segunda-feira, 28 de junho de 2010

Diretor da CIA diz que guerra do Afeganistão enfrenta graves problemas

O diretor da CIA admitiu que a guerra no Afeganistão enfrenta "graves problemas", mas disse que a missão das tropas internacionais está a fazer progressos.

Numa entrevista à ABC, Leon Panetta (foto) também afirmou que o conflito está a decorrer de forma mais penosa e lenta do que alguém tinha antecipado. Quanto ao paradeiro de Osama Bin Laden, Panneta confessou que nenhuma informação fiável pôde ser recolhida desde há vários anos. Diretor da CIA diz que guerra do Afeganistão enfrenta graves problemas.

Na rara entrevista que concedeu ao programa "This Week" da cadeia de televisão ABC, o diretor da CIA pintou um cenário sombrio da situação no Afeganistão.

Entre os principais problemas enfrentados pela coligação de tropas ocidentais, Leon Panetta referiu a corrupção no seio das autoridades e do governo afegão, o tráfico da droga e a guerrilha dos talibãs, tudo isto no contexto de uma sociedade tribal.

Mesmo assim Panetta não tem dúvidas de que os americanos não podem perder de vista o principal objetivo: Garantir que Al-Qaeda nunca mais encontre um porto seguro de onde possa atacar os Estados Unidos.

"Vencer no Afeganistão significa ter um país suficientemente estável para garantir que não há nenhum santuário para a Al-Qaeda, nem para os militantes Talibã que dão guarida à Al-Qaeda" disse o diretor da CIA.

Sublinhando o aumento de violência contra as forças da NATO e dos EUA nas províncias de Kandahar e Helmand, Panetta disse não ter dívidas que "a chave para o sucesso ou para o fracasso é a de os Afegãos aceitarem ou não a responsabilidade" de governar e manter seguro o país.

CIA não acredita na reconciliação

No que respeita ao processo de reconciliação nacional lançado pelo Presidente afegão Hamid Karzai, Leon Panetta mostra-se céptico, dizendo que os Talibãs só aceitariam dialogar se estivessem perante a certeza de uma derrota.

"Até agora não vimos nenhum indício de que eles estejam verdadeiramente interessados numa reconciliação, em que entregariam as armas, denunciariam a Al-Qaeda e tentariam verdadeiramente integrar-se na sociedade", disse.

O diretor da CIA estima que apenas existam atualmente no Afeganistão entre 50 a 100 terroristas da Al-Qaeda, a maioria dos quais a operarem na província de Kandahar. Quanto a Osama Bin Laden, o responsável pela agência de espionagem norte-americana acredita que "muito bem escondido" nas zonas tribais do Paquistão, perto da fronteira com o Afeganistão.

Mistério quanto ao paradeiro de Bin Laden

"É obvio que ele dispõe de uma enorme segurança em redor dele”, disse Panetta, referindo-se ao fundador da Al-Qaeda, procurado pelos atentados de 11 de Setembro de 2001 nos Estados Unidos.

Panetta acredita que com a continuação dos esforços para neutralizar as operações da Al-Qaeda, e para matar os líderes da organização no Afeganistão, será possível expulsar dos seus esconderijos Bin Laden e o número dois da organização, Ayman al-Zawahiri.

No entanto, o diretor da CIA admitiu que, desde há anos, a agência não consegue obter boas informações acerca do paradeiro exato do líder da Al-Qaeda.

Pannetta também falou sobre as principais ameaças que de momento os Estados Unidos enfrentam. Segundo ele, o maior perigo é o de que a Al-Qaeda faça uso de agentes que não têm qualquer cadastro terrorista para infiltrar as defesas americanas, como sucedeu no caso do cidadão nigeriano suspeito de tentar destruir um avião sobre os Estados Unidos no dia de Natal.

O diretor da CIA também mencionou a possível existência, já em território americano, de agentes da Al-Qaeda "em estado de hibernação", e também o perigo que advêm de pessoas que se auto-radicalizam, como o Major Nidal Hassan, suspeito de ter cometido o massacre no quartel de Fort Hood no Texas.

"Esse tipo de perigos representa, em minha opinião, a mais séria ameaça que os Estados Unidos enfrentam na atualidade" disse Leon Pannetta.

Fonte: António Carneiro (RTP) - Foto: Reprodução/ABC

Avião israelense é impedido de sobrevoar o espaço aéreo da Turquia

Um avião israelense foi impedido de atravessar o espaço aéreo turco nesta segunda-feira (28), segundo a BBC. A Turquia decidiu hoje fechar o seu espaço aéreo para alguns voos de aviões de Israel, o que é considerado uma retaliação ao ataque das forças israelenses em 31 de maio a um navio turco que participava de uma frota que levava ajuda humanitária à faixa de Gaza.

Em Toronto, no Canadá, durante a reunião do G20, o primeiro-ministro turco, Recep Tayyip Erdogan, confirmou a adoção da medida de retaliação, segundo uma fonte do governo turco ouvida pela agência de notícias Associated Press, a retaliação não afetará os voos comerciais entre a Turquia e Israel.

O avião que foi proibido de sobrevoar o espaço aéreo turco hoje levava funcionários israelenses para uma visita a Auschwitz, na Polônia. Com a proibição, o avião foi forçado a adotar uma rota alternativa.

Também nesta segunda-feira, a comissão pública criada por Israel para examinar os aspectos jurídicos do ataque de 31 de maio se reuniu pela primeira vez.

A sessão deve se dedicar a fixa o calendário e as questões de procedimento, segundo o porta-voz da comissão, Ofer Lefler.

Esta comissão pública independente, composta por cinco membros, entre os quais dois observadores internacionais, é presidida por um juiz aposentado da Suprema Corte, Yaakov Tirkel.

Os dois participantes internacionais, que não têm direito a voto, são Lord Trimble, ex-primeiro-ministro protestante da Irlanda do Norte, e Ken Watkin, ex-advogado geral do exército canadense.

O mandato desta comissão, que Israel aceitou criar sob pressão dos Estados Unidos, é limitado e deverá determinar a validade, segundo o direito internacional, do bloqueio imposto por Israel à faixa de Gaza e do ataque contra a frota de ajuda pró-palestina em águas internacionais, no qual morreram nove civis turcos.

O presidente Tirkel pode decidir excluir os observadores estrangeiros da comunicação de alguns documentos ou informações se "considerar que sua divulgação prejudicará a segurança nacional ou as relações diplomáticas" de Israel.

A comissão interrogará o primeiro-ministro israelense Benjamin Netanyahu, o ministro da Defesa, Ehud Barak, e os outros cinco membros do "Foro de Sete Ministros" - que agrupa os principais membros do governo - que aprovou o ataque.

Fonte: UOL Notícias (com informações das agências internacionais)

Balão passa próximo a avião em SP

Balão sobrevoava a Serra da Cantareira.

Região é rota de aviões que utilizam o aeroporto de Cumbica.




Um balão solto em São Paulo passou próximo de um avião, ameaçando a segurança do tráfego aéreo. O helicóptero da TV Globo flagrou quando o balão sobrevoava a Serra da Cantareira, Zona Norte da capital, que é rota das aeronaves que utilizam o aeroporto de Cumbica.

Neste fim de semana, em poucas horas de voo, foram registrados 30 flagrantes em São Paulo e no Rio de Janeiro. O clima seco, poucas nuvens, pouco vento são condições ideais para quem solta balão, considerado uma prática criminosa.

Fonte: G1

Polícia confirma a existência de bomba em Cumbica

A Polícia Militar confirmou a existência de uma bomba no aeroporto de Cumbica, em Guarulhos, na manhã desta segunda-feira (28). O artefato foi deixado no local na noite de domingo após o roubo de R$ 15 mil de um caixa do estacionamento.

De acordo com a sala de imprensa da polícia, havia uma granada dentro de uma sacola abandonada pelos bandidos no estacionamento do aeroporto nesta madrugada. O material foi levado para a base do Gate (Grupo de Ações Táticas Especiais).

O caso está sendo investigado pela Delegacia da Polícia Civil que fica dentro de Cumbica.

Fonte: R7 - Foto: @TatyIzquierdo (via Twitter)

Suspeita de bomba faz polícia isolar terminal do aeroporto de Guarulhos

Assaltante usou sacola para ameaçar caixa do estacionamento.

Objeto semelhante a uma granada não explodiu com detonador.




Uma suspeita de bomba levou policiais do Grupo de Ações Táticas Especiais (Gate) da Polícia Militar de São Paulo a isolarem um dos terminais de passageiros do Aeroporto Internacional de São Paulo, em Guarulhos, na madrugada desta segunda-feira (28).

Segundo os policiais, por volta das 23h de domingo (27) um homem chegou ao caixa do estacionamento do Terminal 1, no térreo, e entregou um bilhete à atendente, no qual afirmava ter uma bomba dentro de uma sacola de compras. De acordo com o relato da mulher, ele teria dito que não estava sozinho. Depois de levar em torno de R$ 15 mil, o assaltante foi embora deixando a sacola ao lado de um caixa eletrônico em frente às escadas rolantes do saguão.

A funcionária chamou a polícia, que chegou ao local por volta da meia-noite e isolou o terminal. Com equipamento de raio X, os policiais identificaram um objeto com o formato de uma granada dentro do pacote, pouco depois da 1h. Um robô tombou a sacola e revelou um objeto preto embrulhado em um papel vemelho.

Usando roupas especiais, um policial recolheu o artefato e o colocou abaixo de um banco de concreto no estacionamento. À 1h40, os policiais usaram um detonador, mas o objeto não explodiu. O artefato foi transportado em uma caixa de chumbo à sede do Gate, onde uma perícia vai relevar se é mesmo uma granada ou uma réplica.

Ladrão pode ser ex-funcionário

O bilhete entregue à caixa foi feito com letras recortadas de revistas e falava no nome do dono do estacionamento, o que leva a polícia a crer que se tratava de alguém que conhece a rotina do estabelecimento, como um ex-funcionário.

Após a retirada do artefato do aeroporto, o terminal foi reaberto. Segundo informações da Infraero, alguns passageiros desembarcaram pelo Terminal 2, mas nenhum voo sofreu atraso em função do episódio. Com o fechamento do terminal e do estacionamento, houve congestionamento no entorno do aeroporto no fim da noite e começo da madrugada.

Fonte: G1 (com informações da TV Globo)

domingo, 27 de junho de 2010

Foto do Dia

Clique sobre a foto para ampliá-la

No detalhe do Boeing 707-3J9C, prefixo EP-SHG, da Saha Air, os motores Pratt & Witney PW-JT3P, durante sobrevoo do 'vovô' sobre o Irã, em 4 de junho de 2010.


Foto: Mohammadreza Farhadi Aref
(Airliners.net)

Aula de sobrevivência

Você pode sobreviver a um ataque de pumas famintos, escapar de um navio afundando durante uma tempestade e sair ileso caso a cauda de seu avião exploda em pleno voo.

O jornalista norte-americano Ben Sherwood reuniu episódios reais e impressionantes no livro The Survivors Club (O Clube dos Sobreviventes, ainda não publicado no Brasil) e conversou com quem saiu ileso deles. “Eu queria entender os segredos de quem persevera, e saber como ter um pouco dessa capacidade”, diz Ben.

Para escrever o livro, o autor participou de um curso de sobrevivência militar e entrevistou cientistas e sobreviventes em cinco continentes. “Nenhum deles sabia do que era capaz. Percebi que todo mundo tem qualidades para superar adversidades”, diz. Segue uma das histórias:

Acidente aéreo

Em 1989, o voo 232 da americana United Airlines começou a cair após sua cauda explodir. Depois de sobreviver ao pouso forçado, o norte-americano Jerry Schemmel ainda salvou outras vidas. O acidente causou a morte de 111 dos 296 passageiros da aeronave.

Herói hollywoodiano

Faltando 30 segundos para o pouso forçado, Schemmel leu o cartão de segurança do avião

A aeronave bateu violentamente três vezes no chão. Sua fuselagem começou a se desintegrar

Com o avião parado em terra firme, Schemmel carregou uma mulher com as pernas quebradas para fora dele

Ao ouvir um choro, entrou novamente na fuselagem e resgatou um bebê segundos antes da aeronave explodir

Fonte: Revista Galileu - Arte: Rubens Paiva

Nota do Autor: em breve, matéria completa sobre o acidente no voo 232 da United Airlines no site Desastres Aéreos.

Os assustadores aviões que voam sem piloto

Eles são o início do pesadelo para quem teme uma guerra de robôs. São capazes de voar sozinhos com autonomia e potencial destrutivos gigantescos. Fiscalizam fronteiras, transmitem informações secretas. Floresceram na guerra do Iraque, em 2003, e, hoje, já são mais de 7.000. Conheça algumas dessas máquinas mortíferas.

O X-47B foi planejado tanto para decolar da terra quanto de porta-aviões. A aeronave, que pode ser reabastecida no ar, tem a capacidade de carregar 2.041 quilos de bombas, mísseis e equipamento de vigilância.

Já este brinquedinho monitora e protege as fronteiras americanas. É conhecido como Hermes 450, ou "Predador B". Ele é equipado com sensores eletro-ópticos e equipamentos de comunicação e vigilância.

O Micro Air Vehicle, carinhosamente chamado pelos soldados como "barril de cerveja voador", é pequeno o bastante para ser levado em uma mochila, mas grande o bastante para carregar uma câmera capaz de identificar explosivos.

Tudo sobre a X-37B é top secret. Aliás, a única razão para sabermos de sua existência é que ela foi vista por um observador amador de satélites. Alguns suspeitam que esteja em uma missão de espionagem.

As missões do X-45C podem incluir a supressão de defesas aéreas inimigas; abate; ataques eletrônicos e de inteligência, vigilância e reconhecimento. Foi exposto em 2005 pela marinha americana.

O Shadow 200 tem uma câmera infravermelha, equipamentos de comunicações para comando, controle e divulgação de imagens. O veículo aéreo destina-se a fornecer a cobertura de uma área de brigada de interesse por até quatro horas, a 50 quilômetros do local de lançamento.

O Boeing ScanEagle vem sendo usado na guerra do Iraque desde 2005. Ele é lançado como uma catapulta e pode ficar até 20 horas no ar, captando imagens de vídeo e enviando-as de volta à sua base, que pode estar até 99 km de distância.

Esse é o MQ-9 Reaper. Sua hélice turbo pode voar a uma altitude de 18 km, transportando uma carga de cerca de 1.360 kg. À bordo: uma variedade de mísseis de precisão e bombas, junto com uma câmera que pode ler uma placa a 2 quilômetros de distância.

Um dos equipamentos militares mais cobiçados do mundo, o RQ-4 Global Hawk vale 35 milhões de dólares. Pode voar 20.277 km e até 30 horas, tem câmeras, sensores infravermelhos, sistema GPS e radar de abertura sintética que pode ver entre nuvens ou tempestades de areia e mandar as informações de volta à base a 50 Mb por segundo.

Fonte: Revista Galileu - Fotos: Editora Globo

NASA testa robôs inspirados em Star Wars

Para quem assistiu à saga Star Wars, de George Lucas, a forma de três pequenos robôs da Estação Espacial Internacional (ISS) deve ser familiar. Eles foram baseados nos aparelhos que Luke Skywalker usava para testar suas habilidades com o sabre-de-luz antes de poder enfrentar Darth Vader e a turma do Império Galáctico.

Mas na ISS, ao invés de usados para testar práticas jedis, os droids são um protótipo para sistemas de encontros automáticos e formação de voo em gravidade zero.

Conhecidos como Satélites Experimentais de Posição Sincronizada, ou Spheres (Synchronized Position, Hold, Engage and Reorient Experimental Satellites) estão na Estação desde 2006 e, de lá para cá, os atronautas já conduziram mais de 20 experimentos com eles.

O projeto é uma iniciativa do Departamento de Defesa dos Estados Unidos, mas foi recentemente transferido para o controle da Nasa.

Cada Sphere contém seu próprio sistema de armazenamento de energia, propulsão, computação e navegação. Eles testam tecnologias que podem levar a avanços na tecnologia envolvida em acoplagens automáticas, serviços de satélites, montagem de naves espaciais e reparos de emergência.

Embora possam ser testadas em simulações na Terra, a ISS é o único lugar em que esssas tecnologias passam por condições de microgravidade especificas.

Até agora, os testes de algoritmos de trajetórias complexas, para evitar que as Spheres se choquem com objetos, foram feitos dentro da ISS. Mas a Nasa já planeja enviá-las para o espaço. Que a força esteja com elas.





Fonte: Paula Rothman (INFO Online) - Imagens: NASA / Universe Today

Quatro morrem em queda de helicóptero na Holanda

Um helicóptero caiu em dunas de areia, perto do porto holandês de Roterdã, em frente a um grande grupo de ciclistas que participavam de um evento neste domingo (27), matando quatro das cinco pessoas a bordo.

Inicialmente, três pessoas haviam morrido, mas um quarto ocupante morreu posteriormente, no hospital, um segundo um porta-voz da polícia.

O helicóptero Eurocopter EC 130 B4, prefixo PH-ECJ, transportava três fotógrafos que cobriam o evento ciclístico que acontece na véspera da Volta da França no próximo sábado.

Além do piloto, um funcionário do porto de Roterdã também estava a bordo, informou a agência holandesa de notícias ANP.

Segundo o porta-voz da polícia, testemunhas disseram terem visto o helicóptero simplesmente caindo no chão.

Todos os passageiros eram homens, mas não estava claro quem morreu no acidente.

O helicóptero da companhia holandesa Heli Holland Airservice foi contratado pelo porto de Roterdã.


Fontes: Aaron Gray-Block (Reuters) via O Globo / ASN - Fotos: ANP

Aviação agrícola ensaia avanço

Uso de aeronaves nas pulverizações diminui o desperdício de agrotóxicos. Modelo básico custa R$ 650 mil

O uso de aviões para aplicar agroquímicos tem muito a crescer na agricultura regional.

A pulverização por tratores predomina, embora, segundo levantamento do Sindicato Nacional das Empresas de Aviação Agrícola (Sindag), o emprego da aviação seja mais eficaz e econômico.

O mercado de aviação agrícola cresce a uma taxa anual de 8% no país. Conforme Júlio Kämpf, presidente da entidade, é possível mais do que dobrar esse percentual.

"Por questões culturais, o empresário rural acostumou-se à pulverização por tratores, e os bancos o incentivam a tomar empréstimos e a imobilizar máquinas", diz.

Diante uma situação dessas, o mercado de aviação acomodou-se com um só fabricante nacional (a Neiva, da Embraer), espera pela homologação de outros e opera o restante dos negócios com a importação de aeronaves.

Ainda assim, o mercado mundial do setor está praticamente nas mãos de cinco fabricantes.

Reflorestamento

Kämpf aposta em uma situação favorável ao setor. Um dos motivos é o uso da aviação agrícola na gestão de reflorestamentos, nicho que irá crescer com o novo Código Florestal, atualmente em discussão no Congresso Nacional.

Estudo do Sindag aponta que o emprego de aviões também crescerá junto a serviços como aplicação de inseticidas no combate à dengue.

À espera

"O problema é que nesse caso o setor depende de liberação do governo federal, e ainda esperamos pelo aval", comenta Kämpf.

Há também outro nicho ainda em fase inicial: usar aviões no combate a incêndios de plantações de grãos e de cana-de-açúcar.

Curto prazo

Independente da burocracia ou da entrada do novo Código Florestal, o mercado de aviação agrícola tem como avançar no curto prazo.

"Somente nos últimos anos o setor tem crescido junto à citricultura e a cafeicultura, e na cana-de-açúcar, o potencial é muito grande porque é preciso aplicar adubos e defensivos, e, se fizer as contas, o produtor penderá para as aeronaves", diz.

Fonte: Delcy Mac Cruz (A Cidade) - Foto: Divulgação

Praticante de voo livre fica preso em árvore em Pomerode e é resgatado por helicóptero da PM

Assim que Rogério Pett pulou foi atingido por uma rajada de vento

Um homem de 34 anos ficou pendurado por quase uma hora em uma árvore a 600 metros de altura. Rogério Pett é praticante de voo livre e saltou de parapente do alto do Morro Azul, em Pomerode, no Médio Vale do Itajaí, na tarde deste domingo.

Mas assim que pulou, uma rajada de vento o projetou para o lado contrário e ele ficou preso a uma árvore. Colegas e também praticantes do esporte pediram socorro à Polícia Militar.

O helicóptero Águia da 2ª Companhia de Aviação da PM, de Joinville, foi até o local para fazer o socorro. Depois de quase uma hora, Rogério foi retirado do local. Ele não teve ferimentos.

Fonte: Diário Catarinense - Foto: 2ª Cia de Aviação PM

Cresce movimentação estratégica na região do Golfo Pérsico

Israel estaria instalando base em território saudita e embarcações dos EUA teriam cruzado Canal de Suez rumo ao Irã

Recentes movimentações militares na região do Golfo Pérsico estão aumentando a tensão entre o Irã e seus inimigos, sobretudo Israel e os EUA. Discretamente, os dois lados deslocam forças na região, uma das mais estratégicas do mundo, preparando-se para um eventual confronto real.

Ontem tanto a imprensa iraniana quanto a israelense noticiaram a suposta instalação de uma base de Israel em Tabuk, cidade no noroeste da Arábia Saudita. Suprimentos já teriam sido desembarcados na região, após uma série de consultas entre as inteligências israelense e saudita. A informação surge uma semana depois de o jornal britânico The Times informar que Riad aceitou que Israel use seu espaço aéreo num ataque ao Irã.

No início do mês, dezenas de navios americanos e uma embarcação israelense cruzaram o Canal de Suez na direção do Golfo Pérsico. Segundo o governo egípcio, 11 fragatas e 1 porta-aviões de propulsão nuclear dos EUA cruzaram do Mediterrâneo para o Mar Vermelho.

Especula-se que as forças deveriam ficar na região da costa iraniana, buscando interceptar navios suspeitos de transportar material e componentes do programa nuclear de Teerã.

Em resposta, o governo iraniano decidiu mobilizar dois de seus mais modernos submarinos, conhecidos como "Ghadir", além de pelo menos dez helicópteros de guerra. A força adicional é da Guarda Revolucionária, braço armado do regime.

Tecnologia

A Agência Espacial de Israel (AEI) lançou na terça-feira seu quarto satélite espião, o Ofek-9, desta vez com o objetivo explícito de obter informações sobre o programa nuclear iraniano. O novo equipamento possibilitaria a Israel detectar qualquer material nuclear transferido para o Irã.

Segundo o chefe do programa espacial israelense, Isaac Ben-Israel, o sistema de satélites dá ao Estado judeu capacidade técnica para vigiar todo o Oriente Médio. O lançamento coloca Israel apenas atrás dos EUA no setor de controle por satélite, disse Ben-Israel.

Há dois meses a indústria aeronáutica lançou seu primeiro modelo de aeronave não-tripulada capaz com autonomia de voo para alcançar o território iraniano. Os aviões sem piloto supostamente seriam capazes de vigiar e até mesmo bombardear instalações do Irã.

A inteligência israelense afirma que a Síria, com apoio direto do Irã, está fornecendo mísseis Scud para o Hezbollah. O armamento, capaz de atingir qualquer cidade israelense, seria usado para retaliar um ataque surpresa contra o Irã. Os EUA prometem ampliar as defesas antimísseis de Israel e de países árabes da região.

Fonte: AFP via O Estado de S.Paulo - Foto: voltairenet.org

Protótipo do míssil A-Darter entra em fase de teste de voo

O novo míssil A-Darter, que está sendo desenvolvido em cooperação entre as Forças Aéreas do Brasil e da África do Sul e envolve a participação de empresas dos dois países, entrou na fase de ensaios em voo dos protótipos. Os testes acontecem no Campo de Provas de Overberg, na África do Sul. O início da produção está previsto para 2013 e poderá ser feito em ambos os países.

O investimento conjunto para o desenvolvimento do projeto, segundo a FAB, é de US$ 130 milhões, sendo US$ 53 milhões do Brasil. O governo brasileiro investirá ainda na capacitação da indústria nacional e em transferência de tecnologia, algo em torno de US$ 109 milhões. Os recursos são financiados em parte pelo Banco Nacional de Desenvolvimento Econômico e Social (BNDES) e pela Financiadora de Estudos e Projetos (Finep).

Desde 2007, uma equipe de 19 militares da FAB, entre engenheiros das áreas de sistemas, aeronáutica, mecânica e eletrônica, permanece na África do Sul para participar do programa. Outros 27 profissionais brasileiros das empresas Mectron, Avibrás e Opto Eletrônica também participam do projeto, que está sendo desenvolvido nas instalações da empresa sul africana Denel Dynamics.

O A-Darter é um míssil de combate ar-ar de quinta geração e curto alcance, que será integrado aos caças F-5 da FAB e nos futuros caças do programa F-X2. O míssil também já está sendo testado nos novos caças Gripen da SAAF (South African Air Force). A SAAF comprou 26 Gripen, sendo que 15 já foram entregues. A previsão da FAB é de que o A-Darter esteja pronto para iniciar sua operação em 2014. O míssil será co-produzido no Brasil pela Mectron.

O presidente da Avibrás, Sami Hassuani, disse que existe a estimativa inicial de exportação entre 100 e 200 unidades do míssil, que tem como competidores equipamentos similares dos EUA, Rússia e Israel. Para Hassuani, o programa A-Darter é uma oportunidade das indústrias brasileiras desenvolverem tecnologia de quinta geração nessa área e de tornarem-se independentes, pois trata-se de segmento sujeito a permanentes embargos por parte dos países detentores da tecnologia de mísseis.

De acordo com apresentação feita pelo Ministério da Defesa, no fim de 2009, sobre Programas Mobilizadores em Áreas Estratégicas, no contexto da Política de Desenvolvimento Produtivo (PDP) do governo federal, o projeto tinha concluído 75% do seu desenvolvimento, incluindo os protótipos, lote piloto e a sua certificação. A próxima etapa seria a industrialização do míssil, que terá uma versão brasileira, mas intercambiável com o equipamento produzido na África do Sul.

A primeira fase de desenvolvimento do míssil pelo Brasil incluiu a absorção de tecnologia até chegar ao nível dos sul africanos, que já estavam mais à frente no desenvolvimento do projeto. A fase seguinte, que já foi iniciada, consiste na reprodução dos sistemas do míssil no Brasil e na adequação industrial do projeto para o desenvolvimento de uma versão brasileira, adaptada às necessidades da FAB.

"O programa do A-Darter é semelhante ao AMX (desenvolvimento de um caça entre Brasil e Itália, com a participação das empresas italianas Alenia e Aermacchi e da Embraer). A diferença é que no A-Darter os dois países terão autonomia para fazer o míssil completo", explica o presidente da Avibrás. A empresa é a responsável pelo desenvolvimento do motor do míssil.

Segundo a Aeronáutica, a principal vantagem do projeto A-Darter para as empresas brasileiras é que ele dá a chance delas participarem do mercado mundial de exportação de um produto restrito e de alta tecnologia. "Abre-se ao parque industrial brasileiro a chance de vender produtos comparáveis aos disponíveis nos países desenvolvidos e que permanece inacessível à maioria das Forças Armadas do mundo".

Com o programa do míssil, segundo a FAB, o Brasil terá ainda ganhos de conhecimento em tecnologias de detecção infra-vermelho, redes neurais no apoio à decisão, simulação de ambientes dinâmicos, óptica de alta precisão, controle e navegação, entre outras. "As empresas nacionais são responsáveis pela reprodução de subsistemas do míssil e para isso têm acesso aos dados do projeto e recebem capacitação para serem fornecedoras", informou a FAB.

Fonte: Valor Online via Administradores.com.br - Imagens: defesabr.com / defenseindustrydaily.com

Especialistas acompanham instalação do Sistema Plataforma de Lançamento do VLS-1

Equipes do Instituto de Aeronáutica e Espaço (IAE) e do Centro de Lançamento de Alcântara (CLA), no Maranhão, trabalham, desde junho de 2009, no acompanhamento das obras do Sistema Plataforma de Lançamento do Veículo Lançador de Satélites (VLS-1) (Sisplat), uma construção constituída da mais alta tecnologia envolvendo plataformas de lançamento para veículos do porte do VLS-1.

O Complexo de Lançamento no CLA faz parte do Setor de Preparação e Lançamento (SPL) do CLA e se compõe de uma série de facilidades que se destinam a dar apoio à integração final do veículo desenvolvido pelo IAE, à ativação e ao controle final do mesmo. O Sisplat também é preparado para o lançamento de outros veículos de porte médio com propulsores a combustível sólido ou líquido, assegurando maior flexibilidade às instalações do CLA.

O Sisplat é constituído pela Torre Móvel de Integração (TMI), Torre de Umbilicais (TU), Mesa de Lançamento (ML), Torre e Túnel de Escape (TTE), Casa de Equipamentos e Apoio, Sala de Interfaces Eletrônicas (SI), Sistema de Pressurização e Refrigeração, Sistema de Detecção e Alarme Contra Incêndio (Sdaci), e Sistema de Proteção Contra Descargas atmosféricas (Spda) e Sistemas Elétricos e de Automação (SEA).

A TMI é constituída por uma estrutura metálica equipada com sistemas de rodagem sobre trilhos entre as posições de montagem, testes e lançamento. Atendendo à integração final do veículo na vertical, plataformas fixas e móveis dão acesso aos vários níveis de trabalho – as primeiras, destinadas ao acesso de pessoal às regiões periféricas internas e, as últimas, à intervenção de pessoal junto às interfaces do veículo, durante sua integração.

Ao lado da TMI está a TTE, uma torre em concreto ligada a um túnel de escape subterrâneo que dá o acesso a uma área distante dos gases em caso de acidente. Essa Torre é equipada com sistema de pressurização que impede a entrada de gases do veículo. Além disso, tubos metálicos, escorregadores verticais de duto elástico e escadas tipo marinheiro formam o conjunto que permite, em caso de emergência, a rápida evacuação das pessoas em atividade dentro da TMI.

Particularidades como o sistema de monitoramento e operação à distância, com transmissão de dados via fibra ótica para o acionamento de portas e plataformas, e para a movimentação da TMI, são possibilitadas pelo SEA. Os comandos são externos, realizados na Casa de Equipamentos e Apoio (Sala de Comando), a uma distância de cerca de 90 metros da Mesa de Lançamento.

Todas as etapas de construção, montagem e inspeção foram realizadas com o acompanhamento da equipe técnica do IAE, que se reveza na fiscalização da obra, nas inspeções de fabricação e nas diversas reuniões realizadas com engenheiros representantes do Consórcio Jaraguá/Lavitta. As obras civis e de montagem das estruturas metálicas serão concluídas em julho próximo, quando serão iniciadas as instalações elétricas e de automoção.

A equipe, formada de militares e engenheiros de diversas áreas de especialização, acompanha as atividades desde a especificação técnica do projeto e prosseguirá até a finalização das instalações, sempre priorizando a segurança e a confiabilidade dos técnicos usuários para o bom desempenho das atividades realizadas em períodos de campanhas de lançamento.

Fonte: ABN News - Foto: Divulgação/AEB

Disputa com aéreas de baixo custo faz grandes reverem seus modelos

Grandes companhias aéreas estão sendo pressionadas a fazer mudanças, não só devido a crises econômicas, como a deflagrada em 2008, mas também pelo crescimento das empresas de baixo custo no mercado internacional. Pierre-Henri Gourgeon, CEO da AirFrance -KLM, conta que as companhias estão readaptando seus modelos para enfrentar essa competição, que se acirra com novas entrantes no mercado a cada ano.

Segundo ele, a pressão feita pelas companhias de baixo custo fez as tradicionais reverem seus modelos de venda, serviço e comunicação. "O primeiro passo foi criar uma categoria premium", conta. O objetivo foi mostrar ao passageiro top, executivo, que aceita pagar mais, que lá terá um serviço de alto nível voltado especialmente para atendê-lo.

Na outra ponta, as companhias agiram para reduzir custos e se tornarem mais competitivas frente à perda de mercado. "Estamos gastando menos com serviço de bordo", exemplifica. Outro passo dado pela Air France foi melhorar a comunicação, com objetivo de mostrar ao cliente o que ele está pagando quando compra uma passagem aérea. "Mostramos que ele paga pelo assento e pelo serviço que oferecemos." Além disso, foram criadas também diversas categorias de serviços. "No fundo, tivemos que mudar a prioridade."

Gourgeon explica que as empresas de baixo custo também lembraram as companhias grandes que é melhor voar com um passageiro que paga pouco do que deixar o assento vazio. "Mesmo que isso signifique que o que o passageiro pagou está abaixo do custo."

Paul Coby, que comanda a British Airways Services, lembra que toda a inovação coloca pressão para redução de preços e que chegou a hora das grandes empresas também inovarem. "Elas foram responsáveis por grandes revoluções nos anos 70 e 80 e agora estão paradas, apenas adaptando a tecnologia".

É um mercado em plena expansão, principalmente com o crescimento da classe média nos países emergentes. Segundo a Sita, empresa de soluções tecnológicas para o transporte aéreo, hoje são 2,2 bilhões de passageiros por ano. E é esperado que o mercado quase dobre em 2020, chegando a 4 bilhões.

Com um mercado competitivo, o CEO da Air France KLM acredita que as fusões vão continuar e que devem acontecer com mais força na Ásia, onde há muitas companhias novas. Segundo ele, a tendência é que se formem grandes grupos transatlânticos. De certa forma, isso já vem acontecendo, com as grandes alianças globais, como a SkyTeam ou Star Alliance, aumentando o número de companhias participantes. Mas Gourgeon prevê a formação real de um grande grupo de US$ 10 bilhões capaz de fazer viagens por todo o planeta. Os executivos participaram da Sita Air Transport IT Summit em Bruxelas.

Fonte: Paola de Moura (Valor Econômico) via Fórum Contato Radar

No fundo da mala, até crânio de ovelha

Só nos 5 primeiros meses deste ano, os 3 maiores aeroportos do País interceptaram 21,3 toneladas de produtos proibidos em bagagens

As férias acabaram, é hora de fazer as malas e voltar pra casa. A costela de cavalo vai no fundo da bagagem, reservando ainda um espaço para as cinzas vulcânicas. No meio das roupas, ovos fertilizados, queijos, bacalhau e frutas. É exótico, mas não é fruto da imaginação.

Esses são apenas alguns tipos de souvenirs barrados nos portos e aeroportos brasileiros, nos últimos meses, pelos fiscais do Sistema de Vigilância Agropecuária Internacional (Vigiagro) do Ministério da Agricultura.

A lista não para aí. Recentemente, um espanhol aterrissou no Aeroporto Internacional de Brasília com o que os fiscais apelidaram de "kit neolítico". A bagagem era composta de crânio de ovelha, ossos de cavalo, penas de pombo, pedras com restos de terra, sementes e fungos.

O passageiro alegou que o material seria usado para reproduzir uma fogueira igual à dos ancestrais humanos em épocas pré-históricas.

Um chefe de cozinha também desembarcou no País com um menu invejável, mas proibido: caviar, cogumelos, fígado de ganso e alimentos sofisticados enlatados. "Percebemos que os itens foram escolhidos a dedo e que eram caros", conta o chefe da Unidade de Vigilância Agropecuária, Fábio Schwingel.

Tudo foi apreendido. O item mais bizarro que ele recolheu foi uma caixa cheia de terra e com uma cabeça de búfalo que ainda continha restos do animal. O destino confesso era uma sessão religiosa especial. O material foi incinerado.

Produto azulado. O passageiro sempre tem um rosário de explicações para a "importação" dos produtos exóticos e geralmente fica irritado com a apreensão. "O mais comum é o de que alguém da família está mal de saúde e quer provar pela última vez o sabor de determinado queijo", conta Schwingel. Qualquer que seja a desculpa, no entanto, não cola. Se não há autorização da Agricultura para cargas de origem animal ou vegetal, ela não entra no Brasil.

O procedimento dos fiscais do Vigiagro é reter o material, aplicar um produto azulado para inviabilizar o consumo e ensacá-lo na frente do passageiro. "Tem muita gente que pensa que os fiscais apreendem alguns produtos para si", explica o fiscal Edson Cavalcante. O item que é perecível deve ser queimado. Antes disso, fica congelado no aeroporto onde foi apreendido.

O passageiro só perde a carga, mas o ministério luta para que multas sejam aplicadas aos que trouxerem material proibido, a exemplo do que ocorre nos Estados Unidos e na Inglaterra. O passageiro tem direito de receber um Termo de Fiscalização de Bagagem, que é um comprovante de que houve apreensão.

Só nos cinco primeiros meses deste ano, os três maiores aeroportos de passageiros do País interceptaram 21,3 toneladas de produtos proibidos em bagagens. No Aeroporto Internacional Franco Montoro, em Guarulhos (SP), foram retidas 16,7 toneladas. No Antonio Carlos Jobim, o Galeão, no Rio de Janeiro (RJ), 3,3 toneladas; e, no Juscelino Kubitschek, em Brasília, 1,3 tonelada.

Produtos inocentes. A rigidez é necessária por conta das regras de segurança sanitária do País. A avaliação é de que os produtos retidos podem comprometer a pecuária nacional - e o Brasil é o maior exportador de carne bovina do mundo. "As pessoas pensam que são produtos inocentes, mas nem sempre são", explica o veterinário e professor da Universidade de Brasília (UNB) Cristiano Barros de Melo.

Em 1978, por exemplo, a peste suína africana foi introduzida no Brasil por meio dos aeroportos. Restos de comida servida em aviões foram desviados e acabaram como alimento para porcos. A doença se disseminou.

Melo lembra que também não é incomum encontrar nas malas cabeças de cachorro ou patas de macacos. "Isso não faz parte da nossa cultura, mas faz de outras", comenta. Por isso, ele salienta que é importante o turista obter informações com as companhias aéreas sobre o que pode constar da bagagem. "Já apreendi ovos fertilizados disfarçados de ovos de Páscoa. O perigo real nesse caso é a entrada da gripe aviária no Brasil", afirma o fiscal Edson Cavalcante.

Copa do Mundo. O professor da UNB também teme que isso se repita. Ele é coordenador de um programa de pós-graduação em ciências animais que tem como foco mapear os procedimentos utilizados hoje no Brasil para melhorar a inspeção até 2014. "Visamos à Copa do Mundo e também às Olimpíadas", diz. O projeto começou em 2009 e se estenderá até 2012. "O trabalho visa a aumentar o êxito nas intercepções."

O engenheiro agrônomo do Ministério da Agricultura Antonio José de Araújo Moreira cuida do setor de cargas no Rio de Janeiro. Nesse caso, explica, além da carga em si, é preciso dar atenção à embalagem dos produtos importados. Isso porque, segundo ele, 80% da carga são acondicionados em caixas de madeira, material que é propício ao transporte de pragas e insetos.

Por isso, o Brasil aderiu a uma norma internacional que exige um selo de comprovação de que a madeira usada é a adequada. Quando não há o selo, o produto é examinado. "Precisamos fazer isso com rigidez e celeridade, pois a carga tem que chegar ao seu destino rapidamente", relata Moreira.

Fonte: Célia Froufe (O Estado de S.Paulo)

Agências de viagens e companhias aéreas respondem, solidariamente, pelos danos causados por extravio de bagagens

Pacotes de viagem nem sempre são sinônimo de descanso e alegria. O Judiciário, depois de tanto receber reclamações, já reconhece que a agência de viagem e a companhia aérea, juntas, são responsáveis por transtornos como o extravio das malas.

A agência de viagens CVC e a aérea portuguesa TAP acabam de ser condenadas a indenizar, por danos morais, Amanda Lopes de Araújo Soares e Alexandre Moojen Mangoni que chegaram a Paris e não encontraram a sua bagagem. Na sentença, a juíza substituta do 7º Juizado Especial Cível do Distrito Federal, Verônica Torres Suaiden, determinou o pagamento de R$ 4,5 mil na proporção de 50% para cada requerente, com incidência dos juros de mora e correção monetária.

De acordo com a advogada Daniela Peon Tamanini, os autores da ação compraram um pacote turístico na CVC para uma viagem de 14 dias com destino Lisboa/Paris/Madri. Ao chegarem em Paris notaram que suas bagagens tinham sido extraviadas. Fato que atrapalhou a estadia dos dois na França. Diante disso, ajuizaram ação pedindo a condenação das empresas ao pagamento de indenização por danos morais e ao ressarcimento dos danos materiais no valor de R$ 898 para Mangoni.

A CVC não recorreu da sentença. Já a TAP alegou que o extravio das bagagens se deu por causa da greve dos funcionários do aeroporto de Paris, por isso o transtorno não pode ser atribuído a ela. Sustentou que a greve exclui da empresa a responsabilidade civil dos fatos. Também pediu que os danos materiais alegados fossem comprovados. No entanto, segundo a advogada dos requentes, a TAP logo desistiu do recurso. "Acredito que isso aconteceu por causa do não pagamento das custas recursais", declara Daniela.

De acordo com a juíza, ao não entregar as bagagens é caracterizada a falha do serviço, por parte das empresas, prevista no artigo 14 do Código de Defesa do Consumidor, que diz que, independentemente da existência da culpa, os fornecedores do serviço respondem pela reparação dos danos causados aos consumidores.

Com relação ao dano material, a juíza afirma que, é razoável que, diante da impossibilidade de acesso a sua bagagem, os requerentes tivessem de realizar compras para atender as suas necessidades básicas de vestimenta, pois todos os seus pertences encontravam-se na bagagem.

Quanto aos danos morais, a juíza disse que o dano decorre de uma violação de direitos da personalidade, atingindo, em última análise, o sentimento de dignidade da vítima. Configura-se na privação ou lesão de direito. Neste caso, a sanção consiste na imposição de uma indenização, cujo valor é fixado judicialmente, com a finalidade de compensar a vítima, punir o infrator e prevenir fatos semelhantes que provocam insegurança jurídica.

Segundo Daniela, a causa de pedir a indenização por danos morais está demonstrada na medida em que o defeito do serviço gerou inúmeros transtornos aos requerentes. Ao chegarem em Paris foram obrigados a comprar roupa e outros instrumentos mínimos para a manutenção de sua higiene pessoal até que sua bagagem fosse restituída, o que aconteceu depois de dois dias.

“Não se pode considerar que ser privado injustificadamente de seus bens pessoais configure mero aborrecimento da vida cotidiana”, ressalta a juíza. Segundo ela, depois da quitação contratual por parte do consumidor, espera-se, com razão, que a parte requerida cumpra com a contraprestação, sem violar o sentimento de dignidade do destinatário final do serviço.

Explicou também que não existe um critério matemático ou padronizado para estabelecer o montante pecuniário devido pela parte ofensora à vítima. O valor do dano moral deve ser fixado de modo a atingir as finalidades da reparação, tais como a compensação pelo constrangimento, aborrecimento e humilhação vividos; punição pela conduta do agente; e, prevenção futura relativa a fatos semelhantes.

Diante dos fatos, a juíza reconheceu o pedido de indenização por danos morais no valor de R$ 4,5 mil, com incidência dos juros de mora e correção monetária a partir da publicação desta sentença. “A indenização deve ser paga respeitando a proporção de 50% para cada requerente.” Além disso, as rés devem ressarcir Alexandre Moojen Mangoni a quantia de R$ 898 acrescida de correção monetária a partir do desembolso e juros de mora de 1% ao mês a contar da citação. As empresas terão 15 dias para cumprir a condenação, sob pena de multa de 10%.

Fonte: Consultor Juridico

São José do Rio Preto (SP) terá mais duas empresas aéreas

Duas empresas de transporte aéreo se preparam para iniciar operações em Rio Preto ainda neste ano: a estreante Laguna Linhas Aéreas, de Lorena (SP), que incluiu a cidade em sua rota atraída pela população e economia do município, e a Pantanal, adquirida pela TAM Linhas Aéreas no final do ano passado.

Com as duas novas empresas, que passarão a dividir o espaço do aeroporto Manoel Eribelto Reino com a TAM e a Passaredo, aumentarão as ligações aéreas da cidade com outras localidades do País, incluindo capitais como Belo Horizonte, Rio de Janeiro e Recife. A Pantanal prevê pousar em Rio Preto a partir de agosto e a Laguna a partir de dezembro.

“Escolhemos Rio Preto com base em análises do comércio, população, indústria e turismo”, afirmou o presidente da Laguna, Daniel de Souza. A empresa, especializada em táxi aéreo, está se preparando para entrar no mercado de aviação regular.

Segundo a Agência Nacional de Aviação Civil (Anac), a empresa já solicitou a autorização de funcionamento jurídico. Faltam o certificado de homologação de empresa de transporte aéreo e a autorização para voo. Os investimentos para implantação da empresa estão estimados em R$ 70 milhões. A Laguna terá rotas para 96 municípios em 14 Estados.

A partir de Rio Preto, sem trocar de aeronave, o passageiro poderá viajar para 42 cidades, entre elas Brasília, Rio de Janeiro, Belo Horizonte, Campo Grande, Florianópolis, Ribeirão Preto, Guarujá, Goiânia, entre outros. A empresa vai utilizar dois tipos de aeronaves, o Fokker 100, com capacidade para até 118 passageiros, e o Fokker 50, com capacidade para 50 pessoas.

Segundo Souza, a Laguna está em fase de negociação de compra de 48 aeronaves, dos quais 40 são Fokker 100. Os passageiros que embarcarem em Rio Preto irão pelo Fokker 100. A empresa pretende ainda montar um guichê no aeroporto e um hangar para manter o avião. Por enquanto, o empresário prefere não informar as tarifas, quantidades de pouso e decolagens e horários de voos.

Pantanal

Outra companhia aérea que passa a operar em Rio Preto é a Pantanal. A empresa ainda depende de algumas aprovações dos órgãos reguladores do serviço. De acordo com a assessoria da Pantanal, os voos poderão sair de Rio Preto com destino a Brasília (DF) e São Paulo e vice-versa. Os horários e frequências ainda estão em aprovação.

Também estão previstos voos com destinos a Porto Alegre, Curitiba, Cuiabá, Brasília, Rio de Janeiro, Salvador, Recife, Uberlândia e Belo Horizonte. A Pantanal foi fundada em 1993 e utiliza frota com seis aeronaves ATR42, aviões turbo-hélices. Autalmente, opera a partir do aeroporto de Congonhas, em São Paulo e voa regularmente para Araçatuba, Bauru, Juiz de Fora, Marília, Presidente Prudente, todas cidades paulistas, e também para o Maringá (PR).

Audiência incluirá o aeroporto rio-pretense

O presidente da Comissão de Viação e Transportes (CVT) da Câmara dos Deputados, deputado Milton Monti (PR/SP), vai incluir a discussão sobre a privati-zação dos aeroportos do interior do Estado, dentre eles o Eribelto Manoel Reino, de Rio Preto, na audiência pública que será realizada no dia 14, na Câmara, para discutir o plano de investimentos para o setor aeroportuário nos próximos anos.

Devem participar o ministro da Defesa, Nelson Jobim, a diretora-presidente da Agência Nacional de Aviação Civil (Anac), Solange Paiva Vieira, e o presidente da Empresa Brasileira de Infraestrutura Aeroportuária (Infraero), Murilo Barboza.

Embora a discussão vá abordar a questão nacional, Monti disse que vai questionar também a intenção do governo paulista de privatizar os aeroportos do interior. “Não sou contra a privati-zação. Tudo depende da fórmula e o mais importante é não onerar o usuário”, disse.

Segundo Monti, o fato de o aeroporto de Rio Preto ser bastante representativo no transporte de cargas pode despertar o interesse para uma parceria público privada (PPP). Nos cinco primeiros meses do ano, passaram pelo local 18,2% das 1,06 mil toneladas transportadas no Estado pelos 30 aeroportos administrados pelo Departamento Aeroviário do Estado de São Paulo (Daesp).

Além disso, segundo ele, a localização estratégica é outro ponto favorável ao aeroporto de Rio Preto. “A posição no Estado faz com que seja conexão com Mato Grosso, Mato Grosso do Sul, Goiás e Minas Gerais.”

Gargalo

Para Monti, a discussão é necessária para resolver o gargalo dos aeroportos, que não estão conseguindo atender à demanda pelo aumento de passageiros domésticos. A outra questão é atender ao aumento que virá daqui a 4 e 6 anos com dois importantes eventos no Brasil. “Teremos a Copa do Mundo, em 2014, e as Olimpíadas, em 2016. É preciso resolver essa questão com antecedência”, afirmou.

De acordo com Monti, os aeroportos deverão receber recursos da ordem de R$ 5 bilhões, não só na parte das instalações para usuários, mas também para ampliação de pátios de aeronaves e adequação de pistas de pouso e decolagem.

Ele acredita que a construção de galpões pré-moldados, conhecidos como Módulo Operacional Provisório (MOP) e com vida útil estimada entre 10 e 15 anos, pode frustrar os usuários já que não essas instalações não representarão parte expressiva do legado que os investimentos para a Copa deixarão para a infraestrutura de transportes.

Fonte: diarioweb.com.br

MAIS

Quarenta e oito aeronaves, esta é a frota inicial da Laguna Linhas Aéreas para o início de suas atividades.

Distribuídas entre vinte e quatro bases operacionais, essas aeronaves percorrerão mais de mil e duzentos trechos diferentes por dia, ligando as noventa e seis cidades de atuação da empresa. Um Record na aviação comercial brasileira.

Esses dados fizeram a Laguna estimar em três milhões o número de passageiros transportados por mês.

Fonte: Divulgação/Laguna

Com scanner, bagagem é a única saída para mulas do tráfico

A fiscalização no terminal 1 do Aeroporto do Galeão foi intensificada com a compra do scanner corporal, um aparelho que revela qualquer sinal de substância ilícita carregada na roupa ou dentro do próprio organismo de um passageiro. Resta às mulas tentar esconder a drogas nas malas, que são preparadas pelo traficante que contrata o serviço.

— Os estrangeiros já entram no Brasil com esta missão. Quando desembarcam, sabem em que hotel ficar, com quem falar e onde pegar a droga. As bagagens, com fundos falsos ou objetos que podem ser usados para esconder a carga ilegal, também são elaboradas pela quadrilha que recruta a mula. Percebemos que os itens da mala, muitas vezes, sequer pertencem aos passageiros — contou Carlos Furtado.

O delegado disse que os suspeitos são identificados nas listas de passageiros, fornecidas pelas companhias aéreas, com trabalho de inteligência, e através dos equipamentos de raio-x, pois todas as bagagens de voos internacionais são checadas.

— Temos casos curiosos, de pessoas adultas que foram levadas para a revista e, quando abrimos a bagagem, só havia roupa de criança, tentando camuflar a droga. E de um homem que tentou esconder cocaína escondida na mala que tinha apenas roupas e calçados femininos — destacou.

Colocar drogas em fundos falsos e pertences pessoais é uma estratégia conhecida pelos agentes do aeroporto.

— Sabemos que devemos desconfiar de objetos comuns, como imagens de santos, quadro com motivos religiosos, artes plásticas e pranchas de surf — ressaltou.

Fonte: Fernando Torres (Extra)

A volta da Varig

No Centro de Manutenção em Confins (MG), a Gol está pintando um avião com as cores da Varig, o que não fazia há anos.

Outros três Boeings ganharão o mesmo banho de tinta da marca que pousou definitivamente no coração dos brasileiros.

Sem muito alarde a Gol retoma a marca em voos internacionais. Em outubro de 2009, a Varig voava apenas para Colômbia, Argentina e Venezuela.

Hoje, sua estrela aparece também em Aruba, Barbados, República Dominicana e Antilhas Holandesas.

Fonte: Ancelmo.com (O Globo)

Pequeno avião com torcedores aterrissa em rodovia na África do Sul

Quatro passageiros e o piloto saíram ilesos.

Aeronave levava família que assistiria jogo entre Alemanha e Inglaterra.


O pequeno avião Piper PA-32-301 Saratoga, prefixo ZS-KTL, que transportava torcedores para o jogo entre Alemanha e Inglaterra fez um pouso de emergência por volta das 11:30 (hora local) deste domingo (27) sobre uma rodovia perto do estádio antes da partida de oitavas de final, informou a imprensa local.

"Todos saíram ilesos", disse um porta-voz da polícia.

Quatro passageiros e um piloto viajavam no avião durante o incidente, que ocorreu cerca de 35 quilômetros ao norte de Bloemfontein, local do jogo.

Os carros foram forçados a deixar a pista para que o avião pousasse, mas não houve acidentes nem lesionados, informou a associação de imprensa sul-africana.

O avião, que foi rapidamente colocado ao lado da pista para regularizar o tráfego, levava uma família de sul-africanos com ingressos para a partida, completou a associação.

Fontes: Reuters via G1 / Site Desastres Aéreos - Fotos: ER24

sábado, 26 de junho de 2010

Foto do Dia

Clique sobre a foto para ampliá-la

O McDonnell Douglas MD-83 (DC-9-83), prefixo N862GA, da Allegiant Air, decolando da pista 7L, "direto para a Lua", do Aeroporto Internacional Las Vegas-McCarran (LAS/KLAS), em Nevada, nos EUA, em setembro de 2009.

Foto: Randall Johnson (Airliners.net)

Especialista descarta falha no mecanismo anti-colisão em aeronave da TAM que fez manobra de desvio

Uma falha da torre de controle ou mesmo um erro do piloto pode ter sido o motivo que obrigou um avião da TAM a fazer uma manobra evasiva no aeroporto de Congonhas nesta quinta-feira, segundo análise do especialista e assessor de voo da área privada, Roberto Peterca, entrevistado no Jornal Gente.

Segundo Petreca, a chance de falha no TCAS, mecanismo anti-colisão da aeronave, é remota, pois o aparelho é moderno e passa por revisões constantes.

A mudança brusca para evitar o acidente aconteceu no voo 3717, que seguia de Brasília a São Paulo. Técnicos da Aeronáutica vão analisar os equipamentos e gravações de voz do avião para descobrir como as aeronaves estavam na mesma rota.

Fonte: Marielly Campos (eBand/Rádio Bandeirantes)

Aviadora: Angelina Jolie pilota avião


Angelina Jolie optou por um programa diferente para cutir ao lado da filha, Shiloh, fruto de seu relacionamento com o ator Brad Pitt. Segundo site de entretenimento norte-americano Pop Sugar, a atriz de Sr. e Sra. Smith pilotou ao lado da filhota e foi clicada enquanto taxiava em uma pista de Los Angeles na última sexta-feira, dia 25.

Recentemente Angie, que é Embaixadora da Boa Vontade de ONU, esteve na América do Sul e visitou refugiados no Equador. Como o 'Estrelando' já te contou, essa não é a primeira vez que a atriz se aventura pelos ares. Desde 2009 ela faz aulas para pilotar.

Fonte: Estrelando - Foto: Pop Sugar

Infraero finaliza obras no Setor A do Galeão (RJ)

A Infraero entregou anteontem (quinta, dia 24) mais uma etapa das obras de revitalização do Terminal de Passageiros 1 do Aeroporto Internacional do Rio de Janeiro/Galeão – Antonio Carlos Jobim. O embarque doméstico do Setor A (antigo Setor Verde) foi totalmente modernizado, em uma obra que teve início em abril e recebeu investimentos de R$ 4,6 milhões. A informação é da Infraero.

O Setor A tem área de 15 mil m2 e possui cinco canais de inspeção. A reforma incluiu troca do forro e das luminárias, instalação do granito das colunas, nova sinalização vertical e 1.436 novos assentos, entre outras melhorias.

Além do setor A, as salas B e C – que também já tiveram as obras de modernização concluídas este ano – receberão, inicialmente, alimentadores de energia para carregadores de celulares e laptops.

Setor B – Internacional

E desde anteontem também, o Setor B está fechado para adaptações. A área reabrirá novamente no dia 1º de julho, como embarque internacional. Desta forma, o Terminal de Passageiros 1 do Galeão contará com três setores de embarque, sendo dois internacionais e um doméstico. Isto representa um aumento de 12.400m2 (42% do espaço total), correspondentes ao Setor C, que estava fechado desde 2003.

“A modernização das áreas dos saguões de embarque proporcionará mais conforto e agilidade operacional ao aeroporto”, afirmou o superintendente do aeroporto, André Luis Marques de Barros.

Ao todo, o investimento na reforma das áreas restritas dos três setores é de R$ 12,5 milhões. Além do Terminal 1, o Terminal de Passageiros 2 do Aeroporto do Galeão está sendo concluído. As duas obras estão orçadas em R$ 566,5 milhões.

Fonte: Portal Panrotas - Fotos: Divulgação/Infraero

Aerolíneas terá rota "Corredor Norte" na Argentina

A Aerolíneas Argentinas desenvolveu e lançou uma nova rota argentina chamada “Corredor Norte”. Desde o aeroporto metropolitano Jorge Newbery, em Buenos Aires, a empresa irá unir os destinos Iguazú, Salta, Mendoza e Bariloche. Estes voos vão começar a operar a partir de 18 de agosto, com quatro voos semanais – dois de Iguazú e dois de Bariloche.

A partida dos voos do Aeroparque será às 8h05 para chegar a Iguazú às 9h50, daí parte às 10h30, chegando em Salta às 12h20, saindo às 12h55 com destino para Mendoza, chegando às 14h40 e decolando para Bariloche às 15h15, com o horário de chegada às 16h55. Por fim, o voo partirá de Bariloche às 17h25 para chegar no Aeroparque às 19h40.

Os voos com Bariloche como primeiro destino vão sair do Aeroparque às 6h10 e chegam às 8h30. Partirão às 9h10 com destino a Mendoza, onde chegarão às 10h50, com partida às 11h25. Chegarão a Salta às 13h15 e vão sair às 13h50 para Iguazú, onde chegarão às 15h40. Por fim, sairão de Iguazú às 16h20 para chegar ao Aeroparque às 18h10.

Fonte: Portal Panrotas

Quatro pessoas morrem em ataque aéreo no Paquistão

Pelo menos quatro pessoas morreram neste sábado em novo ataque com mísseis supostamente lançados por um avião não-tripulado dos EUA na região tribal paquistanesa do Waziristão do Norte, informou o canal "Express TV".

A ação teve como alvo uma casa supostamente ocupada por insurgentes do distrito de Mir Ali da demarcação, situada na fronteira com o Afeganistão, segundo o "Express", que não identificou suas fontes.

Desde 2008 foram registrados cerca de 130 ataques com mísseis dos EUA nas áreas tribais, um terço dos mesmos neste ano e a grande maioria na mesma demarcação atacada neste sábado.

A região é um refúgio tradicional de facções talibãs paquistanesas e afegãs, e também de membros da rede terrorista internacional Al Qaeda.

O Waziristão do Norte é a única região do cinto tribal da fronteira com o Afeganistão onde o Exército paquistanês não realiza atualmente uma operação contra os talibãs, embora os analistas acreditem que o comando militar, pressionado pelos EUA, iniciará uma campanha nos próximos meses.

Fonte: EFE via EPA

Primeiro voo internacional fretado saindo de Caxias (RS) está previsto para final de setembro

O destino será Buenos Aires

O Aeroporto Regional Hugo Cantergiani, de Caxias do Sul (foto), em breve será palco do primeiro voo internacional fretado na cidade com fins turísticos e de negócio. A organização e o fretamento se encontram sob a responsabilidade da Infinity Viagens e Turismo. A empresa está providenciando os últimos encaminhamentos exigidos pelos órgãos públicos e também pela companhia aérea que será contratada para fazer o voo.

A viagem tem como destino Buenos Aires, na Argentina. A partida está prevista para ocorrer às 22h do dia 30 de setembro e o retorno, às 19h30min do dia 4 de outubro. Serão 144 lugares nessa primeira experiência. O diretor comercial da Infinity, Guilherme Biazus informa que muitos dos lugares já estão reservados. Ele observa que Caxias tem público para esse tipo de viagem e tem condições de mobilizar várias outros voos semelhantes também para outros destinos.

O agente de viagens Marcos Antonio Frezza foi quem se mobilizou e buscou informações necessárias para a Infinity organizar a viagem. O agente informa que a agência está aguardando documentação do Departamento Aeroportuário do Estado (DAP) para reunir todos os papéis e autorizações exigidas para fechar o contrato com a companhia aérea escolhida.

Só a partir do contrato sacramentado que a companhia tem condições de agendar a viagem e os horários de decolagem e pouso junto aos órgãos competentes, entre os quais, a Agência Nacional de Aviação Civil (Anac). O administrador do aeroporto caxiense, Henrique Elustondo, explica que esse tipo de fretamento se enquadra no chamado aeroporto internacional sob demanda. Ele considera uma iniciativa excelente.

Fonte: Vania Marta Espeiorin (Pioneiro) - Foto: aeroportocaxiasdosul.blogspot.com

Os desafios ao transporte aéreo

Estudo recente do Ipea mostrou que a demanda pelo transporte aéreo doméstico de passageiros e cargas mais que triplicou entre 1995 e 2009. Esse crescimento se apoiou na estabilidade econômica decorrente do Plano Real, bem como na incorporação de novos contingentes da população ao mercado. Em consequência, o fator crítico na cadeia do sistema de aviação civil como um todo passou a ser a capacidade dos diversos segmentos, ou seja, as insuficiências (ou deficiências) da oferta.

Nas empresas aéreas, os aumentos de oferta responderam, no geral, ao crescimento da demanda. Por atuarem em ambiente de liberdade de mercado, intensa competição e margens estreitas de lucratividade, são sensíveis aos desequilíbrios entre oferta e demanda. Decisões errôneas sobre o dimensionamento das frotas podem acarretar capacidade ociosa ou insuficiente - um desafio constante na gestão das empresas aéreas. Mas, por se tratar de serviço regulado, cabe à regulação evitar tanto a ociosidade quanto a competição predatória e a desestabilização do mercado. A questão crítica para o melhor desempenho das empresas é a das infraestruturas aeroportuária e aeronáutica, que não acompanharam o crescimento da demanda, e a utilização mais intensiva das aeronaves por meio de operações baseadas nas conexões e distribuição em aeroportos aglutinadores de tráfego.

Gargalos e deficiências na infraestrutura aeroportuária têm prejudicado as operações aéreas e causado muito desconforto aos passageiros nos terminais. Os aeroportos mais congestionados são aqueles coordenados, ou seja, onde se limita o número de "slots" disponíveis para equilibrar as restrições de pousos e decolagens. Assim, a intensificação das operações em aeroportos aglutinadores tornou graves as condições de Congonhas, Guarulhos, Brasília e Manaus (este, para cargas), já próximos da sua capacidade operacional máxima. Com o crescimento do PIB, a maior inserção do País na economia mundial e a realização de grandes eventos esportivos, serão inevitáveis movimentações ainda maiores nos aeroportos do País, e os gargalos se agravarão a partir de 2013.

Na infraestrutura aeronáutica (controle do espaço aéreo e sistema de proteção ao voo), os gargalos são de dois tipos: insuficiência de controladores de voo e falta de investimentos para modernizar instalações e equipamentos. Note-se que comportamentos abusivos dos controladores - uma das causas do "apagão aéreo" - podem provocar significativa restrição de capacidade do espaço aéreo nos aeroportos críticos. Por outro lado, estão em curso mudanças profundas: as bases em instalações de terra, centralizadas e com integração dispersa, evoluem para bases espaciais (por satélites georreferenciados) descentralizadas e altamente integradas. O grande desafio é evoluir em direção aos complexos e sofisticados modelos de comunicação por satélite e tecnologias digitais, que superarão as técnicas atuais de comunicação, navegação, monitoração e gerenciamento do tráfego aéreo.

Para o governo, o grande desafio é dotar o País de estratégias e políticas para a aviação civil, num horizonte de 30 anos, sobretudo políticas e regras de regulação econômica que balizem a evolução dos mercados internacional, doméstico e regional. O Código Brasileiro de Aeronáutica não atende mais às necessidades da regulação. A Infraero carece de planejamento e autonomia para não continuar refém de interesses político-partidários imediatos, dispersando os recursos para investimentos. O Conselho de Aviação Civil, por sua vez, ainda não compreendeu bem o seu papel de formulador de políticas públicas, e não de regulador ocasional. Por fim, e não menos importante, seria desejável uma ampla reestruturação da Agência Nacional de Aviação Civil (Anac), tornando-a mais "parecida" com as demais agências reguladoras, pois perdeu o foco na regulação econômica ao ser engolfada por uma vasta gama de atribuições herdadas do antigo DAC. Os desafios, portanto, são enormes, mas nada que pessoas qualificadas não possam resolver.

Por: Josef Barat (Presidente do Conselho de Desenvolvimento das Cidades da Federação do Comércio de Bens, Serviços e Turismo de São Paulo, foi diretor da ANAC)

Fonte: O Estado de S.Paulo

Investigação do voo 447 analisa treino para emergência da Airbus

O inquérito que investiga a queda do voo 447 da Air France, em 31 de maio do ano passado, está analisando as instruções fornecidas aos pilotos pela Airbus para lidar com falhas nos equipamentos semelhantes às que provocaram o acidente, de acordo com a principal autoridade encarregada da investigação.

"O BEA (gabinete francês que investiga acidentes aéreos) está examinando a diretriz que determina que os pilotos tentem ganhar altitude caso os instrumentos registrem uma falha no equipamento que mede a velocidade da aeronave", disse Alain Bouillard, em entrevista concedida. A Air France destacou que limitou o emprego desse procedimento em grandes altitudes por temer que provoque um aumento no risco de desestabilização do voo.

A manobra de emergência "pode levar a uma desaceleração" quando executada em altitude de cruzeiro, disse em entrevista Etienne Lichtenberg, chefe de segurança da Air France. "O risco de desestabilização decorrente de uma velocidade excessivamente baixa a grandes altitudes é significativo e, portanto, não é boa ideia produzir uma desaceleração." A Airbus disse que sustenta as orientações de segurança.

A mudança nas recomendações deixa a Air France numa posição que contradiz o treinamento que ainda é aplicado por outras companhias aéreas. No resultado preliminar das investigações, o BEA culpou equívocos na leitura da velocidade pelas falhas sistêmicas registradas nas transmissões automáticas do avião A330 que voava do Rio de Janeiro para Paris, minutos antes de mergulhar no Atlântico, provocando a morte de todos os 228 passageiros. As informações surgem ainda no momento em que peritos judiciais que analisam o caso do 447 põem em dúvida os processos de manutenção de aviões da Air France.

Fonte: Laurence Frost (Bloomberg News)/O Estado de S.Paulo

Menina de 6 anos está na lista de suspeitos de terrorismo nos EUA

O pai de uma garota de seis anos de Ohio (EUA), que aparece na lista de suspeitos de terrorismo do país, diz que a pior coisa que sua filha já fez na vida, provavelmente, foi se desentender com sua irmã. "Acho que isso não constitui perigo à segurança nacional", disse o pai da menina à rede de televisão norte-americana CNN.

Um agente do aeroporto informou à família da situação de Alyssa Thomas quando eles tentavam embarcar para Minneapolis. Os Thomas foram autorizados a voar naquele dia, mas as autoridades orientaram que eles entrassem em contato com o Departamento de Segurança Nacional para esclarecer o assunto.

Foi o que a família fez. Porém, algum tempo depois, eles receberam uma carta do governo dirigida à menina de apenas seis anos de idade, dizendo que nada em seu arquivo seria alterado.

As autoridades federais reconheceram que essa lista de pessoas que são impedidas de voar existe, mas por uma questão de segurança nacional, eles não comentam sobre os nomes que estão nela, nem o porquê.

"Ela voa desde os dois meses de idade. Viajamos para o México em fevereiro e não tivemos problemas", disse o pai de Alyssa.

Isso aconteceu provavelmente devido a uma alteração recente da Administração de Segurança de Transporte, que começou a verificar desde o começo do mês de junho também os passageiros domésticos, e não apenas os internacionais, na lista de pessoas impedidas de voar por suspeita de terrorismo.

Entretanto, a família continua sem saber o motivo da inclusão de Alyssa na lista e continua aguardando uma resolução para o caso.

Assista ao vídeo da CNN em inglês:



Fonte: UOL Notícias (com informações da CNN e da Aol News)