quarta-feira, 10 de setembro de 2008

F-4E Phantom em teste com neve e gelo

F-4E Phantom caça da Força Aérea da República da Coréia durante teste com neve e chuva gelada

Seul abriu novo centro de testes para veículos blindados e aviação militar

Fotos: AP

Cuba compra terceiro avião Tu-204 E da fabricação russa

O banco russo Vneshekonombank (VEB), a empresa russa Ilyushin Finance e a companhia cubana Aviaimport S.A firmaram ontem (09) um acordo, segundo o qual, a empresa cubana receberá um crédito de $44,5 milhões para a compra de um avião Tu-204 SE.

O crédito foi dado por um prazo de 12 anos no âmbito do plano da ajuda às exportações industriais , que representa uma das orientações fundamentais no setor de investimentos do VEB , indica uma nota do banco , segundo Ria Novosti.

É o terceiro dos quatro aviões desse tipo vendidos a Cuba. O avião Tu-204-SE , é uma versão modernizada do básico Tu-204, “correspondente em pleno às normas russas (AP-25) e internacionais ( JAR-25)” que se aplicam aos aparelhos modernos , disse o porta-voz, citado pela agência Interfax.

O Tu-204-SE , é um avião bimotor capaz de transportar até 212 passageiros ou carga , realizou seu primeiro vôo em 1989. Destinado a cobrir rotas de médio alcance , é considerado o equivalente russo Boeing 757 americano.

Aviaimport S.A é uma empresa subsidiaria da estatal Corporação de Aviação Cubana que se dedica ao transporte de passageiros e de carga nas rotas nacionais e internacionais de Cuba. A Companhia Ilyushin Finance Co. Foi criada em 1999 para financiar as exportações de aviões comerciais da fabricação russa.

Fonte: Pravda.ru

Congonhas perdeu mais de 2 milhões de passageiros após acidente da TAM

Restrições a operações no local levou passageiros para Guarulhos.

Aeroporto da Grande SP é o mais movimentado do país.

Congonhas em dia de chuva

O Aeroporto de Congonhas, na Zona Sul de São Paulo, perdeu mais de 2 milhões de passageiros (20,78%) na comparação de janeiro a julho de 2007 com o mesmo período deste ano, época na qual foram impostas várias restrições às operações aéreas no local, depois do acidente com o avião da TAM, em julho do ano passado, que causou a morte de 199 pessoas. Os dados são da Infraero.

O movimento de aeronaves no local caiu 13,69%, passando de 122.890 de janeiro a julho de 2007 para 106.067 na mesma época deste ano.

Com as restrições determinadas depois do acidente da TAM, o aeroporto passou a receber 30 movimentos por hora da aviação regular, entre pousos e decolagens, e quatro da aviação geral, que inclui jatos executivos. No primeiro semestre do ano passado, eram mais de 40 movimentos por hora, segundo a Agência Nacional de Aviação Civil (Anac).

Grande parte do movimento migrou para o aeroporto de Guarulhos, na Grande São Paulo, que teve aumento de 6,37% no número de aeronaves nos sete primeiros meses de 2008 comparado com o mesmo período do ano passado. Já o número de passageiros no local cresceu 16,4% no mesmo período.

De acordo com Edgard Brandão Júnior, assessor da presidência da Infraero, o impacto no número de aeronaves foi menor em Guarulhos porque o aeroporto recebe aviões maiores, com capacidade para mais passageiros. Brandão Júnior esteve na manhã de terça-feira (9) em uma coletiva de imprensa no Aeroporto Campo de Marte, na Zona Norte da capital paulista.

Guarulhos passou a ocupar com folga o primeiro lugar no ranking dos aeroportos mais movimentados em número de passageiros tendo recebido 12,1 milhões de janeiro a julho deste ano, contra os 7,9 milhões que passaram por Congonhas no mesmo período.

Na avaliação de Brandão Júnior, muitos vôos que passaram a operar em Guarulhos na época da reforma da pista de Congonhas (anterior ao acidente da TAM) não voltaram para o aeroporto da Zona Sul da capital. Com as restrições impostas ao aeroporto, as companhias tiveram de migrar definitivamente alguns vôos. “Houve também muita gente que mudou de hábito depois do acidente e passou a preferir Guarulhos a Congonhas”, afirmou Brandão Júnior.

O Campo de Marte também teve aumento no número de passageiros no mesmo período: 66,87%. O assessor atribui essa elevação a vários fatores, como a facilidade de conseguir operar vôos executivos do aeroporto - com mais disponibilidade que Congonhas -, a boa localização, e também o crescimento da aviação executiva no país. O movimento de aeronaves no local cresceu 15,19% de janeiro a julho de 2008 em comparação com o mesmo período do ano anterior.

Fonte: G1 - Foto: Patrícia Araújo (G1)

terça-feira, 9 de setembro de 2008

Avião perde freio durante pouso e bate em árvore em MG


Acidente ocorreu no Aeroporto de Pouso Alegre, em Minas Gerais.

Aeronave transportava duas pessoas, mas ninguém ficou ferido.




Uma aeronave Piper PA-46-350P Malibu Mirage, prefixo PT-WJP (4622190), fez um pouso forçado na manhã desta terça-feira (09) no aeroporto de Pouso Alegre (SNZA), na Região Sul de Minas Gerais.

O avião havia decolado em Uberlândia, no Triângulo Mineiro. O piloto, Vanderlei Henrique Pereira, de 39 anos, não conseguiu parar a aeronave, que saiu da pista e caiu numa ribanceira, ficando escorado numa árvore.

Com o impacto, o compartimento do combustível furou e houve vazamento. Os bombeiros isolaram a área. O piloto e o passageiro, o empresário Mário Francisco Sardinha Giovani, de 26 anos, não se feriram. Técnicos da Anac e DAC, além da perícia da Polícia Civil, foram acionados.

A suspeita é de problema mecânico. De acordo com a administração do aeroporto, o piloto tinha documentação em dia e autorização para o pouso. O empresário estava a caminho de Pouso Alegre para negócios.

O seguro da aeronave venceu recentemente, em 05/09/08.

Técnicos da Agência Nacional De Aviação Civil (Anac) devem fazer uma perícia na aeronave ainda nesta terça-feira.

Fontes: UAI / TV Alterosa / ANAC - Fotos: Renato Alcantara

Avião faz pouso forçado em pasto no interior de SP

Monomotor sofreu pane e desceu em Cândido Rodrigues.

Polícia Civil abriu inquérito para investigar a manobra.

Um Neiva P-56C Paulistinha do Aeroclube de Itápolis

Um avião de pequeno porte, conhecido como “Paulistinha” e usado para instrução, fez um pouso de emergência, por volta das 17 horas desta segunda-feira (08), próximo à Vicinal Libero Formigoni, que liga Cândido Rodrigues a Monte Alto, no interior do estado de São Paulo.

Apenas o piloto e a mãe dele estavam a bordo.

O piloto Alex Patrick Gambeiro, de 25 anos, segundo testemunhas, sobrevoava Cândido Rodrigues em baixa altitude com o avião registrado como um modelo Neiva P-56C Paulistinha, do Aeroclube de Itápolis. Ele estava acompanhado da mãe, Marli Cristina Zacari Gambeiro, 44 anos.

Testemunhas disseram que a aeronave teria afogado e o motor não deu partida. De acordo com a Polícia Militar, antes de ser socorrido, o piloto disse que o motor do avião perdeu potência e ele teve que fazer o pouso forçado, parando em um matagal às margens da vicinal.

Gambeiro foi levado ao Centro de Saúde de Cândido Rodrigues com um ferimento no nariz e, depois, transferido ao Hospital de Taquaritinga, onde será avaliada a necessidade de uma cirurgia. A mãe não teve ferimentos. Peritos da aeronáutica foram chamados para verificar o que ocorreu com a aeronave.

Fonte: Cláudio Dias - Tribuna Impressa (Araraquara) - Foto: AIRFLN

Aeronáutica deve comprar 51 helicópteros em novembro

A Aeronáutica programa para novembro a assinatura do contrato com a Helibrás para a compra de 51 helicópteros modelo Super Cougar EC 725, um negócio estimado em US$ 1 bilhão. A previsão é de que as primeiras aeronaves sejam entregues no final de 2010.

De acordo com o tenente brigadeiro do Ar, Paulo Roberto Britto, chefe do Estado-Maior da Aeronáutica, que participou hoje de reunião na Federação das Indústrias do Estado de São Paulo (Fiesp) para discutir o fortalecimento da indústria aeronáutica brasileira, as 51 aeronaves serão divididas igualmente entre a Aeronáutica, Marinha e Exército.

A produção do modelo no Brasil é conseqüência de uma parceria firmada em junho deste ano com a Helibrás e a Eurocopter, empresa do grupo europeu EADS, que também é dona da Airbus, para transferência de tecnologia.

A previsão do presidente da Helibrás, Jean Hardy, é que a empresa invista entre US$ 300 milhões e US$ 400 milhões para produzir o modelo na unidade da empresa em Itajubá, em Minas Gerais. A previsão inicial é de que as primeiras aeronaves sejam produzidas com um índice de nacionalização entre 5% e 10%, devendo alcançar até 50%, na medida em que forem desenvolvidos novos fornecedores no Brasil.

Fornecedores

O ministro do Desenvolvimento, Indústria e Comércio Exterior, Miguel Jorge, informou hoje que o seu ministério, em conjunto com a pasta de Ciência e Tecnologia e o Banco Nacional de Desenvolvimento Econômico e Social (BNDES) está estudando maneiras para incentivar a formação de uma base industrial de fornecedores no Brasil para o helicóptero Cougar EC 725.

"Ainda estamos elaborando o projeto econômico-financeiro e por isso ainda não posso dizer quanto o governo disponibilizará para o setor se preparar para fornecer peças e matérias-primas para esse projeto", disse.

Segundo o ministro o governo ainda está identificando as empresas que têm capacidade para produzir peças e outros materiais para o projeto e depois deverá avaliar quanto essas empresas precisam de financiamento para efetivamente produzir componentes para o novo helicóptero.

Em uma avaliação preliminar do presidente da Helibrás, Jean Hardy, o principal gargalo hoje para produzir os helicópteros no Brasil é a falta de mão-de-obra especializada. "Já estamos tomando providências para formar a mão-de-obra necessária para o programa", informa.

Fonte: Agência Estado

Aeroportuários criticam futura concessão ao setor privado

O Sindicato Nacional dos Aeroportuários, em nome dos 11,6 mil funcionários diretos da Infraero em todo o País, enviou carta ao presidente Luiz Inácio Lula da Silva repudiando a futura concessão de aeroportos brasileiros, anunciada na semana passada. Entre os trabalhadores, que atuam nos 67 aeroportos administrados pela Infraero, estão 750 controladores de vôo civis, responsáveis pela segurança do tráfego aéreo.

Eles reclamam que não foram consultados sobre o processo. Além do receio de um processo de demissão em massa, eles alertam que não está claro a quem caberá o controle aéreo quando a iniciativa privada assumir a gestão. "O projeto (concessão) não foi discutido com ninguém. Está sendo montando dentro de quatro paredes. Os trabalhadores não foram ouvidos", afirmou o presidente do sindicato, Francisco Lemos. De acordo com ele, não está claro como ficará a situação dos funcionários, se serão demitidos para serem recontratados pela iniciativa privada, por exemplo.

Na semana passada, quando o governo anunciou planos de fazer a concessão dos aeroportos de Viracopos (Campinas/SP) e Internacional Antonio Carlos Jobim (Galeão/Rio), o ministro da Defesa, Nelson Jobim, afirmou que os funcionários da Infraero não seriam prejudicados. O ministro também disse que a concessão do Galeão e de Viracopos não vai afetar o plano de reestruturação administrativa da Infraero, que poderá ter seu capital negociado em bolsa.

Também na semana passada, o Ministério da Defesa e o BNDES assinaram um convênio no qual o banco vai contratar uma consultoria para ajudá-lo na elaboração da reestruturação de todo o setor aéreo. Um dos principais pontos dessa discussão será o redesenho da Infraero.

O ministério foi procurado, mas informou que o modelo de concessão ainda está sendo elaborado e que não se pronunciaria. A Agência Nacional de Aviação Civil (Anac) e o Banco Nacional de Desenvolvimento Econômico e Social (BNDES), que em parceria vão elaborar o projeto de concessão dos aeroportos novos e já existentes, deram a mesma resposta que o Ministério da Defesa.

"Se não houver ruptura dos contratos dos funcionários, a Infraero poderá ser prestadora de serviços. Se houver, poderá haver demissão em massa", afirma o advogado Luiz Tarcísio Teixeira Ferreira, mestre em Direito Constitucional da PUC de São Paulo.

De acordo com ele, no caso dos controladores de vôo, hoje 80% militares, deverá haver a adoção de sistemas de gestão privados, mas a manutenção dos controles militares também. "O que pode acontecer é a manutenção dos dois modelos, para que haja competição e se estabelecer qual é o modelo mais eficiente", afirmou.

Fonte: Agência Estado

Campo de Marte vai passar por reformas e terá nova torre

Em um ano, movimento de passageiros cresceu 57,11% e fez o aeroporto ser o 5º mais movimentado do País

O Aeroporto Campo de Marte, na zona norte de São Paulo, vai ser expandido e ganhará uma nova torre. O anúncio foi feito nesta terça-feira, 9, pela Empresa Brasileira de Infra-Estrutura Aeroportuária (Infraero). Entre julho de 2007 e julho de 2008 houve um crescimento de 57,11% no movimento de passageiros no Campo de Marte. Até 2011 a Infraero promete construir uma nova torre no local e um centro comercial.

O projeto da nova torre, estimado em R$ 16 milhões, vai garantir maior visibilidade e deve entrar em operação até 2011. A construção de um empreendimento comercial para os passageiros - com lojas, restaurantes, consultórios e escritórios - pode estar pronta já no ano que vem.

"Hoje o movimento do tráfego de helicópteros em São Paulo supera o de Nova York e Tóquio. Considerando que o Campo de Marte concentra 70% do tráfego desse tipo de aviação, podemos dizer que ele é o mais movimentado do mundo com helicópteros", diz o superintendente da Infraero, Alex Barroso Júnior.

Além da nova torre, a pista do Campo de Marte será recapeada e alargada e o aeroporto deve ganhar 15 novos hangares. Segundo a Infraero, o Campo de Marte já é o quinto aeroporto mais movimento do País e recebeu mais de 230 mil passageiros em 2007.

O terminal é o que mais cresce em São Paulo: o movimento operacional das aeronaves cresceu 15% entre janeiro e julho deste ano em comparação a 2007. Já o Aeroporto de Cumbica cresceu 6% e o de Congonhas recuou 13% no mesmo período. O mesmo ocorre no crescimento de passageiros, 66% ante 16% em Cumbica e queda de 20% em Congonhas.

Fundado em 1920, o Campo de Marte foi o primeiro aeroporto de São Paulo. Hoje, é dedicado exclusivamente à aviação geral (táxi aéreo e jatos executivos). Também serve como base para helicópteros, escolas de pilotagem e o serviço aerotático das polícias civil e militar. Por ter uma pista curta - 1.600 metros de extensão, sendo 1.300 metros de área útil -, só tem condições de receber aviões de pequeno porte.

Segurança

Em 2007, a discussão sobre a segurança do Campo de Marte veio à tona depois do acidente com um jato Learjet. O jato caiu em cima de uma casa da zona norte após decolar do aeroporto. O acidente deixou nove mortos. A queda do Learjet aconteceu quatro meses depois do avião da TAM atravessar o Aeroporto de Congonhas, na zona sul da capital, e deixar 199 mortos. Depois do acidente da TAM, uma série de restrições à aviação em Congonhas aumentou o número de vôos do Campo de Marte.

Em 24 de novembro de 1995, um monomotor Cessna caiu na Avenida Santos Dumont logo após a decolagem e explodiu. Seus seis ocupantes morreram na hora. A aeronave teria perdido o trem de pouso ao levantar vôo. Após a explosão, chamas e partes da fuselagem atingiram dois carros, ferindo duas pessoas.

Em 25 de outubro de 2003, um helicóptero de uma escola de pilotagem caiu dentro da área do aeroporto. O instrutor de vôo morreu e o aluno ficou ferido.

Em outros acidentes perto do Campo de Marte, só houve feridos. Em 15 de outubro de 1997, um monomotor Aeroboero, do Aeroclube de São Paulo, caiu na Marginal do Tietê, sentido Ayrton Senna, a cem metros da Ponte da Casa Verde, na zona norte. Duas pessoas se feriram. Em 5 de fevereiro de 1983, outro monomotor que havia saído do Campo de Marte caiu numa praça no Carandiru e deixou 5 feridos.

Fonte: O Estado de S. Paulo - Foto: Patrícia Santos (AE)

'Homem-foguete' decola em evento na Califórnia

Equipamento realiza vôo de 30 segundos em exposição de museu da aviação.

No último fim de semana, uma exposição de foguetes portáteis e outros equipamentos na cidade de San Carlos, na Califórnia, teve como atração um "homem-foguete".

O curto vôo foi realizado em frente ao Museu da Aviação Hiller e fez parte de um evento dedicado a equipamentos de transporte considerados representantes da era espacial.

Há algumas décadas, foguetes portáteis chegaram a ser considerados o futuro do transporte pessoal.

Na futurística abertura das Olimpíadas de 1984, um piloto americano realizou um vôo com um destes equipamentos.

O tempo passou e, em vez de ganhar as ruas, hoje é mais fácil encontrar foguetes pessoais em museus, como o Hiller.

Fonte: BBC - Foto: Bay Area News Group

China: Companhia aérea Grand China Express quer comprar mais aviões da brasileira Embraer

A companhia aérea Grand China Express pretende adquirir 100 aviões Embraer do tipo E-190, nos próximos anos, para a sua frota, segundo escreve terça-feira o jornal China Daily.

A companhia Grand China Express, do grupo Hainan Airlines, já havia encomendado há três anos 50 aviões do tipo Embraer E-190, com uma capacidade de 98 a 114 passageiros e 50 outros aparelhos do modelo Embraer ERJ-145, de 50 lugares, num negócio estimado em 2,7 mil milhões de dólares.

O China Daily escreve que ainda durante o corrente ano a Embraer vai entregar sete aparelhos do modelo E-190 à Grand China Express e mensalmente um Embraer ERJ-145 até ser atingido o total dos 50 aparelhos encomendados.

Os aviões vão ser construídos na fábrica de Harbin onde a Embraer possui desde 2003 uma "joint-venture" com as empresas chinesas Harbin Aircraft e Hafei Aviation Industry, ambas controladas pela China Aviation Industry Corporation II.

Localizada em Harbin, capital da Província de Heilongjiang, a Harbin Embraer Aircraft produz aviões para o mercado chinês, com modelos iguais aos fabricados na sede da empresa, na cidade de São José dos Campos, a 90 quilómetros de São Paulo, no Brasil.

A confirmar-se a previsão da Grand China Express a Embraer venderá, nos próximos anos, 150 aviões à companhia aérea 100 do tipo E-190 e 50 do tipo ERJ-145.

O director-geral da Embraer China, Guan Dongyuan, disse que na China as companhias aéreas apenas têm seis por cento de aviões com 150 lugares ou menos enquanto que ao nível mundial este número é de 30 por cento.

Segundo o mesmo responsável da Embraer China apesar do mercado da aviação chinesa estar a crscer a um ritmo anual de 15 por cento, dos 1,5 milhões de voos anuais apenas 30 por cento são realizados com aviões com 100 lugares.

"Em 70 por cento das 112 rotas chinesas o número de assentos adquiridos é inferior a 300 pelo que se justificam aviões mais pequenos", lembrou Guan Dongyuan.

Na opinião do director geral da Embraer China, o mercado da aviação chinesa vai necessitar, a curto prazo, de pelo menos 1.100 aparelhos do tipo dos que a Embraer fabrica.

Chen Feng, presidente da Hainan Airlines, que controla a Grand China Express, considera que a estratégia da empresa é actuar na zona ocidental da China e em cidades mais pequenas.

"Escolhemos Tiajin e Xian como nosso base operacional com o objectivo de cobrirmos o norte, nordeste, noroeste e sudoeste da China", disse.

A companhia Grand China Express tem 38 aviões que voam para 55 cidades e controla 40 por cento do mercado regional de aviação da China.

Fonte: Macauhub

Aquecimento obriga avião da TAP a retornar após decolagem em Fortaleza

Os 248 passageiros que seguiam, na noite de ontem (08), de Fortaleza para Lisboa no vôo 0168 da TAP Portugal foram surpreendidos por precisar voltar à Capital cearense meia hora após a decolagem. Segundo a assessoria de imprensa da Infraero, a aeronave de modelo Airbus 330-200 saiu do Aeroporto Internacional Pinto Martins às 20h55 e quando já sobrevoava o Oceano Atlântico o comandante percebeu um superaquecimento no compartimento que armazena alimentos, acoplado na parte traseira do avião.

Por precaução, o piloto decidiu retornar ao solo cearense, pousando a aeronave às 21h25 no Aeroporto Pinto Martins. O avião estava lotado, com 246 adultos (incluindo tripulação) e duas crianças de colo.

Na pista do aeroporto, a equipe de mecânicos da TAP Portugal iniciou a correção do problema. Os passageiros permaneceram a bordo durante a manutenção da aeronave, que durou cerca de uma hora e 15 minutos. Às 22h40, reparo no compartimento de alimentos foi concluído e o avião liberado para seguir viagem até a Capital portuguesa.

Fonte: Diário do Nordeste

Veja fotos do acidente em Faro em 1992

Saiba mais sobre o acidente em Faro em 1992

Data: 21 de dezembro de 1992
Hora: 07:33 UTC
Tipo: McDonnell Douglas DC-10-30CF
Operador: Martinair Holland
Prefixo: PH-MBN
C / n / msn: 46924/218
Primeiro vôo: 1975
Total hrs: 61543
Ciclos: 14615
Motores: 3 General Electric CF6-50c
Tripulantes: 13 / Mortes: 2
Passageiros: 327 / Mortes: 54
Total: 340 / Mortes: 56
Avião dano: amortizado (danificado além de reparação)
Local: Aeroporto de Faro (FAO) - Portugal
Fase: Aterrissagem (LDG)
Natureza: vôo internacional não regular de passageiros (charter)
Aeroporto de partida: Aeroporto Internacional Amsterdã-Schiphol (AMS/EHAM), Holanda
Aeroporto de Destino: Aeroporto de Faro (FAO/LPFR), Portugal
Vôo número: 495

Fonte: ASN

Meteorologia

Passaram quinze anos sobre o trágico acidente de aviação que na chuvosa manhã de 21 de Dezembro de 1992 vitimou cerca de 54 passageiros e fez várias dezenas de feridos de um voo charter da companhia holandesa Martinair.

Naquela semana o Algarve foi fustigado por chuvas torrenciais e ventos fortes, já chovia torrencialmente há dias no Algarve, havia água por todo o lado, tudo devido a uma depressão situada a SW do Algarve mais conhecida por gota fria.


Fonte: Meteopt

Aproximação desestabilizada e Microburst provocam acidente

O Controle de Aproximação não advertiu a tripulação de vôo sobre a possibilidade de Microburst na final, mas o relatório oficial do acidente notou que uma tripulação experiente como aquela, deveria ter estado alerta para essa possibilidade.

Havia muita chuva quando a tripulação McDonnel Douglas DC-10-30F iniciou a aproximação para o Aeroporto de Faro (Portugal). No cruzamento da cabeceira da pista 11, encontraram vento cruzado de 40kt com componente de cauda de 10kt. A aeronave pousou no lado esquerdo da pista, sofreu ruptura no trem de pouso principal direito e deslizou pela lateral. A fuselagem separou-se e houve incêndio. Dois tripulantes de cabine e 54 passageiros faleceram. Dois membros da tripulação e 104 passageiros sofreram ferimentos graves.

Antes do vôo o 'comandante examinou a foto do satélite que mostrou uma área de baixa pressão sobre o Atlântico, nas proximidades da costa sul de Portugal'. A previsão indicava 'temporais isolados e pancadas de chuva'. A decolagem do aeroporto de origem sofrera atraso de aproximadamente 40 minutos, devido a um problema no reversor de um dos motores. O co-piloto era o 'Pilot Flying' (PF) nesta etapa.

Durante a aproximação o controle instruiu a tripulação para informar quando avistasse a pista e que a mesma encontrava-se 'inundada'. O comandante esclareceu ao PF que caso não obtivessem êxito no pouso, seguiriam para a alternativa. Quando a aeronave cruzava 995ft, começaram a ocorrer oscilações laterais e flutuações nos parâmetros de vôo.

Os registros do DFDR indicam que na curta final a velocidade do ar diminuiu consideravelmente. As manetes foram reduzidas a aproximadamente 40%. O manche foi puxado bruscamente e, simultaneamente, a potência dos motores foi aplicada, por iniciativa do comandante.

A equipe de bombeiros do aeroporto agiu prontamente e iniciou o combate ao incêndio. A chuva que avia caído recentemente encharcou o terreno nas laterais da pista de pouso, prejudicando o acesso de veículos naquela área. Quando o fogo parecia estar debelado, uma explosão reiniciou o incêndio. A investigação constatou que a maioria das mortes ocorreu for fogo, após o impacto.

- Não houve indícios de fogo ou mau funcionamento antes do impacto

Os motores da aeronave foram examinados e não mostravam nenhum indício de fogo interno. Todos os três motores estavam com potência, até o impacto. Os registros indicavam que a manutenção estava cumprida e não tinha nenhum item pendente na hora do acidente que afetasse a sua aeronavegabilidade. O peso e balanceamento da aeronave estavam dentro dos limites operacionais.

- Aproximação instável

Durante a aproximação o comandante recomendou ao PF que realizasse um pouso não muito 'suave'. Uma aterrissagem positiva. As condições meteorológicas eram de céu obscurecido, predominância de nuvens 'cumulunimbus' com fortes chuvas.

Nos momentos que antecederam do pouso, a chuva alcançou valores ao redor de 60 a 65mm/h, em virtude de uma violenta tempestade. Sensores de vento instalados na proximidade da cabeceira da pista 11 indicam que aproximadamente um minuto antes do pouso desta aeronave, o vento sofreu uma alteração de 70 graus e a intensidade de 20 a 27kt, chegando a rajadas de 35kt.

Os estudos demonstraram que a 0,6NM da cabeceira, a aeronave cruzou dois microburst, gerando variações que poderiam ter ativado o sistema de advertência de Windshear (tesoura de vento), se a aeronave estivesse equipada com tal dispositivo.

A instabilidade longitudinal durante a fase final do vôo pode ter induzido o piloto a reduzir as manetes manualmente para manter a rampa de aproximação. A aproximação ficou instável quando a aeronave cruzava 750ft. O manual de operações da empresa estabelece que ao atingir 500ft e a aproximação não está estabilizada, esta deve ser abandonada, procedendo-se a arremetida.

A alta razão de descida foi o resultado da redução dos motores em altura superior à recomendada. A redução prematura da potência, provavelmente foi uma preocupação da tripulação para prevenir velocidade excessiva e a distância de pista disponível. A troca de modo do piloto automático a 80ft pote ter contribuído para o toque duro. A troca foi provocada pelo comando de asa direita para cima pelo capitão, que foi contrariado pelo PF.

O controle de aproximação não informou a possibilidade de tesoura de vento, nem a tripulação que efetuou pouso imediatamente anterior com outra aeronave. O uso da seleção de flapes 35, como recomenda o manual de operações da empresa para possibilidade de tesoura de vento, excederia os limites de distância para pouso na pista 11, o que indica que os tripulantes não levaram em consideração a possibilidade de ocorrência desse fenômeno meteorológico.

A informação dos ventos de superfície no aeroporto é feita por sensores instalados próximo das cabeceiras 11 e 29, e exibida em um instrumento na Torre de Controle. A indicação de qual cabeceira está sendo medido o vento é feita através de um seletor, que é um interruptor que gira 30 graus entre as marcas de referência para a pista 11 e 29. As indicações não mostram outra informação que claramente poderia determinar qual pista foi selecionada.

Os investigadores determinaram que a informação de vento passada era a da pista 29. Conseqüentemente, o controlador disse que não estava identificando nenhuma rajada de vento, enquanto a aeronave aproximava-se na curta final da pista 11.

- Meteorologia e fator humano contribuíram para o acidente

As causas prováveis para este acidente foram identificados como sendo:

> A aproximação desestabilizada,
> A redução prematura da potência e a sustentação dessa condição, devido a ação da tripulação,
> A informação incorreta do vento pelo Controle de Aproximação,
> A avaliação incorreta pela tripulação das condições da pista,
> A alteração do piloto automático para o modo manual numa fase crítica da aproximação,
> A reação atrasada da tripulação em aumentar a potência,
> A degradação da pista devido a chuva pesada.

- Fraseologia não padronizada induziu a erro da tripulação

O Controle de Aproximação de Faro utilizou a expressão 'a pista esta inundada'. Na terminologia ICAO, a palavra 'inundada' indica 'água parada extensa e visível' e deve, se possível, ser acompanhada por uma figura que indica a profundidade da água.

A palavra 'inundada' porém, não ativou a mente da tripulação e o seu significado não foi percebido. O comandante entendeu o termo 'inundada' com o significado de que a pista estava molhada. No manual de operação da empresa não há nenhuma referência à palavra 'inundada'.

Os procedimentos estabelecidos no manual de operação da empresa para as ações de frenagem são: Média/Moderada para pista molhada ou seca e Fraca com água parada. Se a tripulação tivesse entendido o significado da palavra 'inundada', eles teriam considerado a ação de frenagem como fraca.

Os procedimentos estabelecidos no manual de operação da empresa, como precaução para tesoura de vento, não foram cumpridos: até 1.000ft a aproximação deve estar estabilizada, e evitar grandes alterações na potência em resposta a aumento ou diminuição de velocidade.

Adaptado da revista Accident Prevention da Flight Safety Foundation (Retirado do Informativo VASP Safety News).

Fonte: Air Safety Group

Justiça: Martinair pede 125 milhões de euros à Aeroportos de Portugal por desastre com avião em 1992

A companhia de aviação Martinair pede uma indenização de 125 milhões de euros à Aeroportos de Portugal, alegando que esta empresa "não forneceu dados meteorológicos à tripulação" do avião acidentado em Faro em 1992, afirmou hoje o advogado da transportadora.

O acidente aéreo "podia ter sido evitado, se a Aeroportos de Portugal (ANA) tivesse fornecido indicações correctas à tripulação", explicou à Agência Lusa o advogado que representa a Martinair, Manuel Magalhães e Silva, no intervalo da audiência que hoje teve início no Tribunal Administrativo de Círculo de Lisboa, dezasseis anos depois do acidente.

Manuel Magalhães e Silva adiantou que os dados meteorológicos entregues anteriormente aos pilotos "não correspondiam aos ventos da pista onde o avião ia aterrar [pista 11]", mas sim "da pista 29, que excediam largamente a capacidade operacional do avião".

Durante a parte da manhã, a Martinair chamou a primeira de sete testemunhas, John Mccarthy, um cientista norte-americano ligado aos fenómenos meteorológicos e investigador do acidente que ocorreu em Faro.

O cientista afirmou que, de acordo com os fenómenos meteorológicos verificados a 21 de Dezembro de 1992, data do desastre e àquela hora (08:33), a tripulação "não podia evitar o acidente, sem dados correctos", fornecidos pelos controladores de voo, explicando os valores de chuva, ventos, trovoadas, velocidades e outros fenómenos climatéricos registados.

O especialista explicou ao tribunal que "o fenómono meteorológico verificado 'Microburst" - grande turbulência com ventos descendentes muito fortes' não foi transmitido à tripulação", conforme os registos das caixas negras, a que o cientista afirmou que teve acesso.

O estudioso norte-americano afirmou ainda que "o 'Microburst' já foi responsável por vários acidentes aéreos em todo o mundo".

A Lusa falou com o advogado da ANA, José Alves Pereira, e o das seguradoras, José Drago, tendo ambos recusado fornecer "qualquer informação" sobre o desenrolar desta acção judicial e alegando que "não podem falar sobre este assunto".

O processo cujo julgamento teve hoje início opõe a Martinair e as seguradoras da empresa contra a Aeroportos de Portugal e respectivas seguradoras, sendo julgado por um colectivo de três juízes, presidido pela juíza Guida Jorge.

O voo MP 495 da Martinair teve origem no Aeroporto de Amsterdão, no dia 21 de Dezembro de 1992, tendo levantado às 05:35 com destino ao Aeroporto de Faro, tendo o acidente ocorrido às 08:33, quando aterrava.

O aparelho DC 10 transportava 340 pessoas, 13 das quais tripulantes, tendo morrido no acidente em Faro 54 pessoas e causado mais de duas centenas de feridos.

O julgamento deste processo, que já conta com mais de 65 volumes, prossegue durante toda esta semana.

Fonte: Agência Lusa (Portugal)

Vasp está sem voar há mais de três anos: saiba mais sobre a empresa

Vasp iniciou suas operações há mais de 70 anos.

Desde 1990, a companhia estava sob gestão privada.

A Viação Aérea São Paulo (Vasp) está no mercado há mais de 70 anos. Com problemas financeiros, a companhia deixou de voar há mais de três anos e meio, demitindo boa parte de seus funcionários e mantendo serviços de assistência técnica a algumas outras companhias em seu pátio no Aeroporto de Congonhas, onde ficaram estacionados os aviões que a empresa não utilizava mais.

Em 2006, foi dado início ao processo de recuperação judicial da empresa. O objetivo era que a empresa vendesse parte de seus ativos e voltasse a operar - entretanto, segundo o gestor da Vasp, Roberto de Castro, algumas liminares impediram que isso fosse feito. Como o processo de recuperação não foi adiante, credores pediram a falência da companhia, cujo decreto foi anunciado nesta segunda-feira (8) pelo Tribunal de Justiça de São Paulo (TJ-SP).

Pátio de aeronaves da Vasp

Sete décadas

Fundada em 1933, a empresa logo enfrentou dificuldades financeiras e logo precisou ser resgatada pelo estado de São Paulo. A partir de 1935, passou a receber dinheiro estatal todos os anos para operar, dando início a uma linha aérea regular entre a capital paulista e o Rio de Janeiro no ano seguinte. Entre 1937 e 1940, a companhia também iniciaria vôos para Curitiba, Florianópolis e Porto Alegre.

Nos anos 80, a empresa enfrentava novas dificuldades financeiras. Em 1989, de acordo com o site da companhia, a Vasp registrou prejuízo de US$ 51 milhões. Anos antes, em 1982, a Vasp registrou o pior acidente aéreo do país até então, quando um vôo com destino a Fortaleza se chocou contra a Serra da Aratanha, no Ceará. Todos os 137 ocupantes do Boeing morreram.

Em 1990, a empresa recebeu aporte de US$ 50 milhões em preparação a um processo de privatização que aconteceu em outubro do mesmo ano. O Grupo Canhedo pagou US$ 44 milhões por 60% das ações ordinárias da Vasp. Nos anos 90, sob gestão privada, a empresa perdeu participação no mercado nacional, fator que se agravou com a entrada da Gol no mercado, no início dos anos 2000.

Fonte: G1 - Foto: Monalisa Lins (Agência Estado)

Gestor da Vasp diz que vai recorrer de decreto de falência

Para Castro, decisões do TJ-SP 'engessaram' recuperação da Vasp.

Falência foi decretada pelo tribunal na última quinta-feira (4).



O gestor da recuperação da Viação Aérea São Paulo (Vasp), Roberto de Castro, disse que vai recorrer da determinação do Tribunal de Justiça de São Paulo (TJ-SP), que anunciou o decreto de falência da Vasp nesta segunda-feira (8). “Temos de recorrer no tribunal em São Paulo ainda e eventualmente na esfera federal”, disse Castro ao G1 por telefone.

Segundo decisão do juiz Alexandre Alves Lazzarini, o principal argumento favorável ao decreto de falência da Vasp é o de que a companhia não conseguiu implementar seu plano de recuperação judicial, iniciado em julho de 2006.

De acordo com Castro, que é um dos três interventores que foram nomeados gestores da empresa em assembléia de credores em 2006, foram as decisões do próprio TJ-SP que “engessaram” a implementação do plano de recuperação judicial da companhia, que previa a venda de alguns ativos da Vasp para sanar as dívidas da empresa.

“O plano de recuperação previa alienação de ativos, preparamos tudo até um ano atrás, estava tudo pronto para vender os ativos para atender à falência, quando o Tribunal de Justiça de São Paulo impediu a alienação de qualquer ativo”, diz. “Ficamos engessados”, afirmou.

O Tribunal de Justiça, procurado pelo G1, não quis se pronunciar sobre as declarações de Castro.

Venda de bens

Segundo Castro, a venda de alguns bens da companhia seria suficiente para pagar as dívidas da companhia, que poderia até voltar a operar vôos. O gestor afirma que, depois do pagamento de todas as dívidas, ainda restaria um patrimônio positivo de R$ 2,5 bilhões.

Entre os ativos que seriam leiloados, segundo Castro, estão sete fundos de recebíveis, mais de cem imóveis que a companhia possui em diversas regiões do país, além de ações favoráveis à companhia, como a que ela venceu contra a União, estimada em R$ 2,8 bilhões.

O gestor disse ainda que, com a falência decretada, um "síndico da falência" deve assumir a responsabilidade sobre a companhia. "Estamos neste momento no intervalo de uma reunião com o liqüidante, conversaremos muito francamente, como é a nossa obrigação, e provavelmente até amanhã estamos fora daqui", disse.

Entenda

A Viação Aérea São Paulo (Vasp) está no mercado há mais de 70 anos, e não voa há mais de três. Com problemas financeiros, a companhia deixou de voar em 2005, demitindo boa parte de seus funcionários e mantendo serviços de assistência técnica a algumas outras companhias em seu pátio no Aeroporto de Congonhas, onde ficaram estacionados os aviões que a empresa não utilizava mais.

Em 2006, foi dado início ao processo de recuperação judicial da empresa. O objetivo era que a empresa vendesse parte de seus ativos e voltasse a operar - entretanto, segundo Castro, algumas liminares impediram que isso fosse feito. Como o processo de recuperação não foi adiante, credores pediram a falência da companhia, que foi decretada pelo Tribunal de Justiça de São Paulo (TJ-SP).

Fontes: G1 / Globonews

Justiça de São Paulo decreta a falência da Vasp

A antiga gigante do setor aéreo brasileiro está no chão há quase quatro anos.

Seus 28 aviões viraram ferro-velho e foram penhorados pelo INSS.



Um avião empoeirado, sem os motores. Perto das asas, equipamentos aeronáuticos. Tudo abandonado na lateral da pista do Aeroporto de Confins, em Minas Gerais.

Em Congonhas, São Paulo, onde fica a sede da companhia estão 10 aviões. Todos sem as turbinas e com sinais fortes de deterioração.

O Aeroporto Internacional de São Paulo, em Guarulhos, também têm um cemitério de aviões. Três deles são da Vasp.

Vinte e oito aeronaves da empresa estão paradas em pelo menos 10 aeroportos do país.

As portas dos hangares foram fechadas no começo de 2005. Proibida de voar, a Vasp sofreu intervenção da justiça.

Mesmo sem transportar nenhum passageiro durante quase quatro anos, a Vasp ainda mantinha funcionários nos hangares do Aeroporto de Congonhas, em São Paulo.

Até esta segunda-feira, quando foram informados da decretação da falência, eles faziam a manutenção dos aviões de outras companhias aéreas. E ajudavam a preservar equipamentos eletrônicos e simuladores de vôos que, agora, serão vendidos para pagar as dívidas.

Na sentença, o juiz da vara de falências de São Paulo diz que decorridos quase três anos a Vasp não teve condições de implementar o plano de recuperação judicial. Ou seja, a empresa não cumpriu uma agenda para pagar os credores, conforme previa o plano de recuperação.

A Vasp deve R$ 2,6 bilhões. A dívida trabalhista, segundo o sindicato dos aeroportuários é a mais alta.

“É em torno de um bilhão de crédito trabalhista. São cerca de mais de cinco mil trabalhadores”, declara Reginaldo de Souza, presidente do Sindicato dos Aeroviários - SP

Os últimos funcionários deixaram a Vasp desolados.

“A gente está deixando oito salários para trás, sem esperança nenhuma”, fala Cristiano Souza, técnico em manutenção.

“Fica difícil, tem gente doente, tendo que pagar aluguel, com filho para dar de comer...”, diz José Rodrigues da Silva, jardineiro.

O ex-gestor de recuperação da Vasp, Roberto de Castro, disse que a empresa tem um patrimônio líquido de R$ 2,5 bilhões e que vai recorrer da decretação da falência.

Fontes: G1 / Jornal da Globo

segunda-feira, 8 de setembro de 2008

Pequeno avião cai em área residencial na Índia matando seus dois ocupantes

Um instrutor de um aeroclube e um estudante morreram quando um avião Cessna 152 da Academia de Aviação Andhra Pradesh, caiu em um área residencial da cidade de Hyderabad, na Índia, nesta segunda-feira (08) logo após a decolagem.

Neeraj Jain, 26 anos, instrutor de vôo e P Srinivas, 22 anos, estudante candidato a piloto, do Andhra Pradesh Flying Club morreram quando o Cessna 152 caiu logo após a decolagem do Aeroporto Begumpet às 11 horas.

Testemunhas oculares disseram que o avião começou a descer e atingiu um poste elétrico depois que ele caiu no chão. A parte traseira da aeronave, no entanto, ficou preso em um prédio vizinho.

Segundo funcionários do aeroporto, o avião bateu em cabos de alta tensão quando tentava realizar uma aterrissagem de emergência após a constatação que a aeronave apresentava problemas no motor.

Não foram encontradas vítimas civis em solo, mesmo a aeronave tendo caido entre dois blocos residenciais.

Uma testemunha ocular disse que o avião rumou para o solo batendo no telhado de um prédio e depois caiu causando um enorme barulho seguido por um grande incêndio.

Uma equipe de funcionários da Direção-Geral da Aviação Civil foi para o local investigar as causas do acidente.

Fontes: G1 / Reuters / Zee News (Índia) - Fotos: Krishnendu Halder (Reuters)

Greve na Boeing leva empresa a paralisar fabricação de aviões

Cerca de 27 mil funcionários estão de braços cruzados desde sexta (5).

Empresa continuará a fornecer assistência técnica e peças a clientes.


Após o fracasso nas negociações salariais com seus funcionários, a Boeing anunciou nesta segunda-feira (8) que vai paralisar todas as suas atividades de produção. Os empregados decidiram pela greve na sexta-feira (5).

No total, 27 mil funcionários da empresa, ligados ao sindicato Internacional Association of Machinists and Aerospace Workers (IAM), cruzaram os braços no sábado após rejeitar a última oferta da fabricante.

Outros empregados, não afiliados ao sindicato, devem comparecer ao trabalho, mas a produção de aeronaves será suspensa. Eles deverão apenas realizar suporte a aviões já entregues e ao fornecimento de peças de reposição.

"Infelizmente, as diferenças eram muito grandes para serem superadas", afirmou o presidente e executivo-chefe da Boeing Aviões Comerciais, Scott Carson.

"Durante a paralisação dos trabalhos, vamos continuar a apoiar nossos clientes e seus aviões em serviço. Também vamos entregar as aeronaves que já tinham sido completadas antes da greve, mas não iremos montar novos aviões durante a paralisação", afirmou em seu blog corporativo o vice-presidente de Marketing da Boeing Aviões Comerciais, Randy Tinseth.

'Proposta final'

No último dia 3 de setembro, a Boeing apresentou sua proposta final, que, segundo ela, representaria uma renda adicional média de US$ 34 mil em três anos, entre aumento de salários, benefícios e bonificações. No total, o aumento salarial seria de 11%, divididos em três etapas anuais.

Os sindicalistas argumentam, porém, que o custo de vida no estado de Washington, onde fica a fábrica dos aviões comerciais da Boeing, subiu muito e hoje está 3% acima da média nacional. Eles também afirmam querer mais garantias de estabilidade no emprego, o que não teria sido atendido pela empresa.

Fonte: Valor OnLine

Acusados de tentar explodir avião são condenados em Londres

Conspiração teria ocorrido em 2006.

Um dos acusados foi considerado inocente.


Três membros de uma célula islâmica radical acusados de conspirar em 2006 para tentar explodir um avião durante um vôo transatlântico com explosivos líquidos foram considerados culpados nesta segunda-feira (8) em Londres.

Depois de cinco meses de julgamento, o tribunal considerou os três homens culpados de conspirar para "matar centenas de pessoas" em um ato terrorrista.

Abdulla Ahmed Ali, Assad Sarwar e Tanvir Hussain foram considerados culpados. Outros cinco homens foram a julgamento. Em quatro dos casos, o júri não conseguiu chegar a um veredicto. O quinto homem foi considerado inocente.

Fonte: G1

Ataque com aviões supostamente americanos provoca mortes no Paquistão

Segundo a agência de notícias France Presse, há 14 mortos.

Escola islâmica alvo de ataque foi fundada por amigo de Osama bin Laden.


Um ataque com mísseis executado supostamente por aviões controlados por americanos provocou mortes próximo à fronteira afegã, em uma área de zonas tribais do Paquistão nesta segunda-feira (8).

Segundo a agência de notícias France Presse, há 14 mortos, entre eles mulheres e crianças, e 25 feridos, alguns em estado grave. Já a agência de notícias Reuters informa que 16 pessoas morreram. As forças americanas presentes no vizinho Afeganistão são as únicas na região que dispõem de aviões sem piloto.

Os aviões dispararam vários mísseis que atingiram uma casa perto de uma madrassa em North Waziristan, no quarto ataque do gênero em apenas uma semana. Segundo a Reuters, a escola islâmica foi fundada por um amigo de Osama bin Laden, o comandante talebã Jalaluddin Haqqani.

Fonte: G1

Dois morrem em queda de avião no Colorado (EUA)

No mapa, o local do acidente


O avião Gulfstream American Corp AA-5A, prefixo N26930 caiu no Condado de Garfield, em Mack, no Colorado (EUA) no domingo (07). Não houve sobreviventes.

As autoridades receberam o depoimento de uma testemunha que viu o avião cair perto de Baxter Pass, próximo a Mack, no noroeste do Colorado e perto da divisa com o estado de Utah, por volta das 15:00 (hora local) de domingo.

Os serviços de emergência dos municípios de Mesa e de Garfield dirigiram-se para o local indicado onde foi encontrado o avião perto de uma rodovia por volta das 18:00 horas.

Uma investigação preliminar foi determinada.

O avião com dois ocupantes estava a caminho da Dove Creek, no sudoeste do Colorado.

Fontes: Denver Post / ASN

Avião com cinco ocupantes cai na Namíbia. Um morto

Uma aeronave Cessna 210, prefixo V5-BIG, da empresa Wings Over Africa, transportando cinco pessoas caiu no Windhoek's Park Hochland, uma área residencial em Windhoek, na Namíbia, pouco depois de decolar do Aeroporto Eros às 08:57 (hora local) de domingo (08).

O acidente custou a vida de um turista suíço que estava a bordo.

Todos os cinco ocupantes do monomotor saíram vivos do avião depois de este ter efetuado uma aterrissagem de emergência na Rodovia Hochland Park, mas um dos passageiros morreu ontem à tarde, no hospital em Windhoek, onde ele estava sendo tratado pelos ferimentos sofridos no acidente. Todos os cinco a bordo, incluindo o piloto, são provenientes da Suíça.

A colisão é o quinto acidente grave envolvendo um avião decolando do Aeroporto de Eros em menos de um ano, e é o sétimo acidente aéreo grave na Namíbia neste ano.

O suporto destino da aeronave era Huab Lodge, situado entre Khorixas e Kamanjab no Kunene.

Pouco após a descolagem, porém, o piloto do avião enviou, aflito, um aviso de Mayday que foi pego pelo piloto de outra aeronave e pelo controle do tráfego aéreo do Aeroporto de Eros.

Ele disse que o piloto informou que o avião estava experimentando uma falha no motor.

O piloto optou por fazer uma aterrissagem de emergência em uma estrada em Hochland Park, mas durante esse procedimento, uma das asas do avião atingiu a parte fronteira do muro de uma casa na Rodovia Papegaien.

A aeronave ainda deslizou um pouco mais ao longo da estrada antes de parar em frente a outra casa, onde também havia danificado a frente de um muro.

Um dos passageiros ficou gravemente ferido e foi levado para a unidade de cuidados intensivos de um hospital de Windhoek, onde morreu ontem.

O avião ficou bastante danificado, com o seu motor e asa esquerda arrancada da fuselagem.

A causa do acidente está agora sob investigação por parte da Direção da Aviação local.

Fonte: Namibian.com - Fotos: ASN

Piloto morre durante preparativos para show aéreo nos EUA

Ian Gregor, porta-voz da FAA (Federal Aviation Administration) informou que um piloto morreu na manhã de sábado (07) quando seu avião Debus-Casst-Snoshoo (um Cassutt modificado), prefixo N102MB, caiu no Aeroporto Reno-Stead (4SD), em Reno, Nevada (EUA) quando as asas da aeronave partiram-se.

A piloto Erica Simpson a bordo do seu avião no Aeroporto Reno-Stead pouco antes do acidente que a matou

A piloto de 32 anos de idade, Erica Simpson, se preparava para a Races National Championship Air quando seu avião, um fórmula chamado "Little Lynn" caiu por volta das 9:00 (hora local) quando ela estava se preparando para a seu segundo vôo preparatório.

A NTBS (National Transportation Safety Board) e a FAA (Federal Aviation Administration) estão investigando as causas do acidente.

Três pilotos morreram em colisões em 2007 no Campeonato Nacional Air Races e 19 pessoas morreram nas competições nos 45 anos de sua história.

Fontes: KRNV - FAA

Avião faz pouso de emergência por falha em trem de pouso na Ucrânia

Um avião Antonov AN-140, da empresa ucraniana South Airlines realizou uma aterrissagem de emergência no Aeroporto Internacional Boryspil (KBP), em Kiev às 19:40 (hora local) do sábado (06).

A bordo da aeronave que realizava o vôo YG80 entre Ivano-Frankovsk e Kiev (ambas cidades da Ucrânia) estavam 16 pessoas: 12 passageiros e 4 tripulantes. Não houve feridos no procedimento.

Ao acionar o trem de pouso para a aterrissagem, o trem dianteiro não desceu após inúmeras tentativas feitas pelo piloto, que optou pela aterrissagem de emergência utilizando apenas os trens de pouso traseiros.

Os serviços de emergência do aeroporto foram colocados de prontidão. Os bombeiros prepararam uma camada de espuma sobre a pista e a aeronave aterrissou às 20:26 hs. sem maiores problemas.

As causas da falha no trem de pouso será investigada.

Fonte: Ytpu.ru (Rússia)

Rússia vai estacionar na Venezuela aviões anti-submarinos

A Rússia estacionará temporariamente na Venezuela aviões de ataque contra submarinos, afirmou nesta segunda-feira o porta-voz do ministério russo das Relações Exteriores, Andrei Nesterenko.

"Moscou planeja estacionar temporariamente aviões anti-submarinos da Marinha russa em um aeroporto na Venezuela", afirmou Nesterenko, que também confirmou que um navio com armamento nuclear viajará ao país sul-americano no fim do ano.

Fonte: France Presse

domingo, 7 de setembro de 2008

Sete ficam feridos em acidente entre lancha e hidroavião

Hidroavião decolava quando atingiu embarcação.

Acidente ocorreu próximo a porto, em Manaus.




Pelo menos sete pessoas ficaram feridas em um acidente envolvendo uma lancha e um hidroavião, em Manaus. O acidente ocorreu na tarde desta sexta-feira (5), a cerca de 200 metros da balsa do Porto da Balsa de São Raimundo.

O hidroavião, com três pessoas a bordo, estava decolando quando bateu na lancha, que atravessou na frente do veículo. Sete pessoas estavam no barco, entre elas, três crianças.

Os passageiros do hidroavião não ficaram feridos. Porém, todas as pessoas que estavam na lancha foram levadas ao hospital.

Fontes: G1 / Globonwes / TV Amazonas

Informe final do acidente com o Boeing 777 em Heatrow

Gelo no sistema de combustivel podem ter sido a causa da queda do 777 da British em Heathrow em 18/01/2008 .

Investigadores da AAIB (Air Accident Investigations Branch), disseram que a agua normalmente presente nos combustiveis, pode ter se congelado pelo frio extremo que o avião encontrou durante o vôo.

O informe pede que a FAA e a sua equivalente europeia, a EASA, trabalhem junto a Boeing e a Rolls Royce procurando medidas para evitar a repeticao do ocorrido em Heathrow.

A FAA disse que emitira uma AD implementando as recomendacoes da AAIB, e enviara uma nota aos operadores de B777, alterando os procedimentos de voo em temperaturas extremamente baixas.

O informe recomenda a modificacao dos procedimentos de certificacao, visando que as aeronaves tenham um sistema que possa controlar a acumulacao de gelo nos sistemas de alimentacao.

" A agua esta sempre presente nos sistemas de alimentacao dos avioes, podendo ser introduzida durante o abastecimento, ou pela condensacao da umidade do ar que entra pelo sistema de respiro dos tanques", disse o informe.

Os cristais de gelo normalmente nao afetam o funcionamento dos motores, porque sao particulas minusculas. No entanto, a temperaturas muito baixas, os cristais se unem formando bolas que podem obstruir o sistema

Fonte: AAIB (Reino Unido)

Iraque quer comprar 36 caças F-16 dos EUA

O governo de Bagdad pediu a Washington informação sobre as condições de compra de 36 aviões de combate dos modernos F-16, avançou o Wall Street Journal citando fonte militar conhecedora do processo.

A força aérea dos Estados Unidos tem 300 aviões e helicópteros militares a operar no Iraque e no Afeganistão, a maioria dos quais no Iraque, indica o jornal nova-iorquino num artigo publicado sexta-feira (05).

A potencial aquisição dos F-16 é justificada com a necessidade de reduzir a dependência militar em relação à força aérea americana e ajudaria a aumentar o número de efectivos que os EUA pretendem retirar do Iraque. Por outro lado, os aviões ajudariam a força aérea iraquiana no combate contra rebeldes sunitas e xiitas.

Segundo WSJ, o Pentágono informou recentemente o Congresso sobre a venda a Bagdad de 24 helicópteros de ataque, num valor global de 2,4 mil milhões de dólares.

Incluindo os hélis, o Iraque anunciou plano para comprar aos EUA material até um montante de 10 mil milhões de dólares, incluindo carros de combate, tanques, aviões de transporte, serviços associados e outro equipamento de guerra.

Este programa beneficia empresas como a General Dynamics, Boeing e a Raytheon. Os F-16 são fabricados pela Lockheed Martin.

Fonte: Dinheiro Digital (Portugal)

Portugal: Fábrica de aviões Skylander muda-se para França

Sem Skylander mas com Embraer

Os aviões bimotor Skylander vão ser construídos na região francesa de Lorraine

A mudança do projecto da fábrica de aviões Skylander de Évora para a região francesa de Lorraine não surpreendeu o presidente da Agência para o Investimento e Comércio Externo de Portugal (AICEP). Basílio Horta referiu ontem ao CM que os investidores – o grupo francês GECI Internacional – não entregou qualquer candidatura ao Governo português desde a apresentação do projecto, em 2003.

"Não cumpriram com os requisitos mínimos. Nunca apresentaram os estudos de viabilidade económica e de estrutura financeira. Há seis meses contactaram o professor Augusto Mateus e chegaram a reunir em Julho com um grupo financeiro, mas depois não houve mais contactos", acrescentou o presidente da AICEP, que aproveitou para tranquilizar a população alentejana sobre o outro projecto da indústria aeronáutica previsto para Évora, da empresa brasileira Embraer, que prevê criar mais de 500 postos de trabalho.

"É um projecto sólido e consistente, cujo investimento já foi formalizado entre os governos português e brasileiro. Posso garantir que da parte do Governo, como da Câmara de Évora, não houve um minuto de atraso na burocracia com ambos os projectos", sublinhou.

O volte-face da GECI surpreendeu, no entanto, o autarca de Évora. O município exigiu ontem à empresa um esclarecimento público sobre as razões que motivaram a "súbita mudança de orientação".

"Acho estranho o silêncio da empresa. No mês passado, numa reunião com os investidores, tudo indicava que em breve prazo o projecto seria concretizado", referiu José Ernesto de Oliveira.

A mudança do projecto Skylander para a região francesa de Lorraine surgiu após uma reunião entre Serge Bitboul, da GECI, com o ministro francês da Energia, Desenvolvimento e Administração do Território, Jean-Louis Borloo, na qual terão sido propostas melhores condições para a instalação da fábrica e uma nova calendarização para a concretização do projecto.

CALENDÁRIO

2003

Apresentada fábrica de aviões Skylander no aeródromo de Évora, num investimento de 125 milhões de euros. Início da produção previsto para 2011.

2006

A unidade foi considerada como Projecto de Interesse Nacional (PIN). Iria criar três mil postos de trabalho, mil dos quais directos.

2008

Projecto da Embraer é formalizado. Em 2009, serão criadas duas fábricas de estruturas e peças para a indústria aeronáutica.

Fonte: Correio da Manhã (Portugal)

Avião da TAM tem problemas na decolagem e fica preso em Nova York

O vôo JJ-8380 da TAM, que seguiria de Nova York para São Paulo, teve problemas na tarde deste sábado (6), no momento da decolagem.

De acordo com a empresa, a aeronave teve problemas técnicos e não pode decolar. Em nota, a empresa fala em "manutenção não programada nos Estados Unidos", sem especificar que tipo de manutenção seria. A Infraero (estatal que administra os aeroportos do Brasil) confirmou o cancelamento do vôo, mas afirmou desconhecer o motivo.

Segundo a TAM, os passageiros serão recolocados num vôo programado para decolar às 20h40 (horário de Brasília), que deve pousar no aeroporto de Guarulhos (Grande São Paulo).

Fonte: Folha Online

Informação adicional:

A aeronave em questão era o Airbus A330-223, prefixo PT-MVO.
(informação adicionada em 30/09/08 às 23:57)

O Airbus PT-MVO sobre a França em 28 de agosto de 2008

Foto: Yvan Panas (Planepictures)

Avião com 174 passageiros, entre eles membros do RBD, aterrissa de emergência em Barcelona

Um Airbus A-320 com 174 passageiros a bordo foi forçado a realizar uma aterrissagem de emergência no Aeroporto de El Pratt, em Barcelona, na Espanha, na terça-feira (02).

Poucos minutos após decolar rumo a Liubliana, na Eslovênia o avião da companhia espanhola de baixo custo Clickair colidiu com uma ave.

O animal foi sugado por um dos motores e provocou fortes vibrações e uma perda de potência na turbina. O piloto comunicou a emergência a torre de controle e regressou ao El Pratt, após previamente sobrevoar o mar para dispensar uma parte de sua carga de combustível, segundo informações da companhia aérea, que faz parte do grupo Iberia.

Alijar a carga de combustível antes de voltar a aterrissar é um procedimento normal quando ocorre uma situação de emergência dessa natureza. Caso não seja adotada essa medida, a aeronave pode sofrer graves danos em sua estrutura ou no trem de aterrissagem em razão do peso do combustível armazenado em seus tanques, já que esse tipo de avião supera as 20 toneladas no momento da decolagem.

O Airbus A-320, que tem capacidade para transportar 180 passageiros, decolou às 14.15(hora local) ruma a capital eslovena com 174 turistas a bordo, a maioria deles, catalãos que iniciavam seu período de férias.

Aproximadamente cinco minutos depois de iniciar a manobra de decolagem, quando a aeronave não havía alcançado sua altitude de cruzeiro, o piloto comunicou a torre de controle de El Pratt que um dos dois motores haviaa começado a vibrar e estava perdendo potência.

O piloto, segundo informações, desligou o motor afetado cortando o fornecimento de combustível e, em seguida pediu permissão a torre de controle para regressar ao aeroporto barcelonês, que imediatamente activou seu dispositivo de emergência.

Após a aterrissagem, os técnicos de manutenção da companhia detetaram que uma ave de grande tamanho havia impactado contra o motor, que succionou e triturou o animal em pleno vôo. Um porta-voz da Clickair confirmou essas informações. mas não sou precisar de que espécie de ave se tratava.

A Clickair pôs a disposição dos 174 passageiros afetados pelo incidente outro avião da companhia, procedente de Roma, para que continuassem sua viagem a Liubliana. Mesmo assim, pelo menos 10 passageiros se negaram a embarcar de novo. O restante partiu para a capital eslovena umas duas horas depois que o avião sinistrado aterrissou no El Pratt.

Fonte: El Confidencial (Espanha)

RBD

Dulce María e Alfonso Herrera, os atores e cantores do RBD, levaram o maior susto de suas vidas, quando o avião comercial em que viajavam, da Espanha para a Eslovênia, teve que fazer um pouso de emergência.

Segundo o site mexicano La Botana, o avião, que partiu de Barcelona com destino à Eslovênia, apresentou pane em uma das turbinas e precisou aterrissar minutos após ter levantado vôo.

"Fiquei nervoso, me perguntei o que estava acontecendo, porque você fica desconcertado e não entende realmente o que está sucedendo. Graças a Deus, foi só o susto e nada mais. Não aconteceu nada de mal, graças a Deus", disse Poncho.

Tudo indica que o problema aconteceu, porque uma ave se chocou contra uma das turbinas do avião e fez com que o motor perdesse potência. Depois do incidente, os cantores pegaram outro vôo e chegaram com segurança ao país, onde foram promover a música do grupo.

Fonte: Fuxico

Saga Airlines adquire dois Boeing 737-800 NG por US$ 149 milhões

A companhia aérea turca Saga Airlines fechou a compra de dois aviões 737-800 NG, fabricados pela norte-americana Boeing. A preços de tabela, o valor total do negócio pode atingir US$ 149 milhões, informou a fabricante.

Além do pedido firme, a Saga ainda adquiriu mais dois direitos de compra para aeronaves do mesmo modelo. Caso esses direitos sejam exercidos, o valor da transação pode chegar a US$ 298 milhões.

Atualmente temos quatro aeronaves Boeing em operação e decidimos expandir nossa frota e fechar nosso primeiro contrato de aeronaves novas com a fabricante, disse o presidente do conselho da Saga, Abdülkadir Kolot. Estamos muito felizes com o acordo que firmamos com a Boeing por dois pedidos firmes e dois direitos de compra de 737-800s. Estamos entusiasmados em poder contribuir com o rápido crescimento da indústria aérea turca, acrescentou.

A empresa é uma divisão paralela da Saga Tours e da Ïstanbul Petrol. Ela iniciou suas operações em 2004 e, atualmente, opera uma frota de seis aeronaves, sendo quatro da família 737 da Boeing.

Fonte: José Sergio Osse (Valor Online)

Funcionários da Boeing entram em greve nos EUA

O maior sindicato da Boeing, que representa 27 mil funcionários da empresa, decretou greve no sábado (06) depois que a fabricante de aviões falhou em melhorar o contrato coletivo de trabalho depois de duas horas de conversas de emergência.

À meia-noite (horário local), cerca de cem empregados se reuniam perto da entrada da fábrica da Boeing em Everett, com apitos, buzinas e placas de protesto. Uma pequena presença policial assegurava a ordem no local.

"Apesar do encontro no final da noite e através do dia, as contínuas conversas com a Boeing não satisfizeram nossas demandas", disse Tom Wroblewski, presidente na região de Seattle do IAM, o sindicato que representa os funcionários de empresas aeroespaciais nos EUA.

A grande maioria dos membros do IAM votou para rejeitar a "melhor e final" oferta da Boeing feita na quarta-feira, mas adiaram a greve por 48 horas para dar mais tempo aos negociadores.

A Boeing e o IAM, junto com mediadores federais, encontraram-se perto de Orlando, na Flórida, em um último esforço para atingir um acordo.

"Infelizmente, as diferenças foram muito grandes para um acordo", disse Scott Carson, presidente da unidade de aviões comerciais da Boeing, em um comunicado.

Não há novas conversas marcadas. Ambos os lados disseram estar esperando que o outro dê o primeiro passo. O porta-voz da Boeing, Tim Heally, disse que a empresa estava aberta a ouvir o IAM.

"Se a companhia quer conversar, eles têm meu telefone", disse Wromblewski em uma mensagem aos membros do sindicato.

Fontes: Reuters / Brasil Online

Grupo em cadeira de rodas puxa avião por 100 metros e bate recorde

Cinquenta pessoas puxaram aeronave na Inglaterra.

Marca anterior era de pelo menos 100 pessoas levando o avião.


Fiscal acompanha grupo de 50 pessoas em cadeiras de rodas bater um novo recorde mundial. A equipe carregou por 100 metros um avião 757 na cidade inglesa de Lasham. A marca anterior apontava pelo menos 100 cadeirantes puxando uma aeronave pela mesma distância

Grupo carrega avião e bate recorde em Lasham, na Inglaterra, neste sábado (6)

Fonte: G1 - Fotos: Suzanne Plunkett (Reuters)

sábado, 6 de setembro de 2008

Pequeno avião faz pouso de emergência em estrada de Nova Jersey (EUA)

Um monomotor fez uma aterrissagem de emergência sobre o Garden State Parkway no Condado de Monmouth, em Nova Jersey nesta sexta-feira (05).

O Cessna 152, prefixo N5150B (15283777) fez a aterrissagem de emergência por volta das 13:30 pm e não houve feridos.

A polícia identificou os ocupantes do avião como Joseph A. Rubino, de 44 anos, instrutor de vôo e John H. Hannon, de 58 anos de idade.

A FAA (Federal Aviation Administration) disse que o avião se encontra registrado para a Aviation Dream LLC de Tinton Falls.

Uma autoridade local informou que pessoas que passavem pelo local ajudaram a movimentar o avião para um canto da rodovia.

A polícia do estado infoemou que o avião perdeu potência nas proximidades do Aeroporto Allaire (KBLM) logo após a decolagem.

Fonte: FOX News - Fotos: My Fox NY / AP

Pequeno avião saia da pista na Pensilvânia (EUA)

O piloto de um avião Cessna 172K, prefixo N79210, ao fazer uma aterrissagem no Aeroporto de Tunkhannock, no Condado de Wyoming, no estado norte-americano de Pensilvânia, na quarta-feira (03) a noite, ultrapassou os limites da pista e se acidentou.

Piloto Allan Hinman, 66, estava sozinho no avião e escapou ileso após o pouso realizado às 17:30 (hora local).

Hinman disse que aterrissou na pista, mas estava indo muito rápido. Ele perdeu o controle e acabou por passar a pista e parando no meio de uns arbustos.

Hinman tinha decolado de Cherry Ridge próximo do Aeroporto Honesdale no início do dia. O avião, um Cessna monomotor, está registrado para o Cherry Ridge Airport Flying Club, em Tafton, do qual Hinman é membro.

Fonte: 16WNEP

Helicóptero da Guarda Costeira dos EUA cai no Hawaii. Três mortos e um desaparecido

Fotos do helicóptero acidentado

O helicóptero da Guarda Costeira dos Estados Unidos, Eurocopter SA366 (HH-65 Dolphin), prefixo 6505, com quatro ocupantes, caiu na quinta-feira (04) a noite no Oceano Pacífico, em águas ao largo Oahu, em Honolulu, no Hawaii.

O helicóptero caiu a cerca de cinco milhas ao sul do Aeroporto Internacional de Honolulu, às 20:15 (hora local), de acordo com a Guarda Costeira.

Testemunhas a bordo de uma baleeira que passaba pelo local e tripulantes de um acião C-17 da Força Aérea dos EUA presenciaram o acidente.

As equipes de resgate de Honolulu retiram três corpos da água transportado-os para o Queen's Medical Center, onde foram declarados mortos.

Um helicóptero dos Bombeiros e dois barcos aderiram às buscas pelo quarto ocupante.

O HH-65, fabricado pela Aérospatiale, tem de 44 pés de comprimento e normalmente leva um piloto, o co-piloto, um mecânico vôo e um nadador que realiza os salvamentos. A aeronave não é capaz de aterrissagem em água.

Fontes: Fox News / ASN - Fotos: JetPhotos / Blue Group

Aeroporto de Sinop é homologado para vôos noturnos

Terminal de passageiros do Aeroporto de Sinop-MT

O prefeito Nilson Leitão confirmou, ontem (05) de manhã, que o aeroporto presidente João Figueiredo (OPS) está homologado pela ANAC (Agência Nacional de Aviação Civi) para operar com vôos noturnos (comerciais e particulares). A homologação foi assinada nesta quinta-feira (3) e ainda será publicada em diário oficial. O prefeito afirmou que as negociações com a OceanAir continuam e ainda não está acertado quando haverá o vôo inaugural. "Estarei em contato hoje à tarde com a diretoria da OceanAir e provavelmente estarei semana que vem a São Paulo para definir com a empresa o início das operações. Acredito que dentro do mês de setembro estaremos com vôos noturnos, não vou confirmar data porque depende da empresa", disse. A rota autorizada é, pela manhã, Sinop-Cuiabá-Brasília com retorno à noite.

Em relação a instalar equipamentos da Estação Permissionária de Telecomunicação (EPTA) como é conhecido técnicamente, para o aeroporto operar por instrumentos (em dias com chuvas e muita fumaça) ainda não há definição, porém o prefeito acredita que possa ser implantado até o final do ano. "Nosso diretor aeroportuário, Jair Gonzaga, está justamente com o pessoal do Sivam (Sistema de Vigilância da Amazônia) e também da Aeronáutica, está vendo que aconteceu em Vilhena (RO) em relação a essa instrumentalização do aeroporto", explicou. Leitão enfatizou que não é uma exigência da Aeronáutica, mas caso o espaço aéreo estiver com muita neblina ou com chuva muito forte, impossibilitando a visão, a aeronave consegue fazer o pouso ou continuar o vôo, por instrumento. No terminal aeroportuário, está sendo feita ampliação do terminal de passageiros e mudança do local do restaurante proporcionando maior espaço para clientes no saguão.

Fonte: Só Notícias (MT) - Foto: Fórum Contato Radar