terça-feira, 30 de setembro de 2008

Problema em ar-condicionado assusta passageiros da TAM


Quem estava no vôo reclamou do cheiro de fumaça dentro do avião.

Aeronave, que saiu de Paris, pousou na manhã desta terça (30) em SP.

O cheiro de fumaça dentro do avião assustou passageiros do vôo 8097 da TAM, que partiu de Paris com destino a São Paulo, na manhã desta terça-feira (30), de acordo com relato de pessoas que estavam no avião. Segundo a companhia aérea, houve uma pane no sistema de ar-condicionado da aeronave quatro horas antes da chegada ao destino. A empresa não deu detalhes do incidente.

De acordo com relato de uma passageira ouvida pela Rádio CBN, as pessoas que estavam no avião se sentiram incomodados com um cheiro estranho. A luz foi acesa e, de acordo com a passageira que se identificou apenas como Patrícia, as aeromoças começaram a abrir os bagageiros e com lanternas para procurar a origem da fumaça.

De acordo com os relatos, momentos depois o piloto se comunicou com os passageiros e informou que a fumaça vinha de um problema no ar-condicionado. O piloto teria dito que foi cogitado um pouso de emergência em Fortaleza, mas que isso não foi necessário. Patrícia acredita que todas as providências foram tomadas pela empresa, mas afirma que espera por mais segurança nos vôos.

A TAM afirmou em nota que o sistema auxiliar de ar-condicionado foi acionado e o avião prosseguiu até o aeroporto de Guarulhos, onde pousou normalmente. A companhia não se manifestou sobre o cheiro ou sobre a fumaça dentro da aeronave.

Fontes: G1 / Rádio CBN

Aeronave derruba muro e destelha casas em Teresina

Uma aeronave de grande porte provocou a queda de 26 metros de muros e destelhou casas do bairro.

A aterrissagem de um avião ontem à noite provocou a queda de 26 metros de muro do aeroporto Petrônio Portela, zona Norte de Teresina, e destelhou várias residências na região.

Com a força do vento, aliada à pressão da turbina, o muro não agüentou o choque e foi destruído, assustando os moradores do bairro aeroporto. O local mais afetado foi o da rua Parnaguá.

O líder de vistoria da Infraero, Luis Otávio Gomes, que analisava no momento os estragos, informou que a destruição do muro ocorreu em função da força do vento da turbina. Para evitar a presença de vândalos, a Infraero colocou vigias para pernoitar e proibiu o acesso as dependências do aeroporto.

As famílias que moram próximas ao aeroporto reclamaram da falta de segurança no local.

Fonte: cidadeverde.com

Três mortos em um acidente de avião na região central do Chile

O avião em foto tirada em 2003

Um acidente de avião na região central do Chile deixou um saldo de três mortos por volta das 18:00 hs. de domingo (29).

A aronave, um Cessna 172R Skyhawk II, prefixo CC-KAZ, registrada para o Club Aéreo de Los Andes, caiu na região montanhosa de Cerro El Roble Alto, nas cercanias da cidade de Curacaví, na região de Valparaíso, a uns 120 quilômetros de Santiago.

A Força Aérea chilena confirmou que a aeronave estava indo para um spa nas proximidades, em Santo Domingo e caiu por razões ainda desconhecidas.

Os mortos foram identificados como Juan Carametro Ferret (piloto do avião) e o casal Sergio Diaz e Graciela Weber.

Fonte: www.europapress.es - Foto: Antonio Beghello (JetPhotos)

Helicóptero da Polícia de Maryland (EUA) cai e mata quatro pessoas

O NTSB (National Transportation Safety Board) pesquisadores estão penteando o site do fim de semana indicar um acidente de helicóptero da polícia que matou quatro pessoas no domingo (29) em Capital Heights, Maryland (EUA).

A vítima sobrevivente do acidente aéreo foi identificada como Jordânia A. Wells, 18, de Waldorf. Wells está atualmente em tratamento no Hospital Prince George em Cheverly.

O helicóptero havia levantado vôo por volta das 11 hs de sábado (28) a partir do seu hangar na Base Aérea de Andrews.

O NTSB acredita que o helicóptero caiu no Walker Mill Regional Park, localizado no Capitol Heights / Ritchie, entre a meia-noite e meia-noite e meia de domingo (29), disse Keith Holloway, um porta-voz NTSB.

A agência, que investiga todos os acidentes aéreos, ainda não determinou o que causou o acidente.

Antes do acidente, no sábado a noite, o piloto do helicóptero contatou a torre e disse que estava com problemas. Poucos minutos depois, a torre perdeu contato de radar com o helicóptero, às 23:55 hs. Alguns minutos depois, caiu.

A aeronave era um Aerospatiale SA.365N-1 "Dauphin II", prefixo N92MD e estava incorporado à frota da polícia estadual desde junho de 1989, e foi o segundo helicóptero comprado da frota atual.

Fonte: Southern Maryland Newspapers - Foto: AP

Controladora de vôo dorme e deixa aviões esperando no ar

Aviões que pousariam na Grécia continuaram voando por quase uma hora.

Funcionária será suspensa por alguns dias, segundo a polícia.


Controladora de vôo admitiu ter dormido enquanto pilotos tentavam contato

Dois aviões que estavam prestes a pousar na ilha grega de Lesbos tiveram de ficar quase uma hora no ar porque a controladora de vôo não havia dado permissão para pouso: ela estava dormindo.

As autoridades disseram nesta segunda (29) que as aeronaves ficaram circulando sobre o mar até que a autorização para pousar fosse concedida.

Os pilotos tentaram se comunicar diversas vezes com a torre de controle, sem sucesso. Um avião era da Olympic Airlines, e outro da Slovakian Airlines.

"Eles chamaram a torre para pedir informações, mas ninguém respondeu", disse à Reuters um policial que não quis se identificar. "A controladora de vôo admitiu, depois, que havia dormido".

O serviço de controle secundário do aeroporto auxiliou os pilotos durante o pouso. Segundo a polícia, a controladora de vôo seria suspensa por alguns dias.

Fonte: Reuters - Foto: Bruno Domingos (Reuters)

Acidente da Gol: processo ainda longe do fim dois anos depois

Algumas famílias recorreram à justiça americana, acreditando que o julgamento seria mais rápido. Mas até agora ninguém foi condenado.



Na frente do Aeroporto Internacional do Recife, o outdoor lembra que ninguém foi condenado pelo acidente que matou 154 pessoas, entre elas oito pernambucanos.

Uma missa foi celebrada em memória das vítimas. A cerimônia foi marcada pela saudade e pela angústia de não saber quem foram os responsáveis pela queda do avião que bateu no jato de uma empresa americana de táxi aéreo. O relatório do Centro de Investigação e Prevenção de Acidentes Aeronáuticos (Cenipa), do Ministério da Defesa, ainda não foi concluído.

“A Gol está falando que recolheram todos os destroços da Amazônia. Mas o que a gente está vendo são os índios reclamando que tem vários destroços lá contaminando o meio ambiente”, afirma Anne Rickli, parente de uma vítima.

Os parentes dos pernambucanos que estavam no vôo 1907 da Gol recorreram à Justiça dos Estados Unidos, acreditando que o julgamento seria mais rápido. Mas até agora ninguém foi condenado. Um juiz americano disse que não cabe à corte norte-americana condenar ninguém por um acidente que aconteceu no território brasileiro.

Enquanto recorrem da decisão do juiz americano, quatro famílias decidiram processar a Gol. “Ela tinha que levar de um ponto ao outro os passageiros que estavam sendo transportados. Como aconteceu o acidente no transcurso, ela tem que ser responsável e pagar essas indenizações”, declara o advogado Alexandre Uchoa.

O Cenipa informou que o relatório só deve ser concluído no fim do ano. O documento está sendo revisado no exterior. Já a Gol comunicou que das 91 famílias que procuraram a companhia, 76 já fecharam acordos. Ao todo, 107 pessoas receberam indenização.

Fontes: G1 / Bom Dia Brasil (TV Globo)

Pára-quedista tem de usar equipamento reserva em apresentação a ministro

Pára-quedas principal falhou e militar acionou equipamento reserva.

Ele não teve ferimentos e disse que foi segundo susto em 22 anos.

Pára-quedista teve que acionar equipamento reserva

Um pára-quedista do Esquadrão Pelicano de Busca e Salvamento levou um susto durante uma apresentação em Campo Grande, nesta terça-feira (30). O pára-quedas principal falhou e ele teve que acionar o equipamento reserva, que abriu quando ele estava a 400 metros do chão.

O militar, de 39 anos, não sofreu ferimentos e disse à TV Morena que foi o segundo susto que levou em 22 anos de carreira.

A apresentação fez parte de uma solenidade realizada para receber o ministro da Defesa, Nelson Jobim. Ele está na capital de Mato Grosso do Sul para participar do lançamento da pedra fundamental na área onde deverá ser instalado o 3º Batalhão de Aviação do Exército (BAvEx).

A assessoria de imprensa do Comando Militar do Oeste informou que "não houve nada anormal" e que o pára-quedista agiu rapidamente ao verificar que o equipamento principal não abriu.

Fonte: G1

segunda-feira, 29 de setembro de 2008

Vôo 1907: familiares marcam 2 anos com protesto



Familiares e amigos de vítimas da tragédia com o vôo 1907 da Gol realizaram um protesto no aeroporto de Brasília para marcar os dois anos do acidente, ocorrido em 29 de setembro de 2006. O segundo maior acidente áereo brasileiro matou 154 pessoas. Carregando faixas com os dizeres "vôo 1907: dois anos de impunidade, as famílias continuam desamparadas, queremos justiça", os manifestantes distribuíram rosas brancas para as pessoas que circulavam pelo Aeroporto Juscelino Kubitschek.

O vôo 1907 da empresa aérea Gol saiu de Manaus e ia para Brasília quando se chocou no ar com o jato Legacy. Ao contrário do que aconteceu com o avião da Gol, o piloto Joe Lepore e co-piloto Jean Paladino conseguiram pousar o Legacy.

Os parentes reclamaram da impunidade e do fato de os dois pilotos americanos ainda não terem recebido nenhum tipo de punição. Para a funcionária pública Eulália Carvalho, que perdeu o marido no acidente, o governo brasileiro foi omisso ao permitir que os pilotos americanos retornassem aos Estados Unidos.

"Não sei por razões políticas ou diplomáticas, mas nos não pudemos contar com o apoio do governo. O governo abandonou 154 famílias e liberou os dois pilotos", disse Eulália.

Lepore e Paladino ficaram cerca de 10 semanas retidos no Brasil por conta das investigações à época do acidente. A Justiça liberou a volta dos pilotos aos Estados Unidos depois que eles assinaram um documento em que se comprometiam a voltar ao País quando forem requisitados.

Fonte: Terra - Vídeo: Globonews

Cargas evitam prejuízo maior a aéreas nacionais

Em 2007, atividade faturou 26,8% mais que no ano anterior.

Como um todo, setor aéreo brasileiro teve resultado ruim.


Apesar do mau resultado do setor aéreo brasileiro como um todo em 2007, o segmento de carga, especialmente o internacional, demonstrou forte expansão ante 2006. O aumento no movimento de importações no ano passado tem sustentado a expansão nessa atividade que, apenas no ano passado faturou 26,8% mais que no ano anterior, segundo dados do anuário estatístico da Agência Nacional de Aviação Civil (Anac).

A influência do dólar baixo em relação ao real foi o fator predominante para o resultado do segmento de cargas, uma vez que, na parte doméstica, houve retração nos negócios. A receita no transporte de cargas nacionais recuou 5,15% entre 2006 e 2007, para R$ 767 milhões.

Essa retração foi mais que compensada, porém, pelo resultado das operações de carga internacional, cuja receita aumentou 72% no período. O ganho total das empresas aéreas de carga com a atividade internacional pulou de R$ 572,8 milhões em 2006 para R$ 985,4 milhões no ano passado.

Resultado promissor

O resultado foi tão promissor que, desde o final do ano passado, apesar do aumento no custo dos combustíveis, empresas aéreas e mesmo governo, através da Empresa Brasileira de Infraestrutura Aeroportuária (Infraero), têm investido na ampliação de suas operações de carga.

Do lado das companhias aéreas, a TAM inaugurou um novo terminal de cargas no aeroporto de Manaus enquanto a ABSA, maior operadora nacional dedicada a cargas aéreas, sinaliza a compra de novos aviões. Do lado da Infraero, novos investimentos têm sido feitos nos principais aeroportos de carga da rede, como o próprio terminal de Manaus, além de Viracopos (Campinas), Galeão (Rio de Janeiro), entre outros.

A expansão na receita de cargas evitou que o prejuízo da indústria aérea fosse maior no ano passado, indicam os números da Anac. Isso porque, embora esse segmento tenha registrado expansão de 26,8%, houve queda de 4,7% na receita com passageiros e de 29,7% nos ganhos com fretamentos. No caso desses últimos, a retração é reflexo direto do fim das operações da BRA e da suspensão de alguns vôos deste tipo pela OceanAir.

Fonte: Valor OnLine

China acelera programa de aviões comerciais de grande porte

A China acelerou seu programa de aviões comerciais de grande porte, intensificando o investimento de companhias do setor aeronáutico em capacidade de produção.

A Chengdu Aircraft Industrial vai investir 600 milhões de yuan em um parque fabril aeronáutico na região. A unidade deve estar completada até 2010. No local, deverão ser fabricados o nariz e partes anteriores da fuselagem de aviões de grande porte.

Outra intenção da empresa é fabricar no local portas de embarque, saídas de emergência e portas de trens de pouso para o mercado doméstico e exportação.

As empresas Shenyang Aircraft e Xi´an Aircraft planejam investir, respectivamente, 3,6 bilhões de yuan e 6 bilhões de yuan em novas fábricas em suas regiões de origem.

Todas essas companhias são subsidiárias da estatal AVIC, que também detém participações nas companhias Shaanxi e Harbin - esta última em parceria com a brasileira Embraer. A AVIC é fruto da união das duas fabricantes do setor do país, a AVIC I e a AVIC II, que se uniram no início de setembro deste ano.

Fonte: Valor Online, com agências internacionais

Ajuizada no Brasil ação contra empresas dos EUA envolvidas no acidente da Gol

Acidente que ocorreu em setembro de 2006 deixou 154 mortos.

É a 1ª ação no país contra as empresas americanas, segundo advogado.


Dois anos depois do acidente do vôo 1907 da Gol, que matou 154 pessoas, foi ajuizada nesta segunda-feira (29) no Brasil a primeira ação contra as empresas norte-americanas envolvidas no acidente.

O advogado Leonardo Amarante entrou com a ação de indenização contra as empresas americanas envolvidas no acidente no Tribunal de Justiça do Rio de Janeiro, representando a família de uma das vítimas do acidente. São réus no processo as empresas Honey Well, fabricante do transponder, Excell Air, dona da aeronave, além dos pilotos Jan Paul Paladino e Joseph Lepore e a própria Gol.

“Apenas uma família entrou no processo. Estamos em fase de negociação com a Gol, muitos parentes querem fechar o acordo, mas essa família não aceitou a proposta da empresa, por isso ajuizou a ação”, afirmou Amarante ao G1.

Segundo Amarante, é a primeira ação no Brasil que envolve as empresas norte-americanas, pois geralmente os processos eram apenas contra a Gol. “Havia uma certa impunidade em relação aos pilotos americanos, que estavam escapando de tudo. Agora, eles também vão ser atingidos como réus”, diz o advogado.

De acordo com Amarante, a Justiça norte-americana deve julgar um recurso até janeiro de 2009, que discutirá se o processo deve correr no Brasil ou nos EUA. “Almejamos que o processo seja julgado lá”, afirma.

Processo Criminal

O advogado considera positiva a decisão do juiz federal Murilo Mendes que decidiu dar continuidade ao processo criminal antes de ouvir os pilotos Jan Paul Paladino e Joseph Lepore. A decisão é baseada em uma alteração do Código de Processo Penal, que foi concluída em agosto.

“Essas reformas são positivas. Tudo que acontece no sentido de dar agilidade ao processo penal é valido. Essas mudanças ajudaram a destravar o processo que estava parado”, diz Amarante.

Acidente

No dia 29 de setembro de 2006, um Boeing da Gol, que fazia o vôo 1907, de Manaus para Brasília, se chocou em pleno ar com um jato Legacy que seguia de São Paulo rumo aos Estados Unidos.

O Boeing caiu em uma região de mata fechada no Norte de Mato Grosso. O acidente deixou 154 mortos - incluindo passageiros e tripulantes da aeronave. O Legacy conseguiu pousar em uma base aérea no Sul do Pará. Os sete ocupantes do jato sobreviveram.

Foi o segundo maior desastre aéreo do país em número de vítimas. Em julho do ano passado, mais um acidente chocou o Brasil. Durante pouso no aeroporto de Congonhas, em São Paulo, um avião da TAM não conseguiu frear e bateu no prédio da TAM Express, causando a morte de 199 pessoas.

Fonte: G1

Nasa adia indefinidamente missão de reparos do telescópio Hubble

Satélite teve problemas de comunicação com o solo no fim de semana.

Agência espera conseguir conduzir a missão em fevereiro de 2009.


Na foto, o Telescópio Espacial Hubble em órbita da Terra

A Nasa convocou uma entrevista coletiva nesta segunda-feira (29) para comunicar o adiamento, sem prazo definido, da missão do ônibus espacial para reparar e atualizar, pela quarta vez, o venerável Telescópio Espacial Hubble.

A decisão veio depois da detecção de problemas, no fim de semana, para que o satélite transmitisse seus dados científicos para a Terra. Os astronautas que estavam treinando para a missão também estavam atrasados em seu cronograma, a despeito de o ônibus espacial Atlantis já estar na plataforma, para decolar no dia 14.

"É claro que o [vôo em] 14 de outubro está totalmente descartado", disse John Shannon, diretor do programa dos ônibus espaciais. "O adiamento é indefinido, mas a missão poderia ser conduzida em fevereiro próximo."

Com os problemas, aumentam os temores de que o Hubble esteja mesmo perdido. Sem missões de atualização a cada cinco ou seis anos, as peças que ajudam o satélite a ser apontado para os objetos que ele observa acabam falhando. E se o número de falhas crítico acontece antes de reparos, fica impossível controlar o satélite para que o ônibus espacial se encontre com ele.

Enquanto isso, a Nasa também corre contra o tempo para concluir a construção da Estação Espacial Internacional e aposentar a frota de ônibus espaciais até 2010, conforme diretriz estabelecida pelo presidente George W. Bush. Mas nem isso está garantido; a pedido dos candidatos à Casa Branca, a Nasa já estuda a hipótese de manter os veículos operando além da data-limite imposta pelo plano de Bush.

Fonte: G1 - Foto: NASA

Embraer adia entrega de 4 aviões

A Embraer vai adiar por prazo ainda não definido a entrega de quatro aviões, prevista para 2009. O impacto será muito pequeno para uma companhia cuja meta é vender cerca de 200 aviões no próximo ano, mas é um efeito concreto da crise financeira internacional em uma das maiores empresas brasileiras. Por enquanto, não há mudanças nas entregas de aeronaves previstas para este ano.

Segundo Antônio Luiz Pizarro Manso, vice-presidente executivo de relações com investidores da Embraer, o atraso ocorre a pedido dos clientes, que enfrentam problemas para financiar as aquisições no prazo, por conta da escassez de crédito no mercado externo. A empresa, que não divulga o valor das transações ou o nome dos clientes, informa que se tratam de jatos comerciais para diferentes destinos: dois para os EUA, um para a Austrália e um para a Europa.

" A Embraer não está imune a crise, mas preparada para enfrentá-la " , disse Manso. A empresa, segundo ele, mantém reservas expressivas em caixa para minimizar a necessidade de captação de recursos. Os adiamentos abrem espaço para atender novos clientes ou antecipar entregas previstas para 2010.

No ano passado, a Embraer entregou 169 jatos, o maior volume da história da empresa. A previsão está entre 195 e 200 aeronaves este ano e entre 195 e 205 em 2009. Esses dados não incluem o novo jato executivo da companhia, o Phenon. A Embraer deve entregar entre 10 e 15 jatos doe modelo este ano e entre 120 e 150 em 2009.

A Embraer exporta 97% do que produz e seus embarques têm impacto na balança comercial. De janeiro a agosto deste ano, a empresa embarcou US$ 3,5 bilhões, alta de 49% em relação a igual período do ano anterior.

Fonte: Raquel Landim (Valor Econômico)

Avião de premier francês evitou por pouco colisão com outra aeronave

O avião em que o primeiro-ministro francês François Fillon viajava no domingo teve que realizar uma manobra de urgência para evitar uma colisão com um avião de turismo, informou nesta segunda-feira a equipe do chefe de Governo.

O avião Falcon 900 do premier voava de Angers (oeste) ao aeroporto militar de Villacoublay, ao sul de Paris, quando evitou por muito pouco a colisão com um avião que estava fora de sua rota.

Fonte: France Presse

Embraer diz que aéreas enfrentam dificuldades de financiamento

Presidente diz que opções de financiamento de clientes estão escassas.

Companhia não recebeu nenhum pedido de cancelamento.


A Embraer, terceira maior fabricante de jatos comerciais do mundo, informou nesta segunda-feira (29) que as companhias aéreas estão enfrentando dificuldades de financiamento diante da crise mundial de crédito. Apesar disso, nenhuma empresa cancelou pedidos com a companhia brasileira.

"Vemos sinais de que as opções de financiamento dos clientes estão ficando escassas. Mas até agora não tivemos impacto direto", afirmou o presidente-executivo da Embraer, Fleury Curado, em entrevista à imprensa em Cingapura.

Os clientes dos fabricantes de aviões devem sofrer perdas de US$ 5,2 bilhões este ano, atingidos por preço alto dos combustíveis e pela economia global que está sendo arrastada pela crise financeira, informou a Associação Internacional de Transporte Aéreo neste mês.

Meta

"Se a crise continuar por mais tempo e com mais intensidade, então todos serão afetados. Mas teremos que esperar e ver", disse Curado, acrescentando que a Embraer continua firme na meta de entregar 195 a 200 jatos regiões em 2008.

A Embraer, líder mundial em produção de aviões regionais, também produz jatos executivos e aeronaves militares e compete diretamente com a canadense Bombardier.

"Temos visto menos impacto em nossos negócios com jatos executivos, uma vez que indivíduos e corporações nos quais temos focado têm acesso mais fácil a crédito, diferente das companhias aéreas", disse Curado.

Aerolineas Argentinas

O executivo afirmou que a companhia ainda está negociando a venda de aviões para a Aerolineas Argentinas e que ainda não houve um acordo.

"Estamos em discussões muito preliminares e não há comprometimentos ainda. Mas claro que nós adoraríamos vender aviões a eles", disse Curado.

A Embraer está buscando montar uma fábrica na Argentina e uma fonte próxima do Ministério do Planejamento da Argentina afirmou que, em troca, o governo do país comprará cerca de 25 aviões modelo 190 da Embraer para a Aerolineas e para a Austral.

Fonte: Reuters

Índios querem retirada dos destroços do Boeing da Gol da mata

Administrador da Funai em Colíder (MT) pede providências na região.

G1 foi ao local do acidente no ano passado.


O administrador executivo regional da Fundação Nacional dos Índios (Funai) em Colíder (MT), Megaron Txucarramae, fechou o local onde o Boeing da Gol caiu, em setembro de 2006, e reclamou que a empresa aérea não retirou os destroços da aeronave, na reserva Kapot/Jarina. Cento e cinqüenta e quatro pessoas morreram no acidente aéreo.

Após dois anos da tragédia, o índio afirmou ao G1 que vai refazer o pedido para a presidência nacional da fundação para que entre em contato com a Gol. "Já pedimos para tirar os destroços de lá. Aquilo polui a mata e a água dos córregos. Já pedimos para a Funai fazer isso. A Gol ainda não nos procurou", disse Megaron.

No ano passado, o cacique da aldeia Piaruçu, Bedjai Txucarramae, disse que o acesso ao local seria fechado e só seria reaberto para a retirada dos destroços.

A assessoria de imprensa da Gol informou ao G1, na noite de sexta-feira (26), que os destroços foram retirados, mas não falou sobre a data da remoção. Megaron, no entanto, disse que ninguém entrou na reserva indígena desde novembro do ano passado e que os destroços permanecem no local.

O índio disse que não volta à Reserva Kapot/Jarina desde novembro de 2007 e que o acesso ao local permanece proibido. "Não vamos fazer nenhuma celebração em memória aos mortos no acidente, como fizemos no ano passado."

Expedição de um ano

O G1 esteve no local do acidente da Gol no ano passado e acompanhou uma expedição com Marcos Antonio Marinho Silva, de 52 anos, marido da médica Ana Maria Caminha Maciel Silva, uma das 154 vítimas do vôo 1907.

Ele não participou da viagem organizada pela Aeronáutica, em que parentes sobrevoaram o local do acidente e nem da missa celebrada na Fazenda Jarinã, em Peixoto Azevedo (MT), que serviu de base estratégica para as operações de resgate dos corpos na mata.

Fonte: G1

Familiares de vítimas do acidente da Gol procuram ajuda psicológica

Boeing caiu em região de mata fechada, em MT, há dois anos.

Professora diz que filhos passaram a ter medo de andar de avião.


A queda do Boeing da Gol que fazia o vôo 1907, em 29 de setembro de 2006, marcou o início da crise aérea no país e mudou a vida de muitos brasileiros. A aeronave caiu em uma região de mata fechada no Norte de Mato Grosso, depois de bater em um jato Legacy. Cento e cinqüenta e quatro pessoas morreram. Parentes das vítimas contaram ao G1 o que fizeram para tentar se adaptar à rotina depois da tragédia.

Avião da Gol caiu em área de mata fechada, em setembro de 2006

O acidente provocou a perda de uma pessoa querida para a professora e psicóloga Ester Beyer, 45 anos. Ela perdeu o marido Hugo Otto Beyer, 49 anos. Acostumada, por razões profissionais, a fazer constantes vôos nacionais e internacionais, ela se viu diante de um novo desafio em sua vida quando teve de optar por continuar o trabalho ou se abater e ficar em casa.

“Eu e meu marido sempre tivemos uma vida profissional muito agitada, principalmente com viagens de avião. Com o acidente, tive receio de voar. Eu tive de escolher entre parar de trabalhar, pois não conseguiria fazê-lo sem os vôos, ou me adaptar à nova rotina”, disse Ester, que trabalha com música para bebês na Universidade Federal do Rio Grande do Sul.

Ela disse ao G1 que optou por uma ajuda psicológica, até os dias atuais, para continuar a trabalhar e cuidar dos dois filhos, que também sofreram com a morte do pai. “Faço terapia intensiva até hoje, mas o problema maior ocorreu com meus filhos. A mais nova (Débora) tinha 11 anos quando tudo aconteceu. Ela não queria me deixar voar mais. Quando ela tinha 12 anos, aconteceu o acidente com o avião da TAM. Foi um drama”, afirmou Ester.

Rituais para perder medo de avião

A professora lembra que a solução imediata que encontrou para cuidar da filha foi levá-la junto com ela aos compromissos que demandavam deslocamento aéreo. “Ela passou a ter medo de avião e adotou alguns rituais para conseguir suportar o vôo. Quando tivemos de ir à Itália, por exemplo, minha filha colocava tampão nos ouvidos, fechava a janela, mascava chiclete e lia livros com frases positivas. Tudo isso para lidar com a situação”, afirmou Ester.

“O meu filho, Samuel, tem 20 anos hoje. Quando o acidente aconteceu, ele tinha 18. Naquela época, ele viajaria para a Alemanha, onde passaria um tempo. O pai antecipou o vôo para ficar um dia com ele, mas não teve oportunidade de fazer isso por conta do ocorrido. A cabeça de meu filho ficou bastante confusa”, lembrou a professora.

Ester disse que o filho só voou duas vezes após o acidente. “Ele foi até Brasília acompanhar de perto a investigação do caso. Foi e voltou. Depois disso, nunca mais entrou em um avião. Foi tudo muito traumático e ainda é. A perda é muito grande. Temos muita fé, nos apegamos em Jesus Cristo.”

Força na dor das famílias

É triste, porque as coisas não foram resolvidas por completo ainda. Não pensamos só em nós, em nossa família, pensamos no sistema aéreo como um todo. Outras famílias, que não sofreram perdas como nós, voam pelo país e outros países, assim como nós também não podemos deixar de viajar”, disse Neusa Felipetto Machado, 58 anos, viúva de Waldomiro Henrique Machado, 61 anos.

Neusa disse que cada dia que passa sente uma dor maior. “Cada minuto é mais angustiante que o outro. Sempre buscamos forças de um e de outro, em outras famílias que também sentem a mesma dor. Encontramos forças, neste dois anos, na esperança de um futuro melhor, mas a tristeza ainda é muito grande”.

Ela revelou ainda que o fato de ter três filhos também é uma das razões para ter coragem e enfrentar o dia-a-dia. “Os meus filhos são uma herança rica que meu marido deixou (Machado). Hoje, felizmente, tenho quatro netos. Um deles faz pouco tempo que nasceu. Isso nos dá uma alegria muito grande”, afirmou Neusa.

'Parece que foi ontem'

Angelita Rosicler de Marchi, presidente da Associação de Familiares e Amigos das Vítimas do Côo 1907, disse que teve muita dificuldade para voltar a ter uma rotina. "Parece que foi ontem. Muito tempo já passou, mas é muito difícil voltar a uma rotina normal, como era antes do acidente. Tudo parece muito claro em minha cabeça", disse.

Ela é viúva do executivo Plínio Luiz Siqueira Júnior e contou ao G1 que buscou apoio psicológico para superar a falta do marido. "Tem sido de muita importância para mim. Não vejo como parar com esse tratamento por enquanto. Tinha um relacionamento, um convívio muito bom com meu marido."

Fonte: G1 - Foto: Divulgação (Bombeiros de Sinop)

Acidente do vôo 1907 completa dois anos

Tragédia evidenciou problemas no controle de tráfego aéreo do país.

Jato Legacy e Boeing se chocaram em pleno vôo e 154 pessoas morreram.



Trem de pouso do Boeing da Gol, que caiu na mata

Em 29 de setembro de 2006, um Boeing da Gol, que fazia o vôo 1907, de Manaus para Brasília, se chocou em pleno ar com um jato Legacy que seguia de São Paulo rumo aos Estados Unidos. O acidente completa dois anos nesta segunda-feira.

O Boeing caiu em uma região de mata fechada no Norte de Mato Grosso. O acidente deixou 154 mortos - incluindo passageiros e tripulantes da aeronave. O Legacy conseguiu pousar em uma base aérea no Sul do Pará. Os sete ocupantes do jato sobreviveram.

A operação de resgate dos corpos das vítimas durou 49 dias. Foi o estopim para uma crise aérea.

Os pilotos do Legacy e quatro controladores de vôo do Cindacta-1 (Brasília) foram responsabilizados pelo acidente. Os seis são acusados de atentado contra a segurança de transporte aéreo, com agravante pelas mortes, conforme denúncia do Ministério Público aceita pela Justiça. Nos próximos meses, o juiz federal Murilo Mendes deve recomeçar a ouvir depoimentos do caso. Foi o segundo maior desastre aéreo do país em número de vítimas. Em julho do ano passado, mais um acidente chocou o Brasil. Durante pouso no aeroporto de Congonhas, em São Paulo, um avião da TAM não conseguiu frear e bateu no prédio da TAM Express, causando a morte de 199 pessoas.

Veja reportagens sobre o acidente



Veja fotos da tragédia com o Boeing da Gol
Veja fotos feitas pelos bombeiros que participaram do resgate
Veja fotos da expedição ao local do acidente, um ano depois

Fonte: G1 - Foto: Divulgação (Bombeiros de Sinop)

Câmara de indenização do vôo JJ 3054 funcionará até dezembro

Famílias pediram prorrogação do atendimento, que acabaria em outubro.

Tempo para reunir documentos e término das investigações seriam razões.

Câmara de Indenização do vôo JJ 3054 da TAM teve o seu funcionamento estendido até o dia 19 de dezembro deste ano. Inicialmente, o atendimento seria suspenso em 23 de outubro, mas o prazo acabou sendo alterado a pedido dos familiares de vítimas do acidente da TAM. Entre os motivos apresentados estão o tempo necessário para reunir documentos e a espera pelo término das investigações, segundo a defensora pública Renata Tibyriçá.

"É uma prorrogação final", ressaltou Renata, que anunciou a nova data para as famílias neste domingo (28), em encontro realizado em Porto Alegre, no Rio Grande do Sul.

Instalada em abril, a Câmara é uma alternativa para a obtenção de indenização por danos morais e materiais sem a necessidade de entrar com ação na Justiça. De acordo com a defensora, até o momento, parentes de 60 vítimas procuraram a Câmara, que tem escritórios em Porto Alegre e na capital paulista. Os familiares de 25 protocolaram os pedidos. Desses, 10 já fecharam acordos e os demais estão em negociação.

Em 17 de julho do ano passado, o Airbus A320, proveniente de Porto Alegre, bateu contra um prédio da TAM Express após tentar aterrissar no Aeroporto de Congonhas, na zona sul de São Paulo. Morreram 199 pessoas.

Fonte: Agência Estado

Testemunha relembra maior acidente aéreo de Campina Grande

De longe, é possível ver uma imensa cortina de fumaça formada nos céus da cidade. As chamas atingem mais de 300 metros de altura. Minutos depois, dezenas de viaturas partem em alta velocidade e atravessam as ruas que dão acesso ao aeroporto Presidente João Suassuna, em Campina Grande, com as sirenes ligadas. A pista tem que ficar livre para não atrapalhar o socorro das vítimas. Tudo parece real. As equipes do Serviço de Atendimento Móvel de Urgência (Samu), Corpo de Bombeiros, PRF, polícias Civil e Militar correm contra o tempo para realizar o resgate das vítimas de uma tragédia aérea. Os feridos, alguns com fraturas expostas, são transportados para os hospitais da cidade. Os "mortos" são levados para UML.

Felizmente, tudo não passa de um exercício de emergência aeronáutica Completo realizado pela Infraero para aferir o plano de emergência do aeroporto. No exercício feito com o máximo de realismo e o emprego de técnicas usadas nas das produções cinematográficas, é simulado a queda de uma aeronave com 15 passageiros a bordo. Ao cair na pista do João Suassuna, o avião explode, provocando um grande incêndio, essa é a idéia.

Ficção e realidade fazem parte da história do aeroporto Presidente João Suassuna. Há 50 anos, aconteceu o maior acidente com a aeronave na cidade. A tragédia aconteceu em uma noite sombria de sexta-feira, 5 de setembro de 1958.

O avião de prefixo LDX do Lóide Aéreo Brasileiro caiu nas proximidades do Serrotão, a dez quilômetros do centro da cidade, matando 13 pessoas e deixando vários passageiros feridos. Entre os sobreviventes do maior acidente aéreo registrado em Campina Grande, estava o comediante cearense Renato Aragão, o Didi. Na época, Renato Aragão não era famoso. Ele era apenas um estudante de Direito que morava em Fortaleza e estudava em Recife.

O avião com 40 passageiros a bordo partiu do Rio de Janeiro. A chuva forte, neblina densa e iluminação precária foram apontados como fatores que contribuíram para a tragédia. Segundo apuraram as autoridades da época, o avião caiu após o piloto ter feito, sem sucesso, várias tentativas de pouso na pista do aeroporto João Suassuna.

Como estava chovendo, a pouca visibilidade atrapalhou o piloto. Após realizar algumas evoluções, a aeronave perdeu a altura, caindo sobre um roçado à margem esquerda da BR-230, no Serrotão. Entre os mortos, estavam o comandante e a telegrafista do avião, um médico, um arquiteto e um gerente do Banco do Brasil.

Resgate

O resgate das vítimas foi feito por policiais do Corpo de Bombeiros para os hospitais Pedro I, Pronto Socorro e Ipase. "Eu lembro que foi grande a correria na redação do jornal. As fotos eram terríveis", recordou o jornalista Joel Carlos, que na época trabalhava como repórter do Diário da Borborema.

Testemunha do acidente ajudou no socorro às vítimas

Aos 82 anos, o agricultor Francisco Basílio da Cunha, provavelmente a única testemunha viva do acidente com o LDX do Lóide Aéreo Brasileiro, revelou que no final tarde e começo da noite de 5 de setembro de 1958, ajudou os bombeiros a juntar os pedaços das vítimas da tragédia aérea. "Seu Chico" como é chamado o agricultor, tinha 32 anos no dia do acidente. Ele disse que naquele sombrio final de tarde, começo de noite, estava na roça com enxada na mão limpando mato, quando ouviu um forte estrondo.

O agricultor, que morava na fazenda Edson do Ó, localizada no Serrotão, saiu correndo e se deparou com os estragos. O avião, segundo ele, havia se partido em três partes com o impacto. Os passageiros atirados para fora, alguns despedaçados. Francisco foi uma das primeiras pessoas a se aproximar do local onde ocorreu a tragédia. Ao ver o avião despedaçado e os mortos e feridos, Francisco Basílio saiu correndo e foi chamar o seu pai, José Ribeiro da Cunha.

Minutos depois, chegou a guarnição do Corpo de Bombeiros, comandada pelo sargento José Rulfino. A cena era muito forte. Mesmo com a memória falhando devido o tempo, Francisco relembra as horas de horror. Francisco disse que ajudou os bombeiros a juntar os mortos. O pai dele também ajudou os bombeiros no trabalho de resgate.

Os feridos foram levados para os hospitais de Campina Grande em estado grave. Como o local era de difícil acesso, os bombeiros tiveram muita dificuldade para fazer o resgate.

Falando com dificuldade, Francisco Basílio, hoje aposentado, relembra que no dia da tragédia muitas pessoas se aproveitaram para saquear o avião carregando objetos pertencentes aos passageiros.

O agricultor, que tem cinco irmãos, sendo que apenas dois estão vivo, disse que passou toda a sua vida lembrando da tragédia. Casado pela segunda vez, pai de seis filhos, todos morando em São Paulo, Francisco Basílio não tem dúvida de que ele é uma das poucas testemunhas vivas do maior acidente aéreo ocorrido em Campina Grande. "Muitas pessoas que viram o acidente já morreram. Eu estou aqui, até quando Deus quiser", brincou.

A agricultora Maria José Gomes da Silva era criança no ano da tragédia. Ela conheceu Francisco Basílio anos depois e cresceu ouvindo as histórias de heroísmo do agricultor.

No local exato em que aconteceu o acidente foi construído um oratório e uma cruz onde muitas pessoas rezam e pagam promessa. O local foi batizado de "capela do avião". A agricultora Maria José dos Santos Oliveira, uma das mais antigas moradoras do Serrotão, é uma das pessoas que costuma rezar na capelinha construída no local da tragédia aérea.

Por: Severino Lopes (Diário da Borborema)

Fontes: Redação Clube FM / Fabio Remy

domingo, 28 de setembro de 2008

Missão tripulada chinesa retorna à Terra com sucesso

Nave aterrissou no domingo (28) na região autônoma da Mongólia Interior.

Astronautas terão que passar por período de isolamento.


O módulo de volta da nave Shenzhou 7 aterrissou, neste domingo (28), sem contratempos em uma pradaria da região autônoma chinesa da Mongólia Interior com seus três astronautas a bordo, completando assim com sucesso a terceira missão tripulada da China, segundo informou a televisão estatal chinesa "CFTV".

A televisão nacional, que acompanhou a viagem dos astronautas Zhai Zhigang, Liu Boming e Jing Haipeng desde que decolaram para o espaço, transmitiu as imagens do módulo caindo em pára-quedas e pousando com relativa suavidade por volta das 17h38 hora local (6h38 no horário de Brasília).

A aterrissagem, que segundo os responsáveis do programa espacial chinês tinha certo risco para os astronautas, foi observada com atenção pelo primeiro-ministro chinês, Wen Jiabao.

Wen e outras autoridades presentes aplaudiram quando o módulo tocou terra e quando, 10 minutos depois, as equipes de resgate abriram a comporta e mostraram um dos astronautas, Liu Boming.

Ele e os outros dois astronautas terão que passar ainda um tempo no interior da nave até que se readaptem à gravidade.

Se tudo caminhar como o previsto, amanhã eles viajarão para Pequim, onde esperam uma recepção de heróis nacionais.

De qualquer forma, os três terão que passar um período de isolamento, que se calcula em pelo menos 15 dias.

A missão, que foi atrasada um ano para coincidir com os Jogos Olímpicos de Pequim, foi a primeira à qual os chineses alcançaram com sucesso uma atividade extraveicular, manobra que até agora só tinha sido realizada por missões americanas e russas.

As imagens do astronauta Zhai cumprimentando no sábado milhões de telespectadores chineses e ondeando uma bandeira chinesa no espaço entrarão para a história do país, que planeja mandar novas naves "Shenzhou" nos próximos anos.

Foto: EFE

Parentes prestam homenagem às vítimas de acidente da TAM em Porto Alegre

Inquérito sobre acidente aéreo deve ser concluído até o fim de outubro.

Manifestação foi na manhã deste domingo no Aeroporto Salgado Filho.



Parentes das vítimas do vôo da TAM fizeram uma manifestação no final da manhã deste domingo (28) no Aeroporto Salgado Filho, em Porto Alegre.

Reunidos desde sábado (27) no Hotel Embaixador, cerca de cem pessoas foram ao balcão de embarque da TAM conversar com passageiros e cobrar o esclarecimento do acidente que matou 199 pessoas em 17 de julho, em São Paulo.

O grupo carregava cartazes com fotos da vítimas e pedia maior comprometimento da TAM com os usuários.

Antes do manifesto, o grupo reuniu-se no Largo da Vida, uma rotatória próxima ao aeroporto, onde foi construído um memorial e plantadas árvores em homenagens aos mortos. Lá, deixaram rosas e fizeram orações.

Durante o encontro do final de semana, o delegado Antônio Carlos de Menezes Barbosa, da Polícia Civil de São Paulo, que investiga o acidente, informou aos familiares que pretende concluir o inquérito sobre o caso até o fim de outubro.

Fonte: G1 / ClicRBS / Globonews

Quase colisão entre dois aviões na Venezuela

Um acidente aéreo esteve a ponto de ocorrer na quinta-feira (25) quando uma aeronave da empresa aérea Aserca, em que viajavam 80 pessoas e uma outra particular, de menor porte, tentavam aterrissar no Aeroporto Carlos Manuel Piar (PZO/SVPR), em Puerto Ordaz, na Venezuela.

Segundo informou Elsida de Mogollón, uma das passageiras do vôo comercial, que partiu de Barcelona às 8:40 da manhã com destino a Puerto Ordaz, a aeronave descía para a aterrissagem quando o piloto se viu obrigado a fazer uma manobra brusca para subir novamente.

"Ao estabilizar o avião, os tripulantes informaram que quase nos chocamos com outro. Que a cauda do outro avião passou por debaixo do nosso avião. Tomados pelo pânico, a única coisa que fizemos foi entregar uma carta na Assistência ao Passageiro, da INAC -Instituto Nacional de Aeronáutica Civil- e nem nos pidiram desculpas",
relatou a nervosa passageira.

Também se pôde saber que no vôo da Aserca viajava David Concepción, ex-jogador do Los Tigres de Aragua e do time norte-americano da Grande Liga "Los Rojos de Cincinnati". Ele informou que que um grupo de passageiros se comunicou com o serviço de denúncias do INAC e o caso era desconhecido no departamento.

Fontes do aeroporto disseram que o incidente se deveu a falta de reciclagem das equipes de radioajuda e à ausência de um radar na estação.

Todavia, o diretor do Servicio Autónomo de Aeropuertos Regionales do estado (SAAR Bolívar), César Escobar, que disse ao chegar ao local vindo de uma viagem a Santa Elena de Uairén, expressou que a informação é "totalmente falsa".

"Ambos os aviões estavam aterrissando, se encontravam a 20 milhas náuticas do aeroporto, o que pode tratar-se de uma falha humana porque não havia comunicação entre as aeronaves", informou via telefone - seguindo os dados que lhe foram passados pelo aeroporto.

Em qualquer dos casos, este último, se soma as eventualidades que tem ocorrido no Aeroporto Carlos Manuel Piar nas últimas semanas. Cabe recordar que esta instituição conta com o certificado de qualidade ISO-9000, reconhecido mundialmente.

Fonte: Correo del Caroní (Venezuela)

DJ AM deixa o hospital após sobreviver a acidente aéreo

Músico está bem de saúde, mas ainda muito abatido por causa da morte dos demais tripulantes da aeronave

Menos de uma semana após se envolver num acidente aéreo que resultou na morte de quatro pessoas, o DJ AM deixou o hospital nesta sexta-feira, 26, nos EUA.

Apesar da alta, o músico ainda está muito abatido, em estado de choque por causa da morte dos companheiros. O outro sobrevivente, Travis Barker, ex-baterista do Blink 182, deverá deixar o hospital em duas semanas. As informações são do site X17online.

Policial explica como Travis Barker e DJ AM sobreviveram a acidente

O acidente de avião sofrido pelo ex-baterista do Blink 182, Travis Barker e seu amigo, DJ AM (Adam Godlstein) na última sexta-feiram, 19 de setembro, deixou muita gente surpresa. Isso porque a queda matou quatro pessoas e os dois fora os únicos sobreviventes, com queimaduras de segundo e terceiro grau.

O tenente Josh Shumpert, do departamento de polícia da Carolina do Sul, explicou à revista "People" como os dois escaparam da morte.

"Travis e Adam me disseram que eles rolaram para o lado direito do avião e que estavam pegando fogo. Quando cheguei ao local, eles já estavam do outro lado do rodovia", contou o policial, que disse também ter encontrado Travis bem desidatrado.

Já para os médicos que atenderam Travis e AM, a reação rápida salvou os músicos da morte. "Barker e AM gozam de boa saúde e não sofreram ferimentos graves. A expectativa é que eles tenham uma recuperação sem seqüelas", disse o doutor Fred Mullins, médico do centro de queimaduras Joseph M. Still.

O DJ AM teve 12% do seu corpo queimado, e Travis Barker sofreu queimaduras no torso e nos membros inferiores.

Fonte: EGO (G1)

Aéreas brasileiras tiveram perda de R$ 1,27 bilhão em 2007, diz Anac

Agência Nacional de Aviação Civil divulgou relatório na sexta.

No ano anterior, as empresas tinham perdido R$ 173 milhões.


As companhias aéreas brasileiras registraram perdas de R$ 1,27 bilhão em 2007, segundo a Agência Nacional de Aviação Civil (Anac). No ano anterior as empresas tinham perdido R$ 173 milhões. A agência divulgou nesta sexta-feira (26) o Anuário do Transporte Aéreo de 2007 – Dados Econômicos.

Segundo a nota à imprensa divulgada pela Anac, no segmento doméstico, o desempenho foi afetado pela política agressiva de tarifas, enquanto que no setor internacional o principal impacto foi causado pelo fim das operações do Grupo Varig.

O Anuário traz discriminados por empresa dados de despesas, receitas, oferta de assentos e ocupação, quilômetros voados, lucratividade, entre outros. Também podem ser encontradas no Anuário as demonstrações financeiras das empresas aéreas brasileiras.

Foram 23 as empresas regulares que encaminharam dados para o Anuário Econômico: Abaeté, ABSA, Air Minas, Cruiser, Gol, MasterTop, Mega, NHT, Nova Varig, OceanAir, Pantanal, Passaredo, Puma, Rico, Sete, SkyMaster, TAF, TAM, Team, Total, Trip, VarigLog e Webjet.

Ainda segundo a nota, até o fechamento do Anuário Econômico, a Anac não havia recebido qualquer informação da BRA e da Meta, bem como as Demonstrações Financeiras da Team.

Fonte: G1

Varig tem caixa negativo de R$ 2,7 milhões

A Varig, que permanece em recuperação judicial sob o nome de Flex, inicia o mês que vem com um caixa negativo de R$ 2,7 milhões, o que na teoria poderia significar sua falência. O resultado permanecerá no vermelho até julho de 2009, quando o caixa da empresa deverá estar com saldo negativo de R$ 28,6 milhões.

As projeções constam do último relatório sobre a recuperação judicial entregue no final de agosto, com dados de julho. A Flex não se pronuncia sobre o assunto.

De acordo com fontes do setor, porém, a Flex deverá ganhar uma sobrevida até dezembro, pois deve receber receitas extras de renegociações de apólices de seguros e de serviços prestados a outras empresas, por exemplo.

No relatório, a Flex informa que ainda tenta negociar uma dívida de R$ 814,5 milhões referentes a créditos de Imposto sobre Circulação de Mercadorias e Serviços (ICMS) não repassados por diversos Estados brasileiros, além de cerca de R$ 48 milhões da VarigLog.

Há chances de a Flex receber até US$ 2,3 milhões até dezembro, conta uma fonte do setor aéreo. Desse total, US$ 1,5 milhão poderá ser obtido com a renegociação de apólices de seguros de aeronaves. A empresa estava pagando por seguros de aviões que não usava mais. Outros US$ 800 mil poderão ser obtidos com o pagamento de serviços prestados a outras empresas aéreas.

Conta não fecha

"A receita da empresa é absorvida e acaba ficando negativa por causa de outras despesas que a empresa tem, como o parcelamento de dívidas fiscais. A conta acaba não fechando", afirma uma fonte do setor aéreo.

De acordo com essa fonte, só de parcelamento de débitos fiscais a Flex gasta entre R$ 400 mil a R$ 600 mil por mês.

O Estado brasileiro que mais deve créditos de ICMS à Flex é São Paulo, com R$ 240,3 milhões. A segunda maior dívida era a do Rio de Janeiro, com R$ 198 milhões, mas o Estado fez o repasse desse valor para a companhia. O terceiro maior débito é do Estado do Amazonas, com R$ 69,5 milhões.

Fonte: Agência Estado

Problemas técnicos obrigam avião da TAM a retornar a Guarulhos

Um problema técnico obrigou um avião da empresa aérea TAM a interromper o vôo para Porto Alegre e retornar ao Aeroporto Internacional de Guarulhos, na região metropolitana de São Paulo, na tarde de sexta-feira (26).

A aeronave Airbus A320-231, prefixo PT-MZO (cn 250), que fazia o vôo JJ 3055, partiu do Aeroporto de Congonhas às 15h45, com destino ao Aeroporto Internacional Salgado Filho, em Porto Alegre (RS). Segundo umas das passageiras a bordo do avião Vanderlice Dias Jardim, cerca de 30 minutos após a decolagem o comandante avisou pelo sistema de som que voltaria a São Paulo devido a um problema de vazamento de óleo.

- Inicialmente, as pessoas permaneceram calmas, mas aí as luzes começaram a piscar e o avião parecia não conseguir se estabilizar, como se estivesse enfrentando turbulência, contou Vanderlice. Segundo ela, o piloto voltou a se comunicar com os passageiros e comentou que havia um "probleminha no motor".

O Airbus PT-MZO sobre o Aeroporto de Guarulhos em janeiro de 2005

Em nota, a TAM confirma que houve sim um "problema técnico", sem dar mais detalhes. A empresa garante que o pouso em Guarulhos ocorreu normalmente, mas Vanderlice critica a "falta de atenção" da companhia.

- Ao pousarmos, a pista estava repleta de carros de bombeiros e ambulâncias. A TAM nos colocou em ônibus e nos levou até outro avião. A empresa, no mínimo, deveria ter nos levado a uma sala, nos perguntado se estávamos bem e se tínhamos condições de voar, comentou Vanderlice.

- O que nos deixa mais indignados é a falta de preparo e de cuidado com a vida, além da falta de humildade de reconhecerem seus erros [aos passageiros].

Esposa de umas das vítimas do acidente com com o Airbus A320 da TAM, ocorrido no Aeroporto de Congonhas, em 17 de julho do ano passado, Vanderlice viajava para Porto Alegre para participar do encontro que a Associação das Famílias e Amigos das Vítimas do Vôo TAM JJ3054 realiza neste final de semana.

Para a Agência Nacional de Aviação Civil (Anac), o procedimento de retorno e de pouso estão dentro dos padrões. Segundo a assessoria da agência, nenhum passageiro registrou qualquer reclamação nos aeroportos de São Paulo ou de Porto Alegre. A Empresa Brasileira de Infra-Estrutura Aeroportuária (Infraero) diz ter acionado o sistema de emergência do aeroporto a pedido do próprio piloto, que informou à estatal que enfrentava problemas no motor.

Fonte: Agência Brasil - Foto: Eduardo França

Nota do Autor

Resumo da "ópera": o Airbus da TAM decolou, apresentou o problema, o piloto cortou o motor e retornou, voando monomotor sobre a cidade de São Paulo e acionando os equipamentos de emergência. Procedimentos ok, mas o fato de a empresa ter um elevado número de ocorrência do gênero, levanta a suspeita sobre a qualidade da manutenção de suas aeronaves. Mais uma vez, torcemos para que os "experts" da área e os "torcedores" da TAM não critiquem as manifestações dos passageiros, que, reitero, são clientes e não têm nenhuma obrigação de ter conhecimento técnico para achar tudo "normal".

Laudo do IC sobre acidente da TAM já foi concluído, diz associação

O laudo do Instituto Nacional de Criminalística sobre o acidente com o vôo JJ3054 da TAM já foi concluído e o delegado responsável pelo inquérito policial, em andamento em São Paulo, promete apresentar suas conclusões ao Ministério Público Federal na capital paulista no próximo mês.

Ao participar neste sábado, do encontro de parentes e amigos das vítimas da tragédia, que ocorre em Porto Alegre, no Rio Grande do Sul, o delegado Antônio Carlos Barbosa prometeu concluir seu relatório durante os dias de férias que pretende tirar a partir do início do próximo mês. As informações foram repassadas à Agência Brasil pelo jornalista Roberto Gomes, irmão de uma das vítimas do acidente.

Segundo Gomes, assessor de imprensa voluntário da Associação dos Familiares das Vítimas do Vôo JJ 3054, o delegado reafirmou aos parentes das vítimas que embora possam não ter sido as principais causas do acidente, as condições da pista do Aeroporto de Congonhas e o descumprimento de normas de segurança, como a que proibia que aviões com problemas no reverso pousassem em Congonhas em dias de chuva, contribuíram para que o Airbus A320 não conseguisse parar, atravessando toda a pista e indo se chocar com o prédio onde funcionava o terminal de cargas da própria TAM.

Ainda de acordo com Gomes, o delegado confirmou informação divulgada pela revista IstoÉ deste fim de semana. A publicação diz que teve acesso a relatório confidencial em que técnicos do Instituto de Criminalística concluem que, depois de o piloto tentar pousar a aeronave, o sistema automático de frenagem do avião teria respondido de forma “inesperada”, consequência da não-abertura dos freios aerodinâmicos (spoilers) durante o pouso.

Gomes, no entanto, afirmou que, a partir das informações registradas pelo computador de bordo do avião, o delegado sugeriu que os spoilers teriam deixado de abrir devido ao posicionamento assimétrico das manetes.

Pelo registro do computador, no instante do pouso uma das manetes estava em posição de acelerar (climbing) e a outra em ponto morto (idle). Dessa forma, houve uma descompensação que impulsionou o avião para o lado esquerdo da pista.

- A pergunta é até que ponto esse registro está correto e até que ponto pode ter havido uma interpretação equivocada por parte do computador? - questionou Gomes.

Na última reunião dos parentes das vítimas, realizada no mês passado em Brasília, o perito do Instituto de Criminalística, Antônio Nogueira, afirmou que não era possível dizer que as manetes das aeronaves estivessem na posição errada no momento do pouso.

“Com o que sobrou do mecanismo das manetes, não dá para determinar a posição delas. Pela interpretação da caixa-preta, a única coisa que dá para determinar é que uma [manete] ficou em climb e outra acionou para máximo reverso”.

Na ocasião, o perito disse preferir não fazer suposição sobre se houve ou não falha do piloto.

Fonte: JB Online / Agência Brasil

Envie o seu nome para a órbita terrestre

A NASA promete gravar o seu nome num microprocessador, que será colocado a bordo do satélite Glory. A inscrição é gratuita.

Durante os próximos anos o seu nome poderá estar a orbitar a Terra. Em comunicado, a NASA garante enviar os dados para o espaço a todas as pessoas que o solicitem. Quem participar no projecto "Send Your Name Around the Earth" terá o seu nome gravado num microprocessador.

Este dado fará parte da carga do satélite Glory com a missão de estudar os efeitos das partículas na atmosfera, em especial dos aerossóis, e a influência do Sol no clima terrestre. O engenho será colocado em órbita terrestre em Junho de 2009.

Após efectuado o registo (com o primeiro e último nome e e-mail) os participantes recebem um certificado da NASA. A agência aceita o envio dos dados até 1 de Novembro.

Informação Adicional: Envie o seu nome

Fonte: NASA

Sistema SMILES passará por manutenção neste domingo

Manutenção ocorrerá entre 00he 18h do dia 28 de setembro.

O SMILES informa que, devido uma manutenção, seu sistema ficará indisponível entre 00h e 18h do dia 28 de setembro, domingo, impossibilitando a emissão de bilhetes prêmio pelo call Center, site e ou lojas da Varig. Para mais informações sobre reservas, o SMILES orienta aos seus clientes a procurarem a Central de Atendimento SMILES.

Após esse período, o sistema voltará a funcionar normalmente. Para quaisquer esclarecimentos, o telefone de contato da Central SMILES é, para Cartões Azul e Prata, 4003-7001* e, para Cartões Ouro e Diamante, 4003-7007*.

Para localidades não atendidas pelo serviço 4003, deverá ser feita uma ligação DDD incluindo o código 0 XX 11 antes do número da Central de Atendimento Smiles.

Perfil da SMILES

Presente em 212 países e com uma cartela de 5,9 milhões participantes, o SMILES (www.smiles.com.br) é o maior programa de milhagem da América Latina. Por meio dele, o filiado ganha milhas toda vez que voa pela VARIG ou quando contrata serviços e produtos dos parceiros do programa. Além disso, conta com vantagens como balcões de check-in exclusivos, maior franquia de bagagem e acesso às salas VIP em aeroportos.

Fonte: Portal Fator Brasil

Estados Unidos entregam aviões de vigilância ao exército iraquiano

O Iraque recebeu um "esquadrão" de aviões de vigilância americano Beechcraft para apoiar suas forças de segurança, anunciou neste domingo o ministro da Defesa iraquiano, Abdel Qader Jasem Mohamed, em um comunicado.

"O ministério recebeu a entrega de um esquadrão de aviões de vigilância Beechcraft King Air 350 nos últimos dias", destacou.

Um destes aviões sobrevoou Bagdá pela primeira vez neste domingo, acrescentou o texto, sem especificar a quantidade de aeronaves entregues nem o valor do contrato.

No início de setembro o ministério anunciou sua intenção de comprar aviões de caças F-16 fabricados nos Estados Unidos.

Segundo a imprensa americana, o ministério quer comprar 36 aviões.

Fonte: France Presse - Foto: aerospace-technology.com

Familiares de vítimas vão celebrar missas pelo país

Pelo menos três cidades vão sediar eventos no domingo e segunda.

Em 2007, parentes plantaram mudas no Jardim Botânico de Brasília.

Familiares das vítimas do vôo 1907 da Gol, que caiu em 29 de setembro de 2006, vão celebrar missas no Distrito Federal neste domingo (28). A primeira celebração será feita na Catedral de Brasília, às 10h30. Os parentes voltarão a se encontrar no Jardim Botânico, às 16h.


Missa realizada no Jardim Botânico, em Brasília, no ano passado

Na segunda-feira (29), os familiares participarão de uma missa na Igreja Nossa Senhora das Mercês, em Manaus, às 19h. Em Campinas (SP), uma missa será celebrada na Igreja Nossa Senhora do Rosário, às 19h. Uma outra celebração será feita em espaço aberto, mas em horário a ser confirmado.

Segundo Angelita Rosicler, presidente da Associação de Familiares e Amigos das Vítimas do Vôo 1907, os eventos marcam dois anos da queda da aeronave e têm o objetivo de chamar a atenção das autoridades e da população. "Não podemos deixar que esse acidente caia no esquecimento."

No Jardim Botânico, no ano passado, os familiares plantaram mudas que representam as 154 vítimas. "Vamos voltar ao local para ver como estão as árvores. Acredito, também, que outras famílias rezem missas pontuais", disse Luciana Siqueira, que faz parte da diretoria da associação.

Fonte: G1 - Foto: Roosewelt Pinheiro (Agência Brasil)

Gol afirma que indenizou 76 famílias de vítimas do vôo 1907

Acordos beneficiam 231 pessoas, segundo companhia aérea.

Valor varia de acordo com número de dependentes das vítimas.


Dois anos após o acidente com o Boeing da Gol, que ocorreu em 29 de setembro de 2006 e provocou a morte de 154 pessoas, a companhia aérea informou que fechou acordo de indenização com 76 famílias de vítimas. Os valores não foram divulgados pela Gol, que alega preservar a privacidade e segurança dos parentes.

Familiares de vítimas, no entanto, informam que o valor médio indenizações é de R$ 1 milhão. "Isso varia de acordo com os beneficiários. É avaliado se a vítima deixou pai, mãe, filhos, marido ou mulher e se eram dependentes de quem sofreu o acidente", disse o advogado Leonardo Amarante, que intermediou 42 desses acordos.

A Gol informou ainda que foi procurada por 91 famílias de vítimas para tentar negociar ressarcimentos. Ainda segundo a companhia aérea, as indenizações fechadas beneficiam 231 pessoas. Até setembro de 2007, a companhia havia fechado acordo com 32 famílias, beneficiando 82 pessoas.

Justiça

Na esfera judicial, a primeira decisão sobre indenização no caso do vôo 1907 da Gol saiu no dia 31 de agosto de 2007, no Rio de Janeiro. A companhia aérea foi condenada a pagar indenização por danos morais e materiais. A família da vítima Quézia Gonçalves Moreira, de 21 anos, foi beneficiada com decisão de valor superior a US$ 1 milhão. Cada um dos três integrantes da família deveria receber cerca de R$ 380 mil, mais pensão de cerca de R$ 1 milhão.

A ação foi julgada, em primeira instância, na 48ª Vara Cível pelo juiz Mauro Nicolau Júnior. A decisão servirá de base para outros julgamentos com relação ao acidente.

A Gol entrou com recurso, que foi analisado em dezembro do mesmo ano. Os desembargadores da 15ª Câmara Cível do Tribunal de Justiça do Rio de Janeiro decidiram pela redução a um quinto do valor da indenização. O valor a ser calculado deve passar de mil salários mínimos, como previsto na primeira instância, para 200 salários mínimos por parente.

O advogado da família, João Tancredo, entrou com recurso no Superior Tribunal de Justiça (STJ).

Fonte: G1

Estrondos causados por aviões militares assustam Espanha

Dois estrondos ensurdecedores sacudiram na sexta-feira (26) pela manhã as janelas e assustaram os moradores de Málaga, no sul da Espanha. Houve o temor de que se tratava de um ataque terrorista, porém as autoridades informaram que o barulho foi causado por dois caças Eurofighter que romperam a barreira do som a a 37.000 pé de altitude.

Os habitantes de Málaga temeram por um ataque do ETA, especialmente após o grupo separatista basco retomar suas ações, com vários atentados. Um deles, na segunda-feira, matou um militar no norte do país.

"Fiquem tranqüilos", aconselhou um porta-voz do Ministério do Interior à população. "Um avião que voava mais baixo que o normal rompeu a barreira do som e fez esse barulho enorme", relatou.

Os estrondos ocorreram perto das 9h40 da manhã, hora local. Os aviões participavam de um exercício aéreo na região denominado "Sirio".

Um Eurofighter Typhoon da Força Aérea Espanhola

Fontes: Associated Press / El Mundo (Espanha) - Foto: armas.es

Saiba mais sobre o Eurofighter Typhoon

O Eurofighter Typhoon é um caça de superioridade aérea e será utilizado na Europa por: Inglaterra, Itália, Espanha, Alemanha; também foi encomendado pela Arábia Saudita. O Typhoon assumirá a posição de vários aviões de combate, sendo eles o Panavia tornado IDS/F3, o F4 Phanton alemão, O F104 starfighter italiano e o Mirage F1 Espanhol, e isso dá para se ter uma idéia da responsabilidade que esse novo caça terá que levar em suas costas. Esse avião sofreu de pesados obstáculos políticos e financeiros durante seu desenvolvimento fazendo aumentar o seu custo para € 88.4 milhões por unidade. Mas passada a tempestade esse caça já está com encomenda feita pelos 5 países citados no começo desse trabalho.

O Typhoon foi concebido para a alta manobrabilidade e elevado índice de potência para se dar bem em combates aéreos fechados, e também está equipado para superar seus inimigos em combates além do alcance visual (BVR), através de seu radar ECR-90 que é capaz de apresentar 12 alvos mostrar qual é o mais perigoso, e atacar 8 simultaneamente com mísseis AIM 120 Amraam ou o novo míssil Meteor que tem alcance de +100km. O ECR-90 possui um alcance máximo de 370 km contra alvos vindo do alto ou 175 km contra alvos vindos de baixo. Apesar de tudo isso é interessante notar que o radar ECR-90 é de varredura mecânica como os radares atuais, mas existe um programa anglofrancês para o desenvolvimento de uma antena de varredura eletrônica ativa (AESA) que será usado pelo Typhoon e pelo Rafale francês na futura versão F-3.

Motores

A propulsão do Typhoon é feita por dois motores Eurojet EJ-200, cujo empuxo máximo é de 9000 kgf, com a pós-combustão, e 6000 kgf com empuxo seco. Este moderno motor, teve seu desenvolvimento feito em paralelo com desenvolvimento do Typhoon. Quando o primeiro protótipo do Typhoon estava pronto, os motores, ainda não tinham sido entregues, sendo que acabaram por instalar a mesma turbina dos Tornados neste protótipo, a RB-199 para iniciar os testes

Curiosidade

Alguns o chamam de EF-2000 porém EF segundo o padrão americano significa Eletronic warfare fighter(caça de guerra eletrônica) mas EF é Eurofighter.

Descrição

Missão Interceptar aeronaves inimigas
Tripulação 1 (piloto)

Dimensões

Comprimento 15,96 m
Envergadura 10,95 m
Altura 5,28 m
Área (asas) m²

Peso

Tara 11.000 kg

Propulsão

Motores 2 motores EJ-200
Força (por motor) 90 kN

Performance

Velocidade máxima 2.510 km/h (Mach: 2.0)
Alcance bélico km
Alcance 2780 km
Teto máximo 19.812 m
Relação de subida 15.240 m/min

Armamento

Metralhadoras Um canhão Mauser MK 27 de 27 mm
Mísseis/Bombas mísseis AIM120 Amraam, Meteor, Sidewinder, Asraam, IRIS-, Sidewinder, Asraam, IRIS-T / mísseis Storm Shadow, Taurus MAW, Brimstone ( Hell Fire) Bombas Guiadas a laser

Alcance do radar: 175km
Razão de rolamento: 240°/s
Taxa de giro: 31°/s
Fator de carga: 9Gs

Fonte: Wikipédia - Foto: Eurofighter

Infraero faz simulação de acidente aéreo no Aeroporto de Guarulhos

A Infraero promoveu simulações de acidentes áereos no Aeroporto Internacional de São Paulo, em Guarulhos (SP), e no Aeroporto Santos Dumont, no Rio de Janeiro, na sexta-feira (26). O objetivo da estatal foi checar o plano de emergência, os sistemas disponibilizados e os recursos envolvidos em caso de acidente.

Em Guarulhos, mais de 300 pessoas de diversas áreas da comunidade aeroportuária participaram do exercício. Uma das empresas aéreas que opera no terminal cedeu uma aeronave para figurar no cenário. Cerca de 50 soldados da Base Aérea de São Paulo atuaram como vítimas. A simulação, que ocorreu das 13h até as 14h10, não afetou o funcionamento do aeroporto.

Do total de participantes, 150 eram formandos do Corpo de Voluntários de Emergências (CVE), grupo que recebe treinamento e formação para atendimentos de primeiros socorros em caso de acidente aéreo.

Fonte: Terra - Fotos: Reuters

Bombeiros simulam acidente com quatro aviões no Santos Dumont


Com o objetivo de treinar e analisar o tempo-resposta das equipes envolvidas numa situação de emergência provocada por um acidente aéreo no Aeroporto Santos-Dumont, o Serviço de Atendimento Móvel de Urgência (Samu-Rio) e o Grupamento de Socorro de Emergência (GSE), do Corpo de Bombeiros, participaram, na sexta-feira (26), do Exercício de Emergência Aeronáutica Completo (Exeac). A ação, organizado pela Infraero, envolveu quinze pessoas e cinco ambulâncias. Na simulação, uma aeronave com 40 pessoas a bordo apresentou problemas técnicos e colidiu com outros três aviões.

Depois do simulado, os procedimentos do plano de emergência foram avaliados no Auditório Eider da Rosa Mesquita. O exercício constituiu da simulação de um acidente de média gravidade, no qual uma aeronave, com 35 passageiros e 5 tripulantes, procedente de São Paulo, atingiu três outros pequenos aviões, estacionados no canteiro de estadia do aeroporto, depois de perder o controle ao colidir e engolir uma ave quando pousava na pista principal do Santos-Dumont.

Segundo a Infraero, o Exeac tem por objetivo aferir a eficácia do Plano de Emergência do Santos-Dumont e promover o treinamento e a integração das pessoas e órgãos públicos e civis envolvidos no atendimento a vítimas de acidente aéreo. O simulado também serviu para a verificação do grau de aproveitamento dos voluntários de emergência, recrutados entre funcionários da estatal, em curso ministrado entre 22 e 25 de setembro.

– A participação do Samu-Rio e do GSE, a convite da Infraero, serviu para avaliarmos o tempo-resposta des nossas equipes no caso de um acidente real e as nossas dificuldades operacionais com relação ao atendimento, à triagem e ao transporte das vítimas do desastre – explicou a major bombeiro Rosemary Provenzano, para quem nenhum aeroporto no mundo tem condições de sozinho socorrer muitas vítimas.

Além do destacamento de bombeiros existente no Santos-Dumont, em caso de um desastre, entram em ação as equipes especializadas do Samu e do GSE. Se o acidente for muito grave, outras equipes igualmente especializadas da Defesa Civil e do próprio Corpo de Bombeiros também são mobilizados pela divisão da corporação responsável pelo gerenciamento e gestão de desastres, explicou a major.

– Com esses exercícios estamos cumprindo normas internacionais, pelas quais todos os aeroportos têm de treinar e formar corpo de voluntários de emergências. Anualmente, é feito um desses exercícios para formar novos voluntários e reciclar. Quem já fez mais desses treinos há mais de cinco anos já está preparado para situações de emergências aeronáuticas – declarou o superintendente do Aeroporto Santos-Dumont, Luiz Carlos Petronilho.

Fonte: JB Online - Foto: Ignácio Ferreira

Saiba mais sobre o satélite português PoSAT-1

O PoSAT-1 é o primeiro satélite português e entrou em órbita em 26 de Setembro de 1993, por volta das 2h45, hora de Lisboa. O Satélite foi lançado para o espaço através do foguetão Ariane 4; o lançamento foi no Centro Espacial de Kourou, na Guiana Francesa. 20 minutos e 35 segundos após o lançamento e a 807 km de altitude, o PoSAT-1 separava-se do Foguetão.

O PoSAT-1 pertence à classe dos micro-satélites, que têm entre 10 e 100 kg, e pesa cerca de 50 kg. Todo este projecto foi desenvolvido por um consórcio de universidades e empresas de Portugal e foi construído na Universidade de Surrey, em Inglaterra. Custou por volta de um milhão de contos (ou seja, 5 milhões de euros), 600 mil contos pagos pelo Programa Específico de Desenvolvimento da Indústria Portuguesa e 400 mil por empresas portuguesas envolvidas. O responsável máximo foi Fernando Carvalho Rodrigues, conhecido como o pai do primeiro satélite português.

A Missão

A Missão foi designada por Voo 59, onde foram lançados vários satélites, o PoSAT-1, o EyeSat e o ItamSat (Itália), o KitSat-B (Coreia), o HealthSat (da organização médica internacional Satellite), o Stella (França), mas a jóia da coroa era o satélite francês SPOT-3, um super satélite de reconhecimento fotográfico.

Composição

O PoSAT-1 é uma caixa de alumínio, em forma de paralelepípedo, com as dimensões de 35 centímetros de lado por 35 de profundidade, 58 de comprimento e 50 quilos de peso. Sobre uma gaveta-base, que contém as baterias e o módulo de detecção remota, estão empilhadas dez gavetas cheias de placas electrónicas - os subsistemas do engenho. Na parte superior do satélite encontram-se os sensores de atitude e o mastro de estabilização, instrumentos essenciais para o PoSAT-1 manter a órbita correcta.

Os quatro painéis solares estão montados nas faces laterais da estrutura do satélite, formando um paralelepípedo, que constituem a fonte de energia para todos os sistemas de bordo. Cada painéis contem 1344 células de GaAs.

Números

Velocidade: 7,3 km por segundo.
Órbita: 822 x 800 km, inclinação de 98,6º, Sol-síncrona, dura 101 minutos, faz uma média de 14 voltas às Terra.

Morte

A morte física do PoSAT-1 prevê-se para 2043. Em 2006 PoSAT deixou de comunicar com o Centro de Satelites de Sintra, o pequeno satelite anda a deriva até se desintregrar na atmosfera terreste.

VEJA TAMBÉM:

Imagem de Satélite em Tempo real (carregue em Choose satellite, e seleccione PoSAT)

Real time satellite tracking - PoSAT-1

Fonte: Wikipédia - Foto: Consórcio PoSat

Primeiro e único satélite português foi lançado há 15 anos

PoSat serviu de base à atividade aero-espacial que Portugal desenvolve atualmente

O primeiro e único satélite português, lançado há 15 anos, deixou de estar operacional em 2006, mas a experiência serviu de base à actividade aero-espacial que Portugal desenvolve actualmente, salienta um dos participantes no projecto.

«O fim da vida útil do PoSat encerrou um ciclo, mas outro estava a abrir-se desde 2001, com a adesão de Portugal à ESA», disse à Lusa José Manuel Rebordão, director do Departamento de Óptica e Lasers do INETI e delegado ao comité de política industrial da Agência Espacial Europeia (ESA).

O satélite, construído por um consórcio de empresas e instituições académicas portuguesas, com o apoio da Universidade de Surrey (Reino Unido), foi lançado a 26 de Setembro de 1993 por um foguetão Ariane em Kourou, na Guiana Francesa.

Além do INETI, onde se destacou como dinamizador Carvalho Rodrigues, o que lhe valeu a designação de pai do projecto, participaram no consórcio a Marconi, a Alcatel, a Efacec, as OGMA, o Instituto Superior Técnico e as universidades da Beira Interior e do Porto.

Durou mais do que o previsto

O satélite manteve-se operacional durante 13 anos, mais seis do que a sua vida útil prevista, e teve como cliente principal as Forças Armadas portuguesas, que antes dependiam das ondas curtas para comunicar à distância e passaram a usá-lo para contactar com missões em países como Moçambique, Angola, Bósnia e Kosovo.

Mas em 2000, com a rápida evolução neste domínio, o Ministério da Defesa substituiu esses serviços por outros mais eficientes e o satélite acabou a trabalhar para uma organização norte-americana fornecedora de telecomunicações e Internet a populações de zonas remotas do planeta.

«O que resta 15 anos depois reside nas pessoas envolvidas que facilitaram a actividade das empresas e institutos em que se inseriram quando Portugal se tornou membro da ESA, em particular a Skysoft, a Lusospace, a Efacec e o INETI», salientou José Manuel Rebordão, que é professor de Óptica na Faculdade de Ciências da Universidade de Lisboa.

Objectivos traçados «foram totalmente cumpridos»

«A Lusospace foi constituída com jovens que aprenderam com o PoSat, o actual director técnico da Skysoft começou com ele, a Efacec, que actualmente desenvolve instrumentação científica para o espaço, também ficou sensibilizada para as tecnologias espaciais com o PoSat, e no próprio INETI muita gente aprendeu tecnologias espaciais com o satélite», referiu.

Na sua perspectiva, os objectivos traçados «foram totalmente cumpridos». Acontece, acrescentou, que «o PoSat não foi avaliado de acordo com esses objectivos, mas com base noutras considerações»

«O PoSat foi construído para ser um projecto industrial de formação de engenheiros das empresas, aprendizagem dos serviços e negócios relativos ao espaço, através de uma metodologia de treino em exercício», explicou.

Contudo, «foi criticado por não ser um projecto de investigação e desenvolvimento, coisa que nunca quis ser nem podia ter sido face à composição do consórcio e à forma de financiamento».

José Manuel Rebordão acrescentou à Lusa que a equipa passou em dois anos dos oito engenheiros iniciais para um grupo de 30 pessoas prontas a prosseguir com exercícios da mesma natureza.

Fonte: IOL Diário (Portugal)

sábado, 27 de setembro de 2008

Piloto morre em queda de avião em Massachusetts, nos EUA

A queda de um avião Cesssna 402, da Cape Air, matou o piloto David Willey, de 61 anos, na sexta-feira (26).

O acidente ocorreu em West Tisbury, em Massachusetts (EUA).

Um porta-voz da Cap Air informou que a aeronave havia decolado do Aeroporto de Martha's Vineyard (KMVY) em direção ao Aeroporto Internacional Logan (KBOS) em Boston, para pegar passageiros quando o avião caiu.

A causa do acidente ainda está sob investigação, mas funcionários no Aeroporto de Martha's Vineyard, disseram que havia uma forte chuva e muito vento quando o avião decolou.

Fontes: Cape Cod Times / ASN - Fotos: Steve Heaslip (Cape Cod Times)