domingo, 10 de agosto de 2008

Anac eleva indenização por morte e bagagem

A Anac (Agência Nacional de Aviação Civil) reajustou em 188% as indenizações a serem pagas pelas companhias aéreas por morte ou lesão corporal em acidentes aéreos e por perda ou dano à bagagem.

No caso de morte ou lesão, o valor passa de R$ 14.223,64 para R$ 40.950. Para problemas com a bagagem, salta de R$ 609,59 para R$ 1.755.

As empresas têm 180 dias para adequar seus contratos de seguro à resolução. O prazo começou a contar na quinta-feira.

A decisão da Anac foi tomada após recomendação do Ministério Público Federal em SP.

Segundo o Cenipa (Centro de Investigação e Prevenção de Acidentes Aeronáuticos), 2007 registrou um recorde no número de acidentes aéreos e de mortes desde 1999 - foram 99 e 270, respectivamente.

A principal razão para isso foi o acidente com o Airbus-A320 da TAM, que fez 199 vítimas. Neste ano, o Cenipa contabiliza, até 31 de julho, 56 acidentes, com 38 mortes.

A Folha procurou o Snea (Sindicato Nacional de Empresas Aeroviárias). A entidade disse que tentaria achar seu advogado para comentar o assunto, o que não ocorreu até a conclusão desta edição.

Fonte: Folha Online

Relatório sobre acidente da Gol não tem prazo para ser concluído

O relatório do Centro de Investigação e Prevenção de Acidentes Aeronáuticos (Cenipa) com as causas do acidente entre o Boeing da Gol e o jato Legacy ainda levará vários meses para ser concluído. A informação foi repassada por representantes do órgão, que se reuniram neste sábado, em Brasília, com parentes dos 154 mortos no desastre, ocorrido em setembro de 2006.

No encontro, que teve a participação do brigadeiro Jorge Kersul Filho, chefe do Cenipa, e o presidente da Comissão de Investigação de Acidente Aeronáutico, coronel Rufino Antonio da Silva Ferreira, os parentes cobraram a entrega do relatório. Em julho, o ministro da Defesa, Nelson Jobim, havia dito que o documento ficaria pronto em 20 dias.

Os oficiais do Cenipa informaram que, somente na última quinta-feira, o documento foi enviado aos Estados Unidos e ao Canadá para ser avaliado pela comissão que investiga o acidente no exterior. A resposta, de acordo com a legislação internacional, só virá em 60 dias. Após esse prazo, o relatório ainda precisa ser reavaliado pela Aeronáutica antes de ser divulgado, sem um prazo ainda definido.

A presidente da Associação de Familiares e Amigos das Vítimas do Vôo 1907, Angelita de Marchi, considerou a reunião frustrante.

- Eles mostraram os trabalhos realizados até agora, mas não apresentaram nenhuma nova informação que ajudasse a esclarecer as causas do acidente - criticou ela, após sair do encontro.

O Cenipa não constatou problemas no projeto do jato Legacy que bateu no avião da Gol nem encontrou defeitos no transponder (equipamento que previne colisões). O órgão também afirmou não ter encontrado falhas na cobertura do radar nem nos equipamentos de comunicação e vigilância aérea.

- Se não havia nada de errado, então por que houve o acidente? - questionou Angelita.

Quanto aos controladores de vôo, cuja atuação no dia do acidente foi apontada pela Polícia Federal e pelo Ministério Público como uma das causas do desastre, o Cenipa informou que a investigação não obteve avanços. Segundo o órgão, os profissionais que monitoravam o tráfego aéreo no dia do desastre foram orientados pelo advogado de defesa a não falarem.

A Aeronáutica informou ainda que parte do atraso na conclusão do documento se deve à inclusão, em janeiro, dos esclarecimentos dos pilotos norte-americanos Jan Paul Paladino e Joseph Lepore, que conduziam o Legacy e negaram terem desligado o transponder acidentalmente. Como as respostas tiveram de ser acrescentadas, o fim da investigação foi adiado por mais três meses.

- Inicialmente nos haviam prometido a conclusão do documento para abril e que, dois meses depois, o relatório se tornaria público. Desde então, só temos enfrentado atrasos e a falta de respostas - reclamou a presidente da associação dos parentes das vítimas.

Insatisfeita com o andamento dos trabalhos do Cenipa, Angelita disse que famílias dos mortos agora pretendem recorrer ao Ministério Público e à Polícia Federal para buscar mais esclarecimentos e pressionar pela vinda dos pilotos norte-americanos ao Brasil.

- Eles precisam depor no país, em vez de serem apenas ouvidos por carta - argumentou.

Fonte: Agência Brasil

Leia relato de passageiro sobre problema em avião da TAM

A companhia aérea TAM informou em nota que o vôo 8065, que ia de Madri a São Paulo, voltou para o aeroporto Barajas, em Madri, após duas horas e meia de vôo devido a um aviso de inoperância de um dos pilotos automáticos. A empresa disse ainda que a aeronave realizou "um procedimento padrão ao liberar combustível para atingir o peso ideal para o pouso".

Cerca de 190 passageiros terão de esperar até amanhã para embarcar ao Brasil. Despesas de hospedagem, transporte e alimentação serão pagas pela companhia aérea. Um dos brasileiros que estava no vôo, Adam Leite, relatou, por e-mail, à Folha Online o que ocorreu durante o problema na aeronave.

"Decolamos com quase duas horas de atraso (às 15h, 10h no horário de Brasília) após uns 20 minutos taxiando. Trinta minutos depois, o comandante avisou que um problema nos forçaria a retornar para Madri e que seria despejada uma quantidade de combustível para deixar o peso (da aeronave) ideal para o desembarque em São Paulo."

O passageiro ainda relata que o avião permaneceu por 30 minutos "voando em círculos", para que o combustível fosse despejado.

"Feito isso, pousamos novamente em Barajas. Não houve pânico. O pessoal da TAM providenciou o transporte, hospedagem e jantar para todos e marcou o retorno para amanhã no mesmo horário e no mesmo avião", disse Leite.

Durante o alerta local foram mobilizados bombeiros, equipe médica e forças de segurança do Estado destacados no aeroporto, entretanto não foi necessária uma intervenção.

Fonte: Folha de S.Paulo

Anac atualiza valores de indenização por responsabilidade civil

A ANAC - Agência Nacional de Aviação Civil - resolveu atender à Recomendação PR/SP nº 12/08, de 5 de março de 2008, emitida pelo Ministério Público Federal de São Paulo, e atualizou os limites das indenizações decorrentes da responsabilidade civil do explorador do transporte aéreo previstos no Código Brasileiro de Aeronáutica - CBAer. O artigo 281 do CBAer dispõe que, para assegurar a "máxima efetividade da garantia da responsabilidade, vincula os valores de contratação do seguro aos valores referentes aos eventos a serem segurados estabelecidos nos arts. 257, 260, 262, 269 e 277 do CBAer.

Os valores não eram atualizado há mais de dez anos. Na justificativa da Resolução nº 37, a Anac admite que o último Comunicado DECAT-001/95, expedido pelo IRB em 23 de janeiro de 1995, dispunha sobre o quadro de responsabilidades e a tabela de prêmios atualizados, até 30 de novembro de 1994, "para fins de contratação do seguro obrigatório de responsabilidade civil do explorador ou transportador aéreo".

Depois do maior acidente aéreo do País, ocorrido em julho de 2007, o assunto ganhou destaque com as críticas dos familiares das vítimas do Vôo JJ3054 com o airbus da TAM que caiu próximo ao aeroporto de Congonhas. No mês passado, o presidente da Associação das Famílias e Amigos das Vítimas do Vôo JJ3054 (AfavTAM), Dario Scott, afirmou que embora o seguro de Responsabilidade da Empresa de Transporte Aéreo (Reta) já estivesse disponível dias após o acidente, e várias famílias precisassem do dinheiro depois de perder a pessoa responsável por seu sustento, muitas preferiram não receber a quantia por discordar do valor. Segundo ele, o Reta não era corrigido desde 1993.

Ele disse que a reclamação quanto ao valor do Reta já vem desde pelo menos 1996, quando um Fokker 100 da mesma TAM caiu sobre uma rua do bairro Jabaquara, na zona sul de São Paulo, matando 99 pessoas. E se repetiram após o acidente com o vôo 1907 da Gol, em setembro de 2007, no qual morreram 154 pessoas.

Pelo Código Brasileiro de Aeronáutica (CBA), de 1986, em casos de morte ou lesão, as companhias aéreas devem pagar 3.500 Obrigações do Tesouro Nacional (OTN) a cada passageiro e tripulante. A quantia, deduzida depois da indenização paga pela seguradora, pode ser maior caso as partes cheguem a um acordo.

Com a Resolução nº 37, foi adotado o Índice Nacional de Preços ao Consumidor Amplo - IPCA como critério de atualização monetária do valor unitário da OTN. O artigo 3º da resolução determinar que as empresas aéreas têm prazo de até 180 dias para adequar os seus contratos de seguro.

Leia, abaixo, a íntegra da Resolução nº 37 da ANAC:

"AGÊNCIA NACIONAL DE AVIAÇÃO CIVIL
DIRETORIA

RESOLUÇÃO Nº 37, DE 7 DE AGOSTO DE 2008

Dispõe sobre a atualização dos limites de indenização de que trata o título VII do Código Brasileiro de Aeronáutica - CBAer..

A DIRETORIA DA AGÊNCIA NACIONAL DE AVIAÇÃO CIVIL - ANAC, no exercício das competências que lhe foram outorgadas pelo art. 8º, incisos X, XIII, XIV e XLIV, da Lei nº 11.182, de 27 de setembro de 2005,
CONSIDERANDO os termos da Recomendação PR/SP nº 12/08, de 05 de março de 2008, no sentido da atualização dos limites das indenizações decorrentes da responsabilidade civil do explorador do transporte aéreo previstos no Código Brasileiro de Aeronáutica - CBAer;
CONSIDERANDO que a atualização dos limites de indenização previstos no CBAer decorre da própria fixação de valores indexados à Obrigação do Tesouro Nacional - OTN, e ainda da expressão constante dos artigos que tratam da matéria, de que os valores de indenização deverão ser atualizados para a data do pagamento;
CONSIDERANDO a competência desta Agência, prevista no art. 8º, inciso XLIV, da Lei nº 11.182, de 27 de setembro de 2005, para deliberar, na esfera administrativa, quanto à interpretação da legislação, sobre serviços aéreos e de infra-estrutura aeronáutica e aeroportuária, inclusive casos omissos, quando não houver orientação normativa da Advocacia-Geral da União;
CONSIDERANDO que o art. 281, no intuito de assegurar a máxima efetividade da garantia da responsabilidade, vincula os valores de contratação do seguro aos valores referentes aos eventos a serem segurados estabelecidos nos arts. 257, 260, 262, 269 e 277 do CBAer;
CONSIDERANDO que, desde a extinção da OTN até a conversão da moeda para o Real - quando se deixou de explicitar um critério de atualização -, os valores das apólices de seguros foram atualizados por critérios regularmente definidos pelo Brasil Resseguros S.A. - IRB;
CONSIDERANDO o último Comunicado DECAT-001/95, expedido pelo IRB em 23 de janeiro de 1995, dispondo sobre o quadro de responsabilidades e a tabela de prêmios atualizados, até 30 de novembro de 1994, para fins de contratação do seguro obrigatório de responsabilidade civil do explorador ou transportador aéreo; e
CONSIDERANDO a decisão prolatada na Reunião de Diretoria de 05 de agosto de 2008,

RESOLVE

Art. 1º Estabelecer, para efeitos de conversão dos limites de indenização fixados no Título VIII do Código Brasileiro de Aeronáutica - CBAer em valores expressos em moeda corrente, o valor unitário da OTN em R$ 11,70 (onze reais e setenta centavos), considerado na fixação do quadro de responsabilidades previsto no Comunicado DECAT-001/95, atualizado pela Tabela de Correção Monetária para Condenações em Geral - Item 2.1 do Capítulo IV do Manual de Orientação de Procedimentos para os Cálculos na Justiça Federal, aprovado pela Resolução nº 561, de 02 de julho de 2007, do Conselho da Justiça Federal -, que aplica o Índice Nacional de Preços ao Consumidor Amplo Especial - IPCA-E a partir de 01/2001.

Art. 2º Adotar o Índice Nacional de Preços ao Consumidor Amplo - IPCA como critério de atualização monetária do valor unitário da OTN definido nesta Resolução.

Art. 3º Determinar às empresas aéreas que, no prazo de até 180 (cento e oitenta) dias, procedam à adequação dos contratos de seguro de que trata o art. 281 do CBAer, aos termos da presente Resolução.

Parágrafo único. Aplica-se aos eventos ocorridos durante o prazo a que se refere o caput e que ensejem a responsabilização civil do explorador do transporte aéreo a atualização de que trata o artigo 2º, independentemente da adequação dos contratos de seguro.

Art. 4º Esta Resolução entra em vigor na data de sua publicação.
SOLANGE PAIVA VIEIRA
Diretora-Presidente

Confira, no site da ANAC, a legislação básica sobre temas correlatos:

Legislação Básica

CBAer – Código Brasileiro de Aeronáutica (Lei 7.565/86)
Lei do Aeronauta (Lei 7.183/84) e Portaria Interministerial 3.016 / 1988.
Lei de criação da ANAC (Lei 11.182/05)
Decreto 65.144/69
Decreto 5.731/06
Regimento Interno da ANAC (Texto Compilado)

Fonte: Expresso da Notícia

Familiares de vítimas de boeing que caiu em Mato Grosso cobram relatório final de investigação

Ainda aguardando posicionamentos oficiais sobre o segundo maior acidente da aviação brasileira, que resultou na morte de 154 pessoas, em setembro de 2006, no Norte de Mato Grosso, familiares das vítimas do Boeing da Gol, voltam a cobrar as autoridades a entrega do relatório final das investigações. No sábado haveria reunião com o Centro de Investigações e Prevenção de Acidentes Aeronáuticos - Cenipa, em Brasília.

Na pauta estará a cobrança por esclarecimentos do caso. As famílias questionam a contradição entre representantes do próprio governo quanto a divulgação do documento sobre o vôo 1907. Mês passado, o Ministério da Justiça havia dito que poderia ocorrer em 20 dias. Por outro lado, a própria Aeronáutica desmentiu e disse que levaria meses para ser concluído.

O descontentamento foi geral e as declarações não agradaram aos familiares. As promessas feitas à associação das vítimas até o momento não foram cumpridas. Familiares esperam posicionamento da Justiça norte-americana sobre o interrogatório dos pilotos Joseph Lepore e Jan Paladino. Há mais de três meses encaminhadas pela Justiça Federal de Sinop, as 53 perguntas, cada, ainda não foram respondidas. Conforme Só Notícias já informou, também não houve informações sobre a situação atualmente.

Representantes do Brasil querem saber, por exemplo, se os dois analisaram o plano de vôo e se estavam cientes que o percurso previa altitudes – nível 370, nível 360 e nível 380, e por que a aeronave voou sempre no nível 370.

Lepore e Paladino pilotavam o Legacy e seguiam do Rio de Janeiro a Manaus, de onde iriam para os Estados Unidos. No trajeto, o jato colidiu com o boeing, que caiu em uma reserva indígena em Peixoto de Azevedo. Ambos conseguiram fazer pouso forçado na Serra do Cachimbo, e os seis tripulantes saíram ilesos.

Fonte: Só Notícias

Boeing vence concorrência para demonstração das novas funcionalidades do sistema GPS

Boeing assinou um contrato de mais de 150 milhões de dólares com o Laboratório de Pesquisa Naval dos EUA para a demonstração dos conceitos de Alta Integridade do sistema GPS. Os trabalhos deverão ser realizados a partir de 2010.

O projeto de GPS de Alta Integridade combina sinais de satélites do sistema de telecomunicações de órbita baixa Iridium e dos veículos espaciais de órbita média GPS, com o objetivo de melhorar a disponibilidade, integridade e precisão do posicionamento e navegação, tanto para uso militar como civil.

Segundo os pesquisadores, melhorias significativas no sistema GPS podem ser alcançadas com baixo custo, usando sinais de plataformas já existentes e em órbita, como a constelação Iridium, por exemplo.

Equipe

O projeto de GPS de Alta Integridade conta, além da Boeing e da Iridium, com as empresas Phantom Works, Rockwell Collins e Coherent Navigation, além de especialistas da academia.

Fonte: MundoGEO

Jett8 afirma que irá substituir frota de 747 cargueiros

A Jett8 Airlines Cargo, de Cingapura, anunciou que não irá mais incorporar aeronaves Boeing 747-200F (cargueiros) à sua frota. Em substituição, irá adquirir modelos 747-400F, que têm maior capacidade e eficiência no uso de combustíveis.

Atualmente, a companhia tem dois 747-200F em operação, e tinha planos para elevar essa frota para cinco unidades desse modelo até março - o que não foi concretizado dado o aumento nos custos causado pelos altos preços do petróleo. Esses dois aviões são utilizados em rotas ligando Cingapura a Xangai (China), Chennai, Madras e Bombaim (Índia).

A Jett8 inciou suas operações no ano passado, após a compra desses dois 747-200F da japonesa Nippon Cargo Airlines (NCA). Os outros três aviões desse modelo que planejava adquirir também são da NCA.

Segundo a empresa, ela irá se desfazer até outubro de um de seus aviões 747-200F, sendo que o outro será utilizado apenas como apoio para as rotas atuais. A Jett8 opera ainda com um 747-400F obtido a partir de um leasing com a Jade Cargo International. Ele é utilizado na ligação entre Cingapura e Amsterdã (Holanda), Bangalore e Chennai (Índia), Hong Kong e Malmo (Suécia).

No mês de outubro, a empresa irá receber mais um 747-400F, obtido a partir de leasing com uma empresa não identificada, além de esperar receber outros dois no segundo trimestre de 2009.

Fontes: Valor Online / Agências Internacionais

Composto de cloro no solo de Marte surpreende a Nasa

Na Terra, percloratos são encontrados principalmente no deserto de Atacama, no Chile

O instrumento de análises químicas da sonda Phoenix encontrou sinais de percloratos, um tipo de sal comum no deserto chileno de Atacama, no solo da região ártica de Marte. Percloratos, formados por um átomo de cloro e quatro de oxigênio, não são especialmente hostis à vida, segundo os cientistas da Nasa: há plantas que convivem bem com eles, e bactérias que os utilizam em seus metabolismos. Além disso, alguns percloratos têm propriedades anticongelantes, o que levanta a possibilidade de haver pequenas quantidades de água em estado líquido em Marte.

O engenheiro Ramon De Paula, administrador da missão Phoenix, diz, no entanto, que não há comprovação da presença de água líquida na região de Marte investigada pela sonda. "O que vimos, até agora, foi uma coisa gelatinosa que está mudando, de uma foto para a outra", explica ele, referindo-se a imagens do solo marciano feitas pela nave. "Pode ser que o gelo, misturado com o sal, tenha o efeito anticongelante. É possível, mas ainda não foi investigado o bastante. Primeiro, precisamos medir direito o sal". Ele lembra, ainda, que a baixa pressão atmosférica de Marte faz com que o líquido, se houver, evapore muito rapidamente.

De Paula falou com a reportagem do estadao.com.br depois de uma entrevista coletiva convocada para responder a boatos que percorreram a mídia americana no último fim de semana - inclusive o de que a Casa Branca teria recebido um informe especial sobre descobertas feitas no planeta vermelho - e que apresentou os resultados, ainda inconclusivos, sobre o perclorato.

Trincheira escavada pela Phoenix no solo marciano

Tanto Michael Meyer, cientista-chefe do programa de exploração de Marte da Nasa, quanto Peter Smith, principal cientista da Phoenix, afirmaram que a divulgação dos resultados ocorria antes do momento ideal, e só era feita como reação à onda de boatos.

"O processo não está completo. Estamos abrindo uma janela no projeto, mostrando a vocês a ciência enquanto é feita", disse Smith.

A Nasa diz que vinha evitando divulgar a descoberta de percloratos em Marte porque a detecção, feita pelo analisador de microscopia, eletroquímica e condutividade (Meca, na sigla em inglês) - que misturou uma amostra de solo a água levada da Terra, e analisou a solução resultante -, ainda não foi confirmada por outro instrumento, o analisador térmico e de gás evoluído (Tega), que queima amostras em fornos para estudar os gases liberados.

Além disso, os pesquisadores ainda esperavam eliminar a possibilidade de os sinais de perclorato terem sido criados por uma contaminação causada por partículas do combustível do último estágio do foguete que levou a Phoenix a Marte. Essa hipótese de contaminação, disseram os cientistas na coletiva, é tida como "remota".

"Queríamos eliminar as explicações mais improváveis, porque o resultado é improvável", disse o cientista responsável pelo Meca, Michael Hecht. Os pesquisadores consideraram a descoberta de percloratos surpreendente, em vista de resultados anteriores que indicavam que o solo marciano era muito parecido com o terrestre.

A presença de percloratos, segundo Richard Quinn, outro cientista que tomou parte na coletiva, "pode nos dizer muito sobre a história da água em Marte", já que esses sais são altamente solúveis e podem ter sido transportados para seus depósitos atuais por água corrente, no passado. Quinn, que já realizou pesquisas em Atacama, disse ainda que informes feitos anos atrás, de que era impossível encontra vida nesse deserto, já estão superados. "Quando olhamos melhor, vimos vida ao redor do nitrato e do perclorato" típicos da região, declarou.

O perclorato é um oxidante, membro de uma classe de substâncias que costumam ter um efeito corrosivo em outros materiais. Nos anos 70, as sondas Viking, da Nasa, descobriram um forte efeito oxidante no solo marciano, o que levou muitos cientistas a especular que o ambiente marciano seria inóspito demais para suportar vida, ao menos na superfície. Mas Peter Smith disse que os percloratos são um tipo de oxidante diferente. "São muito estáveis e não destroem matéria orgânica. Há micróbios que vivem disso", afirmou.

Além de confirmar em definitivo a presença de percloratos, os cientistas da Nasa ainda têm que determinar quais minerais estão ligados a eles, em quais quantidades, e eliminar de vez a hipótese de contaminação pelo foguete da Phoenix. "Ainda temos muito trabalho pela frente", disse o cientista responsável pelo Tega, William Boynton.

Fonte: estadao.com.br - Foto: NASA

Brasil forma menos pilotos da aviação do que precisa, alerta associação

O Brasil tem um déficit de 40% na formação de pilotos comerciais e mecânicos de avião. Atualmente o país precisa formar 1.000 pilotos por ano, mas só consegue 600. As informações são do presidente da Associação Brasileira de Aviação Geral (Abag), Rui Thomaz de Aquino.

Ele e outros representantes da aviação se reuniram sexta-feira (8) com o ministro da Defesa, Nelson Jobim, para discutir os problemas do setor, como os serviços de taxi aéreo e a aviação de pequeno porte.

“O Brasil vem formando muito menos pilotos do que necessita. Vamos ter problemas a curto prazo para encontrar pilotos para atender os aviões de grande porte”, alertou Aquino.

O principal problema apontado por Aquino para o baixo número de pilotos é a falta de uma política governamental.

“Precisamos criar mais escolas e fomentar a formação [de pilotos e mecânicos]. É muito caro um curso de piloto, e não temos uma política definida de formação de mecânicos”, disse.

Hoje cada hora-aula de vôo custa cerca de R$ 350. Além do custo da hora-aula, Aquino disse que o setor também reclama do preço do combustível.

Ele propõe que o governo reduza os impostos, como a Contribuição de Intervenção no Domínio Econômico (Cide), que incide diretamente nos combustíveis.

O presidente da Abag informou que o ministro da Defesa pediu que fosse feito um levantamento real do déficit e da demanda da formação de pilotos e mecânicos, para que ele pudesse implantar um programa específico para atingir a necessidade do setor.

Segundo Aquino, uma prova de que a demanda por pilotos tem sido maior do que a entrada de novos profissionais no mercado foi a diminuição do tempo de experiência de horas de vôo para contratação de pilotos. Se há três anos as companhias exigiam três mil horas de experiência, hoje, segundo ele, estão contratando pilotos com mil horas de vôo.

Outro problema levado ao ministro da Defesa pelos representantes da aviação geral é a falta de funcionários da Agência Nacional de Aviação Civil (Anac) para fiscalizar todas as aeronaves. “Temos 11 mil aeronaves no setor que necessitam de inspeção, regularização, controle e isso tudo depende da Anac”, disse Aquino, acrescentando que os transportes aéreos regionais e as linhas regulares têm juntos 350 aeronaves.

“Então, [a aviação geral] requer muito mais gente, muito mais demanda de controle de eficiência. Além disso, a aviação regular e a regional atendem a 130 cidades, todo o resto é coberto pela aviação geral”, destacou.

A reunião de hoje foi a terceira de uma série de encontros do ministro Jobim com representantes da aviação civil. Já foram ouvidos os segmentos da avião regional e comercial.

O Ministério da Defesa além de fazer um levantamento dos problemas do setor para apontar soluções, quer criar um canal de interlocução mais ágil entre governo e as empresas.

Fonte: Agência Brasil

Avião da TAM evita pouso em Natal

Apesar do mau tempo, apenas um avião não pousou no Aeroporto Augusto Severo durante a tarde de quinta-feira (07). O vôo TAM 3370 (que fez o itinerário Rio de Janeiro, Belo Horizonte e Brasília) estava previsto para pousar às 15h55, porém, o piloto se viu obrigado a mudar o destino final e seguiu para Recife. O avião sobrevoou cerca de 30 minutos em Natal antes de seguir para a capital pernambucana.

Várias autoridades potiguares embarcaram em Brasília, mas não puderam concluir a viagem para Natal, entre elas a senadora Rosalba Ciarlini e o marido Carlos Augusto Rosado, os deputadores federais João Maia, Betinho Rosado e Rogério Marinho, além do deputado estadual Álvaro Dias e de Anita Catalão Maia, mulher do senador Agripino Maia.

A TAM se dispôs a completar o trecho por via terrestre, porém, nem todos os clientes acataram. O deputado João Maia estava no aeroporto, em Recife, quando atendeu à ligação da TN. “Não quero dormir no aeroporto, se o vôo para Natal atrasar demais, prefiro voltar para Brasília. O meu compromisso era um comício e será humanamente impossível cumpri-lo”.

A ouvidoria da Infraero informou que os aviões previstos para chegar ontem à tarde pousaram normalmente, à exceção do vôo 3370. Dos nove que pousaram em Natal, alguns atrasaram e outros se adiantaram. O que estava previsto para chegar às 16h20 demorou 55 minutos para pousar. Em compensação, o vôo da Trip, que partiu de Fernando de Noronha, chegou uns minutos adiantados.

A atendente informou que os passageiros que não puderam embarcar no vôo TAM 3370 foram encaminhados para um hotel na Via Costeira. A Tribuna do Norte não conseguiu falar com a empresa.

Fonte: Tribuna do Norte

Paraíba reivindica melhoria da TAM

Representantes do Turismo do Estado da Paraíba se reuniram para enviar carta ao presidente da companhia aérea Tam, comandante David Barioni. O objetivo é reivindicar a não suspensão dos vôos 3403 e 3404 da companhia, que deixaram de operar no aeroporto Castro Pinto, localizado em Bayeux, área metropolitana de João Pessoa, desde o dia 30 de julho.

Na carta, assinada pela Secretaria do Turismo e do Desenvolvimento Econômico do Estado da Paraíba, Secretaria de Turismo de João Pessoa, Associação Brasileira das Agências de Viagem (Abav-PB), Associação Brasileira da Indústria de Hotéis (ABIH-PB), João Pessoa Convention Bureau, Sindicado dos Hotéis, Restaurantes, Bares e Similares da Paraíba e Sebrae, aponta motivos como alíquota de ICMS reduzida em 3%, sobre o combustível de aviação, podendo gerar benefícios econômicos relevantes às empresas aéreas.

Uma tabela com informações atualizadas dos vôos 3403 e 3404, contendo taxa de ocupação entre os meses de outubro de 2007 e julho de 2008, e a taxa de ocupação média mensal nesses dez meses, foi anexada à carta comprovando o bom fluxo alcançado pelos vôos.

Foram 69% de ocupação na taxa de embarque e 71% na taxa de desembarque no período em que operou no aeroporto. Os vôos ligavam João Pessoa às regiões Sul e Sudeste, fazendo a rota João Pessoa - Rio de Janeiro - São Paulo - Florianópolis.

Além desta reivindicação, as entidades pediram mais atenção para as diferenças de tarifas existentes entre as passagens com embarque em João Pessoa e Recife, capital de Pernambuco, o que segundo a carta, causa uma diminuição considerável do embarque e desembarque de passageiros utilizando o Aeroporto Internacional Presidente Castro Pinto. Eles pediram justificativa adequada para diferença de 30% a 40% nos preços das passagens entre os dois aeroportos.

Fonte: Mercado & Eventos

Aviões russos bombardearam aeroporto de empresa militar em Tbilisi

Aviões russos bombardearam esta madrugada um aeroporto militar da fábrica de aviação, situada na capital georgiana, sem que deixasse vítimas, informaram fontes oficiais.

É a primeira vez que a aviação russa ataca Tbilisi.

O porta-voz do Ministério do Interior, Shota Utiashvili, assegurou que nos ataques não foram registradas vítimas, embora o aeroporto tenha sofrido severos danos.

Três bombas foram lançadas sobre a pista do aeroporto da fábrica, que produz os aviões georgianos Skorpion, baseados no caça-bombardeiro soviético Su-25.

Segundo fontes georgianas, nos três dias de combates no céu da Geórgia foram derrubados pelo menos 10 aviões russos.

A aviação também bombardeou esta madrugada o distrito georgiano de Zugdidi, na Geórgia Ocidental, segundo comunicou a emissora Imedi.

Por enquanto se desconhece se há vítimas e os danos que tenha podido ter causado o ataque contra essa região, contígua com a separatista Abkházia, cujas tropas entraram na faixa de segurança, controlada pelos "capacetes azuis" russos e se concentram na fronteira com a Geórgia.

As forças abkazes e russas também prosseguem com os ataques, até o momento infrutíferos, no desfiladeiro de Kodori, zona no norte da Abkházia que se manteve leal à Geórgia.

No principal palco de combates, a Ossétia do Sul, as partes reagrupam suas forças após intensos tiroteios e duelos de artilharia durante a noite na região dos montes de Prisa, que dominam a capital da Ossétia do Sul, Tskhinvali.

Apesar da aparente calma, "a situação continua tensa", disse o canal russo de notícias "Vesti-24" o general Marat Kulajmetov, comandante dos "capacetes azuis" russos na região, e acrescentou que "as partes se preparam" para novos ataques.

Também acrescentou que se conseguiu o acordo de evacuar a população civil, tanto da Ossétia quanto da Geórgia, da zona do conflito, à qual se espera proceder por volta de meio-dia de hoje.

Fonte: EFE

sábado, 9 de agosto de 2008

Aprenda como proteger-se em caso de desastres

As emergências costumam nos pegar desprevenidos.

Veja que atitudes podem ajudar a salvar vidas em momentos críticos.

Será que você está realmente preparado para uma emergência? Um sinal disso é seu comportamento durante a simulação de incêndio do seu escritório. Você para de trabalhar e desce todas as escadas a pé até a saída? Ou fica na sua mesa, ignorando o alarme e as orientações da equipe de segurança?

Eu confesso que era uma dessas funcionárias que freqüentemente corta o barato das simulações de incêndio. Mas foi um grande risco para mim mesma. Durante os ataques terroristas de 11 de Setembro, meus escritórios no World Financial Center foram evacuados, mas eu não tinha a mínima idéia de como sair porque nunca tinha usado as escadas durante uma simulação de emergência. Felizmente, um colega de trabalho me mostrou o caminho.

Seja participando de um exercício de simulação de incêndio, conhecendo melhor seus vizinhos ou prestando atenção ao discurso rápido das aeromoças sobre segurança, existem várias atitudes simples que todos nós podemos adotar para melhorar nossas chances em caso de emergência. Apesar de a maioria das discussões sobre o preparo para desastres se concentrar em ações coletivas, a variável mais importante em casos de emergências é nosso próprio comportamento.

Muito do que sabemos sobre sobrevivência em desastres vem de pessoas que passaram por isso. Suas histórias são coletadas em um novo e fascinante livro, "The Unthinkable: Who Survives When Disaster Strikes -- and Why", da editora Crown (algo como “O Impensável: Quem Sobrevive Quando Os Desastres Acontecem – E Por Quê?”, em tradução livre). O livro foi escrito por Amanda Ripley, jornalista que já cobriu enchentes, incêndios e acidentes aéreos para a revista Time.

“Existem por aí pessoas que passaram por desastres e emergências e aprenderam coisas realmente interessantes”, disse Ripley. “Sempre fico impressionada com as histórias deles, mas não fazem parte do nosso debate nacional temas como preparação para emergências e segurança nacional”.

Além de conversar com sobreviventes, Ripley também investiga profundamente a ciência da preparação para emergências e sobrevivência. Uma das principais lições é que o pânico, a negação e o medo podem ser inevitáveis durante um desastre, mas seu cérebro irá funcionar melhor em uma situação extrema se você já absorveu alguns conceitos através de treinamentos.

Simulações

É por isso que a simulação de incêndio é tão importante. Você precisa descer as escadas em direção à saída para que seu cérebro armazene a memória física da experiência.

“Seu cérebro trabalha através de reconhecimento de padrões e durante uma situação extremamente assustadora ele seleciona aquela base de dados em busca de uma instrução”, disse Ripley. “É importante descer as escadas pessoalmente, a pé. Seu cérebro depende dessa memória e responde a ela mais rapidamente e melhor do que somente palavras.”

Um comportamento comum em caso de desastre é a tendência de permanecer na área e tentar levar coisas. Seja um edifício em chamas ou uma emergência no avião, as pessoas muitas vezes se movem surpreendentemente devagar e encontram motivos para atrasar o processo de evacuação. Ripley conta a história de uma mulher que, durante os ataques de 11 de setembro, ficou à toa em sua mesa de trabalho e pegou o livro que estava lendo, antes de sair do escritório. Até mesmo em aviões em chamas, onde os passageiros têm apenas alguns minutos para agir, antes que a fumaça se torne tóxica, algumas pessoas freqüentemente abrem os compartimentos acima dos assentos para retirar sua bagagem.

No entanto, estar ciente desse “instinto de levar as coisas” pode ajudar você a superá-lo. “É preciso se mover rapidamente, mas esse não será seu primeiro impulso”, disse Ripley.

O comportamento de grupo em um desastre também é surpreendentemente previsível.

Apesar de existirem casos de pânico e fuga desesperada, a resposta mais comum é a do “pensamento em grupo”, afirma Ripley. As pessoas ficam juntas, seguem umas às outras e são civilizadas e aflitivamente devagar durante evacuações.

As pessoas também tendem a se ater aos seus papéis. Passageiros ouvem atentamente aos comissários de bordo; clientes ouvem os garçons e outros empregados. No incêndio do Beverly Hills Supper Club, em Southgate, Kentucky, em 1977, os clientes esperaram as instruções da equipe. Em entrevistas após a tragédia, na qual morreram 165 pessoas, 60% dos funcionários disseram que tentaram ajudar na evacuação e no resgate, mas apenas 17% dos clientes confirmaram essa atitude.

O líder

Uma pessoa que assume um papel de liderança em um desastre será invariavelmente obedecida. Naquele incêndio, centenas de vidas foram salvas por um ajudante de garçom que berrava ordens para a clientela de ricos, indicando onde e como evacuar a área. A noiva ficou responsável por evacuar os convidados durante a recepção do seu casamento.

Pequenas atitudes em um desastre podem aumentar suas chances de sobrevivência. Para passageiros de companhias aéreas, contar o número de fileiras entre seu assento e as saídas de emergência. Em caso de evacuação, a fumaça e a escuridão podem fazer com que seja difícil achar a saída. Ouça os comissários de bordo e leia o cartão de instruções cada vez que for voar, para que seu cérebro esteja programado para responder a essas situações.

Há duas décadas, Dr. Fred Helpenstell, cirurgião aposentado de Nampa, Idaho, sobreviveu a um acidente de avião em Denver que matou 28 pessoas. Enquanto sentia que o avião se inclinava, Helpenstell adotou a posição recomendada, protegendo sua cabeça, enquanto a parte do avião em que estava era esmagada. “A única coisa importante no cartão de instruções é a posição para quedas – colocar suas mãos em cima da cabeça, inclinar a cabeça para baixo e se preparar para rolar”, disse Helpenstell. “Não sei se isso era tecnicamente necessário, mas é um bom reflexo”.

Existem várias formas de se preparar para ameaças mais comuns, como incêndios, enchentes e outras emergências. Participe de treinamentos e simulações em casa e no trabalho. Tenha o hábito de trocar as baterias do seu detector de fumaça de forma programada, como todo dia 1º de cada mês ou cada vez que você trocar a lâmpada mais próxima dele. E conheça seus vizinhos, que podem ser um elemento muito valioso em caso de emergências.

“Precisamos entender que nossa própria sobrevivência também depende de nós”, diz Ripley. “Quem vai estar lá no momento de emergência é você, seus colegas de trabalhos e seus vizinhos, não os pára-quedistas da segurança nacional. Quanto mais confiança você tiver antes que esses eventos aconteçam, menos debilitante será o medo e melhor será seu desempenho”.

Por: Tara Parker-Pope (New York Times)

Avião retornou a Madri porque piloto automático não funcionava, diz TAM

Aeronave deixou capital espanhola às 10h33, e retornou após decolagem.

TAM classifica falha como 'inoperância de um dos pilotos automáticos'.

O Airbus A330 que retornou ao aeroporto. Na foto, em Madri em dezembro de 2007. Clique sobre a foto para vê-la em tamanho maior.

A companhia aérea TAM confirmou por meio de nota à imprensa que uma aeronave que ia nesta sábado (9) de Madri para São Paulo precisou retornar à capital espanhola pouco depois de decolar do Aeroporto Internacional de Barajas devido a problemas apresentados pelo avião.

O motivo, segundo a TAM, foi a "inoperância de um dos pilotos automáticos". O destino da aeronave Airbus A330-223, prefixo PT-MVE, que realizava o vôo 8065 era o Aeroporto Internacional de Guarulhos, na Grande São Paulo.

De acordo com a companhia aérea, os 192 passageiros já desembarcaram e serão acomodados em hotéis.Eles devem partir para o Brasil novamente na manhã de domingo (9).

Fonte: Assessoria de Imprensa (TAM) - Foto: Diego Ruiz de Vargas

Outra aterrissagem de "barriga" na Colômbia

Acima: simulação do acidente

No sábado, 02 de agosto, às 14:30 (hora local) um avião bimotor Piper PA-31-325, de bandeira norte-americana, prefixo N78WW (31-7812045), sofreu uma falha técnica no trem de pouso no momento em que aterrissava no Aeroporto Internacional Arturo Michelena (SVVA), em Valencia, na Venezuela.

Os dois ocupantes da aeronave saíram ilesos. O avião sofreu danos na parte inferior da fuselagem.

Os ocupantes eram Mario Martínez, de 59 anos (piloto) e José Ruit, de 58 anos (co-piloto).

A aeronave permaneceu mais de cinco horas na pista até ser removida. Durante esse periodo o aeroporto esteve fechado para o tráfego aéreos.

Fonte: Diario Notitarde

Pequeno avião cai na pista na Colômbia ao fazer pouso forçado

Na sexta-feira (08), um avião Beech King Air 200, prefixo HK3704, registrado para a Riosur , caiu "de barriga" na pista do Aeroporto El Dorado, em Bogotá, na Colômbia, logo após decolar com destino a Girardot.

Problemas com o trem de pouso obrigaram o piloto a aterrissar de emergôncia às 13:25 (hora local). Sua destreza e a atenção dos serviços de socorro, uma vez em terra, evitaram um acidente maior.

Segundo a Aeronáutica Civil, os quatro ocupantes saíram ilesos.

O corpo técnico da Aerocivil está investigando as causas que resultaram nessa emergência.

Fonte: El Colombiano

Aeródromo em Fortaleza está regularizado

População do bairro reclama da presença de aeronaves decolando, pousando e voando baixo, próximos aos telhados

Cabeceira da pista: ao longo dos 12 anos de funcionamento do Aeródromo Feijó, no bairro Siqueira, zona sul de Fortaleza, foram surgindo casas no entorno da pista e os moradores vivem temedo novos acidentes.

O Aeródromo Feijó — local de onde decolou o ultraleve que caiu na manhã da última terça-feira, no Siqueira, ferindo piloto e co-piloto — funciona há 12 anos no bairro, disponibilizando sua pista, de aproximadamente 700 metros, para pilotos de recreio operarem suas aeronaves. Sua regulamentação, segundo a proprietária Socorro Feijó, está em dia. A informação também é confirmada pelo comandante do Destacamento de Controle do Tráfego Aéreo (Dtcea) da Base Aérea de Fortaleza, capitão Mamede.

“Existe um circuito de tráfego aéreo exclusivo para o Aeródromo Feijó. Além disso, os pilotos possuem rádio de informação bilateral para informar eventuais entradas no espaço aéreo controlado”, informou o comandante do Dtcea.

Além da pista, o aeródromo também disponibiliza hangares, oficinas para manutenção e cursos. “Somos fiscalizados e vistoriados, uma vez por ano, pela Anac (Agência Nacional de Aviação Civil). Nossa função é apenas ceder o espaço. As aeronaves são de responsabilidade dos pilotos”, argumentou Socorro Feijó.

Para a população que reside nas proximidades do Aeródromo Feijó, o constante movimento de aeronaves sobre as casas incomoda. “Eu acho muito perigoso. Estamos numa área residencial. Moro aqui há dois anos e, nesse tempo, já aconteceram dois acidentes. Os aviões ou ultraleves passam muito baixo e o barulho incomoda quem tem crianças. Quero me mudar daqui. Estou vendendo a casa, mas acho difícil quererem comprar”, comentou a vendedora Patrícia Pires.

Para o segurança Márcio Antônio Oliveira, um dos moradores mais antigos da área, a presença do aeródromo prejudica o desenvolvimento do bairro. “Moro há sete anos aqui e vejo muita gente brigar para construir o segundo andar das casas. Por conta dos aviões, já teve até polícia mandando parar de construir os andares de cima. Teve gente que desistiu das obras. Até os postes tiveram que ser retirados”.

Oliveira diz que o surgimento de casas em volta do aeródromo é recente e o número de residências deve aumentar. “Aqui tem vários loteamentos novos. O Paraíso Verde fica encostado na cabeceira da pista e o Sumaré ao lado do muro do aeródromo”, completa.

De acordo com Socorro Feijó, proprietária do aeródromo, quando a pista começou a funcionar a área era isolada. “Estamos há 12 anos aqui. Só depois surgiram casas, com construções irregulares e ligações clandestinas de energia”.

Regulamentação

A Anac informou, através de sua assessoria de imprensa, que o processo de implantação de aeródromos é rigoroso e envolve estudos técnicos da estrutura e localização. Para obter o registro de aeródromo privado e abrir o tráfego aéreo, além de manter condições técnicas e receber vistorias anuais, os proprietários devem informar, trimestralmente, o movimento de aeronaves, identificando as respectivas matrículas, data e horário de operação.

A agência tem acesso a todas as características dos aeródromos, como denominação, classe e tipo, nome do proprietário, município e unidade da federação onde está localizado, coordenadas geográficas, designação, dimensões, natureza e resistência do piso da pista.

O cancelamento do registro dos aeródromos acontece nas seguintes situações: quando o aeródromo deixar de satisfazer, em caráter permanente, as condições para as quais foi registrado; quando não tiver sido renovado; por razões de Segurança do Tráfego Aéreo ou de Segurança Nacional; caso venham ser implantadas edificações ou outras estruturas que interfiram nos gabaritos dos Planos de Zona de Proteção ou Zoneamento de Ruído.

REGRAS

Vôo de ultraleve é realizado por responsabilidade dos pilotos

A aeronave do modelo Quasar, com a qual voavam o piloto Cícero Cândido Lima Filho e o co-piloto Pompeu Costa Souza, era um ultraleve, modelo considerado experimental. O valor de mercado desse tipo de avião é de aproximadamente R$ 140 mil.

Os ultraleves são aeronaves de baixas velocidade, capacidade de carregamento, potência e de baixos peso e custo. Segundo a resolução RBHA103A da Agência Nacional da Aviação Civil (Anac), para ser considerado ultraleve, o avião deve pesar menos de 750 kg, voar com velocidade máxima de 45 nós, possuir apenas um motor, transportar no máximo duas pessoas. Sua operação só pode ser realizada em condições climáticas e visuais adequadas e é proibida a sua utilização em atividade comercial.

Por ser experimental, todos os vôos em aeronaves desse tipo são de inteira responsabilidade e risco dos pilotos.

Permissão

Para pilotar um ultraleve, o piloto deve possuir, obrigatoriamente, duas documentações: o Certificado Médico para Pilotagem de Ultraleve (CMPU), expedido por clínicas de saúde credenciadas pela Anac; e a Certidão de Piloto de Recreio, emitida exclusivamente pela mesma Agência.

A certificação só é obtida após a realização de cursos teóricos e práticos e a aprovação em testes. A parte teórica envolve cinco módulos: meteorologia; navegação, teoria de vôo, legislação da aviação e conhecimentos técnicos.

Já o curso prático, só pode ser realizado por um instrutor credenciado pela Anac. Depois de adquirida alguma experiência, o piloto faz 20 horas de vôos, com todas as manobras permitidas para a aeronave, sob a supervisão de um checador.

Fonte: Diário do Nordeste - Foto: João Luiz

Qantas receberá primeiro superjumbo A380 em setembro

A Qantas, maior companhia aérea da Austrália, anunciou hoje que receberá o primeiro dos 20 superjumbos A380 que encomendou à fabricante Airbus no dia 19 de setembro deste ano.

A empresa aguarda a entrega de duas outras unidades ainda em 2008.

Em comunicado, a Qantas divulgou que o A380 entrará em operação no dia 20 de outubro, cumprindo a rota Melbourne-Los Angeles. As companhias aéreas Singapore Airlines e a Emirates Airline já utilizam o superjumbo em suas operações comerciais.

No início de julho, o periódico Nikkei divulgou que a All Nippon Airways (ANA), companhia aérea japonesa, estuda adquirir cinco unidades do A380. De acordo com o jornal, a ANA deve anunciar uma decisão oficial acerca da compra ou não das aeronaves, que custaria em torno de 100 bilhões de ienes, a partir de setembro.

Fonte: InvestNews

Convênio com Ministério da Defesa assegura dois Bandeirante para MS

Convênio firmado entre o Ministério da Defesa e o governo do Estado de Mato Grosso do Sul garantiu a cedência gratuita de duas aeronaves Bandeirante Embraer 110, que farão parte do patrimônio estadual pelos próximos cinco anos. Uma das aeronaves já será entregue ao governo do Estado amanhã. A outra está em fase final de manutenção no Parque de Material Aeronáutico dos Afonsos, Comando da Aeronáutica, localizado no Estado do Rio de Janeiro.

Apesar do convênio assinado garantir a doação pelo prazo de cinco anos, o Ministério da Defesa já assegurou que ao término do período será formalizado o processo para doação definitiva das aeronaves a Mato Grosso do Sul. Os Bandeirante tem autonomia de vôo de cinco horas e capacidade para transporte de 12 pessoas. Com as novas aeronaves o governo pretende economizar com combustível e manutenção, em razão da diminuição do uso freqüente de aviões de pequeno porte.

Além disso, os novos aviões proporcionam maior conforto e rapidez nos vôos, especialmente os mais longos, maior capacidade de transporte de passageiros e cargas e poderão atuar em missões civis, policiais de segurança pública e defesa civil.

Fonte: Notícias MS (05/08/08)

Avião com quatro ocupantes cai na Suécia. Todos escapam ilesos.

Uma aeronave bimotor Diamond 42, com quatro pessoas a bordo, caiu na floresta de Vinsta perto de Estocolmo, na Suécia, ao meio dia de sexta-feira (08). As quatro pessoas sofreram ferimentos leves.

O avião estava sendo usado por uma escola de aviação. Eles tinham acabado de decolar do Aeroporto Stockholm Bromma, quando o piloto percebeu que o avião apresentava problemas no motor, solicitou permissão para retornar ao aeroporto.

Os serviços de emergência receberam a chamada e, alguns minutos depois, soberam que o avião tinha caído.

De acordo com o serviço de salvamento (Räddningstjänst), em Estocolmo os danos sofridos não são tão graves como parecem. O piloto tem mais ferimentos graves do que os passageiros.

Uma multidão de curiosos se reuniu no local do acidente e a polícia isolou a área de modo a que o uma comissão de inquérido do Estado (Haverikommissionen) possa realizar uma inspeção.

Nenhuma edificação foi danificada no acidente e nenhuma pessoa em solo correu qualquer risco.

Fonte: The Local (Suécia)

Rússia confirma perda de dois aviões na Ossétia do Sul

O ministério russo da Defesa confirmou neste sábado que dois de seus aviões militares foram derrubados nos combates com a Geórgia no território separatista georgiano da Ossétia do Sul.

"Hoje, o lado russo perdeu dois aviões", disse apenas o porta-voz do ministério russo, Anatoli Nogovitsyn, em um discurso transmitido ao vivo pela televisão.

Os aviões são um caça Su-25 e um bombardeiro Tu-22, segundo um representante do Estado-Maior das forças russas de manutenção da paz na Ossétia do Sul, citado pela agência Interfax.

Já o vice-ministro da Defesa da Geórgia, Baru Kutelia, disse que o país derrubou sete aviões russos.

Fonte: AFP

Tbilisi afirma ter derrubado dez aviões russos

Nos dois dias de ataques aéreos contra a Geórgia foram derrubados dez aviões russos, afirmou hoje Aleksander Lomaya, secretário do Conselho de Segurança Nacional da Geórgia.

"Temos pleno controle sobre Tskhinvali (a capital da Ossétia do Sul) e lançamos uma ofensiva contra as tropas russas ocupantes. Não há choques diretos, eles fogem", assegurou Lomaya à emissora de rádio georgiana "Imedi".

Na sexta-feira passada Temur Yakobashvili, ministro de Reintegração georgiano, disse que as forças georgianas tinham abatido quatro aparatos russos e dispunham de provas indubitáveis.

A parte russa em nenhum momento confirmou suas baixas aéreas nem o fato mesmo dos bombardeios.

"O senhor Yakobashvili se equivoca, se trata, pelo visto, de 400 aviões", comentou sarcástico o Ministério de Defesa russo, citado pela agência russa "Interfax".

Esta madrugada, segundo fontes georgianas, aviões russos voltaram a atacar o porto georgiano de Poti e a base militar na cidade georgiana de Senaki, situadas ambas a grande distância da região de conflito na Ossétia do Sul.

Fonte: EFE

sexta-feira, 8 de agosto de 2008

Varig recebe primeira de sete aeronaves Boeing previstas para agosto

A Varig anunciou que irá receber sete aeronaves 737NG neste mês de agosto. A primeira delas foi entregue nesta semana. Segundo a Gol, controladora da empresa, esses aviões fazem parte do plano de renovação da frota da companhia, que até o final do ano terá substituído todos os seus 737s mais antigos e 767-300s por aeronaves mais modernas e econômicas.

São quatro Boeing 737-700 e três Boeing 737-800 SFP, as aeronaves mais seguras e confortáveis da classe, com baixos custos com manutenção, combustível e treinamento, e altos índices de utilização e eficiência , afirmou o vice-presidente técnico da Gol, Fernando Rockert de Magalhães.

Segundo a controladora, a Varig está no estágio final de seu plano de renovação de frota. Na terça-feira (07), a própria Gol divulgou mudanças em seu programa de frota, anunciando que irá receber menos aeronaves neste ano e em 2009 do que inicialmente previsto ao fim de 2007.

Fonte: José Sergio Osse (Valor Online)

Embraer anuncia reestruturação e demite 250

Empresa diz que manterá previsões de entrega de aeronaves.

Companhia aeronáutica teve lucro de R$ 176 milhões no segundo trimestre.


A Embraer confirmou nesta sexta-feira (8) uma reestruturação no seu quadro de funcionários em posições de gerência e de funções administrativas, que resultou em redução de 250 pessoas na folha de pagamento.

Em informe ao mercado, a companhia indica apenas que continua firme no processo de expansão e melhoria de seus resultados. A empresa também confirma suas previsões de entregas de aeronaves e projeções econômicas divulgadas antes.

Avanço do lucro

O balanço da empresa referente ao segundo trimestre deste ano, divulgado na semana passada, apontou lucro líquido de R$ 176 milhões, o que representa uma alta de 121% sobre o ganho obtido mesmo período de 2007, de R$ 79 milhões. A receita líquida aumentou 23% na comparação trimestral e alcançou R$ 2,69 bilhões.

No primeiro semestre, a empresa entregou 97 aviões, com alta de 59% ante 2007. Para o ano inteiro, a empresa espera entregar entre 195 e 200 jatos, além de 10 a 15 jatos Phenom 100.

Mudanças no sistema

Em matéria publicada hoje, o jornal "Valor Econômico" diz que a empresa está implementando mudanças em seu sistema de produção. A idéia é tornar a linha de produção mais parecida com a usada pela indústria automobilística, dentro do modelo chamado lean, em que se reduz o nível de estoques. Em alguns meses, por exemplo, a empresa terá o seu primeiro robô, encarregado da perfuração das asas do modelo Phenom, a nova aeronave executiva.

Em nota distribuída à imprensa na quinta, a Embraer havia confirmado que haveria ajustes em sua estrutura organizacional afetando posições de gerência e administrativas. A empresa lembrou que este movimento ocorre com relativa freqüência em organizações industriais de grande porte.

Fonte: Valor OnLine

Rússia diz ter atacado tropas da Geórgia na capital da Ossétia do Sul

Caças russos atacam a Geórgia

Soldados russos atacaram tropas da Geórgia nesta sexta-feira (8) em Tskhinvali, capital da província separatista georgiana da Ossétia do Sul, segundo agências russas.

"Posições do exército russo que estavam atirando contra Tskhinvali e forças de paz foram suprimidas pela artilharia e por tanques do 58º Exército russo", disse o comandante russo Igor Konashenkov a uma TV russa.

Ele também disse que os exércitos russos iriam "responder firmemente" se o exército da Geórgia tentasse abrir fogo.

O presidente da Geórgia, Mikheil Saakashvili, disse que o ataque russo matou 30 georgianos, mas negou o recuo e afirmou que as tropas do país ainda controlam a capital da Ossétia do Sul e as vilas ao seu redor. Mas os separatistas contestam a versão e dizem que ainda controlam a cidade.

A secretária norte-americana de Estado, Condoleezza Rice, pediu que a Rússia "respeite a integridade territorial da Geórgia" e retire imediatamente as suas tropas do solo georgiano. Gonzalo Gallegos, porta-voz do departamento, disse que os EUA mandaram um enviado à região para negociar com as partes em conflito.

A Geórgia também anunciou que vai retirar mil soldados que estão no Iraque para ajudar a combater as forças russas na Ossétia do Norte. A informação é do chefe do Conselho de Segurança do país, Kakha Lomaia.

"Nós já comunicamos nossos amigos americanos que vamos retirar metade do contingente do Iraque porque estamos sob agressão russa", disse à Reuters. Segundo ele. vai ser necessária ajuda norte-americana para transportar as tropas por via aérea.

Tropas georgianas atacam a região separatista desde quinta-feira, com a ajuda de tanques e aviões de guerra. Segundo o presidente da Ossétia do Norte, Eduard Kokoity, o número de civis mortos chega a 1.400.

O ministério russo da Defesa disse que os reforços foram enviados à Ossétia do Norte para "proteger as tropas russas de paz e os cidadãos da Geórgia". Segundo a Rússia, 12 soldados russos morreram e 150 ficaram feridos nos conflitos. O governo da Geórgia informou ter abatido cinco caças russos, informação não confirmada pela Rússia.

A Rússia também informou que vai cortar todas as conexões aéreas com a Geórgia a partir deste sábado (9).

O presidente georgiano criticou a Rússia pela incursão e disse que os russos estão "em guerra" contra a Geórgia.

"Isso é uma clara invasão do território de um outro país. Temos tanques russos em nosso território, aviões em nosso território em plena luz do dia", disse Mikheil Saakashvili.

Segundo fontes da Geórgia, a aviação russa também teria bombardeado a base militar de Kakha Lamaia, a 25 quilômetros de Tbilisi, capital do país. Três pessoas morreram em outro ataque, ao aeroporto de Marneuli, segundo o Ministério do Interior.

'Limpeza étnica'

Um correspondente da Reuters disse que o barulho dos aviões e das explosões era ensurdecedor a mais de três quilômetros de distância da cidade de Tskhinvali. Muitas casas estavam em chamas.

Andrei Chistyakov, correspondente da emissora de TV russa Vesti-24, disse ter visto que pelo menos 15 civis foram mortos em Tskhinvali, onde milhares de pessoas se refugiaram em porões.

"Estas são as pessoas cujos corpos foram vistos nas ruas e em seus quintais", disse por telefone.

O ministro de Relações Exteriores da Rússia, Sergei Lavrov, disse ter recebido relatos de que cidades na Geórgia teriam sido alvo de "limpeza étnica". Segundo ele, o número de refugiados cresce, e o pânico é crescente na província.

O Acnur (Alto Comissariado da ONU para Refugiados) disse ter recebido relatos de que há milhares de pessoas que tiveram de deixar suas casas na região.

A crise com a Geórgia é a primeira que o novo presidente russo Dmitry Medvedev enfrenta desde que assumiu o cargo, em maio. Ela desperta temores de uma guerra na região, que está se tornando uma importante rota para o trânsito de energia. Tanto a Rússia quanto o Ocidente tentam influenciar a área.

Análise: Geórgia conta com apoio do Ocidente

Repercussão diplomática

O Pentágono informou que está "monitorando de perto" a situação na região e que manteve contato com autoridades da Geórgia, mas não recebeu pedido de ajuda.

O ministro das Relações Exteriores da Rússia, Sergei Lavrov, pediu aos Estados Unidos que persuadam a Geórgia a parar com o que Moscou chamou de "agressão" contra a Ossétia do Sul

O ministério informou que Lavrov conversou três vezes com a secretária de Estado, Condoleezza Rice, por iniciativa dos Estados Unidos.

Ao mesmo tempo, um diplomata belga confirmou à France Presse que o Conselho de Segurança da ONU vai reiniciar as conversações de emergência sobre o conflito na região.

A União Européia pediu às partes em conflito o "fim imediato das hostilidades" e o íncio de uma cooperação "sem demora" com a missão da Organização para a Segurança e a Cooperação na Europa (OSCE) para retomar as negociações.

Fontes: G1 / AFP / EFE / Reuters - Fotos: Guardian

Cinco aviões russos abatidos pelas forças da Geórgia

Pelos menos cinco aviões militares russos foram abatidos por caças georgianos, afirmou nesta sexta-feira à AFP o porta-voz do ministério do Interior da Geórgia, Chota Utiashvili.

"Uma batalha feroz está sendo travada em Tsjinkvali", a capital da região separatista pró-russa da Ossétia do Sul, onde os georgianos lançaram uma ofensiva.

A Rússia, por sua vez, anunciou a interrupção de todas suas conexões aéreas com a Geórgia a partir deste sábado, às 00H00 (sexta, 17H00 de Brasília), segundo o ministério russo dos Transportes citado pelas agências RIA-Novosti e Interfax.

Fonte: AFP

Azerbaijan Airlines fecha compra de quatro aviões da Boeing

A Azerbaijan Airlines, do Azerbaijão, anunciou a compra de dois aviões 737-900ERs da Boeing, além de dois 767-300ERs da mesma fabricante. O pedido, a preços de tabela, tem valor total de US$ 449 milhões. Um dos 767s, segundo a Boeing, foi adquirido em substituição a um pedido anterior da companhia de um 787 Dreamliner.

Com esta compra, a Azerbaijan tem pedidos para oito aeronaves da Boeing, quatro 737s, dois 787s e dois 767s.

Estamos ansiosos em estabelecer nossa frota de Boeings com esses novos 737s e 767s para atenderá à contínua demanda por viagens aéreas em nossa região, disse o presidente da companhia aérea, Jahangir Askerov. O pedido de hoje é mais um passo à frente em nosso forte relacionamento com a Boeing, acrescentou.

Fonte: José Sergio Osse (Valor Online)

Geórgia afirma ter tomado controle da capital da Ossétia do Sul

O governo da Geórgia anunciou nesta sexta-feira (8) ter tomado militarmente Tskhinvali, capital da província separatista da Ossétia do Sul.



O anúncio foi feito por Temur Yakobashvili, ministro da reintegração. Ele também disse que as forças da Geórgia abateram quatro aviões russos que entraram em seu território.

Tropas georgianas atacam a região separatista desde quinta-feira, com a ajuda de tanques e aviões de guerra. O líder separatista Eduard Kokoity disse à agência russa Interfax que o ataque das tropas da Geórgia matou centenas de civis em Tskhinvali.

Ao mesmo tempo, tropas russas entraram no território georgiano para coibir os ataques. O comandante russo Igor Konashénkov disse que unidades do exército russo estão se aproximando de Tskhinvali.

O ministério russo da Defesa disse que os reforços foram enviados para "proteger as tropas russas de paz e os cidadãos da Geórgia". Segundo a Rússia, dez soldados russos teriam sido mortos nos conflitos.

Mapa mostra a região do conflito

Segundo fontes da Geórgia, a aviação russa teria bombardeado a base militar de Kakha Lamaia, a 25 quilômetros de Tbilisi, capital do país. Três pessoas morreram em outro ataque, ao aeroporto de Marneuli, segundo o Ministério do Interior.

O presidente georgiano, Mikheil Saakashvili, criticou a Rússia pela incursão e disse que os russos estão "em guerra" contra a Geórgia.

"Isso é uma clara invasão do território de um outro país. Temos tanques russos em nosso território, aviões em nosso território em plena luz do dia", disse.

Na Ossétia

Um correspondente da Reuters disse que o barulho dos aviões e das explosões era ensurdecedor a mais de três quilômetros de distância da cidade de Tskhinvali. Muitas casas estavam em chamas.

Combatentes da Ossétia do Sul tomam posição em floresta próximo à capital da região, Tskhinvali.

Andrei Chistyakov, correspondente da emissora de TV russa Vesti-24, disse que pelo menos 15 civis foram mortos em Tskhinvali, onde milhares de pessoas se refugiaram em porões.

"Estas são as pessoas cujos corpos foram vistos nas ruas e em seus quintais", disse por telefone.

O ministro de Relações Exteriores da Rússia, Sergei Lavrov, disse ter recebido relatos de que cidades na Geórgia estariam sendo alvo de "limpeza étnica". Segundo ele, o número de refugiados cresce, e o pânico é crescente na província.

O Acnur (Alto Comissariado da ONU para Refugiados) disse ter recebido relatos de que há milhares de pessoas que tiveram de deixar suas casas na região.

A crise com a Geórgia é a primeira que o novo presidente russo Dmitry Medvedev enfrenta desde que assumiu o cargo, em maio. Ela desperta temores de uma guerra na região, que está se tornando uma importante rota para o trânsito de energia. Tanto a Rússia quanto o Ocidente tentam influenciar a área.

A Otan, a União Européia e os Estados Unidos, forte aliado da Geórgia, fizeram um apelo pelo fim do derramamento de sangue.

Em Pequim

O presidente dos EUA, George W. Bush, e o premiê russo, Vladimir Putin, discutiram os combates na Geórgia nesta sexta-feira em Pequim, onde estão para acompanhar a abertura dos Jogos Olímpicos. "Eles discutiram a situação", disse Gordon Johndroe, porta-voz americano, sem acrescentar mais detalhes.

O Pentágono informou que está "monitorando de perto" a situação na região e que manteve contato com autoridades da Geórgia, mas não recebeu pedido de ajuda.

O provável candidato republicano à Presidência dos EUA, John McCain, disse que os EUA deveriam apelar ao Conselho de Segurança da ONU para que a Rússia desista das ações na Geórgia.

Fonte: G1 com Agências - Foto: AP - Arte: G1

Geórgia diz que derrubou 2 aviões russos sobre seu território

O presidente georgiano, Mikheil Saakashvili, acusou a Rússia na sexta-feira de fazer uma incursão em território georgiano e afirmou que blindados russos entraram na região separatista da Ossétia do Sul.

"Cento e cinquenta tanques russos, blindados e outros veículos entraram na Ossétia do Sul", disse ele em pronunciamento à imprensa.

"Isso é uma clara invasão do território de um outro país. Temos tanques russos em nosso território, aviões em nosso território em plena luz do dia", disse.

"Tenho de dizer a vocês que as forças georgianas abateram dois caças russos sobre território da Geórgia", acrescentou sem dar mais detalhes.

Fonte: Reuters

Ameaça de bomba ligada aos Jogos faz avião da Air China voltar ao Japão

Um avião da companhia aérea Air China deu hoje a volta em pleno vôo e retornou ao Japão depois que a empresa recebeu uma ameaça de bomba pouco antes da abertura dos Jogos Olímpicos de Pequim, informou a agência local "Kyodo".



Nenhum dos 70 ocupantes do avião, um Boeing 737 que fazia a rota Nagóia-Chongqing, via Xangai, ficou ferido.

A ameaça de bomba foi enviada em um e-mail à sede japonesa da principal companhia aérea chinesa e, segundo o Ministério de Transporte japonês, tinha como objetivo interferir na inauguração dos Jogos.

Por isso, a Air China inspecionou todos seus aviões nos aeroportos de Fukuoka e Narita, e, posteriormente, permitiu que operassem, segundo a "Kyodo".

Inicialmente tinha sido informado que a Air China havia suspendido alguns vôos, mas a ameaça só causou, além do incidente com o Boeing, um atraso na saída de quatro aviões da companhia a partir do Japão, segundo o ministério japonês.

Um e-mail recebido na sede japonesa da maior companhia aérea chinesa alertava para uma eventual explosão de um avião a menos que a companhia suspendesse seus vôos.

A mensagem, enviada às 12h50 locais de hoje (0h50 de Brasília), assinalava que a ameaça tinha como objetivo interferir nos Jogos Olímpicos de Pequim, que têm sua cerimônia de abertura nesta sexta.

O avião que se dirigia à localidade chinesa de Chongqing, via Xangai, deu a volta em pleno vôo e retornou a Nagóia por volta das 16h (4h em Brasília), uma hora após decolar.

Os Jogos Olímpicos de Pequim serão inaugurados hoje em cerimônia repleta de chefes de Estado e Governo, após sete anos de preparativos tumultuados por protestos contra o regime comunista, convocações de boicotes e temor de terrorismo.

Fonte: EFE

Aviões georgianos bombardearam posições na Ossétia do Sul

Aviões georgianos bombardearam posições separatistas na Ossétia do Sul, anunciaram nesta sexta-feira as autoridades dessa região georgiana que luta pela independência e a imprensa russa.

Aviões SU-25 lançaram bombas contra "civis inocentes na República da Ossétia do Sul", principalmente contra a aldeia de Kvernet, inidicaram as autoridades da Ossétia do Sul em seu site na internet.

O Canal 1 de televisão russo também registrou bombardeios aéreos efetuados por aviões SU-25 georgianos.

Fonte: AFP

Rússia nega que Geórgia tenha derrubado um de seus aviões

O Ministério de Assuntos Exteriores da Rússia negou hoje que a Geórgia tenha derrubado um de seus aviões, como informou a TV georgiana, depois de o presidente desse país, Mikhail Saakashvili, ter acusado Moscou de bombardear seu território.

"É mentira. É mais uma das repugnantes provocações de Tbilisi", declarou um porta-voz da Chancelaria russa à agência "Interfax".

Previamente, em mensagem na TV, Saakashvili denunciou que a Geórgia é vítima de uma agressão em grande escala, e que aviões russos bombardearam seu território.

Segundo o canal de TV georgiano "Rustavi-2", vários aviões russos bombardearam as localidades georgianas de Gori, Kareli e Variani.

O Ministério do Interior georgiano avaliou em sete o número de feridos nos bombardeios por parte de caças russos, que teriam violado o espaço aéreo do país.

Rustavi mostrou imagens do local onde caíram as bombas, perto de um mercado e nas imediações de um estádio.

Saakashvili pediu à Rússia que cesse imediatamente os bombardeios e decretou mobilização de reservistas georgianos.

Fonte: EFE

Adrenalina nas alturas



Uma família dedicada a avião. Em Bariri, São Paulo, pai, filho e neto são apaixonados por aviões e acrobacias. Os ensinamentos são passados de geração para geração.

Fonte: Via Brasil (Globonews)

Gol anuncia revisão em seu plano de frota para limitar expansão

Intenção é manter uma estrutura enxuta de custos.

Altos preços do petróleo e aumento da concorrência motivaram alterações.

A Gol vai reduzir seu ritmo de expansão de frota. Os altos preços do petróleo e a elevação na concorrência, afirma a empresa, tornaram necessário um ajuste em seu plano de crescimento, que terá velocidade mais moderada. A intenção é manter uma estrutura enxuta de custos.

Seguindo seu novo plano de frota, a Gol decidiu não receber dois aviões Boeing 737-800 que seriam entregues neste ano. Já no ano que vem, ela irá deixará de receber cinco unidades desse mesmo modelo. Assim, até o fim do ano, a Gol espera ter em operação apenas aeronaves da família 737NG, reduzindo a idade média da frota para 5,6 anos. Ao fim de 2012, 65% dos aviões em atividade na empresa serão do modelo 737-800SFP (para pousos em pistas curtas) e terão idade média de 5,5 anos.

Em decorrência disso, a empresa tem a intenção de fechar este ano com uma oferta unitária total (medida em assentos disponíveis multiplicados pelos quilômetros percorridos, ASK) de 41 bilhões ASK. Isso, afirma a Gol, representa uma redução de 5% em relação às metas anteriores, divulgadas no final do ano passado. Dessa oferta total, 32,5 bilhões ASK serão registrados no mercado doméstico, e os 8,5 bilhões ASK restantes, no internacional.

Segundo a empresa, no terceiro e quarto trimestres sua oferta unitária doméstica deverá ser de cerca de 8 bilhões ASK e 8,1 bilhões ASK, respectivamente. Esses valores representam redução de 5% na oferta na comparação entre o segundo trimestre deste ano e o terceiro trimestre. Já no mercado de vôos internacionais, a intenção é atingir uma oferta unitária de 1,6 bilhão de ASK em cada um dos dois últimos trimestres deste ano.

Renovação

A Gol afirma que está na fase final de seu plano de substituição das aeronaves Boeing 737-300 e 767-300 mais antigas por modelos 737-800NG e 737-700NG em suas rotas de curta e média distância. Essa troca, além de reduzir a idade média da frota da companhia, colabora para o esforço de contenção de custos, uma vez que esses modelos mais recentes são mais econômicos no uso de combustíveis.

A intenção da companhia, segundo ela, é acompanhar o crescimento do tráfego aérea de passageiros nos mercados que atua. Segundo ela, a demanda doméstica deverá aumentar entre 7% e 8% no ano que vem. Nosso plano de frota permite que atendamos a demanda esperada do mercado de transporte aéreo no Brasil e América do Sul, afirma o vice-presidente de Planejamento e Tecnologia da Gol, Wilson Maciel Ramos.

Fonte: Valor OnLine

Problema com avião da Varig fecha pista de Congonhas por mais de 30 minutos

Segundo Infraero, avião quebrou duas lâmpadas de iluminação da pista na quarta (6).

Varig diz que teve de fazer manutenção não programada em um dos pneus da aeronave.


Na foto acima, o PR-GOQ em Florianópolis

Um avião Boeing 737-76N, prefixo PR-GOQ da Varig quebrou duas lâmpadas de iluminação da pista principal do aeroporto de Congonhas, na Zona Sul de São Paulo, quando se preparava para decolar na noite de quarta-feira (6), segundo informações da assessoria de imprensa da Infraero. A pista teve de ser fechada das 18h53 até as 19h30 para limpeza, checagem e troca das lâmpadas.

Segundo a Infraero, um dos pneus da aeronave bateu nas lâmpadas e o vôo teve de voltar para o pátio. Ainda de acordo com a Infraero, o fechamento da pista não causou grandes transtornos ao funcionamento do aeroporto.

O vôo RG 2158 seguia para Curitiba. Em nota, a Varig informa apenas que a aeronave teve de passar por uma manutenção não programada em um de seus pneus, que foi danificado enquanto a aeronave taxiava para a decolagem. A empresa não comenta o que provocou a necessidade de manutenção.

Segundo a companhia, os passageiros que não conseguiram viajar foram embarcados no vôo 9072, da Gol.

Fonte: G1

Queda de pequeno avião deixa três mortos em aeroporto de Haifa

Três pessoas morreram e outras três ficaram feridas na quinta-feira (7) devido à queda de um pequeno avião particular Beechcraft Bonanza que aterrissaria no aeroporto da cidade israelense de Haifa, informou a imprensa local.

O aparelho, que vinha da localidade cipriota de Larnaca com seis pessoas a borso, bateu contra um edifício ao iniciar a manobra de aterrissagem.

As equipes de emergências e resgate foral ao local do acidente.

Fontes: EFE / The Jerusalem Post

Helicóptero pousa em avenida de SP para resgate de ferido

Helicóptero é usado para resgate de ferido na Avenida Sumaré, em São Paulo.

Interdição ocorreu por volta das 13h20, mas via foi liberada em seguida.

O helicóptero Águia, da Polícia Militar, pousou por volta das 13h20 desta quinta-feira (7) na Avenida Sumaré, na Zona Oeste de São Paulo, para resgatar um motoqueiro que sofreu um acidente. De acordo com a Companhia de Engenharia de Tráfego (CET), o sentido Limão da avenida ficou bloqueado até as 13h40.

Veja fotos do resgate

O acidente ocorreu entre um carro e a moto na altura da Rua Wanderley. O helicóptero desceu para socorrer o ferido na altura da Rua Caiubi. O Corpo de Bombeiros informou que a vítima foi levada para o Hospital das Clínicas, na mesma região da cidade.

De acordo com a CET, a avenida chegou a ficar interditada nos dois sentidos por quatro minutos, durante o pouso do helicóptero. Às 13h24, a via foi liberada no sentido Sumaré. O helicóptero decolou às 13h30, mas a pista sentido Limão ficou fechada até as 13h40. A faixa exclusiva de motos continuou bloqueada até as 14h15 para o trabalho da polícia.

Fonte: G1 - Fotos: Eliana Grellet Nicolas

quinta-feira, 7 de agosto de 2008

SATA reforça frota com mais uma aeronave

A companhia aérea SATA Internacional irá receber, no início do próximo ano, o quarto aparelho AIRBUS A-320, numa frota que já conta com três aparelhos da mesma categoria e quatro A-310.

A transportadora aérea açoriana justifica este investimento com “a progressiva expansão de serviços e forte crescimento nas rotas europeias”. Assim, com mais este AIRBUS A-320-200, o Grupo SATA irá ter “uma maior capacidade de resposta, face à procura de serviços da qual tem sido alvo nos últimos meses, nomeadamente em rotas de médio curso regulares e/ou charters”.

Para além disso, este novo aparelho está programado para apresentar níveis de eficiência energética. Isto é, a curto prazo, irá haver “uma redução efectiva no consumo de combustível em todas as rotas de médio curso”. Adiantou o Grupo SATA, ainda, que esta medida “vem dar resposta às preocupações ambientais da empresa, no que concerne à diminuição de emissão de CO2 para a atmosfera”. Tal significa que, consequentemente, haverá uma redução dos custos presentes na gestão da SATA Internacional.

No que diz respeito à nova aeronave, esta integrará equipamentos que recorrem à tecnologia de vanguarda. Uma aposta presente da transportadora aérea açoriana que, até ao final deste ano, substituirá os aparelhos ATP e Dornier (turbo-hélices) pelos Dash Q200, da construtora canadiana Bombardier.

Os “aparelhos AIRBUS A320-200 operam rotas para a Europa, Norte de África e Cabo Verde, tendo os mesmos capacidade para cerca de 165 passageiros.”

Fonte: Jornal Diário (Açores)

United afirma que pode cancelar pedido de 42 aviões feito à Airbus


Em um documento enviado à comissão de valores mobiliários dos EUA (SEC, na sigla em inglês), a United Air Lines afirma que poderá cancelar um pedido firme de compra de 42 aeronaves da família A320 da fabricante européia Airbus. Caso decida suspender o contrato, a companhia perderia o valor do depósito inicial de compra, de US$ 91 milhões.

Atualmente, a companhia tem pedidos firmes para 23 unidades do modelo A319 e para 19 da versão A320. Segundo ela, é muito improvável que ainda venha a receber esses aviões. A preços de tabela atuais, o valor total dessas aeronaves pode chegar a US$ 3,3 bilhões.

A United acredita que é muito improvável que venha a receber essas aeronaves no futuro, e portanto acredita que será preciso abrir mão de US$ 91 milhões em depósitos iniciais de entrega, afirma a empresa em nota. Segundo ela, esses depósitos não são transferíveis, portanto não poderiam ser utilizados para amortizar outras compras.

Ainda assim, a mesma nota afirma que os pedidos continuam a figurar em seu total de recursos comprometidos em balanço, uma vez que a companhia não encerrou formalmente os pedidos. Num comunicado semelhante da empresa, enviado em maio à SEC, a United afirmava que havia entrado em acordo com a Airbus em janeiro de 2006 para adiar a entrega desses aviões, com direito a cancelamento.

A United, que havia escolhido a International Aero Engines (IAE) para fornecer os motores a jatos para seus Airbus, afirma no documento que também entrou em acordo com a fabricante para eliminar as provisões relacionadas a compromissos firmes e de suporte para os aviões que poderá deixar de receber.

Fonte: José Sergio Osse (Valor Online)

Avião da TAM que bateu em urubu levava 111 passageiros

Passageiros reclamam no saguão. Aeronave foi removida da pista para não atrapalhar pousos e decolagens.

O gerente de Segurança da Infraero no Piauí, Marcílio Mauro Sousa Rodrigues, falou na tarde desta quinta-feira (7) sobre o incidente envolvendo um avião da TAM no aeroporto de Teresina depois do meio-dia. Ele confirmou o choque com um urubu no momento em que a aeronave pousava na capital piauiense. Passageiros no saguão que ainda não foram atendidos pela empresa reclamam da demora. Eram 111 vindos de Brasília.

De acordo com Marcílio, o vôo 3840 faria escala em Teresina e seguiria para Fortaleza .Quando fazia seu pouso, por volta de 12h30min, o avião colidiu com um urubu, que rachou o bico da aeronave, impedindo o prosseguimento da viagem. Passageiros que ficariam no Piauí desembarcaram normalmente. A TAM já iniciou a acomodação dos passageiros que vão para o Ceará. Alguns já seguiram viagem em outros vôos.

A aeronave está no pátio para reparos técnicos. Ela foi retirada da pista pela Infraero para que os pousos e decolagens pudessem ser executados normalmente. O Air Bus A-320 tem capacidade para 170 passageiros.

De acordo com Marcílio, esse é o primeiro incidente envolvendo urubus no aeroporto de Teresina em 2008. O problema já ganhou repercussão prolongada na mídia, quando foi cogitada até a mudança do aeroporto de local.

Fonte: Cidade Verde (Piauí)