sexta-feira, 5 de fevereiro de 2010

Nevascas cancelam voos nos EUA

Mau tempo causou caos no transporte no nordeste do país.

Americanos esperam mais tempestades neste sábado (6).

As fortes nevascas e ventos provocaram caos no transporte público nos EUA nesta sexta-feira (5). As companhias aéreas americanas cancelaram centenas de voos no nordeste do país, e espera-se mais tempo ruim.

Os dois principais aeroportos de Washington, o Reagan National e o Dulles International, iniciaram medidas para evitar o acúmulo de neve, e se prevê que grande parte dos voos do sábado sejam cancelados.

A companhia Delta Airlines cancelou mais de 200 voos e conexões na costa leste e não operará na região de Washington no sábado, disse um porta-voz à "CNN".

Carrinho de compras abandonado nesta sexta-feira (5) em estacionamento de supermercado na cidade americana de Indianapolis ápós nevasca

Outros 375 voos de United e United Express, que operam principalmente com conexões locais, também foram cancelados, igual a 148 da American Airlines.

A Southwest cancelou a maioria de seus voos da sexta-feira, todos seus serviços para no sábado e alguns da manhã do domingo, que se dirigem a Baltimore, Filadélfia e Washington, segundo seu site.

Na maioria das companhias aéreas, os viajantes podem voltar a reservar seus voos, sem pagar comissões extras, para na segunda-feira e na terça-feira, ou durante a próxima semana.

Sob a neve, moradores passeiam cães nesta sexta-feira (5) em South Roanoke, no estado americano da Virgínia

Milhões de americanos se preparam para a chegada de uma grande tempestade de inverno que poderia descarregar mais de meio metro de neve em Washington e arredores, e que poderia ser a maior desde 1922.

Há previsão de 50 a 76 centímetros de neve e visibilidade baixa entre a Virginia e o sul de Nova Jersey, o que levou órgãos públicos na região de Washington a fecharem quatro horas antes do normal.

Obama

O presidente Barack Obama, que em outras ocasiões fez graça com a reação em Washington a pequenas quantidades de neve, desta vez está levando a tempestade a sério. "Acho que até um havaiano transplantado para Chicago (cidade muito fria) tem suficiente respeito por uma previsão de quase dois pés (61 centímetros) de neve", disse Robert Gibbs, porta-voz da Casa Branca.

"E, sendo do Alabama, tenho a satisfação de lhes informar que irei sair da estrada para assistir todos vocês tentando dirigir", brincou Gibbs com os jornalistas.

Os museus Smithsonian e o Zoo Nacional ficarão fechados no sábado na capital.

A notícia da tempestade fez escolas fecharem e causou longas filas em supermercados, já que muita gente quis se abastecer para um fim de semana em que as atenções estão voltadas para o Super Bowl, partida mais importante de futebol americano, no domingo.

Virginia, Maryland e o Distrito de Columbia (Washington) declararam estado de emergência por causa da neve. Isso permite que os governos estaduais ativem agências de emergência, como a Guarda Nacional.

A enorme tempestade deve cobrir de branco as cidades de Baltimore, Washington e Filadélfia, além de levar fortes chuvas às Carolinas e a Geórgia.

Há previsão de frio excepcional para depois da tempestade, na semana que vem, no Nordeste dos EUA, maior mercado mundial do combustível de calefação, e no Meio-Oeste, onde há grande demanda por gás natural.

Fonte: G1 (com agências internacionais) - Fotos: AP

Ursos panda nascidos nos Estados Unidos chegam a China

Dois ursos panda - nascidos em zoológicos dos Estados Unidos - chegaram nesta sexta-feira à China, como parte de um programa de reprodução da espécie, conhecida por sua escassa atividade sexual.

A China, onde os ursos pandas são considerados um tesouro nacional, se nega a vendê-los a outros países e optou por um sistema de empréstimo de animais adultos para que se reproduzam em zoológicos do mundo todo, com a condição de que os filhotes voltem ao fazer dois anos.

A festiva chegada de Mei Lan e Tai Shan a Chengdu, na província de Sichuan, foi transmitida ao vivo pelo canal estatal de televisão CCTV.

Veja a matéria sobre o transporte dos Pandas: FedEx transporta Pandas gigantes dos Estados Unidos para a China com o novo Boeing 777F.

Os dois pandas chegaram à China em um avião de carga especialmente preparado para eles, com 75 quilos de bambu em uma viagem de 14 horas.

Durante a cerimônia de boas vindas, o cônsul norte-americano na China, David Brown, nomeou Mei Lan e Tai Shan "embaixadores da boa vontade". "Assim como seus pais e a outros pandas emprestados pela China, eles ocupam um lugar especial nas relações entre os dois países", afirmou.

Mas se a chamada "diplomacia do panda" está funcionando, as relações diplomáticas entre Pequim e Washington estão tensas em termos comerciais, devido ao anúncio da venda de armas americanas a Taiwan e do encontro previsto entre o presidente Barack Obama e Dalai Lama, a quem a China acusa de buscar a independência do Tibete.

Tai Shan nasceu no zoológico de Washington há quatro anos e meio, enquanto Mei Lan nasceu no zoológico de Atlanta há três anos. Pequim havia autorizado a extensão da estadia dos pandas nos EUA.

"Mei Lan deverá agora começar a a trabalhar tão rápido quanto possível", segundo os especialistas de fertilidade citados pelo jornal estatal Global Times.

"Queremos que o façam bem", falou ao jornal Hou Rong, chefe do centro de pesquisa sobre pandas de Chengdu.

Os especialistas esperam animá-la com a ajuda de exercícios sexuais, incluindo filmes "pornôs" de pandas. "Preferimos deixá-los que observem e aprendam com os outros pandas", acrescentou Hou.

"Se Mei Lan não escolher nenhum par, teremos que recorrer a uma inseminação artificial", indicou ao jornal Yang Xiaoxiao, funcionário do centro reprodutivo.

Após a ameaça de extinção dos pandas nos anos 1980, o governo chinês estabeleceu reservas para proteger os que vivem em estado selvagem e implantou programas de criação em cativeiro.

Atualmente, existem cerca de 1.600 em estado selvagem, três quartos deles nos arredores de Sichuan. Estima-se que 180 foram criados em cativeiro na China e 32 vivem em zoológicos no exterior, informou a CCTV.

Fonte: AFP - Fotos: AP / Jiang Guopeng (Xinhua)

Para Lula, vazamento do novo preço do Rafale prejudica negócio

O presidente Luiz Inácio Lula da Silva ficou muito irritado com o vazamento da informação da redução do preço do pacote de 36 aviões que está sendo negociado para a Força Aérea Brasileira. Para o presidente Lula, o valor apresentado "ainda é insuficiente" para fechar o contrato. Por isso o Palácio do Planalto, embora insista que há uma "assumida preferência" pelo modelo francês Rafale, quer continuar negociando e insiste que só fechará o contrato se o preço cair ainda mais.

"Tem de reduzir mais. Tem de melhorar as condições", afirmou um auxiliar direto do presidente Lula ao ressaltar que esta questão "é muito mais do que preço e contra-preço". Por conta desta insatisfação que chamou de "plantação de informação", que poderia levar os franceses "a se acomodarem", o presidente Lula avisou e reiterou que o contrato não está fechado e que as negociações ainda estão em curso, podendo levar ainda algum tempo.

O argumento do governo é que este negócio tem de ser bom para os dois lados. O Brasil precisa do avião, quer comprá-lo, quer a transferência de tecnologia. Além disso, o presidente Lula já classificou a França como o "parceiro estratégico" do Brasil, revelando a preferência pelo caça da empresa francesa Dassault. Mas, por outro lado, o governo brasileiro tem reiterado que a França, para deslanchar o seu projeto, precisa que o avião seja comprado pelo Brasil, já que o caça não ganhou nenhuma outra concorrência no mundo e que outros países estão à espera da decisão brasileira para encaminharem suas decisões. O Brasil tem o trunfo ainda maior para baixar o preço do pacote. É que, embora o pacote inicial seja de 36 aeronaves, a ideia posterior é de se chegar a 120 aeronaves, unificando a frota da FAB substituindo os Mirage, F-5 e A-1 pelos Rafale.

No relatório preparado pela Comissão da Aeronáutica, entregue ao ministro Nelson Jobim em janeiro, os preços apresentados pelas empresas foram de US$ 8,2 bilhões para o pacote da Dassault, US$ 5,7 bilhões, da Boeing e US$ 4,5 bilhões da SAAB. De posse destes valores, com o pacote do Rafale considerado ainda muito alto, o governo saiu em campo para reduzi-lo e teria chegado ao valor de US$ 6,2 bilhões, que o Planalto ainda considera alto e quer nova redução para garantir o fechamento do contrato. Também está sendo considerado muito alto o valor do US$ 4 bilhões para a manutenção dos aviões por 30 anos. O pacote inclui, além do avião, com transferência de tecnologia, peças de reposição, armas e logística.

O presidente brasileiro não tem conversado ultimamente com seu colega francês Nicolas Sarkozy. Mas Lula não se furtará de voltar a dizer a Sarkozy o que lhe disse em setembro, em Brasília, quando os dois se reuniram no Alvorada: que a França é o parceiro estratégico do Brasil, mas que o preço do Rafale é exageradamente alto e precisa ser muito reduzido. Agora, insistirá na sua tese que esta redução ainda é insuficiente. "Eles reduziram, mas nós precisamos trabalhar mais ainda este valor. Tem de seguir tensionando. Quando se faz um contrato deste tamanho, você segue discutindo um monte de cláusulas, mesmo depois de fechado o contrato", advertiu um auxiliar do presidente, salientando que o contrato "não está fechado e só vai fechar lá na ponta, quando tudo der certo".

Fonte: Agência Estado via Jornal do Comércio - Imagem: Arquivo

Sem localização de vítima de picada de cobra, helicóptero da FAB espera em Corumbá

Sem conseguir localizar a idosa de 69 anos que foi mordida por uma cobra na noite desta quinta-feira, em uma fazenda no interior do Pantanal, a 160 quilômetros de Coxim, o helicóptero da Base Aérea de Campo Grande, que está levando soro antiofídico para socorrê-la está em Corumbá, aguardando novas informações. A Base Aérea de Campo Grande foi acionada para fazer o socorro porque a propriedade está ilhada em razão da cheia do rio que passa próximo a fazenda, no Pantanal.

A primeira tentativa de socorrer a vítima, no início da tarde, foi frustrada, porque um outro helicóptero, que também levaria o soro, acabou caindo no estacionamento do Hospital Regional. A pane ocorreu no momento em que o helicóptero embarcava para a região pantaneira com o medicamento.

Fonte: TV Morena via O Globo

Cai helicóptero dos EUA de ajuda ao Haiti e 2 morrem

Dois norte-americanos morreram quando um helicóptero que estava participando da operação de ajuda humanitária e recuperação do Haiti caiu na República Dominicana nesta quinta-feira (4), informaram autoridades do setor de aviação.

O helicóptero Robinson R-44 Raven II, prefixo N7535F, registrado nos Estados Unidos para a empresa JAJ Investments Ltd, atingiu uma montanha e pegou fogo no fim da tarde de quinta-feira em Los Quemados, na região de Restauración, próximo à fronteira com o Haiti, cerca de 280 quilômetros ao noroeste de Santo Domingo, disse em comunicado o Instituto Dominicano de Aviação Civil (IDAC).

O instituto identificou as vítimas como James Jaloe e John Ward, mas não deu mais detalhes sobre a missão e a carga do helicóptero.

Segundo informações oficiais, a aeronave, que pertencia a uma empresa registrada em Fort Lauderdale, na Flórida, tinha um plano de voo entre Santiago e Jimaní, desde onde se deslocou para Porto Príncipe e na volta a Santiago se acidentou.

O comunicado diz que se presume que os tripulantes eram voluntários norte-americanos que participavam em uma missão de ajuda ou resgate às vítimas do terremoto no Haiti devido à rota que realizava.

O governo norte-americano e grupos de ajuda deste país lideraram uma importante missão internacional de assistência para as centenas de milhares de sobreviventes do terremoto que sacudiu o Haiti em 12 de janeiro.

O responsável de Relações Públicas do IDAC, Pedro Jiménez, manifestou que continuavam as investigações para determinar a causa do acidente e qual era a missão real dos tripulantes que morreram.

"Os organismos de investigação do IDAC, do departamento de busca e salvamento, junto às autoridades da Junta da Aviação Civil, conduzem as investigações locais para determinar qual era exatamente a missão dos falecidos no acidente", disse Jiménez.

Fonte: Manuel Jiménez (Reuters) via O Globo - Fotos: EFE

Helicóptero cai em estacionamento de hospital em Campo Grande

Segundo os bombeiros, ninguém ficou ferido no acidente.

Aeronave teria atingido carros parados no local.





Um helicóptero do Esquadrão Pelicano da Força Aérea Brasileira caiu no estacionamento do Hospital Regional de Campo Grande, na tarde desta sexta-feira (5). Cinco tripulantes estavam no helicóptero, mas ninguém ficou ferido.

Segundo o Corpo de Bombeiros, o helicóptero teria atingido dois carros que estavam estacionados no local.

O Centro de Comunicação Social da Aeronáutica informou que o acidente ocorreu no momento em que a aeronave decolava. Os militares levavam soro antiofídico para uma mulher que foi picada por uma cobra no interior de Mato Grosso do Sul.

A manutenção do helicóptero, modelo H-1H, matrícula FAB-8689, estava em dia, ainda de acordo com a FAB, e os pilotos são considerados experientes. Segundo a assessoria de comunicação, logo após perceber o problema, o piloto escolheu um local do estacionamento considerado 'seguro para realizar o pouso de emergência'.

O Esquadrão Pelicano é um grupamento da FAB especializado em busca e salvamento. Segundo a FAB, a missão desta sexta-feira era considerada de 'misericórdia', pois a idosa picada pela cobra estava na Fazenda Lagoa Parada, na região do Pantanal, a 160 quilômetros de Coxim, a 2h30m de voo de Campo Grande. Uma outra aeronave prosseguiu a missão, mas, sem conseguir localizar a vítima, espera por novas informações em Corumbá.

Uma equipe de peritos está no local para tentar descobrir as causas do acidente. Depois da conclusão dos trabalhos, a aeronave será levada para a Base Aérea em Campo Grande.


Fontes: G1 / O Globo - Foto: Reprodução/TV Morena

Justiça de MT notifica pilotos do Legacy sobre novo processo criminal do acidente

Os pilotos americanos Joe Lepore e Jan Paul Paladino, que comandavam o jato Legacy no momento em que ele se chocou com o Boeing da Gol em setembro de 2006, foram notificados sobre o novo processo em andamento contra eles na Justiça Federal de Mato Grosso pelo acidente que causou a morte dos 154 ocupantes do voo 1907 da empresa aérea.

A nova denúncia - de atentado contra a segurança do transporte aéreo nacional, na modalidade culposa (sem intenção) - se baseia em dois laudos que apontam condutas erradas dos pilotos: a de que eles omitiram a informação de que o jato não tinha autorização para voar em uma área tida como espaço aéreo especial e a de que eles não fizeram uso do TCAS (sistema anticolisão) em nenhum momento durante o voo.

Os laudos concluíram que o plano de voo fornecido pela Embraer --fabricante do jato-- à ExcelAire continha uma informação falsa, a de que o jato poderia voar a uma distância de mil pés (cerca de 304 metros), quando deveria ficar, ao menos, a cerca de 2.000 pés (pelo menos 600 metros) de distância.

Isso ocorre pois a ExcelAire não havia incluído o aparelho em suas especificações operativas e atendido aos critérios constantes do Regulamento Brasileiro de Homologação Aeronáutica. O jato somente poderia voar a mil pés --conforme preceito do RVSM, sigla para separação vertical mínima reduzida-- caso viesse a ser autorizado pelo DAC (Departamento de Aviação Civil), o que não ocorreu, segundo a Procuradoria.

A denúncia contra os pilotos já tinha sido apresentada em junho do ano passado, e aguardava a citação dos dois, que foi feita agora, após eles serem notificados. Agora a defesa dos pilotos terá dez dias para apresentar a defesa escrita e, com isso, o juiz decidirá se absolve os dois ou se o processo segue para a produção de provas.

Este é o segundo processo movido contra os pilotos. Em dezembro de 2008 o juiz federal de Sinop (MT) Murilo Mendes absolveu os dois da acusação de negligência pela conduta relacionada a adoção de procedimentos de emergência e eventual falha de comunicação com o Cindacta (Centro Integrado de Defesa Aérea e de Controle de Tráfego Aéreo).

Apesar disso, a decisão de absolvição dos pilotos foi suspensa pelo TRF (Tribunal Regional Federal) da 1ª Região em janeiro deste ano. Para o desembargador Cândido Ribeiro, relator do caso, foi detectada pouca familiaridade dos pilotos com o avião e, por isso, a acusação de negligência por parte deles foi mantida.

Suspensão de licença

Em dezembro de 2009, o advogado Dante DAquino, representante da Associação dos Parentes e Amigos das Vítimas do Voo 1907, pediu a cassação da licença dos dois pilotos. O documento foi entregue para representantes da FAA (Federal Aviation Administration) e da NTSB (National Transportation Safety Board).

De acordo com a associação, o pedido tem como base outros casos de suspensão de pilotos pelo governo norte-americano, por ficarem como o equipamento de comunicação da aeronave desligado. Apesar disso, o pedido não tem valor judicial.

Fonte: Folha Online

Risco de radiação de scanner em aeroporto é baixo,dizem agências

Os novos scanners de corpo inteiro dos aeroportos que usam raios-X geram doses muito mais baixas do que a radiação de fundo, afirma um relatório preliminar preparado por agências internacionais.

É provável que esse tipo de aparelho, que custa cerca de 10 vezes mais que os scanners convencionais de aeroporto, passem a ser muito mais usados, depois que um nigeriano com explosivos na cueca conseguiu embarcar em um avião norte-americano com destino a Detroit no dia 25 de dezembro.

Enquanto a radiação de fundo normal anual por pessoa chega a cerca de 3 mil microsieverts - unidade para medir a exposição à radiação -, o scan corporal emite 0,1 a 5 microsevierts, disse o relatório, preparado por um grupo de organismos internacionais que inclui a Comissão Europeia e a agência nuclear da ONU.

"Isso (o risco) é muito pequeno", disse à Reuters Renate Czarwinski, chefe de monitoramento e segurança de radiação da Agência Internacional de Energia Atômica (AIEA) em Viena, na sexta-feira.

"Toda aplicação de sistemas de raio-X deve ser justificada... você deve avaliar os benefícios e o risco provável. O benefício, para a segurança, é muito alto", afirmou ela.

Há dois tipos de scanner de corpo inteiro - um utiliza ondas de rádio de alta frequência e outro usa raios-X - e apenas o último aparelho pode expor os passageiros à radiação ionizante como a usada nos raios-X médicos, afirmou Czarwinski.

Embora as dosagens sejam pequenas, o relatório das agências afirmou que as exposições devem ser monitoradas com cuidado.

"A fim de avaliar apropriadamente o impacto total da proteção radiológica do uso do scanner, a forma como os passageiros serão selecionados deverá ser conhecida", defendeu o relatório.

Os scanners, usados para ver as roupas de baixo e identificar objetos incomuns, poderiam ter detectado os explosivos escondidos que o nigeriano é acusado de ter levado a bordo do avião comercial, mas o uso deles tem sido limitado principalmente por questões de custo e de privacidade.

Fonte: Sylvia Westall (Reuters) via O Globo

Busca a avião da Air France será retomada este mês

Equipes internacionais de buscas serão enviadas ao oceano Atlântico neste mês para tentar encontrar destroços de um avião da Air France que caiu no ano passado, matando todas as 228 pessoas a bordo, disseram autoridades francesas nesta sexta-feira.

Três navios especializados, equipados com aparelhos capazes de ir até oito mil metros de profundidade, serão enviados para uma área de busca de 1.500 quilômetros quadrados, próxima ao litoral do Nordeste brasileiro.

"Nosso objetivo é começar as buscas no fim de fevereiro", disse um porta-voz da agência de investigação de acidentes aéreos da França (BEA, na sigla em francês).

O voo AF447 da Air France entre Rio de Janeiro e Paris caiu no oceano após decolar na noite de 31 de maio do ano passado, matando todos a bordo.

Uma busca inicial da Marinha e Aeronáutica do Brasil logo após o acidente encontrou vários pedaços da aeronave e 50 corpos, mas as caixas-pretas do avião, que poderiam ajudar a entender o desastre, ainda não foram recuperadas e as causas do acidente continuam sem explicação.

Dois juízes franceses estão investigando o acidente e as famílias das vítimas entraram com ações civis juntamente a um processo criminal de "homicídio culposo e lesão".

Fonte: Thierry Leveque (Reuters) via O Globo

Peça de avião cai no estacionamento de centro comercial em Miami

As autoridades americanas averiguam as causas do desprendimento de uma peça de um avião em voo que caiu hoje (5) por volta das 11:30 (hora local) no meio do estacionamento de um centro comercial de Miami, nos Estados Unidos informaram meios de imprensa locais.

As imagens dos canais locais de televisão mostraram um fragmento de um avião do tamanho de um veículo no meio do estacionamento do International Mall de Doral, em Miami.

A Administração Federal de Aviação (FAA, na sigla em inglês) dos EUA assinalou que a peça tinha se desprendido da fuselagem do avião Boeing 747-400, prefixo N429MC, de propriedade da companhia aérea de carga Atlas Airlines.

O avião, procedente do Chile (voo 5Y-46), iniciava a operação de aterrissagem na pista 09 do Aeroporto Internacional de Miami quando uma peça de sua fuselagem se desprendeu, segundo a FAA.

A aeronave prosseguiu e aterrissou em segurança.

As autoridades disseram que não foram registradas vítimas, nem danos nos veículos que estavam estacionados no centro comercial no momento do fato.

As testemunhas assinalaram que o golpe da peça ao atingir o solo produziu um barulho estrondoso.


Fonte: EFE via G1 / Aviation Herald - Foto: Stephanie Smith/CBS - Mapa: Cortesia/Google Earth

Governo espanhol assume gestão Governo espanhol assume gestão

O Governo espanhol aprovou hoje um decreto lei através do qual, segundo a imprensa, reassume a organização de trabalho dos 2.300 controladores aéreos, que têm sido apontados como uma das causas de os aeroportos espanhóis terem as taxas mais elevadas da Europa, ao auferirem salários médios anuais acima dos 300 mil euros.

As notícias dizem que a competência da organização de trabalho dos controladores passa, através desse decreto lei, para a AENA, empresa que gere os aeroportos espanhóis, e que o Executivo aprovou também a liberalização do controle de tráfego aéreo, permitindo que empresas privadas possam fazer a gestão das torres.

A imprensa, além de destacar que o Governo espanhol “impôs a sua autoridade” para estancar o impacto económico dos custos com controladores, também pretendeu esvaziar a hipótese de uma espécie de greve de zelo destes profissionais durante a Santa Semana.

As notícias referem ainda que há alguns dias a AENA tinha pedido a intervenção da autoridade aeronáutica para evitar que a 31 de Março, quando expirava a actual convenção de trabalho dos controladores.

O ministro espanhol do Fomento, José Blanco, em declarações à imprensa sobre a aprovação do novo decreto lei afirmou que até hoje uma em cada três horas de trabalho eram extraordinárias, pagas a triplicar, e que “não é tolerável” uma empresa pública pagar “salários milionários”.

O jornal “El Mundo” noticia hoje que o convénio dos controladores previa 1.200 horas de trabalho anuais e um salário médio anual de 375 mil euros.

A mesma notícia diz que o ministro José Blanco indicou dos 2.300 controladores, 28 ganhavam mais de 700 mil euros por ano, 135 ganhavam mais de 600 mil, 713 ganhavam entre 360 mil e 540 mil euros.

O “El Mundo” escreve ainda que a União Sindical dos Controladores Aéreos já reagiu à decisão do Governo com a sua “total rejeição” e anunciou que empreenderá “as acções legais necessárias” para defender o quadro em vigor.

Fonte: Presstur

Aeronáutica encerra buscas a helicóptero desaparecido no AM

A aeronáutica encerrou na manhã de hoje (5) as buscas ao helicóptero Esquilo AS50, prefixo PT-HLE, da empresa JVC, desaparecido desde o dia 15 de janeiro no município de Lábrea (a 703 quilômetros de Manaus). As buscas duraram 20 dias e foram realizadas na região onde os tripulantes fizeram o último contato com a torre de controle.

O piloto Silvar Apolinário, de 69 anos, e o mecânico Gilson Jesus de Aquino, de 51 anos estavam em missão para a Fundação Nacional de Saúde (Funasa). Eles iriam transportar uma indígena da aldeia Suruwaha para o hospital de Lábrea. A Força Aérea Brasileira (FAB) montou uma base área no município e as buscas pelos dois tripulantes.

A Força Aérea Brasileira (FAB) informou que foram 20 dias de buscas e 169 horas e 55 minutos de vôos. As equipes de resgate percorreram mais de 19398 quilômetros quadrados de área coberta.

As buscas foram feitas pelas aeronaves FC95 Bandeirantes e UH-1H (foto), da base aérea de Campo Grande, especializada em resgate além de um navio Patrulha Fluvial Roraima da Marinha do Brasil. Elas percorreram o rio Purús, entre Lábrea e Canutama (555 quilômetros de Manaus).

As equipes também se deslocam na selva por meio de rapel até as áreas de maior probabilidade da queda, principalmente quando há indícios do acidente, como uma árvore quebrada ou retorcida, por exemplo.

A FAB montou uma base de operações em Canutama, onde trabalham mais de 20 militares. Para abastecer as aeronaves utilizadas na operação de resgate, a FAB enviou combustível pela C105 Amazonas. Nas buscas foram utilizados mais de 58 mil litros de combustível nas aeronaves.

Desaparecimento

A empresa JVC informou que o sinal da aeronave parou de ser transmitido por volta das 17h30 de sexta-feira, próximo a Canutama. Um piloto e um mecânico estavam a bordo do helicóptero que iria fazer o transporte de um indígena da aldeia Suruwaha para o hospital de Lábrea.

Fonte: Portal Amazônia - Foto: Edmar Barros/Vc no Portal

Fim da crise e nova classe média ajudam companhias aéreas

As companhias aéreas respiram mais aliviadas. Depois de amargar prejuízos com atentados terroristas, desastres aéreos, crises financeiras e gripe suína, que acabaram levando muitas empresas a encerrar as atividades, o setor deve voar em céu de brigadeiro em 2010. Nas agências de viagens é esperado recorde de vendas dos últimos 10 anos. O fim da crise financeira e a ascensão de uma nova classe média, a classe C, vão ajudar a engordar a ocupação nas aeronaves brasileiras. Além disso, os prazos maiores de pagamento facilitam o acesso do brasileiro ao turismo. A Azul Linhas Aéreas Brasileiras lançou este mês parcelamento em até 60 vezes, por meio de parceria com o Banco do Brasil. No mês passado, a Trip havia fechado o mesmo acordo com o banco, com prazo de 180 dias para o vencimento da primeira parcela.

"Hoje está mais fácil viajar, tanto pelo preço melhor dos pacotes como pelo parcelamento maior" - Vanessa Andrade Rosa, bancária

A demanda maior de passageiros na aeronaves deve acabar com a guerra de tarifas e os preços médios dos bilhetes aéreos tendem a subir, segundo os analistas de aviação. Por outro lado, a oferta de bilhetes promocionais (para quem compra com mais antecedência) também tende a ficar maior, já que as mais novas no segmento de aviação (Gol, Webjet e Azul) têm como política os preços mais competitivos. “As companhias aéreas estão vivendo um bom momento. O preço médio dos bilhetes já subiu e pode subir ainda mais, pois a demanda está aquecida. Hoje, cruzamos nos aeroportos com público de diversas classes sociais e não só da A e B”, afirma Simone Escudêro, diretora de projetos de estudo de mercado da All Consulting. Apesar da alta de preços, ela acredita em promoções fortes. “As novatas, como Webjet, Azul e OceanAir, são muito competitivas”, diz.

O aquecimento no setor de aviação pode ser não só na quantidade de passageiros pelos corredores dos aeroportos brasileiros, como também nos números. A indústria de aviação transportou 6,02 milhões de passageiros em dezembro de 2009, contra 4,37 milhões no mesmo mês de 2009, segundo dados da Agência Nacional de Aviação Civil (Anac). Está certo que a base de comparação é fraca, já que em dezembro de 2008 o país estava no início da grave crise financeira, com pesadas demissões em setores importantes da economia, como mineração e siderurgia. Mas o desempenho do segmento de turismo em janeiro continua em ritmo acelerado.

“Muitas agências tiveram em janeiro o melhor mês de vendas dos últimos 10 anos. Estamos prevendo um recorde de negócios em 2010. Precisamos treinar as equipes das agências para esse boom que deve acontecer e a mudança de mercado. Os clientes da classe C viajam cada vez mais”, afirma José Carlos Vieira, vice-presidente nacional e diretor regional da Associação Brasileira das Agências de Viagens (Abav).

A bancária Vanessa Andrade Rosa e o guarda municipal Wagner Messias vão para Porto Seguro (BA) com o filho, Matheus, em março. É a terceira vez que o casal visita a cidade. Na primeira vez foi na lua de mel, há 10 anos. “Hoje está mais fácil viajar, tanto pelo preço melhor dos pacotes como pelo parcelamento do pagamento mais amplo. Na nossa primeira viagem para lá, fomos de ônibus. Na segunda e agora vamos de avião”, observa Vanessa. O casal vai passar uma semana em Porto Seguro e vai pagar em 10 parcelas.

Com foco nas classes C e D, a Webjet lançou a promoção Vai voando, que dispensa análises de crédito, um dos principais obstáculos para o consumidor de classe social mais baixa ter acesso ao transporte aéreo. Com a promoção, o cliente pode parcelar a viagem de três a 12 vezes fixas, sem juros, sem qualquer comprovação de renda ou análise de crédito. Em dezembro, a Webjet transportou 349,2 mil passageiros, alta de 109,31% em relação a igual período do ano anterior. A ocupação média nos voos ficou em 79,9%. O incremento dos negócios, segundo a empresa, aconteceu por conta do aumento da frota, que passou de 11 para 20 aviões, além do lançamento de produtos como o Vai voando.

Fonte: Geórgea Choucair (Estado de Minas) via Portal Uai

Passaredo anuncia nova rota ligando interior de São Paulo a Recife

A Passaredo Linhas Aéreas anunciou nesta quinta-feira (04), uma nova rota ligando Ribeirão Preto (SP) a Recife (PE) num voo direto, sem escala. A rota será feita por um dos jatos Embraer ERJ - 145 da empresa, que tem capacidade para 50 passageiros. Os voos terão início já em março saindo de Ribeirão Preto às 23h30 com chegada às 2h30. Para a volta, decola de Recife às 3h e chega em Ribeirão Preto às 6h.

"Vamos oferecer para nossos passageiros mais uma opção de vôo para o nordeste brasileiro. O estudo que fizemos nessa região, mostrou uma grande demanda entre estes destinos, por isso acreditamos que a nova operação será um sucesso", afirma o presidente da empresa, José Luiz Felício Filho.

Fonte: Mercado & Eventos

Atrasos motivam Anac a reforçar fiscalização sobre TAM

A Agência Nacional de Aviação Civil (Anac) está reforçando a fiscalização sobre a TAM para identificar os motivos dos atrasos dos voos da companhia. Segundo nota divulgada hoje, a TAM foi a empresa com maior índice de atrasos nos voos domésticos em janeiro, pelo quarto mês consecutivo. "Por ter o maior número de voos - 25,9 mil das 71,7 mil decolagens no Brasil em janeiro - o crescimento dos atrasos na TAM teve forte impacto no índice nacional", afirma o comunicado da Anac.

A agência pretende acompanhar também o que a TAM tem feito para solucionar o problema de atrasos. Com base em levantamento feito em 67 aeroportos do País pela Empresa Brasileira de Infraestrutura Aeroportuária (Infraero), a Anac concluiu que apesar das chuvas que fecharam por várias vezes alguns dos principais terminais, em janeiro, o total de atrasos das companhias aéreas nacionais e estrangeiras ficou estável em relação ao fim de ano: 17,8%, ante 17,9% em dezembro.

Os dados consideram os voos que partiram com mais de 30 minutos do horário previsto. Segundo a Anac, entre as maiores companhias brasileiras no transporte regular, a Azul, a Gol/Varig e Webjet melhoraram a pontualidade em comparação com o fim de ano.

Fonte: Rosana de Cassia (Agência Estado)

Demanda por voos da Gol cresce 32,1% em janeiro

A demanda por voos da companhia aérea Gol subiu 32,1% em janeiro deste ano ante janeiro de 2009, informou hoje a empresa, em comunicado. Em relação a dezembro do ano passado, a alta registrada foi de 8,5%. Considerando somente o mercado doméstico, o fluxo de passageiros subiu 31,4% em janeiro, na comparação com igual mês de 2009. O aumento foi de 5,3% em relação a dezembro.

Em relação ao mercado internacional, o crescimento foi de 36,9% na demanda por voos ante janeiro de 2009 e de 35,3% na comparação com dezembro. Entre os motivos para o aumento da demanda, a empresa cita o melhor cenário econômico no Brasil e na América do Sul, as melhorias operacionais e o gerenciamento dinâmico de tarifas, que beneficiou "os clientes que programam suas viagens antecipadamente com preços mais baixos, incentivando a demanda e reduzindo o estoque de assentos disponíveis para voos demandados com pouca antecedência".

Em janeiro, a Gol apresentou taxa de ocupação total de 77,9%, sendo 77,3% no mercado doméstico e 81,8% no internacional. Apenas no mercado internacional, o avanço foi de 24,5 pontos porcentuais em relação a janeiro de 2009, quando registrou taxa de 57,3%, e de 11,5 pontos porcentuais ante dezembro de 2009, quando atingiu 70,3%. No mercado doméstico, a taxa de ocupação cresceu 6,4 pontos porcentuais na comparação anual e 0,2 ponto porcentual ante o mês anterior.

No relatório de tráfego, a Gol ressalta que aumentou sua capacidade em 20,6% no mercado doméstico, ao passo que a reduziu em 4,1% no mercado internacional. "A companhia vem mantendo sua estratégia disciplinada de adicionar capacidade, visando maximizar seu resultado operacional", informou a nota.

Fonte: Luana Pavani (Agência Estado)

Presidente eleito do Chile aprova venda de fatia na LAN

O presidente eleito do Chile Sebastián Piñera aprovou nesta sexta-feira um plano para vender sua participação na companhia aérea LAN, um negócio estimado de 1,5 bilhão de dólares, em um encontro de acionistas de sua holding Axxion.

Piñera prometeu vender seus 26,3 por cento de participação na LAN, detidos por suas holdings Axxion e Santa Cecilia, antes de tomar posse como presidente em 11 de março.

A LAN é uma das maiores companhias aéreas da América Latina.

Nos termos do acordo de acionistas, o conselho da Axxion deve agora fixar o preço da venda. A família Cueto, que detém a preferência para comprar os ativos, tem agora 20 dias para decidir se vai exercer sua opção e, se esse for o caso, quantas ações pretende comprar.

Espera-se que a família -segunda maior investidora da LAN, com 25,5 por cento do capital total por meio da holding Costa Verde Aeronáutica- fique com uma parte significativa da fatia e até mesmo a totalidade das ações que estão sendo colocadas à venda pelo outro sócio.

Os acionistas da Costa Verde Aeronáutica aprovaram também nesta sexta-feira um aumento de capital de 1,035 bilhão de dólares, para ampliar sua posição na LAN.

A Axxion possui 19,03 por cento de participação na LAN, enquanto a outra holding de Piñera, a Santa Cecilia, detém outros 7,3 por cento. As duas holdings podem coordenar a venda de forma conjunta, segundo a Axxion.

Fonte: Antonio de la Jara (Reuters - com reportagem adicional de Fabian Cambero, Alsono Soto, Rodrigo Martinez e Simon Gardner) via O Globo

Saab garante que seu avião ainda custa 40% a menos

A empresa sueca Saab, preferida pelos militares brasileiros para fornecer os caças ao País, alerta que nem a negociação de redução no preço dos aviões franceses Rafale seria suficiente para bater o valor oferecido pelos escandinavos. Segundo a fabricante do Gripen NG, a manutenção do avião sueco ainda custaria a metade do francês.

Os franceses teriam oferecido o caça com desconto - dos US$ 8,2 bilhões (R$ 15,1 bilhões) iniciais, o contrato ficaria em US$ 6,2 bilhões (R$ 11,4 bilhões). Segundo a Saab, esse valor seria ainda 40% superior à sua oferta.

"Não se trata apenas do preço de venda, mas também a manutenção dos aparelhos por 30 anos. Nesse aspecto, nossos aviões custariam a metade do valor da concorrência em manutenção e gasto de combustível por hora voada", afirmou a assessora de imprensa da Saab, Anne lewis-Olsson.

Dassault

Certa de sua vitória, a Dassault preferiu manter seu compromisso de não mencionar publicamente o valor de sua oferta. Desde a divulgação da preferência da FAB pelo Gripen e da versão de que sua proposta ao Brasil seria quase o dobro da cifra apresentada à Índia, a empresa mantém uma discrição que colide com os lobbies das concorrentes.

Ontem, o principal acionista da companhia, Serge Dassault, desconversou ao ser abordado sobre o tema pela Radio Classique, da França. Afirmou que "toda esperança é permitida neste momento", mas que o Brasil ainda não fez sua escolha final. "Eu não sei de nada", afirmou.

No mês passado, a empresa contestou a versão de que venderia o mesmo avião à Força Aérea Indiana pela metade do preço sugerido ao Brasil. Argumentou que essa conta difere de país a país, segundo o estoque de peças de reposição e o período do apoio logístico.

Fonte: Agência Estado via iG

Iberia interrompe “jejum” de mais de um ano na incorporação de novos aviões

A companhia espanhola Iberia recebe hoje um novo Airbus A319, com o qual interrompe um “jejum” de mais de um ano sem adicionar novos aviões à frota, pela política de redução de capacidade para enfrentar a crise.

Um comunicado da companhia diz que o novo avião pode transportar até 141 passageiros e vai operar em rotas domésticas e internacionais intra-europeias e de África.

A companhia também informou que o novo avião foi baptizado com o nome “Visón Europeo” [doninha europeia], uma espécie em vias de extinção.

“Desta forma, a companhia continua a sua campanha de defesa das espécies espanholas em perigo de extinção, iniciada em Janeiro de 2007, com o objectivo de dar a conhecer, em todos os destinos para onde voa, a biodiversidade espanhola e suas espécies, algumas das quais únicas no mundo, e consciencializar para a necessidade de protegê-las e preservá-las”, diz o comunicado.

A companhia já conta na sua frota com 22 aviões A319, doze dos quais entraram na sua operação em 2007 e 2008 e foram baptizados com nomes de espécies em vias de extinção.
A frota da Iberia de aviões Airbus de médio curso (A319, A320 e A321) é de 77 aparelhos.

Fonte: Presstur (Portugal)

Turista francês é detido pela PF no Aeroporto de Salvador por comportamento agressivo

Um francês foi detido pela Polícia Federal na madrugada desta sexta- feira (05) no Aeroporto Internacional de Salvador, após ter tido um comportamento agressivo com a tripulação de um voo da Transportes Aéreos Portugueses (TAP), que seguia do Rio de Janeiro para Lisboa, em Portugal.

Segundo informações da equipe da PF no Aeroporto, o avião foi obrigado a pousar na capital baiana para que o turista Jean Domenique Gamahut, 35 anos, fosse medicado e passasse por exames toxicológicos. O turista foi encaminhado na manhã desta sexta-feira, 5, para o Instituto Médico Legal (IML), onde fez exame toxicológico.
.

Fontes: correio24horas.globo.com / A Tarde Online

Problemas em voos

Queda de altitude

Os passageiros do voo 6255, Rio-São Paulo, da Ocean Air, levaram um baita susto no ar, ontem.

Durante a viagem, o avião teve uma queda brusca de altitude. Alguns minutos depois o piloto esclareceu que um outro avião da TAM estava na mesma rota, erradamente.

Aliás, quando chegou a Guarulhos, o piloto saiu de dentro da cabine xingando a falta de responsabilidade do piloto da TAM.

Por falar nisso...

Ontem pela manhã, Juca Ferreira e vários passageiros que queriam seguir de Brasília para o Rio, no voo das 7h13, ficaram a ver navio. O vôo JJ 3023, da TAM, foi cancelado sem explicações.

O ministro da Cultura, que vinha participar de uma solenidade no Palácio Gustavo Capenema, sobre a II Conferência Nacional De cultura, chegou no Rio com três horas de atraso. Detalhe: pegou voo de outra companhia.

Fonte: Ancelmo.com (O Globo)

Companhias aéreas norte-americanas transformam atrasos em adiantamentos

Por que um voo de seis horas, agora, leva sete?

Várias companhias aéreas norte-americanas têm vindo ao longo dos anos alongando seus horários oficiais de chegada nos voos domésticos e mantendo os de partida. Um procedimento com múltiplas justificativas.

Entre 1996 e 2010, a duração oficial do voo Nova York-Los Angeles, pela Delta Airlines, aumentou mais de uma hora, de seis para mais de sete. No mesmo período de tempo, nove anos, a mesma rota, pela American Airlines, passou de seis horas e dois minutos para seis horas e trinta e cinco. Outro exemplo: um voo entre Chicago e Nova York pela Delta durava uma hora e cinquenta e quatro minutos, mas hoje tem uma duração oficial de duas horas e 36 minutos.

Os exemplos foram recolhidos pelo The Wall Street Journal. São muitos e envolvem nove companhias aéreas norte-americanas, das maiores a pequenas companhias regionais.

Uma explicação informada é tratar-se de um procedimento com o objetivo de eliminar a possibilidade de um voo ser oficialmente classificado como atrasado, diminuindo assim, responsabilidades perante os passageiros. Estes, na maior parte dos casos alheios às alterações, podem ver-se em situações inesperadas, como no caso de um passageiro citado pelo jornal norte-americano, que partiu de Nova York para chegar a Dallas com nada menos que 55 minutos de adiantamento em relação ao horário previsto. Mas à primeira reação de contentamento sucedeu-se a frustração de permanecer no avião à espera do ‘finger’ no terminal, dado o “adiantado” da chegada.

O The Wall Street Journal examinou os horários oficiais de 50 voos domésticos de nove companhias norte-americanas e concluiu que de 1996 até hoje houve um avanço médio de 10 % na duração prevista dos voos, equivalente há 17 minutos. O caso mais extremo é o de um voo da Delta Airlines entre Atlanta e Orlando, que em 1996 tinha uma duração prevista de 74 minutos, e hoje de 103 minutos, aumento de 39 %. Só em cinco dos cinquenta voos analisados a duração prevista não aumentou, e apenas um viu essa duração diminuída, em cinco minutos. Importante frisar que boa parte dos aumentos de duração foram introduzidos em 2009, embora a tendência já tenha anos.

As companhias argumentam que o aumento da duração dos voos reflete os crescentes congestionamentos nos aeroportos e no controle de tráfego aéreo, assim como uma diminuição da velocidade das aeronaves, em cerca de 2 %, numa medida de poupança de combustível.

Outro argumento é o de uma série de voos domésticos terem nos últimos anos passado a ser realizados em aparelhos de menor dimensão, os chamados jatos regionais, que as companhias não só afirmam serem mais lentos que os aparelhos “full size”, com mais de cem lugares, como argumentam ainda que os pequenos jatos podem obrigar aparelhos mais rápidos que os sigam a diminuir sua velocidade…

Alguns responsáveis reconhecem simplesmente tratar-se de uma forma de melhorar os seus índices de pontualidade, uma “folga” nos horários. Uma perspectiva que um analista citado pelo jornal não hesita em classificar como “burrice dispendiosa”, pois implica um tempo artificialmente acrescido de ocupação da frota, diminuindo o número de voos que cada aeronave pode realizar e a rentabilidade, ao que se contrapõe que um dos efeitos da atual crise na aviação foi precisamente a diminuição do uso das frotas, pela queda da procura. Um fato que leva a esperar que a situação se vá normalizando com a recuperação econômica. Uma esperança que não altera o fato de esta ser uma tendência crescente nos últimos anos, e certo mesmo, para já, é que nos Estados Unidos há voos que muito dificilmente chegam atrasados face ao horário oficial.


Fonte: Turisver (Portugal) - Foto: Getty Images

quinta-feira, 4 de fevereiro de 2010

Foto do Dia

Clique na foto para ampliá-la

O Boeing 747-4Q8, prefixo G-VFAB, da Virgin Atlantic Airways, semi-coberto pela neve no Aeroporto Heathrow (LHR/EGLL), em Londres, na Inglaterra, em 13 de janeiro de 2010.

Foto: Chris Lofting (Airliners.net)

Queda de helicóptero militar mata 3 soldados americanos na Alemanha

Acidente ocorreu em bosque no oeste do país.

Causas estão sendo investigados.

Um helicóptero do Exército dos Estados Unidos caiu na noite de quarta-feira (3) no oeste da Alemanha, matando os três militares a bordo.

O acidente ocorreu em um bosque próximo a uma estrada, nas imediações de Darmstadt, próximo à cidade de Lorsch, no oeste da Alemanha. As Forças Armadas dos EUA confirmaram que três soldados morreram na queda do Sikorsky UH-60A Black Hawk operado pelo 1st Battalion, 214th Aviation Regiment US Army Europ, durante um voo de treinamento.

A causa da queda ainda não foi determinada. O caso já está sendo investigado.

Clique aqui para ver mais fotos do acidente.

Fontes: AFP via G1 - Fotos: AFP / Michael Seeboth

Avião da CIA abateu missionários peruanos por engano

O ataque ocorreu em maio de 2001, mas só agora é que foi tornado pública.

Um vídeo difundido hoje mostra o ataque aéreo de uma missão levada a cabo pela CIA, em parceria com as Forças Armadas Peruanas, contra um hidroavião que transportava uma família de missionários peruanos.

O ataque ocorreu quando a CIA confundiu os missionários com narcotraficantes que sobrevoavam a selva peruana, por cima da cidade de Iquitos.

Os disparos resultaram na morte de Verónica Bowers e o seu bebê de sete meses. A bordo seguiam, ainda, o piloto, o pai da família, Jim, e o filho mais velho, Cory, de seis anos.

As imagens mostram o piloto gritando por ajuda, logo após os militares peruanos terem emitido um alerta de identificação ao hidroavião. A mensagem foi ignorada, porque os aviões estavam em frequências diferentes.

O chefe da Comissão de Informação de Segurança do Congresso americano, Pete Hoekstra, mostrou-se revoltado com o resultado do erro: “eram cidadãos americanos que foram brutalmente assassinados pelo governo do seu país”. E acrescentou: “lamento que não se possa garantir que este tipo de erros não voltem a acontecer”



Fonte: i-Online (Portugal) - Vídeo: ABC News via YouTube

FedEx transporta Pandas gigantes dos Estados Unidos para a China com o novo Boeing 777F

A FedEx Express doou seus serviços logísticos para transportar dois pandas gigantes dos Estados Unidos para a China, hoje (4).

Trabalhando em conjunto com o Zoológico Nacional do Smithsonian, de Washington, e o Zoológico de Atlanta, a FedEx Express leva os pandas em um voo sem escalas do Aeroporto Internacional Dulles, em Washington, para Chengdu, na China.

Tai Shan (foto mais acima), um panda macho de 4 ½ anos, nascido no Zoológico Nacional, e Mei Lan (foto logo acima), uma panda fêmea de 3 anos, nascida no Zoológico de Atlanta, viajam a bordo do “FedEx Panda Express”, o avião cargueiro 777 Freighter (777F), prefixo N850FD, customizado para a missão (fotos abaixo).

“A FedEx está preparada para fazer esta entrega especial, dada a nossa longa história de conexão entre os EUA e a China, e nossa ampla experiência global na entrega de cargas valiosas, de pacotes a pandas”, disse David J. Bronczek, presidente e CEO da FedEx Express. “É um privilégio servir como a transportadora de confiança desses raros pandas e estamos orgulhosos em apoiar os esforços de preservação desta espécie em extinção.”

Atualmente, ambientalistas estimam que somente 1.600 pandas ainda vivam em florestas. Tanto Tai Shan quanto Mei Lan fazem parte de programas globais de conservação de pandas gigantes.

A FedEx Express levou Mei Lan de Atlanta para a capital Washington, onde junto com Tai Shan, foi preparada para o voo transatlântico. A bordo da aeronave 777F – que é exclusiva para a jornada dos pandas - Tai Shan e Mei Lan viajam em dois contêineres de transporte feitos sob medida, fornecidos pela FedEx Express. Os pandas deixaram Washington no final desta manhã e chegarão a Chengdu no final da tarde desta sexta-feira (5), aproximadamente 14 ½ horas entre a decolagem e a aterrissagem.

O voo dos pandas será o mais curto possível, como resultado da eficiência em combustível da aeronave 777F, o maior avião de cargas bi-jato do mundo, a mais recente aquisição para a frota global da FedEx. No início de janeiro de 2010, a FedEx lançou o serviço internacional com o 777F, com uma conexão direta entre Xangai e os EUA.

Além de doar todo o transporte aéreo necessário, a FedEx Express também ofereceu apoio logístico terrestre em Washington e Atlanta. Em ambas as cidades, caravanas de veículos da FedEx levaram os pandas para o aeroporto (fotos abaixo). Autoridades policiais locais estiveram a postos para garantir um percurso tranquilo aos pandas. Os pilotos e motoristas da FedEx, selecionados para transportar os pandas, são alguns dos membros mais experientes da companhia.

A FedEx Express, o Zoológico Nacional, o Zoológico de Atlanta e os organizadores chineses em Chengdu trabalharam em parceria para garantir que todas as precauções necessárias fossem tomadas para proporcionar um voo seguro e confortável para os pandas. Especialistas em saúde animal de ambos os zoológicos receberam privilégios especiais de voo, para que pudessem acompanhar os pandas a bordo da aeronave.

Após a chegada em Chengdu, Tai Shan será recebido pela Associação Chinesa de Conservação da Vida Selvagem, e a Associação Chinesa de Jardins Zoológicos cuidará de Mei Lan. Tai Shan residirá na Reserva de Wolong, do Centro de Conservação e Pesquisa da China, em Sichuan, na China, e Mei Lan residirá na Base de Pesquisas e Criação de Pandas Gigantes de Chengdu.

Em virtude de regulamentações de segurança, a partida e a chegada de ambos os pandas foram fechadas ao público em geral.



Fontes: Aviação Brasil / EFE / FedEx / Flightglobal.com

Trem de pouso quebra durante decolagem de avião na Sibéria

Incidente ocorreu na cidade de Yakutsk.

Ninguém ficou ferido.


Funcionários de aeroporto e equipes de resgate tentam erguer o avião Antonov AN-24, prefixo RA-47360, da Yakutia Airlines, no aeroporto da cidade russa de Yaklutsk, na Sibéria, nesta quinta-feira (4).

O trem de pouso quebrou durante a decolagem às 7:30 (hora local) para a cidade de Olyokminsk. O avião, que transportava 35 passageiros e quatro tripulantes, mal teve tempo de subir e 'caiu de barriga' na pista, arrastando a fuselagem cerca de 100 metros até parar.

A tripulação relatou falha do motor esquerdo e tentou abortar a decolagem. A retração prematura do trem de pouso por um engenheiro de voo é suspeita de ter causado a quebra do equipamento.

Ninguém se feriu. O aeroporto foi reaberto às 16h00.

Em 1 de novembro do ano passado, nesse mesmo aeroporto, um Ilyushin IL-76 caiu durante a decolagem para o aeroporto da cidade de Anapa. A aeronave voou em baixa altitude por cerca de dois quilômetros e bateu em um depósitos de resíduos de uma mina de diamantes, matando 11 pessoas.

Fontes: G1 (com AP) / ASN / Rossiyskaya Gazeta - Fotos: AP / kursor.ru

Apesar do medo de avião, Guerrero quer renovar com Hamburgo

O atacante peruano Paolo Guerrero espera renovar contrato com o Hamburgo, da Alemanha, apesar de continuar preso em seu país por conta do medo de avião.

"Quero continuar no Hamburgo. O clube confia em mim e tenho uma boa relação com o técnico. É meu clube", afirmou Guerrero, de 28 anos, em declarações à revista esportiva "Kicker".

O jogador acredita que poderá entrar em campo novamente a partir de março, quando estiver completamente recuperado de uma lesão.

Guerrero falou também sobre o medo de voar, que tem impedido seu retorno à Europa. Ele admitiu que, da última vez, pediu para o avião voltar após 40 minutos no ar ao ter diarreia por consequência de uma gastrite.

A imprensa alemã chegou a afirmar que este problema colocava em risco a carreira do jogador, já que dificilmente seria contratado por um clube europeu.

O Hamburgo tenta obter um visto de entrada para que um primo de Guerrero possa acompanhá-lo no voo. Nas outras vezes, estavam com ele um irmão, sua mãe e sua namorada.

O pânico de voar do atacante tem origem na trágica morte de seu tio, o ex-jogador peruano José González, com passagem pela seleção e pelo Alianza Lima, em um acidente aéreo.

Além disso, ele ficou traumatizado com uma avaria no sistema hidráulico durante um voo de volta pelo Hamburgo, que obrigou a aeronave a realizar uma aterrissagem de urgência em Paris.

Fonte: EFE via EPA

Não é avião, ovni, nem balão: é o Aircruise

Parece um ovni, mas é um dirigível de alto luxo

Não é um avião. Nem um balão. Parece uma nave especial dos filmes hollywoodianos, mas também não é. É o Air Cruise uma nave semelhante a um dirigível e que é movida a hidrogênio e energia solar. Vertical e de alto luxo, o transporte foi projetado para ser um hotel de luxo pela empresa Seymour Powell.

O conceito foi posteriormente capturado a imaginação do gigante coreano Samsung Construction and Trading (Construção e Comércio - C & T). Impulsionada por seu interesse em novos materiais para construção, Samsung C & T, pediu a Seymour Powell para aperfeiçoar a ideia e produzir uma animação de computador detalhado da experiência proposta para ilustrar esta abordagem visionária para o futuro.

O vídeo pode ser visto aqui:



Nick Talbot, diretor do projeto na Seymourpowell explica. "As questões conceito Aircruise se o futuro das viagens de luxo deverá acabar com as limitações de espaço, de um recurso de compra que nos faz passar fome como são, muitas das vezes, as estressantes de viagens aéreas. A experiência de transporte mais sereno vai apelar para as pessoas que procuram uma viagem mais reflexiva, onde a experiência da viagem em si é mais importante do que ir de A para B rapidamente".

Assim o “cruzeiro do ar”, resumi o que há de mais abundante em espaço e luxo para viagens em uma velocidade de 100 a 150 km/h contra o vento. Numa época em que o impacto ambiental é uma questão fundamental para a arquitetura, os construtores pensam que o projeto pode começar a ser realizado até 2015.

O projeto prevê um Aircruise com peso de um jumbo, 270 toneladas, com 265 metros de altura e capacidade para 100 passageiros e 20 tripulantes. Ele terá propulsores de estabilidade e controle automático de altitude com ajuste automático da densidade de gás deve garantir um bom passeio, em comparação com os dirigíveis anteriores. A altura máxima é de 12 mil pés.

Apesar de ainda ser suscetível às variações do tempo, radares meteorológicos e sistemas avançados de previsão do tempo podem garantir uma viagem mais segura.


Fonte: Márcio Baena (Diário do Pará Online) - Imagens: Divulgação

Companhias aéreas da região da Ásia-Pacífico irão adquirir 8.000 novos aviões nos próximos 20 anos

As companhias aéreas da Ásia e da região do Pacífico irão adquirir cerca de 8.000 novas aeronaves de passageiros e de carga ao longo dos próximos 20 anos, de acordo com a Airbus, fabricante européia de aviões. Avaliado em US$ 1,2 trilhão, esse volume representa um terço das entregas globais previstas até 2028 e a região passa a liderar a demanda por aviões grandes. A previsão mais recente da empresa para a região foi apresentada hoje no Singapore Airshow, por John Leahy, Diretor de Operações para Clientes da Airbus.

Para o mercado de passageiros, a Airbus prevê que o tráfego na região crescerá em média 5,9% por ano, enquanto anualmente o tráfego de carga aumentará 6,3%. Essas estimativas se comparam a uma média global de 4,7% para o tráfego de passageiros e 5,2% para o transporte de carga. Como resultado desse crescimento e da contínua renovação da frota, estima-se que a região deva receber cerca de 880 aviões de grande porte, 2.570 aeronaves de corpo largo e corredor duplo e 4.560 aeronaves de corredor único.

A elevada proporção de aviões de maior porte reflete a concentração das populações em torno dos principais centros urbanos da região, que geram um tráfego de alta densidade em rotas inter-regionais importantes e também uma limitação de capacidade dos destinos internacionais na Europa e América do Norte. Enquanto isso, espera-se que a demanda por aeronaves de corredor único na região sofra uma aceleração nos próximos anos, impulsionada pelo crescimento das companhias de baixo custo e pela abertura de novas rotas entre os destinos secundários, especialmente na China, na Índia e no Sudeste Asiático.

No setor de transporte de carga, a região continuará a dominar o mercado global, com a frota de cargueiros operada por companhias aéreas da Ásia-Pacífico apresentando crescimento de cinco vezes seu tamanho atual, chegando a 1.500 aeronaves. Embora muitos desses aviões venham a ser convertidos de modelos de passageiros, a Airbus prevê que cerca de 340 novos cargueiros serão entregues na região durante os próximos 20 anos. Essas entregas serão predominantemente compostas de aeronaves de corpo largo e representarão 40% da demanda global esperada de novos aviões de carga.

Ao apresentar os detalhes da estimativa, John Leahy disse que dentro de 20 anos a região vai ultrapassar os Estados Unidos e a Europa como o maior mercado do mundo de transporte aéreo, quando as companhias aéreas da região transportarão mais de 30% do tráfego global de passageiros e cerca de 40% do total de cargas aéreas.

"Para atender a essa demanda serão necessários aviões maiores, que irão aliviar o congestionamento e obter mais eficiência com menos equipamentos", disse ele. "Para isso, as companhias aéreas da região receberão mais de 40% das aeronaves de dois corredores e serão responsáveis por mais de 50% da demanda por aviões de grande porte, como os A380. Com uma moderna, eco-eficiente e abrangente linha de produtos, incluindo o único avião totalmente inovador do segmento de aeronaves muito grandes, a Airbus estará particularmente bem posicionada para atender às necessidades das companhias aéreas da região".

O mercado da região Ásia-Pacífico é fundamental para a Airbus e representa um quarto de todas as encomendas da empresa até o momento. A região conta, atualmente, com cerca de 1.430 aviões Airbus a serviço de 66 operadores, além de 1.120 aeronaves já encomendadas. Isso representa 32% da carteira de pedidos da empresa e reflete a importância da região como o mercado de aviação civil com o crescimento mais rápido.

A estimativa da Airbus para a região Ásia-Pacífico faz parte do Global Market Forecast, estudo produzido pela empresa, que prevê uma demanda total de quase 25 mil novos aviões de passageiros e de carga, avaliada em US 3,1 trilhões de dólares entre 2009 e 2028. Essa estimativa inclui uma demanda total de 1.700 aviões de porte muito grande, 6.250 aviões de corpo largo e dois corredores e quase 17.000 aeronaves de corredor único.

Fonte: Aviação Brasil

Embaixador dos EUA diz que Boeing está no páreo por venda de caças

Ministros disseram que não há definição ainda, diz Thomas Shannon.

Jornal diz que Lula escolheu caça francês após revisão de preço.


O presidente Luiz Inácio Lula da Silva recebe as credenciais do embaixador dos Estados Unidos, Thomas Alfred Shanon Jr

O novo embaixador dos Estados Unidos no Brasil, Thomas Shannon, afirmou nesta quinta-feira (4), em entrevista coletiva, que a empresa norte-americana Boeing continua na disputa pela concorrência aberta pelo governo brasileiro para a compra de caças para reaparelhar a Força Aérea Brasileira (FAB). "O avião da Boeing é um produto bom, merece atenção do governo do Brasil," disse.

Shannon disse que conversou nesta quinta com os ministros Nelson Jobim (Defesa) e Celso Amorim (Relações Exteriores), que teriam afirmado que o Brasil ainda não definiu se comprará aviões norte-americanos, franceses ou suecos. “Sobre os aviões, o ministro Jobim e o ministro Amorim disseram que não há uma definição ainda do governo do Brasil”, disse o novo embaixador, que tomou posse no cargo nesta quinta.

Reportagem publicada nesta quinta pelo jornal "Folha de S. Paulo" afirma que, depois de uma queda de quase R$ 4 bilhões no valor do pacote de 36 caças, o presidente Luiz Inácio Lula da Silva e o ministro da Defesa optaram pela proposta francesa na negociação de novos aviões para a FAB.

Em nota emitida mais cedo, o comando da FAB já havia afirmado não ter recebido "qualquer comunicação oficial" sobre a suposta compra dos caças franceses pelo governo brasileiro. O ministro Nelson Jobim também negou, em entrevista nesta quinta, que haja uma definição pelos caças franceses.

Relações

O embaixador observou que os EUA têm se empenhado para que a Boeing seja a escolhida, mas destacou que uma eventual não escolha da empresa não afetará as relações com o Brasil.

“É importante observar que França e Suécia são amigos e aliados dos EUA. Isso são relações comerciais, que não vão afetar nossas relações”, garantiu. “Esse é um ato de diplomacia comercial. Obviamente temos grande interesse, mas França e Suécia são aliados e amigos”, completou.

Transferência de tecnologia

Thomas Shannon destacou ainda que a decisão da Boeing de transferir tecnologia para o Brasil é sem precedentes. “Isso mostra a nossa confiança no Brasil.”

Fonte: Diego Abreu (G1) - Foto: Antônio Cruz/ABr

Avião monomotor colide em morro de Campo Largo (PR)

O acidente, que aconteceu por volta das 19h45, foi acompanhado de explosão

Um avião de pequeno porte chocou-se em um morro no município de Campo Largo, na Região Metropolitana de Curitiba, no início da noite desta quinta-feira. Segundo informações da Sala de Imprensa da Polícia Militar, a aeronave teria feito um voo rasante para depois se chocar contra o morro, que fica nas proximidades da estrada Três Córregos, região rural do município.

O acidente, que aconteceu por volta das 19h45, foi acompanhado de explosão, afirmou a PM.

Os bombeiros se deslocaram ao local e ainda não sabem informar sobre a mortos ou feridos por causa desse acidente.

Fonte: Bem Paraná

Decisão é vitória pessoal de Jobim

ANÁLISE

IGOR GIELOW
SECRETÁRIO DE REDAÇÃO
DA SUCURSAL DE BRASÍLIA


O previsível desfecho da novela dos caças, ainda a ser confirmado com assinaturas e compromissos financeiros, consolidou a parceria estratégica entre Brasil e França e foi uma vitória pessoal de seu maior defensor, Nelson Jobim.

Foi ele quem costurou o amplo acordo militar em que o Brasil atrelou sua força de submarinos e helicópteros aos franceses no ano passado, e nunca escondeu que a escolha do vetor de aviação de combate tinha de seguir a mesma lógica.

O ponto central: acesso a tecnologias agora e no futuro, além da abertura de canais que ultrapassam a área militar. A- lém disso, ao atropelar a preferência da FAB, Jobim manteve a consolidação do poder do Ministério da Defesa sobre as Forças Armadas -algo que só começou a ocorrer agora, mais de dez anos depois de sua criação.

Mas a escolha levanta dúvidas sobre a conveniência de manter tal dependência de um só país num campo tão sensível quanto o militar. Agora, serão mais de R$ 30 bilhões a depositar nos cofres franceses. Historicamente, isso não é favorável.

E há a questão básica pela qual a FAB havia preferido o sueco Gripen NG: o Rafale é uma aeronave cara de comprar e, principalmente, de operar. O motivo é justamente o que o governo e a França apontam como vantagem, que é o fato de que o avião não usa tecnologia sensível de nenhum outro país.

Como só é usado hoje pelos franceses, o aparelho sofria de encarecimento por falta de escala industrial. Tudo é feito na França a custos altos. O contrato brasileiro, quando assinado, dá sobrevida ao avião como produto comercial e poderá até baixar seus custos futuros. De todo modo, as reduções de preço propaladas ainda têm de ser vistas em contratos e sob lupa.

A FAB preferia o Gripen também por ser um projeto em desenvolvimento de um caça já existente, que abria mais possibilidades de interação e transferência de conhecimento. O Rafale é um avião pronto.

O F-18 americano é um avião desejado por pilotos e com preço competitivo, mas pesa contra ele o fato de que nunca estaria livre da sombra de embargos eventuais no futuro. Ainda vai demorar para Washington superar essa desconfiança.

Fonte: jornal Folha de S.Paulo

Vitorioso foi o último colocado em avaliação

Além de ter ficado em último lugar na avaliação técnica da Força Aérea Brasileira, que irá operar os novos caças no mínimo pelos próximos 30 anos, o francês Rafale, da Dassault, não foi considerado o melhor em nenhum dos sete critérios finais.

O jato francês foi apontado como a pior opção em cinco desses critérios: técnico, logística, compensações tecnológicas/comerciais, geração de emprego e preço.

O vencedor, o Gripen NG, foi considerado melhor em quatro quesitos: técnico, transferência de tecnologia, geração de empregos e preço.

Seu maior ponto fraco, a ser explorado pelo relatório político elaborado pelo ministro Nelson Jobim, foi o fator "risco", pois se trata de uma evolução do Gripen original, ainda em fase de teste.

Na questão de oferta de empregos, a comissão da FAB ouviu as empresas brasileiras de defesa e avaliou que a proposta da Saab pode gerar 22 mil postos; a da Boeing, 5.000, e a da Dassault, 2.500. Responsável por uma das avaliações externas, a pedido da FAB, a Embraer apontou a proposta sueca como mais estimulante à indústria nacional.

Fonte: Eliane Cantanhêde (jornal Folha de S.Paulo)

Dassault diminui preço, e Lula escolhe caça francês

Valor do pacote de 36 caças cai quase R$ 4 bi, e governo bate o martelo pelo Rafale

Mesmo com redução, avião fabricado pela França custará quase 40% a mais do que o concorrente mais barato, o sueco Gripen


ELIANE CANTANHÊDE
COLUNISTA DA FOLHA


O presidente Luiz Inácio Lula da Silva e o ministro Nelson Jobim (Defesa) bateram o martelo a favor do caça francês Rafale. A decisão foi tomada depois que a fabricante, Dassault, reduziu de US$ 8,2 bilhões (R$ 15,1 bilhões) para US$ 6,2 bilhões (R$ 11,4 bilhões) o preço final do pacote de 36 aviões para a Força Aérea Brasileira.

Mesmo com a redução, os caças franceses têm preço muito superior ao dos concorrentes. Conforme a Folha apurou, a proposta do modelo Gripen NG, da sueca Saab, foi de US$ 4,5 bilhões, e a dos F-18 Super Hornet, da norte-americana Boeing, de US$ 5,7 bilhões.

Além do custo do pacote, que inclui avião, armas, logística e custo de transferência tecnológica, a Dassault estimou que a manutenção dos aviões por 30 anos custará US$ 4 bilhões.

Os valores foram revistos após o presidente Lula anunciar antecipadamente a vitória do Rafale, em setembro. O preço unitário, sempre uma estimativa, era então menor para todos os concorrentes porque o pacote não previa vantagens incluídas na renegociação -como o custo de a Embraer fabricar o caça futuramente.

Norte-americanos e suecos dizem que houve também uma mudança de condições na negociação. Na seleção da FAB, cujo relatório foi finalizado em dezembro, os preços eram fechados e inegociáveis. Pelo documento, o Rafale ficou em último (o Gripen liderou a lista).

Com a redução apresentada a posteriori pela França, o preço ficaria sujeito a alterações futuras, informação que não é confirmada pelo governo.

A redução de US$ 2 bilhões na oferta francesa foi concluída no sábado, quando Jobim passou por Paris na volta de uma viagem a Israel. Deu o aval após reunião com o embaixador brasileiro, José Maurício Bustani.

O secretário de Economia e Finanças da Aeronáutica, brigadeiro Aprígio Azevedo, foi a Paris para participar da negociação. É a FAB quem arca com os custos de manutenção.

A intenção de Jobim, conforme disse à Folha em janeiro, era reavaliar pessoalmente os critérios no relatório técnico da FAB e, após redistribuir o sistema de pesos para cada um, o que poderia mudar o resultado final, levar o relatório próprio ao presidente. A ideia não evoluiu porque o formato do relatório da FAB era muito rígido, e o Rafale não foi o melhor em nenhum dos critérios.

Assim, Jobim estudou o relatório, elaborado em mais de dez meses pela Copac (Comissão Coordenadora do Programa Aeronaves de Combate), e fez, anteontem, uma exposição a Lula para justificar a escolha do Rafale, decidida há meses.


Jobim comunicou a decisão ao comandante da Aeronáutica, brigadeiro Juniti Saito, que, conforme relatos, ficou "desolado", mas determinado a acatar o posicionamento político do Planalto e da Defesa.

Depois de desistir de alterar os pesos dos critérios da FAB, Jobim vai defender a escolha do Rafale contrariando os argumentos técnicos e os meses de estudos, viagens e avaliações dos aviadores da Copac.

A decisão de Lula sobre a escolha é soberana, segundo a Constituição. Governo e Congresso têm de aprovar financiamentos, e o TCU checa as contas. É uma decisão de difícil reversão após assinada.

A base da justificativa vai ser que o F-18 é americano e o Gripen NG tem componentes dos EUA, como o motor, e ambos deixariam o Brasil vulnerável -os EUA já impediram a Embraer de vender os aviões Super Tucano à Venezuela por terem peças americanas.

No caso do Gripen NG, Jobim vai dizer que o avião "é só um projeto" e reúne peças de diferentes países, o que poderia exigir múltiplas negociações para revenda internacional.

A Aeronáutica argumenta que o motor é "apenas mecânico". A aviônica (parte eletrônica) e o sistema de armas ("comunicação" entre o avião e seu armamento), esses sim, poderiam sofrer vetos e restrições.

Nenhum aspecto técnico poderia demover o governo de fechar com a França, decisão tomada no contexto do que Planalto, Defesa e Itamaraty classificam de parceria estratégica.

Fonte: jornal Folha de S.Paulo - Arte: AFP