segunda-feira, 11 de outubro de 2010

Equipe projeta a primeira nave interestelar da história

Semana passada astrônomos americanos anunciaram a descoberta de um planeta semelhante à Terra, na órbita da estrela Gliese 581, a vinte anos-luz do nosso planeta. Chegar lá é apenas uma questão de tempo. Uma equipe de engenheiros da Inglaterra já está desenvolvendo o projeto da primeira nave espacial interestelar. Esqueçam a Enterprise e o capitão Kirk. A primeira caravela interestelar terá uma tripulação com sotaque britânico.

Chamado de projeto Ícarus, o empreendimento envolve uma série de físicos e engenheiros de universidades inglesas e toma como ponto de partida, uma iniciativa anterior, o projeto Dédalo da Sociedade Interplanetária Britânica. A sociedade foi fundada depois da Segunda Guerra Mundial e reunia cientistas e engenheiros interessados em vôos espaciais. Em 1948, eles projetaram uma nave tripulada capaz de descer na Lua, muito semelhante ao módulo lunar Apollo, que acabou fazendo a viagem em 1969. Um de seus fundadores foi o escritor Arthur C. Clarke, o pai dos satélites de comunicações que usamos hoje em dia.

O projeto Dédalo produziu as especificações de um veículo não tripulado, capaz de enviar uma sonda robótica até o sistema solar da estrela de Barnard, a seis anos-luz da Terra - um ano-luz é igual a 10 trilhões de quilômetros. A nave atingiria uma velocidade de 12% da velocidade da luz e alcançaria seu objetivo depois de viajar 50 anos pelo espaço. Demasiado para uma tripulação humana, mas perfeitamente viável para um robô.

Agora a equipe Ícaro pretende aperfeiçoar o projeto para alcançar as estrelas mais distantes como a Gliese 581. Além dos engenheiros e cientistas, o grupo conta com o talento do ilustrador Adrian Mann, cujas imagens, criadas em computador, ilustram o site do projeto em www.icarusinterstellar.org. Mann já ilustrou inúmeros livros de ciência e ficção científica e trabalhou com a agência espacial europeia. Se depender dele, o projeto terá uma excelente apresentação gráfica. Tanto Ícaro, quanto sua antecessora, a Dédalo, usam sistemas de propulsão baseados em explosões nucleares. Uma ideia que a agência espacial americana, Nasa estudou seriamente na década de 1960.

Projetos antigos

Depois que a União Soviética lançou o primeiro satélite artificial da Terra, em outubro de 1957, os americanos se sentiram ameaçados pelo avanço dos russos no espaço. Todos os meios possíveis de explorar o mundo das estrelas foram avaliados e um dos mais exóticos foi o projeto Orion. A Orion seria uma nave capaz de ir a Plutão e voltar em uma semana, acelerada pela detonação de bombas nucleares. No lugar de combustível, a nave levaria um arsenal nuclear, que seria detonado atrás de uma placa de metal revestido com grafite. Explodindo uma bomba por segundo, a nave alcançaria velocidades da ordem de centenas de milhares de quilômetros horários. O suficiente para ir a Marte e voltar em poucos dias.

Em 1965, Estados Unidos e Rússia assinaram um tratado que proibia a detonação de armas nucleares no espaço e o desenho da Orion foi arquivado. Nos anos 70, a ideia foi retomada pela equipe inglesa do projeto Dédalo. No lugar de explodir bombas atômicas, eles acham que seria mais eficiente detonar bolas de deutério com raios laser - o deutério é uma variedade de hidrogênio pesado -, produzindo pequenas explosões termonucleares dentro de uma enorme câmara em forma de sino.

O problema é que a nave seria muito grande e teria que ser construída no espaço, longe da atmosfera da Terra. Na década de 1970, não houve dinheiro nem vontade política de tocar um projeto assim, mas o estudo ficou como inspiração para as gerações futuras.

A equipe do projeto Ícaro está levando em consideração todos os projetos de veículos interestelares criados no século passado. Entre eles o ramjato Bussard, uma nave bem mais ecológica do que a Orion. Ela usa como combustível o hidrogênio disperso pelo espaço. E pode chegar perto da velocidade da luz, onde o tempo passa mais devagar e uma viagem às estrelas se torna acessível para seres humanos de vida curta.

Um projeto desses custaria bilhões de dólares para ir da prancheta para o hangar, mas pode ser a salvação do mundo no milênio que se inicia. Como no filme "Impacto profundo", onde uma nave do tipo Orion desvia um cometa que vai colidir com a Terra. A equipe inglesa quer ter certeza de que se um dia, precisarmos de uma nave assim, o projeto já estará pronto.

Fonte: Jorge Luiz Calife (Diário do Vale) - Imagens: Reprodução do Site do Projeto

Nenhum comentário: