos estavam a bordo de avião de companhia aérea holandesa.


Foto de suspeitos é divulgada no posto da polícia federal do aeroporto de Colônia, na Alemanha

O serviço de inteligência da Alemanha diz ter detido a bordo de um avião da companhia aérea holandesa KLM, no aeroporto de Colônia, nesta sexta-feira (26), dois suspeitos de planejar ataques terroristas, ambos de origem africana - um deles naturalizado alemão. A dupla foi presa antes de a aeronave decolar.

Os dois homens “vinham sendo monitorados há vários meses”, segundo informação do porta-voz da polícia, Frank Scheulen, em entrevista à N-TV.

Cartas

Na casa dos suspeitos, que pretendiam viajar para Amsterdã, na Holanda, a polícia diz ter encontrado cartas de despedida.

As detenções ocorreram um dia após a polícia alemã emitir ordens de prisões para um alemão e um libanês suspeitos de preparar um grande atentado. Ambos teriam recebido treinamento terrorista em acampamento de uma região entre o Afeganistão e o Paquistão.

Fontes: G1 / EFE - Foto: Ina Fassbender (Reuters)

Passageiros de avião da Alitalia com problemas seguem viagem rumo à Argentina

Aeronave com 295 pessoas pousou no Recife, nesta madrugada.

Vôo para Argentina já estava previsto inicialmente.


A empresa Alitalia enviou uma aeronave para o Aeroporto Internacional dos Guararapes, no Recife, para embarcar as 295 pessoas, entre passageiros e tripulantes, que estavam em um avião que precisou parar na capital de Pernambuco, na madrugada desta quinta-feira (25).

Segundo informações da Empresa Brasileira de Infra-Estrutura Aeroportuária (Infraero), a aeronave seguiu para Buenos Aires, na Argentina, destino original do vôo, na noite desta quinta-feira (25). A escala no Recife não estava prevista.

De acordo com a Infraero, os passageiros, que vinham de Roma, na Itália, foram deslocados para resorts na cidade de Ipojuca (PE).

O outro avião passa por manutenção. A Alitalia informou que o pouso no Recife não foi de emergência. De acordo com a empresa, a parada na capital foi uma "precaução dos pilotos", que detectaram problemas. Os passageiros disseram que não houve pânico e o pouso foi tranqüilo.

Fonte: G1

quinta-feira, 25 de setembro de 2008

Passageiros de Boeing italiano devem viajar à noite

Os passageiros da aeronave italiana que realizou pouso de emergência no Aeroporto Internacional dos Guararapes, na zona sul do Recife, na madrugada desta quinta-feira (25), terão de esperar até a noite para embarcar em outro avião, seguindo assim ao destino final - Buenos Aires, na Argentina. Segundo a assessoria de imprensa da Infraero, uma aeronave da companhia italiana Alitalia, operadora do Boeing que apresentou problemas, deve chegar ao Recife às 18h.

O Boeing 777-200 havia saído de Roma, na Itália, com destino a Buenos Aires, na Argentina, com 295 pessoas a bordo, entre passageiros e tripulantes. A aeronave apresentou problemas mecânicos durante a viagem, que teve de ser interrompida por volta das 2h15.

O Boeing ficará no Aeroporto dos Guararapes em manutenção. Os passageiros seguem na manhã desta quinta em ônibus para hotéis, no aguardo da continuidade da viagem. Os custos são pagos pela própria Alitalia.

Ninguém ficou ferido no incidente. "A Infraero acionou órgãos para dar apoio, como a Defesa Civil e o Corpo de Bombeiros, mas não foi necessário realizar nenhum salvamento", explicou a coordenadora de imprensa da Infraero, Solange Argenta.

Ainda segundo Argenta, os horários dos vôos com embarque ou desembarque no Aeroporto dos Guararapes não sofreram alterações.

O capitão do Boeing explicou que, em certo momento da viagem, um alerta de problemas técnicos foi disparado pelo sistema de segurança da aeronave, forçando o pouso emergencial. A origem da pane ainda será investigada. Há informações de que a companhia Alitalia está com problemas financeiros.

Falência

A Alitalia está passando por problemas financeiros. O governo italiano está jogando sua última cartada para salvar a companhia. Está reunido, nesta quinta-feira, com os sindicatos para anunciar a nova proposta do consórcio de investidores, que voltou à cena fazendo concessões. Se o acordo se concretizar, a Air France-KLM poderá ser o parceiro estrangeiro do novo grupo.



A crise da Alitalia começou em 1999, quando Malpensa, em Milão, se transformou num aeroporto intercontinental, fazendo concorrência com o próprio aeroporto de Roma, Fiumicino. Durante oito anos, as perdas da Alitalia foram de € 200 milhões por ano.

A dívida de quase € 2 bilhões foi assumida pelo governo de Silvio Berlusconi. A parte rentável da empresa está à venda por € 400 milhões – um preço muito baixo, segundo o comandante Barbado. São 140 aviões de passageiros em operação e 30 parados. Ao todo, 80% da frota são de aeronaves novas, além das licenças de vôo em várias partes do mundo.

A Alitalia possui 17 mil funcionários, mas 20% deles estão quase parados. Pilotos e comissários de bordo ofereceram o dinheiro das suas aposentadorias para comprar a empresa. O comandante Francesco Barbado se diz desiludido com uma profissão tão criticada na Itália.

Avião estava com problema no motor, diz passageiro

O Boeing 777-200 da companhia Alitalia, que nesta madrugada fez um pouso de emergência no aeroporto de Guararapes, no Recife, apresentava problemas em um de seus motores, segundo detalhes fornecidos por um dos passageiros que estavam a bordo. Ao todo, a aeronave transportava 295 pessoas, que haviam partido de Roma em direção a Buenos Aires.

Em declarações à ANSA, o italiano Marco Mancinelli disse que o comandante comunicou à tripulação que faria uma aterrissagem para consertar um defeito, e que o avião não poderia seguir voando porque um motor do lado direito estava com problemas de óleo. Como já havia sido informado pela Empresa Brasileira de Infra-Estrutura Aeroportuária (Infraero), o pouso foi necessário devido a um problema ocorrido na turbina do avião. A Alitalia já garantiu o envio de técnicos de São Paulo para verificar as causas do problema.

Segundo o passageiro, apesar do alerta, o clima se manteve tranqüilo dentro do avião, que aparentemente manteve sua velocidade de vôo. Não houve qualquer sinal de pânico e muitos passageiros dormiam no momento.

O pouso foi igualmente tranqüilo, explicou Mancinelli, que agora está hospedado em um hotel de Porto de Galinhas, a 75 quilômetros de Recife. Todos os passageiros foram levados a hotéis do balneário e devem seguir viagem para Buenos Aires ainda hoje, às 18 horas, informou o italiano.

Mancinelli afirmou ainda que a maioria das pessoas que viajava no Boeing era composta de argentinos, que provavelmente regressavam de férias na Itália. Muitos passageiros, disse, tiveram de deixar o avião em cadeiras de rodas, mas apenas porque estavam cansados, já que houve demora na retirada de todos do avião. Isso só ocorreu por volta do meio-dia, segundo ele.

Procurado pela ANSA, o Consulado italiano no Recife disse estar acompanhando o caso. A vice-cônsul da Itália na cidade, Enza Bosetti, disse que o Cônsul Massimiliano Lagi irá ainda esta tarde ao aeroporto e espera poder encontrar o comandante da aeronave. "Todos os passageiros estão bem, não houve nenhum problema na aterrissagem", garantiu a diplomata.

Fontes: JC Online / G1 / TV Globo / ANSA

Gol e Varig se unem e barra de cereal pode ser aposentada

A Agência Nacional de Aviação Civil (Anac) aprovou na noite de terça-feira (23) a reestruturação societária do grupo Gol, permitindo a fusão das bandeiras Gol e Varig em uma só companhia aérea. As duas marcas serão mantidas, mas passarão a operar de forma integrada sob único CNPJ e também um único Cheta, o certificado de habilitação de uma companhia aérea, emitido pela Anac.

A ata da diretoria da Anac com a decisão deve ser publicada no Diário Oficial da União de hoje (25).

O pedido de autorização para a realização da reestruturação societária foi feito pelo grupo Gol em julho. Segundo fontes do mercado, o cheta e o CNPJ escolhidos para a operação unificada foram os da nova Varig. O atual cheta da Gol seria, portanto, extinto. Procurada, a Gol afirmou que ainda não foi comunicada oficialmente da autorização pela Anac e que, portanto, não poderia comentar.

A reestruturação vai resultar na fusão da malha de vôos e da tripulação, na unificação da estrutura de terra (lojas e balcões de check-in), além de permitir que a empresa tenha só uma estrutura administrativa.

A Gol prepara um grande evento para anunciar os detalhes da reestruturação societária, juntamente com uma campanha de reposicionamento da marca Varig.

Enquanto a Gol investe no consumidor que nunca andou de avião - acaba de lançar uma estratégia para oferecer passagem à prazo para as classes C e D - a Varig quer se consolidar como uma marca premium. A empresa estuda aposentar a famosa barrinha de cereal da Gol, melhorando o serviço de bordo da Gol e simplificando o da Varig. A idéia é economizar tempo e dinheiro com o mesmo serviço de bordo para as duas.

O grande diferencial da Varig - que manterá uma malha de vôos concentrada em destinos de negócios - será o espaço entre as poltronas. As duas marcas vão operar aviões do mesmo modelo: Boeing 737-700 e 737-800, mas os da Gol serão configurados com 184 ou 187 assentos, enquanto na Varig serão apenas 168 lugares. Os novos aviões 737-800 que a Varig acaba de receber contam com uma inovação: as primeiras fileiras possuem poltronas conversíveis de três para dois lugares.

Os novos aviões devem ser destinados aos vôos internacionais da Varig na América Latina, sendo que as fileiras com as poltronas conversíveis funcionariam como uma espécie de classe executiva.

"Esta será a última tentativa da família Constantino para tentar salvar a marca Varig", diz um analista do setor que prefere não se identificar.

Há duas semanas, o vice-presidente de marketing da Gol, Tarcísio Gargioni, disse que pesquisas encomendadas pela empresa revelam que a marca Varig já não diz muita coisa para jovens com menos de 30 anos. A declaração foi interpretada como um sinal de que a marca Varig está longe de ser "sagrada" para a companhia.

"Com a autorização para a Gol e a Varig operarem sob um único cheta, a empresa tem a faca e o queijo na mão para acabar com a marca Varig", avalia o professor de transporte aéreo da UFRJ, Respício do Espírito Santo Junior. "Só justifica manter duas marcas dentro de uma única operação se o serviço for totalmente diferenciado. Mas se as marcas não forem muito diferentes, como é o caso agora, fica tudo muito caro. Não faz sentido."

A Gol comprou a Varig em março de 2007, uma operação que ainda está longe de se provar lucrativa. A Varig já consumiu mais de R$ 1 bilhão do grupo Gol. Em um ano, as ações da Gol caíram 67,56%.

No mercado, comenta-se que a fusão implicará na demissão de centenas de funcionários, de um quadro de 16,6 mil. As demissões devem afetar mais a parte administrativa e de aeroportos do que a tripulação de vôo, acredita o presidente da Federação Nacional dos Trabalhadores em Aviação Civil (Fentac), Celso Klafke.

Ele afirma que já solicitou à direção da Gol uma reunião para discutir possíveis demissões. "Infelizmente, a gente acha que estão vindo mais demissões por aí", diz Klafke. "Na verdade, as demissões já começaram faz um tempo. Já houve cortes no Rio, essa semana começaram em Guarulhos. Isto está acontecendo em todo o País, mas não tenho números consolidados."

Fonte: Agência Estado - Foto: Arquivo

'Homem-pássaro' suíço tenta atravessar o Canal da Mancha

Yves Rossy usará asa de propulsão a jato em vôo inédito.

Yves Rossy vai ser levado de avião a uma altitude de 2,5 mil metros; acionar o jato na asa e saltar.

Seu objetivo é completar um percurso de pouco mais de 35 quilômetros de Calais, na costa francesa, a Dover, na Inglaterra, em 12 minutos.

Sua velocidade pode atingir os 190 km/h.

O ex-piloto militar de 49 anos adiou uma tentativa anterior de realizar o vôo devido ao mau tempo.

Rossy espera seguir a rota do francês Louis Blériot que, há 99 anos, se tornou a primeira pessoa a cruzar o Canal de avião.

Em uma entrevista no começo da semana, Rossy disse: "Se eu calculei tudo certo, vou aterrissar em Dover. Mas se eu errei, vou tomar um banho."

O feito será transmitido ao vivo pelo National Geographic Channel. (sexta-feira 26/09 às 08:00 hs - Reapresentação: sexta-feira 26/09 às 22:00 hs.)

Kathryn Liptrott, da emissora, disse à BBC que Rossy não está preocupado com o risco. "Ele pilotou caças Mirage para o Exército suíço e agora pilota um Airbus."

"Ele não voaria se não achasse que vai chegar a Dover."

O mais longo vôo que Rossy fez até hoje durou dez minutos.

Rossy deverá fazer suas manobras na asa usando a cabeça e as costas. Além de capacete e pára-quedas, ele vai usar um macacão especial para protegê-lo das quatro turbinas, movidas a querosene, da asa colocadas a poucos centímetros de seu corpo.

Fontes: BBC / National Geographic Channel

Senadora questiona Anac sobre problemas em vôos

A senadora Serys Slhessarenko (PT-MT) pediu esclarecimentos hoje à direção da Agência Nacional de Aviação Civil (Anac) e a outras instituições do setor sobre procedimentos de risco adotados pelas companhias aéreas, como decolagem com excesso de peso. “Vou aguardar a resposta da Anac e acredito que audiências públicas poderão voltar a discutir o assunto no Senado”, disse a senadora.

Serys é autora de projeto que visa sanar um dos problemas enfrentados pelos usuários de vôos comerciais: o chamado overbooking, prática da comercialização de bilhetes para um determinado vôo em número superior à capacidade da aeronave alocada para a viagem. Sua proposição (PLS 114/04) obriga as empresas aéreas a indenizarem passageiros que não conseguirem embarcar devido ao excesso de reservas de passagens na mesma aeronave, bem como por atrasos, interrupção ou cancelamento de vôos.

A proposta encontra-se em análise na Comissão de Constituição, Justiça e Cidadania (CCJ). O substitutivo analisado na CCJ estabelece ainda que a bagagem deverá ser entregue ao passageiro, de forma inviolada e em bom estado de conservação, no prazo máximo de 20 minutos após o desembarque. Na hipótese de ultrapassar esse prazo, o projeto prevê pagamento ao passageiro por parte da companhia aérea de multa no valor de 50% do valor integral da tarifa paga.

A indenização a ser paga pelo transportador por danos à bagagem, mesmo a carregada em mãos do passageiro, determina a proposta, terá o valor máximo de R$ 10 mil. O projeto prevê ainda indenização de, no mínimo, R$ 1 milhão para caso de morte e de R$ 750 mil se houver lesão corporal permanente a passageiro ou tripulante. Para os demais casos de lesão corporal, o valor será determinado pelo juiz.

Fonte: Panrotas

Piloto em treinamento morre em queda de avião na Austrália

Um piloto indiano em treinamento morreu na queda do avião Liberty XL-2, prefixo VH-CZX, caiu em Luddenham, subúrbio de Sydney, na Austrália, na quarta-feira (24).

A menos de um mês atrás, outro piloto indiano morreu durante um vôo de treinamento na Austrália.

O estudante de 20 anos, orindo de Mumbai, morreu após o Liberty XL-2 da Sydney Flight Training Centre cair numa área agrícola na quarta-feira à noite.

O piloto, cuja família na Índia já foi notificada, havia decolado do aeroporto em Bankstown, logo após às 14.30 (hora local) de quarta-feira.

"Pouco depois das 4 horas da tarde, os serviços de emergência receberam relatos de que um avião havia colidido contra árvores em uma propriedade na Willowdene Avenue, em Luddenham. Na sua chegada, o pessoal dos serviços de emergência localizou o corpo do único ocupante - do sexo masculino - no interior dos destroços ", disse um oficial da polícia local.

A Air Transport Safety Bureau (ATSB) vai levar a cabo um inquérito sobre o acidente.

Em 27 de agosto, um piloto indiano de 24 anos, oriundo de Bangalore, também em treinamento, havia morrido após a asa do seu Cessna 150 ter sido arrancada numa colisão aérea por um outro avião e ele caiu no povoado de Cheltenham, subúrbio de Melbourne.

Fontes: India eNews / ASN - Foto: Jeff Herbert

Governo do Rio compra 'caveirão do ar'

Helicóptero blindado custou R$ 8 milhões e será utilizado em operações.

Compra é resposta às tentativas de atingir outras aeronaves.

Helicóptero comprado pela Secretaria de Segurança, antes de ser adaptado

O governo do Rio finalizou nesta quarta-feira (24) o processo de compra do helicóptero blindado norte-americado Huey 2, por R$ 8 milhões. O secretário estadual de Segurança, José Mariano Beltrame, foi aos EUA para assinar os documentos, juntamente com dois pilotos policiais.

O equipamento é totalmente à prova de tiros, inclusive nas pás da hélice. O veículo tem capacidade para seis atiradores e pode transportar um total de 15 pessoas.

O "caveirão do ar", como os policiais apelidaram o helicóptero, será utilizado, a partir de outubro, em operações planejadas pela Secretaria de Segurança com participação da Polícia Civil. O governo do Rio informou ainda que a compra ocorreu como uma espécie de resposta às tentativas dos criminosos em atingir os helicópteros em outras oportunidades.

De acordo com a secretaria, a previsão é de que o helicóptero chegue ao Rio na proxima terça-feira (30). Primeiramente, a idéia era transportá-lo em um navio, mas como levaria muito tempo, ficou decido, segundo a Secretaria, que os policiais venham pilotando o helicóptero.

Em novembro de 2007, o policial civil Eduardo Mattos foi baleado na cabeça e morreu quando estava a bordo de um helicóptero da Polícia Civil e participava de uma operação na região do Morro do Adeus, no subúrbio do Rio.

Compra durou mais de um ano

O processo de compra durou mais de um ano. De acordo com a secretaria, em agosto de 2007, o ex-subsecretário de Coordenação Institucional, Márcio Colmerauer, acompanhado por dois pilotos policiais, conferiu de perto o desempenho da aeronave, em visitas técnicas à Nova York, nos EUA, e em Bogotá, na Colômbia.

Beltrame, atual secretário, teria decidido pelo modelo Huey 2, segundo a Secretaria, porque ele proporciona maior proteção ao policial e garante uma supremacia sobre tentativas de derrubar helicópteros por parte dos criminosos. Os esquilos, como são chamados os atuais helicópteros das polícias, continuam em atividade nas missões específicas.

Fonte: G1 - Foto: Divulgação (Assessoria de Comunicação / Secretaria de Segurança)

Avião italiano faz pouso forçado no Aeroporto dos Guararapes

Avião está pousado no Aeroporto do Recife desde a madrugada

O Boeing 777-200 da companhia italiana Alitalia fez um pouso de emergência na madrugada desta quinta-feira (25), por volta das 2h15, no Aeroporto Internacional dos Guararapes, localizado na zona sul do Recife, depois de apresentar problemas mecânicos.

A aeronave, prefixo EI-DBK, havia saído de Roma, na Itália, com destino a Buenos Aires, na Argentina, com 295 pessoas a bordo. Há informações de que a companhia aérea está com problemas financeiros.

A Defesa Civil e o Corpo de Bombeiros foram acionados por questão de segurança, mas não houve incidentes mais graves. Desde a madrugada, os passageiros aguardam por uma decisão da companhia. Ainda não se sabe se eles vão seguir na mesma aeronave.

As operações no Aeroporto dos Guararapes estão sendo executadas normalmente. A origem da pane no avião ainda será investigada.

Fonte: JC Online

Sobe ao espaço com sucesso nave chinesa com três astronautas

Lançamento marca terceira ida de tripulação da China ao espaço.

Missão Shenzhou 7 deve incluir primeira caminhada espacial do programa.

Imagens da televisão estatal chinesa mostram momento da decolagem (Foto: AP/CCTV)

A China lançou com sucesso sua terceira - e mais audaciosa - missão tripulada. Depois de se tornar a terceira potência nacional a enviar gente ao espaço por seus próprios meios (depois de Rússia e EUA), os chineses agora pretendem realizar sua primeira caminhada espacial.

"Este vai ser um enorme passo adiante para a tecnologia aeroespacial do nosso país. Vocês certamente serão capazes de cumprir esse papel sagrado e glorioso. A pátria e seu povo esperam seu retorno triunfante", declarou o presidente chinês Hu Jintao à equipe de astronautas, pouco antes da partida.

Da esquerda para a direita, Jing Haipeng, Zhai Zhigang e Liu Boming cumprimentam público após entrevista coletiva (Foto: AP/Xinhua)

A espaçonave Shenzhou 7 (nome que pode ser traduzido como "nave divina"), acoplada ao topo do foguete Chang Zheng 2F (em português, "longa marcha"), decolou da base de Jiuquan nesta quinta-feira (25). O sucesso da Shenzhou 7 é fundamental para a meta chinesa no sentido de construir uma estação espacial própria - projeto que eles pretendem iniciar até 2020.

Pela primeira vez, um trio de taikonautas (como a imprensa internacional costuma chamar os viajantes espaciais chineses) viaja junto ao espaço. A equipe é composta por Zhai Zhigang, Liu Boming e Jing Haipeng, todos com 42 anos. Embora todos pertençam ao exército chinês (como pilotos de caça), a China enfatiza que sua missão não terá objetivos militares.

Abertura

Os chineses começam a se abrir um pouco mais com relação a seu programa espacial tripulado. Tanto que houve um encontro da tripulação com a imprensa, na noite desta quarta-feira (24).

"A missão Shenzhou 7 marca um avanço histórico no programa tripulado chinês. É uma grande honra para nós três voar nessa missão, e estamos totalmente preparados para o desafio", disse Zhai Zhigang à imprensa, segundo a agência chinesa Xinhua. "Fui incluído na fase final de treinamentos três vezes, durante as missões Shenzhou 5, 6 e 7", afirmou, comemorando sua escalação para o vôo de 2008.

A inédita caminhada espacial a ser promovida por um dos três tripulantes - ponto alto da missão - deve ser transmitida ao vivo pela televisão chinesa.

Caso tudo dê certo, o astronauta escolhido para andar no espaço passará 40 minutos fora da espaçonave. É uma oportunidade para a China testar seus trajes espaciais e sua mobilidade - elementos essenciais para a futura construção de uma estação.

Já com traje espacial, trio se dirige para a Shenzhou (Foto: AP/Xinhua)

O traje chinês, assim como a espaçonave, é fortemente baseado em tecnologia russa. A Shenzhou é uma versão aprimorada da Soyuz, nave usada há décadas pelos russos em seu programa espacial. As principais diferenças estão no módulo de experimentos, que é maior e tem mais funcionalidades na Shenzhou do que na Soyuz.

A nave chinesa também tem mais painéis solares e, portanto, mais eletricidade que sua contraparte russa.

Passos seguros

A China iniciou seu projeto de vôo espacial tripulado em 1999. Após quatro missões-teste, sem tripulação humana, em 2003 partia a nave Shenzhou 5, com Yang Liwei - o primeiro ser humano colocado no espaço pela China.

Uma segunda missão veio em 2005, quando os astronautas Fei Junlong e Nie Haisheng passaram cinco dias no espaço, a bordo da Shenzhou 6. O vôo confirmou a durabilidade e confiabilidade da espaçonave.

Agora, vem o primeiro vôo com a capacidade máxima a bordo - três tripulantes - e com uma caminhada espacial nos planos.

Fonte: G1

quarta-feira, 24 de setembro de 2008

Avião faz pouso de emergência em aeroporto em Santiago do Chile

Um avião da empresa Air Comet fez na terça-feira (23) um pouso de emergência no aeroporto Arturo Merino Benitez/Pudahuel em Santiago do Chile, para onde precisou retornar minutos após ter decolado, informaram fontes aeronáuticas.

Em comunicado, a companhia aérea disse que "se completaram estritamente todos os procedimentos de segurança" e assegurou que "os passageiros e tripulantes do vôo nunca estiveram em risco".

O fato ocorreu aproximadamente às 8h30 (11h30 de Brasília) e o avião era um Boeing 737 da Air Comet que se dirigia rumo à cidade de Punta Arenas, 2.400 quilômetros ao sul de Santiago.

Segundo as fontes, os pilotos decidiram voltar com o avião ao aeroporto após uma luz no painel acender indicando um possível problema de combustível.

Fontes: EFE / Emol (Chile)

Polícia da Espanha prende pilotos brigando horas antes de voar, diz jornal

Um avião da Air Europa estacionado no Aeroporto de Peinador/Vigo

Um comandante e um co-piloto, supostamente embriagados, foram flagrados brigando na rua apenas cinco horas antes de decolarem com um avião da companhia Air Europa da cidade de Vigo, na Espanha, com destino a Madri, informou o jornal espanhol "El País".

Os dois pilotos - vestidos com seus uniformes - trocavam socos e gritos na frente de um hotel no centro de Vigo quando passou um carro da polícia local, no último domingo (21), por volta das 14h30. Os dois, de 45 e 47 anos, disseram aos policiais que precisavam pilotar um vôo de Vigo a Madri às 12h.

Por volta das 15h30, a polícia conseguiu encontrar o chefe de operações da Air Europa, que afirmou que o horário do vôo era 19h30.

O vôo 7311, atrasou mais de três horas para que a aeronave, um Boeing-737, com 110 passageiros, fosse pilotado por outra tripulação, ainda segundo o "El País".

Os dois pilotos foram afastados temporariamente.

Fonte: Folha Online - Foto: farodevigo.es

Pentágono nega queda de avião dos EUA no Paquistão

Os militares paquistaneses disseram na quarta-feira que recuperaram um avião não-tripulado dos EUA que caiu no Waziristão do Sul (noroeste), mas o Pentágono negou que o incidente tenha ocorrido.

Militares dos EUA disseram que em outro incidente, na terça-feira, um avião-robô caiu devido a problemas mecânicos na província de Paktika, leste do Afeganistão, e foi recuperado por forças norte-americanas.

Não foi possível esclarecer a discrepância entre os relatos do Paquistão e EUA, que sugerem a possibilidade de mais de um aparelho ter caído. O Paquistão ainda não apresentou os destroços do avião que disse ter encontrado.

As relações entre os dois países estão tensas devido aos recentes disparos de mísseis dos EUA contra localidades paquistanesas, no combate a militantes islâmicos.

Bryan Whitman, porta-voz do Pentágono, disse na quarta-feira que os EUA "não têm relatos da queda de qualquer UAV ". Questionado sobre a hipótese de se tratar de um aparelho operado por outra instituição que não o Pentágono, Whitman reiterou que não havia relatos de aviões-robô desaparecidos.

Logo em seguida, porém, um porta-voz militar dos EUA no Afeganistão disse que um aparelho desses havia caído ali.

Os presidentes do Paquistão, Asif Ali Zardari, e dos EUA, George W. Bush, se encontraram na terça-feira na ONU, em Nova York, e conversaram sobre como proteger a soberania paquistanesa, segundo Bush.

Os militares paquistaneses confirmaram a queda de um avião não-tripulado, mas sem identificá-lo como norte-americano. Ao que se sabe, outros países com forças no vizinho Afeganistão não operam aviões-robô sobre território paquistanês.

"Um veículo aéreo não-tripulado de vigilância, ao sobrevoar a fronteira paquistanesa-afegã ontem à noite, pousou deste lado da fronteira, aparentemente devido a um mau funcionamento", disse o Exército em nota. "Os destroços...foram recuperados."

Um oficial paquistanês disse, sob anonimato, que se tratava de um avião dos EUA. "É norte-americano. É deles, ninguém mais voa com aviões-robôs aqui", disse.

Fonte: Reuters

Boeing prevê fortalecimento do Brasil como mercado de aviação até 2027

Para Boeing, país vai se firmar como principal mercado da América Latina.

Até 2027, Brasil deve adquirir 560 novos aviões, segundo projeções.


Os próximos 20 anos vão firmar o Brasil como principal mercado de aviação da América Latina. Até 2027, o país deve adquirir 560 novos aviões, com valor total estimado em US$ 50 bilhões. Isso representa um terço da demanda total na região em unidades e 35% da previsão de vendas em valores, segundo projeções da fabricante norte-americana Boeing.

O segundo maior mercado da região, o México, deve receber 460 aviões (27%), com valor total de US$ 29 bilhões (21%). O restante será dividido entre os outros países latino-americanos.

Para a empresa, o complicado cenário econômico atual deve ter pouco impacto na projeção de longo prazo para a América Latina - e para o Brasil. A Boeing aposta que, nos próximos 20 anos, regiões emergentes continuarão a apresentar taxas de crescimento econômico mais acelerado que a média mundial.

"E crescimento econômico leva a um maior tráfego de passageiros que, por sua vez, puxa a demanda por aeronaves novas", afirma o diretor de Marketing para as Américas da Boeing Aviões Comerciais, Michael Barnett.

Pelas contas da Boeing, o Produto Interno Bruto (PIB) da região deve crescer anualmente a uma taxa de 4% até 2027, enquanto o tráfego aéreo deve aumentar 6,7% ao ano no mesmo período. As médias mundiais anuais previstas para esse intervalo, segundo a fabricante, são de 3,2% e 5%, respectivamente.

Segundo Barnett, a empresa foi obrigada a rever suas previsões por tipo de equipamentos, com base nas tendências demonstradas tanto por companhias aéreas como pela mudança na realidade da indústria como um todo.

Os altos preços do petróleo e a crise no setor aéreo nos EUA, em combinação com a turbulência financeira atual, levou muitas companhias a redimensionarem seus planos de frota. Dessa forma, a companhia vê um mercado cada vez menor para aeronaves regionais, de menos de 90 assentos.

"Tivemos que modificar nossa expectativa seguindo a tendência do mercado, que mostra que os operadores estão buscando aeronaves maiores, com melhor relação de custo por passageiro", explica.

"No Brasil, TAM e Gol são prova dessa tendência, a primeira trocando seus Fokker F-100 por A320s (da concorrente Airbus) e a outra substituindo seus 737-300s por 737-800s", acrescenta.

"Não sabemos quem ficará com o segmento de aviões regionais, pois acreditamos que irá minguar muito. Eles não terão mais muito espaço, por conta dos altos preços dos combustíveis e do tipo de mecânica econômica que irá dominar a indústria", afirma.

Na avaliação da Boeing, o mercado de aviões de corredor único, com entre 90 e 200 assentos, será o mais importante na América Latina e no Brasil nos próximos 20 anos. No total, 79% dos 1.700 novos aviões que o continente demandará até 2027 deverão ser de corredor único.

No Brasil, 84% das aeronaves serão dessa categoria, que inclui, também, os modelos EMB 190 e EMB 195, da brasileira Embraer. Esses cerca de 470 aviões terão valor conjunto de US$ 35,5 bilhões, segundo a Boeing.

Em comparação, a expectativa da empresa é que os aviões regionais na América Latina representem apenas 6% da demanda em unidades e 3% do valor dos pedidos até 2027.

O executivo, que prefere não projetar qual será a fatia desse mercado que caberá à fabricante, afirma, porém, que, no Brasil, atualmente apenas uma empresa - a TAM - opera aeronaves da arqui-rival Airbus e que, por enquanto, nenhuma utiliza equipamentos da Embraer.

A primeira a fazer isso, a Azul, deve iniciar suas operações apenas no ano que vem. Essa dominância no mercado nacional, portanto, é considerada por Barnett como um ponto positivo para a Boeing que, segundo ele, ainda "detém o melhor portfólio de produtos para esse mercado" entre as fabricantes.

Embora reconheça que, no curto prazo, por conta da crise financeira, a expansão do PIB e a demanda por aeronaves deverão ser reduzidas, ele acredita que num horizonte de 20 anos esses problemas devem ser diluídos.

"O Brasil foi um dos países que recebeu maior volume de investimentos estrangeiros no ano passado e não vejo nada capaz de afetar essa tendência de expansão do mercado local no futuro", afirma o executivo.

Fonte: Valor OnLine