quinta-feira, 11 de dezembro de 2008

EUA culpam controle de vôo por acidente da Gol

A Agência Nacional de Segurança nos Transportes dos Estados Unidos, órgão parceiro da Aeronáutica na investigação do acidente entre o jato Legacy e o Boeing 737-800 da Gol, culpa o sistema de controle do espaço aéreo brasileiro pela tragédia que deixou 154 mortos em 29 de setembro de 2006.

Enquanto o relatório do Centro de Investigação e Prevenção de Acidentes Aeronáuticos (Cenipa) distribui por igual as responsabilidades entre os pilotos do jato e os controladores de vôo, os peritos americanos afirmam que a colisão foi provocada por uma autorização de vôo equivocada.

A leitura da NTSB é semelhante à do juiz federal de Sinop (MT), Murilo Mendes, que absolveu sumariamente dois controladores de Brasília e os pilotos Joseph Lepore e Jan Paul Paladino da acusação de negligência.

Tanto os peritos estrangeiros quanto o magistrado entendem que o acidente começou a se desenhar na autorização de vôo transmitida pelo sargento João Batista da Silva, da torre de controle do Aeroporto de São José dos Campos (SP), de onde partiu o Legacy. Poupado na denúncia do Ministério Público Federal (MPF) no ano passado, o militar terá sua conduta reavaliada pela Procuradoria-Geral da República.

Fonte: jornal O Estado de S. Paulo

Um comentário:

Leonardo disse...

Corretamente, não podemos deixar que sentimentos de revolta, decorrentes de um desastre como o do vôo 1907 da Gol, interfiram em investigações ou julgamentos. Existe um ar de anti-americanismo que já se estendeu por boa pare do mundo, inclusive ao Brasil, que não pode servir de bases para pré-julgamento dos pilotos americanos. Acredito que não há motivos para que os pilotos do Legacy desligassem o transponder, como afirmou o relatório do CENIPA. Também é interessante observar que o próprio órgão responsável pelo relatório integra umas das partes no processo(Comando da Aeronáutica).

Leonardo Almeida.