quinta-feira, 16 de agosto de 2012

Avião monomotor faz pouso forçado na zona rural de Campanha, MG

Segundo a polícia, piloto precisou fazer pouso depois de falha mecânica.

Homem de 24 anos foi socorrido com escoriações pelo corpo.




Um avião monomotor fez um pouso forçado na noite desta quarta-feira (15) na zona rural de Campanha (MG). Segundo a polícia, o piloto seguia de Belo Horizonte sentido ao Aeroporto de Varginha, quando precisou fazer um pouso forçado devido a uma falha mecânica no motor da aeronave.

O piloto Wellington Magno, de 24 anos, foi socorrido para o pronto-socorro da cidade com escoriações pelo corpo.

Fonte: G1 - Fotos: Polícia Militar

Problema em avião da GOL faz pouso emergencial em MG

Na tarde de terça-feira (14), passageiros de um voo da GOL, que saía de Brasília com destino a Belo Horizonte, viveram momentos de tensão quando a aeronave começou a perder altitude e se inclinou de maneira acentuada. A aeronave fez um pouso emergencial e, de acordo com a companhia aérea, a causa foi uma despressurização.

Em nota, a assessoria de imprensa da GOL informou que foi constatada a despressurização na cabine quando o avião se aproximava do destino. Para garantir a segurança de todos, o comandante solicitou à torre um "pouso preferencial" e prioritário - considerado pouso de emergência.

A Gol também informou que a saída dos passageiros ocorreu de maneira tranquila após o pouso e que, em solo, ofereceu o atendimento necessário aos clientes. A aeronave foi retirada de operação para que a equipe de manutenção realizasse os reparos corretivos no equipamento.

A causa do incidente não foi divulgada e não houve feridos.

Fonte: Terra

Fracassa teste de avião hipersônico americano

O voo de teste do X-51A Waverider, um avião não-tripulado hipersônico americano, fracassou, devido a uma pane que impediu o acionamento da turbina, quando ele sobrevoava a costa da Califórnia, anunciou a Força Aérea dos Estados Unidos nesta quarta-feira.


Preso à asa de um bombardeiro B-52 Stratofortress (foto acima), o avião foi lançado às 11h36 local (15h36 de Brasília) acima da estação aeronáutica de Point Mugu, na costa californiana. Alimentado por um propulsor normalmente usado em mísseis, o Waverider voou por apenas 16 segundos devido ao mau funcionamento de uma aleta, anunciou a US Force.


O propulsor iria levar o X-51 a Mach 4,5 (mais de 5.000 km/h) por 30 segundos, antes da turbina assumir o controle e colocá-lo a uma altitude de 21.000 metros e uma velocidade de Mach 6 . Mas o voo de teste foi encerrado antes que a turbina scramjet fosse acionada, indicou a Força Aérea.

"Todos os nossos dados indicam que as condições eram propícias para a ignição da turbina, estávamos otimistas sobre as chances de sucesso do teste", disse Charlie Brink, diretor de programa do projeto.

O teste previa um voo de 5 minutos a Mach 6, ou seja, seis vezes a velocidade do som, mais do que 7.300 km/h. Depois de uma série de testes com resultados mistos, resta apenas um Waverider, de quatro máquinas disponíveis no início para a Força Aérea americana.

Apesar deste último revés, os estrategistas do Pentágono mantém a esperança de revolucionar o espaço aéreo com aviões hipersônicos, comparando este avanço ao desenvolvimento de aeronaves invisíveis (ao radar) a partir da década de 1970.




O X-51, de 8 metros de comprimento, tinha alcançado Mach 5 em seu primeiro teste, em maio de 2010. O voo, que durou apenas três minutos, foi concluído antes do previsto por causa de um problema técnico. Além do Waverider, vários projetos de aeronaves hipersônicas estão em andamento.


Fonte: AFP - Imagens via Daily Mail / AFP / AP

Airbus transforma avião para 100 pessoas em jato particular


A companhia aérea Airbus transformou o A318, jato comercial que comporta até 109 passageiros, em um jato particular de luxo. Em exposição na Labace, o ACJ318 - executivo de US$ 68 milhões que carrega até 19 passageiros - possui escritório privativo que pode ser convertido em quarto e tem assentos com configuração de luxo. A aeronave dispõe ainda de espaço interno chamado de "área de lazer" em que há televisões e mesas de jantar.

"Quando se trata de jatos executivos, o que conta é o que você oferece na cabine. A Airbus pode oferecer um avião que comporta 19 passageiros e tem alcance para viagens internacionais até aeronaves 'VIPs' que podem transportar delegações governamentais em voos diretos para a maior parte do mundo", afirmou o diretor de operações da Airbus, John Leahy.

De acordo com a companhia aérea, o diferencial da ACJ318 é com relação à autonomia de voo. Enquanto o Airbus A318 consegue fazer voos de até 2,75 mil km em sequência, o ACJ318 pode percorrer até 5 mil km sem paradas, fazendo viagens intercontinentais. Outra grande diferença do ACJ318 é em relação às cabines, que são mais altas.

Segundo a empresa, os jatos executivos têm esta característica para que deem mais conforto aos passageiros.


Segundo dados da Aribus, desde 2007, a empresa já vendeu 170 jatos ACJ318, aeronave mais cara da Labace, sendo que dez deles foram vendidos em 2011. Segundo David Vellupillai, diretor de marketing da Airbus, "as aeronaves são destinadas a executivos, companhias, bilionários e governos". De acordo com ele, o jato já vem mobiliado com cama, assentos de luxo, persianas automatizadas, cama, mesa e bar. "A aeronave já vem toda mobiliada, mas o cliente pode fazer alterações. O preço não difere do preço do A318, sendo que os dois custam em torno de US$ 68 milhões", concluiu.

A Latin American Business Aviation Conference & Exhibition (Labace) é a segunda maior feira do mundo na área de aviação executiva. Na edição de 2012, traz cerca de 70 aeronaves executivas, de fabricação nacional e estrangeira, e cerca de 190 expositores. São esperados 16 mil visitantes para três dias de feira, de 15 a 17 de agosto, e o valor da entrada é R$ 200. O evento atrai compradores, pilotos e profissionais do setor, mas é aberto a todo público.


Fonte: Felipe Oliveira (Terra) - Fotos: Léo Pinheiro (Terra)

Produção em série do Su-35 começará em 2013

Segundo o comandante da Força Aérea Russa (FAR), a primeira leva de aeronaves de caça de quinta geração atenderá demanda interna; vendas externas ficarão para 2015.


A produção em série de aviões de caça múltipropósito Su-35 para o exército russo deve começar no próximo ano e para as vendas estrangeiras, em 2015, disse, em uma entrevista coletiva na semana passada, o comandante da FAR, Víktor Bondarev.

O anúncio aconteceu na abertura de uma exposição fotográfica em Moscou dedicada aos 100 anos da Força Aérea Russa. “A produção em série do SU-35 deve ter início a partir de 2013, e do T-50, a partir de 2015”, declarou Bondarev.

O primeiro voo do caça de quinta geração da empresa russa de aeronáutica Sukhôi, conhecido também como conjunto promissor da aviação tática (PAK FA, na sigla em russo), foi realizado no início de 2010. Já a primeira demonstração pública do Sukhôi T-50 PAK FA aconteceu em agosto do ano passado durante o Salão Internacional de Aeronáutica e Espaço de Jukovski (MAKS).

Em maio deste ano, uma fonte da indústria de construção aeronáutica russa disse à agência Interfax que o relatório preliminar sobre os resultados dos testes do Su-35 era esperado para o terceiro trimestre e que os aviões submetidos às avaliações já tinham feito mais de 540 voos.

O avião está atualmente pronto para os testes em cenários que repliquem situações de combate, assinalou a assessoria de imprensa da Sukhôi.

Teste de modernidade

A assessoria de imprensa do consórcio Sukhôi confirmou as principais especificações da aeronave após os testes de voo preliminares.

Comparado aos aviões de caça de gerações anteriores, o PAK FA apresenta uma série de características únicas, combinando as funções de aviões de ataque e de caça.

Clique aqui ou sobre o infográfico para vê-lo em tamanho original

A utilização de materiais compostos e tecnologia inovadora, assim como medidas para camuflar o motor e o design aerodinâmico, minimizam a visibilidade do avião aos radares, tanto ópticos como infravermelhos. Esse fator aumenta significativamente sua eficácia na luta contra os alvos aéreos e terrestres de dia e de noite e em quaisquer condições meteorológicas.

A velocidade máxima da aeronave ao nível do mar é de 1400 km/h, mas em altitude chega a 2400 km/h. Cabe lembrar que o teto máximo atingido é de 18 mil metros.

A faixa de detecção de alvos no ar é de mais de 400 km, ou seja, muito maior do que a dos aviões de combate atualmente em serviço. Além disso, o radar de bordo pode detectar e rastrear alvos múltiplos a uma distância de mais de 80 km.

De acordo com especialistas da empresa, a análise dos testes realizados permite afirmar que o Su-35/Su-35S supera em especificações e condições de combate muitos seus congêneres atualmente em serviço, como o F-15, F-16, F-18, F-35 e pode enfrentar o F-22A.

Fonte: Interfax.ru via Gazeta Russa

Feira em São Paulo investe no mercado dos jatinhos luxuosos

O mais barato custa US$ 4 milhões, mas o mais caro da feira vale US$ 68 milhões. Conheça alguns modelos e veja os grandes atrativos dos aviões.


Um mercado que não pára de crescer no Brasil é o do luxo. Começou em São Paulo a Feira Anual de Aviação Executiva, com as mais modernas e confortáveis aeronaves do mundo. Alguns modelos parecem até apartamentos de tão grandes e dá para parcelar em até 60 vezes. Parece que está dando certo, porque o Brasil já é o segundo consumidor mundial de jatinhos.

O jogador Neymar usou um na noite de quarta-feira (15). O jato foi alugado pelo Santos para trazer o jogador, que estava na Suécia com a Seleção Brasileira, para disputar uma partida contra o Figueirense pelo brasileirão (foto abaixo).


Ficou animado? Você pode comprar um na Feira Anual de Aviação Executiva, que começou em São Paulo. Ou pode conhecer os modelos na reportagem do Bom Dia Brasil.

São 70 aeronaves, entre jatos, helicópteros e turbohélices, e 130 expositores - canadenses, franceses, americanos, italianos e apenas um brasileiro, a Embraer.

Todos os aviõezinhos são apenas maquetes, modelos, mas no tamanho grande são muito valiosos. O mais barato custa US$ 4 milhões, mas outros modelos chegam a US$ 9 milhões, US$ 16 milhões, US$ 20 milhões, US$ 26 milhões, US$ 32 milhões e até US$ 53 milhões, o avião da presidência da República.

Por dentro, o avião de US$ 53 milhões parece um apartamento de 70 metros quadrados. Sala de estar, de TV, sala de jantar, uma suíte. A autonomia dele é de 10 horas e voa a 850 km/h.

“Nessa feira você inicia as negociações e elas se materializam ao longo do tempo, em dois, três, cinco, seis meses. Nunca na feira você acaba fechando negocio, a não ser que ele já tenha iniciado anteriormente, mas as transações de aviões desse porte não se fazem do dia para a noite”, explica Marco Túlio Pellegrini, vice-presidente da Operações de Aviação Executiva da Embraer.

O avião mais caro da feira é o Airbus de US$ 68 milhões. Os aviões mais caros são os mais visitados.

“Eu estou só namorando aqui, sou piloto, estou achando lindo”, conta Ricardo Daniel Generoso.

“Gostaria. Ainda não, mais para frente quem sabe”, diz uma mulher.

Compras mesmo são poucas. Mas o mercado de jatos executivos no Brasil cresceu 15% de 2010 para 2011. 

“Empresários, empresas de taxi aéreo, operadoras profissionais, empresas de serviços aeroespecializados, aquele que tem um desenvolvimento novo no seu negócio”, explica Eduardo Marson, presidente da Abag. 

O piloto Rubens Barrichello e o ator Jackie Chan têm um jato. Neste mercado milionário, também se compra em prestações a perder de vista. O empresário Edney Viegas, de São Luís no Maranhão, foi até a feira para receber o helicóptero que encomendou um ano atrás. Bancos vermelhos de couro, o helicóptero é da família Esquilo, fabricado na França, custou pouco mais de US$ 2 milhões. E vai ser pago em 60 prestações.

“Um helicóptero diferente, eu vou usar para ir para as minhas fazendas, do centro de São Luís capital para o interior. E para algumas cidades também que eu sempre vou: Fortaleza, Natal, João Pessoa”, conta.

Só no estado de São Paulo são mais de 650 helicópteros.


Fonte: Bom Dia Brasil (TV Globo) - Imagens: Reprodução da TV / Reprodução do Twitter

Comissão debaterá preço de comida no aeroporto


A Comissão de Defesa do Consumidor da Câmara dos Deputados realizará audiência pública para debater o controle e a administração do comércio de alimentos nas aeronaves de transporte de passageiros e nas dependências aeroportuárias do Brasil. Ainda não há data para a reunião.

A baixa dos preços de algumas categorias de passagens aéreas tem feito com que as pessoas de baixa renda também utilizem os aviões como meio de transporte, deixando de utilizar somente o transporte terrestre para viajar. Porém, o alto preço cobrado pelas empresas nos aeroportos, inviabiliza o acesso dessas pessoas à alimentação. Algumas empresas aéreas já estão cobrando pelo lanche oferecido durante os voos.

Continue lendo esta matéria da Agência Câmara de Notícias no Portal Panrotas.

 Fotos: correio.rac.com.br

Avião russo não tinha explosivos e vai deixar Islândia

O avião da empresa aérea russa Aeroflot, que foi esta quinta-feira obrigado a uma aterrissagem de emergência na Islândia por suspeita de transportar explosivos, já levantou voo em direção a Moscou, disse uma fonte policial islandesa ao site português Expresso.

Segundo o site do semanário, o avião foi revistado tendo o "perigo de bomba" sido desconsiderado durante a tarde por não terem sido encontrados objetos perigosos.

Os passageiros foram interrogados antes de prosseguirem viagem no voo que fazia a ligação entre Nova Iorque e Moscou.

Fontes: A Bola / Expresso

Ryanair pode ser multada por voar com pouco combustível

O sindicato dos pilotos alemães assegurou, esta quinta-feira, que a companhia aérea irlandesa Ryanair exerce uma "forte pressão" sobre os pilotos para que economizem combustível.


A denúncia feita por aquela organização sindical surge na sequência de três aterrissagens de urgência efetuadas no aeroporto de Valência, em Espanha.

Segundo Jorg Handwerg, porta-voz do sindicato, a Ryanair exerce uma "forte pressão" sobre os pilotos, organizando listas de pilotos em função do seu consumo de combustível.

Handwerg referiu que a quantidade de combustível que abastece cada avião é fixada em parte por normas de regulamento. Mas para além do mínimo legal, o piloto pode decidir quais as reservas que precisará "para uma maior segurança", nomeadamente quando voa para aeroportos com muito tráfego aéreo onde, provavelmente, será obrigado a efetuar voos em círculo até obter ordem de aterragem.

O sindicalista sublinhou que além da Ryanair, o combustível é "um fator de custo importante sobretudo para as companhias de baixo custo". Assim, segundo informou, muitas companhias fazem passar instruções aos pilotos sobre os meios de consumirem menos.

O sindicato dos pilotos alemães assegurou, esta quinta-feira, que a companhia aérea irlandesa Ryanair exerce uma "forte pressão" sobre os pilotos para que economizem combustível.

"Os direitos dos pilotos são desrespeitados" e eles "não podem assim assumir as suas responsabilidades", lamentou o porta-voz.

A Ryanair arrisca-se a pagar uma multa de 4,5 milhões de euros.

Fonte: Jornal de Notícias (pt) - Foto: Reprodução

Avião russo faz pouso de emergência na Islândia após alerta de bomba

Um voo da companhia aérea russa Aeroflot de Nova York para Moscou teve que fazer um pouso de emergência em Keflavik, na Islândia, após uma ameaça de bomba a bordo, nesta quinta-feira (16).

O avião após o pouso de emergência na Islândia

Autoridades americanas, que receberam um telefonema anônimo com o alerta de bomba após a decolagem da aeronave, avisaram o piloto que decidiu pela aterrissagem antecipada.

O Airbus A330-300, prefixo VQ-BPI, levava a bordo 236 pessoas para o voo Aeroflot 103, entre os aeroportos John Fitzgerald Kennedy, em Nova York, e Sheremetyevo, em Moscou.

A polícia da Islândia investiga os passageiros e suas bagagens em busca de explosivos.

Fontes: BBC / Aviation Herald - Foto: Reuters

Avião da WebJet retorna ao Rio logo após decolagem

Webjet diz em nota que problema foi no indicador de combustível.

Passageiros que iam para Guarulhos foram reembarcados em outros voos.

Passageiros do voo 5760, da Webjet, com partida programada para 6h18 desta quinta-feira (16), do Aeroporto Santos Dumont, no Centro do Rio, para o Aeroporto de Guarulhos, em São Paulo, passaram por momentos de preocupação. A aeronave teve de voltar ao Santos Dumont logo após a decolagem.

A Webjet informou por nota que o avião apresentou, “após a decolagem, indicação no painel de combustível, embora o abastecimento da aeronave tenha ocorrido de forma absolutamente correta”. Por cautela, o avião voltou ao aeroporto para que as equipes técnicas verificassem o equipamento.

Todos os passageiros foram desembarcados e acomodados em voos que sairiam logo em seguida. Segundo a empresa, foram cumpridas as medias que atendem à Resolução 141 da Agência Nacional de Aviação Civil (Anac).

A Infraero informou que, como o problema não afetou a operacionalidade do terminal, não foi feito nenhum registro do caso.

Fonte: G1

Embraer entrega à Índia primeiro avião para missões de vigilância e controle

Segundo a empresa, o aparelho concluiu satisfatoriamente todas as provas em terra e em voo tanto da própria Embraer como dos sistemas de defesa da Força Aérea Índia, que receberá outras aeronaves do mesmo modelo como parte de um contrato assinado em 2008.


A Embraer entregou nesta quinta-feira ao governo da Índia o primeiro avião do modelo EMB 145 AEW&C de controle e alerta antecipado que será utilizado pela Força Aérea desse país.

Segundo a empresa, o aparelho concluiu satisfatoriamente todas as provas em terra e em voo tanto da própria Embraer como dos sistemas de defesa da Força Aérea Índia, que receberá outras aeronaves do mesmo modelo como parte de um contrato assinado em 2008.

A Embraer não revelou o número de aviões deste modelo adquiridos pelo governo indiano "por uma cláusula de confidencialidade do contrato", disse à Agência Efe uma fonte da companhia.

O contrato inclui além das aeronaves um pacote de treinamentos, suporte técnico, peças de reposição e equipes de apoio em terra.

O EMB 145 AEW&C entregue nesta quinta-feira incorpora recursos como um sistema de reabastecimento em voo, maior capacidade elétrica e modificações estruturais que permitirão a instalação de avançados sistemas de missão desenvolvidos pelo Centro de Sistemas Aerotransportados (CABS) da Índia, segundo um comunicado da empresa.

A aeronave está equipada com um radar de varredura eletrônica projetado e desenvolvido pelo CABS, cujas antenas serão instaladas na parte superior da fuselagem.

"O sucesso deste programa é um símbolo de cooperação entre a Índia e Brasil", disse o diretor do CABS, S. Christopher, citado no comunicado.

O EMB 145 AEW&C é um avião desenvolvido para missões de vigilância e controle do espaço aéreo cujas informações ajudam a outras aeronaves, como os caças-bombardeiros, em tarefas de controle e intercepção.

Fonte: EFE via www.ultimoinstante.com.br - Foto via Cavok.com.br

terça-feira, 14 de agosto de 2012

Vídeo mostra caça sírio explodindo no ar em suposto ataque rebelde

Aeronave pega fogo sob tiros de rebeldes.

Material foi disponibilizado na internet.


Um vídeo que mostra um avião de caça do governo sírio explodindo no ar enquanto é atacado por rebeldes foi publicado na internet nesta segunda-feira (13).

A derrubada do avião é um evento raro para os rebeldes, que normalmente estão equipados com armas leves contra o armamento superior das forças do presidente Bashar al-Assad.

Nos últimos meses, o governo começou a usar seu poder aéreo para tentar esmagar a revolta, que já dura 17 meses.

O vídeo carregado no Yotube foi filmado por um ativista da oposição que disse que estar na cidade Muhasssin (noroeste) na província de Deir al-Zor. Não ficou claro quando o material foi filmado e não foi possível verificar a localização.

As imagens mostram um avião cruzando os céus em meio a tiroteio pesado. O jato de repente explode em chamas e começa a girar, deixando um rastro de fumaça.

"Deus é maior! Um caça MiG foi atingido na cidade de Muhasssin", gritou o ativista. Não havia nenhuma indicação a partir do vídeo de que o jato tinha sido atingido por tiros de rebeldes ou por um míssil anti-aéreo.

Uma fonte da oposição que trabalha com rebeldes na área disse que eles usaram armas antiaéreas para abater o jato.

"Foi um MiG abatido por uma arma antiaérea 14,5mm, a maior do arsenal rebelde. O avião estava voando muito baixo e estava dentro do alcance. Não temos informações se o piloto sobreviveu", disse a fonte.

Os rebeldes, cujo arsenal é composto principalmente de fuzis, explosivos e lança-granadas, dizem que são incapazes de competir com o poder do exército do ar.

Nas últimas semanas, aviões de combate foram vistos disparando foguetes em aldeias controladas pelos rebeldes e norte da cidade de Aleppo.

Veja o vídeo:


Fonte: G1, com Agências Internacionais

Única sobrevivente de acidente aéreo nos EUA fala pela 1ª vez em 25 anos

Cecelia Cichan deu entrevista para documentário sobre sobreviventes.

Ela foi a única que se salvou em queda de avião que matou 154 pessoas.

Rede de TV dos EUA mostra cenas do documentário em que Cecelia Cichan fala pela primeira vez

Única sobrevivente do acidente aéreo que matou todas as outras 154 pessoas dentro da aeronave e mais duas que estavam no local da queda do avião, em Detroit (EUA), em 1987, Cecelia Cichan concedeu a primeira entrevista em 25 anos.


Atualmente com 29 anos e casada, ela era uma menina, com 4 anos de idade, e perdeu seus pais e um irmão quando o avião caiu logo após decolar. "Penso no acidente todos os dias. É dificil não pensar quando olho no espelho. Tenho cicatrizes visíveis", disse (assista a trechos da entrevista).

Ela foi encontrada sob escombros, e muitos acreditam que sua mãe a tenha protegido na hora do acidente. Cecelia foi criada por uma tia, e nunca apareceu publicamente ou deu entrevistas sobre o acidente.

Ela faz parte do documentário "Sole Survivor", que vai ser lançado nos Estados Unidos e que se concentra na história de pessoas como Cecelia, que foram as únicas que se salvaram em grandes acidentes aéreos. Ela diz que aceitou falar pela primeira vez por não ser um trabalho com foco apenas em sua vida, mas na de pessoas que sobreviveram.


Fonte: G1 - Foto: Reprodução / Daily Mail

Justiça quer que aéreas comprovem redução de taxas

As empresas aéreas TAM, Gol, Cruiser, TAF e Total terão 15 dias a partir desta segunda-feira para comprovar o cumprimento de sentença judicial que as obrigou a reduzir as taxas cobradas para remarcação ou cancelamento de passagens, sob pena de multa de R$ 100 mil para cada uma delas. A decisão é do juiz federal Regivano Fiorino, em processo que tramita na 5ª Vara Federal em Belém.

Em maio do ano passado, a Justiça Federal do Pará decidiu que, se os pedidos de cancelamento ou remarcação fossem feitos em até 15 dias antes da data da viagem, a taxa máxima a ser cobrada seria de 5% do valor da passagem. Se a solicitação fosse feita em prazo inferior, a taxa poderia ser de até 10%.

Na mesma decisão, a Justiça determinou que as empresas devolvessem os valores cobrados além desses limites em todos os casos ocorridos desde 5 de setembro de 2002. Segundo o Ministério Público Federal (MPF) no Pará, em 2007, quando o caso foi encaminhado, as taxas chegavam a 80% do valor da passagem.

O pedido da execução da sentença foi feito em março pelo procurador Bruno Araújo Soares Valente, que constatou que as empresas estavam ignorando a determinação judicial.

Clique aqui e assista a reportagem.

Fonte: Agência Estado via G1 - Imagem via lemontech.com.br

Mais

Polo aeronáutico motiva investimento em São João da Boa Vista, SP

Chegada de novas empresas gera oferta de empregos no setor da aviação.

Parceria com o Senai qualifica mão de obra da própria cidade.


A cidade de São João da Boa Vista (SP) se prepara para se tornar um polo da indústria aeronáutica. Com novos investimentos, moradores se qualificam na busca por uma oportunidade de trabalho nesse setor.

Há três meses, uma empresa especializada em aviação começou a funcionar no município. Toda a produção era feita em outra cidade, mas a mudança da sede foi motivada pelo crescimento na demanda. “Por se tratar de um país com dimensões continentais, o avião é uma ferramenta indispensável no Brasil. E o mercado nacional está só começando”, diz o empresário Caio César Jardini Jordão.

Em um galpão de sete mil metros de área construída são fabricadas aeronaves da categoria leve esportiva. Foram contratados 64 funcionários, 80% mão de obra da própria cidade, capacitados em parceria com Serviço Nacional de Aprendizagem Industrial (Senai).

Continue lendo esta matéria no G1.

Governo busca sócio estrangeiro para fortalecer a Infraero

Além do parceiro externo, seria criada a Infraero-Par, subsidiária da estatal para gerir grandes aeroportos 

Medida objetiva dar nova força à Infraero, que perdeu Guarulhos, Viracopos e Brasília no leilão de fevereiro

Aeronaves no aeroporto de Cumbica, em Guarulhos

Para fortalecer a Infraero, o governo estuda criar a Infraero-Par. A ideia é que, ao lado de um sócio internacional minoritário, a subsidiária da estatal toque alguns dos principais aeroportos do país, como Confins e Galeão, além dos três leiloados no início do ano.

A adoção desse modelo, se confirmada, tira o terminal mineiro e o carioca da lista de concessões previstas pelo próprio governo para sanar os gargalos de infraestrutura nessas unidades.

Segundo a Folha apurou, a presidente Dilma Rousseff já viu o esboço da proposta e deu sinal verde às discussões. Não há, porém, decisão final a respeito, apenas o indicativo de que a concessão de novos aeroportos pode não ocorrer no médio prazo.

O anúncio do novo modelo para Confins e Galeão, seja ele qual for, está pré-marcado para 5 de setembro.  

A Folha já havia antecipado a disposição do Executivo de fortalecer a Infraero, que acabou perdendo três de seus principais ativos com o leilão de fevereiro.

Nas contas internas, se Galeão e Confins tivessem o mesmo destino que Guarulhos, Brasília e Viracopos, a estatal rapidamente se tornaria deficitária e dependente do Tesouro Nacional para fechar suas contas. Mais: encontraria dificuldades para melhorar as condições de atendimento nos mais de 60 terminais que administra.

A arquitetura em estudo agora prevê o desmembramento da Infraero, com a criação da Infraero-Par, que terá parcela majoritária das ações de Confins e Galeão e participação minoritária nos três aeroportos leiloados no início do ano.

Operador de renome

O dinheiro para investir virá do parceiro internacional por meio de concorrência focada em atrair um operador aeroportuário de renome. O projeto preliminar prevê que a Infraero-Par ficaria com 70% do negócio, e a operadora internacional, com 30%.

Para interlocutores do governo familiarizados com o debate, a opção por esse formato não encerra eventuais futuras concessões nem anula outras saídas para resolver os problemas do setor no longo prazo. 

O Planalto não gostou do resultado das concessões feitas em fevereiro, quando as maiores operadoras globais ficaram de fora do negócio.

Desde então, o governo passou a estudar alternativas para atrair parceiros de maior peso e, ao mesmo tempo, fortalecer a empresa pública. Além de recursos, Dilma quer aporte de conhecimento na gestão de terminais.

Defensores do modelo de concessão ponderam que montar a Infraero-Par pode demorar mais do que licitar novas unidades, processo que leva, em média, um ano.

Os contrários a novos leilões argumentam que o prazo de implementação seria equivalente.

Fonte: Natuza Nery (jornal Folha de S.Paulo - colaborou Dimmi Amora) - Foto: Lalo de Almeida (Folhapress)

Frota da aviação executiva cresce 6,4% no país em 2011

Nos próximos dez anos, venda de jatinhos novos no Brasil deve movimentar US$ 8 bi


Puxado pelas vendas de jatos executivos, o número de registros de aeronaves da chamada aviação geral cresceu 6,4% no ano passado e alcançou 13.094 aeronaves.

Foram 784 novos registros, segundo dados do "Anuário Brasileiro de Aviação Geral 2012", que a Abag (Associação Brasileira de Aviação Geral) divulga amanhã. A aviação geral engloba turboélices, helicópteros e outras aeronaves de uso particular ou de táxi aéreo.

O país tem hoje a segunda maior frota da aviação geral no mundo. Nos últimos três anos, transformou-se também no segundo maior mercado para jatos executivos novos, atrás apenas dos EUA. O segmento cresceu 15,35% no ano passado, alcançando 623 jatos.

Os empresários brasileiros não só estão viajando mais de avião particular como estão preferindo aviões maiores e de mais longo alcance.

"Há um amadurecimento do mercado. Os empresários veem cada vez mais o jato executivo como ferramenta de produtividade", afirma Marco Túlio Pellegrini, vice-presidente de operações da Embraer Aviação Executiva.

A fabricante estima que o mercado nacional deverá absorver mais 550 novos jatos executivos nos próximos dez anos, de diversas marcas e modelos, movimentando US$ 8 bilhões. Hoje, a Embraer detém 17% do mercado.

Acompanhando o aumento da demanda por aeronaves de maior porte, a fabricante vai levar, pela primeira vez para a feira de aviação executiva Labace, nesta semana, seu maior jato no segmento, o Lineage 1000. 

Com capacidade para 19 passageiros e um interior luxuoso que comporta cama de casal e chuveiro, o Lineage tem a fuselagem do tamanho do jato comercial 190 (de até 114 lugares) e autonomia para voar de São Paulo a Lisboa sem escalas. Preço de catálogo: US$ 55 milhões (cerca de R$ 110 milhões).

Outras 70 aeronaves executivas, dos grandes fabricantes mundiais, como Airbus, Bombardier e Gulfstream, estarão em exposição na feira, entre os dias 15 e 17 deste mês no aeroporto de Congonhas, em São Paulo. O ingresso custa R$ 200.

Ao todo serão 190 expositores e a expectativa é que a feira movimente US$ 700 milhões em novos negócios. 

Fonte: Mariana Barbosa (jornal Folha de S.Paulo) - Imagem: Germano Luders (Veja.com)

Frase

"Há um amadurecimento do mercado [de aviação]. Os empresários veem cada vez mais o jato executivo como ferramenta de produtividade" 

Marco Túlio Pellegrini (vice-presidente de operações da Embraer Aviação Executiva)

Embraer inicia produção do protótipo do avião executivo Legacy 450

A Embraer iniciou a produção do protótipo do avião executivo Legacy 450, lançado em 2008 e cotado na época pelo mercado com um preço de US$ 15 milhões, informou nesta segunda-feira a companhia.


As peças do jato com capacidade para transportar oito passageiros e dois tripulantes começaram a ser elaboradas na semana passada na sede principal da Embraer, em São José dos Campos, detalhou a empresa em comunicado.

A aeronave, com autonomia para voar 4.300 quilômetros, terá um moderno sistema de software para controle da segurança e serviços a bordo, divulgou a Embraer.

O modelo Legacy 500, entretanto, está em pré-testes de voo, com dois protótipos apresentados em janeiro e maio, respectivamente, e um terceiro em processo de montagem final para iniciar neste ano suas primeiras horas de voo.

Segundo as projeções, o modelo 500 começará a ser entregue para os primeiros compradores no último trimestre de 2013 e, o 450, um ano depois.

O modelo 650, o maior desse tipo de aeronaves e com capacidade para 14 passageiros, que entrou em operação em 2010, recebeu hoje a certidão internacional Halto para aterrissar em aeroportos com até 13.800 pés de altura, como os de La Paz e Shangri-La (China).

Fonte: EFE via G1 - Imagem: Divulgação/Embraer

Assista a reportagem sobre o pouso de emergência no interior de MG


Fonte: TV Alterosa

Piloto faz pouso de emergência em canavial após ser atingido por urubu em MG

Ave quebrou o vidro da cabine e provocou fratura no rosto do homem


O esforço de um piloto durante um pouso de emergência mobilizou moradores do distrito de Cafemirim, em Tarumirim, no Vale do Rio Doce, em Minas Gerais.

Um urubu quebrou o vidro da cabine do monomotor Cessna 172M, prefixo PT-KCS e feriu o rosto do piloto, Brás Ângelo Cremasco, de 53 anos. Brás sobrevoava um canavial e conseguiu pousar na plantação por volta das 16h30 desta segunda (13). 

Segundo o cabo Mauri Ferreira, da 45ª Cia da Polícia Militar, o piloto conseguiu realizar a manobra por competência e por causa do relevo local. Ele não tinha muito espaço, mas conseguiu realizar o pouso porque é uma área plana. 

Ele saiu andando da aeronave, apesar das fraturas no rosto. Não conseguia conversar porque estava em estado de choque. 

O piloto foi levado para um hospital da cidade, que fica a 4 Km do canavial. A aeronave havia decolado em Nova Venécia, no Espírito Santo, e ia para Caratinga, em Minas. 

Segundo o policial, um representante da empresa proprietária do monomotor chegou à cidade nesta noite e vai aguardar o início dos trabalhos da perícia na terça (14).

Fontes: Enzo Menezes (R7) / Portal UAI / ASN - Foto via R7

Simulador de voo ajuda pilotos de avião a vivenciar situações de risco

Simulador auxilia na preparação de pilotos para voo por instrumento.

São José, em SC, está se tornando referência na formação de pilotos.

Simulador de voos auxilia na preparação de pilotos

A cidade de São José, em Santa Catarina, está se tornando referência na formação de pilotos de aviação. Entre 2010 e 2011 a emissão de licenças de pilotos de linhas aéreas cresceu 50%, e praticamente dobrou para táxi aéreo e aviões fretados. Como é uma profissão de responsabilidade, os cursos de capacitação buscam expõr os futuros pilotos a situações bem próximas da realidade. O Senai de Santa Catarina, por exemplo, adquiriu um simulador de voo de alto nível.

O Simulador reproduz imagens e movimentos mecânicos da aeronave e é um dos três únicos do Brasil. É voltado para pilotos habilitados e ensina instruções para voos por instrumento, que é quando o piloto perde a referência visual. Além disso, permite simular uma pane no motor e também aterrisagem com turbulência. Um treinamento em voo real pode chegar a R$1000 reais por hora. Este simulador deve reduzir o valor do treinamento em até cinco vezes.

Fonte: G1 SC - Foto: Reprodução/RBS TV

Boeing da United pega fogo e passageiros trocam de avião

O porta-voz do aeroporto Sea-Tac em Seattle, Perry Cooper, informou que os passageiros que estavam no avião da United Airlines que pegou fogo neste domingo não sofreram danos por causa do acidente.


O Seattle Times informou que os bombeiros descobriram chamas vindas do motor auxiliar do Boeing 757 da United Airlines voo 776, que devia partir às 10h30, horário local, para o aeroporto Dulles International, em Washington.

O porta-voz da Sea-Tac disse que os bombeiros extinguiram as chamas e que o avião foi evacuado. Uma investigação preliminar indicou que o fogo pode ter surgido de um resíduo de óleo no motor auxiliar, localizado na cauda do avião.

A United informou, por meio de seu endereço na Internet, que os passageiros foram colocados em outros voos horas mais tarde. As informações são da Associated Press.

Fonte: Agência Estado - Foto: Reprodução

Avião de combate sírio cai no leste do país

Anúncio foi feito por TV estatal horas após rebeldes dizerem que haviam derrubado jato.

Segundo canal, queda ocorreu após problemas técnicos.

Um avião de combate do Exército sírio caiu no leste do país nesta segunda-feira (13), afirmou a televisão estatal, horas depois de os rebeldes terem dito que haviam derrubado um jato na mesma área. 

O canal oficial Syria TV afirmou que o avião caiu devido a problemas técnicos durante "uma missão regular de treinamento". 

A agência estatal Sana disse que o piloto se ejetou do avião. Equipes de busca procuravam o piloto.


Fonte: Reuters via G1

Mais

Exército Sírio Livre diz ter derrubado caça do regime

Os rebeldes sírios afirmaram nesta segunda-feira que derrubaram um caça-bombardeiro do regime de Bashar al-Assad e capturaram seu piloto, embora meios de comunicação tenham dito que a queda do avião militar foi por um problema técnico.

"Sim, podemos dizer que um MiG 21 foi derrubado. Foi atingido por um projétil de 14,5 mm de uma metralhadora antiaérea", afirmou Kassem Sadedin, porta-voz do Exército Sírio Livre (ESL). Outro grupo rebelde divulgou um vídeo no qual aparece o piloto, rodeado por homens armados, que disseram tê-lo capturado.

Fonte: AFP

Clique aqui para assistir a reportagem. 

Avião seneca aterrisa de barriga, em aeroporto do interior do AM

Incidente ocorreu no município de Coari, e apesar do susto, o piloto e os dois passageiros da aeronave não sofreram ferimentos

Avião Seneca, estacionado na pista do aeroporto de Coari, após o incidente

O avião Embraer EMB 810C Seneca, prefixo PT-EIR, apresentou problemas no trem de pouso, no momento em que se preparava para aterrissar no aeroporto de Coari - localizado a 370 quilômetros de Manaus -, na manhã deste domingo (12).

Apesar do susto os três ocupantes da aeronave, o piloto e dois passageiros, não sofreram ferimentos. 

Conforme as informações fornecidas pelo Serviço Regional de Investigação e Prevenção de Acidentes Aeronáuticos (Seripa 7), ainda não se sabe se o incidente foi ocasionado por falhas operacional (piloto) ou mecânica.

O trem de pouso da aeronave não teria destravado, o que fez com que o piloto do Seneca pousasse o avião de barriga, na pista do aeroporto. Apesar do atrito com o chão, não houve incêndio no bimotor.

Após o ocorrido, o avião foi recolhido para um hangar do aeroporto de Coari, onde será periciado por uma equipe técnica do Seripa 7. O bimotor seria particular – o nome do proprietário da aeronave não foi fornecido – e retornava de um voo ao município de Eirunepé – situado a 1.245 quilômetros de Manaus.

As causas do incidente serão investigadas pelo Seripa 7, que irá expedir um relatório sobre o mesmo. O documento servirá re recomendação de seguranças, para as empresas de aviação.

Fonte: Síntia Maciel e Florêncio Mesquita (A Crítica) - Foto: Thiago Adonis (freelancer)

Maior museu tecnológico do mundo alia diversão e conhecimento em Munique

Com mais de 25 mil objetos, o Deutsches Museum recebe cerca de 4 mil visitantes por dia. Exposições abordam desde física nuclear até pormenores das células humanas. Atrações incluem aviões de guerra e mina subterrânea.


Na entrada, o empurra-empurra e o barulho lembram uma estação de trem. Grupos escolares, famílias e aposentados fazem fila para entrar no maior museu técnológico do mundo. Aberto todos os dias, o Deutsches Museum, na cidade alemã de Munique, recebe entre 1 milhão e 1,5 milhão de pessoas por ano ou cerca de 4 mil a cada dia.

O museu é tão grande que logo a multidão se dispersa. No meio de uma das salas, vê-se o avião que é uma das principais atrações do lugar. "Este é o Messerschmidt Me 262, o primeiro jato produzido em série no mundo", explica Peter Thum, especialista em mobilidade do museu.

Segundo Thum, o avião foi utilizado pela Força Aérea Alemã, então comandada por Hermann Göring, a partir de 1941. O jato era apontado pelos nazistas como uma das armas milagrosas que possibilitaria a Hitler a chamada "vitória final".

O resultado foi outro, mas tecnicamente a reputação do Me 262 permaneceu como a de um dos mais avançados aviões da época. "Ele chega a 870 quilômetros por hora, o que corresponde à velocidade alcançada pelos atuais aviões comerciais", diz Thum.

Aviões de guerra: Me 262 e, acima dele, o avião-foguete Me 163

Pendurado no teto, acima do Me 262, há outro caça, o Messerschmidt Me 163. "Ele voa com propulsão de um foguete, disposto na horizontal para que o avião seja impulsionada para a frente", explica Thum. "Com isso, a aceleração e a velocidade são maiores, ou seja, cerca de mil quilômetros por hora", ressalta.

O avião-foguete foi projetado para interceptar caças inimigos. "O problema é que o combustível só é suficiente para nove minutos de voo. Depois disso, o foguete para de funcionar, e o avião se transforma num planador", observa Thum.

Continue lendo esta matéria no Deutsche Welle.

Passageiros da primeira classe abandonam voo porque avião não tinha pijamas tamanho extra grande

Empresa ofereceu a passageiros pijamas em uma versão mais simples, dos ocupantes da classe executiva, mas passageiros recusaram e deixaram a aeronave, causando atraso de meia hora na decolagem


Quando o assunto é atendimento ao cliente, qualquer falha pode ser fatal. Que o diga a companhia aérea australiana Qantas, que precisou atrasar em meia hora um dos seus voos que saia de Los Angeles, nos Estados Unidos, com destino a Melbourne, na Austrália, porque dois de seus passageiros da primeira classe abandonaram o voo ao saber que a empresa não poderia fornecer pijamas no tamanho deles.

A confusão começou porque os passageiros da primeira classe da Qantas normalmente recebem pijamas luxuosos e chinelos ao embarcar no voo. Um casal de australianos solicitou aos comissários pijamas no tamanho extra grande, mas a empresa não tinha essa opção em estoque e ofereceu uma versão mais simples, da classe executiva, no tamanho solicitado.

Irritado, o casal se recusou terminantemente a usar um pijama da classe executiva e disse que se empresa não providenciasse pijamas de luxo no tamanho extra grande, iria esperar por outro voo.

Após muita insistência, a tripulação concordou em deixar o casal abandonar a aeronave, o que resultou em um atraso de cerca de 30 minutos na decolagem do avião até que a bagagem dos passageiros pudesse ser retirada do voo.

Estarrecido com a situação, o piloto decidiu contar para os outros passageiros o motivo do atraso, o que provocou risos. "Ele disse: Só para informá-los, a razão pela qual tivemos atraso na decolagem é porque dois passageiros de primeira classe se recusaram a voar nesse avião porque não havia pijamas tamanho extra grande a bordo para eles", disse Angela Ceberano, passageira da classe executiva, segundo o jornal britânico Daily Mail. A atitude, disse ela, acabou gerando simpatia dos outros passageiros com a tripulação.  

Fonte: Época Negócios - Imagem: EPA

Empresa holandesa prepara para 2023 viagem a Marte... só de ida

Engenheiro quer levar turistas ao planeta vermelho.

Viagem seria material para programas de televisão.

A partir de 2023 turistas poderão viajar a Marte com passagem de ida simples, que será financiada com a cobertura pela televisão da aventura, divulgou uma empresa holandesa, enquanto o veículo-robô Curiosity da Nasa faz as primeiras explorações no planeta vermelho.

"A conquista de Marte é a etapa mais importante da história da humanidade", disse à AFP Bas Lansdorp, engenheiro mecânico de 35 anos que criou a empresa "Mars One", decidido a prosseguir com sua ideia, apesar do ceticismo dos especialistas.

Uma particularidade do projeto é que, por enquanto, não haverá viagem de volta, impossível do ponto de vista técnico, explicou Bas Lansdorp.

Ilustração mostra como seria o abrigo dos turistas que viajariam até Marte com a Mars One

O empresário avalia o custo da viagem em US$ 6 bilhões, mais de duas vezes os US$ 2,5 bilhões da missão do robô americano Curiosity, que posou em Marte em 5 de agosto para investigar se o entorno do planeta foi propício à vida microbiana no passado.

A seleção de astronautas, sua vida diária em Marte e a viagem de sete meses serão material para programas de televisão destinados a financiar a aventura.

Bas Lansdorp explicou ter tido a ideia do financiamento do projeto ao conversar com o compatriota Paul Romer, um dos criadores do "reality show" Big Brother, exibido pela primeira vez na Holanda, em 1999. 

Alguns especialistas se questionam sobre a ética do projeto ou sua possibilidade técnica, embora outro holandês, Gerard't Hoofd, prêmio Nobel de Física em 1999, apóie a empresa holandesa e seja um de seus embaixadores.

"Sempre houve aventureiros para lançar viagens ao desconhecido. Pensemos nos vikings que foram para a América, em Cristóvão Colombo", argumentou, em declarações à AFP.

O engenheiro Lansdorp, que trabalhou com energia eólica, admite que falta concretizar vários aspectos do projeto.

Só a metade das missões das grandes agências espaciais lançadas desde 1960 para pousar em Marte teve sucesso. Mas a "Mars One" prevê criar no planeta uma colônia a partir de 2023. O presidente americano, Barack Obama, estabeleceu como meta enviar homens a Marte antes de 2030.

Bas Lansdorp e sua equipe, formada por um físico, um desenhista industrial e um especialista de comunicação empresarial, contam em manter o controle sobre a "coordenação geral" do projeto. A realização técnica ficará a cargo de empresas privadas especializadas.

Ilustração mostra um futuro pouso da Mars One no planeta vermelho

Possível na teoria

A seleção e o treinamento dos candidatos astronautas deveriam começar, em 2013, e o envio dos módulos habitacionais, das provisões e dos veículos robotizados estão previstos entre 2016 e 2022.

Em abril de 2023, os quatro primeiros homens e mulheres pousarão em Marte. Outros astronautas (21 no total em 2033) se somarão. A temperatura média no planeta é de 55 graus abaixo de zero e a atmosfera é composta em 95% de dióxido de carbono.

Os astronautas instalarão a colônia e realizarão pesquisas científicas. Seu oxigênio será produzido a partir da água presente sob a forma de gelo no subsolo.

"Penso que restam perguntas que não têm sido examinadas em profundidade", avalia Chris Welch, professor de engenharia espacial da Universidade Internacional para o Espaço (ISU), sediada em Estrasburgo (nordeste da França).

"De um ponto de vista técnico, diria que é metade/metade", acrescentou Welch, explicando que a produção de oxigênio a partir do gelo é "possível em teoria", embora extremamente incerta.

Fonte: France Press via G1 - Imagens: AFP

Leia mais:

● “É difícil decretar vida em Marte”, diz cientista brasileiro na missão da Nasa.
● Cientista descobre placas tectônicas em Marte parecidas com as da Terra.
● Obama comemora pouso em Marte e promete manter investimentos.
● 'Se contatarem marcianos me avisem imediatamente', diz Obama à Nasa.
● Câmeras do robô Curiosity captam imagens em 3D de Marte.

Governo espanhol divulga vídeo com ensaios de atentado terrorista

O ministério espanhol da Admnistração Interna divulgou um vídeo confiscado em casa de um dos três suspeitos da al-Qaeda, detidos no início do mês no sul de Espanha.

O vídeo mostra um objeto a ser lançado por um pequeno avião telecomandado.

Por outro lado, mostra o objeto a cair no solo e a explodir, ao mesmo tempo que se vê um homem a correr para o local da explosão.

O avião teria capacidade para um quilo de explosivos e seria usado num ataque a um centro comercial de Cádiz.

O Ministério do Inteiror suspeita que as imagens mostram os ensaios que estavam a ser feitos para um atentado terrorista.

Veja o vídeo:


Fonte: TSF Rádio Notícias

Fotógrafo cria imagem aérea sobrevoando aeroportos

Cássio Vasconcellos registrou de helicóptero aeroportos em SP e nos EUA.

Imagem feita a partir de centenas de fotos recortadas será exposta em SP.

Uma fotografia criada a partir de centenas de outras fotografias. É assim que se resume o trabalho mais recente de Cássio Vasconcellos. Em um ano de trabalho o fotógrafo sobrevoou de helicóptero 8 aeroportos, 5 no estado de São Paulo e 3 nos Estados Unidos, e registrou todos os tipos de aviões e a movimentação nesses lugares.

As fotografias foram recortadas e os elementos que compõe a imagem final foram recolocados um a um formando um desenho pré-estabelecido, como contou o fotógrafo ao G1. "A ideia do trabalho é mostrar as conexões que existem entre estes lugares em uma forma que se assemelha a neurônios, um desenho quase orgânico".

Obra 'Aeroporto'

Se vista de longe a imagem pode parecer uma fotografia abstrata, mas no formato como foi pensada a sua exposição e impressão (2 metros de largura por 5 metros de comprimento), permitirá que sejam vistos os detalhes captados pela lente do fotógrafo.

Imagem aproximada permite ver detalhes, como um avião sucateado no centro

Outro detalhe da obra 'Aeroporto'

Outra imagem realizada no mesmo formato foi feita a partir de quase 400 fotos que resultaram de dois sobrevoos no Ceasa em São Paulo. Caminhões, pessoas e frutas foram realocados em uma imagem maior que resulta em uma cena caótica.

'CEASA' e retratado em cena caótica montada

As imagens ficam em exposição em São Paulo a partir de 15 de agosto.

Serviço:

3ª Mostra 3M de Arte Digital
Período: 15 de agosto a 16 de setembro de 2012
Horário de visitação: de terça a domingo, das 11h às 20h
Entrada: gratuita
Endereço: Instituto Tomie Otake - Av. Brig. Faria Lima, 201 - Pinheiros, São Paulo

Fonte: Guilherme Tosetto (G1) - Foto: Cassio Vasconcelos

Asas de dois aviões se chocam em aeroporto nos EUA

Aeronaves tocaram suas asas enquanto taxiavam; não houve feridos

Dois aviões tocaram suas asas enquanto taxiavam no Aeroporto Internacional Dulles, em Washington, nos Estados Unidos, na tarde de sexta-feira (10), mas ninguém ficou ferido e nenhum dano foi provocado às aeronaves, disse uma porta-voz da Autoridade de Aeroportos Metropolitanos da capital.

Os dois aviões envolvidos eram um modelo Airbus A330 da Lufthansa que partia para Frankfurt, na Alemanha, e um da United Express que chegava de Pittsburgh, nos Estados Unidos.

Fonte: Reuters

Governo federal abandona programa de combate ao tráfico usando aviões-robôs

Equipamentos de projeto no qual já foram gastos R$ 73 milhões estão parados em hangar

NO CHÃO
Veículo Aéreo Não Tripulado estacionado em São Miguel do Iguaçu, no Paraná. 
Contrato interrompido e aeronaves paradas

O céu estava nublado no aeródromo de São Miguel do Iguaçu, uma pequena cidade paranaense na tríplice fronteira do Brasil com o Paraguai e a Argentina. Nada, no entanto, que impedisse o voo inaugural do primeiro Veículo Aéreo Não Tripulado (Vant) da Polícia Federal (PF) naquela manhã de 10 de novembro de 2011. O ministro da Justiça, José Eduardo Cardozo, a quem a PF está subordinada, foi até a pista ver de perto a aeronave capaz de filmar e fotografar a placa de um carro ou o rosto de um traficante de drogas a 9 quilômetros de altura. Em seguida, Cardozo se dirigiu ao auditório improvisado para falar sobre a maior arma anunciada contra o narcotráfico pelo governo da presidente Dilma Rousseff, uma promessa feita na campanha de 2010: a compra de 14 Vants israelenses, por R$ 655 milhões. Ao fundo do palco onde o ministro discursava, havia um pôster gigante com a foto do avião em voo e o título em letras garrafais: “Fase operacional”. Uma frase que não saiu do papel.

Na linguagem policial, operacional quer dizer ação prática. O Vant passaria a fazer missões rotineiras. De acordo com documentos obtidos por ÉPOCA, isso não aconteceu. Depois da festa de inauguração, o avião foi recolhido ao hangar do aeródromo onde fica a base de operação. Os equipamentos foram encaixotados e estão assim até hoje. Uma segunda aeronave já comprada continua em Israel, sem previsão para ser enviada ao Brasil. Não se fala mais em comprar outros 12 aparelhos como foi previsto no início e alardeado com pompa. Brigas internas na PF e o descaso do Palácio do Planalto ameaçam abater, ainda em solo, o projeto no qual o governo já gastou R$ 73 milhões. O valor inclui os dois aviões e o material necessário (antenas e computadores) para mantê-los no ar. 

Operado por um piloto em terra, que digita os comandos no computador das estações, o avião pode voar por 37 horas ininterruptas a uma distância de até 4.000 quilômetros, enviando imagens on-line para a base sobre as atividades de narcotráfico nas fronteiras brasileiras. Com a varredura, seria possível saber onde os criminosos se escondem, para onde enviam drogas e, principalmente, vigiar seus passos e prendê-los. O combate na fronteira boliviana tem um caráter especialmente crucial para os brasileiros. Pelo menos 54% da cocaína que chega ao Brasil vem do país andino. Boa parte se transforma no crack que assombra nossas metrópoles.

A previsão era instalar quatro bases. Além de São Miguel do Iguaçu, outras três funcionariam em Brasília, no Distrito Federal, Vilhema, em Rondônia, e Manaus, no Amazonas. Em junho, a Procuradoria da República no Paraná começou a receber informações de que não havia mais decolagens na primeira estação inaugurada por Cardozo. Os procuradores descobriram que o Vant estava parado. Como o projeto não decolou, a Procuradoria entrou na Justiça para o governo aumentar o número de policiais. O pedido foi rejeitado pela Justiça Federal.

O Brasil tem 11.600 quilômetros de fronteiras com Colômbia, Peru, Bolívia (países produtores de cocaína) e Paraguai (fornecedor de maconha). Para cobrir toda essa extensão, a PF conta nessas regiões com apenas 14 delegacias e 826 policiais. A relação é de um agente para cada 16 quilômetros e de um delegado por 100, segundo o cálculo do Tribunal de Contas da União (TCU) num relatório recente de avaliação da política de combate ao narcotráfico. O TCU recomendou ao governo contratar por meio de concursos mais 3 mil policiais. E destacou o projeto do Vant como o avanço mais significativo diante da falta de pessoal. 

Um relatório da PF, de março deste ano, mostra que essa vantagem é desperdiçada. Durante 2011, o projeto do Vant contou com um orçamento de R$ 70 milhões. Isso permitiria a compra de equipamentos e combustível, além de treinamento de pilotos. O documento da PF diz que, “por problemas técnicos”, apenas R$ 6,3 milhões foram efetivamente gastos.

Se não é por falta de dinheiro, por que o Vant não sai do chão? O presidente da Associação dos Delegados Federais, Marcos Leôncio, afirma que a PF está sem contrato de manutenção da aeronave, o que impede a decolagem. “Também existe uma dúvida do governo sobre se o Vant fica com a PF ou será entregue à Aeronáutica”, diz Leôncio. Essa alternativa poderia criar um conflito com Israel, porque o equipamento foi vendido exclusivamente para a atividade policial, e não militar. A PF chegou a divulgar, no dia do voo inaugural, que era a primeira polícia do mundo a usar o Vant para esse fim.

A origem do imbróglio está em divergências na cúpula da PF desencadeadas em 2011. Em janeiro daquele ano, a direção-geral da PF mudou de mãos, passando ao delegado Leandro Coimbra. Ele assumiu o posto no lugar de seu colega de profissão Luiz Fernando Corrêa, que defendia para Dilma o emprego dos aviões-robôs. Na gestão de Coimbra, contratos foram interrompidos. A mesma empresa que forneceu os aviões, a Israel Aerospace Industries, treinaria uma congênere brasileira para cuidar da manutenção do programa no futuro. O argumento usado pela área de logística para suspender esse contrato foi um processo aberto pelo TCU para apurar acusações de irregularidades nos pagamentos à empresa israelense. O Tribunal investiga a despesa de R$ 24,6 milhões para o treinamento de 13 pilotos (R$ 1,9 milhão por cabeça). O processo ainda não foi concluído. Ele não significa o fracasso do projeto. A PF diz que prepara um novo contrato de manutenção e que receberá o segundo Vant ainda neste ano. Somente então vai avaliar se compra as outras 12 aeronaves inicialmente previstas.

A tecnologia de ponta dos aviões é uma arma para combater um novo esquema montado pelo narcotráfico nas fronteiras. Em outubro do ano passado, ÉPOCA revelou que os novos barões da droga terceirizaram parte das etapas, como refino, transporte e comércio dos entorpecentes. Eles passaram a atuar também nos países vizinhos. Grandes carregamentos de cocaína e de pasta-base de coca, matéria-prima do crack, são lançados de aviões em fazendas no lado brasileiro.

Nas fronteiras com Colômbia, Peru e Bolívia, policiais federais se veem diante de uma luta de guerrilha. No fim de 2010, dois agentes federais morreram baleados no Rio Solimões, a 240 quilômetros de Manaus, quando interceptaram uma lancha que transportava cocaína. Uma das principais funções do Vant é passar informações aos homens em terra, adiantando a posição do inimigo durante uma situação de confronto. Para os policiais na linha de frente contra traficantes fortemente armados, os veículos não tripulados podem representar uma proteção a sua vida.


Fonte: Hudson Corrêa e Leonardo Souza (Época) - Foto: Christian Rizzi/Gazeta do Povo/Folhapress