quinta-feira, 26 de junho de 2008

Austríaca Niki negocia compra de aviões com Embraer e Bombardier

A companhia aérea de baixo custo Niki Luftfahrt, da Áustria, está negociando com a Embraer e com a Bombardier a compra de aviões menores, publicou um diário da Áustria.

"Dado o custo crescente do querosene, estamos avaliando nossas opções de operação de maneira mais eficiente em termos de custos com aviões menores", disse o presidente da Niki, Niki Lauda, citado pelo jornal Wirtschaftsblatt. "Usaremos equipamentos menores e aumentaremos as frequências."

O executivo não deu detalhes sobre quantos aviões a Niki planeja comprar.

Fonte: Reuters

Dois jatos militares caem no norte da China

Dois Xian J-8 iguais aos que colidiram no céu da China

A agência de notícias estatal chinesa Xinhua informou que dois jatos da Força Aérea do país se chocaram no ar e cairam em um subúrbio da cidade Hohhot, na parte setentrional da China.

A agência noticiosa Xinhua informou que dois caças Xian J-8 colidiram durante uma missão de formação ao longo dos subúrbios da capital regional Hohhot, na quarta-feira (25).

Segundo a agência, ambos os pilotos ejetaram em segurança, sofrendo apenas ferimentos leves.

A Xinhua informou que ambos os aviões cairam em zonas habitadas, mas não emitiu qualquer palavra sobre vítimas ou danos em solo. Os aviões pertenciam ao Distrito Militar Norte, em Shenyang.

Fonte: The Associated Press - Foto: defencetalk.com

Extraditados três acusados de planejar atentado a aeroporto de Nova York

Três homens acusados de planejar um atentado contra o aeroporto John F. Kennedy de Nova York foram extraditados de Trinidad e Tobago para os Estados Unidos, anunciou ontem (25) a promotoria.

Os guianenses Abdul Kadir e Abdel Nur, e Kareem Ibrahim, de Trinidad e Tobago,"chegaram na noite de ontem a território americano", informou à AFP um porta-voz da justiça do distrito Leste de Nova York.

Os três suspeitos comparecem ainda hoje ante uma corte do distrito de Brooklyn. No dia 2 de junho de 2007, as autoridades americanas anunciaram ter desmantelado um complô para fazer explodir o aeroporto.

Um quarto suspeito, Russel Defreitas, ex-empregado do aeroporto Kennedy, está detido nos Estados Unidos à espera de julgamento.

Os quatro homens enfrentam várias acusações de conspiração para atentar contra o terminal aéreo e seus depósitos de combustível.

Fonte: AFP

Aeroporto de Heathrow não melhorará sem terceira pista, diz BAA

O órgão regulador aeroportuário britânico BAA considera que os investimentos realizados em Heathrow, o maior aeroporto do Reino Unido, não melhorarão o funcionamento se não forem acompanhados da construção de uma terceira pista.

Em uma conferência sobre transporte, o novo executivo-chefe da BAA, Colin Matthews, que tomou posse do cargo dias depois da problemática abertura do Terminal 5 (T5) de Heathrow, afirmou que não se deve escolher entre novas instalações e a terceira pista, pois o Reino Unido precisa "desesperadamente" de ambas.

"A BAA se comprometeu a investir 4 bilhões de libras (5,063 bilhões de euros) nos próximos cinco anos em Heathrow, mas sem uma nova pista a única coisa que acontecerá é que as pessoas esperarão terminais mais bonitos", afirmou Matthews.

Deste modo, o executivo qualificou de "falsa escolha" a proposta de que se melhorem as instalações de Heathrow antes da ampliação da capacidade do aeroporto.

O T5, ocupado exclusivamente pela British Airways (BA) e que começou a operar em 27 de março, contou com um investimento de 4,3 bilhões de libras (5,441 bilhões de euros).

Espera-se que receba 30 milhões de passageiros ao ano e que aumente o tráfego anual do aeroporto de 68 a 95 milhões de passageiros.

Matthews também fez referência à possível obrigação de que a BAA tenha que vender algum de seus aeroportos para que se rompa a situação de quase monopólio que vigora sobre o tráfego aéreo do país.

Ele afirmou que a BAA "não tem medo" do debate sobre a propriedade dos aeroportos e que a partilha do grupo não resolveria os problemas de capacidade dos terminais londrinos.

Durante a conferência, Matthews se opôs à construção de um grande aeroporto no estuário do rio Tâmisa, já que o custo econômico e o dano ao meio ambiente seriam maiores que os da ampliação de Heathrow.

Fonte: EFE - Foto: The Sun

Balões podem explicar mistério de Ovni britânico

O balão no céu

Balões de festas de casamento podem explicar o misterioso Ovni – Objeto Voador Não Identificado – recentemente avistado por soldados que tripulavam um helicóptero no País de Gales, na Grã-Bretanha.

Os três tripulantes viram um objeto estranho no céu sobre a cidade de St Athan no dia 8 de junho. A notícia foi manchete na imprensa de vários países, inclusive no Brasil.

Durante a lua de mel na Turquia, o casal Lucy e Lyn Thomas leu as notícias na internet e suspeitou de que os balões poderiam ter originado o alerta.

"Não há dúvidas em minha mente de que foram os nossos balões", disse o noivo, de 30 anos, da cidade de Llantwit Major, no Vale of Glamorgan.

"Foi exatamente na mesma hora e eu me lembro de que (os balões) estavam indo direto na direção de St Athan", acrescentou.

O casal disse que viu os balões – chamados de glow lanterns (lanternas brilhantes) em inglês – pela primeira vez no ano passado, no festival de musica de Glastonbury, e pensou que seriam uma boa alternativa para os tradicionais fogos de artifício durante a festa, para 150 convidados, em um campo perto do vilarejo de Cowbridge.

Lyn Thomas disse que comprou cem balões e soltou 30, entre 11 horas da noite no dia 7 de junho e 2 da manhã no dia 8.

Antes de cada balão ser aceso, os convidados faziam um pedido.

"Eu consigo entender como eles (os balões) foram confundidos com Ovnis", disse Thomas. "Eles têm cerca de 79 cm de altura e são feitos de papel, com uma bola de cera embaixo", explicou. "Quando acesos, se enchem de ar e flutuam."

Thomas disse que consultou as normas de aviação e fez questão de acender os balões a cerca de 8 quilômetros de distância do aeroporto internacional de Cardiff.

"Você não consegue ver seu tamanho (no ar) porque brilham muito. Parecem uma bola grande de luz. E quando acesos vão subindo sem parar".

"Quando os vimos em Glastonbury no ano passado ficamos horas tentando descobrir o que eram", disse o noivo.

Thomas disse que achou incrível a cobertura que o alerta de Ovni recebeu na mídia. Um dos convidados, Geraint James, disse que leu sobre os Ovnis no site da BBC.

"Vi que (a notícia) foi parar na Índia e no New York Times", disse. "Achamos engraçado. Acho que agora está tudo explicado."

Fonte: BBC Brasil

TAP volta a lutar pela sobrevivência contra sindicatos

Custo do combustível provocou rombo de 100 milhões até Junho e obriga à contenção. Paz social em risco.

Sem papas na língua Fernando Pinto disse nesta terça-feira (24) aos quadros, sindicatos e comissão de trabalhadores da transportadora aérea que “a situação da TAP é dramática”. Os números explicam a preocupação do presidente da TAP: nos primeiros cinco meses do ano, e apesar do crescimento do número de passageiros, a companhia acumulou um prejuízo de 100 milhões de euros.

Os sindicatos não aceitam os argumentos, alegando que a actividade da transportadora é sazonal e que os primeiros meses são tradicionalmente maus. E mais. Contestam qualquer possibilidade de verem revistos os acordos de empresa, hipótese levantada por Fernando Pinto.

“O encontro destinou--se a desmontar o negativismo do engenheiro Fernando Pinto”, diz José Simão, do Sindicato dos Trabalhadores da Aviação e Aeroportos (SITAVA).

As reuniões prosseguem hoje durante o dia. De manhã e à tarde realizam-se plenários com todos os trabalhadores da TAP, excluindo o pessoal de voo que ficará a conhecer a situação da empresa à noite. Mais uma vez, e ao que o Diário Económico apurou, Fernando Pinto irá explicar que a crise dos preços dos combustíveis está a ser potenciada pela estagnação económica que leva a uma clara diminuição da procura.

Para já, as taxas de combustível não cobrem mais que 30% do aumento do petróleo e ainda que possam vir a ser revistas, o crescimento será sempre limitado. “Depende da evolução dos preços de combustíveis. O que se sabe é que o preço duplicou nos últimos 10 meses. No período anterior, demorou 4 anos a duplicar”, explica fonte oficial da TAP.

Também o impacto do combustível nas contas da TAP não pára de aumentar. “Há 10 anos era de 10%. O ano passado foi de 30% e agora continua a crescer e já ultrapassou os custos com os recursos humanos, que são de menos de 30%”, diz a mesma fonte.

Os sindicatos garantem que os combustíveis não explicam tudo e Cristina Vignon, do Sindicato Nacional de Pessoal de Voo da Aviação Civil (SNPVAC) fala de “erros de gestão graves que mais uma vez serão pagos com sacrifícios dos trabalhadores”.

E Fernando Pinto é claro quanto aos sacrifícios que todos têm que fazer para que “a TAP chegue viva ao fim deste ciclo”, sendo certo que se o conseguir sairá “mais eficiente”.

Mas para que isso seja possível existem três condições a cumprir, que passam por evitar as greves – um único dia de paralisação, em Outubro do ano passado, custou à companhia cinco milhões de euros –, suspender aumentos e prémios em 2008 e, eventualmente, suspender o acordo de empresa.

Os sindicatos não concordam que a administração da TAP não aceite rever os salários para 2008 e, enquanto o SNPVAC se prepara para reunir na sexta-feira para discutir medidas futuras, o SITAVA, Sindicato das Indústrias Metalúrgicas e Afins (SIMA), o Sindicato Nacional dos Trabalhadores da Aviação Civil (SINTAC) e o Sindicato dos Quadros da Aviação Comercial (SQAC) já entregaram um pré-aviso de greve para 16 e 30 de Julho, entre as 15h00 e as 17h00.

Fernando Pinto fez ainda questão de deixar claro que a empresa não pode contar com o apoio do accionista, ao contrário do que acontece com as empresas privadas que podem receber injecções de capital que lhes permitam aguentar momentos de crise. É que à luz do direito europeu da concorrência a intervenção do Estado não pode distorcer as condições de mercado. Assim, diz Fernando Pinto, a TAP “tem que sobreviver com o dinheiro que gera”.

A transportadora conta com o Verão, tradicionalmente época forte para as companhias de aviação, para equilibrar as contas, e descarta para já qualquer medida radical. Depois disso, lá para o final de Setembro, é possível que venha a reduzir algumas das actuais frequências. Apesar de já ter sido contactado por empresas especializadas em guardar aviões, o presidente da TAP descarta para já a possibilidade de vir a deixar aviões em terra.

Grupo de trabalho corta 100 milhões de custos

Fernando Pinto quer reduzir os custos internos em 100 milhões de euros este ano de forma a combater a despesa extra de 250 milhões de euros devido à subida do preço dos combustíveis. Sem descartar a possibilidade de reduzir o número de trabalhadores, o presidente da companhia de bandeira decidiu criar um grupo de trabalho específico para estudar a melhor forma de reduzir os custos internos.

Algumas pequenas decisões já foram tomadas. São acções internas e mudanças nas rotinas e processos”, disse o presidente no final do mês passado. A divisão da classe económica da TAP por segmentos e o novo “Espaço Premium” no aeroporto da Portela para um ‘check-in’ mais cómodo para o segmento ‘corporate’ já são fruto desse grupo de trabalho. Fernando Pinto sabe que este é um ano decisivo “para a sobrevivência das empresas” e está a estudar todas as formas de apertar o cinto à companhia aérea. “Não posso descartar a redução de pessoal”, mas “a acontecer este ano não vai ter reflexo positivo nas contas porque pesa nos custos”, sublinhou na mesma altura. O presidente da TAP admite ainda fazer um seguro “contra aumentos maiores [do preço do petróleo], em que se fixa um tecto e só se paga até este limite”.

Subida das taxas de combustível pode continuar

A TAP foi a última das grandes companhias europeias a voltar a aumentar as sobretaxas de combustível. As novas taxas aplicadas desde ontem representam o quarto aumento desde o princípio do ano, sendo que o anterior aconteceu há cerca de um mês. Assim, a companhia de bandeira aumentou já 25% o preço da sobretaxa desde o início do ano nos voos de médio curso e 47% nos de longo curso. Mesmo assim, a transportadora liderada por Fernando Pinto conseguiu manter-se abaixo da subida do preço médio do jet fuel, que foi de 49,1% segundo o índice IATA. Uma novidade nesta nova subida é a distinção dos destinos escandinavos dentro dos voos de médio curso, em que as taxas de combustível passaram de 32 para 40 euros. Fonte oficial da TAP disse ao Diário Económico que esta distinção “é porque os voos são muito mais caros e é uma forma de não aumentar tanto os outros destinos de médio curso”. A mesma fonte garante que a continuidade destes aumentos “depende da evolução dos preços dos combustíveis, o que é imprevisível. British Airways, Air France e Lufthansa também aumentaram as suas sobretaxas este mês.

Fonte: Hermínia Saraiva (Diário de Notícias)

Cade aprova venda da Varig à Gol

Mais de um ano após a venda da empresa de transporte aéreo de passageiros Varig (atual VRG Linhas Aéreas) à companhia Gol, a negociação obteve nesta quarta-feira (25) a aprovação do Conselho Administrativo de Defesa Econômica (Cade), autarquia vinculada ao Ministério da Justiça e responsável pela fiscalização, prevenção e apuração de abusos de poder econômico, analisando fusões, incorporações e associações entre empresas.

Segundo a assessoria do Cade, além da venda à Gol, os conselheiros julgaram uma cláusula do contrato que estabelecia restrições à concorrência entre Gol e VarigLog. Pelo acordo, a Gol não poderia operar no mercado de transporte aéreo de cargas por um prazo de cinco anos a partir da compra da Varig. A VarigLog, por sua vez, não entraria no setor de transporte aéreo de passageiros.

De acordo com a assessoria do Cade, os conselheiros entenderam que a negociação envolvendo a Unidade Produtiva da Varig, dedicada exclusivamente ao transporte de usuários, não poderia criar limitações à livre concorrência no setor cargueiro. Dessa forma, embora a VarigLog esteja sujeita a cumprir o acordo firmado pelas duas empresas, a Gol está livre para, se assim quiser, passar a disputar o transporte de cargas.

Os conselheiros também julgaram desnecessário que a Gol devolva parte dos slots (permissões de pousos e decolagens) que a Varig detém no Aeroporto de Congonhas, no centro de São Paulo. A assessoria do Cade confirmou que os conselheiros já haviam se reunido antes com técnicos da Agência Nacional de Aviação Civil (Anac) para verificar se, do ponto de vista da legislação aeronáutica, os slots pertenceriam ou não à empresa e se a concentração de 47% das permissões no aeroporto de maior movimento do país representaria um problema à livre concorrência.

A manutenção dos slots foi aprovada por quatro votos a um. A única divergência foi apresentada pelo conselheiro Paulo Furquim, que ponderou que a empresa devolvesse dez pares de slots a fim de equilibrar a concorrência entre as diversas companhias aéreas.

Segundo a Anac, atualmente, 498 slots são operados diariamente em Congonhas. Desses, 212 (43%) pertencem à TAM. A Gol detém 136 (27%) do total, enquanto a Varig fica com 96 (20%). Em seguida vêm a Pantanal, com 32 (6%) e a OceanAir, com 22 (4%).

A decisão do Cade diz respeito à regularidade da negociação do ponto de vista da concorrência, não tendo qualquer influência na continuidade das investigações das denúncias da ex-diretora da Anac Denise Abreu.

No início do mês, Denise acusou a ministra da Casa Civil, Dilma Rousseff, e o advogado Roberto Teixeira, compadre do presidente Luiz Inácio Lula da Silva, de interferência no processo de venda da VarigLog e da Varig, beneficiando o fundo de investimento norte-americano Matlin Patterson e os brasileiros Marco Antonio Audi, Luiz Eduardo Gallo e Marcos Haftel. Tanto Teixeira quanto Dilma negaram as acusações.

Fonte: Agência Brasil

Empresários são acusados de exportar peças de aviões militares dos EUA ao Irã

Dois empresários de Miami e Califórnia foram detidos e acusados de conspirar para exportar peças de aviões militares ao Irã, segundo a agência de Imigração e Controle de Alfândegas (ICE, em inglês) dos Estados Unidos.

Traian Bujduveanu, de 53 anos, e Hassan Saied Keshari, de 48 anos, enfrentam acusações por supostamente violar a lei de Controle de Exportação de Armas e o embargo comercial dos EUA ao Irã, de acordo com documentos judiciais divulgados hoje pelo ICE.

A detenção de ambos aconteceu na semana passada, depois de uma investigação realizada pelos departamentos de Defesa e Comércio dos EUA, assim como pela unidade de pesquisas de ICE em Fort Lauderdale, ao norte de Miami.

"As implicações de segurança nacional deste caso não podem ser subestimadas. Esta investigação frustrou uma conspiração potencialmente perigosa para vender e distribuir equipamento militar americano delicado", advertiu Anthony Mangione, agente especial encarregado do escritório do ICE em Miami.

"Nas mãos erradas, tecnologia como esta poderia ser usada para infligir danos aos Estados Unidos e a seus aliados", acrescentou.

Entre as peças de aviões que os acusados supostamente obteriam e enviariam a compradores no Irã havia partes de helicópteros militares CH-53, de F-14 Tomcat e de helicópteros de ataque AH-1.

Keshari supostamente tinha solicitações para peças de outros aviões militares, incluindo o F-4 Phantom.

Nenhum dos acusados estava registrado perante as autoridades americanas para comprar este tipo de peças, nem tinha licença para enviar artigos militares.

De acordo com a acusação, Keshari é proprietário da Kesh Air International, uma empresa em Novato, Califórnia, e Bujduveanu é dono da Orion Aviation Corp., localizada em Plantation, Flórida.

As autoridades disseram que desde agosto de 2006 ambos conseguiram peças de aviões militares fabricadas nos EUA para compradores no Irã e supostamente as enviaram a uma empresa em Dubai, nos Emirados Árabes Unidos, para que se transportassem ao Irã.

Keshari, de origem iraniana, supostamente recebia as ordens por e-mail de compradores no Irã, e depois fazia regras com Bujduveanu para a venda e o envio a Dubai.

Bujduveanu, nascido na Romênia e naturalizado americano, foi detido em casa de Plantation, no sábado, e um dia antes Keshari foi detido no aeroporto internacional de Miami.

Se forem considerados culpados, os dois enfrentam uma condenação máxima de 20 anos de prisão e multas até por US$ 1 milhão.

Fonte: EFE

terça-feira, 24 de junho de 2008

A fase não é das melhores (os negócios da família Constantino)

Depois da meteórica ascensão à elite dos bilionários do planeta, está tudo dando errado para os Constantino

Por Daniella Camargos
EXAME


Houve um tempo em que a vida do clã Constantino, os controladores da Gol, era uma incrível seqüência de boas notícias. O sucesso da empresa e a multiplicação de seu valor de mercado fizeram com que a família deixasse de ser a anônima proprietária de uma enorme frota de ônibus para se transformar numa das novas estrelas do capitalismo nacional. Mas, de um ano para cá, essa maré começou a virar, e a agenda dos Constantino foi sendo tomada por uma extensa lista de problemas. Começou em junho, quando o então senador Joaquim Roriz foi pilhado dividindo 2,2 milhões de reais em espécie com o presidente do Banco de Brasília, Tarcísio de Moura. O dinheiro era de Nenê Constantino, patriarca do clã, que alegou tê-lo emprestado ao amigo Roriz sem juros nem correção monetária. Até hoje não se sabe para que o dinheiro foi usado ou mesmo se foi devolvido. O episódio parece ter detonado alguma espécie de sincronia nefasta sobre os negócios dos Constantino. De lá para cá — com exceção das companhias de ônibus, que deram origem ao grupo —, as novas empresas da família passaram a apresentar problemas. A Gol, jóia da coroa, perdeu mais de 60% de seu valor de mercado nos últimos 12 meses. A Providência, líder nacional em matéria-prima para produtos de higiene descartáveis, viu seu valor cair 43,4% no ano até maio. Para completar, a BR Vias, criada em 2006 para ser uma das líderes do setor de concessões rodoviárias, saiu derrotada de seis dos sete leilões dos quais participou até agora. Na última lista de bilionários da revista Forbes, freqüentada por quatro irmãos Constantino desde 2006, não há nenhum integrante da família.

Foto: Seu Nenê, com a família: fora da lista da Forbes

Não existe uma explicação única para o mau momento dos Constantino. A situação da BR Vias, por exemplo, foi determinada por uma postura mais conservadora nos leilões — ou pela agressividade maior dos concorrentes. Dos seis que disputou para administrar estradas federais, a empresa ganhou apenas um, o menos expressivo: um trecho da BR-153, entre Minas Gerais e Paraná. Os outros cinco, que incluíam os lotes das movimentadas Regis Bittencourt, entre São Paulo e Curitiba, e Fernão Dias, entre São Paulo e Belo Horizonte, foram arrematados pela espanhola OHL. Em março, a BR Vias sofreu mais uma derrota — dessa vez numa disputa por uma concessão estadual. A empresa perdeu o cobiçado leilão pelo trecho oeste do rodoanel, em São Paulo. Quem levou o contrato foi a líder de mercado, a CCR. Em todas as concorrências que disputou, a BR Vias ficou em segundo lugar. Em algumas delas, a derrota aconteceu por uma diferença de centavos no preço oferecido para o pedágio. “O resultado foi muito frustrante para os acionistas”, diz Martus Tavares, presidente da BR Vias e ex-ministro do Planejamento do governo Fernando Henrique Cardoso. “A recomendação dos donos agora é não perder os próximos leilões.” A pressão por resultados promete ser intensa. Nos próximos meses, serão leiloados mais 4 000 quilômetros de estradas federais e estaduais.

A diversificação de negócios dos Constantino foi impulsionada pelo incrível desempenho da Gol em seus primeiros anos de operação. Com os lucros da companhia aérea, a família montou um fundo de participações em empresas chamado Asas (o nome não é mera coincidência). Assessorados pelo ex-ministro do Planejamento Antonio Kandir, eles passaram quase dois anos estudando o mercado em busca de oportunidades. Na teoria, os negócios escolhidos pelos Constantino eram muito promissores. O investimento na Providência, comprada em sociedade com o fundo americano AIG e o grupo Espírito Santo, tinha tudo para dar certo. Líder nacional de um setor que cresce 8% ao ano, a Providência poderia se beneficiar do aumento de renda do brasileiro. A empresa produz matéria-prima para produtos como fraldas descartáveis e absorventes, itens cuja venda cresce quando a economia se desenvolve. Seus resultados, porém, foram prejudicados por duas variáveis que pegaram seus controladores de surpresa. A primeira foi a forte alta do petróleo — fonte de sua principal matéria-prima, o polipropileno. Desde que os Constantino compraram o negócio, o barril de petróleo subiu espantosos 130%. O segundo fator foi a desvalorização do dólar, que, no mesmo período, despencou 24,3%. Resultado: a receita recuou, no último ano, 8,5% e o lucro líquido 95%. “Estamos tentando reverter a situação, alterando contratos com fornecedores e desenvolvendo produtos de maior valor para garantir margens mais altas”, diz Hermínio de Freitas, presidente da Providência.

Entre todos os negócios da família Constantino, porém, o caso mais delicado é o da Gol. Primeiro pelas dimensões da empresa. A companhia aérea fatura dez vezes mais do que a Providência. Depois porque o mau desempenho não pode ser explicado por razões conjunturais ou como decorrência de fatores imponderáveis. É verdade que a crise aérea, aliada ao aumento do preço do petróleo, tem atrapalhado todo o setor. Mas a empresa do clã Constantino vem sendo afetada de maneira muito mais intensa do que a TAM, sua principal concorrente. Os resultados do primeiro trimestre de 2008 mostraram o ápice dessa crise até aqui. A Gol teve prejuízo de 74 milhões de reais, ante lucro de 91 milhões no mesmo período de 2007. Uma das explicações para essa derrocada está na compra da Varig. (Recentemente, a operação de salvamento da companhia, que confluiu para sua venda à Gol, foi alvo de denúncias de favorecimento por parte do governo. Elas envolvem os atuais donos da VarigLog, antigos controladores da Varig.) Constantino Júnior, presidente da Gol, esperava que a aquisição de uma companhia tão emblemática fosse um passo crucial para a conquista da liderança do setor. Até agora, porém, a compra não correspondeu às expectativas. A Gol já gastou cerca de 1 bilhão de reais para incorporar a Varig, mas não conseguiu restaurar suas rotas internacionais e ainda conta com o risco de ter de desembolsar cerca de 10 bilhões de reais em dívidas antigas da empresa adquirida. “A Varig tornou-se um peso extra para a Gol”, diz Daniela Bretthauer, analista do banco Goldman Sachs.

Onde os Constantino estão perdendo

O desempenho das empresas do clã nos últimos meses

BR VIAS

O que é
Empresa criada em 2006 para ser uma das líderes no setor de concessão de estradas federais e estaduais

Melhor momento
Ganhou o leilão para administrar um trecho da BR-153 dentro dos limites do estado de São Paulo

O que deu errado
Perdeu cinco leilões dos seis que disputou para administrar estradas em 2007. Também perdeu o leilão para administrar o rodoanel, em março

GOL

O que é
Companhia aérea de baixo custo criada em 2001 para concorrer com a TAM, inspirada na americana JetBlue

Melhor momento
Em 2006, tornou-se uma das maiores do setor no país, com margem operacional de 18,5%, a segunda maior do mundo

O que deu errado
A compra da Varig,em abril de 2007, não trouxe os benefícios esperados. Desde então, o valor de mercado da Gol caiu mais da metade

PROVIDÊNCIA

O que é
Líder na produção de não-tecidos, material utilizado na fabricação de produtos descartáveis, comprada em 2006

Melhor momento
Abertura de capital em julho de 2007 e aquisição da Isofilme, uma de suas principais concorrentes

O que deu errado
A alta do petróleo elevou o custo do polipropileno, sua principal matériaprima. Desde o início do ano, o valor de mercado da empresa caiu 43,4%

Dadas as circunstâncias, Júnior decidiu modificar completamente a estratégia para a Varig. No mês passado, ele cancelou os vôos da companhia para Cidade do México e Madri. Em agosto, suspenderá também todos os vôos para Paris. Essa redução drástica de rotas internacionais tem dois objetivos em vista: fazer a empresa voltar ao azul, já a partir do terceiro trimestre, e recuperar ao menos uma fração do valor de mercado. Além do péssimo desempenho no ano passado, as ações da Gol neste ano não param de cair. Até o fechamento desta edição, o valor das ações preferenciais da companhia havia caído 42%. Por causa das dificuldades de todo o setor, que ainda pode ser mais abalado pelo repasse da alta do preço do petróleo nas tarifas e possivelmente pela redução do crescimento da demanda, os especialistas mostram-se cautelosos quanto às novas metas de Júnior. “Nada indica que o cenário irá mudar no curto prazo”, diz André Castellini, consultor de aviação da Bain&Company. De fato, a fase não é das melhores.

Fonte: Portal Exame (12/06/2008) - Foto: Dida Sampaio (AE)

Equipamentos que auxiliam pousos e decolagens são alvo constante de tiros no Salgado Filho

Badernas e brigas ocorrem no local após shows no Pepsi On Stage

Disparos contra dispositivos do aeroporto não têm origem confirmada

Os equipamentos que auxiliam pousos e decolagens no Aeroporto Internacional Salgado Filho, em Porto Alegre, são alvo constante de tiros. A informação foi divulgada nesta terça-feira pelo Ministério Público Estadual (MP), após reunião realizada ontem com representantes da Infraero. Os disparos não têm origem confirmada.

O encontro tratou também de outros problemas na segurança do aeroporto, como furtos a automóveis no estacionamento. De acordo com o MP, desde o início do ano foram registrados 60 casos, uma média de 10 por mês.

Os engarrafamentos na região por causa de espetáculos no Pepsi On Stage também foram citados. Como não há estacionamento no local, muitas pessoas param os carros no aeroporto. Na saída dos shows, o congestionamento prejudica os passageiros. Além disso, ao buscar seu veículo, algumas pessoas, por vezes bêbadas, acabam criando baderna e brigas no saguão do Salgado Filho.

O MP pretende verificar a situação do alvará do Pepsi On Stage. O promotor Renoir Cunha afirmou que repassará à Subprocuradoria-geral de Justiça para Assuntos Institucionais o relato dos problemas de segurança feito pela Infraero.

Fonte: ZEROHORA.COM - Foto:Ronaldo Bernardi

Guarulhos tem novo sistema informativo de vôo

O Aeroporto Internacional de São Paulo/Guarulhos possui agora o Sistema Integrado de Soluções Operacionais (Siso). Desenvolvida por especialistas da Infraero, a tecnologia oferece interfaces com outros sistemas da empresa nas áreas de manutenção, finanças e navegação aérea, e trabalha com um novo sistema informativo de vôo.

O aeroporto de Guarulhos é o 58º a adotar o sistema integrado. Essa ferramenta agiliza a obtenção de dados para cobrança de tarifas aeroportuárias, geração de relatórios estatísticos, entre outras soluções. Além disso, padroniza as informações disponibilizadas para os usuários.

Para a implantação do Siso, em Guarulhos, a Infraero adquiriu seis servidores capazes de processar e armazenar os próximos 20 anos de informações operacionais. Também foram instalados 235 monitores de LCD e 235 computadores, distribuídos nos dois terminais de passageiros. Os funcionários das empresas aéreas que trabalharão com o novo sistema participaram de um curso de capacitação e atualização promovido pela Infraero.

Fonte: Mercado & Eventos

Metade dos aviões da VarigLog está parada por ordem da Anac

A Anac (Agência Nacional de Aviação Civil) proibiu provisoriamente metade da frota da VarigLog de voar, informou ontem (23) o órgão. A agência fez uma fiscalização surpresa na companhia de transporte de cargas na última sexta-feira e cassou a documentação das aeronaves por irregularidades.

Das 12 aeronaves da empresa, 6 tiveram a documentação cassada pela Anac. Segundo a agência, os motivos da proibição foram o vencimento do seguro obrigatório das aeronaves e a realização de serviços de manutenção em oficinas não autorizadas pelo órgão.

Entre os aviões com a documentação cassada estão um DC-10, dois MD-11, dois Boeing-727 e um Boeing-757. Segundo a Anac, eles só poderão voltar a voar quando as irregularidades forem corrigidas.

Situação grave

Os funcionários temem que, com a paralisação das aeronaves, mais demissões ocorram, disse Raphael Moraes, representante da Comissão Interna de Representantes dos Trabalhadores da VarigLog de Guarulhos. Segundo ele, o DC-10 é a maior aeronave da empresa e está estacionado no pátio.

Moraes afirmou que 20 funcionários da VarigLog em Guarulhos foram demitidos na última semana. Ele estimou que a empresa demitiu cem pessoas no país no período.

Procurado pela Folha, o fundo norte-americano Matlin Patterson, dono da VarigLog, não se pronunciou sobre o assunto até o fechamento desta edição.

Fonte: FolhaNews (Folha de S.Paulo)

Airbus transporta primeiros componentes para a linha de montagem na China

A Airbus iniciou o transporte dos primeiros componentes de aviões a serem montados, na China, em Tianjin. O processo de montagem do primeiro avião, destinado à Sichuan Airlines, vai começar em agosto de 2008 e a entrega está prevista para o primeiro semestre de 2009.

Seis gabaritos com partes de um A320, que vieram de instalações na Europa, partiram de Hamburgo numa barcaça. Os gabaritos têm seções dianteiras e traseiras da fuselagem, um par de asas, derivas horizontal e vertical e suportes de turbinas. A barcaça vai levar esses componentes para o proto de Hamburgo, onde serão transferidos para um navio de contêineres para Tianjin. O percurso total levará menos de um mês.

A linha de montagem final na China é um marco no caminho da Airbus para se tornar uma empresa global. E permite flexibilizar a produção da família A320 elevando o ritmo de fabricação para 40 unidades mensais em 2010. A linha de montagem na China vai produzir aviões para o mercado local, onde o tráfego deverá crescer 5 vezes nos próximos 20 anos, levando a uma demanda de 2.670 novos aviões.

A linha de montagem na China é um empreendimento conjunto da Airbus (51%) e um consórcio chinês (49%). Esse grupo é composto pela Tianjin Free Trade Zone (TFTZ) (60%), AVIC 1 (20%) e AVIC 2 (20%) dos 49% detidos pelos chineses.

Fonte: Aviação Brasil

Dica: Viajando com animais

Acredito que todo mundo costuma levar seus bichinhos pra passear. Seja para um fim de semana na praia ou no sítio, não dá para deixá-los sozinhos, ainda mais os pequeninos!! Agora, alguém aí já fez uma viagem de avião com eles??

Pois é... quem já passou por isso vai saber exatamente do que estou falando.

Em agosto vou me mudar para os Estados Unidos, vou passar um período lá fazendo um trainee e, claro, A LUCY VAI COMIGO! Há quase dois meses comecei a pesquisar com as cias aéreas quais eram as regras para poder levar animais de estimação no avião.

Para o trecho nacional falei com a GOL e a TAM:

* GOL - só leva animais no compartimento de bagagem - que, segundo eles, é devidamente pressurizado e tem a mesma temperatura de dentro da cabine. O animal tem que ficar um determinado tempo sem comer antes de embarcar.

* TAM - permite até dois animais dentro da cabine de passageiros. Pode estar em uma caixinha daquelas da fibra ou em uma sacola de transporte à prova de "vazamentos". Uma dica é colocar um daqueles tapetes absorventes que se usa pra educar o animal a fazer xixi no lugar certo.

Até aí tudo bem, como eu não queria DE JEITO NENHUM despachar a Lucy no compartimento de bagagem decidi que iria pela TAM.

MAS... faltava o pequeno detalhe do vôo internacional... aí começou a dor de cabeça!! Li em vários sites que a American deixava levar até SETE animais dentro da cabine, mas qual não foi a minha surpresa quando descobri que em vôos internacionais DE ou PARA a América do Sul (entre outros destinos) isso não era permitido. No máximo eu poderia mandá-la junto com as malas.

Meu estômago já deu um nó só de pensar nessa possibilidade. Para piorar descobri que eles têm uma "restrição de temperatura", o que significa que se a temperatura no local de chegada estiver maior ou igual a 75ºF (24ºC - cães de focinho curto) ou maior ou igual a 85ºF (cães de focinho longo) eles NÃO LEVAM DE JEITO NENHUM. Pois bem: a temperatura no lugar pra onde eu vou durante o verão é, EM MÉDIA, 90ºF! Ou seja, NEM PENSAR levar a Lucy comigo.

Depois de falar com dois atendentes diferentes e chegar a ir no balcão da American em Guarulhos pra perguntar e ter certeza de ela não poderia MESMO ir comigo entrei em total desespero, tive uma crise de choro, peguei ela no colo e comecei: "Lucy, você não vai poder ir comigo, o que eu vou fazer longe de você? Não tem como eu te deixar aqui e agora??? E agora???" E enquanto eu falava e chorava ela me lambia o rosto, como se quisesse enxugar as lágrimas e me consolar.

Foram dias de stress e eu querendo desistir quando meu pai disse que ficaria com ela e depois de um mês ou dois (quando estivesse mais fresquinho e as restrições de temperatura suspensas) ele a levaria até mim. Era uma opção viável, mas eu continuava me sentindo MUITO MAL de deixar a minha menina aqui enquanto eu estava lá sozinha... nos duas iríamos sentir muito a falta uma da outra.

Falei com uma amiga que mora nos EUA e ela disse que quando se mudou para lá levou os dois cachorros DENTRO do avião com ela, pela Delta Airlines. Fui pesquisar no site deles, mas não tinha especificações de vôos nacionais e internacionais então não deu pra saber qual regra valia para qual. Tentei ligar para o atendimento de reservas, mas só funcionava até as oito da noite (eram oito e meia) então tinha que esperar até o dia seguinte.

Durante todo esse tempo eu sabia que a Varig não voava para os EUA e que a TAM era parceira da American, e a American deixa BEM CLARO que as normas deles valem para as empresas parceiras também.

Não sei por que, mas no dia seguinte resolvi olhar o site da TAM e ver se tinha algum vôo com aeronave deles para Miami. TINHA!! Comecei bem... achei vários vôos diários saindo do Brasil.

Agora precisava ver se podia levar animais DENTRO do avião. PODE!!!!!! Sim, tanto em vôos nacionais quanto internacionais eles aceitam dois na classe executiva e dois na econômica. Na primeira não pode, a menos que a pessoa faça uma reserva especial – não vi bem como funciona.

Fiquei quase doida! Mas como tinha visto tudo isso no site queria ligar e falar com alguém pra confirmar. Fiz uma lista de perguntas e disquei pro 0800. Falei com o Anderson – nunca vou esquecer o nome dele!! – ele me confirmou tudo e deu as seguintes recomendações:

1 - Pode levar animal DENTRO DA CABINE tanto em vôos nacionais como internacionais. A caixinha dele vai na parte de baixo do assento ou dos pés, dependendo do tamanho.

2 – O peso do cachorro ou gato + o peso da caixa de transporte não pode ultrapassar 10kg.

3 – Tem que ter atestado de saúde (no máximo 10 dias antes), comprovante de que tomou a vacina anti-raiva (há mais de 30 dias e menos de um ano) e atestado de que não tem sintomas de miiases.

4 – Animais que vão para outros países devem ter o Certificado Zoo-Sanitário Intenacional (CZI) e pode ser adquirido no Ministério da Agricultura – no aeroporto – também no máximo 10 dias antes da viagem.

5 – NÃo pode sedar o animal para viajar, no máximo dar um remedinho tipo um Dramin ou Plazil de cachorro para ele dormir.

6 – Assim que tiver a reserva/confirmação do vôo tem que ligar e fazer uma pré-reserva pro animal. Eles NÃO confirmam na hora, só uns dias ou horas antes do embarque alguém da TAM vai ligar para dar a disponibilidade de espaço. É por ordem de reserva!

7 – É cobrada uma taxa que varia de U$ 90 a U$ 150, aproximadamente!!!

Ah, alguns países ainda exigem que o cachorro tenha um chip localizador. Nos EUA ainda não é obrigatório, mas sei que na Inglaterra é. É pequeno, não dói, não precisa cortar a pele do animal nem nada pra colocar. Aqui em Florianópolis custa R$ 60.

Estou pensando se coloco na Lucy ou não, afinal por mais que não precise esse é um jeito de localizar ela se um dia ela (isola!!) se perder. Eles passam um aparelhinho no chip e aparecem num computador as informações do cão como endereço, telefone de contato do dono, etc...

Assim que desliguei o telefone peguei a Lucy e falei “Lucy, você vai comigo!!!!!!!! Nós vamos passear!!!” Ela, claro, entendeu direitinho e começou a pular e correr pela casa, toda feliz com a perspectiva de mais um passeio!

Fonte: Bruna Bertoli Diegoli, dona da Lucy, Blog Bicharada (RBS)

Curto-circuito deixa a pista do aeroporto de São Luís sem iluminação

MAIS UM SUSTO

Dois aviões tiveram de pousar em outras cidades

Depois da decolagem abortada de um avião da TAM, causada por pela entrada de um urubu numa das turbinas da aeronave, em março passado, o Aeroporto Internacional Marechal Cunha Machado foi palco, na madrugada de ontem (23), de mais um problema e mais um susto em passageiros de dois aviões. As aeronaves – vôos 1742, da Gol, que vinha de Imperatriz, e 3572, da TAM, procedente de Brasília – não puderam aterrissar porque na hora do pouso (cerca de 00h45) a pista principal do aeroporto estava praticamente às escuras. Das 102 luminárias existentes na pista, apenas nove funcionavam.

Com isso, o avião da Gol teve de retornar e pousar em Teresina (Piauí), enquanto o da TAM seguiu para Belém. Mais de 300 passageiros estavam a bordo dos dois aviões.

Nem a Gol nem a TAM quiseram comentar o assunto ontem, mas a Empresa Brasileira de Infra-Estrutura Aeroportuária (Infraero) informou que o problema foi ocasionado por um curto-circuito em parte do sistema de alimentação do balizamento da pista de pouso e decolagem nº 06/24.

A pane, segundo a Infraero, teria sido motivada pelas fortes chuvas e queda de raios nos últimos dias em São Luís.

A Infraero explicou, ainda, que a pista auxiliar nº 09/27 não foi afetada e operou normalmente. O problema foi solucionado a partir de 01h40, e não prejudicou os vôos que vieram em seguida.

Esta foi a primeira vez que o Aeroporto Marechal Cunha Machado passou por problemas desse tipo. Segundo informações de passageiros que procuraram a reportagem do Jornal Pequeno, muitas pessoas que estavam a bordo dos aviões passaram mal, ficaram nervosas e desembarcaram em São Luís assustadas.

A reportagem tentou conversar com funcionários da Gol e da TAM, que trabalham no aeroporto, mas eles informaram que não poderiam dar entrevistas, nem comentar o assunto.

Fonte: Jornal Pequeno

Governo brasileiro marca data para lançamento de foquete a partir de Alcântara

Mercado de lançamento de satélites é estimado em 13 bilhões de dólares para os próximos dez anos

O governo brasileiro já marcou para julho de 2010 a data de lançamento do foguete Ciclone 4, a partir da base em Alcântara, no Maranhão, como parte de um acordo de cooperação internacional com a Ucrânia.

No início de junho de 2008 o ministro Sergio Resende (Ciência e Tecnologia) e o diretor-geral do lado brasileiro da binacional Alcântara Cyclone Space (ACS), Roberto Amaral, estiveram em Kiev para acertar os detalhes com os sócios ucranianos.

Como resultado dessa reunião, nos próximos dias o presidente Luiz Inácio Lula da Silva deverá reunir no Palácio do Planalto três ministros, dois secretários, o Ministério Público Federal e o Incra para adotar as providências necessárias para acelerar o projeto.

Transferência de tecnologia

Na primeira fase do projeto, o Brasil só terá acesso à tecnologia ucraniana no que se refere à estação de lançamento. No que se refere ao foguete propriamente dito, ele será desenvolvido inteiramente na Ucrânia. O foguete vem construído. Desmontado. Já a plataforma toda será construída no Brasil, com a participação de técnicos e operários brasileiros.

Enquanto operam com o Ciclone 4, Brasil e Ucrânia acertaram que vão formar uma parceria para o desenvolvimento do Ciclone 5 - aí sim, com a transferência de tecnologia de foguetes.

Em um mercado estimado em 13 bilhões de dólares nos próximos dez anos, a ACS estima que pode absorver no período em torno de 4 bilhões.

Fonte: Valor Econômico

Bilionário Richard Branson quer ter empresa aérea no Brasil

Empresário negocia nova empresa com parceiros nacionais.

Inglês é dono da marca Virgin, presente em 360 companhias no mundo todo.

O empresário inglês Richard Branson quer abrir uma nova empresa aérea no Brasil. "Estamos negociando o estabelecimento de uma empresa que começará com vôos internos, mas que poderá se transformar em uma companhia com rotas internacionais", disse.

Richard Branson ocupa a posição de número 236 no ranking dos homens mais ricos do planeta, segundo a revista "Forbes", com uma riqueza estimada em cerca de US$ 8 bilhões, e conseguiu colocar sua marca Virgin em mais de 360 companhias em todo o mundo, inclusive em uma gravadora de discos. Um dos seus empreendimentos mais lucrativos hoje, porém, é o setor aéreo.

A companhia Virgin Atlantic Airways tem 51% de suas ações nas mãos de Branson. Os demais estão com a Singapore Airlines. Entre suas rotas mais lucrativas estão as ligações entre a Inglaterra e o Caribe, Estados Unidos, Ásia e Austrália.

Subsidiárias

Nos últimos anos, a empresa ainda montou companhias nacionais, como a Virgin Nigeria. "Queremos algo do mesmo estilo", afirmou o empresário, que ainda não tem uma data para o início das operações da nova companhia. "Será uma espécie de Virgin Brasil", explicou, após reuniões no Forum Humanitário Global em Genebra, na Suíça, dedicado a lidar com os problemas climáticos e liderado pelo ex-secretário-geral da Organização das Nações Unidas (ONU), Kofi Annan.

Segundo o bilionário, a intenção, agora, é entrar no mercado brasileiro, "que sabemos que conta com alguns problemas no setor aéreo". "O Brasil é um mercado muito dinâmico e não demos atenção suficiente no passado. Sabemos que há um grande espaço para crescer diante das dimensões do País e da necessidade do desenvolvimento do setor aéreo para o próprio crescimento do Brasil", afirmou o empresário.

Ele prefere não revelar ainda quem será seu parceiro local para a criação da empresa. "Vamos divulgar logo. Estamos em plena negociação", afirmou.

Etanol

Branson também afirmou que está interessado em investir no setor do etanol no Brasil. Ele já desenvolve modelos de aviões movidos à biocombustível, mas agora quer ir além e também investir na produção. "O etanol de cana-de-açúcar já demonstrou que pode funcionar. Não desmata e não gera aumento do preços de alimentos", afirmou.

"Estamos buscando oportunidades para investir nesse setor no Brasil para se tornar um importante produtor", concluiu.

Fonte: Agência Estado

Dois morrem em queda de avião na Eslovênia

Duas pessoas, provavelmente alemães, morreram na segunda-feira (23) quando um pequeno avião Ikarus C42 caiu perto da cidade de Postojna, no sul da Eslovênia.

O acidente ocorreu próximo ao aeroporto de Postojna, onde a aeronave que vinha de Berlim, planejava aterrissar.

Fontes: dnevniavaz.ba / ASN - Foto: 24ur.com

Avião cai em Porto Rico matando dois médicos

Um forte golpe de vento pode ter arrancado a hélice antes da queda do avião, a uns 300 pés de altitude.


Como fazia quase todos os finais de semana, o doutor Angel Luis “Luisi” García, de 49 anos, decidiu - no domingo (22) - liberar o estresse pilotando seu avião monomotor sobre o Valle de Lajas, em Porto Rico.

Nesta ocasião o acompanhava um jovem médico que estava fazendo sua residência no Hospital Metropolitano de San Germán, onde ele atende seus pacientes.

Quando García sobrevoava o vale junto com o doutor Michael Crespo Rohena, de 30 anos, que terminaria sua residência no próximo domindo, toparam com uma rajada de vento que, presume-se, arrancou a hélice e lançou o avião Rans Coyote 2, prefixo N131PR, de bico ao solo, segundo informou o fiscal Orlando Velázquez, que investigou o acidente.

Quando os paramédicos chegaram para prestar os primeiros socorros, encontraram os corpos dos médicos debaixo dos destroços da pequena aeronave, cujo nariz ficou encravado no terreno. Ambos morreram instantaneamente.

“Esse era seu ‘hobby’ para distrair-se e liberar o estresse que a carreira de médico ocasiona. Era um grande ser humano. Seu nome era Ángel e de verdade era meu anjo. Me ajudou bastante. É uma perda irreparável”, expressou entre soluços a doutora Johanna Camacho, companheira de trabalho.

Camacho completou dizendo que García era um médico que “dava tudo de si para seus pacientes”.

A jovem informou, também, que Crespo Rohena, natural de Bayamón, terminou seus estudos em medicina geral no ano passado na Universidade Autônoma de Guadalajara e estava há um ano fazendo sua residência no Hospital Metropolitano, onde conheceu García.

Caída vertical, súbita

O acidente ocorreu antes do meio-dia e os corpos foram resgatados despois das 15:30 (hora local). Durante esse tempo, os cadáveres ficaram a vista de familiares e amigos, o que tornou mais dolorosa a situação para eles.

Testemunhas disseram que a aeronave estava a uns 300 pés de altura quando caiu. Informaram, também, que García havia decolado do aeroporto de Mayagüez.

Horas mais tarde, a Agência Federal de Aviación (FAA) assumiu a jurisdição sobre a investigação da causa do acidente.

Fontes: El Nuevo Día (Porto Rico) / ASN - Fotos: Juan Luis Valentín

British Airways critica permissão a Bush para pousar em Heathrow

Bush chegou a Londres no último dia 15.

Pouso em Heathrow causou cancelamento de 69 vôos e problemas a 40 mil passageiros.


O diretor-geral da British Airways, Willie Walsh, criticou o gerente aeroportuário BAA por permitir que o avião do presidente dos Estados Unidos, George W. Bush, aterrissasse no aeroporto internacional de Heathrow, em Londres.

Walsh expressou sua insatisfação com o fato de a chegada de Bush a esse aeroporto ter obrigado o cancelamento de pelo menos 69 vôos e causado perturbações a 40 mil passageiros.

"A decisão de permitir ao presidente Bush e a sua frota de aviões aterrissar em Heathrow em vez de em uma base militar é algo que não tinha razão para os usuários de Heathrow terem suportado", disse Walsh.

Walsh disse que as perturbações duraram quatro dias, já que o aeroporto teve que ensaiar primeiro a chegada de Bush, antes de fechar uma pista para a aterrissagem real, em 15 de junho, e a decolagem da comitiva, no dia seguinte.

Atrasos e cancelamentos

As autoridades do aeroporto proibiram as saídas de vôos em duas ocasiões em 15 de junho, o que provocou atrasos de seis horas para os passageiros, afirmou Walsh.

A British Airways teve que cancelar 53 vôos, enquanto outras companhias suspenderam 16, além dos atrasos em outros 260.

Um porta-voz da BAA disse que Heathrow era o melhor lugar onde Bush podia aterrissar, já que o presidente e seu séquito se dirigiriam ao Castelo de Windsor, e o aeroporto oferece boas condições de segurança.

Fonte: EFE

Você já teve a bagagem extraviada?

Para muitas pessoas que viajam de avião nas férias, o descanso só começa depois de pegar as malas. Em alguns casos as bagagens não são devolvidas. Foi o que aconteceu com Priscila de Lima.

ASSISTA A REPORTAGEM DO BOM DIA BRASÍLIA (TV GLOBO)

A viagem para a Jordânia se tornou um pesadelo. A estudante Priscila de Lima saiu de Brasília em fevereiro, para fazer uma conexão em São Paulo. A bagagem foi extraviada. Desde então, ela tenta recuperar as três malas que, juntas, pesavam 56 kg.

“O pior de tudo é o constrangimento. Chegar num país que você não conhece, que tem outra cultura, querer tomar um banho e não ter o que vestir. E eles, com promessa que vão devolver sua mala, sua roupa. Além do dano material, moral e sentimental”, conta Priscila.

Dentro das malas, quase R$ 9 mil de prejuízo. Além de roupas havia livros, sapatos, jóias, chapinha de cabelo e 41 medalhas de ouro do namorado. “A gente entra na Justiça, mas não sabe se vai ganhar, nem quando. E como fica até lá? Não é uma questão de pedir, por favor. É um direito. Eu tinha o direito de ter as minhas malas, independente do lugar. Eu paguei para receber de volta tudo que levei”, argumenta Priscila.

A Agência Nacional de Aviação Civil (Anac) orienta os passageiros: em caso de perda de bagagem, procure imediatamente o balcão da companhia aérea, na sala de desembarque, e preencha um documento que se chama Registro de Irregularidade de Bagagem. A pessoa deve aguardar 30 dias para receber os pertences ou o pagamento de uma indenização, que vai variar de acordo com o peso das malas.

O presidente do Procon-DF, Peniel Pacheco, explica que o consumidor também tem direito à reparação de qualquer constrangimento. “Perante a Justiça, tem que se declarar e comprovar aquilo que estava presente nas bagagens, principalmente na que extraviou. Se houver essa comprovação, a Justiça naturalmente vai dar ganho ao passageiro. E cabe, inclusive, uma ação por danos morais. Pode ser que, com a ausência dos pertences, o passageiro tenha vivenciado uma situação de constrangimento”.

A companhia aérea Air France disse que está tratando do caso com os devidos cuidados e atenção. Assim que tiver alguma informação vai entrar em contato com a passageira. A empresa Tam também foi procurada pela equipe do Bom Dia DF, mas não respondeu.

Qual é a legislação que protege o passageiro?

De acordo com o advogado e jornalista Paulo Roque, é o Código de Defesa do Consumidor. “Nós temos dois artigos que garantem ao consumidor uma reparação integral do prejuízo que ele teve. Como disse o presidente do Procon, é preciso comprovar os bens que estavam na bagagem, até para evitar abuso por parte de algum passageiro. O que a Justiça tem decidido nesses casos? Tem feito a inversão do ônus da prova, conforme determina o código. O passageiro alega e a companhia aérea deve provar que a bagagem não continua os itens indicados. Isso, para permitir ao passageiro uma indenização mais próxima possível de tudo que ele perdeu. Em situações específicas também é possível conseguir a indenização por dano moral”.

Fonte: G1

‘Primeira batalha da Guerra Fria’ completa 60 anos

Soviéticos bloquearam acesso por terra a Berlim Ocidental, que foi suprida pelo ar.

W.C. 'Dub' Suthers, de 79 anos, engenheiro de vôo, relembra os tempos da ponte aérea.


Alemães, britânicos e norte-americanos celebram nesta terça-feira (24) os 60 anos do que foi apelidado de "primeira batalha da Guerra Fria". Em 24 de junho de 1948, começava a ponte aérea para abastecer a cidade de Berlim, após o bloqueio do acesso terrestre à cidade pelas forças soviéticas que ocupavam a porção oriental da Alemanha.

Aviões C-47 descarregam suprimentos no aeroporto de Tempelhof, durante o período de ponte aérea

Quandos os aliados venceram a 2ª Guerra Mundial, em 1945, a Alemanha, livre dos nazistas, foi repartida em quatro zonas administrativas - controladas por União Soviética, Estados Unidos, Reino Unido e França.

A capital alemã, Berlim,apesar de estar geograficamente localizada no que então era a zona soviética, também foi subdividida em quatro áreas, o que criou um núcleo capitalista (o território de americanos, franceses e ingleses) no meio do território sob controle soviético.

Como Moscou não queria ter uma vitrine do capitalismo em seus domínios, resolveu fechar o acesso terrestre a Berlim Ocidental, o que, segundo os planos de Josef Stalin, obrigaria a cidade a aceitar ajuda soviética mais cedo ou mais tarde. Americanos e britânicos decidiram então criar uma ponte aérea para suprir as necessidades básicas da cidade.

“Tudo que se necessitava naquela cidade de 2,5 milhões de habitantes tinha que ser levado de avião”, relembra W.C. “Dub” Suthers, veterano de 79 anos que participou da operação como engenheiro de vôo, com 196 missões realizadas ao todo, em entrevista ao G1. Ele tinha 20 anos quando foi convocado a ajudar no transporte de suprimentos. “Nosso grupo transportava carvão e farinha. Os britânicos tinham a missão de suprir a cidade com gás e combustível”, conta.

Os engenheiros de vôo eram os terceiros homens (depois do piloto e do co-piloto) a operarem os aviões C-47 e C-54, destacados pelos EUA para a ponte. Sua função era controlar as condições técnicas durante o vôo, monitorando a temperatura e a pressão dos motores, por exemplo.


“Eu estava estacionado na costa oeste dos EUA. Um dia, estávamos saindo para o Alasca e os seis aviões em que estávamos receberam ordem para retornar. Disseram que os aviões seriam embarcados para Berlim no dia seguinte”, conta Suthers.

Segundo o veterano, somente por parte dos EUA houve 30 mil homens envolvidos na operação, incluindo o pessoal da Marinha e do Exército. “Tínhamos 350 aviões ao todo e tentávamos manter 225 voando”, conta o ex-engenheiro de vôo. “Era um trabalho duro. Voávamos 12 horas por dia, 7 dias por semana, enquanto o clima permitisse. Se o tempo estivesse ruim, ficávamos encarregados da manutenção das aeronaves.”

A grande quantidade de vôos ininterruptos podia levar a erros. De fato, vários aviões caíram nos 11 meses de bloqueio, e dezenas de americanos e britânicos perderam a vida tentando manter Berlim abastecida. Os soviéticos ainda voavam próximo aos aviões cargueiros, ou davam tiros ao ar, para atrapalhar as viagens.

“Eu só fui para a Alemanha na época do bloqueio. Mas as histórias que ouvia eram que, depois da guerra, os alemães queriam que nós (os aliados) fôssemos embora. Mas, quando começou a ponte aérea, as pessoas perceberam o que estávamos fazendo. Claro, os alemães nos odiavam, afinal tínhamos bombardeado eles muito. Mas não demorou muito para que percebessem que estávamos tentando salvá-los”, conta Suthers.

Crianças de Berlim brincam de ponte aérea durante o período de bloqueio. O esforço para garantir suprimentos à cidade fez com que os alemães vissem com outros olhos a presença de americanos e britânicos, seus inimigos na recém-terminada 2ª Guerra Mundial, em seu país

Àquela altura, os inimigos principais dos EUA já não eram os alemães, mas sim os soviéticos. “Nós até tínhamos mecânicos alemães trabalhando nos aviões. Traduzimos os manuais dos nossos aviões para o alemão, e depois contratamos ex-pilotos de caça alemães para serem nossos mecânicos. E eram bons mecânicos”, conta Suthers.

“Nós nos sentíamos realmente como se estivéssemos na primeira batalha da Guerra Fria. A batalha era que nós tínhamos que manter Berlim e a Alemanha livres de virarem comunistas. Se os americanos tivessem sido forçados para fora de Berlim, a cidade rapidamente teria virado comunista. E talvez toda a Europa teria virado comunista”, analisa.

O clima tenso entre os soviéticos e os EUA, no entanto, não preocupava muito o então jovem militar. “Não tinha medo de ser atacado pelos russos porque o Truman (Harry Truman, então o presidente dos EUA) trouxe três B-29 ( avião conhecido também como “Superfortaleza”, modelo utilizado para lançar bombas atômicas sobre o Japão) para a Europa – dois para a Inglaterra e um para a Alemanha – e os russos sabiam que tínhamos a bomba atômica”.

Os soviéticos chegaram a oferecer comida grátis aos berlinenses ocidentais, mas a ponte aérea funcionava de forma tão eficiente que Moscou acabou sendo obrigada a levantar o bloqueio, percebendo que não conseguiria ganhar a população, que chegou a fazer uma grande manifestação para pedir a manutenção do apoio dos países capitalistas.

Vôo comemorativo

Secretário de uma associação de veteranos participantes da ponte aérea de Berlim, Suthers foi convidado para refazer, nesta terça-feira (24) junto com outros companheiros, um vôo comemorativo entre Frankfurt e Berlim, com um avião da época.

Próximo de completar 80 anos, Suthers segue na ativa como sócio de uma empresa de software no Texas e acompanha as novas empreitadas militares de seu país. Ele apóia a presença dos EUA no Iraque, onde seu neto lutou. “Meu neto é fuzileiro naval e acaba de voltar do Iraque, há dois meses. Ele vai se alistar novamente para entrar nas forças especiais e então voltará para lá. E tenho que dizer: nós temos que fazer isso. Acho que precisamos pará-los em algum lugar. E é melhor que os paremos lá do que aqui. Deveríamos ter planejado melhor, mas eu estou 100% com os militares."

Fonte: G1

Teixeira fez ao menos seis reuniões com Lula no Planalto

Encontros de Lula com o advogado do caso VarigLog ocorridos desde 2006 não foram registrados na agenda pública do presidente

Compadre de Lula é acusado de interferir na venda da empresa aérea; Planalto afirma que nem todos os compromissos são divulgados


LETÍCIA SANDER
ALAN GRIPP
DA SUCURSAL DE BRASÍLIA


A Presidência reconheceu que o advogado Roberto Teixeira esteve pelo menos seis vezes no Palácio do Planalto com Luiz Inácio Lula da Silva, seu compadre, desde 2006, em encontros não registrados na agenda pública do presidente.

Teixeira é acusado de usar sua influência junto ao governo para aprovar a venda da Va- rigLog para o fundo americano Matlin Patterson e três sócios brasileiros, que o contrataram.

Ao menos dois desses encontros estão relacionados diretamente com o negócio, aprovado pela Anac (Agência Nacional de Aviação Civil) em junho de 2006. No mês seguinte, a Va- rigLog adquiriu a Varig. A assessoria de Teixeira diz que as demais visitas foram apenas de cortesia ao amigo Lula.

No dia 15 de dezembro daquele ano, Teixeira foi ao encontro de Lula acompanhado dos sócios da Varig um dia depois de a companhia receber da Anac, em cerimônia em Brasília, certificado que lhe deu autorização para voar.

Segundo Marco Antonio Audi, sócio afastado da VarigLog, o encontro foi convocado às pressas por Teixeira na manhã do dia 15, quando todos já haviam retornado a São Paulo, após a cerimônia. Audi então alugou um jatinho particular, onde viajaram, além dele e de Teixeira, os sócios brasileiros Eduardo Gallo e Marcos Haftel e o representante do fundo americano, o chinês Lap Chan.

Outro encontro de Teixeira com Lula ocorreu em 28 de março de 2007. Naquele dia, o advogado foi ao Planalto acompanhado dos empresários Nenê Constantino e Constantino de Oliveira Jr., donos da Gol. O motivo da reunião, segundo os empresários, era comunicar oficialmente a Lula a compra da Varig pela Gol.

Nas duas ocasiões, a ministra Dilma Rousseff (Casa Civil), acusada de interferir na venda da VarigLog, estava presente.

O Planalto argumenta que nem todos os compromissos do presidente são divulgados.

Fonte: Jornal Folha de S.Paulo

segunda-feira, 23 de junho de 2008

Helicóptero do Exército cai em lago em Tefé (AM); piloto morreu

Um helicóptero Eurocopter HM-1 Pantera do 4º Batalhão de Aviação do Exército, do Comando Militar da Amazônia, com cinco tripulantes, caiu em um lago no município de Tefé (AM) na tarde desta segunda-feira (23). O piloto da aeronave, capitão de Artilharia Marco Aurélio da Silva Martins, morreu na hora. Os outros quatro tripulares foram resgatados e não correm risco de morte.

De acordo com a assessoria de comunicação do Comando Militar da Amazônia (CMA), a aeronave saiu por volta das 12h do município de Tabatinga. O acidente ocorreu quando o helicóptero se aproximava do aeroporto de Tefé. A aeronave pertence ao 4º Batalhão de Aviação do Exército.

O helicóptero voltava de uma operação de vacinação de comunidades indígenas, em apoio a Funasa (Fundação Nacional de Saúde). Chovia muito na região no momento do acidente, de acordo com as informações do comando.

Segundo a Polícia Militar, dois tripulantes ficaram gravemente feridos e foram encaminhados para o hospital da 16ª Brigada do Exército. Os outros dois sofreram ferimentos leves e foram atendidos no hospital regional de Tefé.

Fonte: Folha de S.Paulo (atualizado em 26/06/08 às 02:53 hs.)

Dois homens morrem em acidente em Nova Jersey, nos EUA

Dois homens de Gloucester County morreram na manhã de domingo (22) quando o seu pequeno avião Aero L-29 Delfin caiu em uma área arborizada perto do Aeroporto Municipal Millville, em Cumberland County, Nova Jersey, EUA, pouco depois da decolagem, de acordo com a FAA (Federal Aviation Administration).

O piloto do avião foi identificado pela polícia como o empresário William Crean, 65, de Sewell, no estado de Nova Jersey.

O passageiro de 57 anos de idade, era um morador de Gloucester County cujo nome ainda não foi liberado pela Polícia do Estado.

A aeronave caiu às 8:03 (hora local) a cerca de meia milha a noroeste do aeroporto, disse Holly Baker, porta-voz da FAA. O avião era um modelo experimental "feito em casa", disse Baker.

O avião caiu em uma área arborizada entre a Cedarville Road e a Dividir Creek Road, Salmon disse.

Representantes da FAA e da NTSB (National Transportation Safety Board) foram notificadas, disse Salmon.

O National Weather Service havia previsto fortes chuvas e trovoadas com rajadas de ventos na área onde ocorreu o acidente.

Fontes: NJ.com / ASN - Fotos: Cindy Hepner

Avião cai na Bégica. Sem mortos.




Em Kiewit, uma comunidade de Hasselt, na Bélgica, o avião rebocador Piper CUB (PA 28-150), prefixo D-EFXY, caiu no domingo (22) a tarde. Não houve mortes.

O avião tinha acabado de decolar de Kiewit e perdeu potência rapidamente caindo sobre o hangar. Não houve tempo hábil de desacoplar o planador que ele puxava. O piloto ficou levemente ferido.

O forte vento na região foi a provável causa do acidente.

Fontes: De Redactie (Bégica) / ASN

Ultraleve faz pouso forçado na Alemanha

O piloto de um avião ultra-leve Remos G-3, prefixo D-MOPD, e a passageira, sua mulher, escaparam ilesos após o pouso forçado realizado no domingo (22) à tarde em Hettstädter, na Alemanha.

O piloto, de 43 anos, decolou do distrito de Wuerzburg mas a aernave não atingiu a altura adequada. Como resultado, a aeronave fez um pouso forçado em uma área vizinha ao aeródromo. Os danos ao ultraleve foram estimados em cinco mil Euros.

O piloto e sua esposa, de 46 anos, são do Distrito de Wuerzburg.

Bombeiros voluntários de Waldbüttelbrunn, Hoechberg e Hettstadt foram por precaução ao local do pouso. Foi aberta uma investigação para apurar a causa do acidente.

Fonte: Main Post (Alemanha)

Bombardier vende aviões regionais em contratos de US$ 226 milhões

A Bombardier anunciou nesta segunda-feira que fechou contratos de venda de aviões regionais que totalizam cerca de 226 milhões de dólares com duas companhias aéreas diferentes.

A fabricante canadense informou que vendeu três aeronaves turbohélice Q400 NextGen para a All Nippon Airways por cerca de 80 milhões de dólares.

Em outro acordo, uma companhia aérea não identificada encomendou quatro jatos regionais CRJ700 NextGen com opções para mais quatro aeronaves. A encomenda firme vale cerca de 146 milhões de dólares e com o exercício das opções o valor dobra para 302 milhões de dólares.

Fonte: Scott Anderson (Reuters)

Aérea do Japão vai testar avião movido a biocombustível

JAL vai participar de projeto com a fabricante Boeing.

Avião será abastecido com biocombustível feito de produtos não-alimentícios.

O presidente da Japan Airlines (JAL), Haruka Nishimatsu (à esquerda), mostra modelo de avião da empresa, enquanto a presidente da Boeing Japão, Nicole Piasecki, segura amostra de biocombustível em conferência de imprensa em Tóquio, nesta segunda-feira (23). A JAL vai se juntar a projeto de biocombustível com a fabricante de aeronaves Boeing e operar um vôo de demonstração. A maior companhia aérea japonesa vai utilizar um Boeing 747 abastecido com a segunda geração de biocombustíveis feitos de produtos não-alimentícios.

Fontes: G1 / AFP - Foto: AFP

Passageiros contam como sobreviveram a queda de avião nos Andes

Eles cogitaram comer o corpo do piloto, que morreu dois dias depois do acidente.

Também beberam água extraída da neve e suportaram temperaturas abaixo de zero.




Era para ser uma viagem simples, entre Puerto Montt e Junta, cidades da região sul do Chile separadas por pouco mais de 200 km. O avião bimotor, que fez há viagem há duas semanas, decolou no sábado (7) e deveria fazer o trajeto em uma hora e quinze. Mas a 19 km do destino veio o desastre e o avião caiu.

Os sobreviventes passaram cinco dias e quatro noites isolados. Praticamente sem comida, beberam água extraída da neve, suportaram temperaturas abaixo de zero e temeram pelo pior. O resgate realizado pela Força Aérea Chilena no dia 11 de junho foi bem sucedido: dos dez ocupantes do avião acidentado, nove viveram para contar a história.

O piloto Nelson Bahamondes - 65 anos, mais de 40 anos de profissão - morreu dois dias depois do acidente, por conta de uma forte pancada na cabeça.

O engenheiro elétrico Omar Villegas conta que, quando ele e os companheiros perceberam que o piloto tinha morrido, foi um choque. Entraram no avião e ficaram calados. “Percebemos que era esse nosso destino”, lembra. Refugiado da cidade de Chaitén, que dá nome ao vulcão que entrou em erupção em maio, Villegas tomou seu segundo susto em pouco mais de um mês.

“Achamos que não ia ser daquela vez, mas aí o helicóptero voltou. Fiz uma força mental, que nunca tinha feito na vida, para atrair a atenção dos militares”, contou Omar, sobre a aproximação do socorro.

Queda

Miguel Almonacid, 29, pai de quatro filhos, conta que as condições de vôo não eram boas e e que, de repente, pioraram com chuva e neve. Ele, que estava na cadeira do co-piloto, se lembra de ter gritado ao piloto para ter cuidado. Omar, que estava mais atrás, diz que não houve nem tempo para a posição de pouso de emergência, aquela da cabeça entre as pernas, porque a asa esquerda já batia contra as árvores.

Mesmo gravemente ferido, o piloto dava instruções aos passageiros, lembra Omar. Até momentos antes de morrer, dizia o que eles tinham que fazer para se proteger do frio e para serem avistados pelo resgate. Antes de morrer, conta Miguel, amigo do piloto, ele pediu que lhe fechassem a boca, nada mais.

Sobrevivência

Com o passar dos dias, além do frio, os sobreviventes começavam a enfrentar outro problema: a fome. Omar tentou comer grama, mas desistiu porque era simplesmente intragável. Água havia, do gelo que se acumulava ao redor do avião, mas para tentar se aquecer um pouco, só havia uma opção. O engenheiro conta que durante três dias bebeu a própria urina. “Era o que havia de quente”, diz. “Não tínhamos uma cozinha, não era um pic-nic.”

Passageiros começaram a pensar numa solução dramática para a fome. Miguel conta que tinham decidido comer a carne do piloto, porque a fome era insuportável.

Perdidos e desesperados, eles lembraram do drama famoso acontecido há 36 anos, quando o avião que levava uma equipe de rugby uruguaia caiu, também nos Andes. Sobreviventes comeram carne humana. Numa entrevista ao fantástico em 96, um dos 16 passageiros que escaparam contou que a decisão foi difícil, mas inevitável.

“Justo no dia em que íamos fazer isso, fomos localizados por um dos helicópteros da força aérea. Se isso não tivesse acontecido talvez naquela mesma tarde teríamos começado a comer o corpo do piloto”, conta Miguel.

O comandante da terceira brigada aérea, general Hugo Peña, diz que foi muito difícil localizar o avião. A fuselagem, branca, no meio da neve confundia as equipes. Além disso, ele afirma, o tempo na região é traiçoeiro: muda de repente e pega de surpresa até os pilotos mais experientes.

O general Peña conta que os acidentes por lá são freqüentes, um avião cai a cada ano e meio, dois anos. Normalmente, as equipes de busca encontram os ocupantes mortos.

Fontes: G1 / Fantástico (TV Globo)

Acidente TAM: familiares temem prescrição de culpa

Quase um ano após a tragédia, familiares de vítimas do acidente da TAM em Congonhas, zona sul de São Paulo, ainda não têm a certeza de um dia ver punidos criminalmente os responsáveis. Segundo o assistente de acusação no processo, caso a Justiça decida levar a júri a morte das 199 vítimas como um único homicídio, existe chance de que a sentença seja proferida com a punibilidade criminal já extinta.

O advogado contratado pela associação de familiares das vítimas (Afavitam), Eduardo Leite, afirma que o atraso na entrega de relatórios como o do Centro de Investigação e Prevenção de Acidentes Aeronáuticos (Cenipa) e do Instituto de Criminalística (IC) prejudicam a conclusão do inquérito e, consequentemente, atrasam a denúncia do Ministério Público (MP).

- Prometeram para março, passou abril, maio e agora a previsão é setembro - diz.

O primeiro-secretário da Afavitam, Christophe Haddad, afirma que a associação quer a condenação por homicídio com dolo eventual de representantes da companhia aérea TAM, da empresa que administra os aeroportos (Infraero) e da agência nacional reguladora do espaço aéreo (Anac).

Segundo Leite, a demora no processo pode acarretar na extinção da punibilidade criminal, já que, no caso de homicídios culposos - caso a interpretação da Justiça seja essa - a prescrição pode acontecer em até 4 anos depois do fato.

- A prescrição depende da sentença, que depende da interpretação do juíz - afirma Leite.

A atual promessa do Cenipa é de que o relatório seja entregue em setembro. Do Cenipa depende o relatório do IC, que também afirmou, por meio de sua assessoria, que concluiria seu documento em setembro.

Denúncia até fim do ano

O 1° promotor de Justiça Criminal do Foro Regional do Jabaquara, onde corre o processo, afirma que a demora na conclusão do inquérito não é motivo de preocupação.

- Não estamos nem pensando em prescrição - afirma.

Segundo ele, a demora na conclusão dos relatórios é natural "num caso desta complexidade" e é "preferível" apresentar uma denúncia com boa fundamentação do que uma rápida.

- É natural que os parentes tenham pressa, mas não podemos apresentar nada precipitado porque pode surgir algo que contradiga as conclusões e, aí sim, uma demora maior - diz.

O promotor afirma que espera apresentar a denúncia até o fim do ano. Segundo o delegado responsável pelo inquérito, Antonio Carlos Barbosa, toda a parte de depoimentos já está concluída e o fim das investigações espera apenas a entrega dos documentos.

- Para um caso desta complexidade, correu de maneira até rápida - afirmou.

Indenizações

Procurada pela reportagem, a TAM diz que não se pronunciará sobre o acidente até que for concluído o processo. Segundo a aérea, até o dia 12 de junho foram fechados e pagos acordos de indenizações com 75 famílias.

Fonte: JB Online

TAM paga R$ 13 mil por extravio de malas

O Tribunal de Justiça de Santa Catarina (TJ-SC) condenou a TAM a pagar R$ 3 mil, por danos materiais, a duas irmãs que tiveram suas bagagens extraviadas quando voltavam da Alemanha. Na sentença, a aérea também foi condenada a pagar R$ 5 mil para cada uma delas a título de danos morais.

A decisão, tomada pela 4ª Câmara de Direito Civil, foi unânime. De acordo com as irmãs, foram tratadas com "descaso" ao reclamar do ocorrido nos balcões de atendimento da empresa nos aeroportos de Guarulhos (SP) e Hercílio Luz (SC).

Ao recorrer da decisão de primeira instância, a TAM afirmou que não há provas do extravio das bagagens e que as indenizações deveriam ser pagas de acordo com o Código Brasileiro de Aeronáutica (CBA), que prevê a limitação da responsabilidade do transporte aéreo em casos deste tipo.

Segundo o relator do processo, o desembargador Trindade dos Santos, é dever das companhias zelar pela segurança dos pertences de seus clientes. "As empresas aéreas tem o dever de transportar as pessoas e a sua bagagem com segurança a e responsabilidade até o local previsto", afirmou em seu despacho.

Fonte: Invertia

domingo, 22 de junho de 2008

Avião de paraquedismo cai na Áustria

Um avião de paraquedismo, o Antonov An-2R, prefixo HA-MBC, operado pela Air Patrol, caiu no sábado (21) em Krems-Gneixendorf, na Áustria.

Logo após a decolagem, uma hélice do motor caiu sobre a pista. O incidente terminou sem prejuízo foi, ninguém foi ferido.

O avião estava com o piloto e 12 pára-quedistas a bordo. Ninguém se feriu.

Leopold Truschnigg, gerente de operações do aeródromo de Krems-Gneixendorf tranquilizou: "Graças a Deus tudo terminou sem o prejuízo esperado." O avião em causa teve, no entanto, uma "perda total".

Asas quebradas

A aeronave foi bastante danificada, tendo suas duas asas se quebrado. O propritário do avião, um húngaro, deve agora decidir onde colocar destroços.

Fontes: Noe.orf.at / ASN

Avião cai em Nova Jersey (EUA) e mata seus dois ocupantes

No sábado funcionários da FAA estavam tentando determinar como um avião de acrobacia aérea, um Harmon F1 Rocket, prefixo N623BL, na rua principal de Belleplain (Cape May), em Nova Jersey, nos EUA, matando as duas pessoas a bordo, um agente da polícia e sua esposa, ambos de Atlantic City.

O Harmon Rocket caiu pouco antes das 20:00 (hora local) de sexta-feira (20), informou a polícia do estado.

As vítimas foram identificadas como Dennis McGurk Jr., 37 e Oksana McGurk, 34, ambos de Mays Landing.

"Houve uma grande bola de fogo e, obviamente, um som horrível som", disse uma testemunha.

Fontes: 7Online / ASN / AP - Fotos: Action News

Gol quer receber de volta metade do que pagou pela Varig

Dez meses depois de fechar o maior negócio do mercado da aviação civil brasileira, a Gol ingressou em janeiro deste ano com um pedido de arbitragem na Câmara de Comércio Internacional (ICC, na sigla em inglês) para cobrar a devolução de metade dos US$ 320 milhões pagos à VarigLog para comprar a Nova Varig. A segunda maior companhia aérea do Brasil cobra ressarcimento por superavaliação dos ativos adquiridos, em março do ano passado, do fundo de investimentos americano Matlin Patterson, controladora indireta da VarigLog por meio da Volo do Brasil.

Na prática, a manobra da Gol arrastou para cortes internacionais a polêmica que envolve todos os negócios do "salvamento da Varig", intermediados pelo escritório de Roberto Teixeira, compadre do presidente Luiz Inácio Lula da Silva, e sob suspeita de ingerência do Planalto. O gabinete presidencial foi o palco para a comemoração da transação pelos empresários e seus advogados.

Apesar de estar em fases preliminares, a disputa na CCI e na Justiça americana promete ofuscar a briga na Corte federal de São Paulo e as discussões na Agência Nacional de Aviação Civil (Anac), que informalmente já dá sinais de que não vai querer interferir no negócio Gol-Varig. Corre apenas um prazo de adequação do limite do capital estrangeiro concedido à VarigLog, aérea especializada em carga. Este vence em 7 de julho.

O Globo obteve documento da CCI, de 4 de fevereiro deste ano, que confirma o pedido de arbitragem feito pela GTI, subsidiária da Gol criada para gerir a Varig. Os três árbitros indicados são os brasileiros Pedro Batista Martins e Gustavo Tepedino e o espanhol Juan Fernandez Armesto - todos advogados e professores especializados em disputas empresariais. Para garantir o andamento do processo de arbitragem, a Gol foi instada a depositar uma "entrada" de custos de US$ 157,5 mil.

Fonte: O Globo

sábado, 21 de junho de 2008

Avião derrapa e interdita o Aeroporto Pinto Martins, em Fortaleza

O Cessna 402B, PT-OPI no Aeroporto em Natal ao lado de um Boeing da BRA, o PR-BRW em 13/03/2006

Um avião particular Cessna 402B, prefixo PT-OPI, que vinha de Teresina para Fortaleza, somente com o piloto, derrapou na sexta-feira (20), por volta das 20h30, na pista principal do Aeroporto Internacional Pinto Martins, em Fortaleza, no Ceará, após o trem de pouso ter apresentado defeito. Não houve vítimas.

Com o acidente, a pista do Aeroporto ficou interditada até as 23 horas. O fato despertou a atenção de curiosos que tentavam ver a partir do mirante a aeronave na pista. Procurada pela reportagem, a Infraero disse que só falaria hoje sobre o ocorrido.

A Agência Nacional de Aviação Civil (Anac) também foi procurada, mas os telefones não atendiam após as 23 horas. Em abril do ano passado, um Boeing da Gol, com 118 passageiros, com destino a Juazeiro do Norte, derrapou quando aterrissava na pista do Aeroporto, ultrapassando 15 metros do pavimento. O avião ficou atolado na lama.

Fonte: Diário do Nordeste - Foto: Zaza - Contato Radar (Airliners)

Gambá causa atraso de duas horas em vôo nos EUA

Um intruso causou uma situação desconfortável em um vôo que iria de Miami, nos Estados Unidos, para Bogotá, na Colômbia. O vôo 915 da American Airlines teve um atraso de duas horas na quarta-feira (18) à noite depois que um gambá foi encontrado no compartimento de carga do avião.

O mau cheiro do animal havia se espalhado por toda a aeronave, de acordo com funcionários da companhia. O gambá foi descoberto no momento em que o avião estava sendo carregado. Quando a tripulação tentou retirá-lo do avião, ele começou a soltar o seu cheiro bastante desagradável, disse o porta-voz da aérea, Tim Wagner.

Ninguém ficou ferido, mas o fedor chegou à parte principal da aeronave, fazendo com que os passageiros tivessem que ser retirados. "Estava um cheiro muito ruim lá dentro", afirmou Wagner. O vôo atrasou mais de duas horas. O gambá foi retirado do avião, mas a companhia não informou para onde ele foi levado nem como ele conseguiu chegar até a aeronave.

Fontes: Terra / AP