terça-feira, 1 de novembro de 2011

Piloto sobrevive após avião cair no Pará

O piloto Gonçalo Ferreira Lima Neto, 40 anos, foi localizado com vida após passar mais de 20 horas desaparecido na região Oeste do Pará.

O avião que ele pilotava, uma aeronave de pequeno porte (Skyline), caiu após uma pane no motor. De acordo com o Serviço Regional de Investigação e prevenção de Acidentes Aeronáuticos (Seripa), o homem estaria fazendo o trajeto entre os municípios de Oriximiná e Santarém, quando a aeronave começou a apresentar problemas.

Gonçalo foi resgatado no final da tarde de ontem (31)
Segundo a Infraero, antes de desaparecer, o piloto Gonçalo ainda entrou em contato com a torre de Santarém e informou o problema, mas logo em seguida a comunicação foi interrompida.

Fontes informaram que ele e um mecânico saíram de Santarém para Oriximiná, na manhã de domingo (30), em uma segunda aeronave, com o objetivo de realizar o conserto da Skyline.

Após a conclusão do serviço, no final da tarde, o mecânico retornou na aeronave consertada em companhia de outro piloto, enquanto Gonçalo partiu a bordo da outra aeronave para Santarém, desaparecendo minutos após sair de Oriximiná.

O Seripa informou que o piloto foi encontrado há 140 milhas noroeste de Santarém com vida na copa de uma árvore por volta do meio dia de ontem. Uma equipe composta por vários técnicos e por outros pilotos e amigos de Gonçalo ajudaram nas buscas pelo avião e a vítima do acidente. Gonçalo passa bem.

Fonte: Diário do Pará

Nota do Autor

Segundo o portal notapajos.com, Gonçalves pilotava o avião Embraer EMB-710C Carioca, prefixo PT – NNW.

Avião decola e, em seguida, faz pouso forçado em pastagem em MT


O avião pulverizador Cessna A188B, prefixo PR-JLD, decolou do Aerodromo Municipal de Confresa e teve que fazer um pouso forçado a cerca de 2 Km do aeroporto. O avião seguia de Confresa para uma Fazenda no Fontoura. De acordo com testemunhas houve um estrondo muito alto. "Quando sai lá fora vi que um avião havia caído na pastagem” - relatou uma testemunha.

O pouso forçado aconteceu em uma pastagem que fica em frente ao parque de exposições da Expofresa. Não houve feridos, apenas danos materiais.

O avião pertencia a uma fazenda localizada na região do Fontoura, 90 Km de Confresa. Uma pane no motor da aeronave pode ter causado a queda. O prejuízo estimado é de cerca de R$ 150 mil, uma vez que o avião não tinha seguro.

Os dois homens que estavam no interior da aeronave aguardam a chegada dos responsáveis pelo avião para devidas providências.

Fontes: 24 Horas News / Agência da Notícia / Site Desastres Aéreos - Fotos: Uasley Werneck (Agência da Notícia)

Avião troca cidades e pousa por engano no Maranhão

Voo 9136 da Azul se enganou, por falha ainda desconhecida, e aterrissou em Timon em vez de Teresina. Cidades são separadas por rio.

Os aeroportos de Timon e Teresina estão separados por poucos quilômetros
O caso aconteceu no domingo (30), por volta das 14h (horário de Brasília). O Embraer ERJ-195 que realizava o voo AD-9136 da Azul Linhas Aéreas, entre Fortaleza e São Luís, se dirigia para o aeroporto Senador Petrônio Portella, em Teresina, onde faria uma escala. Mas, “por uma falha operacional”, segundo a Azul Linhas Aéreas, pousou no aeroporto privado Domingos Rego, em Timon. “Uma vez constatado o equívoco”, conforme a Azul, o piloto decolou novamente e pousou em Teresina, como estava anteriormente programado. A distância entre os dois aeroportos é de apenas seis quilômetros.


A falha operacional, conforme informações da companha aérea, custou um atraso de aproximadamente 20 minutos. Depois o voo seguiu sua rota normal, chegando a São Luís na tarde deste domingo e retornando para as cidades de Belo Horizonte e Campinas. “Os possíveis fatores contribuintes para este evento estão sendo apurados pela Azul”, informou a empresa área em nota oficial.

Fonte: Wilson Lima, iG - Imagem: Reprodução/Google Maps

segunda-feira, 31 de outubro de 2011

Tragédia com Fokker 100 da TAM faz 15 anos

Acidente que matou 99 pessoas em uma rua do Jabaquara fez surgir associação pioneira de vítimas e mudar valor de indenizações

Há exatos 15 anos, um Fokker 100 da companhia aérea TAM caía em uma rua do Jabaquara, na zona sul. Além de matar 99 pessoas e deixar um rastro de destruição, o acidente com o voo 402 abriu, da pior maneira possível, série de precedentes que mudaria totalmente os parâmetros judiciais para indenização de parentes. Também fez surgir a primeira associação de familiares de vítimas de acidentes aéreos do País.

"Quando houve o acidente com o Fokker 100, algumas famílias procuraram até advogados americanos. Ninguém sabia direito como tratar", conta a advogada Regina Prado Manssur, que conseguiu judicialmente que as indenizações pelo acidente entrassem na abrangência do Código de Defesa do Consumidor, criado seis anos antes do acidente. "Um fato triste que foi um ganho para a Justiça brasileira."

Foto: Maurilo Clareto/AE–13/11/1996
Na época, o valor do seguro obrigatório que a companhia aérea tinha de pagar para familiares de vítimas em casos como esse era de R$ 14 mil - nos Estados Unidos, o valor é de U$ 120 mil; na Europa, de 130 mil. Em 2009, a Associação Brasileira de Parentes e Amigos de Vítimas de Acidentes Aéreos (Abrapava) conseguiu na Justiça aumentar o seguro para R$ 41 mil.

Foi uma das primeiras conquistas da associação criada pela secretária executiva Sandra Assali, que naquela manhã de 31 de outubro de 1996 começou o dia deixando o marido no Aeroporto de Congonhas para uma viagem de trabalho. José Abu Assali foi uma das vítimas do Fokker 100 que decolou com destino ao Rio, mas, minutos depois da decolagem, caiu na Rua Luís Orsini de Castro.

Em meio ao sofrimento, Sandra resolveu engajar-se. Montou a Abrapava, primeira associação do gênero no Brasil, que acabou servindo de referência a outras que surgiriam após a sucessão de acidentes aéreos no País: Associação dos Familiares das Vítimas do Voo Gol 1907 (em 2006), Associação dos Familiares e Amigos das Vítimas do Voo TAM 3054 (em 2007), Associação dos Familiares das Vítimas do Voo 447 (2009).

Famílias que sofreram as dores do mesmo acidente que ela, o de 1996, se dispersaram. Mas Sandra acabou se aproximando de outras que apareceram. Foi para Manaus quando houve o acidente da Gol, esteve em Congonhas no segundo acidente da TAM e viajou para a França depois que famílias de lá ligaram pedindo ajuda na tragédia da Air France.

"É muito sazonal. Às vezes estou em contato com 300 famílias, às vezes com 50. A verdade é que depois que a coisa é resolvida muita gente não quer mais ouvir falar do assunto", conta. Sandra tem "fixas" na associação mais quatro famílias de vítimas de acidentes diferentes e mantém "correspondentes" em cidades como Curitiba, Porto Alegre, Brasília e Rio. "Quando tem acidente, por menor que seja, a gente se coloca à disposição para atender."

Moradora de Moema - com vista para o Aeroporto de Congonhas da varanda -, ela é mãe de dois filhos, de 19 e 22 anos. "Na época (do acidente com o marido), o mais velho, com 7 anos, sofreu muito. A mais nova só foi entender anos depois." Sandra chegou a abrir um brechó depois da tragédia, mas parou quando começou a viajar muito por causa da associação - deu palestra até em Washington.

Cenário da tragédia

A cerca de 2 km de Congonhas, a Luís Orsini de Castro - onde três moradores morreram - continua sendo rota dos 34 aviões que seguem a cada hora rumo a Congonhas entre 7h e 23h, todos os dias. E voam "baixo demais", nas palavras de Lourival Silva Santos, de 54 anos. Se bem que isso não preocupa o dono do bar na rua. "Dizem que um raio não cai duas vezes no mesmo lugar. Nem avião, né?", brinca.

Poucos vizinhos da época do acidente com o Fokker 100 ainda vivem por ali. Mas, no único mercadinho da rua, Regina Aparecida Paulino, de 58 anos, mostra uma foto do dia fatídico. É do pai dela, Madu Paulino, já falecido, na época dono de uma oficina que funcionava onde hoje é o mercadinho.

A foto mostra Madu olhando para carros carbonizados pelo fogo que tomou a rua. "Eu não morava aqui, mas vim ajudar as pessoas, levar para o hospital", conta Regina, enfermeira aposentada. Seu filho, Renato Paulino, à época com 18 anos, estava na rua na hora do acidente. "Só lembro de um rastro enorme de combustível que o avião foi soltando antes de cair. Ficou tudo preto", conta. As informações são do jornal O Estado de S. Paulo.

Fonte: Nataly Costa - O Estado de S.Paulo

MAIS
 
Clique aqui para saber tudo sobre a tragédia com o Fokker 100 da TAM em 1996.

Câmera em avião registra imagens exclusivas da Esquadrilha da Fumaça

Grupo se apresentou sábado (29), no Farol da Barra, em Salvador.

Imagens mostram percurso da base aérea ao local da apresentação.


Uma micro-câmera da TV Bahia, afiliada da Globo, foi colocada na parte de trás do avião líder da Esquadrilha da Fumaça, que se apresentou sábado (29), em Salvador. O equipamento registrou todo o percurso desde a base aérea, no aeroporto da capital baiana, até a praia da Barra. Assista ao vídeo ao lado e confira, de um ângulo privilegiado, ao show que fascinou os baianos.

A apresentação

A apresentação da Esquadrilha da Fumaça na tarde de sábado encantou e emocionou as milhares de pessoas que a assistiram no Farol da Barra. Foram sete aviões da Esquadrilha, que fizeram um belo espetáculo de acrobacias aéreas durante 45 minutos.

“É a primeira vez que estou vendo e é muito lindo. Parece até que é de brinquedo”, encanta-se Mara Argolo, estudante.

O público conferiu gratuitamente a cerca de 50 acrobacias feitas pelos pilotos a bordo das aeronaves da Força Aérea Brasileira.

“Para ver esse espetáculo no céu tem que ficar em pé, para poder aplaudir”, recomenda Dona Gildete Cerqueira, aposentada.

A Esquadrilha da Fumaça conta atualmente com 11 pilotos. A aeronave utilizada foi uma T–27 Tucano. Produzida no Brasil, a aeronave é um exemplo do potencial tecnológico no país. O grupo foi criado em 1952 e é responsável pela divulgação da FAB.

A Esquadrilha faz cerca de 100 demonstrações ao ano, segundo informações da Força Aérea Brasileira. A Esquadrilha da Fumaça está lotada na Academia da Força Aérea (AFA) em Pirassununga, São Paulo.

Fonte: G1 BA, com informações da TV BA

Avião gigante da China Southern Airlines tem falha mecânica 12 dias após primeiro voo

O A380 no dia de sua chegada a China, em 17 de outubro
A empresa China Southern Airlines foi obrigada a cancelar um voo com o gigante Airbus A380 apenas doze dias após o primeiro voo por problemas mecânicos.

A empresa alegou que necessitava de peças para fazer algumas substituições, porém sem especificar qual era a natureza do problema.

Para acomodar os passageiros que iriam viajar no gigante da Airbus, a empresa utilizou um modelo A330 na viagem de Pequim a Xangai, na China.

Este foi o primeiro de cinco jatos A380 a ser entregue pela Airbus à China Southern. O segundo chegará em dezembro, e os outros três serão entregues no próximo ano.

A China Southern Airlines é a primeira operadora do A380 na China e a sétima em todo o mundo a utilizar o avião.

O A380 possui 506 assentos. A grande envergadura desse avião faz com que o mesmo só possa aterrissar em pouco mais de cem aeroportos do mundo.

Fontes: UOL Economia / Xinhuanet - Foto: Li Fangyu

Avião que levava Luan Santana para show faz pouso de segurança em SP

Aeronave vinda de Londrina teve que descer em São José do Rio Preto.

Radar do avião quebrou durante voo.

Cantor postou mensagens em seu Twitter para tranquilizar os fãs
Uma aeronave Citation V de uma empresa táxi aéreo em que viajava o cantor Luan Santana teve que fazer um pouso de segurança na noite deste sábado (29) em São José do Rio Preto, no interior paulista. De acordo com informações do aeroporto da cidade, o avião vinha de Londrina (PR) com destino a Macaé (RJ) e, durante o voo, quebrou o radar. Por volta das 19h30, a aeronave pousou em São José do Rio Preto.


Segundo a assessora do cantor, Dagmar Alba, o susto foi grande. "O radar parou e por alguns instantes um dos motores também não funcionou. Ficamos muito assustados. Como estava chovendo, o comandante decidiu pousar em Rio Preto. Estávamos todos de cinto de segurança porque a turbulência era forte", informou. No aparelho, além do cantor e da assessora, estavam um segurança e um secretário de Luan.

Eles desembarcaram em Rio Preto. Pouco antes da meia noite, outra aeronave chegou de São Paulo. De volta ao avião, Luan Santana foi para Macaé cumprir a agenda do dia.


A aeronave com o radar quebrado permanece no aeroporto de Rio Preto. Pelo Twitter, Luan mandou um recado aos fãs. "O que a gente passou hoje serve para darmos mais valor ainda as pessoas que estão à nossa volta..Só Deus sabe o que sentimos".

Fontes: G1 SP, com informações da TV Tem

Avião cai em rua do Canadá

Um pequeno avião caiu em uma rua de Vancouver, no Canadá, e se incendiou em seguida.

Todas as nove pessoas que estavam a bordo do Beechcraft 100 King Air, prefixo C-GXRX, da Northern Thunderbird Air Inc., ficaram feridas e uma pessoa que passava pela rua também foi atingida por destroços.

Cinco delas foram levadas para o Hospital Geral de Vancouver em estado grave.

O avião, uma aeronave de pequeno, caiu pouco depois de decolar do aeroporto de Vancouver.


A aeronave, que pode levar até nove pessoas, teria tentado voltar para o aeroporto.

Fontes: BBC / ASN - Fotos: Reprodução

quinta-feira, 27 de outubro de 2011

Avião da TAM retorna ao aeroporto de Brasília após apresentar problemas técnicos

Empresa aérea nega que pouso tenha sido forçado ou de emergência.

Avião decolou por volta das 6h da manhã e seguiria para Congonhas (SP).

O voo 4723 da TAM Linhas Aéreas precisou retornar ao Aeroporto Internacional Juscelino Kubistchek, em Brasília, após apresentar problemas técnicos na manhã desta quinta-feira (27). A empresa negou que o pouso tenha sido forçado ou de emergência. A companhia aérea ainda informou que a aeronave pousou com segurança no aeroporto.

O Airbus A320-214, prefixo PR-MHS, decolou por volta das 6h da manhã e seguiria para Congonhas, em São Paulo. De acordo com funcionários da empresa, o piloto teria percebido o problema cerca de 30 minutos depois da decolagem. A empresa comunicou que todos os passageiros serão reacomodados nos próximos voos da companhia.

A Empresa Brasileira de Infra-Estrutura Aeroportuária (Infraero) informou que houve um pouso de emergência, mas disse que apenas a empresa poderia se pronunciar sobre o caso.

Confira a íntegra da nota da TAM Linhas Aéreas:

“A TAM esclarece que a aeronave que realizava o voo 4723 na manhã desta quinta-feira (27), com destino a São Paulo/Congonhas, retornou ao seu aeroporto de origem (Brasília), em decorrência de problemas técnicos da aeronave. O pouso ocorreu em segurança e todos os passageiros serão reacomodados no próximo voo da companhia. A TAM lamenta os transtornos causados aos clientes”.

Fontes: G1 / Aviation Herald

EUA estariam testando carro de guerra voador

Ele parece ter vindo dos quadrinhos ou de um filme de ficção científica, mas de acordo com funcionários da Agência de Projetos e Pesquisa Avançada (DARPA) dos EUA, este modelo de veículo futurista está em produção e será lançado em 2012.


O novo veículo militar norte-americano seria capaz de andar pelos mais diversos tipos de terreno, aguentar rajadas de tiro e até mesmo levantar voo com apenas o pressionar de um botão. Uma tecnologia completamente nova e poderosa para uso militar.

O exército acredita que o veículo seja capaz de carregar quatro passageiros, mais equipamentos, além de poder andar 250 milhas com um tanque e levantar vôo e pousar verticalmente. Tudo isso sem a necessidade de treinamento intensivo do piloto.

No momento, as empresas de aviação Lockheed Martin e a AAI Corporation apresentaram designs diferentes e flexíveis para o projeto. E, de acordo com Sharn Corna, da AAI Corporation, eles avançaram no projeto e trabalham em protótipos.

A previsão para o lançamento do primeiro modelo é 2012. E, se a DARPA continuar com o protótipo e suas pesquisas, possivelmente este modelo esteja voando nos céus até 2015.

Fonte: DailyMail via Flavio Croffi (TechTudo)

Japoneses criam primeira esfera voadora

Técnicos japoneses desenvolveram aquilo que pode ser a primeira máquina esférica voadora – e eles fazem questão de garantir isso. Foi um projeto que nasceu no Ministério da Defesa do Japão. Trata-se de uma bola que se sustenta no ar por meios próprios e pode ser um equipamento importante para buscas, reconhecimento aéreo e pesquisas. Desenvolvida principalmente para ser utilizada em ações de segurança em áreas urbanas em risco, o globo voador pode viajar a 60 km/h.

Esfera voadora japonesa
A esfera plana como um helicóptero, mas acelera e se comporta no ar como um avião. Por conta de três giroscópios instalados em seu interior, ela consegue se manter parada no ar, se mover e parar sem risco de perda do equilíbrio. Guiada por controle remoto, a esfera é monitorada da terra e pode ir a todo tipo de lugar por conta de suas dimensões reduzidas. E foi desenhada para suportar impactos com paredes, prevendo pilotos desastrados e momentos de grande tensão.

O custo do globo voador também é pequeno. Com US$ 1.400 a equipe garante ser capaz de montar uma dessas. É um custo significativamente inferior do que a maioria dos aparelhos concorrentes, chamados de UAV – sigla em inglês para aeronave não tripulada.

Uma evolução desejável destas esferas seria a capacidade, no futuro, de que elas mesmas dirijam seu voo a partir da visão de suas câmeras, dispensando a necessidade de operadores em terra e da possível interferência no comando remoto via rádio. O comando e o comportamento da esfera são tão sensíveis que qualquer um que esteja controlando seu voo precisa ser capaz de vê-la no ar.

Veja a esfera em ação:


Fontes: Gizmodo / Filipe Garrett (TechTudo)

Airship Archangel, um dirigível futurista

Parece um dirigível militar ou de uma mega-ação de marketing da Nasa, mas, na verdade, o Airship Archangel é um meio de transporte conceitual elaborado com um grande potencial de servir à sociedade. Para os seus criadores, os designers Thomas Grimm, Reindy Allendra e Dr. Gregory Smedley, o dirigível proveria serviços e transportes médicos de pessoas, suprimentos e equipamentos.

Uma integração híbrida de propulsão, armazenamento e geração de energia eólica fariam do Airship Archange um supereficiente e relativamente rápido meio de prestação de cuidados de emergência em áreas inacessíveis.


Fonte: Marcela Vaz (TechTudo) - Imagens: Divulgação

União entre um avião movido a energia solar e balão de hélio pode se tornar o futuro da aviação

O híbrido de avião e balão vai levar provimentos para a África em 2012
A empresa canadense Solar Ship desenvolveu uma espécie de união entre um avião e um balão de gás hélio. O mais fantástico é que ele é capaz de percorrer até mil quilômetros de distância enquanto carrega até uma tonelada de carga, movido apenas à energia solar.

É como uma versão do famoso Zepelin, só que em tamanho reduzido e movido exclusivamente à energia solar, captada pela parte superior do balão. Toda a forma delta da aeronave é preenchida com hélio, mas não o suficiente para poder levantar voo automaticamente.

O empurrão necessário para a decolagem é feita por hélices nas laterais. Outra vantagem, além da própria alimentação com energia solar, é não é necessário quase nenhuma pista para decolar ou pousar. Pode parecer apenas um detalhe, mas imagine as possibilidades deste veículo em locais que sofreram algum tipo de desastre natural, como os terremotos e tsunamis no Japão ou o terremoto que arrasou o Haiti em 2010.

Mas a notícia mais positiva é que este veículo híbrido não está preso aos projetos de designers, ele realmente existe. Ainda não é produzido em grande escala e seu primeiro teste oficial e aberto ao público deve ocorrer em 2012, quando a empresa levará suprimentos médicos para a África. Outra demonstração deve ocorrer em 2013, só que desta vez com uma carga ainda maior em um modelo que consegue levantar voo com 30 toneladas de peso apenas da carga.



Fontes: André Fogaça (TechTudo) / Dvice 

OHL Brasil e Aena participarão de leilão de aeroportos

A OHL Brasil e a Aena Internacional firmaram uma parceria para entrada conjunta no processo de licitação dos aeroportos de Guarulhos, Viracopos (SP) e Brasília (DF), previstos para dezembro, informou a subsidiária brasileira da espanhola OHL Concesiones nesta quinta-feira.

Segundo comunicado, a empresa espanhola, por meio de sua controlada, e a Aena Internacional constituirão um consórcio para participar do processo de licitação com o objetivo de ampliar, modernizar e operar os aeroportos concedidos.

A concessão de três dos maiores aeroportos brasileiros é a aposta do governo para viabilizar investimentos e aumentar a capacidade dos terminais, tendo em vista também o aumento da demanda prevista para eventos como a Copa do Mundo de 2014 e a as Olimpíadas de 2016.

A Aena Internacional faz parte do Grupo Aena, que atualmente administra 47 aeroportos e dois heliportos na Espanha e participa, direta e indiretamente, da administração de outros 27 aeroportos em todo o mundo.

A OHL Brasil é uma das maiores companhias do setor de concessões de rodovias do Brasil em quilômetros administrados, com 3.226 quilômetros em operação através de suas nove concessionárias.

Com a confirmação do interesse da OHL Brasil em participar do leilão de concessão dos aeroportos, a companhia se junta a outras concessionárias do segmento de infraestrutura que devem participar do certame.

No início de outubro, a Ecorodovias e a Fraport anunciaram uma parceria para participar do leilão. A Fraport administra o aeroporto de Frankfurt - um dos 10 maiores do mundo em tráfego de passageiros e cargas - e outros 13 aeroportos na Europa, Ásia e Américas.

O Grupo Libra, que recentemente adquiriu o controle do Aeroporto Internacional de Cabo Frio (RJ), também disse no início de outubro que estuda a possibilidade de participar do evento.

A CCR também analisa a entrada em infraestrutura aeroportuária, e não descartou a possibilidade de participar do leilão.

Fonte: Patrícia Büll (Reuters) via UOL Notícias

PF apreende 3 aviões em operação contra tráfico internacional de drogas

Quadrilha usava os aviões para transportar a droga da Bolívia para MT.

A operação acontece também em Mato Grosso do Sul e São Paulo.


A Polícia Federal em Mato Grosso apreendeu três aviões que supostamente eram utilizados por traficantes para entrar em Mato Grosso com droga vinda da Bolívia. As apreensões fazem parte da operação ‘Ouro Branco’, deflagrada na madrugada desta quinta-feira (27) nos estados de Mato Grosso, Mato Grosso do Sul e São Paulo.

De acordo com a PF, as investigações duraram cerca de um ano e a operação tem como objetivo desmantelar uma quadrilha que trazia droga da Bolívia. Ao todo devem ser cumpridos oito mandados de prisão e outros oito de busca em apreensão.

Ainda segundo a Polícia Federal, a organização criminosa utilizava como base de recebimento, transporte e distribuição da droga uma fazenda situada na região pantaneira do distrito de Ouro Branco do Sul, no município de Itiquira, a 359 quilômetros de Cuiabá.

Durante as investigações foram apreendidos cerca de 1.200 quilos de pasta base de cocaína e realizadas três prisões em flagrante. Segundo a polícia, o chefe e os principais integrantes da quadrilha foram identificados e devem responder pelos crimes de tráfico internacional de drogas e associação para o tráfico, com penas que podem chegar a 25 anos de prisão.

Fonte: G1

quarta-feira, 26 de outubro de 2011

PF abre inquérito para investigar transação de avião de Ricardo Teixeira

A Polícia Federal abriu um inquérito ontem para apurar as negociações de um avião que envolveram a TAM, o presidente da CBF, Ricardo Teixeira, e dois de seus amigos.

Foto: AirSpeed (JetPhotos)
A investigação começou a pedido do Ministério Público Federal (MPF) de São Paulo, que pediu a verificação da existência de lavagem de dinheiro nas compras e vendas da aeronave Cessna 560XL Citation Excel, prefixo PT-XIB.

A Folha revelou que a TAM, em 2009, propôs vender um avião novo a Ricardo Teixeira e receber como parte do pagamento o Cessna. A questão é que o PT-XIB já era da própria TAM. Na época, a CBF negociava um contrato de patrocínio com a empresa.

Detalhe: o avião havia entrado no país por US$ 1, o que gerou a suspeita do MPF de lavagem de dinheiro.

A transação com Teixeira não se concretizou. Mas o avião foi comprado e revendido uma série de vezes por empresas de amigos do cartola, Sandro Rosell e Cláudio Honigman, por preços variados, um deles bem acima do valor de mercado.

Ao final, foi passado para um dirigente da própria TAM.

O MPF pediu o inquérito em setembro. É a segunda investigação da PF sobre Teixeira - supostos recebimentos de dinheiro da ISL são analisados pela polícia do Rio.

O presidente da CBF, Ricardo Teixeira, no Rio, em julho de 2011
Foto: Antonio Lacerda-29.jul.2011/Efe
Leia também:

- CBF recebe jatinho para comprar outro


- Avião oferecido a Ricardo Teixeira 'vale' US$ 1

Fonte: Folha.com

Como serão os aviões do futuro?

Até ao final do século XXI, os céus estarão repletos de aviões comerciais não tripulados. Esta é apenas uma das previsões de uma associação de engenheiros britânicos. Mas há mais.

Supersonic Green Machine, o concorde do século XXI.
Um projeto da Lockheed Martin e da NASA

Imagem: NASA/Lockheed Martin Corporation
Os aviões comerciais do futuro serão alimentados a energia solar, atingirão velocidades cinco vezes superiores às do som (1701 metros por segundo), e viajarão em formação, tal como as aves migratórias, para poupar combustível.

Estas e outras previsões constam de um relatório da Associação Britânica de Engenheiros Mecânicos (IME, na sigla inglesa) intitulado, "Aero 2075: Flying into a bright future ", publicado ontem.

Até ao final do século XXI, vaticina a IME, os céus estarão repletos de aviões não tripulados (drone), pelo que os pilotos de linha aérea deverão ter os dias contados.

A tecnologia de ponta que então equipará este tipo de aeronaves permitirá viajar em formação, tal como os gansos. Será assim possível poupar combustível, reduzindo os custos de operação e, desta forma, o preço das passagens.

Resta saber se os passageiros estarão dispostos a trocar a sensação de segurança de um voo tripulado por um bilhete mais barato num avião controlado a partir do solo.

Outras previsões

Até ao final deste século deverá aparecer o "avião carregueiro". Trata-se de uma aeronave de grandes dimensões que transporta pequenas cápsulas as quais poderão ser libertadas e aterrissarem em locais previamente combinados com os passageiros.

A IME prevê ainda uma fusão entre a asa e o motor, antevendo o surgimento de uma "asa voadora".

No futuro, os aviões também serão reabastecidos durante o voo, deixando de ser necessário decolar com os tanques cheios de combustível.


Fonte: aeiou.expresso.pt

EUA certificam avião brasileiro de defesa Super Tucano

A Administração Federal de Aviação dos Estados Unidos (FAA, na sigla em inglês) certificou o avião de defesa Super Tucano, segundo informou nesta quarta-feira a Embraer.

O certificado, segundo a companhia brasileira, aprovou a capacidade da aeronave "para realizar missões de treinamento avançadas e contra insurgência para as Forças Armadas americanas".

Com a homologação, a Embraer recebeu a autorização para realizar provas de demonstração do avião nas bases militares dos EUA, "o que criará novas oportunidades de negócios no maior mercado de defesa do mundo".

"O Super Tucano é o avião tecnologicamente mais avançado de sua categoria, com experiência comprovada em todos os países nos quais opera, e vimos uma crescente demonstração do interesse por parte das Forças Armadas (americanas)", afirmou Luiz Carlos Aguiar, presidente da Embraer Defesa e Segurança.

As demonstrações nos EUA estarão a cargo da operadora Tactical Air Defense Services, que presta serviços de treino militar ao Exército desse país.

Desde seu lançamento no mercado há sete anos, os 150 aviões Super Tucano, que operam no Brasil, Colômbia, Chile, Equador e República Dominicana, acumulam 130 mil horas de voo, 18 mil delas de combate, sem nenhuma perda de aeronaves.

Fonte: EFE via Terra - Foto: Divulgação/Embraer

Infraero investiga se avião colidiu com urubu antes de pouso na PB

Incidente aconteceu na tarde da terça-feira (25) próximo a lixão.

Piloto viu mancha de sangue e moradora disse que ave caiu em seu quintal.


A superintendência do Aeroporto João Suassuna, em Campina Grande, investiga a colisão ocorrida entre um avião da Gol e uma ave na tarde da terça-feira (25), no percurso entre Recife e Campina Grande. Segundo o superintendente José Nilson da Silva, mecânicos e o piloto do voo 1818 constataram que havia uma mancha de sangue no bico da aeronave. Já segundo a comerciante Arlene Farias, moradora do bairro do Mutirão, um urubu caiu morto no quintal de sua casa no mesmo horário em que o avião se preparava para pousar na cidade.

O voo saiu do Rio de Janeiro, com escala em Recife e destino final em Campina Grande marcado para as 13h40. A comerciante informou que ouviu o barulho do choque entre o avião e o urubu e, em seguida, se deparou com o animal já morto por volta das 13h30. Segundo Nilson José, a fuselagem do avião não sofreu nenhuma avaria e o piloto relatou que não percebeu nenhum tipo de choque, mas se o animal batesse na turbina poderia ter causado um acidente.

"Até pedimos a ajuda da população para identificar em qual momento do percurso aconteceu o incidente. Temos todo interesse em investigar o caso. Não temos dúvida alguma de que houve colisão, mas, como o piloto não viu, a gente precisa saber onde, que tipo de ave e como foi até por questão de segurança aeroportuária", comentou o superintendente.

Na região onde dona Arlene mora existe um lixão. Segundo ela, a maior preocupação é de que os urubus que circulam pela região provoquem um acidente devido à proximidade com o aeroporto. Ela disse que enterrou o urubu. Segundo Nilson José, a Empresa Brasileira de Infraestrutura Aeroportuária (Infraero) já pediu providências à Justiça com relação ao lixão.

"Há um processo judicial junto ao Ministério Público Federal. Defendemos a criação de um aterro sanitário em Campina Grande. O lixão não é problema do aeroporto, mas da cidade que está contrariando toda a legislação ambiental e ponto em risco a segurança dos nossos voos", completou.

Com relação à reinvidicação, o secretário de Serviços Urbanos e Meio Ambiente de Campina Grande, Fábio Almeida, informou ao G1 que o aterro sanitário já está em funcionamento no município de Puxinanã, na região metropolitana. A previsão é de que a Prefeitura de Campina passe a destinar os resíduos para o local em 15 dias. Segundo Fábio, falta apenas concluir a obra de acesso ao aterro.

Fonte: Karoline Zilah (G1/PB) - Foto: Divulgação/Infraero

Tico, um robô criado especialmente para dar informações em lojas e aeroportos

Imagina não precisar mais pedir informação aos atendentes de supermercado ou aos funcionários de aeroportos? Você não vai deixar de ter dúvidas, mas, com o Tico, não precisará da ajuda humana para descobrir a direção certa. Desenvolvido por duas empresas espanholas, TreeLogic e Adele Robots, Tico é um robô guia criado para dar informações em supermercados, grandes eventos, museus, aeroportos, entre outros.

Com a aparência semelhante ao simpático Wall-E, do filme homônimo produzido pela Disney em parceria com a Pixar, Tico também pode auxiliar professores nas salas de aula, já que ele lê, resolve problemas matemáticos e ajuda a aumentar o interesse das crianças. Além disso, as empresas responsáveis por sua criação acreditam que o robô pode ser um bom acompanhante para idosos.

Tico possui uma tela touch screen, câmeras, um sensor para detectar a presença de pessoas e funciona com um processador Intel Core Due 1.6 GHz. Ele ainda se comunica através da fala com quem precisar de sua ajuda. Em supermercados, por exemplo, se alguém precisa saber onde fica a setor de frios, o robô leva a pessoa até o local.

As empresas responsáveis revelaram que Tico deve custar entre US$85.000 e US$141.000. Quem preferir alugar o robô, terá que desembolsar US$3.500 por dia. No vídeo abaixo, você poderá ver Tico atuando como ajudante em um supermercado.


Fonte: Ubergizmo via Luiza Batista (TechTudo)

Conceito prevê aeroportos nucleares que nunca precisarão pousar

Aeroporto Nuclear
É o tipo de ideia realmente difícil de justificar, mas um conceito prevê um futuro com aeroportos voadores e a criação de um conceito de “metrô” aéreo, que na verdade não são simples aeroportos. Eles são aviões tão bizarramente grandes que outros aviões podem pousar neles. E para construir essas monstruosidades e fazê-las ter energia para se sustentar no ar, você precisa apenas de um reator nuclear.

Você decide, por exemplo, ir para a Rússia curtir as férias. Para isso dirige-se a um aeroporto regional, embarca num avião que o leva até o avião/aeroporto nuclear. Lá você desembarca e voa com este avião/aeroporto até Moscou. Sobre Moscou aguarda a chegada de outro avião menor para embarcar e descer na capital russa. Em caso de uma viagem ainda mais longa, você poderia trocar de avião/aeroporto no meio do caminho, em vez de desembarcar em terra.

A vantagem de uma máquina dessas é que ela seria capaz de carregar até 3000 passageiros de uma vez, o que repesenta um tremendo aumento na eficiência do transporte. Além disso, também seria mais rápido e econômico, significando uma economia de 40% em uma viagem de 965 km e de até 80% em uma de 10.000 km.

Talvez a única questão duvidosa é que o avião/aeroporto seria tão assombrosamente enorme, que pousar e decolar chutaria os custos de operação lá para cima e tornaria a ideia proibitiva no aspecto financeiro. Foi aí que alguém deve ter levantado a mão e dito: “já sei! Vamos usar energia nuclear! Nunca precisaríamos pousar!”.

Imagem: Bhupendra Khandelwal, Cranfield University
Esse novo conceito prevê linhas entre Los Angeles, Chicago, Nova Iorque, Londres e Europa. E a única coisa que ninguém comentou ainda seria a eventualidade de algum piloto desastrado errar o alvo ao pousar em uma máquina nuclear a alguns quilômetros de altitude.

Fonte: Dvice via techtudo.com.br

Empresa aérea causa polêmica ao suspender transporte de animais de focinho curto


Há um mês a companhia aérea Gol não transporta mais cães e gatos de focinho curto. A decisão foi tomada depois que um cão morreu no compartimento de cargas de um avião da companhia.

Fonte: Bom Dia MT (TV Globo)

Agência dos EUA tem plano para reciclar lixo espacial

Há pelo menos US$ 300 bilhões em peças na órbita da Terra.

Tecnologia atual ainda não é suficiente para atingir objetivo.

Ilustração de como seria uma nave capaz de reciclar satélites
Um projeto do governo norte-americano tem como plano reciclar o lixo espacial. Além de reduzir o risco de que as peças caiam sobre a Terra, a ideia pode economizar muito dinheiro. Depois que um satélite deixa de funcionar, há muitos componentes que continuam em perfeito estado, e a estimativa é de que haja mais de US$ 300 bilhões na órbita do planeta.

O desenvolvimento de tecnologias que permitam essa reciclagem é o objetivo do programa Phoenix, da Agência de Projetos de Pesquisa Avançados de Defesa (Darpa, na sigla em inglês). “Se esse programa der certo, lixo espacial vai virar recurso espacial”, afirma Regina Dugan, diretora do órgão.

Com a tecnologia disponível hoje, ainda é muito difícil interceptar um satélite para recuperar suas pessas. “Os satélites em órbita não foram feitos para serem desmontados ou consertados, então não é uma questão de apenas tirar um ou outro parafuso”, lamenta David Barnhart, gerente do programa.

“Isso exige nova tecnologia de robótica e de imagens remotas, assim como ferramentas especiais para prender, cortar e modificar sistemas complexos, uma vez que as juntas são moldadas ou soldadas”, aponta Barnhart, que lembra ainda: “tudo com gravidade zero”.

Fonte: G1 - Imagem: Darpa

Satélite aposentado caiu sobre o Golfo de Bengala, afirma agência alemã

Rosat reentrou na atmosfera no sábado à noite, horário de Brasília.

Não se sabe se alguma peça chegou à superfície da Terra.

O Centro Aeroespacial Alemão (DLR, na sigla em alemão) confirmou nesta terça-feira (25) o ponto e o local em que um satélite desativado caiu na Terra no último fim de semana. Às 23h50 de sábado, horário de Brasília, o Rosat reentrou na atmosfera sobre a Baía de Bengala, no sudeste asiático.

Não se sabe se alguma peça chegou à superfície do planeta. O DLR disse que só conseguiu chegar à informação por causa da ajuda de parceiros internacionais, como os EUA, que forneceram dados importantes.

Ilustração do satélite Rosat, lançado pelo Centro Aeroespacial Alemão em 1990
O Rosat foi lançado em 1990 e pôs em órbita o primeiro telescópio espacial a usar raios X para captar imagens. O aparelho foi usado para estudar buracos negros e estrelas de nêutrons até 1999, quando foi aposentado. Na época, ele voava a entre 565 km e 585 km da Terra. Desde então, ele vem perdendo altitude; em junho de 2011, a distância para a superfície era de 327 km.

O satélite era do tamanho de uma minivan e pesava 2,4 toneladas. Ele se queimou durante a reentrada na atmosfera, mas o DLR acreditava que 30 fragmentos, que juntos têm 1,7 tonelada, poderiam atingir o solo.

Em setembro, um satélite da Nasa provocou medo depois que a agência norte-americana anunciou que ele cairia na Terra. Porém, a reentrada aconteceu sobre o Oceano Pacífico e não causou nenhum estrago aparente.

Fonte: G1 - Imagem: AP Photo/EADS Astrium

Passagem do jato 'mais avançado do mundo' foi vendida por US$ 34 mil

Companhia leiloou seis passagens de classe executiva no voo inaugural.

Primeiro voo comercial ocorreu nesta quarta-feira (26), no Japão.

Avião saiu de Tóquio, rumo a Hong Kong, nesta quarta-feira (26)
O novo avião 787 Dreamliner da americana Boeing fez o primeiro voo comercial nesta quarta-feira (26), entre Tóquio e Hong Kong, com as cores da companhia japonesa All Nipon Airways.

A companhia, a primeira a usar o Dreamliner, leiloou seis passagens de classe executiva no voo inaugural. Uma delas foi vendida por US$ 34 mil, dez vezes mais que o preço normal. A All Nipon Airways diz que vai doar o dinheiro para organizações de preservação do meio ambiente.

O 787, que deveria ter ficado pronto em 2008, a tempo de transportar os turistas japoneses para os Jogos Olímpicos de Pequim, superou uma nova etapa no calendário, muito afetado por graves problemas de produção.

A nova aeronave, que segundo a Boeing consome 20% a menos de combustível que os modelos anteriores de tamanho similar graças ao grande uso de materiais compostos, decolou de Tóquio com 240 passageiros. Um deles pagou US$ 34.000 por uma passagem em um leilão na internet. O dinheiro será doado a organizações de caridade.

A produção do 787 foi marcada por vários problemas técnicos, que custaram bilhões de dólares a Boeing e provocaram muitos cancelamentos.

Passageiros comemoram primeiro voo comercial do Dreamliner
A aeronave de longo alcance custa US$ 200 milhões e tem um elegante design. A Boeing vendeu mais de 800 Dreamliners, que competirão com o futuro Airbus A350, que ficará pronto provavelmente em meados desta década.

A Boeing espera elevar a produção do 787 para 10 unidades por mês até o final de 2013, enquanto acelera a produção do 737, que passou por uma atualização, e se prepara para montagem do cargueiro 767 para a força aérea dos Estados Unidos.


Fonte: G1, com informações de agências - Fotos: Reuters

Mergulhadores encontram destroços de avião 34 anos depois de acidente


Mergulhadores portugueses encontraram os restos de um avião suíço que caiu na costa de Porto Novo, na Ilha da Madeira, em dezembro de 1977.

O voo VS730 da companhia suíça Sata vinha de Genebra quando caiu no mar depois de uma segunda tentativa de pouso no Aeroporto de Santa Cruz.

Os mergulhadores encontraram os destroços a 33 metros de profundidade e fizeram as primeiras imagens em 34 anos.

A maior parte do avião está intacta. As fileiras de assentos ainda podem ser vistas e há coletes salva-vidas e máscaras de oxigênio no local, além de roupas dos passageiros.

Apenas 21 pessoas sobreviveram ao acidente, outras 36 morreram.


Fonte: BBC

Voo da Gol retorna da Argentina para o RS e passageiros reclamam

Segundo passageiros, não houve liberação para pouso em Buenos Aires.

G1 entrou em contato com assessoria da companhia e aguarda posição.

Problemas em um voo da Gol causaram tumulto no Aeroporto Salgado Filho, em Porto Alegre, na madrugada desta quarta-feira (26). Um voo que da companhia que sairia da capital gaúcha com destino a Buenos Aires por volta das 20h30 de terça-feira (25) acabou decolando apenas após as 22h.

Segundo relatos de passageiros, quando estava chegando à capital argentina, o comandante do voo informou que teriam que retornar para Porto Alegre porque não houve liberação para o pouso. O motivo seria obras na pista do aeroporto.

Já em Porto Alegre, os passageiros reclamaram que não teriam recebido assistência da companhia e passado a noite no aeroporto. A empresa teria informado falta de disponibilidade na rede hoteleira conveniada. A previsão seria que os passageiros fossem reacomodados em um novo voo nesta manhã.

Atendentes do balcão da Gol no Salgado Filho informaram que não tinham autorização para dar informações à imprensa.

A assessoria de imprensa da Infraero no aeroporto não tinha informações sobre o voo. O G1 procurou a assessoria de imprensa da Gol para comentar o fato. Por celular, um assessor informou que não tinha informações sobre o ocorrido e iria retornar. A reportagem aguarda posicionamento da empresa.

Fonte: G1, com informações da Globo News

terça-feira, 25 de outubro de 2011

Avião da Lufthansa faz pouso de emergência


O Airbus A320-214, prefixo D-AIZG, da companhia aérea Lufthansa (foto acima), que fazia o voo LH-1481, entre Ekaterinburgo-Frankfurt, fez um pouso de emergência no aeroporto de Perm (região de montanhas Urais).

Após o incidente, os 116 passageiros e 6 tripulantes foram examinados por médicos. Ninguém ficou ferido.

A razão para fazer o pouso de emergência havia sido a fumaça na cabine, mas traços de incêndio não foram encontrados no local, nem nos motores.

Fontes: Voz da Rússia / Aviation Herald - Foto (21.11.09 em Düsseldorf): Dennis Löffler (JetPhotos)

Piloto do jato Legacy que matou 154 em MT foi reprovovado duas vezes em teste

O piloto norte-americano Joseph Lepore, que comandava o jato Legacy que colidiu com o Boeing da Gol em 2006, quando sobrevoava o município de Peixoto de Azevedo (a 696 km de Cuiabá), reprovou por duas vezes consecutivas em um teste para pilotar outro tipo de avião e acabou não obtendo a licença para comandar aquele tipo de aeronave .

Joseph Lepore e Jan Paul Paladino cometeram vários erros a bordo do jato Legacy, o que levou à colisão com o avião da Gol e resultou na morte de 154 pessoas. No processo criminal contra eles, instaurado pelo Ministério Público Federal, no entanto, a defesa alega que ambos tinham vasta experiência e eram ótimos profissionais.

O perito em aviação, Roberto Peterka, contesta essa afirmação. “A defesa alega que Lepore tinha vasto conhecimento anterior em aeronaves semelhantes ao Legacy, o que não é verdade. Ele foi co-piloto de uma aeronave pouco semelhante ao Legacy e, quando fez o teste para ser comandante, em 1998, reprovou duas vezes”, explica.

Além de ter reprovado nos testes, Lepore não completou o número total de horas na posição de comandante do Legacy, exigidas pelo FAR61 (órgão que estabelece as horas de treinamento exigidas para receber a licença para pilotar um determinado tipo de avião)”, declara.

Os laudos ainda comprovam que o piloto acabou ficando sem a licença para ser comandante naquele tipo de aeronave, a BAe Jetstream 41. Peterka afirma que esse modelo de avião é bem diferente do jato que pilotavam no momento do acidente. “Os aviões não são semelhantes em quase nada.

O processo criminal contra os pilotos norte-americanos está correndo na segunda instância no Tribunal Regional Federal (TRF), em Brasília. Rosane Gutjahr, diretora da Associação de Familiares e Amigos das Vítimas do Voo 1907, diz que espera uma punição efetiva no TRF.

Na primeira instância do processo criminal, Joseph Lepore e Jan Paul Paladino receberam uma pena que foi revertida em serviços comunitários. "Espero que agora, na segunda instância, a sentença seja de pena máxima e condizente com as 154 mortes que eles provocaram, dentre elas de meu marido, Rolf Gutjahr", declara Rosane.

Fonte: Talk Comunicação via olhardireto.com.br

Avião com comandante do exército aterrissa de emergência

O avião que transportava o comandante em chefe do exército chileno, general Juan Miguel Fuente-Alba, realizou uma aterragem de emergência no domingo (23), no aeroporto de Arica, Estado chileno que faz fronteira com Peru e Bolívia, segundo confirmaram fontes oficiais nesta segunda-feira.

De acordo com o Exército, o avião sofreu uma avaria e, por volta das 17h30 do domingo, o "voo da Brigada de Aviação do Exército, que se dirigia em comissão de serviço para Lima (capital do Peru), teve que voltar para Arica, cerca de 40 minutos depois de ter decolado, devido ao mau funcionamento de um dos sistemas hidráulicos".

Fuente-Alba dirigia-se ao Peru para participar da Conferência dos Exércitos Americanos (CEA).

O deputado e presidente da Comissão de Defesa da Câmara, Patricio Hales, disse que "tem a convicção de que é necessário realizar uma investigação do estado de segurança nas Forças Armadas".

Hales, do opositor Partido pela Democracia, afirmou que a Câmara aprovou por unanimidade a investigação para conhecer "a situação de risco de acidente e as melhorias do estado de segurança das Forças Armadas".

"Não tem que ter acidentes de personalidades de alta notoriedade pública para que se investigue. Quando é assim, a notícia é amplamente divulgada. No entanto, temos muitos acidentes onde um soldado desconhecido fica ferido ou, às vezes, morto e que depois não se fala", acrescentou o deputado.

Para ele, o episódio "felizmente" acabou sem danos maiores do que uma aterragem de emergência "e o comandante em chefe está em boas condições".

Fontes: Angop / Ansa Latina

Avião militar cai no Iêmen e mata nove


Um avião militar iemenita se acidentou em uma base aérea no sul do país na manhã desta terça-feira (25), matando nove passageiros, entre eles oito engenheiros sírios, disseram médicos e fontes do Exército.

Um engenheiro iemenita também morreu quando o avião Antonov, de fabricação russa, caiu na base área, localizada na província de Lahej. Segundo uma autoridade local de segurança, uma falha técnica foi a provável causa do acidente.


Lahej faz fronteira com a província de Abyah, onde o Exército iemenita está lutando para retomar o controle do território tomado por supostos militantes da Al-Qaeda durante os meses de protestos contra o presidente Ali Abdullah Saleh.

Meses de instabilidade política enfraqueceram o controle do governo central sobre grandes áreas do país.

Na noite de segunda-feira, um médico uzbeque foi sequestrado na província de Maarib, um reduto tribal no norte do país. Fontes tribais disseram que o médico foi sequestrado para pressionar o governo a libertar alguns companheiros detidos.

Fonte: Reuters via Terra / ASN - Foto: Khaled Fazaa (Arquivo/AFP)

domingo, 23 de outubro de 2011

Ibama autoriza manejo de fauna em aeroportos

O Ibama, por meio da Coordenação de Gestão do Uso de Espécies de Fauna (Coefa), da Diretoria de Uso Sustentável da Biodiversidade e Florestas (DBFlo), autorizou desde junho a implantação de Planos de Manejo de Fauna (PMF) em 10 aeroportos internacionais. O primeiro a receber o PMF foi o Juscelino Kubitschek, de Brasília/DF, seguido pelo Galeão, no Rio de Janeiro/RJ. Também receberam autorização os aeroportos de Val-de-Cans, em Belém/PA; Eduardo Gomes, em Manaus/AM; Marechal Rondon, em Cuiabá /MT; Zumbi dos Palmares, em Maceió/AL; Salgado Filho, em Porto Alegre/RS; Gilberto Freyre, em Recife/PE, Luiz Eduardo Magalhães, em Salvador/BA); e Pinto Martins, em Fortaleza/CE. Planos de manejo de outros aeroportos estão em fase de elaboração por parte da Infraero.

"O objetivo do plano é diminuir choques entre aviões e aves, dando maior segurança ao usuário do transporte aéreo, evitando acidentes e perda de vida humana", disse o diretor da DBFlo, Reginaldo Anaissi Costa. Segundo ele, o manejo de fauna em aeroportos civis e militares é uma preocupação mundial e muitos países do mundo já contam com um plano em seus principais aeroportos ou estão trabalhando contra o tempo para desenvolvê-los. "Como exemplo, durante a decolagem do Airbus A-320, da US Airways em 2009, em Nova York, Estados Unidos, as turbinas sugaram vários aves, e, sem potência, o avião caiu no rio Hudson", lembrou Reginaldo. Os planos também reduzem danos à fauna e despesas com manutenção das aeronaves.

Para diminuir o risco de acidentes envolvendo aves e aeronaves, há quatro linhas de ação. A primeira linha de ação é o manejo ambiental, ou seja, alterar o ambiente dos aeroportos de maneira a impedir a entrada ou reduzir os atrativos que fazem os animais procurarem as proximidades do aeroportos para fixarem residência ou apenas procurarem comida e abrigo. Simultaneamente com as modificações do ambiente, utiliza-se uma segunda linha de ação, que é o manejo das espécies-problema através de técnicas de afugentamento: fogos de artifício; uso de sons que as aves vocalizam alertando da presença de predador; uso de luzes potentes ou espelhos para amedrontar; uso de cães treinados para correr e espantar; falcoaria (afugentamento); uso de falcão robô, entre outras técnicas;

Uma terceira linha de ação pode ser utilizada, caso as anteriores não tenham mostrado resultados satisfatórios: a captura (armadilhas ou falcoaria) e soltura em locais distantes. Por fim, caso nenhuma das técnicas anteriores tenha demonstrado resultados satisfatórios ao longo do tempo, e persistindo o risco de acidente aeroviário, pode-se utilizar a quarta linha de ação: o abate seletivo e criterioso, que só deve ser utilizado após esgotadas todas as demais alternativas, representando o último recurso a fim de evitar que centenas de vidas humanas se percam em um desastre aéreo.

Embora não noticiados pela imprensa, todas as semanas são reportados às autoridades aeronáuticas brasileiras incidentes de choques aeroviários entre aeronaves e aves, a maioria de pequena gravidade e sem maiores consequências. De qualquer forma, após a colisão, o avião só pode ser liberado após severa vistoria. Mesmo que o choque entre aviões e aves não resulte na queda do avião, os prejuízos provocados são de grande valor, sem falar nos transtornos nos aeroportos. Se o choque danificar a turbina, o piloto, por precaução, deve decretar emergência e ejetar dezenas de toneladas de combustível para que o pouso seja possível.

Uma vez em emergência, a prioridade de pouso passa a ser da aeronave danificada e todos os demais aviões em voo devem circular o aeroporto aguardando a oportunidade de pouso. Chegadas e partidas são atrasadas, provocando uma série de atrasos em sequência ao longo do dia. Após o pouso do avião danificado, a companhia aérea deve dispor de outro avião ou alocar os passageiros em voos de outras companhias ou hospedar os passageiros. Cada hora que a aeronave passa no pátio do aeroporto tem um custo e o conserto pode demandar a solicitação de técnicos e peças originárias de outros países. A companhia aérea ainda pode ser multada por ter atrasado voos de outras companhias e, no final, o prejuízo alcança a casa dos milhões de reais.

O Plano de Manejo de Fauna abrange uma área circular de 20 km de distância em torno do aeroporto, onde são verificadas como são conduzidas as atividades com alto potencial de atração de aves, como abatedouros clandestinos e lixões. A segurança de passageiros e tripulações de aeronaves, sejam elas civis ou militares, não é responsabilidade exclusiva das autoridades do setor aéreo, mas também das autoridades locais, estaduais e federais quanto à observação do adequado zoneamento de atividades no perímetro urbano, o parcelamento do solo e a destinação correta dos resíduos sólidos.

A população também possui sua parcela de responsabilidade, devendo destinar lixo e entulho em lugar apropriado e não abandonar seus animais de estimação nas cercanias ou no interior de aeroportos. Além de configurar crime previsto em lei, o abandono de animais no interior de aeroportos representa risco de acidentes com aeronaves.

Fonte: bonde.com.br

Embraer entrega 46 aviões no terceiro trimestre

Companhia brasileira encerrou período com carteira de pedidos avaliada em 16 bilhões de dólares


A Embraer encerrou o terceiro trimestre com 46 aeronaves entregues – 28 jatos comerciais e 18 executivos. A carteira de pedidos totalizava 16 bilhões de dólares. Entre julho e setembro, a empresa fechou a venda de mais 17 modelos E-Jets: dois Embraer 190 para a americana GE Capital Aviation Services (Gecas), dez para a Kenya Airways, e cinco Embraer 195 para a alemã Lufthansa.

A China Southern Airlines se tornou a mais nova operadora dos E-Jets e também recebeu o avião comemorativo a 800ª unidade entregue, de propriedade da CDB Leasing, que encomendou um total de 20 jatos.

No início de outubro, a Embraer anunciou a venda de mais seis Embraer 190 para a Gecas, que serão adicionados nos resultados do quarto trimestre de 2011. Com essa encomenda, a empresa de leasing americana passará a ter uma carteira com 101 E-Jets.

A unidade de aviação executiva entregou oito Phenom 100 e nove Phenom 300, num total de17 jatos leves, além de um jato Legacy. No período, o destaque foi a assinatura de um Memorando de Entendimentos com a Minsheng Financial Leasing da China para a venda de ate 20 aviões de toda a linha de jatos executivos da Embraer. No início de outubro, a Minsheng fechou um acordo para a compra de 13 jatos Legacy 650, os quais serão adicionados ao resultado da Embraer do quarto trimestre de 2011.

Fonte: Marcio Orsolini (Exame.com) - Foto: Divulgação/Embraer