quinta-feira, 17 de setembro de 2020

Aconteceu em 17 de setembro de 1961: Queda de um Electra em Chicago deixa 37 mortos


No domingo, 17 de setembro de 1961, o Lockheed L-188C Electra, prefixo N137US, da Northwest Orient Airlines, realizando o voo 706, começou seu dia em Milwaukee, no Wisconsin, e estava programado para parar em Chicago antes de viajar para Tampa, Fort Lauderdale e Miami, na Flórida (EUA).

A aeronave chegou a Chicago no início da manhã e, após uma troca de tripulação, taxiou para a pista 14R às 08h55 e foi liberado para decolagem, levando a bordo cinco tripulantes e 32 passageiros. 

A decolagem foi normal até que a aeronave atingiu a altitude de 100 pés acima do nível do solo, quando testemunhas notaram uma ligeira mudança no som dos motores do Electra. 

Entre as marcas de 8.000 e 9.000 pés, observou-se que a aeronave iniciou uma curva à direita aparentemente coordenada com uma taxa de inclinação lenta e crescente. 

Quando o ângulo de inclinação era de 30 a 45 graus, a tripulação fez uma transmissão curta e distorcida. Imediatamente depois, em um ângulo de inclinação de 50 a 60 graus, a aeronave começou a perder altitude. A altitude máxima atingida em toda a curva foi de 200 a 300 pés. 

Nesse ponto, a asa direita atingiu linhas de força adjacentes aos trilhos da Chicago Northwestern Railroad, cortando as linhas em um ângulo de cerca de 70 graus da horizontal.

Continuando a girar sobre seu eixo longitudinal, a aeronave "deu uma cambalhota", o nariz veio a colidir com o solo 380 pés além do ponto de primeiro impacto e pousou com o lado direito para voltado cima. Em seguida, de cauda, o avião deslizou outros 820 pés. A aeronave se desintegrou ao longo de seu caminho, explodindo em uma bola de fogo. O acidente demorou menos de dois minutos desde o início da decolagem até a parada final.

Todas as 37 pessoas a bordo morreram no acidente.


As investigações apontaram que uma falha mecânica no sistema de controle primário do aileron, devido a uma substituição inadequada do conjunto de reforço desse aileron, resultou na perda do controle lateral da aeronave em uma altitude muito baixa para efetuar a recuperação.

Fontes: Wikipedia / ASN - Imagens: Reprodução/ASN

Notícias do Dia


Latam modifica proposta em busca de aporte de US$ 2,5 bilhões

Os planos da GOL para voos em Congonhas em setembro e outubro

Avianca Brasil terá que pagar atrasados de vale alimentação para ex-tripulantes

Gigantes da aviação, FedEx e DHL interessadas na compra dos Correios do Brasil

Embraer reajusta estrutura em resposta aos impactos da covid-19

Reforma e modernização do Aeroporto de Campo Grande está avançada

Governo do Acre trabalha para homologar pista de Feijó junto à Anac

ANAC debate características de operação de aeronaves de asas rotativas

Empresa de táxi aéreo de acidente com Luciano Huck e Angélica tem licença cassada pela Anac

Airbus revela como as aeronaves são mantidas no solo durante a pandemia

Navio-Patrulha “Guanabara” realiza Vistoria de Segurança da Aviação

FAB inicia Avaliação Operacional do Envelope Infravermelho do A-29

Vídeo mostra pouso do Antonov em Salvador visto da cabine e detalhes da carga

Projeto do sistema IFF brasileiro

Novo caça da Força Aérea produzido na Suécia chegará ao Brasil por Santa Catarina

Aeronave adaptada combate incêndio na Floresta Nacional de Carajás

Aeronaves A-29B Super Tucano chegando em Dhaka, Bangladesh

Curva do vômito preocupa pilotos e comissários em novo aeroporto alemão

Homem que comprou passagem de avião e acabou em ônibus quebrado irá receber R$ 7.500 da Azul

Míssil Tático de Cruzeiro AV-TM 300 “Matador” da Avibras entra em fase final de desenvolvimento

Companhias aéreas dos EUA reivindicam mais subsídio federal

AirAsia Japan suspenderá todos os voos em outubro

Avião presidencial mexicano já tem comprador, diz López Obrador

Rússia realiza três exercícios com bombardeiros próximos da fronteira com a Europa


Vídeo revela interior de espaçonave 'secreta' do Pentágono

Airlines for Europe condena «impacto devastador» das «restrições caóticas» adotadas pela UE

Wuhan, epicentro da covid-19, recebe 1º voo internacional desde janeiro

Voo 'para lugar nenhum' se esgota em minutos na Austrália

Piloto humano perde por 5×0 de inteligência artificial em simulação de combate

O mistério dos diamantes e da obra de Picasso perdidos no voo 111 da Swissair


Em 2 de setembro de 1998, um McDonnell Douglas MD-11 da Swissair decolou do Aeroporto Internacional John F. Kennedy, Nova Iorque, para realizar o voo 111 em  em direção a Genebra, na Suiça, mas acabou caindo no Oceano Atlântico, próximo da costa da Nova Escócia, Canadá. Todos os 229 passageiros e tripulantes a bordo morreram instantaneamente e a fuselagem se estilhaçou em vários milhões de pedaços.

Não vou falar sobre o acidente, que você pode ler AQUI, mas sim sobre as lendas e especulações sobre possíveis riquezas a bordo do referido voo.

O primeiro deles (e o único que tem 100% de certeza de que estava a bordo) é um quadro de Pablo Picasso. Ao contrário do que pensam as pessoas que sabem sobre o acidente, a pintura não foi pendurada na primeira classe para ornamentar o avião (como algumas pessoas acreditavam). Na verdade, seu proprietário estava transferindo a obra de arte de Nova York para a Suíça. A obra chamava-se "Le Peintre" (O Pintor) e data de 1963.

"Le peintre et son modele", um dos quadros que Picasso pintou em 1963 com o nome de "Le peintre"

O curioso é que ainda não se sabe qual das pintura "Le Peintre" de Picasso se perdeu, já que acredita-se que o autor fez seis pinturas chamadas "Le Peintre" e não se sabe ao certo qual desses "Peintre" é o que se perdeu no acidente. A Swissair nunca revelou o nome do proprietário da pintura para que a informação fosse checada. 

Um navio equipado com um aspirador gigante foi trazido para aspirar detritos do fundo do mar. O relatório de investigação do Transportation Safety Board disse que mais de 18.000 kg de carga foram recuperados, mas não entrou em maiores detalhes. Uma zona de exclusão de dois quilômetros quadrados ao redor do local foi mantida por pouco mais de um ano após o acidente.

John Wesley Chisholm, produtor de documentários para TV baseado em Halifax que trabalhou em programas como "The Sea Hunters", levantou a possibilidade de que caçadores de tesouro internacionais pudessem ter feito buscas discretas na área nos anos após o acidente, usando licenças de busca para locais próximos onde ocorreram cerca de 10.000 naufrágios ao longo da costa acidentada da Nova Escócia. 

A polícia canadense recupera os destroços do acidente - Foto: AP

Chisholm disse que as leis da Nova Escócia na época a tornavam a região "o velho oeste da caça ao tesouro no oceano", mas que as regras estavam fora de sincronia com os padrões globais. Hoje, a caça ao tesouro é ilegal na Nova Escócia.

Mas isso não significa que ainda não esteja acontecendo. A noção de que poderia haver US$ 300 milhões em diamantes bem ali, fora da vista, longe de onde todos estão, é simplesmente uma atração absolutamente irresistível para os caçadores de tesouros.

Voltando à pintura, ela poderia ter tido um final melhor se fosse transportada de maneira mais adequada. Talvez não se salvasse, mas pelo menos terminaria mais reconhecível, já que apenas 20 centímetros quadrados da obra foram recuperados. A razão: o dono da pintura nunca indicou à empresa que se tratava de uma mercadoria frágil e de enorme valor artístico e monetário, por isso a pintura viajou com o resto da mercadoria no compartimento de carga e não em um recipiente adequado e nem teve seu valor declarado (o manifesto de carga do jato listava-o simplesmente como uma simples pintura).

O que havia nesses contêineres de mercadorias valiosas?

É aqui que entra a maior parte das especulações. Como é de se imaginar, voos indo ou vindos da Suíça costumam levar dinheiro, ouro, joias, diamantes.

O manifesto de carga do voo 111 da Swissair mostra 62 quilos de carga valiosa: 45 quilos de papel-moeda americano, 4,5 quilos de joias, 2 quilos de relógios de luxo e um quilo de diamantes . Não se sabe qual o valor de cada um desses itens que aparecem no manifesto, pois nenhum item foi segurado pela companhia aérea de acordo com seu valor, mas sim de acordo com seu peso, portanto, por mais que a mídia diga que no total eram mais de 500 milhões dólares em mercadorias a bordo, é tudo pura especulação.

Mesmo assim, alguns dados foram decifrados ao longo do tempo. Apenas três dias antes, uma exposição de diamantes em Nova York chamada "The Nature of Diamonds" havia sido concluída. Como se pode imaginar, eles eram diamantes excepcionais por sua cor, sua forma, sua perfeição e, portanto, por seu valor. Bem, foi confirmado que pelo menos um dos diamantes exibidos na amostra estava a bordo do voo 111 da Swissair .

Esta carga (ao contrário do Picasso) foi despachada em um contêiner protegido, separado do resto da carga. Isso levou à recuperação de muitos relógios, grande parte do papel-moeda e, também, algumas joias. 

Jornalistas inspecionam caixas de destroços do voo 111 da Swissair no CFB Shearwater em Dartmouth, NS, em dezembro de 1998 - Foto: Andrew Vaughan/Canadian Press

Mas o que aconteceu com o resto? O que aconteceu com o quilo de diamantes que estava a bordo? Como é possível imaginar, eles nunca foram recuperados e foi a seguradora Lloyd's que teve que pagar o valor do seguro por todos os ativos de valor declarado. No total, mais de 300 milhões de dólares.

Muitas vozes questionaram a existência desses diamantes no porão do voo 111. Mas a seguradora Lloyds teria alguma indicação dos ditos diamantes, porque em 2000 desejava recuperar o dinheiro da indenização. Para isso, ela pediu permissão ao governo da Nova Escócia para explorar o fundo do oceano onde o MD-11 afundou, prometendo entregar 10% das mercadorias encontradas.

O avião se partiu em tantos pedaços que só foi possível reconstruir parcialmente - Foto: Andrew Vaughan/Canadian Press

Os familiares das vítimas do acidente se opuseram imediatamente a qualquer busca por diamantes ou joias em uma parte do oceano que consideravam como cemitério natural de seus parentes. 

Diante do alvoroço, a Lloyd's divulgou um comunicado no qual anuncia que estava cancelando todas as buscas por joias e pediu desculpas aos parentes pelo transtorno causado por suas intenções. A Lloyds obteve uma licença de "tesouro" para o caso de que alguém eventualmente mergulhasse nas proximidades do acidente e conseguisse algo de valor dos destroços, garantindo que ele pertenceria à seguradora.

Mas será que esses diamantes realmente estavam no voo 111 da Swissair? Ou foi uma fraude contra a seguradora? E se eles existem: o que aconteceu com eles? Está aí um mistério aéreo que pode nunca ser revelado. 

Por Jorge Tadeu Silva (Site Desastres Aéreos)

Relatório aponta que Boeing e FAA são culpadas por acidentes do 737 MAX que mataram 346 pessoas


Dois acidentes com Boeing 737 MAX que mataram todos os 346 passageiros e tripulantes a bordo foram o "terrível resultado" das falhas da fabricante de aeronaves Boeing e da FAA (Federal Aviation Administration), concluiu um painel da Congresso dos Estados Unidos após 18 meses de investigação. 

Os acidentes "não foram resultado de uma falha singular, erro técnico ou evento mal administrado", disse o Comitê de Transporte e Infraestrutura da Câmara, de maioria democrata, em seu relatório altamente crítico divulgado nesta quarta-feira.

"Eles foram o terrível resultado de uma série de suposições técnicas incorretas dos engenheiros da Boeing, uma falta de transparência por parte da administração da Boeing e uma supervisão grosseiramente insuficiente da FAA." 

O 737 MAX foi suspenso em março de 2019 após a queda do voo 302 da Ethiopian Airlines, perto de Addis Abeba, que matou todos os 157 a bordo. Em outubro de 2018, um Lion Air 737 MAX caiu na Indonésia, matando todos as 189 pessoas no avião. 

"A Boeing falhou em seu design e no desenvolvimento do MAX, e a FAA falhou na supervisão da Boeing e na certificação da aeronave", disse o relatório, detalhando uma série de problemas no projeto do avião e na aprovação da FAA.

A Boeing disse que "aprendeu muitas lições difíceis como empresa com os acidentes e com os erros que cometemos". Também afirmou que cooperou totalmente com o comitê da Câmara e que a revisão de design no 737 MAX recebeu avaliação interna e externa intensiva, envolvendo mais de 375 mil horas de engenharia, além de 1.300 voos de teste. 

A FAA disse em um comunicado que trabalhará com os parlamentares "para implementar as melhorias identificadas em seu relatório". Acrescentou que estava "focada no avanço da segurança geral da aviação, melhorando nossa organização, processos e cultura".

Fonte: Reuters via UOL - Imagem: Divulgação

quarta-feira, 16 de setembro de 2020

Aconteceu em 16 de setembro de 1953: Avião atinge a torre de rádio ao tentar pousar em Albany

Na quarta-feira, 16 de setembro de 1953, o Convair CV-240-0, prefixo N94255, da American Airlines, iria realizar um voo regular do aeroporto de Boston, em Massachusetts, para o aeroporto Chicago Midway, em Illinois, ambas localidades do EUA.

A bordo do voo 723 estavam três tripulantes e 25 passageiros. Esse voo tinha escalas intermediárias entre as quais Hartford (BDL) e Albany (ALB). 

O CV-240 chegou ao Bradley Field às 06:57. Naquela momento, o tempo em Albany estava abaixo dos mínimos para pouso das companhias aéreas, mas havia previsão de melhorar dentro dos limites do horário de chegada programado do voo.

A saída do Bradley Field foi feita às 7h14. Por causa da pouca visibilidade em Albany, várias aeronaves estavam em um padrão de espera. O relatório meteorológico especial de Albany emitido às 07:50 indicou obscuridade fina, teto estimado de 4.000, nublado, nevoeiro, visibilidade 3/4 milhas. 

Duas aeronaves deixaram o padrão de espera, tentaram pousar, mas ambas executaram a arremetida. Um terceiro avião pousou às 08:16 após uma aproximação por instrumentos à pista 19.

Às 08:30, a Albany Tower relatou: "Todas as aeronaves segurando Albany. Agora parece estar muito bom para uma abordagem de contato do oeste. Parece muito melhor do que para o norte." 

O voo 723 foi então liberado para uma aproximação de contato com a pista 10 do aeroporto de Albany, em Nova Iorque. 

Nas finais para a pista 10, o Convair desceu muito baixo. A asa direita da aeronave atingiu a torre central das três torres de rádio, em um ponto a 308 pés acima do solo. 

A asa esquerda então atingiu a torre leste. Após a colisão com as torres, o impacto no solo ocorreu a uma distância de 1.590 pés além da última torre atingida.

Todas as 28 pessoas a bordo morreram no acidente.

Samuel Bloom, de Troy, Nova Iorque, tinha uma reserva para embarcar neste voo. No entanto, ele perdeu seu voo de origem de Albany para Boston em 15 de setembro por causa do tráfego intenso no caminho para o aeroporto e optou por dirigir até Boston. O tráfego pesado acabou salvando sua vida. Este mesmo homem perdeu uma balsa durante a 2ª Guerra Mundial e foi forçado a voar. A balsa afundou.

Telegrama original para a FCC em Washington DC sobre o acidente

Fontes: ASN / Wikipedia - Imagens: Reprodução

Notícias do Dia


Passageiro é expulso de avião após xingar comissário de 'viado'

ANAC autoriza condição especial de exames para revalidar habilitação de tipo

MS Táxi-Aéreo é cassada por operar clandestinamente

Azul e Gol lideram ganhos da Bolsa com aumento de interesse dos investidores pelas aéreas

Escritório americano ajuíza ação coletiva contra Gol nos EUA

Com a baixa demanda, o preço das passagens aéreas cai quase 40% em julho

Onde fazer teste de Covid-19 no Aeroporto de Guarulhos

Aeroporto de Brasília tem quarto mês de retomada das operações aéreas

Governo retoma compra direta de passagens aéreas; Economia vai concentrar pagamento

Abav mantém o Black Friday de viagens mesmo no evento híbrido

ANAC cobra antecedentes criminais de policiais federais que atuam nos aeroportos

Goiás terá polo com foco em aviação executiva

Extrajet pode se tornar um novo operador de aviões Embraer E-Jet

Esquadrão HS-1 realiza o primeiro pouso a bordo com OVN na Marinha do Brasil

Sabia que não só o nariz do avião Concorde se movia para pousos e decolagens?

Especialista em liberdade religiosa fala sobre a importância da aviação missionária

Mais de 700 passageiros já foram banidos nos EUA por não uso de máscara

Boeing omitiu falhas e é culpada por acidentes, aponta relatório

Etihad quer reduzir desperdício de alimentos com inteligência artificial

Para transformar avião em cargueiro, Airbus patenteia assentos dobráveis

O polêmico 'sorteio de avião presidencial' no México

Colômbia reabre para voos internacionais dia 19; Brasil aprovado

Venezuela abate avião dos EUA usado pelo narcotráfico

Pilotos portugueses muito insatisfeitos com serviços da ANAC

Primeiro ATR 72-600F realiza voo inaugural na França

Sabiam que os bilhetes de avião da KLM podem ser trocados por um voucher reembolsável?

Aviões da Airbus poderão voar em formação como pássaros

Japão orienta pilotos a filmar e analisar OVNIs

Entendendo o programa NGAD da USAF

Israel Aerospace Industries faz história com UAV Heron pousando no aeroporto Ben Gurion por controle remoto

Proposta de venda de 35 caças F-35 para Emirados Árabes desperta temores em Israel

Drone russo a jato com motor impresso em 3D realiza 1º voo

eSeries será a designação das futuras aeronaves da força aérea dos EUA

Autoflight anuncia o V400 eVTOL seu drone e cargas e de passageiros

Caça Gripen do Brasil é um 'bom avião' na América Latina, mas fraco em termos globais, diz analista

Chassi de ônibus é transformado em um avião de passeio

A volta do Flight Simulator

De símbolos da globalização, “os aviões passaram a símbolos do confinamento”

Avião de combate a fogos chocou com cabo elétrico em Portugal

Helicóptero que caiu em fazenda em MS teria sido incendiado em pouso de emergência


Equipes da Dracco (Departamento de Repressão ao Crime Organizado) que investigavam a queda de um helicóptero em uma fazenda na região de Iguatemi a 466 quilômetros de Campo Grande descobriram que a aeronave estava com o certificado de aero navegabilidade vencidos desde 2019.

Ainda segundo informações passadas pela delegada Ana Cláudia Medina, o helicóptero não explodiu com a queda e sim fez um pouso de emergência e fogo foi ateado na aeronave de prefixo PR-FIN, que seria um Robison 44II fabricado em 2009. A aeronave havia sido vendida no dia 22 de julho de 2019. Não foi revelado o nome de seu atual dono.

Após o fogo na aeronave, segundo a polícia, os ocupantes tiveram tempo suficiente para fugir. As investigações continuam e os destroços da aeronave e removidos do local.

O voo na região não era de conhecimento da aeronáutica. No dia da queda, o Corpo de Bombeiros fez uma varredura no local, mas não encontrou o piloto e demais pessoas que poderiam estar no helicóptero.

Populares disseram que viram o helicóptero em um voo baixo já próximo ao solo, aparentemente sem barulho de motor, antes da queda e explosão. Os bombeiros foram até o local para combater as chamas que se alastraram na pastagem.

Também é investigado se o helicóptero estaria a serviço do tráfico de drogas. É apurado pela polícia a possível rota que a aeronave estava fazendo.

Fonte: Thatiana Melo (midiamax.com.br)

terça-feira, 15 de setembro de 2020

Aconteceu em 15 de setembro de 1995: 34 mortos em acidente aéreo na Malásia


Em em 15 de setembro de 1995, o Fokker 50, prefixo 9M-MGH, da empresa Malaysia Airlines (foto acima), decolou para o voo MH2133, entre Kota Kinabalu e Tawau (ambas na Malásia), levando a bordo quatro tripulantes e 49 passageiros.

A tripulação do Fokker 50, fabricado em 1990, na aproximação pára a pista 17 do aeroporto de Tawau, errou e pousou 500 metros antes do final da pista de 2.200 m. 

Enquanto tentava dar arremeter, a aeronave colidiu com uma favela, deixando um saldo negativo de dois tripulantes e 32 passageiros mortos.

O acidente do voo 2133 foi o segundo pior acidente envolvendo um Fokker 50. Foi, também, o segundo acidente de aviação mais fatal em solo malaio.


Fontes: ASN / Wikipedia - Imagens: Reprodução

Notícias do Dia


Companhias aéreas criticam restrições ‘caóticas’ e confusão que dificultam a recuperação

Socorro do BNDES é voo atrasado, mas faz decolar ações de Azul e Gol

Helicóptero do Exército dos EUA cai no norte da Síria

Veja os requisitos para as vagas de tripulantes da ITA Transportes Aéreos

Comissário sofre homofobia em voo da Latam e passageiro é retirado pela PF

Azul Linhas Aéreas lança o Locker, novo conceito de entregas na pandemia

Comissão Europeia concorda em prolongar suspensão da regra de slots até 2021

FAB: Aprimoramento da Reestruturação apresenta primeiros resultados no Rio e em Recife

Aviação europeia quer programa de testes unificado para restaurar confiança dos passageiros

Companhias aéreas europeias defendem maior coordenação entre Estados

Transporte aéreo é o segundo setor mais afetado pela pandemia

Ar a bordo é ‘muitas vezes mais limpo’ do que o de um restaurante, diz Delta

Canadá deve considerar reabrir fronteiras, pede Iata


Governo se prepara para licitar obras do aeroporto de Bom Jesus (PI)

ANAC aprova a sexta rodada da concessão de aeroportos

Companhia aérea não corrige nome de cliente em uma passagem e é condenada a indenizá-lo

Homem cai de parapente, fratura lombar e é resgatado por helicóptero

Companhias aéreas preveem queda de 70% no número de passageiros na Espanha

Garota de 19 anos combate incêndios pilotando helicópteros na Califórnia

Confira 9 dicas para acumular milhas mais rápido e viajar de graça

Lufthansa não espera receber o 777X até meados de 2022 e dará prioridade ao A350

TAP planeja operar quatro voos semanais entre Brasil e Porto em 2021

Azul encomenda 18 A320 direto da Airbus


Aeronave A-50 AEW da Rússia guia caças em treinamento de defesa aérea

F-35: Pentágono estima que faltam US$ 10 bilhões para cobrir custos até 2025

Exercício de ataque nuclear nos céus da Europa em curso

Suécia suspende aquisição de novas aeronaves de treinamento

Dos quadrimotores, apenas o Boeing 747-8I terá futuro na frota da Lufthansa

United Airlines fechará unidade no Japão

“Nunca pensei em ser outra coisa”, conheça a história do pai da aviação de Botucatu

Vovô radical: no aniversário de 82 anos, idoso é presenteado pelos netos com salto de paraquedas

Avião com deputado federal sai da pista ao fazer pouso forçado no Pará

Aeronave partiu de Belém para Altamira. Os quatro ocupantes tiveram ferimentos leves.


O avião Neiva 
EMB-720D Minuano, prefixo PT-RVUque transportava o corregedor da Câmara, deputado Paulo Bengtson (PTB-PA), fez pouso forçado na tarde de segunda-feira (14) em Anapu, a 681 quilômetros de Belém (PA). Outras 3 pessoas estavam a bordo do monomotor.

A aeronave precisou fazer um pouso forçado e foi parar em área de pastagem em Anapu, sudoeste do Pará.

O parlamentar estava com uma servidora pública, além do piloto e co-piloto. Todos tiveram ferimentos leves e passam bem.

Ainda segundo Bengtson, o avião dele apresentou problemas durante voo saindo do aeroporto Brigadeiro Protásio, em Belém, com destino a Altamira, onde o deputado participaria de uma convenção do partido. Ele disse que a aeronave estava com as licenças em dia e passou por manutenção recentemente.

"Estávamos em quatro pessoas no avião. Todos nós sofremos apenas ferimentos superficiais. Todos estão Belém. O avião ficou bastante quebrado, mas tivemos uma vitória. Não sofremos nada", conta o deputado.

Fontes: G1 / Poder360 / ANAC - Foto: Reprodução/ TV Liberal

segunda-feira, 14 de setembro de 2020

Vídeo: Mayday Desastres Aéreos - Descoberta Chocante - Aeroflot 821

Aconteceu em 14 de setembro de 2008: Avião russo cai nos Montes Urais e mata 88 pessoas


No domingo, 14 de setembro de 2008, o Boeing 737-505, prefixo VP-BKO, da Aeroflot-Nord (foto acima), realizaria o voo 821 entre Moscou e Perm, na Rússia, levando a bordo seis tripulantes e 82 passageiros.

O Boeing decolou do Aeroporto Sheremetyevo de Moscou às 21h13 em direção a Perm. O contato com o voo foi perdido enquanto o avião estava a 3600 pés em "condições climáticas difíceis", de acordo com funcionários da Aeroflot.

Quando estava a cerca de 11 quilômetros da pista de pouso em Perm, o avião caiu na periferia da cidade, atingindo o solo a apenas algumas centenas de metros de pequenas casas de madeira e prédios de apartamentos.

Todos os 88 ocupantes da aeronave morreram no acidente.

Vista aérea do local da queda

A investigação revelou que o piloto perdeu a orientação espacial durante a abordagem noturna através das nuvens. Isso levou o avião a inclinar-se para a asa esquerda e a entrar em intensa descida e colisão com o solo. 

O piloto não estava familiarizado com o indicador de atitude (ADI) usado nos jatos ocidentais, em comparação com os russos. 

Além disso, uma quantidade não especificada de álcool foi detectada no corpo do piloto e ele estava sobrecarregado.

Este desastre aéreo levou a Aeroflot-Nord a ser rebatizada como Nordavia a partir de 1º de dezembro de 2009 e posteriormente a Smartavia em 2019.

Fontes: ASN / Wikipedia / Site Desastres Aéreos - Imagens: Reprodução

Notícias do Dia

Avião é forçado a pousar longe do destino após passageiro se recusar a usar máscara

Passageira é retirada de avião ao se recusar a usar máscara em viagem

Aeronave não tripulada encontrada em Okinawa é de treinamento do país vizinho

Dois MiG-29s russos caíram na Líbia, segundo inteligência dos EUA

Amigos criam vaquinha para bancar avião no combate a incêndio em SP

Bombeiro do DF é um dos únicos equipado com avião de combate a incêndios

Justiça do Trabalho marca nova audiência de conciliação após demissões na Embraer

Azul se aproxima de receber aporte bilionário do BNDES

Latam registra recuperação gradual em oferta e demanda

Icon Aviation inicia venda de assentos na ponte aérea Rio-São Paulo

Suspensão de restrições não permite embarque de todos os brasileiros para os EUA

Azul adia retomada de voos no interior de Rondônia por causa do 'ritmo lento' nas obras dos aeroportos

Voos para lugar nenhum: aéreas asiáticas querem que a moda pegue

Bruxelas propõe manter suspensão de regras dos slots para apoiar aviação

Anac da Argentina afirma que voos voltam em outubro

Airbus A380 e Boeing 747-400 devem ser aposentados pela Lufthansa

Airbus junta-se a parceiros europeus para apresentar as operações do projecto ‘fello’fly’

Agência europeia realiza voo de teste bem-sucedido do B737 MAX

Diamond certifica seu primeiro monomotor com trem de pouso retrátil

Avião espião dos EUA se passa por avião civil enquanto vigiava a China

TAP vai reduzir o número de aviões

GRU Airport ganha laboratório para testes de covid-19

Cobertura de despesas médicas pode virar tendência na aviação comercial pós-Covid

Cade aponta práticas anticompetitivas de BR, Raízen e BP em querosene de aviação

Ex-engenheiros da SpaceX operam primeiro voo sem piloto sobre área povoada

Foto do Gripen E FAB4100 a bordo do navio a caminho do Brasil

Boeing Austrália progride no uso de IA para ‘ensinar’ UAVs a detectar, decidir e agir durante a missão

Possível sinal de vida detectado em Vênus – o que se sabe

São Paulo flagra queda de satélite de Elon Musk; assista

domingo, 13 de setembro de 2020

Aconteceu em 13 de setembro de 2010: Acidente aéreo na Venezuela deixa 17 mortos


O avião turboélice modelo ATR 42-300, prefixo YV1010, da companhia estatal venezuelana Conviasa (foto acima), que levava quatro tripulantes e 47 passageiros a bordo, caiu em 13 de setembro de 2010 em Puerto Ordaz, no Departamento de Bolívar, a sudeste da Venezuela, provocando a morte de 17 pessoas.

O voo 2350, que partiu de Isla Margarita, um dos principais destinos turísticos da Venezuela, às 11h20 (hora de Brasília) caiu a 10 milhas de seu destino, o aeroporto Manuel Carlos Piar de Ciudad Guiana, no terreno da companhia estatal Siderúrgica do Orinoco (Sidor).

Testemunhas disseram que a aeronave atingiu linhas de transmissão em baixa altitude às 09:59, horário local, e caiu em uma área industrial onde os materiais usados ​​em uma usina siderúrgica eram armazenados. Trabalhadores da usina siderúrgica e bombeiros retiraram os sobreviventes dos destroços em chamas.

Em 30 de dezembro de 2014, o Ministério de Água e Transporte Aéreo da Venezuela publicou que a causa provável do acidente foi o mau funcionamento do sistema de alerta da tripulação central com ativação incorreta do sistema de alerta de estol. 

Os fatores contribuintes foram os pontos fracos da gestão de recursos da tripulação de voo, sua perda de consciência situacional, sua coordenação inadequada durante o processo de tomada de decisão para lidar com situações anormais em voo, sua falta de conhecimento do sistema de alerta de estol e seu manuseio incorreto do voo controles. 

A aeronave voou em duas condições anormais, acionamento do sistema de alerta de estol e desacoplamento dos elevadores da aeronave, exigindo um esforço constante do piloto em comando para manter o controle da aeronave. 

Houve manuseio inadequado da aeronave na fase final de pouso, o que levou o comandante a exercer grande esforço no controle do voo antes do impacto. 

O nível de habilidade emocional e cognitiva deficiente do comandante, a falta de liderança e os erros de julgamento o levaram a tomar decisões imprudentes. Ambos os pilotos mostraram confusão, má coordenação na cabine, graves falhas de comunicação, falta de conhecimento dos sistemas da aeronave e perda de consciência situacional.

Fonte: Site Desastres Aéreos / Wikipedia / ASN - Fotos: Reprodução

Avião antigo tinha até 5 pessoas na cabine; veja funções que foram extintas

As cabines de comando dos primeiros grandes aviões comerciais eram repletas de instrumentos para controlar todos os sistemas de voo. Com a evolução, todos aqueles "reloginhos" foram substituídos por telas coloridas. Com isso, algumas funções a bordo dos aviões também foram extintas. 

O trabalho que já chegou a ser feito por cinco pessoas dentro do cockpit, hoje é realizado apenas por dois pilotos. No futuro, pode ser que até esses dois pilotos sejam dispensados. 

Há quem defenda a redução para apenas um piloto no comando dos aviões, mas há projetos que podem eliminar completamente a presença deles. A Airbus já desenvolve um sistema autônomo de voo, e fez testes com sucesso em um avião real.

Acabar com a presença dos pilotos a bordo pode parecer impensável, mas o mesmo já foi dito um dia de outras funções a bordo da cabine de comando das aeronaves. Engenheiro de voo, navegador e radioperador de voo são funções que ficaram para a história. Veja o que esses profissionais faziam. 

Engenheiro de voo 

Engenheiro de voo a bordo de um Boeing 747 da Lufthansa - Imagem: Divulgação/Lufthansa

A antiga lei do aeronauta definia a profissão pelo nome de mecânico de voo. Pela lei, o profissional era definido como "auxiliar do comandante, encarregado da operação e controle de sistemas diversos conforme especificação dos manuais técnicos da aeronave". A função surgiu nos anos 1930, com os grandes aviões anfíbios quadrimotores. 

O aumento no número de motores elevou a carga de trabalho a bordo da cabine de comandante, tornando inviável que os pilotos controlassem o voo e também monitorassem todos os sistemas. Para evitar uma sobrecarga que pudesse colocar o voo em risco, foi criada a função de mecânico de voo, que depois passaria a ser mais conhecida como engenheiro de voo. 

Sentado atrás dos pilotos, a função principal era a operação e monitoramento de todos os sistemas do avião para diagnosticar e corrigir qualquer falha que pudesse surgir, além de orientar os pilotos. A função começou a ser extinta nos anos 1980, com o desenvolvimento de aviões que passaram a utilizar sistemas computadorizados. Todo o trabalho do engenheiro de voo passou a ser feito pelos computadores. Os primeiros aviões a abandonar esse tripulante foram o Boeing 767 e algumas versões do Airbus A300. 

Navegador de voo

Navegador tinha a função de orientar a rota do voo Imagem: Divulgação/ Pan Am Foundation

A antiga lei do aeronauta definia a função do navegador como "auxiliar do comandante, encarregado da navegação da aeronave quando a rota e o equipamento o exigirem, a critério do órgão competente do Ministério da Aeronáutica". Quando a lei do aeronauta foi sancionada, em 1984, essa já era uma função praticamente em extinção. Ela só existia em aviões muito antigos. O navegador, no entanto, foi durante muitos anos importante para orientar os pilotos na rota correta. 

Sem os sistemas avançados de localização, os navegadores eram responsáveis por cálculos complexos para determinar a posição correta da aeronave. Em muitos casos, chegavam a utilizar a navegação celestial, orientados pelos astros no céu, especialmente quando sobrevoavam os oceanos ou áreas remotas sem outros auxílios. O aumento de auxílios em terra à navegação, como antenas VOR e NDB, e posteriormente o GPS, permitiram que os próprios pilotos pudessem assumir também a navegação do avião, eliminando essa função a bordo da cabine. 

Radioperador de voo

Radioperador controlava a comunicação nos aviões mais antigos Imagem: Acervo Museum of Flight

A função de radioperador foi a primeira a ser eliminada da cabine de comando dos aviões. Apesar disso, a função ainda constava da antiga lei brasileira do aeronauta, que definia a função como "auxiliar do comandante, encarregado do serviço de radiocomunicações nos casos previstos pelo órgão competente do Ministério da Aeronáutica". Os radioperadores eram mais comuns até a metade do século passado, quando os sistemas de comunicação ainda eram bastante complexos. 

Naquela época, o rádio de um avião era de difícil manuseio e, em alguns casos, a comunicação era feita até por mensagens telegráficas com código morse. A evolução dos rádios foi bem mais veloz que a de outros sistemas, dispensando a necessidade de um profissional só para isso. Hoje, basta o piloto apertar um botão para se comunicar com o controle de tráfego aéreo.

Fonte: Vinícius Casagrande (Colaboração para o UOL)

Notícias do Dia

Destroços de aeronave que caiu em fazenda passará por perícia nesta segunda-feira


Azul Conecta pinta de rosa avião Cessna em apoio ao Outubro Rosa

Contrato com fabricante de helicópteros mexe com a área militar do governo

Donos de Viracopos não querem sair de mãos abanando

AeroMexico usa B787 para fazer o voo comercial mais longo da história mexicana

TAP Air Portugal não renovará contrato de mais 300 funcionários

Grécia anuncia a compra de 18 caças Rafale

Aviões no futuro poderão usar amoníaco como combustível livre de carbono

Gasolina de aviação também pode ser usada no automóvel?

Homem é retirado de avião após se recusar a usar máscara

A pandemia trouxe impactos e mudanças nas viagens de avião

EUA liberam entrada de viajantes brasileiros a partir desta segunda, 14

Avião de pequeno porte com drogas cai no interior de SP

Aeronave pegou fogo e, segundo o Corpo de Bombeiros, uma pessoa morreu carbonizada.


Um avião de pequeno porte Van's RV-10 caiu no início da noite deste sábado (12) em uma área rural na região entre o distrito de Igaraí, no município de Mococa, e Tapiratiba, a 270 km de São Paulo, informou o Corpo de Bombeiros em sua conta oficial no Twitter. A aeronave transportava 7,2 kg de cocaína.

Segundo os bombeiros, o piloto — ainda não identificado — morreu carbonizado no local.

As equipes de resgate encontraram a cocaína embalada em sete pacotes: cinco intactos e dois fragmentados.

A aeronave caiu em um canavial por volta das 20h30. Não há ainda informações sobre as circunstâncias da queda.

Em nota, a FAB (Força Aérea Brasileira) informou que a investigação da ocorrência envolvendo a aeronave de modelo RV10, que aconteceu neste sábado (12), na região rural entre Mococa e Tapiratiba (SP), não será realizada pelo Sistema de Investigação e Prevenção de Acidentes Aeronáuticos, que tem a finalidade de prevenção: "Os indícios coletados apontam o envolvimento com atividades ilícitas".

Segundo o decreto nº 9.540 de 2018, compete ao Cenipa (Centro de Investigação e Prevenção de Acidentes Aeronáuticos) decidir pela não instauração ou pela interrupção das investigações em andamento "se for constatado ato ilícito doloso relacionado à causalidade do sinistro ou se a investigação não trouxer proveito à prevenção de novos acidentes ou incidentes aeronáuticos".

Fontes: G1 / R7 - Fotos: Reprodução redes sociais