terça-feira, 14 de setembro de 2010

Telescópio da Nasa flagra estrela engolindo planeta

Astrônomo, usando o Telescópio Chandra, fez a descoberta.

Astro está localizado a 1.000 anos-luz de distância do Sistema Solar.


Localização de BP Piscium, estrela similar ao Sol - Foto: X-ray (NASA/CXC/RIT/J.Kastner) / Optical (UCO/Lick/STScI/M.Perrin)

O astrônomo Joel Kastner, do Instituto Tecnológico Rochester, nos Estados Unidos, detectou uma estrela similar ao Sol que devorou outra, vizinha, em uma região do espaço na direção da constelação de Peixes.

A descoberta foi divulgada nesta terça-feira (14) pelo site do Observatório de Raios-X Chandra, ligado à agência espacial norte-americana (Nasa). Distante 1.000 anos-luz do Sistema Solar, o astro BP Piscium é uma versão mais evoluída do Sol, uma gigante vermelha.

A imagem foi montada com auxílio do telescópio Shane, do Observatório Lick, que gerou as cores verde, laranja e azul. Já o Chandra foi responsável por interpretar a informação em raios-x e transformá-la na parte em roxo da fotografia.

Quando BP Piscium devorou a estrela vizinha, um disco de poeira e gás foi formado, uma possível região de formação de exoplanetas. Por conta da dificuldade que os detritos representam à luz visível e infravermelha, o Chandra é o primeiro telescópio a detectar o astro, pois faz observações utilizando apenas raios-x.

Uma concepção artística ilustra como seria (veja imagem abaixo) a estrela BP Piscium, com o disco de poeira ao seu redor. O ato de devorar outra estrela pode estar ligado à fase de gigante vermelha, estágio final de astros como o Sol, no qual o volume aumenta conforme o combustível nuclear se esgota.

Concepção artística da estrela BP Piscium, com disco de poeira ao redor - Crédito: NASA/CXC/M.Weiss

Foram 21 horas necessárias de observação para obter a imagem, entre os dias 12 e 13 de janeiro de 2009.

Fonte: G1

NASA quer lançar foguetes sobre trilhos

Ainda às voltas com discussões sobre o modelo do foguete que deve construir para substituir os atuais e os nem-nascidos da natimorta série Constelação, a NASA está se voltando para tecnologias mais futuristas. Ou mais retrôs, dependendo do ponto de vista.

Segundo a agência espacial norte-americana, a ideia é projetar um "lançador para as estrelas", o que deverá ser possível, diz a agência, com um sistema que transforme uma série de tecnologias já disponíveis em um "gigantesco salto para o espaço."

Foguete sobre trilhos

A NASA vem testando há anos um tipo inovador de avião hipersônico em formato de cunha, chamado estatojato, ou scramjet.

Nos testes iniciais, o avião hipersônico é acelerado até sua velocidade de partida por um foguete, lançado a partir de um avião comum.

Mas a ideia agora é baratear bastante o processo, lançando a aeronave horizontalmente. Isto poderia ser feito utilizando um trem, impulsionado por turbinas comuns, por motores elétricos ou por magnetismo, como nos chamados MagLev, trens que usam um sistema de levitação magnética.

O avião hipersônico atingiria a velocidade de arranque ainda no solo. Depois de se soltar e decolar, ele deverá acelerar até Mach 10 utilizando seus scramjets.

Ao atingir a parte mais alta da atmosfera, ele libera sua cápsula ou carga útil, semelhante ao segundo estágio de um foguete. A cápsula contará com seu próprio motor-foguete, para atingir a órbita. Já o avião hipersônico retorna ao solo, pousando em uma pista comum, ao lado dos trilhos de lançamento.

Parece promissor, mas bem aquém de qualquer coisa que lembre um "gigantesco salto para o espaço," conforme afirma a agência.

Metrô da era espacial

Segundo Stan Starr, do Centro Espacial Kennedy, tudo isto pode ser feito com tecnologia já disponível, não dependendo de nenhum invento disruptivo.

"Tudo pode ser feito com componentes tecnológicos já desenvolvidos ou estudados," Estamos propondo amadurecer estas tecnologias até um nível útil, bem além do nível já alcançado," diz ele.

Segundo o engenheiro da NASA, o projeto beneficiará uma série de outros setores, além do espacial, já que exigirá o aperfeiçoamento dos sistemas de transporte ferroviário, que poderão ser usados em sistemas de metrô, baterias, que poderão ser usadas em veículos elétricos, e vários outros.

Sistema avançado de lançamento

O projeto, chamado Advanced Space Launch System (sistema de lançamento espacial avançado) não pretende substituir os ônibus espaciais ou qualquer outro programa em um futuro próximo.

Mas, segundo Starr, poderá ser adaptado para transportar astronautas depois que o sistema for suficientemente testado em missões não tripuladas.

A equipe propôs um projeto com 10 anos de duração, que, se aprovado, teria início com o lançamento de aviões não tripulados comuns.

A seguir viriam modelos de aviões mais avançados, até que seja possível construir um capaz de lançar um pequeno satélite em órbita.

Fonte: Site Inovação Tecnológica - Imagem: NASA

Robô inglês será guia da Nasa

Uma pequena empresa do Reino Unido irá fornecer à Nasa um robô que servirá de guia no Centro Espacial Kennedy, em Cabo Canaveral, Flórida.

A Engineered Art criou o RoboThespian com um conteúdo padrão que pode ser modificado por meio de uma interface touchscreen. Assim, é possível pré-programar uma série de ações, fazer upload de sons e vozes e organizar o conteúdo para ser falado conforme sua vontade.

Os três modelos disponíveis, Lite, Standard e Deluxe, custam a partir de 70 mil libras e podem interagir com uma audiência humana falando um roteiro em até 15 idiomas.

Feito de alumínio, ele tem 10 "músculos" a ar para os movimentos dos braços e dois cilindros de ar para movimentação das pernas. Um único "músculo" controla os movimentos da boca. Além disso, ele conta com um computador de bordo integrado com um Atom Processor de 1.6 GHz, SSD de 32Gb, processador de 2800mhz Arm 9 para o "olho" e controle de cor RGB da face, além de uma câmera na cabeça e a tela LCD de 19 polegadas touchscreen.

O software customizado IOServe é escrito em C++ e conecta diferentes protocolos simultaneamente, em tempo real.

Confira um vídeo de apresentação do RoboThespian (em inglês):

Fonte: Paula Rothman (INFO Online) via Exame.com - Foto: Divulgação

CEO da Apple, Steve Jobs, é parado em aeroporto com estrela ninja

O CEO da Apple, Steve Jobs, foi parado pela segurança de um aeroporto japonês ao ser flagrado com estrelas ninja em sua bagagem de mão.

O incidente ocorreu no fim de julho no aeroporto internacional de Kansai, perto de Osaka, no Japão, quando Jobs se preparava para embarcar em seu jato particular após as férias com a família em Kyoto, segundo publicou a revista japonesa SPA.

Ao ser confrontado pela segurança do aeroporto, o chefão da Apple (foto ao lado) teria dito que não faria sentido para uma pessoa tentar sequestrar o seu próprio avião. Irritado com a situação, Jobs disse aos funcionários que nunca mais visitará o país novamente, informa a publicação japonesa.

Provável que o CEO da Apple não volte, mesmo. A menos ue abdique das estrelinhas ninjas, uma vez que o aeroporto de Kansai não prevê regras de embarque especiais para usuários de jatos privados.

Fonte: Rogerio Jovaneli (INFO Online) - Fotos: Reprodução / Reuters

Dois morrem em colisão de helicóptero com barco na Venezuela

Dois militares venezuelanos morreram e cinco ficaram feridos quando o helicóptero em que viajavam se chocou na terça-feira contra um barco na ilha caribenha de Margarita, informaram autoridades.

O helicóptero, o Bell 212, prefixo ABV-0308, da Armada Nacional Bolivariana (ANB), fazia parte da equipe que resgatou 22 pessoas que estavam desaparecidas desde sábado em duas embarcações em alto mar.

"São até agora duas vítimas fatais que participavam dos trabalhos de salvamento e resgate das embarcações", disse o ministro de Interior e Justiça, Tareck El Aissami, em entrevista por telefone à televisão oficial.

As duas vítimas, uma delas o co-piloto da aeronave, eram membros da Armada.

O helicóptero, que transportou na segunda-feira a equipe médica da operação de resgate, colidiu com a proa de uma embarcação oceanográfica das Força Armadas que fazia manobras de atraque.

El Aissami acrescentou que o terceiro barco que desapareceu ao sair da ilha Los Testigos rumo a Margarita foi resgatado perto da costa de Trinidad e Tobago com 10 tripulantes a bordo "sãos e salvos".

O acidente aconteceu um dia depois de um avião da companhia aérea venezuelana Conviasa ter caído no sudeste do país, deixando 15 mortos e 36 feridos.

Fontes: Eyanir Chinea (Reuters) via O Globo / ASN - Mapa: AFP

OMC deve julgar ilegais subsídios dos EUA à Boeing, diz fonte

A decisão igualará potencialmente o debate com a europeia Airbus e abrirá espaço para negociações transatlânticas sobre o subsídio governamental a fabricantes de aviões.

A Organização Mundial do Comércio (OMC) deverá decretar que a Boeing recebeu subsídios ilegais do governo norte-americano, afirmou o Wall Street Journal, citando fontes familiarizadas com o caso. A decisão igualará potencialmente o debate com a europeia Airbus e abrirá espaço para negociações transatlânticas sobre o subsídio governamental a fabricantes de aviões.

O veredicto preliminar e confidencial será anunciado mais de um ano após a OMC julgar um caso similar, no qual a Airbus foi acusada de ter recebido cerca de US$ 20 bilhões em subsídios ilegais à exportação na produção do superjumbo A380.

A União Europeia alega que a Boeing teria recebido US$ 24 bilhões em isenções fiscais, ajuda de pesquisa e incentivos à exportação dos governos estatal e federal dos Estados Unidos.

Ambos os lados devem, provavelmente, declarar vitória no complexo caso, como fizeram no ano passado. "A Boeing venceu claramente seu caso, mesmo que a Airbus possa apelar. Agora a pergunta é: quanto que a Airbus ganhou?", disse Simon Lester, fundador do WorldTradeLaw.net LLC, uma empresa de consultoria sediada em Washington que não está envolvida nos processos.

De qualquer forma, o relatório vai dar às companhias um sentido mais claro sobre como os governos podem apoiar juridicamente as fabricantes de aviões. Executivos da Boeing e da Airbus - unidade da European Aeronautic Defence & Space Co. - disseram que gostariam que fosse estabelecido um conjunto global de regras, que eventualmente abrangesse rivais emergentes em Portugal, Brasil, Japão, Rússia e China.

A decisão também poderá provocar uma competição separada entre a Boeing e EADS para vender ao Departamento de Defesa dos EUA até 179 aviões-tanque por cerca de US$ 30 bilhões. A EADS está oferecendo uma variação do avião de passageiros Airbus A330, um modelo que, segundo a OMC, foi indevidamente subsidiado.

A Boeing e a Airbus operavam sob os termos um acordo fechado em 1992 relativo à ajuda governamental, até que os EUA, sob pressão da Boeing, renunciaram ao pacto em 2004 e abriram uma queixa na OMC contra a União Europeia pelos subsídios oferecidos à Airbus. A UE retaliou, apresentando queixa semelhante contra os EUA, no caso que a OMC deverá decidir na quarta-feira. As informações são da Dow Jones.

Fonte: Clarissa Mangueira (Estadão)

Passageiros esperam há quase 48 horas por voo da TAP em Brasília

O voo foi adiado por causa de defeito em uma peça da aeronave.

Cerca de 250 pessoas que embarcariam no domingo (12) para Portugal pela TAP ainda aguardam, na tarde desta terça-feira, o embarque no aeroporto de Brasília. O voo foi adiado por causa de defeito em uma peça da aeronave.

Os passageiros deveriam ter decolado às 17h de domingo. Segundo a companhia aérea, durante a preparação para a decolagem foi verificado um defeito na válvula pneumática, ligada à partida do motor.

Em um primeiro momento o voo foi adiado para segunda-feira (13) à tarde. Porém, em uma segunda análise, técnicos disseram que outra peça teria que vir de Lisboa para substituir a que havia sido avariada.

A TAP informou que o avião terminou de ser reparado ontem e está pronto para voar. Os passageiros de domingo devem embarcar em outra aeronave, que sai às 17h. O avião consertado deveria decolar por volta das 17h15, segundo a empresa, levando as pessoas que haviam comprado passagens para hoje.

Segundo a TAP, a resolução nº 141 da Anac (Agência Nacional de Aviação) foi cumprida integralmente: os passageiros foram levados a hotéis e tiveram toda a assistência necessária. A companhia informou ainda que realocou parte dos passageiros em voos de outras companhias.

Fonte: ExpressoMT

Chegou o primeiro assento para viajar de avião em pé

São boas notícias para companhias como a Ryanair: nasceram os novos assentos verticais que permitirão viajar de pé.

O assento SkyRider é uma das grandes estrelas da exposição norte-americana "Interiores de aviões 2010", um modelo que já despertou o interesse de várias companhias, informa hoje o 'USA Today'.

A italiana Aviointeriors é a autora da criação e, se a procura o justificar, a empresa promete pedir a certificação da SkyRider às autoridades competentes, tanto nos EUA como na Europa.

A distância entre filas é de 58 centímetros, face ao atual mínimo de 80 centímetros praticado normalmente na classe econômica. O peso do passageiro é suportado pelas pernas, que ficam encaixadas por baixo do assento dianteiro.

Este modelo foi pensado para voos de pequeno curso. "Para viagens entre uma a três horas... poderá ser cômodo", diz a Aviointeriors. "É como uma sela de montar. Os cowboys montam oito horas seguidas os seus cavalos e ainda assim estão cômodos", acrescenta.

Para além da Ryanair, outras companhias como a chinesa Spring Airlines também estão interessadas em novas formas de conseguir mais espaço nos aviões, como forma de transportar mais passageiros e a obter um maior retorno em cada aeronave, podendo, a partir daí, praticar preços mais baixos.

A primeira vez que a companhia aérea irlandesa Ryanair lançou a ideia, em 2009, as opiniões dividiram-se entre os que defenderam as vantagens de viajar por valores muito reduzidos e os que classificaram a idea de impossível por questões de segurança.

Fonte: Rita Paz (Económico - Portugal) - Foto: Aviointeriors

Fabricante de avião que caiu na Venezuela oferece apoio técnico

A empresa europeia ATR, fabricante do avião ATR-42-320, prefixo YV1010 (foto acima),que caiu na segunda-feira no sudeste da Venezuela causando a morte de 15 pessoas, indicou nesta terça que colocou "todo o seu apoio técnico" à disposição da companhia estatal Conviasa e das autoridades encarregadas da investigação.

"Por enquanto, não se conhecem as causas do acidente", ressaltou a ATR, em comunicado que lembrou que as autoridades venezuelanas são a fonte oficial de informação, embora o Escritório de Investigações e Análises da França (BEA, na sigla em francês) também participe da investigação.

A aeronave, um turbo hélice de dois motores ATR 42-320 (capaz de transportar entre 46 e 50 passageiros), foi fabricada em fevereiro de 1994 e desde então acumulava mais de 25 mil horas de voo, destacou a empresa construtora, uma sociedade do grupo europeu EADS e do italiano Finmeccanica.

O avião era operado pela estatal aérea venezuelana Conviasa desde outubro de 2006. Com 51 pessoas a bordo, a aeronave ia de Porlamar, em Isla de Margarita, a Ciudad Guayana, onde caiu, aparentemente quando tentava uma aterrissagem de emergência.

Os ATR 42-300 iniciaram sua vida ativa em 1985 e por enquanto há 240 unidades em serviço, com sete milhões de horas de voo acumuladas.

Fonte: EFE/EPA - Foto: Orlando Suarez (JetPhotos)

Sobe para 17 número de mortos em acidente de avião na Venezuela

Aeronave caiu ontem quando se preparava para aterrissar; 34 pessoas sobreviveram

Subiu para 17 nesta terça-feira, 14, o número de pessoas mortas em um desastre aéreo que aconteceu ontem em Puerto Ordaz, no sudeste da Venezuela, informou o ministro das Indústrias de Base e Mineração do país, José Khan.

Segundo ele, dois dos 36 sobreviventes que estavam feridos faleceram hoje. O avião, da empresa aérea estatal Conviasa, um modelo turbo hélice francês ATR-42, caiu ontem em um dos pátios da Siderúrgica del Orinoco (Sidor) quando se preparava para aterrissar no aeroporto de Puerto Ordaz.

O avião transportava 51 pessoas, das quais 34 sobreviveram ao desastre. Khan disse que alguns dos feridos permanecem em hospitais de Puerto Ordaz. O vice-ministro dos Transportes da Venezuela, Arturo Gil, disse hoje que o conteúdo das caixas-pretas da aeronave será analisado para avaliar as mensagens do piloto antes da queda.

O piloto do avião e outros dois tripulantes morreram no desastre. O avião da Conviasa voava da Ilha Margarita a Puerto Ordaz, 600 quilômetros ao sudeste de Caracas. O Ministério Público abriu uma investigação sobre o acidente.

Fontes: AP/Agência Estado

segunda-feira, 13 de setembro de 2010

China Southern Airlines: mais um incidente hoje

Mais um incidente com um avião da China Southern Airlines

Na manhã desta segunda-feira (13), pouco antes de decolar do Aeroporto Internacional de Baiyun, próximo a Guangzhou, na China, o porão de um Airbus A-320-100 pegou fogo durante o carregamento das bagagens, por volta das 08:00 (hora local). É o segundo incidente da companhia em menos de 24 horas.

Os passageiros já haviam embarcado, mas foram retirados em segurança. Ninguém ficou ferido.

O voo CZ3533 iria partir para cidade de Qingdao , na província de Shandong, no leste da China.

A polícia iniciou uma investigação junto aos funcionários da companhia aérea e do aeroporto para tentar esclarecer as causas do incêndio.

Os resultados iniciais mostraram que o incêndio foi causado por combustíveis que estavam no compartimento de carga, segundo a polícia .

Fontes: china.org.cn / UPI via Blog Notícias sobre Aviação - Foto: nfdaily.cn

Novo incidente na aviação comercial chinesa causa pânico entre passageiros

Um incidente em um avião comercial que voava de Shenyang (nordeste da China) para Xian (centro) neste domingo (12) causou pânico entre os passageiros, um fato que acontece quando a aviação chinesa continua em alerta após ter sofrido há algumas semanas seu primeiro acidente fatal em seis anos, informou hoje a agência "Xinhua".

As rodas do trem de aterrissagem do avião, um McDonnell Douglas MD-90-30 da companhia aérea estatal China Southern Airlines, desprenderam uma grande quantidade de fumaça quando o aparelho aterrissou, o que gerou um grande alarme entre os passageiros, que tiveram que ser evacuados perante o possível incêndio, destacou a informação.

O fato não causou danos pessoais, e segundo as autoridades do aeroporto foi um falso alarme, já que a fumaça aconteceu pela combinação de um escapamento de óleo de uma roda com as altas temperaturas do trem de aterrissagem (até 500 graus centígrados).

O fato revela, no entanto, o forte alerta na qual se encontra a aviação civil chinesa desde que no dia 24 de agosto um Embraer ERJ-190 caiu na cidade nordeste chinesa de Yichun, com um saldo de 42 mortos e 54 feridos.

Fonte: EFE/EPA

Homem acusado de ataque frustrado a avião demite advogados

Um nigeriano acusado de tentar explodir uma aeronave norte-americana com uma bomba no ano passado demitiu na segunda-feira seus advogados indicados pelo tribunal e levantou a possibilidade de se declarar culpado em algumas das acusações.

Umar Farouk Abdulmutallab (foto), que se declarou inocente em janeiro pela tentativa de explodir um voo no dia de Natal, disse que seus advogados não estavam servindo aos seus interesses e pediu ao juiz para ser seu próprio defensor.

"Se eu quiser me declarar culpado em algumas das acusações, como isso funcionaria?", perguntou Abdulmutallab à juíza Nancy Edmunds durante uma audiência de 15 minutos.

Nancy pediu a ele para não demitir seus advogados, mas concordou com o pedido de Abdulmutallab e irá indicar novos defensores que atuarão como consultores. Segundo ela, eles responderão a questões sobre sua defesa.

Abdulmutallab, de origem nigeriana, embarcou em um voo da Northwest Airlines que fazia a rota Amsterdã-Detroit e, perto do fim do trajeto, tentou acionar uma bomba que estava em sua cueca, afirmaram procuradores.

Ilustração mostra Umar Farouk Abdulmutallab, à direita, com sua advogada Miriam Siefer na corte federal em Detroit

Segundo eles, o dispositivo não detonou completamente e ele foi rendido por passageiros e tripulantes e o fogo foi controlado.

Ele foi acusado pela tentativa de usar uma bomba de destruição em massa, tentativa de assassinato e outros quatro crimes. Se condenado, poderá passar o resto da vida na prisão.

O nigeriano cooperou com investigadores norte-americanos por vários meses e disse a eles ter recebido o dispositivo e treinamento de militantes da Al Qaeda no Iêmen.

Um porta-voz do Departamento de Justiça, no entanto, negou-se a comentar se Abdulmutallab continuava cooperando com as autoridades norte-americanas.

O ataque frustrado levou ao governo dos Estados Unidos a reforçar a segurança em aeronaves norte-americanas.

Fonte: David Bailey e Jeremy Pelofsky (Reuters) via O Globo - Imagens: AFP / AP

Argentina deve integrar projeto de novo jato militar da Embraer

Chile, Colômbia e Portugal já participam do programa do KC-390, liderado pela FAB

Depois de Chile e Colômbia e, mais recentemente, Portugal oficializarem a intenção dos seus governos de participar do desenvolvimento do jato de transporte militar KC-390, projeto encomendado à brasileira Embraer pela Força Aérea Brasileira (FAB), a Argentina deve ser o próximo parceiro do programa. Segundo fonte do setor de defesa do governo, os dois países já estão negociando os termos da carta de intenção para assiná-la em breve.

Na sexta-feira, os Ministérios da Defesa do Brasil e de Portugal assinaram uma Declaração de Intenções de parceria no programa do cargueiro brasileiro. O acordo, informou a Embraer, também marca o início das negociações para entrada de empresas portuguesas no projeto e na fabricação do novo avião. O governo português também revelou a intenção de adquirir seis aeronaves para equipar a Força Aérea de seu país.

Com os novos parceiros, o número de intenções de compra do KC-390 sobe para 52. Desse total, 28 são da FAB, seis do Chile, seis de Portugal e 12 da Colômbia. A África do Sul, de acordo com a fonte, ainda não definiu participação no projeto, mas segue na lista dos parceiros mais próximos do KC-390.

A Embraer planejou produzir 180 unidades do seu novo avião de transporte militar nos primeiros dez anos de comercialização da aeronave. A empresa identificou demanda potencial de 700 aeronaves na classe do KC-390, um negócio estimado em US$ 50 bilhões, sendo 100 delas na América do Sul.

O KC-390 começou a ser desenvolvido em abril do ano passado, a partir de um acordo assinado entre a Embraer e a FAB, que destinará US$ 1,3 bilhão para o projeto. O valor, segundo a FAB, cobre todas as atividades de concepção, desenvolvimento, ensaios, certificação e preparação para produção. Neste ano, segundo o gerente executivo do projeto do KC-390 na FAB, coronel Adalberto Zavaroni, o projeto receberá cerca de R$ 95 milhões. Para 2011, já existe previsão de aporte da ordem de R$ 220 milhões.

O programa de desenvolvimento do cargueiro, de acordo com o gerente do projeto, encerrou em maio a fase de estudos preliminares e trabalha, agora, na definição inicial dos principais sistemas que equiparão a aeronave. "Selecionamos oito sistemas que representam o coração da operação de um jato de transporte e de reabastecimento em voo, não só pelas suas características críticas, mas também pelo alto nível de tecnologia que agregam", explicou.

Nos últimos quatro meses, segundo Zavaroni, a Embraer e a Aeronáutica trabalharam em conjunto na definição dos requisitos relacionados ao motor, trem de pouso, comandos de voo e sistemas de manuseio e lançamento de carga. "Já identificamos alguns potenciais fornecedores para esses sistemas e a Embraer se encarregou de avaliar as ofertas sob o ponto de vista técnico e comercial. A FAB está analisando as propostas sob o ponto de vista de 'off set' (compensação comercial, tecnológica e industrial)".

O gerente informou ainda que, até abril de 2010, as duas partes estarão envolvidas na definição dos requisitos e de fornecedores para os sistemas de missão do KC-390 (radares e aviônica), de reabastecimento em voo e de auto-defesa.

A indústria aeroespacial brasileira, de acordo com Zavaroni, também terá um papel de importante no programa de desenvolvimento do KC-390, seja através dos acordos de compensação (off set) ou também com o fornecimento de sistemas que envolvam tecnologias já dominadas no país. "A indústria nacional já tem competência em áreas estratégicas como a de aviônicos, estrutura e trem de pouso", afirmou.

O KC-390 vai substituir a frota de C-130 da FAB, utilizada hoje nas áreas de transporte logístico pesado, busca e resgate, ressuprimento aéreo, evacuação médica, combate a incêndio florestal e reabastecimento em voo. O preço da aeronave, segundo o gerente do projeto, deve ser menor que o do C-130, que custa na faixa de US$ 80 milhões a US$ 90 milhões.

Fonte: Virgínia Silveira (Valor Online) - Imagem: Divulgação/Embraer

Veja fotos do acidente na Venezuela


Fotos: Reuters / AP / Orlando Suarez (JetPhotos)

Queda de avião na Venezuela teve 15 mortos e 36 sobreviventes

Segundo autoridades venezuelanas, boletim é 'definitivo'.

Avião com 51 a bordo caiu no estado de Bolívar, norte do país.


O acidente aéreo desta segunda-feira (13) na Venezuela teve 15 mortos e 36 sobreviventes, informaram as autoridades, destacando que o boletim é definitivo.

O avião ATR-42-320, prefixo YV1010, da companhia aérea estatal venezuelana Conviasa, transportava 51 pessoas quando caiu, por causas ainda desconhecidas, no estado de Bolívar, no sudeste da Venezuela.

"No total, temos 36 sobreviventes e 15 mortos. Estas pessoas que sobreviveram estão sendo atendidas e contam com todo o apoio do governo", declarou o ministro dos Transportes e Comunicações, Francisco Garcés.

Segundo o ministro, a maior parte dos feridos sofreu traumatismos e queimaduras, mas não corre risco de vida.

"Hoje ocorreu isto aqui na Venezuela, apesar da segurança que mantemos nas linhas aéreas, mas podemos dizer, com alegria, que temos 36 sobreviventes", acrescentou Garcés.

O governador do estado de Bolívar, Francisco Rangel Gómez, disse que alguns feridos, em estado mais grave, podem ser levados à capital, Caracas.

Havia quatro tripulantes e 47 passageiros a bordo. Inicialmente, havia sido informado um total de 47 pessoas na aeronave.

O acidente

O avião ATR-42, de fabricação francesa, pertencia à empresa estatal Conviasa e fazia uma rota doméstica entre Porlamar, na turística Isla de Margarita, e Ciudad Guayana. Inicialmente, as autoridades haviam dito que o avião partia de Ciudad Guayana.

O acidente ocorreu a pouco mais de 9 quilômetros de Puerto Ordaz, que faz parte de Ciudad Gayana e fica a 730 km a sudeste da capital, Caracas.

O avião caiu próximo à entrada das instalações da Siderúrgica del Orinoco (Sidor). Ele ficou bastante danificado, praticamente partido em dois.

Apesar de ter caído numa área movimentada, ele não deixou vítimas em terra, segundo o governador, porque caiu em uma área usada como depósito de materiais usados.

O governador explicou que o acidente aconteceu depois que o avião registrou uma "perda de controle", que chegou a ser notificada à torre pelo piloto.

"Infelizmente, há mortos, mas (...) ao observar o estado em que ficou o avião, acho que tivemos sorte", explicou o ministro dos Transportes e das Comunicações, Francisco Garcés.

"A situação está sob controle", acrescentou o ministro, indicando que a intervenção imediata impediu uma tragédia maior.

O ATR-42 atinge 555 km/h, tem capacidade para entre 44 e 50 passageiros e tem autonomia de voo de 1.611 km.




Um porta-voz afirmou à France Presse que a empresa ATR "está trabalhando em estreita colaboração com a companhia aérea e com as autoridades para compreender as causas do acidente".

A Conviasa é uma companhia aérea estatal venezuelana nascida em 2004 que realiza voos nacionais e também com destino a Teerã, Damasco, Buenos Aires e vários pontos do Caribe.

O último grande acidente aéreo na Venezuela havia ocorrido em 2008, quando um avião da empresa local Santa Barbara com 46 a bordo caiu em uma região montanhosa, matando todos a bordo.

Fontes: G1 / ASN - Arte: G1

domingo, 12 de setembro de 2010

Médico que erradicou a varíola agora luta contra o bioterrorismo

O médico Donald Henderson (foto), do Centro de Biossegurança Civil da Johns Hopkins, acredita que grupos terroristas estão preparando armas biológicas

Se você tem menos de 30 anos e nunca ouviu falar de varíola fora dos bancos escolares, a culpa é do médico Donald Henderson. Como coordenador do Programa de Erradicação da Varíola da Organização Mundial da Saúde (OMS), iniciado em 1966, ele ajudou a eliminar por completo a doença. Após fazer mais de 300 milhões de vítimas fatais no século 20, ela foi declarada oficialmente extinta pela OMS em 1980, graças ao esforço coordenado por ele. Hoje, aos 82 anos, o americano dirige o Centro de Biossegurança Civil da Universidade Johns Hopkins, nos Estados Unidos. É de lá que ele defende os Estados Unidos com um programa preventivo contra uma possível guerra biológica.

Em entrevista à VEJA.com, o epidemiologista falou sobre as dificuldades encontradas durante a década de 1960 na África, e sobre sua descrença na erradicação de um outro vírus. “É difícil conseguir programas sucessivos em países africanos, onde há poucos recursos, poucos profissionais e pouco transporte”, disse. Henderson falou ainda sobre como será a vacina do futuro e sobre seu trabalho contra o bioterrorismo, ameaça cada vez mais real depois dos atentados de 11 de setembro de 2001.

Quais foram os maiores desafios do programa mundial de erradicação da varíola?

Garantir a participação de todos os países. A grande maioria respondeu de maneira positiva, mas uma parcela considerável deles não tinha recursos suficientes para financiar o programa. O dinheiro enviado pela Organização Mundial de Saúde era muito modesto e não cobria todas as despesas. Então, tínhamos de pensar em maneiras de levantar os fundos necessários. Só assim seria possível montar a estrutura necessária para encorajar esses países a participarem.

Quais empecilhos foram encontrados na África?

Tivemos problemas em alguns lugares, como na Nigéria. O governo local acreditava que todos os recursos recebidos de ajuda internacional deveriam ser investidos apenas no desenvolvimento econômico. Eles não queriam rever o destino das verbas, por motivos até eleitorais, e ninguém conseguia convencer o presidente a participar. Mas, felizmente, um dos integrantes da nossa equipe conheceu uma mulher muito próxima ao estadista. Ela só precisou explicar o que teria de ser feito e, na manhã seguinte, os papéis autorizando o programa estavam assinados. Assim como na Nigéria, em vários outros países tivemos dificuldades para tocar o programa.

Qual foi o momento mais difícil do programa?

Existiram diversos momentos difíceis. Quando a guerra civil começou no Paquistão, grande parte dos americanos alojados no país partiram. Então eu fui até o país para encontrar um jeito seguro de levar os americanos de volta para lá. Cheguei de avião em Dadhar, mas tive de percorrer outros 40 quilômetros por terra para uma reunião. A equipe da ONU (Organização das Nações Unidas) no local me perguntou se eu gostaria de uma escolta militar. Havia vantagens e desvantagens. Com a presença do comboio eu estaria protegido contra minas terrestres, mas poderia ser fuzilado pelas forças rebeldes. Decidi que, como um membro da ONU, eu teria de arriscar passar em uma mina. Simples assim. Foram os 40 quilômetros mais longos da minha vida. Mas minha presença na reunião reafirmou para a equipe que estávamos ali por um motivo, que nos importávamos com algo.

Houve outro momento em que você correu risco de vida?

Na última vez em que estive na Etiópia. Teve um determinado momento em que estávamos voando de helicóptero a uma altitude bem baixa. Abaixo de nós, algumas pessoas apontavam pedaços de metal na nossa direção. Eram armas, claro. Quando pedi para o piloto voar mais alto, ele respondeu: “Eles têm mísseis, é mais seguro voar baixo e enfrentar o tiroteio”. Depois dos tiros veio uma escuridão absoluta e não conseguíamos encontrar um lugar para aterrissar. Quando finalmente achamos, fomos recebidos por um grupo armado com fuzíveis AK-47. Um dos nossos membros era da Etiópia, mas ele não falava o dialeto daquela tribo. Por sorte, um vigilante que trabalhava para a OMS viu o helicóptero e correu para nos ajudar. Poderia ter acontecido o pior.

No Brasil, tivemos a Revolta da Vacina, em 1904, quando Oswaldo Cruz tentou erradicar a varíola do Rio de Janeiro. Você presenciou alguma situação similar?

Sempre existem pessoas que não aceitam tomar a vacina, mas que têm medo o suficiente para serem persuadidas. Teve um grupo na Etiópia, por exemplo, que era resistente à vacina da varíola, mas estava desesperado pela da malária. Então fizemos uma troca. Eles seriam tratados contra malária se aceitassem tomar a vacina para varíola. Em uma outra tribo no oeste da África, um homem dizia ser um curandeiro capaz de tratar até varíola. Mas a doença era a fonte de renda dele, já que ficavam com todos os bens dos mortos. Conseguimos convencê-lo de que o lucro poderia vir de outro lugar: vacinando as pessoas da tribo. Ele acabou contratado.

Por que doenças como tuberculose, poliomielite e sarampo não são erradicadas?

Não acredito que exista alguma outra doença erradicável hoje. A pólio, por exemplo, pode se espalhar facilmente sem um controle seguro de onde ela está. Em contrapartida, todo indivíduo com varíola apresenta uma erupção na pele, então você sabe onde encontrar a doença. A vacina da pólio tem de ser dada em seis ou sete doses, a da tuberculose não é eficiente e as taxas de imunização do sarampo precisam ser altíssimas para terem resultados satisfatórios. É difícil viabilizar programas sucessivos em países africanos, onde há poucos recursos, poucos profissionais e poucos transportes.

Como serão as vacinas no futuro?

Alguns formatos são possíveis, como os patchs aplicáveis na pele e as vacinas orais. Os dois são complicados por uma variedade de fatores técnicos, mas os progressos são encorajadores. Uma terceira alternativa seria inalar a vacina. Já existe uma versão dessa para a gripe e ela é bem eficiente, mas as pessoas ainda são relutantes em usá-la. Alguns tipos não são viáveis para inalação, porque seria necessário uma concentração muito elevada do vírus para que ela tivesse uma reação adequada no organismo.

A varíola pode ser usada como arma biológica?

Não acredito que isso aconteça. Em 1972, o mundo interrompeu as pesquisas com armas biológicas e a varíola era a primeira opção. Os Estados Unidos tiveram de lidar com o anthrax recentemente, uma bactéria que considero mais provável de ser usada como arma biológica. O departamento de investigações responsabiliza apenas um homem pelo ocorrido. Mas, sabendo o tanto que sei, não acredito que esse homem tenha tido capacidade ou oportunidade para isso. Há ainda evidências de que as forças da Al-Qaeda trabalham com o anthrax, mas não sabemos qual o progresso deles ou quando planejam liberar a bactéria.

Como um país pode se proteger contra as armas biológicas?

É praticamente impossível controlar o material antes dele ser liberado. O importante é estar preparado para detectá-lo o mais cedo possível. No geral, pode-se fazer duas coisas. Imunizar a população com uma vacina não muito satisfatória ou vacinar depois do ataque. Mas, hoje, nenhuma delas é uma alternativa muito eficiente porque não se tem vacinas eficientes para o anthrax, por exemplo.

Os Estados Unidos têm se preparado para ataques biológicos, enquanto alguns grupos se preocupam em produzir esses organismos. Essa corrida velada pode acabar em uma guerra biológica?

Se for descoberto que existe um estado, uma nação se preparando para isso, a retaliação pode ser muito severa. Por ora, apenas grupos específicos, como a Al-Qaeda, trabalham com esses organismos. Eles estão abaixo do governo, são independentes e não podem ser controlados.

Enquanto milhares de pessoas morrem todos os anos de doenças que poderiam ser evitadas, o senhor abandonou a prática para trabalhar dentro de um escritório. Se pensarmos no seu esforço durante o programa de 1966, sua posição hoje não é contraditória?

Um organismo presente em um canto do globo pode aparecer em outro 36 horas depois. Há doenças que chegam a um país vindas de outro continente, com o HIV foi assim. A questão nesses casos é quão bem preparados estamos para lidar com a situação. E somente com um departamento de saúde, hospitais e profissionais bem preparados será possível conter um surto e medicar os pacientes. Então, o trabalho do centro de controle de doenças é fundamental. Você fica de plantão 24 horas por dia para o quer que aconteça.O trabalho não é meramente burocrático, já estive em diversos países diferentes.

Qual doença você escolheria para repetir o feito do programa de erradicação da varíola?

Não escolheria uma nova doença para erradicar, porque sei o tanto que foi difícil erradicar a varíola e todas as complicações que vieram junto. Nós tivemos sucesso por muito pouco. Mas acabou dando certo porque a motivação era muito grande, o mundo todo tinha medo da doença. Eu não vejo essa motivação hoje. Há algumas doenças importantes que foram controladas, como a malária e a tuberculose, mas nenhuma delas é grave o suficiente para uma nova campanha mundial. Além do que, um trabalho de erradicação é muito caro. Na Índia e na Nigéria, por exemplo, os recursos estão todos sendo destinados à erradicação da pólio. Por isso, as crianças estão deixando de tomar a vacina do sarampo e, hoje, o número de vítimas do sarampo é muito maior do o que já foi registrado com a pólio. Será que vale mesmo a pena investir tanto assim para erradicar apenas uma doença?

Depois de tantos anos na liderança de programas tão complicados e desgastantes, você não pensa em se aposentar?

Meu trabalho é muito estimulante e desafiador. É quase como um vício.

Fonte: Aretha Yarak (Revista Veja) - Foto: Alex Wong/Getty

Nove anos após 11/9, segurança é mais rígida nos aeroportos

Ontem, fez nove anos que um atentado matou mais de 3 mil de pessoas que estavam nas torres gêmeas do complexo World Trade Center, em Nova York, nos Estados Unidos. De acordo com o especialista em aviação, Gustavo Cunha Mello, "o 11 de setembro mudou o mundo da aviação". Antes disso, a fiscalização era menos rígida: líquidos não eram inspecionados e o raio-x da bagagem de mão e sapatos só acontecia em alguns aeroportos, segundo ele.

No setor aéreo brasileiro, por exemplo, de acordo com a Agência Nacional de Aviação Civil (Anac), "as inspeções de segurança já existiam antes mesmo de 2001, mas após os ataques foi reforçada, principalmente, a área de treinamento e capacitação dos agentes de proteção". Em 2006, as ameaças com explosivos líquidos nos aeroportos da Europa motivaram a criação de outra medida. Desde abril de 2007, existe uma regulação no transporte de líquidos no interior dos aeroportos brasileiros.

A regra determina que os passageiros devam transportar líquidos em frascos com capacidade de até 100 ml, colocados em embalagem plástica, vedada, com capacidade máxima para 1 litro. De acordo com a agência, os frascos devem ser acondicionados adequadamente dentro da embalagem plástica transparente. Ainda, segundo a Anac, as substâncias passam por inspeção visual e só é permitida uma embalagem plástica por passageiro. "A segurança contra o terrorismo é uma corrida da polícia contra os bandidos, enquanto uns criam melhores tecnologias, os outros também, é uma corrida sem fim", afirmou Mello.

A mais nova determinação implantada no Brasil, para a garantia de identidade e inibição de atos terroristas, é a obrigatoriedade da apresentação do documento de identidade no portão de embarque. A regra está valendo desde março de 2010. Segundo a Anac, o procedimento foi implantado no Brasil para uma adequação aos padrões internacionais e já funcionava nos aeroportos da Europa e América do Norte.

Para o presidente da Associação Nacional em Defesa dos Direitos dos Passageiros do Transporte Aéreo (Andep) Cláudio Candiotta, o País apenas acompanhou as determinações de outros países. "O Brasil é signatário de acordos internacionais se ele não cumprisse não teríamos vôos internacionais aqui", disse ele.

Acidentes aéreos

O País tem hoje uma taxa de acidentes fatais na aviação quatro vezes acima da média internacional, de acordo com o Relatório Anual de Segurança Operacional da Anac. O índice de acidentes com mortes no Brasil foi de 1,76 em 2008, a média internacional foi 0,4 para cada 1 milhão de vôos no mesmo período. "Até 2006 o Brasil era um dos países mais seguros para se viajar de avião, hoje tem quatro vezes mais acidentes do que a média internacional, a segurança para o passageiro piorou", disse Candiotta.

De acordo com os dados do Centro de Investigação e Prevenção de Acidentes Aeronáuticos (Cenipa), em 2006, o Brasil registrou 67 acidentes aéreos, em 2009, o número subiu para 111. Para Candiotta, o motivo é a falta de fiscalização da Anac. Segundo ele, antes da agência reguladora, o Departamento de Aviação Civil (DAC) era o órgão que controlava o setor aéreo brasileiro. "Era uma formação toda profissional, a Anac é um órgão político, tanto que a presidente é uma economista e não alguém com experiência na aeronáutica".

Segundo Candiotta, o resultado disso é que as companhias se sentem livres sem uma cobrança mais enérgica pela qualidade e segurança dos vôos. "Se existe lei, mas ninguém para fiscalizar, quem vai cumprir", questionou. "A falta de mão de obra, por exemplo, faz com que os pilotos trabalhem mais tempo do que o seguro e outros cheguem ao posto de piloto com menos horas de vôos do exigido".

O Cenipa informou que o aumento dos acidentes não foi provocado por um setor isolado, mas é conseqüência de causas múltiplas como o aumento da demanda e frota. Já a Anac informou que realiza fiscalizações programadas e não programadas tanto para aeronaves quanto na área de assistência aos passageiros. Segundo a agência, as companhias que excederem o tempo das jornadas de trabalho já foram multadas.

Fonte: Thaís Sabino (Terra) - Foto: AFP

Operação do aeroporto de Três Lagoas (MS) está nas mãos da Aeronáutica

A burocracia do Comando da Aeronáutica em São Paulo impede o tão esperado funcionamento do aeroporto de Três Lagoas, em Mato Grosso do Sul.

A Unidade de Transporte Aéreo da Agência Estadual de Gestão e Empreendimento (Agesul) aguarda somente a assinatura da autorização por parte do 4º Comar para licitar o restante das obras. É preciso somente terminar a cerca operacional padrão e a iluminação do balizamento noturno. A verba para este trabalho já esta empenhada. Contudo, não existe prazo para a liberação dos documentos.

Fonte: Afonso Lau (jptl.com.br) - Foto: Divulgação

Escâner corporal só prendeu um traficante em aeroportos do país

Detenção ocorreu em Cumbica, em SP; RJ, AM e PE também possuem a máquina

Escâner corporal é utilizado no Reino Unido (foto), Peru, Equador, Argentina, Chile e Colômbia

O aeroporto de Cumbica, em Guarulhos, na Grande São Paulo, prendeu apenas uma pessoa com a ajuda do escâner corporal - o aparelho faz uma espécie de raio-x do passageiro, revelando se ele porta drogas e explosivos. A prisão ocorreu durante a fase de testes do aparelho, que se estendeu de maio a julho deste ano. O escâner é usado desde o mês passado no terminal de maior movimento do Brasil.

No país, aeroportos do Rio de Janeiro (Galeão), Recife e Manaus, que também ganharam o escâner, não registraram nenhuma detenção. O aparelho foi instalado nesses terminais perto da ala de embarque.

De acordo com o delegado chefe da PF-SP (Polícia Federal), Mario Menin Júnior, o homem preso em Cumbica é estrangeiro, vindo de um país da América do Sul (que não foi divulgado) e havia ingerido várias cápsulas de cocaína. Segundo ele, a escolha de quem será submetido ao escâner é aleatória.

- Nós abordamos pessoas suspeitas e pedimos para que ela se dirija à máquina. Um policial fica numa sala sem ser visto e analisa a pessoa. A imagem é como se fosse um raio-x e é possível ver se a pessoa carrega objetos estranhos ou se engoliu algum entorpecente.

Questionado se o itinerário de viagem dos suspeitos é levado em conta nas abordagens, Menin disse que essa consulta só é feita após o indivíduo passar pelo aparelho. O delegado não soube informar a média de pessoas abordadas diariamente no aeroporto.

- Não fazemos levantamento prévio para saber se o passageiro fez escalas em locais conhecidos por integrarem a rota de tráfico, por exemplo. Após passar pela máquina, caso apareça algum objeto estranho, a pessoa é encaminhada ao hospital mais próximo do aeroporto.

O aeroporto de Recife fez testes por apenas quatro dias – entre 26 e 30 de abril - e validou o funcionamento do escâner em maio passado. Já no aeroporto do Galeão, os testes foram feitos de maio até agosto, quando começou a vigorar a fiscalização.

O aeroporto de Manaus não forneceu dados sobre a fase de testes e o início da fiscalização.

Acordo bilateral

Segundo a assessoria de imprensa da PF, cada um desses aeroportos tem apenas um escâner, cujo valor é de R$ 600 mil. As máquinas alemãs foram doadas pelos Estados Unidos após um acordo com o Brasil.

Até o ano que vem, deverão ser instalados mais escâneres nos aeroportos de Foz do Iguaçu (PR), Cuiabá (MT), Brasília (DF), Fortaleza (CE), Salvador (BA) e Rio Branco (AC). O escâner é utilizado nos aeroportos do Peru, Equador, Argentina, Chile e Colômbia. No Reino Unido, o aparelho também é usado em portos e estações ferroviárias.

Fonte: Mônica Ribeiro e Ribeiro (R7) - Foto: Brian Branch-Price/AP Photo

Aeronáutica recebe orientações para agir em casos de ovnis

Objetos voadores não identificados (ovnis) aparecem com frequência nos céus brasileiros, e, por isso, desde o mês passado a Força Aérea regulamentou a forma como seus integrantes devem agir caso que avistem ou tenham notícias sobre um deles.

Assim, o Governo "reconhece que há relatórios sobre alguns objetos voadores não identificados que sobrevoam o espaço aéreo, embora desconheça a procedência" disse à agência Efe o presidente do Centro de Ufologia Brasileiro, Milton Frank.

Desde agosto, quando avistarem ou receberem notícias de um ovni, os militares deverão registrá-lo nos livros do Comando da Aeronáutica, que por sua vez vai elaborar um documento que será remetido ao Arquivo Nacional, segundo publicou o Diário Oficial.

Frank explicou que a função da Força Aérea é defender o espaço aéreo brasileiro, e por isso há relatórios sobre ovnis.

O ufólogo e advogado Ubirajara Rodrigues disse à agência Efe que, com o passar dos anos, aumentou o número de ocasiões em que pequenos supostos discos voadores foram avistados, "abrangendo pessoas de todos os níveis socioculturais e econômicos", embora assinala que, ao analisar as declarações, "só um pequeno número de casos ainda permanece sem explicação".

Os dois ufólogos afirmaram que "ainda não há uma estatística bem elaborada", com uma metodologia apropriada, que possa demonstrar uma variação quantitativa nos registros de supostos ovnis no país.

O Brasil não tem registros oficiais sobre aparições de naves supostamente vindas de outros lugares do universo, mas se sabe que durante a ditadura militar (1964-1985) os serviços de inteligência do Estado averiguaram supostos casos em que pessoas disseram ter avistado ovnis.

Um dos casos mais famosos é o do "ET de Varginha", como ficou conhecido o aparente acidente de um objeto voador não identificado e a posterior captura de seus tripulantes, no dia 20 de janeiro de 1996, na cidade do sul mineiro.

O caso entrou para a literatura da ufologia com o nome de "Roswell brasileiro", em alusão ao incidente ocorrido em julho de 1947, no estado do Novo México (Estados Unidos), onde supostamente caiu uma nave extraterrestre.

Segundo alguns moradores da cidade mineira, que tem aproximadamente 120 mil habitantes e um simpático 'extraterrestre' como símbolo, os 'homens do espaço' foram capturados pelo Exército, que os conduziu a uma instalação militar e, depois de levá-los a dois hospitais, os entregaram a um instituto de pesquisa científica sob o mais estrito segredo.

Rodrigues, que participou do estudo do incidente, explicou que os ufólogos costumam gravar em vídeo uma entrevista com as testemunhas quando tentam fazer uma investigação no terreno, mas para o acontecimento de Varginha, não há "testemunhos gravados que possam servir como prova científica" que mostrem "os aspectos extraordinários do caso".

Frank lembrou ainda a chamada "Operação Prato", com a qual a Força Aérea tentou determinar, entre o fim de 1977 e o início de 1978, a veracidade de várias denúncias que falavam de ovnis que sobrevoavam os estados do Maranhão e Pará, que nunca foram comprovadas.

Habitantes dos dois estados fizeram na época relatos de "luzes misteriosas causadoras de mortes e alucinações" entre pessoas que tiveram algum tipo de contato com esses fenômenos.

Além disso, no Parque Nacional da Chapada dos Veadeiros, em Goiás, os ufólogos dizem que há uma "porta aberta ao espaço" onde discos voadores podem ser vistos com mais frequência, embora não exista nenhum registro oficial de contatos com seres de outro planeta.

Fonte: EFE/EPA

Encontrado corpo de segunda vítima de queda de helicóptero no litoral paulista

Uma equipe terrestre da Polícia Militar baseada em Praia Grande, que se deslocou para o trecho serrano de Itanhaém, encontrou neste domingo o corpo da segunda vítima do desastre de helicóptero modelo Robinson R44 prefixo PT-YON, ocorrido na tarde da última sexta-feira, possivelmente o empresário José Lázaro da Luz, de 51 anos. O corpo foi encaminhado para o IML de Praia Grande para identificação.

No sábado, equipes de resgate do Salvaero, removeram e identificada o corpo da primeira vítima do acidente, o piloto da aeronave Waldemir Ricardo da Silva Lima, 30 anos. O helicóptero R44 da Brava Transportes Aéreos decolou de Peruíbe às 11h15m da sexta-feira com destino ao Campo de Marte (zona norte de São Paulo) e ficou desaparecido por mais de 24 horas, depois de sobrevoar uma região de mata densa na Serra do Mar.

O R44 foi encontrado pelo Centro de Coordenação de Salvamento (Salvaero) de Curitiba, um departamento da Força Aérea Brasileira (FAB), que utilizou nas buscas uma aeronave SC-105 Amazonas e um helicóptero H-34 Super Puma. A operação de busca e resgate mobilizou 15 militares da FAB distribuídos nas duas aeronaves

Fonte: Tribuna Online/TV Tribuna via O Globo - Foto: Rodrigo Petterson/Futura Press

Ministra diz que teve "honra pessoal" atacada

OUTRO LADO

A ministra Erenice Guerra (Casa Civil - foto ao lado) se pronunciou ontem por meio de nota oficial em que afirma que abre mão de seus sigilos fiscal, bancário e telefônico, e de todos os seus familiares.

A ministra afirmou ainda que vai processar a revista por "danos morais" e pedir "direito de resposta".

Acusou a revista "Veja" de atacar sua "honra pessoal" por conta do "processo eleitoral" em que, segundo ela, a "revista está envolvida da forma mais virulenta e menos ética possível".

Na nota, a ministra não esclarece nenhum dos pontos relatados na reportagem.

A revista afirma que Erenice participou de encontros com interessados no negócio com os Correios, e teria dito que havia "compromissos partidários" a serem saldados com a suposta propina.

Em declarações reproduzidas na revista, a ministra diz que nunca recebeu empresários em casa para tratar de assuntos institucionais. Afirma, ainda, que, "eventualmente", algum empresário pode ter ido à sua casa, mas como convidado dos filhos.

Na nota, ela diz que, procurados pela revista, "fornecemos -tanto eu quanto os meus familiares- as respostas cabíveis a cada uma de suas interrogações".

"De nada adiantou nosso procedimento transparente e ético, já que tais esclarecimentos foram, levianamente, desconhecidos."

SAIBA MAIS

Ministra se envolveu em escândalos

Sombra de Dilma Rousseff (PT) desde o início do governo Lula, a ministra Erenice Guerra (Casa Civil), 51, teve o nome envolvido em escândalos e polêmicas durante a passagem da ex-chefe pelo Planalto.

Em 2008, ela foi acusada de montar um dossiê com gastos sigilosos do ex-presidente Fernando Henrique Cardoso. O material serviu para constranger a oposição na CPI dos Cartões Corporativos.

No ano passado, foi citada em denúncia de favorecimento à família do presidente do Senado, José Sarney (PMDB-AP). Segundo Lina Vieira, ex-secretária da Receita Federal, Erenice marcou reunião em que Dilma tentaria interferir em investigação sobre negócios do clã.

Erenice negou participação nos dois casos. Blindada pelo governo, nunca teve que dar explicações no Congresso.

Formada em direito e filiada ao PT desde 1981, ela nunca disputou eleições, mas sempre atuou na burocracia estatal. Ocupou postos na Eletronorte, no governo de Cristovam Buarque em Brasília e na Câmara dos Deputados.

Aproximou-se de Dilma em 2002, na transição para a gestão petista. Logo virou sua assessora mais próxima, com cargo comissionado no Ministério de Minas e Energia.

Quando Dilma assumiu a Casa Civil, em 2005, Erenice virou secretária-executiva do órgão, substituindo a titular em férias e viagens. Em março, teve a lealdade premiada com a promoção a ministra. A nomeação foi bancada por Dilma, após uma indicação frustrada para o Tribunal de Contas da União.

Reservada, a ministra evita dar entrevistas e prefere atuar nos bastidores. Recebeu de colegas o apelido de "Dilma da Dilma", por reproduzir o mesmo estilo durão da ex-chefe.

Líder do governo fala em "acusações baratas'; PSDB pede apuração

O líder do governo na Câmara, Candido Vaccarezza (PT-SP), afirmou que a reportagem da revista "Veja" é "ridícula", baseia-se "em acusações baratas" e aparenta ser bancada por pessoas com interesses contrariados.

"Fala-se em um suposto lobby que não tem foco, não tem ganhador, não tem propina", disse.

Ele defendeu a possibilidade de filhos de ministros terem empresas, desde que não haja favorecimento -não fez ressalva ao fato de os contratos envolverem dinheiro público.

Sobre a afirmação do candidato tucano José Serra de que a Casa Civil é um centro de "maracutaias", Vaccarezza disse que "quem usar isso eleitoralmente vai cavar a própria cova": "Serra é uma pessoa miúda, nas propostas e na atuação política".

Oposição

O presidente do PSDB e coordenador da campanha de Serra, senador Sérgio Guerra (PE), classificou de "gravíssimo" o suposto envolvimento da ministra Erenice Guerra na viabilização de negócios que supostamente resultaram em pagamento de R$ 5 milhões à empresa do filho.

"É um escândalo que aconteceu na antessala da Dilma", disse o senador, que conversaria com Serra sobre o assunto, por telefone.

Para o vice-presidente do PSDB, Eduardo Jorge, os contratos atribuídos ao filho de Erenice são ainda mais graves para a campanha de Dilma que a quebra dos sigilos fiscais de pessoas ligadas ao candidato tucano.

De acordo com ele, o caso agora precisa ser "tratado com prudência e apurado a fundo".

O presidente do DEM, Rodrigo Maia, disse que o caso "precisa ser acompanhado" e que, em período eleitoral, a acusação da reportagem "precisa de resposta" de Dilma Rousseff.

Fonte: jornal Folha de S.Paulo - Foto: O Globo

Diretor de estatal diz que contrato foi emergencial

Diretor de Operação dos Correios, Eduardo Artur Rodrigues Silva, disse que a Capital Consultoria e Assessoria foi contratada pela MTA (Master Top Linhas Aéreas) para "agilizar" a renovação da concessão da empresa na Anac. Na época, ele era gerente da Martel Assessoria e Consultoria Aeronáutica, que entre seus clientes tem a MTA.

Folha - Que tipo de serviço a Capital fez para a MTA?

Eduardo Artur Rodrigues Silva - Em dezembro do ano passado a Anac suspendeu os voos da empresa porque uma certidão [que comprova pagamento de imposto] estava vencida. Eles [MTA] nos informaram então que contrataram uma assessoria em Brasília para agilizar o procedimento na Anac.

Por que contrataram uma outra consultoria se já tinham contrato com a consultoria do senhor?

Disseram que embora a Martel tenha filiada em Brasília, só tem uma funcionária, então contrataram consultoria para ajudar. Antes de mandar para a Anac, por solicitação da MTA, essa consultoria mandou e-mail para que a Tatiana [filha de Silva e diretora da Martel] desse uma olhada no expediente porque ela é especializada em direito aeronáutico.

Por que era preciso "acelerar" a renovação da concessão da empresa?

A certidão venceu numa semana de pico para o setor e a empresa parou de operar. Como estavam desesperados, eles [MTA] contrataram uma consultoria em Brasília. Após renovar a concessão, a MTA conseguiu um contrato milionário com os Correios sem licitação. Em dezembro, a TAF Linhas Aéreas, que tinha dois aviões operando para os Correios, teve problema com as aeronaves. Em janeiro, a Total Linhas Aéreas teve dois aviões parados pela Anac e em fevereiro uma outra empresa foi considerada inidônea. Por isso tiveram que fazer contrato de emergência.

O sr. tratou da MTA com a ministra Erenice Guerra ou com o Israel, filho dela?

Eu vi a doutora Erenice duas vezes na vida. O Israel não sei quem é.

O sr. era o procurador da MTA. O sr. disse que quem fez esse trabalho na Anac foi a Capital. Qual a relação entre a MTA e a Martel?

Fui procurador da MTA e renunciei em maio. A MTA informou que tinha uma consultoria em Brasília que estava ajudando a renovar o funcionamento jurídico. Para atender o nosso cliente, olhamos o documento que a Capital estava fazendo.

Fonte: jornal Folha de S.Paulo

Contra parecer, Anac beneficiou empresa

Renovação de concessão da MTA foi dada pela presidente da agência em quatro dias, apesar de diretoria ser contra

Entre liberação da Anac e assinatura de contrato com Correios, empresa era representada por atual diretor da estatal

A presidente da Anac (Agência Nacional de Aviação Civil), Solange Vieira, contrariou decisão da diretoria da agência e beneficiou a empresa MTA, apontada como contratante dos serviços de consultoria do filho da ministra-chefe da Casa Civil, Erenice Guerra.

A renovação da concessão saiu em quatro dias, mesmo com parecer contrário da diretoria da agência.

Em 15 de dezembro, a Anac havia negado a renovação em razão da "ausência da comprovação de regularidade previdenciária". Porém, no dia 18, a presidente da Anac concedeu a renovação estendendo o prazo de três para dez anos.

O ato da presidente da Anac foi referendado pela diretoria duas semanas depois. Segundo a assessoria da Anac, Solange concedeu a renovação porque a MTA apresentou a papelada exigida pela burocracia do órgão.

A renovação por dez anos foi uma mudança de entendimento da diretoria que se estendeu para todas as demais empresas do ramo.

Após conseguir a liberação, a MTA fechou neste ano um contrato com os Correios de R$ 19,6 milhões, sem licitação e com privilégios: permite que a companhia aérea leve cargas de terceiros além do material dos Correios nas viagens, tornando mais lucrativo o negócio.

Segundo a Folha apurou, este é o único contrato que permite a carga compartilhada.

As demais empresas que atendem aos Correios operam com carga exclusiva.

A empresa ganhou neste ano quatro contratos nos Correios no valor de R$ 59,6 milhões, para o transporte de carga aérea. Três foram por pregão eletrônico e somam R$ 40 milhões. O quarto é o de R$ 19,6 milhões.

Entre a liberação na Anac e a assinatura do contrato com os Correios a MTA era representada por Artur Rodrigues da Silva, que depois se tornou diretor de Operações dos Correios em agosto por indicação da Casa Civil.

Segundo a revista "Veja", o consultor Fábio Baracat, ligado à MTA, teria negociado esses contratos com a ministra da Casa Civil, Erenice Guerra, graças a atuação de Israel Guerra, que não foi localizado pela reportagem.

A intermediação teria rendido uma propina ao filho da ministra, segundo a "Veja".

Em entrevista à Folha por telefone, Baracat afirmou que o negócio entre MTA e Israel não prosperou. "Se houvesse algum trabalho, pleiteado, haveria [pagamento à empresa de Israel]. Mas como não teve nada, não se fez."

"Não se chegou a falar em percentual", disse o consultor. Ele afirmou que, no final do ano passado, aproximou-se da direção da MTA para tentar adquirir parte da empresa. Disse que realizou um plano de negócios, com vistas à parceria, mas que há três meses desistiu da ideia.

Em nota, Baracat declarou se sentir "um joguete". "Acredito que tenha contribuído com o esclarecimento dos fatos, na certeza de que fui mais uma personagem de um joguete político-eleitoral irresponsável do qual não participo", disse.

Segundo a "Veja", reuniões com clientes da Capital aconteceram em um escritório de advocacia em Brasília que tem como sócio Márcio Silva, que integra a coordenação jurídica da campanha de Dilma Rousseff.

Silva disse à Folha que desconhecia a existência da empresa Capital e das eventuais atividades profissionais de Israel. Disse que é amigo de Erenice e do irmão dela, Antonio, que foi sócio do escritório até março deste ano.

Silva disse não saber se Antonio cedeu o espaço ao sobrinho, e que a única conversa profissional que teve com Israel foi sobre uma empresa de Minas que estaria precisando de advogado.

Fonte: jornal Folha de S.Paulo

Filho de sucessora de Dilma teria feito lobby para MTA Linhas Aéreas

Diretor dos Correios e consultor confirmam que Israel, filho de Erenice Guerra, intermediou negócios com estatal

Revista "Veja" apontou empresa da qual é sócio outro filho da ministra como intermediadora de empresas no governo


O diretor de Operações dos Correios, Artur Rodrigues da Silva, e o consultor Fabio Baracat apontaram ontem à Folha o filho da ministra-chefe da Casa Civil, Erenice Guerra, como intermediador de negociações e contratos entre uma empresa privada e o governo federal.

Erenice sucedeu a candidata do PT à Presidência, Dilma Rousseff, de quem era o braço direito na pasta.

Reportagem da revista "Veja" desta semana mostra que Israel Guerra e a empresa Capital Assessoria e Consultoria Empresarial, à qual é ligado, fizeram lobby para ajudar a MTA Linhas Aéreas a obter a renovação de uma concessão da Anac (Agência Nacional de Aviação Civil) que permitiu, mais tarde, um contrato em condições privilegiadas com os Correios.

A revista diz que foi Erenice quem viabilizou o sucesso da atuação do filho. Segundo a reportagem, o dinheiro pago na intermediação teria sido citado pela ministra como necessário para cumprir "compromissos políticos".

Em nota oficial, Erenice classificou a reportagem de "caluniosa", mas o envolvimento de Israel foi confirmado à Folha por dois participantes das negociações com a Anac e os Correios.

Rodrigues Silva disse que a Capital foi contratada pela MTA (Master Top Linhas Aéreas) no final do ano para apressar a liberação de seus voos pela Anac.

Segundo a Junta Comercial de Brasília, a Capital está registrada em nome de Saulo Guerra, outro filho de Erenice, e de Sônia Castro, mãe de Vinícius Castro, assessor da Casa Civil. A "Veja" afirma que os donos são "laranjas" de Israel e Vinícius.

Representante da MTA na época, Baracat diz que era com Israel que os entendimentos eram travados. O filho de Erenice, segundo ele, receberia remuneração se a operação tivesse sucesso.

"Durante o período em que atuei na defesa dos interesses comerciais da MTA, conheci Israel Guerra, como profissional que atuava na organização da documentação da empresa para participar de licitações, cuja remuneração previa percentual sobre eventual êxito, o qual repita-se, não era garantido", disse Baracat à Folha.

No início do, a MTA fechou contrato sem licitação de R$ 19,6 milhões com os Correios para transporte de carga.

Baracat disse ter conhecido Erenice, mas negou ter discutido negócios com ela.

Segundo a "Veja", eles teriam se encontrado quatro vezes para negociar os interesses da MTA.

Dilma Rousseff e José Serra (PSDB) comentaram ontem a denúncia de lobby na Casa Civil. Em Goiânia, Serra disse que o ministério virou um "centro de esculhambação" desde que era comandado por José Dirceu.

Dilma defendeu Erenice e disse que a acusação faz parte de uma tentativa da oposição de achar uma "bala de prata" para atingi-la.

Fonte: jornal Folha de S.Paulo

Hands on: Wi-Fi no voo da American Airlines

Desde o final do ano passado a American Airlines vem oferecendo um serviço de acesso Wi-Fi em algumas de suas rotas domésticas e como não tinha nada pra fazer durante o vôo de Dallas para San Francisco, eu dei uma olhada in loco nesse sistema.

Batizado de GoGo Inflight Internet esse sistema funciona mais ou menos como uma rede de telefonia celular mas com as torres direcionadas para cima transmitindo assim o seu sinal para os aviões que estiverem passando pelo local, o que pode incluir aeronaves de outras empresas além da AA.

E como ocorre quando usamos nossos celulares o aparelho procura e utiliza a torre que ofereça o melhor sinal. Essa rede já cobre todos os EUA e até partes do Canadá e México mais próximas da fronteira.

No caso a American, esse serviço já está disponível em todos os Boeing 767-200 e em algumas unidades do MD80 e 737. Nesses casos, o serviço é anunciado na forma de um folheto em cada poltrona e um adesivo perto do compartimento de bagagem (imagem acima).

Seu uso é o como de qualquer hotspot de acesso pago: ligue o PC, handheld ou celular com Wi-Fi (obviamente nunca nas decolagens e aterrissagens) e procure pelo ponto(s) de acesso disponíveis. Interessante notar que meu note observou três redes dentro do avião em pleno voo e no meio do deserto americano.

Feito isso, basta se conectar:

Ai é só entrar no seu browser favorito, escolher e comprar o plano de acesso que melhor se ajuste às suas necessidades e sair navegando.

Segundo colegas que já utilizaram esse serviço, por enquanto ele é bastante veloz mas isso sempre dependerá do nível de uso da rede como um todo.

O curioso é notar que no folheto da American eles recomendam o uso moderado desse serviço em atividades leves como acessar emails, entrar na intranet da empresa, fazer algumas transações comerciais como alugar um carro, etc. Ligações de VoIP são proibidas e acho que deve haver alguma restrição para uso de redes peer-to-peer (como Bittorrent) ou acessar o YouTube. A empresa também recomenda que o usuário não acesse qualquer site que possa ofender o seu vizinho de poltrona, ou seja, site de sacanagem nem pensar.

Fonte: Mário Nagano (Zumo Blog)

Bebê recém-nascido é encontrado em banheiro de avião nas Filipinas

Saudável, menino foi achado em cesto de lixo pelo pessoal da limpeza.

Ele foi levado às autoridades de Manila, que vão procurar os pais.


Um bebê recém-nascido foi achado neste domingo (12) em um cesto de lixo no banheiro de um avião que havia pousado no principal aeroporto das Filipinas.

A equipe de limpeza do avião chamou rapidamente os médicos do aeroporto de Manila.

O avião, da empresa Gulf Air, havia chegado de Bahrein e estava sendo preparado para outro voo, segundo autoridades do aeroporto.

Médicas do aeroporto de Manila, nas Filipinas, examinam neste domingo (12) o bebê abandonado em um avião

O menino foi levado ao hospital. Ele está em boas condições de saúde e foi levado às autoridades.

Imagens feitas por fotógrafos do próprio aeroporto mostram o bebê enrolado em uma toalha e sendo examinado pelos médicos.

Os funcionários do aeroporto "batizaram" o bebê como George Francis, numa alusão ao código da companhia aérea que é "GF". As autoridades filipinas vão tentar localizar os pais.

Fontes: AFP via G1 / Daily Mail - Fotos: AFP / Alamo

Ultraleve cai no PR e mata empresário

Acidente ocorreu em Cambé, no norte do estado.

Ultraleve caiu numa propriedade rural, às margens de uma rodovia.



Um empresário do Paraná morreu após a queda de um ultraleve pilotado por ele na noite deste sábado (11). O acidente ocorreu numa propriedade rural, às margens de uma rodovia em Cambé, no norte do estado.

Testemunhas disseram que o empresário, Jeferson Adilson Moreno, de 45 anos, voou por cerca de duas horas e sofreu acidente após uma manobra voando baixo.

Amigos disseram que o homem tinha licença para voar, mais de dez anos de experiência e há quatro anos havia comprado o ultraleve para usar nos finais de semana.

Uma investigação vai apurar as circunstâncias do acidente.

Fonte: G1