sábado, 11 de julho de 2009

Boeing 787 Dreamliner passa por mais um teste



Na manhã de terça-feira (7), o Boeing 787 Dreamliner (ZA001), prefixo N787BA, realizou testes taxiando pela pista de Paine Field (também conhecido como Snohomish County Airport), em Washington, nos EUA.

Fonte: Jon Ostrower (Flightglobal) - Vídeo: Cortesia da KOMO News, de Seattle, EUA

Nordeste Aviação Regional (Noar) planeja levantar voo até o fim do ano no Nordeste

Um grupo de empresários uniu-se para criar uma companhia de voos regionais no Nordeste, região do Brasil que hoje não conta com empresas locais de transporte aéreo de passageiros. Com investimento inicial de R$ 35 milhões, a Nordeste Aviação Regional (Noar) está em processo de certificação na Agência Nacional de Aviação Civil (Anac) e tentará iniciar os voos até o fim do ano.

O projeto é encabeçado pelos empresários de Caruaru (PE) Vicente Jorge Espíndola Rodrigues e Luiz de França Leite, com 50% e 10% de participação na Noar, respectivamente. Os dois já são sócios em diferentes negócios em território nordestino, que incluem estações de rádio, a Faculdade Vale do Ipojuca, empresas do ramo imobiliário e a TV Asa Branca, afiliada da Rede Globo. Os outros sócios são Mario Cesar Moreira, que também preside a aérea regional Team, com sede no Rio, e empresários cujos nomes a companhia prefere que não sejam publicados até que sejam aprovados pela Anac.

A Noar fechou contrato em junho para receber quatro turboélices novos do modelo 410 da Let, fabricante da República Tcheca. Os aviões têm capacidade para 19 passageiros. "Na primeira etapa, que vai até 2011, o investimento total na Noar vai ficar entre R$ 35 milhões e R$ 55 milhões, dependendo de qual for o crescimento da empresa", diz Rodrigues. A empresa está em processo para obtenção do certificado de companhia aérea (Cheta) e, depois, assinatura do contrato de concessão.

O plano é operar rotas de até 400 km, entre cidades pequenas e médias e destas para uma capital nordestina que será a base operacional da companhia. "O Nordeste vem crescendo muito e há necessidade de transporte aéreo onde hoje as grandes companhias não chegam", diz Rodrigues. As rotas ainda estão sendo definidas. Hoje, Gol, TAM e Oceanair são algumas das empresas que operam nas capitais nordestinas e cidades grandes como Petrolina (PE) e Campina Grande (PB). Azul e Trip têm planos de crescer na região.

O avião escolhido pela Noar é o mesmo que vem sendo usado por outras regionais, como a própria Team, a gaúcha NHT e a paranaense Sol, também em processo de certificação. Mas, para o consultor Paulo Bittencourt Sampaio, o Let é "tecnicamente bom e robusto, mas desastroso do ponto de vista econômico". Para ele, o avião tcheco tem uma autonomia limitada, que impede voar distâncias médias com todas as poltronas ocupadas.

Rodrigues, da Noar, diz que foi feito um estudo sobre o negócio e "todas as contas fecham". "A Noar é viável mesmo com o petróleo custando mais de US$ 140", diz.

A sede da Noar poderá ser em Recife, João Pessoa, Alagoas ou Aracaju. "Estamos conversando com os governos estaduais para decidir", diz Rodrigues. Entre os assuntos debatidos estão o ICMS sobre o combustível de aviação e a importação de aeronaves. Apesar de depender da Infraero, futuros espaços em aeroportos também são tratados com os governos.

Além de investidores e um plano de negócios, a Noar também já nasce com ligações políticas relevantes. Um dos sócios da companhia, que prefere não ter nome revelado, é um dos 65 conselheiros escolhidos pelo governador de Pernambuco, Eduardo Campos (PSB), para formar o Conselho Estadual de Desenvolvimento Econômico e Social do Estado. Além disso, Rodrigues e Leite dividem a sociedade na TV Asa Branca com o deputado Inocêncio Oliveira (PR), que detém um terço de participação na empresa e é aliado político de Campos e do presidente Lula.

"Temos que conviver com os políticos e ter uma boa relação com eles", diz Rodrigues. "Mas a Noar é formada estritamente por empresários, não tem político algum como sócio." Rodrigues diz que a companhia já foi criada com uma estrutura de governança para se tornar uma sociedade anônima, com conselho de acionistas, de administração e diretoria executiva. A ideia, segundo ele, também é diluir sua participação majoritária no futuro, com mais sócios.

Fonte: Roberta Campassi (Valor Econômico, 07/07/2009)

Aconteceu em 11/07: Boeing da Varig cai e mata 112 pessoas



11/07/1973

O Boeing 707-345C, prefixo PP-VJZ, da Varig, que ia do Rio a Paris, sofreu um incêndio a bordo e caiu. O piloto Gilberto Araújo da Silva sobreviveu. Cinco anos depois, ele estava a bordo de outro avião brasileiro que sumiu no Oceano Pacífico.

Fonte: Fantástico via G1

Nasa atrasa lançamento do ônibus espacial "Endeavour" pela 3ª vez

A Nasa atrasou hoje o lançamento do ônibus espacial "Endeavour" por 24 horas, para dar aos técnicos mais tempo para avaliar possíveis danos na plataforma, causados pelo impacto de 11 raios que atingiram as imediações da estrutura ontem à noite.

A agência espacial americana marcou para as 23h13 (20h13, horário de Brasília) o lançamento do "Endeavour", indicou o diretor da Nasa que dirige os preparativos, Mike Moses, em entrevista coletiva no Centro Espacial Kennedy, na Flórida.

Queda de raio na plataforma de lançamento 39A na sexta-feira durante a tempestade

Essa é a terceira vez que a agência espacial americana adia o lançamento do "Endeavor", que inicialmente devia partir para a Estação Espacial Internacional (ISS, na sigla em inglês), em meados de junho.

Um vazamento de hidrogênio no tanque externo da nave obrigou a Nasa a adiar o lançamento nos dias 11, 13 e 17 de junho.

Nesta ocasião, o mau tempo em Cabo Canaveral foi a principal ameaça para a partida dos sete tripulantes do "Endeavour" à ISS, onde prevê completar, em uma missão de 16 dias que incluirá cinco jornadas, a instalação do laboratório "Kibo" da Agência de Prospecção Espacial do Japão.

Os astronautas da missão STS-127, liderados pelo comandante Mark Polansky, agregarão uma plataforma à superfície exterior do módulo japonês, que será utilizada para experimentos científicos na falta de gravidade do espaço.

Segundo a Nasa, nenhum dos 11 raios impactou o ônibus espacial nem seu tanque externo, mas afetaram o mastro que protege o "Endeavour" e a torre de água de relâmpagos.

"Não vimos nada até agora que mostre danos aos sistemas", disse Moses, que explicou que a Nasa avalia se houve danos na estrutura ou na nave sempre que há raios próximos à zona de lançamento.

Dois dos impactos foram suficientemente fortes para enviar engenheiros da agência espacial americana para examinar os sistemas do "Endeavour".

Os relatórios iniciais descartam problemas para o lançamento da nave, mas a Nasa preferiu dar mais tempo aos técnicos para assegurar-se que todos os sistemas foram revisados corretamente.

"Temos que estar 100% seguros", afirmou Moses, quem, apesar de ter se mostrado "extremamente confiante" nas tarefas de reparação, não descartou que o lançamento possa se adiado novamente amanhã, se as avaliações não forem finalizadas em 24 horas.

Uma revisão completa de todo o sistema poderia demorar semanas e a janela prevista para o último tentativa do lançamento se fechará na próxima terça-feira, 14 de julho, segundo Moses.

O diretor dos preparativos do lançamento afirmou que a Nasa tem "certa capacidade" para negociar com a Rússia uma extensão do período, algo que a agência espacial começaria a fazer se tivesse que adiar novamente o lançamento do "Endeavour".

A previsão é de que a Nasa se reúna amanhã cedo para determinar se todos os testes foram completados e se encherá o tanque externo com combustível.

As previsões meteorológicas para o domingo indicam que há 60% de chances de que o tempo permita o lançamento do "Endeavour".

Os membros da tripulação STS-127, que viajarão à ISS são o comandante Mark Polansky, o piloto Doug Hurley, os especialistas Dave Wolf, Christopher Cassidy, Tom Marshburn, Tim Kopra e a astronauta canadense Julie Payette.

Kopra, de 46 anos, se unirá aos ocupantes da estação espacial para substituir ao astronauta japonês Koichi Wakata, que voltará depois de uma estadia de três meses.

Fonte: EFE via G1 - Foto: NASA TV

Mala de passageira é procurada há três meses

Uma passageira de 23 anos que viajou a Israel no dia 31 de março segue aguardando, três meses depois, o posicionamento de duas companhias aéreas sobre o paradeiro de uma de suas malas, perdida no traslado.

A brasileira Jamille Neuman comprou sua passagem da operadora israelense El Al, que usou um voos da TAM para levá-la de Salvador (BA) a São Paulo (SP) e dali para Madrid, na Espanha. O trecho entre a cidade e seu destino final, Tel Aviv, foi feito pela El Al. Segundo relato da jovem, seguranças da empresa israelense pediram aos passageiros que identificassem suas bagagens ainda na Espanha.

"Chegando a minha vez, vi que faltava uma mala, e fiquei esperando. Até que um dos seguranças falou que eu precisava ir porque meu horário para o vôo estava próximo", diz ela. Jamille afirma ter sido orientada tratar do caso no aeroporto de Tel Aviv, com funcionários da El Al. Em contato com o balcão da companhia desde o dia do desembarque, a jovem não obteve um posicionamento definitivo até o momento, mais de 90 dias depois.

Segundo o pai de Jamille, Mario Neumann, os dados do protocolo da perda foram encaminhados ao escritório da empresa no Brasil, que tem sede no Rio de Janeiro. "Apenas um mês depois, em 8 de maio, a El Al daqui disse que o número estava errado", reclama. As duas empresas, TAM e El Al, foram contatadas pela família de Jamille e informadas dos dados do voo e da passageira.

Em junho, a TAM informou que, "segundo o acordo firmado entre companhias que possuem acordo de transporte de bagagem, a última transportadora é responsável pelo processo de buscas em caso de extravio". A empresa israelense esclarece, no entanto, que só arcará com os custos da mala no caso de se confirmar a perda durante as suas operações, e completa: "apenas uma mala foi recebida corretamente pela El Al em Madrid e lhe foi entregue devidamente em Israel".

Procurada desde junho pela reportagem, a El Al afirmou que estava investigando o caso e confirmou, nesta quarta-feira, que ainda não ressarciu a passageira. A empresa não forneceu mais detalhes sobre o assunto. No site das duas companhias, não há prazo indicando o tempo máximo para se obter uma posição em caso de extravio de bagagem.

De acordo com o assessor jurídico Marcos Diegues, do Instituto Brasileiro de Defesa do Consumidor, o Código de Defesa do Consumidor não impõe um prazo para o ressarcimento de malas perdidas. Mesmo assim, segundo Diegues, o atendimento deveria ser mais atencioso. "A Lei da Responsabilidade Solidária diz que as duas empresas devem responder igualmente perante esse consumidor", diz ele.

Fonte: Mario Neumann (vc repórter - Terra)

Garantidas verbas para aeroportos de Juara, Tangará e Mutum, diz governo de Mato Grosso

O ministro da Defesa, Nelson Jobim assegurou na quarta-feira (8), em audiência com o governador de Mato Grosso em exercício Silval Barbosa (PMDB), a liberação de recursos para a construção do aeroporto de Juara, além de investimentos em iluminação para outros oito aeroportos no Estado. Dos cerca de R$ 5 milhões, o ministro Jobim garantiu liberar a metade para este ano e o restante em 2010. “O ministro foi muito receptivo. É um companheiro antigo do PMDB e entendeu perfeitamente a viabilidade da construção da obra para a população de Juara”, afirmou o deputado Carlos Bezerra, que participou da audiência.

O governador em exercício Silval Barbosa disse que a obra está paralisada aguardando o recurso federal do Programa de Auxílio a Aeroportos, vinculado ao Ministério da Defesa. Como o projeto original tem mais de cinco anos, a Secretaria de Estado de Infraestrutura está trabalhando na atualização do mesmo. Os aeroportos que receberão recursos para implantação dos projetos de iluminação são os de Cáceres, Nova Mutum, São Félix do Araguaia, Pontes e Lacerda, Água Boa, Primavera do Leste, Juína e Tangará da Serra.

Fonte: Só Notícias

12 mil notebooks são esquecidos por semana nos aeroportos dos EUA

65 a 70 por cento dos computadores não são reclamados

Cerca de 12 mil notebooks são encontrados por semana nos aeroportos americanos, sendo que só no aeroporto de Los Angeles são esquecidos 1.200 por semana. São as conclusões de um estudo do fabricante da "Dell Computers".

Muitos computadores são esquecidos nos postos de controle e só 33 por cento é que são recuperados, de acordo com o que noticia o "El Pais".

A investigação apurou ainda que entre 65 a 70 por cento dos notebooks perdidos nunca são reclamados. Para além disso, 53 por cento dos passageiros da classe executiva guadavam informação empresarial nos seus computadores.

De todos os que guardavam informação confidencial, a maioria (65 por cento) não tomou nenhuma medida para proteger os dados enquanto viajavam.

Menos de metade (42 por cento) reconhecem que não guardam cópias de segurança dos seus dados.

O estudo foi realizado na primeira metade de 2008. Foram supervisionados 106 aeroportos dos Estados Unidos e questionou-se mais de 800 passageiros da classe executiva para determinar a frequência com que perdem os notebooks nos aeroportos e sobre as medidas que usam para proteger informação importante.

Fonte: IOL Diário (Portugal)

França quer tapar "buraco" aéreo entre Brasil e Senegal

O presidente da França, Nicolas Sarkozy, anunciou na quarta-feira, em encontro com o presidente Luiz Inácio Lula da Silva, em Paris, que vai enviar uma missão ao Senegal para discutir como proceder para eliminar o que chamou de "buraco negro de comunicações entre Recife e Dacar". A falha de comunicação do sistema aéreo entre os dois países ficou em evidência com a queda do AF 447, da Air France, no início de junho. A informação é do jornal Folha de S.Paulo.

Relatório preliminar do Escritório de Pesquisa e Análise da França (BEA), que investiga o acidente, apontou que os controladores brasileiros tentaram passar o monitoramento do voo para os senegaleses, mas não tiveram resposta imediata. A falha não teria influenciado na ocorrência do acidente, porém, pode ter retardado o início das buscas.

Ao ser questionado sobre o motivo pelo qual o Brasil suspendeu as buscas antes da França, Lula respondeu que as buscas pararam "porque não era mais possível encontrar corpos" e disse que "não é fácil, depois de 20 dias", proceder ao trabalho de identificação. "Todos os esforços foram feitos durante os 30 dias de busca", respondeu Lula.

Fonte: Terra

Novo aeroporto da região do Cariri terá pista ampliada e novo terminal de cargas

O Aeroporto da região do Cariri terá pista ampliada e um novo terminal de cargas e passageiros. A reforma será inspirada no terminal, ainda em construção, de de Santarém, no Pará. Com a ampliação da pista o novo aeroporto de Juazeiro do Norte terá capacidade de receber duas aeronaves de grande porte. Clique no player abaixo para ouvir o comentário de Luzenor de Oliveira e Donizete Arruda sobre esse tema.

Fonte: Marjorie Castro (Ceará Agora)

Helisolutions prevê crescimento de 20% na frota de helicópteros no Brasil

Segundo dados da Anac (Agência de Aviação Civil) a frota de helicópteros no Brasil aumentou 59% na última década, passando de 791 para 1225 aeronaves, das quais a maioria está registrada em São Paulo. O aumento foi bastante significativo levando em conta que a frota aérea nacional aumentou 18% no mesmo período.

A HeliSolutions, empresa que opera no sistema de propriedade compartilhada de helicópteros e gestão de aeronaves, prevê crescimento nas vendas de 20% em 2009.

Com quase 300 usuários, a HeliSolutions atende a um público que varia de artistas até grandes empresários, incluindo a gestão de aeronaves como jatos e aviões turboélices. "Nós tivemos como foco inicial a gestão de helicópteros. Mas com a expertise de 10 anos no sistema de propriedade compartilhada, também passamos a atuar com a administração de aviões Cirrus e agora um Citation Mustang", conta Rogério Andrade, presidente da HeliSolutions.

Para Andrade esse é um movimento natural do mercado, numa tendência que vem se tornando cada vez mais forte inclusive nos EUA. "Os proprietários entenderam que podem reduzir muito os custos ao transferirem para uma empresa especializada, como a HeliSolutions, as responsabilidades de manutenção dos equipamentos, a hangaragem, contratação e treinamento de pilotos, negociações de seguros e de combustíveis", pontua.

"Da mesma maneira que confiamos nos contadores para fazerem nossas declarações anuais de Imposto de Renda ou em advogados quando precisamos recorrer à Justiça, é aconselhável deixarmos a cargo de quem verdadeiramente entende a gestão das aeronaves", conclui o presidente da HeliSolutions.

Fonte: Aviação Brasil

Concluída avaliação sobre uso da Base de Lajes (Açores) para treinos militares

Nuno Severiano Teixeira informou na quarta-feira que "está concluído" o processo de avaliação técnica sobre os requisitos militares e de compatibilidade com a aviação civil relativo à utilização da Base das Lajes para o treino de aviões militares norte-americanos, nomeadamente caças de última geração F-22 e F-35.

"Neste momento é necessário um processo de avaliação política que está a ser feito e que envolve o Ministério dos Negócios Estrangeiros com os Estados Unidos da América com a participação de outros parceiros, nomeadamente o Ministério da Defesa e o Governo Regional dos Açores, para que do ponto de vista do interesse nacional seja avaliado tudo aquilo que é importante", disse o ministro da Defesa, que falava à imprensa no final da reunião da comissão de Defesa da Assembleia da República.

Fonte: Ana Carvalho Melo (Agência Lusa) - Foto: Eduardo Costa

United anunciou condições para oferta de títulos no valor de US$ 175 milhões, com vencimento em 2012

A United Air Lines Inc., principal subsidiária da UAL Corporation (Nasdaq: UAUA), anunciou as condições para sua oferta de títulos do tipo senior secured notes com vencimento em 2012, no valor de US$ 175 milhões. As notas foram emitidas com um desconto com relação a seu valor de face e pagarão juros de 12,75% ao ano. As notas serão garantidas inicialmente por uma lista de todas as peças de aeronaves mantidas em estoque pela United nos Estados Unidos, com algumas exceções. Caberá à UAL Corporation exercer a garantia das notas. A empresa pretende usar os recursos obtidos pela oferta para fins corporativos de ordem geral.

As notas estão sendo oferecidas nos termos dos estatutos em vigor da empresa. Um suplemento e outros prospectos descrevendo os termos da oferta foram registrados na Securities and Exchange Commission (SEC) dos Estados Unidos.

Cópias do registro, incluindo o prospecto básico e outros documentos apresentados pela United ao SEC, com informações mais completas sobre a oferta e a empresa, podem ser consultadas, em inglês, em EDGAR, no site do SEC, www.sec.gov. Além disso, a United e demais empresas participantes da oferta enviarão a documentação aos interessados que entrarem em contato com a Goldman, Sachs & Co (telefone 1-866-471-2356) ou com o Citigroup Global Markets Inc. (212-723-5230).

Esta nota para a imprensa não constitui uma oferta de venda nem uma solicitação de oferta de compra. Não haverá nenhuma espécie de venda desses títulos em qualquer jurisdição onde ela seja ilegal.

Fonte: Portal Fator Brasil

Montes Claros poderá ganhar voo para BH a partir de R$ 90

Montes Claros (em destaque no mapa de MG, ao lado) deverá ganhar mais um voo para Belo Horizonte nos próximos dias. Esta possibilidade está sendo analisada por dois representantes da Gol Linhas Aéreas: o comandante Airton Borgue e o chefe de segurança Cláudio Souza Alves.

Isto significa que o montes-clarense passaria a ter uma opção popular para voar para a capital, com passagens a partir de R$ 90 (hoje, o bilhete chega a R$ 400).

Essa opção viria através da rota Uberlândia-Campinas-SP, que hoje pernoita em BH; o pernoite passaria a ser feito em Moc, partindo o avião no dia seguinte para a capital e, de lá, para a cidade paulista.

Atualmente, Moc tem quatro voos diários da Trípoli, às 06h45, 09h40, 12h20 e 19h20. A empresa Air Minas tem autorização para operar outra linha desde janeiro deste ano, o que não fez ainda por falta de aeronaves, embora tenha inclusive aberto um balcão operacional no aeroporto local.

Fonte: O Norte - Mapa: Raphael Lorenzeto de Abreu

Mato Grosso é o 2º Estado do Brasil em número de aeronaves registradas

Modelo ‘particular’ é o que vem crescendo no Estado. Registros do 1° semestre superaram números do balanço de todo ano passado

Acompanhando o ritmo de crescimento do Estado, o número de aeronaves registradas pela Agência Nacional de Aviação Civil (Anac) em Mato Grosso, neste ano, alcançará novo recorde. Só no primeiro semestre, foram efetivados 940 novos registros em Mato Grosso, conferindo ao Estado, o segundo lugar no ranking brasileiro de aeronaves cadastradas pela Anac. Mato Grosso só perdeu para São Paulo, que registrou 3.641 aeronaves no período de janeiro a junho de 2009. Depois de Mato Grosso aparecem Minas Gerais, em terceiro com 911 registros e o Rio Grande do Sul em quarto, com 891. Maior parte dos registros se refere às modelos particulares.

No ano passado a Anac registrou 904 novas aeronaves em Mato Grosso, crescimento de 3,20% em relação aos números de 2008, quando o Estado acrescentou mais 875 aeronaves na lista da Agência. Nos últimos dez anos – 1999 a 2008 – o total de aeronaves cadastradas por Mato Grosso já chega a 7.926. Os dados são do Registro Aeronáutico Brasileiro (RAB), administrado pela Anac. Estão incluídos nesse registro aviões de grandes companhias aéreas, aeronaves particulares, além de balões e dirigíveis.

O bom desempenho no primeiro semestre sinaliza crescimento recorde em 2009, uma vez que em apenas seis meses o incremento no número de registros de aeronaves já chega perto de 4% em comparação com os números totais de 2008.

O levantamento da Anac mostra que a categoria de aeronaves que mais vem crescendo no Estado, nos últimos anos, é a “particular”, com 649 registros em 2007, 670 em 2008 e 691 só no primeiro semestre deste ano. De 2007 para 2008, o crescimento foi de 3,23%. Comparando-se os números de 2009 com os de 2008 (janeiro a dezembro), tem-se um avanço de 3,13. Nos últimos 10 anos, o número de aeronaves particulares registradas pela Anac é de 6.126. A média de crescimento anual é de 3,5%.

A segunda modalidade de aeronaves com o maior número de registros na Anac é a “agrícola”, com 159 inscrições em 2008. Os números dos anos anteriores são bem próximos aos do ano passado: 154 registros em 2007, 153 em 2006 e 158 em 2005. Os primeiros registros de aviões agrícolas em Mato Grosso foram feitos em 2001, quando 15 aeronaves efetivaram seus cadastros junto à Anac. De lá para cá, os números só vêm aumentando, chegando a registrar crescimento de 266% em 2002 (55 aeronaves) e de 91% no ano seguinte (105 registros). Este ano, no período de janeiro a junho, já foram cadastrados 165 aviões agrícolas na Anac, quebrando o recorde de 2005, com 158 aeronaves. Nos últimos 10 anos, o número de aeronaves agrícolas registradas em Mato Grosso já chega a 933.

A categoria “táxi aéreo” ocupa a terceira posição no ranking dos registros de aeronave na Agência Nacional de Aviação Civil. No ano passado foram 54 registros, acompanhando a média dos últimos seis anos, de 53 aviões em 2003, 53 em 2005, 55 em 2005, 57 em 2006 e, 55, no ano passado. No primeiro semestre de 2009, os registros já chegam a 56. Em 10 anos, são 615 aeronaves registradas pela Anac.

Em seguida aparece as categorias de “privada de instrução” (116 aeronaves), “helicóptero” (72), público regular (28), administração pública (22) e “pública de instrução”, 14.

BRASIL

O Brasil encerrou o primeiro semestre de 2009 com um total de 12.178 aeronaves registradas pela Anac. Comparado ao número registrado em 1999, de 10.274 aeronaves, o crescimento foi de 18,5%. O aumento do número de helicópteros foi significativo. No primeiro semestre deste ano, foram registrados 1.255 helicópteros no país, 59% a mais que em 1999. A frota das companhias aéreas que fazem o transporte de passageiros e carga aumentou 27%, passando de 435 para 554 aeronaves.

Fonte: Marcondes Maciel (Diário de Cuiabá)

Airbus da TAP obrigado a aterrissar após choque com bando de aves

Um avião da TAP que partiu hoje (11) do Porto com destino a Caracas, Venezuela, embateu num bando de aves, tendo sido obrigado a regressar ao aeroporto para uma verificação técnica, disse à Lusa fonte do gabinete de comunicação da transportadora.

Os 205 passageiros do voo TP125, Airbus A330-200, que decolou do aeroporto Francisco Sá Carneiro às 11:20, foram encaminhados para um hotel, onde ainda se encontram, à espera de ser informados do novo voo.

"Após a descolagem o piloto entendeu que seria mais seguro voltar ao Porto, para uma verificação técnica, por razões de segurança", explicou à agência de notícias fonte do gabinete de comunicação da TAP. Este tipo de incidente é por vezes muito perigoso, pois as aves podem estragar os reatores e provocar a queda do avião, como sucedeu recentemente num dos aeroportos de Nova Iorque.

Os passageiros foram, de imediato, encaminhados para uma unidade hoteleira, porque se previu que a verificação demorasse, observou a mesma fonte. "Logo que o avião esteja pronto e que haja tripulação disponível, os passageiros serão informados do novo horário da descolagem", acrescentou.

Fonte: Agência Lusa via Expresso (Portugal)

Passageiros do TP125 partem domingo de madrugada noutro aparelho

Os passageiros que hoje viajavam para Caracas num avião da TAP, que foi obrigado a regressar ao Porto devido a um embate com aves, partem domingo de madrugada pelas 05:00 noutro aparelho, disse à Lusa a porta-voz da companhia aérea.

Fonte: Jornal de Notícias (Portugal)

Angelina Jolie pilota avião em viagem com as filhas

Atriz pousou em aeroporto de Los Angeles

Angelina Jolie é mesmo uma mulher superpoderosa. Além de atuar, ser embaixadora da ONU, mãe de seis filhos e estar sempre linda, a atriz ainda sabe pilotar aviões! Jolie foi clicada nesta sexta, 10, ao pousar em Los Angeles, em uma viagem com as filhas Shiloh e Zahara.

Fonte: EGO - Fotos: X17/Agência

Avião da FAB que participou das buscas do A330 da Air France é adesivado em Piracicaba (SP)

Avião que participou das buscas do Air France esteve em Piracicaba e passou por reformulação

Um CASA C-105 da FAB

A equipe que trabalha para adesivar o avião da Força Aérea Brasileira (FAB), modelo C105 CASA (o nome simboliza uma sigla em espanhol), terminou os trabalhos na tarde de ontem. A operação, que aconteceu no aeroporto estadual Pedro Morganti, mobilizou fãs e curiosos, que foram ao local apenas para ver a portentosa aeronave, especializada no resgate de vidas em acidentes aéreos de pequeno, médio e grande porte.

Originalmente colorido com a nuance verde oliva(tonalidade militar), o avião foi decorado com um imenso Pelicano, símbolo do grupo de resgate da FAB. O nome pelicano é baseado na lenda de que a ave aquática rasga o peito para alimentar os filhotes quando percebe que não há comida suficiente para isso. Tanto assim que o slogan da FAB é 'Para que outros possam viver'. Oito pessoas que atuam na companhia mudaran a “cara” do avião.

"Entre a noite de hoje (ontem) e amanhã pela manhã, o avião deve partir", diz Marcelo Kraide, sócio-proprietário da Adessign, que desembolsou parte do custo da adesivação. Em princípio, o processo, orçado entre R$ 5 mil e R$ 7 mil, seria realizado após a abertura de licitação. "Não que não haja recursos, mas o grupo ofereceu ajuda até para agilizar o processo. Uma licitação demora várias semanas para ser concluída", destaca Kraide. Houve o apoio de um piracicabano, que ficou no anonimato, que doou R$ 3 mil.

"É bom que se destaque nós nos sentimos honrados em vários aspectos. Primeiro, porque não se trata de um avião normal. Esta foi a primeira vez que a aviação militar brasileira contou com a participação de civis em um trabalho parecido e tão importante como este", diz Kraide, que salienta o fato de Piracicaba ser incluída aos planos da FAB é motivado pelo Grupo de Apoio, que recebeu o Título de Pelicano Honorário, uma das outorgas mais respeitadas do País.

A vinda a Piracicaba, onde funciona o Grupo de Apoio à FAB, faz parte de um projeto que promete ser destaque em todo o mundo nos próximos dias. A importância é tanta que líderes da FAB estiveram na cidade para que as medidas do avião fossem tiradas. A aeronave segue para Campo Grande, no Estado do Mato Grosso Sul. Depois faz escala em Natal, no Rio Grande, e segue rumo à Inglaterra, participando de uma feira batizada de 'Tattoo Air'.

AIR FRANCE

A aeronave rastreou uma área de mais de 2,5 mil metros quadrados de extensão no resgate do Air France que caiu há cerca de um mês e meio (as buscas aconteceram há cerca de 850 quilômetros à frente de Fernando de Noronha). A aeronave foi customizada durante os últimos dois dias, com adesivos nas cores branco e amarelo.

As buscas duraram cerca de 25 dias, com o objetivo primeiro de encontrar sobreviventes, mas também corpos e destroços do avião que caiu no final de maio, no Oceano Atlântico, com 228 pessoas a bordo. Cinquenta e um corpos foram retirados do mar. A aeronave é toda camuflada, com capacidade para 64 passageiros, Unidade de Terapia Intensiva (UTI) Móvel, 10 camas desmontáveis e avaliada em milhões de reais.

Além do C105, houve a mobilização de 11 outros aviões, 11 navios militares. Foi a maior operação já realizada pelas Forças Armadas para identificar os restos de uma aeronave acidentada. Normalmente, o avião, que também participou do resgate das vítimas do acidente da empresa GOL, recentemente, permanece num dos hangares da base da FAB em Campo Grande.

SOBREVIVENTES

O tenente-coronel aviador Marco Antonio Cuim destaca que os trabalhos em uma aeronave deste porte sempre são pautados pela busca de sobreviventes. "Não importam quais são as condições em que o resgate é feito. A temperatura da água ou quaisquer outros fatores que deixam as possibilidades de vidas mínimas são esquecidas para nos concentrarmos em buscar por vidas", assinala. A devoção de pilotos, comandantes e oficiais é tamanha por preservar vidas humanas que, antes de sair em missões semelhantes à do Air France, rezam fervorosamente. “No mar ou na terra, cada tipo de resgate conta com as suas dificuldades, como a falta de visibilidade em selvas”.

NÚMERO

64 passageiros é a capacidade do avião modelo C105 Casa.

Fonte: Felipe Rodrigues (Gazeta de Piracicaba) - Foto: Roberto Fantinel (Flickr)

Seleção masculina de vôlei leva susto em aterrissagem na Venezuela

Um avião que fazia uma manobra errada no Aeroporto Internacional de Maiquetia na tarde de terça-feira (7) causou um grande sobressalto na seleção brasileira masculina de vôlei, que chegava àquele país no mesmo instante. A aeronave que levava a delegação verde-amarela para os dois confrontos com a Venezuela pela Liga Mundial foi obrigada a arremeter para evitar um trágico acidente e manter os atletas ilesos.

O time de Bernardinho passou 10 horas no avião de Paris até Maiquetia, cidade próxima à capital Caracas. Por causa do avião que taxiava erroneamente na pista, o avião com o time brasileiro abortou o pouso até as condições se tornarem propícias.

No desembarque em solo venezuelano, o técnico Bernardinho preferiu não comentar o incidente.

Fonte: UOL Esporte

Infraero solta foguetes para espantar urubus em Teresina

Rojões servem para retirar urubus da linha de frente das aeronaves. Impacto pode chegar a duas toneladas.

O superintende da Infraero no Piauí, Antônio Herveton Borges Ribeiro, informou durante reunião com várias instituições no aeroporto Petrônio Portela, em Teresina, que está tendo que lançar rojões e fogos de artificio para espantar urubus e pássaros durante pouso e decolagem de aeronaves.

A comissão procura alternativas de como reduzir os incidentes com urubus no aeroporto, que do ano passado até hoje registraram 16. A Infraero comunica aos órgãos competentes a presença de pombos e árvores e também está fazendo um mapeamento dos locais atrativos para pássaros na região Centro e Norte.

O representante da Prefeitura de Timon, Luis Geraldo, disse que por conta da incerteza de onde vai ficar o aeroporto, a prefeitura não tomou uma posição. “Mas, estamos fazendo o remanejamento do lixo e construindo outro aterro”, destacou.

Segundo o superintendente, o impacto de uma ave em um avião chega a duas toneladas. “Por isso, estamos soltando rojões de manhã e a tarde para que saiam da linha de frente dos aviões”, acrescentou.

A curadora do Meio Ambiente, Denise Aguiar, disse que vai cobrar um trabalho mais efetivo de punição aos proprietários de terrenos baldios e de lixões, por parte da Prefeitura.

Fonte: Caroline Oliveira (CidadeVerde) - Foto: Yala Sena

Aeroporto de Cachoeiro de Itapemirim (ES) é reformado

O aeroporto de Cachoeiro de Itapemirim vai ganhar novos equipamentos, para oferecer mais segurança e conforto para passageiros e pilotos. Vão ser comprados um aparelho de ar condicionado, equipamentos de rádio para comunicação com aeronaves, bomba lavadora da pista de pouso e decolagem, além de alarme com sensor de presença e móveis para escritório, um computador e um aparelho de fax com impressora. Os aparelhos devem ser comprados ainda neste ano.

Ao todo, é investimento de cerca de R$ 16 mil. O projeto de melhoria do Aeroporto Municipal “Raymundo de Andrade” foi elaborado neste ano pela prefeitura e aprovado no Conselho Municipal de Fiscalização e Acompanhamento da Aplicação dos Recursos Oriundos do Fundo para a Redução das Desigualdades Regionais, que é usado pelo governo do Estado para repassar a Cachoeiro uma parte da arrecadação estadual com os royalties do petróleo.

“Vai ser um importante investimento, pois vamos oferecer novos serviços. Com o computador ligado à Internet, os pilotos vão passar seus planos de vôo para a Anac (Agência Nacional de Aviação Civil) de lá mesmo. Além disso, poderemos colocar um aparelho de ar condicionado para os passageiros que aguardam o embarque e nos comunicar com as aeronaves que estiverem passando pelo local”, explicou o secretário municipal de Desenvolvimento Econômico, Ricardo Coelho.

Melhorias com recursos próprios e com parcerias

Investir no aeroporto, segundo o secretário, é estratégico para o município. O interesse é em retomar os vôos diários para Cachoeiro de Itapemirim (inclusive vôos noturnos), atraindo mais turistas e gerando mais postos de trabalho e melhores oportunidades de emprego e renda. Por isso, a prefeitura elaborou, neste ano, um projeto de recuperação do aeroporto. A aprovação da compra de equipamentos pelo conselho dos royalties é uma das iniciativas, que também inclui propostas de parcerias com os ministérios do Turismo e da Agricultura.

Com recursos próprios, no entanto, a prefeitura reformou neste ano o saguão de passageiros e administração e a torre de comando, reparou a parte elétrica e até incluiu iluminação no pátio de estacionamento das aeronaves, além de realizar serviços como capina em volta da pista e em volta da cerca do aeroporto (tanto dentro, quanto fora do terreno).

Fonte: Folha do ES - Imagem: reprodução do jornal Folha do E. Santo

Polícia Militar de MT admite falhas que podem ter levado a acidente de helicóptero e estuda mudanças

O Ciopaer (Coordenadoria Integrada de Operações Aéreas) de Mato Grosso admitiu na quarta-feira (8) que as principais falhas apontadas pelo relatório do Cenipa de fato podem ter levado ao acidente com o helicóptero Aguia Uno, em 2005. O major Heverton Mourett considera que “o elemento humano pode ter sido fator contribuinte”, mas não determinante, referindo-se ao preparo que os tripulantes possuíam para operar em situação de crise e à carga horária que já cumpriam no momento em que embarcaram para a missão de resgate.

Destroços do helicóptero Águia Uno, que caiu perto da BR-364, estrada que liga Cuiabá a Rondonópolis

Em relação a outro fator apontado pelo relatório, a desatualização das informações meteorológicas concedidas para o vôo, Mourett assegura que o vôo do helicóptero não teria sido autorizado pelo Controle de Vôo do aeroporto caso as condições meteorológicas não estivessem favoráveis. Por isso, ele defende que, pelo menos no momento em que levantou vôo, o clima apresentava condições favoráveis.

O major cogita que, ao chegar nas proximidades da Serra de São Vicente, aí sim o helicóptero se deparou com clima adverso e teria tentado retornar. Neste momento, de noite e sem visibilidade (apesar dos pilotos terem experiência com vôo noturno), pode ter ocorrido um fenômeno chamado de desorientação espacial, que acabou levando o helicóptero a voar contra o próprio solo.

Por isso, o major considera que o ocorrido levanta a necessidade de se capacitar os pilotos para gestão em momentos de crise durante os vôos. De qualquer maneira, ele considera que vôos com finalidade de promover segurança pública e defesa civil não são vôos quaisquer, mas que acarretam riscos potenciais. Quanto à habilidade dos pilotos para operar em locais de condições adversas e sem visibilidade (operar por instrumentos), Mourett esclarece que não há oficiais no Ciopaer preparados para a tarefa, que nem seria autorizada por não haver instrumentos tecnológicos de orientação para tanto.

De maneira geral, o major não contestou a análise contida no relatório do Cenipa. Para ele, o documento é “pertinente” no sentido de apontar na corporação aspectos a serem reformulados. Atualmente, a comissão de segurança de vôo do Ciopaer estuda encaminhar adaptações. A jornada de trabalho dos oficiais poderá ser reduzida.

Fonte: Renê Dióz (Diário de Cuiabá) - Foto: Lorival Fernandes (DC)

MAIS

O acidente

Dois oficiais e um soldado morreram e um capitão ficou ferido durante uma operação de resgate. A queda do helicóptero Águia Uno da PM, ocorrida por volta das 19h40 do dia 4 de abril de 2005, matou na hora o sargento Joel Pereira Machado, o tenente Rodrigo Ribeiro e o soldado Júlio Márcio de Jesus. Todos faziam parte do Grupamento Aéreo da Polícia Militar (Graer). O comandante da aeronave era o capitão Henrique Corrêa da Silva Santos, único sobrevivente. Ele se recuperou e atualmente está destacado na Polícia Rodoviária Estadual (PRE).

Era noite de segunda-feira quando o helicóptero Águia Uno foi acionado na capital para fazer um resgate na BR-364, na Serra de São Vicente. Após os procedimentos de rotina, a decolagem ocorreu por volta das 19h. A previsão da equipe de investigação é de que o helicóptero caiu 40 minutos depois, em uma fazenda da região. A equipe enfrentava tempo nublado e provavelmente voava baixo, disse o capitão Henrique ao RMT Online. Além da perda irreparável com a morte dos policiais, a polícia também amargou prejuízos materiais com a destruição do helicóptero.

Segundo o capitão Henrique, ele foi informado de que é praticamente impossível determinar uma causa exata para a queda do helicóptero. É possível que uma série de fatores tenham provocado a queda. Entre eles, condições do tempo, a escuridão da noite, as dificuldades da missão, a altura em que a aeronave voava ou alguma manobra mal sucedida. Outra possibilidade é de que o helicóptero tenha tocado o chão.

Fonte: A Notícia Digital

Leia: Jornada excessiva provocou acidente

Leia: Famílias cobram R$ 9 milhões do governo como indenização

Air France prepara estréia do seu primeiro A380

Concepção artística do A380 da Air France

A aeronave já deixou as oficinas de pintura de Hamburgo-Finkenwerder e segue agora para os preparativos finais. Em novembro, o primeiro A380 da Air France estará iniciando o voo diário na rota entre o Charles de Gaulle, em Paris, e o John Fitzgerald Kennedy, em Nova York.

O grupo aéreo francês será o primeiro operador europeu a utilizar o avião gigante da Airbus e também será a primeira empresa a realizar vôos transatlânticos entre Europa e Estados Unidos com o maior avião comercial do mundo.

O A380 da Air France terá capacidade para 538 passageiros, com 80 na classe business e 9 na primeira classe. Serão 106 na categoria econômica do piso superior e 343 no andar inferior.

Este é o primeiro dos 12 Airbus A380 encomendados pela Air France, e outros três serão entregues para entrada em serviço ainda durante a temporada de inverno 2009 e primavera de 2010.

Fonte: Brasilturis - Imagem: divulgação

Astronomia do Infravermelho - O Telescópio Espacial Spitzer

No artigo intitulado 'Descobrindo luzes visíveis e invisíveis em astronomia', publicado nesta coluna no dia 06/09/2007, descrevemos como Willian Herschel fez um experimento que revelou a existência da radiação infravermelha. De agora em diante ela será referida pela abreviatura IV.

Grande parte da radiação IV é bloqueada pela atmosfera terrestre, por isso, a necessidade de telescópios espaciais para detectar esta radiação.

As observações astronômicas no IV tiveram início na década de 1960, quando detectores desta radiação, a bordo de balões estratosféricos fizeram as primeiras medições a partir da alta atmosfera.

Na década de 1970, as observações passaram a ser feitas por detectores a bordo de aviões a jato, capazes de voar a grandes altitudes.

Nestas fases foram identificados alguns milhares de corpos celestes emitindo no IV.

Em janeiro de 1983, foi colocado em órbita o satélite IRAS (Abreviatura do inglês de Satélite Astronômico do Infravermelho), resultado do esforço conjunto dos Estados Unidos, Holanda e Inglaterra. Seu objetivo foi construir o primeiro catálogo de fontes com emissão no IV. Este observatório esteve em operação até novembro deste mesmo ano. Com suas observações aumentou o numero de fontes identificadas em cerca de 70%, reconhecendo aproximadamente 350 mil delas. Entre suas descobertas se destacam o disco de poeira em torno da estrela Vega, a emissão no IV de galáxias em interação e a distribuição do aquecimento da poeira em quase todas as direções do espaço. A imagem abaixo mostra o IRAS em órbita.

Crédito: NASA/IPAC

No dia 25 de agosto de 2003 foi lançado pela NASA o 'Observatório' Espacial Spitzer. Ele consiste de um telescópio refletor cujo espelho primário tem 85 cm de diâmetro e possui três detectores de IV para cobrir quase todo intervalo desta radiação no espectro eletromagnético. Além disso, possui também uma unidade de refrigeração (criostato) para manter os instrumentos em baixa temperatura. O observatório tem 4 m de altura e pesa quase 870 kg. As figuras abaixo mostram o diagrama interno à direita e o externo à esquerda.

Adaptados de NASA/Spitzer Space Telescope

Radiação IV é basicamente radiação de calor, por isso, o telescópio deve estar resfriado a temperaturas próximas do zero absoluto, para que seja possível detectar sinais provenientes do espaço sem a interferência do calor dele mesmo. Além disso, ele precisa estar protegido do calor do Sol, mas também tem de aproveitar esta radiação para gerar energia para suas baterias. E mais, deve também estar protegido da radiação IV emitida pela Terra. Estas e outras considerações indicaram a escolha da órbita. Esta escolha apontou para uma posição na nossa própria órbita - 'uma distância segura da Terra e boa do Sol'. A figura abaixo mostra a localização.

Adaptado de NASA/Spitzer Space Telescope

O Spitzer se desloca na órbita a uma velocidade de 0,1 UA/ano, uma Unidade Astronômica (UA) é a distância da Terra ao Sol e vale 150 milhões de km. Ele se encontra a uma distância de aproximadamente 70 milhões de km da Terra.

A expectativa em termos de pesquisa é que este telescópio espacial realize observações no IV, nas quatro seguintes áreas: formação de planetas e estrelas, origem de galáxias energéticas e quasares, distribuição de matéria em galáxias e formação e evolução galáctica.

O destaque fica por conta da descoberta mais recente e que apresenta estrelas recém nascidas nas proximidades do centro de nossa galáxia. Neste local existem estrelas, gás e poeira, sendo que no centro propriamente dito existe um buraco negro 'peso pesado'. As condições deste ambiente são bastante severas para a formação de estrelas. Aí, existem ventos estelares intensos, ondas de choque e pressão e outros fatores que dificultam o nascimento de estrelas. Para confundir ainda mais as observações existe uma grande quantidade de poeira entre nós e o centro da Via Láctea. Mesmo para o Spitzer com seu olhar infravermelho, que pode penetrar esta poeira, encontrar estrelas jovens nestas condições é como encontrar 'agulha no palheiro'. Os resultados destas observações revelaram três estrelas com características que indicam serem bem jovens. Elas têm menos de um milhão de anos de idade e estão envolvidas por 'casulos' de gás e poeira. A imagem abaixo mostra a região central de nossa galáxia no IV e em destaque as estrelas citadas.

Adaptado de NASA/JPL-Caltech/S.V. Ramirez (NExSci/Caltech)

O nome do telescópio espacial do IV é uma homenagem ao astrofísico americano Lyman Spitzer Jr., nascido em 1914 e falecido em 1997, cujas contribuições relevantes nas áreas de dinâmica estelar, física de plasma, fusão termonuclear e astronomia espacial foram de grande destaque.

Atualmente o Telescópio Espacial Spitzer se encontra em modo de 'espera' desde o dia 15 de maio deste ano, devido a um vazamento de Hélio líquido no sistema de refrigeração. Técnicos, engenheiros e cientistas estão trabalhando na calibração do sistema e em algumas semanas o telescópio deverá estar novamente em operação.

No artigo a seguir falaremos de telescópio espacial para observações no ultravioleta.

Leia mais sobre astronomia na coluna Olhar Longe.

Fonte: Túlio Jorge dos Santos (Portal Uai)

Internet Interplanetária começa a funcionar na Estação Espacial Internacional

No final de 2008, a Nasa fez os primeiros testes com a Internet espacial, ou Internet Interplanetária.

Cientistas testam a recepção dos primeiros pacotes de dados da Internet Interplanetária, nos laboratórios da BioServe Space Technologies

Aquele primeiro teste envolveu a troca de dados com a sonda Epoxi, uma continuação da missão Impacto Profundo, e que se encontra a caminho de um encontro com o cometa Hartley, o que deverá acontecer em 2010. Foram usadas ainda as sondas que estão orbitando Marte - daí a denominação Internet Interplanetária.

Agora, os cientistas acabam de acionar o primeiro ponto de acesso da Internet Interplanetária a bordo da Estação Espacial Internacional (ISS). O objetivo inicial é a automatização da transmissão dos dados científicos obtidos nos laboratórios da ISS para os controles em terra. Hoje o sistema é mais parecido com um sistema de rádio do que com um protocolo da Internet, como o TCP/IP.

Protocolo DTN

O protocolo usado pela internet interplanetária chama-se DTN ("Disruption-Tolerant Networking" - Rede Tolerante a Interrupções), onde cada computador da Internet Interplanetária mantém a informação pelo tempo que for necessário, até que seja possível estabelecer a comunicação de forma segura com o próximo nó da rede. Isto garante que não haverá perdas nos dados mesmo com as mais adversas situações encontradas no espaço ou quando uma sonda estiver escondida do outro lado de um planeta.

"A comunicação entre as espaçonaves e as estações terrestres é feita tradicionalmente por meio de uma conexão ponto-a-ponto, de forma muito parecida com um walkie-talkie," explica Kevin Gifford, um dos responsáveis pela desenvolvimento da Internet Interplanetária.

"Atualmente, as equipes das missões espaciais devem agendar manualmente cada conexão e gerar os comandos apropriados para especificar para onde os dados devem ser enviados, o tempo da transmissão e seu destino. Com o aumento do número de espaçonaves e conexões, e com o surgimento da necessidade da comunicação entre os diversos veículos, essas operações manuais se tornam cada vez mais complicadas e caras," disse ele.

Primeiro roteador espacial

A Internet terrestre não pode ser simplesmente transferida para o espaço porque lá em cima não se pode assumir que os computadores terão sempre uma conexão entre eles. Assim, o protocolo DTN pressupõe que os diversos nós da rede se comunicarão sempre que puderem. Quando não houver conexão, cada roteador deve segurar seus dados até ser possível fazer a transmissão.

O primeiro roteador da Estação Espacial Internacional foi instalado em um equipamento de pesquisa chamado CGBA (Commercial Generic Bioprocessing Apparatus) durante a última missão do ônibus espacial Atlantis. Os testes envolvem a transmissão dos dados científicos coletados pelo equipamento diretamente para o controle em terra.

A NASA espera dotar todos os laboratórios da Estação Espacial Internacional de seus próprios roteadores para que os dados científicos sejam transferidos para os respectivos controladores de cada experimento, muitos deles localizados em laboratórios de universidades ou nos centros de controle das agências espaciais europeia, russa e japonesa.

O novo protocolo da Internet Interplanetária foi desenvolvido sob o comando de Vint Cerf, atualmente no Google, e considerado um dos pais da Internet terráquea.

Pode ler mais sobre esta iniciativa na página oficial da NASA.

Fonte: Site Inovação Tecnológica - Foto: Glenn Asakawa/University of Colorado

Aviões: 60 anos desafiando os céus

Clique na imagem abaixo e veja o infográfico


Fonte: Expresso (Portugal)

Aeroporto de Boston testa radar para aves

Região fica em rota migratória dos animais

Instrumento pode detectar aves pequenas a uma distância de até cinco quilômetros - Clique na foto para ampliá-la

O Aeroporto Internacional Logan, em Boston, começou a testar um sistema de radar especializado que a Força Aérea dos Estados Unidos utiliza para proteger seus pilotos e que a Nasa usa nos lançamentos de seus ônibus espaciais para prevenir choques com aves. O local conta com uma equipe de controle de fauna silvestre que inclui cinco empregados em turno integral e tem realizado um intenso programa de prevenção de choques contra aves que têm na região sua rota migratória.

Os operadores do Logan passaram a estudar o problema depois que uma aeronave da US Airways foi atingida por um bando de gansos em janeiro, obrigando o piloto a pousar o avião no Rio Hudson, em Nova York. Agora, avaliam o Radar Aviar Merlin, fabricado pela empresa DeTect Inc., com sede em Panama City, na Flórida. O instrumento pode detectar, em tempo real, aves pequenas a uma distância de até cinco quilômetros.

Fonte: AP via Zero Hora - Foto:Josh Reynolds

Empresa aérea paga indenização por sumiço de Iphone

A empresa aérea TAM terá que pagar R$ 1.699,00 a dois passageiros que tiveram um aparelho Iphone extraído de sua bagagem na volta de uma viagem aos Estados Unidos e ainda uma indenização por danos morais no valor de R$ 5 mil. A condenação foi dada pelo juiz José Conrado Filho, da 1ª Vara Cível de Natal, ao julgar a ação ordinária nº 001.08.011296-0.

De acordo com os autos, em viagem aos Estados Unidos em 2008, os passageiros teriam se apresentado no aeroporto de Miami, local que embarcaram num voo de rota Miami-Manaus-Belém-São Luiz-Fortaleza-Natal. Na ocasião, a passageira levava uma mala de mão, onde guardava um casaco e um aparelho celular Iphone, enquanto o outro passageiro levava um outro volume de mão. Chegando ao balcão de embarque, foram advertidos de que a mala de mão deveria ser despachada, pois as autoridades da TAM não permitiam que fosse acondicionada nos bagageiros do avião, sob a alegação de falta de espaço nas aeronaves que faziam aquela rota.

A maleta do outro cliente, no entanto, seguiu com ele para o interior da aeronave. Chegando a Belém, os dois foram orientados a desembarcar do avião, recolher as bagagens e passar pela alfândega. Após algum tempo, e sem localizar suas malas, foram abordados por um funcionário da empresa, o qual informou que as malas seriam liberadas pela Receita Federal e colocadas nas "esteiras". Mas não foi isso o que ocorreu. As malas não chegaram e eles abriram um o processo de reclamação, através do qual noticiaram o extravio de quatro volumes.

No aeroporto de Belém, receberam a informação de que as malas haviam ficado em Miami. Após cinco horas, já próximo ao horário do vôo seguinte, receberam ligação dando conta de que a bagagem extraviada havia sido localizada em Fortaleza. Nesta cidade, receberam a notícia de que a bagagem já se encontrava no avião, seguindo para Natal, onde chegaria juntamente com eles.

Ao desembarcar em Natal, os dois efetivamente receberam as malas, inclusive com lacre da TAM. Para recebê-las, tiveram que assinar um documento e devolver a cópia da reclamação feita em Belém. Já em sua residência, o casal autor foi tomado de surpresa quando, ao abrir a mala, o aparelho celular Iphone não foi encontrado.

A empresa destaca ainda que o contrato de transporte aéreo é regido por diversas regras e, no que toca às bagagens despachadas, tais normas encontram-se especificadas no próprio bilhete de passagem e que no campo "bagagens - avisos importantes" dos bilhetes aéreos, consta expressa proibição de transporte de telefones celulares na bagagem despachada, ressaltando que levar, a título de bagagem comum, bens frágeis ou de grande valor, constitui inadimplemento contratual que isenta de responsabilidade a companhia aérea. E ainda que o celular que teria sido extraviado deveria ter sido transportado como "carga especial", com pagamento de taxa específica e contratação de seguro com cobertura para avarias ou extravio dos bens.

Fundamento da decisão

O juiz concluiu que a empresa não comprovou que o extravio do objeto Iphone não ocorreu, ou que o mesmo se deveu a fato de terceiro, ou à culpa dos passageiros. “Em que pese a TAM alegar inobservância de regras contratuais e desobediência às instruções contidas nos bilhetes de passagem, a análise dos documentos deixa óbvio que os requerentes a nada desobedeceram”.

Além disso, há o fato de a bagagem ter sido despachada em função de uma ausência de espaço no guarda volume daquele vôo. O juiz também concluiu pela indenização por danos morais. “Não me parece constituir mero dissabor ou simples aborrecimento a situação daquele que se vê em terra estranha à sua, desprovido de seus pertences, sem saber se os mesmos estão nos Estados Unidos ou no Brasil, recebendo reiteradas informações desencontradas e contraditórias, como ocorreu com os autores. É situação aflitiva e constrangedora, agravada pela frustração de não encontrar bem de precioso valor que havia sido presente de pessoa da família”, destacou o juiz.

Fonte: TJRN via Tribuna do Norte

'Senhor das Armas' tinha bases em Minas Gerais e Goiás

Principal fornecedor de favelas de facção carioca, Tony negociava 500 peças por ano e foi preso no Mato Grosso do Sul

Nas duas últimas décadas, Antônio Jorge de Carvalho, 40 anos, se perpetuou como o responsável pelas bocas de fumo de boa parte das favelas de Niterói. Mas as 20 comunidades que controla não renderam tanto quanto passou a ganhar com a mudança de ramo. Desde que deixou a cadeia, há cinco anos, Tony, ou Baixo, como é conhecido, passou a investir no tráfico de armas e tornou-se o principal fornecedor de 60% das favelas do Rio, todas controladas pela facção Comando Vermelho.

Na tarde de domingo, o ‘Senhor das Armas’ foi preso num shopping da cidade de Campo Grande, capital do Mato Grosso do Sul, por agentes da Delegacia de Repressão a Armas e Explosivos (Drae), e desembarcou no Galeão na madrugada de quarta-feira, sob forte escolta.

Como medida de proteção, Tony montou bases em cidades do interior de Minas e Goiás e não tinha endereço fixo. Era de Uberlândia que ele seguia para cidades como Ponta-Porã, próximo à fronteira paraguaia, e Corumbá, quase na Bolívia, onde estavam seus principais abastecedores. Contra ele havia dois mandados de prisão, um por tráfico internacional de drogas, e outro da 77ª DP (Icaraí), por homicídio.

Clique sobre a imagem para ampliá-la

Um dos principais homens do esquema é Eduardo Herculano, o Avião da Mineira, um dos principais traficantes do Morro da Mangueira. Outro é conhecido pelo apelido de Pará: os dois negociavam e recebiam o dinheiro das vendas para Tony.

Cadeia para o Senhor das Armas

Por meio do esquema de Tony, cerca de 500 novas armas chegavam anualmente às mãos de traficantes cariocas. Desde 2007, quando começou a investigação, cresceu o número de armas apreendidas oriundas da Bolívia e do Paraguai.

Só no ano passado, 12 metralhadoras antiaéreas do Exército boliviano foram encontradas no Rio. “Verificamos a procedência dessas armas e começamos o trabalho”, afirmou o delegado Carlos Antônio Oliveira, subchefe operacional da Polícia Civil.

A metralhadora ponto 30, antiaérea, era uma das especialidades de Tony. Na Bolívia, ele comprava a US$ 10 mil e a revendia a R$ 60 mil no Rio. O bandido também negociava munição, pistolas, metralhadoras e fuzis. “Só em junho ele negociou 39 fuzis com traficantes do Rio, em especial dos Complexos da Penha e do Alemão”, disse a coordenadora da investigação, delegada Márcia Beck, titular da Drae.

A prisão do bandido foi mantida em sigilo para que se desse sequência à investigação. Segunda-feira, a Drae fez incursão no Morro do Beltrão, em Niterói, e encontrou um dos artefatos enviados por Tony para ser revendido aqui: um míssil antitanque, de fabricação argentina, capaz de furar o blindado usado pela polícia carioca. Na ação, um casal foi preso. Paulo Roberto Aquino Maciel Júnior, o Juninho, 25, e Tatiana de Azevedo Maciel tinham prisão decretada. Ele era gerente de uma das favelas, enquanto ela depositava o dinheiro do tráfico de drogas em diversas contas bancárias de Tony.

Fonte: Leslie Leitão (O DIA)

Caças russos Stealth destruidores

Quando se pensa em aviões de caça, logo vêm a mente, um monte de aviões americanos, como o F-15, devidamente imortalizado no cinema e na literatura. Após a chegada da década 00, entrou em voga o conceito de stealth, o que basicamente torna aviões de caça (ou bombardeiros, como o B-2) invisíveis ao radar (mas não se engane, ele já existia faz tempo, só que era menos divulgado do que no momento).

Mas, e os russos? Pouco ou nada se ouve falar de seus aviões após o pop star MiG-29 chegar às linhas de produção. O motivo é um só: o campo militar para os russos é completamente secreto, e isso não mudou com a queda da União Soviética. Bem da verdade é que existe um programa secreto do governo russo - intitulado Pak-fa T-50, que significa Perspektivnyi Aviatsionnyi Kompleks Frontovoi Aviatsyi, ou seja Futuro Complexo Aéreo para as Forças Aéreas Tácticas - que está criando a nova geração da aviação militar do país, grande parte dela stealth.

O programa é liderado pela melhor fábrica russa, a Sukhoi, e a idéia é a substituição dos MiG-29 e dos Sukhoi, além de fazer frente aos badalados F-22 e F-35. O detalhe é que o Brasil estava no programa como parceiro internacional, mas desistiu, pois os russos não fariam repasse de tecnologia (vão pesquisar, brasileiros), apenas entregariam os aviões.

Bom, fora isso e alguns outros detalhes, o resto do programa é totalmente desconhecido. As especulações quanto a capacidade dos aviões são baseadas nos melhores caças russos do momento: o Su-35 e o Su-37 (para se ter uma idéia de como os projetos militares são avançados, esses aviões ainda entraram em serviço no fim do ano, de acordo com as previsões do Ministério da Defesa Russo). Eles constituíram grande avanço no estilo russo de construir aviões, que eram bastante dependentes de potentes radares de estações terrestres, e dificilmente podiam operar a noite.

Clique nas imagens para ampliá-las

Com o Su-37, a coisa avançou (também, foram mais de 20 anos de pesquisas e projetos). Basta dizer que ele foi o primeiro avião com turbinas de empuxo vetorado do mundo (cada turbina pode ser controlada independentemente uma da outra, resultado em grande manobrabilidade, como voar para frente com o bico apontado para cima), radar de alcance de mais de 360 Km tanto para alvos aéreos quanto terrestres, e com capacidade de monitorar até 20 deles e atacar 8, tudo ao mesmo tempo. Fora isso ele atira mísseis para trás, guiados por uma radar N012, com alcance de 80 Km, aliado a um sistema que detecta alvos a 45º do bico da aeronave a mais de 100 Km. Em resumo: não dá para pegar um desses desprevenido.

Agora imagine o seguinte: o Su-37, que é considerado um dos melhores caças da atualidade, já tem quatro anos desde que ficou pronto, estando agora sob intensos testes e início de produção… e são inferiores a toda a quinta geração de caças russos, que deve incluir os novos Sukhoi, novos MiGs, os novos bombardeiros táticos Yakovlev, e os bombardeiros estratégicos Tupolev.

Mas, especular mais que isso é partir para absurdos, o lance é esperar até algum dia entre 2012 ou 2015 (isso se nosso mundo não entrar em colapso) e ver o que os russos vão aprontar. Antes disso, fique com as artes feitas pelo designer russo Aleksander Dultsev. É bonito demais…

Fonte: Duler via Gizmodo

Voo AF447 foi um "fracasso" para nossa empresa, diz Air France

'Segurança de nossos voos falhou', diz chefe de conselho da empresa.

A investigação sobre as causas do acidente ainda está em curso.


O presidente do conselho de administração da Air France-KLM, Jan-Cyril Spinetta, afirmou nesta quinta-feira (9)que o acidente do voo AF 447 entre Rio e Paris, que caiu no Atlântico e matou todos os 228 ocupantes, foi "uma tragédia" e representou "um fracasso" para a empresa.

"É uma tragédia para nós e a comunidade nacional. É uma tragédia para a comunidade internacional, é uma tragédia para a comunidade aeronáutica mundial, que deseja compreender o que aconteceu, e é uma tragédia para a Air France", disse ele durante discurso na assembléia geral anual dos acionistas da empresa, antes de convidar o público a fazer um minuto de silêncio.

"Mas é também um fracasso para nossa empresa. A segurança de nossos voos falhou. Precisamos entender o que aconteceu", acrescentou.

"Infelizmente, houve duas outras tragédias na empresa antes de minha chegada à Air France: a catástrofe do monte Saint-Odile (em 1992) e a do Concorde (em 2000). Existem feridas que nunca cicatrizam e que carregamos conosco. Apesar disso, a empresa precisa permanecer unida, suportando as provações", disse ele.

O voo AF447, que fazia o trajeto entre o Rio de Janeiro e Paris, caiu no oceano Atlântico após decolar em 31 de maio. A investigação sobre as causas do acidente ainda está em curso.

Em entrevista concedida ao jornal "Le Figaro" na quinta-feira, o diretor-geral da empresa aérea franco-holandesa, Pierre-Henri Gourgeon, negou que disponha de uma "gravação secreta" do piloto do avião. Os rumores sobre as circunstâncias do acidente vêm se multiplicando nas últimas semanas.

Fonte: Reuters via G1

Jatinho de Nicolas Sarkozy leva o nome de Carla Bruni

O avião de R$160 milhões se chama Carla One

Nicolas Sarkozy resolveu homenagear a esposa, a cantora Carla Bruni, batizando seu novo jatinho de Carla One. Segundo o jornal "Daily Mail", o avião modelo Dassault Falcon 7X custou £50 milhões, cerca de R$ 160 milhões.

Fonte: EGO - Fotomontagem: Reuters

Destroços do voo 447 devem chegar à França na terça

Os destroços do avião A330 que caiu no mar entre o Rio de Janeiro e Paris e que foram encontrados no Oceano Atlântico devem chegar no dia 14 de julho à França e serão enviados ao centro de testes aeronáuticos de Toulouse, informaram nesta quinta-feira fontes da sociedade Airbus.

O Bureau de Investigação e Análises (BEA) francês, encarregado da investigação técnica na França, confirmou que "as peças do A330 encontradas frente ao litoral do Brasil serão examinados neste centro de investigações sob controle da gendarmeria e do BEA".

O transporte dos 640 pedaços encontrados desde que a aeronave caiu no mar em 1º de junho é realizado a bordo do navio mercante "Ville de Bordeaux", um dos três navios utilizados normalmente pela Airbus para trasladar as partes do avião gigante A380 das diferentes plantas europeias para a montagem em Toulouse.

O BEA indicou que não localizou qualquer vestígio de incêndio ou explosão em um primeiro exame visual dos pedaços encontrados.

"Os elementos identificados proveem do conjunto das zonas do avião", explicaram, citando, em particular, os 'galeys' (encaixes para as bandeiras de comida), pedaços do chão do aparelho e coletes salva-vidas não utilizados.

Fonte: AFP

Projeto de balizamento e iluminação do Aeroporto Regional de Concórdia (SC) foi entregue ao secretário regional

O projeto de balizamento e iluminação do Aeroporto Municipal de Concórdia (SC) foi entregue na tarde da última terça-feira pelo Prefeito João Girardi, o vice Neuri Santhier e ao Secretário de Urbanismo e Obras, Mauri Maran ao secretário Regional, Valmor Fiametti.

Mauri Maran confirma que o projeto prevê o balizamento e iluminação, a necessidade de instalação de um farol e ainda o PAPI, equipamento que têm por objetivo informar os pilotos sobre a altitude correta em que se encontra o avião, quando este faz a aproximação à pista.

Mauri Maran diz que após a entrega do projeto ao governado, que deve ocorrer no próximo dia 13, o documento será analisado pelo Agencia Nacional de Aviação Civil - ANAC.

O valor total do investimento é de R$ 977 mil, sendo que o projeto está dividido em três etapas.

Fonte: Rádio Rural AM

Brasil é o eldorado das aéreas dos EUA

As empresas aéreas estrangeiras que conectam o Brasil e os Estados Unidos aceleram as ações para fidelizar seus passageiros, especialmente as líderes deste ranking, que terão de enfrentar, além da turbulência econômica e a oscilação do petróleo, a entrada no mercado interno de uma quinta empresa norte-americana, a US Airways, este ano.

Com isso, as áreas norte-americanas resolveram incrementar as suas parcerias, como no caso da líder American Airlines, que acaba de fechar parceria entre programas de milhagem com a nacional Gol Linhas Aéreas Inteligentes, que também mantém a marca Varig. Mesmo ainda cautelosa em lançar novas rotas entre os dois países, concentrando assim os seus esforços em manter a ocupação dos voos existentes, a vice-líder Delta Air Lines, bancou o lançamento, este mês, de um novo voo entre São Paulo e Los Angeles. Já a United Airlines informou que suas aeronaves voltaram a ter bons níveis de ocupação, e com isso a empresas espera garantir a volta de um voo sazonal a partir do Rio de Janeiro.

"Vimos a demanda cair depois da crise, mas gradativamente a recuperamos e agora estamos com níveis de ocupação na casa dos 80%. Voltamos ao patamar do ano passado ", revelou ao DCI Luiz Camillo, gerente de Vendas da United Airlines no Brasil. O executivo colocou ainda que a flexibilização das tarifas, permitindo maiores descontos por lei, deu um impulso para elevar a comercialização de bilhetes. "As tarifas caíram 20%", incluiu. No auge da retração econômica, o número de passageiros chegou a retrair 35%.

A United transporta cerca de 400 passageiros por dia, entre o Brasil e o território norte-americano. O que dá cerca de 280 mil passageiros por ano. Patamar que dentro de um cenário otimista, deve permanecer estável em 2009. Ao todo são 14 vôos semanais que permitem ligar o País com as cidades de Chicago e Washington.

Camillo contou que o principal foco de atuação da companhia aérea está no passageiro de negócios - hoje mais de 60% dos clientes. Assim, a United pretende atrair mais executivos ao lançar por aqui a classe Economy Plus, com 13 centímetros de espaço entre as poltronas e a assentos que reclinam 180º graus. A United possui acordos comerciais no Brasil com a TAM Linhas Aéreas e ambas fazem parte da maior aliança mundial de companhias áreas, a Star Alliance.

Desde o ano passado, a empresa trouxe um avião com capacidade 25% maior, e promete mantê-la até o final de 2009. Ela também deve manter entre novembro e fevereiro o vôo sazonal do Rio. Camillo comentou que se houver melhora no cenário, talvez este vôo possa se tornar permanente, sem prazo definido para isso.

Entre todas as estratégias adotadas para aquecer a vendas, está a de manter parceria com todas a agências de viagens que atendem a esse mercado. O executivo da United contou que outro passo que foi tomado e que deve da maior impulso as viagens é uma maior facilitação para a obtenção dos vistos de viagem, antes muito restritos.

Parceria

A American Airlines, que faz o maior número de vôos entre os aeroportos brasileiros e os da América do Norte - ao todo são quase 60 -, encerrou junto à Gol uma negociação que durou quase cinco anos e assinou um acordo de milhagem recíproca entre as duas empresas, pelo qual os clientes poderão compartilhar vantagens entre o Smiles, da aérea brasileira, e o AAdvantage, da norte-americana.

"Com isso, os mais de 60 milhões de clientes AAdvantage terão acesso a mais destinos no Brasil e na América do Sul", afirmou Peter J. Lara, vice-presidente sênior da American para México, Caribe e América Latina, explicando que o acordo deve aumentar significativamente a flexibilidade de horários e dos preços aos clientes, além, é claro, da possível troca de milhagem.

Nos próximos meses a parceria entre as duas empresas deve evoluir para uma do tipo cold share, que possibilita uma integração ainda maior entre as empresas, com a unificação de sistemas. A Gol possui um acordo desse tipo com a Air France.

A nova parceira da Gol voa aqui no Brasil para os aeroportos de cinco cidades brasileiras: Guarulhos (São Paulo), Rio de Janeiro (Galeão), Recife, Belo Horizonte e Salvador. De acordo com Peter Lara, não há no momento previsão de lançamento de mais vôos para cá. "Acabamos de entrar em novas regiões, mas estamos estudando com atenção o mercado regional", disse.

Novas rotas

A Delta Air Lines garantiu uma nova rota entre São Paulo e Los Angeles, na Califórnia, este mês - por enquanto, trata-se de um vôo sazonal. A Delta oferece voos entre Atlanta e São Paulo (Guarulhos), além de conectar a cidade norte-americana às cidades do Rio de Janeiro, de Manaus, de Recife e de Fortaleza. Ela também possui um vôo direto entre Nova York e o Estado de São Paulo.

"Continuamos a apostar no mercado brasileiro. Esta rota reflete a importância de investir neste país", disse Luiz Teixeira, diretor da Delta do Brasil.

Por fim, a nova empresa dos Estados Unidos a atuar por aqui, a US Airways, vai ligar o Aeroporto Internacional do Galeão a Charlotte, na Carolina do Norte.

A United Airlines diz ter recuperado ocupação, que chegou a 80%, e lança nova classe, atenta à entrada da concorrente US Airways.

Fonte: DCI

Dois anos depois, investigação ainda não foi concluída

Quase dois anos depois do acidente com o avião da TAM, que matou 199 pessoas em São Paulo, no dia 17 de julho de 2007, foi concluído apenas um dos três processo de investigação.

O relatório da Polícia Civil de São Paulo foi concluído em dezembro do ano passado e tem 40 mil páginas. Roberto Gomes, assessor de imprensa voluntário da Associação dos Familiares das Vítimas do Acidente da TAM (Afavitam), explicou que ainda faltam as conclusões da Polícia Federal e do Centro Nacional de Investigação e Prevenção de Acidentes Aeronáuticos (Cenipa).

"Nós estamos acompanhando, falta ainda a concretização das investigações da Polícia Federal de São Paulo e do Ministério Público Federal em São Paulo, que ainda estão em abertas, e falta a divulgação do relatório do Cenipa. Segundo o próprio Cenipa, o relatório está pronto, aguardando os técnicos estrangeiros, que participaram da investigação, apresentarem seus laudos, porque eles estão revisando a parte das suas atuações.

De acordo com Roberto Gomes, que é irmão de uma das vítimas do acidente, o inquérito da Polícia Federal está sob segredo de Justiça, por decisão do Ministério Público Federal, enquanto o do Cenipa é confidencial por norma internacional.

A informação que os familiares têm é que o processo na Polícia Federal está parado, porque o delegado responsável foi afastado do caso. No Cenipa, o processo está em fase de conclusão e será divulgado primeiro para os familiares das vítimas.

Roberto Gomes lembrou que as investigações da 27ª Delegacia de Polícia de São Paulo pediu o indiciamento de 13 pessoas da TAM, da Agência Nacional de Avião Civil (Anac) e da Empresa Brasileira de Infraestrutura Aeroportuária (Infraero), além da empresa Airbus, fabricante do avião.

"A Airbus, porque ela não colocou um alarme para as manetes, que era um item recomendado por ela, que é um alarme que alertaria se as manetes estivessem assimétricas. A TAM, porque descumpriu a norma da Anac, que proibia o pouso de aeronaves em Congonhas sem o reverso total, com excesso de combustível em dias de chuva, e a Anac, porque não obrigou as empresas a cumprir as regulamentações nem fiscalizou", disse o assessor.

Para Roberto Gomes, a morte das vítimas foi anunciada, já que nos dois dias anteriores ao acidente, foram emitidos 13 relatórios de perigo em Congonhas, sem nenhuma providência das pessoas e autoridades responsáveis.

"Antes daquele acidente, um dia antes, um outro piloto quase não conseguiu pousar aquela mesma aeronave que se acidentou, e fez um relatório de perigo, que foi encaminhado para a TAM e por sua vez para a Anac. Resultado: nada, não fizeram nada. Cerca de treze relatórios de perigo envolvendo a pista foram emitidos. Na minha concepção, eu digo em alto e bom som, que o meu irmão e mais as outras 198 vítimas foram assassinadas. Havia várias questões que poderiam ser evitadas, bastava as autoridades terem a competência e não serem negligentes, bastava as empresas aéreas não serem gananciosas e respeitarem a normatização.

Nas homenagens aos dois anos, a Afavitam vai decorar os tapumes do local do acidente na manhã do dia 17, uma sexta-feira, terá um manifestação no Aeroporto de Congonhas, às 18h50, hora do acidente, um minuto de silêncio e depois um ato ecumênico. No sábado, dia 18, será celebrada uma missa e no domingo, dia 19, um pequeno concerto, Tributo Pela Vida. A prefeitura de São Paulo deve construir um memorial em homenagem às vítimas, com projeto do arquiteto Ruy Otake.

Fonte: DCI

Sobrevivente não sabe como saiu do avião

Baya Bakari, única sobrevivente da queda de um airbus iemenita, ao largo das Comores, mal sabe nadar e não se lembra de como saiu do avião.

"Foi Deus que a salvou, foi um milagre porque ela nada mal", diz Houzaimata, tia de Baya Bakari. Triste e emocionada, aguardava na quinta-feira, à entrada do hospital Trousseau, autorização para ver a sobrinha. Depois de ter sido repatriada das Comores, na manhã do mesmo dia, a jovem franco-comoriana de 12 anos, única sobrevivente da queda trágica, na noite de segunda-feira, de um airbus A310 da companhia Yemenia, está internada neste hospital de Paris com ferimentos e queimaduras na cabeça, num olho, nos ombros e nos joelhos.

Houzaimata, de xaile castanho-escuro nos ombros em sinal de luto pela morte de Aziza, a mãe de Baya que a acompanhava na viagem de férias para as Comores, onde a jovem deveria festejar, em Agosto, o seu 13° aniversário, acredita sinceramente num milagre. O pai da rapariga, Kassim, também. "Foi o bom Deus que a salvou", diz ele ao grupo de jornalistas que o assedia à porta do hospital. "Estou contente porque Baya está viva, doente mas viva, e triste porque a minha mulher morreu", acrescenta no meio do tumulto que a sua presença provoca.

Houzaimata, que desde terça-feira toma conta dos três irmãos de Baya - Badian, de 10 anos, Badrou, de 7, e Badawy, de 2 -, informa que toda a família se prepara para um período de luto de quatro meses, "no respeito das tradições". E relata com gravidade o que sabe sobre o "milagre" que salvou Baya, uma das 153 pessoas que seguiam no avião iemenita: "Falei com ela ao telefone, na quarta-feira, quando estava hospitalizada nas Comores e ela disse-me que só se lembra de uma grande agitação, de ter ouvido um estrondo, e não sabe como saiu do avião... acordou no escuro, na água, agarrada, segundo disse, a 'uma coisa', até ver uma barca... disse que teve frio e sede, que as pernas lhe ardiam e que ouviu vozes de pessoas a pedirem socorro, mas que não viu ninguém na escuridão".

A jovem, estudante em Cordeil-Essonnes, na região parisiense, protagonizou uma história extraordinária - conseguiu aguentar-se durante mais de 10 horas a boiar no mar revolto, agarrada a um destroço do airbus, a 20 km da costa do arquipélago das Comores. Até os políticos franceses e os especialistas em aeronáutica evocam um acontecimento inexplicável que a tornou a única e improvável sobrevivente.

"Foi um milagre, porque o choque deve ter sido terrível e é difícil explicar como ela conseguiu sair do avião, talvez através de uma brecha que se abriu ao nível da sua cadeira, depende de como o avião caiu", explica Gérard Feldzer, ex-piloto e director do Museu do Ar do aeroporto de Bourget, na região parisiense.

Aos médicos, em Moroni, capital das Comores, Baya disse ter sentido, antes de desmaiar, uma espécie de "descarga eléctrica". Um dos clínicos que a tratou disse que ela teve a sensação de ter sido "propulsada para fora do aparelho".

"Achei-a espantosamente serena, é muito doce e gentil, e estou muito impressionado pelo combate extraordinário que ela levou a cabo pela vida", acrescenta Alain Joyandet, secretário de Estado francês da Cooperação.

Este governante confirma que o avião A310 apresentava "diversos problemas de segurança" e que estava proibido de viajar para França desde há dois anos. De luto, a comunidade de origem comoriana residente em França revolta-se contra a Yemenia e o que chama "os seus aviões-caixotes de lixo". "Os aviões que não podem viajar em França voam em África, porque é sempre na escala em Sana que somos mudados para aparelhos todos podres", diz um franco-comoriano.

Em França foi aberto um processo judicial para averiguar as causas da tragédia. O Presidente Nicolas Sarkozy visitou Baya, no hospital, na quinta-feira à noite, antes de participar numa cerimónia religiosa na Mesquita de Paris. 66 dos 152 mortos tinham a nacionalidade francesa.

Fonte: Daniel Ribeiro - (Expresso - Portugal) - Foto: AFP