sexta-feira, 10 de junho de 2011

Super Tucano da Embraer será usado pela Força Aérea Indonésia


A Embraer foi vencedora de uma licitação do Ministério da Defesa Indonésio e agora, a empresa vendeu ao país oito turboélices de ataque leve e treinamento avançado Super Tucano. Os aviões serão usados pela Força Aérea da Indonésia e as entregas começam no próximo ano.

A licitação ocorreu em 2010 e desde então, várias fases administrativas foram cumpridas, culminando no fechamento do contrato, que inclui estações de apoio de solo e um pacote logístico integrado.

"Este contrato representa um passo ousado para que o Super Tucano deixe a sua marca no mundo", afirma Orlando José Ferreira Neto, Vice-Presidente Comercial da Embraer Defesa e Segurança.

Segundo a Embraer, o governo indonésio escolheu o flexível Super Tucano para substituir outras aeronaves e executar uma ampla gama de missões, incluindo ataque leve, vigilância, interceptação ar-ar e contra insurgência. Este é um avião maduro e comprovado que voou mais de 120 mil horas com eficiência e confiabilidade excepcionais.

"O Super Tucano está equipado com as mais recentes tecnologias de eletrônica/ótica/infravermelha e laser, rádios seguros com comunicação por enlace de dados e uma inigualável capacidade de armamentos, o que o torna altamente confiável e com excelente relação custo/benefício para uma ampla gama de missões militares, mesmo em pistas não pavimentadas", diz a empresa.

Super Tucano

O Super Tucano é fruto de um novo projeto desenvolvido de acordo com as rigorosas exigências da Força Aérea Brasileira (FAB). Com mais de 150 aviões já entregues, é totalmente compatível com as operações de combate em ambientes complexos. O avião está equipado com o mais moderna tecnologia disponível para aviônicos, incluindo visão noturna, sensores eletro-ópticos infravermelho (Electro-Optical/Infrared – EO/IR) com apontador de mira a laser, pacote de comunicações seguras e enlace de dados.

Além da reforçada estrutura para operações em pistas não pavimentadas, o avião conta com avançados sistemas de navegação e pontaria de armas, o que lhe garante alta precisão e confiabilidade, utilizando tanto armamento convencional como inteligente, mesmo sob condições extremas. O avião requer apoio logístico mínimo para operações contínuas.

Fontes: Redação AgoraVale/Embraer - Foto: Divulgação via Revista Flap

Alemão fica nu em pleno voo e avião volta para Madri

Um passageiro alemão ficou nu nesta quinta-feira (9) durante o voo IB-3512 da Iberia entre Madri e Frankfurt, o que obrigou o piloto do Airbus A319-111, prefixo EC-JVE, a voltar ao aeroporto para expulsar o homem do avião, informou a companhia aérea. A aeronave transportava 110 passageiros.

"Um passageiro de nacionalidade alemã se despiu a bordo do avião em pleno voo, na noite de quinta-feira", explicou um porta-voz da Iberia à AFP.

"A tripulação tentou dissudi-lo, mas ele ficou agressivo. Depois, ele se trancou em um dos banheiros. O piloto decidiu voltar para Madri", acrescentou.

Em seguida, a polícia civil tirou o passageiro do avião e o levou para interrogatório. O porta-voz da Iberia admitiu não ter ideia do motivo do gesto.

Fontes: AFP / Aviation Herald

quarta-feira, 8 de junho de 2011

Nuvens vulcânicas podem apagar motores de avião, diz tenente

Clique sobre a imagem para ampliá-la
Nuvens vulcânicas como a do vulcão chileno Puyehue são compostas por material semelhante ao vidro que pode derreter em contato com as turbinas de um avião e provocar o apagamento dos motores das aeronaves. É o que diz o tenente coronel aviador Flavio Antonio Coimbra Mendonça, do Cenipa (Centro de Investigação e Prevenção de Acidentes Aeronáuticos).

As nuvens chegaram ao espaço aéreo brasileiro, de acordo com a FAB (Força Aérea Brasileira), na região do Rio Grande do Sul. O DCEA (Departamento de Controle do Espaço Aéreo) monitora a evolução da nuvem e coordena a mudança de destinos das aeronaves que rumariam para aeroportos sob impacto da nuvem.

Segundo o meteorologista Marcelo Seluchi, do Cptec/Inpe (Centro de Previsão do Tempo e Estudos Climáticos), o fenômeno é visto apenas por imagens de satélite devido às chuvas intensas na região Sul do Brasil.

De acordo com ele, a nuvem é carregada por ventos vindos do Sudoeste, que devem continuar nesta semana. Para o meteorologista, a chegada das cinzas pode causar mais transtornos nos aeroportos, já que a nuvem está localizada na altura utilizada pela navegação aérea.

Fonte: Folha.com - Imagem: Editoria de Arte/Folhapress

Voos se normalizam no Brasil, após dissipação da nuvem de cinzas ao mar


Os voos entre Brasil e Argentina, Chile, Paraguai e Uruguai voltaram a normalidade nesta quarta-feira, após a abertura dos aeroportos afetados pela disseminação das cinzas do complexo vulcânico chileno Puyehue-Cordón Caulle.

Um dia após as companhias aéreas brasileiras cancelarem quase 50 voos com destino ou procedentes dos países do Cone Sul em consequência da nuvem de cinzas, os voos programados para esta quarta-feira decolaram normalmente, apenas foram cancelados durante a madrugada alguns que deviam aterrissar em aeroportos do país.

Os aeroportos brasileiros operam nesta quarta-feira normalmente depois de a Força Aérea Brasileira, em comunicado, informar que, após passar pela Região Sul, a nuvem chilena de cinzas vulcânicas começou a dissipar-se nesta quarta-feira no Oceano Atlântico.

Segundo a Força Aérea, o que restou da nuvem está concentrado a uma altitude entre 4,6 mil e 6 mil metros, que não impede a realização dos voos em outras altitudes.

"O impacto para o tráfego aéreo foi bastante reduzido", explicou na nota o gerente de fluxo de tráfego aéreo da Aeronáutica, major aviador Antonio Marcio Ferreira Crespo.

Conforme a Empresa Brasileira de Infraestrutura Aeroportuária (Infraero), até as 13h apenas haviam sido cancelados 14 dos 72 voos com decolagem e aterrissagem previstas para manhã desta quarta-feira a partir do Brasil, o equivalente a 19,4% do total.

O percentual era de quase 40% na mesma hora de terça-feira. Nem todos os voos, no entanto, foram cancelados pela nuvem de cinzas e a maioria destes eram os programados para chegar ao país na madrugada.

A companhia aérea TAM, a maior do país e responsável por mais de 80% dos voos internacionais entre as empresas brasileiras, informou em comunicado que está operando normalmente nesta quarta-feira.

A companhia disse que todos os voos desta quarta-feira com destino a Buenos Aires, Assunção, Ciudad del Este, Santiago do Chile e Montevidéu decolaram como estava previsto e que estão programando voos extras para levar o mais rápido possível os passageiros afetados pelos cancelamentos desta terça-feira.

Acrescentou que, de qualquer forma, seguem "acompanhando as atividades do vulcão e as condições meteorológicas" para adotar as "medidas adicionais necessárias".

Fonte: EFE via G1 - Foto: AFP

África: Prossegue inquérito do "Boeing coke" apesar das pressões sobre o dossiê

O inquérito sobre o Boeing 727 carregado de cocaína que tinha aterrissado em 10 de dezembro de 2009, no norte desértico da República do Mali, na África Ocidental, prossegue com a acusação oficial em Bamako (capital do Mali), contra três pessoas, entre as quais dois europeus, não obstante as "pressões" exercidas na gestão do dossier, noticiou hoje (quarta-feira) a AFP.

As acusações foram reveladas pelo magistrado maliano Sombé Théra, procurador na Câmara econômica e financeira de Bamako, uma estrutura anticorrupção que compreende, nomeadamente uma procuradoria, um gabinete de instrução e uma brigada econômica e financeira especializada.

"No quadro do inquérito sobre o avião que transportava a cocaína, um francês, um espanhol e um maliano, foram acusados por tráfico internacional de cocaína", afirmou segunda-feira Théra, à televisão nacional maliana.

É a primeira vez que o Mali confirma oficialmente que o Boeing transportava droga.

Uma fonte próxima do dossiê identificou o espanhol por um único nome "Miguel", indicando tratar-se de um antigo agente da polícia espanhola.

As três pessoas acusadas estão detidas no Mali, não tendo sido fornecida até ao momento, detalhes sobre a sua identificação, as datas da sua intimação, bem como os locais de detenção.

Após de terem descarregado à droga, os traficantes incendiaram posteriormente a aeronave.

O que sobrou do Boeing após ser incendiado
A África Ocidental é considerada pelas agências internacionais de luta contra a droga, como um ponto de trânsito importante no comércio de drogas provenientes da América Latina e destinados à Europa.

Fonte: Angola Press (editado pelo autor do Blog) - Foto: Serge Daniel/AFP

Espanha: estudantes desenvolvem avião movido a energia solar

Os estudantes Nacho Pedrosa, Josep Fernandez, Marta Marimon, Arnau Pons e Quim Creus (esq. para dir.) integram a equipe do projeto

Uma equipe de sete estudantes da Faculdade de Engenharia Industrial e Aeronáutica (ETSEIAT) da Universidade Politécnica de Catalunha (UPC) criaram o primeiro protótipo de avião solar da Espanha desenvolvido inteiramente por estudantes. O projeto, denominado Solar Endeavour, é promovido e supervisionado pela empresa GTD, sendo construído com tecnologia criada pelos próprios alunos.

As duas principais dificuldades enfrentadas pelos criadores do projeto são a incorporação de células solares nas asas das aeronaves e a concepção do Sistema de Gestão de Energia (SGE), que garante a autonomia de voo. As células solares ideais para serem usadas são muito frágeis, eles devem ser muito leves e flexíveis e capazes de se adaptar à curvatura das asas como se fosse parte do mesmo item.

Em comunicado, a universidade indicou que o objetivo do projeto é manter o avião voando o maior tempo possível. O projeto, que será apresentado nesta quarta-feira, começou a tomar forma em fevereiro de 2010. Segundo informações da agência Efe, os primeiros testes de voo já foram realizados e a aposta é que o avião fique pronto em três meses.

Fonte: EFE via Terra - Foto: EFE

Funcionário bêbado bateu avião após tentar manobrar aeronave em MS, diz polícia

Um funcionário de 22 anos do aeroporto Aeroching,  na BR-262, na saída para Três Lagoas, em Campo Grande, foi quem danificou uma aeronave do local após realizar uma manobra no último dia 29 de maio, na Capital. As informações são do delegado Wellington de Oliveira, da 4ª Delegacia de Polícia, responsável pelas investigações.

A aeronave danificada
De acordo com Oliveira, no momento do incidente, o funcionário estava embriagado e, ao tentar manobrar o avião de pequeno porte, modelo Cessna 172, acabou o batendo em uma cerca.

Como não sabia pilotar, ele acabou batendo a aeronave na grade do aeroporto. "Sorte que tinha a grade, porque o rapaz poderia ter capotado o avião e ele poderia até ter pegado fogo", diz Wellington.

O rapaz assinou um termo circunstanciado de ocorrência (TCO) pelos danos que causou à aeronave e pagará cerca de R$ 50 mil para repará-los.

Havia sido cogitada a possibilidade que o caso teria sido uma tentativa de furto, porém, segundo o delegado, essa hipótese já foi afastada.

Fontes: Paulo Xavier (midiamax.com) / Evelin Araujo (Correio do Estado) - Foto: Paulo Ribas/ Correio do Estado

Cenipa alerta para o risco de acidente com balões

Nos meses de maio, junho e julho há um aumento no registro de casos


O Cenipa (Centro de Investigação e Prevenção de Acidentes Aeronáuticos) emitiu um alerta para o risco de acidentes provocados por balões. Segundo o tenente coronel Carlos Antônio Motta de Souza, nos meses de maio, junho e julho há um aumento de registros do caso especialmente nas cidades de São Paulo e Rio de Janeiro.

Pilotos de avião de outros países são alertados para o risco de acidentes quando viajam ao Brasil, afirma o coronel. Segundo Souza, o choque com uma aeronave pode provocar até a queda do avião.

A Infraero registrou, entre os anos de 1993 a 2004, oito colisões entre aeronaves e balões.

Fonte: R7 - Foto: Arquivo/O Globo

terça-feira, 7 de junho de 2011

Piloto aterrissa sobre trailer em movimento

Manobra de piloto impressionou espectadores de feira aeronáutica na Inglaterra.


A manobra de um piloto que pousou o seu avião em um trailer em movimento foi a estrela de uma feira aeronáutica na Inglaterra. 

A demonstração das habilidades do piloto Brendan O'Brien foi no Cotswold Airshow. O evento anual está sendo realizado na cidade de Cirencester.

Nessa edição, a feira homenageia os 60 anos do caça Hawker Hunter, usado pela Força Aérea Britânica até o início dos anos 90.

Segundo os organizadores, o clássico caça de combate tem um significado especial para o aeroporto, onde foi usado até 1983.


Fonte: BBC Brasil via G1 - Fotos: Reprodução/BBC

segunda-feira, 6 de junho de 2011

Companhias suspendem voos para Bariloche devido a erupção de vulcão

Puyehue, na Cordilheira dos Andes, entrou em erupção no sábado (4).


Em comunicado, LAN Argentina informa que suspendeu voos para região.


Companhias aéreas que vendem passagens com destino à região turística de Bariloche estão suspendendo voos nesta segunda-feira (6) devido à erupção do vulcão chileno Puyehue, cujas cinzas estão se espalhando pelo sul da Argentina.

Em comunicado divulgado na tarde desta segunda, a LAN Argentina informou que está suspendendo todos os voos com destino a San Carlos de Bariloche e Neuquén após um comunicado emitido pelas autoridades aeroportuárias locais, que decidiram fechar o aeroporto Teniente Luis Candelaria desde o domingo.

"Com relação a Neuquén e Río Gallegos, embora os aeroportos dessas duas cidades estejam operantes, a companhia, após analisar as informações oficiais decidiu não operar voos para essas localidades, até que as condições estejam favoráveis e com total segurança", informa a nota.

Os passageiros com voos marcados para esta segunda (6), segundo a LAN, poderão trocar a data do voo sem pagamento de multa, para início da viagem com prazo de 30 dias da data original; trocar a rota com pagamento da diferença tarifária ou ainda devolver a passagem.

Os voos com destino ao sul argentino partem de Buenos Aires. A empresa informa ainda que as demais operações para todos os destinos, inclusive do Chile, estão normais.

Mais informações sobre os voos podem ser obtidas acessando o site da companhia (www.lan.com/cgi-bin/info_vuelos/info_vuelos.cgi) ou pelo telefone 0300 788 0045.

Também na tarde desta segunda, a Aerolíneas Argentinas e sua subsidiária Austral informaram em nota que suspenderam até o próximo domingo (12) todos os voos com destino à região patagônica por questões de segurança.

Outras localidades como Rio Gallegos, El Calafate e Ushuaia, no sul argentino, estão com voos suspensos até a quinta-feira (9).

Pelo mesmo motivo, as companhias decidiram suspender voos noturnos com destino a Santiago e Mendonça até a quinta-feira.

Segundo a nota, os passageiros afetados poderão deixar suas passagens em aberto por até um ano da data da emissão podendo realizar a viagem sem nenhuma multa.

Mais informações podem ser obtidas no site da companhia: www.aerolineas.com.

Emergência

O prefeito de Bariloche, Marcelo Cascón, confirmou a suspensão das aulas nos colégios e outras atividades, enquanto a baixa visibilidade obrigou a manter a restrição ao trânsito pela estrada que liga San Martín dos Andes.

O "comitê de emergência" mantém a recomendação às pessoas para que permaneçam em suas casas e economizem água potável, apesar de as cinzas não terem poluído os aquíferos, indicou o prefeito em entrevista a uma rádio de Buenos Aires.


Fontes: G1 (com agências internacionais) / Globo Notícias - Fotos: AFP / EPA / EFE

Korean Air recebe seu primeiro A 380

A Korean Air passou a ser desde hoje (6), a sexta empresa aérea a contar com o maior avião comercial do mundo.


A companhia recebeu o seu primeiro A380 em uma cerimônia especial celebrada na fábrica em Toulouse, em ato presidido pelo presidente e CEO da Airbus, Tom Enders e pelo principal executivo da empresa coreana, Yang Ho Cho. Esta entrega é a primeira no pedido de dez modelos do avião.

Desde sua entrada em serviço, hà três anos, a ecoeficiência do A380 tem superado as expectativas. Com seu conforto e comodidades, já se coloca acima dos índices médios de ocupação, proporcionando também uma maior rentabilidade para as empresas aéreas onde opera. Tem alcance de 15.300 km/h

Desde sua hub de Seul, a Korean Air vai operar o A380 em voos para Ásia, América do Norte e Europa. O equipamento terá capacidade para 407 passageiros em três classes. Um diferencial será o free-shop a bordo.

Fonte: Brasilturis - Imagem: Reprodução

Redesenho de motor do A350 sai caro para Rolls Royce


A Rolls-Royce vai aceitar pressão de companhias aéreas e vai projetar um novo motor para o Airbus A350, um caro processo de redesenho para o mais novo avião da Europa, afirmaram fontes do setor nesta segunda-feira.

O plano envolve uma grande reformulação do maior motor da Rolls Royce para um avião civil e vai dar ao A350 mais força para competir com o popular Boeing 777-300ER.

Duas versões menores do A350 vão competir com o revolucionário novo avião 787 Dreamliner da Boeing, a partir de 2013.

Mas as companhias aéreas têm criticado a estratégia única de motor que afirmam que vai deixar o terceiro e maior modelo do A350, o A350-1000, incapaz de alcançar a meta de competir com o mini-jumbo 777-300ER por causa do motor.

"Meu entendimento em que a Rolls-Royce aceitou fazer um novo motor", disse o presidente-executivo de um importante cliente do A350 à Reuters, durante evento da Associação Internacional de Transporte Aéreo (Iata), em Cingapura.

Representantes da Airbus e da Rolls-Royce não comentaram o assunto.

Um novo motor normalmente custa até 2 bilhões de dólares para ser desenvolvido, segundo executivos do setor.

No primeiro sinal de mudança de estratégia em novembro, uma fonte próxima do projeto afirmou à Reuters que a Rolls-Royce estava buscando duas variações do mesmo motor. Mas não ficou claro quantos componentes seriam compartilhados entre os modelos ou quem pagaria pela atualização.

O Trent XWB é o mais recente e o maior membro da família de motores da Rolls-Royce que equipe os maiores aviões do mundo.

Com um rotor mais largo que a fuselagem de um Concorde e construído para devorar mais de uma tonelada de ar por segundo, o motor esta entre os mais poderosos e flexíveis da indústria de aviação civil.

Mas os motores são desenhados para trabalhar de forma mais eficiente sob uma faixa de empuxo e críticos afirmam que o Trent XWB vai encontrar dificuldade para operar de maneira eficiente nas variações do A350. Além disso, eles querem que o A350-1000 voe mais e com mais peso, pressionando a política de um motor ainda mais eficiente.

Um dos mais influentes compradores de aviões do mundo, o magnata de leasing Steven Udvar-Hazy, afirmou que espera que a Airbus modifique seus planos para o A350-1000 e que isso pode levar a atrasos no modelo.

"Eles têm que resolver carga, alcance e performance na pista", disse o presidente-executivo da Air Lease Corp à Reuters.

O analista de aviação Scott Hamilton afirmou em seu blog que o mudanças no motor serão anunciadas durante a Paris Air Show, que acontece entre 20 e 26 de junho, e que isso vai adiar o lançamento do A350-1000 de 2014 para 2016.

A Airbus informou na semana passada que a primeira versão do avião, o médio A350-900, será lançado no final de 2013, como o planejado.

Fonte: Tim Hepher (Reuters) - Imagem: Divulgação

Colisões entre aviões e aves aumentam 10% em 2010

Plano Básico de Gerenciamento do Risco Aviário investiga os casos.

Os chamados 'birdstrikes' já mataram dois pilotos militares no Brasil.

Vistas no ar, aves parecem inofensivas. Perto de um avião, porém, podem causar estrago: o número de colisões entre pássaros e aeronaves nos aeroportos chegou a quase mil em 2010, alta de 10% em relação ao ano anterior. O perigo fez o Centro de Investigação e Controle de Acidentes Aeronáuticos (Cenipa) criar no mês passado um Plano Básico de Gerenciamento do Risco Aviário para investigar os casos.

Em casos extremos, uma batida dessas pode derrubar um avião. Mas o mais comum é provocar perda total nos motores, ferimentos na tripulação e atrasos para o passageiro. "Parece bobagem, mas imagine uma aeronave a 250 km/h se chocar com um pássaro de 3 quilos, também em movimento. Pode ser fatal", explica o coordenador de Ciências Aeronáuticas da Estácio de Sá, o piloto Marcus Reis.

Os chamados "birdstrikes" já mataram dois pilotos militares no Brasil e deixaram cegos pelo menos mais dois. Os números são estimados - o Cenipa acredita que as colisões reportadas representam apenas 25% do universo real dos acidentes. Como os relatos são voluntários, muitos ficam só na suspeita e nem sempre o piloto percebe que bateu em ave. "Nos Estados Unidos, quando há acidente ou pane inexplicada, fazem teste de DNA para descobrir se tem restos de aves", explica o major Henrique Rubens, gerente do setor de Risco Aviário do Cenipa.

Em colisões "cotidianas", os sinais geralmente aparecem em forma de prejuízo milionário para as companhias. O Sindicato Nacional das Empresas Aeroviárias (Snea) estima perda de U$ 3 bilhões por ano para as empresas. "O custo indireto é ainda maior. O avião quebra, tem de retornar. O passageiro perde a viagem e a companhia, a credibilidade", diz o diretor técnico do Snea, Ronaldo Jenkins.

Nos lugares com mais colisões, as causas não são mistério: até 2009, o recordista era o Galeão, no Rio, que tem como vizinho o Aterro de Gramacho, considerado o maior lixão da América Latina. Ele apresentou queda, mas hoje ainda ocupa o quarto lugar. As informações são do jornal O Estado de S. Paulo.

Fonte: Agência Estado via G1

Choque de pequenos aviões no ar mata quatro pessoas na Espanha

Um dos aparelhos caiu sobre estacionamento de aeroporto.

Grupo de amigos seguia do País Basco para Portugal.

Destroços dos pequenos aviões acidentados próximo ao aeroporto Asturias, na cidade de Castrillón, no norte da Espanha, nesta segunda-feira (6)

Dois pequenos aviões se chocaram no ar no início da tarde desta segunda, matando quatro pessoas - duas em cada aparelho. Um dos aviões caiu no estacionamento do aerporto, e outro em uma montanha próxima.

As aeronaves faziam parte de uma excursão de amigos que havia partido de San Sebastián, no País Basco, rumo a Vilar da Luz, em Portugal. Um terceiro aparelho não sofreu nada.


As aeronaves envolvidas no acidente:

Cessna 182T Skylane, prefixo SP-CFM, da SG Equipment Leasing Polska

Cirrus SR22 GTS X G3 Turbo, prefixo SP-AVD, do Sky Share Club

Fontes: G1 (com agências internacionais) / ASN - Fotos: AP

SP: funcionários da Webjet ficam presos em bagageiro de avião

Funcionários da Webjet gritaram por socorro e bateram no teto do compartimento de cargas até serem percebidos.

Porta do avião, um Boeing 737-300 que ia para o Rio de Janeiro, estava fechada, mas ele não chegou a decolar.

Dois funcionários da empresa aérea Webjet ficaram presos no compartimento de cargas de uma aeronave que seguiu voo, ontem, do aeroporto de Cumbica, em Guarulhos, para o Santos Dumont, no Rio de Janeiro.

Por cerca de três minutos eles ficaram batendo no piso do avião e gritando por socorro, segundo passageiros relataram à Folha.

A porta do avião, um Boeing 737-300, estava fechada, com todos passageiros dentro, mas ele não chegou a decolar. Os funcionários foram soltos, sem ferimentos, antes que a aeronave se movimentasse.

Um supervisor da Webjet, que se identificou só como Fábio, confirmou que um funcionário ficou preso no voo 6765, mas disse que a porta do compartimento ainda não tinha sido fechada.

Segundo ele, três funcionários trabalhavam no carregamento da aeronave. Um ficou na porta do bagageiro, outro no meio e um terceiro no fundo. Devido ao grande número de malas, um funcionário teve a visão encoberta por uma "torre" de bagagens. Quando percebeu que o colega da porta tinha saído, começou a pedir ajuda.

"Ele já ficou com medo de virar picolé, pois aqui no aeroporto tem muita história disso. Mas são lendas", afirmou o supervisor.

Comissárias, no entanto, disseram aos passageiros que dois funcionários estavam presos no bagageiro.

Segundo os passageiros, o comandante da aeronave não disse o que havia acontecido, só comissárias falaram.

Apesar do susto, o atraso no voo foi inferior a dez minutos, dizem os passageiros.

Perigo

Caso ficassem presos no porão durante o voo, que tem duração aproximada de uma hora, os dois homens poderiam ter ferimentos graves e até morrer devido ao frio e ao balanço do avião, segundo o diretor de segurança do Sindicato Nacional dos Aeronautas, Carlos Camacho.

Ele diz que o bagageiro é pressurizado, mas não há aquecedor, por isso temperatura varia de 5C a 8C.

Procurada por telefone e e-mail, a assessoria da Webjet não se manifestou.

A Infraero (estatal que administra o aeroporto) disse que não foi notificada e que, como o avião não decolou, era a empresa quem deveria se pronunciar.

Fonte: Afonso Benites, Cristiane Capuchinho e Silvia Freire (jornal Folha de S.Paulo)

CNJ doa avião para ajudar no transporte de juízes no Amazonas

Segundo o CNJ, a aeronave evitará que 30 comarcas sejam fechadas.

Há previsão de entrega de mais aviões para outros estados da Amazônia.


A corregedora do Conselho Nacional de Justiça (CNJ), ministra Eliana Calmon, entregou, nesta segunda-feira (6), um avião monomotor Cessna U206, que será usado para transporte de magistrados e documentos pelo Tribunal de Justiça do Amazonas (TJ-AM). A aeronave havia sido apreendida pela Polícia Federal com 471 kg de drogas em março.

Segundo a assessoria do CNJ, a chegada da aeronave evitará que 30 comarcas sejam fechadas no Amazonas. "Essa é a primeira aeronave de muitas, que serão entregues a todos os estados da Amazônia. Começamos pelo Amazonas por causa das distâncias e das dificuldades de transporte", afirmou Eliana Camon.

De acordo com o presidente do TJ-AM, João Simões, haverá ainda aumento do repasse de verbas ao tribunal e, com isso, serão contratados por concurso público 60 juízes e 800 servidores, que serão distribuídos por 36 comarcas no interior do estado. "Cortamos do orçamento e conseguimos mais verba, então reverteremos a situação, que era de fechamento de 30 comarcas", explicou.

O CNJ informou que o avião, estimado em R$ 340 mil, está pronto para voo e passará por uma inspeção da Agência Nacional de Aviação Civil (ANAC) no aeroporto de Manaus antes de começar a operar.

Eliana Calmon afirmou que outras 119 aeronaves, também apreendidas em investigações criminais, poderão ser doadas aos tribunais de justiça. "Ainda é necessária uma avaliação técnica destes aviões, até maiores que o entregue hoje. Mas todos os tribunais da região Norte, e alguns da Nordeste, receberão aeronaves. É preciso que os juízes possam se locomover sem depender de outros poderes", completou.

"Entre os aviões apreendidos, estão alguns que serão descartados porque são antieconômicos e outros porque são inseguros. Mas muitos estão em boas condições. "Ainda este ano teremos novas doações", disse. No Amazonas, ainda segundo a ministra, algumas comarcas estão a 20 dias de distancia de barco, partindo de Manaus.

Internet

A ministra ainda falou de outras medidas que estão sendo tomadas para minimizar o afastamento dos juízes em comarcas distantes, principalmente próximas as fronteiras com outros países. "Já compramos antenas que vão levar internet a todas as comarcas da região. Elas já estão instaladas. Depois, a prioridade será garantir energia elétrica para todas as sedes das comarcas", afirmou.

A iniciativa faz parte do programa "Espaço Livre", que pretende liberar espaço nos aeroportos retirando aviões que estão parados por problemas na Justiça.

Fonte e fotos: Tiago Falqueiro (G1/Brasília)

Tripulação sobrevive a queda de avião de carga no Gabão

O avião de carga Antonov 26, prefixo TR-LIE, da empresa Solenta Aviation em leasing para a DHL Aviation caiu, na manhã desta segunda-feira (6), no Gabão.

A aeronave perdeu sustentação e acabou caindo no mar, perto de uma escola, na capital Libreville.



Autoridades disseram que os quatro tripulantes - dois ucranianos, um búlgaro e um gabonês - que estavam a bordo sobreviveram e foram levados a um hospital local.

De acordo com o ministério dos Transportes, o piloto afirmou que o avião apresentou problemas hidráulicos quando recebeu permissão para pousar no aeroporto de Libreville.

Como a maré estava baixa, a aeronave não afundou totalmente nas águas do Oceano Atlântico. O governo proibiu voos de aviões de carga no país até que o acidente seja investigado.

Fonte: UOL Notícias (com informações da AP) - Fotos: Anseleme/AfriScoop / Joel Bouopda Tatou/AP


quarta-feira, 1 de junho de 2011

Imagens de segurança desvendam falsa tentativa de furto de avião em MS

Delegado do caso diz que não houve tentativa de furto e sim acidente.

Funcionário teria batido avião e deixado o caso passar por tentativa de furto.


Depois de ter acesso às imagens do circuito interno de segurança do aeroporto Aeroching, em Campo Grande, a Polícia Civil descartou a hipótese de tentativa do furto do avião Cessna 172, que foi encontrado batido em uma cerca do aeroporto. Em entrevista ao G1, o delegado que investiga o caso, Wellington de Oliveira, informou que as investigações indicam que o acidente foi causado por um funcionário do aeroporto.

A aeronave foi encontrada batida no final da tarde do último domingo (29). Um piloto que estava sobrevoando o aeroporto viu a o avião e resolveu pousar para ver o que tinha acontecido. O boletim de ocorrência do caso foi registrado como tentativa de furto.

Segundo o delegado, provavelmente o funcionário ficou com medo de falar a verdade para o proprietário do avião e deixou o caso se passar por uma tentativa de furto.

“A sequência de imagens mostra o avião correndo na pista, depois ele cai em um pequeno barranco e bate na cerca. Provavelmente a pessoa não sabia pilotar”, afirma o delegado.

Segundo Oliveira, o proprietário do avião disse que não tinha seguro da aeronave e o prejuízo com a colisão da aeronave deve chegar aos R$ 50 mil.

O delegado disse ainda que se as investigações realmente comprovarem que o acidente foi causado por um funcionário, que ele vai responder pelo crime de dano.

O proprietário do avião, que não quis ter o seu nome divulgado, informou que nunca tinha acontecido isso com o seu avião no aeroporto Aeroching.

Fonte: Tatiane Queiroz (G1) - Foto: Divulgação/Polícia Civil

Passageiros ficam retidos por quatro horas em avião da TAM no aeroporto do Galeão

Mau tempo impediu desembarque em São Paulo

Passageiros de um voo da TAM que vinha de Miami, nos Estados Unidos, com destino à São Paulo, tiveram que esperar quatro horas na pista do Aeroporto Internacional Tom Jobim na manhã desta quarta-feira (1º).

O voo partiu na noite desta terça, mas teve que ser desviado para o Galeão, no Rio, por causa do mau tempo na capital paulista, segundo informou a TAM.

Os passageiros teriam ficado retidos dentro da aeronave entre 5h e 9h, sem informações sobre o que estava acontecendo, até serem levados para o saguão do aeroporto.

Com a reabertura do aeroporto de Guarulhos, o novo embarque para São Paulo aconteceu às 9h20.

Em nota, a TAM informou alguns voos foram desviados para os aeroportos do Galeão no Rio e de Confins, em Belo Horizonte, por causa do mau tempo.

Segundo a empresa, para não superlotar as salas de embarque desses aeroportos e permitir um maior número de conexões, os passageiros tiveram que aguardar a autorização para a nova decolagem.

Fonte: R7

NASA anuncia espaçonave para o "espaço profundo"

A MPCV pode ficar no espaço por 21 dias, levando 4 astronautas. O espaço útil é de 20 metros cúbicos, dos quais 9 metros cúbicos de "espaço habitável" - Imagem: NASA

Nova nave

A NASA havia criado grande expectativa com o agendamento de uma coletiva de imprensa, durante a qual seria anunciada "uma decisão chave para o transporte espacial para o espaço profundo".

A revelação, um tanto decepcionante, foi feita na tarde de ontem pelo administrador geral da agência espacial, Charles Bolden.

Segundo Bolden, o transporte de astronautas para a Estação Espacial Internacional será transferido inteiramente para a iniciativa privada, "de forma que poderemos nos concentrar na exploração do espaço profundo."

A grande expectativa foi criada sobretudo porque, há poucas semanas, a NASA havia divulgado o projeto de um novo conceito de nave espacial, chamado Nautilus.

Cápsula espacial

Na verdade, a MPCV já está em construção, em um contrato com a empresa Lockheed Martin - Imagem: Lockheed Martin

Em vez de uma nova nave, porém, a "nova nave espacial para o espaço profundo" será na verdade um reaproveitamento da cápsula Órion, projetada para o abandonado Programa Constelação.

"O projeto original será agora utilizado para desenvolver uma nova nave espacial chamada Veículo Tripulado de Múltiplos Propósitos (MPCV: Orion Crew Exploration Vehicle)," disse Bolden.

Na verdade, a MPCV já está em construção, em um contrato com a empresa Lockheed Martin.

A nave retornável, contudo, parece ter características distantes de qualquer coisa voltada para o "espaço profundo", o que só fará sentido se ela for unida como um módulo de uma estrutura maior.

A MPCV pode ficar no espaço por apenas 21 dias, levando 4 astronautas. O espaço útil é de 20 metros cúbicos, dos quais 9 metros cúbicos de "espaço habitável".

O retorno à Terra utiliza pára-quedas, com pouso no mar. O sistema de reentrada foi projetado para suportar as velocidades alcançadas em um retorno à Terra além da órbita baixa - da Lua, por exemplo.

Espaço não tão profundo

A nave retornável tem características distantes de qualquer coisa voltada para o "espaço profundo", o que só fará sentido se ela for unida como um módulo de uma estrutura maior, como nesta simulação de uma chegada a Marte - Imagem: NASA

Segundo Bolden, a nova nave ser 10 vezes mais segura do que os ônibus espaciais - ainda não está claro se ela usará a cápsula de escape MLAS.

A nave servirá como veículo tripulado primário para missões além da órbita baixa da Terra, o que deverá incluir a Lua e, provavelmente, asteroides, mas dificilmente a Marte, como havia anunciado o presidente Obama em 2010.

A MPCV terá a capacidade normal de uma nave tripulada, como capacidade de aproximação, atracação e atividade extraveicular, as caminhadas espaciais.

Fonte: Site Inovação Tecnológica

Endeavour aterrissa após última viagem pelo espaço


O ônibus espacial americano Endeavour aterrissou sem apresentar problemas na madrugada desta quarta-feira na Flórida, em sua última viagem, com seis tripulantes, informou a Agência Espacial Americana (Nasa).

O ônibus tocou a terra no Centro Espacial Kennedy às 2h35 locais (3h35 de Brasília) a uma velocidade de 360 km/h após uma descida que durou 65 minutos.

O Endeavour se aproximou da Terra sobreavoando a América Central nos arredores do Golfo do México, até alcançar a Flórida.

No piloto automático durante toda a descida, o comandante Mark Kelly assumiu o controle do ônibus espacial ao final da viagem, transformando-o em um planador de 100 toneladas para alinhar a nave com a pista. Para realizar a ação, o americano teve que fazer uma virada de 245 graus.

"É triste vê-lo aterrisdar pela última vez. Fica um grande legado", declarou emocionado o comandante, momentos depois de voltar à Terra, após aquela que foi a 25ª e última viagem da Endeavour pelo espaço.

A televisão da Nasa transmitiu ao vivo as imagens da aproximação final a partir da cabine da nave.

O Endeavour concluiu, assim, a missão STS-134, uma viagem de 16 dias à Estação Espacial Interncional (ISS, na sigla em inglês), onde os astronautas instalaram um equipamento de dois bilhões de dólares para experimentos físicos relacionados ao universo.

O programa americano de ônibus espaciais prepara agora o lançamento final da Atlantis para 8 de julho, antes de seu encerramento em definitivo, após três décadas de voos espaciais tripulados e exploração do espaço.

Com o fim do programa, apenas as cápsulas espaciais russas estarão disponíveis para o transporte ao laboratório orbital até que um novo veículo tripulado seja construído pelos Estados Unidos.

A Nasa estima que um novo ônibus espacial ficará pronto entre 2015 e 2021.

O Endeavour é a mais jovem nave da frota espacial dos Estados Unidos, da qual fazem parte ainda a Discovery - aposentada após voltar de sua última missão em março - e a Atlantis.

Duas naves espaciais americanas explodiram quando voltavam à Terra: a Challenger, em 1986, e a Columbia, em 2003. Quatorze pessoas morreram nos dois acidentes.

O Endeavour começou a ser construído após a explosão da Challenger. Seu primeiro voo espacial ocorreu em 1991.

Após suas missões finais, Endeavour, Atlantis e Discovery ficarão expostos em diferentes museus do país.


Fonte: AFP via Terra - Fotos: NASA

Irã culpa pilotos alemães por bloqueio a avião de Merkel

O bloqueio imposto ao avião oficial da chanceler alemã, Angela Merkel, antes de entrar no espaço aéreo iraniano se deveu a um suposto erro técnico dos pilotos alemães, afirmou o embaixador iraniano em Berlim, Alireza Sheikhattar.

Em declarações à televisão estatal iraniana em inglês PressTV, o diplomata negou que se tratasse de uma ação política e acusou a imprensa de magnificar "um fato normal" para criar divergências.

"Quando perguntei às autoridades de aviação, me disseram que o sinal que os pilotos costumam dar às torres de controle como código de entrada (no espaço aéreo) foi errado. Deram o sinal de saída e, por isso, não puderam entrar", explicou.

"Este tipo de incidente ocorre de vez em quando em muitos países", acrescentou Sheikhattar, citado nesta quarta-feira pelo site da PressTV.

O diplomata, que foi imediatamente convocado pelo Ministério das Relações Exteriores alemão para dar explicações, assinalou, além disso, que o incidente foi solucionado "em 20 minutos", versão que também sustenta o porta-voz da diplomacia iraniana, Ramin Mehmanparast.

Berlim, no entanto, assegura que a aeronave teve que dar voltas em círculo durante duas horas no espaço aéreo turco antes de ser autorizada a prosseguir sua viagem para a Índia.

Fonte: EFE via Terra

O que acontece quando você bate em alguém dentro de um avião?


Tudo começou quando um passageiro em voo para Gana saindo do Aeroporto Internacional Washington Dulles, nos EUA, decidiu reclinar o seu assento.

Isso (obviamente?) é um motivo muito bom para irritar o passageiro atrás dele, levando a uma troca de palavras impublicáveis entre os homens, e ao passageiro que reclinou sua poltrona levando um tapa na cabeça.

Isso mesmo: o próprio ato que você já sonhou inúmeras vezes, mas nunca ousou realmente fazer porque é um ser humano civilizado e não louco, ocorreu naquele voo.

Mas alguma vez você já se perguntou o que poderia acontecer se você batesse em seu companheiro de viagem na cabeça depois da decolagem de um voo longo?

Veja o que acontece: primeiro, uma aeromoça e um outro passageiro “pularam no meio da briga” para tentar apartá-la. Alertado da situação, o piloto decidiu voltar o Boeing 767 para o aeroporto, para deixar que as autoridades resolvessem o problema, em vez de arriscar um voo transatlântico para Gana com dois passageiros voláteis e potencialmente violentos.

Pequeno problema: o jato tinha 63.198 litros de combustível, o que pesa 57 toneladas. Isso é muito combustível – não se pode pousar um avião com esse tanto de combustível nele. Assim, o controle de tráfego aéreo instruiu o piloto a voar por meia hora e queimar o excesso de peso.

Foi quando a Força Aérea americana se envolveu. As transmissões de áudio indicavam que dois aviões de caça da Força Aérea estavam indo de encontro, assim que o avião reentrasse o espaço aéreo de Washington. Cinco minutos depois, dois caças de escolta tomaram posição cerca de 300 metros acima do avião enquanto ele se dirigia para o aeroporto.

O avião finalmente pousou, e a polícia estava o esperando no portão. Após uma investigação, os passageiros foram dispensados e nenhuma acusação foi feita. O voo, entretanto, foi adiado para a manhã seguinte.

Ninguém sabe se os mesmos passageiros estavam no voo, e em caso afirmativo, onde se sentaram. Mas seria um reencontro muito constrangedor, não? Eu chuto que, mesmo se eles não brigassem de novo, apanhariam de todos os outros passageiros do voo.

Fonte: Gawker via Natasha Romanzoti (HypeScience)

Pancadaria entre passageiros por causa de assento reclinado obriga avião a pousar

O voo UA-990 da United Airlines foi obrigado a fazer um pouso de emergência por causa de uma briga entre dois passageiros devido a um assento reclinado, no último domingo (29).

O avião, o Boeing 767-322/ER, prefixo N658UA, que fazia o trajeto entre Washington (EUA) e Acra, em Gana, ainda foi escoltado por dois caças F-16 por causa do incidente.


Segundo o jornal "The Washington Post", o incidente começou logo no início do voo, que partiu às 22h44 (horário local) do aeroporto Dulles, em Washington, quando um passageiro reclinou seu assento e o passageiro que estava atrás dele reclamou.

O passageiro da frente teria "reclinado demais" o seu assento. Como a viagem deveria durar cerca de 11 horas, o passageiro do banco de trás se sentiu incomodado com a possibilidade de ter a cabeça da pessoa à sua frente em seu colo e teria dado um soco. Isso deu incio a uma troca de socos entre os passageiros.

Não há informações de qual área do avião os passageiros estavam sentados. O avião tinha 114 pessoas a bordo.

Um comissário de bordo e um passageiro tentaram conter a briga. O piloto do avião decidiu retornar ao aeroporto, apesar de não ter ideia da extensão do problema, segundo um porta-voz da United Airlines.

Logo que o avião decidiu retornar, a torre de comando ordenou que ele sobrevoasse por 25 minutos, escoltados por dois caças F-16, para queimar combustível.

Desde os atentados de 11 de setembro de 2001, caças das Forças Aéreas dos EUA ficam de prontidão para escoltar aviões de passageiros em casos de potenciais ameaças terroristas.

Fontes: UOL Notícias (com informações do Daily Mail) / Aviation Herald - Imagem: Google

Aeroportos da Copa terão R$ 5,6 bilhões em investimentos, diz Infraero

Presidente da Infraero diz que todos aeroportos estarão prontos até 2014.

Gustavo Vale participa de audiência pública na Câmara dos Deputados.

Com investimento previsto de R$ 5,6 bilhões, o presidente da Infraero, Antônio Gustavo Matos do Vale, afirmou nesta quarta-feira (1º) que todos os aeroportos em cidades que sediarão a Copa de 2014 terão capacidade adequada ao movimento previsto de passageiros no evento.

As 12 cidades-sede são Belo Horizonte, Brasília, Cuiabá, Curitiba, Fortaleza, Manaus, Natal, Porto Alegre, Recife, Rio de Janeiro, Salvador e São Paulo.

"Vemos no Brasil um aumento do fluxo de passageiros de mais de 10% ao ano, o que deve continuar nos próximos quatro anos. Mesmo com alguns terminais já estando em situação preocupante, acima de suas capacidades, teremos folga em 2014 em todos os casos", afirmou Matos durante comissão .

Entre as principais obras, o presidente destacou a ampliação do embarque de passageiros do Aeroporto de Guarulhos com investimento de R$ 3,4 milhões, que terá 1,2 mil m² e aumentará, em julho de 2011, a capacidade em 1 milhão de passageiros por ano.

No aeroporto de Campinas, a construção de um espaco para check-in de passageiros, orçado em R$ 5,0 milhões, elevando a capacidade em 2,5 milhões de passageiros/ano, em julho de 2011.

Em Cuiabá, R$ 2,2 milhões deverão proporcionar um aumento de Capacidade: 0,8 milhões de passageiros/ano com obras dedicadas ao desembarque dos passageiros, com conclusão prevista para novembro deste ano.

Fonte: Tiago Falqueiro (G1)

Modelo de concessão em aeroportos terá ajuda do BNDES, diz ministro

Previsão do governo é finalizar modelos de concessão até dezembro.

Ministro da Secretaria de Aviação Civil participa de audiência na Câmara.

O ministro da Secretaria de Aviação Civil, Wagner Bittencourt, afirmou nesta quarta-feira (1º) que o modelo de concessão dos terminais de três aeroportos brasileiros - Guarulhos (SP), Viracopos (SP) e Brasília (DF) - deverá ser estruturado com a ajuda de uma consultoria do BNDES.

A previsão do governo é que os critérios para os editais de concessão estejam prontos até dezembro. De acordo com o governo, as empresas privadas terão 51% dos três aeroportos.

"A concessão de três aeroportos centrais no coração do pais foi definida porque precisamos ter investimentos mais rápido para eles. Elas devem sair até dezembro, mas antes teremos uma avaliação para estruturar que tipo de parceria é o melhor modelo. E como não temos experiência muito grande nessa área, receberemos auxílio de uma consultoria do BNDES", declarou Bittencourt.

O ministro ainda anunciou a criação de Centros de Governanças nos aeroportos, começando em Brasilia. O local reunirá todos os órgãos responsáveis por tomar qualquer tipo de decisão dentro dos terminais. "Teremos a Anac, a Infraero, as polícias, todos juntos para que os problemas sejam resolvidos de maneira mais ágil", afirma Bittencourt.

Segundo Bittencourt, os aeroportos de Confins, em Belo Horizonte, e Galeão, no Rio de Janeiro, devem ser os próximos a se transformaram em concessões em que a Infraero será sócia minoritária. "A única regra já determinada é que a Infraero terá, no máximo, 49% de participação", afirmou.

Audiência

O ministro participa de uma audiência pública na Câmara dos Deputados nesta quarta para discutir a situação atual e o planejamento dos aeroportos para a Copa do Mundo de 2014. No debate, também serão discutidos os procedimentos aplicados pela fiscalização junto às companhias aéreas e a política de concessões aeroportuárias para a iniciativa privada.

Além de Bittencourt, estão presentes o presidente interino da Anac, Carlos Eduardo Pellegrino, o presidente da Infraero, Antônio Gustavo Matos do Vale e o diretor-geral do Departamento do Espaço Aéreo, Ramon Borges Cardoso.

Provocado pelos deputados de oposição, que lembraram a posição do PT contra as privatizações, o ministro defendeu a concessão dos aeroportos e anunciou que outras devem vir por aí. "Não podemos ter preconceitos contra instrumentos. A realidade hoje mostra que nenhuma grande empresa no mundo trabalha sem parceiros", declarou.

Fonte: Tiago Falqueiro (G1)

terça-feira, 31 de maio de 2011

Irã retém avião de Angela Merkel no ar por duas horas

Airbus A340 não teria autorização do Irã para atravessar seu espaço aéreo.

Aeronave quase aterrissou na Turquia para reabastecer, segundo agências.

As autoridades iranianas retiveram no ar durante duas horas, na madrugada desta terça-feira (31), o avião oficial da chanceler alemã, Angela Merkel, que se dirigia à Índia para uma viagem oficial, informam as agências internacionais de notícias.

O Airbus A340 da chanceler alemã foi obrigado a retornar e a sobrevoar o espaço aéreo da Turquia até receber a permissão para atravessar o território do Irã, informou Steffen Seibert, porta-voz oficial do governo da Alemanha.

“Até agora, nunca acontecera um incidente assim”, disse Seibert, que comentou que foi preciso uma hora de intensas negociações por parte do Ministério das Relações Exteriores alemão, com a mediação da Turquia, para que Teerã autorizasse o avião de Merkel a atravessar o espaço aéreo iraniano.

O porta-voz acrescentou que antes do início da viagem as autoridades alemãs haviam solicitado todas as permissões pertinentes para que o avião realizasse seu voo com normalidade, algo que, aparentemente, negam as autoridades do Irã.

Primeiro-ministro da Índia, Manmohan Singh, recebe a chanceler alemã, Angela Merkel, após incidente no espaço aéreo do Irã

O avião de Merkel recebeu a autorização no último momento, já que, caso contrário, seria obrigado a fazer uma escala forçada na Turquia para reabastecer.

Um segundo avião oficial alemão que transportava o restante da delegação alemã que participará da primeira cúpula entre Índia e Alemanha cruzou o espaço aéreo do Irã sem problemas.

O avião da chefe do governo alemão, batizado como “Konrad Adenauer” em homenagem ao primeiro chanceler federal, cobria seu primeiro voo após ser reformado nas oficinas da companhia alemã Lufthansa em Hamburgo.

A chanceler alemã se reunirá a partir desta terça com as autoridades indianas para tratar fundamentalmente de política energética, econômica e financeira.

Merkel fará ainda propaganda do avião de combate europeu construído conjuntamente por Alemanha, Grã-Bretanha, Espanha e Itália, já que as forças aéreas indianas estão interessadas na compra de 126 aeronaves.

Fonte: Do G1, com as agências EFE e Reuters - Foto: Saurabh Das/AP Photo

As primeiras hipóteses das causas

Sondas Pitot


Equipamentos instalados na parte exterior da fuselagem das aeronaves, as sondas Pitot são usadas para medir a velocidade do avião, através da pressão do ar colhido em uma abertura em sua extremidade. Especialistas apontam que um possível acúmulo de gelo pode ter provocado o mau funcionamento das sondas, o que teria desencadeado os fatores que culminaram no acidente. Dados das caixas-pretas do Airbus A330 indicam que houve uma queda abrupta do avião pouco depois da falha nos indicadores de velocidade.

Foto: Crédito: Reprodução

Mau tempo



O Airbus A330 da Air France enfrentou uma área de forte turbulência no Oceano Atlântico, que contribuiu para a perda de sustentação da aeronave. O bico do avião era equipado com um radar meteorológico, 'que consegue prever com milhas de antecedência o que está por vir adiante', segundo Flavio Marcos de Souza, jornalista especializado em aviação. De acordo com Souza, o normal em situações como a enfrentada pelo voo AF 447 seria desviar a rota para evitar a área de instabilidade. 'Nessa sequencia de eventos que culminam no acidente, provavelmente o primeiro tenha sido o fator meteorologia. Resta saber se foi por uma falha de julgamento dos pilotos ou por uma falha do radar', afirmou.

Foto: Crédito: AP

Falha humana



Não está descartado que o acidente tenha sido provocado por algum erro cometido pela tripulação do Airbus. O relatório parcial do BEA ainda não é conclusivo quanto à responsabilidade dos pilotos na perda de sustentação da aeronave. Durante a queda, os a equipe tentou puxar os comandos para elevar o bico da aeronave. 'Quando se está em stall (perda de sustentação), se você botar o nariz (da aeronave) para cima, você só piora a situação', disse o professor Guido Cesar Carim Junior, coordenador do departamento de treinamento de voo do Faculdade de Ciências Aeronáuticas da PUC-RS.

Foto: Crédito: Getty Images

Fonte: Terra

As perguntas sem respostas do voo AF 447

Por que a tripulação do voo AF 447 não desviou da área de turbulência?


Na noite de 31 de maio de 2009, todos os aviões que fizeram rota semelhante à do voo AF 447 efetuaram desvios para evitar a tempestade na área equatorial do Oceano Atlântico. Segundo o jornalista Flavio Marcos de Souza, não se sabe se a tripulação do avião da Air France foi imprudente ou se foi induzida ao erro por falha em algum equipamento. 'Todos os outros voos naquela noite, indo para a Europa ou para o Brasil, desviaram do mau tempo, e só o AF 447 entrou (na região). Esta é a grande chave (do caso).'

Foto: Crédito: AP

Os procedimentos adotados após a perda de sustentação foram adequados?


 
O relatório do BEA aponta que, após o desligamento do piloto-automático da aeronave, 'os motores estavam em funcionamento e sempre responderam aos comandos da tripulação', e as ordens do piloto durante a queda foram, principalmente, para elevar o nariz do Airbus, mesmo com o soar do alarme de stall (perda de sustentação). Os trechos levantaram dúvidas se a atitude da tripulação foi correta. Para Guido Cesar Carim Junior, entretanto, os pilotos podem ter sido induzidos ao erro por não confiarem nos instrumentos, que apresentariam falhas. 'O que me parece é que nenhuma indicação dos instrumentos estava válida. Provavelmente, o que eles (pilotos) estavam olhando nos instrumentos, eles não acreditavam muito', afirma.


Foto: Crédito: AFP

O que causou a falha nas sondas Pitot?


 
A análise das caixas-pretas aponta que 'houve uma inconsistência' na medição de velocidade da aeronave, que durou pouco menos de um minuto. Segundo a Air France, a falha nas sondas Pitot teria conduzido a 'uma desconexão do piloto automático e a perda dos sistemas de proteção de pilotagem associados', levando à queda do Airbus. Mas o que teria causado o problema nas sondas? Uma das hipóteses levantadas é de que o acúmulo de gelo, proveniente das más condições meteorológicas enfrentadas pelo avião, tenha reduzido a capacidade de medição do equipamento.


Foto: Crédito: BEA/Divulgação

As pessoas estavam conscientes no momento do impacto?


 
Após grandes acidentes aéreos, como o do voo AF 447, muito se pergunta sobre os momentos de pânico vividos pelos passageiros minutos antes do choque com o mar. Os ocupantes do Airbus ainda estavam conscientes àquela altura ou teriam ficado desacordados durante a queda abrupta? 'Uma queda de 10 mil pés por minuto (200 km/h) provoca uma força G (força gravitacional) muito grande. É difícil afirmar se ficaram conscientes ou não durante a queda', afirma o jornalista Flavio Marcos de Souza.


Foto: Crédito: AFP

Fonte: Terra

'O tempo piora a dor', diz pai de vítima do AF 447

Familiares comentam as esperanças e as angústias trazidas pela nova fase de buscas por corpos no Atlântico.

Passados dois anos do acidente do voo da Air France, o tempo não trouxe nenhum alento para o médico Oswaldo Seba. Ele perdeu sua filha única no acidente, a psicóloga Luciana Clarkson Seba, de 31 anos.

'Para mim e para a minha esposa, não houve mudança alguma nestes dois anos. O tempo parece que piora mais a dor', diz Seba, de 60 anos, que está há dois anos sem trabalhar e vive à base de medicamentos.

Seba não conseguiu retomar a profissão desde a morte de Luciana, que viajava com o marido e os sogros para encontrar a cunhada na França. 'É uma coisa muito dura. A gente está tentando sobreviver. Com uma tragédia dessas, a gente não consegue nem viver, apenas sobrevive.'

Luciana e Oswaldo Seba em foto de arquivo pessoal da família - Foto: BBC

Além de filha única, Luciana era neta única, a última na linha de sucessão da família. 'Ficou um vazio enorme', diz o pai.

O AF 447 voava do Rio para Paris, na noite do dia 31 de maio de 2009. A aeronave caiu sobre o oceano Atlântico às 23h14, matando seus 216 passageiros e 12 tripulantes.

Desde o início de abril, quando novos destroços do Airbus 330 foram encontrados, famílias vêm acompanhando com apreensão o turbilhão de notícias: o anúncio de que havia corpos dentro da fuselagem, a descoberta das caixas-pretas do voo, o resgate dos dois primeiros corpos nesta nova fase, as dúvidas sobre a possibilidade de identificá-los, os resultados positivos dos testes para extrair o DNA, as análises preliminares dos dados contidos nas caixas-pretas, o resgate de mais corpos.

'A gente vem tentando acomodar essa dor, mas a todo momento vêm as notícias, a toda hora abre a ferida', diz a nutricionista Sylvie Mello, de 37 anos, que perdeu o irmão e a cunhada no acidente. 'Primeiro havia a expectativa de encontrar a caixa-preta. De repente a ministra francesa anuncia que foram encontrados corpos também, corpos bem conservados. É uma angústia enorme.'

'Orgulho da família'

O irmão de Sylvie, o procurador federal Carlos Eduardo Lopes de Mello, de 33 anos, e a cunhada, Bianca Pires Cotta, de 25 anos, recém-formada em medicina, partiam em lua de mel após a festa de casamento no dia anterior.

'A gente tinha acabado de sair de uma festa linda, um casamento, um sonho que se realizou. Eles foram em lua de mel, eu os levei ao aeroporto, a gente tem toda aquela imagem', conta. Seu irmão, que passara no concurso de procurador federal antes mesmo de terminar a faculdade, aos 23 anos, era 'o orgulho da família'.

Segundo Sylvie, seus pais estão 'destruídos'. Sua mãe não pode nem ouvir falar do acidente. Seu pai quer acompanhar todas as notícias.

'É um turbilhão, isso consome a gente. Por mais que você não queira assistir, você vai à padaria e dá de cara com as notícias. Minha mãe entra no elevador e alguém fala com ela sobre o assunto. Conviver com isso é muito ruim. Você vive abalado psicologicamente, frequentando psiquiatra, tomando remédio para dormir, tirar sua angústia. É assim que a sua família vive. À base de medicamento, de medicação, a todo momento é pego por uma informação.'

Na última sexta-feira, o primeiro relatório oficial com base nos dados extraídos das caixas-pretas foi divulgado pelo Escritório de Investigações e Análises (BEA, na sigla em francês), confirmando falhas na medição da velocidade da aeronave e seu tempo de queda, de 3 minutos e meio.

Só no fim de julho, entretanto, será divulgado o primeiro relatório sobre as causas do acidente de fato. São respostas ansiosamente aguardadas pelas famílias.

Para Nelson Faria Marinho, presidente da Associação de Familiares das Vítimas do Voo AF 447, as informações divulgadas na sexta-feira passada não trouxeram nada de novo. 'Agora, são mais dois meses de sofrimento para saber o que aconteceu', diz. 'Só espero transparência do governo francês. Porque nós vamos até o final, queremos saber o que aconteceu.'

Marinho perdeu o filho no acidente. Nelson Marinho, de 40 anos, que trabalhava em prospecção de petróleo e seguiria de Paris para Angola a trabalho. Era o segundo de cinco irmãos. 'Isso desestruturou toda a família. Criou problemas de tudo quanto é ordem. Não sei nem traduzir em palavras', diz o pai.

A notícia de que corpos das vítimas foram encontrados no fundo do mar dividiu os familiares. Porta-voz das famílias, Nelson Marinho vem lutando para que sejam resgatados, identificados e devolvidos às famílias.

'Queremos os restos mortais para que possamos finalizar a vida, para que possamos fazer um enterro para nossos entes queridos e ter um lugar para visitar', diz. A notícia do resgate de mais corpos nos últimos dias deixou-o extremamente ansioso: 'Todo mundo pensa que o seu (parente) vai estar entre eles, mas na verdade ninguém sabe'.

Temores

Outras famílias prefeririam que os corpos fossem mantidos onde estão. A advogada Julienne Owondo, de 28 anos, perdeu o pai, Joseph Owondo, advogado da ONU. Ela teme ter que voltar a tomar remédios se o corpo for encontrado, como fez na época do acidente.

'Se encontrarem, vai reavivar tudo. É uma coisa que não se fecha. Eu prefiro não saber. Eu vou ficar muito mal e não vou conseguir me concentrar nas coisas que tenho que fazer. Posso ter que voltar a tomar medicamentos. No início eu tomei, porque não tinha condição nenhuma', conta.

Sylvie Mello diz que sua família quer que 'os deixem quietos'. 'Até porque, no nosso caso, são dois. A gente não quer só um', diz.

Ela afirma que ficou horrorizada ao ouvir um perito afirmando que talvez não fosse possível fazer o teste de DNA das vítimas. 'Se não for possível a identificação, então quem é essa pessoa, o que vai ser feito com o corpo? Não vai poder entregar para a família?', questiona.

Ela se arrepia também com as notícias sobre o transporte dos corpos. 'Acho desumano veicular notícias de que os corpos estão sendo desmembrados. É como se fossem uma mala que abriu, e caiu uma peça. São as pessoas que pegaram o avião querendo chegar ao seu destino, uns de férias, outros a trabalho, outros para iniciar nova etapa da vida.'

Mas iniciar uma nova etapa da vida é difícil sem um desfecho para o sofrimento, e por isso a jornalista Renata Mondelo Mendonça, de 40 anos, se considera 'afortunada'. O corpo de seu marido foi encontrado na primeira fase de buscas, nos dias após o acidente. 'Eu pude enterrá-lo e achei importante finalizar, ter um lugar para rezar. Mas entendo os dois lados. Revisitar a dor é muito difícil.'

Fonte: BBC via G1