quinta-feira, 8 de outubro de 2020

Notícias do Dia

Helicóptero fica parcialmente destruído em Piraquara (PR)

Boeing 737 da Azul sofre descompressão após decolagem de Campinas

Em lua-de-mel, piloto da United Airlines perde o controle do voo e avião cai

Famílias de vítimas de voo da Chape cobram medidas do clube após sentença nos EUA

Azul devolve Airbus A330 que já operou na Avianca Brasil

Sobreviventes da crise, aéreas brasileiras ensaiam recuperação

Voepass contrata ex-Gol para liderar áreas de vendas e relacionamento

Queixas contra companhias aéreas disparam durante a pandemia

Governo federal autoriza início das obras no aeroporto do Vale do Aço

Estado de SP pode mudar edital e aeroporto de Araçatuba custar R$ 1

Copa Airlines anuncia retorno a Brasília e Belo Horizonte

Atendente de voo diz ter recebido tapa de autoridade paraense por não permitir embarque com arma

KLM e Air France são as aniversariantes desta semana

KLM lança nova casa em miniatura em celebração aos 101 anos

EasyJet relata seu primeiro prejuízo financeiro dos últimos 25 anos

Icelandair vende três Boeings 757-200

Lufthansa quer 'covid-free flights' para retomar demanda

Histórico: British Airways faz os últimos voos do Boeing 747 na sua frota

Aérea japonesa ANA negocia demissões voluntárias e corte nos salários

Airbus mostra avanços do seu novo conceito aerodinâmico para aviões

Iata aponta apenas 44 casos de covid-19 no mundo associados a voos em 2020

Iata reúne fabricantes para ressaltar segurança a bordo

EUA: Pelosi rejeita projeto para aéreas sem pacote amplo

Novo aeroporto de Berlim abre em plena pandemia, com um atraso de nove anos

Demanda global por aviões deve cair cerca de 2 mil unidades em dez anos, diz Boeing

Portugal: Governo propõe novo grupo de trabalho para resolver questão dos voos noturnos

Covid-19: Mais de 2000 passageiros recusaram-se a fazer teste no Aeroporto de Lisboa

Mulher dá à luz a bordo de avião na Índia

Força Aérea Brasileira desenvolve protótipo de ambiente de simulação de cenários operacionais

Primeira aeronave T-27 Tucano da FAB entra em fase final de modernização

Aviação dos EUA 'perdeu' submarino russo na costa do Chipre

No norte da Itália, prepara-se a nova base para os F-35 nucleares

USAF vai realizar missões de policiamento aéreo sobre a Islândia

Vídeo: Forças Armadas treinam 'tiro de aeronave' com helicópteros no RJ

Vídeo: A Flexibilidade Logística do Gripen

Como é o avião particular usado por Messi

Vídeo: Mayday Desastres Aéreos - O Avião Invísivel - SAS 686

Fonte: Cavok Vídeos

Aconteceu em 8 de outubro de 2001: Desastre aéreo de Linate-Milão - O avião invisível


O "Desastre Aéreo de Linate" ocorreu em 8 de outubro de 2001, às 08h10 horário local, no Aeroporto de Linate, em Milão, Itália, com um número final de 118 vítimas. Ele foi o acidente aeronáutico mais grave da história da Itália em número de vítimas e o segundo acidente de colisão no solo com maior número de vítimas do mundo, ficando atrás apenas do desastre aéreo de Tenerife, que ocorreu em 1977.

O acidente envolveu um Cessna 525A CitationJet CJ2, particular, prefixo D-IEVX, com dois pilotos a bordo, que erroneamente ingressou na pista principal do aeroporto de Milão e colidiu com um McDonnell Douglas DC-9-87 (MD-87) da Scandinavian Airlines System - SAS, prefixo SE-DMA, (foto abaixo) que decolava com 104 passageiros e seis tripulantes. 

.

O impacto matou os ocupantes do Cessna e danificou o MD-87 a tal ponto que o impediu de completar a decolagem, vindo a se acidentar em um prédio usado para classificar bagagens, localizado na extensão da pista. 

O impacto e o fogo subsequente (também devido ao atraso das operações de resgate, que chegaram no local do acidente após vários minutos, e também por causa da densa névoa que pairava sobre o aeroporto milanês) não permitiu que os ocupantes de ambas as aeronaves escapassem, nem para quatro trabalhadores que lidavam com a guarda de bagagens.

Um quinto auxiliar de bagagem, Pasquale Padovano, embora gravemente queimado na maior parte do corpo, foi salvo, resultando no único sobrevivente do desastre.

Menos de um mês após os ataques de 11 de setembro de 2001 em Nova Iorque e no mesmo dia em que a guerra no Afeganistão começou, muitos inicialmente assumiram que se tratava de um novo ataque terrorista.

As investigações subsequentes revelaram que o acidente foi causado por deficiências estruturais do aeroporto de Linate (sinalizações antigas e não previstas nos regulamentos, sensores de movimentação em solo e detecção de invasão de pista desativados) e uma série de erros pelos pilotos da Cessna e dos controladores de tráfego aéreo. 

Considerando também o fato de que apenas 24 horas antes da tragédia houve um acidente com as mesmas circunstâncias e que, em média, uma vez por semana em Linate um avião invadia a pista principal por razões idênticas às mencionadas acima, todo o aeroporto de Linate foi posteriormente objeto de extensa reestruturação e ajustes.

A dinâmica do Acidente

Na manhã do dia 8 de outubro de 2001, a região do Aeroporto de Linate estava coberta por uma camada densa de nevoeiro e a visibilidade na pista principal estava abaixo de 200 metros.

Vista aérea do Aeroporto Milão-Linate

As condições climáticas adversas estavam causando diversos atrasos nos vários voos que chegavam e partiam. Dentre eles, o voo Scandinavian Airlines SK686, direto para Copenhague, operado com a aeronave MD-87 de matrícula SE-DMA, originalmente programado para decolar às 07:35, recebeu um CTOT (horário calculado de decolagem) para 08h16. 

Uma densa névoa pairava sobre o aeroporto de Linate naquela manhã de 8 de outubro

O Cessna Citation D-IEVX, um voo privado que deveria partir para Paris às 7h45, com o empresário Luca Fossati, proprietário da Star Indústria Alimentícia, recebeu um CTOT para 08h19.

Às 07h54, o piloto do voo SK686 recebeu do controlador de movimento do solo (Ground - GND - frequência 121,8 MHz) a autorização para taxiar do pátio norte para o ponto de espera CAT 3, passando pela conexão R4 (consulte a Figura 3, instante 1 azul).

Às 7h59, o controlador de solo (GND) disse ao voo SK686 para entrar em contato com o controlador da torre (TWR - frequência 118,1 MHz) enquanto ele taxiava próximo à seção contra-incêndios do aeroporto.

Às 08h01, o piloto escandinavo do MD-87 passou pela seção dos bombeiros, selecionou a nova frequência no rádio e entrou em contato com o controlador da torre. Quatro minutos depois, o Cessna D-IEVX, estacionado no pátio oeste, recebeu autorização do controlador de solo para taxiar para o norte, pegar a conexão R5 e depois chamar a torre de controle assim que chegasse ao ponto de espera, antes do prolongamento da cabeça 36R da pista principal.

Nota-se que o piloto não fez cotejamento completamente correto; de fato, ele respondeu ao controlador que o chamaria antes de chegar à "pista principal" em vez de "prolongamento da pista principal"; no entanto, o operador da torre não reportou o cotejamento errado.

Figura 3 - Reconstituição do desastre

Repetida a instrução, o piloto de Cessna cometeu um erro fatal: quando chegou entre as junções R5 e R6, provavelmente se enganou por conta da névoa e sinalização inadequada (os nomes nas placas e sinalização no chão estavam, de fato, desgastados, desbotados e escritos com um caractere que não está mais no padrão, tanto que, mesmo em condições de visibilidade ideal, não foi possível distinguir imediatamente o 5 do 6), em vez de prosseguir corretamente para a esquerda na direção norte pegando a junção R5, virou à direita e pegou a conexão R6 (Figura 4).

Figura 4 - O Cessna Citation pega a rota errada (em vermelho). A rota correta está marcada em verde

Depois de atravessar a encruzilhada, nenhuma indicação mostrava em qual cruzamento ele estava: o piloto da pequena aeronave particular, então, não conseguiu perceber o erro cometido.

Aproximadamente trinta segundos depois, outra aeronave (um Learjet 60 com matrícula LX-PRA, aeronave particular do grupo Prada) foi autorizada a taxiar a partir do pátio oeste, seguindo a mesma rota que o Cessna, mas a comunicação com a torre ocorreu em italiano (permitido, mas não recomendado pelo direito internacional); os pilotos alemães do D-IEVX não puderam entendê-lo.

Às 08h08, o piloto do Citation, taxiando no cruzamento R6, alcançou um ponto de espera chamado S4 (Figura 5); esta referência não foi registrada em nenhum mapa do aeroporto e nem os pilotos nem os controladores de tráfego aéreo estavam cientes de sua existência. O Cessna então chamou o controlador da torre para relatar esta posição ao controlador de solo.

O controlador de solo respondeu que ele mantivesse sua posição e o Cessna parou para esperar novas instruções.

O controlador de solo, como já mencionado, não estava ciente da existência desse ponto de espera. Ele estava, portanto, convencido de que S4 era um erro piloto e que o Citation devia estar necessariamente na conexão R5 (Figura 3, linha verde); portanto, deu-lhe uma indicação para continuar taxiando, convencido de que o Cessna estava indo em direção ao pátio norte. Dessa forma, no entanto, o D-IEVX continuou na conexão R6, prestes a ingressar na pista principal.

Figura 5 - O Citation atinge o ponto de espera S4

Simultaneamente, o controlador da torre autorizou a decolagem do voo SK686 da SAS pela pista 36R (Figura 3, linha azul).

O MD-87, portanto, alinhou-se e iniciou sua corrida de decolagem, exatamente enquanto o Cessna entrava na pista na direção oposta, na conexão R6.

Às 08h10min18, o MD-87, com o nariz já levantado e prestes a sair do chão, viu a Citation aparecer na frente, contra o qual bateu a uma velocidade de 146 nós (270,5 km/h), dividindo-o em três seções e matando os 4 ocupantes (Figura 6).

Figura 6 - Instante do impacto

Na colisão, o avião perdeu o motor direito e a perna direita do trem de pouso principal. O piloto levou as manetes de potência ao máximo, tentando prosseguir na decolagem, conseguindo apenas por alguns segundos e até uma altitude máxima de 35 pés (12 metros).

A perda do motor direito e a perda de potência do motor esquerdo (causada pela ingestão de uma grande quantidade de detritos do Cessna) não lhe permitiram ir mais longe: o MD-87 desceu em direção ao solo, caindo sobre seu trem de pouso esquerdo e batendo a ponta da asa direita. O piloto reduziu as manetes de potência para ao mínimo e, em seguida, ativou os reversores e freios e tentou orientar aerodinamicamente a direção da aeronave; essa sequência de manobras executadas pelo comandante sueco Joakim Gustafsson foi posteriormente incluída nos manuais técnicos da companhia aérea.

Entretanto, o sistema hidráulico foi danificado, as superfícies de controle reagiram mal e a aeronave agora estava completamente ingovernável. Portanto, o MD-87 continuou sua corrida após o final da pista, rastejando sobre a grama, curvando-se ligeiramente para a direita devido ao atrito da asa no chão, até colidir com o prédio de bagagens (Figura 3, instante 4 - azul), localizado na extensão da pista, a uma velocidade de 139 nós (257,60 km/h).

O impacto com o prédio causou a morte de todos os 110 ocupantes do avião; o incêndio subsequente matou 4 dos operadores em serviço na sala de bagagens e feriu outros 4.


Dos ocupantes do avião da SAS, 54 pessoas (46%), principalmente na parte posterior do avião, sofreram queimaduras graves; tendo de ser identificados seus corpos utilizando o reconhecimento dental ou os dados de DNA. Aqueles que se encontravam na parte anterior do avião sofreram traumatismos severos.


Causas

No momento da reconstrução e análise de acidentes aeronáuticos, é identificada a chamada "cadeia de eventos", ou seja, o conjunto de episódios que foram singularmente decisivos (ou, de qualquer forma, relevantes) para a ocorrência do evento. A análise da cadeia de eventos possibilita identificar e entender as causas únicas e ajuda a impedir a repetição dos mesmos erros, modificando a legislação ou conscientizando sobre sua aplicação oportuna.

As dimensões em escala das aeronaves envolvidas

O acidente em Linate foi investigado pela Agenzia Nazionale per la Sicurezza del Volo (ANSV). Seu relatório final foi publicado em 20 de janeiro de 2004, e concluiu que a "causa imediata" do acidente foi a incursão do avião Cessna na pista ativa. No entanto, a ANSV desculpou de toda a responsabilidade os pilotos do avião Cessna, dado seu relatório de que tinham identificado um grande número de deficiências na infraestrutura e procedimentos do aeroporto.

Névoa

A baixa visibilidade presente naquela manhã certamente teve um papel crucial; em boas condições de visibilidade, uma vez que o piloto do Cessna Citation CJ2 seguisse o caminho errado, os controladores da torre de controle poderiam vê-lo e pará-lo. A visibilidade na pista no dia do acidente era, no entanto, de 200 metros, ou até menor (de acordo com outras fontes era da ordem de 100 m) e, portanto, estava entre as causas mais determinantes do desastre.

Sinalizações inadequadas e incorretas

Sendo o aeroporto de Milão-Linate um dos terminais de passageiros mais movimentados da Itália em 2001, a área dedicada ao tráfego comercial foi equipada com sinalização e iluminação em conformidade com os regulamentos da OACI; o mesmo não se podia dizer do pátio oeste, usado pela aviação geral, que era muito atrasado em termos de sinalização e iluminação.

Entre os cruzamentos enfrentados pelo Cessna, os R5 e R6 escritos pintados no asfalto estavam desbotados e usavam um caractere que não era mais o padrão, dificultando a leitura e mesmo em condições de visibilidade normal era fácil confundir o 5 com o 6. 

Além disso, após essa encruzilhada, não havia indicação adicional em todo o comprimento da conexão R6 que lembrasse o piloto de sua posição (a única maneira que o piloto poderia ter percebido seu erro era olhando a bússola magnética). Também no cruzamento R6 havia o ponto de espera S4, que não era mostrado em nenhum mapa oficial e era completamente desconhecido dos pilotos e controladores de voo.

Erros e omissões da tripulação do Cessna

A tripulação do D-IEVX cometeu o erro mais óbvio e decisivo: instruída a ir para o norte e seguir na conexão R5, ao invés disso, entraram na conexão R6.

Não apenas: o pouso em Linate, que ocorreu duas horas antes, deveria ter sido considerado irregular, pois a tripulação e a aeronave não estavam certificadas para executar operações com visibilidade inferior a 550 metros. De acordo com os procedimentos em vigor nesses casos, a aeronave deveria ter sido desviada para outro aeroporto e, portanto, não deveria estar em Linate no momento da decolagem do MD-87 SAS. Também devido à falta de qualificação, a aeronave nem poderia deixar o aeroporto de Milão: mesmo neste caso, os pilotos agiram fora das regras.

Tudo isso foi possível graças às omissões da autoridade do Estado em que a aeronave estava registrada, responsável pela verificação das autorizações e pelo cumprimento das regulamentações locais em vigor, que não realizaram as verificações necessárias das qualificações e licenças de pessoal e da aeronave e a falha em cumprir os regulamentos da Itália de realizar suas próprias verificações nos operadores estrangeiros que operam em seus aeroportos.

O exposto ocorreu por várias razões:

- Em primeiro lugar, a atribuição pouco clara do poder de supervisão e sanções atribuído pelo art. 16 do Decreto Legislativo 507/99 ao Ministério dos Transportes, ENAC e autoridades locais. Essa fragmentação de competências foi resolvida apenas recentemente, após a reforma do código de navegação em 2005, para a qual o ENAC foi identificado como a única autoridade em fiscalização aeroportuária, assumindo um papel de liderança na verificação de violações dos regulamentos aeronáuticos.

- A definição imperfeita das figuras do colaborador e do inspetor do aeroporto, destacadas na circular ENAC APT 20 de 2006, mas estabelecida em mais detalhes com duas decisões separadas pelo diretor-geral da ENAC em 2019.

- A ausência de um sistema de controle programado para aeronaves estrangeiras, estabelecido apenas após a publicação da Diretiva CE 2004/36 (renomeada Diretiva SAFA e implementada pelo Decreto Legislativo 192/2007) e a criação da chamada Lista Negra Comunitária ( Regulamento (CE) 2111/2005 e regulamentos relacionados) de importância fundamental para a avaliação da segurança dos operadores que estão sob a supervisão de autoridades de países terceiros.

Radar de solo e sensores não operacionais de invasão de pista

O aeroporto de Linate havia sido equipado com um sistema de radar ASMI (Aerodrome Surveillance Monitoring Indicator) até 29 de novembro de 1999, quando foi desativado porque não podia ser mantido de forma eficiente devido à indisponibilidade de peças de reposição; na verdade, o motor da antena for forçado a ser desmontado, sem poder ser substituído. 

Em 8 de outubro de 2001, o novo sistema SMGCS (Surface Movement Guidance and Control System), incluindo o radar de solo SMR (Surface Movement Radar) com rastreamento (tracking) e rotulagem (rotulagem com identificação do objeto móvel), chamado de NOVA 9000 SMGCS, já adquiridos há algum tempo, teve suas obras de instalação e ativação interrompidas porque o Serviço de Navegação Aérea da Direção Geral de Aviação Civil (DGAC, hoje ENAC), solicitou um parecer operacional sobre a localização do poste da antena e expressou uma opinião negativa, sem apelação para todo o projeto. 

De fato, o projeto envolveu a instalação de um poste de antena entre as duas pistas do aeroporto de Linate, a secundária para a aviação geral e a principal, que não só interferiu como sendo obstáculo à área de segurança de voo, mas também estava 'dentro das áreas laterais de segurança destinadas a receber uma possível aeronave em voo de alternativa. As razões para a provisão de recusa diziam respeito "ao considerável impacto psicológico negativo para os pilotos decorrente da presença de outro grande obstáculo (a antena) durante operações com pouca visibilidade".

Além disso, na determinação, destacou-se que a instalação do novo radar traria "vantagens mínimas quase completamente substituíveis com a instalação de 2 barras de parada .. bem como o fato de que até hoje (17/05/1995 - ed) não foram encontrados quaisquer inconvenientes específicos, uma vez que o sistema Linate, para apoio às aeronaves em solo, é muito linear". 

As barras de parada (stop bars) consistem de uma fileira de luzes vermelhas embutidas no pavimento e posicionadas antes das entradas na pista e são substancialmente equivalentes a um semáforo. Além disso, os sensores de invasão da pista, projetados para detectar e sinalizar à torre de controle a entrada não autorizada de aeronaves na pista com um alarme sonoro e luminoso, foram desativados por algum tempo, pois no passado eles haviam se mostrado pouco confiáveis ​​e fonte de frequentes alarmes falsos. 

Os alarmes falsos provavelmente foram causados ​​pela presença exuberante de lebres dentro da área de movimentação, tanto que nos anos seguintes eles foram forçados a fechar o aeroporto para acionar caçadores. Somente em 19 de dezembro de 2001, o novo radar terrestre entra em operação, provando ser uma ajuda de segurança essencial para os controladores de Linate.

Erros do controlador de tráfego aéreo

O controlador em operação na frequência de solo estava com uma carga de trabalho posteriormente definida como onerosa e foi forçado - dada a visibilidade quase ausente e a indisponibilidade de um radar de terra - a confiar nos relatórios de posição realizados pelos pilotos para determinar a posição do aeronave no chão. Portanto, ele não tinha como perceber o erro do D-IEVX, que havia entrado no cruzamento R6 e estava indo em direção à pista.

A comunicação feita pelo piloto do Cessna relativa à travessia do ponto S4, não relatada nos mapas oficiais dos aeroportos nem conhecida pelos principais operadores aeroportuários (considerava-se uma antiga marca de estrada deixada em herança por obras realizadas em tempos remotos) chegou ao aos ouvidos do controlador através de um fone de ouvido muito atenuado: durante investigações, foi descoberto que o aparelho de gravação de rádio "RACAL" possuía um sistema de controle automático de ganho que permitia aumentar a qualidade e o nível do sinal gravado, mas não aquele enviado pelos fones de ouvido. 

Os investigadores que posteriormente ouviram as gravações puderam desfrutar de uma qualidade de som mais alta do que a disponível para o controlador de plantão.

O controlador não detectou nenhum elemento de risco na travessia do ponto S4 realizada pelo piloto do Cessna e instruiu os pilotos do Cessna a continuarem taxiando, com a certeza de que a aeronave estava se movendo ao longo da conexão R5. 

Nos julgamentos seguintes, foi aceita a tese defensiva, que alegou que o ruído ambiental devido ao alto número de conversas ocorrendo, a baixa qualidade do sinal de áudio e a total ignorância da existência do ponto S4 em questão interferiram decisivamente a mentalidade do processo de tomada de decisões pelo controlador. 

Naquelas condições de baixa visibilidade, de fato, na dúvida de ter perdido a posição de um avião, os procedimentos teriam exigido interromper todas as operações no aeroporto e enviar um veículo para verificar, mas é razoável pensar que o medo desperdiçar tempo e adiar as operações do aeroporto, com o risco de um alarme falso, afetou severamente o julgamento do controlador. De qualquer forma, deve-se reconhecer que os pilotos do Cessna, aparentemente, nunca tiveram dúvidas sobre sua posição.

Slot das aeronaves

O voo SK686 estava programado para decolar às 07h35, mas devido a restrições impostas pelo Gerenciamento de Fluxo de Tráfego Aéreo (ATFM), ele recebeu um horário para às 08:16. O voo D-IEVX estava marcado para às 07h45, mas o ATFM lhe atribuiu um horário para às 08:19. Então, em condições normais, as duas aeronaves estariam separadas por 10 minutos, enquanto que as restrições de tráfego aéreo reduziam esse tempo para apenas três minutos, "aproximando as duas aeronaves".

Socorro não tempestivo

As normas internacionais relativas a acidentes aéreos (ICAO, anexo 13), como mencionadas no relatório final da ANSV sobre o acidente, exigem a chegada de primeiros socorros dentro de dois minutos do evento (e, em qualquer caso, dentro de três minutos estar presente todo o equipamento de combate a incêndio previsto pela norma), apenas em condições de ótima visibilidade; Naquela manhã, em Linate, os socorristas levaram oito minutos (onze, segundo outras fontes) para chegar ao MD-87 e 26 minutos para encontrar os restos do Cessna.

Isso certamente não teve nenhum papel no evento em si, nem poderia ter influenciado o número de vítimas: mesmo que as autópsias dos ocupantes do Cessna mostrassem a presença de gás queimado nos pulmões dos pilotos, os relatórios técnicos não relatam de qualquer maneira a possibilidade de salvação, mesmo no caso de intervenção imediata do resgate.

O atraso macroscópico, no entanto, embora afetado por baixa visibilidade, é ainda mais agravado pelo fato de que precisamente em Linate, algum tempo antes, foi apresentado um sistema de navegação GPS a ser instalado nos veículos de emergência do aeroporto.

A chamada "prática comum"

Um artigo de 11 de abril de 2008 do jornalista Carlo Bonini, correspondente do jornal La Repubblica, argumentou, com base nas investigações técnicas e judiciais, que na manhã de 8 de outubro de 2001 o Cessna alemão ingressou conscientemente no entroncamento do aeroporto que ele sabia ser proibido para ingresso; que, portanto, não houve erro, mas uma violação deliberada das regras de tráfego terrestre e que era "prática comum" para voos que partiam do terminal VIP; que o que convenceu o Cessna a fazer essa manobra provavelmente foi a circunstância de que outro jato particular, um Gulfstream IV da frota Mediaset, passou alguns minutos antes pela conexão "errada". 

Os movimentos e conversas de solo do Gulfstream Mediaset não foram objeto de nenhuma análise aprofundada das investigações conduzidas pela Agência para segurança em tempo real (ANSV).

Nesse sentido, a ANSV respondeu que, na investigação técnica, as autoridades investigadoras e os consultores relativos de cinco Estados (Dinamarca, Alemanha, Noruega, Estados Unidos e Suécia) envolvidos em várias áreas de investigação participaram de todas as fases do processo e compartilharam dos resultados finais, incluindo a reconstrução da dinâmica do acidente e as causas identificadas; a agência também especificou que não era um órgão da presidência do conselho de ministros, mas uma autoridade independente, supervisionada exclusivamente sob o perfil contábil da presidência.

O processo

Em 20 de novembro de 2002, ocorreu a primeira audiência preliminar do julgamento criminal pela atribuição de responsabilidades no acidente de Linate.

Em 13 de março de 2003, na oitava e última audiência preliminar, foram indiciados sob a acusação de homicídio culposo os seguintes réus:

Sandro Gualano - diretor administrativo da ENAV

Fabio Marzocca - diretor geral da ENAV

Santino Ciarniello - gerente de serviços de tráfego aéreo (ENAV)

Sandro Gasparrini - gerente de operações do terminal ENAV

Nazareno Patrizi - gerente regional da Lombardia (ENAV)

Raffaele Perrone - Chefe do Centro de Assistência de Voo (ENAV)

Paolo Zacchetti - controlador de tráfego aéreo (ENAV)

Francesco Federico - responsável pelo distrito territorial (ENAC).

Vincenzo Fusco - diretor do aeroporto de Linate (ENAC)

Antonio Cavanna - Chefe da Unidade de Organização de Desenvolvimento e Manutenção de Recursos Aeroportuários da SEA

Giovanni Lorenzo Grecchi - Chefe de Gerenciamento de Recursos do Aeroporto de Linate (SEA)

O processo em primeira instância

Desde a primeira audiência, em 4 de junho de 2003, o julgamento foi dividido em duas seções, uma de acordo com o procedimento ordinário e a outra de acordo com o procedimento abreviado.

Em 16 de abril de 2004, a sentença de primeira instância do julgamento ordinário foi pronunciada; em 14 de março de 2005, o julgamento abreviado; estas sentenças deram os seguintes resultados:

Sentenças de prisão:

Sandro Gualano: 6 anos e 6 meses;

Fabio Marzocca: 4 anos e 4 meses;

Santino Ciarniello: 3 anos e 4 meses;

Sandro Gasparrini: absolvido;

Nazareno Patrizi: 3 anos e 10 meses;

Raffaele Perrone: 3 anos e 10 meses;

Paolo Zacchetti: 8 anos;

Francesco Federico: 6 anos e 6 meses;

Vincenzo Fusco: 8 anos;

Antonio Cavanna: absolvido;

Giovanni Lorenzo Grecchi: absolvido.

Na sentença do julgamento ordinário (réus Sandro Gualano, Francesco Federico, Paolo Zacchetti, Vincenzo Fusco):

para todos os réus, uma proibição perpétua de cargos públicos e uma proibição legal durante a execução da sentença de custódia;

para todos os réus solidariamente, juntamente com a ENAV e a ENAC, indenização por danos e reembolso de despesas legais.

Na sentença do julgamento abreviado (réus Fabio Marzocca, Raffaele Perrone, Nazareno Patrizi e Santino Ciarniello):

para todos os réus, exoneração de órgãos públicos, bem como de órgãos de administração de pessoas jurídicas, com duração igual à das penas de prisão;

para todos os réus em conjunto, reembolso de despesas legais.

A segunda instância e a cassação

O processo de apelação terminou em 7 de julho de 2006, quando as seguintes sentenças de prisão oram proferidas:

Sandro Gualano: 6 anos e 6 meses;

Fabio Marzocca: 4 anos e 4 meses;

Santino Ciarniello: 2 anos e 8 meses (barganhado);

Sandro Gasparrini: absolvido;

Nazareno Patrizi: 3 anos (barganhado);

Raffaele Perrone: 3 anos (barganhada);

Paolo Zacchetti: 3 anos;

Francesco Federico: absolvido;

Vincenzo Fusco: absolvido;

Antonio Cavanna: 3 anos;

Giovanni Lorenzo Grecchi: 3 anos.

O perdão definitivamente aprovado pelo Parlamento em 29 de julho de 2006[27] reduziu todas as penas de prisão em 3 anos.

O promotor de Milão apresentou um recurso contra a sentença. O Supremo Tribunal de Cassação, em 20 de fevereiro de 2008, proferiu seu julgamento final, rejeitando todos os recursos e confirmando totalmente o julgamento do Tribunal de Apelação de Milão.

Mudanças

Como sempre acontece após uma tragédia, novos regulamentos, infraestruturas e procedimentos foram lançados, tanto em Linate quanto no resto da Itália, para aumentar a segurança do aeroporto em caso de nevoeiro.

Sinalização horizontal

Em Linate, as marcações das pistas foram totalmente refeitas; a conexão R5 (romeo 5) foi renomeada como conexão N (november), pois se desenvolve em direção ao norte (north); a conexão R6 (romeo 6) agora é chamada K (Kilo). O ponto de espera S4 foi cancelado porque era completamente inútil e sinais "NÃO ENTRE" foram "pintados" em intervalos regulares.

Da mesma forma, todos os outros aeroportos afetados pelo problema do nevoeiro (como Milão-Malpensa, Bergamo-Orio al Serio e Turim-Caselle) foram submetidos a importantes melhorias na gestão de movimentos do solo com baixa visibilidade.

Radar de solo

Em 19 de dezembro de 2001, apenas dois meses após o desastre, todos os impedimentos que atrasaram o uso do radar terrestre foram definitivamente superados e a torre de controle pode fazer uso desse instrumento; mais tarde, um radar de solofoi instalado também nos aeroportos de Turim e Bérgamo, algo já planejado há algum tempo.

Novos procedimentos em baixa visibilidade

Após o desastre, muitas lacunas regulatórias também foram preenchidas no campo da aviação civil: em 30 de junho de 2003, a Autoridade Nacional de Aviação Civil produziu um regulamento chamado Operações no espaço aéreo nacional.

 Este regulamento foi implementado pela ENAV e traduzido em 25 de novembro de 2004 em um documento intitulado "Disposições operacionais permanentes para procedimentos de baixa visibilidade".

Estas disposições constituem o código de referência para os pilotos e controladores de tráfego aéreo na Itália sempre que a "visibilidade geral for inferior a 800 metros ou o alcance visual da pista (Range Visual Range - RVR) for menor que 550 metros".

Curso de LVP no ENAV

Em 5 de janeiro de 2005, a ENAV lançou o primeiro Curso LVP (Procedimentos de Baixa Visibilidade) para seus próprios controladores de voo; as regras LVP incluem uma série de definições e prescrições para os controladores que realizam "operações no espaço aéreo nacional".

Comitê "8 de outubro a não ser esquecido"

Em 17 de novembro de 2001, o "Comitê 8 de outubro a não ser esquecido" foi oficialmente estabelecido em Milão, uma associação (e mais tarde também uma fundação) que une todas as famílias das pessoas que perderam a vida naquele dia. O comitê, a voz e expressão de todas as famílias, organiza, coordena e patrocina inúmeras atividades "para não esquecer" o que aconteceu naquele dia e para conscientizar o público sobre a questão da segurança aérea, por meio de conferências e publicações. 

Em 18 de dezembro de 2006, o "Linate 8 ottobre 2001: la strage" com o ator Giulio Cavalli, estreou no Teatro Piccolo de Milão pelo comitê (e muitos municípios que tiveram vítimas entre seus cidadãos). Graças também ao trabalho do comitê, vários municípios italianos nomearam uma praça ou avenida em memória das vítimas.

Em 23 de fevereiro de 2002, também na Escandinávia, foi formado um comitê "para não esquecer", que une as famílias das vítimas escandinavas que estavam viajando no voo da SAS: o nome da associação é "Skandinavisk förening för SK686, 8 oktober 2001".

O desastre também atingiu a comunidade sueca de kart muito a sério, pois havia alguns de seus pilotos mais promissores no avião, retornando de um evento em Lonato. Após o desastre, o clube nacional de esportes motorizados iniciou iniciativas de arrecadação de fundos junto com alguns parentes das vítimas. A fundação estabelecida concede financiamentos anuais aos jovens promissores pilotos de kart da Suécia.

Bosque de faias

Em 24 de março de 2002, no Parque Forlanini, em frente ao aeroporto, foi inaugurado o Bosco dei Faggi, composto por 118 pequenas faias de diferentes variedades, para lembrar o número de vítimas do acidente, uma árvore para cada vítima.

No dia do primeiro aniversário do desastre, na presença da então prefeita de Milão Gabriele Albertini, foi realizada a obra intitulada Infinite Pain, uma escultura feita pelo artista sueco Christer Bording e doada pelo SAS às famílias das vítimas. colocado no meio das árvores.

"A Dor Infinita", com 230 cm de altura, é composta por três blocos de granito de cores diferentes, colocados sobre uma base de pedra clara e encostados um ao outro no seu vértice superior. Os blocos de granito marrom, vermelho e preto foram extraídos das pedreiras do sul da Suécia. 

A escultura tem o lado interno de cada um dos três blocos perfeitamente polido e com os outros três lados deixados inacabados; no lado interno brilhante, cada bloco tem uma superfície côncava.

A escultura nasce de uma antiga tradição escandinava que remonta a pelo menos 500 a.C.: é neste período que remontam os Bautastenar ("pedras bauta"), monólitos que foram erguidos para permitir que as gerações subsequentes lembrem lugares de grande importância, em comemoração de eventos de grande importância ou para honrar os mortos. Montados em números variáveis ​​e na posição vertical, os Bautastenar não possuem inscrições.

Infinite Pain foi o primeiro Bautastenar criado pelo artista Christer Bording, e o primeiro a ser exibido em um local público em um país não escandinavo. Ao redor da escultura, arranjada como se lembrasse das filas de assentos de um avião, há tiras de pedra gravadas com os nomes das 118 vítimas.

Vítimas


Transcrição do CVR (Cockpit Voice Recorder): AQUI.

Fontes: ASN / Wikipedia - Imagens: Reprodução - Edição: Jorge Tadeu

Segredos de voo: Qual o motivo das luzes da cabine serem reduzidas na decolagem e no pouso?

Voos podem ser muito perigosos quando os procedimentos corretos não são seguidos. Os passageiros podem notar que as luzes da cabine são diminuídas em momentos diferentes em um voo e um piloto revelou o motivo pelo qual isso acontece.

Os próprios pilotos se beneficiam do processo de diminuir as luzes antes da decolagem e do pouso

Os passageiros que voam durante a noite podem notar que as luzes da cabine acendem e apagam em diferentes estágios do voo. Eles geralmente são escurecidos para decolagem e pouso e, em seguida, ligados novamente quando atingem uma determinada altitude. Embora muitos pilotos tenham questionado isso, um piloto revelou que é para a segurança dos passageiros.

De acordo com o piloto americano Patrick Smith, a cabine é escurecida como medida de segurança, caso haja um acidente.

O autor de Cockpit Confidential, Patrick disse: “Reduzir as luzes permite que seus olhos se pré-ajustem à escuridão. “Para que você não fique subitamente cego se algo acontecer e a energia acabar, e você correr para as portas na escuridão ou na fumaça.”

Ele disse que também torna a sinalização de emergência acima das portas mais fácil de ver, bem como a iluminação do caminho de emergência que é visível no piso da aeronave.

Quando a iluminação da cabine diminui, a iluminação do caminho de emergência é mais visível no piso do avião

Demora cerca de dez minutos para o olho humano se ajustar à escuridão completamente e isso não seria seguro se houvesse um problema a bordo.

Esses dez minutos são vitais se você precisava escapar de uma aeronave ou para ver para onde estava indo. Outro piloto, Chris Cook, confirmou que as luzes são diminuídas para permitir que os olhos se ajustem.

Embora os passageiros possam pensar nisso como um procedimento normal, na verdade é uma precaução de segurança vital que todas as companhias aéreas devem aderir.

Chris disse: “Imagine estar em uma sala iluminada e desconhecida cheia de obstáculos quando alguém apaga as luzes e pede para você sair rapidamente.”

Reduzir as luzes da cabine durante o dia é menos necessário, embora conserve alguma potência do motor

Levantar a cortina da janela durante a decolagem e a aterrissagem também faz parte do mesmo procedimento. É para o caso de haver uma emergência e você precisar ver o que está acontecendo ou para onde ir.

Os momentos mais arriscados para um avião são durante a decolagem e a aterrissagem e é por isso que existem tantas precauções de segurança postas em prática.

Enquanto isso, um especialista em aviação procurou o Quora para explicar que os aviadores não devem ter medo dessas medidas de segurança e estão lá apenas por precaução. Embora as emergências em aviões sejam raras, elas devem ser implementadas apenas para garantir.

Subash Raj explicou que a ideia é tornar o ambiente da cabine semelhante ao ambiente externo, caso haja necessidade de escapar do avião.

As viagens de avião são bem conhecidas por serem uma das formas mais seguras de viajar e a Associação Internacional de Transporte Aéreo descobriu que houve uma média de um acidente para cada 2,86 milhões de voos.

Os passageiros devem aderir a todas as medidas estabelecidas, incluindo não ouvir música durante a decolagem e a aterrissagem. Isso ocorre no caso de a tripulação de cabine precisar instruir os viajantes.

Ao seguir essas medidas, você reduzirá o risco de não saber o que fazer durante uma emergência e permitirá que você se recoste e relaxe durante o voo.

Outras precauções de segurança incluem mudar seu telefone para o modo de voo durante a viagem no céu.

Bobby Laurie, que é um ex-comissário de bordo e apresentador de programa de TV, The Jet Set, explicou que um telefone que causa interferência está atrasado, mas com o voo não pode haver nenhum risco.

Ele disse: “É raro, mas ainda acontece que haja interferência com certos tipos de telefones celulares ou uma combinação de muitos telefones celulares ainda ligados”.

Bobby explica que não mudar o telefone para o modo de voo pode causar interrupções de ruído no sistema de alto-falantes durante o voo quando os funcionários estão se comunicando.

Ele diz que a última coisa que a tripulação de cabine e os pilotos querem ouvir são ruídos extras durante a comunicação e a concentração.

Por Jorge Tadeu com www.express.co.uk

Lagostas, bar aberto e pinturas de Dalí. A Era Dourada da aviação foi assim tão boa?

Viajar de avião, definitivamente, já não é o que era. O luxo no ar é apelativo, mas tinha os seus riscos.

Lagosta a bordo do Concorde

Chegar ao aeroporto três horas antes da partida. Tirar sapatos, recolocar o cinto, voltar a arrumar o tablet, esperar. Mais três horas de aperto entre o espaçoso vizinho do lado e o falador que nos tapa a vista da janela, até finalmente chegar ao destino. Este é o retrato que a maioria dos passageiros fará da maioria das suas viagens de avião. Um retrato radicalmente diferente do que seria feito por um passageiro que embarcasse há 50 ou 60 anos.

Naquela que ficou conhecida como a Era Dourada da aviação, tudo era luxo. Mesmo a classe económica era um paraíso quando comparada com a que as companhias aéreas oferecem hoje aos passageiros.

Não era apenas nos espaçosos lugares que estas companhias apostavam. Voar era, então, coisa para celebridades e, por isso, tudo era preparado a preceito. Louças, menus preparados por chefs, comida e bebida à discrição, um sem número de pequenos detalhes que faziam a diferença — não apenas na comodidade, mas também no preço.

Hoje, o cenário é bem distinto. Antes da crise que assolou a aviação, causada inevitavelmente pela pandemia, os aviões viajavam perto das suas capacidades máximas. A ditadura dos lucros ditava a regra: menos espaço, mais passageiros, mais dinheiro a entrar ao final do mês. A viagem passou a ser, para a maioria dos viajantes, um sacrifício necessário antes de chegar ao tão desejado destino. Mas será que viajar nos anos 50 e 60 era assim tão melhor?

A Era Dourada

Costuma dizer-se que esta nova era foi lançada pelo primeiro voo comercial entre Paris e Nova Iorque, inaugurado em 1958, ao som de “Come Fly With Me” de Frank Sinatra. Fazer a ligação entre as duas grandes capitais e cruzar o Atlântico era o sonho de todos, celebridades e desconhecidos.

Esqueça a recomendação para chegar três horas antes da partida. Nesta altura, 30 minutos bastavam. Era chegar, fazer o check-in, entregar o bilhete e caminhar livremente pela pista de aterragem.

“Low cost o quê?!”

No interior do avião, cada passageiro era recebido pelas hospedeiras, então em muito maior número, escolhidas a dedo pela sua beleza e vestidas com roupa desenhada por estilistas — são famosas as histórias de romances entre passageiros célebres e hospedeiras. Já nos lugares respetivos, começava a parada de luxos.

As companhias aéreas foram as primeiras a servir sumos naturais engarrafados, muito antes de eles surgirem nos supermercados. A bordo dos voos da Pan Am, por exemplo, servia-se o mesmo menu de um famoso restaurante parisiense.

A rival Air France respondeu com pratos de lagosta, rosbife e costeletas. A fama pegou e começou a valer tudo para atrair mais passageiros: a comida era servida em buffet à discrição. Tudo servido em pratos de porcelana.

Já nos anos 70, as companhias decidiram transformar o interior dos aviões, tirando partido do espaço livre que as menores lotações permitiam. A Pan Am transformou o piso superior do seu Boeing 747 numa espécie de bar, com mesas para grupos e um ambiente relaxado.

Charutos e bar aberto. Um paraíso no ar

A moda pegou e os salões temáticos e piano bars começaram a surgir um pouco por todas as grandes companhias. Em todos eles, o fumo abundava: fumava-se em todo o lado e os cigarros e charutos eram, também eles, um dos muitos luxos oferecidos pelas hospedeiras.

Com uma concorrência feroz, ninguém poupava nos esforços para ganhar vantagem. A próxima grande fronteira foi a própria decoração dos aparelhos, que ficou a cargo dos mais diversos artistas da época. A espanhola Iberia chegou mesmo a encomendar a Salvador Dalí algumas pinturas para exibir nos seus voos.

E hoje?

É um facto indesmentível: o espaço livre para cada passageiro foi se perdendo com o passar das décadas. Embora cada companhia estipule livremente o espaço, a tendência tem sido a da redução drástica.

As análises mais recentes indicam que a distância para o assento da frente — o chamado seat pitch — reduziu de 90 centímetros para uns meros 78 e em casos mais drásticos, chegam mesmo aos 71. Uma mudança registada dos anos 70 até aos dias de hoje.

A tendência faz-se também notar na largura dos assentos. Com os lugares de classe executiva a rondarem os 53 centímetros, na classe económica verificou-se uma redução dos 47 verificados no início do século, para os 43 atuais, que chegam aos 40 centímetros nos casos mais drásticos. Estima-se que durante a Era Dourada, a largura dos assentos era entre sete a 15 centímetros maior do que a atual.

Espaço para as pernas — e tábuas de charcutaria

Com aviões cada vez mais cheios, com taxas de ocupação acima de 90 por cento, particularmente nas low cost — algo que raramente acontecia no início do século —, a tendência é para uma maior diminuição. O conforto é que paga.

Também a comida a bordo sofreu com o passar dos anos. A desregulação da aviação deu oportunidade às companhias de cobrarem mais por um bom serviço — e baixar os preços para a classe económica.

A forma de cortar custos? Acabar com a comida à discrição e menus elaborados. As lagostas deram lugar às sandes rápidas e fáceis de preparar. Mas mesmo usando os melhores ingredientes, a comida provada no ar nunca sabe ao mesmo que em terra. Porquê?

A explicação é dada pela ciência. Uma experiência revelou que a despressurização da cabine, aliada ao ar seco, altera a perceção de sabor, “adormecendo as papilas gustativas, quase como se fosse uma constipação”, revela Grant Mickels, chef executivo de secção de desenvolvimento de comida da Lufthansa. 

Nem tudo é o que parece

É fácil sonhar com as viagens da Era Dourada e que bom que seria aproveitar os luxos nas viagens que fazemos hoje em dia. Infelizmente, se tal fosse possível, essa seria uma oportunidade vedada à maioria da população, dado o preço exorbitante que era cobrado mesmo nas décadas de 50 e 60.

Estima-se que os preços dos bilhetes seriam em média 40 por cento mais caros do que os atuais, que beneficiam de uma enorme redução graças ao surgimento das companhias low cost.

Há 60 anos, uma viagem normal poderia custar cerca de 2.700€, com valor ajustado à inflação. “Viajar de Londres a Sydney e voltar podia custar 30 vezes o salário médio semanal em 1960. Hoje, podemos fazê-lo pelo salário médio de uma semana”, revela Geoffrey Thomas, editor do site AirlineRatings.

Não só era mais caro viajar como também era bastante mais perigoso. Estima-se que o risco de morrer durante um voo era cinco vezes mais alto do que o atual. Por cada 100 mil horas de voo, verifica-se hoje uma média de 1.3 mortes. Muito abaixo dos 5,2 registados por cada 100 mil horas em 1952. 

“Não era seguro aterrar com nevoeiro e por isso havia muitos acidentes. Colisões em pleno ar eram comuns. E os motores caíam dos aviões com tanta frequência que nem sequer eram registados como acidentes, desde que o outro motor fosse capaz de levar o avião até à pista em segurança”, revela Guillaume de Syon, perito em história da aviação. 

As quedas não eram a única preocupação. O design, apesar de bonito, não era pensado para ter em conta pequenos percalços. Uma ligeira turbulência ou qualquer poço de ar eram suficientes para causar lesões graves nos passageiros. Um verdadeiro pesadelo que nenhuma lagosta suada poderia compensar.

Fonte: Daniel Vidal (nit.pt) - Imagens: Reprodução

Vídeo mostra policiais rebocando avião para longe de fogo após pouso forçado

A carga de cocaína e o traficante preso estão sendo transferidos nesta noite para a base da Senad em Assunção, capital do Paraguai.


Vídeo feito por equipes da Senad (Secretaria Nacional Antidrogas), mostra o momento em que os policiais rebocaram a aeronave Cessna 210 para longo do fogo, após pousar com cerca de 400 quilos de cocaína em uma lavoura de Yguazú, em Alto Paraná, no Paraguai.

O incêndio foi causado pelo piloto do avião, o boliviano Carlos Roberto Cuellar Bravo, para destruir a droga e apagar as pistas. No entanto, as equipes da Senad (Secretaria Nacional Antidrogas), com apoio de policiais da região, chegaram a tempo de impedir que as chamas atingissem o Cessna lotado de cocaína.

Após o resgate a aeronave Cessna 210 foi averiguada por técnicos da Força Aérea paraguaia, devido aos danos causados pelo pouso. A carga de cocaína e o traficante preso estão sendo transferidos nesta noite para a base da Senad em Assunção, capital do país vizinho.


A pesagem da droga deve ser feita nesta quinta-feira (08), conforme apurado. A estimativa inicial é de que tenham sido apreendidos pelos menos 400 quilos da droga.

Perseguição


A aeronave foi detectada nos arredores de Concepción e perseguida por três aviões Tucano da Força Aérea paraguaia até a região de Yguazú, em Alto Paraná. O local onde a aeronave foi apreendida fica a cerca de 100 quilômetros do território sul-mato-grossense.

A Operação Omega para apreender o carregamento foi desenvolvida por agentes especiais da Senad (Secretaria Nacional Antidrogas) do Paraguai, agência treinada e equipada pelo DEA, o departamento americano de combate às drogas.

O serviço de inteligência descobriu que a carga de cocaína viria da Bolívia com destino ao Departamento (equivalente a Estado) de Alto Paraná. A carga está avaliada em três milhões de dólares – em torno de R$ 17 milhões.