domingo, 31 de agosto de 2008

Resgate encontra avião venezuelano que caiu no Equador

Avião havia desaparecido na noite de sábado (30).

Corpos dos três ocupantes também foram encontrados.

Equipes de resgate chegam aos destroços de avião que caiu no Equador

Patrulhas de resgate encontraram neste domingo (31) a fuselagem e os corpos de três tripulantes do avião de carga venezuelano, que caiu sábado à noite em um local remoto andino do centro do Equador, minutos antes de aterrissar no aeroporto da cidade de Latacunga.

Cristina Medina, da Cruz Vermelha Equatoriana (CRE), disse que os destroços do avião, em cujo interior foram encontrados os corpos dos três tripulantes, foram achados em um lugar conhecido como Cerro Azul, junto à montanha Illiniza, no centro dos Andes equatorianos.

Ela acrescentou que a descoberta aconteceu às 14h (16h em Brasília), após 16 horas de intensa busca pelas patrulhas formadas por escaladores de montanha dessa instituição, do Exército e da Polícia.

Já uma fonte do Comando Conjunto das Forças Armadas indicou que, no momento, estão tentando identificar os corpos dos falecidos. "As patrulhas chegaram ao local, Cerro Azul, e encontraram a fuselagem e os corpos. Estão tentando identificá-los e evacuá-los desse lugar", acrescentou a fonte militar.

Desaparecidos

A tripulação do avião Boeing 737-300 da companhia de carga venezuelana Conviasa, que foi declarado desaparecido na noite de de sábado, era integrada pelo capitão Pedro Menderi, o co-piloto Gerardo Rangel e um mecânico, cujo nome se desconhece.

O lugar do acidente é uma zona de difícil acesso, agravada pelas más condições climáticas, disse Medina. Ela afirmou que Cerro Azul é uma elevação que se encontra na face sul dos Illinizas, uma formação montanhosa que tem dois picos.

Mais de 200 pessoas, entre a equipe da CRE, do Exército, da Cruz Vermelha e dos Bombeiros rastrearam vários setores próximos ao vulcão Cotopaxi, onde a princípio se achava que poderia ter caído o avião venezuelano.

Os montes Illinizas e seu vizinho, Cerro Azul, se encontram perto e em frente ao vulcão Cotopaxi, que domina a entrada aérea para o aeroporto de Latacunga, cidade situada a cerca de 90 quilômetros ao sul de Quito.

Já a Direção de Aviação Civil (DAC), formou uma Junta de Investigação de Acidentes (JIA), encarregada de encontrar as causas do acidente.

Fontes: G1 / EFE

DADOS DO AVIÃO


BOEING 737-291
PREFIXO: YV102T
SERIAL: 21545/525
ANO: 1978
PREFIXOS ANTERIORES: N7394F, N980UA, HR-AUB

Avião de carga venezuelano perde contato com torre de comando

As autoridades de aviação civil do Equador informaram hoje que se perdeu o contato com um Boeing 732 de carga da companhia venezuelana Conviasa, a 30 km do aeroporto de Latacunga, no centro do país.

O sinal foi perdido às 21h local do sábado (23h de Brasília), informou a direção de aviação civil, que não pôde dizer o número de tripulantes que viajavam na aeronave.

As equipes de resgate se dirigiram para a região, que fica a cerca de 90 km ao sul de Quito.

Fonte: EFE

sábado, 30 de agosto de 2008

Monomotor bate em prédio da Infraero em São Paulo

Com a colisão, uma das asas da aeronave foi arrancada.

Piloto e passageiro ficaram levemente feridos no acidente.


Um avião monomotor Neiva 710C Carioca, prefixo PT-NOQ, se chocou contra o prédio da Infraero no Aeroporto Campo de Marte, na Zona Norte da capital paulista, na tarde deste sábado (30), quando saía de um hangar para outro. De acordo com os bombeiros, o piloto e o genro dele, os únicos tripulantes da aeronave, ficaram levemente feridos. Os dois foram levados para o Hospital São Luiz.

Assista a reportagem do Terra

Segundo a Infraero, o acidente aconteceu no início da tarde, por volta de 13h, e, com a colisão, uma das asas da aeronave foi arrancada. A assessoria de imprensa da empresa informou que o monomotor deixava um hangar e teria seguido em aceleração em direção ao edifício. Na colisão, uma das asas se soltou.

A Infraero informou ainda que o acidente não prejudicou as operações no Campo de Marte porque foi em uma pista interna, longe daquela usada para pouso e decolagem. As causas da batida estão sendo investigadas pelo Centro de Investigação e Prevenção de Acidentes Aeronáuticos (Cenipa).

Avião cai sobre duas casas em Las Vegas, nos EUA

Dez pessoas viviam na casa de dois andares no nº 2832 da N. Jones Blvd, no norte de Las Vegas, em Nevada, EUA, onde um avião caiu na quinta-feira (28) à tarde. Três adultos e duas crianças estavam em casa no momento do acidente.

O piloto foi encontrado morto no interior dos destroços do PA-31-350 Navajo Chieftain, prefixo N212HB, pouco após às 18:00 (hora local) por membros do Corpo de Bombeiros de Las Vegas, pela Polícia Metropolitana, da FAA (Federal Aviation Administration), informou o porta-voz do Bombeiros, Tim Szymanski.

Um total de 12 pessoas - seis adultos e seis crianças - foram levadas à Cruz Vermelha Americana para receber ajuda. Todos os animais estão com os seus proprietários.

Os moradores correram para fora da casa e deixaram a área depois do acidente, disse Szymanski, mas a mãe sofreu uma pequena inalação de fumaça. Ela foi levada ao Centro Médico da Universidade local de ambulância.

Ali perto, um pai e e sua filha adolescente estavam em uma casa em casa no nº 2828 da masma rua. Disseram que ouviram um forte barulho vindo de sua cozinha. Quando eles saíram para verificar, encontraram intensas chamas no local, Szymanski disse.

A família não sabia que um avião havia caído.

O Piper Navajo caiu no quintal da casa nº 2832 e explodiu em chamas, ocasionando o incêndio em duas casas, onde foi destruindo um veículo no terreno, Szymanski informou.

"Afigura-se, desde já, neste momento, que temos apenas uma fatalidade. O piloto que estava na aeronave," disse Szymanski na quinta-feira à tarde.

O piloto não foi identificado. O Piper Navajo está registrado para a empresa Aeronet Supply, de Gardena, Califórnia, em Los Angeles. Ela foi fabricada em fevereiro de 1981.

Como o avião começou a perder altitude, testemunhas oculares descreveram que sua asa direita - onde fumaça saia do motor - cortar linhas elétricas e a aeronave foi catapultada para a casa, onde explodiu numa bola de fogo.

Pelo menos 900 casas ficaram sem eletricidade, exigindo a polícia e dos bombeiros um cordão de isolamento em uma grande área.

O avião, que estava a caminho da Palo Alto, Califórnia, EUA, estava se aproximando do Aeroporto North Las Vegas quando ele caiu, disseram as autoridades.

Este é o segundo acidente de avião em uma área residencial perto do aeroporto North Las Vegas, em menos de uma semana.

Uma aeronave experimental de quatro lugares, com hélice traseira, modelo Velocity 137RG decolou às 6:28 hs. na sexta-feira passada e momentos mais tarde caiu sobre o telhado de uma casa na Langdon Way, onde Jack e Lucy Costa viviam.

O acidente matou os Costas e e Mack Creekmore Murphree Jr., um experiente piloto de 76 anos de idade e 6.250 horas de tempo total de vôo.

Fontes: Las Vegas Sun / ASN - Foto: Steve Marcus

Turcos comemoram Dia da Vitória com acrobacias aéreas

Em 30 de agosto é celebrada a vitória contra os gregos em 1922.

Conquista militar abriu espaço para a formação da Turquia moderna.


Jatos da Força Aérea turca se apresentam no Dia da Vitória

Força especial do Exército turco faz acrobacias em comemoração do 30 de agosto

Grupo se apresenta em Ancara neste sábado. O Dia da Vitória marca a maior conquista militar contra os gregos em 1922, que abriu caminho para a consolidação da Turquia moderna

Fontes: G1 / France Presse - Fotos: Adem Altan (AFP)

Boeing fecha contrato de US$ 4,3 bi com EUA para fornecer helicópteros

A Boeing fechou um contrato de US$ 4,3 bilhões para fornecer e reformar um total de até 215 helicópteros de transporte militar CH-47F Chinook ao Exército dos EUA. O acordo tem validade até 2014.

No contrato estão contemplados pedidos firmes para 181 helicópteros, com valor de US$ 3,8 bilhões. Ele também inclui uma compra suplementar de outras dez aeronaves e uma opção para outras 24.

O CH-47F Chinook

Ao firmar o acordo de longo prazo, a força militar norte-americana irá economizar US$ 449 milhões, pouco mais de 10%, do valor de compra total desses helicópteros. O preço médio por aparelho, segundo agências especializadas em aeronaves militares, é de US$ 20 milhões.

Entre os 181 pedidos firmes, 109 serão aeronaves novas e 72 serão helicópteros reformados - que têm parte de sua fuselagem fabricada com materiais novos.

O Exército dos EUA informou que o Congresso do país deu sua autorização para firmar o contrato de longo prazo em dezembro de 2007, quando a força americana começou as negociações com a Boeing.

Atualmente, a fabricante entregou 48 unidades do CH-47F ao Exército dos EUA, que tem planos para receber - incluindo o novo pedido - 452 aparelhos no total.

De acordo com o diretor do programa do Chinook da Boeing, Jack Daugherty, o interesse de estrangeiros pelo helicóptero de transporte também tem aumentado. Ele comentou que a Holanda adquiriu seis unidades da aeronave, com a primeira entrega marcada para o início de 2009. A empresa também negocia a venda de 16 helicópteros para o Canadá e outras 16 - com mais quatro opções - para a Itália.

A Boeing divulgou ainda a venda de quatro aeronaves Chinook a um cliente não identificado no Oriente Médio. Além disso, afirmou Daugherty, o governo dos EUA já recebeu uma carta de intenção do Egito para a aquisição desses helicópteros.

O CH-47F é a versão mais moderna do CH-47 original, desenvolvido no início da década de 1960, e que foi usado pela primeira vez em combate durante a guerra do Vietnã. Com dois rotores principais (sem a pequena hélice de estabilização), o aparelho pode levantar e transportar cargas pesadas, além de pequenos grupamentos de soldados.

Fonte: José Sergio Osse (Valor Online) - Foto: Divulgação (Boeing)

Hisbolá diz que derrubada de helicóptero no Líbano foi incidente "infeliz"

O grupo xiita Hisbolá, sobre o qual recaem todas as suspeitas do atentado em que foi derrubado um helicóptero militar Bell UH-1N Twin Huey, da Força Aérea Libanesa, na quarta-feira (27) e morto um tenente, classificou nesta sexta-feira o incidente de "infeliz e doloroso", embora tenha anunciado que esperará pelo resultado da investigação.

Em comunicado divulgado hoje, o Hisbolá não reconheceu abertamente que foram seus milicianos que dispararam contra o veículo, mas disse que apresentou às autoridades judiciais "detalhes e provas" que permitirão esclarecer os fatos.

O tenente libanês Samer Hanna, de 26 anos, morreu no acidente, depois que o helicóptero teve de fazer um pouso de emergência após receber vários disparos de advertência quando sobrevoava a região de Iqlim el-Tufah, no sul do Líbano.

"O Hisbolá cooperará com as autoridades judiciais e com o Exército para garantir que se saiba a verdade", assinalou em nota o grupo, liderado por Hassan Nasrallah.

O movimento xiita também expressou suas condolências à família de Hanna, e acrescentou que considera o tenente, que foi promovido a capitão após sua morte, um "mártir".

Além disso, no comunicado, o Hisbolá pede a todas as partes que não dêem "declarações sem fundamento" até que os fatos sejam conhecidos.


O Governo libanês se reuniu na tarde de sexta-feira para analisar o fato, informou a "Rádio Líbano".

Nas últimas horas se multiplicaram os discursos dos líderes da maioria parlamentar, contrários ao Hisbolá, que acusam direta ou indiretamente o grupo de efetuar os disparos.

Fontes: ASN / EFE

Nasa reúne astronautas históricos

Agência espacial americana está comemorando 50 anos.

Nasa juntou em evento Neil Armstrong, John Glenn Jr e James Lovell.

Neil Armstrong, à esquerda, o primeiro homem a caminhar na Lua; John Glenn Jr (centro); o primeiro americano a orbitar a Terra; e James Lovell, comandante da Apollo 13, durante encontro histórico, de 19 de astronautas, nesta sexta-feira (29), como parte dos 50 anos da Nasa, completados em julho.

Fonte: G1 - Foto: Jason Miller (AP)

Pequeno avião cai em área residencial de Los Angeles

Piloto já tinha iniciado aterrissagem quando perdeu o controle.

A aeronave ficou presa nos fios da rede elétrica e bateu em um carro.


Um pequeno avião Cessna 172 caiu sobre um carro estacionado quando tentava fazer um pouso de emergência no Aeroporto Bob Hope, em Burbank, Los Angeles, nos Estados Unidos, nesta sexta-feira (29).




Segundo a Administração Federal de Aviação, o piloto já tinha iniciado aterrissagem quando perdeu o controle e desviou da rota do aeroporto caindo a oeste do aeroporto, ferindo levemente o piloto e dois passageiros - um homem e uma mulher.

O avião ia para o Aeródromo Brackett Field, em La Verne, mas por falta de combustível, fez a aterrissagem de emergência em Burbank.

A aeronave ficou presa nos fios da rede elétrica e bateu em um carro que tinha acabado de estacionar. A região ficou sem luz durante algumas horas.

Fontes: Globo News / Los Angeles Times - Fotos: Bob Chamberlin / Fox11

Aviões quase colidem sobre Porto Rico

Dois aviões de passageiros quase se chocaram em pleno vôo quando cruzavam o mar do Caribe, informou nesta sexta-feira (29) a Administração Nacional de Segurança no Transporte dos Estados Unidos.

O incidente foi protagonizado por um avião Boeing B737-800 da companhia aérea americana Delta, que havia partido de Port of Spain (Trinidad-Tobago) para Nova York (vôo 485), e um avião russo, da Transaero, Boeing B747-400(vôo 554), também cheio de passageiros.

O quase choque aconteceu na quinta-feira (28), às 18:37 hs. quando as duas aeronaves ocupavam o mesmo espaço aéreo (10.058 metros ou 33.000 pés) enquanto sobrevoavam a região norte da ilha de Porto Rico, cerca de 288 km de San Juan.

Segundo o órgão americano, os aviões só não colidiram porque o transponder dos dois aparelhos estava ligado, o que fez soar o alarme em ambas as cabines de pilotagem.

Para não se chocar com a aeronave americana, o piloto do avião russo efetuou uma manobra para diminuir sua altitude em aproximadamente 60 a 90 metros (200 a 300 pés).

Na hora do incidente, os aparelhos estavam sobre o mar, a cerca de 10.000 metros de altitude e aproximadamente 300 quilômetros a norte de San Juan, em Porto Rico.

A Administração Nacional de Segurança no Transporte, que não deu informações sobre o número de passageiros nos dois aviões, disse que o incidente está sendo investigado.

Fonte: Inquirer

Com aviões mais vazios, Gol mima agentes de viagens

Com a taxa de ocupação de seus aviões em queda, o grupo Gol/Varig anunciou na quinta-feira (28) um "mimo" para os agentes de viagem. A empresa, que até então pagava 7% de comissão, ante 10% da rival TAM, começou a pagar 12%, promoção que se estenderá até o final de setembro. A partir de 1º de outubro, a empresa passará a aplicar os mesmos valores da TAM. Para o diretor da Associação Brasileira dos Agentes de Viagem (Abav), Leonel Rossi, a comissão de 12% é sinal de "baixa temporada". "É temporada de liquidação", disse.

O aumento nas comissões representa uma grande mudança no relacionamento da Gol com os agentes de viagem. Em janeiro do ano passado, a Gol chegou a sofrer boicote de mais de 6 mil agentes de todo o País ao anunciar uma redução de 10% para 7% na comissão para vôos domésticos.

Em seu modelo de negócios original, a Gol apostava todas as suas fichas na venda direta pela internet, e inovou ao introduzir o bilhete eletrônico. "Mas logo perceberam que, sem os agentes, não existe estrutura para vender", afirma o diretor da Abav.

Os agentes de viagem são responsáveis por 85% das vendas da TAM e por 70% das vendas da Gol/Varig. Na época do boicote à Gol, há um ano e meio, 80% das vendas da TAM eram feitas por intermédio de agentes de viagem, ante 73% da Gol. Já a venda pela internet representa 12% para a TAM e 18% para a Gol/Varig.

"O incentivo deve levar a um aumento da venda de passagens da Gol e da Varig pelos agentes de viagem", avalia Rossi. "Há espaço para tudo, venda direta e via agentes. A única coisa que o agente não quer é vender sem ser comissionado."

A Gol confirma o aumento na comissão, mas nenhum executivo estava disponível para dar entrevistas. O aumento na comissão tem por objetivo reverter uma tendência de queda na taxa de ocupação das aeronaves e perda de participação de mercado. De junho para julho deste ano, a taxa de ocupação nos vôos da Gol caiu de 68% para 63%, enquanto na Varig caiu de 62% para 58%. Em contrapartida, a TAM viu a ocupação de seus aviões subir de 67% para 70% no período.

Para o presidente do Instituto de Estudos Estratégicos e de Políticas Públicas em Transporte Aéreo, Respício do Espírito Santo Junior, a queda na ocupação dos vôos da Gol e da Varig está relacionada com o fim dos vôos internacionais de longo curso da Varig. "A Varig tinha um tráfego de alimentação para os vôos internacionais que ela perdeu."

Além do fim dos vôos de longo curso, Respício acredita que o grupo Gol/Varig esteja sofrendo com o avanço de empresas menores, como a Webjet. "A CVC (dona da Webjet) está investindo pesado e a Webjet começa a comer pelas bordas", afirma. "Dois anos atrás, a Webjet não conseguia crescer por falta de aviões. Agora, está sobrando 737-300 barato no mercado e a empresa já fala em uma frota de 10 aviões até o final do ano."

Quando comprou a Varig, em março de 2007, a Gol estava em franco crescimento e a diferença de participação das duas em relação à TAM era inferior a três pontos porcentuais. Em julho deste ano, porém, a diferença chegou a quase 10%. A TAM tinha 51,09%, ante 41,77% da Gol/Varig. Dados extra-oficiais colhidos até o dia 28 de agosto mostram que essa diferença pode passar de 13 pontos este mês.

Fonte: AE

Portugal: Passageiros voaram para Canárias no mesmo avião

Técnicos conseguiram resolver o problema no motor do Boeing 757

Os 204 passageiros e tripulantes do Boeing 757 que aterrou de emergência em Faro, na tarde de quarta-feira, partiram na quinta (28) rumo às Canárias no mesmo avião.

Leia aqui a notícia sobre o pouso de emergência

Inicialmente, a Thomas Cook, empresa proprietária da aeronave, considerou enviar um avião de substituição de Inglaterra. No entanto, os técnicos conseguiram resolver o problema no motor do Boeing, em Faro, e a companhia optou por utilizar o mesmo avião para completar a viagem.

Recorde-se que o Boeing 757 foi forçado a aterrar de emergência no aeroporto de Faro, depois de o piloto ter detectado uma fuga de óleo num dos dois motores do avião.

O voo ligava Londres à ilha de Fuerteventura nas Canárias. Tinha saído de Gatwick às 09h00 de quarta-feira, aterrando em Faro às 12h45. Os passageiros ficaram mais de seis horas na zona de embarque do aeroporto algarvio, até que, às 19h00, foram encaminhados para um hotel onde pernoitaram.

Fonte: Correio da Manhã (Portugal) - Foto: Nuno Jesus

Lufthansa mostra interesse em Airbus para mil passageiros

Clique sobre a imagem para ampliá-la

A companhia aérea alemã Lufthansa, e também a Air France, tem interesse no desenvolvimento e construção de uma versão alongada do gigantesco Airbus A380, que teria capacidade para até mil passageiros.

Essa informação foi dada pelo chefe do consórcio EADS, Louis Gallois, em entrevista que será publicada amanhã pelo jornal alemão "Sächsischen Zeitung".

Gallois comenta que a versão gigante do avião de passageiros com uma capacidade média atual de 525 assentos, o que seria o A380-900, foi planejada desde o início.

No entanto, reconhece que até o cumprimento do previsto plano de produção e entrega dos aparelhos já encomendados em sua versão standard, não se pode pensar no desenvolvimento do modelo gigante, que quase duplicaria a capacidade de transporte.

O chefe da EADS afirma que a unidade de produção da Airbus em Dresden será ampliada, caso que o grupo consiga obter o contrato para a fabricação dos aviões cisterna para o Exército dos EUA.

Fonte: EFE - Foto: Divulgação

sexta-feira, 29 de agosto de 2008

Spanair cogitou a possibilidade de trocar o avião que explodiu em Madri

A companhia espanhola Spanair pensou em trocar o avião que explodiu em 20 de agosto e causou 154 mortos quando detectou um defeito que foi reparado antes da decolagem, indicou nesta sexta-feira a ministra espanhola do Desenvolvimento, Magdalena Alvarez.

"A companhia comunicou ao aeroporto a possibilidade de substituir a aeronave e depois informou ao centro de gestão aeroportuário que havia decidido continuar com a aeronave", indicou a ministra em pronunciamento a uma comissão da Câmara dos Deputados.

O avião decolou pouco antes das 14:25 hs. do aeroporto de Madri em um ponto mais afastado que o regulamentar, não alcançou a altura suficiente para decolar e começou a baixar até cair e pegar fogo, com 172 pessoas a bordo.

Mas antes, quando o avião saiu da pista para decolar pela primeira vez, o piloto detectou um problema no medidor de temperatura externa e voltou.

Um técnico desconectou o sistema e não o reparou por não considerar necessário. Neste momento, a Spanair pensou em trocar a aeronave, mas acabou não o fazendo.

Este primeiro problema não teve nada a ver com o acidente, segundo a companhia.

As causas do acidente ainda não foram identificadas, mas os indícios apontam para uma perda de força no motor para decolar.

A Spanair, propriedade da escandinava SAS, pretende demitir mil de seus 4.000 trabalhadores.

Fonte: AFP

Comitiva de Evo Morales faz escala de emergência no Brasil, diz jornal

O grupo foi impedido de decolar do departamento de Beni, na Bolívia.

Oposição tomou aeroportos da região, impedindo a saída do presidente.




A tomada de três aeroportos pelo grupo rebelde União Juvenil de Beni fez com que o presidente boliviano, Evo Morales, e sua comitiva fizessem uma escala de emergência em Guajará-Mirim, em Rondônia, noticiou o jornal boliviano "La Razón" nesta quinta-feira (28). De acordo com a reportagem, Morales estava nesta quarta-feira no departamento de Beni, no norte do país, quando o grupo tomou os aeroportos de Trinidad, Riberalta y Guayaramerín.

A assessoria do presidente pediu então autorização ao governo brasileiro para usar a pista de pouso de Guajará-Mirim, e Morales foi deslocado até o local de helicóptero. A Agência Brasil divulgou nota sobre o incidente na noite desta quarta-feira, dizendo que no final da noite o presidente embarcou de volta para La Paz, a bordo da aeronave militar.

Segundo a reportagem do "La Razón", a assessoria de Morales informou que a falta de combustível e de segurança impediram que um avião saísse do departamento com destino a La Paz, fazendo com que Morales fosse deslocado de helicóptero até a região brasileira.

Luis Peña, presidente da União Juvenil de Beni, confirmou a tomada dos aeroportos. Morales enfrenta dificuldades em dialogar com a oposição, principalmente na região chamada de "meia-lua" - os departamentos de Tarija, Beni, Pando e Santa Cruz. Os grupos opositores se concentram nos chamados Comitês Cívicos, que querem a devolução de uma parte do imposto sobre Hidrocarbonetos usada pelo governo para projetos sociais.

Fontes: G1 / Globonews

Holofotes são furtados de memorial às vítimas de acidente da TAM

O local foi doado pela TAM à prefeitura e não tinha seguranças.

Famíliares querem encontrar parceiro para manter vigilantes na área.

Dois holofotes que iluminavam uma árvore e a bandeira do Brasil na área onde houve o acidente com o avião da TAM no ano passado foram furtados, na Zona Sul de São Paulo. O acidente ocorrido em 17 de julho do ano passado causou a morte de 199 pessoas. No local, deve ser construído um memorial em homenagem às vítimas. O vôo vinha de Porto Alegre.

Bandeira foi retirada do mastro após furto de holofote

O furto aconteceu há cerca de dez dias, segundo a Subprefeitura de Santo Amaro. Agora os familiares das vítimas buscam uma parceria que possa arcar com os custos de colocar seguranças no local.

Segundo o administrador de empresas Sergio Palmieri, de 63 anos, pai de uma das vítimas, os equipamentos só voltarão a ser colocados na área quando houver segurança que evite a ocorrência de um novo crime. “Para nós aquele local é sagrado, devido de todo respeito. Fiquei chocado ao saber o que aconteceu”, disse ele.

Na quarta-feira (27), houve uma reunião entre membros da associação de parentes e amigos das vítimas do acidente (Afavitam) e representantes da subprefeitura para discutir sobre o furto.

A área foi doada pela TAM para a Prefeitura de São Paulo, que tem projetos de construir um memorial em homenagem às vítimas no local. De acordo com a assessoria de imprensa da subprefeitura, a bandeira foi retirada da área, pois por lei não pode ficar em local sem iluminação.

Para o presidente da Afavitam, Dário Scott, pai da garota Thais, morta no acidente, o episódio mostra a falta de respeito das pessoas pela área. “Aquele local é muito importante para nós familiares. Todo mundo soube do acidente, mas as pessoas não têm respeito por nada”, afirmou.

A assessoria de imprensa da TAM informou que, como o terreno foi doado, não é responsável pela segurança do local.

Fonte: G1 - Foto: Ernesto Rodrigues (Agência Estado)

Famílias de vítimas de acidente aéreo recebem corpos errados

As famílias de duas vítimas do acidente aéreo da semana passada em Madri receberam os restos mortais errados. Segundo autoridades espanholas, o engano foi corrigido. O juiz que instrui o caso do acidente no vôo da Spanair, que deixou 154 mortos, já abriu uma investigação para determinar o que ocorreu.

Um porta-voz do Tribunal Superior de Justiça de Madri explicou que a confusão ocorreu na entrega dos caixões. Porém não houve erro na identificação dos corpos, afirmou o funcionário. Um das vítimas era cidadã francesa e a outra, espanhola.

O fogo que reduziu o MD-82 a cinzas, no dia 20, tornou impossível o reconhecimento de muitas das vítimas. Os testes de DNA fornecem identificações precisas, porém o método está demorando mais tempo que o previsto.

MELHORA

Uma das sobreviventes do acidente aéreo apresentou alguma melhora e foi retirada de um aparelho de respiração artificial e do coma induzido, informaram médicos nesta quinta-feira. Gregoria Mendiola Rodríguez, uma espanhola de 44 anos, sofreu graves ferimentos na cabeça, além de contusões em outras partes do corpo.

O marido de Mendiola morreu, mas o filho de oito anos do casal sobreviveu, tendo apenas uma perna quebrada. A Secretaria de Saúde de Madri informou que a condição de saúde da sobrevivente passou de "muito grave" para "grave". Dos 18 sobreviventes do desastre aéreo, 16 continuam hospitalizados. Enquanto isso, o Ministério de Interior da Espanha informou que já identificou 126 das 154.

Fonte: Agência Estado

TV espanhola deixa de exibir episódio de seriado após acidente aéreo em Madri

'Hospital Central' ia mostrar desastre semelhante ao de Barajas.

Episódio vai ser transformado, e imagens chocantes serão omitidas
.

A rede espanhola "Telecinco" decidiu nesta quinta-feira (28) não exibir o primeiro episódio da nova temporada do seriado "Hospital Central" em respeito às vítimas do acidente aéreo de quarta-feira passada (20) no aeroporto de Barajas, em que morreram 154 pessoas, inclusive um brasileiro .

O motivo é que o episódio recriaria uma queda de avião.

Segundo fontes do canal, o episódio, gravado em junho, mostrava um acidente aéreo similar ao ocorrido em Madri.

A "Telecinco" optou por não transmitir o episódio e transformá-lo, omitindo as imagens que poderiam gerar descontentamento entre os espectadores de alguma forma afetados pelo acidente do MD-82 da Spanair em Barajas.

Fonte: EFE

Taca fará rotas na América Central com aviões da Embraer

A companhia aérea centro-americana Transportes Aéreos del Continente Americano (Taca) anunciou hoje que, a partir de dezembro, cobrirá as rotas entre San Pedro Sula (norte de Honduras), San José da Costa Rica e Guatemala com aviões de última geração da Embraer.

A Taca também deve começar, em 15 de outubro, a operar com o primeiro reator da Embraer as rotas de San José, Havana e Panamá, informou a empresa em comunicado.

Além disso, cobrirá com outro aparelho similar os vôos entre Guatemala, El Salvador e Manágua a partir de novembro.

A primeira aeronave Embraer se somará na sexta-feira à frota da Taca, que ampliou sua cobertura em Honduras depois do acidente do Airbus 320 no Aeroporto Toncontín de Tegucigalpa em 30 de maio, que deixou cinco mortos.

A empresa indicou que a nova frota de aviões constará de 11 Embraer E90, com capacidade para 96 passageiros cada um, oito em classe executiva e 88 na econômica.

Estas aeronaves substituirão os bimotores de hélice ATR, de 42 lugares, com os quais agora está cobrindo os vôos entre Honduras e alguns países da América Central.

Fonte: EFE

Indiana dá à luz em um avião durante vôo para a Austrália

Ela estava no oitavo mês de gravidez.

Quatro médicos a bordo ajudaram no parto.

O bebê com a mãe Paramjit Kaur e seu pai Jagtar Jaswal no Hospital Royal Darwin

Uma mulher indiana deu à luz um menino durante um vôo da companhia Cathay Pacific, que ia de Hong Kong para Adelaide, na Austrália.

O vôo foi desviado para a cidade de Darwin, onde Paramjit Kaur, de 29 anos, nativa de Punjab, foi admitida no hospital, duas horas depois de seu filho nascer a bordo. Ela estava no oitavo mês de gravidez e era a primeira vez que viajava de avião. Ela partiu de Nova Delhi, na Índia, para encontrar seu marido, que trabalha como taxista em Adelaide.

Judith Hamel, uma dos quatro médicos que estavam a bordo e ajudaram no parto, disse que tudo foi tranqüilo. “Acho que todos nos divertimos assim que percebemos que a situação estava segura”, comentou a uma rádio australiana. Mãe e bebê passam bem.

Fontes: AP / NTNews - Foto: Patrina Malone

quinta-feira, 28 de agosto de 2008

Queda de pequeno avião mata os quatro tripulantes na Macedônia

Aeronave sobrevoava multidão em festa religiosa e bateu em carro.

Criança que estava dentro do veículo escapou sem ferimentos.

Destroços de um avião Cessna 172N Skyhawk 100 II, prefixo Z3-DCV (Ex-matrícula OO-OPA c/n F17201670) que caiu nesta quinta-feira (28) próximo ao monastério St. Bogorodica, em Skrebatno, a 15 quilômetros da cidade macedônia de Ohrid. Todas as quatro pessoas que estavam a bordo morreram no acidente.

Fonte: G1 - Fotos: Robert Atanasovski (AP) / Xinhua / MIA

Problema técnico faz avião regressar ao aeroporto de Barcelona

O Airbus A330 após o regresso ao aeroporto

Um avião da companhia Iberworld que havia decolado de Barcelona rumo a Cancún (México) teve que regresar ao Aeroporto Internacional de Barcelona ("El Prat"), após meia hora de vôo ao detectar um problema técnico na aeronave nesta quinta-feira (28).

Segundo foi informado por fontes do aeroporto, o avião decolou dentro da normalidade às 13:10 (hora local) e às 13:35 hs. voltou ao aeroporto, depois que o comandante da aeronave solicitou permissão para aterrissar devido a um problema técnico, cuja natureza não foi especificada.

Passageiros aguardam no aeroporto o reparo da aeronave

Os passageiros não necessitaram de nenhum tipo de atenção médica e permaneceram nas dependencias do aeroporto a espera de decolar novamente no avião, um Airbus A330, que estava sendo revisado, para se resolver o problema técnico.

Fontes do aeroporto asseguraram que não se recebeu nenhuma queixa por parte dos passageiros do vôo da Iberworld e que não se presenciaram cenas de pânico.

Fonte: Soitu (Espanha) - Fotos: EFE

Acidente em Madri: um dos reversos estava ativado

Próximo a viatura dos bombeiros, os restos da turbina direita do MD-82

Um dos dois motores do MD-82 danificados em Barajas estava com o reverso acionado, de acordo com fontes próximas à investigação. Este sistema atua como um freio e só deve ser acionado em solo. A descoberta do motor número 2 - o direito- com o freio reverso acionado é uma das incógnitas que os investigadores tentam resolver.

O reverso do motor direito acionado pode ajudar a explicar as razões pelas quais o avião saiu da pista à direita, uma vez que poderia funcionar como uma trava ao passo que o motor esquerdo estava acelerando. Mas, ao mesmo tempo, outras questões estão abertas. O reverso foi ativado somente devido a uma falha? O que fez o comandante para tentar desligar o dispositivo? Está ativado apenas um dos dois reversos? Ou a abertura do reverso ocorreu após o acidente?



Quando o trem de pouso toca na pista, qualquer passageiro nota - de repente - um ruido intenso dos motores que aumenta l atração contra o assento da frente. Isso acontece no momento em que o reverso é acionado. Um sistema hidráulico abre uma especie de "guarda-chuva de metal" por trás dos motores do avião. Esses painéis expelem o ar da turbina em direção à parte frontal e, assim, funcionam como um freio. Isso, junto com os ailerons e os freios do trem de pouso seguram as dezenas de toneladas do avião em apenas alguns segundos após a aterrissagem a cerca de 300 milhas por hora (mais de 480 km/h).

As fontes consideraram pouco provável que o impacto com o solo tenha aberto o reverso, uma vez que ele é ativado por um sistema hidráulico. Em outras palavras, o golpe poderia ter contribuído, mas é difícil o equipamento abrir para a posição de aterrissagem naquela situação em que o avião decolava.

Na teoria, o reverso só pode funcionar quando o avião está em terra, nunca voando, assim que se abre no ar, representa uma falha mecânica (NE: como no caso do Fokker 100 da TAM acidentado em São Paulo, em 31 de outubro de 1996).

Mas, mesmo assim, a ativação do reverso não é o suficiente para a causa do acidente com o avião, uma vez que havia fogo num dos motores Os pilotos consultados concordam que a ativação do reverso subtrai potência de um lado do aparelho, mas que é concebido decolar e voar até mesmo com um único motor. Em outras palavras, o reverso não explica por si só o acidente, mas pode ser uma importante peça para lançar luz sobre a tragédia do vôo JK5022.

Além disso, se o comandante o ativou numa tentativa de parar a aeronave naquele momento crítico, ajudou a derrubar o dispositivo.

De acordo com aqueles que viram o vídeo das câmeras do aeroporto, após a corrida na pista, o avião sobe alguns segundos e se vira para a direita. Após a tocar o solo surge por diversas vezes a imagem de chamas, provavelmente devido a uma das faíscas produzidas pelo querosene que o avião levava nos tanques nas asas.

A Comissão de Inquérito sobre Acidentes da Aviação Civil, os EUA e peritos da Boeing (fabricante do McDonnell Douglas danificado) e um representante da Agência Européia para a Segurança da Aviação se reuniram para reconstituir com exatidão o acidente.

A Associação dos Pilotos da Aviação Civil (COPAC) considera "essencial" a participação de pilotos, como especialistas em operações de vôo, no sentido de reforçar o atual sistema de segurança da aviação.

Fonte: El País (Espanha) - Foto: EFE - Atualizado com com a inclusão do vídeo em 29/08/08 às 00:54 hs.

Europa: sites das empresas aéreas mostram informação enganosa

Mais de metade das páginas da internet das companhias aéreas mostra informação enganosa para o consumidor, escreve o site espanhol ADN. O estudo realizado pela Comissão Europeia analisou 386 sites de 15 países da União Europeia.

O relatório, publicado no dia 08 de maio, analisa o cumprimento da legislação contra a publicidade enganosa a práticas desleais ao vender bilhetes pela internet e conclui que os consumidores "enfrentam problemas graves e persistentes" no setor dos transportes aéreos.

Ao apresentar o estudo, a comissária europeia de Proteção ao Consumidor, Meglena Kuneva, declarou que os resultados são "inaceitáveis", pelo que exigiu às companhias aéreas a "retificar com rapidez, caso contrário a Comissão terá de intervir".

A Comissão Europeia não divulgou os nomes das companhias aéreas analisadas "por motivos relacionados com a legislação de cada país", ao contrário do que fizeram a Suécia a Noruega, países não membros da União Europeia que também participaram no estudo.

As listas publicadas pelas autoridades competentes de ambos os países incluem as companhias Ryanair, Seat24, Travellink, Doodle, Travelpartner, Mr Jet, Supersaver Travel, Flygvaruhuset, Big Travel, Travelstart, Resfeber, Sky Tours, Blue 1 e Austrian Airlines.

Os casos mais frequentes de práticas desleais entre as companhias aéreas são as indicações enganosas relativamente aos preços, a indisponibilidade de ofertas anunciadas e a presença de condições irregulares nos contratos de venda.

De acordo com o estudo, 58 por cento das páginas analisadas incluía preços enganosos com taxas adicionais não indicadas até à última fase da venda.

As irregularidades nos contratos de venda, que afetavam 49 por cento das companhias, consistiam em falta de informação ou dificuldade em encontrá-la, indisponibilidade da informação na língua do país em questão ou a inclusão de opções pré-selecionadas por defeito.

Segundo a Comissão Europeia, 15 por cento das páginas anunciavam ofertas e promoções através de "publicidade chamativa" que, ao serem selecionadas pelo internauta, não estavam disponíveis ou eram "muito difíceis de encontrar".

Para além disso, 9 por cento das companhias analisadas não incluía no site dados de contato ou serviço ao cliente. No entanto, o estudo constatou que uma percentagem superior a 50 por cento das páginas que foram "repreendidas" corrigiu os erros assinalados pelas autoridades competentes dos países membros.

Fonte: IOL Diário (Portugal)

Sistema de freios de avião acidentado em Madri estava desativado, diz jornal

A desativação, no entanto, não impedia a aeronave de voar.

Um dos feridos no acidente apresentou melhora do estado de saúde.

Carros funerários deixam local onde mortos do acidente aéreo de Madri são identificados, em 24 de agosto

Um dos sistemas de freios do avião MD-82 da Spanair que caiu no dia 20 de agosto em Madri estava desativado, informa o jornal "El País", que acrescenta que isto não impedia a aeronave de voar.

O jornal cita fontes ligadas à companhia aérea, que afirmaram que o "reverso" do motor direito, sistema que inverte a expulsão de ar dos motores, contribuindo para frear um avião no pouso, havia sido desativado por um problema técnico anterior.

Questionados pela agência de nótícias France Presse, porta-vozes da Spanair se recusaram a fazer comentários. Segundo o "El País", um MD-82 pode voar alguns dias com apenas um "reverso", que não é o único sistema de freio de um avião. O jornal "ABC", que cita fontes ligadas à investigação judicial, informa que o MD-82 sofreu uma avaria no "reverso" do motor direito no dia 17 de agosto.

A catástrofe, na qual 154 pessoas morreram - entre elas o brasileiro Ronaldo Gomes Silva - e outras 18 sobreviveram, aconteceu no momento em que um avião MD82 da Spanair, que iniciava viagem para as Ilhas Canárias, bateu contra o chão junto a uma das pistas do aeroporto e se incendiou. Ainda não há informação oficial sobre o motivo do acidente.

Funeral

O funeral que ocorrerá em Madri para os mortos na tragédia do avião da Spanair foi adiado para 11 de setembro, noticiou o jornal "El País" nesta quarta-feira (27).

Segundo a agência de notícias France Presse, a cerimônia, que estava programada para o dia 1º de setembro, foi transferida para facilitar a presença das autoridades. Já de acordo com o "El País", a dificuldade de se concluir a identificação dos corpos é o principal motivo da mudança de data. Até hoje, foram identificados 112 mortos no acidente.

Ainda segundo a reportagem do periódico espanhol, uma das pessoas feridas no acidente apresentou melhora em seu estado de saúde no começo desta semana.

Sobrevivente

A espanhola Beatriz Reyes, que sobreviveu ao acidente com um avião da Spanair ocorrido no aeroporto de Barajas, em Madri, na quarta-feira passada, disse nesta terça-feira (26) que não sentiu nada estranho antes da decolagem do avião, até o momento em que "girou a asa" e depois notou um "forte golpe".

Reyes, de 41 anos, que inclusive conseguiu ajudar duas crianças feridas no local do acidente, deu entrevista na qual disse que "nasceu de novo" em 20 de agosto.

Durante a entrevista, a primeira de uma sobrevivente do acidente, Reyes reconheceu que ajudou duas crianças a sair dos destroços do avião e afirmou que qualquer pessoa em sua situação teria feito o mesmo.

A sobrevivente disse que, quando o avião começou a decolar, "talvez não fez isso com tanta força" como é habitual, e que não sentiu nada até o momento em que "girou a asa" e depois notou "um forte golpe".

Fonte: G1 - Foto: AFP

Vazamento de sopa leva avião a desviar rota

Líquido pingou sobre passageiro que tem forte alergia a cogumelos.

Um avião da empresa irlandesa Ryanair foi forçado a pousar na Alemanha depois que um passageiro teve uma reação alérgica a sopa de cogumelo.

A sopa estava armazenada em um pote no compartimento de bagagem sobre os assentos da cabine do vôo de Budapeste para Dublim, e pingou sobre o passageiro, que começou a se sentir mal, segundo Ryanair.

Há notícia de que seu pescoço inchou e ele teve dificuldade de respirar, forçando o avião a mudar de rota para buscar atendimento médico de emergência. O incidente ocorreu na segunda-feira (25).

Uma porta-voz da Ryanair disse que é um procedimento de praxe desviar o avião para o aeroporto mais próximo quando um passageiro precisa de atendimento médico. E a decisão de fazer isso cabe ao chefe da tripulação de cabine e ao comandante.

O Boeing 737 pousou no aeroporto Hahn em Frankfurt, onde o passageiro foi atendido por médicos. A viagem para Dublim foi atrasada duas horas.

No mesmo dia, um outro incidente forçou um avião também da Ryanair, que seguia de Bristol, na Inglaterra, para Barcelona, na Espanha, a fazer um pouso não planejado no aeroporto de Limoges, na região central da França.

A cabine sofreu depressurização repentina. Dezesseis pessoas foram levadas para um hospital, sofrendo de dor de ouvido.

Fonte: BBC

Dupla viaja 3 meses em jangada que juntou avião e 15 mil garrafas plásticas

Marinheiros deixaram a costa da Califórnia para ir ao Havaí.

No Pacífico, eles percorreram 2.600 milhas (cerca de 4,1 mil km).

Marcus Eriksen (esquerda) e Joel Pascal chegaram a Honolulu, no Havaí, nesta quarta-feira (27), depois de concluírem viagem de três meses em uma embarcação construída com 15 mil garrafas de plástico. A dupla também utilizou a cabine e parte da fuselagem de um Cessna 310 para montar a jangada. Durante o período no Oceano Pacífico, a partir da costa da Califórnia, eles percorreram 2.600 milhas - cerca de 4,1 mil km.

Fonte: G1 - Foto: Britt Yap (AP)

Boeing sai da pista na Indonésia e pára em campo de arroz ferindo dois agricultores

Um Boeing 737-2H6 da empresa Sriwijaya Air ultrapassou os limites da pista ao aterrissar no Aeroporto Jambi-Sultan Thaha Syarifudn DJB/WIPA), na Indonésia, nesta quarta-feira (27) às 16:34 (hora local).

O avião prefixo PK-CJG que realizava o vôo SJ062 desde Jacarta parou num campo de arroz após a pista. Duas pessoas que trabalhavam no campo ficaram feridas. O avião teve danos substanciais. A bordo estavam 123 passageiros e seis tripulantes que nada sofreram.

O aeroporto de Jambi tem uma única pista asfaltada, a 13/31, com 2.000 m de comprimento por 30 m de largura e não tem ILS.

Fontes: ASN / Kabar Indonesia

Passageiros de avião seqüestrado na Líbia relatam horas de desespero

Seqüestradores desviaram vôo com 95 pessoas para o sul da Líbia.
Eles queriam asilo na França, mas renderam-se e libertaram reféns.

Passageiros que estavam no avião seqüestrado no Sudão e desviado para a Líbia desembarcam em Cartum, capital sudanesa, nesta quarta-feira (27).

Os seqüestradores do avião sudanês que mantiveram 95 pessoas reféns e desviaram o vôo para a Líbia na terça-feira ameaçaram explodir o avião, segundo os passageiros libertados. Sãos e salvos, os ex-reféns chegaram a Cartum, capital do Sudão, na noite desta quarta-feira (27).

Um dos dois seqüestradores foi à cabine do piloto, e o outro mandou os passageiros ficarem em seus assentos, disse o estudante Ishaq Abdallah Yahiya, de 25 anos. "Ele disse: se alguém se mover, nós vamos explodir o avião e todos nós vamos virar nada", disse.

Os seqüestradores disseram que queriam pedir asilo na França e convidaram os passageiros a juntar-se a eles como refugiados em Paris.

Outro passageiro, Mohamed al-Tijani Tayeb, disse que os homens disseram ser membros de uma facção do movimento rebelde "Movimento de Libertação do Sudão, baseado em Darfur. Mas o movimento negou envolvimento.

"Ele disse que tinha seqüestrado a aeronave como reação aos ataques ao campo de refugiados de Kalma", disse Tayeb.

Outros passageiros contaram que passaram mais de 12 horas de sofrimento no avião durante a negociação dos seqüestradores com as autoridades líbias, e que a água e a comida estavam acabando. "Parecia uma fornalha", disse um deles.

Os passageiros foram recebidos em Cartum por uma multidão emocionada de amigos e parentes.

O seqüestro

Os dois seqüestradores do Boeing 737 da companhia sudanesa Sun Air desviado para o aeroporto líbio de Kufra, e que ainda tinham em seu poder seis membros da tripulação se entregaram às autoridades líbias na quarta-feira.

Mais cedo, os dois seqüestradores haviam libertado os 87 passageiros, depois de eles terem ficado mais de 12 horas reféns. Os sequestradores foram transportados a uma das salas do aeroporto, disse o chefe da agência de aviação da Líbia, Mohamed Shlibek, segundo a agência de notícias Jana.

A intenção dos seqüestradores, de acordo com o governo do Sudão, era seguir para território francês, onde queriam ser recebidos como refugiados.

As agências não informam se alguma exigência foi atendida pelas autoridades locais. Os seqüestradores queriam alimentação e combustível.

Um dirigente líbio não-identificado disse as autoridades ainda não sabem de onde vêm os seqüestradores.

O avião, um Boeing 737 com 87 passageiros e seis tripulantes, foi seqüestrado na cidade de Nyala, na província de Darfur, dez minutos depois da decolagem, segundo o governo sudanês.

A aeronave, que tinha como destino a capital sudanesa, Cartum, teria feito uma primeira tentativa para pousar em Aswan, no sul do Egito. Porém, não teve autorização do aeroporto local e seguiu para a Líbia.

Os seqüestradores ainda não foram identificados. Segundo o governo do Sudão, eles portavam facas. O avião pertence à Sun Air, empresa privada baseada em Cartum.

O objetivo da dupla, de acordo com o governo do Sudão, seria seqüestrar o governador de Darfur, Hmad Ali Mahmud, que não estava a bordo.

Três líderes de uma facção do Movimento de Libertação do Sudão, um grupo rebelde regional que assinou um contestado tratado de paz com o governo, estariam a bordo, segundo um líder do movimento. Um deles seria Mina Minnawi.

A região de Darfur está em conflito desde que uma rebelião contra o domínio de Cartum estourou há cinco anos. Observadores internacionais dizem que mais de 2,5 milhões de moradores tiveram de deixar suas casas e mais de 200 mil morreram em decorrência da guerra civil.

Em março de 2007, um cidadão sudanês havia tentado seqüestrar um avião sudanês com 201 passageiros e 11 integrantes da tripulação, e que cobria uma rota entre Trípoli e Cartum. O seqüestrador, identificado como Said Majluf, que estava armado com uma faca, ordenou ao piloto que desviasse de sua rota e aterrissasse em Bangui, capital da República Centro-Africana.

Fontes: G1 / EFE / France Presse / Reuters

quarta-feira, 27 de agosto de 2008

Avião aterrissa de emergência em Faro, Portugal

Um avião que transportava 210 passageiros, com destino às Canárias, nesta quarta-feira (27) aterrissou de emergência no Aeroporto de Faro.

A aeronave, um Boeing 757, da companhia aérea Thomas Cook, aterrissou de emergência por volta das 12:45 (hora local) mas tudo "correu com normalidade", de acordo com fonte da ANA, empresa que gere os aeroportos portugueses.

A mesma fonte acrescenta que o voo - com o código TCX037K, saído de Gatwick (Londres) - tinha como destino a ilha de Fuerteventura, no arquipélago das Canárias e que o pedido de aterragem em Faro faz parte da "actividade normal dos aeroportos". "Quando o comandante detecta alguma situação que não estava prevista pede para aterrar no aeroporto mais próximo e foi o que aconteceu", sublinhou.

A aterragem de emergência do voo de ligação às Canárias acontece uma semana depois do desastre em Madrid, que envolveu um avião da Spanair cujo destino era o mesmo arquipélago espanhol.

Fonte: Expresso (Portugal)

Seqüestradores do avião sudanês se entregam na Líbia

Mais cedo, os dois seqüestradores haviam libertado os 87 passageiros.

Governo do Sudão diz que eles queriam seguir para território francês.


Os dois seqüestradores do Boeing 737 da companhia sudanesa Sun Air desviado para o aeroporto líbio de Kufra, e que ainda tinham em seu poder seis membros da tripulação se entregaram às autoridades líbias, informou nesta quarta-feira (27) um representante do governo do país à agência France Presse.

Mais cedo, os dois seqüestradores haviam libertado os 87 passageiros, depois de eles terem ficado mais de 12 horas reféns. Apenas os seis tripulantes (que as agências de notícias não confirmavam se eram seis ou oito) permaneciam seqüestrados no aeroporto de Kufra, no sul da Líbia. Todos eles foram libertados sem ferimentos.

Os sequestradores foram transportados a uma das salas do aeroporto, disse o chefe da agência de aviação da Líbia, Mohamed Shlibek, segundo a agência de notícias Jana.

A intenção dos seqüestradores, de acordo com o governo do Sudão, era seguir para território francês nesta quarta-feira, onde queriam ser recebidos como refugiados.

As agências não informam se alguma exigência foi atendida pelas autoridades locais. Os seqüestradores queriam alimentação e combustível.

Um dirigente líbio não-identificado disse as autoridades ainda não sabem de onde vêm os seqüestradores. Ele também disse que uma delegação sudanesa chegou nesta quarta-feira a Kufra, e que um avião civil líbio levará os 87 passageiros para Cartum, seu destino inicial.

O avião, um Boeing 737 com 87 passageiros e seis tripulantes, foi seqüestrado na cidade de Nyala, na província de Darfur, pouco depois da decolagem, segundo o governo sudanês.

A aeronave, que tinha como destino a capital sudanesa, Cartum, teria feito uma primeira tentativa para pousar em Aswan, no sul do Egito. Porém, não teve autorização do aeroporto local e seguiu para a Líbia.

Os seqüestradores ainda não foram identificados. Segundo o governo do Sudão, eles portavam facas. O avião pertence à Sun Air, empresa privada baseada em Cartum.

O objetivo da dupla, de acordo com o governo do Sudão, seria seqüestrar o governador de Darfur, Hmad Ali Mahmud, que não estava a bordo.

Três líderes de uma facção do Movimento de Libertação do Sudão, um grupo rebelde regional que assinou um contestado tratado de paz com o governo, estariam a bordo, segundo um líder do movimento. Um deles seria Mina Minnawi.

A rede Al Jazeera chegou a informar que os seqüestradores seriam dez pessoas ligadas à facção Abdel Wahed do Movimento de Liberação do Sudão, mas um porta-voz do grupo negou participação no caso.

A região de Darfur está em conflito desde que uma rebelião contra o domínio de Cartum estourou há cinco anos. Observadores internacionais dizem que mais de 2,5 milhões de moradores tiveram de deixar suas casas e mais de 200 mil morreram em decorrência da guerra civil.

Em março de 2007, um cidadão sudanês havia tentado seqüestrar um avião sudanês com 201 passageiros e 11 integrantes da tripulação, e que cobria uma rota entre Trípoli e Cartum. O seqüestrador, identificado como Said Majluf, que estava armado com uma faca, ordenou ao piloto que desviasse de sua rota e aterrissasse em Bangui, capital da República Centro-Africana.

Fontes: G1 / EFE / France Presse / Reuters

Piloto morre em colisão aérea na Austrália

Um piloto estagiário em seu primeiro vôo solo morreu quando seu avião colidiu com outra aeronave e caiu em meio a várias casas e uma escola em Melbourne, nesta quarta-feira (27).

Akash Ananth, um estudante de aviação da Índia, caiu com o Cessna A150M, prefixo VH-UPY, pertencente ao Royal Victorian Aero Club, numa garagem pouco antes 12:40 9hora local), a poucos metros da Escola Primária Cheltenham Oriente, no sudeste de Melbourne, na Austrália.

O Cessna 150 esteve envolvido em uma colisão aérea com um Piper Warrior (VH-CGT)antes da queda. O outro avião aterrissou em segurança no Aeroporto Moorabbin.

Fontes: The Age (Austrália) / ASN - Foto: Andrew De La Rue

Pequeno avião cai na Venezuela matando seus quatro ocupantes

Um avião Cessna 310R, prefixo YV-1975, bimotor, caiu nas cercanias de Achaguas, no estado de Apure, na Venezuela, na terça-feira (26).

Os quatro ocupantes morreram: o piloto e dono da aeronave, Pedro Alexander Guerrero, sua esposa, Marina de Guerrero, sua filha María Alejandra Guerrero e uma cunhada, Pastora de Colmenares.

O Cessna realizava a rota Puerto Ordaz-Paramillo. A queda ocorreu a 14 quilômetros de Laguna Rica, e por pouco não fez vítimas em solo, pois é uma área muito habitada.

Fontes: RCTV / ASN

Pequeno avião cai na Suiça

Dois viajantes austríacos, um homem e uma mulher com idade por volta dos 50 anos se acidentaram na queda da aeronave Diamond DA 20-A1, prefixo OE-AKG, pertencente ao Clube Vorarlberg Motorflieger , no domingo (24), na aproximação da pista 18 do aeroporto de Lausanne, na Suiça.

Eles haviam decolado da Áustria em direção a a capital do cantão de Vaud. A Agência de Investigação de Acidentes Aéreos (AAIB) irá determinar as circunstâncias exatas do acidente.

Fontes: 24 heures / ASN

Avião cai em campo de golfe na África do Sul. Uma pessoa morre

Uma aeronave Piper PA28R-200 Arrow, prefixo ZS-MHA, da TAS Flight School CC, caiu no domingo (24) num campo de golfe, em Gauteng, na África do Sul, matando uma pessoa e ferindo duas.

O avião caiu por volta das 13:50. O campo de golfe está perto do aeroporto em Germiston Rand.

As duas pessoas que sobreviveram a queda do avião, apresentavam lesões muito graves.

O avião decolou para um vôo de formação de três horas, mas caiu pouco depois da decolagem num córrego próximo do 7 º buraco do campo de golfe.

A passageira de vinte anos de idade morreu e dois cidadãos estrangeiros, com idades entre 22 e 24 anos, ficaram gravemente feridos.

Fontes: News24 / ASN

Tripulantes seguem reféns em avião sudanês sequestrado

Sequestradores que forçaram um avião sudanês a pousar na Líbia libertaram todos os passageiros na quarta-feira, mas ainda mantêm seis tripulantes, informou uma autoridade responsável pela aviação libanesa.

A aeronave foi sequestrada na terça-feira depois de deixar a conturbada região de Darfur, no Sudão, e foi forçada a aterrissar no oásis de Kufrah, no deserto do Saara.

Os sequestradores disseram ser membros de uma facção rebelde de Darfur.

A Autoridade Civil de Aviação da Líbia disse que 95 passageiros estavam no Boeing 737/200. Todos eram sudaneses, com exceção de dois passageiros do Egito, dois da Etiópia e um da Uganda.

Todos foram libertados, junto com duas mulheres que faziam parte da tripulação. Outros seis tripulantes continuam com os sequestradores.

"As negociações continuam com os sequestradores para libertar os outros tripulantes e para que eles se entreguem", disse o chefe da Autoridade Civil de Aviação da Líbia, Mohamed Shlibek, de acordo com a agência estatal de notícias Jana.

Ele disse que os sequestradores reiteraram o pedido para que o avião seja reabastecido para que voe a Paris. A Autoridade Civil de Aviação do Sudão disse que dois sequestradores exigiram status de refugiados no país.

"Eles pediram por direito de asilo político, status de refugiados. Esta foi sua primeira exigência", disse o porta-voz Abdel Hafiz Rahim.

A identidade dos sequestradores ainda não está clara.

O piloto disse às autoridades libanesas que os sequestradores eram membros de um braço do Movimento da Libertação do Sudão, grupo rebelde de Darfur, e queriam se encontrar com o líder Abdel Wahed Nur em Paris, segundo a agência Jana.

Mas o grupo negou veementemente que os sequestradores fossem seus membros.

Outra facção do Movimento, que assinou acordo em 2006 com Cartum apesar de Nur ser contra, disse que, entre os passageiros do avião sequestrado estavam sete oficiais seus, três dos quais eram membros de um governo regional transicional, em Darfur.

"Estamos muito, muito preocupados e estamos fazendo tudo o que podemos para entrar em contato com eles", disse Mohammed Bashir, importante membro de uma facção liderada por Minni Arcua Minnawi, único grupo rebelde de Darfur a assinar um acordo de paz.

Darfur vive um conflito desde que explodiu uma rebelião contra o comando de Cartum, há cinco anos. Especialistas dizem que mais de 2,5 milhões de pessoas tiveram de abandonar suas casas e 200 mil pessoas foram mortas. O número de mortos oficial é de 10 mil.

Os rebeldes estão dividos entre várias facções no país.

O avião saiu da capital de Darfur do Sul, Nyala, para Cartum. A Líbia concedeu permissão para o avião pousar depois que o piloto disse que eles estavam ficando sem combustível, segundo a agência de notícias estatal líbia.

Fonte: Reuteurs - 09:15 hs.

Empresa dos EUA não vende avião F-35 ao Brasil para esconder tecnologia

Teste da variante A do F-35

Teste da variante B do F-35

A gigante norte-americana de defesa Lockheed Martin confirmou que decidiu não apresentar seu avião caça modelo F-35 Joint Strike Fighter à licitação do governo brasileiro para a modernização de sua frota militar. Segundo a empresa, o motivo para não incluir o jato em sua proposta foi o alto grau de transferência de tecnologia, imposto pelas regras da concorrência.

Pelo estipulado pelo governo para o projeto F-X2, o fabricante vencedor terá que repassar toda a tecnologia necessária para manter o avião em operação.

Por isso, a Lockheed decidiu apresentar à licitação o modelo F-16BR, uma versão do F-16, um dos aviões de caça mais utilizados em todo o mundo, adaptada às necessidades da Força Aérea Brasileira. Embora seja um sucesso de vendas, o F-16 é um caça mais antigo, tendo sido desenvolvido nos anos 1970. Sua vantagem é ser relativamente barato e ter um baixo custo operacional. Já o F-35 foi criado no final da década de 1990, começo dos anos 2000 e tem capacidade furtiva (stealth) e de pouso e decolagem na vertical (VTOL), como o britânico Harrier.

Uma das preocupações da Lockheed Martin ao apresentar a proposta com base no F-16 e não no F-35 - uma aeronave muito mais moderna - tem a ver com o tipo de tecnologia que o governo dos EUA autorizaria repassar ao Brasil. Sem esse compromisso, o negócio poderia ser desfeito.

A Boeing, que concorre com seu F/A-18 Super Hornet, porém, acredita que isso não será problema. A proposta da fabricante inclui um sistema de radar de varredura eletrônica ativa de última geração, fabricado pela também norte-americana Raytheon. Tecnologias como essa normalmente são protegidas pelos governos dos países para os quais foram desenvolvidas, uma vez que o acesso a ela facilita a criação de contramedidas eficientes.

Além do F-16BR e do F/A-18 E Super Hornet, modelos de quatro outras fabricantes também estão concorrendo. Eles são o Rafale, da Dassault; o Typhoon, da Eurofighter; o Gripen BG, da Saab; e o Su-30, da Sukhoi.

A intenção do governo brasileiro é adquirir uma primeira leva de até 36 aeronaves, para entrega a partir de 2010. As compras, porém, podem ser elevadas para um total de 120 aparelhos.

Fonte: José Sergio Osse (Valor Online) - Fotos: jsf.mil

Saiba mais sobre os principais seqüestros de aviões

Confira abaixo alguns dos maiores seqüestros de aviões da história. Foram listados apenas os principais incidentes, por ordem cronológica a partir do episódio mais recente.

Nesta terça-feira (26), um Boeing-737 que transportava 87 passageiros e oito tripulantes de Niyala (no oeste do Sudão) para Cartum, foi sequestrado por três rebeldes armados com facas. Eles pretendiam seqüestrar o governador da Província de Darfur, Ali Mahmoud, que supostamente viajaria nesse vôo.

18 de agosto de 2007 - Mais de cem passageiros conseguiram fugir de um avião no aeroporto de Anatólia, na Turquia, após uma tentativa de seqüestro. O avião estava voando do norte do Chipre para Istambul, quando dois homens, que disseram ter uma bomba, tentaram desviá-lo para a capital do Irã, Teerã.

12 março de 2007 - A polícia do Sudão prendeu um sudanês que seqüestrou um avião de passageiros com 201 passageiros e 11 tripulantes, que realizava um vôo entre Trípoli, na Líbia, e Cartum. O seqüestrador, identificado como Said Majluf, que portava uma faca, ordenou ao piloto que desviasse de sua rota e aterrissasse em Bangui, a capital da República Centro-Africana.

03 de outubro de 2006 - Um avião de passageiros da companhia Turkish Airlines foi seqüestrado no espaço aéreo grego, depois de decolar de Tirana, capital albanesa, com destino a Istambul. O piloto do Boeing 737-400, com 107 passageiros e seis tripulantes, conseguiu aterrissar em Brindisi, no sudeste da Itália, segundo autoridades gregas.

01 de abril de 2003 - O avião cubano, que realizava um vôo doméstico entre a ilha da Juventude e a capital cubana de Havana com 46 passageiros e tripulantes a bordo, foi seqüestrado por um homem armado com duas granadas e que exigia ser levado para os Estados Unidos, ameaçando explodir o aparelho.

20 de fevereiro de 2002 - Um avião com cerca de 30 pessoas a bordo foi seqüestrado na Colômbia e desviado para a zona rural do país. A aeronave fazia o trecho Neiva (capital do departamento de Huila)-Bogotá.

11 de setembro de 2001 - Quase 3.000 pessoas morreram quando três aviões seqüestrados pela rede terrorista da Al Qaeda foram jogados contra o World Trade Center, em Nova York, e contra o Pentágono, em Washington. Um quarto avião seqüestrado caiu na zona rural da Pensilvânia.

16 de agosto de 2000 - No Brasil, um Boeing da Vasp, com 61 passageiros e seis tripulantes a bordo, teve sua rota desviada ao decolar de Foz do Iguaçu com destino a Curitiba, Rio de Janeiro, Brasília e São Luís. Cinco homens encapuzados obrigaram o comandante Sérgio Carmo dos Santos a pousar em Porecatu (norte do Paraná).

24 de dezembro de 1994 - O vôo Air France 8969, que saia de Argel com destino a Paris com 220 passageiros e 12 tripulantes, é sequestrado por quatro terroristas argelinos do Grupo Armado Islâmico.

04 de julho de 1976 - Comandos de Israel resgatam 98 refém israelenses e judeus em Entebbe, Uganda, depois que guerrilhas palestinas seqüestraram um avião da Air France.

06 de setembro de 1970 - Palestinos armados desviam um Boeing-707 da TWA, um Douglas DC-8 da Swissair e um VC-10 da Boac para um antigo campo de pouso britânico na Jordânia. Os 255 passageiros ficaram seis dias presos nas aeronaves. Após a libertação dos reféns, os aviões foram explodidos no solo.

21 de fevereiro de 1968 - Vôo 843 da Delta Airlines, que fazia a rota Chicago-Miami, foi desviado para Havana por um passageiro armado.

23 de julho de 1968 - Três palestinos armados desviaram para Argel, na Argélia, um Boeing-707, que voava de Tel Aviv para Roma.

Fonte: Folha Online

Passageiros de avião seqüestrado são libertados na Líbia

Dois homens desviaram aeronave da Sun Air com 95 a bordo.

87 passageiros deixaram avião, mas oito tripulantes permanecem a bordo.




Depois de mais 12 horas, os dois homens que seqüestraram nesta terça-feira (26) um avião sudanês com 95 pessoas a bordo libertaram 87 passageiros, afirmam as agências internacionais, com base nas informações fornecidas por um funcionário da companhia área Sun Air, nesta quarta (27). A aeronave permanece em Kufra, no sul da Líbia. Oito tripulantes, porém, permanecem como reféns.

A intenção dos seqüestradores, de acordo com o governo do Sudão, ainda é seguir para território francês nesta quarta-feira. As agências não informam se alguma exigência foi atendida pelas autoridades locais. Os seqüestradores queriam alimentação e combustível.

As informações foram confirmadas pelo gerente-executivo da Sun Air, Mortada Hassan. "No momento, não há informação sobre as razões pelas quais o homem seqüestrou o avião. As exigências que sabemos é por alimentos e combustível para permitir que o avião voe para a França", disse o funcionário.

O avião, um Boeing 737 com 87 passageiros e oito tripulantes, foi seqüestrado na cidade de Nyala, na província de Darfur, pouco depois da decolagem, segundo o governo sudanês.

Mapa mostra o trajeto do avião seqüestrado no Sudão, nesta terça-feira (clique sobre o mapa para ampliá-lo)

A aeronave, que tinha como destino a capital sudanesa, Cartum, teria feito uma primeira tentativa para pousar em Aswan, no sul do Egito. Porém, não teve autorização do aeroporto local e seguiu para a Líbia.

Os seqüestradores ainda não foram identificados. Segundo o governo do Sudão, eles portavam facas. O avião pertence à Sun Air, empresa privada baseada em Cartum.

O objetivo da dupla, de acordo com o governo do Sudão, seria seqüestrar o governador de Darfur, Hmad Ali Mahmud, que não estava a bordo.

Três líderes de uma facção do Movimento de Libertação do Sudão, um grupo rebelde regional que assinou um contestado tratado de paz com o governo, estariam a bordo, segundo um líder do movimento. Um deles seria Mina Minnawi.

A rede Al Jazeera chegou a informar que os seqüestradores seriam dez pessoas ligadas à facção Abdel Wahed do Movimento de Liberação do Sudão, mas um porta-voz do grupo negou participação no caso.

A região de Darfur está em conflito desde que uma rebelião contra o domínio de Cartum estourou há cinco anos. Observadores internacionais dizem que mais de 2,5 milhões de moradores tiveram de deixar suas casas e mais de 200 mil morreram em decorrência da guerra civil.

Em março de 2007, um cidadão sudanês havia tentado seqüestrar um avião sudanês com 201 passageiros e 11 integrantes da tripulação, e que cobria uma rota entre Trípoli e Cartum. O seqüestrador, identificado como Said Majluf, que estava armado com uma faca, ordenou ao piloto que desviasse de sua rota e aterrissasse em Bangui, capital da República Centro-Africana.

Fontes: G1 /EFE / France Presse / Reuters - Imagem: Arte/G1

China usou oito aviões para evitar a chuva no encerramento da festa olímpica

Fogos de artifício iluminam o céu durante o encerramento dos Jogos Olímpicos, no estádio Ninho do Pássaro, em Pequim

Oito aviões e 241 foguetes carregados de componentes químicos estiveram domingo no céu de Pequim para dispersar as nuvens negras que ameaçavam o sucesso da cerimônia de encerramento dos Jogos Olímpicos, segundo a agência governamental chinesa.

"Decidimos utilizar aviões para cobrir uma zona ampla, além de lançar foguetes a partir do solo para dispersar a chuva", explicou o responsável pela meteorologia nacional, Zhang Qiang.

Os técnicos já haviam lançado mais de 1.000 foguetes às nuvens no dia 8 de agosto, na ceremônia de inauguração.

Fonte: AFP

Campo Grande sedia torneio de aviões de caça da FAB

O céu de Campo Grande está mais movimentado desde segunda-feira (25). A capital recebe o 28º torneio da Aviação de Caça da FAB (Força Aérea Brasileira), que vai até o dia três de setembro.

Quarenta e quatro aviões modelos: F-5, F-2000, A-1, A-29, AT-26, Mirrage e até um avião radar, de onze esquadrões de todo o país pousaram na segunda-feira na Base Aérea de Campo Grande.

Cerca de 400 pessoas de 30 equipes estão envolvidas no torneio que vai simular uma operação de guerra.

“Aqui está o braço armado da Força Aérea. As equipes terão uma missão a cumprir. Terão que destruir alvos e montar estratégia. Em uma das operações, o piloto será ejetado e terá que atravessar o campo do inimigo até chegar na base aliada”, explica o Brigadeiro Gerson Nogueira Machado.

A Base Aérea de Campo Grande é uma das três mais importantes do país e sedia um evento dessa grandiosidade pela primeira vez, “com um torneio como esse será possível para avaliar se a Força Aérea está preparada para entrar em uma guerra”, avalia o Coronel aviador Máximo Ballatore.

Para os participantes o torneio tem clima de competição e integração. O primeiro sargento Cândido, veio de Canoas no Rio Grande do Sul, está nas Forças Armadas há 19 anos. Hoje com 35, é mecânico de aeronaves e diz que nesse torneio não há favoritos.

“Nós já vencemos o torneio de 2006 e agora viemos para ganhar novamente. Treinamos muito para isso e vamos fazer o melhor”.

No pátio, cada esquadrão que pousa é recebido pela banda militar e por lindas modelos que dão as boas-vindas à capital de Mato Grosso do Sul. Entre os rigores militares sempre há um espaço para abraço e brincadeiras entre os militares dos esquadrões.

Fonte: Campo Grande News - Foto: Minamar Junior

Com pressa para decolar, Azul traz aviões da JetBlue

Para conseguir decolar antes do final do ano, a Azul Linhas Aéreas terá de diversificar a sua frota, inicialmente prevista para operar apenas com jatos modelo Embraer 195. A empresa acaba de assinar um contrato de arrendamento de dois jatos Embraer 190 com a companhia americana JetBlue - empresa fundada pelo mesmo criador da Azul, o empresário David Neeleman. O primeiro chegará nesta quarta-feira (27) à noite a Porto Alegre, onde receberá as cores da Azul.

O segundo 190 está previsto para chegar entre o final de setembro e o início de outubro. Os dois jatos 190, de cem lugares, foram incorporados à frota da JetBlue em fevereiro e março. Porém, com a crise no setor aéreo americano - motivada pela combinação de alta do petróleo e desaceleração econômica -, a JetBlue resolveu arrendá-los para terceiros.

A Azul espera que, até dezembro, outros "três ou quatro" jatos sejam entregues pela própria Embraer. O modelo a ser entregue dependerá da disponibilidade: poderá ser tanto o 190 quanto o 195, de 114 lugares.

Na Azul, os jatos da JetBlue ganharão mais uma fileira de assentos, passando a oferecer 106 lugares. "Mesmo assim, ficarão com um espaço entre as poltronas muito maior do que o praticado no mercado brasileiro", diz uma fonte na Azul.

A companhia corre contra o tempo para obter a certificação operacional da Agência Nacional de Aviação Civil (Anac), e assim conseguir estrear antes da alta temporada de festas de fim de ano. O processo de certificação está em fase adiantada, embora a Anac esteja agindo com rigor no cumprimento da regulamentação de certificação. Documentos e procedimentos que no tempo do Departamento de Aviação Civil (DAC), antecessor da Anac, eram dispensados, hoje estão sendo cobrados. Fontes ligadas ao processo revelam que essa adequação às novas exigências atrasou o processo em "algumas semanas".

Agora, com a chegada do primeiro jato, a agência poderá iniciar a fase final de certificação, que são as inspeções com a tripulação em vôo.

A Azul pretende estabelecer sua principal base operacional no aeroporto Santos Dumont, no Rio. Até o final do primeiro semestre, a intenção é de uma oferta de 90 partidas diárias a partir do Santos Dumont. O projeto depende ainda da liberação do aeroporto por parte da Anac. Hoje, o Santos Dumont está restrito a vôos da Ponte Aérea e à aviação regional, com aviões de menos de 50 lugares.

Além do Santos Dumont, a Azul terá base em Campinas e em Curitiba. A empresa também quer voar para o aeroporto da Pampulha, em Belo Horizonte, que hoje também está restrito à aviação regional.

A Azul tem uma encomenda de 76 jatos 195, entre pedidos firmes e opções. A idéia era terminar o primeiro ano com dez jatos, número que está sendo revisto pela companhia. A antecipação das entregas dependerá da desistência ou solicitação de adiamento de entregas feitos por outros clientes da Embraer.

Fonte: Agência Estado

NHT receberá o sexto avião em setembro

A NHT Linhas Aéreas, única empresa aérea regular da Região Sul, completa, no próximo dia 28, dois anos de operação. O acontecimento foi comemorado pela empresa, na segunda-feira (25), junto com seus clientes e autoridades do Rio Grande, com um almoço no Hotel Atlântico do centro da cidade.

Durante o almoço, o diretor comercial da empresa, Jeffrey Kerr, anunciou que está prevista para a primeira semana de setembro a chegada de mais uma aeronave L410 UVP-E20, ampliando a frota para seis aeronaves. Também informou que, em outubro, a NHT agregará à sua malha mais três ou quatro municípios do interior paranaense, entre os quais Guarapuava e Pato Branco.

Desde o início de suas operações, a NHT informou que havia encomendado seis aviões. Cinco deles já estão em operação. O sexto atrasou um pouco, mas chega em setembro. São todos aviões dotados de equipamentos de segurança e auxílio à navegação aérea de última geração.

A inclusão de mais esta aeronave poderá significar uma quarta freqüência para Rio Grande, projeto até agora em estudos. Hoje, são três vôos diários na rota Porto Alegre/Rio Grande. "O Município está crescendo e nós queremos crescer junto", relatou.

Em dois anos de atividade, a NHT já realizou 5.500 vôos, transportando 85 mil passageiros, totalizando 12 mil horas voadas. A companhia emprega 100 funcionários diretos e mais 80 indiretos. Atualmente, são atendidas por vôos da NHT as cidades de Porto Alegre, Santa Maria, Santo Ângelo, Santa Rosa, Pelotas, Rio Grande, Uruguaiana, Passo Fundo e Erechim (no Rio Grande do Sul), Florianópolis, Criciúma, Joaçaba e Caçador (SC), além de Curitiba (PR). São 14 cidades dos três estados do Sul interligadas com seus vôos.

Os aviões da empresa pousam e decolam do Aeroporto Municipal do Rio Grande desde 28 de agosto de 2006, atendendo principalmente executivos e trabalhadores das empresas do pólo naval, Petrobras e Porto do Rio Grande.

Fonte: Jornal Agora (RS)