quinta-feira, 19 de maio de 2011

Justiça condena controlador por acidente do voo 1907 em MT

Controlador teve suspenso temporariamente o exercício da profissão.


No início da semana, juiz havia condenado os pilotos do Legacy.

Controladores envolvidos no acidente da Gol

O juiz federal Murilo Mendes, da Vara de Sinop, a 503 km de Cuiabá, condenou um controlador de voo e absolveu o outro no processo que apura as responsabilidades no acidente que matou 154 pessoas no norte de Mato Grosso. O acidente entre o jato Legacy e Boeing da Gol aconteceu em setembro de 2006. A decisão ainda cabe recurso no Tribunal Regional Federal (TRF).

O controlador de voo Lucivando Tibúrcio de Alencar foi condenado a três anos e quatro meses de prisão em regime aberto. A pena foi convertida à prestação de serviços comunitários e a suspensão temporária do exercício da profissão. Já o controlador Jomarcelo Fernandes dos Santos foi absolvido da acusação. Na Justiça Militar, o Jomarcelo foi condenado, em outubro de 2010, a um ano e dois meses de detenção, por homicídio culposo (sem intenção).

No inicio da semana, o mesmo juiz de Mato Grosso condenou os pilotos norte-americanos Joseph Lepore e Jan Paul Paladino, que pilotavam o jato Legacy a quatro anos e quatro meses de prisão. Mas a pena também foi revertida em prestação de serviço comunitário nos Estados Unidos.

Controladores

O sargento Lucivando trabalhava no Cindacta em Brasília no dia 29 de setembro de 2006, quando aconteceu o acidente envolvendo as duas aeronaves.

No despacho, o juiz destaca que o crime foi culposo ao determinar a suspensão temporária dele da função de controlador. “Nada indica um histórico de negligência de Lucivando. A perda definitiva do cargo seria uma pena muito severa para pessoa que cometeu um erro. Para quem cometeu um crime não intencional,“ explicou o juiz.

O magistrado de Mato Grosso destaca ainda que a pena do controlador poderá ser substituída por prestação de serviço comunitário à comunidade. Já o segundo controlador, Jomarcelo Fernandes dos Santos, foi absolvido da acusação.

Condutas

Lucivando foi o controlador que não programou em seu console as chamadas frequências auxiliares. Isso teria dificultado o contato entre Legacy e o Centro de Controle. Os pilotos chegaram a fazer 12 contatos. “O que se exigia dele era que cumprisse o dever mínimo de selecionar, no console, as frequências indicadas para o setor. E isso ele não fez”, escreveu o juiz em sua decisão.

Já Jomarcelo não teve a habilidade mínima de controlador. O juiz explica que ele não tinha experiência (apenas nove meses na função) e nem sabia falar inglês, um requisito mínimo para a função. No despacho, o juiz federal fez questão de destacar o que disse um sargento experiente, que era responsável pela formação dos profissionais, sobre Jomarcelo: “era controlador que para mim não tinha condições de ser controlador”.

“Não se poderia, pois exigir, de Jomarcelo, mais do que ele fez. Pelas suas notórias deficiências, só se pode agradecer por ele não ter errado com muito mais freqüência. Se é que não errou mesmo”, justificou o juiz, destacando que o problema foi da formação recebida pelo piloto e não dele diretamente.

Condenação militar

No caso da Justiça Militar, o sargento Jomarcelo Fernandes dos Santos foi condenado, em outubro de 2010, a um ano e dois meses de detenção, por homicídio culposo (quando não há intenção de matar). Os outros quatro controladores – João Batista da Silva, Felipe Santos Reis, Lucivando Tibúrcio de Alencar (condenado nesta quinta-feira) e Leandro José Santos de Barros – foram absolvidos. Eles haviam sido denunciados pelo Ministério Público Militar (MPM) por negligência e por deixar de observar as normas militares de segurança.

Pilotos

Além da prestação de serviços nos EUA, os pilotos norte-americanos tiveram os documentos de habilitação para voo suspensos pelo período da condenação. O juiz federal afirmou, em seu despacho, que houve negligência por parte dos pilotos em relação à falta de verificação do funcionamento do transponder (equipamento da aeronave que passa aos controladores de voo no solo informações como a altitude, velocidade e direção do avião) e do TCAS (que informa ao piloto a existência de outras aeronaves nas proximidades).

O Ministério Público Federal informou que deve recorrer das decisões que condenaram tanto o controlador quanto os pilotos do Legacy.

Fonte: Ericksen Vital (G1) - Foto: Andre Dusek/AE

Foto do Dia

Clique sobre a foto para ampliá-la

Caça Hornet da Força Aérea da Suiça em voo de demonstração sobre o Aeroporto Cambrai-Niergnies em foto tirada em 15 de maio de 2011.

Foto: Jonathan Derden (jderden77)

Após acidente, presença de urubus preocupa no Aeroporto de Ribeirão Preto (SP)

Para piloto, descaso com a questão ambiental é principal razão dos riscos


Um acidente registrado por uma companhia aérea de Ribeirão Preto no início desta semana, deixou em alerta o perigo de graves acidentes na região do Aeroporto Leite Lopes. Um pedaço de turbina de titânio - material muito mais resistente que o aço - ficou destruído depois do choque entre o animal e um avião. Pássaros colocam em risco os pousos e decolagens no local.

Os terrenos ao lado do aeroporto acumulam lixo, animais mortos e atraem uma grande quantidade de urubus que vão atrás de comida. Os moradores já se acostumaram com o bando vasculhando o lixo. O problema é que a área fica bem ao lado do aeroporto Leite Lopes, com trânsito intenso de aeronaves.


Nos quatro primeiros meses do ano, o aeroporto registrou mais de 16 mil voos. Nelson Oliveira, presidente do aeroclube está preocupado. “A presença dos urubus é muito perigosa e já é corriqueira. Estamos propensos a um desastre. Se um urubu entrar na turbina, pode derrubar um avião”, contou.

Para o piloto agrícola José Paulo Garcia, o descaso com a questão ambiental no crescimento das cidades é a principal razão dos riscos em áreas vizinhas aos aeroportos. “As cidades estão crescendo demais e não foi feito um estudo de impacto ambiental e destinação de lixo. O urubu vem no lixo orgânico e esses locais estão servindo de alimento para eles”, lamenta José.

Outra preocupação é com a altura dos voos agrícolas, que são baixos e por isso, estão propensos a choques com as aves “A aviação agrícola é feita abaixo de 500 pés, justamente o nível que os urubus voam. O risco de acidentes é grande”, confirma José.

A assessoria de imprensa do Daesp afirmou que no início do ano encaminhou um ofício para a prefeitura pedindo providências na questão do lixo descartado de forma irregular no entorno do aeroporto.

Em nota, a assessoria da prefeitura informou que nesta quinta-feira (19), uma equipe deve iniciar a limpeza do local e que pode haver mudanças na legislação para aumentar o valor da multa emitida às pessoas que jogam lixo nesses terrenos.

Fonte: EPTV

Pilotos do voo 447 teriam evitado zonas de turbulência, diz jornal

Causas do acidente serão conhecidas no fim de junho, diz ministro francês.

Acidente com Airbus da Air France matou 228 sobre o Atlântico em 2009.

O exame das caixas-pretas do voo 447 mostra que os pilotos da Air France teriam evitado zonas de turbulência, disse nesta quinta-feira (19) o jornal francês "Le Parisien", citando fontes da investigação sobre o acidente que matou 228 pessoas.

Uma primeira leitura das caixas-pretas do A330 da Airbus que caiu em 2009 no Oceano Atlântico indica que "não houve uma disfunção maior" da aeronave, o que não significa que não tenham ocorrido "disfunções menos importantes", disse na véspera um diretor do BEA, órgão francês que investiga as causas do acidente.

"A primeira leitura não evidenciou uma disfunção maior, como uma interrupção elétrica total, dos motores ou dos alarmes que fosse incompreensível para os pilotos", explicou à France Presse Alain Bouillard, diretor de investigações técnicas do acidente aéreo do Escritório de Investigações e Análises (BEA).

Bouillard disse que isto não significa que "não pode ter havido disfunções menos importantes".

Na segunda-feira, uma nota interna enviada pela Airbus a seus clientes conhecida como AIT (Accident Information Telex) afirmava que as "análises preliminares" de uma das caixas-pretas do A330 não indicavam que a fabricante precisasse fazer "recomendações imediatas" às companhias aéreas.

Informações publicadas na imprensa francesa na terça-feira destacam que a análise das caixas-pretas do avião parecia deixar a Airbus de fora da questão, embora o BEA tenha dito em um comunicado que esta avaliação era sensacionalista e precipitada.

Causas do acidente do voo 447 saem só no final de junho, diz França


As causas e responsabilidades do acidente do voo AF447 da Air France que caiu no Atlântico quando realizava a rota Rio-Paris, em junho de 2009, serão conhecidas no "final de junho", após o exame das caixas pretas, disse nesta quinta-feira (19) o secretário francês dos Transportes, Thierry Mariani.

"Penso que saberemos no final de junho", declarou Mariani à emissora France Info. Até o momento, as previsões apontavam para uma solução durante o verão (inverno no Brasil).

As caixas-pretas foram recuperadas no início de maio, no fundo do Oceano Atlântico e, na segunda-feira passada, foi divulgado que as informações estavam em condições de leitura.

Desde então, circulam numerosos rumores sobre a responsabilidade do acidente. A BEA, órgão francês que investiga o acidente, disse que as informações divulgadas até agora são precipitadas e sensacionalistas.

"Há interesses enormes em jogo: um fabricante de aviões (...), uma companhia aérea, famílias das vítimas", destacou Mariani.

"Há várias centenas de parâmetros e embora a imensa maioria já tenha sido examinada, as conclusões sobre o ocorrido só poderão ser apresentadas quando todos eles tiverem sido avaliados", acrescentou.

Fontes: G1 / AFP / Globo News

Queda de avião com 22 pessoas não deixa sobreviventes na Argentina

Aeronave da Sol Airlines caiu na Patagônia, no sul do país.

Avião cumpria a rota entre as cidades de Neuquén e Comodoro Rivadavia.


As autoridades argentinas informaram, no início da madrugada desta quinta-feira (19), que a queda do voo 5428 da Sol Airlines não deixou sobreviventes. Um avião operado pela companhia, com 22 pessoas a bordo, caiu na região sul do país, na Patagônia, na noite desta quarta (18).

Foto da aeronave pouco antes da partida de Córdoba. A foto foi tirada pela passageira Agostina Piana, que desceu em Mendonza e escapou da morte

“Não há sobreviventes”, afirmou Horacio Farré, porta-voz da companhia aérea. “É uma situação complicada, dolorosa. Não há sobreviventes”, confirmou Mabel Yahuar, prefeita de Los Menucos, cidade ao sul da província de Rio Negro, a 35 km do local onde foram encontrados os destroços do avião da Sol.

Ismael Alí, diretor do hospital de Los Menucos, também confirmou que ninguém sobreviveu ao acidente aéreo. Ele informou ao canal “C5N” que tudo o que restou da aeronave “são pedaços carbonizados”. “Não encontramos ninguém com vida”, disse o médico.

As primeiras equipes de resgate que chegaram ao local da queda do voo 5428 da Sol partiram de Los Menucos.

Sala Vip do Aeroporto de Neuquén, na Argentina, começa a receber familiares de pessoas que estavam no voo 5428 da Sol, que caiu no sul do país - Foto: Regules Yamil/Reuters

Não há ainda informações sobre as causas da queda do avião. Autoridades da Aeronáutica informaram que, no momento do acidente, sopravam ventos fortes, a temperatura estava abaixo de zero e o céu estava nublado, mas não havia chuvas.


A aeronave, o Saab 340A biturbo, prefixo LV-CEJ, desapareceu no trajeto entre as cidades de Neuquén e Comodoro Rivadavia, a 1.800 km a sudoeste da capital, Buenos Aires. A região do acidente fica ao sul da turística cidade de Bariloche, junto à cordilheira dos Andes.


Segundo a companhia aérea, o voo 5428 cumpria a rota Córdoba-Mendoza-Neuquén-Comodoro Rivadavia, decolou de Neuquén às 20h08 (locais) e emitiu um sinal de emergência às 20h50 (locais), sumindo dos radares. O trecho seria voado em 1h50 e o combustível seria suficiente para três horas de voo.

De acordo com nota divulgada no portal da companhia aérea Sol (www.sol.com.ar), a aeronave transportava 22 pessoas: 18 passageiros adultos, um menor e três tripulantes - dois pilotos e uma aeromoça. Uma lista de passageiros e tripulantes foi divulgada.

Ainda há patrulhas, equipes de resgate e ambulâncias na região do acidente, segundo as autoridades.

A companhia aérea Sol colocou à disposição um número exclusivo de telefone para atender aos familiares das pessoas que estavam no voo: 0810.122.7765

As agências internacionais de notícias informam que uma testemunha disse ter visto uma “bola de fogo caindo em uma zona desértica” pouco depois de o avião emitir um alerta de emergência. A região é conhecida por Prahuaniyeu.

De acordo com a prefeita de Los Menucos, Isabel Yahuar, na região não há sinal para telefone celular. “É uma zona desabitada, faz muito frio e as condições de resgate são difíceis”, disse.

Fontes: G1 (com informações das agências de notícias Efe, France Presse e Reuters) / ASN / Clarín

Veja vídeo sobre o acidente nos EUA

Veja mais imagens do acidente com o Boeing nos EUA



Fotos: KABC Photo / Sky News / AP / AFP

Avião da Marinha dos EUA cai logo após decolagem e fere 3 na Califórnia

Acidente ocorreu na base naval de Point Mugu, em Ventura.

Boeing 707 pegou fogo, e ainda não se conhecem os motivos da queda.


Um avião de abastecimento da Marinha dos EUA acidentou-se logo após decolar da base naval de Point Mugu, em Ventura, no sul da Califórnia, nesta quarta-feira (18).

Os três tripulantes escaparam com ferimentos leves, segundo um porta-voz da base.

O Boeing 707-321B, prefixo N707AR, da empresa Omega Air Refueling, caiu às 20h25 locais (21h25 de Brasília), perto da praia, e foi tomado pelas chamas, provocando muita fumaça.

Ainda não se sabiam os motivos do acidente.

Fontes: ASN / G1, com agências internacionais - Fotos: AP / AFP

quarta-feira, 18 de maio de 2011

Ônibus espacial Endeavour chega à Estação Espacial Internacional

Nave se acoplou ao posto orbital às 7h15 desta quarta-feira (18).


Veículo deve retornar à Terra no primeiro dia de junho.

Endeavour durante acoplagem à Estação Espacial Internacional
 
O ônibus espacial Endeavour, penúltimo a ser aposentado pela agência espacial norte-americana (Nasa), chegou à Estação Espacial Internacional (ISS, na sigla em inglês) nesta quarta-feira (18), às 7h15 (horário de Brasília). A nave participa da missão STS-134, que levou seis astronautas ao posto orbital.

A acoplagem aconteceu quase 48 horas depois da decolagem. Quando as escotilhas entre o veículo e o posto orbital foram abertas, os astronautas das duas equipes se encontraram, com os italianos Roberto Vittori (Endeavour) e Paolo Nescoli (ISS) fazendo as recepções iniciais.

A missão STS-134 é importante pois transporta um detector de partículas chamado Espectrômetro Alfa Magnético-2 (AMS-2, na sigla em inglês), que será usado para identificar matéria incomum no Universo.

Depois de seis dias de interação entre as duas equipes, três astronautas da ISS deixarão o posto a bordo do veículo russo Soyuz TMA-20. Já a tripulação da Endeavour deve retornar à Terra somente no dia 1º de junho, pousando no Centro Espacial Kennedy. O destino final da nave será a exposição no Centro de Ciências da Califórnia, em Los Angeles.

Fonte: G1 - Foto: NASA

Testes de DNA permitem identificar vítimas do AF 447, diz França


Os resultados dos testes para extrair o DNA das duas vítimas resgatadas do voo AF 447 da Air France são positivos, o que irá permitir a identificação dos corpos e também a continuidade das operações para retirar novos restos mortais do Atlântico, disse à BBC Brasil a direção-geral da polícia militar francesa.

Esses resultados para tentar extrair o DNA dos ossos de duas vítimas resgatadas no início de maio eram cruciais para determinar se haveria ou não a retirada de novos corpos do fundo do mar.

A Justiça francesa havia informado às famílias das vítimas na semana passada que se os corpos não pudessem ser identificados, não haveria novos resgates.

Segundo a polícia militar francesa, encarregada pela Justiça do resgate dos corpos, os testes revelaram que é possível tecnicamente extrair o DNA para identificar as vítimas, mas a identificação dos dois corpos retirados do Atlântico ainda não foi realizada.

"Não houve ainda nenhuma comparação com os dados genéticos de parentes", disse à BBC Brasil um porta-voz da direção da polícia militar.

Material genético

Em uma entrevista recente à BBC Brasil, o diretor do Instituto de Pesquisas Criminais da França, coronel François Daoust, havia dito que os especialistas franceses ainda não dispõem dos dados genéticos dos familiares brasileiros para realizar a comparação com o DNA que será extraído dos corpos resgatados.

Os legistas franceses dispõem no momento apenas do material genético das vítimas europeias.

Segundo Daoust, caberá à Interpol solicitar às autoridades brasileiras o DNA dos parentes das vítimas brasileiras.

O navio francês Ile de Sein, que havia deixado a área de buscas no Atlântico na última sexta-feira para retornar a Dacar, no Senegal, a fim de efetuar a troca da tripulação, deixa novamente o porto de Dacar nesta quarta-feira rumo à costa brasileira, informa a polícia militar.

O navio deverá chegar à área onde foi localizada a fuselagem, a 1,1 mil quilômetros da costa brasileira, no dia 21 de maio, e as novas operações de resgate dos corpos deverão durar 15 dias, segundo a polícia militar.

Resgate condicionado

Mas a polícia militar francesa disse à BBC Brasil que apenas os corpos que "tecnicamente" puderem ser retirados do oceano, que não sofram degradações ainda maiores ao serem levados à superfície, serão resgatados.

A Justiça francesa já havia informado às famílias que os corpos que estiverem muito deteriorados não seriam levados à superfície "para preservar a dignidade das vítimas e em respeito às famílias".

O diretor da Associação dos Familiares das Vitimas do Voo Air France 447, Maarten Van Sluys, disse nesta quarta-feira que com a confirmação da possibilidade de identificar as vítimas, a entidade irá exigir a retirada da totalidade dos corpos localizados.

Segundo ele, os critérios de conservação evocados pelas autoridades francesas são "subjetivos e inexplicáveis". "Dignidade e respeito significa atender a essa expectativa das famílias", diz Sluys.

Como os resultados dos testes de DNA foram positivos, haverá um reforço da equipe de especialistas do Instituto de Pesquisas Criminais a bordo do Ile de Sein.

Segundo Daust, a equipe terá mais quatro integrantes, totalizando oito especialistas, entre legistas e peritos em identificação, para realizar as operações de resgate dos corpos, que estão a 3,9 mil metros de profundidade.

Segundo o coronel Xavier Mulot, da direção da Polícia dos Transportes Aéreos, que conduz as investigações judiciárias, cerca de 50 corpos foram localizados na área dos destroços do avião, que caiu no Atlântico em 31 de maio 2009, com 228 pessoas a bordo.

Fonte: BBC Brasil via UOL Notícias

Peritos apontam vários erros no desastre de 2008 em Madrid


É possível que a queda do avião da Spanair em agosto de 2008, no aeroporto de Barajas, Madrid, pudesse ter sido evitada. A constatação é do ministro do Fomento, José Blanco, perante as conclusões dos peritos designados por um juiz para investigarem o desastre que causou a morte a 154 pessoas, originado por uma sucessão de falhas técnicas e erros humanos.

Antes de partir, quando já se encontrava na pista de descolagem, o avião registou um aquecimento excessivo do aquecedor da sonda RAT, que mede a temperatura exterior, e teve de regressar ao terminal para ser examinado. Os mecânicos abriram o disjuntor do circuito eléctrico e despacharam a aeronave, seguindo os guias técnicos. Mas fizeram-no mal: "o pessoal da manutenção não chegou a identificar a causa da avaria e despachou o avião incorrectamente, apoiando-se no ponto 30.8 da MEL", ou seja, os mecânicos cumpriram os procedimentos mínimos exigidos por um manual "que está escrito de uma forma que induz em erro ou incerteza na actuação da manutenção, em relação à forma como se deve actuar no que respeita a avarias de aquecimento da sonda RAT em terra".

Esta conclusão consta do relatório dos peritos ao qual o El País teve acesso. O mesmo documento aponta para a "existência de várias causas que deram lugar, simultânea e sequencialmente" ao desastre. De acordo com o jornal, algumas dessas causas já tinham sido apontadas no relatório preliminar da Comissão de Investigação de Incidentes e Acidentes de Aviação Civil (CIAIAC): os pilotos não estenderam os flaps, não realizaram correctamente as listas de verificação, o sistema de aviso TOWS falhou e "não alertou a tripulação de que a configuração a descolagem não era a adequada".

Por seu lado, o os peritos apontam o dedo ao fabricante e às autoridades de supervisão da segurança na aviação. Estes lembram que "a história de acidentes originados pela configuração inadequada para a descolagem (flaps/slats recolhidos) não tinha dado lugar, até à data do acidente do JK5022, a medidas correctoras adequadas e suficiente por parte das autoridades aeronáuticas (espanhola, europeia e dos EUA) nem do fabricante do avião [Boeing] para resolver o problema".


Fonte: www.dn.pt

Índia recusa caças americanos e contraria o governo Obama


A relação entre EUA e Índia, cultivada por Washington para contrabalançar a ascensão da China, foi estremecida com a decisão de Nova Déli de descartar os jatos militares americanos F18 (foto acima) em sua nova aquisição de caça-bombardeiros.

O embaixador americano em Déli, Thimothy Roemer, se disse "profundamente decepcionado". O anúncio veio cinco meses depois da visita em que o presidente Barack Obama apoiou a candidatura indiana a uma cadeira permanente no Conselho de Segurança da ONU.

O caso tem semelhança com a disputa para a encomenda dos 36 novos caças da FAB (Força Aérea Brasileira). O F18 da Boeing é um dos três finalistas nessa concorrência, com o Rafale francês e o Gripen sueco.

Na Índia, serão adquiridos 126 bombardeiros. O país é tradicional comprador de armas da Rússia, mas o MiG-30 russo também foi descartado e a disputa será decidida entre o Rafale e o Eurofighter Typhoon, desenvolvido por Alemanha, Reino Unido, Itália e Espanha.

Em artigo para a Al Jazeera, o ex-chanceler indiano Shashi Tharoor lista duas razões para a eliminação do F18 da competição.

O Rafale e o Typhoon teriam superioridade tecnológica e se adaptariam melhor às condições de clima e topografia da Caxemira - disputada com o Paquistão e um dos possíveis locais de utilização dos jatos.

Além disso, os EUA seriam um parceiro pouco confiável para a transferência de tecnologia e o suprimento de peças. "O país já suspendeu encomendas contratadas, impôs sanções contra amigos e inimigos (incluindo a Índia) e voltou atrás na entrega de produtos militares", escreve Tharoor.

O mesmo motivo é alegado pelos que se opõem à compra do F18 pelo Brasil. A Embraer foi impedida de vender seu Super Tucano à Venezuela porque o avião tem peças americanas.

Além de excluídos da concorrência dos caças, os EUA enfrentam dificuldade para concluir a venda à Índia de reatores para energia nuclear. Os americanos querem ser excluídos de responsabilização criminal em caso de acidentes.

Fonte: Claudia Antunes (Folha.com) - Foto: US Navy

Museu TAM resgata aeronave da VASP

Boeing 737 da extinta companhia aérea, o primeiro desse modelo a voar no Brasil, terá sua história preservada no interior de São Paulo.


O Museu TAM (www.museutam.com.br), em breve, terá o Boeing 737-2A1 (PP-SMA) da extinta companhia aérea VASP em seu acervo. “Há muito tempo somos cobrados para salvar as aeronaves que se deterioram lentamente em alguma praça ou aeroporto. O maior apelo sempre foi para o Boeing 737 da VASP, que foi o primeiro desse modelo a voar no País. Estamos orgulhosos por poder restaurar e preservar essa peça tão valiosa para a aviação comercial brasileira”, comemora João Francisco Amaro, presidente do Museu TAM.

A aeronave deve ser removida do aeroporto de Belo Horizonte/Confins ainda neste ano e transportada até o Museu por via rodoviária. “Ainda não sabemos como a restauração será feita nem quanto tempo vai durar, mas já podemos convocar como voluntários os antigos mecânicos da VASP para nos ajudar nesta gigantesca tarefa”, declara João Amaro.

O Museu TAM-Localizado em São Carlos, no interior paulista, o museu é a realização do sonho dos irmãos Rolim e João Amaro de preservar a história da aviação.

A coleção do Museu TAM, que reúne o maior acervo de aviação do mundo mantido por uma companhia aérea, começou com duas aeronaves: um Cessna 140 e um Cessna 195. Hoje, já são mais de 70 aviões em exposição, sendo que dois chegaram há pouco tempo. É o caso do Hawker Siddeley HS-125 (bimotor a jato doado pela FAB – Força Aérea Brasileira) e do Roloff-Unger RLU-1 Breezy Pusher (réplica do famoso ultraleve norte-americano montado nas oficinas do Museu TAM).

Além das aeronaves, são atrações o espaço TAM Kids, o simulador de voo, a área que explica o funcionamento dos equipamentos que impulsionam os grandes jatos, os 60 uniformes antigos da aviação, e o espaço Rolim, que conta a história e a trajetória da TAM e de seu fundador. O museu (Rodovia SP 318, km 249) tem ainda um auditório utilizado para palestras, conferências e eventos culturais.

Funcionamento

Quarta-feira a domingo, das 10h às 16h (entrada autorizada até as 15h).Coordenadas para quem quiser ir de avião: Latitude 21º 52´ 35´ ´ S e Longitude 047º 54´ 12´ ´ W. Ingressos: R$ 25, com meia entrada de R$ 12,50 para estudantes e idosos de 60 a 65 anos. Idosos a partir de 65 anos e crianças até 6 anos não pagam. Aceitam-se cartões de crédito (American Express, Diners, Mastercard e Visa) e cartões de débito. Contato: (16) 3306-2020. Estacionamento e wi-fi gratuitos.

Fontes: Portal Fator Brasil / Site Desastres Aéreos - Foto: SkyLiner

MAIS

Veja matéria especial deste Blog sobre Aviões abandonados nos aeroportos brasileiros.

De olho em caças, sueca Gripen abre Centro de Pesquisa de US$ 50 mi


A Saab, fabricante sueca dos caças supersônicos Gripen, inaugura hoje em São Bernardo o CISB (Centro de Pesquisa e Inovação SuecoBrasileiro), no bairro Nova Petrópolis. O laboratório de engenharia receberá investimento de US$ 50 milhões nos próximos cinco anos para desenvolver pesquisas ligadas a tecnologia aeroespacial e em áreas como desenvolvimento urbano e ambiental. Outra promessa dos suecos é facilitar obtenção de recursos junto a bancos e financiadoras tanto do Brasil quanto do exterior.

A verba nos próximos anos pode crescer se a empresa vencer a concorrência na compra pelo governo brasileiro dos caças supersônicos. A multinacional disputa o contrato para o fornecimento do novo avião de combate da FAB (Força Aérea Brasileira) com outras duas concorrentes: a americana Boeing, fabricante do caça FA-18 Super Hornet, e a francesa Dassault, fabricante do Rafale. A presidente Dilma Rousseff já anunciou, porém, que a decisãoficará para o próximo ano.

Estrutura

O centro de pesquisas de São Bernardo possui hoje 40 engenheiros e contará com o apoio de universidades, como o ITA (Instituto Tecnológico de Aeronáutica) e a UFABC (Universidade Federal do ABC), e parceiros interessados nas pesquisas, como a empresa de transportes Volvo e a siderúrgica Vale.

Os projetos-piloto começam a ser apresentados hoje aos apoiadores por representes suecos e da Prefeitura de São Bernardo (veja alguns já divulgados ao lado).

O CISB foi anunciado no final no ano passado, depois de visita do prefeito Luiz Marinho ao parque tecnológico de Estocolmo e o Grupo Saab, na cidade sueca de Linköping.

Fonte: Metro via eband - Foto: André Americo/Metro

Começa a sair do papel memorial por vítimas de tragédia da TAM

Após 4 anos do maior acidente da aviação brasileira, monumento vai ser anunciado em julho e construído no exato local onde ocorreu a colisão da aeronave, na Avenida Washington Luiz

Depois de quase quatro anos, as vítimas do maior acidente da aviação brasileira devem receber a homenagem que as famílias esperam há muito tempo: a Praça Memorial 17 de Julho será o marco da tragédia do voo JJ 3054 da TAM, cujo avião explodiu ao bater em um prédio da empresa no Aeroporto de Congonhas, zona sul de São Paulo.

Fundações: funcionários da Prefeitura testam solo da praça

O projeto deve ser oficialmente anunciado pela Prefeitura no aniversário do acidente, em dois meses. O memorial será construído no ponto exato da colisão do avião, na Avenida Washington Luiz, 7.305, no Campo Belo.

O escritório que venceu a licitação é o Moara Projetos e Gerenciamentos, da arquiteta Maria de Lourdes Carvalho. Da janela de seu apartamento em Moema, ela acompanhou os clarões do incêndio da tragédia e o cheiro da fumaça.

A arquiteta diz que desejou, desde o começo, desenvolver o projeto, sem se importar com quanto renderia financeiramente. "Seria minha contribuição. Como ser humano, para confortar os que sofreram. Como profissional, para realizar uma intervenção urbana importante em um cenário de tristeza para todos nós", conta Maria de Lourdes.

A licitação foi vencida com um projeto orçado em R$ 86 mil. A ideia da arquiteta é fazer do terreno de 8,3 mil metros quadrados uma grande esplanada, com alguns bancos espalhados e cercada por um muro arredondado de pouco mais de um metro de altura. "Será um espaço de contemplação, quase um jardim japonês", explica.

Luzes

No piso da esplanada serão embutidos 199 pontos de luz, representando o número de vítimas do acidente. A iluminação poderá ser vista de qualquer parte da esplanada. Uma amoreira, a única coisa que restou no local, será preservada a pedido dos familiares, que a consideram um elemento de vida resistente ao incêndio. No entanto, a árvore precisa de cuidados especiais. A planta está fragilizada e deve passar por tratamento com um agrônomo.

Ao redor da amoreira, haverá um espelho d"água. Como o terreno tem um desnível, a área onde está a árvore é mais silenciosa, com o barulho dos aviões que passam por Congonhas ao longe. Nas laterais da praça, serão preservadas árvores já existentes e plantadas outras, completando o trabalho de paisagismo.

Respeito

Segundo Lourdes, cada detalhe respeita o desejo dos familiares das vítimas, expressado em reuniões com o governo municipal.

"Depois de muitas divergências, definiu-se por transformar o lugar em algo agradável aos olhos. Projetos maiores seriam complicados. Como um pai que perdeu a filha, fico contente com o resultado", diz Christophe Haddad, um dos integrantes da Associação de Familiares e Amigos das Vítimas do Voo TAM JJ3054.

O próximo passo é a licitação para a construção da obra, ainda sem data definida. O objetivo, segundo a Assessoria de Imprensa da Prefeitura, é que isso ocorra o mais rapidamente possível.

Clique sobre a imagem para ampliá-la
Fonte: Suzane G. Frutuoso - O Estado de S.Paulo - Foto: Filipe Araujo/AE

Embraer participa de feira de aviões na Europa

A Embraer participa desde ontem (17), na Suiça, da 11ª Convenção e Mostra de Aviação Executiva Européia (EBACE). A Empresa exibirá quatro jatos: o Phenom 100, o Phenom 300, o Legacy 650 e o Lineage 1000.

O mais recente modelo em escala real do Legacy 500, da categoria midsize, também estará sendo exibido no local. Segundo a Embraer, o primeiro vôo da aeronave deve ocorrer no segundo semestre de 2011.

Em 2010, a empresa entregou 145 jatos executivos, um aumento de 18,9%. Na feira, a empresa espera realizar novos negócios no continente europeu.

Novidade

A Embraer e a APG (Aircraft Performance Group) anunciaram uma parceria para desenvolver o aplicativo para iPad, iPreFlight, que poderá ser utilizado nos jatos executivos Phenom 100 e Phenom 300.

O software permite aos operadores executar funções como: otimizar a carga paga da aeronave para cada pista utilizada, calcular o desempenho de decolagem, acessar informações meteorológicas, entre outras.

Fonte: UOL Economia

Avião solar realiza primeiro voo internacional

Um avião experimental movido totalmente a energia solar realizou seu primeiro voo internacional na sexta-feira (13).





O piloto Andre Borschberge o líder da equipe do Solar Impulse, o suíço Bertrand Piccard conversam antes do voo

O aparelho chamado Solar Impulse ("Impulso Solar", em inglês) saiu do aeroporto de Payerne, na Suíça, em direção a Bruxelas, na Bélgica.

A viagem de doze horas é um teste para a capacidade do Solar Impulse de fazer percursos usados por aviões comerciais.

No ano passado, a aeronave já bateu o recorde de maior tempo de voo obtido por um avião movido a energia solar, ficando no ar por 26 horas, 10 minutos e 19 segundos.

O Solar Impulse, que tem capacidade para apenas um tripulante, já realizou diversos voos dentro da Suíça - como entre os aeroportos de Genebra e Zurique, por exemplo.

"Pilotar uma aeronave como a Solar Impulse pelo espaço aéreo europeu e pousar em um aeroporto internacional é um desafio incrível para todos nós, e o sucesso disso depende do apoio das autoridades", diz o piloto e co-criador do avião, Andre Borschberg.

Em um prazo de até três anos, a equipe do Solar Impulse planeja realizar voos transatlânticos e completar uma volta ao mundo, sempre em missões tripuladas.

Veja o vídeo:


Fontes: BBC Brasil via UOL Notícias / Terra - Fotos: AP / AFP / EFE

Mãe e filha são impedidas de embarcar em avião por serem "pesadas demais"

Duas mulheres americanas foram impedidas de embarcar em um avião da companhia aérea Southwest Airlines por causa do seu peso.

Kenlie Tiggeman (foto) e sua mãe, Joan Charpentier, ouviram de um funcionário da companhia, diante de outros 100 passageiros, que eram "gordas demais para voar".

A companhia aérea pediu desculpas pelo incidente, que aconteceu no domingo de Páscoa, dia 24 de abril, durante uma conexão que a mãe e a filha fariam em Dallas.

Tiggeman, uma estrategista política que mora em Nova York, contou a experiência no seu blog, em que relata suas tentativas de perder peso.

Ela, que já chegou a pesar cerca de 180 quilos, perdeu mais de 55 quilos nos últimos 2 anos com uma dieta rigorosa e uma meta de mil minutos de exercícios por mês.

"Eu estive em pelo menos 50 voos e nunca experimentei o desrespeito público, a humilhação e a discriminação flagrante a que fui submetida ontem à noite, no meu voo da Southwest Airlines", disse no blog.

Passagem extra

Segundo Kenlie Tiggeman, ela e sua mãe estavam na fila do embarque quando um funcionário da companhia aérea as abordou, dizendo que elas não poderiam embarcar sem comprar uma passagem extra.

"Eu perguntei a ele quais eram as restrições de peso da companhia aérea e ele disse que não sabia, mas que nós éramos muito pesadas para voar", disse a estrategista política ao canal de televisão americano WDSU.

A política da companhia para passageiros com sobrepeso estipula que os clientes que não cabem entre os braços dos assentos - uma distância de 43 centímetros - devem comprar uma passagem extra, para terem direito a duas cadeiras.

"Eu sei que tenho muito peso a perder, mas eu definitivamente não sou muito pesada para voar. Faço isso o tempo inteiro, em voos nacionais e internacionais, e nunca fui abordada desta maneira", afirmou Tiggeman.

No relato que faz em seu blog, ela conta que uma terceira mulher também foi abordada pelo mesmo motivo.

As três eventualmente conseguiram ocupar seus lugares no avião - sem problemas de espaço - depois da intervenção de uma supervisora da companhia.

Desculpas

De acordo com o canal WDSU, de Louisiana, Estado natal de Tiggeman e onde mora sua mãe, uma porta-voz da Southwest Airlines disse que os funcionários são treinados para falar discretamente sobre estes assuntos com os passageiros.

No entanto, mãe e filha dizem que a conversa sobre seu sobrepeso ocorreu em frente a outros 100 passageiros, e incluiu perguntas sobre o tamanho das roupas que elas usavam.

"Foi o pior dia de toda a minha vida. Eu me senti envergonhada e humilhada", disse a mãe, Joan Charpentier.

As três mulheres receberam cupons para descontos em passagens no local e desculpas dos funcionários, que foram gravadas no celular de Kenlie Tiggeman e publicadas na internet.

O relato no blog também chamou a atenção de um executivo da companhia, que entrou em contato para desculpar-se e oferecer mais cupons de desconto.

Fonte: BBC Brasil via UOL Notícias - Foto: Arquivo Pessoal

Mercado da aviação oferece oportunidades de trabalho para pessoas qualificadas

O mercado da aviação é uma área de oportunidades também para quem está de olho no futuro. Com o crescimento do setor, as empresas estão em busca de trabalhadores qualificados no interior do estado.


Fonte: Bom Dia São Paulo

Técnicos da Aeronáutica apuram causas de acidente de avião em SP

Aeronave caiu durante voo de instrução em Piracicaba.


Corpos das vítimas foram reconhecidos na madrugada desta quarta-feira.

Técnicos do Seripa foram levados de helicóptero ao local onde destroços do avião foram encontrados, em Piracicaba
 
Técnicos do Serviço Regional de Investigação e Prevenção de Acidentes Aeronáuticos IV (Seripa IV) chegaram a Piracicaba, no interior de São Paulo, nesta quarta-feira (18) para apurar as causas da queda de um avião, segundo a Aeronáutica. A aeronave fazia um voo de instrução. Entre as vítimas estão um piloto e três alunos.

Segundo o Seripa, o resultado da investigação não irá apontar os culpados pelo acidente, mas vai elaborar um relatório com recomendações de segurança. Não há prazo para a conclusão do relatório.

Os corpos das vítimas foram identificados nesta madrugada. O instrutor de voo, Job de Oliveira, de 36 anos, está sendo velado na manhã desta quarta-feira no Aeroclube de Piracicaba. O enterro deve acontecer no cemitério da Vila Rezende ainda nesta quarta.

O corpo de Jean Carlos Capelin, de 30 anos, já seguiu para São José do Rio Preto, no interior de São Paulo. O de Rodrigo Matos Gomes, de 27 anos, será levado para Recife (PE), onde mora a família, e até as 9h30 desta quarta-feira não havia sido retirado do Instituto Médico-Legal (IML) de Piracicaba. Já o corpo do aluno Diego Pereira da Costa, de 25 anos, foi retirado do IML na manhã desta quarta-feira e será levado para Taguatinga (DF).

O Aeroclube de Piracicaba afirmou que vai se responsabilizar que remoção dos destroços quando a área for liberada e que todas as despesas com o translado dos corpos será pago pelo aeroclube.

Fonte e foto: Juliana Cardilli (G1)

Técnicos da Aeronáutica apuram causas de acidente de avião em SP

Aeronave caiu durante voo de instrução em Piracicaba.

Corpos das vítimas foram reconhecidos na madrugada desta quarta-feira.

Técnicos do Serviço Regional de Investigação e Prevenção de Acidentes Aeronáuticos IV (Seripa IV) chegaram a Piracicaba, no interior de São Paulo, nesta quarta-feira (18) para apurar as causas da queda de um avião, segundo a Aeronáutica. A aeronave fazia um voo de instrução. Entre as vítimas estão um piloto e três alunos.

Segundo o Seripa, o resultado da investigação não irá apontar os culpados pelo acidente, mas vai elaborar um relatório com recomendações de segurança. Não há prazo para a conclusão do relatório.

Os corpos das vítimas foram identificados nesta madrugada. O instrutor de voo, Job de Oliveira, de 36 anos, está sendo velado na manhã desta quarta-feira no Aeroclube de Piracicaba. O enterro deve acontecer no cemitério da Vila Rezende ainda nesta quarta.

O corpo de Jean Carlos Capelin, de 30 anos, já seguiu para São José do Rio Preto, no interior de São Paulo. O de Rodrigo Matos Gomes, de 27 anos, será levado para Recife (PE), onde mora a família, e até as 9h30 desta quarta-feira não havia sido retirado do Instituto Médico-Legal (IML) de Piracicaba. Já o corpo do aluno Diego Pereira da Costa, de 25 anos, foi retirado do IML na manhã desta quarta-feira e será levado para Taguatinga (DF).

O Aeroclube de Piracicaba afirmou que vai se responsabilizar que remoção dos destroços quando a área for liberada e que todas as despesas com o translado dos corpos será pago pelo aeroclube.

Fonte: Juliana Cardilli (G1)

terça-feira, 17 de maio de 2011

MPF diz que vai recorrer da sentença que condenou pilotos do jato Legacy

Ministério Público vai aguardar ser notificado formalmente da decisão.

Pilotos foram condenados a penas alternativas pela justiça brasileira.

O Ministério Público Federal vai recorrer da sentença que condenou a 4 anos e 4 meses os pilotos Jan Paul Paladino e Joseph Lepore, do jato Legacy. Os dois pilotavam a aeronave que colidiu com o Boeing da Gol que fazia o voo 1907 e caiu no norte de Mato Grosso em setembro de 2006, matando 154 pessoas. Por meio de uma nota à imprensa, a Procuradoria da República explicou que aguarda ser notificada oficialmente da sentença para analisar a decisão do juiz federal Murilo Mendes, para ingressar com um recurso no Tribunal Regional Federal da 1ª Região.

Os advogados de defesa de Paladino e Lepore já haviam se pronunciado na manhã desta terça-feira que também devem recorrer da decisão. Eles pedem a absolvição dos pilotos. Já os advogados das famílias das vítimas do voo 1907 também disseram que pretendem recorrer, mas pelo motivo inverso: eles consideraram a pena muito branda.

O caso

Nesta segunda-feira (16), os pilotos Joseph Lepore e Jan Paul Paladino foram condenados a 4 anos e 4 meses de detenção em regime semiaberto pelo acidente. A decisão do juiz federal de Sinop, no entanto, permite que a pena seja revertida à prestação de serviços à comunidade.

Fonte: G1

Corpos de vítimas de acidente de avião são resgatados em SP

Mortos estavam em área de mata de difícil acesso em São Pedro.


Vítimas serão encaminhadas para o Instituto Médico-Legal.

Equipes da polícia e dos bombeiros trabalharam no resgate dos corpos

Os corpos dos quatro ocupantes do avião que caiu em São Pedro, a 192 km de São Paulo, foram resgatados no fim da tarde desta terça-feira (17). As vítimas foram encontradas perto dos destroços da aeronave, um Sêneca, durante a tarde em uma área de mata fechada conhecida como Morro do Cristo.

Por causa da dificuldade em acessar o local do acidente, as vítimas tiveram de ser içadas por equipes da Força Aérea e do Corpo de Bombeiros. “Os corpos foram levados [por cordas] até um helicóptero, que os encaminhou até o aeroporto”, disse o tenente da Polícia Militar Fabrício Rasera, que trabalha na base de radiopatrulha aérea de Piracicaba.

As vítimas serão encaminhadas para o Instituto Médico-Legal, onde passarão por exames. Segundo o vice-presidente do aeroclube, Tiago Beraldo, morreram três alunos e um instrutor. Os nomes não foram divulgados. Sabe-se apenas que os alunos eram moradores de Brasília, Recife e São José do Rio Preto e que o piloto vivia em Piracicaba.

Acidente

A aeronave saiu do Aeroclube de Piracicaba em direção a São José do Rio Preto às 21h de segunda-feira (16) e deveria voltar a Piracicaba às 23h, horário em que o piloto fez o último contato. Após horas de buscas, equipes da PM encontraram destroços a cerca de 40 km do município.

O clima no aeroclube era de apreensão. "Estamos estarrecidos pelos nossos colegas. Isso nunca tinha acontecido aqui no aeroclube", disse o piloto Leonardo Furlan, que ajudou nas buscas.

Fonte: Paulo Toledo Piza (G1) - Foto: Claudio Coradini/AAN

Ultraleve com casal de idosos capota em Brasília


Um ultraleve de pequeno porte, modelo Vans RV-9A, prefixo PU-RVX, capotou na manhã desta segunda-feira (16) na pista da Apub-DF (associação dos pilotos de ultraleve de Brasília), na Asa Norte de Brasília, no Distrito Federal. Um casal que estava na aeronave não teve ferimentos.

A associação informou que o acidente foi ocasionado em razão de uma falha do piloto, que tocou o ultraleve em uma faixa de areia que antecede a pista de pouso.

A aeronave foi retirada da pista por volta das 11h. No local acontecem cerca de 40 pousos e decolagens por dia.

Fonte: Folha.com

Destroços de avião são achados no interior de SP pela PM, diz capitão

Comandante do patrulhamento diz que destroços estão em São Pedro.

Resgate tenta confirmar se pedaços são de aeronave sumida em Piracicaba.

Destroços do avião Piper PA-34-200 Seneca I, prefixo PT-IFS, do Aeroclube de Piracicaba, foram encontrados por um helicóptero da Polícia Militar na tarde desta terça (17) entre os municípios de São Pedro e Águas de São Pedro, no interior de São Paulo. A PM vai até o local para saber se os pedaços são mesmo da aeronave Sêneca, que está desaparecida desde a noite de segunda-feira (16), quando decolou do Aeroclube de Piracicaba. Quatro pessoas estavam na aeronave: um piloto instrutor e três alunos.

De acordo com o capitão Paulo Mazzocatto, comandante da base de radiopatrulha aérea da PM de Piracicaba, ainda não é possível confirmar se os destroços são do Sêneca. "Teremos a confirmação até o fim do dia", disse o comandante.

O local onde os destroços foram achados fica a cerca de 40 km de Piracicaba. Segundo o diretor do aeroclube, Marcelo Kraide, existe a possibilidade de os destroços serem mesmo do Sêneca.

As buscas pela aeronave sumida e pelas quatro pessoas contam com o apoio da Aeronáutica. Dois aviões e um helicóptero da Força Aérea Brasileira (FAB) sobrevoavam a região na tarde desta terça.

Equipes de resgate que estão no helicóptero da PM tentarão descer ao local dos destroços.

De acordo com Kraide, a aeronave decolou de Piracicaba com destino a São José do Rio Preto às 21h e a previsão de retorno para o aeroclube era entre 23h e meia-noite de segunda, horário aproximado em que o piloto fez o último contato.

Aeroclube

O clima no aeroclube era de apreensão nesta terça. Por volta das 13h, algumas pessoas chegaram chorando. "Estamos estarrecidos pelos nossos colegas. Isso nunca tinha acontecido aqui no aeroclube", disse o piloto Leonardo Furlan, que ajudou nas buscas. A administração do clube não revelou os nomes das pessoas que estavam a bordo da aeronave.

Fonte: Kleber Tomaz e Paulo Toledo Piza (com informações da EPTV)

Novo dono da Fokker vai abrir fábrica em Goiás


O Brasil pode se tornar o lar da nova geração dos aviões Fokker. A empresa holandesa Rekkof Aircraft, que comprou todas as licenças e projetos da antiga Fokker, declarada falida em 1996, já assinou com o governo de Goiás os termos do contrato de instalação, na cidade de Anápolis, de uma fábrica de peças para aviões. A planta começa a ser construída em agosto e deve iniciar a produção até julho de 2014.

Num primeiro momento, os aviões serão produzidos na Holanda, com 35% das peças fabricadas no Brasil - entre elas fuselagem, asas e outros componentes. No início da operação, essas peças vão fazer parte dos primeiros 60 aviões a serem fabricados na Europa. Em 2019, no entanto, a Rekkof pretende que o primeiro avião decole da fábrica brasileira, já com 75% de nacionalização de seus componentes.

As informações são do consultor-geral da empresa e responsável pela implantação da Rekkof do Brasil, Paulo Almada. O secretário de Indústria e Comércio de Goiás, Alexandre Baldy, que participou da assinatura do protocolo de instalação da empresa, também falou da importância do projeto para o Estado e para o País e comemorou o investimento que a Rekkof Aircraft fará, da ordem de R$ 1,23 bilhão. Baldy disse que, de início, serão gerados 1,8 mil empregos diretos, que segundo ele se transformarão em pelo menos 5 mil indiretos.

Almada disse que o Brasil foi escolhido para receber o projeto "pela segurança política, econômica e jurídica que o País oferece". Antes de se decidir pelo Brasil, foram feitas negociações com outros países, como China, Turquia e Argentina.

Fonte: Tânia Monteiro (Agência Estado/jornal O Estado de S. Paulo) - Imagens: Divulgação

Mulher fotografa ônibus espacial do avião‎

Tuitou foto do último voo do ônibus espacial Endeavour e virou estrela no Twitter

O ônibus espacial Endeavour partiu ontem para sua última missao e os passageiros de um voo da Delta, que ia de Nova Iorque a Palm Beach, tiveram uma visao privilegiada do lançamento.

Stefanie Gordon, que estava no aviao, tuitou uma foto do Endeavour subindo para o espaço e em pouco tempo virou estrela no Twitter - foi contactada pela ABC, BBC, CNBC e a imagem apareceu em dezenas de jornais, sendo inclusive retuitada pela Nasa.

Um vídeo do lançamento também feito por Stefanie, postado no TwitVid, já teve mais de 250 mil visualizaçoes, veja aqui. Saiu no The Wall.

Avião desaparece durante voo de instrução em SP

Aeronave está desaparecida desde a noite de segunda-feira (16).

Força Aérea Brasileira iniciou buscas em Piracicaba.

Um avião do Aeroclube de Piracicaba, no interior de São Paulo, está desaparecido desde a noite desta segunda-feira (16) quando fazia um voo de instrução entre Piracicaba e São José do Rio Preto, no interior de São Paulo, quando desapareceu.

Duas aeronaves da Força Aérea Brasileira (FAB) começaram as buscas nos arredores de Piracicaba por volta das 11h desta terça-feira (17). O avião não havia sido encontrado até por volta das 12h20.

De acordo com o diretor do aeroclube da cidade, Marcelo Kraide, a aeronave decolou às 21h e a previsão de retorno para o aeroclube era entre 23h e meia-noite, horário aproximado em que o piloto fez o último contato. Ainda não se sabe quantas pessoas estavam a bordo.

Fonte: G1, com informações da EPTV

Novas regras protegem passageiro americano na hora de viajar de avião

A expectativa é que isso ajude a diminuir as tensões entre passageiros e empresas aéreas. As companhias terão até agosto para se adaptar.


Nos Estados Unidos, novas regras foram anunciadas para evitar um constrangimento na hora de viajar. Imagine esperar pela bagagem na esteira do aeroporto, e ela não aparece. “Isso me deixa furiosa”, diz uma mulher.

Ela não está sozinha. Só no ano passado, dois milhões de passageiros tiveram as bagagens extraviadas nos Estados Unidos. Agora o governo americano determinou que quem viaja terá direito não só a ser reembolsado pela mala perdida, mas também vai receber as taxas cobradas para despachar a bagagem que nunca chegou.

Todas as taxas cobradas na passagem, seja pela comida servida dentro do voo, pelo cobertor, travesseiro ou pela mudança na reserva, todos esses custos devem ser descriminados na página na internet das companhias aéreas. Se alguém for retirado de um voo por causa de overbooking, a compensação por este constrangimento será maior.

A companhia, além de realocar o passageiro em outra aeronave, terá de pagar para ele multa que poderá variar de US$ 800 a US$ 1,3 mil, ou seja, até R$ 2.040 dependendo de quanto tempo demorar para colocá-lo em um novo voo.

“Estamos tentando proteger os passageiros que em algumas situações são tratados com grande desrespeito”, disse o secretário de Transportes americano. Para o diretor da associação de passageiros, as novas exigências são um grande avanço.

As companhias terão até agosto para se adaptar às novas regras. A expectativa é que isso ajude a diminuir as tensões entre passageiros e empresas aéreas. Este ano, o reajuste das passagens por causa do aumento do preço dos combustíveis já deixou muito viajante de cabeça quente.

Fonte: Bom Dia Brasil

Mergulhadores tentam encontrar avião que caiu no Pará

Aeronave caiu na tarde de sábado; ainda não há notícias de sobreviventes

Cinco mergulhadores do Corpo de Bombeiros de Belém, no Pará, foram mobilizados para ajudar nas buscas ao avião acidentado no último sábado no Estado. O local onde foi encontrada parte da aeronave, no Rio Moju, é de difícil acesso e atrapalha a comunicação com os militares envolvidos na operação. Equipes de helicópteros da Força Aérea Brasileira (FAB) auxiliam os bombeiros.

No começo da tarde de sábado, um avião com três pessoas a bordo caiu a cerca de 30 quilômetros da vila Boa Esperança, no município de Breu Branco, no sudeste paraense. A aeronave havia saído às 13h da cidade de Senador José Porfírio, em direção à Ulianópolis. O avião era pilotado pelo empresário Liomar Resende, filho de um fazendeiro da região.

O Serviço Regional de Investigação e Prevenção de Acidentes Aeronáuticos (Seripa) vai realizar a vistoria que determinará as causas do acidente. Ainda não há registros de sobreviventes.

As primeiras informações do Seripa I (Serviço Regional de Investigação e Prevenção de Acidentes Aeronáuticos) dão conta de que, na aeronave - modelo Cessna C-210, matrícula PR-HSM (foto acima) -, cabem cinco pessoas. Porém, ainda não há como precisar o número exato de tripulantes nem suas identidades. Inicialmente foi divulgado que três pessoas estavam na aeronave.

Fontes: Solange Spigliatti (Central de Notícias/Estadão) / Renato Castroneves (Folha.com) - Foto: bgerman.com

Avião de pequeno porte cai e deixa 1 morto e 1 ferido em MG



Um ultraleve modelo  Dynamic WT-9, prefixo PU-PPC, caiu na manhã desta terça-feira na zona rural de Teófilo Otoni, a 450 km de Belo Horizonte (MG). Segundo o Corpo de Bombeiros, duas pessoas estavam a bordo da aeronave - uma delas morreu com o impacto.

Por volta das 11h50, equipes dos Bombeiros estavam no local e prestavam socorro ao outro ocupante da aeronave, que sofreu ferimentos graves. De acordo com a corporação, o avião caiu na fazenda Suíça II, próximo ao córrego São José, em uma área de difícil acesso.

Fonte: Terra - Foto: Elvis Passos/Diário de Teófilo Otoni

Em 2010, de cada 5 aviões vendidos, 1 era da Embraer

A Embraer tem avançado a passos largos no mercado global de aviação executiva. A fabricante brasileira já é a terceira maior do mundo nesse segmento, dominado há décadas por empresas europeias e da América do Norte. Em 2010, um em cada cinco aviões vendidos no mundo foi fabricado pela empresa brasileira e o jato Phenom 100 passou a ser o aparelho mais vendido do mundo.

Para conquistar uma fatia ainda maior do mercado e se transformar em líder até 2015, a empresa já transfere para os Estados Unidos e para a China parte de sua produção, para estar mais próxima do mercado consumidor, e internacionaliza sua cúpula, até hoje dominada por executivos nacionais. Além disso, US$ 100 milhões ainda estão sendo investidos para montar centros de atendimento para os donos desses jatos em todo o mundo.

Há 15 dias, o americano Ernest Edwards, que era responsável pela área de vendas da empresa na América do Norte e no Caribe, assumiu a vice-presidência para o Mercado de Aviação Executiva, substituindo Luis Carlos Affonso.

Com sete jatos executivos em seu portfólio, a Embraer não disfarça a dificuldade do período de crise. Na empresa, todos admitem que a crise não acabou e que uma recuperação de vendas ocorrerá apenas a partir de 2012. Mas a companhia destaca que ganhou uma nova parcela do mercado nos últimos anos. Em 2005, quando vendeu seu primeiro avião executivo de pequeno porte - o Phenom -, a Embraer tinha apenas 2,5% do mercado mundial no setor. Cinco anos depois, já são 200 Phenoms em operações, além de 99 Legacys.

As informações são do jornal O Estado de S. Paulo - Imagem: Divulgação/Embraer

Consórcio quer 'popularizar' compra de helicóptero e avião

Grupo lançado no fim do ano passado já tem 240 cotas vendidas.

Financiamento livre de juros atrai quem está disposto a gastar R$ 1,2 mi.

Dono de uma rede de escolas de ensino à distância, o empresário Denis Madureira, 40 anos, passa mais tempo viajando com sua equipe do que na cidade onde mora, Alfenas, no sul de Minas Gerais. Para encurtar distâncias, ele decidiu comprar um avião. As quatro horas que levava para chegar a São Paulo de carro foram reduzidas para 90 minutos. Agora, para livrar-se do trânsito das grandes capitais onde tem escritório e estar ainda mais cedo no seu destino, Madureira quer um helicóptero.

Denis Madureira, dono de uma empresa de ensino à distância no Campo de Marte, zona norte de São Paulo

De olho nesse público, de empresários de alto poder aquisitivo, dispostos a reduzir gastos com passagens aéreas ou mesmo chegar à casa de praia em menos tempo, empresas de consórcio já oferecem bens considerados de luxo, como aviões executivos e helicópteros. A vantagem anunciada é que, diferente das linhas de crédito disponíveis no mercado, esse modelo de compra cobra apenas taxa de administração, que reduz o valor da compra.

“A economia é muito maior comprando pelo consórcio. Só para você ter uma ideia: se seu financiasse o helicóptero, a uma taxa de juros de 1,3%, em 60 meses, pagaria uma parcela de R$ 28 mil. No final, ele sairia por R$ 1,8 milhão. Já com o consórcio, vou conseguir uma carta de crédito de R$ 1,2 milhão, pagando R$ 11 mil por mês”, disse Madureira, que tem uma cota de consórcio de um avião Cirrus e de um helicóptero Robinson, ambos de quatro lugares.

Com a proposta de “colocar os sonhos em prática, com um pouquinho por mês”, a Unilance, empresa paranaense de consórcios, especializada na oferta de bens de maior valor, lançou um grupo no final do ano passado, que hoje conta com 240 cotas vendidas de aviões e helicópteros.

“Dependendo do lugar para onde voa, quatro locações ao mês já equivalem ao preço de uma parcela do consórcio, que varia de R$ 8 mil a R$ 12 mil”, afirmou o diretor da Unilance, Caio Silva. No consórcio, há cartas de crédito para a aquisição desses equipamentos que podem ser pagas no prazo de 80 a 120 meses, com uma taxa de administração de 15% do valor.

A ideia do grupo é “popularizar” a compra de aeronaves executivas, principalmente para empresários em ascensão, já que os preços dos modelos oferecidos não ficam distantes da realidade de muitos.

“Queremos vender para aquele cara que pode ir para a Disney com seu próprio avião e nem imagina ou para aquele empresário que quer escapar do trânsito e chegar mais rápido a sua casa em Ubatuba [no litoral norte de São Paulo]. Tem muita gente ganhando dinheiro e estamos atentos a isso.” No grupo de consorciados, que terá o primeiro sorteio em meados de junho, a maioria dos participantes é de profissionais liberais, executivos e fazendeiros.

Diante da demanda por esse tipo de consórcio, que superou as expectativas da Unilance, outras empresas de avião ofereceram parcerias para que cartas de crédito para suas aeronaves também fossem vendidas. Hoje, o consórcio trabalha apenas com duas empresas norte-americanas, que têm representantes no Brasil. “O mercado de aviação ainda está engatinhando no Brasil, mas enxergamos um grande potencial. Percebemos que há um público que quer comprar seu próprio avião, que sentiu o gostinho andando em um de um amigo.”

Empresário já tem um avião e comprou mais duas cotas de consórcio para um avião e outro helicóptero

Ainda que haja muito mercado para ser explorado, principalmente pelas empresas de consórcios, o Brasil só perde para os Estados Unidos quanto ao número de aeronaves executivas. De acordo com dados da Associação Brasileira de Aviação Geral (Abag), atualmente existem 1.225 aeronaves no país, contra 17.937 nos Estados Unidos. Depois do Brasil, aparecem Canadá (1.117), México (1.035) e Alemanha (664).

A oferta de bens de elevado valor também se estende a outros tipos de máquinas, como ultraleves e barcos e até máquinas agrícolas, que chegam a custar R$ 1 milhão.

Apesar de recente, a oferta de aviões e helicópteros por meio de consórcio já anima o setor. Para o presidente da Associação Brasileira de Administradoras de Consórcios (Abac), Paulo Rossi, essa forma de pagamento começa a ganhar a preferência dos consumidores, atendendo a diferentes classes sociais. A previsão da entidade é que o crescimento de vendas de cotas, considerando todos os tipos de consórcio, seja da ordem de até 8% em 2011.

“A gente fica muito feliz que esses nichos estejam sendo explorados. O consórcio é um mecanismo de compra programada, de investimento. A melhor opção para quem comprar um avião ou um helicóptero, por exemplo, e não tiver pressa, é entrar em um consórcio.”

A demanda por esse tipo de bem, pago por meio de consórcio, pode ser consequência do momento vivido pelo país, que, ao mesmo tempo em que cresce, se vê obrigado a aumentar as taxas de juros para segurar o avanço da inflação. “Esse momento de juros altos já pode ser um reflexo das medidas de contenção de crédito. Se continuar assim, é esperado que a venda de cotas aumente ainda mais”, disse.

Fonte: Anay Cury (G1) - Fotos: Flávio Moraes/G1