terça-feira, 31 de março de 2009

Lixeira explode em saguão de aeroporto em Rondônia

Fragmentos da estrutura foram encaminhados para a perícia.

Segundo Infraero, incidente foi causado por gelo seco em garrafa.

No início da tarde de terça-feira (31), passageiros e visitantes do Aeroporto Internacional Governador Jorge Teixeira, em Porto Velho, Rondônia, tomaram um grande susto ao ouvirem um forte estampido típico de uma explosão. O barulho veio de uma das lixeiras do saguão do aeroporto que estava na frente do balcão da TAM.

Foi constatado que o acidente ocorreu devido a uma pressão sofrida no interior de uma garrafa plástica que estava na lixeira e continha gelo seco.

Segundo apuração, havia uma geleira contendo vacinas que eram conservadas em gelo seco, em dado momento a geleira quebrou espalhando fragmento de gelo pelo chão, foi quando um funcionário da TAM recolheu o gelo e colocou em uma garrafa plástica que depois foi depositada em uma lixeira. Pouco tempo depois, a pressão do gás retido na garrafa foi tanta que acabou explodindo, causando um grande susto às pessoas que estavam no saguão.

Policiais federais do Departamento Regional estiveram no local para fazer uma perícia e recolher os detritos causados pelo acidente.

Fontes: Rondoniaovivo.com / G1

Bombardier tem pedido no valor de US$1,44 bi

A Bombardier obteve uma encomenda de US$ 1,44 bilhão para 20 de seus jatos Cseries, o segundo contrato para o novo avião que vai competir com modelos mais velhos da Boeing e da Airbus.

A encomenda é da Lease Corp. International Aviation, companhia sediada em Dublin que arrenda aviões para a Singapore Airlines e a British Airways, disse ontem em um comunicado a Bombardier, que tem sede em Montreal. A encomenda inclui a opção de a Lease comprar mais 20 aviões e vem três semanas depois de a Deutsche Lufthansa, de Colônia, na Alemanha, assinar uma encomenda de US$ 1,5 bilhão para 30 aviões Cseries.

"Vemos um enorme potencial para este avião na América do Norte e no resto do mundo", disse ontem Tassos Michael, diretor de investimentos da companhia de leasing, em uma entrevista por telefone. Os preços dos combustíveis vão subir uma vez que a recessão acabe, disse Michael, e este avião promete uma economia de 20% de combustível em relação a modelos similares.

A Bombardier, terceira maior fabricante de aviões do mundo, planeja entregar os primeiros aviões Cseries em 2013 como uma alternativa mais econômica, menos poluente e mais silenciosa às versões menores dos jatos com apenas um corredor da Airbus e da Boeing. As duas encomendas dos Cseries mostram a demanda por um jato que foi ameaçado pela recessão, pela crise de crédito e pelo colapso no tráfego aéreo desde que a Bombardier se comprometeu a construir o avião em 2008.

Outras companhias aéreas estão considerando fazer a aquisição dos modelos Cseries, disse Gary R. Scott, presidente da divisão de aviões comerciais da Bombardier, em uma entrevista no dia 11 de março.

A Lease Corp. International concordou em comprar 17 modelos CS300 da Bombardier, com capacidade para 130 pessoas, e três modelos CS100, com capacidade para 110 pessoas, disse a Bombardier.

A Airbus, de Toulouse, França, e a Boeing, de Chicago, maiores fabricantes de aviões de passageiros, vendem jatos com capacidade para mais de 110 passageiros.

Fonte: Andrea Rothman (Bloomberg News) via Gazeta Mercantil

Azul vai ampliar linhas de ônibus para Viracopos

A Azul Linhas Aéreas Brasileiras, que passou a operar no Aeroporto Santos Dumont, vai ampliar, nos próximos dias, as linhas de ônibus que levam os passageiros de São Paulo ao Aeroporto de Viracopos, em Campinas. No dia 13 de abril, entrará em operação a ligação entre Sorocaba e o aeroporto.

Todas as viagens são feitas em ônibus equipados com Wi-Fi e filmes. Por enquanto, não há cobrança de tarifa, bastando apenas que o passageiro informe o código da reserva da passagem aérea. Os horários podem ser obtidos no site da empresa.

Fonte: Jornal Correio do Brasil

Tam Cargo alcança R$ 1 bilhão de receita em 2008

A Tam Cargo, unidade de transporte de carga da Tam Linhas Aéreas, fechou o ano de 2008 com receita total de R$ 1 bilhão, 29,9% a mais em relação aos R$ 776,8 milhões apurados em 2007. O resultado representou 9,2% das receitas brutas totais da Tam. Os dados estão contabilizados conforme a Lei 11.638.

Ao longo do ano, a receita proveniente dos transportes no mercado doméstico totalizou R$ 459,5 milhões, com aumento de 27,6% na comparação com o ano anterior. No internacional, o total registrado foi 31,9% superior a 2007, totalizando R$ 549,6 milhões. Em volume, no ano passado foram transportadas 186,6 mil toneladas, ante 153,6 mil toneladas no ano anterior (aumento de 21,5%).

"O crescimento na receita da Tam Cargo deve-se principalmente aos esforços comerciais para fidelização dos clientes, ampliação de acordos corporativos, captação de novos clientes e melhorias dos níveis de serviços", declara o comandante David Barioni Neto, presidente da Tam. "Também colaboraram para esse crescimento o aumento da oferta internacional da empresa - que passou a contar com as primeiras aeronaves Boeing 777-300ER, com excepcional espaço de carga nos porões - e, no mercado doméstico, a substituição das aeronaves F-100 por aeronaves da família A320, que também oferecem maior espaço disponível para cargas", complementa.

Em 2008 a unidade recebeu investimentos de R$ 22 milhões para melhoria da infraestrutura em terminais de carga domésticos espalhados pelo país. Outros R$ 8 milhões foram destinados aos sistemas informatizados, o que permitiu à Tam Cargo ampliar a capacidade de movimentação de cargas e integrar ainda mais as gestões operacional, comercial e financeira.

Em agosto, foi inaugurado em Manaus (AM) o maior terminal de cargas da Tam Cargo no país, instalado numa área total de 11 mil m2, com área operacional de 2.160 m2 - o triplo do antigo espaço instalado - e 540 m2 de área administrativa e comercial. Com capacidade para armazenar mais de 80 toneladas por dia, o novo terminal comporta cerca de 35% a mais de cargas que o anterior.

No mês seguinte entrou em operação o novo terminal de cargas domésticas no Aeroporto Tom Jobim (Galeão), no Rio de Janeiro. As instalações ocupam uma área total de 1.200 m2 e têm capacidade para armazenar até 60 toneladas de carga por dia - o quádruplo em relação ao antigo terminal.

Já em 2009, no mês de fevereiro, foram inaugurados mais dois terminais de cargas, um em São José dos Campos (SP) e outro em Rio Branco (AC). Juntos, os dois espaços comportam mais de 66 toneladas.

Fonte: Mercado & Eventos

Russo não pode usar o banheiro americano da ISS

A Guerra Fria continua na órbita da Terra. Um cosmonauta russo reclamou a um jornal do país que não tem permissão para usar o banheiro dos americanos, na Estação Espacial Internacional. Ele pode usar o sistema sanitário russo, mas não é tão moderno quanto o desenvolvido pela Nasa.

O cosmonauta também revelou que não tem autorização para usar aparelhos de ginásticas do colegas americanos e recebeu a instrução de que cada tripulação deve consumir os próprios alimentos. As mudanças teriam acontecido depois que a Rússia começou a cobrar para levar turistas até a Estação, a bordo do foguete russo Soyuz.

Fonte: Band.com.br - Foto: NASA

No Pantanal, o avião é a ambulância e jeep

Morador na Fazenda Baía do Pacu, em uma região isolada do Pantanal Sul, no município de Corumbá/MS, o menino Rafael de Oliveira só não perdeu a vida no dia 12 de maio deste ano graças a uma ação aérea emergencial. O garoto de seis anos foi picado no dorso do pé por uma cobra jararaca e seriam necessários pelos menos dois dias de viagem por terra para ser atendido na cidade mais próxima. O isolamento da propriedade pelas próprias condições da região não permitia a chegada de carros e aviões. E o pior: o veneno da cobra pode matar em até 20 horas. Graças a um comunicado da fazenda, via telefone, com a Base Aérea de Campo Grande, um helicóptero foi deslocado até a região – uma distância de 400 km – para resgatar o menino, que foi atendido a tempo no Hospital Rosa Pedrossian, na capital sul-mato-grossense.

Em 2007, fato semelhante aconteceu na Fazenda São Roque, no Pantanal do Rio Negro. Outro menino, também de seis anos de idade, foi picado por uma jararaca enquanto brincava em meio à lenha preparada para ir ao fogão, na cozinha da sede. Imediatamente, o proprietário da fazenda, José Lemos Monteiro, colocou o garoto em seu avião e, em aproximadamente 50 minutos a criança já estava sendo atendida no mesmo hospital, em Campo Grande/MS, depois de cobrir a distância de 225 km que separa a propriedade da capital sul-mato-grossense. “Não ficou seqüela nenhuma”, lembra, com alegria, o pecuarista.

Os dois fatos, por si só, justificam a importância do transporte aéreo na região do Pantanal. No primeiro, pelas condições de alagamento na região, não era possível o pouso de aviões e, caso não existisse a ação militar através de um helicóptero – que não exige pista para pouso e decolagem -, o final da história poderia ser outro. Já no ocorrido na Fazenda São Roque, a existência de um avião na propriedade e a ação do produtor rural foram mais do que providenciais. E não são casos isolados. A maioria das propriedades pantaneiras está localizada em distâncias mínimas entre 200 e 300 km de um hospital. Pelo menos durante metade do ano muitas ficam parcial ou totalmente ilhadas em função do período de cheia na região, impedindo o acesso por terra. O transporte por barco ou chalana, quando possível, pode levar dias.

“O avião é a principal arma para salvar vidas nas fazendas localizadas no Pantanal”, garante o experiente piloto Mauro Pinto Costa, com 45 anos de profissão e mais de 12 mil horas de vôo, a boa parte na região pantaneira. “Vários locais ficam meses sem acesso por automóvel. Em uma fazenda de um amigo meu, em Cáceres, no Mato Grosso, durante a cheia só a sede e a pista de pouso ficam fora do alcance das águas.

Hoje voando por hobby e, espaçadamente como instrutor particular, Costa vê uma estreita ligação entre a aviação e a região. “Até por questões de impacto ambiental este quadro não vai mudar, a não ser que construam estradas suspensas para atender todas as propriedades”, brinca.

Enquanto aguardava a hora para um vôo a partir do Aeroporto Municipal Santa Maria, em Campo Grande/MS, Costa lamentava o “encarecimento” do setor: “a utilização de aviões para diversos fins já foi muito mais intensa no Pantanal; hoje tudo encareceu muito; em 1968 a gasolina de avião custava metade do valor da gasolina comum, hoje (junho/2008) em Campo Grande, pago R$ 3,80 o litro”

O piloto critica também a atual “burocracia” para a aviação particular exigida pelo governo brasileiro, sobretudo a partir da Agência Nacional de Aviação Civil (ANAC). ”As exigências são inumanas; gastamos uma fortuna em papel; é muito carimbinho e selinhos juntos; o volume de documentação é tanto que ocuparia quase a metade da capacidade do porta malas de um avião Paulistinha, que é de 10 quilos”, revela.

O presidente da Federação da Agricultura e Pecuária de Mato Grosso do Sul (Famasul), Ademar da Silva Júnior, não conta com avião particular e nem pela entidade, mas não escapa à sua utilização. Com visitas periódicas a 68 sindicatos rurais além de viagens para compromissos em Brasília e diversas cidades brasileiras, Júnior se vê obrigado, eventualmente, a contratar serviços de táxi aéreo para cobrir distâncias dentro do seu estado e chegar a regiões de difícil acesso. E por esta necessidade, reclama do custo do transporte aéreo: “a hora/vôo de um bimotor Sêneca está entre R$ 1,3 mil e R$ 1,4 mil; é muito caro”.

Sobre a utilização de aviões por produtores rurais com fazendas no Pantanal, o presidente da Famasul considera fundamental e necessário: “além de agilizar os negócios do pecuarista, trata-se de um instrumento em defesa da vida; no Pantanal é arriscado morrer se não tiver uma aeronave ou não puder contar com uma”.

Não existem informações totalmente fechadas sobre o número de propriedades rurais no Pantanal sul-mato-grossense, mas dados do IBGE datados de 31 de dezembro de 2006 apontam para 65.619 unidades rurais cadastradas no INCRA em todo o Mato Grosso do Sul. Como o Pantanal ocupa em torno de um terço da área total do Estado, é possível ter uma dimensão de uma eventual demanda por transporte aéreo na região.

Compra e venda de gado

O ex-pecuarista José Eduardo Rolim Júnior (conhecido como Zé Rolim) – possuía duas mil cabeças bovinas em uma fazenda no Pantanal do Nabileque – largou tudo para se dedicar a sua grande paixão: a aviação executiva rural. Com mais de seis mil horas de voo – 3.500 registradas – ele hoje é dono da Pan Táxi Aéreo e garante que a maior demanda para voos na região pantaneira sul-mato-grossense vem da compra e venda de gado. “A maioria dos produtores rurais embarca em Campo Grande e perto de 40% em seus próprios aviões; hoje cerca de 70% das pequenas aeronaves existentes no Mato Grosso do Sul voam para destinos no Pantanal”, conta.

Estes produtores, segundo ele, fazem parte de um grupo mais tecnificado: “são aqueles que compram macho na planície pantaneira para engordar na serra”. O preço da hora vôo em táxi aéreo, de acordo com Rolim, varia de R$ 800,00 a R$ 1.000,00 para o caso de transporte por monomotor.

É muito grande, segundo ele, o deslocamento aéreo por parte de pecuaristas de outras regiões brasileiras interessados em participar de leilões dentro do Pantanal ou mesmo negociar diretamente em uma fazenda. E motivos não faltam. O gado pantaneiro é considerado de alta qualidade e o rebanho é significativo – perto de seis milhões de cabeças só no Pantanal Sul.

A utilização da aviação “dentro da porteira” também é destacada por Rolim: “é uma ferramenta de trabalho de múltipla utilidade para o produtor pantaneiro; muitos dificilmente vêm para a cidade com o avião, preferindo utilizá-lo mais para o controle de seu rebanho e na inspeção periódica das condições de sua propriedade.”

Contar com uma aeronave no Pantanal, segundo o piloto-empresário, pode também significar a diferença entre a vida e a morte. “Por diversas vezes resgatei, nas fazendas, pessoas doentes, com hemorragias e que não teriam condições de sobreviver se não fossem atendidas em um hospital; isso sem falar nos casos gerados a partir de picadas de cobra”, comenta.

Mas outra demanda de transporte aéreo vem ocupando os pilotos dentro do Pantanal: o turismo rural. “Este ano já transportei diversos grupos para hotéis-fazenda; fecho o pacote todo, ou seja, transporto em determinada data e uma semana depois volto à fazenda e retorno com o grupo”, conta. De acordo com Rolim, estes passageiros são, na grande maioria das vezes, turistas estrangeiros – sobretudo europeus - que chegam ao Aeroporto Internacional de Campo Grande e dali mesmo embarcam em táxis aéreos rumo ao Pantanal.

Cenas folclóricas

Apesar de toda a sua experiência, Zé Rolim ainda se empolga com os contrastes e as situações geradas pela utilização do avião no bucólico e natural espaço do Pantanal. “Mesmo com toda a simplicidade e rusticidade do homem pantaneiro ele mantém seu aviãozinho na porta de casa, estacionado, como se fosse um jeep. Há 50 anos, pelo menos, é assim: uma ferramenta de trabalho essencial e eficiente, como um trator para o produtor rural das regiões de serra”

A “intimidade” do avião com o ambiente pantaneiro também parece ter contagiado animais nos rebanhos, dentro das propriedades. Rolim faz questão de contar um fato ocorrido em meados dos anos 80 na Fazenda Santo Antônio do Amolar, às margens do Rio Paraguai, em Corumbá/MS.

“Um monomotor Corisco ficou na fazenda de um dia para o outro; durante a noite, uma vaca e seu bezerro invadiram a pista do campo de pouso e os dois se acomodaram próximo ao avião. No dia seguinte fomos ver o resultado: o bezerro ‘mamou’ no trem de pouso até corroer uma parte dele e a vaca se coçou na asa direta, que ficou empenada. Tivemos de improvisar para conseguir decolar e levar a aeronave para os devidos reparos em Campo Grande”.

Instrumento de trabalho

O pecuarista Carlos de Castro Neto pilota há 32 anos e não abre mão de utilizar de seu avião para o trabalho no campo e para o deslocamento às cidades. Proprietário da Fazenda São Lourenço – mais de 25 mil hectares e rebanho superior a cinco mil cabeças – no Pantanal do Paiaguás (300 km de Coxim/MS, norte do Mato Grosso do Sul), ele garante que durante metade do ano não há outro meio de transporte para alcançar sua propriedade.

Recentemente Neto comprou até uma aeronave nova. Pagou R$ 180 mil em um monomotor Cessna que ele faz questão de cunhar como “ferramenta de trabalho”. Pela extensão de suas terras e pelo rebanho que tem, esta classificação é mais do que justificada. “Depois que os peões recolhem o gado e percebemos que faltam animais, sempre faço um sobrevôo para localizar os desgarrados e orientar os funcionários”, explica.

Mas além de atender as necessidades de seu trabalho e de sua propriedade, o avião de Neto acaba tendo uma utilização mais comunitária do que a prevista. “Meus vizinhos pantaneiros não possuem avião; portanto, quando há alguma emergência tenho de socorrê-los; se é preciso e necessário transporto acidentados por picada de cobra e mesmo mulheres em trabalho de parto ou com hemorragias”, admite.

Revoada Pantaneira

O dia-a-dia dos pilotos de avião no Pantanal, os bate-papos nos campos de pouso das fazendas e nos aeroportos e os causos de cada um, acabaram por gerar um encontro anual no Mato Grosso do Sul. A “Revoada Pantaneira” está em sua terceira edição – 25 a 27 de julho de 2008 – e acontece no aeródromo da Fazenda São Paulino, na região da Nhecolândia, município de Corumbá/MS.

O evento aeronáutico reúne pilotos civis e militares que operam no Pantanal do Mato Grosso do Sul. Eles também recebem a visita de colegas de várias regiões do Brasil. Boa parte dos pilotos é formada também por produtores rurais. A pista, na fazenda, é toda de grama e conta com iluminação para operações noturnas de manobra, pouso e decolagem.

O local conta com opção de hospedagem em três níveis: apartamentos, apartamentos duplos (leito tipo beliche e banheiro conjugado) e camping (com barraca para duas pessoas). A organização oferece pensão completa e passeios.

Esta reportagem foi premiada como a melhor de jornalismo impresso no concurso Jornalismo Rural da Famasul/autor: Ariosto Mesquita.
Fonte: Midiamax - Foto: cpap.embrapa.br

Ataque aéreo de Israel mata dois militantes em Gaza

Um ataque aéreo israelense matou dois militantes palestinos na Faixa de Gaza, perto da cerca de fronteira com Israel, disseram fontes médicas na terça-feira.

Moradores do campo de refugiados de Maghazi, nas proximidades, disseram que um helicóptero disparou dois mísseis nos militantes, que haviam lançado uma granada contra militares israelenses.

As fontes disseram que dois militantes foram mortos e outros dois homens armados ficaram feridos. Parentes dos mortos disseram que os militantes eram membros do braço armado do Hamas, a facção islâmica que controla a Faixa de Gaza.

Um porta-voz militar de Israel disse que o fogo foi disparado contra os militantes que tentavam plantar artefatos explosivos ao logo da cerca na fronteira. Um soldado israelense ficou levemente ferido no incidente.

Esse foi o primeiro confronto confirmado na Faixa de Gaza neste mês no qual militantes foram mortos por ação de forças israelenses. Israel encerrou uma ofensiva de 22 dias contra o território em 18 de janeiro.

Fonte: Nidal al-Mugharabi e Ori Lewis (Reuters) via Abrail.com

Bombeiros de MT passam por reciclagem em área de aeródromo

Bombeiros do 2º Batalhão de Várzea Grande, em Mato Grosso realizou iniciaram nesta semana o Curso de Formação Técnica de Bombeiros para Aeródromos (FTBA) na Seção de Contra incêndio, localizada no Aeroporto Internacional Marechal Rondon.

O curso, que terá a duração de 20 dias, com carga horária de aproximadamente 100 horas/aula, irá recapacitar os bombeiros militares para atuarem na prevenção de sinistros dentro da área do Aeroporto.

O curso, que foi disponibilizado pela Infraero contempla 40 bombeiros de várias Unidades do Corpo de Bombeiros Militar de Mato Grosso (CBM/MT) e será dividido em aulas teóricas, práticas e simulado. "Periodicamente realizamos cursos nesta área para aprimorar as técnicas que são utilizadas neste tipo de ocorrência", destacou o major Juarez Nunes Moreira, comandante do 2º BBM.

Os alunos recebem instruções que envolvem extintores, desencarceragem em aeronaves e utilização de viaturas de combate à incêndio dentro do aeródromo.

Em 2008, os bombeiros atenderam duas ocorrências com aeronaves que fizeram pousos forçados na pista do Aeroporto, além do Atendimentos Pré-Hospitalares (APH) que são realizado frequentemente.

Mais informações pelo fone 9971-6458 com major Nunes.

Autor: Raquel Ferreira (Gazeta Digital)

Empresário briga com funcionário da TAM e vai parar no hospital com fratura tríplice na bacia

O empresário paraibano Zaerson Guedes Torres, de 49 anos, acusa um funcionário da TAM de o ter agredido na fila de check-in da companhia, no Aeroporto de Guarulhos, na noite de sábado. Torres teve fratura tríplice da bacia e está internado no Hospital São Luiz, do Tatuapé, na Zona Leste de São Paulo, onde deve ser submetido a uma cirurgia nesta terça-feira.

Segundo boletim de ocorrência feito pela polícia, o empresário se desentendeu com o supervisor da companhia aérea Eduardo Pereira dos Santos, de 28 anos, que o teria impedido de embarcar no avião, após alegar que o passageiro estava bêbado. O caso foi registrado na delegacia do aeroporto (BO 521/09) como lesão corporal.

Torres, que é dono de uma construtora em João Pessoa, veio a São Paulo participar de uma feira no Anhembi. Seu vôo para a Paraíba estava marcado para as 21h. Ele passou pelo check-in às 19h30m e, segundo a polícia, uma funcionária da TAM achou que ele estava embriagado, e chamou o supervisor.

Segundo consta no BO, elaborado pelo delegado João Carlos Ferreira da Silva, o funcionário da TAM retirou a bagagem de Torres da esteira e mandou o passageiro "lavar o rosto, tomar café e retornar no horário da viagem". O empresário teria se irritado, xingado Santos e o agredido com socos no peito e no olho, deixando-o com um hematoma. O funcionário teria revidado para se defender.

A versão do empresário, que não foi ouvido no boletim de ocorrência, é diferente. Torres, que é diabético e tem osteoporose, diz que passou mal na fila, porque sua taxa de glicemia chegou a 380. Neste momento, o supervisor, o acusando de estar bêbado, teria tomado a passagem de suas mãos e o mandado tomar café. Torres afirma ainda que tentou pegar a passagem de volta, mas o funcionário, que estava atrás do balcão, deu a volta, o empurrou e depois o chutou.

A PM foi chamada e levou os dois à delegacia. O delegado afirma que, ao ver o estado de saúde do empresário, o encaminhou à enfermaria do aeroporto. De lá, uma ambulância da Infraero o removeu para o Hospital de Urgência de Guarulhos e, depois, ao São Luís.

Em nota oficial, a TAM afirma que seu funcionário foi agredido e se defendeu durante o atendimento. Diz ainda que logo após o ocorrido o funcionário foi registrar boletim de ocorrência e fez exame de corpo de delito. "A TAM vai aguardar a manifestação das autoridades e está à disposição para os esclarecimentos que se fizerem necessários."

Fonte: Cristina Christiano (Diário de S.Paulo) via O Globo

Rainha da Inglaterra fica sem jatinho por causa da crise

Família real britânica continuará usando os jatos da Força Aérea até abril do próximo ano

Rainha Elizabeth II e o Príncipe Philip, desembarcando em mais uma missão internacional: sem jatinho até 2010

A cada semana, uma grande empresa anuncia que está vendendo os jatinhos usados pela diretoria para evitar a ira dos acionistas. Desta vez, a crise fez uma vítima diferente: a rainha Elizabeth II, do Reino Unido. No ano passado, os representantes de Sua Majestade estavam buscando um modelo que combinasse o clássico da monarquia ao moderno da nova geração, mas a crise jogou água fria nos planos reais.

A rainha tinha planos de comprar um jatinho de 12 lugares. Mas com o derretimento da economia mundial em setembro do ano passado e a conseqüente falta de liquidez no mercado, ela foi obrigada a desistir temporariamente da ideia.

Segundo o jornal “The Sun”, a família real já tinha até acertado a compra do avião, quando o ministro das Forças Armadas, Bob Ainsworth, anunciou que os herdeiros da casa de Windsor continuariam voando nos aviões da Força Aérea Britânica até abril do ano que vem.

Esta é a segunda vez que a rainha Elizabeth II perde a oportunidade de comprar seu próprio jatinho. O primeiro-ministro Gordon Brown também já tinha cancelado um plano de comprar três jatos particulares para o governo, que também seriam usados pela família real.

Em compensação, o banco norte-americano JP Morgan Chase já autorizou um gasto de US$ 138 milhões para a compra de dois jatos corporativos e a construção de um hangar no Aeroporto de Westchester. A empresa planeja comprar dois Gulfstream 650 e o hangar levará em conta um padrão mais verde de construção, incluindo madeiras de demolição e um jardim.

Detalhe: o banco recebeu US$ 25 bilhões em ajuda do governo federal quando a crise estourou, ainda durante a administração Bush.

O banco garante que a compra dos aviões não passará nem perto de usar os fundos federais e que a aquisição é parte de uma “política normal de susbstituição de aeronaves”.

Fonte: Época NEGÓCIOS Online

Ultraleve cai em mar e mata os dois ocupantes em Ilha Comprida (SP)

Após uma semana, bombeiros encontraram jovem morto em queda de ultraleve.

Acidente ocorreu no dia 20, em Ilha Comprida.

Homem de 40 anos que pilotava o ultraleve também morreu.

Um grupo de pessoas que estavam no local acompanharam o resgate

Curiosos observam equipamento retirado do mar

Ultraleve foi encontrado na praia de Ilha Comprida com corpo de adolescente preso às ferragens

Um cabo submerso permitiu localizar o ultraleve

Corpo do adolescente ficou preso ao ultraleve pelo cinto de segurança

Foi encontrado na quinta-feira (26) em Ilha Comprida, a 207 km de São Paulo, o corpo de um jovem que sofreu um acidente de ultraleve que ocorreu por volta das 10h45 desta sexta-feira (20). Outro rapaz que pilotava o equipamento também morreu.

O ultraleve foi encontrado pelos bombeiros a 900 m da praia e a 7 m de profundidadeda da praia Recanto Volpará, ao lado do corpo do adolescente Mateus Souza Signorini, de 15 anos, que estava preso ao equipamento pelo cinto de segurança.

Logo após o acidente, no dia 20, o piloto de 40 anos, Marcelo Tadeu Tilhof, chegou a ser socorrido, mas morreu no hospital. A polícia vai fazer perícia nos destroços para descobrir as causas da queda.

Segundo os Bombeiros, um cabo submerso foi utilizado nas buscas e, ao enganchar nas ferragens do ultraleve, permitiu que o equipamento fosse encontrado. Pescadores e moradores locais também ajudavam no trabalho procurando sinais de óleo que pudessem indicar a localização dos destroços. A Capitania dos Portos auxiliou na busca nos dias anteriores.



Fontes: internauta José Luís (de Ilha Comprida) / G1 / Terra / Bom Dia SP (TV Globo) - Mapa: G1 - Fotos: Rodrigo Robatini (vc repórter - Terra)

Embraer vai recorrer de decisão sobre demissões

A Empresa Brasileira de Aeronáutica (Embraer) disse nesta segunda-feira (30), por meio de nota, que vai recorrer da decisão do Tribunal Regional do Trabalho (TRT) de Campinas que manteve os contratos de trabalho dos funcionários demitidos valendo até o dia 13 de março. Os mais de quatro mil funcionários foram demitidos pela empresa no dia 19 de fevereiro. A Embraer também informou que irá recorrer do parecer do TRT que considerou as demissões 'abusivas'.

No julgamento realizado no último dia 18, o TRT de Campinas não reverteu as mais de quatro mil demissões realizadas pela Embraer, mas determinou que a empresa teria que pagar indenizações aos funcionários no valor de dois salários correspondentes a um mês de aviso prévio, com limite de R$ 7 mil, além de oferecer assistência médica por um ano. As demissões, segundo decisão dos desembargadores do TRT, só valeriam a partir do dia 13 de março.

A decisão do TRT não agradou aos funcionários da empresa. Elas esperavam que as demissões fossem revertidas ou que recebem valores maiores nas indenizações.

Embora tenha decidido recorrer da decisão sobre a data das demissões, a Embraer informou que vai garantir aos funcionários demitidos assistência médica até março do próximo ano e o pagamento de indenização adicional às verbas rescisórias já processadas e pagas. Além disso, a empresa disse que vai acatar a decisão do TRT e dará prioridade de emprego aos funcionários demitidos caso ocorram processos de admissão.

A Embraer também informou que os funcionários poderão retirar o total das contribuições feitas para o Plano de Aposentadoria Complementar da empresa e que pagará aos demitidos a parcela devida da Participação nos Lucros e/ou Resultados (PLR), referente ao segundo semestre de 2008.

Fonte: Agência Brasil via InvestNews

Rússia se prepara para Marte com Big Brother

“Marte 500”, apesar de nome de longa-metragem hollywoodiano, é a mais nova missão de astronautas russos a fim de provar a resistência de humanos numa preparação para futuras viagens ao planeta vermelho.

Um sexteto de voluntários irá passar 105 dias em uma simulação vigiada do módulo espacial na Estação Espacial Internacional, que durará até julho, na primeira fase do projeto.

Durante a estadia, o grupo terá que produzir relatórios de bordo e servirá como objeto de estudo por meio de câmeras espalhadas pela nave, em busca de respostas para condições metabólicas e comportamentais dos viajantes na jornada.

A pequena cozinha a disposição dos voluntários

Fatos como o atraso na comunicação serão levados em consideração, para dar mais realismo aos testes. Em Marte, diz a Agência Espacial Européia, uma mensagem só consegue ser assimilada na Terra com vinte minutos de atraso.

Por isso, a autonomia dos cinco homens e uma mulher que estarão na nave deverá ser testada também na reparação das peças e nos experimentos científicos.

A missão inteira prevê dois anos de isolamento, tempo em que os astronautas passarão por um regime diário de trabalho e exercícios. A expectativa dos russos é que uma viagem a Marte aconteça em um prazo de vinte anos.

Fonte: INFO Online - Foto: JAXA

Terminal de Guarulhos começa a sair do papel e demandará R$ 1 bi

Clique sobre a imagem para ampliá-la

Enquanto o Banco Nacional de Desenvolvimento Social de Desenvolvimento Social (BNDES), ficou responsável pela concorrência que dará origem a um modelo de concessão para os aeroportos do País, a Empresa Brasileira de Infraestrutura Aeroportuaria (Infraero), trata de agilizar os projetos de expansão de parte das 67 unidades que administra, entre elas, o Aeroporto Internacional de Guarulhos, devendo lançar um edital até abril, para a realização dos estudos de viabilidade da construção de um terceiro terminal de passageiros, orçado hoje em torno R$ 1 bilhão.

O anúncio foi do presidente da estatal aeroportuária, o brigadeiro Cleonilson Nicácio Silva, ao dizer que "a expectativa é de que corra tudo dentro planejado para que o terminal esteja pronto em 2014", comentou ele, referindo-se à Copa do Mundo de Futebol que acontecerá no Brasil, fazendo com que Guarulhos seja uma das principais portas de entrada de turistas.

Estudos apontam que a obra incrementará a capacidade de movimentação de passageiros do aeroporto paulista em mais 13 milhões. Prova disso é que a unidade recebeu aproximadamente 20 milhões de turistas no último ano. Para Guarulhos, também estão previstos aportes de R$ 16,5 milhões , em infraestrutura e equipamentos para seu Terminal de Cargas (Teca).

A concorrência internacional deve ascender o interesse tanto de empresas ligadas a administração aeroportuária e até construtoras, podendo dar origem a toda diversidade de consórcios. A idéia é que os estudos fiquem prontos de forma a possibilitarem o início das obras em 2010.

Outra novidade é que o novo terminal poderá receber a maior aeronave do mundo, o A-380, com capacidade para mais de 800 passageiros - hoje só companhias de fora têm essa aeronave encomendada. A maior aliança de companhia aéreas do mundo, a Star Alliance, com mais de 20 empresas, entre elas a TAM Linhas Aéreas, manifestou interesse em tornar Guarulhos uma espécie de hub ( centro de distribuição de voos) no País, com o desejo de concentrar as atividades das filiadas em só um terminal.

Além disso, novas empresas como a Turkish Airlines querem atuar por aqui, tornando maior a necessidade de mais um moderno equipamento para abrigar a operação de novos voos internacionais.

Congonhas

Outro desafio da Infraero é a resolução dos gargalos do Aeroporto de Congonhas, hoje saturado, mas que ainda desperta o interesse de novas companhias aéreas. No local é cogitado aumento de 1,1 mil metros para 2 mil metros das pistas, desencadeando a desapropriação de vários imóveis, mas os moradores da região organizam ações para frear a iniciativa.

Para agilizar a expansão do Aeroporto Internacional de Guarulhos, a Infraero deve lançar edital até abril para os estudos de viabilidade de um terceiro terminal de passageiros, orçado hoje em torno R$ 1 bilhão.

Fonte: DCI - Imagem: SkyscraperCity

Prejuízos por queda de turbina de avião sobre casas de Manaus somam R$ 31,3 mil

Os prejuízos causados pelos destroços do avião cargueiro DC-10 da empresa Arrow Air Cargo, no último dia 26, que caiu sobre 18 casas em Manaus, somam R$ 31.331,11. O cálculo foi feito pela Defesa Civil de Manaus e consta do laudo pericial indenizatório divulgado nesta segunda-feira. De acordo com a Defesa Civil, o laudo fica à disposição das vítimas e da empresa para que sirva de base para indenizações. Caso as partes não cheguem a um acordo, o caso pode ser levado à Justiça.

- O trabalho da Defesa Civil concentrou-se no levantamento dos danos às casas atingidas. Foi observado como critério para avaliação o dano de maior e menor grau em que, todas as casas atingidas, foram devidamente vistoriadas e constatados os prejuízos que estão relacionados no documento divulgado hoje - explica Jocimar Coelho, gerente de engenharia da Defesa Civil que elaborou o laudo pericial.

De acordo com ele, esse valor vai aumentar com os prejuízos causados nos dois veículos, que ainda não foram contabilizados.

- Esse valor que envolve dois carros depende ainda do Detran para ser finalizado -

Coelho explicou também que a empresa Arrow Air Cargo será a responsável pelo pagamento de indenização das casas. A casa mais atingida é a de Sandra Maria de Oliveira, que é deficiente física, que teve prejuízo de R$ 10,6 mil. Uma grande peça da turbina caiu sobre a sala dela.

- A casa dela teve até um buraco. Nós pedimos que os moradores se retirassem dessa casa por precaução, mas a família não concordou - afirma.

Fontes: O Globo / Portal Amazônia - Foto: EFE

Gol vai operar novo voo em Caxias do Sul

Rota para São Paulo terá escala em Curitiba

A partir do dia 17 de abril a Gol Linhas Aéreas passa ter mais uma linha em Caxias do Sul.

O voo sairá do aeroporto de Guarulhos, em São Paulo às 12h20min, terá escala em Curitiba e chegará em Caxias às 14h50min. Na volta, o avião sairá do aeroporto Hugo Cantergiani às 15h20min, fará nova escala em Curitiba e pousará em São Paulo às 18h. O novo voo vai operar nas segundas, terças, quartas, sextas e sábados.

De acordo com o secretário de Trânsito, Transporte e Mobilidade, Vinícius Ribeiro, o poder público e os parceiros que atuam no aeroporto estão trabalhando para ampliar a oferta na cidade, já que há demanda reprimida.

Fonte: Bibiana Ribeiro Mendes (Pioneiro)

Obama com direito a nova playlist no Air Force One

Presidente dos EUA vai passar a ouvir músicas de Beyoncé, Rihanna e Kanye West no avião presidencial

O presidente dos EUA, Barack Obama, vai ter direito a uma nova playlist de canções para poder ouvir durante as viagens a bordo do avião Air Force One.

Segundo a CNN, a empresa californiana DMI foi contratada para renovar e actualizar a lista de músicas do avião presidencial. Beyoncé, Rihanna, Kanye West, Eric Benet e Gavin Rossdale são alguns dos artistas que em breve poderão ser escutados pelo presidente e a sua família.

«O fato do presidente dos EUA e a sua família gostarem da minha música e encontrarem algum significado nela é, para mim, espectacular», disse Rossdale à CNN.

Relembre-se que, durante as presidenciais, a campanha de Obama foi sempre acompanhada de muita música. O então candidato democrata recebeu o apoio de Bruce Springsteen e Will.i.am, entre outros, em vários concertos e canções compostas especialmente para Obama.

Yes We Can Obama Song by Will.I.Am




Fonte: IOL Diário (Portugal)

Ryanair: avião de número 200 e 1 milhão de bilhetes a 10 euros para comemorar

A Ryanair, principal companhia de aviação low cost da Europa, comemora neste 25 de março a entrega do seu avião de número 200. A entrega do Boeing 737-800 Next Generation tem uma celebração especial: a empresa está oferecendo um milhão de lugares com o valor unitário de dez euros para viagens em abril, maio e junho, por toda a sua rede européia.

Neste ano, a Ryanair pretende transportar 67 milhões de passageiros, acreditando que o seu tráfego continuará aumentando em função das tarifas faixas. O custo médio dos bilhetes é de 34 euros.

Para quem deseja participar da festa, os bilhetes a dez euros estão disponíveis no site http://www.ryanair.com/.

Fonte: Agência Estado via Brasilturis

Aeroporto de Araraquara (SP) deverá ser desativado

Daesp pediu a retirada de equipamentos; Prefeitura tenta reverter situação

O aeroporto de Araraquara (foto) deverá ser desativado. O local não opera voos comerciais desde 2007 e agora o Departamento Aeroviário de São Paulo (Daesp) pediu a retirada de equipamentos usados em pouso e decolagem. A prefeitura tenta reverter a situação.

A infraestrutura está em boas condições e atende as necessidades que o aeroporto tem atualmente, mas o pouco movimento motivou o Daesp a pedir para a Agência Nacional de Aviação Civil (Anac) a retirada dos equipamentos de rádio transmissão. Se isso acontecer, a pista pode ser fechada. “O prefeito teve uma audiência com o governador de São Paulo, José Serra. O secretário de transportes, Mauro Arce, tem a intenção de fazer o aeroporto voltar a operar em breve com vôos regulares”, explica o secretário de Governo de Araraquara, Orlando Mengatti Filho.

A última empresa a deixar o aeroporto operou de 2002 a 2007 e tinha, em média, 10 passageiros por dia, número considerado muito baixo. Apesar disso, empresários e a prefeitura acreditam que o bom momento economia na região é motivo suficiente para retomar as atividades. “Nós recebemos na cidade várias empresas da área de exportação que se interessam na volta desse aeroporto. Com a inauguração do novo estádio da Fonte (Luminosa), pretendemos trazer grandes eventos e inclusive sediar um jogo da copa de 2014”, explica Mengatti.

Os comerciantes também esperam esse retorno. A notícia de que o aeroporto pode ser fechado, surpreendeu o sindicato que representa restaurantes, bares, hotéis de Araraquara e região. “Nós estamos trabalhado para que exista uma outra linha de voo de Araraquara para São Paulo. Entre essa semana e a outra isso deve ser finalizado”, explica o presidente do sindicato, José Carlos Cardozo.

Fonte: EPTV - Foto: DAESP

Governo boliviano lança companhia aérea estatal

Uma nova empresa estatal de aviação comercial começou a operar nesta segunda-feira (30) na Bolívia, com um déficit previsto de US$ 4 milhões, mas com a premissa de integrar o país.

A Boliviana de Aviación (BoA) realizou hoje seus primeiros voos na rota local La Paz-Cochabamba-Santa Cruz com tarifas 10% mais baixas que suas concorrentes.

O plano de negócios da BoA, que opera inicialmente com duas aeronaves Boeing 737-300, contempla um déficit inicial de US$ 4 milhões sobre um investimento inicial de US$ 15 milhões feito pelo Estado.

"Faremos todos os esforços para, com base nos próprios lucros da companhia e se for necessário outros esforços do Tesouro Nacional, construir uma companhia aérea poderosa", anunciou no domingo o vice-presidente boliviano, Álvaro Garcia Linera.

A BoA realizou no domingo um voo inaugural que partiu de Cochabamba, no centro do país, com um atraso de meia hora, o que motivou o presidente Evo Morales a cobrar "pontualidade e segurança" e sobretudo "transparência para fazer uma grande empresa estatal".

Humberto Roca, presidente da Aerosur, que controla entre 60% e 70% do mercado, queixou-se da nova competidora ao expressar que a entrada da BoA provocará "prejuízos a todas as companhias aéreas".

Sergio Urioste, da Amaszonas, pediu "regras claras" para evitar que "as empresas se matem entre si" com uma guerra de tarifas que "irá enfraquecer todas as empresas".

Um informe do Departamento de Aeronáutica da Bolívia afirmou que em 2008 houve uma oferta de 1,9 milhão de assentos frente uma demanda de 1,1 milhões, o que implica em um fator de ocupação das aeronaves de 61%.

O superintendente de Transportes, Wilson Villarroel, assegurou hoje que existe "regras claras de regulação que não favorecem a nenhum operador" e que as análises técnicas do mercado demonstram que "é possível que entre um novo operador".

Fonte: ANSA

Aeroporto Internacional de Confins completa 25 anos

O Aeroporto Internacional de Confins - Tancredo Neves (MG) completou neste sábado (28/03) 25 anos. Em 1984, o aeroporto surgiu da necessidade de atender a região metropolitana de Belo Horizonte, que se expandiu a partir da década de 70. Com 15 milhões de metros quadrados, possui um sítio aeroportuário que possibilita expansões e adequações.

Há quatro anos, em 13 de março de 2005, foi realizada a transferência dos voos do Aeroporto da Pampulha para o Aeroporto de Confins. O objetivo era desafogar o tráfego aéreo da Pampulha e explorar a estrutura do aeroporto internacional. Antes da transferência, o Aeroporto Tancredo Neves operava com cerca de mil passageiros por dia, menos de 400 mil por ano e apenas 10 voos diários.

Em 2008, o aeroporto registrou um movimento recorde de 5.189.528 passageiros, por intermédio de 59.544 operações de pousos e decolagens. Estes números colocam o aeroporto em 6º lugar entre os 67 administrados pela Infraero. Também contribuiu para esse crescimento a volta das operações internacionais de ligação direta e indireta, aumentando o número de passageiros internacionais de 33.157em 2007, para 160.060 em 2008.

Fonte: Mercado & Eventos - Foto: Gazeta Mercantil

Avião tombado como patrimônio histórico já está em praça de Alta Floresta (MT)

A Comissão Pró-restauração do Douglas DC-3, aeronave que pertence ao patrimônio histórico de Alta Floresta, foi colocada neste sábado, 28, na praça da Cultura, no centro de Alta Floresta.

De acordo com a comissão, a aeronave foi toda pintada, recebeu vidros nas mais de 27 janelas, foi reformado cabine de comando e instalação de alguns equipamentos. O assoalho foi todo refeito e colocado poltronas.

Para a reforma foram utilizados recursos oriundos do Termo de Ajustamento de Conduta (TAC), feito pelo Ministério Público (Promotoria de Alta Floresta), através de multas aplicadas em questões ambientais.

A proposta é que seja instalada, dentro da aeronave, uma sala de instrução histórica, com fotos e textos expostos para que a comunidade alta-florestense, sobretudo a comunidade escolar, possa conhecer a história do município.

“Esta aeronave participou da história de Alta Floresta, conseguimos, com o apoio muito grande do promotor Dr. Marcelo Caetano Vacchiano e da prefeitura municipal, formar uma comissão para a restauração e agora estamos entregando esta aeronave a comunidade alta-florestense”, disse Agostinho Bizinoto que presidiu a comissão.

Segundo a prefeita Maria Izaura, essa aeronave é parte da história de Alta Floresta e precisa ser resgatado e preservado e a sociedade tem que ter acesso a este patrimônio.

Fonte: Jornal Maro Grosso do Norte

Moradores de São José dos Campos são acordados por testes de avião Xavante da Aeronáutica



Moradores de São José dos Campos ouviram nesta segunda-feira, logo cedo, o ruído de aviões a jato fazendo voos rasantes sobre a cidade. Segundo a assessoria de imprensa do Comando-Geral de Tecnologia Aeroespacial (CAT) até 8 de abril, o Grupo Especial de Ensaios em Voo (GEEV) do CTA realizará uma série de vôos de testes com a aeronave AT-26 Xavante.

Durante os ensaios, que ocorrerão a partir das 6h30 da manhã e às 16h - por reunir as condições meteorológicas mais favoráveis para o tipo de teste e em função da baixa concentração de pássaros no horário -, haverá passagens de aeronaves por sobre o aeródromo (pista de pouso e decolagem), em altura que permita a calibração de diversos instrumentos de bordo.

Segundo informações do CTA, "as atividades serão realizadas com total segurança para as comunidades próximas do aeródromo, havendo, no entanto, a possibilidade de algum incômodo em função do ruído da aeronave".

Fonte: VNews via O Globo - Vídeo: lnrodrigues (YouTube)

Anac expunha dados pessoais de consumidores

O site da Agência Nacional de Aviação Civil (Anac) expunha dados pessoais de cerca de 10 mil consumidores que usaram os serviços do órgão para fazer queixas sobre o atendimento de companhias aéreas.

Os IDs dos chamados abertos eram seqüenciais, de tal forma que bastava trocar um número para ter acesso a informações como nome, endereço, e-mail, telefone e CPF de outras queixas cadastradas.

A falha na formatação do site foi encaminhada ao Baguete por um leitor. Depois de avisada, a Anac afirmou que vai retirar o dados do ar por 24 horas para manutenção.

Em agosto do ano passado, o portal publicou uma reportagem sobre uma falha similar no site da Anatel.

Usuária do mesmo sistema - o Focus - a agência reguladora do setor de telefonia expunha dados pessoais de sete milhões de pessoas. Horas depois da publicação da notícia a agência tirou as informações pessoais do ar.

A reportagem do site conferiu nesta segunda-feira, 30, o sistema da Anatel e não conseguiu ter acesso a informações pessoais de outros usuários.

Fonte: baguete.com.br

Manifestação contra a ampliação de Congonhas

Manifestação contra a ampliação no próximo dia 5 de abril

O Movimento “NÃO A AMPLIAÇÃO DE CONGONHAS”, formado pela sociedade civil e Associações, estão organizando uma manifestação para o próximo dia 5 de abril. Pretendem chamar a atenção de todos em relação às informações divulgadas à imprensa pelo Ministro da Defesa, Nelson Jobim, pelo Governador de São Paulo, José Serra, e pelo Prefeito Gilberto Kassab sobre um Projeto de Ampliação da pista de Congonhas em 1.000 metros.

Essa ampliação exigiria a desapropriação de cerca de 2.500 imóveis e afetaria diretamente 10.000 pessoas, entre comerciantes e moradores do entorno do aeroporto, como o Jabaquara, Parque do Jabaquara, Jardim Aeroporto, Moema, Vila Noca, Vila Ceci, Vila Guarani e Campo Belo. O que os mesmos querem demonstrar através da manifestação é que, acrescentar 1.000 metros de pista NÃO trará os resultados anunciados pois, as questões de Congonhas são muito mais complexas e envolvem não só a questão da segurança como também, o ruído, a poluição do ar, do solo, fatores que já vem afetando, e muito, a saúde dos que moram e trabalham não só no entorno, como no próprio aeroporto. Hoje, existem várias escolas e hospitais afetados pelos níveis de ruído e de poluição causados pelas aeronaves que atualmente operam em Congonhas.

Levando em conta tais fatores, entre as principais reivindicações do Movimento estará a utilização de Congonhas por aeronaves adequadas às limitações desse aeroport, limitações essas, decorrentes de uma série de fatores inclusive, da conformação geográfica do local em que está instalado.

A Manifestação contará com a presença e apoio de associações, moradores, representantes da sociedade civil, deputados e vereadores, além de especialistas em questões ligadas ao aeroporto, que estarão disponíveis para dar entrevistas durante o evento.

Serviço:

. Manifestação Contra a Ampliação do Aeroporto de Congonhas
. Data - 5 de abril de 2009 (domingo)
. Horário: 9h30
. Local: concentração na Av. Washington Luis, em frente ao local do acidente da TAM de julho/2007

Haverá uma homenagem às vítimas desse e demais acidentes aéreos e, em seguida, caminhada
até o Saguão Central do Aeroporto de Congonhas, onde serão realizadas as manifestações contra
a ampliação.

Entidades participantes:

. ABRAPAVAA – Associação Brasileira de Parentes e Amigos das Vítimas de Acidentes Aéreos
. AMAM – Associação dos Amigos e Moradores de Moema
. AMEA – Associação dos Moradores do Entorno do Aeroporto de Congonhas
. Associação Moradores da Vila Noca e Vila Ceci
. GT Aeroporto de Congonhas

Maiores informações:

. René Cadaval - Presidente da AMEA – (11) 9300.1867
. Sandra Assali - Presidente da ABRAPAVAA – (11) 5041.3781/ 9204.1324
. Lygia Horta - Presidente da AMAM – (11) 5041.3157
. Nelson Piva – Presidente Assoc.Moradores Vila Noca e Vila Ceci – (11) 9949.0583
. Cmte. Carlos Camacho - Segurança de Vôo – (11) 7181.0082
. GT Aeroporto de Congonhas:
- Márcia Vairoletti – (11) 9523.0188/ 3721.7192
- Marion Lautenberg – (11) 9978.8860
- Asuncion Blanco – (11) 9636.6065

Contamos com o apoio de todos e agradecemos desde já pela atenção

www.naoampliacaodecongonhas.com.br

segunda-feira, 30 de março de 2009

Nasa exibe nova cápsula lunar em pleno Parque Nacional

Público pôde conferir a nova cápsula Orion, na Praça Nacional, em Washington

Uma réplica da nova cápsula Orion - que deve levar os astronautas de volta à Lua até 2020 - foi exibida ao público e aos jornalistas no Parque Nacional, em frente ao Capitólio, em Washington. O módulo integra o programa Constellation, que será responsável por substituir os já desgastados ônibus espaciais em 2010 e pelo retorno ao solo lunar quatro décadas depois do primeiro pouso.

Presa à ponta de um foguete, do qual se desprende em órbita, a cápsula Orion permitirá o transporte de tripulação e carga para estações espaciais e missões no satélite. Um vôo experimental está previsto para o segundo semestre deste ano.

A bordo, serão utilizadas tecnologias computadorizadas, novos sistemas de propulsão, proteção térmica, ejeção de tripulantes e escape em caso de emergência, o que garante maior segurança aos astronautas. Também serão incorporados painéis solares para permitir a permanência em órbita durante longos períodos.

A Orion levará astronautas até a superfície lunar enquanto o foguete Ares V ficará em órbita à espera do reembarque da equipe para o retorno à Terra. A cápsula deverá levar até seis astronautas para a Estação Espacial Internacional (ISS) e de dois a quatro tripulantes para a Lua.

Transportador em solo lunar

Um novo veículo de transporte lunar também já está sendo testado desde o início do ano no deserto ao sudoeste do Arizona para entrar em ação logo após a aterrissagem no satélite. O transportador é muito mais tecnológico e seguro que o frágil Eagle - utilizado por Neil Armstrong e Buzz Aldrin no histórico 16 de julho de 1969.

O módulo tem o tamanho aproximado de uma grande caminhonete, com 12 rodas, e infra-estrutura suficiente para abrigar dois astronautas por até 14 dias. Ali dentro, a tripulação encontrará alimentação e instalações sanitárias, além dos computadores e outros equipamentos científicos.

Fonte: Terra (com informações da agência Reuters) - Foto: Reuters

TAM amplia acordo com companhia uruguaia

A TAM informou hoje que expandiu o acordo de compartilhamento de voos com a companhia aérea uruguaia Pluna, com a participação da TAM Airlines, sediada em Assunção, Paraguai.

O acordo foi aprovado pelas autoridades dos três países. A operação - que vai ser implementada a partir de 1º de abril - consiste no compartilhamento de voos diários operados pela TAM e pela Pluna entre São Paulo e Montevidéu, além de uma frequência diária que liga Assunção a Montevidéu, por meio da Pluna.

A parceria possibilita oferecer aos clientes na rota entre São Paulo e Montevidéu, a operação da TAM e da Pluna. Com isso serão três frenquências diárias neste trecho. Já na rota que liga as capitais do Uruguai e Paraguai, os passageiros da TAM Airlines poderão voar pela Pluna.

Fonte: InvestNews

Aeroporto de Cabo Frio começa a receber aviões cargueiros vindos de Miami

O Aeroporto Internacional de Cabo Frio (foto acima), na Região dos Lagos, começa a receber, a partir desta segunda-feira, voos cargueiros semanais vindos de Miami, nos Estados Unidos, pela companhia Centurion. Por ter uma posição estratégica, o Terminal de Cargas (TECA) de Cabo Frio serve como base logística para empresas que exploram petróleo e gás nas bacias de Campos, no Norte Fluminense, e Santos, em São Paulo. Anteriormente, esse voo chegava ao Brasil via São Paulo.

Segundo o Secretário de Desenvolvimento de Cabo Frio, Carlos Victor Mendes, o Aeroporto Internacional de Cabo Frio possui a segunda maior pista de pouso do estado e é considerada pelas autoridades aeronáuticas como uma das mais seguras do país.

- A nova rota de transporte de carga aérea Miami-Cabo Frio vem mais uma vez demonstrar que valeram os esforços na ampliação das dimensões da pista do aeroporto, que está em condições de receber qualquer tipo de aeronave. A diminuição de custos com o transporte rodoviário e os transtornos do trânsito em São Paulo e no Rio estão atraindo as empresas para o aeroporto de Cabo Frio - disse o secretário.

Somente neste primeiro voo, serão transportadas cerca de 65 toneladas de equipamentos, com valor estimado em US$ 5 milhões. No próprio terminal, ainda acontecerá todo o processo de "desembaraço" da carga, realizado pela Receita Federal. A movimentação do TECA, que até então só recebia voos cargueiros fretados, responde por 95% da receita média mensal do aeroporto, único sob administração privada com terminais deste tipo no país.

A operadora Costa do Sol, que administra o aeroporto, está investindo R$ 10 milhões para duplicar, até meados de 2009, a área de armazenagem de 45 mil metros quadrados.

Fonte: Paulo Roberto Araújo (O Globo) - Foto: Delta Construções

Anac fará concurso público para 260 vagas

A Agência Nacional de Aviação Civil (Anac) e o Ministério do Planejamento, Orçamento e Gestão (MPOG) deverão realizar, em um prazo de seis meses, novos concursos públicos para contratação de servidores efetivos. Juntos, os dois órgãos deverão oferecer 490 oportunidades para cargos dos níveis médio e superior. A portaria com todas as informações pode ser encontrada no Diário Oficial da União desta segunda-feira (30/3), na página 93 da primeira seção.

Para o Anac, estão previstas 260 vagas, sendo 200 destinadas ao cargo de especialista (nível superior) e 60 para o cargo de técnico em regulação de aviação civil (nível médio). A remuneração para estes postos varia de R$ 5.234,67 a R$ 10.648. Já para o MPOG serão disponibilizadas 230 chances, todas para o cargo de analista em tecnologia da informação, que exige graduação. Para este caso, o salário é de R$ 2.989,28.

Fonte: Correio Braziliense

Greve na Qantas paralisa aeroportos na Austrália

Uma greve de funcionários da companhia aérea Qantas causou atrasos em aeroportos australianos, afetando tanto voos domésticos quanto internacionais, afirmou a empresa nesta segunda-feira.

Os carregadores de bagagens pararam por quatro horas nos aeroportos de Sydney, Brisbane, Adelaide e Perth em protesto contra a intenção da companhia de terceirizar serviços.

"Essa disputa está claramente trazendo prejuízos à empresa e aos passageiros", afirmou o porta-voz da Qantas, David Epstein. "Nós não temos outra alternativa", afirmou o porta-voz do sindicato Hughie Williams.

Fonte: InvestNews

Portugal: Aeródromo Municipal de Évora equipado com sistema de iluminação noturna

O Aeródromo Municipal de Évora (foto acima) vai passar a operar à noite, depois de instalado um sistema de iluminação nocturna. O presidente da Câmara de Évora, José Ernesto Oliveira, explicou que a instalação do sistema de iluminação, depois de devidamente certificado, vai permitir voos nocturnos no aeródromo, localizado na periferia da cidade.

Esta intervenção está englobada no Plano Estratégico de Desenvolvimento do Aeródromo de Évora, que prevê um investimento global de quatro de milhões de euros, tendo a primeira fase ficado agora concluída, depois de investidos 1,5 milhões de euros.

A instalação de um sistema de apoio à navegação aérea e de um grupo gerador, que entra automaticamente em funcionamento quando faltar a electricidade, foram outras das intervenções concretizadas na primeira fase. Além disso, um carro de combate a incêndios, oferecido pelo Aeroporto de Lisboa, e um novo parque de estacionamento e bar são outras das novidades da infra-estrutura aeronáutica.

Segundo o autarca alentejano, as intervenções “visam dotar o aeródromo de melhores condições de segurança para os operadores e mais conforto para o público e visitantes”. “É mais um passo que se dá na concretização do aeródromo como um dos equipamentos estratégicos e importantes para a valorização da nossa cidade”, afirmou José Ernesto Oliveira. Lembrando que “o aeródromo de Évora foi considerado, no ano passado, como o melhor do país”, o presidente do município afirmou que o objectivo é “continuar a ter essa distinção”.

De acordo com o autarca, para o próximo ano, está prevista uma nova fase do Plano Estratégico de Desenvolvimento do Aeródromo de Évora, que, entre outras intervenções, prevê o alargamento e reforço da pista.

Fonte: Diana FM (Portugal) - Foto: Julio Cesar

Festas e bailes ocupam aeroporto de Corumbá (MS)

Cerimônias de colação de grau, festas de aniversário e até bailes são realizados no saguão de embarque e desembarque do Aeroporto Internacional de Corumbá, na região do Pantanal de Mato Grosso do Sul. Os eventos privados foram constatados pelo Ministério Público Federal, conforme informação do procurador da República Carlos Humberto Prola Júnior. Na sexta-feira, ele recomendou ao superintendente da Empresa Brasileira de Infraestrutura Aeroportuária (Infraero), Carlos Alberto Fonseca Rocha, a imediata paralisação dessas atividades.

Júnior explicou que a recomendação é anterior a uma eventual medida judicial que possa ser tomada. O procurador observou não existir norma ou lei para cessão das áreas destinadas aos usuários dos serviços aeroportuários, mas "o procedimento contraria o princípio da legalidade". E acarreta riscos. As denúncias surgiram em outubro, quando ocorreu uma festa que ocupou o saguão.

"Até o pátio de manobra das aeronaves, um lugar de acesso restrito, foi utilizado para fotos da aniversariante, com os holofotes acionados. Dias antes da comemoração, seguranças particulares barraram a circulação no local, para receber o aparato destinado à festa", ressalta documento do Ministério Público Federal. O superintendente da Infraero disse não ter recebido oficialmente o comunicado do procurador, acrescentando que acatará a recomendação. Sobre a renda das festas, afirmou que o dinheiro "é uma receita" da empresa.

Fonte: jornal O Estado de S. Paulo - Foto: Jerônimo Freitas Rodrigues de Carvalho

Iniciadas as obras no aeroporto de Passos (MG)

As obras estão orçadas em mais de 6 milhões de reais

Entrada do Aeroporto de Passos

A pista será alargada dos atuais 23 metros de largura para 30, com expansão de mais 7,5 metros em cada lado para a área de escape, possibilitando a operação de aeronaves do tipo ATR42 - uma aeronave de médio-porte e propulsão turbo-hélice combinada com asas altas, cujo projeto voltado para a utilização tipicamente civil, no transporte regional de passageiros em rotas curtas e médias, contando com as características necessárias de robustez estrutural e conforto para atender a demanda de pequenas e médias companhias aéreas por um tipo de equipamento mais adaptado para operação lucrativa em pequenas e médias localidades, geralmente com pistas de pouso mais curtas e obstáculos próximos das cabeceiras e prolongamentos, exigindo procedimentos de decolagem e aproximação mais complicados.. Além disso, um novo sistema de drenagem da pista será construído tendo em vista a segurança de aviões e passageiros em períodos de chuva.

O Supervisor de Apoio à Empresa da Sictur, Gleisson Oliveira Bueno destaca a qualidade do aeroporto municipal após as obras. “Com a nova sinalização diurna e a implantação da sinalização noturna, nosso aeroporto estará pronto para operar vôos comerciais, trazendo muitos benefícios não só para Passos, mas também para toda região”, afirma o supervisor.

Toda a pavimentação da pista receberá uma camada de 5cm de asfalto. A instalação de rádio-farol e 4500 metros de alambrado garantirão também a segurança do local.

As obras devem durar em torno de 8 meses. Neste período o aeroporto estará fechado para operações.

Fonte: Correio dos Lagos - Foto: Alexandre Bonacini

Empresas esperam expandir os voos em Mato Grosso

Executivos e representantes das empresas aéreas regionais beneficiadas com o corte de 50% no Imposto sobre Circulação de Mercadorias e Serviços (ICMS) do querosene da aviação falam em expandir os voos para o interior. 'Temos projetos de expandir nossa cobertura para o interior e oferecer alternativas para outras cidades, como Lucas do Rio Verde, Pontes e Lacerda, Sapezal e Sinop ainda este ano', anuncia o representante regional da Cruiser e da OceanAir em Mato Grosso, Odenir Matos.

Atualmente a empresa tem voos para Cuiabá, Juara, Juína e Aripuanã. 'O nosso propósito é ampliar a cobertura e levar um atendimento de qualidade aos passageiros da região', afirma Odenir. Ele acredita que a redução do ICMS sobre o combustível aéreo refletirá diretamente nos investimentos da empresa no Estado.

Segundo o executivo, a medida irá reduzir os custos operacionais das companhias, uma vez que o combustível representa atualmente 38% desses custos. 'O impacto será muito positivo, pois as empresas operam em pistas e aeroportos sem a estrutura adequada, inclusive em relação à questão do controle aéreo. As empresas que voam pela região amazônica precisam de alíquotas diferenciadas para compensar estes custos', afirma o representante da Cruiser, lembrando que a companhia é a única autorizada em pousar em pistas não pavimentadas em Mato Grosso.

A Trip Linhas Aéreas também aposta na expansão dos voos no Estado. 'Atendemos atualmente as cidades de Cuiabá, Rondonópolis, Sinop e Alta Floresta e estudamos expandir nossas linhas para outras cidades. A nossa prioridade é tornar os voos para Sinop e Alta Floresta diretos, sem escala', afirma o diretor de Marketing e Vendas da Trip, Evaristo de Paula. Segundo ele, a companhia está próxima de começar uma 'política de redução nos custos das passagens compradas antecipadamente'.

Na avaliação do secretário de Desenvolvimento do Turismo, Yuri Bastos, a redução da alíquota sobre o querosene da aviação irá estimular os investimentos na abertura de novas rotas locais, com benefício direto para o setor turístico do Estado.

'Esta é uma oportunidade para cidades como Cáceres, Barra do Garças, entre outras, cobrarem cobertura aérea. Várias cidades de Mato Grosso com ótimo potencial turístico acabam não recebendo visitantes por falta de acesso rápido. Já na próxima semana estaremos estudando novas rotas. Estes protocolos que estamos assinando com as companhias aéreas são decisivos para fortalecermos a aviação do Estado'.

Fonte: Diário de Cuiabá

Completa 80 anos o primeiro pouso de avião em Cuiabá

Cuiabanos se reuniram em campo de pouso improvisado para assistir ao primeiro pouso de um avião na capital.

Um Avro Avian semelhante ao utilizado no 1º pouso de um avião em Cuiabá

Já se passaram 80 anos. Cerca de dois mil cuiabanos se reuniram em uma chácara onde hoje é o bairro Pico do Amor, nas proximidades da avenida Fernando Corrêa da Costa. Lá existia uma fábrica de sabão e, nos fundos, uma grande área de 400m por 200m. O local fica perto de onde hoje existe o viaduto da avenida Miguel Sutil. Quando o Avro Avian Cirrus III pousou, a população vibrou. E os pilotos Antônio Reynaldo Gonçalves e Vasco Cinquini entraram para a história da aviação em Mato Grosso.

A aventura começou pouco antes, quando o então presidente da Província de Mato Grosso, Mário Corrêa, um dos maiores incentivadores da aviação no Estado, anunciou um prêmio em dinheiro ao primeiro piloto que pousasse com seu avião em solo cuiabano. A primeira dupla que se preparou para a empreitada era formada pelos pilotos Hans Gusy e Antônio Lisboa. Eles anunciaram que fariam o primeiro voo a Cuiabá, com pouso previsto para os dias finais do mês de março de 1929. Os cuiabanos esperaram por Hans e Lisboa naquela tarde do dia 28 de março, mas acabaram aplaudindo foi Cinquini e Reynaldo. Um problema no avião de Hans lhes custou dias de atraso, o prêmio anunciado por Mário Corrêa e páginas em livros de história.

Antônio Reynaldo Gonçalves era capitão-aviador da Aviação da Força Pública do Estado de São Paulo. Vasco Cinquini era aviador e mecânico. Eles partiram de Santos (SP) no biplano Avro Avian com um motor de 90 hp ADC Cirrus III, que alcançava a velocidade máxima de cerca de 156 km/h. Os dois fizeram três escalas antes de desembarcar na capital mato-grossense. Passaram por Três Lagoas (MS) e Campo Grande (MS). Também estava previsto pouso em Corumbá, mas a cidade não possuía campo de aviação e por isso a última escala foi em Puerto Suarez, na Bolívia.

O pouso do Avro Avian comandado por Reynaldo e Cinquini foi pontualmente às 17h30 do dia 28 de março de 1929. Os dois foram recebidos com festa pelo presidente Mário Corrêa, que deu o prêmio anunciado: 20 contos de réis. Vasco Cinquini teria doado parte do dinheiro à Santa Casa de Misericórdia. No dia 1º de abril, às 15h30, pousava o avião de Hans Gusy e Antônio Lisboa. Naquele mesmo dia, duas horas mais tarde, Dom Aquino Corrêa batizou o avião de Cinquini com o nome 'Mato Grosso'.

Bandeirantes do ar

A façanha de Reynaldo e Cinquini foi registrada e publicada em um jornal paulista em março daquele ano. O periódico destacava a viagem dos dois pilotos que "cortavam o espaço em linha reta fazendo a trajetória das bandeiras, onde há dois séculos mostraram ao mundo a terra da fartura onde o ouro recama o solo". O trecho foi citado no livro "Mato Grosso Voa", do mato-grossense Marco Aurélio Corrêa Pacheco. O autor, também piloto, conta no livro a história da aviação no Estado.

Gusy e Lisboa partiram do Rio de Janeiro em uma aeronave Klemm L-20 e só não chegaram antes a Cuiabá devido a um acidente sofrido por eles em Mogi das Cruzes (SP). O motor do avião deles falhou logo após a decolagem e a dupla foi obrigada a fazer um pouso forçado. O impacto acabou causando problemas na hélice e também em uma das rodas do trem de pouso. O acidente provocou um atraso na viagem e Gusy e Lisboa acabaram sendo 'ultrapassados' por Reynaldo e Cinquini nessa corrida por Cuiabá. O fato foi publicado no jornal "A Notícia", de Três Lagoas, em março daquele ano.

Os pilotos permaneceram em Cuiabá por dois ou três dias após o voo histórico. Aproveitaram o período para realizar voos panorâmicos pela cidade, para deleite da população cuiabana. Em seguida, deixaram Cuiabá em direção ao Rio de Janeiro. Posteriormente, Vasco Cinquini vendeu o avião 'Mato Grosso' para a Força Pública por 30 contos de réis.

Primeiro sobrevoo

Reynaldo e Cinquini foram os primeiros a pousar em solo cuiabano, mas dois anos antes outro avião já riscara os céus mato-grossenses. O marquês italiano Francisco de Pinedo pilotou um hidroavião Savóia Marchetti S.55, chamado Santa Maria, e passou por Cáceres também em março, mas do ano 1927. Ele estava em viagem pela América do Sul e saíra de Assunção, no Paraguai. Em Cáceres, recebeu homenagens das autoridades locais naquela oportunidade.

Fontes: ExpressoMT / tvca - Foto: airwaveyachts.com.au

Iraqi Airways faz primeiro vôo à UE em quase 19 anos

A companhia aérea nacional do Iraque Iraqi Airways realizou na última sexta-feira seu primeiro vôo para a União Européia (UE) depois de quase 19 anos, cobrindo o trecho que vai de Bagdá a Estocolmo via Atenas, anunciou no sábado o ministério dos Transportes iraquiano.

"O ministro dos Transportes Amr Abdel Jabar Ismail foi na sexta-feira a bordo da aeronave, que fez uma escala na capital grega. Lá, se encontrou com autoridades para conversar sobre o desenvolvimento das relações bilaterais", informou o ministério em um comunicado. Depois, Ismail seguiu para Estocolmo.

Como consequencia de um embargo internacional imposto quando as tropas iraquianas de Saddam Hussein invadiram o Kweit, em agosto de 1990, os aviões da Iraqi Airways foram obrigados a permanecer no chão, até a invasão do Iraque em 2003.

A partir de então, os aviões da companhia retomaram seus vôos, principalmente para os países árabes, além de Irã e Turquia. Segundo o comunicado, a Iraqi Airways planeja estabelecer rotas aéreas regulares para Alemanha, Índia, Qatar e Barein.

Fonte: InvestNews (com agências internacionais)

Turismo espacial é cancelado até segunda ordem

Os multimilionários que quiserem comprar um bilhete de ida e volta com destino a uma plataforma espacial terão que esperar até que se construa uma nova nave russa Soyuz, projetada especialmente para turistas espaciais.

O magnata americano do mercado da informática Charles Simonyi, que se encontra agora a bordo da Estação Espacial Internacional (ISS) foi o último felizardo a viajar para "a cidade das estrelas" como visitante.

Além disso, Simonyi, que pagou US$ 35 milhões por uma passagem para a Soyuz, foi o único turista dos seis que pisaram na ISS desde 2001 que pôde repetir a experiência.

Quando retornar à Terra, no dia 7 de abril, a Estação Espacial será fechada por vários anos para os curiosos por este excêntrico tipo de turismo, não importa quantos milhões paguem.

"O turismo espacial é uma atividade complicada. Sinto, mas temos que construir a ISS não para os turistas, mas para satisfazer as necessidades dos habitantes da Terra", disse Vitali Lopota, presidente da firma aeroespacial Energuia.

A Rússia recorreu ao turismo espacial no início desta década devido à grave crise de financiamento que afetou seu programa especial após a queda da União Soviética, primeira potência a enviar um homem ao espaço, em 1961.

No início, a decisão russa de enviar turistas para o espaço foi muito mal recebida pela agência espacial americana, Nasa, que achava que a presença de turistas na plataforma distrairia os astronautas.

Agora, porém, segundo o diretor da Agência Espacial Russa (Roscosmos), Anatoli Perminov, a razão para suspender as visitas é a falta de espaço.

Perminov explicou que, "segundo os acordos internacionais, quando se lançarem os módulos japoneses e europeus, a tripulação (da ISS) deverá ser de seis pessoas (...), por isso não há lugar para turistas espaciais".

Em maio, três novos astronautas se juntarão à atual expedição número 19 da ISS para formar a primeira tripulação ampliada de seis pessoas.

A decisão de ampliar o pessoal da estação deve-se aos atrasos na construção da plataforma, projeto iniciado em 2000, com a participação de 16 países.

Além disso, também se duplicarão os lançamentos de foguetes Soyuz, de dois para quatro por ano, já que ela será o único veículo de revezamento de tripulações da ISS depois que as naves americanas saírem de serviço, em 2010.

O consórcio russo Energuia, o encarregado da construção dos foguetes Soyuz, apontou em 2008 que se o programa espacial russo recebesse o financiamento necessário, já não teria que recorrer ao turismo como fonte de renda.

No entanto, a crise financeira também afetou a pesquisa espacial, motivo pelo qual a Energuia se mostra agora disposta a assumir um novo pedido.

O chefe do programa de voos da Roscosmos, Alexei Krasnov, afirmou -após o acesso, no sábado, de Simonyi à plataforma- que a nova Soyuz para turistas espaciais poderia estar pronta "em 2012 ou 2013", segundo a agência "Interfax".

Por sua vez, Lopota estimou que a Energuia poderia construir a nova Soyuz em "dois anos e meio, três anos", mas ponderou este prazo, devido à atual restrição de crédito.

Não em vão, cerca de 30% do dinheiro investido na construção das naves Soyuz e dos cargueiros Progress procede de créditos bancários, acrescentou.

Em qualquer caso, a Roscosmos cogita outras alternativas para os interessados: a compra de uma nave espacial.

"Se um multimilionário russo ou estrangeiro tiver um irresistível desejo de viajar pelo universo e morar por uma semana na ISS, pode adquirir uma Soyuz", assinalou Vitali Davidov, subdiretor da Roscosmos.

Davidov reconheceu que uma Soyuz custaria "muito dinheiro", por isso, além dos turistas, empresas e Governos também poderiam adquirir as naves com o objetivo de desenvolver seus respectivos programas espaciais.

O primeiro turista a viajar à ISS foi o americano Dennis Tito, antigo cientista da Nasa, que visitou a plataforma em maio de 2001, e confessou que não era preciso ser um "super-homem" para "voar pelo espaço".

Segundo uma pesquisa recente, 29% dos russos gostariam de viajar ao espaço como turistas, embora reconheçam que não têm dinheiro para pagar a passagem.

Fonte: EFE via Abril.com

Congressista tem direito a até 1 bilhete aéreo por dia

Verba permite compra de mais de 30 bilhetes ida e volta por mês de Brasília a Estados

54 congressistas têm cota adicional de até R$ 13 mil; em 2008, Câmara gastou R$ 80 mi com passagens; Senado não revela valor

RANIER BRAGON
ANDREZA MATAIS
DA SUCURSAL DE BRASÍLIA


Em meio a muito sigilo, desvio de finalidade e suspeita de irregularidade, o Congresso Nacional destina mensalmente aos 594 deputados federais e senadores uma cota para compra de passagens aéreas que, em alguns casos, permite a aquisição todo mês de mais de 30 bilhetes de ida e volta entre Brasília e o Estado de origem.

Criada originalmente para permitir ao congressista quatro deslocamentos mensais ao Estado, a cota aérea é paga conforme o Estado do parlamentar e se ele ocupa ou não posto de destaque nas duas Casas. Na atual legislatura, o valor varia de R$ 4.700 a R$ 33 mil.

Em 2008, a Câmara desembolsou R$ 80 milhões sob essa rubrica. O Senado, bombardeado nas últimas semanas por denúncias de mau uso dessa e de outras verbas de apoio ao trabalho parlamentar, se recusou a fornecer o dado à Folha.

Ao longo da semana passada, a Folha coletou informações nos gabinetes das duas Casas e apurou que a cota é alvo de desvirtuamento, como a distribuição de passagens a eleitores.

Na Câmara, a verba fixa varia de R$ 4.700 a R$ 18,7 mil. No Senado, de R$ 13 mil a R$ 25 mil. As duas Casas remuneram os parlamentares do Distrito Federal -que não precisam voar para suas bases.

Além disso, um grupo de 54 congressistas -integrantes da Mesa, seus suplentes e os líderes partidários- tem direito a um repasse adicional, que pode chegar a R$ 13 mil.

Neste grupo está o senador Adelmir Santana (DEM-DF), suplente da Mesa do Senado. Apesar de morar em Brasília, recebe a cota aérea. "Não usarei, a não ser que aconteça alguma coisa inusitada."

Tarifas

A Folha consultou as tarifas médias das principais companhias aéreas do país, TAM e Gol, usando como critério valores médios da tarifa para compra com um dia de antecedência, e constatou que, em média, os deputados conseguiriam adquirir 13 passagens ida e volta/ mês, e os senadores, 17.

No caso de Goiás, por exemplo, a cota da Câmara (R$ 9.172) permite a compra de 25 passagens pela tarifa média de R$ 368 (ida e volta). Por serem líderes de bancada, Ronaldo Caiado (DEM-GO) e Sandro Mabel (PR-GO) têm direito a adicional de R$ 4.700. Poderiam comprar até 38 passagens de ida e volta/mês, pela tarifa média, não promocional.

Os três senadores do Piauí, todos eles integrantes da Mesa do Senado, têm direito cada um a cerca de R$ 28 mil, o que equivale a 27 passagens de ida e volta entre Teresina e Brasília.

"Não sei nem de quanto é essa cota. Sei que existe, mas não sei exatamente quanto é. Só sei que, se tiver necessidade, eu vou usar, mas até agora não precisei", afirmou Marcelo Ortiz (PV-SP), que, por ser suplente da Mesa Diretora da Câmara, tem à disposição um acréscimo mensal de R$ 4.700 à sua cota de R$ 10,6 mil.

O presidente da Câmara, Michel Temer (PMDB-SP), tem cota de R$ 23,7 mil (abriu mão dela desde fevereiro, pois lhe é permitido o uso de avião da Força Aérea Brasileira). José Sarney (PMDB-AP), presidente do Senado, tem R$ 33 mil.

Além do alto valor, a Folha constatou que não há fiscalização sobre o uso da verba. O congressista emite a passagem no nome de quem quiser e não precisa prestar contas. "O controle é do parlamentar", confirmou Odair Cunha (PT-MG), terceiro-secretário da Câmara, responsável pela administração da cota dos deputados.

Questionadas pela Folha, as duas Casas afirmam estudar mudanças no sistema de controle. O Senado tende a formalizar a permissão para doação de passagens. Na Câmara, a diretoria geral fala em combater a comercialização da verba. "Tem procedimento no Ministério Público federal que aponta nesse sentido", disse Cunha.

Supremo

O STF (Supremo Tribunal Federal) analisa desde 2008 a suspeita de que três deputados federais usavam uma agência de viagens de Maringá para vender suas passagens. O caso corre sob segredo de Justiça, no gabinete do ministro Cezar Peluso, e o único acusado que ainda permanece com o mandato é Luiz Bittencourt (PMDB-GO).

Também é comum que deputados e senadores distribuam bilhetes. "É normalíssimo isso. Um doente, por exemplo, que tem que sair do Pará para se tratar aqui em Brasília pede a passagem. Aqui e acolá, e ele é atendido", disse o deputado Zenaldo Coutinho (PSDB-PA).

"É a nossa cota de economia para ajudar à sociedade", afirma Nazareno Fonteles (PT-PI), que ajudou uma professora do Piauí que precisava ir ao Rio Grande do Sul por causa de sua tese de doutorado. "Não é um benefício só para ela, mas para a universidade pública."

Odair Cunha não concorda com essa prática: "Não compreendo isso como atividade parlamentar". O Ministério Público do DF também investiga o uso da cota pela senadora Roseana Sarney (PMDB-MA) para levar conhecidos de São Luís para Brasília. O Senado diz que nada a impede de fazer isso. Ela só não poderia sortear ou vender os bilhetes.

O ato que regula a verba no Senado, de 1988, prevê como parâmetro de cálculo quatro passagens ida e volta ao Estado de origem, uma passando pelo Rio de Janeiro, e uma última de ida e volta ao Rio.

A única explicação para a inclusão obrigatória do Rio é o fato de a cidade ter sido a capital do país a 49 anos atrás.

Fonte: Jornal Folha de S.Paulo