sábado, 10 de abril de 2010

Foto do Dia

Polônia chora tragédia que matou presidente e cúpula do governo

Foto: Czarek Sokolowski via O Globo

Vídeo: O que sobrou do avião da presidencial polonês



Fonte: libertaddigitaltv via YouTube

Astronauta japonês na estação espacial faz foto do Rio de Janeiro 'a pedidos'

Per request - O astronauta da Jaxa, a 'Nasa japonesa', divide o tempo no complexo orbital entre suas tarefas como engenheiro de voo e o registro fotográfico de uma série de paisagens - em alguns casos, como este, "a pedido".

O astronauta japonês Soichi Noguchi, tripulante da estação espacial internacional desde dezembro (e até maio) twittou neste sábado (10) foto do Rio de Janeiro. Ele explica, na legenda, que a imagem foi feita "a pedidos".

Em fevereiro, o engenheiro de voo publicou imagem de Salvador, mas na legenda escreveu que era da "região do Rio Dejaneiro" (sic).

Fonte: G1 - Foto: Soichi Noguchi/ISS (10-04-2010)

Nasa decide na semana que vem se dá uma nova chance para sonda em Marte

Agência deve fazer mais uma tentativa para saber se o equipamento ainda funciona

Concepção artística mostra a sonda Phoenix no solo do polo Norte de Marte; equipamento ainda pode enviar sinais de funcionamento

Apesar de considerar absolutamente improvável que seja possível ouvir sinais de uma sonda que desde novembro de 2008 não dá qualquer sinal de estar funcionando, a Nasa (agência espacial dos EUA) quer dar mais uma oportunidade para a sonda Phoenix. O órgão vai decidir na semana que vem se faz mais uma tentativa de detectar sinais do robô explorador, que analisou o solo de Marte em 2008 e permitiu obter dados significativos sobre o planeta.

Na verdade, a Phoenix já havia sido considerada uma espécie de “ferro velho espacial” depois que parou de se comunicar com a Terra, em 2 de novembro de 2008. A sonda vasculhou o polo Norte de Marte durante cinco meses, dois a mais do que o previsto. Desde janeiro deste ano, uma outra sonda, a Mars Odyssey, que “viaja” em torno de Marte, está passando por perto de onde a Phoenix pousou para ver se encontra possíveis transmissões de rádio que são emitidas pelo equipamento que está no solo.

Os sobrevoos já foram feitos em janeiro, fevereiro e agora em abril. A última tentativa deveria ser a desta sexta-feira (9), mas a Nasa estuda fazer novas tentativas em maio, quando as condições de temperatura e energia seriam as melhores possíveis, dadas as estações do ano no planeta. O assunto ainda está em aberto e uma decisão sobre o assunto deve ser tomada na semana que vem.

Apesar disso, os técnicos ainda consideram improváveis que a Phoenix tenha conseguido sobreviver ao inverno rigoroso a que foi submetida depois que parou de funcionar. Nesta semana, entre 5 e 9 de abril, o Sol está constantemente acima do horizonte no local em que a sonda pousou, fazendo com que a iluminação seja bastante parecida com a que existia no planeta logo antes de sua chegada, em maio de 2008.

Algo que torna essa possibilidade ainda mais remota é o fato de, nessa fase, ser esperado que a sonda acordasse por duas horas a cada 21 horas e transmitisse sinais por suas antenas UHF, que seriam detectadas pela Odyssey. Mas isso não aconteceu.

Estando "viva" ou não, o trabalho da Phoenix marcou uma nova era nos estudos sobre as características do planeta, já que desde 1976 a Nasa não conseguia fazer um equipamento do tipo pousar no local. Com os dados coletados foi possível, por exemplo, que o cientista brasileiro Nilton Rennó, da Universidade de Michigan (EUA), indicasse a existência de água líquida – bastante salgada – no local.

Fonte: Felipe Maia (R7) - Imagem: NASA

Trabalhadores de aeroporto espanhol doam uma tonelada de ajuda humanitária ao Chile

Os trabalhadores do Aeroporto de Barajas, em Madri, arrecadaram mais de uma tonelada de ajuda humanitária para os desabrigados pelos terremotos no Chile.

A iniciativa faz parte de uma campanha iniciada por funcionários das companhias Lan Chile e Iberia, que decidiram contribuir para ajudar na reconstrução das cidades do sul do país andino.

A campanha reuniu material doado pelos trabalhadores de Barajas, como barracas, sacos de dormir, lanternas, roupas e sapatos. Parte do carregamento será transportada de forma gratuita pela Lan Chile. O resto seguirá para o Chile por navio. Além disso, as companhias organizam uma festa para os trabalhadores do aeroporto, na qual pretendem arrecadar mais fundos.

Fonte: EFE via EPA

Irmão gêmeo de presidente polonês desistiu de viajar na última hora

Jaroslaw decidiu ficar na Polônia por causa do estado de saúde da mãe.

Todos os 97 passageiros do avião presidencial morreram neste sábado.


Jaroslaw Kaczynski, irmão gêmeo do falecido presidente polonês Lech Kaczynski e líder da oposição conservadora, desistiu na última hora de viajar para a Rússia, onde neste sábado (10) caiu o avião presidencial e morreram todos os 97 passageiros.

Foto de 5 de novembro de 2007 mostra o então premiê polonês Jaroslaw Kaczynski, à direita, entregando sua renúncia ao presidente Lech Kaczynski, seu irmão gêmeo, em cerimônia em Varsóvia

Ontem, de última hora, Jaroslaw Kaczynski decidiu não viajar para a Rússia por causa do delicado estado de saúde de sua mãe, informa a edição digital do diário "Rzeszpospolita".

Seu lugar no fatídico acidente foi ocupado pelo deputado Przemyslaw Gosiewski, do Partido Lei e Justiça, companheiro de agremiação dos gêmeos Kaczynski.

"Ele (Gosiewski) estava muito esperançoso em ir a essa viagem", explica outro membro do partido, que lamenta como essa esperança se transformou em tragédia.

Fonte: EFE via G1 - Foto: AP

Irmão gêmeo identifica corpo do presidente da Polônia

Jaroslaw Kaczynski identificou o corpo do seu irmão gêmeo e presidente da Polônia Lech Kaczynski. Kaczynski viajou para Smolensk - localizada perto da fronteira com a Bielo-Rússia - para visitar o local do acidente junto como o primeiro-ministro da Polônia, Donald Tusk.

O primeiro-ministro da Rússia, Vladimir Putin, que assumiu o comando das investigações do acidente aéreo, se juntou a Tusk para examinar o local e deixar flores nas ferragens do avião, segundo a RIA Novosti. Os dois chefes de governo, que falavam em russo, então se abraçaram e se juntaram às equipes de busca que ainda trabalhavam no local.

Turk e Jaroslaw Kaczynski voaram para a cidade de Vitebsk, na Bielo-Rússia, e chegaram a Smolensk de carro.

Segundo um correspondente da AFP, os corpos do presidente da Polônia, Lech Kaczynski, sua esposa, Maria Kaczynska, e sua comitiva de alto escalão já foram transferidos para o aeroporto Domodedovo, em Moscou.

Fonte: AE/AP/Dow Jones

Rússia promete investigação minuciosa de acidente que matou presidente polonês

Enquanto a Polônia decreta uma semana de luto pela morte de seu presidente, a Rússia promete investigação minuciosa do acidente de avião que matou Lech Kaczynski e outras 96 pessoas.

"Como todos os cidadãos russos, soube desta tragédia com dor e compaixão profundos e sinceros", declarou o presidente russo Dimitri Medvedev, em mensagem dirigida ao presidente da Câmara Baixa do Parlamento polonês, Bronislaw Komorowski, que assume as funções de chefe de Estado depois da morte do presidente.

O presidente dos Estados Unidos, Barack Obama, também enviou uma mensagem de pesar à Polônia. Ele ligou neste sábado para o primeiro-ministro polonês, Donald Tusk e disse que a tragédia foi uma perda devastadora para ambos os países e o mundo. Em nota divulgada à imprensa, Obama disse que o presidente polonês Lech Kaczynski era um estadista muito admirado nos Estados Unidos, como um líder dedicado a avançar na liberdade e dignidade humana.

"Nossos pensamentos e orações estão com a família Kaczynski, as pessoas queridas que foram mortas neste trágico acidente de avião e a nação polonesa", disse Obama. Ele descreveu os líderes civis e militares da Polônia que morreram no acidente como aqueles que ajudaram a moldar a "transformação democrática" do país. Obama também saudou Kaczynski pelo seu importante papel no movimento Solidariedade, que conquistou reformas econômicas e eleições livres no país.

Fonte: Veja.com (com agências France-Presse, Reuters e Estado) - Foto: Reuters

Dossiê pronto para licitação de privatização da ANA e construção do novo aeroporto

Os ministérios das Finanças e das Obras Públicas têm desde julho do ano passado os documentos necessários para lançar o concurso de privatização da ANA e construção do novo aeroporto, segundo o relatório e contas da Naer. Em julho do ano passado, o Governo fez saber que qualquer decisão sobre o NAL só seria tomada após as eleições legislativas, que decorreram a 27 de setembro.

O relatório e contas de 2009 da Naer - Novo Aeroporto refere que no ano passado "foram concluídos todos os trabalhos preparatórios que viabilizariam o lançamento do procedimento concursal, abarcando as componentes económico-financeira, técnica e jurídica".

"É legítimo afirmar que, no final do primeiro semestre, estavam reunidas as condições que permitiriam, caso o Governo assim o entendesse, dar continuidade à concretização do projeto do novo aeroporto, com a abertura do procedimento concursal para a privatização da ANA e construção do NAL", lê-se no relatório.

O documento precisa que, em março de 2009, foram submetidos ao Governo as bases de regulação económica da concessão ANA - Aeroportos de Portugal e os documentos do concurso de privatização da gestora dos aeroportos nacionais, nomeadamente o programa de concurso, o caderno de encargos do Novo Aeroporto de Lisboa (NAL), o contrato de empreitada e o acordo de acionistas.

Mais tarde, em julho, foi entregue uma "nova versão destes documentos, com vista à incorporação dos desenvolvimentos entretanto ocorridos".

Assim, e segundo o documento da Naer, a 31 de julho, os documentos do concurso de privatização da ANA e construção do NAL "foram submetidos ao Ministério das Obras Públicas, Transportes e Comunicações, ao Ministério das Finanças e à equipa de projeto do NAL".

Baixa execução do projeto

A Naer afirma que o adiamento de uma decisão para pós as eleições legislativas "condicionou fortemente a atividade da empresa e, consequentemente, o montante de investimento efetivamente realizado".

A empresa responsável pelo projeto do NAL tinha previsto investir 24,8 milhões de euros em 2009, mas acabou por concretizar apenas 9,3 milhões de euros, "o que representa uma taxa de execução de 37%".

A Naer refere ainda no relatório e contas que, em abril do ano passado, apresentou uma candidatura a fundos comunitários que não foi aprovada.

Esta candidatura tinha o valor de 3,2 milhões de euros, disse à Lusa fonte oficial da Naer.

O anterior Governo associou a privatização da ANA à construção do NAL, que representa um investimento de cerca de 4,9 mil milhões de euros (incluindo a construção e o valor a investir no período da concessão).

O ministro das Obras Públicas, António Mendonça, disse que a privatização da ANA será inferior a 50%.

A entrada em funcionamento do novo aeroporto, atualmente em fase de estudo de impacto ambiental, está prevista para 2017.

Fonte: Agência Lusa via sic.sapo.pt - Imagem: Arpels

Passageiro encontra recado ameaçando voo da Delta

Ontem (9), durante o voo DL-1747 da Delta Airlines entre Minneapolis, em Minnesota, e Atlanta, na Geórgia, ambas localidades dos EUA, um "recado incomum" foi encontrado por um passageiro, que entregou a nota para a tripulação.

Funcionários da Delta não revelaram o que dizia a nota, mas, de acordo com o registro da ocorrência feito pela Polícia de Atlanta, um cartão de feedback dos clientes foi encontrado em um 'bolso' do assento afirmando: "Este avião vai cair."

"Por cautela, a tripulação do McDonnell Douglas MD-88 declararou-se em situação de emergência", cerca de 40 minutos antes de chegar a Atlanta, disse a porta-voz da Delta, Susan Elliott.

A aeronave pousou em segurança.

O passageiro que encontrou o recado foi entrevistado antes de prosseguir até seu destino final, informou o porta-voz da TSA (Transportation Security Administration) Jon Allen. "O avião foi 'varrido' por uma equipe auxiliada por cães, com resultado negativo."

Susan Elliott não confirmou se a ameaça foi feita por alguém a bordo do voo 1747.

O FBI abriu um inquérito sobre o incidente, disse Elliott.

Fontes: Atlanta Journal Constitution / Aviation Herald / WSBTV.com - Tradução: Jorge Tadeu (Blog Notícias sobre Aviação)

Comissão e familiares das vítimas do voo 1907 querem cassação de brevê de pilotos

Comitiva brasileira vai ao Estados Unidos na semana que vem

Uma comitiva de deputados brasileiros, integrantes da Comissão de Viação e Transportes e representantes das famílias, o assistente de acusação Dante D’Aquino e o perito em acidentes aereos, Roberto Peterka, irão para Washington, Estados Unidos, de 14 a 17 de abril, para exigir que o brevê dos pilotos norte-americanos Joseph Lepore e Jan Paladino sejam cassados.

A visita será oficial e foi organizada pela Comissão de Viação e Transportes e pela Embaixada Brasileira. Os integrantes da comitiva visitarão a Comissão de Viação e Transportes norte-americana. O pedido tem base na divulgação feita pelo jornalista Joe Sharkey, que divulgou em 2009 que a FAA (órgão que controla a aviação nos EUA) cassou o brevê de dois pilotos norte-americanos, um deles, por ter ficado com o equipamento de comunicação desligado por 90 minutos e outro por suspeita de embriaguez. Após a divulgação feita pelo jornalista, os representantes das famílias conseguiram acesso ao documento de cassação das carteiras, confirmando a informação.

Após a aplicação da penalidade, o assistente de acusação, Dante D’Aquino, iniciou o pedido às autoridades norte-americanas para a cassação dos pilotos envolvidos no acidente ocorrido no Brasil, em 29 de setembro de 2006, que vitimou 154 pessoas. O primeiro pedido foi feito à entidade norte-americana em dezembro de 2009 e não houve resposta. Agora, o pedido será feito oficialmente com a ajuda governamental. O pedido das famílias tem base no precedente aberto pela entidade norte-americana e agora buscam que a penalidade também seja conferida aos pilotos norte-americanos.

No dia 29 de setembro de 2006, o avião da empresa aérea Gol fazia o voo 1907, oriundo de Manaus (AM) com destino a Brasília (DF). Ao mesmo tempo o jato executivo Legacy vinha de São José dos Campos (SP) em direção a Manaus, onde pousaria para, no dia seguinte, partir rumo ao exterior. A 37 mil pés de altitude, na região norte de Mato Grosso, próximo ao município de Peixoto de Azevedo, a ponta da asa esquerda do jato Legacy colidiu com o boeing da Gol provocando danos que acarretaram a desestabilização e a queda do avião. As 154 pessoas a bordo do boeing morreram.

Os pilotos norte-americanos, Joseph Lepore e Jan Paladino respondem a dois processos criminais no Brasil.

Fonte: Bem Paraná

Vídeo: imagens do local do acidente na Rússia

Infraero é eleita a 65ª empresa com capacidade para gerar energia no Brasil

O sistema de grupos geradores dos aeroportos e dos Grupamentos de Navegação Aérea (GNAs) da Infraero conquistou a 65ª posição no Anuário 2010 da Análise Energia, publicação dirigida ao setor energético e que faz um levantamento detalhado das diversas matrizes energéticas do País.

Com capacidade para gerar 45,64 megawatts, os 70 grupos geradores da Infraero ficaram à frente de outros sistemas que englobam Estados, como o da Companhia Energética de Roraima, que ficou na 74ª posição e com capacidade para gerar cerca de 31 megawatts. Ao todo, a lista reuniu 166 empresas geradoras no Brasil.

De acordo com o levantamento da Análise Energia, a geração nos aeroportos brasileiros corresponde a 0,04% de toda energia produzida no Brasil, sendo que o Aeroporto Internacional de São Paulo/Guarulhos é responsável por 10 megawatts, o que representa 0,01% da energia brasileira.

Apesar da grande capacidade de geração de energia da Infraero, o sistema é acionado apenas em casos de falha no fornecimento por parte das concessionárias nos Estados. Dessa forma, 20 segundos após registrar alguma variação ou ausência de energia, os geradores entram em ação para garantir que os terminais operem com condições mínimas de conforto e segurança, permitindo, assim, o embarque e desembarque normal de passageiros, seja em voos domésticos ou internacionais.

Segurança

O sistema de geradores da Rede Infraero foi exigido pela última vez no dia 10 de novembro de 2009, quando uma interrupção no fornecimento deixou parte das regiões Sul, Sudeste, Centro Oeste e Nordeste sem energia. Naquela ocasião, o sistema foi imediatamente acionado nos aeroportos de Guarulhos, Congonhas e Campinas, em São Paulo; Galeão e Santos Dumont, no Rio de Janeiro; Vitória (ES) e Campo Grande (MS). Apesar do transtorno, o episódio mostrou que a estrutura de geração está pronta para suprir a falta de energia, garantindo a segurança operacional e o conforto aos passageiros e à comunidade aeroportuária.

Estrutura

A estrutura dos grupos geradores varia conforme a demanda e o tamanho do aeroporto. No caso do Aeroporto Internacional de Guarulhos, a Central de Emergência pode funcionar por até três dias e meio com um único tanque, cuja capacidade é de 134 mil litros de óleo diesel. Ainda assim, o sistema pode ser reabastecido enquanto está em funcionamento, o que reforça ainda mais a confiabilidade do sistema. Associada a essa estrutura, Guarulhos possui ainda dois grupos geradores para a pista 09/27, capazes de garantir a energia necessária ao sistema de balizamento das pistas por mais de cinco horas com um único tanque.

Fonte: Assessoria de Imprensa – Infraero (imprensa@infraero.gov.br)

Chefes de Estado e de Governo mortos em acidentes aéreos

O acidente de avião que matou o presidente polonês, Lech Kaczynksi, e seus comandantes das Forças Armadas, é considerado um dos mais graves dos últimos 50 anos.

Segue uma lista dos principais acidentes aéreos em que faleceram chefes de Estado e de Governo:

29 de março de 1959: o primeiro presidente da República Centro-Africana, Barthélemy Boganda, morre vítima da explosão a bordo de um Noratlas a 200 km ao sul de Bangui, em condições nunca esclarecidas.

18 de setembro de 1961: Dag Hammarskjoeld, secretário-geral da ONU, morre em um acidente aéreo na selva de Zâmbia.

27 de maio de 1979: o avião do primeiro-ministro da Mauritânia, Ahmed Ould Bousseif, desaparece no mar em frente a costa de Dacar.

04 de dezembro de 1980 (foto): o primeiro-ministro português Francisco Sá Carneiro e o ministro da Defesa Adelino Amaro da Costa morrem no acidente em Camarate, próximo a Lisboa. Em dezembro de 2004 uma comissão de investigação parlamentar conclui que foi um atentado.

24 de maio de 1981: o presidente equatoriano Jaime Roldón Aquilera e seu ministro da Defesa morrem em um acidente aéreo no sul do país.

01 de agosto de 1981: o general Omar Torrijos, homem forte do regime panamenho, é vitimado num acidente aéreo no oeste do país.

19 de outubro de 1986: o primeiro presidente de Moçambique independente, Samora Machel, morre com outras 24 pessoas num acidente com um Tupolev-134 no nordeste da África do Sul.

17 de agosto de 1988: o presidente paquistanês Zia ul Haq, vários líderes militares e o embaixador americano no Paquistão morrem próximo a Bahawalpur (centro-leste do Paquistão) em um acidente aéreo.

06 de abril de 1994: um Falcon 50 que transportava o presidente de Ruanda, Juvenal Habyarimana, o presidente de Burundi, Cyprien Ntaryamira, e várias autoridades de alto escalão de ambos os países, é derrubado por mísseisquando se preparava para aterrissar em Quigali, o que desencadeou o genocídio dos tutsis em Ruanda.

12 de fevereiro de 1998: o primeiro vice-presidente sudanês Al Zubair Mohammed Saleh morre no sul do país.

26 de fevereiro de 2004: o presidente da Macedônia, Boris Trajkovski, e mais oito colaboradores no sul da Bôsnia morrem quando o avião se preparava para aterrissar em Mostar.

01 de agosto de 2005: o líder do sul do Sudão e vice-presidente do país, John Garang, morre em um acidente do helicóptero quando voltava de Uganda.

29 de outubro de 2006: o sultão do califado de Sokoto (Nigéria) Muhammadu Maccido, morre no acidente com um Boeing 737 da companhia aérea ADC, que explodiu após decolar de Abuja (Nigéria), deixando 96 mortos.

10 de abril de 2010: o presidente polonês, Lech Kaczynski, e os principais líderes das Forças Armadas morrem em um acidente aéreo quando o Tupolev-154 em que viajavam tentava aterrissar próximo a Smolensk (Rússia).

Fonte: AFP via Yahoo! Notícias - Foto: ssebastiao

Sobe para 97 o número de mortos na queda de avião na Rússia

Equipe russa recupera corpos de todas as vítimas do acidente aéreo.

Havia 97 pessoas a bordo, segundo as autoridades russas, e ninguém sobreviveu.

O número de mortos devido à queda do avião onde viajava o Presidente da Polônia subiu para 97, declarou Serguei Choigu, ministro para Situações de Emergência da Rússia, que se encontra no local da tragédia. Informou também que as equipes de busca recuperaram todos os corpos das vítimas da queda do avião Tupolev.

“Neste momento há 97 mortos. A identificação será realizada hoje em Moscou. Os cadáveres serão hoje enviados para lá. Amanhã estará tudo pronto para receber os parentes das vítimas”, acrescentou Choigu.

"Neste ponto, os corpos de todos os mortos foram recuperados e eles começaram a ser transferidos para Moscou", disse Shoigu ao primeiro-ministro da Rússia, Vladimir Putin, que chegou nesta tarde a Smolensk para inspecionar pessoalmente o local do acidente.

Uma fonte da Ria-Novosti declarou que o cadáver do Presidente da Polônia, Lech Kaczinski, “já foi encontrado no local da catástrofe”.

O Presidente russo, Dmitri Medvedev, decretou para 12 de abril dia nacional de luto em memória das vítimas da maior catástrofe aérea da história da Polônia.

Natália Timakova, porta-voz do Kremlin, anunciou que Medvedev está preparando uma mensagem especial para o povo polaco a propósito do acidente que provocou a morte a várias figuras políticas e sociais do país vizinho.

Timakova acrescentou que Medvedev e Putin acenderam velas numa capela ortodoxa situada na residência presidencial, nos arredores da capital russa.

O avião que transportava o Presidente da Polónia, Lech Kaczinski, e mais 95 pessoas caiu hoje de manhã quando tentava aterrissar no aeroporto russo de Smolensk. O grupo participaria das cerimônias em Katyn (Rússia) em memória do massacre de 22 mil poloneses pelos agentes soviéticos há 70 anos.

Além do Presidente polaco e da sua mulher, os principais chefes das Forças Armadas da Polónia, o governador do banco central e o chefe do Comité Olímpico da Polónia também morreram no acidente.

Fonte: Agência Lusa via Jornal da Madeira / Agência Estado - Arte: R7

Aeroporto de Berlim é o melhor em linhas aéreas de baixo custo, revela pesquisa

O aeroporto Berlin-Schoenefeld, na Alemanha, é o melhor em linhas aéreas de baixo custo, na opinião de passageiros de todo o mundo, revelou The Skytrax World Airport Awards 2010, consultoria na área de aviação Skytrax.

De acordo com o presidente da Skytrax, Edward Plaisted, com a alta competitividade no setor de aviação, os passageiros apreciam cada vez mais uma boa qualidade de produtos e serviços nos aeroportos. “Nossa pesquisa mostrou que linhas aéreas de baixo custo são demandadas pelos passageiros e representam um mercado muito importante para os aeroportos”, explicou.

Em segundo lugar no ranking ficou o aeroporto Brussels Charleroi, na Bélgica e, na terceira posição, está o London Stansted Airport, na Inglaterra.

O ranking

O melhor aeroporto do mundo é o Singapore Changi Airport, em Cingapura, que foi seguido pelo Incheon International Airport, na Coreia, e o Hong Kong International Airport, em Hong Kong.

Quando analisada a América do Sul, os melhores aeroportos são o de Lima (Peru), Santiago (Chile) e de Buenos Aires (Argentina).

O ranking é feito com base em 9,8 milhões de questionários respondidos por pessoas de 100 diferentes nacionalidades, cobrindo mais de 210 aeroportos em todo o mundo.

Fonte: InfoMoney via MSN Notícias - Foto: biocrawler.com

Infraero entregou novo Setor B do Galeão totalmente revitalizado

A Infraero entregou na terça-feira (6) mais uma etapa das obras de revitalização do Terminal de Passageiros 1 do Aeroporto Internacional do Rio de Janeiro/Galeão-Antonio Carlos Jobim, cumprindo, dessa forma, o cronograma de obras previsto para o aeroporto. O novo Setor B – antigo Setor Azul – foi entregue aos passageiros para embarque doméstico, após conclusão das obras de modernização que iniciaram em janeiro de 2010 e custaram R$5,47 milhões.

O Setor B compreende uma área de quatro mil m² e possui seis canais de inspeção de passageiros. As obras incluíram nova sinalização vertical, reforma dos banheiros, troca do forro e luminárias, instalação de granito nas colunas, 496 novos assentos, 12 alimentadores de energia (cada um com seis tomadas) distribuídos pelo salão, entre outras melhorias.


Reforma do Setor A

Também a partir da terça-feira, o embarque doméstico do Setor A – antigo Setor Verde - entrou em obras de reforma com término previsto para 30 de junho de 2010. As obras de revitalização do Terminal 1 e de conclusão do Terminal 2 tiveram início em 2008 e, após o término, cada terminal terá capacidade de processar até 10 milhões de passageiros ao ano.

“Estas obras são fundamentais para o bom funcionamento do Galeão e o conforto de quem utiliza o aeroporto. Todas estas melhorias garantirão a qualidade do atendimento aos usuários”, finaliza o superintendente do Aeroporto Tom Jobim, André Luis Marques de Barros.

Fonte e fotos: Assessoria de Imprensa – Infraero (imprensa@infraero.gov.br)

Avalanche atinge helicóptero e mata pelo menos 7 turistas na Rússia

Acidente ocorreu na península de Kamchatka.

Neve atingiu a aeronave depois de pouso.


Pelo menos 7 dos 14 passageiros alemães, belgas e russos que viajavam em um helicóptero Mil Mi-8T da empresa Kamchatskie Avialinii/Kamchatka Airlines morreram neste sábado (10) quando a aeronave foi atingida por uma avalanche de neve na península de Kamchatka, no extremo oriental da Rússia, segundo as agências russas.

As vítimas iam esquiar na região.

O acidente ocorreu a cerca de 50 quilômetros ao oeste de Petropavlovsk-Kamtchatka, a principal cidade da península.

Fontes: G1 (com agências internacionais) / ASN- Foto: DPA

Justiça Federal acata pedido de Liminar da ABRAPAVAA contra a Infraero

Em Janeiro de 2010 a ABRAPAVAA (Associação Brasileira de Parentes e Amigos das Vítimas de Acidentes Aéreos) protocolou na Justiça Federal de São Paulo, AÇÃO CIVIL PUBLICA contra a INFRAERO, a fim de obrigá-la a sanar todas as irregularidades existentes no Aeroporto de Congonhas dentro dos prazos estipulados nas 100 Exigências fixadas na RESOLUÇÃO 130/CADES/ 09 da Secretaria do Verde e Meio Ambiente da Prefeitura de São Paulo (SVMA), de 25 de novembro de 2009, para que o Aeroporto de Congonhas possa obter a LAO - Licença Ambiental Operacional.

Informamos que, até a presente data, existem 43 Exigências já estão sendo descumpridas por não cumprirem os prazos estabelecidos e dessa forma, a Justiça Federal de São Paulo decidiu acatar em parte a liminar solicitada pela ABRAPAVAA, considerando pertinente 11 das 43 Exigências por serem aquelas relativas à Segurança e Prevenção de Acidentes entendendo, ser essa a finalidade da ABRAPAVAA, ou seja, a de zelar pela segurança do transporte aéreo, de seus usuários, visando assim, aprimorar a segurança dos transportes aéreos em terra e no ar.

Foram desconsideradas da Ação as demais Exigências, por entender, serem de efeito sobre o meio-ambiente e à sua preservação e não estariam portanto, sendo pertinentes à ABRAPAVAA.

A Liminar parcial, sob pena de multa diária, a partir de 30 de março de 2010, foi concedida da seguinte forma:

. Exigência 52
Prazo para cumprimento - Imediatamente
"A Infraero deverá Imediatamente, providenciar à SHELL Brasil Ltda. para cobrir a caixa separadora de água e óleo (SAO) do Parque de Abastecimento de Aeronaves - PAA"

. Exigência 03
Prazo para cumprimento - 30 dias
"A Infraero deverá apresentar Alvará de Aprovação e Execução de Equipamentos e Alvará de Funcionamento de Equipamentos, do Parque de Abastecimento de Aeronaves - PAA, emitido pelo Depto.de Controle de Uso de Imóveis - CONTRU"

. Exigência 04
Prazo para cumprimento - 30 dias
"A Infraero deverá apresentar o Auto de Vistoria do Corpo de Bombeiros - AVCB para os tanques de combustível de aviação localizados no Parque de Abastecimento de Aeronaves - PAA"

. Exigência 82
Prazo para cumprimento - 30 dias
"A Infraero deverá apresentar Plano de Emergência - PLEM, contendo: Emergência Aeronáutica, Emergência Médica, Emergência por Materiais Perigosos, Emergências por Desastres Naturais e Emergências por Incêndio em Instalações/Edificações"

. Exigência 24
Prazo para cumprimento - 60 dias
"A infraero deverá apresentar a Localização em Planta, com a Relação das Concessionárias que operam com Helicopteros, de todos os Helipontos, Heliportos e respectivas Licenças de Operação existentes no Sitio Aeroportuário de Congonhas, com respectivas áreas de pouso e decolagem, áreas de toque, áreas de segurança, hangares, estacionamento de helicopteros, locais de abastecimento e terminais de passageiros"

. Exigência 25
Prazo para cumprimento - 60 dias
"A Infraero deverá apresentar os Registros de Funcionamento dos Helipontos/Helicopteros de todo o Sitio Aeroportuário atualizados, conforme Portaria n.18/gm5, de 14 de fevereiro de 1974, com as respectivas alterações de Portarias que aprova Instruções para Operação de Helicopteros e para construção e utilização de Helipontos ou Heliportos, mostrando parecer favorável da ANAC quanto à Operação do Heliponto/Heliporto, de acordo com a Instrução da Aviação Civil n. 4301 de 31 de julho de 2000"

. Exigência 87
Prazo para cumprimento - 60 dias
"A Infraero deverá apresentar o Certificado Operacional do Aeroporto de Congonhas conforme estabelecido no RBHA 139 - Certificado Operacional de Aeroportos"

. Exigência 88
Prazo para cumprimento - 60 dias
"A Infraero deverá apresentar Documentação que comprove a Inspeção Aeroportuária recente no Aeroporto de Congonhas, conforme requisito RBHA - 139.213 (a), seguindo procedimento definido na IAC 162-1001 inspeção aeroportuária"

. Exigência 89
Prazo para cumprimento - 60 dias
"A Infraero deverá esclarecer quanto a regularidade de: Posicionamento da Sala de Embarque de Autoridades em relação à Faixa de Pista da Pista Principal; posicionamento da Faixa de Taxi M em relação à Pista Principal; posicionamento dos pontos de Estacionamento 1 e 2, em relação à Faixa de Pista; existência de RESA adequada (Área de Segurança Fim de Pista); comprimento de pista declarado conforme ANEXO 14 da ICAO; área de Escape Lateral às pistas"

. Exigência 61
Prazo para cumprimento - 90 dias
"A Infraero deverá apresentar Relatório Conclusivo, desenvolvido por profissionais habilitados, de reavaliação dos pontos críticos, na ADA e na AID, da presença de pombo comum vem como proposta para seu controle"

. Exigência 94
Prazo para cumprimento - 90 dias
"A Infraero deverá apresentar Relatório Conclusivo das medições previstas no IAC 4302 - Requisitos de Resistência à Derrapagem para Pistas de Pouso e de Decolagem, quanto: ao atrito, textura superficial da pista (teste de macrotextura)"

Aplicação das Multas
No caso do não cumprimento das Exigências acima nos prazos estipulados, serão aplicadas as seguintes multas diárias:
. Inicial de R$ 10.000,00 (dez mil reais) para os trinta primeiros dias;
. R$ 25.000,00 (vinte e cinco mil reais) para os trinta dias subsequentes, e de
. R$ 50.000,00 (cinquenta mil reais) a partir do sexagésimo primeiro dia de descumprimento, iniciando-se os prazos
na data de cientificação desta - a partir de 1 de abril de 2010.

Para maiores informações:

Sandra Assali
Presidente da ABRAPAVAA
(11) 5041.3781 e 9204.1324
http://www.abrapavaa.com.br/

Alunos têm aula dentro de aeroporto

Polo de faculdade particular em Guarulhos atende de pilotos a despachantes de cargas

Anteontem, por volta das 20h30, 2.666 alunos da Uninter assistiam à aula de Câmbio e Economia Internacional do curso de Comércio Exterior. Três deles estavam em Oiapoque (AP), 2 em Pelotas (RS), 2 em Porto dos Gaúchos (MT) e 30 em Guarulhos, dentro do Terminal de Cargas do Aeroporto Internacional de São Paulo. De Curitiba (PR), o professor fazia sua explanação.

O polo atende alunos de uma especialização e de cinco graduações da faculdade. Em quatro anos, 80 alunos se formaram em cursos a distância ali. Cerca de 95% deles são funcionários do aeroporto, como pilotos, copilotos, comissários de bordo e despachantes de cargas nacionais.

"No começo do curso, eu fazia até quatro voos internacionais por mês", lembra o piloto Rodrigo Lemos, de 36 anos. "Depois fui promovido para comandante de voos nacionais e a escala apertou um pouco, mas eu já estava no ritmo da faculdade", lembra o piloto, que se formou em Processos Gerenciais frequentando o polo do aeroporto. Lemos chegou a fazer aulas em polos de outras cidades e Estados e aproveitava os pernoites dos voos para estudar.

A localização do polo também encaixou-se perfeitamente na rotina de Ana Paula Peixoto, de 30 anos, que trabalha no atendimento ao cliente de uma companhia aérea. Ela trabalha há quatro anos na área, ainda não tinha diploma e tentava encontrar um curso que se encaixasse em sua rotina profissional.

"Juntei a necessidade com a praticidade", afirma. Ela confessa que, antes de começar o curso, tinha receio da modalidade. "Mas, quando comecei a fazer, superou minhas expectativas."

Rotina. A vendedora de carga aérea Renata Benetti, de 37 anos, consegue encaixar o curso de EAD na vida profissional e pessoal e ela tem dois filhos. "Chego em casa, tomo banho, janto, checo a lição de casa dos meninos e só depois sento para estudar", conta. "Acho que me encontrei nesse curso."

Fonte: O Estado de S.Paulo - Imagem: aeroportosdobrasil.com.br

Angola procura a excelência nos serviços da aviação civil

Sob o lema “Criemos sinergias para a implementação do Sistema Nacional de Facilitação e Segurança da Aviação Civil”, o Ministério dos Transportes e o Instituto Nacional de Aviação Civil (INAVIC), realizaram ontem, em Luanda, a primeira reunião da comissão nacional.

A reunião teve como objectivo criar uma plataforma de apoio e aconselhamento na execução do Programa Nacional de Segurança da Aviação Civil definido pelo INAVIC.
Na abertura do encontro, o ministro dos Transportes, Augusto Tomás, disse que o sector que dirige passa por uma profunda reestruturação e que o processo tem como padrão a emergência de um serviço de transporte aéreo forte e desenvolvido, com dimensão e qualidade comparáveis aos dos países desenvolvidos.

Na opinião do ministro, a execução do sistema nacional de facilitação e segurança da aviação civil é importante, porque, sendo esta a motivação central, a participação de Angola no esforço internacional “é nuclear para reforçar a sua imagem no mundo, enquanto exemplo de segurança aeronáutica”.

A preocupação com a segurança na aviação civil é hoje um tema chave “da cooperação entre as nações em resposta ao que se tornou uma ameaça global”, referiu.

Augusto Tomás citou como exemplo os atentados recentes que provocam o aumento de preocupações dos organismos vocacionados para a protecção da livre circulação de pessoas e bens. O ministro lembrou que as recomendações saídas da 36ª Assembleia Geral da ICAO impõem os Estados a criação de mecanismos internos para a prevenção e combate aos actos de interferência ilícita contra as aeronaves, instalações aeroportuárias, facilidades de ajuda à navegação aérea internacional e contra o pessoal envolvido na sua operação.

A cooperação entre os Estados na troca de experiências sobre a formação e o desenvolvimento de técnicas de prevenção de atentados e o desenvolvimento do sistema permitem continuar a reforçar a abertura de Angola, ao resto do mundo. “O caminho para ligar Angola ao resto do mundo passa, cada vez mais, pelo cumprimento dos normativo mais estritos de segurança”, disse o ministro dos Transportes.

Os participantes no encontro, vindos dos diferentes órgãos de Estado discutiram temas ligados ao sistema de facilitação e segurança da aviação civil internacional e sobre a legislação da facilitação e segurança da aviação civil contra actos de interferência ilícita.

Fonte: Madalena José (Jornal de Angola)

Saiba mais sobre a base militar dos Estados Unidos no Quirguistão

O Quirguistão é peça-chave no jogo estratégico centro-asiático. O país integra a principal rota de suprimentos para tropas da Otan em ação no Afeganistão por causa da base americana de Manas (foto acima), na fronteira com o Casaquistão. A ameaça quirguiz de fechar a instalação preocupa estrategistas de Washington. A Rússia também tem uma base no Quirguistão.

- A Rússia, maior potência regional, vê a Manas como empecilho.

- O contrato de um ano de locação com o governo quirguiz expira em julho.

- A oposição, que agora controla a maioria do país, anteriormente era contra a base. Mas a líder Roza Otunbayeva já afirmou que não há planos para rever o contrato e que seu governo iria se encontrar com diplomatas americanos para conversações.

- A base começou a operar meses após os ataques de 11 de setembro e é ponto central de rotas aéreas de forças americanas e da Otan no Afeganistão.

- As missões operadas na base incluem reabastecimento, transporte e lançamentos aéreos, além de operações médicas e suporte geral para forças e cargas que entram e saem do Afeganistão.

- As principais aeronaves da base são tanques de reabastecimento aéreos da França, Espanha e Estados Unidos.

- Em 2008, a Manas abasteceu 11.500 aviões no Afeganistão, e transportou cerca de 170.000 soldados. Em março de 2010, cerca de 50.000 militares passaram pela base saindo ou entrando do Afeganistão.

- A base tem cerca de 1.100 militares, a maioria americanos, espanhóis e franceses. Cerca de 600 dos 750 empregados da base são quirguizes.

- Em 2008 a base contribuiu com US$ 64 milhões para a economia local. Funcionários da Manas ajudam entidades de caridade locais e um deles investiu cerca de US$ 200.000 em comunidades quirguizes.

- O clamor público contra a base começou quando um oficial americano que confessou ter atirado em um civil quirguiz em dezembro de 2006 voltou para os Estados Unidos sem ter sido julgado.


Fonte: Estadão (com informações da Reuters) - Mapa: hsw.uol.com.br - Foto: RIA Novosti

EUA suspendem transporte de soldados via Quirguistão

O Exército americano suspendeu o transporte de tropas utilizando sua base no Quirguistão, e fará o traslado de suas forças para e desde o Afeganistão através de campos de aviação no Kuwait, informou nesta sexta-feira o Comando Central dos Estados Unidos.

Avião militar americano decola da base de Manas

Em meio à tensão política no país, o comando da base aérea de Manas decidiu "na noite desta sexta-feira desviar, temporariamente, os voos de transportes militares", segundo o porta-voz John Redfield.

As decisões sobre outros voos militares "serão analisadas caso por caso", disse.

Um oficial americano, que pediu para ter a identidade preservada, revelou à AFP que "todos os voos com soldados desde ou para o Afeganistão serão desviados ao Kuwait", onde os Estados Unidos tem um importante centro de trânsito.

A suspensão destes voos deve durar "72 horas" e foi decidida "por precaução, devido à presença de veículos blindados na parte civil do aeroporto" onde opera a base aérea americana, informou outro oficial.

As operações com aviões de abastecimento dos EUA prosseguem normalmente na base de Manas.

"Evidente que Manas é uma base aérea muito importante para as operações no Afeganistão", admitiu nesta sexta-feira o general James Jones, assessor de Segurança Nacional do presidente Barack Obama.

Sobre o reconhecimento americano do novo governo do Quirguistão, Jones respondeu que nada está definido. "É uma situação que evolui...".

Fonte: AFP

Missão do ônibus espacial Discovery prorrogada por 24 horas

A missão do ônibus espacial Discovery foi alargada por 24 horas para permitir que seja realizada uma inspeção na proteção térmica da aeronave enquanto ela ainda está acoplada à Estação Espacial Internacional (ISS), anunciou neste sábado a NASA.

O pouso na Flórida está agora agendado para segunda-feira, 19 de abril, às 12:54 GMT prolongando a duração do voo para 14 dias.

Normalmente, a última inspeção antes de voltar para a atmosfera ocorre após o desacoplamento da ISS e é projetada para assegurar que as blindagens térmicas não foram danificados pelo impacto de restos de micro-meteoritos em orbita.

O escudo térmico do ônibus espacial sustenta a temperaturas de até 1.500 graus Celsius causada pelo atrito com o ar em alta velocidade na reentrada da da aeronave na atmosfera.

O Centro de Controle da Missão em Houston, também afirmou que um falso alarme de incêndio foi provocado às 05H24 GMT deste sábado, no Módulo de Serviço Zvezda da Estação Espacial Internacional.

A segunda caminhada espacial está prevista para hoje a noite.

Fontes: AFP (França) / Nasa - Tradução: Jorge Tadeu (Blog Notícias sobre Aviação) - Foto: NASA

Osasco (SP) lembra 1º voo feito na América do Sul

PIONEIRO

A Câmara Municipal de Osasco realizou sessão solene na noite de quinta-feira para homenagear Dimitri Sensaud de Lavaud. Nascido na cidade, em 7 de janeiro de 1910 ele realizou o primeiro voo da América do Sul, ao construir e pilotar o avião São Paulo.

A Câmara homenageou também o jornal O Estado de S. Paulo que, há 100 anos, no dia seguinte ao voo, publicou matéria de página inteira sobre o feito. Osasco terá um mausoléu para onde serão trazidos, da França, os restos mortais de Lavaud.

O VOO

Às 5h50 do dia 7 de janeiro de 1910, um barulho de motor se ouvia nas proximidades do chalé Bricola, em Osasco - então vila do município de São Paulo. Alguns instantes depois, aconteceria o primeiro voo de um avião na América do Sul, que percorreu 103 metros de distância - a uma altura que variava de 2 a 4 metros - em 6 segundos. A bordo da máquina, batizada de São Paulo, o aviador e inventor Dimitri Sensaud de Lavaud (1882-1947). No dia seguinte, a história foi contada pelo Estado, sem economia de adjetivos, e a foto do aviador ficou exposta na vitrine da sede do jornal.

BIOGRAFIA

Lavaud nasceu na Espanha, em 1882, filho do casamento de um francês com uma russa. Antes de se mudar para o Brasil, viveu na Suíça, Turquia e Grécia. Em Osasco desde 1898, a família Lavaud se instalou no chalé Bricola, construído menos de uma década antes pelo banqueiro Giovanni Bricola, no alto de um morro em uma área então distante do centro urbano. Seu pai comprou uma olaria e, em seguida, tornou-se sócio de indústrias de cerâmica da região.

Ainda adolescente, Lavaud já se dedicava a ler livros técnicos, construir barcos a vela e a jogar xadrez. Aos 26 anos, iniciou os projetos e cálculos para a realização de seu sonho: projetar e construir um avião. O aeroplano São Paulo, cujo esqueleto media 10,2 metros de comprimento por 10 metros de largura, ficou pronto em fins de 1909, e todas as suas peças foram feitas no Brasil.

"Ele era nosso Thomas Edison, um homem fantástico", compara o engenheiro civil Pierre Arthur Camps, citando o célebre inventor norte-americano. Camps, cujo avô era irmão da sogra de Lavaud, sempre foi um admirador da história do aviador. Em 2007, construiu uma réplica do São Paulo, doada ao Museu Asas de Um Sonho, mantido pela companhia aérea TAM na cidade de São Carlos, interior do Estado. "Levei um ano para construir o avião, com base em desenhos da época", recorda-se. "Precisei reprojetá-lo."

A carreira de Lavaud não se encerrou com o histórico voo. Acredita-se que ele tenha registrado cerca de 1,2 mil patentes diferentes, em vários países. Entre seus inventos, estão peças até hoje utilizadas pela indústria automobilística e aeronáutica, como tipos de chassis, freios, câmbios e hélices.

Em 1916, trocou o Brasil pelo Canadá. Na década de 20, mudou-se para a França - onde se estabeleceu até a sua morte, em 1947. Durante a Segunda Guerra Mundial, chegou a ser preso, a mando dos alemães, para que contribuísse com conhecimento tecnológico. A embaixada brasileira na França atuou por sua libertação.

"Infelizmente, não cheguei a conviver com ele. Mas minha família sempre lembrava de sua história com orgulho, afinal foi um grande inventor", afirma a única de suas netas ainda viva, Martine Ryser de Souza e Silva, de 63 anos.

Fonte: Edison Veiga/O Estado de S.Paulo - Foto: Museu Sensaud de Lavaud

MAIS

Museu Sensaud de Lavaud
Av. Dos Autonomistas, 4001
Jd. Alvorada - Osasco - SP
Tel: (11) 3654-3108
Entrada franca

Empresas aéreas lucram com bagagens

Depois de passarem a cobrar pela segunda mala e, posteriormente, pela primeira mala, agora chega a vez da bagagem de mão

Primeiro, as companhias aéreas impuseram uma tarifa para a segunda mala, em 2005. Depois, começaram a cobrar também pela primeira mala. Agora, a Spirit Airlines disse que vai cobrar até US$ 45 por bagagens de mão que sejam grandes demais para caber embaixo do assento.

É verdade que a Spirit é uma pequena empresa e nenhuma das grandes companhias de aviação indicou na terça-feira, após o anúncio da Spirit, que seguiria o exemplo. Mas já está claro que as tarifas que os viajantes aéreos pagam para levar bagagem na maioria dos voos tiveram mais impacto nos resultados financeiros das empresas do que elas talvez esperassem. A taxa para bagagem de mão só ressalta a nova realidade financeira das empresas: todos, e tudo, num avião, devem pagar pelo transporte.

"Ninguém leva seus pacotes à FedEx ou à UPS e espera que elas os despachem de graça", disse Ben Baldanza, presidente executivo da Spirit Airlines. O total das taxas de bagagem coletado pelas companhias cresceu expressivamente desde que as taxas foram inicialmente impostas. Segundo estatísticas do Departamento de Transportes, o valor total das taxas subiu de US$ 464 milhões em 2007 para quase US$ 2 bilhões nos nove primeiros meses do ano passado.

Ao mesmo tempo, os passageiros agora estão levando malas mais leves e em menor quantidade para evitar taxas extras por malas pesadas. Por conseguinte, as companhias não estão perdendo tantas malas e os encarregados de bagagens parecem estar sofrendo menos lesões. Ademais, as companhias aéreas agora têm mais espaço disponível para carga, que é vendido a um preço mais alto que o de uma bagagem de viajante. "O frete dá uma contribuição significativa para os resultados de uma empresa de transporte de passageiros", disse Ulrich Ogiermann, chairman da International Air Cargo Association. A receita potencial "se passageiros levarem menos malas para evitar as taxas de bagagem não pode ser ignorada", acrescentou.

Opção. Um relatório sobre bagagens divulgado no mês passado pela SITA, uma empresa de tecnologia da informação em aviação que estuda tendências em bagagens de passageiros, revelou que um em cada quatro passageiros optou por não levar malas no ano passado, contra um em cada seis em 2008 ? o primeiro ano em que virtualmente todas as principais companhias aéreas impuseram taxas. O decréscimo do número de malas verificado no ano passado, que o relatório também atribuiu a uma queda no número de pessoas voando, resultou numa redução de 24% na quantidade de malas mal manejadas mundialmente ? tanto danificadas como perdidas. Isso, por sua vez, economizou US$ 460 milhões para o setor global de aviação comercial, segundo o relatório.

Joseph Pascarella, que trabalhou como encarregado de bagagem em Tampa, Flórida, por 37 anos, disse que havia notado a diferença. "Antes das taxas de bagagem, nós lidávamos com uma média de 250 malas num voo. Agora está mais perto de 150 a 175. As pessoas estão pensando duas vezes em levar mala extra."

Se os passageiros forem mais conscientes sobre o que embalam, os benefícios podem ser amplos, disse Catherine Mayer, vice-presidente da SITA. "Haverá menos estresse na empresa aérea, menos custos de manuseio." As companhias, porém, não são tão rápidas em reconhecer isso. United Airlines, Delta Air Lines e American Airlines dizem que não estão analisando a relação entre taxas de bagagem e as outras economias.

Fonte: Christine Negroni (The New York Times) - Tradução: Celso M. Paciornik - via O Estado de S.Paulo - Foto: Ruth Fremson/The New York Times

Barreiras (BA) ganha montadora de aviões de pequeno porte

Já está funcionando no Hangar da Aero Centro, instalada no aeródromo da Associação Barreirense Aerodesportista (ABA) a montadora de aviões de pequeno porte que visa atender a necessidade de agricultores e empresários que buscam nesse tipo de transporte a agilidade e rapidez necessárias para percorrer longas distâncias, como é o caso da região Oeste da Bahia.

De propriedade do empresário Kleber Rangel, a Aero Centro, que por muitos anos manteve uma parceria com a fábrica de aeromodelos Paradise, atualmente decidiu montar seus próprios aviões. “Minha ligação com a fabricação de aviões de pequeno porte data do ano 2000 quando o empresário Noé Oliveira, trouxe para Barreiras um protótipo P1, aeronave de dois lugares da Paradise para que eu testasse e efetuasse a venda na região. Durante seis anos fui o responsável pela venda de todos os exemplares produzidos pela empresa”, comentou o empresário ressaltando que agora resolveu fazer o caminho inverso. “Enquanto a Paradise fabrica e exporta aeronaves prontas para os EUA e Austrália, a Aero Centro vai importar kits RVs dos EUA, fazer a montagem em Barreiras e efetuar a venda no mercado interno”, disse Rangel.

Sobre a confiabilidade desse material, Rangel enfatiza que já existe mais de 8 mil aeronaves voando no mundo e outras 24 mil em construção e que utilizam esses mesmos kits. “A Aero Centro adquire esses kits de uma empresa de renome internacional, especializada em produzir e vender kits para serem montados pelo próprio comprador”, comentou.

Natural de Vitória da Conquista, mas radicado em Barreiras desde o início da década de 80, o empresário criou uma estrutura de montagem e está trazendo para Barreiras técnicos da região Sudeste e Sul para produzir aeronaves em escala. “Importamos recentemente oito Kits sendo três de aeronaves RV10 (quatro lugares, totalmente em alumínio, velocidade de cruzeiro de 320 km/h) e cinco RV7 (dois lugares, aeronave esportiva acrobática, totalmente em alumínio, velocidade de cruzeiro de 320 km/h) que pretendemos dar início a montagem tão logo o material seja liberado no porto de Santos”, falou.

Segundo Rangel, dessas aeronaves que a Aero Centro vai começar a montar, seis já tem proprietários. “A demanda nacional por esse tipo de aeronave é muito grande. Muitos agricultores e empresários têm adquiridos aviões em função da agilidade e rapidez na locomoção de grandes distâncias. Com a necessidade de estar em vários lugares no mesmo dia, o avião deixou de ser considerado um objeto de luxo e sim um item fundamental no concorrido mundo dos negócios”.

De acordo com o empresário, quando a montadora entrar em plena escala de produção, o que deverá ocorrer a partir do próximo mês de junho, a meta é montar duas aeronave/mês. “Essa produção já poderia estar nesse ritmo, só que temos alguns gargalos de importação e exportação. Nossos portos e aeroportos não estão preparados para absorver a demanda crescente no setor”, disse.

Na visão do empresário, outro fator negativo que tem prejudicado a ampliação da montadora é quanto ao acesso do aeródromo. “Só para se ter uma idéia, o aeródromo da ABA é considerado o segundo do interior no Nordeste em número de pousos e decolagens particulares e o acesso até aqui está em péssimas condições e não condiz com a necessidade de Barreiras”.

Custo

Dois lugares custa na faixa de U$ 130 mil e de quatro lugares U$ 185 mil, na versão básica, mas dependendo dos opcionais escolhidos pelo cliente, o preço pode ser maior.

Aero Centro Brasil 2010

Entre os dias 3 e 6 de setembro, Luís Eduardo Magalhães vai receber o que há de melhor em termos de aviação civil, com a realização do primeiro Aero Centro Brasil 2010 (Feira Show). O lançamento do projeto aconteceu no dia 20 de março, no Hotel Solar Rio de Pedras, e contou com a presença de pilotos, hoteleiros e donos de restaurante do município.

A ideia é incluir a feira, a partir de 2011, no calendário oficial de eventos do município. A principal justificativa para a realização do evento é o grande déficit existente no país em relação a eventos deste tipo.

Fonte e fotos: Eduardo Lena (jornal Nova Fronteira)

Embraer considera abrir nova disputa com a Bombardier

O governo brasileiro a e Embraer consideram abrir uma nova disputa contra o Canadá, diante dos anúncios de que a Bombardier receberá subsídios para lançar sua nova série de aviões, competindo com a empresa brasileira, Boeing e Airbus em um mercado mundial já afetado pela crise financeira. A Embraer entrou em fevereiro com uma queixa contra a União Europeia, em Bruxelas por estar ajudando de forma ilegal na construção do jato da Bombardier. Agora, a empresa confirma que está em discussão com o governo para decidir quais serão os próximos passos da disputa.

A empresa canadense espera colocar no mercado, em três anos, sua nova série de jatos, com maior capacidade - 130 lugares. BNSA. A companhia garante já estar negociando com 60 empresas de todo o mundo e que a Lufthansa já teria comprado 30. Na diplomacia brasileira, a movimentação da Bombardier está sendo cuidadosamente analisada. Políticos canadenses têm sido claros em anunciar que a produção dos novos modelos terá a ajuda financeira do governo.

O projeto de um novo avião custaria cerca de US$ 3,4 bilhões, dos quais o governo canadense já prometeu, há dois anos cerca de US$ 328 milhões, além de mais de US$ 298 milhões do governo britânico, já que parte da produção ocorreria no Reino Unido. Foi isso que levou a Embraer a apresentar a queixa. A preocupação é de que um novo pacote esteja sendo usado.

Fonte: jornal O Estado de S. Paulo

As principais personalidades polonesas mortas no acidente de aviação na Rússia

Segue a lista das principais personalidades polonesas mortas no acidente com um avião presidencial neste sábado em Smolensk, na Rússia:

- O presidente Lech Kaczynski e sua esposa, Maria Kaczynska

- O ex-presidente polonês no exílio durante o período comunista, Ryszard Kaczorowski

- O vice-presidente da Dieta (câmara baixa) e candidato da esquerda à presidência, Jerzy Szmajdzinski

- O vice-presidente da Dieta, Krzysztof Putra

- A vice-presidente do Senado, Krystyna Bochenek

- O presidente do Banco Central da Polônia, Slawomir Skrzypek

- O chefe do Estado-Maior polonês, general Franciszek Gagor

- O comandante do Exército, general Tadeusz Buk

- O comandante da Aeronáutica, general Andrzej Blasik

- O comandante da Marinha, almirante Andrzej Karweta

- O comandante das Forças Especiais, general Wlodzimierz Potasinski

- O chefe das Forças operacionais polonesas (OTAN), general Bronislaw Kwiatkowski

- O capelão católico do Exército Polonês, Tadeusz Ploski

- O capelão ortodoxo do Exército polonês, Miron Chodakowski

- O chefe do governo civil, Wladyslaw Stasiak,

- O chefe da segurança nacional da presidência, Aleksander Szczyglo

- Os secretários de Estado Mariusz Handzlik e Pawel Wypych

- O vice-ministro da Defesa, Stanislaw Jerzy Komorowski

- O vice-ministro das Relações Exteriores, Andrzej Kremer

- O vice-ministro da Cultura, Tomasz Merta

- O presidente do Instituto da Memória Nacional, que investiga os crimes contra a nação polonesa, Janusz Kurtyka

- O chefe do Conselho encarregado de zelar pela memória nacional, Andrzej Przewoznik

- O ombudsman dos direitos cívicos, Janusz Kochanowski

- O presidente da Associação das Famílias de Katyn, Andrzej Sarjusz-Skapski

- O presidente da Associação de Soldados do Exército (AK, Resistência), Czeslaw Cywinski

- A presidente da Câmara nacional dos advogados, Agata Agacka-Indecka

- A ex-heroína das greves nos canteiros navai de Gdansk em 1980, Anna Walentynowicz

Vários deputados, senadores, representantes de diferentes Igrejas e associações.

Caminhão carregado de caixões se dirige à entrada do aeroporto de Smolensk: tragédia nacional na Polônia

Fonte: AFP

Governo brasileiro decreta luto oficial pelas vítimas do acidente na Rússia

Presidente Lula e ministro Celso Amorim emitiram nota de condolências

Foto: Populares acenderam velas na porta da casa do presidente morto Lech Kaczynski

O governo brasileiro emitiu nota neste sábado e decretou luto oficial de três dias pela morte do presidente da Polônia, Lech Kaczynski, e das outras vítimas do desastre aéreo ocorrido na manhã de hoje, 10 de abril, na região de Smolensk, na Rússia.

O presidente Luiz Inácio Lula da Silva enviou a seguinte mensagem de condolências ao primeiro-ministro da Polônia, Donald Tusk, e ao presidente interino, Bronislaw Komorowski:

— Recebi, com profunda consternação, a notícia do trágico acidente aéreo que vitimou o Presidente Lech Kaczynski, sua esposa e grande número de autoridades polonesas. Em nome do povo e do governo brasileiros, e em meu próprio, transmito a Vossa Excelência e ao povo polonês as mais sinceras e fraternas condolências. Neste momento de dor e de perda, esteja seguro de poder contar com a plena solidariedade do Brasil e com os laços históricos de amizade que unem brasileiros e poloneses. Aproveito a ocasião para reiterar a Vossa Excelência meus votos de mais alta estima e consideração — transmite a nota.

O ministro Celso Amorim também enviou mensagem ao ministro das Relações Exteriores da Polônia, Radoslaw Sikorski:

— Senhor Ministro, caro amigo, Foi com grande pesar que recebi a notícia do falecimento do Presidente Lech Kaczynski, sua esposa e outras autoridades polonesas. Reitero a Vossa Excelência a solidariedade do Brasil com a Polônia, país ao qual estamos ligados por grande comunidade de imigrantes e profundos laços de amizade e cooperação. Neste momento de luto nacional, peço que transmita aos familiares das vítimas as mais sentidas condolências e a solidariedade de todo o povo brasileiro. Aproveito a ocasião para reiterar a Vossa Excelência meus votos de mais alta estima e consideração. — finaliza.

Fonte: Zero Hora - Foto: Adam Warzawa/EFE

Morte do presidente deixa sites de jornais poloneses em preto e branco

Os jornais poloneses expressaram neste sábado (10) seu luto pela morte do presidente da Polônia, Lech Kaczynski, ao deixar suas páginas na internet em preto e branco.

Kacynski morreu ao 60 anos quando o avião em que viajava com outras 95 pessoas se caiu perto do aeroporto na região de Smolenski, no oeste da Rússia. Além do presidente, morreram a primeira-dama, Maria, e mais de 80 autoridades do país.

Autoridades russas investigam as causas do acidente, mas apontam para um possível erro dos pilotos da aeronave.

Os restos mortais do presidente e das outras vítimas serão levados a Moscou para identificação.

Fonte: R7

Partes do avião do presidente polonês espalhadas pela Floresta da Morte

A cauda e partes da fuselagem do avião estão mergulhadas na lama, emergindo como balizas da floresta cinzenta, tomada pela bruma perto de Smolensk, no oeste da Rússia, onde o aparelho que transportava o presidente polonês Lech Kaczynski caiu neste sábado, matando seus 96 ocupantes.

As autoridades já encontraram as duas caixas-pretas do avião, anunciou o ministro russo de Situações de Emergência, Sergueï Choïguou, citado pela agência de notícias Interfax.

"Desta forma, todos os registros e parâmetros do vôo já estão em mãos da perícia, que vai esclarecer as causas da tragédia", declarou Choïguou.

Dezenas de socorristas e autoridades caminham através dos campos pantanosos da floresta, tropeçando em fragmentos metálicos disseminados na clareira aberta pela queda do avião, a apenas algumas centenas de metros da pista de aterrissagem.

Trágica ironia do destino, a delegação polonesa morta na tragédia aérea se dirigia à "Floresta da Morte" em Katyn, perto de Smolensk, para marcar o 70º aniversário do massacre de 22.000 oficiais poloneses pela polícia de Stalin.

Mais de 170 socorristas foram mobilizados e estão no local, enquanto se aguarda a chegada de mais reforços, segundo o ministério russo para situações de emergência.

A cauda arrancada do avião, pintada de vermelho e branco, nas cores da bandeira polonesa, está muito destruída. Blog Notícias sobre Aviação. A dezenas de metros, perto de uma grande parte da fuselagem, os bombeiros, com capacetes e extintores de incêndio nas mãos, tentam apagar o fogo das partes que ainda ardem em chamas.

Outras peças carbonizadas estão espalhadas por perto, em meio a árvores partidas pela violência do choque.

Empregados do aeroporto militar de Smolensk, que aguardavam a chegada da delegação polonesa de madrugada, informaram que o Tupolev-154 chegou a voar várias vezes em círculos sobre o local, num momento de péssima visibilidade, causada pela névoa espessa.

A aeronave fez três tentativas de pouso até cair na quarta, segundo testemunhas.

"A uma altura de cerca de 20 metros, o aparelho em que estava o presidente polonês tocou o cimo das árvores e se despedaçou", contou uma testemunha à agência Interfax.

Devido à grande neblina na região, um outro avião foi obrigado a dar a meia-volta mais cedo durante o dia e um terceiro aparelho teve problemas para pousar, segundo as autoridades.

Socorristas abatiam árvores na floresta perto do aeroporto para permitir a passagem de seus veículos.

Sacos mortuários foram levados ao local, explicaram, acrescentando que a retirada dos cadáveres já começou a ser feita.

A floresta de Katyn, perto de Smolensk, é também conhecida como Floresta da Morte, devido ao massacre de 1940, ano em que a polícia do ditador soviético Joseph Stalin fuzilou 22.000 oficiais poloneses.

Neste sábado, o território em torno de Smolensk voltou a se tornar uma floresta da morte.

"É um lugar realmente apavorante. Atrai a morte", escreveu neste sábado em seu blog mnalex2002 um repórter fotográfico russo, dizendo ter estado Katyn em 1995, por ocasião de uma visita do ex-presidente polonês Lech Walesa.

Fonte: AFP

Avião que caiu com presidente polonês havia tido problemas em 2008

O avião Tupolev-154 que caiu neste sábado perto da cidade russa de Smolensk, matando o presidente polonês, Lech Kaczynski, já havia apresentado problemas em 2008 e se falava em substituição da aeronave.

O avião, concebido nos anos 1960 e capaz de transportar mais de 100 passageiros, tinha mais de 20 anos de uso.

Em 2008, problemas com o "volante" do Tupolev atrasaram um voo presidencial durante uma visita à Mongólia, forçando o líder a tomar um voo charter para a capital japonesa, Tóquio.

Uma semana depois, o avião sofreu fortes turbulências durante uma viagem à capital sul-coreana, Seul.

"Qualquer voo supõe um certo risco, mas um risco muito sério está ligado às responsabilidades de um presidente, porque é necessário voar constantemente" declarou Kaczynski, à época.

O correspondente da BBC em Varsóvia, Adam Easton, disse que já se falava em substituir os aviões.

Entretanto, a aeronave havia passado por uma manutenção completa recentemente. O diretor da empresa que realizou o trabalho, Aleksey Gusey, afirmou à TV polonesa que não havia grandes problemas com a aeronave.

"No momento da manutenção, o avião tinha 5.004 horas de voo e 1.823 pousos, o que, para uma aeronave dessa categoria, não é muito", declarou. "O avião podia voar bem e não havia queixas."

Os trabalhos, concluídos em dezembro, incluíram um reparo nos três motores do avião. Uma outra manutenção completa deveria ser realizada em seis anos.

Espinha dorsal

O Tu-154 já está fora de produção. Mas a aeronave foi, por mais de 25 anos, a espinha dorsal do sistema de transporte da União Soviética e da Rússia.

Cerca de metade de todos os passageiros da empresa aérea nacional russa, a Aeroflot, embarcaram em um Tupolev ou em seus sucessores, um número que chegou a 137 mihões por ano em 1990.

As cerca de mil aeronaves construídas estão espalhadas pela Rússia e por países do antigo bloco soviético.

O avião entrou em serviço em 1972 e foi "modernizado" em 1986, com novos motores e equipamentos para melhorar o consumo de combustível e as operações de voo.

No entanto, um indicativo de seu design antiquado, o governo chinês decidiu em 2001 abandonar todos os Tu-154 que estavam sendo operados por suas empresas aéreas.

A Aeroflot tomou a mesma decisão recentemente, alegado que seu alto consumo de combustível tornava o avião pouco económico. Blog Notícias sobre Aviação. A empresa agora compra a maioria de suas aeronaves da Boeing ou da Airbus.

O correspondente da BBC em Moscou, Richard Galpin, disse que as empresas aéreas russas têm pouco interesse em comprar Tupolevs mais novos, porque eles estão aquém das aeronaves ocidentais.

Desempenho satisfatório

Em 2004, o especialista em aviação russa Paul Duffy fez uma avaliação do desempenho do Tu-154 para a BBC.

De 28 que haviam sido destruídos em acidentes até aquele momento - um número normal para os padrões de quantidade, tempo de serviço e tecnologia, na sua avaliação - poucos haviam se acidentado por problemas técnicos.

"O Tu-154 opera em regiões sem tanto controle aéreo e equipamentos de navegação, e em condições meteorológicas muito difíceis", afirmou, à época.

Alguns dos acidentes tiveram pouca relação com o avião em si, como nos casos de cinco que haviam sido derrubados por inimigos ou por ataques terroristas no Líbano, Geórgia e Afeganistão, durante guerras civis nestes países.

Em 1982, uma aeronave que pousou em Omsk, na Rússia, durante uma pesada tempestade de neve, se chocou contra seis caminhões de limpeza de gelo que não foram orientados a liberar a pista para o pouso da aeronave.

Em 2001, um Tu-154 caiu no Mar negro após ser atingido por um míssil ucraniano disparado durante um exercício militar.

Outro ficou sem combustível a menos de dez quilômetros da pista do aeroporto porque a empresa que o operava, em dificuldades financeiras, havia decidido comprar menos combustível no seu país de origem, onde o preço era mais alto.

Fonte: BBC Brasil via O Globo - Foto: Oldrich Chmel (airplane-pictures.net)

16 acidentes com aviões Tupolev-154 nos últimos 16 anos

Acidentes recentes com o avião Tupolev-154

- 10 de abril de 2010: 101, o Avião Presidencial/Força Aérea da Polônia: acidente na abordagem ao aeroporto de Smolensk, na Rússia, matando todos os 95 a bordo. (Foto: Sergei Karpukhin/Reuters)

- 15 de julho de 2009: o EP-CPG da Caspian Airlines voando a partir do Irã para a Armênia caiu matando 168 pessoas. (Foto: CAO Iran)

- 01 de setembro de 2006: o EP-MCF da da Iran Air Tours sai da pista e pega fogo durante pouso na cidade de Mashad, no Irã, matando 80 dos 147 passageiros. (Foto: A. Halabisaz/FARS News Agency)

- 22 de agosto de 2006: o RA-85185 da Pulkovo Airlines da Rússia, com cerca de 170 pessoas a bordo cai durante uma tempestade na Ucrânia, a caminho de São Petesbusgo, num resort no Mar Negro, matando todos os 170 bordo. (Foto: baaa-acro.com)

- 24 de agosto de 2004: o RA-85556 da Sibir Airlines cai em rota entre Moscou e a estância no Mar Negro de Sochi, matando todas as 46 pessoas a bordo. O acidente foi mais tarde determinado como causado por explosivos trazido a bordo por um terrorista suicida checheno.

- 01 de julho de 2002: o RA-85816 da Bashkirian Airlines indo de Moscou, na Rússia, com destino a Barcelona, na Espanha, se choca com um avião de carga Boeing 757 da DHL sobre a Alemanha, matando 71 pessoas (dois pilotos da DHL), incluindo 52 crianças. (Imagem: BNSA/BNU)

- 12 de fevereiro de 2002: o EP-MBS da Iran Air Tours, carregando 119 pessoas, bateu em montanhas cobertas de neve perto de seu destino, em Khorramabad, a 230 quilômetros a sudoeste de Teerã, matando todos a bordo. (Imagem: Aviation Safety Network)

- 04 de outubro de 2001: o RA-85693, da Sibir Airlines voando a partir de Tel Aviv, em Israel, para Novosibirsk, na Rússia, explode e cai no Mar Negro, matando 78 pessoas, a maioria deles cidadãos israelenses. Posteriormente, foi determinado que o avião foi atingido por um míssil ucraniano durante exercícios de treinamento militar.

- 04 de julho de 2001: o RA-85845 da companhia aérea Vladivostokavia, em rota de Yekaterinburg, nos Urais, para Vladivostok (ambas localidades da Rússia) se acidentou na cidade siberiana de Irkutsk, matando todas as 145 pessoas a bordo. (Foto: stv21.ru)

- 24 de fevereiro de 1999: o B-2622, da China Southwest Airlines voando a partir do Aeroporto Chengdu, falha na abordagem ao Aeroporto Wenzhou, a 800 quilômetros a sudeste de Pequim, na China, matando todas as 61 pessoas a bordo. (Imagem: Aviation Safety Network)

- 29 de agosto de 1998: o CU-T1264 da Cubana de Aviacion ao partir de Quito, no Equador, em direção a Havana, em Cuba, cai logo após a decolagem, matando 79 pessoas, incluindo 10 pessoas em solo, quando o avião se chocou contra um campo de futebol. (Imagem: Aviation Safety Network)

- 15 de dezembro de 1997: o EY-85281 da Tajikistan Airlines caiu nos Emirados Árabes Unidos, matando todos os 79 passageiros e 6 dos 7 tripulantes. (Imagem: Aviation Safety Network)

- 29 de agosto de 1996: o RA-85621 da Vnukovo Airlines transportando mineiros russos e ucranianos e suas famílias a partir de Moscou, coloidiu contra uma montanha na Noruega, matando todas as 141 pessoas a bordo.

- 07 de dezembro de 1995: o RA-85164 operado pela Aeroflot Khabarovsk Airlines, com 97 pessoas a bordo desapareceu ao voar para a cidade de Khabarovsk, no extremo oriente russo. Os restos foram encontrados 11 dias depois por um piloto de helicóptero, nas montanhas perto da costa do Pacífico, a oeste de Grossevichi, na Rússia.

- 06 de junho de 1994: o B-2610 da China Northwest Airlines voando para Guangzhou, na China, cai minutos após decolar de Xian, uma cidade turística no norte da China, matando todas as 160 pessoas a bordo.

- 03 de janeiro de 1994: Todas as 125 pessoas a bordo do RA-85656 da Baikal Airlines morreram quando a aeronave cai em um campo nevado perto da cidade de Irkutsk, na Rússia. Um fazendeiro no solo também morreu. (Foto: Komsomolskaya Pravda)

Fontes: Site Desastres Aéreos / Associated Press / ASN - Pesquisa: Jorge Tadeu (Blog Notícias sobre Aviação)

Avião polonês ignorou as ordens dos controladores aéreos

Os pilotos do avião polonês que caiu neste sábado em Smolensk ignoraram as instruções dos controladores aéreos russos, declarou há pouco o subcomandante do Estado-Maior das Forças Aéreas russas, Alexandre Aliochine, citado pelas agências de notícias locais.



"A uma distância de 1,5 Km, o grupo de controle aéreo detectou que os pilotos haviam acelerado a descida estando abaixo do nível de aproximação" determinado para a pista, disse o general Alexander Alyoshin. O chefe dos controladores "ordenou, então, à tripulação que retornasse a um voo horizontal nivelado e, ao verificar que as instruções não estavam sendo obedecidas, determinou várias vezes que pousassem em outro aeroporto", continuou. "Lamentavelmente, prosseguiram a descida que terminou em tragédia", afirmou o general Alyoshin.

Fontes: France Presse via G1 / RussiaToday / Terra

Saiba mais sobre Lech Kaczynski, presidente da Polônia morto em acidente

Ele presidia o país desde 1995 e formou 'dupla política' com irmão gêmeo.



O presidente da Polônia, Lech Kaczynski, de 60 anos, morreu neste sábado (10) em um acidente aéreo quando seguia para a Rússia para participar de uma cerimônia em homenagem às vítimas da batalha de Katyn.

Kaczynski tinha suavizado nos últimos tempos seu perfil de euroescético que sacudiu à União Europeia.

Ele assumiu a presidência em 2005, após uma carreira política feita em parceria com seu irmão gêmeo, Jaroslaw, que era "45 minutos mais velho."

Kaczynski perdeu a vida com a queda do Tupolev 154 em que viajava em companhia da mulher, Maria, e uma delegação polonesa de 88 pessoas.

Kaczynski e os demais passageiros morreram após o incêndio da aeronave, quando o avião tocou a pista do aeroporto.

A morte ocorre em uma data de extrema importância nas relações entre a Varsóvia e Moscou. Neste sábado, os dois países dariam um passo adiante rumo à superação das divergências do passado.

Lech Kaczynski havia suavizado o tom nos últimos anos, desde que seu irmão Jaroslaw deixou o cargo de primeiro-ministro, em 2007, ao ser derrotado pelo liberal Donald Tusk.

Juntos, um na chefia do Estado e o outro na do Governo, os irmãos repartiram a cúpula do poder na Polônia.

Jaroslaw é considerado o autêntico artífice e a versão mais radical do partido Direito e Justiça com o qual Lech chegou à Presidência no segundo turno das eleições realizadas em 23 de novembro de 2005, nas quais venceu Rusk.

Kazcynski representava a via do "Estado forte", de tônica nacionalista, frente a um Tusk conciliador e europeísta. Jaroslaw desempenhava a função de dirigente do partido, enquanto Lech assumiu a luta pela Presidência.

Foto de 5 de novembro de 2007 mostra o então premiê polonês Jaroslaw Kaczynski, à direita, entregando sua renúncia ao presidente Lech Kaczynski, seu irmão gêmeo, em cerimônia em Varsóvia

Nascidos em 18 de junho em Varsóvia, os gêmeos Lech e Jaroslaw estrearam, antes de ganharem destaque na política, no cinema. Aos 12 anos, foram alçados ao estrelado como personagens principais do filme baseado num conto "Os dois que roubaram a lua".

O filme, uma narração sobre dois irmãos que decidem roubar a lua, foi rodada em 1962, pelo diretor Jan Batory e foi, durante muitos anos, o filme infantil de maior sucesso na Polônia.

Lech começou como membro do comitê de defesa dos operários criado pelo dissidente comunista Jacek Kuron em 1976 para ajudar aos trabalhadores expulsos de suas empresas pela ditadura após as greves de Radom e Ursus.

O comitê arrecadava recursos para pagar os advogados dos operários presos e ajudar suas famílias em dificuldades financeiras.

Quando surgiu o sindicato Solidariedade, liderado por Lech Walesa após as grandes greves do verão de 1980, Lech Kaczynski uniu-se ao protesto com grande energia.

Após a proclamação da lei marcial pelo general Wojciech Jaruzelski, Lech Kaczynski, assim como milhares de poloneses, continuou a luta pela democracia na clandestinidade organizando protestos, colaborando na impressão e distribuição de panfletos.

Ele chegou a ser confinado e liberado ao final de 11 meses e tornou-se, com o irmão, um colaborador importante do líder histórico do primeiro sindicato livre do mundo comunista, Walesa, de quem acabou se distanciando nos anos 1990.

Em 1989, por ordem de Jaruzelski, os representantes do poder começaram a negociar a transição com os representantes da oposição democrática, liderados por Walesa, Kaczynski foi um dos negociadores mais ativos no capítulo relacionado ao restabelecimento da legalidade do sindicato Solidariedade.

Já na democracia e após o triunfo de Walesa nas eleições presidenciais de 1990, Kaczynski ocupou a chefia do Escritório de Segurança Nacional adjunta à Presidência e mais tarde foi presidente da Câmara Suprema de Controle (Tribunal de Contas).

Em 1999, foi nomeado ministro da Justiça pelo então primeiro-ministro, Jerzy Buzek, e em 2001 tornou-se prefeito de Varsóvia, cargo que o alçou a conquista de seu principal objetivo, a presidência.

Em sua campanha presidencial, ele ressaltou seus vínculos com a Polônia tradicional e católica confirmada por sua atitude intolerante. Como prefeito da capital polonesa proibiu passeatas de igualdade organizadas pelos homossexuais.

Sucessor do social-democrata Aleksander Kwasniewski na presidência, Kaczynski defendia a reconciliação com a Alemanha e a Rússia, ao mesmo tempo em que explorava o temor ainda sentido por alguns populares pelos dois grandes vizinhos.

Também defendia uma profunda reforma da Polônia com base "na justiça, na solidaridade e na honra".

Mas, depois da ratificação do Tratado de Lisboa, protagonizou uma dura queda-de-braço com a chanceler Angela Merkel, durante a Presidência rotativa alemã da UE, até que finalmente assinou o tratado, em 10 de outubro de 2009 em Varsóvia.

Com o passar dos anos na Presidência e a saída de seu gêmeo do primeiro escalação de Governo, Kaczynski suavizou nos últimos tempos sua postura em relação à União Europeia e à vizinha Alemanha, salvo pontuais discordâncias pelas nunca totalmente superadas diferenças históricas.

O casal Lech e Maria Kaczynski deixa uma filha, Marta.

Fonte: G1 (com agências internacionais) - Foto: AP

MAIS

Poloneses ficam abalados com morte do presidente em acidente aéreo

Morte do presidente da Polônia é 'tragédia inimaginável', diz Lech Walesa

Luto pela morte do presidente deixa site de jornal 'em preto e branco' na Polônia

Premiê vai ao local do acidente de avião que matou presidente da Polônia

Veja a repercussão da morte do presidente da Polônia em acidente aéreo