segunda-feira, 16 de junho de 2008

United adota sistema ecológico na manutenção das aeronaves

A United Airlines e a Pratt & Whitney assinaram um acordo pelo qual a empresa aérea passará a usar o novo sistema de lavagem de turbinas EcoPower. O sistema, comercializado pela Global Service Partners, parte do grupo United Technologies, é condizente com os esforços para a preservação do meio ambiente.

A adoção do sistema faz parte dos esforços da United para economizar combustível e aperfeiçoar o desempenho ambiental de seus aviões. A empresa calcula que, com a medida, poderá poupar três milhões de galões de combustível e emitir 28 mil toneladas a menos de gás carbônico para a atmosfera a cada ano.

O vice-presidente de Engenharia, Materiais e Planejamento da United Airlines, Rick Wysong, comentou que o enorme aumento nos preços dos combustíveis está fazendo com que a empresa procure soluções inovadoras para reduzir seu consumo. "Além de poupar combustível e melhorar o desempenho das turbinas, o sistema é também um método mais rápido, mais seguro e mais amigável com relação ao meio ambiente de lavar as turbinas, levando à redução das emissões de dióxido de carbono", acrescentou.

A United Airlines espera integrar todos os seus aviões ao sistema nos próximos meses, período no qual também passará a oferecer o serviço de lavagem para terceiros. O sistema será instalado em diversos aeroportos. Já está certa sua instalação em Washington, Los Angeles e San Francisco.

Fonte: Mercado & Eventos

Aeroporto da Pampulha usa falcões para garantir segurança aérea

Falcões no Aeroporto da Pampulha: disciplina árdua e missão de salvar vidas

Todos os dias, o pequeno Pavarotti enfrenta uma importante missão: garantir a segurança aos vôos no Aeroporto da Pampulha. Para esse combate, ele não conta com a ajuda da tecnologia. A principal arma são as garras e o bico. Pavarotti é um falcão de coleira e, junto com outros da mesma espécie e gaviões, é adestrado por uma equipe de falcoeiros para prevenir colisões de espécies da fauna silvestre com aviões. O aeroporto, desde março, após convênio com a empresa Biocev e autorização do Ibama, implantou a falcoaria – arte de treinar falcões para caçar – na prevenção de acidentes envolvendo aeronaves e pássaros. É o primeiro no país a adotar a técnica.

O projeto, que faz parte do Plano de Manejo de Avifauna do aeroporto, que integra a Política Ambiental da Infraero, constatou, em 2007, por levantamento, as principais espécies que compõem o sítio aeroportuário e as dinâmicas das aves que circulam na região. “Foi constatado um alto número de quero-queros, pica-paus, corujas, pombos, carcarás, biguás e garças, uma vez que o aeroporto está perto da Lagoa da Pampulha”, conta o coordenador de Segurança do terminal, Sadi Peixoto. Segundo ele, a Biocev, selecionada por licitação em 2007, apresentou a falcoaria como solução para prevenção às colisões. “Em fevereiro deste ano, com a autorização do Ibama, começamos a usar a técnica e já temos bons resultados. Ano passado, tivemos 20 casos e até agora, só temos 11. O dado é positivo, uma vez que há um aumento anual do tráfego de aeronaves”, avalia.

Pavarotti, nome dado ao falcão pelos falcoeiros em homenagem ao cantor lírico italiano, começou a ser treinado no ano passado. “Ele não canta, mas é um dos melhores caçadores”, diverte-se Gustavo Diniz, consultor ambiental da Biocev. Segundo ele, há no aeroporto quatro falcões, um gavião de penacho e um gavião bicolor. Cada um foi nomeado pelos treinadores com apelidos. “Tem a Brahma, a Shakira e outros”, enumera Diniz. Todos vieram de centros de triagem do Ibama e de criadouros. O gavião de penacho ainda não tem nome e uma votação foi aberta ao público.

O gavião de penacho ainda não tem nome

Escolha um nome para o gavião de penacho

O treinamento dessas aves é contínuo, começando nas primeiras horas do dia até o entardecer. “A primeira medida de adestramento é amansar o animal, o que pode levar até um mês. Depois, ele aprende a comer no punho do falcoeiro. Em seguida, de uma certa distância, é ensinado a obedecer o chamado. Depois, apresentamos a ele as iscas, que são asas de pombo empanadas.”

Já adestrados, os pássaros vão para a captura, que acontece no entorno do aeroporto. Os falcões têm como alvo as aves de pequeno porte. Os gaviões, as aquáticas do Ribeirão Pampulha. “Quando eles capturam, com a presa entre os bicos e as garras, só conseguimos que soltem oferecendo em troca um pedaço de carne de boi ou de frango. Não há danos físicos. Os animais capturados são marcados com anilhas de alumínio para futuro monitoramento e encaminhados para fazendas registradas do Ibama”, enfatiza Diniz.

O maior receio do aeroporto era de que os próprios caçadores se tornassem um perigo para as aeronaves. Mas, segundo o coordenador Sadi Peixoto, quando os falcões e gaviões escutam o barulho do motor, voltam para o lugar de origem. “A falcoaria é uma técnica que tem trazido bons resultados para o aeroporto. Possivelmente a Infraero vai expandir para todo o Brasil.”

Perigo no ar

Não é novidade que as colisões de pássaros com aeronaves causem prejuízos ao avião. Na maioria das vezes, com o motor danificado, o processo de decolagem ou de pouso torna-se um perigo. De acordo com dados do Centro de Investigação e Prevenção de Acidentes Aeronáuticos, em 2005 grandes empresas aéreas mundiais sofreram prejuízos superiores a U$$ 5 milhões com esse tipo de acidente. Em 2007, só no Brasil, foram notificadas mais de 500 colisões com aves.

Fontes: Portal UAI / TV Alterosa - Fotos: Emmanuel Pinheiro (EM/D.A Press)

Grupo Inbra Apresenta seu know how em blindagem para Aviões durante a Eurosatory 2008

Os visitantes da maior plataforma de negócios do segmento de defesa podem conferir detalhes da blindagem desenvolvida pela Inbra para o modelo Super Tucano da Embraer.

A participação do Grupo Inbra durante a edição 2008 da Eurosatory – Defence Exhibition – que acontece de 16 à 20 de junho, em Paris, França, será marcada pelo desenvolvimento da blindagem para o modelo Super Tucano da Embraer. Estará em exposição, no estande da empresa, parte do ship set de blindagem desenvolvido recentemente pela divisão Inbra Aerospace e que já equipa 25 aeronaves da Força Aérea Colombiana.

A blindagem feita no modelo da Embraer é a de maior nível de proteção implementada no Brasil, capaz de suportar projéteis de calibre 0.50”, munição antiaérea. Os Super Tucanos são aeronaves de baixas e médias velocidades, destinadas às tarefas de interceptação e ataque de aeronaves de pequeno porte e helicópteros que trafegam ilegalmente carregando cargas suspeitas em determinadas regiões.

Os outros destaques do Grupo Inbra durante a Eurosatory 2008 são as portas blindadas para cockpit de aeronaves comerciais, itens de proteção balística – como coletes femininos à prova de balas, escudos de proteção policial, capacetes à prova de balas e vidros blindados – e VBL Multiuso – o primeiro veículo blindado leve do mundo de sete toneladas com capacidade para transportar até oito passageiros e destinado às operações especiais das forças armadas ou policiais de âmbito federal, estadual e municipal dos mais diversos países.

Fonte: Revista Fator

Sócios na VarigLog desviaram dinheiro, diz fundo dos EUA

Matlin acusa brasileiros de abrirem empresa nos EUA e transferirem R$ 4,7 mi

Fundo afirma que dinheiro foi enviado horas depois de juiz ter determinado afastamento de sócios; advogado diz que acusações são falsas

MAELI PRADO
DA REPORTAGEM LOCAL

ALAN GRIPP
DA SUCURSAL DE BRASÍLIA


O fundo americano Matlin Patterson acusa os sócios brasileiros da VarigLog de terem aberto uma empresa de fornecimento de peças para aviões em Miami, a Solutions, e de terem efetuado pagamentos a ela que totalizam R$ 4,7 milhões entre 2007 e 2008.

Isso ocorreu, segundo o fundo de investimentos, sem conhecimento ou autorização dos sócios. De acordo com o "Relatório de Diagnóstico da VarigLog", a Solutions recebeu da companhia aérea R$ 1,44 milhão em fevereiro deste ano.

O fundo americano acusa os sócios brasileiros de terem feito a transferência no dia 15 de fevereiro, horas depois do fim da audiência judicial em que o juiz José Paulo Magano, da 17ª Vara Cível do Tribunal de Justiça de São Paulo, determinou o afastamento deles do comando da companhia.

"Marco Antonio Audi retirou-se de inopino da sala de audiências. Na mesma data, foi realizada a transferência de vultosos valores das contas bancárias da VarigLog para o pagamento da empresa Solutions", diz um trecho da petição judicial em que advogados do fundo acusam os sócios brasileiros de descapitalizarem a companhia.

O relatório de diagnóstico foi encomendado pelo interventor da VarigLog, nomeado por Magano em março deste ano. O documento também mostra pagamentos de R$ 291 mil à Tucson Aviação Ltda., de propriedade de Audi.

O documento, que sugere a falência da VarigLog como uma das opções para a companhia, mostra que sua dívida total, em março deste ano, era de R$ 765 milhões, dos quais R$ 510 milhões eram referentes ao empréstimo da Volo para a VarigLog. Cita ainda impostos devidos no valor de R$ 51 milhões.

Quando o relatório foi feito, os vôos internacionais da empresa haviam sido suspensos um mês antes por falta de aviões. O faturamento mensal, que no passado já havia sido de R$ 48 milhões, era de R$ 12 milhões. A VarigLog, diz o relatório, tinha em março uma estrutura para abrigar uma empresa com 40 aviões, mas apenas quatro estavam em operação.

O relatório cita que as peças para o novo estoque da VarigLog eram compradas pela Solutions, que as enviava para o Rio de Janeiro e depois para o aeroporto de Guarulhos, em São Paulo. O responsável pelas compras, segundo o relatório, não soube informar por que as peças não eram remetidas diretamente para São Paulo.

A consultoria contratada para produzir o relatório encontrou vários problemas na empresa. "As contratações não seguem as formalidades exigidas pelo estatuto social da empresa. Vide a contratação da empresa Construtora Brasil Central Araguaia, que realizou as obras de reforma do prédio sede da VarigLog", diz o texto.

No processo judicial em que os sócios travam uma batalha pelo comando da VarigLog, o Matlin Patterson também acusa os empresários brasileiros de pagarem bônus no valor total de R$ 1 milhão a diretores da companhia em troca de procuração exclusiva para movimentar cerca de US$ 95 milhões, que mais tarde foram parar em uma conta na Suíça.

Um ex-presidente da companhia, por exemplo, tinha um salário de R$ 60 mil, e o valor da sua rescisão contratual é apontado como sendo de R$ 1,69 milhão. Outros diretores tinham salários que variavam de R$ 30 mil a R$ 45 mil.

Segundo o relatório, o administrador judicial informou que a empresa deveria ter parado em 24 de março deste ano devido à sua situação financeira e operacional.

Outro lado

O advogado dos sócios brasileiros, Alexandre Thiollier, nega que Audi seja dono da Solutions e afirma que todas as denúncias feitas pelo fundo são falsas. Thiollier disse que Lap Chan tinha conhecimento das transferências feitas pela VarigLog e que isso está provado em e-mails, documentos e testemunhos anexados ao processo.

Matlin tentou vender Varig a grupo estrangeiro

MARINA GAZZONI
COLABORAÇÃO PARA A FOLHA


O fundo norte-americano Matlin Patterson, dono da VarigLog, negociou a venda de 50% das ações da VRG Linhas Aéreas, a Varig, à empresa norte-americana Cat Aerea em 2006. A informação está em memorando de entendimentos firmado entre o fundo e os acionistas da Cat no dia 18 de agosto de 2006 e obtido pela Folha.

A proposta de venda da Varig ao grupo estrangeiro foi realizada menos de um mês após a VarigLog arrematar a Varig em leilão, em 20 de julho de 2006.

A operação não chegou a ser efetivada, e hoje a Cat Aerea é uma das subsidiárias do Matlin. Na época, seus acionistas eram os fundos de investimento norte-americanos Cerberus Capital Management e Tricap Partners e a holding canadense ACE Aviation. No ano passado, a Varig foi vendida à Gol.

O memorando de entendimentos não está assinado pelos sócios brasileiros do Matlin na VarigLog -Marco Antonio Audi, Marcos Haftel e Luiz Eduardo Gallo. Além de representantes dos acionistas da Cat, o documento contém a assinatura do executivo financeiro do Matlin, Lawrence Teitelbaurn, representando tanto o fundo como sua subsidiária, a Volo Logistics, então dona da Varig.

Segundo Alexandre Thiollier, advogado dos sócios brasileiros, o fundo fez a proposta ao grupo estrangeiro sem o consentimento deles. Thiollier diz que Audi vetou a venda da Varig à Cat quando soube da existência do memorando de intenções porque o negócio feria o Código Brasileiro de Aeronáutica, que limita em 20% a participação de estrangeiros no capital de empresas aéreas.

Diante da inviabilidade de vender a Varig sem o consentimento dos sócios brasileiros, o Matlin precisou desfazer o negócio com o grupo estrangeiro, diz o advogado. Segundo Thiollier, o Matlin fez um acordo com o grupo e comprou a própria Cat para não precisar pagar indenizações previstas em contrato pelo cancelamento da venda da Varig.

A Folha procurou o Matlin para comentar o assunto, mas até o fechamento desta edição o fundo não ligou de volta.

Operação de venda

Uma engenharia financeira que envolve empréstimos, operações de custeio e aquisição de títulos conversíveis em ações permitiria a compra de 50% das ações da Varig pela Cat, conforme o acordo descrito no memorando de entendimentos firmado entre o Matlin e a Cat.

O "compromisso de custeio total" da Cat na sociedade que seria formada com o Matlin para controlar a Varig foi estipulado em US$ 85,5 milhões, segundo o documento. O Matlin e a Volo Logistics declaram à Cat no memorando que se comprometeram a investir um total de US$ 96 milhões na empresa por meio de empréstimos e contribuições acionárias.

Uma primeira etapa previa o investimento inicial de US$ 48 milhões pela Cat, sem a transferência das ações da Varig para a empresa estrangeira. Para passar à segunda etapa, a Cat precisaria conseguir a aprovação da Anac (Agência Nacional de Aviação Civil) para obter sua participação acionária na Varig, diz o documento.

Após a aprovação da Anac, a Volo Logistics e a Cat forneceriam, cada uma, 50% dos investimentos adicionais na empresa e a Cat receberia metade das ações da Varig, conforme o documento.

Fontes: Folha Online / Jornal Folha de S.Paulo

Varig fecha acordo de arrendamento de dois Boeing 737-700 NG com a Genesis Lease

A Varig divulgou hoje (16) nota informando ter assinado contrato com a companhia de leasing aeronáutico internacional Genesis Lease para o arrendamento de dois Boeing 737-700 NG. O acordo terá duração de sete anos, de acordo com a companhia aérea brasileira.

As aeronaves serão integradas à frota da empresa até o final de julho deste ano. A mudança faz parte do plano de modernização da companhia que prevê a troca de todos os seus aviões por modelos 737 NG até o final deste ano. Em 30 de maio, a Varig operava com 35 aeronaves, entre modelos novos e mais antigos.

A substituição da frota da Varig tem como objetivo reduzir os custos da companhia, utilizando aviões mais eficientes no uso de combustíveis. Os 737-700 NG que serão arrendados da Genesis Lease, por exemplo, representam ganho de 3% em eficiência em relação a modelos mais antigos apenas por estarem equipados com aletas verticais (winglets) nas pontas das asas.

Fonte: Valor Online

Aviação responde por 2% da emissão mundial de CO2

A aviação contribui com 2% do total de emissões mundiais de dióxido de carbono (CO2), segundo o Observatório de Sustentabilidade na Aviação (OBSA), vinculado à Sociedade Estatal de Serviços e Estidos para Navegação Aérea e Segurança Aeronáutica (Senasa), da Espanha.

No portal da internet (www.aviacionsostenible.es) oferece informes sobre mudanças climáticas, qualidade do ar e ruídos, assim como iniciativas, eventos e um diretório do setor.

Segundo a organização, os aviões comerciais voam a altitudes entre oito e 13 quilômetros, onde liberam gases e partículas que contribuem com o aquecimento global. A concentração desse gás nas áreas próximas aos aeroportos também prejudica a qualidade do ar.

Fonte: Felipe Niemeyer (Panrotas)

British Airways negocia receber 12 aviões 777-300ERs para compensar atraso da Boeing

A britânica British Airways (BA) negocia com a Boeing receber 12 aeronaves 777-300ER para operar temporariamente enquanto não recebe os 787 Dreamliners que adquiriu da fabricante. Com os sucessivos atrasos no projeto do novo avião da Boeing, a BA, assim como outras empresas aéreas, buscam alternativas para não modificar seus planos de expansão de malha por conta da demora prevista na entrega dos 787s.

No total, a British Airways tem pedidos para 24 unidades do novo avião da Boeing, entre versões 787-8 e 787-9. Eles deveriam começar a ser entregues em 2010 mas, no momento, a fabricante afirma que o atraso médio na entrega é de 20 meses. A companhia britânica não confirma qual é a nova data de recebimento firmada com a Boeing.

Os 777-300ERs que farão a ponte na operação da BA enquanto os 787s não são entregues devem começar a ser utilizados em 2010. Embora não dê detalhes sobre a negociação com a Boeing, a companhia britânica afirma que continua discutindo com a Boeing sobre as opções.

A britânica é uma das maiores operadoras do modelo 777 em todo o mundo, com 42 aeronaves em operação, entre as versões 777-200 e 777-200ER. A companhia vem avaliando há algum tempo as opções no mercado para a adoção de um novo avião médio de longo alcance e grande capacidade. Entre os candidatos estão o próprio 777-300ER e os Airbus A350-900 e A350-1000. Essa avaliação, porém, só deve ser concluída no fim deste ano.

A BA ainda tem um pedido de longo prazo para 25 aeronaves desse tipo com a Boeing e não está claro se o acordo em negociação seria realmente apenas uma ponte para o atraso no 787 ou a antecipação das compras dos 777-300ERs em avaliação.

Fontes: Valor Online / Agências Internacionais

Viajar de avião será novamente um luxo reservado aos ricos?

Viajar de avião será de novo um luxo reservado aos ricos por causa do petróleo caro? Sem alardear o fim do transporte aéreo de massa na Europa e nos Estados Unidos, os especialitas do setor concordam ao considerar que os preços das passagens continuarão a subir.

"Trabalho com um aumento das tarifas", previa recentemente Willie Walsh, diretor-geral da British Airways.

Na semana passada, várias companhias aéreas européias, a Air France-KLM, as alemãs Lufthansa e Air Berlin e a austríaca Austrian Airlines, anunciaram que realizarão um novo aumento da taxa de combustível.

Esta, criada em 2004 por iniciativa de algumas empresas para enfrentar a escalada do preço do petróleo, se soma às diversas taxas (aeroporto, seguro...) e tarifas de serviço que são adicionadas ao preço da passagem.

Pela primeira vez na quarta-feira passada, a Air France decidiu instaurar uma taxa específica para os vôos de "distâncias muito longas" de duração superior a 9 horas. Para uma ida e volta desse tipo, o custo adicional é de 242 euros.

Com um barril que ficou próximo nesta segunda-feira da barreira psicológica dos 140 dólares, o combustível é a principal despesa de todas as companhias, afetando as low-cost ainda mais do que as outras, porque elas já economizam em tudo.

As companhias de baixo custo, como a britânica Easyjet e a irlandesa Ryanair, apresentam como sua principal vantagem o fato de não aplicarem essas taxas. Elas apostam na limitação da proporção de assentos baratos por avião para não perder dinheiro.

Considerados até hoje como padrão, alguns preços ficarão mais caros, principalmente nos Estados Unidos, onde as companhias foram muito afetadas pelo aumento do preço do petróleo por causa de sua frota antiga, que usa mais querosene de aviação. Ao contrário dos europeus, que pagam em dólar pelo ouro negro, mas tem suas receitas em euros, elas não são beneficiadas pelo câmbio.

Na quinta-feira passada, a United Airlines anunciou que o registro de uma bagagem nos vôos internos nos Estados Unidos, que era gratuito até então, passará a custar 15 dólares na classe econômica.

Ela acompanhou sua concorrente American Airlines, que havia anunciado uma medida como essa em abril junto com outros aumentos tarifários que tiveram influência sobre o preço das passagens aéreas internas, como as taxas sobre excedente de bagagem ou sobre o transporte de animais domésticos.

Esses aumentos terão conseqüências sobre a demanda? "Para os consumidores, com o poder de compra em baixa, a questão é saber em que eles vão economizar, em sua viagem ou em roupas?", ressalta Robert Esperou, especialista francês em transporte aéreo.

Os clientes que as companhias low-cost tinham conseguido atrair nos últimos anos poderão optar por outros meios de transporte. A situação poderá chegar a tal ponto que "muitas delas, na Europa, poderão desaparecer", previu recentemente Jean-Cyril Spinetta, diretor da Air France-KLM.

"Os empresários, cujas empresas pagam as passagens, deverão continuar a viajar", considerou Esperou. "Mas aqueles que têm o hábito de viajar na primeira classe irão na executiva, e os que usam a executiva, irão na classe econômica".

Fonte: France Presse

Piloto ejeta em acidente com Harrier

Um piloto conseguiu ejetar em segurança quando um jato Harrier da RAF - Royal Air Force (Real Força Aérea do Reino Unido) caiu em um campo perto de uma aldeia em Rutland, Ashwell, Leicestershire, Inglaterra.

Um porta-voz do Ministério da Defesa (MoD) disse que o jato caiu a nordeste da Base da RAF em Cottesmore, por volta das 13:50 (hora local) desta segunda-feira (16).

Ele disse que o piloto ejetou e caiu utilizando o pára-quedas, aterrissando "vivo e consciente". Ele está recebendo tratamento num hospital.

Moradores disseram que o acidente aconteceu a cerca 200 jardas de Ashwell. Não foram relatadas baixas civis.

Um cordão de isolamento foi colocado no local do acidente.

O piloto foi levado para o Nottingham's Queen's Medical Center numa ambulância aérea. Seus ferimentos não são graves e sua vida não corre risco.

O piloto estava plenamente consciente e alerta, mas havia suspeitas de lesões espinhais, que seria consistente com a ejeção de um avião.

O Grupo de Incêndio e Salvamento de Leicestershire confirmou que foi chamado para o local próximo a Ashwell e 10 viaturas foram mobilizadas.

A RAF confirmou que um inquérito interno sobre o acidente será realizado.

'Sorte em escapar'

Vic Harrison, 73, que viu o avião cair, disse: "Eu pensei que ele não tinha nenhuma chance, mas olhei para cima e vi o pára-quedas do piloto."

"Eu realmente pensei que ele tinha atingido as casas. Foi por pouco, deve ter sido a apenas 400 metros de nossa casa."

"Foi uma sorte excepcional escapar".

Craig Shepherd, 25, que estava a efetuar obras a cerca de metade de uma milha (800m) a partir do local do acidente, disse: "Eles [Harriers] tinham voado durante cerca de sete ou oito vezes durante o dia", disse ele.

"Estávamos trabalhando e ouvi um "bang", olhei para cima e vi o cara sair do avião com um pára-quedas e, depois, apenas assisti o avião que desceu até o chão e bateu num campo.

"Parecia que a traseira do avião estava em chamas. Fomos para o local do acidente e dentro de cerca de cinco minutos os bombeiros chegaram."

ASSISTA A REPORTAGEM DA BBC SOBRE O ACIDENTE

Fonte: BBC News

Cientistas descobrem sistema planetário com três superterras

Equipe européia revela novos resultados com instrumento instalado no Chile.

Avaliação inicial sugere que pelo menos 1 em 3 estrelas tem planetas rochosos.


A estrela HD 40307 não parecia nada especial, um pouco menor, mas bastante parecida com o Sol. Mas, ao observá-la, um grupo de pesquisadores europeus descobriu três planetas ao seu redor - todos eles aparentemente similares à Terra no que diz respeito à composição.

Concepção artística da estrela HD 40307 com suas três superterras

O achado é parte de um censo maior que, segundo a equipe liderada por Michel Mayor, do Observatório de Genebra, confirma: a cada três estrelas similares ao Sol, pelo menos uma tem planetas rochosos, como a Terra.

"Será que todas as estrelas abrigam planetas e, se for assim, quantos?", pergunta-se Mayor. "Nós podemos ainda não saber a resposta, mas estamos fazendo grandes progressos."

O segredo do sucesso da pesquisa é o instrumento Harps, do Observatório de La Silla, no Chile - parte do complexo do ESO (Observatório Europeu do Sul). Ele é capaz de detectar mínimas variações no movimento das estrelas - o sinal de que há um planeta ao seu redor.

Foi com esse instrumento que o mesmo grupo encontrou, em abril de 2007, o primeiro planeta potencialmente habitável - um astro rochoso, localizado a uma distância da estrela que permite a existência de água líquida em sua superfície.

Todos os planetas rochosos (também ditos terrestres) até agora descobertos não são exatamente iguais aos que existem em nosso Sistema Solar (Mercúrio, Vênus, Terra e Marte); por uma limitação tecnológica, só se pode encontrar astros com massa superior a duas vezes a da Terra, e por aqui não há nenhum planeta rochoso maior que o nosso.

Essa nova categoria de planetas, que não se encaixa nem nos terrestres do Sistema Solar, nem nos gigantes gasosos, foi apelidada pelos cientistas de "superterra".

As três superterras ao redor de HD 40307, localizada a 42 anos-luz de distância, têm 4,2, 6,7 e 9,4 vezes a massa da Terra. Eles giram ao redor da estrela em 4,3, 9,6 e 20,4 dias terrestres, respectivamente.

Os resultados foram apresentados numa conferência realizada em Nantes, na França. Nela, os cientistas também anunciaram a descoberta de dois outros sistemas planetários - um com uma superterra (7,5 massas terrestres) que orbita a estrela HD 181433 em 9,5 dias e é vizinho de um gigante gasoso como Júpiter, que completa uma volta em cerca de três anos.

O outro sistema contém um planeta com 22 massas terrestres e órbita de quatro dias, acompanhado por um planeta como Saturno com um período de três anos.

Os detalhes serão publicados em artigos aceitos pelo periódico científico "Astronomy and Astrophysics".

Fonte: G1 - Foto: ESO

Avião bate em carro no campo de aviação em Piripiri, no Piauí

Um avião bimotor EMB-810C Sêneca II, prefixo PT-RBW, colidiu com um carro modelo Pampa, de cor azul, na manhã de sexta (13), no Campo de Aviação, Bairro Caixa D’Água em Piripiri.

Segundo o Chefe de Investigação do 2° Distrito Policial, o agente da policia civil, Francisco Danielson, o piloto do avião, Marcel Lima Pontes, de aproximadamente 30 anos, natural de Sobral – Ceará, vinha de Sobral com destino a Piripiri e ao consultar as coordenadas fornecidas pela Agência Nacional de Aviação Civil – ANAC, constatou que o Campo de Aviação em Piripiri constava como pista de pouso, realizando o pouso normalmente e que no momento que taxiava o avião, colidiu com um veículo, causando pequenos danos materiais.

De acordo com Danielson, o piloto do avião tentou entrar em acordo com o motorista do carro, onde pagaria as despesas, mas precisava da xerox de sua carteira de habilitação e dos documentos do carro, momento que o motorista do carro (até agora não identificado), adentrou dentro do mato, se evadindo do local.

A Policia Militar foi acionada e o Capitão Cláudio e o soldado S. Oliveira informaram o caso para o 2° DP. “A colisão atingiu uma das asas da aeronave. O piloto registrou queixa e seguiu viagem. Ele não disse o motivo da sua vinda a Piripiri, mas estava a trabalho. Foi à ocorrência mais inusitada que já registrei em minha vida”, afirma o chefe de investigação Danielson lembrando da situação que viu pela manhã de sexta (13), no 2° DP em Piripiri.

Fonte: www.clickpiripiri.com.br - Fotos: Clemilton

Queda de avião na China mata três pessoas

Um avião Harbin Yunshuji Y-12-II, prefixo B-3841, da China Flying Dragon Aviation, caiu em uma encosta no norte da China, na Região Autônoma da Mongólia no domingo (15), matando três pessoas a bordo e ferindo gravemente outro ocupante.

O avião caiu a cerca de 75 km da cidade de Chifeng por volta das 16:10 (hora local), de acordo com a Yuhua Lin, chefe do gabinete de segurança pública local.

Lin disse que a pessoa ferida, estava consciente, apesar dos ferimentos na cabeça e no tórax, foi puxada a de dentro do avião às 18:40 hs.pm e levada a um hospital.

Os socorristas informaram que o avião de oito lugares voava para uma mina que em explora alumínio.

Técnicos de a empresa proprietária do avião, com base em Chifeng, estavam a caminho do local.

Fonte: Agência Noticiosa Xinhua - Fotos: 119.cn

Risco de acidente aéreo segue alto, diz relatório

Quase um ano depois do maior desastre da história da aviação brasileira, documentos confidenciais da Aeronáutica revelados neste domingo mostram que o controle de tráfego aéreo do país segue colocando os passageiros em risco. Relatórios de incidentes e outros documentos oficiais expõem situações semelhantes àquelas que levaram o sistema de transporte aéreo brasileiro ao caos entre 2006 e 2007: controladores despreparados, equipamentos defeituosos, irresponsabilidade generalizada.

De acordo com registros de ocorrências divulgados em reportagem do jornal Folha de S.Paulo deste domingo, nos últimos sete meses, houve pelo menos três ocasiões em que um choque entre duas aeronaves em vôo esteve muito próximo de ocorrer. Em 28 de novembro do ano passado, um avião da companhia Trip, que acabara de decolar de Cuiabá rumo a Rondonópolis (MT), quase se chocou com a aeronave prefixo PT-KDS, por problemas de comunicação.

Dois meses depois, um Boeing da Gol e um Airbus da TAM entraram em rota de colisão quando começaram a descer em São Paulo. De acordo com o informe de incidentes 02/2008, citado pela reportagem da Folha, ao atingirem o nível de vôo 365 (36.500 pés), o sistema anticolisão das aeronaves disparou, e por pouco não houve o choque. Em 20 de março, novo incidente: um Boeing-737 da Gol, que se aproximava de Belo Horizonte vindo de São Paulo, foi autorizado a iniciar a descida, "sem restrição", passando do nível 360 (36.000 pés) para o 200 (20.000 pés). Entre os dois níveis, porém, havia um outro 737 da Varig – de novo, o choque só não ocorreu graças ao sistema anticolisão do avião da Varig.

Radares

As causas relatadas pelos controladores para estes incidentes são muitas. Enquanto alguns responsabilizam os pilotos por supostamente não compreenderem as ordens passadas a eles, outros admitem que erraram, mas reclamam de alguns expedientes disciplinadores da Aeronáutica. Os controladores são unânimes apenas na hora de apontar falhas nos radares dos Centros Integrados de Defesa Aérea e Controle do Tráfego Aéreo, os Cindactas. Falam em zonas cegas - especialmente no centro de controle de Cuiabá – onde os aviões desaparecem dos radares e perdem a comunicação por rádio. No Cindacta-4 (Manaus), é comum o aparecimento nas telas dos radares dos chamados alvos falsos – quando surgem registros de aviões que não existem.

Inglês

De mesma gravidade é um fato relatado em reportagem do jornal O Globo deste domingo, que revela que um grande número de controladores não fala inglês, colocando em risco os passageiros de vôos internacionais que chegam ou saem do país. A falta de conhecimento do idioma levou a Aeronáutica a reconhecer, em documento oficial, que esse fator representa um perigo real de acidentes.

Em relatório apresentado à Organização Internacional de Aviação Civil, a FAB admite que um controlador pode precisar – e não conseguir –falar inglês com um mínimo de fluência. O problema foi responsável por uma série de incidentes entre 2003 e 2007, segundo o documento. Três deles quase resultaram em acidentes. O nível de risco está acima do limite tolerado pelos padrões internacionais.

Fonte: Veja Online

Trabalhadores da limpeza de aviões entram em greve em Portugal

Os trabalhadores da Iberlim, empresa que faz a limpeza a aviões de companhias aéreas que operam no aeroporto de Lisboa, entraram em greve às 00:00 deste domingo (15), reivindicando um aumento de 20 euros sobre os 470 euros que ganham por mês. Os funcionários querem que este aumento seja pago retroactivamente a partir de Janeiro e não querem perder o direito às três dispensas anuais, mas a administração da Iberlim faz outras exigências.

«Os duzentos trabalhadores da Iberlim que prestam serviços de handling [no caso, limpeza a aviões de algumas companhias aéreas] vão fazer uma greve até segunda-feira reclamando que o salário de 470 euros mensais que recebem seja aumentado em 20 euros», disse à agência Lusa Carlos Trindade, do Sindicato dos Trabalhadores das Actividades Diversas (STAD)

Os funcionários reclamam ainda que o aumento de 20 euros seja pago retroactivamente a Janeiro e que se mantenham as três dispensas anuais a que os trabalhadores têm direito. No mês de Fevereiro, a administração da Iberlim decretou unilateralmente um aumento de 7 euros - valor que fica aquém do reivindicado pelos duzentos trabalhadores da empresa - e só admite subir para 20 euros o aumento se os trabalhadores abdicarem as três dispensas anuais.

Fonte: Esquerda (Portugal)

Cientista quer mudar design das hélices de aviões

E se alguém tivesse inventado uma tecnologia melhor e o mundo o ignorasse? Até agora, é isso que vem acontecendo com Jay Harman, um naturalista australiano que acredita ter encontrado uma maneira de utilizar as propriedades fundamentais da física e da biologia para melhorar o design de todas as coisas - a começar pelos ventiladores e chegando aos aviões, depois de passar por bombas hidráulicas e usinas hidrelétricas.

Jay Harman aplica seu conhecimento de fluidos para criar novos designs industriais

Quase todas as máquinas do mundo físico enfrentam limites de eficiência relacionados ao fluxo de líquidos e gases: as bombas hidráulicas consomem energia para mover líquidos; a quantidade de combustível que os aviões e carros consomem é definida pela sua eficiência aerodinâmica e os ventiladores e turbinas eólicas tanto consomem quanto geram energia com base na eficiência de suas lâminas rotativas.

Quando menino, Harman percebeu que os objetivos na natureza pareciam odiar a idéia de movimento em linha reta. Os fluidos e os gases se movem em lânguidas espirais, e ainda que ele não tenha treinamento científico, lhe pareceu óbvio já então que essa observação tinha algo de profundo a ensinar sobre o movimento.

Por fim, ele transformou a fonte de seu fascínio infantil em algo que acreditava pudesse ter uso prático. Ele depreendeu que poderia aproveitar suas observação sobre fluidos a fim de alterar a forma de hélices, ventiladores em qualquer outro objeto que precise se mover em um ambiente fluido ou gasoso.

Depois de estudar vórtices informalmente por diversas décadas, ele trabalhou em sua banheira e conseguiu criar um molde do vórtice que a água forma ao correr pelo ralo. Depois, usou esse molde para ajudar a alterar o projeto das partes rotativas dos impulsores de bombas hidráulicas e outros dispositivos cuja função é movimentar fluidos. Desde então, ele vem aplicando sua abordagem de maneira mais ampla e alterou a forma de diversos aparelhos utilizados para mover fluidos e gases.

Dois exemplos de possibilidades intrigantes demonstram o alcance de suas ambições. Caso os vórtices criados pelas pontas das asas dos jatos pudessem ser eliminados, os aviões de passageiros poderiam viajar a distância menor uns dos outros, o que aumentaria em muito a eficiência de aviões e aeroportos. Harman acredita que tenha desenvolvido uma abordagem tecnológica que propicia exatamente isso.

Em uma arena completamente diferente, o impulsor de Harman pode ser utilizado em combinação com um motor acionado por energia solar a fim de criar um efeito de ondulação em um recipiente de água estagnada, alterando o equilíbrio entre nitrogênio e oxigênio no tanque. Isso torna possível interromper o desenvolvimento das larvas de mosquitos, e potencialmente reduz a ameaça da malária e encefalite.

Harman é praticante de um método conhecido como biomímica, um movimento que vem crescendo consideravelmente no campo do design industrial. Há 11 anos, ele estabeleceu a Pax Scientific a fim de comercializar suas idéias, imaginando que conseguiria convencer rapidamente as empresas de que elas poderiam ganhar eficiência, reduzir ruídos ou criar categorias inteiramente novas de produtos caso seguissem a abordagem que ele propõe. Mas o caminho vem sendo mais longo e mais tortuoso do que ele imaginou inicialmente. A despeito de suas realizações terem sido muito elogiadas e de uma tecnologia altamente fotogênica, a Pax Scientific não pode ser considerada um sucesso instantâneo.

"Quando comecei, imaginei que o processo levaria de seis a 12 meses", conta Harman. Mas o que ele encontrou pelo caminho, em lugar disso, foram empresas que tinham pouco interesse em mudar o projeto de seus produtos, mesmo diante da promessa de ganhos de eficiência da ordem de dois dígitos.

As idéias radicais de Harman encontraram, até o momento, recepção cautelosa nos setores aeronáutico, de ar condicionado, náutico, de bombas hidráulicas e no de turbinas eólicas. A experiência dele não é incomum. Em lugar de correr em busca dos proponentes de idéias criativas, o mundo parece se esforçar para evitá-los.

De fato, um de seus conselheiros, Paul Saffo, um analista que trabalha no segmento de previsões tecnológicas no Vale do Silício, muitas vezes costuma repetir um ditado bem simples: "Uma visão desobstruída não significa um percurso curto". Mesmo em ramos como a computação, que celebra a inovação, as alterações sistêmicas podem ocorrer em ritmo glacial.

"Eles estão procurando por mudanças em uma forma que lhes seja compreensível", disse Harman. Novos chips são fáceis de vender. Mas a idéia de reinventar a forma do computador, do zero, é bem mais difícil. Basta considerar que Douglas Engelbart inventou o mouse em 1964, e era evidente para muita gente, já então, que o aparelho seria a melhor maneira de controlar um computador. Mesmo assim, foram necessárias duas décadas para que o invento encontrasse audiência de massa.

Ou pensem no caso dos links de Internet, concebidos simultaneamente, e de maneira independente, por Engelbart e por Ted Nelson, um entusiasta da computação, na metade dos anos 60. Eles demoraram cerca de três décadas para chegar ao mundo mais amplo, via World Wide Web.

Mas a lenta aceitação de suas idéias sobre formas mais eficientes de promover o fluxo de fluidos não desanima Harman, que se declara um otimista incorrigível. "Existe uma psicologia básica da espécie humana que nos leva a resistir a mudanças", disse ele, "mas desistir não está no meu DNA".

E as coisas enfim parecem estar favorecendo suas idéias. Com a ajuda do empresário ambientalista Paul Hawken, ele criou a subsidiária PaxIT, que está projetando ventiladores mais silenciosos e eficiente em termos de energia para o setor de computação. Os designs da Pax começarão a ser usados em bens de consumo já no ano que vem, diz o empresário.

E, em outro sinal positivo para as empresas de Harman, um mundo que ignorou por tempo demais a questão da eficiência energética agora praticamente não pensa em outra coisa. "Tentamos por anos promover a conservação de energia, mas ninguém estava interessado", disse. "Agora, o mundo mudou de curso".

Fonte: The New York Times - Foto: Peter DaSilva (The New York Times)

MAIS

Teoria dos anéis dos vórtices é validada 125 anos depois

CLIQUE AQUI PARA LER SOBRE O ASSUNTO

Dados da Receita e do BC sobre Varig foram engavetados


Informações sobre o controle societário e origem do capital da Volo não foram submetidas à diretoria da Anac

As informações prestadas pelo Banco Central (BC) e pela Receita Federal sobre a titularidade do controle societário da Volo do Brasil S.A. e a origem de seu capital não foram submetidas à apreciação da diretoria da Agência Nacional de Aviação Civil (Anac). “O meu gabinete jamais recebeu essas respostas (do BC e da Receita)”, garantiu a ex-diretora da Anac Denise Abreu.

Dois outros ex-diretores e dois ex-funcionários da agência, que pediram para não serem identificados, ouvidos pelo Estado, também confirmaram que as respostas nunca foram repassadas à diretoria e analisadas em reunião do colegiado.

Não há dúvidas, no entanto, que as respostas foram remetidas à Anac. Por meio de sua assessoria, o BC disse que recebeu o ofício da Anac, com o pedido de informações sobre a Volo do Brasil, no dia 29 de janeiro de 2007m, e encaminhou a resposta em 15 de fevereiro do mesmo ano.

A Receita recebeu a solicitação de informações em 16 de janeiro de 2007 e encaminhou as respostas à Anac em 21 de fevereiro do mesmo ano. Nem o BC nem a Receita revelaram o teor das informações prestadas, com o argumento de que elas são protegidas pelos sigilos bancário e fiscal.

Em 12 de dezembro de 2006, a então diretoria da Anac acolheu o parecer jurídico nº 117/2006, da Procuradoria da entidade, e instituiu diligências para avaliação da legalidade da transferência do controle acionário da empresa Varig Logística S.A. (VarigLog), na época pertencente à Aero-LB, para a Volo do Brasil S.A.

A procuradoria da Anac, por meio do parecer, aconselhou a diretoria da agência a adotar uma série de providências para afastar quaisquer dúvidas sobre a titularidade do controle societário da Volo do Brasil. Por isso, foi pedido ao BC e à Receita que informassem a composição acionária da Volo do Brasil e indicassem o seu controle, direto ou indireto, por brasileiros ou estrangeiros, e se o seu capital e de suas subsidiárias é nacional ou estrangeiro.

LIMITE

O parecer jurídico nº 117/2006 foi elaborado em razão de um recurso do Sindicato Nacional das Empresas Aéreas (Snea) contra a decisão da diretoria da Anac, de 23 de junho de 2006, que autorizou a transferência do controle societário da VarigLog para a Volo do Brasil.

O Snea queria saber se a Volo cumpria a determinação do artigo 181 do Código Brasileiro de Aeronáutica (CBAer), que prevê um limite de 20% de participação estrangeira no capital com direito a voto de empresa aérea nacional.

A conclusão do parecer 117 foi de que a decisão da diretoria da Anac, que aprovou o pedido de autorização prévia para aquisição da VarigLog pela Volo do Brasil, deveria ser mantida “até que se concluíssem as diligências a serem conduzidas por esta Procuradoria”. As diligências eram aquelas relacionadas com as consultas ao Banco Central e à Receita Federal.

Assim que as informações solicitadas ao BC e à Receita chegaram à Anac, o então presidente da agência deveria ter dado conhecimento delas aos demais diretores e escolher um deles para relatar o caso, segundo explicou um ex-funcionário da instituição. Isso porque, de acordo com o parecer aprovado pela diretoria colegiada, os resultados das diligências serviriam de base para o julgamento final da diretoria da Anac sobre a aquisição da VarigLog pela Volo. Isso não ocorreu, segundo Denise Abreu e as demais fontes ouvidas pelo Estado.

Hoje, não há mais dúvida, como mostrou a edição de domingo passado do Estado, que a compra da VarigLog tinha um contrato de gaveta que obrigava os sócios brasileiros (Marco Antônio Audi, Marcos Haftel e Luiz Gallo) a entregar 100% da empresa ao fundo de investimentos Matlin Patterson. Cópia do documento foi publicada na terça-feira passada pelo jornal O Globo, provando que as exigências da direção da Anac tinham fundamento.

Fonte: Jornal O Estado de S.Paulo (15/06/08)

Parentes pintam céu estrelado para homenagear vítimas de acidente da TAM

Grupo de cerca de 150 pessoas esteve neste domingo (15) no local do acidente.

Manifestantes querem que sejam entregues relatório do Cenipa e laudo do IC.


Parentes de vítimas pintaram tapumes que circulam terreno do antigo prédio da TAM Express, na Zona Sul de SP

A quase um mês de completar um ano do maior acidente da aviação brasileira, parentes e amigos das 199 vítimas da queda do vôo JJ 3054 da TAM decidiram trocar o luto por uma mensagem de esperança e luta pela impunidade.

Na tarde deste domingo (15), eles substituiram da cor preta que coloria os tapumes que circulam o terreno onde ficava o antigo prédio da TAM Express, na Zona Sul de São Paulo, por um céu azul estrelado 199 vezes. Em cada desenho branco, uma flor de mesma cor foi colocada para representar um dos mortos no início da noite de 17 de julho de 2007.

“A gente sempre diz que eles viraram estrelinhas”, disse a secretária Beth Dorneles Haenser, que teve a irmã Ângela morta no acidente. Esta foi a primeira vez que ela deixou a cidade de Porto Alegre (RS) para participar de uma manifestação de parentes de vítimas do acidente em São Paulo. “Eu custei até ter coragem de vir. Aqui tu vês o local e imagina que podia ter sido bem pior, muito mais gente podia ter morrido”, afirmou.

Cerca de 150 pessoas participaram da manifestação neste domingo. A chuva forte que atingiu a cidade chegou a atrapalhar o grupo, que saiu correndo do terreno e, em seguida se dirigiu ao saguão de embarque do Aeroporto de Congonhas.

Protesto

Grupo usou megafone em protesto no saguão do Aeroporto de Congonhas

O grupo passou cerca de 30 minutos no saguão do aeroporto. Com faixas e banners com nomes de várias das vítimas, eles se concentraram em frente ao check in da TAM, que foi paralisado. Um megafone foi usado pelo pai de Rebeca Gunter Haddad, de 14 anos, que também morreu no acidente. Christopher Haddad fez um discurso emocionado repleto de frases de ordem como “o lucro acima de tudo mata”.

“São 11 meses de dor e de tragédia. Nós queremos o laudo do Instituto de Criminalística e o relatório do Cenipa”, disse. Segundo ele, para que a polícia possa concluir o inquérito que investiga o acidente os dois documentos são necessários, mas eles não são entregues. “Dessa vez, a lei nesse país vai ser cumprida. Senão, daqui a 30 anos, nós vãos continuar vindo aqui todos os meses. Dessa vez os culpados vão para a cadeia”, afirmou.

A reportagem do G1 entrou em contato com a TAM, que até a publicação desta nota não havia se pronunciado. Também foi tentado contato com o Cenipa e o IC, mas não houve retorno.

Fonte: G1 - Fotos: Patrícia Araújo (G1)

domingo, 15 de junho de 2008

Queda de avião na Baviera mata três pessoas

Dois homens e uma mulher morreram neste domingo (15) à tarde em Regenstauf (sul da Alemanha), depois que o pequeno avião Beechcraft Bonanza V.35 no qual estavam caiu sobre um campo de milho, pegando fogo em seguida, informou a Polícia local.

Aparentemente, a pequena aeronave decolou por volta de 15h (hora local) do aeroporto de Oberhub e, após meia hora de vôo, o piloto entrou em contato com a torre de controle para informar que tinham problemas.

Segundo o relato policial, o aparelho caiu e pegou fogo em um campo agrícola, a um quilômetro de distância da pista de pouso.

As causas do acidente estão sendo investigadas.

Autoridades do serviço de tráfego aéreo alemão e da Polícia criminal investigam as circunstâncias do acidente.

Fontes: PR Inside (Alemanha) / EFE / ASN - Fotos: DDP

Helicóptero cai em exibição em Utah, nos EUA

O vôo terminou cedo no primeiro dia de uma exibição informal, em Utah, na sexta-feira (13), quando o veterano piloto de helicóptero e piloto de show aéreo Dennis Kenyon caiu com seu Schweitzer 269C, prefixo N54LC, registrado para a LJ AIR INC, em Cedar Valley, UT, nos EUA.

Kenyon sofreu pequenas lesões, mas a aeronave ficou destruída.

Um pequeno grupo de entusiastas da aviação experimental foi ao local da exibição, em West Desert Air Park (UT99), para desfrutar uma demonstração informal de Kenyon, que tem estado envolvido em vendas de helicópteros no sul da Inglaterra desde o início dos anos 1970.

A aeronave levantou vôo por volta das 13:00 (hora local) e realizou algumas demonstrações.

Depois de subir para executar algumas manobras de vôo mais agressivas, Kenton tentou um "wingover". Durante a manobra ele caiu para contra o solo.

À medida que a poeira baixou e as pessoas se aproximaram para ajudar, Kenyon, em meio aos destroços, se levantou e disse: "Sinto-me um estúpido."

A primeira paramédica que chegou ao local da queda perguntou se ele estava bem, ao que respondeu Kenyon, oferecendo uma dança para ela. Ele foi convencido a pegar uma carona para um hospital próximo, a fim de receber alguns pontos, mas apenas depois de concordar em ser entrevistado pelas duas estações de televisão locais e, naturalmente, um pelo investigador da FAA. Kenyon manifestou o desejo de regressar ao evento.


O 269C Schweitzer 1991, N54LC, está registada a LJ Air, Inc., de Las Vegas, NV, uma empresa especializada em locação de aeronaves para formação de pilotos. Kenyon tinha chegado do Reino Unido apenas um dia antes do evento. O veterano piloto disse que já realizou 1.213 demonstrações de vôos em helicóptero, ao longo de um período de 36 anos, até a sexta-feira do acidente.

O aeroporto ficou fechado durante aproximadamente três horas para acomodar uma investigação do acidente por parte da FAA.

O proprietário do Aeroporto, Marcos Pringle, disse que no sábado já iria continuar as atividades como estava previsto.

O cartaz promocional

Fontes: Aero News.net / ASN - Fotos: Aero-News Network

Luxo e ostentação marcam decoração de jatinhos particulares

Clientes pagam milhões de dólares para personalizar os aviões que compram.

As exigências vão de assentos em forma de trono a decoração com ouro.


Aviões têm até escritório e lobby na entrada - Foto: Divulgação (Embraer)

Conforto, beleza, luxo e muita ostentação. Levar para o interior dos jatinhos particulares a decoração que você gostaria em sua casa é a tarefa de profissionais que têm sido muito procurados pelo mercado da aviação executiva. Engenheiros, arquitetos e designers decoram interiores de aviões. E o gosto do cliente vai muito de encontro ao quanto ele pode pagar pelo sonho.

Ter um jato particular ainda é privilégio de poucos no mundo. No entanto, especialistas dizem que o setor da aviação executiva está superaquecido. Só na Empresa Brasileira de Aeronáutica (Embraer), com sede em São José dos Campos, no Vale do Paraíba, a fila de espera para a compra de um jatinho que ainda nem é vendido é para 2012. É o caso dos modelos Phenom 100 e Phenom 300, que, mesmo em fase de testes, estão garantidos para 750 clientes.

Quanto mais complicado o pedido, mais caro o produto final - Foto: Carolina Iskandarian (G1)

Quem está com seu "brinquedinho" quer personalizá-lo. Não faltam histórias de consumidores (a identidade de todos é mantida em sigilo) que pintaram suas iniciais na fuselagem, coloriram asas e portas e pediram toques personalíssimos no interior de suas aeronaves. Ao encomendar um avião na Embraer, um príncipe do Oriente Médio queria que seu assento fosse diferenciado dos outros passageiros. "Ele queria que parecesse um trono", conta Fernando Ponzo, que comanda a equipe de design da empresa.

A fabricação de jatinhos para aviação executiva começou na Embraer a partir de 2000, mas, desde 1982, já havia profissionais para ajudar na decoração das aeronaves comerciais. Hoje, são 30 funcionários no setor. Rindo, Ponzo diz que um dos pedidos mais trabalhosos foi de um cliente que queria granito no piso do avião – os materiais mais usados são a madeira e o carpete.

"Tivemos de desenvolver uma tecnologia para o piso não ficar pesado e não comprometer o alcance", conta. A solução foi colocar apenas uma fina camada para dar a aparência do granito, como o comprador queria. “Gostamos de clientes exigentes porque eles nos ajudam a pesquisar mais”, revela o engenheiro. Quanto mais complicado o pedido, mais caro o produto final. Os preços dos jatinhos podem variar de US$ 3 milhões (cerca de R$ 5 milhões) a US$ 45 milhões (cerca de R$ 73 milhões), dependendo do modelo.

Por isso, todo cuidado é pouco. Nos hangares da Embraer, só pessoas autorizadas entram nos aviões particulares em fabricação. A decoração é um toque pessoal, que não pode ser visto por muitos. Quando se pode entrar, é preciso colocar touca e sapatilha. Exagero? “A pessoa que paga milhões de dólares por um avião não quer ver nenhum arranhãozinho quando recebê-lo pronto”, conta um funcionário da empresa. E completa: “A touca é para que o óleo do cabelo não encoste no teto da aeronave”.

O perfil do cliente varia. Os norte-americanos gostam mais de tons mais leves, menos chocantes. Já os compradores do Oriente Médio buscam decorar seus aviões com cores fortes, madeiras escuras e até com detalhes em ouro. “O luxo o Oriente Médio está ligado à cultura deles, ao ouro, ao esbanjamento. Na Europa, o luxo é relacionado ao prazer, ao privilégio”, diz Ponzo.

Na maior parte dos casos, a palavra final é das mulheres dos clientes - Foto: Divulgação (Embraer)

Segurança

Mas nem sempre a exigência pode ser atendida. Quando sai da fábrica, um avião deve preencher todos os requisitos de segurança junto aos órgãos da aviação e isso inclui o tipo de material usado no interior das aeronaves. Por serem inflamáveis, a madeira e os carpetes passam por tratamentos químicos para que queimem menos rápido em caso de incêndio. É uma espécie de impermeabilização. O problema é quando o comprador não entende isso. “Para as demandas esdrúxulas, a gente costuma dizer ‘não’. Mostramos o impacto de tempo, custo e peso”, conta o designer Ricardo Abelheira, que trabalha com Ponzo.

“Às vezes, o cliente quer um carpete roxo. Nesse caso, tudo bem”, completa Abelheira, rindo. Eles contam que o dono de um cassino nos Estados Unidos comprou um jatinho e pintou quatro cartas de baralho na fuselagem. Outro, quis a parte externa do avião toda na cor vinho e pintou na cauda um feto. Difícil entender? Não para esses profissionais, acostumados a pessoas com muito dinheiro. Se a segurança estiver em dia, eles realizam o sonho bancado pelo comprador.

E bota sonho nisso. Os jatinhos Lineage 1000 são o ‘top de linha’ na Embraer. Não se pensa em ter um desses sem ao menos ter US$ 45 milhões no bolso. Por ser o maior, comporta até 19 passageiros, suíte com chuveiro, escritório e lobby (na entrada). O interior dele foi inspirado em hotéis de luxo. “São 70m² de área. Tem gente que mora em apartamentos menores do que isso”, diz Ponzo.

Ele revela que são dadas várias de opções de cores, modelos e formas para pisos, assentos e mobília em geral. Muita coisa vem de trabalhos em conjunto com escritórios especializados no exterior. É só o comprador escolher o que lhe agrada e esperar pelo jatinho pronto. E, na maioria dos casos, a palavra final é das mulheres dos clientes. “Elas dão mais palpite na decoração”.

Mercado promissor

São diversos os motivos que fazem uma pessoa comprar um jato particular. Viajar demais a trabalho, fugir do caos nos aeroportos brasileiros, não se prender aos horários e atrasos das companhias aéreas ou mesmo ter uma aeronave à disposição para passear com a família nos fins de semana. A demanda por pedidos é tanta que a aviação executiva já representa 15% da receita da Embraer. E a previsão dos técnicos é que, em uma década, a frota no mundo dobre. Atualmente, são cerca de 15 mil jatinhos cortando os ares do planeta.

Apesar do crescimento no setor, Ponzo não vê com bons olhos criar a profissão específica de “decorador de interiores de aviões”. Para ele, o “barato” está em poder captar em cada profissional a experiência anterior dele. “Acho que não vale a pena fechar o funil para o design de aviões porque a gente quer buscar novidades”. Novidades que passam até pela cromoterapia.

“A gente estuda a tensão, a ansiedade e o medo. São os fatores humanos. É como a coloração do avião atenua a percepção ruim (em caso de passageiros com medo de voar). Se a sensação no pouso ou na decolagem é ruim, a gente tenta fazer um ajuste sutil na iluminação”, conta Ponzo. Mimos e sutilezas que fazem a diferença e garantem sempre uma boa viagem.

Fonte: G1

Avião-espião mata ativista na fronteira Paquistão-Afeganistão

Um avião-espião sem piloto respondeu a um ataque com um míssil, matando um suposto ativista das zonas tribais da fronteira entre o Paquistão e o Afeganistão, neste sábado (14), informou um responsável das forças de segurança locais.

O incidente ocorreu em Makin, na região do Waziristão Sul, dias depois de um ataque aéreo da coalizão internacional causar a morte de 11 soldados paquistaneses, de acordo com Islamabad.

"Um avião sem piloto estava sobrevoando a zona de Makin, e os extremistas o atingiram com uma granada propulsada", disse à AFP um funcionário que preferiu não se identificar.

"O local de onde a granada foi lançada foi atingido por um míssil disparado pelo avião sem piloto, matando um suposto militante", acrescentou a mesma fonte.

O Exército paquistanês e as forças internacionais no Afeganistão não comentaram o incidente.

Fonte: France Press

Polícia pode concluir inquérito da TAM até outubro

A investigação da polícia civil sobre o acidente com o Airbus A320 da TAM no Aeroporto de Congonhas poderá ser concluída até outubro, segundo a Associação de Familiares e Amigos das Vítimas do Vôo 3054 da TAM (Afavitam).

De acordo com a associação, a estimativa foi dada pelo delegado Antônio Carlos Barbosa, do 27º DP (Campo Belo), responsável pelo inquérito. Pela manhã, ele se reuniu com a associação no hotel Quality Suítes Congonhas, na zona sul de São Paulo. Procurada, a Secretaria de Segurança Pública do Estado não confirmou a informação.

Para terminar a apuração, o delegado aguarda o laudo do Instituto de Criminalística (IC) e o relatório do Centro de Investigação e Prevenção de Acidente (Cenipa). Presente no encontro, o perito Antônio Nogueira, do IC, disse que o laudo pode ser finalizado em setembro, de acordo com a associação.

Quanto ao relatório do Cenipa, o presidente da Afavitam, Dário Scott, teria sido informado pelo brigadeiro Jorge Kersul Filho, chefe do Centro, que o documento já foi concluído e, atualmente, está sendo traduzido para outros idiomas.

Na tarde deste sábado, os familiares das vítimas pretendiam conversar com Kersul, mas ele adiou sua participação no encontro. No horário reservado ao brigadeiro, alunos do Mackenzie exibiriam um documentário com depoimentos de vítimas do acidente, que matou 199 pessoas. A próxima reunião dos familiares ocorrerá em julho.

Fonte: Agência Estado

Relatório da FAB revela despreparo de controladores de vôo

A falta de conhecimento de inglês no controle de tráfego aéreo brasileiro levou a Aeronáutica a reconhecer, em documento oficial, que esse fator representa um perigo real de acidentes. Reportagem de Leila Suwwan, publicada na edição deste domingo do jornal "O Globo", mostra que o diagnóstico, apresentado à Organização Internacional de Aviação Civil (Oaci), revela que é possível esperar que o controlador precise, e não consiga, falar inglês com um mínimo de fluência - e isso pode acarretar um incidente classificado como "de severidade maior".

Como este nível de risco está acima do limite tolerado pelos padrões internacionais, a FAB precisou elaborar e implementar um plano com "medidas de mitigação". Entre as medidas está a distribuição dos poucos profissionais fluentes, para assegurar que pelo menos uma pessoa fale inglês nas salas de controle.

O documento da FAB ao qual "O Globo" teve acesso informa que, entre 2003 e 2007, ocorreram dez incidentes (quase acidentes) aéreos em que o (mau) uso do idioma inglês foi um fator que contribuiu para o episódio. Desses, três foram críticos, ou seja, quase implicaram acidente aéreo. Eles ocorreram em 2005, 2006 e 2007 - antes e durante a crise no setor, quando ocorreram os dois acidentes aéreos mais graves da história do país.

A FAB classificou, no entanto, de remota a possibilidade de incidentes ocorrerem por conta de deficiência lingüística dos controladores. Um dos motivos seria o fato de o tráfego internacional representar apenas cerca de 7% do total no país. Mas, ao cruzar variáveis de freqüência dos incidentes com a gravidade dos casos, a FAB, seguindo parâmetros internacionais, teve que incluir o Brasil na categoria de "risco médio". Isso significa que são imprescindíveis medidas para reduzir ao mínimo as chances de ocorrer acidentes. Ainda mais levando-se em conta que o relatório só analisa os impactos da deficiência do inglês, e não outros fatores, como equipamentos, infra-estrutura de aeroportos e carga de trabalho dos controladores.

Fonte: O Globo Online

sábado, 14 de junho de 2008

Ônibus espacial Discovery pousa com sucesso na Flórida

Descida concluiu missão de 15 dias à Estação Espacial Internacional.

Pouso ocorreu às 12h16 no horário de Brasília.




O ônibus espacial Discovery pousou com sucesso neste sábado (14) às 12h16 (horário de Brasília), no Centro Espacial Kennedy, na Flórida, Estados Unidos. A nave americana levou a segunda parte do laboratório japonês Kibo para a Estação Espacial Internacional (ISS).

Houve expectativa para o pouso, pois foram detectadas peças soltas do lado de fora do ônibus espacial.

Inicialmente, a hipótese era de que as peças faziam parte do compartimento de carga ou eram pedaços de gelo. Mas constatou-se que os pedaços soltos eram a mola que protege o ônibus espacial durante o lançamento.

A missão STS-124 durou 15 dias, entre lançamento e pouso. Comandada pelo americano Mark Kelly, a tripulação fez três caminhadas espaciais para instalação do novo módulo - uma tarefa e tanto, já que o Kibo tem o tamanho de um ônibus.

O astronauta Greg Chamitoff, que decolou com o Discovery, fica no complexo orbital até a próxima missão americana. Em seu lugar na nave, volta à Terra Garret Reisman, que passou três meses na estação espacial.

Esta foi a 26ª missão de um ônibus espacial à Estação Espacial Internacional. A Nasa trabalha em ritmo frenético para concluir a construção do complexo orbital até 2010, data em que as velhas naves da agência espacial americana - as únicas no mundo aptas ao serviço - devem ser aposentadas.

Fonte: G1

Vôos diretos entre Taiwan e China vão começar no dia 4

Na primeira reunião oficial entre os dois governos desde 1999, China e Taiwan definiram a data do reinício dos vôos diretos ligando as duas margens do estreito de Taiwan, que estavam suspensos desde 1949.

A partir de 4 de julho, somente nos fins de semana, 36 vôos devem realizar o trajeto -até agora, para ir de Taipé a Pequim era necessário fazer um vôo via Macau ou Hong Kong, ex-colônias respectivamente de Portugal e Reino Unido, hoje regiões administrativas especiais da China.

Não há vôos regulares entre China e Taiwan desde que os nacionalistas chineses liderados por Chiang Kai-shek se refugiaram em Taiwan, em 1949, estabelecendo um regime que não é reconhecido por Pequim, para quem a ilha é uma Província rebelde.

A medida é um sinal da reaproximação entre as duas partes que vem sendo buscada pelo novo presidente taiwanês, Ma Ying-jeou, eleito neste ano com o diálogo com a China como uma de suas plataformas de campanha. A China também quer evitar embates diplomáticos às vésperas da Olimpíada de Pequim, em agosto.

Na reunião de ontem em Pequim, também ficou decidido que a China passará a manter um escritório permanente em Taiwan -e vice-versa- para futuros esforços de aproximação.

"Esperamos chegar a um acordo de princípios", afirmou Yang Shis-fan, porta-voz da Fundação Straits Exchange, organização taiwanesa que enviou delegação com 19 membros à China.

As últimas negociações entre China e Taiwan haviam sido rompidas em 1999, após o então presidente taiwanês, Lee Teng-hui, pedir a Pequim uma "relação de Estado para Estado", batendo de frente com a designação chinesa de Taiwan como sua 23ª Província.

Fontes: Jornal Folha de S.Paulo (13/06/08) / Agências Internacionais

Gisele Bundchen compra o primeiro avião

Todo milionário que se preze tem seu próprio jatinho, não é mesmo? Pois bem, Gisele Bündchen, a modelo mais bem paga do mundo, agora também tem um avião para chamar de seu.

A top acaba de comprar um Gulfstream G550, com capacidade para até 19 pessoas. O valor? US$50 milhões. Para quem ganhou US$35 milhões só no ano passado, segundo a "Forbes", a quantia não deve ter sido um rombo em seu orçamento.

Fonte: Glamurama

Avião cai em Utah, EUA

Investigadores dizem queda de um avião Cessna 172S, prefixo N233GW, perto do aeroporto Beaver, em Beaver County, Utah, EUA, foi causada por erro do piloto. O avião está registrado para Zoom Inc.

Foi o que aconteceu por volta das 17:00 (hora local) na quinta-feira (12). O piloto, Dayn Jenkins, de Salt Lake, e dois outros passageiros ficaram feridos no acidente.

Chris Cooper, de Oklahoma, era um dos passageiros. Ele chamou o 911. A fita foi liberada para ABC4.

Operador: "Alguma pessoa ferida?"
Cooper: "Sim ... dois, três, não tenho certeza o que aconteceu com minha cabeça."
Operador: "Você é um deles?"
Cooper: "Sim".

Cooper falava com o operador quando o avião caia. Seus gritos puderam ser ouvidos durante a chamada ao 911.

Cooper: "Estamos em uma área ao sul do aeroporto (gritando)… talvez uma milha… Oh! (gritando mais). "

O gabinete do xerife disse que o outro homem ferido é Kurt Jenkins, o pai do piloto.

Cooper disse ao operador que o Jenkins poderia ter tido muitos ferimentos.

Cooper: "Não tenho certeza, mas acho que esse cara quebrou suas costas."

O Sheriff de Beaver County, Cameron Noel, disse que o piloto ficou em apuros quando ele decolou de forma errada, depois de uma parada para abastecimento de combustível.

"Quando decolou, não deverá ir para o lado da montanha", disse o Sheriff Noel.

Os três homens ficaram feridos.

"Eles estão felizes, eles estão verdadeiramente felizes", declarou o Sheriff Noel. O xerife disse ele tem sob investigação outro acidente aéreo no mesmo aeroporto, que acabou sem sobreviventes.

O piloto e o passageiro, Chris Cooper, foram tratados e liberados com pequenas lesões. Kurt Jenkins, o pai do piloto, foi levado de helicóptero para o Intermountain Medical Center, em Murray, onde deu entrada em condições críticas na sexta-feira.

Fonte: ABC News

Helicóptero do Exército venezuelano cai e fere dois

Um helicóptero do Exército da Venezuela caiu ontem (13) dentro do forte Tiuna, a maior guarnição militar na capital venezuelana.

Dois dos tripulantes, um capitão e um tenente, ficaram feridos, informou uma porta-voz do Ministério da Defesa.

O helicóptero russo MI 17 caiu perto do heliponto do Forte Tiuna.

Foram abertas investigações para determinar a causa do acidente.

Fonte: Agência Estado

Infraero instala redes de captura de pássaros no aeroporto de Brasília

Redes de captura vão dar mais segurança às viagens de avião.

Só este ano, 11 incidentes aéreos envolvendo aves foram registrados.



Para evitar que pássaros que voam nas áreas próximas ao Aeroporto Internacional Juscelino Kubitschek causem acidentes aéreos, a Infraero instalou redes de captura na região. Segundo a Empresa Brasileira de Infra-Estrutura Aeroportuária (Infraero), somente neste ano foram registrados 11 incidentes aéreos envolvendo aves em Brasília. São dois a mais que o número registrado durante todo o ano passado.

Duas redes de náilon foram instaladas, estrategicamente, na cabeceira da pista nova para capturar os pássaros. Para a superintendente do aeroporto, Tânia Mara, a medida já apresentou efeitos. Segundo ela, outras providências estão sendo tomadas para afastar as aves da região.

“Fazemos inspeções periódicas nas áreas ao redor das pistas, no sentido de eliminar qualquer foco de alimento ou proliferação de ninhos para que as aves não retornem ao aeroporto. Nós fizemos essa parceria com o Ibama agora porque não tínhamos a técnica para preservar o meio ambiente”, afirma a superintendente do aeroporto.

As aves que ficam presas na rede são capturadas e levadas para um centro de triagem pelo Instituto Brasileiro do Meio Ambiente e dos Recursos Naturais Renováveis (Ibama). A bióloga Regina Macedo explica que, para não machucar as aves, somente pessoas especializadas podem tirar os pássaros da rede. Para ela, outras soluções simples podem ajudar.

“A modificação da paisagem seria adequada porque essas aves gostam de locais abertos, com campo e grama. Também podem ser colocados modelos pintados de predadores para evitar a ocupação do local por outras aves”, sugere Regina Macedo.

Até hoje, as colisões entre aves e aviões provocaram apenas prejuízos econômicos e transtornos aos passageiros e às companhias aéreas. Nunca houve acidente grave, envolvendo vítimas. Mas, com o aumento das ocorrências, a Infraero já pensa em instalar outras redes pelo aeroporto. A instalação de redes de captura em aeroportos não é inédita e é uma das técnicas mais usadas em ações emergenciais.

Fontes: G1 / Bom Dia DF (TV Globo)

Dois aviões da Marinha dos EUA se chocam durante treinamento

Um piloto está desaparecido.

Acidente envolveu um caça F-5 Tiger e um Hornet F/A-18.


Um caça F-5 Tiger e um Hornet F/A-18 da Marinha dos Estados Unidos se chocaram hoje durante manobras de treinamento sobre o deserto do estado de Nevada. Um dos pilotos está desaparecido, informou a rede "CNN".

Dois pilotos do F-5 utilizaram o sistema de ejeção da aeronave e foram recolhidos por grupos de resgate. Ainda não se sabe o que ocorreu com o piloto do Hornet.

O acidente ocorreu cerca de 80 km ao leste da Estação Aeronaval. Por enquanto, não se sabem suas causas, indicou a cadeia americana, citando fontes oficiais.

Fonte: EFE

Nasa autoriza retorno do ônibus espacial Discovery à Terra

Soltura de aparente pedaço de fuselagem e amassado não ameaçam o retorno.

Pouso está previsto para ocorrer às 12h15 (horário de Brasília) deste sábado.

A Nasa (agência espacial norte-americana) autorizou o ônibus espacial Discovery a pousar na Terra no sábado (14), após decidir que a aparente soltura de um pequeno pedaço da fuselagem e um suposto amassado na cauda não gerariam problemas durante a sua reentrada na atmosfera terrestre.

O comandante do Discovery, Mark Kelly, e os demais tripulantes verificaram o sistema de pouso do ônibus espacial e embalaram tudo depois de uma missão bem-sucedida na qual entregaram um laboratório japonês de US$ 1 bilhão à Estação Espacial Internacional (ISS na sigla em inglês).

Astronauta americana Karen Nyberg olha para a Terra da janela da Estação Espacial Internacional

O pouso deve ocorrer às 11h15 (12h15 no horário de Brasília), no Centro Espacial Kennedy, na Flórida.

"As condições climáticas parecem ser favoráveis", disse o astronauta Terry Virts ao comandante da Discovery, do Controle da Missão em Houston.

Pouco depois de Kelly e de o piloto Ken Ham testarem os jatos de direcionamento, a tripulação informou ter visto um objeto flutuando no espaço e saindo do compartimento de carga do Discovery.

Câmeras foram usadas para fotografar o objeto, de cerca de 30 por 40 centímetros e que brilhava à luz do Sol enquanto se afastava.

Especialistas em análise de imagem determinaram mais tarde que se tratava de um dos três dispositivos usados para proteger a parte de trás do leme da cauda quando do lançamento.

"Isso não influencia em nada na reentrada", afirmou Virts. "Continuaremos conforme o planejado."

Engenheiros da Nasa também avaliaram o que a tripulação disse ser um pequeno caroço no estabilizador vertical traseiro, uma superfície aerodinâmica usada para ajudar no controle do ônibus espacial antes da aterrissagem.

A suposta protuberância, segundo se acreditou inicialmente, seria algo como uma bolha térmica. Mais tarde, no entanto, análises mostraram não se tratar de um caroço.

"Com a luz de que dispomos aqui, isso parecia ser algo mais ou menos sério", afirmou Kelly durante uma entrevista concedida do espaço.

O Discovery está em órbita há duas semanas para instalar o laboratório japonês Kibo na ISS, reabastecer o entreposto e levar para casa o engenheiro de vôo Garrett Reisman, no espaço há três meses.

Reisman foi substituído pelo astronauta da Nasa Greg Chamitoff.

O último dia completo do engenheiro de vôo dentro da ISS começou com uma canção escolhida pela mulher dele, "Baby Won't You Please Come Home" (querido, volte para a casa por favor), de Louis Prima e Keely Smith.

"Um bom dia especial para a Simone, minha terráquea favorita", afirmou Reisman pelo rádio, referindo-se a sua mulher. "Prepare-se, minha lindinha: o Discovery está voltando para casa."

Se as condições climáticas ou dificuldades técnicas atrasarem o pouso, o ônibus espacial possuiria suprimentos suficientes para ficar em órbita até terça-feira, disse LeRoy Cain, vice-diretor do programa de ônibus espaciais da Nasa.

A próxima missão da agência ocorrerá em outubro e servirá para realizar a manutenção do Telescópio Espacial Hubble. A Nasa pretende lançar mais dez missões antes de aposentar sua frota de ônibus espaciais, em 2010. Essas aeronaves realizam vôos desde 1981.

Fonte: Reuters - Foto: Reuters/Nasa

Objeto flutua em direção da Discovery

Engenheiros da Nasa estão tentando identificar um objeto que flutuou em direção da espaçonave Discovery em seu último dia no espaço. O fato foi notado depois dos testes de rotina do sistema de vôo da espaçonave realizados na última quinta-feira.

Os astronautas relataram para o Controle de Missão que tinha observado um objeto retangular, de 1 por 11/2 pés de largura, voando em direção deles.

“Nós vimos uma coisa pequena se destacar”, disse o piloto Ken Ham. Os engenheiros especulam que o objeto poderia ser algum resquício de alguma carga ou um pedaço de gelo. Os astronautas mandaram para a Terra um vídeo e fotografias para os engenheiros analisarem.

Fonte: Veja Online

Foguete Ariane 5 lança dois satélites de telecomunicações

Um foguete Ariane 5 lançou na noite desta quinta-feira (12), a partir de Kourou (no departamento francês da Guiana, na América do Sul) dois satélites de telecomunicações, o civil turco Turksat 3A e o militar britânico Skynet 5C, e os colocou em órbita de transferência geoestacionária, anunciou o Arianespace.

Um Ariane 5 ECA, a versão mais potente do lançador, decolou do centro espacial guianês às 19h05 locais (22h05 GMT).

O foguete europeu Ariane 5 risca os céus da base de Kourou, na Guiana Francesa

Inicialmente previsto para o dia 23 de maio, o lançamento foi adiado em uma semana para verificações complementares sobre o lançador e em seguida sofreu mais um adiamento devido a uma anomalia detectada no sistema logicial do lançador.

Fonte: AFP

US Airways segue rivais e anuncia redução de frota e demissão de 1,7 mil funcionários

A companhia aérea US Airways se juntou às rivais United e Continental e anunciou hoje que irá reduzir o número de vôos, devolver aeronaves e demitir funcionários diante dos preços recordes do petróleo. De acordo com comunicado da empresa, no quarto trimestre deste ano a oferta de assentos deverá ter caído de 6% a 8% em relação ao ano anterior. Em 2009, a redução adicional será de 7% a 9%.

Dentro do plano de redução de capacidade, a US Airways devolverá 10 aeronaves em uso, além de cancelar o arrendamento de dois aviões A330 previstos para serem entregues em 2009.

Na área de pessoal, a companhia pretende demitir 1,7 mil funcionários, sendo 300 pilotos, 400 comissários de bordo, 800 empregados que trabalham nos aeroportos e mais 200 da área administrativa da companhia.

A aérea informou ainda que vai passar a cobrar uma taxa de US$ 15 para a primeira bagagem embarcada pelos passageiros e que pretende rever algumas condições do seu plano de fidelidade.

A US Airways estima uma despesa adicional com combustível da ordem de US$ 1,9 bilhão esse ano em comparação com o ano passado. A empresa ressaltou que o combustível de aviação passou a ter um peso de 39% no total de despesas da companhia, ante índice de 14% em 2000.

No início desse mês, a Continental Airlines e a United Airlines anunciaram planos semelhantes. A primeira irá cortar 67 aviões da frota e demitir 3 mil funcionários. Já a United pretende devolver 100 aviões e dispensar 1,6 mil trabalhadores.

Fonte: Valor Online

Aviões da JAL e da ANA colidem em Haneda

Uma pequeno choque ocorreu no aeroporto de Haneda na quinta-feira (12) entre o boeing 777 da All Nippon Airways (ANA) e um jumbo da Japan Airlines (JAL). Nenhum dos mais de 600 passageiros nos dois aviões ficou ferido, informaram oficiais do ministério dos transportes.

Segundo a agência de notícias Kyodo, pilotos do avião da ANA, com destino a Osaka, e da JAL, com destino à Naha, não perceberam o contato e partiram para os respectivos destinos.

O acidente só foi descoberto porque mecânicos viram sinais de batida no avião da ANA e danificações na capa de proteção da luz, localizada na asa esquerda, do avião da JAL.

Por volta das 16h25, a parte traseira do avião da ANA tocou a asa do avião da JAL. O Ministério do Território, Infraestrutura, Transporte e Turismo investiga o caso.

Fonte: IPCDigital

Overbooking : Tribunal de Justiça de Rondônia mantém condenação da TAM a indenizar criança de 6 anos por danos morais

Os membros da 1ª Câmara Cível do Tribunal de Justiça de Rondônia mantiveram a decisão do juízo da 5ª Vara Cível de Porto Velho , que condenou a TAM Linhas Aéreas a indenizar em R$ 6 mil, por danos morais, o menor P.H.A.L.A, em função do reconhecimento da prática de overbooking que o impediu de passar o dia de natal do ano de 2006 com o seu pai e avós paternos em Belo Horizonte/MG. O overbooking consiste na venda de passagens aéreas além da capacidade da aeronave.

A TAM interpôs recurso de apelação da decisão proferida pelo Juízo da 5ª Vara Cível. A empresa negou a ocorrência do overbooking, atribuindo a impossibilidade de viagem da criança à situação caótica gerada a parir da crise aérea que se instalou no País após a trágica queda do avião da Gol no ano de 2006.

Negou a ocorrência do dano moral ponderando que a responsabilidade pelo ocorrido não poderia lhe ser imputada, mas, sim, à União.

Pugnou pelo prequestionamento do artigo 178 da Constituição Federal, que remeteria a regulamentação do transporte aéreo a um regime legal específico, referindo-se ao Código Brasileiro de Aeronáutica como preponderante sobre o Código de Defesa do Consumidor.

Nesse passo, sustentou a inexistência de previsão para indenização por danos morais na aludida codificação, pelo que não seria devida a reparação ao menor, “além de inexistir, no processo, provas que embasassem a sua condenação”.

Afirmou, ainda, ser “absurdo o valor arbitrado, sendo inconcebível que uma criança de seis anos, como o apelado, possa ser merecedor de reparação de tamanha monta, já que o mesmo não tem discernimento sobre o que dano moral venha a ser”.

O Ministério Público opinou pela manutenção da decisão.
“A tese exposta no recurso não prospera”, concluiu o desembargador Péricles Moreira Chagas, relator do da apelação da TAM no Tribunal de Justiça.

Segundo o magistrado, os advogados da criança apresentaram prova testemunhal “que demonstra à saciedade a ocorrência do overbooking”.

Murilo Curvelo de Matos, policial federal que trabalhava no aeroporto internacional Jorge Teixeira nos dias dos fatos, pode afirmar com relevante precisão que "constatou a proibição de embarque de diversos passageiros da empresa ré, inclusive do menor”.

O desembargador anotou que “o overbooking é prática usual entre as empresas de transporte aéreo de passageiros, no entanto a empresa, dando causa a tal situação, em face do contido nas normas do Código de Defesa do Consumidor, deve ser compelida a indenizar, uma vez que há evidente descumprimento do contrato celebrado entre a empresa e o passageiro consumidor”.

De acordo com o magistrado, “não obstante tenha a apelante providenciado hospedagem para os apelados e acomodação no vôo do dia seguinte, não conseguiu justificar suficientemente o motivo de tê-los preterido no embarque, pois, como é crível dos autos, o motivo foi oriundo pela venda de passagens além do limite da capacidade da aeronave, realizada no interesse exclusivo da empresa aérea em detrimento do direito do consumidor”.

Para Moreira Chagas, ao optar por vender passagens além da sua capacidade de acomodação na aeronave, a TAM”agiu com culpa, além do que não se preocupou com a qualidade do atendimento que seria dispensado aos consumidores. Assim, deve agora compensá-los do dano causado”.

”Oportuno frisar que é inequívoca a situação de dissabor experimentada pelo menor, de não passar as festas de fim de ano com seu pai e avós paternos, fato este que lhe causou angústia, desconforto, tudo ocorrido em decorrência da atitude negligente da apelante”, anotou o desembargador.

CONFIRA A ÍNTEGRA DA DECISÃO

PODER JUDICIÁRIO DO ESTADO DE RONDÔNIA
Tribunal de Justiça
1ª Câmara Cível

Data de distribuição : 10/03/2008
Data de julgamento : 29/04/2008

100.001.2007.009653-7 Apelação Cível
Origem : 00120070096537 Porto Velho/RO (5ª Vara Cível)
Apelante : TAM Linhas Aéreas S/A
Advogados : Alexandra Araújo Lobo de Marigny Monteiro (OAB/SP 117.589) e
Marcelo Estebanez Martins (OAB/RO 3.208)
Apelado : P. H. A. L. A. representado por sua mãe K. de A. L.
Advogados : Bernardo Augusto Galindo Coutinho (OAB/RO 2.991) e
Sally Anne Bowmer Beça Coutinho (OAB/RO 2.980)
Relator : Desembargador Moreira Chagas
Revisor : Desembargador Kiyochi Mori

RELATÓRIO

A TAM Linhas Aéreas S/A interpõe recurso de apelação da decisão proferida pelo Juízo da 5ª Vara Cível da Comarca de Porto Velho que a condenou ao pagamento de indenização de R$6.000,00 (seis mil reais) por danos morais em favor do menor apelado, em função do reconhecimento da prática de overbooking que o impediu de passar o dia de natal do ano de 2006, com o seu pai e avós paternos em Belo Horizonte/MG.

Em suas razões, a apelante nega a ocorrência do overbooking, atribuindo a impossibilidade de viagem do apelado à situação caótica gerada a parir da crise aérea que se instalou no País após a trágica queda do avião da Gol no ano de 2006.

Nega a ocorrência do dano moral ponderando que a responsabilidade pelo ocorrido não poderia lhe ser imputada, mas, sim, à União, nos termos do art. 256 da Constituição Federal.

Pugna pelo prequestionamento do art. 178 da Carta Magna, que remeteria a regulamentação do transporte aéreo a um regime legal específico, referindo-se ao Código Brasileiro de Aeronáutica como preponderante sobre o Código de Defesa do Consumidor.

Nesse passo, sustenta a inexistência de previsão para indenização por danos morais na aludida codificação, pelo que não seria devida a reparação ao apelado, além de inexistir, nos autos, provas que embasassem a sua condenação.

Afirma, ainda, ser absurdo o valor arbitrado, sendo inconcebível que uma criança de seis anos, como o apelado, possa ser merecedor de reparação de tamanha monta, já que o mesmo não tem discernimento sobre o que dano moral venha a ser.

Por fim, requer o específico provimento do apelo para se julgar improcedente o pedido inicial, invertendo-se o ônus da sucumbência.

Em contra-razões o recorrido pugna pelo não-provimento do apelo (fls. 111/122).

O Ministério Público opina pela manutenção da decisão em sua exata medida (fls. 127/131).

Eis o relatório.

VOTO

DESEMBARGADOR MOREIRA CHAGAS

Trata-se de recurso de apelação em que a recorrente pretende modificar a sentença que lhe lançou condenação no valor de R$6.000,00 (seis mil reais), pelos danos morais causados ao apelado, que foi impedido de encontrar seu pai e avós paternos para a festa natalina de 2006, por não conseguir embarcar em vôo para a capital mineira, dada a ocorrência de overbooking.

O ponto controvertido da demanda se assenta justamente na ocorrência do overbooking.

Enquanto o apelado aduz, em sua exordial, que sofreu amarguras com essa prática, de outra mão a recorrente nega sua ocorrência.

Diz a recorrente que o apelado não embarcou devido à crise aérea que se instalou no País a partir do chamado "apagão aéreo", após a queda do avião da Gol Linhas Aéreas, em 29/9/2006.

A tese recursal não prospera.

O apelado trouxe ao feito prova testemunhal que demonstra à saciedade a ocorrência do overbooking, prática que consiste na venda de passagens aéreas além da capacidade da aeronave.

MURILO CURVELO DE MATOS, policial federal que trabalhava no aeroporto internacional Jorge Teixeira nos dias dos fatos, pode afirmar com relevante precisão que "[...] constatou a proibição de embarque de diversos passageiros da empresa ré, inclusive do menor ora mencionado na inicial [...]".

Tivesse a apelante outro motivo para impedir a viagem do apelado, deveria ter demonstrado tal fato, de maneira cabal, por ser obrigação processual que o Código de Ritos lhe impõe, a teor do disposto no art. 333, inciso II.

Poderia ela ter produzido provas testemunhais indicando servidores da infraero, ou ter juntado aos autos documentos produzidos pela referida Empresa Pública que fundamentasse sua tese nesse sentido.

Entretanto, a prova documental trazida (fls. 43/58) não guarda nenhuma relação com os fatos aqui discutidos.

Assim, torna-se cabal a ocorrência do overbooking, sobretudo porque, tivesse sido outro o motivo do não-embarque do apelado, a recorrente certamente, não teria lhe entregue crédito (em voucher), no valor de R$300,00 (trezentos reais), como forma de amainar o prejuízo causado.

Aliás, convém destacar que este documento encontra-se juntado aos autos à fl. 20, e, consigna em seu bojo que o credito entregue ao apelado decorre de overbooking .

O overbooking é prática usual entre as empresas de transporte aéreo de passageiros, no entanto a empresa, dando causa a tal situação, em face do contido nas normas do Código de Defesa do Consumidor, deve ser compelida a indenizar, uma vez que há evidente descumprimento do contrato celebrado entre a empresa e o passageiro consumidor.

Não obstante tenha a apelante providenciado hospedagem para os apelados e acomodação no vôo do dia seguinte, não conseguiu justificar suficientemente o motivo de tê-los preterido no embarque, pois, como é crível dos autos, o motivo foi oriundo pela venda de passagens além do limite da capacidade da aeronave, realizada no interesse exclusivo da empresa aérea em detrimento do direito do consumidor.

A apelante, ao optar por vender passagens além da sua capacidade de acomodação na aeronave, agiu com culpa, além do que não se preocupou com a qualidade do atendimento que seria dispensado aos consumidores. Assim, deve agora compensá-los do dano causado.

Oportuno frisar que é inequívoca a situação de dissabor experimentada pelo menor, de não passar as festas de fim de ano com seu pai e avós paternos, fato este que lhe causou angústia, desconforto, tudo ocorrido em decorrência da atitude negligente da apelante.

Em adição, a aplicação do CDC ao caso deve preponderar.

Não tem aplicação o Código Brasileiro de Aeronáutica, porquanto, tratando-se de relação de consumo, consubstanciada por meio do contrato de transporte aéreo firmado entre as partes, é de se aplicar a legislação consumerista, especial e posterior à norma invocada pela apelante.

Cabe destacar que a existência de regras próprias da aviação - Convenção de Varsóvia ou Código Brasileiro de Aeronáutica - não afasta a incidência do Código de Defesa do Consumidor, em especial no que diz com a limitação do dever de indenizar

Nesse sentido, trago à baila a ementa abaixo transcrita:

Dano moral. overbooking. Código de Defesa do Consumidor. Aplicabilidade. Responsabilidade objetiva. Quantum indenizatório. Circunstâncias especiais que justificaram condenação superior. Recurso não provido.

Resta configurado o dano moral na conduta da empresa que coloca à venda número de passagens superior à capacidade da aeronave, prática como esta conhecida como overbooking.

Tratando-se de relação de consumo, consubstanciada por meio do contrato de transporte aéreo firmado entre as partes, é de se aplicar a legislação consumerista, especial e posterior ao Código Brasileiro de Aeronáutica.

Os danos morais devem ser arbitrados de acordo com as circunstâncias do caso concreto, justificando uma condenação elevada o fato de o apelado ter perdido parte de um congresso profissional em razão de ter sido impedido de iniciar sua viagem (100.001.2003.022201-9, Apelação Cível, Relatora Juíza Tânia Mara Guirro, Julgamento em 1/11/2006).

No mesmo sentido, segue jurisprudência do Superior Tribunal de Justiça:

TRANSPORTE AÉREO. Overbooking. Indenização.

O impedimento de vôo por causa de overbooking é causa de dano extrapatrimonial que deve ser indenizado. Recurso conhecido e provido em parte (REsp. n. 481.931/MA, Rel. Ministro RUY ROSADO DE AGUIAR, QUARTA TURMA, julgado em 17/6/2003, DJ 15/12/2003 p. 316).

CIVIL. AÇÃO DE INDENIZAÇÃO. ATRASO DE VÔO (24 HORAS). EXCESSO DE LOTAÇÃO NO VÔO (OVERBOOKING). DANO MORAL. VALOR. CONVENÇÃO DE VARSÓVIA. CDC. PREVALÊNCIA.

I. Inobstante a infraestrutura dos modernos aeroportos ou a disponibilização de hotéis e transporte adequados, tal não se revela suficiente para elidir o dano moral quando o atraso no vôo se configura excessivo, a gerar pesado desconforto e aflição ao passageiro, extrapolando a situação de mera vicissitude, plenamente suportável.

II. Diversamente do atraso de vôo decorrente de razões de segurança, que, ainda assim, quando muito longo, gera direito à indenização por danos morais, a prática de overbooking, constituída pela venda de passagens além do limite da capacidade da aeronave, que é feita no interesse exclusivo da empresa aérea em detrimento do direito do consumidor, exige sanção pecuniária maior, sem, contudo, chegar-se a excesso que venha a produzir enriquecimento sem causa.

III. Recurso especial em parte conhecido e parcialmente provido (REsp. n. 211.604/SC, Rel. Ministro ALDIR PASSARINHO JUNIOR, QUARTA TURMA, julgado em 25/3/2003, DJ 23/6/2003, p. 372).

Para arrematar, a bem sedimentada aplicação do CDC ao caso, a teor dos arestos trazidos à baila, não implica em qualquer afronta aos dispositivos constitucionais prequestionados, notadamente porque a legislação consumerista se harmoniza com o preceito estabelecido no art. 178 da Lei Maior.

Quanto ao valor da indenização, este se mostrou justo e razoável, não merecendo reparo.

O fato de o autor ser menor, não lhe suprime a defesa de seus direitos imateriais, notadamente pelo que estabelece os arts. 17 e 18 do Estatuto da Criança e do Adolescente.

Art. 17. O direito ao respeito consiste na inviolabilidade da integridade física, psíquica e moral da criança e do adolescente, abrangendo a preservação da imagem, da identidade, da autonomia, dos valores, idéias e crenças, dos espaços e objetos pessoais.

Art. 18. É dever de todos velar pela dignidade da criança e do adolescente, pondo-os a salvo de qualquer tratamento desumano, violento, aterrorizante, vexatório ou constrangedor. (destaques não originais)

De maneira convergente o Superior Tribunal de Justiça já enfrentou questão quanto ao valor da indenização nos casos de overbooking, estabelecendo que a quantia arbitrada, nestes autos, foi condizente com o dissabor experimentado.

Responsabilidade civil. Transporte aéreo. Overbooking. Indenização fixada em R$6.000,00 em virtude da demora na viagem de retorno ao Brasil, por prática de overbooking pela empresa-ré. Recurso conhecido em parte e provido (STJ. REsp. n. 488.715/SP, Rel. Min. Ruy Rosado de Aguiar, 4ª T., j. em 24/6/2003, DJ 25/8/2003, p. 320).

Isso posto, conheço do recurso por ser próprio e tempestivo, mas nego-lhe provimento para manter inalterada a decisão de primeiro grau por seus próprios fundamentos.

É como voto.

PODER JUDICIÁRIO DO ESTADO DE RONDÔNIA
Tribunal de Justiça
1ª Câmara Cível

Data de distribuição : 10/03/2008
Data de julgamento : 29/04/2008

100.001.2007.009653-7 Apelação Cível
Origem : 00120070096537 Porto Velho/RO (5ª Vara Cível)
Apelante : TAM Linhas Aéreas S/A
Advogados : Alexandra Araújo Lobo de Marigny Monteiro (OAB/SP 117.589) e
Marcelo Estebanez Martins (OAB/RO 3.208)
Apelado : P. H. A. L. A. representado por sua mãe K. de A. L.
Advogados : Bernardo Augusto Galindo Coutinho (OAB/RO 2.991) e
Sally Anne Bowmer Beça Coutinho (OAB/RO 2.980)
Relator : Desembargador Moreira Chagas
Revisor : Desembargador Kiyochi Mori

EMENTA

Responsabilidade civil. Overbooking. Dano moral. Caracterização. Indenização. Menor impúbere. Possibilidade. Dignidade. Estatuto da Criança e do Adolescente.

É devida a indenização por danos morais a menor que foi privado dos festejos de fim de ano com seu pai, em função de a empresa aérea contrata para seu transporte ter praticado o chamado overbooking.

O fato de ser incapaz não lhe retira o direito à indenização na medida em que o Estatuto da Criança e do Adolescente assegura proteção à sua dignidade, pondo-o a salvo de qualquer situação vexatória e constrangedora.

ACÓRDÃO

Vistos, relatados e discutidos estes autos, acordam os Desembargadores da 1ª Câmara Cível do Tribunal de Justiça do Estado de Rondônia, na conformidade da ata de julgamentos e das notas taquigráficas, em, POR UNANIMIDADE, NEGAR PROVIMENTO AO RECURSO NOS TERMOS DO VOTO DO RELATOR.

100.001.2007.009653-7 Apelação Cível

Os Desembargadores Kiyochi Mori e Gabriel Marques de Carvalho acompanharam o voto do Relator.

Porto Velho, 29 de abril de 2008.

DESEMBARGADOR MOREIRA CHAGAS
RELATOR

Autor: Rondônia Jurídico
Fonte:
Rondônia Jurídico