sábado, 5 de setembro de 2020

O menino que caiu do 'céu': a tragédia de Keith Sapsford

Sapsford pensava que estava prestes a embarcar em uma aventura, mas seus atos imprudentes acabaram resultando em sua própria morte.

Fotografia de Keith Sapsford no exato momento em que caía do avião - Crédito: John Gilpin

Keith Sapsford era um apaixonado por aventuras. Ele não parecia ter sido feito para uma ‘vida normal’: mesmo com os pais o levando para feriados no exterior, o menino sempre acabava fugindo de casa para ter um pouco mais do gostinho de liberdade. Ele queria viajar o mundo, e nada seria capaz de impedi-lo de tentar. 

Em 1970, o ano fatídico de sua morte, Keith realizou mais uma fuga. Na época, ele estudava em um colégio interno para garotos, e tinha apenas 14 anos de idade. Seu plano para realizar uma viagem envolvia pegar carona clandestinamente em um avião.

As buscas atrás do garoto foram infrutíferas, e três dias depois, o jovem realizou a façanha de burlar a segurança do aeroporto de Sydney, na Austrália, e se infiltrou em um avião com destino a Tóquio, no Japão. 

A aventura, no entanto, acabou sendo não só muito breve, mas também sua última: isso porque o esconderijo escolhido pelo menino tinha sido o trem de pouso do avião, uma porção do veículo que é aberta no momento da decolagem, quando as rodas são recolhidas. Assim, quando aquele avião abriu a porta de seu trem de pouso, o adolescente foi lançado em uma queda de 46 metros, cujo impacto o matou de forma instantânea. 

Registro acidental 

Enquanto Keith vivia seus últimos momentos - embora ainda não soubesse disso -  um fotógrafo amador tirava fotos em outro ponto do aeroporto de Sydney. Esses dois fatos a princípio não tinham absolutamente nada a ver um com o outro, no entanto, uma ironia do destino os conectou. 

John Gilpin estava testando as lentes de sua câmera, quando acidentalmente capturou o garoto de 14 anos no exato momento de sua queda fatal do avião. Mais impressionante que essa coincidência, é que o fotógrafo sequer percebeu o que havia acontecido. Só viria a descobrir o que tinha capturado quando foi revelar as fotos. 

Outros cenários onde a aventura de Keith poderia ter terminado, caso ele tivesse conseguido se manter dentro do avião, oferecem destinos igualmente dramáticos: Um deles seria o esmagamento pelas rodas do avião, outro a falta de oxigênio e um terceiro o congelamento devido à grande altitude do voo. 

Segundo estatísticas, apenas uma entre quatro pessoas que se esgueiram para dentro de voos de forma clandestina conseguem sobreviver à viagem. Os sortudos costumam se infiltrar em viagens de curta duração e baixa altitude, mas mesmo assim enfrentam grande perigo: alguns chegam ao destino em estado grave de hipotermia, por exemplo, e podem morrer mesmo depois de fazer o pouso com vida. 

Em uma ironia dramática, Keith Sapsford já inclusive tinha ouvido falar sobre casos de pessoas que faleceram tentando fazer exatamente o que ele tentou. Meses antes de sua fatídica fuga, o pai do garoto, que era professor universitário de engenharia mecânica e industrial, contou a ele a história de um menino espanhol que morreu tentando voar escondido no chassi de um avião. Infelizmente, o adolescente não deu ouvidos ao pai, ou talvez só tivesse decidido tentar sua sorte mesmo assim. 

Outros casos

Segundo Deborah Harris, ex-chefe de operações do Conselho de Refugiados, que deu uma entrevista à BBC no ano de 2012, moradores de regiões em conflito “são frequentemente forçadas a tomar medidas extremas para fugir de seus países”. 

Ela complementa ainda que essas situações geralmente envolvem um prazo de tempo muito curto para escapar, e por vezes sem tanto acesso a dinheiro e outros bens, de forma que métodos de fuga pouco seguros são motivados pelo desespero dessas pessoas. 

Situações extremas como essa seriam, portanto, a regra para quem costuma tentar viagens clandestinas em aviões, enquanto um caso como o de Keith Sapsford seria uma exceção.

Fonte: Ingredi Brunato (aventurasnahistoria.uol.com.br)

Thomas E. Selfridge: a primeira pessoa a morrer em um acidente de avião

Thomas Etholen Selfridge entrou para a história da aviação de forma trágica. Em 17 de setembro de 1908, Selfridge tornou-se a primeira pessoa a morrer em um acidente de avião. 

Thomas Etholen Selfridge foi a primeira pessoa a morrer em um acidente de avião a motor - Imagem: Wikimedia

Militar e piloto de dirigível, Selfridge sofreu o acidente quando voava como passageiro no avião dos irmãos Wright, reconhecidos em muitas partes do mundo como os verdadeiros inventores do avião. Na ocasião, o avião era pilotado por Orville Wright. 

Os dois faziam um voo de apresentação em Fort Myer, no estado da Virgínia (EUA). A aeronave já havia dado quatro voltas no campo quando começaram os problemas.

"Na quarta volta, tudo estava aparentemente funcionando muito melhor e mais suave do que em qualquer voo anterior. Comecei em um circuito maior com curvas menos abruptas. 

Foi na primeira curva lenta que o problema começou", relatou Orville, em uma carta escrita ao seu irmão, Wilbur Wright.

Na carta, Orville conta que chegou a olhar para trás rapidamente, mas não viu nenhum problema estrutural no avião. 

Mesmo assim, decidiu tirar a potência do motor e iniciar o procedimento para o pouso. Não houve tempo para isso. "Suponho que não se passaram mais de dois ou três segundos desde o momento em que as primeiras batidas foram ouvidas, até que duas grandes pancadas, que deram um tremor terrível na máquina, mostraram que algo havia quebrado", relatou Orville. 

O barulho foi causado pela quebra de uma das hélices do avião, o que fez com que a aeronave perdesse totalmente o controle de voo. O avião fez uma curva brusca para a direita e mergulhou em direção ao solo. Naquele momento, a aeronave voava a cerca de 15 metros de altura, segundo o próprio Orville. 

Até então, Selfridge permanecia quieto. Quando as coisas começaram a se agravar, ele olhou uma ou duas vezes para Orville. "Evidentemente, para ver o que eu achava da situação. Mas, quando a máquina virou de cabeça para o chão, ele exclamou 'Oh! Oh!' com uma voz quase inaudível", descreveu Orville. 

Thomas Etholen Selfridge e Orville Wright a bordo do avião momentos antes da decolagem Imagem: Reprodução

Na queda, Selfridge bateu com a cabeça e sofreu uma fratura de crânio. Foi atendido por médicos ainda no local do acidente e chegou a passar por uma cirurgia neurológica, mas não resistiu. Entrava, assim, tragicamente para a história como a primeira pessoa a morrer em um acidente de avião. 

O piloto Orville Wright sofreu diversos ferimentos, mas conseguiu se recuperar totalmente e voltou a voar com seus aviões experimentais.

A morte de Selfridge deixou um legado para evitar novas fatalidades. Depois do acidente, as Forças Armadas dos Estados Unidos passaram a exigir que os pilotos usassem capacete durante os voos. 

Fotografias do dia da queda do avião mostram que nem Selfridge nem Orville usavam proteção na cabeça. Se estivesse com capacete, talvez a primeira morte em um acidente de avião tivesse sido adiada.

Quem era Thomas Etholen Selfridge Nascido em San Francisco, Califórnia (EUA), em 8 de fevereiro de 1882, formou-se na Academia Militar dos Estados Unidos em 1903. Em 1907, foi alocado na divisão aeronáutica em Fort Myer, onde se tornou piloto de dirigível. 

Selfridge foi nomeado representante da Aerial Experiment Association (Associação de Experimento Aéreo), uma organização voltada a pesquisas aeronáuticas que era comandada por Alexander Graham Bell, o inventor do telefone. 

Como primeiro-secretário da Aerial Experiment Association, Selfridge teve a oportunidade de testar alguns modelos que estavam sendo desenvolvidos. 

Seu primeiro voo foi em uma pipa tetraédrica criada por Graham Bell, em 6 de dezembro de 1907. Selfridge chegou até mesmo a projetar um avião, o Red Wing, que foi o primeiro avião a motor da Aerial Experiment Association. 

A aeronave, no entanto, foi destruída em um acidente ocorrido em seu segundo voo. Na ocasião, o modelo era pilotado por Frederick W. Baldwin, que saiu ileso do acidente. 

Thomas Etholen Selfridge recebe atendimento médico logo após a queda em Fort Myer Imagem: Reprodução 

Em 19 de maio de 1908, Selfridge tornou-se o primeiro oficial militar dos Estados Unidos a pilotar uma aeronave sozinho. 

Com o avião White Wing, alcançou 30,5 metros em sua primeira tentativa e 61 metros em sua segunda tentativa. Entre 19 de maio e 3 de agosto, fez vários voos em Hammondsport, culminando em um voo de um minuto e 30 segundos a uma altura de 23 metros. 

No dia seguinte, seu último voo solo de 50 segundos percorreu uma distância de 800 metros. Em agosto de 1908, foi um dos três militares escolhidos para serem pilotos do Army Dirigible Number One (Dirigível Número Um do Exército). 

Selfridge parecia ter um futuro promissor pela frente, até sofrer o acidente fatal, em 17 de setembro de 1908.

Fonte: Vinícius Casagrande (UOL)

Notícias do Dia


Aeronaves de grande porte voltam amanhã a Congonhas (SP)

Melhorias em 4 aeroportos regionais do Pará devem começar em 2021

Primeiro caça Gripen já está a caminho do Brasil e será apresentado no DF

Aéreas vendem de pijamas da 1ª classe a refeições de bordo para tentar sobreviver

Companhias aéreas chinesas vendem refeições take-away a viajantes nostálgicos

A Thai Airways abriu um restaurante com assentos e comida de avião

Iata pede que governos trabalhem juntos para restabelecer conectividade

Cada vez mais raro, Boeing 747 de passageiros voará apenas em 17 rotas neste mês

Military Watch enaltece caça russo Su-30, avião que 'seduziu o mundo'

Entenda por que os Boeings 777X da Emirates estão com pesos em suas asas

sexta-feira, 4 de setembro de 2020

Aconteceu em 4 de setembro de 1971: Queda de Boeing da Alaska Airlines deixa 111 mortos


No sábado, 4 de setembro de 1971, o Boeing 727-193, prefixo N2969G, da Alaska Airlines, estava operando o voo 1866 sobre o território do Alaska, levando a bordo sete tripulantes e 104 passageiros.

Apesar de sobrevoar durante algum tempo território internacional, este voo era considerado como um serviço doméstico, partindo de Anchorage com destino a Seattle, com quatro escalas, uma delas em Juneau. 

Pouco após o meio-dia, a aeronave foi colocada em um circuito de espera para pouso na pista 08 do aeroporto municipal da capital do Alaska, tendo inclusive completado um ciclo, guiado pelos sistemas de auxílio a navegação local. 

A torre de controle repassou as últimas informações do tempo para a tripulação, recebendo a confirmação da tripulação como última mensagem do 727.

O avião caiu, chocando-se contra o Monte Chilkat, a uma altura de 750 metros, 30 quilômetros a leste do aeroporto e todas as 111 pessoas a bordo (104 passageiros e 7 tripulantes) morreram imediatamente. 

O Boeing 727 estava com o trem de pouso baixado, mas com os flaps ainda recolhidos, a uma velocidade de aproximadamente 370 km/h, no rumo 70. 

O acidente aparentemente resultou de informações erradas no sistema de navegação que levaram o avião a descer além do limite mínimo. 

Pouco antes do acidente o Boeing estava a mais de 15 quilômetros da rota correta. Não foram encontradas evidências de problemas no VOR, mas não se afastou completamente esta possibilidade.

Um dos fatores que contribuíram para o acidente foi a situação de emergência reinante na área, pois um bimotor Piper Apache estava perdido na área, o que fez com que as comunicações fossem restritas ao mínimo necessário para deixar a frequência livre. 

Esta situação e o perigo que esta aeronave perdida representava para o 727, pois estava fora da rota e não se sabia se ela estava no ar ou não, contribuíram para tomar a atenção da tripulação do Boeing e o comandante do voo 1866 demonstrou várias vezes sua irritação com os fatos, conforme se ouviu na fita do gravador de conversas da cabine (CVR).

Foi o primeiro acidente fatal de avião a jato envolvendo a Alaska Airlines, e permaneceu como o acidente de aeronave mais mortal da história dos Estados Unidos até 24 de junho de 1975, quando o voo 66 da Eastern Air Lines caiu.

Fontes: 727datacenter.net / ASN / Wikipedia - Fotos: Reprodução

Aeronave cai logo após decolar em Campo Grande (MS)

Avião caiu logo após a decolagem, ao lado da cabeceira da pista.

A aeronave Cessna U206F, prefixo PT-KJU, caiu logo após decolar do Aeroporto Santa Maria na manhã da quinta-feira (03), em Campo Grande (MS). Dois ocupantes que estavam na aeronave saíram ilesos. 

O avião seguia para uma fazenda na região de Corumbá, distante 419 quilômetros de Campo Grande. 

O avião ficou destruído em meio à área de mata, dentro de uma chácara.  

Segundo informações, a aeronave caiu logo após a decolagem, ao lado da cabeceira da pista em meio a vegetação. Uma equipe do Seripa (Serviços Regionais de Investigação e Prevenção de Acidentes Aeronáuticos) VI, pertencente ao Cenipa (Centro de Investigação e Prevenção de Acidentes Aeronáuticos), da Força Aérea Brasileira, foi para o local apurar as causas da queda.

A delegada Ana Cláudia Medina, da Dracco (Departamento de Repressão à Corrupção e ao Crime Organizado), afirmou que retornará ao local com equipes do Seripa (Serviços Regionais de Investigação e Prevenção de Acidentes Aeronáuticos) para apurar as causas do acidente.


Em maio do ano passado, um acidente aéreo matou o empresário e médico dono do laboratório Ultramedical, em Campo Grande, Pedro Arnaldo Montemor dos Santos e sua esposa Silvana Maria Pizzo, logo após uma decolagem no Aeroporto Santa Maria.

A suspeita é de que um nevoeiro tenha comprometido a visibilidade de Pedro, que pilotava a aeronave e tentou retornar ao aeroporto. Uma testemunha chegou a relatar que o avião quase atingiu o hangar antes de cair.

Polícia Civil e Cenipa fazem vistoria em aeroporto de Campo Grande após acidente com aeronave

A Polícia Civil e uma equipe da Centro de Investigação e Prevenção de Acidentes Aeronáuticos (Cenipa) fazem vistoria no aeroporto Santa Maria, em Campo Grande, onde houve acidente com uma aeronave nessa quinta-feira (3). Na ocasião, dois ocupantes do veículo levariam uma carga para uma fazenda em Corumbá, quando, logo após a decolagem, houve o sinistro, que causou danos materiais. No entanto, os passageiros não tiveram lesões.

Para ir ao local, a equipe do Departamento de Repressão à Corrupção e ao Crime Organizado (Dracco) interrompeu as buscas da operação Ícaro, fase Arcanjos, deflagrada para apurar crimes e acidentes aeronáuticos. Na nova fase, servidores da Agência Nacional de Aviação Civil, desencadearam buscas nesta semana, no interior do estado, cumprindo mandados de busca e apreensão.

As equipes estiveram em uma oficina aeronáutica em São Gabriel do Oeste, na região norte do estado, onde apreenderam hélices e também estiveram no município de Aquidauana, a 143 km de Campo Grande. Lá duas aeronaves foram apreendidas como medida cautelar e a investigação apura possíveis crimes correlatos, como possíveis irregularidades na segurança de voo.

Ainda conforme a polícia, uma das aeronaves também estava com bateria veicular instalada de forma errada e com tanque de combustível extraído sem registros de profissional habilitado.

Fontes: midiamax.com.br / campograndenews.com.br / G1 / ANAC - Fotos: Divulgação

Notícias do Dia


Homem que fez uma fogueira em banheiro de avião pode pegar 20 anos de prisão

Polícia encontra avião usando até bateria de carro e apreende 4 aeronaves por risco de segurança

Taiwan nega ter abatido caça Su-35 chinês

Homens de preto em avião? Trump alimenta teorias da conspiração nos EUA

Encomendado protótipo de avião supersônico para presidente dos EUA

Embraer corta 2.500 empregos durante pandemia; sindicato anuncia greve

Justiça do Trabalho marca audiência entre Embraer e sindicato após demissões

Demanda da aviação comercial tem queda de 80% em julho, informa Iata

Aéreas descobrem maneiras inusitadas para ganhar dinheiro

Conselheiro da IATA diz que aéreas não podem esperar vacina

Em memorando interno, United Airlines fala em remover 16 mil funcionários

Por ajuda, tripulantes são orientados a “inundar” a Casa Branca

Virgin Atlantic planeja mais 1.150 cortes de empregos após concluir o acordo de resgate de US $ 1,6 bilhão

Qatar acorda com Airbus atrasar entrega de aviões e ameaça a Boeing

Democracia direta põe cidadãos no comando de caças aéreos

Juros cobrados pelo BNDES das aéreas chegam a quase 20%

TAP já recebeu 499 milhões de euros do Estado

Senta a Pua! Documentário sobre participação do Brasil na 2ª Guerra Mundial é exibido na Rússia

Tóquio avalia o tiltrotor AW609 para revolucionar as conexões com a ilha de Ogasawara

Entenda como serão os testes para entrega de comidas com drone no Brasil

O drone brasileiro que será o xerife da Amazônia

Por que o céu não é limite para as ambições espaciais da RAF

Rússia confirma que planeja exportar o Sukhoi Su-57

Caça MiG-31 voa na estratosfera em velocidade e altitude máximas

Empresas aéreas preparam o relançamento dos supersônicos

Quarto protótipo do 777X inicia voos de teste

China faz lançamento secreto de aeronave reutilizável ao espaço

Luzes enfileiradas no céu intrigam moradores de todo o país

quinta-feira, 3 de setembro de 2020

Catástrofes Aéreas - Varig 254 - Queda na Floresta Amazônica

Aconteceu em 3 de setembro de 1989 - O avião da Varig que caiu na Amazônia por causa de uma vírgula


Foi em 03 de Setembro de 1989 que aconteceu um dos acidentes mais misteriosos da aviação brasileira, quando o voo 254, o Boeing 737-241, prefixo PP-VMK, da Varig
sumiu na selva amazônica, causando grande mistério. 

O aparelho, por falta de combustível, fez um pouso forçado sobre as árvores da floresta. Quanto os destroços do aparelho foram localizados quatro dias após, haviam 12 pessoas mortas e 42 sobreviventes, muitos deles, num total de 16, estavam com ferimentos graves.

O avião decolara de Marabá, com destino a Belém, no Pará, para encerrar uma maratona que começara no início da manhã, em São Paulo, fazendo pousos em  Uberaba, Uberlândia, Goiânia, Brasília, Imperatriz e Marabá, até seu destino final, que seria Belém. Era comum na aviação comercial brasileira, à época, esse tipo de longas maratonas, com a prática dos chamados “pinga-pinga.” 

A partir do sumiço, estabeleceu-se um mistério. As autoridades aeroviárias não tinham a menor ideia sobre o destino do avião. Somente no dia 05 um pequeno grupo, deslocando-se bravamente pela floresta densa, conseguiu chegar a uma casa de fazenda e informou aos proprietários a localização dos destroços. Só daí foi possível localizar os destroços e fazer o resgate. 

Após a decolagem do Aeroporto de Marabá, a aeronave, ao invés de tomar o rumo em direção ao norte para Belém, virou e passou a ir em direção oeste. Ao perceber o erro, os pilotos ficaram perdidos e não conseguiram retornar a qualquer aeroporto, tendo que fazer um pouso de emergência na selva. 

As pessoas a bordo tiveram que esperar mais de dois dias até a chegada do primeiro resgate da Força Aérea Brasileira. 

Entre os 54 passageiros e tripulantes a bordo, doze morreram no momento do acidente ou no tempo de espera do resgate. 

Dos 42 sobreviventes, dezessete tiveram ferimentos graves e 25 sofreram ferimentos leves.

Bebê escapou ileso de acidente aéreo

O acidente foi o mais mortífero da aviação do país envolvendo um Boeing 737 até então, sendo superado posteriormente pelo voo Gol 1907, em 2006.

O acidente foi investigado pela Força Aérea Brasileira, através do Sistema de Investigação e Prevenção de Acidentes Aeronáuticos (SIPAER, atual CENIPA), com o relatório final emitido em 23 de abril de 1991. 

O SIPAER concluiu que o acidente foi causado por erros cometidos pelos pilotos, no momento de repassar o plano de voo para a aeronave, e ao não verificar fatores importantes durante a viagem, como a leitura incorreta de proa pelo comandante. 

À medida em que as responsabilidades eram apuradas, no entanto, evidências de erro na pilotagem começaram a aparecer. Os relatórios indicaram que a equipe na cabine pode ter passado informações incorretas ao controle aéreo.

Zille tinha 28 anos à época, e afirma que tentou dissuadir o piloto do erro. O medo, no entanto, o teria "paralisado". “Ele passou uma informação para o controle de Belém dizendo que teve uma desorientação cartográfica. Quando olhei, vi que não tinha pane nos instrumentos. Tinha acabado de completar 1 ano de Varig. Tive medo.”

A apuração, a cargo da Aeronáutica, concluiu que comandante e copiloto inseriram uma rota no sistema de navegação do avião diferente da real – "270", em vez de "027". O avião voou até acabar o combustível e fez o pouso forçado.

Clique AQUI para ler o Relatório Final do acidente. [em .pdf]

Fontes: Meio Norte / ASN - Fotos: Reprodução

O ar que circula dentro dos aviões é limpo?

Filtros de alta tecnologia e máscaras simples: como os avanços tecnológicos e a responsabilidade individual podem deixar os voos mais seguros.

Passageiros usando máscaras em um dos primeiros voos entre Amsterdã, na Holanda, e Burgas, na Bulgária, desde o início da paralisação causada pela covid-19 há alguns meses. As máscaras podem ajudar a reduzir a probabilidade de ser contaminado (ou contaminar outros passageiros) apesar dos filtros de ar HEPA altamente eficazes utilizados na maioria dos aviões comerciais - Foto: Redux

A pandemia do coronavírus lembrou a todos de que o acesso ao ar limpo é prioridade global de saúde. Embora a poluição industrial domine as manchetes há décadas, a covid-19 trouxe o debate para a poluição de ambientes internos. A qualidade do ar em ambientes fechados — sua circulação, o quanto ele permite ou não a dispersão ou a eliminação de patógenos — pode ser a diferença entre manter uma boa saúde ou se contaminar. Entre os ambientes internos repetidamente reconhecidos como possíveis locais vulneráveis a infecções (igrejas, casas de repouso e navios de cruzeiro), as cabines de avião são uma fonte de constante ansiedade.

É surpreendente constatar que o ar no interior de um avião é mais limpo do que se imagina. Graças aos filtros HEPA e à circulação eficiente de aeronaves comerciais, o ar respirado durante os voos — embora não necessariamente totalmente livre de vírus — é muito mais limpo do que o ar em restaurantes, bares, lojas ou na sala de estar dos seus melhores amigos. Portanto, não é preciso temer o ar das alturas.

Como é o processo de limpeza do ar em aviões?

A maioria das aeronaves comerciais, exceto algumas, é equipada com filtros HEPA (High Efficiency Particulate Air, “partículas de ar de alta eficiência”, em tradução livre), o que significa que, em aviões equipados com o filtro HEPA, a circulação de ar “é semelhante à circulação de ar laminar de uma sala de cirurgia sem cruzamento ou cruzamento mínimo de fluxos de ar”, afirma o Dr. Bjoern Becker, do Grupo Lufthansa de companhias aéreas. “O ar é bombeado do teto à cabine a uma velocidade de aproximadamente 0,91 metro por segundo e é sugado novamente embaixo dos assentos da janela.”

Cerca de 40% do ar de uma cabine são filtrados através desse sistema HEPA. Os 60% restantes são provenientes do ar puro canalizado de fora do avião. “O ar da cabine é trocado completamente a cada três minutos, em média, enquanto a aeronave se mantém a uma velocidade de cruzeiro”, afirma Becker.

Oficialmente, filtros HEPA certificados “bloqueiam e retêm 99,97% das partículas suspensas no ar com tamanho acima de 0,3 mícron”, afirma Tony Julian, especialista em purificação de ar da RGF Environmental Group. A eficiência desses filtros é supreendentemente ainda maior em relação a partículas menores. Assim, embora gotículas expelidas infectadas com o SARS-CoV-2 possam ser bastante pequenas, os filtros HEPA eliminam do ar grande parte delas com eficiência.

Um passageiro usando máscara em um voo entre Vancouver, no Canadá, e Sydney, na Austrália, no outono de 2020. A obrigatoriedade do uso de máscaras em aviões foi imposta rigorosamente por algumas companhias aéreas - Foto: Redux

“Normalmente, o número de partículas no ar é muito baixo, o avião é quase como uma sala esterilizada, pois há ampla ventilação e pouquíssimas fontes geradoras de partículas dentro de um avião”, explica Liam Bates, presidente e cofundador da Kaiterra, fabricante de monitores da qualidade do ar. “Aviões são muito mais seguros do que praticamente qualquer outro espaço fechado.”

Não há filtros HEPA em aviões antigos nem em pequenas aeronaves, que utilizam sistemas de filtragem menos eficazes. Mas até mesmo os melhores filtros não são capazes de reter todas as partículas de vírus a bordo e há formas de aumentar sua eficácia utilizadas pelas companhias aéreas, por seus funcionários e passageiros.

Os filtros são confiáveis?


A eficácia de filtragem de 99,97% do HEPA pode parecer reconfortante e os executivos das companhias aéreas contam com essa sensação de segurança. Mas o maior problema desses sistemas, segundo Bates, é que o “filtro só garante a qualidade do ar que passar por ele. Se o ar respirado por alguém não passar por esse filtro, então esses números não se aplicam.”

Por isso, além de bons filtros, as cabines aéreas também precisam de bons passageiros, o que significa que todos a bordo devem usar máscaras.

A razão disso é que as qualidades protetoras comprovadas das máscaras, os filtros HEPA e a circulação de ar de alta velocidade não funcionam com a máxima eficácia até que o avião esteja no ar, o que significa que o período às vezes interminável entre encontrar seu assento e a decolagem (ou entre o pouso e o desembarque) é quando se fica mais suscetível à inalação de partículas suspensas infectadas com a covid-19. Aquele ar abafado e parado que normalmente sentimos quando um avião está em solo em frente ao portão ou parado pode ser resultado de pouca circulação por entre esses filtros.

Assim como praticamente tudo que envolve tecnologia, “os filtros HEPA devem passar por manutenção regular e ser substituídos conforme necessário”, afirma Julian. Furos nos filtros ou problemas nas vedações, por exemplo, comprometem sua eficácia. Cada fabricante de filtros HEPA fornece o cronograma recomendado de manutenção de seus produtos e a maioria das companhias aéreas os troca com mais frequência. Ainda que uma companhia aérea tenha trocado filtros com menos frequência do que o recomendado, a Associação Internacional de Transportes Aéreos informou que mesmo com a circulação de ar através dos filtros comprometida, a capacidade de retenção de partículas permanece. Ao contrário do que pode parecer lógico, filtros sujos podem ser mais eficientes do que limpos.

Por que máscaras são essenciais?


Quando tossimos, espirramos e falamos, gotículas microscópicas (e, às vezes, visíveis) de saliva são expelidas por nossas bocas. A gravidade faz com que as maiores caiam rapidamente no chão (ou em um apoio de braço), mas as menores podem ficar suspensas no ar. O conhecimento científico sobre o SARS-CoV-2 está evoluindo, mas até o momento foram obtidas algumas evidências que sugerem que os vírus contidos nessas pequenas gotículas são infecciosos.

Um funcionário com equipamento de proteção desinfeta um avião da Asrair Airlines no Aeroporto Internacional Ben Gurion em Tel Aviv, Israel, em 17 de agosto de 2020 - Foto: Jini / Xinhua / Redux 

Usar máscara o tempo todo em um avião retém na própria pessoa um pouco dessa saliva passível de ficar suspensa no ar — e qualquer vírus contido nela. Há evidências de que o uso de máscaras protege as pessoas ao seu redor e ao mesmo tempo reduz a sua chance de se contaminar. Usar máscaras tem uma certa semelhança com guardar seu notebook durante a decolagem: ambos reduzem a probabilidade de alguém ter seu rosto atingido por algo prejudicial devido à turbulência do ar.

Nos Estados Unidos, não há lei que torne o uso de máscaras obrigatório aos passageiros aéreos. Cada companhia aérea dos Estados Unidos implementou suas próprias regras em relação a máscaras. Existem vários relatos de imposição de regras rígidas por parte das companhias aéreas (a Delta baniu mais de cem rebeldes sem máscaras e retornou ao portão para expulsar passageiros), mas também há relatos de algumas companhias áreas que estão ignorando essas regras ou deixando a cargo dos passageiros a responsabilidade de fiscalizar aqueles que sentam perto deles. Mas também há relatos de pessoas viajando sem máscaras (ou máscaras utilizadas incorretamente) e de tripulantes que não obrigam as pessoas a seguirem as regras.

Como as medidas de controle podem ajudar?


Os aeroportos e as companhias aéreas dos Estados Unidos estão implementando novas medidas de controle para tentar impedir que passageiros possivelmente contaminados embarquem em aviões de passageiros. Alguns confiam na honestidade e no comportamento ético dos passageiros, como as companhias aéreas que, durante o check-in, pedem aos passageiros que se certifiquem de que estejam livres de sintomas da covid-19 nos últimos 14 dias.

Ainda que todos que embarcarem em um voo sejam honestos, os outros passageiros ainda permanecem em risco porque cerca de 40% dos pacientes com covid são assintomáticos e muitos indivíduos nos estágios iniciais da doença não apresentam nenhum sintoma sequer. Algumas companhias aéreas, como a Qatar Airways, estão tornando obrigatórias máscaras e proteções faciais a passageiros e à tripulação. A máscara protege os outros e a proteção facial protege a pessoa que a usa (especialmente contra a entrada de vírus pelos olhos).

O estabelecimento de diversas medidas de controle indica que aeroportos e companhias aéreas estão levando a covid-19 a sério, mas especialistas dizem que essas medidas nem sempre têm fundamento científico. “As aferições de temperatura dos passageiros podem parecer algo sensato para evitar a propagação, no entanto, com base nos dados científicos obtidos até o momento, não são uma medida eficiente nem eficaz na identificação de pacientes com covid-19 ou na redução da propagação da doença”, explica o Dr. Daniel Fagbuyi, indicado pelo governo Obama ao Conselho Nacional de Ciência de Biodefesa, com experiência em pandemias. Verificações de temperatura com termômetros do tipo pistola não detectam 30% das pessoas com febre.

Maneiras de se proteger durante o voo


O maior risco de uma viagem de avião pode estar no aeroporto, no embarque e no período de decolagem e pouso. A proximidade com outras pessoas em ambientes fechados, sendo que algumas delas podem estar sem máscaras, pode resultar em contaminação. Manter um distanciamento físico de cerca de 1,8 metro (ou mais) ao chegar ao portão e ao assento ou ao desembarcar é provavelmente a precaução mais importante de todas (além de cobrir o rosto).

Se você precisa viajar de avião, escolha uma companhia aérea que imponha suas próprias regras de proteção. Ao menos você ficará mais tranquilo por não ter que atuar como um fiscal de máscaras.

A bordo, evite o contato com superfícies e lave bem as mãos antes de tocar seu rosto (e também em sua máscara). Entretanto não há necessidade de viajar de avião com roupa de proteção, segundo o Dr. Ken Perry, médico de emergência de Charleston, Carolina do Sul. “É muito melhor ser rígido com o uso de máscaras do que se preocupar com luvas e outros acessórios.”

Os cientistas não consideram mais que tocar objetos e depois tocar os olhos, o nariz e a boca com as mãos sujas seja a principal fonte de transmissão de covid-19. No entanto um relato recente sobre contágio a bordo sugere que uma pessoa assintomática transmitiu a doença por meio das superfícies no banheiro.

As companhias aéreas aperfeiçoaram seus sistemas de limpeza, inclusive desinfetando aviões com pulverizadores eletrostáticos. E com a aprovação de emergência recém-anunciada pela Agência de Proteção Ambiental dos Estados Unidos, a American Airlines começará a aplicar em áreas de muito contato (a parte de trás dos assentos, mesas de bandejas) uma camada de SurfaceWise2, produto que se acredita ser capaz de eliminar o coronavírus por até sete dias.

Durante o voo, Fagbuyi recomenda manter sua máscara o máximo possível, o que significa evitar comer e beber enquanto estiver no ar. Limpar as mãos com álcool em gel a bordo é bom, afirma Fagbuyi, mas “lave as mãos com água e sabão assim que desembarcar” do avião e especialmente antes de retirar a máscara.

Embora possa parecer desconfortável, a Dra. Joyce Sanchez, diretora médica da Clínica Travel Health, em Froedtert e da Faculdade de Medicina de Wisconsin, afirma que usar máscara não afeta sua oxigenação ou níveis de dióxido de carbono. “A grande maioria das pessoas, inclusive aquelas com doenças pulmonares e cardíacas crônicas, pode usar máscaras com segurança”, afirma ela

A melhor maneira de tornar os céus mais agradáveis atualmente é cobrindo o seu sorriso.

Fonte: Johanna Read (nationalgeographicbrasil.com)

Notícias do Dia


Vídeo da cabine mostra avião batendo em hangar após pouso desastroso

Por falha de segurança em dezenas de voos, multa milionária é dada ao Aeroporto de Chicago

Infraero concluirá neste domingo obra na pista principal do aeroporto de Congonhas (SP)

Governo planeja fechar Aeroporto Carlos Prates e transferir operações para Pampulha

GOL e Ethiopian Airlines anunciam acordo de codeshare entre Brasil e África

Empréstimo de R$ 27 mi da Gol para a Passaredo é levado a Justiça, diz jornal

Aviões abatidos no espaço aéreo durante transporte de drogas e agrotóxicos vão ser usadas pela polícia em MT

Em verdadeira aula, relatório analisa resposta humana a acidente aeronáutico

Debate reforça a importância da aviação agrícola contra incêndios

Aéreas dos EUA ficam sozinhas em tentativa de acabar com taxa para remarcação de passagem

Companhias aéreas lideram cortes de empregos planejados nos EUA em agosto, diz relatório

United vai dispensar mais de 16 mil funcionários em outubro

Cortes na Embraer chegam a 12,5% do efetivo em ano pior que o esperado

Conceito tiltrotor pode revolucionar transporte aéreo civil

Aéreas transportam eletrônicos e truta no lugar de passageiros

Aviação contribui com 3,5% para o aquecimento global, afirma estudo

Impactos da pandemia na aviação civil: quais os horizontes para a retomada do setor?

Como e quando será a retomada aérea na América do Sul

Como o setor aéreo modificou os aviões para evitar a propagação da covid-19

Aviação brasileira deverá ter 980 voos diários no fim de setembro

Vídeo: 34 anos do 1° BAvEx, onde tudo começou

Imagens: Caça KF-X da Coreia do Sul em produção

Simulação: F-5EM da FAB versus Su-30MKV da Força Aérea Venezuelana

quarta-feira, 2 de setembro de 2020

Vídeo: "Segundos Fatais - Tragédia no voo da Swissair"

Visite o site DESASTRES AÉREOS.



Aconteceu em 2 de setembro de 1998 - Swissair 111: Avião cai no mar e mata os seus 229 ocupantes

O voo Swissair 111 era uma rota regular de passageiros, que partia de Nova Iorque (JFK) até Genebra (GVA), e era operado pelo McDonnell Douglas MD-11. Em 2 de setembro de 1998, a aeronave caiu no Oceano Atlântico, próximo da costa da Nova Escócia, Canadá. As investigações apontaram que a queda do avião foi causada por um incêndio, que levou a falha elétrica.

A aeronave era um McDonnell Douglas MD-11, com registro HB-IWF, foi fabricado em 1991 e foi operado apenas pela Swissair. Ele tinha o título de "Vaud", em honra do cantão suíço de mesmo nome. 

A aeronave acumulava um total de 36 041 horas de voo. Os três motores eram Pratt & Whitney 4462s. A cabine foi configurado com 241 assentos (12 na primeira classe, 49 na classe business e 180 na classe econômica).

A aeronave tinha uma tripulação padrão, que consiste em um capitão, um copiloto e as 11 comissárias de bordo. O capitão era Urs Zimmermann, com 50 anos de idade e o copiloto era Stefan Löw, com 36 anos de idade. Ambos os pilotos eram experientes, com 10 800 e 4800 horas de voo, respetivamente. O capitão também foi um piloto instrutor para o MD-11.

O voo decolou de Nova Iorque às 20:18 UTC-4 (00:18 UTC). A partir das 20:33 até às 20:47, a aeronave sofreu uma queda na frequência de rádio por treze minutos. A causa do escurecimento foi determinada como sendo um erro na afinação das rádios de comunicação.

Às 22:10 UTC-3 (01:10 UTC), voando ao nível de voo 330 (aproximadamente 33 000 pés ou 10 100 metros), detectou um odor estanho no cockpit. Achou que fosse fumaça do sistema de ar-condicionado, o que poderia ser facilmente sanado, apenas fechando a abertura do mesmo. Quatro minutos mais tarde, o odor e a fumaça agora poderia ser visível. 

Local da origem do fogo, acima do teto da cabine

As 22:14, o piloto declarou um Pan-pan e requisitou um pouso de emergência no Aeroporto Internacional de Boston, em Boston. 

O controle de tráfego aéreo ofereceu o Aeroporto Internacional de Halifax, Enfield, por ser mais próximo do local onde a aeronave se encontrava. A tripulação decidiu então colocar suas máscaras de oxigênio e iniciar a sua descida.

Às 22:20, o capitão informou que precisariam despejar combustível, para realizar um pouso com mais segurança. 

O controle de tráfego aéreo informou-o que o lugar mais seguro para se fazer isso era sobre o Oceano Atlântico. O capitão aceitou e se dirigiu para o local para iniciar o despejo de combustível.

Seguindo a lista de verificação da aeronave, a tripulação desligou a energia desnecessária na cabine. Isso causou um vácuo na parte de cima da cabine, o que induziu o fogo a se espalhar pelo cockpit, fazendo com que o piloto automático parasse de funcionar. 

Às 22:24 o capitão informou que deveriam voar manualmente. Apenas 17 segundos depois, o capitão declara mayday e então pode se ouvir o copiloto sair de seu posto, para tentar controlar o incêndio. 

Às 22:25, o gravador de dados da cabine havia parado de funcionar, seguido pelo gravador de voz. O transponder parou de funcionar na mesma hora. Foi registrada mais uma pequena aparição da aeronave no radar das 22:25 às 22:26. 

A última altitude registrada foi de 9 900 pés. Às 22:31, a aeronave atingiu o oceano, impacto que dividiu o avião em mais de 2 milhões de peças.

Os 14 tripulantes e os 215 passageiros morreram no acidente.

Trabalho de reconstrução da aeronave para investigação

Memorial às vítimas da tragédia

Clique AQUI para ler o Relatório Final do acidente. [.pdf - em inglês]

Fontes: ASN / Wikipedia - Fotos: Reprodução

História: Há um século, as acrobacias de Edu Chaves, o pioneiro da aviação em São Paulo


E a aviação em São Paulo continua avançando. Dessa vez a notícia é do voo feito por Edu Chaves sobre a cidade de São Paulo que atraiu muita gente.

"Edú Chaves, realizou hontem á tarde belissimas evoluções sobre a cidade, expedições acrobacias a poucos metros dos telhados das casas do triângulo". 

Triângulo na época era a região central de São Paulo formada pelas ruas Direita, 15 de Novembro e São Bento. 

O voo saiu do aeroporto de Guapira, um dos primeiros da cidade, que ficava próximo ao aeroporto atual de Cumbica. 

Edu Chaves ao lado de Alberto Santos Dumont

Na notícia sobre aviação, também somos informados os modelos de 20 aviões comprados para o Exército: "'Breguet' com motor Renault de 300 HP".

Fonte: O Estado de S.Paulo - Imagens: aerosngcanela.blogspot.com / FAB / Estadão

Notícias do Dia


Relatório revela as falhas que levaram o MD-83 a acabar no meio da rua

Airbus A330 presidencial da França colide com hangar no aeroporto de Beirute

Empresas aéreas apostam em "revolução sanitária" para conquistar passageiros

A pandemia trouxe impactos e mudanças nas viagens de avião

Voos pagos pela União dão 1 bi de milhas a funcionários do governo

MAP Linhas Aéreas perde seis slots em Congonhas (SP)

Aeroporto Carlos Prates será desativado até o ano que vem

Justiça barra novo distribuidor de querosene no aeroporto de Guarulhos

Audiência irá definir situação da Gol no Acre, que alega prejuízo de R$ 28 milhões

Aeroporto de Zurique é eleito o melhor da Europa

Com serviços não utilizados, aeroportos reavaliam sua estrutura

Arábia Saudita autoriza Israel a sobrevoar seu território depois de 72 anos

TAP retoma operações regulares em Salvador após cinco meses

Voos internacionais diretos para Pequim serão liberados nesta quinta-feira

Três das principais empresas de aviação dos EUA suspendem taxas de voo

Veja como ficou o Boeing 737 retrô da Aerolíneas Argentinas 

App recém lançado de fretamento voos atinge 40 mil pedidos de cotação

Uso de frota da Airbus acentua recuperação desigual do setor aéreo

RAAF: Problemas dos novos F-35 não são tão invisíveis

Argentina anuncia produção de novo avião de treinamento IA-100 Malvina

Primeiro caça Gripen da FAB já está a caminho do Brasil

Fotos: Entrega de caças Gripen por navio

FAB lança paraquedistas e cargas das aeronaves C-130, C-105 e C-95

Avião conceito em formato de V realiza primeiro voo na Europa

Motoristas se unem para auxiliar pouso de avião e salvar criança no Alasca

Na sexta-feira (28), uma criança precisou de cuidados médicos na comunidade isolada de Igiugig, no Alasca (EUA). 


A região tem apenas 70 habitantes e não tem a infraestrutura necessária para atendê-la, então foi preciso acionar um avião para levar a criança ao hospital mais próximo. 

Quando a aeronave, um Beechcraft King Air, da LifeMed Alaska, começou o processo de pouso, o piloto percebeu uma falha técnica: as luzes da pista não estavam funcionando. 

Ao notar que havia algo errado, a chefe do grupo, Ida Nelson, decidiu acionar os outros habitantes do vilarejo e pediu que eles iluminassem a pista com os faróis de seus carros.

"Eu fiquei nervosa e ansiosa, porque era tarde da noite e se tratava do filho de alguém. Eu só conseguia pensar em quão rápido eu conseguiria trazer outras pessoas, porque e se fosse o avião do meu bebê?" 

Em entrevista à CNN, Nelson relata que em 20 minutos cerca de 20 motoristas atenderam o chamado — suas idades variavam entre 8 e 70. Eles deixaram as luzes acesas durante o pouso do avião, embarque da paciente e decolagem da aeronave. 

Ela conta que estava na sauna por volta das 23h30 quando ouviu o barulho do avião voando baixo. Nelson foi até o aeroporto e um piloto local explicou o problema. 

Ela se ofereceu para iluminar uma parte da pista de pouso, e logo em seguida recebeu uma ligação de um vizinho perguntando se o avião estava tentando pousar. 

Quando Nelson disse que precisava de mais veículos, o vizinho fez 32 ligações chamando motoristas da comunidade. 

Ela diz que a cooperação não é um evento especial: "É uma coisa normal aqui, em uma comunidade tão pequena. Estou descobrindo agora que é extraordinário para outras pessoas — aqui é meio normal."

Foto aérea do aeródromo de Igiugig, no Alasca, ao lado do rio Kvichak.

Fontes: ASN / UOL - Fotos: Ida Nelson / Gov. Alasca

Piloto escapa ileso de acidente com réplica de avião da Primeira Guerra

Um piloto do primeiro avião militar da Grã-Bretanha sobreviveu a um acidente após uma simulação de duelo entre aeronaves britânicas e alemãs da Guerra Mundial.

O piloto - ainda não identificado - estava a bordo de uma réplica do avião usado na Primeira Guerra Mundial, o Royal Aircraft Factory BE2c, prefixo G-AWYI (foto acima), quando o acidente aconteceu na manhã desta quarta-feira (2), no aeródromo Sywell, em Northamptonshire, na Inglaterra.

A aeronave, que participava de uma simulação de combate aéreo, perdeu o controle e caiu de nariz .

Incrivelmente, o piloto foi encontrado em 'boas condições' por equipes de resgate que correram para o local.

O avião - que foi apresentado no filme 'Biggles' - foi restaurado pelos co-proprietários Matthew Boddington e Steve Slater. Ele fazia parte da Equipe de Exibição da Grande Guerra de Bremont e o líder Gordon Brander confirmou que o piloto estava bem.

- Felizmente, ele só tem cortes, hematomas e uma costela quebrada. Ele deve ficar no hospital por mais alguns dias. Ele está lá com sua família ao seu lado.

“As aeronaves da Primeira Guerra Mundial são bastante primitivas e delicadas, por isso não fazemos exibições acrobáticas. É mais a recriação de combates aéreos e deveríamos nos apresentar em Duxford em três semanas, mas agora isso parece improvável.

'Por causa de Covid, não tínhamos praticado muito, então pensamos em treinar algum tempo no ar. São aeronaves muito frágeis, então ele tem muita sorte, estamos todos felizes por ele não estar gravemente ferido.'

Havia biplanos e triplanos alemães com a insígnia da Cruz de Ferro lutando com seus rivais britânicos quando o avião britânico caiu. 'Alguns dos aviões são réplicas, alguns são originais que foram restaurados com amor.'

Em combates simulados, cada piloto tenta manobrar seu avião atrás do oponente para dar um 'tiro certeiro' - ou o que seria um tiro certeiro se estivesse em um combate real.

Começa quando os combatentes de um lado se movem para interceptar os combatentes do outro. Aviões interceptadores se aproximam dos intrusos percebidos e tentam tirá-los do curso ou assediá-los até que eles deixem a área.

Se os intrusos não se separarem, os aviões começam a circular uns aos outros com uma série de voltas e voltas em alta velocidade.

O avião

O Royal Aircraft Factory B.E.2 foi um biplano britânico monomotor biposto utilizado pelo Royal Flying Corps durante a Primeira Guerra Mundial O B.E.2 foi um dos projetos que estabeleceram a configuração biplano impulsionado por tração como dominante por um período considerável.

Apesar de impopular entre os aviadores, foram construídos por volta de 3.500 aviões, que serviram como caças, interceptadores, bombardeiros leves, treinadores e aeronaves de reconhecimento.

Foi projetado por Geoffrey de Havilland, como evolução do B.E.1, tendo seu primeiro voo em fevereiro de 1912, com de Havilland como piloto.

Fontes: Daily Mail / ASN / Wikipedia - Fotos: Reprodução