terça-feira, 16 de junho de 2009

Resumo das últimas notícias sobre o acidente - 19

Companhia aérea holandesa confirma encomenda de sete aviões da Embraer

A Embraer confirmou na segunda-feira (15) sete opções de compra de jatos Embraer 190 pela companhia aérea holandesa KLM Cityhopper, subsidiária da Air France-KLM, uma das maiores empresas do setor da Europa.

As entregas deverão ocorrer durante o primeiro semestre do ano que vem, informou a companhia brasileira na Paris Air Show, feira internacional que reúne as principais companhias aéreas do mundo.

A KLM Cityhopper ainda tem 11 opções de compra, revelou a Embraer, e já opera quatro jatos da companhia brasileira em suas rotas pelo continente europeu.

Fonte: InfoMoney via Yahoo Notícias

Tráfego aéreo na Europa continua a cair

Segundo a AEA, Associação Europeia de Companhias Aéreas, em Abril o tráfego desceu 2,4 % nas trinta e uma companhias aéreas que a compõem.

A quebra homóloga de Abril está abaixo das registadas em Março, menos 9,1 %, e Fevereiro, menos 5,5 %, mas como alerta a AEA, a desaceleração da quebra em Abril está ligada à Páscoa, que no ano passado foi em Março. No conjunto dos primeiros quatro meses a quebra é de 6 %, num total de 91,871 milhões de passageiros.

A estimativa da AEA para Maio e Junho é de continuação da tendência de descida do tráfego, prevendo-se uma quebra de 9 % em Maio. A reação generalizada das companhias aéreas tem sido reduzir a capacidade oferecida no mercado, embora esta esteja ainda acima da procura. Em Abril a redução de oferta foi de 2,8 %.

Fonte: Turisver (Portugal)

Aeronave da Air Minas é batizada na inauguração das novas linhas da empresa

Aeronave Air Minas é batizada em São Paulo

A Air Minas Linhas Aéreas iniciou quatro novos voos ontem (15/06) unindo Minas Gerais a São Paulo, Aeroporto de Guarulhos. No primeiro voo da linha, hoje às 7h30, a aeronave da Air Minas de prefixo UHT foi ‘’batizada’’ ao pousar em São Paulo. A homenagem de boas-vindas realizada com a aspersão de jatos d’água na aeronave e somente foi possível com a colaboração da Infraero, que gentilmente cedeu dois caminhões da Brigada de Incêndios.

Os novos voos fazem a rota Uberlândia-Uberaba-São Paulo e Ipatinga-Belo Horizonte- São Paulo, de segunda a sexta-feira. De acordo com o Diretor-Presidente da Air Minas, Urubatan Helou, a frota da Companhia é de 06 aeronaves, modelo EMmbraer Brasília EMB 120, com capacidade para 30 passageiros cada.

Fonte: Mercado & Eventos

Recomeço dos voos da Air China para o Brasil continua sem data prevista

A mais recente data apresentada pela transportadora aérea Air China para o recomeço dos voos Pequim-São Paulo é Julho de 2010, disse o diretor comercial da empresa no Brasil, Doug You.

Este ano, a Air China já chegou a anunciar que a rota seria retomada em Março, mais tarde mencionou Junho e, no mais recente comunicado, referiu Julho de 2010 como a data para o recomeço dos voos.

A companhia operava a rota Pequim-São Paulo com escala em Madrid, Espanha, com três voos semanais, às terças, quintas e domingos, suspensa em Setembro de 2008 devido ao elevado preço dos combustíveis.

Atualmente, a Air China está a sugerir aos passageiros que viajem pela Air China entre a China e a Europa e pela brasileira TAM Linhas Aéreas entre a Europa e o Brasil, adiantou Doug You.

No final de Março, a Agência Nacional de Aviação Civil do Brasil aprovou o estabelecimento do "code-share" entre a TAM e a Air China, com Doug You a acrescentar que a retoma da ligação aérea "depende de negociações entre os governos do Brasil e da China".

Fonte: Macauhub

Japan Airlines corta voos para 8 rotas por causa da gripe

A companhia aérea japonesa Japan Airlines (JAL) reduzirá nos próximos meses o número de voos em oito das rotas internacionais devido à queda da procura originada pela gripe suína e pela crise econômica, informou hoje o jornal "Daily Yomiuri".

A companhia anunciou na noite desta segunda-feira (hora local) em comunicado que reduzirá o número de voos do aeroporto de Tóquio-Narita (ao leste da capital japonesa) para Pequim, Xangai, Taipé, Seul e Nova Délhi.

Os voos que partem do aeroporto de Osaka (centro do país) em direção a Seul e Xangai, e os de Haneda (perto de Tóquio) para Hong Kong também serão reduzidos.

Os cortes começarão a vigorar em julho ou agosto e vão até 24 de outubro.

A principal concorrente da companhia, a All Nippon Airways (ANA), também considera a possibilidade de reduzir o número de voos diários em suas rotas internacionais, segundo a agência local de notícias "Kyodo".

A decisão de JAL coincide com o anúncio do Governo do Japão de que as companhias aéreas poderão manter os espaços destinados nos diferentes aeroportos do país para os aviões que cobrem suas rotas internacionais, embora reduzam o número de voos.

Fonte: EFE via G1

Curtinhas Européias

“100 companhias aéreas vão usar o T1 do El Prat quando este estiver em pleno funcionamento”

Hoje, inaugurou-se oficialmente o novo terminal do aeroporto El Prat, que começará a funcionar quarta-feira, com uma média diária de 240 voos e com duas dezenas de companhias aéreas a funcionar. Após o Verão, estará em pleno funcionamento e acolherá 800 operações diárias e 100 companhias aéreas.

“Nenhum dos grandes aeroportos espanhóis registou valores positivos em Maio”

Depois de um mês de Abril com um certo alívio na queda da procura, que baixou só 5,1%, e que inclusivé permitiu ao aeroporto de Palma de Maiorca registar valores positivos, o mês de Maio apresenta uma descida do 11,9% no número de passageiros.

“Consumo recebe 700 reclamações contra companhias aéreas, 50% contra a Ryanair”

A Agência Catalã do Consumo recebeu 700 reclamações contra as companhias aéreas entre Janeiro e Abril deste ano, segundo informaram ao iniciar uma campanha para melhorar a protecção dos direitos dos passageiros, que incluirá a aplicação de sanções. As mesmas fontes assinalaram que de todas as reclamções que receberam, 21% foram por cobranças indevidas e que a Ryanair concentra 50,5% do total das queixas dos usuários, por sua vez a Spanair com 2,3%, é a empresa que menos reclamações suscitou.

“Iberia amplia operações internacionais desde Tenerife e Santiago”

A Iberia programou para este Verão dois voos directos semanais desde Santiago de Compostela para as cidades suíças de Zurique e Genebra, que começará a operar a partir do próximo 27 de Junho até 12 de Setembro. Também operará, este Verão, voos directos entre Tenerife, Caracas e Venezuela.

Fonte: Hosteltur

Azul é agora a terceira maior empresa aérea do país

Apenas cinco meses depois de seu primeiro vôo, a Azul assumiu o terceiro lugar no ranking das maiores empresas de aviação do país. Em maio, segundo um levantamento que a Anac divulgará ainda hoje, a Azul ultrapassou a WebJet. Possui agora 4,16% de participação do mercado doméstico (em abril tinha 3,62%), contra 3,99% da WebJet (que no mês anterior estava com 3,70%).

A WebJet, aliás, terá que aposentar precocemente sua campanha de publicidade lançada em maio. Nela, a empresa jactava-se de ser a "terceira maior empresa aérea do Brasil".

A nova posição da companhia de David Neeleman resultado do aumento mês a mês do número de rotas. Hoje, a Azul opera em treze cidades. E também da excepcional taxa de ocupação de sua frota. Em maio, 79% dos assentos dos seus aviões estavam ocupados. Para que o leitor possa comparar, as taxas de ocupação das líderes TAM e Gol são de 56% e 59%, respectivamente.

A propósito, maio foi um péssimo mês para a TAM. Sua participação de mercado caiu de 49,20% para 44,90% entre abril e maio. Foi o maior tombo da empresa no mercado doméstico dos últimos anos.

A TAM não perdeu somente para a Azul, mas sobretudo para a Gol, que era dona de 38,77% do mercado em abril e alcançou 42,02% em maio.

A distância entre a Azul e a dupla TAM e Gol ainda é gigantesca. Mas a caminhada da novata até aqui é de tirar o chapéu.

Fonte: Lauro Jardim e Paulo Celso Pereira (Radar On-line - Veja)

MAIS

Clique aqui e veja o ranking no site da ANAC

CEO da FedEx assume presidência da Iata em 2010

O presidente e CEO da FedEx Express, David J. Bronczek, foi indicado como o próximo presidente do Conselho de Governadores da International Air Transport Association (Iata). O mandato de Bronczek terá início em junho de 2010. A IATA é uma organização internacional, fundada em 1945. Hoje, é constituída por 230 companhias aéreas, que compõem 93% da agenda internacional de tráfego aéreo.

A FedEx Express, uma das empresas que fazem parte da Iata dede 1986, é composta por 670 aeronaves. Bronczek iniciou sua carreira na FedEx Express em 1976 .

Fonte: Erica Ribeiro (O Globo)

A nova malha da Trip a partir do Santos Dumont

A Trip Linhas Aéreas anuncia, daqui a pouco, durante evento no Porcão Rios, no Rio de Janeiro, uma grande expansão da malha a partir do aeroporto Santos Dumont.

As novas rotas ligarão, a partir do dia 29, o Santos Dumont às seguintes cidades: Curitiba, Londrina e Foz do Iguaçu (PR), Belo Horizonte (Confins), Goiânia (GO), Cuiabá (MT), Corumbá e Campo Grande (MS), Manaus (AM), Vitória (ES), Porto Seguro (BA), São José do Rio Preto (SP) e Ji-Paraná (RO). Os voos serão operados com os Embraer 175, recém adquiridos.

Com os novos aviões ART, a Trip, também a partir do Santos Dumont, vai voar para Ribeirão Preto e São José dos Campos (SP), Juiz de Fora, São João del Rey e Uberlândia (MG), Macaé e Campos (RJ).

”A partir do lançamento dessas rotas, a Trip passa a ter o maior número de pousos e decolagens no Santos Dumont, excluindo a ponte aérea”, comemora o presidente da aérea, José Mário Caprioli (foto). “O Rio está se tornando um grande polo da aviação regional”, completa Caprioli. Os números, horários e preços desses voos já estão no sistema.

Fonte: Felipe Niemeyer (Panrotas)

Voo 447: Lesões indicam queda de “barriga"

As características e a extensão das lesões encontradas nos corpos de 43 das 49 vítimas do voo 447 da Air France já periciadas em Fernando de Noronha sugerem que ao menos parte do Airbus A330 caiu de “barriga” no mar.

Ontem, o comando militar informou que mais um corpo foi avistado e recolhido pela Corveta Caboclo - dessa forma, já foram resgatadas 50 das 228 pessoas a bordo.

Ontem, a Fragata Bosísio chegou às proximidades de Fernando de Noronha com os seis corpos anteriormente encontrados pelo navio-anfíbio francês Mistral.

Peritos ouvidos pela reportagem dizem que praticamente 95% dos cadáveres até agora apresentavam fraturas no terço medial das pernas, nos braços e na região do quadril - semelhantes aos verificados em pessoas que caem de grande altura.

Na avaliação de legistas, esse é um indício de que alguns passageiros estariam sentados em suas poltronas no momento da queda. Outro sinal é a baixa incidência de traumatismo craniano.

Se o avião tivesse caído de bico, dizem peritos, era de se supor que as vítimas apresentassem ferimentos mais severos na cabeça - sobretudo as que estavam sem o cinto.

Também foram detectadas petéquias (lesão de cor avermelhada) nas mucosas de grande parte dos cadáveres. Embora estejam associadas à morte por asfixia, elas podem surgir em outras situações, como politraumatismo.

“Sabemos que houve despressurização da cabine, conforme indicou uma das mensagens enviadas pelo avião. Mas ainda é cedo para afirmar que as vítimas morreram por causa disso”, disse um legista.

A quantidade de roupas nos cadáveres – um importante indicativo da dinâmica do acidente – tem variado. Alguns chegaram com trajes completos e outros com pouca roupa.

Entre os primeiros 16 corpos retirados do mar, grande parte estava despida ou com roupas mínimas – mas os legistas descobriram que a maior parte das vítimas entregues ao IML do Recife dessa forma havia sido resgatada pela fragata francesa Ventose, que pode não ter seguido o protocolo brasileiro.

Apesar de as pistas indicarem que parte do avião pode ter chegado íntegro ao mar, a hipótese de que o jato se despedaçou no ar continua sendo investigada por legistas do IML e peritos da Aeronáutica. Os trabalhos em Recife estão sendo acompanhados de perto por duas equipes de peritos franceses.

A conclusão do processo de identificação das vítimas não tem prazo para ser concluído. O grau de dificuldade varia conforme o estado do cadáver.

Fonte: Agência Estado via Diário do Norte do Paraná

Esquadrilha da Fumaça em Uberlândia (MG)

O Esquadrão de Demonstração Aérea (EDA), conhecido como Esquadrilha da Fumaça, da Força Aérea Brasileira (FAB), se apresentará em Uberlândia neste domingo, dia 21, durante o Música no Parque. A apresentação aconrtece a partir das 9h50. Durante 40 minutos, sete aviões farão 24 sequências de manobras e 42 acrobacias. Antes da Esquadrilha da Fumaça haverá um show com a Banda Gnomos.

No mês de maio, durante o reconhecimento do Parque do Sabiá, o 1º tenente aviador Marcelo Franklin Rodrigues e o suboficial Pietro Paulo, ambos do EDA, elogiaram as condições que o local oferece para a exibição das manobras. De acordo com Marcelo Franklin Rodrigues, Uberlândia possui uma estrutura mais plana, o que favorece a apresentação e a segurança dos pilotos e do público. Ele ressaltou que o Parque do Sabiá possui clareiras que possibilitam às pessoas uma melhor visão.

História

A Esquadrilha da Fumaça fez sua primeira apresentação em 14 de maio de 1952 utilizando aviões North American T-6 Texan, modelo de avião que utilizou até 1977. Por um breve período, de 1968 a 1972, foram utilizados jatos franceses Aeropastiale CM-170-2 Fouga Magister, designados T-24 na FAB, que se mostraram inadequados às condições brasileiras.

O Esquadrão interrompeu sua apresentações em 1977, mas retornou em 8 de dezembro de 1983 utilizando aviões Neiva Universal T-25, logo substituídos por modernos Embraer EMB-312 Tucano. Participou dos eventos aéronáuticos de Dayton, nos Estado Unidos, talvez o mais importante da categoria. Os membros da esquadrilha permanecem 4 anos em atividade e depois são transferidos para outra unidade. Sua base atual é na Academia da Força Aérea em Pirassununga (SP).

Fonte: Jornal Correio de Uberlândia

Com Helibras, Brasil participa da maior feira mundial da indústria aeroespacial

Empresa aproveitará a International Paris Air Show – Le Bourget para entregar o primeiro helicóptero EC145 do mercado brasileiro.

A Helibras entrega, em 16 de junho, o primeiro helicóptero EC145 do mercado brasileiro, durante a maior feira da indústria aeroespacial, o International Paris Air Show – Le Bourget, na França, que acontece de 15 a 21de junho.

O Eurocopter EC145 Stylence

No Brasil, o EC145 na versão Stylence, será operado no mercado executivo, e deverá concentrar suas operações na rota São Paulo – Rio de Janeiro. “O interesse das grandes corporações nesse modelo se dá em função das agendas cada vez mais atribuladas de seus executivos, que os faz exigir não apenas agilidade no transporte, mas também um melhor aproveitamento do tempo despendido em trânsito. Como ele transporta até 8 passageiros e 2 pilotos com bastante conforto, algumas reuniões podem ocorrer, inclusive, durante o trajeto”, afirma Julien Negrel, diretor comercial da Helibras.

Entre as características mais marcantes da aeronave, está o amplo espaço de sua cabine, que, somada ao bagageiro, conta com 6,8 m³. Incluindo o posto de pilotagem são 8,08 m³ e nenhuma divisória, garantindo aos tripulantes e passageiros uma excelente visibilidade. Outros pontos fortes são a fácil manutenção, grande autonomia de voo, que lhe permite alcançar 680 km, e o fato de ser econômico no que diz respeito ao consumo de combustível.

O primeiro EC145 entregue ao mercado brasileiro vem equipado ainda com sofisticados equipamentos, tais como radar meteorológico, TAS, navegador com mapas eletrônicos de ruas e GPS integrado. Outra unidade com a mesma configuração já foi vendida para outro cliente corporativo do país e sua entrega está prevista para o final de 2010.

“Estamos honrados em entregar o primeiro exemplar do EC145 para o mercado brasileiro. Mais uma vez ampliaremos nossa gama de produtos e apostamos no sucesso desta aeronave em diversos segmentos, graças à agilidade e versatilidade deste modelo”, completa Julien Negrel. Com operação em 27 países, a frota mundial do EC145 é composta por mais de 240 helicópteros, com mais de 250 mil horas de voo. O líder da frota já acumulou mais de 4.000 horas de voo.

Ficha técnica – EC 145

Peso máximo de decolagem: 3.585 kg Carga útil: 1.793 kg Carga externa: 1.500 kg Capacidade: 1 piloto + 9 passageiros ou 2 pilotos + 8 passageiros Velocidade máxima (VNE): 268 km/h Velocidade de cruzeiro rápido: 246 km/h Alcance: 680 km Potência máxima na decolagem: 738 shp por motor Motor: 2 turbomeca Arriel 1E2 Comprimento com rotor girando: 13,03 m Comprimento da fuselagem: 10,20 m Altura: 3,45 m Diâmetro do rotor principal: 11 m.

Perfil da Helibras

A Helibras é a única fabricante brasileira de helicópteros, associada ao Grupo Eurocopter, maior fornecedor mundial do setor. Com participação superior a 50% na frota brasileira de helicópteros a turbina, a Helibras opera desde 1979. A empresa conta com mais de 300 profissionais e mantém instalações em São Paulo, Rio de Janeiro e Brasília. Sua planta, que tem capacidade de produção de 30 aeronaves por ano, está localizada na cidade de Itajubá (MG), onde são produzidos diversos modelos que atendem aos segmentos civil e militar. Desde sua fundação, a Helibras já produziu e comercializou no Brasil mais de 500 helicópteros, sendo 70% do modelo Esquilo. Em 2008, seu faturamento foi de US$ 112,1 milhões, 22% maior em relação ao exercício anterior. [ www.helibras.com.br].

Perfil do Grupo Eurocopter

O Grupo Eurocopter foi fundado em 1992 a partir da fusão das divisões de helicópteros da francesa Aerospatiale-Matra e da alemã Daimler Chrysler Aerospace. Hoje a companhia é uma subsidiária 100% controlada pela EADS (European Aeronautic Defence and Space Company), líder mundial nos segmentos aeroespacial, de defesa e serviços relacionados. Com fábricas localizadas na França, na Alemanha e na Espanha, a companhia emprega mais de 15.600 profissionais e em 2008 registrou receita de 4,5 bilhões de euros. A Eurocopter está presente em cinco continentes por meio de 18 subsidiárias e empresas afiliadas. Os produtos do grupo representam 30% da frota mundial de helicópteros. Mais de 10.000 aeronaves da fabricante estão atualmente em operação por cerca de 2.800 clientes em 140 países. [ www.eurocopter.com ]

Fonte: Portal Fator Brasil - Foto: APG Photography

TACA recebe sétimo avião da Embraer

A Taca recebeu ontem (segunda, dia 15) o sétimo de 11 aviões Embraer 190 que comprou da fabricante brasileira. “Esse jato vai ser usado nas rotas da América Central e do Caribe, fato que reconfirma o investimento da Taca neste excelente produto brasileiro”, diz o diretor geral da empresa no Brasil, Ian Gillespie.

Dessa forma, enfatiza Gillespie, “temos a frota mais nova das Américas”. Atualmente, a aérea tem 38 aeronaves da Airbus (A321, A320 e A319) e sete Embraer 190.

Fonte: Claudio Schapochnik (Panrotas)

AirAsia encomenda 10 aeronaves A350 da Airbus

A companhia aérea malasiana de baixo custo AirAsia encomendou 10 aeronaves A350 da fabricante Airbus, da EADS, com uma opção para comprar mais cinco unidades, afirmou o presidente-executivo do Conselho da empresa, Tony Fernandes, nesta terça-feira.

A preços de tabela, a encomenda firme equivale a 2,4 bilhões de dólares, embora as fabricantes normalmente concedam descontos para assegurar as vendas.

A Rolls-Royce disse que foi escolhida para fornecer motores para o modelo, bem como para outras 10 aeronaves A330 já encomendadas, em um acordo avaliado em até 1,8 bilhão de dólares também a preços de tabela.

A companhia aérea informou que o pedido pelo mais novo modelo da Airbus é para sua subsidiária AirAsia X e que planeja usar o avião para ligar Kuala Lumpur a destinos na Europa e na Austrália.

Fonte: Helen Massy-Beresford (Reuters) via G1

Embraer vende jato 175 para empresa japonesa Fuji Dream

Perspectiva artística do avião da FDA que será entregue em 2010

A Embraer vendeu um terceiro avião – um Embraer 175 – à Fuji Dream Airlines, uma companhia japonesa do Grupo Suzuyo. O contrato original, assinado em novembro de 2007 com a empresa, incluía ordens firmes para dois jatos Embraer 170 e direitos de compra para outra aeronave do mesmo modelo. A revisão do acordo possibilitou à Fuji Dream encomendar o Embraer 175. Esta encomenda já está incluída na carteira de pedidos firmes a entregar da fabricante do primeiro trimestre de 2009.

A Fuji Dream já recebeu os dois primeiros Embraer 170 e iniciará operações comerciais em julho. O Embraer 175 tem entrega programada para 2010 e será configurado em classe única com 84 assentos.

Fonte: Claudio Schapochnik (Panrotas) - Foto: divulgação

Segue para testes o segundo Boeing 787 Dreamliner

O segundo Boeing 787 Dreamliner (foto) caminha para o primeiro voo a fim de realizar os primeiros testes de combustível. “Este momento cresce a cada marco alcançado”, disse o vice-presidente e gerente geral do programa 787 Dreamliner, Scott Fancher.

Cada um dos seis aviões para os testes de voo será destinado a testes específicos durante o programa de voos-teste. Este avião, chamado ZA002, ficará focado nos sistemas de desempenho. O jato apresenta a nova pintura do cliente de lançamento do Dreamliner, a All Nippon Airways (Ana), do Japão.

“A Ana será a primeira a voar o 787 Dreamliner em serviço comercial”, observou Fancher. “Estamos honrados em voar com a pintura da Ana durante o programa de voos-teste, como um tributo à nossa parceria para trazer este avião inédito ao mercado”, conclui o executivo. O 787 Dreamliner tem 865 encomendas vindas de 56 linhas aéreas.

Fonte: Claudio Schapochnik (Panrotas) - Foto: divulgação/Boeing

Polícia reconstitui roubo de avião que matou pai e filha

Foto do dia do acidente

A Polícia Civil de Goiás fez, na manhã de segunda-feira (15), a reconstituição do voo feito no dia 12 de março pelo desempregado Kleber Barbosa da Silva, 31 anos, em um monomotor do aeroclube de Luziânia (GO), no entorno do Distrito Federal, até o estacionamento do Shopping Flamboyant, onde a aeronave caiu e se chocou com 23 veículos.

No acidente ou suicídio - a polícia ainda não sabe qual foi a intenção de Silva -, morreram o desempregado e a filha dele, Penélope Barbosa Correia, 5 anos.

Peritos da Polícia Civil e da Agência Nacional da Aviação Civil (Anac) estiveram no aeroclube, onde refizeram o modo como teria ocorrido o roubo da aeronave, e depois fizeram o tráfego de Luziânia até o aeródromo de Goiânia, onde Kleber foi visto com o avião pela primeira vez ao chegar no espaço aéreo da capital.

"Apesar de tudo que tem sido dito, essa reconstituição é de extrema importância para as investigações. Não para processar o Kleber, porque ele já morreu, claro, mas para saber se houve negligência de alguém ou de algumas pessoas que tenha facilitado o roubo da aeronave", disse o delegado Manoel Borges de Oliveira, titular do 8º Distrito Policial de Goiânia, que investiga o caso.

O delegado não quis antecipar qualquer resultado que tenha sido levantado durante as investigações. Ele disse que precisa aguardar os dois laudos feitos pelos peritos hoje - o da reconstituição do voo e o do roubo. "Pedimos também que os peritos da Anac respondam um questionário técnico que vai apontar se Kleber queria ou não jogar o avião contra o shopping", comentou.

Kleber teria roubado o monomotor no aeroclube depois de agredir e abandonar a mulher, Érica Correia dos Santos, 23 anos, na BR-153, entre Goiânia e Anápolis. O casal voltava de Caldas Novas para a capital com a filha quando o desempregado brigou com a jovem e fugiu para Luziânia.

A polícia suspeita que o desempregado direcionou o monomotor contra a entrada principal do estabelecimento, mas calculou errado o pouso e bateu em uma árvore, sendo parado pelos veículos estacionados.

Para a reconstituição do voo, o delegado contou com a ajuda dos peritos Leopoldo Oliveira e Raul Francé, pilotos com experiência em investigação de acidentes aéreos.

Foi usado um avião idêntico, um monomotor EMB 712. O piloto José Luiz Gonçalves Filho, que teria sido rendido pelo desempregado em Luziânia, também participou do trabalho policial, indicando como ocorreu o roubo.

Logo após o acidente, a Polícia Civil tentou fazer a reconstituição do voo, mas a idéia foi barrada pelo Ministério Público Federal de Goiás (MPF-GO), que acreditava ser arriscado para os moradores da capital.

"Conseguimos todas as informações que precisávamos sobre o voo no espaço aéreo da capital com a equipe do helicóptero da Polícia Militar que acompanhou o Kleber", disse Oliveira.

O delegado acredita que o inquérito estará concluído em até dez dias, desde que os laudos sejam entregues no prazo previsto - início da próxima semana. Paralelamente à investigação da Polícia Civil, o MPF-GO abriu em março um inquérito civil para apurar se houve falha de órgãos federais responsáveis pelo tráfego aéreo que tenha colaborado com o sucesso de Kleber em pegar um avião e atingir o estacionamento do Flamboyant.

Fonte: Marcio Leijoto (Terra) - Foto: O Popular

Nasa disposta a participar de missão espacial europeia

A Agência Espacial Americana (Nasa) ultima um acordo com a Agência Espacial europeia (Esa) para participar do programa ExoMarte de exploração robotizada do planeta Marte, anunciou nesta segunda-feira, no Salão Aeronáutico de Le Bourget (perto de Paris) o diretor-geral da ESA, Jean-Jacques Dordain.

Em entrevista à imprensa, explicou que "a Nasa fará uma contribuição significativa ao projeto".

A Europa "ficará com as tecnologias mais importantes, ou seja o pouso, o deslocamento sobre a superfície (de Marte) e a perfuração", precisou Dordain.

"O módulo de aterrissagem, o robô e o equipamento de perfuração serão fornecidos pela Esa, enquanto que a Nasa fornecerá o lançador e o módulo orbital", acrescentou Dordain.

O lançamento previsto da missão ExoMarte foi adiado de 2011 para 2013 e, posteriormente, para 2016.

Os Estados Unidos já enviaram várias missões robotizadas a Marte, entre elas Spirit e Opportunity.

Está previsto um voo habitado ao planeta vermelho em torno do ano 2040.

Fonte: AFP - Imagem: ESA

Nasa adia envio de sondas à Lua para lançar ônibus espacial

A LRO e a Lcross vão reunir dados para orientar o retorno de astronautas ao satélite, previsto para 2019

A cápsula da sonda LRO, que será lançada juntamente com a Lcross, num mesmo foguete

A Nasa tentará lançar o ônibus espacial Endeavour para a Estação Espacial Internacional (ISS) na próxima quarta-feira, 17. O lançamento havia sido cancelado no sábado por conta de um vazamento de hidrogênio, o combustível dos foguetes da nave. Com isso, fica adiado por pelo menos um dia o lançamento de duas sondas, LRO e Lcross, que deverão ser enviadas à Lua para ajudar na prospecção de locais para um futuro desembarque de astronautas. A Nasa planeja levar seres humanos de volta à Lua em 2019.

O Endeavour leva à ISS a última parte do laboratório espacial Kibo, construído pela Agência Espacial Japonesa (Jaxa). A Nasa tem pressa em completar a construção da estação, já que a frota de ônibus espaciais, necessária para as obras na base orbital, será desativada em 2010, segundo determinação feita durante o governo de George W. Bush. Com o voo do Endeavour, restarão apenas mais sete missões de ônibus espaciais a serem realizadas, entre este ano e o próximo.

As duas sondas que a agência espacial pretende lançar para a Lua ainda nesta semana vão explorar principalmente os polos lunares, em busca de sinais de água. Se confirmada, a presença de água na Lua poderá determinar a localização de uma futura base habitada.

A LRO (Lunar Reconnaissance Orbiter, ou Orbitador de Reconhecimento Lunar) deverá ficar em órbita do satélite durante pelo menos um ano, a cerca de 50 km da superfície, fazendo leituras com uma série de instrumentos que inclui um detector de nêutrons, para mapear a distribuição de hidrogênio na Lua e avaliar o risco de radiação para astronautas.

Já a sonda Lcross vai se dividir em duas seções, que colidirão, a uma velocidade de mais de 7.000 km/h, com o fundo de uma cratera localizada perto do polo sul da Lua. O objetivo é produzir uma massa de dejetos que possa ser analisada por cientistas, a fim de determinar se há gelo acumulado no local do impacto. O alvo escolhido fica permanentemente à sombra, sem jamais receber luz direta do Sol.

Fonte: Carlos Orsi (estadao.com.br) - Foto: NASA

Sexto turista espacial já está voando

O magnata americano dos videogames, Richard Garriott (na foto, flutuando), iniciou no domingo (14), sua aventura como turista espacial a bordo da nave russa Soyuz TMA-13. Ele é o sexto turista espacial a viajar até a Estação Internacional, pagando US$ 35 milhões.

Garriot é o primeiro da família a seguir a pisadas do pai, que foi astronauta durante a Guerra Fria e assegura que existem uma certa semelhança entre a sua viagem, e a do seu pai, um astronauta reformado. «Isto também foi assim há 30 anos atrás quando o meu pai estava na NASA», afirmou, na última conferência de imprensa antes da partida, referindo-se às conversações entre Estados Unidos e Rússia, afirmando “não existir lugar para a política no espaço”. O retorno de Garriott está previsto para o próximo dia 24 de outubro.

Quem está à espera para se converter no próximo turista espacial é Sergei Brin, o russo co-fundador do Google. Brin já realizou um depósito de 3,7 milhões de euros para reservar um lugar numa próxima viagem.

Fonte: Brasilturis - Foto: Wired Magazine

Airbus da SATA regressa ao aeroporto de Lisboa por problemas

Airbus A310 fazia ligação entre Lisboa e Paris

Um avião da Airbus da SATA, com 222 passageiros a bordo, foi obrigado a regressar ao aeroporto da Portela, em Lisboa, nesta segunda-feira (15), devido a um problema técnico, ainda não identificado.

Em declarações à Lusa, fonte oficial da SATA avançou que a tripulação apercebeu-se do problema técnico no Airbus A310-300, prefixo CS-TKM, que realizava a ligação entre Lisboa e Paris, num voo charter (S4-9810).

O avião regressou à Portela para ser inspecionado por uma equipe de manutenção. Um dos passageiros sentiu-se mal tendo sido assistido por paramédicos.

Fonte oficial da ANA - Aeroportos de Portugal confirmou o regresso do avião ao aeroporto por "problemas técnicos" ainda por apurar.

Fonte: Fábrica de Conteúdos (Portugal)

Seguradora diz ter iniciado indenização por acidente com voo AF 447

Algumas das famílias de vítimas do voo 447 da Air France já começaram a receber um adiantamento das indenizações pelo acidente, de acordo com declarações de Patrick de la Morinerie, diretor-geral adjunto da seguradora francesa Axa, à BBC Brasil.

A Axa administra o processo de indenização pelo acidente. Morinerie não revelou maiores detalhes sobre o número de famílias que já receberam o pagamento prévio de parte da indenização a que têm direito.

"As primeiras cartas foram enviadas no fim de semana para os parentes das vítimas que entraram em contato com a Air France", disse Morinerie. "Este adiantamento é de cerca de 17,6 mil euros (cerca de R$ 47 mil)."

A Convenção de Montreal, de 1999, ratificada pela França e pelo Brasil, fixa as regras em relação às indenizações de passageiros que tenham sofrido lesões corporais ou falecido a bordo de um avião ou durante operações de embarque ou desembarque.

O texto, que entrou em vigor no Brasil em 2006, prevê que os familiares das vítimas têm direito a receber, antecipadamente, uma parte do montante da indenização para auxiliar nas primeiras despesas.

Esse adiantamento, que será posteriormente deduzido da quantia total recebida, não pode ser inferior a cerca de 17,6 mil euros, segundo a norma internacional.

A Convenção de Montreal não fixa teto para as indenizações no caso de lesões corporais ou morte do passageiro - ou seja, elas podem ser ilimitadas, calculadas em função da situação social e profissional de cada vítima.

A única exceção que isenta a companhia aérea de indenizar uma determinada vítima é quando ela consegue comprovar que esse passageiro cometeu uma falha ou agiu com negligência.

Acidente mais caro

Segundo estimativas do jornal Le Monde, as indenizações do acidente aéreo do voo 447 podem custar entre US$ 330 milhões e US$ 750 milhões, no caso de ações na Justiça.

Isso pode tornar o voo Paris-Rio o acidente mais caro da história da aviação, à frente da queda de um avião da America Airlines em 2001, que custou US$ 708 milhões, de acordo com o jornal.

Cerca de 15 companhias de seguro estão envolvidas no acidente, elas próprias seguradas junto a companhias de resseguros. A francesa Axa, seguradora da Air France e também da Airbus, administra todo o contrato, em nome das outras seguradoras.

Os 216 passageiros estão cobertos pela apólice de seguro da Air France. No caso da tripulação, o contrato é relativo a acidentes de trabalho. O avião da Air France -com 12 tripulantes-- transportava inúmeros chefes de família e executivos, o que deve contribuir para aumentar o valor das indenizações.

As seguradoras da Air France também deverão indenizar a companhia aérea em um montante estimado em 67,4 milhões de euros pela perda do Airbus.

Somente os resultados da investigação poderão determinar a parte de responsabilidade das empresas envolvidas, o que pode incluir até empresas terceirizadas que fazem, por exemplo, a manutenção dos aviões.

De acordo com o Le Monde, as seguradoras já estariam fazendo estimativas no caso da Air France ser considerada a única ou principal responsável pelo acidente ou da sua responsabilidade civil ser dividida pela metade com a Airbus.

Veja nomes de ocupantes do voo 447

Fonte: Daniela Fernandes (BBC Brasil) via UOL Notícias

Air France denuncia sabotagem em detector de fumaça de avião A318

Problema foi descoberto por piloto em Dusseldorf, na Alemanha.

Empresa confirmou acreditar em ato deliberado.


A Air France apresentou uma denúncia formal à polícia de transporte aéreo francesa após suspeitar que o detector de fumaça de uma de suas aeronaves foi deliberadamente quebrado, disse a companhia aérea nesta terça-feira (16).

A Air France disse ter feito a denúncia perante a polícia aérea francesa (GTA, na sigla em francês) no dia 9 de junho após descobrir o problema em uma aeronave em Dusseldorf, na Alemanha.

"Uma avaria em um detector de fumaça foi descoberta por um piloto quando o avião estava no solo", disse um porta-voz da Air France, acrescentando que a empresa acredita em um "ato maldoso".

Um porta-voz da GTA disse que esta é uma teoria "possível".

A queixa foi divulgada inicialmente pelo site da revista semanal francesa "Le Point" na Internet.

Sem citar fontes, a "Le Point" informou que um fax enviado para investigadores por técnicos relatava que uma fiação no Airbus A318 fora danificada com um instrumento cortante.

Investigadores de acidentes aéreos estão tentando identificar as causas da queda de um avião da Air France no oceano Atlântico, que decolou do Rio de Janeiro no dia 31 de maio com destino a Paris. O Airbus A330, que fazia o voo AF 447, levava 228 pessoas a bordo.

A agência francesa de acidentes aéreos disse ser muito cedo para apontar qualquer causa para o acidente, alegando ter apenas duas certezas: que o avião atravessou uma tempestade antes do acidente e que a leitura de velocidade estava incorreta.

Fonte: Reuters via G1

Chega a 50 número de corpos de vítimas do voo 447 encontrados

Nesta terça-feira (16), mais um corpo foi avistado e resgatado.

Área de buscas chegou a mais de 19 quilômetros quadrados.



Os Comandos da Marinha e da Aeronáutica informaram, nesta terça-feira (16), que mais um corpo de vítima do voo 447 da Air France foi encontrado e resgatado pela corveta Caboclo. No total, 50 corpos já foram encontrados. A área de buscas, definida diariamente por estudos de correntes marítimas e ventos, ainda de acordo com a Marinha, chegou a mais de 19 quilômetros quadrados nesta terça.

Na quarta-feira (17), o Navio Desembarque Doca-Rio de Janeiro deve chegar à região de buscas com dois helicópteros. A Marinha brasileira mantém ainda no local o navio-tanque Gastão Motta, as corvetas Caboclo e Jaceguai, o navio-patrulha Goiana, além do rebocador de alto-mar Triunfo. A Marinha francesa opera com duas embarcações.

A Força Aérea Brasileira (FAB) atua com dez aeronaves nas buscas. A França utiliza duas aeronaves. Na segunda-feira (15), a operação superou um total de mil horas voadas por aeronaves brasileiras e estrangeiras.

Na manhã desta terça-feira, a Fragata Bosísio chegou a Fernando de Noronha com seis corpos recolhidos anteriormente pela Marinha francesa. O navio Bosísio segue para Natal para manutenção de rotina.

O Airbus da Air France transportava 228 pessoas de 32 nacionalidades, entre passageiros e tripulantes. O voo, de número 447, deixou o Rio de Janeiro com direção a Paris em 31 de maio, às 19h30 (horário de Brasília), e fez o último contato de voz às 22h33. Às 22h48, o avião saiu da cobertura do radar de Fernando de Noronha.

Fonte: G1

Aviões militares espanhóis colidem no ar e caem no Atlântico

Um EF-18A Hornet da Força Aérea Espanhola

Dois aviões militares F-18 do esquadrão de caças da base aérea de Gando, na ilha espanhola de Grande Canária, no Oceano Atlântico, bateram hoje no ar enquanto realizavam um exercício sobre o mar, informaram à Agência Efe fontes do Serviço Aéreo de Resgate.

Os dois pilotos conseguiram se ejetar a tempo e foram resgatados do local do acidente, que ocorreu 60 milhas a sudeste da ilha, acrescentaram as fontes. Ambos já foram encaminhados a um hospital para passarem por exames.

Os dois aviões militares caíram no mar após se chocar em pleno voo enquanto realizavam exercícios em uma área de práticas aéreas.

O Serviço Aéreo de Resgate recebeu o aviso dos pilotos às 10h45 (horário de Brasília) e enviou ao local um helicóptero Superpuma, cuja tripulação localizou e resgatou os militares.

Agora, a equipe tenta recuperar os restos dos aviões F-18.

As aeronaves envolvidas no acidente eram:

McDonnell Douglas F/A-18A-15-MC Hornet - Matrícula C.15-74

McDonnell Douglas F/A-18A-16-MC Hornet - Matrícula C.15-78

Fonte: EFE via G1 - Foto: SrA Greg L. Davis

Associação: parentes franceses querem união por indenizações

Parentes de passageiros do voo AF 447 deixam igreja após culto na região de Roissy-em-France, subúrbio de Paris

Sandra Assali, presidente da Associação Brasileira dos Parentes e Amigos das Vítimas de Acidentes Aéreos, afirmou em entrevista ao Jornal do Terra que as famílias francesas de vítimas da queda com o Airbus do voo AF 447, da Air France, querem se unir com as brasileiras para conseguir indenizações do acidente. Segundo Sandra, os franceses já fundaram uma associação para tratar do caso.

Sandra afirmou também que, no caso do AF 447, há um agravante se comparado a outros acidentes aéreos: a falta dos corpos. "Eu considero o agravante emocional muito grande(...) enquanto isso (os corpos não sejam recuperados e identificados) elas (famílias) não conseguem descansar".

A presidente da associação lembrou que, no caso do acidente da TAM em 2007, quatro pessoas foram consideradas vítimas presumidas, porque os corpos não puderam ser identificados. Segundo Sandra, os parentes dessas vítimas, até hoje, não conseguem assimilar a perda dos familiares.

Sandra disse também que as negociações entre a Justiça e as empresas aéreas para definir as indenizações costumam ser complicadas. O cálculo para o valor a ser pago, por exemplo, leva em conta detalhes como idade da vítima, estado civil, profissão, carreira e expectativa salarial até os 70 anos, os custos com os filhos, inclusive de educação, entre outros. "Os valores nunca são iguais. A história da vítima é que conta", afirmou.

Fonte: Terra - Foto: AFP

Empresa aérea Cruiser irá deixar Mato Grosso

Operando em Mato Grosso há seis anos, com voos diários pata quatro cidades, a empresa Cruiser Linhas Aéreas até o final de 2009 deixará de atender o Estado. A decisão de deixar o Estado foi motivada pela elevada carga tributária sobre o combustível das aeronaves, ou seja, a Querosene de Aviação (QAV).

A mudança para uma outra unidade da federação está praticamente tomada, contudo só virá a ser repensada caso o governo de Mato Grosso venha a reduzir o imposto do combustível para as aeronaves.

Em conversa com técnicos da Agência Nacional de Aviação (Anac), o diretor geral da Cruiser, Paulo Almada, discutiu sobre a transferência da sede e não descartou a possibilidade de transferir a empresa para Minas Gerais, Estado onde a alíquota do Imposto sobre Circulação de Mercadorias e Serviços (ICMS) sobre o QVA é apenas 2%, enquanto que em Mato Grosso é de 25%.

O alto custo do ICMS do QVA faz com que as passagens em Mato Grosso da empresa tenham elevação também, por exemplo, uma passagem de Cuiabá para Aripuanã não sai por menos de R$ 570.

Hoje o custo do combustível para aviação de Mato Grosso encontra-se em segundo lugar entre os mais caros, perdendo apenas para Roraima.

Devido ao alto custo a Secretaria de Estado de Fazenda de Mato Grosso (Sefaz/MT) concedeu às companhias aéreas, que voam dentro de Mato Grosso, redução de 50% na alíquota sobre o QVA, baixando o valor do imposto para 12,5%. Este novo percentual está em vigor desde maio e para que as empresas tenham este benefício deve-se cadastrar junto a Secretaria de Estado de Desenvolvimento e Turismo de Mato Grosso (Sedtur/MT).

A Cruiser Linhas Aéreas atua atualmente em Cuiabá, Juara, Juína e Aripuanã.

Fonte: Circuito MT com informações Jornal A Gazeta - Foto: divulgação

Embraer assina contrato de suporte a peças com aéreas

A fabricante brasileira de aeronaves Embraer assinou contratos de serviço de cinco anos para o programa de reposição de peças com três operadores aéreos europeus. A empresa também selou acordos, de cinco e dez anos, respectivamente, com a austríaca NIKI Luftfahrt GmbH e a japonesa Fuji Dream Airlines. Com o acerto no continente europeu, a fabricante brasileira dará apoio a uma frota de 17 jatos ERJ 145 dos seguintes clientes: Dniproavia Airlines (Ucrânia), Athens Airways (Grécia) e Ándalus Líneas Aéreas (Espanha).

O contrato assinado com a NIKI abrange um jato Embraer 190 que atualmente é operado pela austríaca e cobrirá também outros quatro aviões do mesmo modelo, conforme venda anunciada em julho do ano passado.

Já a companhia aérea Fuji Dream tem dois pedidos firmes para jatos Embraer 170 e um para o Embraer 175. Este é o segundo contrato assinado pelo grupo brasileiro com uma empresa aérea do Japão. Em março deste ano, a subsidiária Embraer Ásia Pacífico (EAP) fechou um acordo de dez anos para apoiar a frota de jatos Embraer 170 operados pela J-AIR, subsidiária integral da Japan Airlines (JAL) que atende à malha aérea regional da empresa no Japão. A JAL tem dez pedidos firmes para jatos 170 e opções para adquirir outras cinco aeronaves do mesmo modelo.

Em comunicado, a Embraer explica que o programa especial de suporte em material reduz consideravelmente a necessidade de investimento do operador em peças de reposição e minimiza custos administrativos e de estoque. De acordo com a fabricante, com esse serviço as companhias aéreas passam a se concentrar na sua atividade principal, a operação comercial de seus aviões. Pelo programa, a Embraer assume a responsabilidade de manter um estoque de peças em seus centros de distribuição e serviços, a fim de fornecer as peças para os operadores tão logo elas sejam solicitadas.

Durante o evento Paris Show, que acontece até o próximo domingo (dia 21) na França, a Embraer também lançou oficialmente a opção LRU (Line Replaceable Unit) de motor para o programa de peças de reposição. Assim, os clientes de E-Jets da Embraer na Europa, África e Oriente Médio passam a ter acesso ilimitado e reparo de LRU de motor da General Electric (GE).

Fonte: Michelly Teixeira (Agência Estado) via Abril.com

Tráfego aéreo de passageiros no país cai 5,5% em maio

O tráfego aéreo de passageiros no Brasil caiu 5,47 por cento em maio na comparação com o mesmo mês do ano passado, enquanto a oferta de assentos cresceu 12,22 por cento, informou a Agência Nacional de Aviação Civil (Anac).

A líder de mercado TAM ficou com 44,90 por cento de martket share em maio, quase cinco pontos percentuais abaixo dos 49,28 por cento um ano antes. A Gol caiu para 42,02 por cento, ante 45,24 por cento.

As duas maiores companhias aéreas do país perderam espaço para a novata Azul Linhas Aéreas, que estreou no mercado em dezembro de 2008, e também para WebJet e OceanAir.

A Azul Linhas Aéreas ficou com fatia de 4,16 por cento do mercado no mês passado, seguida de perto pela WebJet, com 3,99 por cento. Em maio de 2008, a participação de mercado da WebJet estava em 1,90 por cento. A OceanAir obteve 2,88 por cento do mercado interno no mês passado, acima do 1,92 por cento em maio do ano passado.

Nos voos internacionais, o tráfego de passageiros nos aviões das companhias nacionais caiu 5,29 por cento em maio contra igual período de 2008. Já a oferta de assentos aumentou em 3,76 por cento, de acordo com a Anac.

A TAM ficou com 86,84 por cento do total de passageiros transportados para fora do Brasil, acima dos 74,25 por cento há 1 ano. A Gol obteve market share de 13,09 por cento, inferior aos 25,43 por cento em maio de 2008.

No acumulado de janeiro a maio, o tráfego aéreo interno subiu 2 por cento e a oferta de assentos teve expansão de 9,90 por cento. O tráfego internacional nos cinco primeiros meses do ano caiu 7,08 por cento, segundo a Anac, e a oferta de assentos recuou 4,83 por cento.

Fonte: Cesar Bianconi (Reuters/Brasil Online) via O Globo

Airbus vende 24 aviões para empresa do Qatar no Paris Air Show

Companhia aérea compra aviões A320 por US$ 1,9 bi no total.

Boeing se diz otimista sobre perspectivas do setor.


A Airbus foi a primeira empresa a anunciar que vendeu aviões no Paris Air Show, maior feira de aviação do mundo. As fabricantes de aviões têm sido bastante atingidas pela recessão e a Airbus enfrenta dificuldades recentemente também por conta da queda do Airbus A330 da Air France, que fazia o voo 447 entre São Paulo e Paris.

Akbar al-Baker, da Qatar Airways, fala sobre a compra de aviões

A companhia aérea Qatar Airways fez uma encomenda confirmada de 24 aviões da família A320 da Airbus, anunciaram as duas empresas.

Akbar al-Baker, presidente da Qatar, disse que o preço da compra ficou em US$ 1,9 bilhão. Duas aeronaves serão entregues no fim do ano, outras duas no início de 2010 e as demais progressivamente até 2012.

A Boeing também tentou ser otimista, dizendo que projetos importantes como o seu avião 787 continuam avançando e que as perspectivas de longo prazo do setor são boas.

"Nesse ponto, nos parece que as condições econômicas chegaram ao fundo do poço. Se isso for verdade e a recuperação começar no ano que vem, acho que temos uma boa chance de aguentar", disse Scott Carson, presidente da divisão de aviação comercial da Boeing.

Mas, no final de semana, executivos da Airbus afirmaram que a produção das unidades europeias da empresa deve ser reduzida em 25% nos próximos dois anos, segundo o jornal norte-americano "The New York Times".

Contratos

Entre as outras empresas que também fecharam contratos no Paris Air Show está a Rolls-Royce, que acertou com a Gulf Air, do Bahrein, a venda de 20 motores para aviões Airbus A330, que serão entregues a partir de 2012. O valor do contrato é de US$ 1,5 bilhão.

A Bombardier, do Canadá, confirmou 35 encomendas firmes de jatos CRJ1000 NextGen por parte da espanhola Air Nostrum. O negócio vale US$ 1,75 bilhão.

Fonte: G1 (com informações da AFP e da AP) - Foto: Pierre Verdy (AFP)

TAM fará manutenção de aviões do Grupo LAN

A TAM Linhas Aéreas firmou contrato com o Grupo LAN para realizar a manutenção programada de seis aeronaves da frota da companhia chilena no Centro Tecnológico da TAM, localizado em São Carlos, no interior de São Paulo. Ao todo, quatro aviões do modelo Airbus A-319 e dois A-320 vão passar por checks C e D.

Os trabalhos devem terminar em junho. O acordo prevê que a TAM realize o check C, que engloba a manutenção geral da aeronave, em três A-319 e nos dois A-320. O outro A-319 será submetido ao check D, com desmontagem e inspeção completa do avião e de seus sistemas. "O Centro Tecnológico da TAM está plenamente capacitado a fazer o serviço de manutenção para grandes companhias, como a LAN. Temos uma excelente infraestrutura em São Carlos e estamos certificados pelas autoridades aeronáuticas do Brasil, do Chile e da Europa para realizar esses serviços", disse Ruy Amparo, vice-presidente de Maintenance, Repair and Overhaul (MRO, manutenção, conserto e vistoria) da TAM.

Viagens

Na área de turismo, a empresa Americanas.com resolveu turbinar sua área de vendas de passagens aéreas: esse segmento, denominado pela controladora B2W de Americanas Viagens, acaba de lançar o novo visual de seu site. A agência de viagens on-line tem um design inovador, e meta de oferecer maior clareza na busca e leitura do conteúdo.

Os usuários podem transitar entre os canais de passagens aéreas, pacotes turísticos, pacotes personalizados, cruzeiros e resorts de maneira mais simples e ter descontos de até 30%. Uma das grandes funcionalidades do site é a ferramenta "Monte seu Pacote", que permite aos viajantes personalizar seu pacote de viagem de acordo com suas preferências.

O usuário pode escolher dia, horário, tipo do voo e hotel, e, depois da compra, pode acompanhar todo o status do pedido.

Fonte: DCI

Bombardier reduz previsão para jatos executivos

A fabricante canadense de aeronaves Bombardier reduziu sua previsão de vendas de longo prazo, durante o evento da Paris Air Show, para 11,5 mil jatos executivos durante os próximos dez anos, no valor de US$ 256 bilhões. Esse volume é significativamente inferior à perspectiva traçada no ano passado para o mesmo horizonte, de 13,2 mil aviões, no valor de US$ 300 bilhões.

A previsão da fabricante para aviões comerciais, com 20 a 149 assentos, é um pouco mais otimista. O Bombardier projeta vendas de 12,4 mil aeronaves desse tipo, no valor total de US$ 589 bilhões, durante os próximos 20 anos. O volume supera a previsão de 12,9 mil aviões, no valor de US$ 528 bilhões, anunciada no ano passado.

Hoje, a Bombardier disse que acrescentou 17 fornecedores ao seu novo avião regional Cseries, entre 110 e 130 lugares. O grupo espera que o modelo entre em operação em 2013 e concorra no mercado com os aviões de 100 a 145 lugares. Segundo a canadense, esse segmento continua forte.

Airbus e Boeing

As fabricantes Airbus e Boeing estão dando uma pausa na competição pelo recebimento de novas encomendas, durante a Paris Air Show, que ocorre esta semana, e estão focando na preservação dos pedidos já feitos e que estão ameaçados pela crise econômica.

As companhias aéreas, que enfrentam queda da demanda e problemas financeiros para a compra de aeronaves, estão fazendo poucas encomendas novas e, em vez disso, estão pedindo às duas fabricantes o atraso ou cancelamento de encomendas anunciadas há alguns anos.

A Airbus e a Boeing, por sua vez, se esforçam para manter a produção estável e evitar grandes mudanças, que são caras, complicam o planejamento e podem levar a cortes de empregos. "A prioridade é garantir as encomendas que já temos e transformá-las em entregas", disse o executivo-chefe da Airbus, Tom Enders. As companhias aéreas pagam apenas uma pequena parte do preço de um avião quando fazem a encomenda. O acerto de contas ocorre perto da data de entrega.

Ontem, a Airbus foi a única que recebeu uma encomenda volumosa, de 24 jatos A320, feita pela estatal Qatar Airways. O valor de catálogo do pedido é de US$ 1,9 bilhão. A Vietnam Airlines também anunciou que pretende fazer uma encomenda de tamanho semelhante até o fim desta semana, por dois Airbus A350 e 16 A321. Com a encomenda da Qatar Airways anunciada ontem, a Airbus acumula 35 encomendas líquidas este ano, contra 777 em todo o ano passado.

Já a Boeing recebeu sete encomendas líquidas no acumulado deste ano, de 662 em todo o ano passado.

Hoje, a Airbus disse que continua confiante que conseguirá fabricar e entregar 14 modelos A380 superjumbo em 2009. A companhia também afirmou que precisa de ajuda estatal para financiar o desenvolvimento de seu novo modelo A350 e conseguir concorrer em pé de igualdade com o 787 Dreamliner, da Boeing. Ontem, a França e a Alemanha afirmaram que estão preparadas para contribuir com até 2,5 bilhões de euros (US$ 3,48 bilhões) em empréstimos para o custo de 11 bilhões de euros do projeto A350. A Espanha e o Reino Unido, que historicamente possuem interesses industriais na Airbus, deverão aportar quantidades menores de recursos nas próximas semanas. As informações são da Dow Jones.

Fonte: Marcílio Souza (Agência Estado) via Abril.com

Airbus rejeita especular sobre causas do acidente com avião da Air France

A Airbus, fabricante do avião da Air France que caiu no Atlântico com 228 pessoas, evitou hoje especular sobre as possíveis causas da tragédia e manifestou sua esperança de que os investigadores, que amanhã farão novo anúncio, possam determiná-las em breve.

O presidente da Airbus, Tom Enders, ressaltou em entrevista que a empresa "não especula" sobre o que teria causado a queda da aeronave durante o trajeto Rio de Janeiro-Paris porque "quem investiga é o BEA (Escritório de Pesquisas e Análise)", órgão francês encarregado de determinar os motivos do acidente.

Perguntado sobre a questão e sobre as garantias de segurança dos aviões do modelo que caiu, o A330, Enders remeteu à entrevista coletiva convocada para amanhã pelo Escritório de Pesquisas e Análise (BEA), um organismo independente vinculado ao Departamento de Transportes francês.

O presidente da Airbus destacou que a filial do EADS "apoia as autoridades" para poder determinar o que provocou a tragédia.

"Esperamos que as causas sejam descobertas o quanto antes", afirmou.

A Airbus esteve submetida a uma forte pressão midiática nos últimos dias, e entre analistas e comentaristas ganhava força a hipótese de que as sondas de medição da velocidade da aeronave da Air France poderiam ter tido um papel no acidente.

Essa hipótese se sustenta em mensagens automáticas enviadas pelo avião que colocavam em evidência números contraditórios sobre a velocidade com a qual a aeronave circulava, e no fato de que desde 2007 a Airbus tinha emitido uma recomendação para que as sondas fossem trocadas.

O problema desses instrumentos de medição é que, em certas condições meteorológicas -congelamento ao passar por frentes nubladas- podiam deixar de oferecer aos pilotos indicações sobre a velocidade, e isso faria com que voassem inconscientemente de forma lenta ou rápida demais.

O BEA insistiu em que, com os elementos recolhidos até agora, não é possível dizer qual foi a causa da queda do A330 da companhia aérea francesa, e ressaltou que as especulações que possam ser feitas não têm fundamento.

Fonte: EFE via G1

Russa Sukhoi vende 24 aviões Superjet 100 para Avialeasing

A russa Sukhoi informou nesta terça-feira que a Avialeasing, empresa de leasing de aviões, fechou uma encomenda de 24 jatos Superjet 100, em um acordo avaliado em 715 milhões de dólares.

A notícia elevou o número total de encomendas do modelo para 122 unidades, aproximando a fabricante russa da meta de ter 150 aeronaves vendidas até o final do ano, afirmou a Sukhoi na feira de aviação Paris Air Show.

O novo avião da Sukhoi compete diretamente com os jatos da fabricante brasileira Embraer.

A Avialeasing disse que está no estágio final das negociações com três importantes companhias aéreas russas para que usem os jatos Superjet, que estão sendo desenvolvidos pela Sukhoi com a italiana Finmeccanica.

As entregas começarão em 2011, quando espera-se que o mercado de transporte aéreo tenha se estabilizado, segundo a Avialeasing.

O Superjet é a primeira aeronave de passageiros civis da Rússia desde o colapso da União Soviética.

A Sukhoi anunciou na segunda-feira um acordo de 1 bilhão de dólares com a húngara Malev, por 30 aviões, e previu novas encomendas, apesar do declínio da indústria aeronáutica em meio à crise econômica global.

Fonte: Deepa Babington (Reuters/Brasil Online) via O Globo - Imagem: flightglobal.com

Aeroporto de Guarulhos possui maior registro de incidentes com balões no país

Entre 2005 e 2008, 323 balões foram vistos e recolhidos no aeroporto.

Neste ano, até maio, 15 balões caíram dentro de Cumbica.



Clique sobre o mapa para ampliá-lo

O Aeroporto de Guarulhos, na Grande São Paulo, por onde circularam mais de 20 milhões de pessoas em 2008, é líder no ranking de ocorrências com balões entre os seis principais aeroportos do país. Dados da Infraero, disponíveis no site do Centro de Investigação e Prevenção de Acidentes Aeronáuticos (Cenipa), apontam que, entre 2005 e 2008, 323 balões foram vistos e recolhidos naquele aeroporto.

Até maio de 2009, 15 caíram dentro de Cumbica, de um total de 39 avistados nas imediações. Em segundo lugar vem o Aeroporto Internacional do Galeão, no Rio, que registrou nos últimos quatro anos 131 ocorrências dessa natureza. Os perigos de incêndio e colisão com aeronaves aumentam nesta época por causa das festas juninas. Embora seja crime, estão na ativa cerca de cinco mil equipes de baloeiros em São Paulo, além de pessoas que atuam sozinhas, segundo integrantes dos clubes. A Infraero não quis comentar o assunto, alegando que o problema envolve outros setores.

Para o diretor de Segurança de Voo do Sindicato Nacional dos Aeronautas, Carlos Camacho, os balões representam um grande perigo. “Se eles fossem só feitos de papel, seriam absorvidos pela aeronave, mas o problema é que têm muitos penduricalhos e até botijões de gás de 13 quilos pendurados e armação toda de metal.” O diretor de segurança explica que, se um balão se chocar contra uma aeronave, a cabine de comando pode explodir e o motor, ser danificado. “O impacto é muito forte.”

A Sociedade Amigos do Balão acredita que se a prática fosse regulamentada, as ocorrências cairiam. Isso porque, segundo a entidade, antes da lei que tornou crime soltar balão, as pessoas iam em lojas especializadas e recebiam informações sobre como fazer um balão seguro.

Fonte: Agência Estado via G1 - Ilustração: Editoria de Arte/G1

VASP: 27 aeronaves leiloadas hoje não cobrirão 1% da dívida com a Infraero

Acontece hoje o primeiro leilão dos bens da falida Viação Aérea São Paulo (Vasp), empresa que teve a falência decretada em setembro do ano passado por não cumprir o processo de recuperação judicial, iniciado em 2005. Quase 30 aeronaves, avaliadas em R$ 16,8 milhões, serão vendidas para efetuar o pagamento dos credores. A dívida global da Vasp é estimada em R$ 3,5 bilhões. Só com a Infraero, a empresa acumula dívida de R$ 1,2 bilhão pela estadia das sucateadas aeronaves em pátios de aeroportos espalhados pelo Brasil.

Segundo as normas aeroportuárias, cada avião que pousa tem apenas três horas de isenção.

Ultrapassado esse tempo, a empresa aérea é obrigada a pagar um valor por hora ou fração que permanecer em solo. Em Brasília, por exemplo, três aviões da Vasp aguardam o martelo do leiloeiro para saírem do pátio do Aeroporto Internacional Juscelino Kubitschek Ao lado delas, algumas aeronaves da Transbrasil, outra empresa aérea falida, acumula dívida de R$ 310 milhões com a Infraero.

Para manter a estadia das aeronaves nos pátios dos aeroportos ao longo dos últimos anos, a Vasp acumulou uma dívida 75 vezes maior do que o valor de todos os aviões juntos. Esse débito é com a Infraero, estatal que administra o setor aeroportuário do País. Segundo a Infraero, a dívida da Vasp, hoje, inclui tarifas aeroportuárias de embarque, pouso, permanência, concessão de áreas, acesso ao pátio e outros serviços.

No entanto, quando as aeronaves forem efetivamente retiradas das áreas aeroportuárias, um novo valor será gerado para a dívida. “Não é possível calcular os valores fechados sem saber até quando as aeronaves permanecerão nos pátios. A cobrança de permanência é diária e é calculada de acordo com o peso da aeronave e com a categoria do aeroporto”, explica a assessoria da Infraero.

Toda a dívida da empresa se encontra arrolada em processos judiciais. Por este motivo, os credores concorrem para o recebimento, conforme a legislação. Segundo a nova lei de falências, recebem primeiro os credores extraconcursais - que atinge aqueles que colocaram ativos na empresa após o pedido de recuperação, além do administrador judicial e seus auxiliares. Existem créditos, portanto, que possuem mais prioridade do que os da Infraero, como é o caso dos trabalhistas e tributários, por exemplo.

Segundo o advogado Duque Estrada, que representa 550 ex-trabalhadores da Vasp em 870 ações individuais, o valor arrecadado nesse primeiro leilão não será suficiente para pagar todos os credores. “As aeronaves só servem para sucata ou museu e mais nada, pois além de terem mais de 30 anos, no estado em que se encontram, são irrecuperáveis”, afirma.

Cadeia falimentar

Já em 1990, a Vasp operava com prejuízo de US$ 30 milhões anuais e devia US$ 750 milhões. A situação agravou-se após a privatização, com a venda de 60% das ações do estado de São Paulo para o Grupo Canhedo. A empresa descontava dos salários dos funcionários as contribuições devidas à Previdência Social, mas não recolhia o dinheiro ao Instituto Nacional de Seguridade Social (INSS), o que rendeu ao órgão o direito de penhora das aeronaves da empresa, antes mesmo da decretação falência.

Contudo, “o INSS só penhorou e nunca pediu uma adjudicação (ato judicial mediante o qual se transfere uma propriedade) ou leilão”, diz o advogado Duque Estrada. Ele explica que, no caso específico, se houve a adjudicação, ela ocorreu posteriormente ao pedido de recuperação judicial, em 2005, o que torna a penhora do INSS nula. “Num dos mais normais atos da burocracia do governo, ele inicia bem o seu dever de casa, mas perde por ineficiência”, lamenta Estrada.

Alexandre Lazzarini, juiz da 1ª Vara de Falências e Recuperações Judiciais do Estado de São Paulo, alertou para a existência de diversas aeronaves espalhadas pelos aeroportos brasileiros, que, embora estivessem penhoradas em execução do INSS, o órgão “não providenciou que os aviões fossem levados a leilão, apesar da depreciação". Lazzarini diz não ter conhecimento quanto à situação processual das execuções promovidas pelo INSS. No entanto, esclarece as conseqüências da não execução: “com a decretação da falência todos os créditos, inclusive os de natureza fiscal, devem ser trazidos para o quadro de credores da falência, ficando, ainda, prejudicadas as penhoras”.

Quando sentenciou a falência da empresa aérea, Lazzarini ainda recomendou que a sentença fosse levada ao conhecimento do Ministério Público Federal, “para apuração de responsabilidade [...] pela não execução dos créditos do INSS, garantidos por aviões”. Questionado sobre os motivos que impediram a adjudicação ou leilão dos bens antes do pedido de recuperação judicial, o INSS informou que “desde a unificação das receitas este assunto não é mais da alçada da Previdência Social”.

A assessoria do instituto ainda afirmou que as dúvidas sobre execução de dívidas previdenciárias deveriam ser encaminhadas à Secretaria da Receita Federal, que não se manifestou até o fechamento da matéria. Igualmente sem resposta ficaram as indagações sobre o período em que as aeronaves da Vasp permaneceram sob a responsabilidade do INSS e quais os prejuízos ou vantagens, do ponto de vista do órgão público que perdeu a oportunidade de resgatar uma dívida, existiram nessa negociação com a empresa falida.

Segundo Gisela Chamoun, procuradora do Ministério Público do Distrito Federal e Territórios, como o INSS não se sujeita ao processo de recuperação deveria ter procedido à venda dos aviões para pagamento total ou parcial de seu crédito. “Os processos de execução são relativamente rápidos e após a penhora os bens são levados à venda judicial e pagos ao credor” explica a procuradora, que também é professora da Universidade de Brasília, especialista em Lei de Falências.

A procuradora ainda lamenta o prejuízo de depreciação das aeronaves, o que, segundo ela, implica em menor valor aos bens e na redução no pagamento do crédito do INSS, que permanece no quadro de credores habilitados, com saldo a receber. “Isso, evidentemente, representa uma lesão ao direito dos demais credores”, afirma Chamoun. “No campo das conjecturas, se os bens não foram vendidos nas execuções por culpa (negligência, imprudência, imperícia) ou dolo de servidor do INSS, os prejuízos decorrentes podem lhes ser atribuídos, com base na Lei de Improbidade. O único motivo que conheço para que a administração pública deixe de cumprir um dever é ineficiência, burocracia, incompetência e corrupção”, destaca.

Fonte: Milton Júnior (Contas Abertas)

Gelo no sensor de velocidade já havia gerado pane em dois Airbus A330

Dois A330-200 da Air Caraïbes tiveram anomalias que geraram mensagens quase idênticas às do AF447. Empresa do Caribe trocou os tubos de Pitot e avisou Airbus do problema

A330 da Air Caraïbes
Congelamento nos tubos de Pitot causou incidentes semelhantes em aeronaves da companhia aérea, que decidiu trocar a peça

Incidentes muito semelhantes ao do Airbus A330-200 da Air France ocorreram no ano passado com dois aviões idênticos de uma companhia aérea caribenha, a Air Caraïbes. Eles foram provocados pela formação de gelo nos tubos de Pitot ao atravessar zonas de tempestade e turbulência. Esses tubos vêm sendo apontados nos últimos dias como possíveis responsáveis pela queda do voo AF447 no Oceano Atlântico, no último dia 31. A Air Caraïbes trocou os tubos de Pitot de seus aviões, substituindo-os por modelos mais resistentes ao gelo, e avisou a sede da Airbus, na França, do problema. Um relatório interno da Air Caraïbes afirma que a Airbus estudava, em dezembro do ano passado, trocar os tubos de Pitot de todos os aviões similares fabricados pela empresa.

As informações foram publicadas no site inglês de aviação Flight Global. Consultada pelo jornal France-Antilles, da Martinica (departamento ultramarino da França), a empresa não quis se manifestar.

Entre as mensagens emitidas pelos aviões da Air Caraïbes durante um dos incidentes, estão várias que figuram no relatório da Air France de mensagens enviadas pelo AF447 nos minutos que antecederam a queda. Entre elas estão AUTO FLT AP OFF (indica desligamento do piloto automático), ADR DISAGREE (que indica discrepância entre informações de voo de diferentes sensores), F/CTL ALTN LAW (que indica mudança do modo de pilotagem devido a uma falha no sistema), F/CTL RUD TRV LIM FAULT (que indica falha no "rudder travel limiter", o limitador do leme, sistema que evita danos provocados por manobras bruscas em alta velocidade) e F/CTL PRIM1 FAULT. O relatório também aponta que a mensagem ADR DISAGREE representaria o momento exato do congelamento dos PITOTS.

Segundo o relatório da Air Caraïbes, o que desencadeou essa série de panes, alarmes e mensagens foi o gelo acumulado nos tubos de Pitot. Esses tubos são fundamentais para manter o avião no céu. "Sem essa peça o avião está praticamente cego, pois ela é responsável por enviar as mensagens de altitude e velocidade para os computadores do sistema Adiru, responsável pelos computadores de bordo e piloto automático", diz Oliver Santiago, consultor em aviação. "Um exemplo disso foi o avião que caiu no Peru há um ano atrás e resultou na morte de todos passageiros. O avião caiu porque uma fita crepe foi esquecida nos Pitots e repassou informações erradas aos comandantes".

A possibilidade de congelamento da peça no AF447 foi levantada depois que as 24 últimas mensageNs emitidas pelo A330-200 da Air France ao sistema chamado Acars começaram a ser interpretadas. Logo em seguida, a Airbus divulgou que a peça deveria ser substituída nos modelos similares ao que sofreu o acidente na semana passada. A Air France foi uma das companhias que começaram a fazer a substituição em larga escala. O avião que caiu no oceano Atlântico voava com o modelo antigo do tubo de Pitot.

A Airbus foi alertada pelo técnico em segurança de voo da Air Caraïbes Hugues Houang sobre o comportamento potencialmente perigoso dos pitot do Airbus-330 em tempestades. No incidente principal descrito por Houang, em apenas 16 segundos a temperatura do sensor aumentou de -14º para -5º Celsius – um indício, explica ele no relatório, de formação de gelo severa. Vinte e três segundos depois, acende-se no painel de bordo dos pilotos a mensagem AUTO FLT AP OFF, indicando que o piloto automático parou de funcionar. Foi exatamente essa a primeira mensagem indicando problemas no AF447.

Ainda segundo o relatório de Houang, o problema foi resolvido no ar porque os pilotos decidiram desconsiderar as mensagens automáticas, atribuindo-as a um erro de indicação de velocidade. Esse erro de indicação é outra hipótese que tem sido apontada como possível razão da queda do AF447. Em meio a uma série de mensagens de alarme e pane, os pilotos decidiram aplicar um procedimento padrão chamado UNRELIABLE SPEED INDICATION (indicação não-confiável de velocidade).

Os dois aviões da Air Caraïbes tiveram os tubos de Pitot trocados. Os sensores PITOT Thales PN C16195AA (iguais ao do Airbus do voo AF 447) foram substituídos por sensores PITOT Thales PN C16195BA. "Esses equipamentos têm um melhor desempenho em condições de chuva, graves tempestades ou grandes formações de gelo", afirmou Serge Tsygalmitsky, CEO da Air Caraïbes, em uma nota para agência de notícias AFP. Os incidentes com os aviões da companhia aérea não resultaram em vítimas.

O comunicado da Air Caraïbes gerou uma reunião na sede da Airbus, em Toulouse, na França, em outubro de 2008. Durante o encontro, engenheiros da Airbus fizeram um balanço dos dois incidentes com os aviões da Air Caraïbes. Os técnicos concordaram que os incidentes mereciam ser levados em consideração. Segundo o relatório de Houang, a Airbus estava "cogitando", em dezembro de 2008, uma modificação geral nos sensores de Pitot dos aviões. Mas só depois do acidente com o voo Rio-Paris foi emitido um comunicado alertando para o risco representado pela falha nos sensores.

Clique aqui e leia íntegra do relatório da Air Caraïbes.

Fonte: Juliana Arini (Revista Época - 09/06/09) - Foto: reprodução

Tripulação de cia. aérea mexicana diz ter avistado uma esfera voadora

No sábado, 6 de junho, às 16:10 horas, a tripulação de um Fokker 100 da empresa aérea ClickMexicana, relatou ter avistado durante o voo um objeto de forma esférica que foi descrito como uma esfera brilhante, que parecia ser de platina polida e que refletia os raios do sol.

O Fokker 100 estava voando a uma altitude aproximada de 8.000 metros na aerovia Juliet 21. O objeto desconhecido, que tinha por volta de 10 metros de diâmetro, cruzou o caminho da aeronave na posição a esquerda e abaixo.

Este avistamento foi registrado sobre a região sul de Cerro de La Estrella, que fica a leste da Cidade do México. As condições do tempo na data do avistamento eram de céu claro, ensolarado e sem nuvens.

Segundo relatos do site "Investigación OVNI-Mexico", de algum tempo para cá, os encontros entre objetos voadores e os aviões aumentaram, principalmente quando eles aterrissam ou decolam do aeroporto da capital mexicana.

* A imagem à direita é meramente ilustrativa

Avião faz pouso forçado no aeroporto de Brasília

O avião Embraer EMB-810C Seneca II, prefixo PT-RBC, fez um pouso de emergência no Aeroporto Internacional de Brasília na tarde desta segunda-feira (15).

O avião envolvido no incidente, em 2007, no Aeroporto Hercilio Luz (SC)

A assessoria da Empresa Brasileira de Infra-estrutura Aeroportuária (Infraero) no aeroporto disse que, aparentemente, a causa do pouso forçado foi um problema no trem de pouso do avião. Entretanto, as razões ainda vão ser investigadas pelo Centro de Investigação e Prevenção de Acidentes Aeronáuticos (Cenipa).

Ainda segundo a assessoria, nenhuma das seis pessoas que estavam no avião ficou ferida e os passageiros foram liberados logo após o pouso, que aconteceu por volta das 17h34. A pista utilizada para o pouso ficou interditada por cerca de uma hora, com uma equipe de socorro pronta para atender a ocorrência.

A assessoria do Aeroporto de Brasília informou que o avião vinha do interior do Pará, mas não soube dizer para qual cidade ele seguia.

Fonte: Último Segundo - IG - Foto: Juliano Damasio "AirSpeed" (Airliners)