sábado, 5 de junho de 2010

C-130 Hercules faz pouso de emergência em Adelaide, na Austrália

Pela segunda vez em dois dias, um avião Lockheed C-130 Hercules da Força Aérea Australiana (RAAF - Royal Australian Air Force) foi obrigado a fazer um pouso de emergência por causa da fumaça e gases no interior da aeronave.

Na tarde desta sexta-feira (4), o avião C-130 (similar ao da foto) fez um pouso de emergência na Base da Força Aérea Edinburgh, Adelaide, na Austrália, após a presença de fumaça e gases serem relatados no cockpit.

A aeronave pousou em segurança e nenhum dos tripulantes ficou ferido, mas foram levados para um hospital por precaução.

As Forças de Defesa disseram que o incidente não está relacionado com o pouso de emergência de um Hercules na base da Força Aérea de Richmond, em Sydney, na noite de quinta-feira (3), quando um dos motores do avião - aparentemente - pegou fogo.

Ele diz que a frota de Hércules não ficará em solo como resultado dos incidentes.

Ontem também foi o segundo pouso de emergência em Adelaide, em menos de três meses. Em abril, um helicóptero MRH-90 teve uma falha de motor logo após decolar de Adelaide, forçando-o a aterrissar em Edimburgo.

Fontes: Adelaide Now / ABC News / ASN - Foto: defence.gov.au

Aviões britânicos ingressaram no espaço aéreo argentino

A Força Aérea negou o incidente e disse que os aviões tinham permissão oficial

Três aviões britânicos, com destino as Ilhas Falkland (Malvinas), sobrevoaram o espaço aéreo argentino, que, primeiro, fez um alerta para uma possível violação do espaço aéreo do país. Isso foi negado depois pela Força Aérea Argentina, que disse em um comunicado que os aviões tinham permissão oficial.

As aeronaves, dois aviões de combate e um de transporte de combustível, foram incapazes de aterrissar no Aeroporto das Malvinas (foto) em razão das condições climáticas adversas e desviaram para o Chile em direção ao Aeroporto de Punta Arenas.

No comunicado, a Força Aérea relatou: "Na tarde de quarta-feira 02 de junho, três aeronaves pertencentes à Real Força Aérea, sediada nas Ilhas Malvinas, tiveram que aterrissar em Punta Arenas (Chile), porque, devido às condições meteorológicas, o aeroporto da Malvinas foi fechado para todas as operação."

O Comunicado informou ainda que o Centro de Controle de Área de Comodoro Rivadavia havia autorizado a rota de emergência para o aeródromo de destino, em cujo trajeto sobrevoariam parte da Ilha de Tierra del Fuego, em conformidade com as regras de tráfego aéreo, que prevêem, em circunstâncias excepcionais, prioridades para o sobrevoo e aterrissagem de aviões quando eles devem ser direcionados para aeroportos alternativos.

O alarme surgiu quando uma pessoa em Tierra del Fuego interceptou uma comunicação de rádio entre os pilotos e a torre de controle de Punta Arenas, no Chile. Na Patagônia, a Força Aérea da Argentina não tem radares.

O incidente veio num momento em que o conflito entre Argentina e Grã-Bretanha foi reativado após a exploração de petróleo no arquipélago.

Enquanto isso, o governo do Chile minimizou a aterrissagem das aeronaves britânicas e argumentou que a operação foi devido à "força maior", em razão de denso nevoeiro nas Malvinas.

Fontes do Ministério das Relações Exteriores chileno disseram ao jornal La Nación que as autoridades da aviação foram avisadas do problema do clima nas Malvinas que impediam a visibilidade - a cerca de cem metros de distância - em tempo hábil e pediram permissão para pousar. A tripulação passou a noite em Punta Arenas e continuou sua viagem para as Ilhas Malvinas, na manhã de quinta-feira.

Fonte: La Nacíon (Argentina) - Tradução e edição: Jorge Tadeu - Foto: Opi Santa Cruz

Identificadas vítimas de queda de ultraleve no Rio Grande do Sul

Os corpos das vítimas da queda de um ultraleve em Três Forquilhas na última quinta-feira foram identificados e encaminhados para o Departamento Médico Legal (DML) de Osório, no Rio Grande do Sul. Adalberto Padilha Silveira, 49 anos, e Joana D'Arc Chaves são de Cuiabá e foram encontrados pela manhã e resgatados durante a tarde em um local de difícil acesso no Litoral Norte. Eles participariam do 10° Encontro Nacional de Ultraleves, em Torres.

Inicialmente a mulher havia sido identificada como Flávia Maria Dias Magalhães .

O ultraleve com os dois tripulantes decolou às 12h45min de Canela para a região de Torres e caiu no meio da mata nativa, em local de difícil acesso. O alerta de socorro foi feito por volta das 14h15min do dia 3 de junho. O avião teria sofrido perda da potência do motor. Os corpos foram resgatados ontem do Morro do Oratório, em Três Forquilhas.

Fonte: TV Centro América/O Globo - Foto: Brigada Militar/RS

Foguete privado Falcon 9 é lançado ao espaço

Falcon 9, um foguete privado desenvolvido pela empresa SpaceX com o apoio da Nasa, foi lançado nesta sexta-feira com sucesso do Cabo Canaveral (Flórida, EUA) às 15h48 (horário de Brasília) com um modelo de cápsula que no futuro poderia abrigar astronautas.

O foguete foi lançado dez minutos antes de encerrar o limite de tempo disponível para seu lançamento e depois que em três ocasiões os controladores tivessem que interromper a contagem final.

Imagens mostradas no site da SpaceX revelaram que, poucos segundos após a decolagem, o Falcon 9 passou sem problemas pela primeira etapa. Com isso, foram ativados os motores da parte superior do foguete, como estava previsto.

Aos nove minutos de seu lançamento, o controle de missão anunciou com satisfação que o foguete havia entrado em órbita.

Antes do lançamento, a SpaceX tinha assinalado: "Será um grande dia se alcançarmos a velocidade de órbita, mas também o será se a primeira etapa funcionar de forma correta, mesmo que a segunda etapa não funcione".

Em seu voo inicial, o Falcon 9 abrigou um protótipo da cápsula Dragon, que um dia poderia transportar astronautas ou carga à Estação Espacial Internacional (ISS).

O presidente americano, Barack Obama, que em abril visitou o Cabo Canaveral e observou o Falcon 9 da plataforma de lançamento, quer que o setor privado se encarregue a médio prazo do envio de astronautas à ISS.

Robyn Ringuette, diretor de voo, assinalou que o protótipo da cápsula Dragon transportada pelo Falcon 9 não conta com o escudo térmico que permite sobreviver no momento de entrada na atmosfera terrestre.

No entanto, a cápsula, de 3,6 metros de diâmetro, que pode transportar carga ou até quatro astronautas, conta com instrumentos que recolheram informações durante sua chegada à órbita.

No futuro, a cápsula poderá transportar até seis toneladas de materiais e provisões à ISS.

Para isso, a Nasa assinou em 2008 um contrato com a SpaceX pelo qual pagará à empresa US$ 1,6 bilhão por 12 voos do Falcon 9 à Estação.

A Nasa vai precisar de forma imediata sistemas como o Falcon 9-Dragon, já que este ano tem planejado aposentar sua frota de naves espaciais, suas únicas naves espaciais capazes de transportar astronautas, o que deixa às naves russas Soyuz a condição de únicas capazes de levar pessoas à ISS.

O sucesso do Falcon 9 é também mais um passo na comercialização do espaço por parte de empresas privadas e pode abrir ainda mais o caminho ao incipiente turismo espacial.

Esse mesmo ano, Elon Musk, fundador da SpaceX, estabeleceu o objetivo de lançar satélites de forma privada.

Assista ao Lançamento do Falcon 9:



Fonte: EFE via EPA - Fotos: SpaceX / AFP

Nasa mostra imagens recentes de desastres naturais

Os satélites da Nasa registram os desastres naturais que ocorrem na Terra, vistos do espaço.

Nos últimos meses, o vazamento de petróleo no Golfo do México e a nuvem de cinzas do vulcão Eyjafjallajokull, na Islândia, afetaram a vida de várias pessoas nos Estados Unidos e na Europa.

A tempestade tropical Agatha, que passou pela América Central no fim de semana passado, também deixou um rastro de destruição e centenas de mortos e desaparecidos.

Veja aqui algumas das fotos ilustrando esses desastres (clique sobre elas para ampliá-las):

Alguns desastres naturais dos últimos meses deixaram marcas no planeta Terra. O vazamento de petróleo iniciado no último dia 20 de abril no Golfo do México, depois da explosão da plataforma Deepwater Horizon, ainda não foi solucionado. Esta imagem foi capturada pela Nasa no dia 17 de maio.

O vazamento na plataforma operada pela BP deixou sequelas no delta do rio Mississippi. Esta imagem foi tirada pela Nasa com um instrumento especializado em capturar emissões termais. As manchas de cor prateada sobre o azul do mar mostram o petróleo espalhado e o vermelho, a vegetação adjacente.

A costa da Flórida está sendo monitorada por cientistas por causa da possível ameaça de que a mancha chegue até a costa leste dos Estados Unidos, por causa dos ventos. Foto: ESA.

A nuvem de cinzas vulcânicas emitida pelo vulcão Eyjafjallajoekull fez com que fossem suspensos voos em vários aeroportos europeus, no fim de março deste ano. Esta imagem, cortesia da ESA, mostra a superfície aérea que foi coberta na região.

Aqui podemos ver a tempestade tropical Agatha, que deixou centenas de mortos e desaparecidos ao passar pela Guatemala e Equador no fim de semana passado. Foto: NASA.

Mais ao sul, é possível constatar focos de atividade de desmatamento na Floresta Amazônica. Os pontos vermelhos nesta foto, tirada no dia 12 de maio, mostra vários incêndios, resultantes de atividade agrícola. Na extrema esquerda está o lago Titicaca, na fronteira entre a Bolívia e o Peru. Foto: NASA.

Fonte: BBC Brasil

Marte possuía ambiente para vida

Após quatro anos de análises, a NASA anuncia a comprovação de que Marte realmente possuía um ambiente favorável ao aparecimento da vida.

A descoberta foi publicada na última quarta-feira pela revista Science.

Foto tirada em 2055 pela Spirit da região de Comache (colorida artificialmente)

Rochas examinadas pelo veículo Spirit, que desde 2004 explora o planeta vermelho, mostraram claros indícios de que Marte já teve regiões úmidas e não ácidas que podem ter sido favoráveis para a vida.

As duas sondas da NASA em Marte já haviam encontrado outras evidências de ambientes possivelmente úmidos no passado, mas os dados dessas amostras indicavam locais que provavelmente eram ácidos – e , portanto, menos favoráveis à vida.

Já esta amostra examinada pela Spirit pela primeira vez em 2005, revelou altas concentrações de carbonato, um mineral que tem origem em condições úmidas e de ph quase neutro, mas se dissolve no ácido.

A Agência Espacial Americana está considerando esta uma das mais importantes descobertas das sondas marcianas, pois os dados confirmam que as condições favoráveis à vida realmente existiram.

A equipe responsável pelo trabalho foi liderada por Dick Morris, do Centro Espacial Johnson em Houston.

A região que chamou a atenção é chamada Comanche, entre os morros Husband e a planície Home Plate. O carbonato de magnésio encontrado constitui cerca de um quarto do volume medido em Comanche. Esta quantidade é dez vezes maior do que qualquer concentração previamente medida em rochas marcianas.

Em busca da atmosfera perdida

Encontrar grandes depósitos de magnésio em Marte é uma busca antiga para confirmar teorias sobre o passado do planeta. Muitos canais, aparentemente cavados por fluxos de água no passado, sugerem que Marte já foi quente. A antiga atmosfera marciana era densa, provavelmente rica em dióxido de carbono – afinal, o gás compõe quase 100% da atual atmosfera do planeta (uma camada muito fina se comparada ao que provavelmente existiu um dia).

Uma das grandes dúvidas era determinar aonde a maioria do dióxido da atmosfera antiga foi parar. Uma das hipóteses seria a de que foi para o espaço, porém outros acham que o gás deixou a atmosfera na mistura de dióxido de carbono com água - em condições que levaram à formação dos carbonatos. Na década de 90, essa possibilidade, aliada à descoberta de pequenas amostras de carbonatos em meteoritos marcianos, levou ao surgimento da hipótese de que os carbonatos seriam abundantes em Marte.

Mas naves que orbitam o planeta e usaram seus espectrômetros encontraram apenas evidências de depósitos localizados de carbonato, e pequenas amostras espalhadas pelo planeta. Estes dados não indicavam condições favoráveis para o surgimento da vida.

A equipe de Morris, no entanto, suspeitou da região de Comanche há alguns anos depois de analisar dados da sonda Spirit. O instrumento Alpha Particle X-ray Spectrometer detectou uma grande concentração de elementos leves, incluindo carbono e oxigênio, o que ajudou a quantificar o conteúdo de carbonato das amostras.

As sondas Spirit e Opportiunity pousaram em Marte em janeiro de 2004 para missões de 3 meses. A Spirit está for a de comunicação desde 22 de março de 2010. Já a Opportunity está ativa e indo rumo à cratera Endeavour.

Fonte: Paula Rothman (INFO Online) - Foto: NASA/JPL-Caltech/Cornell University

Satélite registra rastros de aviões no Rio Grande do Sul

Mensagem do internauta Daimar Coelho de Montenegro, Vale do Caí, no Rio Grande do Sul, para o site do MetSul Meteorologia: "O céu está todo "riscado" pelos aviões!!! Contei 7 riscos, mas tem mais...". Ao sair para almoçar perto da uma da tarde, enxerguei as mesmas trilhas de condensação, apesar de que não tão numerosas como em Montenegro, mas que não deixavam de chamar a atenção. E não é que as trilhas dos aviões – que não são fumaça, mas formadas pelo vapor d’água – apareceram nas imagens de satélite em alta resolução? Apesar de falhada, notam-se claramente as trilhas na imagem do fim da manhã de quinta-feira (3).

As trilhas de condensação dos aviões, chamadas em Inglês de "contrails", são comumente observadas na forma de rastros deixados pelo resfriamento do vapor de água a partir dos exaustores dos aviões. Quem está a bordo não vê nada, mas do solo muitas vezes é um espetáculo ver o céu riscado.

O site Airlines.Net tem duas espetaculares imagens de "contrails" (link 1) (link 2) que você não pode deixar de ver. A NASA também publicou fotos numa de suas páginas de inúmeros rastros deixados por aeronaves vistos a partir de terra e registrados também por satélite na região da Nova Escócia, no Canadá, e no Sul dos Estados Unidos.

Há até estudos indicando que em regiões de alto tráfego aéreo estas trilhas de condensação acabam por aumentar a cobertura de nebulosidade, alterando o clima local. Marinheiros há muito enxergam os rastros no céu deixados pelos aviões para saber o que pode ocorrer com o tempo. Dizem eles que se ao avião não deixa trilha ou ela se dissipa rápido, a tendência é de tempo bom. Por outro lado, se a trilha se mantém no céu por muito tempo é um sinal de mudança do tempo. E mudança no tempo é o que devemos ter nesta sexta com frente fria e uma área de baixa pressão que devem trazer chuva para os gaúchos. Hoje, a Nordeste das trilhas no céu, havia uma corrente de jato importante. A rádio-sondagem do Aeroporto Salgado Filho das nove da manhã de hoje acusou vento de 135 nós a 12.700 metros de altitude, o máximo em todos os níveis observados. A 10 mil metros, na altitude de voo de cruzeiro, o vento soprava a 100 nós.

Fonte: Alexandre Amaral de Aguiar (MetSul Meteorologia)

Rastros provocados por passagem de aeronaves permaneceram por mais tempo do que o normal

De acordo com Estael Sias, da Central de Meteorologia, a temperatura mais baixa do que o normal na altitude onde os aviões voam e o céu limpo podem ter contribuído para que o fenômeno fosse melhor observado. O rastro é causado pelo contato dos vapor lançado pelos exaustores das aeronaves em alta temperatura com o ar gelado, em marcas negativas.

Se o temperatura estiver muito baixa, o feixe branco pode se transformar em minúsculos cristais de gelo, que se transformam numa verdadeira pista que fica na atmosfera por mais tempo. O vapor de escape ocorre geralmente acima de 8 mil metros de altitude, onde a temperatura está abaixo de -40 °C. Quem está dentro do avião não percebe, mas no solo, quando as condições climáticas são favoráveis, é possível observar melhor o espetáculo meteorológico, como ocorreu ontem.

Os rastros fazem parte de pesquisas até da Agência Espacial Norte-Americana (Nasa). Há estudos que indicam que as trilhas podem afetar o equilíbrio da radiação na Terra. Após o atentado de 11 de setembro de 2001 nos Estados Unidos, o tráfego aéreo ficou bloqueado por dias. As medições de cientistas mostraram que, neste período, sem as linhas de vapor ocasionadas pelos aviões, um anormal aumento da temperatura média diurna foi registrado em todo o território americano, verificado por 4 mil estações meteorológicas espalhadas pelo país.

Fonte: Zero Hora

Ex-governador do Colorado (EUA) admite ter levado pedras lunares para casa

O ex-governador do estado americano do Colorado John Vanderhoof (foto) confirmou, na terça-feira, que as pedras lunares colhidas pela tripulação da Apollo 17, oferecida ao estado em 9 de janeiro de 1974, estão no escritório de sua casa, na cidade de Grand Junction. Vanderhoof, de 88 anos, disse que levou o conjunto de pedras quando deixou o gabinete do governador. "Nem sabia que isso tinha algum valor", disse. "São apenas lembranças de coisas velhas."

Vanderhoof foi governador entre 1973 e 1975. Assumiu o posto quando o governador John Love foi convidado a trabalhar com o presidente Richard Nixon. Pedras lunares foram recolhidas durante várias missões Apollo e oferecidas pelo presidente Richard Nixon aos 50 estados americanos e cerca de 160 países. Muitos conjuntos, tipicamente pequenos fragmentos montados numa placa, não podem mais ser localizados.

Uma investigação forense conduzida pelo estudante Richard Griffis, da Universidade de Phoenix, procurou pelas pedras lunares no Museu Histórico do Colorado, no Museu de Ciência de Denver, na Galeria do Centro de Exploração Especial da Universidade do Colorado e no gabinete do governador durante dois meses, sem sucesso. Ele suspeitou que as rochas poderiam estar escondidas em uma das caixas de pertences pessoais de Vanderhoof armazenadas no Arquivo do Estado do Colorado.

Outras rochas lunares do Colorado, coletadas durante a histórica caminhada na Lua da Apollo 11, em 1969, ficaram desaparecidas por mais de uma década, até serem descobertas em um armazém do Museu de História do Colorado. Agora estão expostas no terceiro andar do Capitólio do estado. Ao longo dos anos, Vanderhoof afirmou que tentou encontrar museus ou escolas interessadas em aceitar a doação das pedras, mas a oferta não teve retorno. "Eu as ofereci para museus e escolas, e ninguém ficou excitado com a oferta", disse. Joseph Gutheinz, um investigador aposentado da NASA, disse que o ex-governador deveria devolver as pedras. "Ele não deveria ter ficado com elas", disse Gutheinz. "Foi aí que começou o problema."

Vanderhoof disse que ficará feliz em devolver as pedras, caso elas sejam exibidas de forma apropriada para honrar a enorme contribuição do Colorado na exploração espacial. Vinte e um astronautas têm fortes laços com o estado, muitos nasceram ali ou estudaram em universidades do Colorado. Entre eles estão Scott Carpenter, Jack Swigert, Vance Brand, Mike Lounge, Stuart Roosa e Dottie Metcalf-Lindenburger.

Evan Dreyer, porta-voz do atual governador, Bill Ritter, afirmou que o estado ficaria grato em aceitar as pedras lunares em poder de Vanderhoof. "Graças a Deus o caso das pedras lunares desaparecidas foi finalmente resolvido", disse Dreyer. "Vamos trabalhar agora para definir como elas serão exibidas."

Embora o governo federal mantenha o registro das rochas lunares presenteadas a estados e países estrangeiros ao longo dos anos, Gutheinz disse que os fragmentos deveriam ser mais exibidos. Gutheinz, que prendeu um homem que tentava vender ilegalmente rochas lunares da Apollo 17 ofertadas a Honduras por 5 milhões de dólares, dá aulas na Universidade de Phoenix e envolve seus alunos na busca de pedras desaparecidas. "Elas pertencem a crianças que nunca viram um homem caminhar na Lua ao longo de suas vidas", disse. De acordo com o investigador, é a primeira vez que um governador aposentado admite a posse do conjunto de pedras. "Provavelmente houve alguma falha de comunicação para que o ex-governador ficasse com elas", disse Gutheinz. "Não sei o que se passava na cabeça do governador. Tudo o que sei é que as pedras lunares pertencem à população do estado."

Fonte: The Denver Post via Veja.com - Foto: Stevan Maxwell (The Denver Post)

Pronto para contar mais de 400 bilhões de estrelas?

Astrônomos estimam que existem de 200 a 400 bilhões de estrelas em nossa vizinhança galáctica, a Via Láctea. Acho que alguém tentou contá-las nesse mosaíco de 800,000 fotos, em alta resolução e com zoom total, e se cansou perto do número 296,351,284,702.

O mosaíco gigante foi montado com fotos do telescópio Spitzer tiradas pela NASA no ano passado. Mas olhar para uma foto de 36 metros não é lá muito fácil se você estiver em frente à obra. Por isso mesmo alguém tinha que juntá-las em uma panorâmica com zoom completo, que você pode apreciar aqui. Em que número você consegue chegar?

Fonte: Jesús Díaz (Gizmodo Brasil) - Imagem: NASA

Nota de esclarecimento da Infraero

A Infraero emitiu o seguinte esclarecimento sobre respostas do deputado Silvio Torres (PSDB-SP) na reportagem "Deputado: Brasil não cumprirá promessas para Copa de 2014", publicada quinta-feira, 3/6:

"Ao contrário do que afirma a matéria, a Infraero não priorizou a instalação dos Módulos Operacionais em detrimento das obras permanentes. Os módulos vão atender à demanda atual de passageiros com os mesmos níveis de conforto e segurança de um Terminal convencional a fim de atender aeroportos em que demanda atual é maior.

A Infraero esclarece que o cronograma de obras está mantido, tendo alguns serviços já iniciado, como os de reforma e modernização do Terminal 1 e de conclusão do Terminal 2 do Aeroporto Internacional do Rio de Janeiro - orçados em R$ 566,5 milhões, e construção do sistema e pátio e pista do Aeroporto de São Gonçalo do Amarante (RN), orçado em R$ 95 milhões. No total, entre 2011 e 2014, a Infraero vai R$ 5,4 bilhões só nos aeroportos relacionados com a Copa.

Em relação a Guarulhos, o projeto básico para a construção do terceiro Terminal de Passageiros atualmente se encontra em fase final de licitação internacional e o Exército Brasileiro retomou as obras do sistema de pista e pátio.

Atenciosamente,
Léa Cavallero
Superintendente de Marketing e Comunicação Social - Infraero"


Fonte: Terra Magazine

Deputado: Brasil não cumprirá promessas para Copa 2014

Em torno do deputado Silvio Torres, técnicos da Receita Federal explicam projeto para a Copa de 2014

Já começou e se multiplica por 12 a reedição da farra com o dinheiro público que sustentou os Jogos Pan-Americanos de 2007 no Rio de Janeiro. Quem assim entende é o presidente da Subcomissão de Fiscalização da Copa do Mundo de 2014 da Câmara, deputado Silvio Torres, do PSDB paulista.

Em entrevista a Terra Magazine, ele reclamou de falhas e questões nebulosas da organização brasileira do 20º Mundial de futebol. "Qual é o medo de todo mundo? Que a pressa nos leve a atropelar os procedimentos legais, facilitar o superfaturamento, custos excessivos e isso vai encarecer bastante os projetos", contou.

Agora, porém, há uma dúzia de cidades e um preço incalculavelmente maior do que no exemplo carioca de 2007. "No Pan, aconteceu exatamente desse jeito. Ficou todo mundo alertado e agora está acontecendo de novo", avisou Torres, que citou "um mar de incertezas" e a impossibilidade de fazer projeções sobre o andamento da preparação.

- Eu digo com certeza que não vamos fazer aquilo que a gente prometeu. Não vamos cumprir os compromissos nem aquilo que se criou de expectativa para o próprio povo brasileiro. Vai ser uma parte daquilo - assinalou, em relação aos projetos originais.

Silvio Torres atestou que o presidente do Comitê Organizador Local e da Confederação Brasileira de Futebol, Ricardo Teixeira, não possui respostas para a escassez de investidores, ao contrário do que ele alardeava inicialmente. "Ele vendeu junto com o governo o que não vão entregar".

Sobre a reforma e a construção de estádios, ele afirma que "há modelos diferentes, mas, no fundo, o governo paga, de um jeito ou de outro".

O parlamentar tucano prevê ainda dificuldades de aprovação de isenções à Federação Internacional de Futebol (Fifa) e às suas parceiras, que precisam ser aceitas para vigorar a partir de janeiro, conforme garantia do País à dona da Copa do Mundo. "Estamos em ano eleitoral e nossa pauta está muito tumultuada. Será que vai ser aprovada a toque de caixa?", preocupou-se.

- A Receita Federal foi criteriosa, procurou fazer um bom projeto, mas agora a questão não é só técnica, é política. O Congresso Nacional tem que fazer um balanço do que a Copa está significando em termos de custo, quais são os investimentos reais, precisamos saber isso direito.

Confira a entrevista.

Terra Magazine - Como está a questão da isenção de impostos para a Copa do Mundo de 2014?

Silvio Torres - Dois técnicos da Receita Federal (Augusto Carlos Rodrigues e Fernando Mombelli) foram convidados (pela Comissão de Fiscalização Financeira e Controle da Câmara dos Deputados) e apresentaram (quinta, 25/5, na Câmara) estimativa de impacto de R$ 900 milhões só de impostos e taxas de renúncia federal.
Fora isso, o governo autorizou, em outro projeto paralelo, os municípios a abrirem mão do ISS (Imposto Sobre Serviço) sobre as obras dos estádios e os Estados a desonerarem o ICMS (Imposto sobre Circulação de Mercadorias e Serviços). Isso não tem um cálculo, eles não quiseram falar. Mas com certeza passa de R$ 1 bilhão, talvez R$ 1,2 bilhão. Vale para todos os estádios. De início, o pedido era dos (estádios) privados (de São Paulo, Inter e Atlético Paranaense). Mas o governo demorou para decidir e mandou atender todo mundo.

As empreiteiras vão acabar sendo desoneradas, aí depende do tipo de negociação que cada governo (estadual) está fazendo com os particulares, os empreiteiros. O governo da Bahia, outro dia, nos mostrou, no relatório, que eles tinham dado o correspondente a mais de R$ 30 milhões em isenções e isso estava sendo descontado do valor da obra. Há uma desoneração grande em todos os outros impostos de que o governo está desonerando a Fifa e os parceiros dela.

Esse número de isenções foi inflado. Está havendo um excesso? Estão aproveitando para incluir o que não deveriam?

Uma semana antes, o ministro (do Esporte) Orlando Silva falou em R$ 500 milhões. Virou R$ 900 milhões, e a explicação que me deram é que o ministro falou só dos (impostos) federais, que agora estão desonerando também os estádios e outras obras, tem mais 300 e poucos milhões. É um número meio confuso, que não tem como clarear. No projeto de lei, é que a gente vai ver.

Eles ficaram quase dois anos discutindo isso na Receita Federal porque havia opiniões conflitantes. Também mandaram o projeto e sabem que agora vão ter alterações porque existem questões que vão ser debatidas. São questões polêmicas, dando tratamento privilegiado de janeiro de 2011 até dezembro de 2015.

Por que até um ano e meio depois da Copa?

Eles explicaram que esse é o tempo para fecharem as contas e terminarem os processos de mandarem os bens de volta. Mas acho que essa isenção abrange a emissora (de TV) geradora também, não sei como é que isso é negociado entre a geradora e as emissoras que compram os direitos (de transmissão). Isso aí tudo é o que está por trás, que não se sabe.

Tem também problema de outra natureza: os estádios que já começaram obras. A Fifa não está obrigando a começar obra logo? Estão dizendo que vão começar a obra, eu não acredito que vão, mas estão dizendo. E aí a lei só vale a partir de 2011, não pode retroagir. E esse dinheiro que foi gasto neste imposto? Não pode recuperar. Como é que faz? Eles não souberam responder.

O ministro (Orlando Silva Júnior), uma semana antes, disse que o impacto da Copa na arrecadação tributária do Brasil ia dar R$ 16 bilhões. Perguntei de onde ele tirou este número. "Ah, não, eu tenho um estudo... Pode deixar que eu mando". Uma semana depois, dá uma declaração que são R$ 10 bilhões, e não mandou nada até agora para explicar.

Qual é sua avaliação de tudo isso até agora?

O problema da Copa no Brasil é que, como as obras não andam - os aeroportos só começam em 2011, já desistiram de obras permanentes -, os estádios com certeza vão pro quarto prazo. O (novo) prazo já é de acordo com a liberação dos projetos, que foram sendo liberados durante o mês de maio. Mas os prazos são dados para apresentar a viabilidade econômica. Com absoluta certeza, não vão apresentar nos prazos. Então já não dá para saber quando começam as obras (dos estádios) e de que jeito serão viabilizadas. O governo se reuniu em janeiro, definiu com as cidades-sede a matriz de responsabilidade das obras de mobilidade urbana, disponibilizou dinheiro da Caixa Econômica Federal ou Fundo de Garantia, dependendo da obra, e as consultas nem saíram do BNDES ainda - muitas nem entraram.

Esses quatro assuntos, que são os principais da Copa, estão num mar de incertezas. Então, não dá nem para fazer projeção: "Ó, isso é bom, o custo benefício é vantajoso". A lógica, a gente espera, é que o Brasil tenha ganhos, de imagem, na área turística, de obras de transporte e mobilidade, que possam melhorar a situação do povo. Em nome disso, nós estamos fazendo a Copa. Mas tem mais de dois anos e meio que ganhamos a condição de fazer a Copa. Eu digo com certeza que não vamos fazer aquilo que a gente prometeu. Não vamos cumprir os compromissos nem aquilo que se criou de expectativa para o próprio povo brasileiro. Vai ser uma parte daquilo. Se vai ser uma parte menor, maior, 90%, nós só vamos saber ao longo do tempo.

Alguns projetos não prevêem totalidade de realizações para a Copa, mas é possível esperar que se tudo se complete para depois da competição, pelo menos, e haja um legado?

Já é um outro governo. Não são só os atrasos, a outra incógnita é o tempo eleitoral, o período eleitoral que estamos atravessando. Qual o impacto disso? Governos que não querem assumir dúvidas porque estão no final, dificuldade de aprovação nas Casas Legislativas, agentes privados que não querem entrar de parceiro porque não sabem se o governo é este ou é outro, isso influi muito no ritmo das decisões.

A Confederação Brasileira de Futebol (CBF) primeiro alardeou que havia muitos investidores da iniciativa privada interessados...

Sim, ela saiu alardeando isso há três anos. E (recentemente) eu perguntei isso ao (presidente da CBF) Ricardo Teixeira, e ele não respondeu. "O senhor disse que ia ter 12 estádios com dinheiro privado, parceiros público-privadas com obras de transporte e tal, isso não aconteceu. A que o senhor atribui esta mudança?". Não respondeu. Porque ele não tem resposta. Ele vendeu junto com o governo o que não vão entregar.

O que emperra mais a aprovação desses projetos de isenção tributária?

Primeiro, o volume (das isenções): um bilhão e tanto (de reais). E a falta de conhecimento do Congresso sobre o que tem por trás de cada um (dos projetos). É lógico que tem algumas coisas que são liberadas facilmente: visto de trabalho, importação temporária de equipamentos que vão ser utilizados pra Copa - já existe, inclusive, na legislação brasileira. Mas tem questões que ainda não estão muito claras, se esses direitos vão continuar ou não, porque há isenções sobre bens de consumo, medicamentos, combustível, serviço de transmissão de som e imagem. Vai ter que detalhar o que é isso. O projeto dá detalhes e, quando pode, ele nomina, mas a maioria não é nominada. A Receita Federal foi criteriosa, procurou fazer um bom projeto, mas agora a questão não é só técnica, é política. O Congresso Nacional tem que fazer um balanço do que a Copa está significando em termos de custo, quais são os investimentos reais, precisamos saber isso direito.

Existe algum risco para a economia brasileira?

Não creio que seja impactante, vem muito equipamento de vídeo, de áudio, carros... A Fifa vai trazer carros, mas num número para atender as necessidades dela. Não deveria trazer, o Brasil tem carro suficiente. Vamos dar isenção de importação do carro da Fifa a troco de quê? Será que vão mandar carros blindados pra cá? A gente não sabe o que é, e não explicam. Estamos em ano eleitoral e nossa pauta está muito tumultuada. Por exemplo, neste primeiro semestre é muito difícil (aprovar o projeto) antes do recesso; depois volta em outubro, em novembro, será que vai ser aprovada a toque de caixa? Tem que aprovar. O Ricardo Teixeira disse lá na comissão que, se não aprovar, o Brasil não sedia a Copa. (A lei do projeto) tem que valer a partir de janeiro do ano que vem.

O presidente da Infraero anunciou, semana passada, que serão investidos R$ 4,5 bilhões nos aeroportos, uma das maiores preocupações do senhor.

Eles já mandaram pra gente vários levantamentos. A cada mês, a Infraero manda um diferente do outro. Agora, os investimentos que vieram no último projeto são, boa parte, para instalações provisórias, que ficam cinco anos, seis anos, sei lá quanto. Serão retiradas, "ah, podem ser transferidas para outros aeroportos". Está se recorrendo a uma alternativa porque os projetos originais eram de obras permanentes em aeroportos.

E por que houve a mudança?

Porque eles não conseguiram viabilizar. Tem aeroporto que sequer conseguiu viabilizar a licitação do projeto executivo. É o caso aqui de Guarulhos.

Por que não conseguiu?

Na minha opinião, é por falta de gestão. Ficaram patinando na história, se vai ser concessão, se não vai ser, se vai privatizar, não decidiram nada e aí a economia se recuperou, os aeroportos começaram a ter movimento maior outra vez. E o governo, indeciso. Isso que está vindo agora atende à pressão da Fifa, inclusive, e de todo mundo que está acompanhando o desenvolvimento da organização (da Copa). Qual é o medo de todo mundo? Que a pressa nos leve a atropelar os procedimentos legais, facilitar o superfaturamento, custos excessivos e isso vai encarecer bastante os projetos.

Não será isso uma estratégia?

Não sei. Nos Jogos Pan-Americanos (de 2007, no Rio de Janeiro), aconteceu exatamente desse jeito. Ficou todo mundo alertado e agora está acontecendo de novo. O governo mandou um projeto que cria a Autoridade Olímpica (para a Olimpíada de 2016, no Rio) e embutiu o artigo 11, flexibilizando a lei de licitações para a construção dos aeroportos para a Copa. Ou seja, já deram o primeiro passo para abrir as portas. Aí você imagina a dificuldade, no Congresso, de isenção para isso, lei de licitação pra aquilo, cria uma confusão para o entendimento, por isso eu falei que acho difícil aprovar.

Os projetos de estádios têm encarecido em relação às previsões inciais, há dificuldades de financiamento, e os governos estaduais estão assumindo custos...
O governo disponibilizou dinheiro do BNDES porque poucos conseguiram parceiros privados. Teve caso que foi parceria público-privada e que o empreiteiro constrói a obra e fica com direito de concessão por tantos anos. Outros, o governo ajuda na obra. Tem modelos diferentes, mas, no fundo, o governo paga, de um jeito ou de outro. O Brasil, em algumas cidades-sede, não tem sustentabilidade para uma arena, o custo é muito caro para manter e não tem futebol para isso, não tem público, nem para outros eventos porque o preço está acima da capacidade de consumo dos brasileiros.

Até a maior cidade do País, São Paulo, enfrenta polêmica sobre a construção de novo estádio, o que seria inviável...

Pois é, uma briga aqui... Uma pressão enorme para fazer um outro estádio, não dá para entender, né? Vão pôr R$ 800 milhões de dinheiro público no Maracanã outra vez, já tinham gasto 400 paus na reforma dele (para o Pan).

Fonte: Eliano Jorge (Terra Magazine) - Foto: Divulgação

Chefe da delegacia do aeroporto de Guarulhos é investigado por venda de serviços de segurança

Mulher de delegado vende serviços de segurança

Corregedoria apura se chefe da delegacia de Cumbica é dono da empresa

A Cerco Segurança age em casos de sequestro; suspeita é que empresa use servidores públicos para favorecer clientes


A Corregedoria Geral da Polícia Civil de São Paulo investiga o delegado Carlos Alberto Achôa Mezher, chefe da delegacia do aeroporto de Cumbica, sob a suspeita de que ele explore o ramo da segurança privada.

A Cerco Segurança Patrimonial e Vigilância Ltda. é registrada em nome de parentes do delegado: Mague Achôa Mezher e Patrícia Verginelli Mezher - mulher dele.

A suspeita é que ele seja o verdadeiro dono da empresa, que oferece justamente serviços que são atribuições do policial: "pronta resposta" para sequestro e ameaças de bomba, por exemplo.

A Corregedoria também investiga se a Cerco, por influência do delegado Mezher, usa servidores públicos para favorecer clientes - outro serviço oferecido é de "agilizar a retirada de documentos" como cédula de identidade e passaportes.

A empresa firmou nos últimos anos contratos de mais de R$ 4 milhões com o Estado e a Prefeitura de São Paulo, segundo documentos da investigação.

A Lei Orgânica da Polícia Civil não veda participação de policial como cotista de empresa privada, muito menos de seus parentes, mas o policial não deve participar do dia a dia da empresa, seja qual for seu ramo.

Mezher não aparece nos registros da Cerco Segurança, mas a Corregedoria investiga se ele atua por trás dos negócios.

A delegacia de Cumbica, onde trabalha Mezher, é vinculada à Divisão e Portos, Aeroportos, Proteção ao Turista e Dignitários da Polícia Civil.

Proteger autoridades

Outro serviço vendido pela empresa é de proteção de dignitários (autoridades).

"A Cerco mantém profissionais com treinamentos internacionais na área de segurança de executivos e dignitários, adestrados de acordo com modernas tendências das agências oficiais", propagandeia a empresa.

Alguns dos contratos da Cerco envolvem a Secretaria de Estado da Educação, a CPTM (Companhia Paulista de Trens Metropolitanos) e o autódromo de Interlagos.

Em algumas das ligações da reportagem para a empresa nos últimos dias, funcionários disseram que o delegado não tem mais ido até lá.

Mezher é bem relacionado. Em fevereiro, ele foi à festa do primeiro aniversário de Luca, filho de Kaká, camisa 10 da seleção brasileira (foto acima).

Nas fotos da festa publicadas por uma revista de celebridades, o delegado é abraçado por Ronaldo Fenômeno e Kaká, junto com o piloto Felipe Massa, da F-1.

OUTRO LADO

Delegado diz que nada sabe sobre firma de segurança

"Deve ter um equívoco; vou ver as informações e, com o maior prazer, te atendo", disse ele na quarta e não mais falou

O delegado Carlos Alberto Achôa Mezher, chefe da delegacia do aeroporto de Cumbica, afirmou não ter nenhum tipo de vínculo com a Cerco Segurança Patrimonial e Vigilância Ltda.

"Não estou sabendo [de investigação da Corregedoria da Polícia Civil], não estou sabendo de empresa de segurança, eu não estou sabendo de nada", disse Mezher.

"Esse tipo de assunto [possível exploração de segurança privada] fale direto com o meu [delegado] divisionário, esse assunto não compete a mim, eu não sei de empresa de segurança nem nada", continuou o policial civil.

Questionado sobre a propriedade da empresa, Mezher respondeu: "Deve ter algum equívoco. Vou levantar essas informações e, com o maior prazer, eu te atendo para verificar algum equívoco de informação de empresa".

Na quarta, ao ser questionado sobre Patrícia Verginelli Mezher, sua mulher e uma das donas da Cerco Segurança, o delegado disse que iria se informar mais sobre ela e voltaria a falar com a Folha ainda naquele dia.

Documentos do Tribunal de Justiça de SP mostram Patrícia Mezher e o delegado de Cumbica em pelo menos 13 ações cíveis ao lado da Cerco Segurança e Cerco Service Monitoração Ltda., uma outra empresa investigada como da família do policial.

Ontem, a reportagem voltou a procurar Mezher na delegacia de Cumbica, mas ele não quis falar novamente.

Segundo um policial, Mezher "estava no saguão [do aeroporto], onde foi atender um pessoal amigo dele".

Ainda na tarde de ontem, o mesmo funcionário confirmou à Folha que o próprio delegado Mezher disse saber da investigação em andamento na Corregedoria.

O delegado Roberto Krasovic, chefe de Mezher e, segundo ele, responsável por prestar esclarecimentos sobre o caso, não respondeu aos pedidos de entrevista.

Krasovic é o delegado chefe da Divisão de Portos, Aeroportos, Proteção ao Turista e Dignitários da Polícia Civil. Foram cinco tentativas para entrevistá-lo sobre Mezher.

Empresa não fala

Também desde quarta-feira, a reportagem tenta entrevistar os responsáveis pela Cerco Segurança, mas ninguém foi encontrado.

O delegado-geral da Polícia Civil de São Paulo, Domingos Paulo Neto, foi procurado ontem para se manifestar sobre o caso, mas também não atendeu ao pedido de entrevista.

A investigação sobre uma possível exploração de segurança privada por parte de Mezher está na Divisão de Apurações Preliminares da Corregedoria-Geral da Polícia Civil, sob o comando do delegado José Boucinhas Neto.

Fonte: André Caramante (jornal Folha de S.Paulo) - Foto: Marúcha Kintschev

Araponga saído da Aeronáutica teria montado dossiê para campanha de Dilma

A articulação para montar uma central de dossiês a serviço da campanha de Dilma Rousseff à Presidência da República teria contado com a participação de arapongas ligados aos serviços secretos oficiais, segundo reportagem do jornal O Estado de S. Paulo. Um deles seria o sargento da reserva Idalberto Matias de Araújo, o Dadá, recém-saído do Cisa, o serviço secreto da Aeronáutica. Conhecido personagem de apurações sigilosas em Brasília, o sargento esteve ligado, por exemplo, às investigações que deram origem à Operação Satiagraha.

De acordo com a reportagem, houve contato entre o agente e um dos principais profissionais da área de comunicação da campanha de Dilma, o jornalista e consultor Luiz Lanzetta, dono da Lanza Comunicação, contratada pelo PT para assessoria de imprensa da campanha. O valor do serviço prestado pelo araponga e o delegado aposentado da Polícia Federal Onésimo de Souza, dono de uma pequena empresa de segurança de Brasília, seria de R$ 200 mil por mês, com o argumento de que seria preciso montar uma equipe de 12 pessoas para a missão. O pacote incluiria ainda investigações que pudessem dar à campanha de Dilma munição para ser usada, em caso de necessidade, contra adversários, como José Serra.

A proposta teria sido levada, então, para o núcleo central do comitê de Dilma. O assunto teria sido discutido com o ex-prefeito de Belo Horizonte Fernando Pimentel, coordenador da campanha. Ao jornal O Estado de S. Paulo, Pimentel negou que tenha sido procurado pelo grupo de Lanzetta para tratar de contrato o araponga. "Se houve isso, é iniciativa da empresa do Lanzetta, para resolver algum problema relacionado à empresa dele", disse. "Nunca tratamos disso na coordenação da campanha."

Procurado pela reportagem, Idalberto não quis falar sobre o assunto. Lanzetta se negou a dar declarações, embora tenha admitido o contato com o araponga e o ex-delegado. Onésimo de Souza não foi localizado. A assessoria de Dilma limitou-se a reproduzir declaração da pré-candidata petista, segundo a qual não havia ninguém autorizado a negociar dossiês para a campanha.

Fonte: Agência Estado

Dossiê: PSDB quer que PF e MP entrem nas investigações

Os integrantes do PSDB no Congresso Nacional pretendem abrir quatro frentes de investigação para ter respostas sobre a criação - por parte da equipe de coordenação de pré-campanha de Dilma - do suposto dossiê contra o pré-candidato José Serra.

Até a próxima quarta-feira (9), o partido entrará com pedido de investigação junto ao Ministério Público Federal, Ministério Público Eleitoral e Polícia Federal.

“Se não houver investigação, vai banalizar o nível da campanha”, disse ao blog o deputado Gustavo Fruet (PSDB-PR), um dos autores da iniciativa.

Em outra ação, o partido vai apresentar à Comissão Mista de Controle das Atividades de Inteligência pedido de convocação do sargento da reserva Idalberto Matias de Araújo, o Dadá, e do delegado aposentado da Polícia Federal Onésimo de Souza.

Reportagem publicada, hoje, pelo Estado de S.Paulo, revela que Dadá manteve conversas com o jornalista Luiz Lanzetta (um dos responsáveis pela área de comunicação da pré-campanha de Dilma) para a contratação de serviço de espionagem. Dadá deixou recentemente o serviço secreto da Aeronáutica.

Segundo a reportagem, após a conversa com Lanzetta, Dadá indicou Onésimo para compor o grupo de arapongas que montaria o suposto dossiê contra Serra. O custo dos serviços foi orçado em R$ 200 mil por mês.

“São pessoas que não é de hoje que participam de operações. São pessoas que agem à margem da lei, à margem do Estado e com a estrutura do Estado. Vamos querer saber se há mais envolvidos, quem fez, como fez e quem pagou para fazer o dossiê”, ressaltou Fruet, que também é integrante da Comissão de Controle das Atividades de Inteligência.

Fonte: Blog do Noblat

Maior empresa aeronáutica europeia anuncia helicóptero movido a algas marinhas

A maior empresa aeronáutica europeia, EADS, vai lançar um helicóptero "híbrido" cujo combustível é algas marinhas, disse hoje o diretor técnico da empresa ao jornal alemão Die Welt.

A apresentação da aparelho será na exposição aeroespacial de Berlim, umas das mais importantes feiras do setor no mundo, que decorre na capital alemã de 9 a 13 de Junho.

"Vamos voar pela primeira vez um aparelho movido a biocombustível feito a 100% de algas. É uma estreia mundial", disse o diretor técnico da empresa, acrescentando que é necessário "uma mudança de paradigma na indústria da aviação alternativa ao querosene".

"Se 10% da nossa frota voar a biocombustível em 2040, ficaria extremamente feliz", acrescentou.

Fonte: Agência Lusa via SIC (Portugal) - Fotos: Divulgação (EADS) / Welt Online

Korean Air Aerospace irá produzir novos Sharklets para a Família A320

A fabricante foi selecionada como a única fornecedora do novo dispositivo de ponta de asa para economia de energia.

A Korean Air Aerospace Division, divisão de fabricação aeronáutica do Grupo Korean Air, foi escolhida pela Airbus como a única fornecedora dos novos dispositivos de ponta de asa, os Sharklets, projetados pela Airbus para a Família de aeronaves de corredor único líder de vendas, a A320.

Sob os termos do acordo, a Korean Air Aerospace irá produzir os novos dispositivos de ponta de asa compostos e fornecê-los às linhas finais de montagem da Família A320 em Toulouse, Hamburgo e Tianjin. A primeira aeronave A320 equipada com os Sharklets será entregue a partir do final de 2012.

Lançados em outubro do ano passado, os novos dispositivos de ponta de asa, com aproximadamente 2,5 metros de altura, irão melhorar ainda mais a eficiência da famosa Família A320 ao substituir seus atuais dispositivos. Oferecidos como itens opcionais, os dispositivos reduzirão a queima de combustível especialmente em trechos mais longos. Além de aumentar a capacidade de carga paga e melhorar o desempenho na decolagem, espera-se que os novos dispositivos resultem na redução de 3,5% da queima de combustível em trechos mais longos, correspondendo à redução anual de aproximadamente 700 toneladas de CO2 por aeronave.

Fonte: Portal Fator Brasil - Imagem: Divulgação/Airbus

Boeing mira aumento de vendas internacionais em cinco anos

A norte-americana Boeing afirmou nesta sexta-feira que espera impulsionar as vendas internacionais para compensar a desaceleração em seu mercado local, em meio à tentativa do governo dos Estados Unidos de conter os gastos com defesa.

O presidente da Boeing Defense, Space and Security, Dennis Muilenburg, disse a repórteres em Cingapura que as vendas internacionais da companhia cresceriam para entre 20 e 25 por cento do total da receita nos próximos cinco anos, ante 16 por cento em 2009.

Mais tarde, ele disse à Reuters que o negócio global da empresa, segunda maior fabricante de aviões do mundo depois da Airbus, cresceria a um ritmo "moderado", similar ao percentual de um dígito visto nos últimos cinco anos. No ano passado, o negócio de defesa da Boeing atingiu cerca de 34 bilhões de dólares em receita, uma alta ao redor de 5 por cento.

"O que veremos será um crescimento moderado como o visto nos últimos cinco anos", disse ele.

Muilenburg também acrescentou que o suporte de mercados da Ásia Pacífico, que respondem por metade das vendas internacionais da companhia, e do Oriente Médio devem compensar a desaceleração nos EUA.

Fonte: Nopporn Wong-Anan e Harry Suhartono (Reuters) via Yahoo! Notícias

Companhia aérea de voos de baixo custo revela detetor de cinza vulcânica

A companhia britânica de voos de baixo custo easyJet revelou que está prestes a testar um detector de cinza vulcânica. De acordo com a operadora aérea, o novo sistema vai permitir aos aviões detectar e passar ao lado das nuvens de cinza potencialmente perigosas como as que foram expelidas pelo vulcão Eyjafjallajokull da Islândia. Em Abril a erupção vulcânica levou ao encerramento do espaço aéreo europeu provocando milhares de milhões de euros em prejuízos.

O sistema que a easyJet se prepara para testar utiliza minúsculas câmaras de infravermelhos, montadas na cauda do avião, as quais deverão permitir aos pilotos detectar concentrações de cinza atmosférica até 100 quilômetros de distância e a altitudes entre os 5.000 pés e os 50.000 pés.

Os dados dos sensores infravermelhos também podem ser enviados para os centros de controlo de voo, de forma a permitirem ao pessoal de terra construir um mapa tridimensional detalhado da cinza atmosférica.

O sistema foi inventado pelo Dr. Fred Prata do Instituto Norueguês para a Pesquisa Aérea e conta com o apoio da Autoridade Britânica para a Aviação Civil. Os seus construtores chamaram-lhe "Identificador e Detector de Objetos Vulcânicos Aéreos" - Airborn Volcanic Object Identifier and Detector - ou "AVOID", um acrônimo que revela um toque de humor já que, na língua inglesa, a palavra "avoid" significa "evitar".

A tecnologia utiliza princípios semelhantes aos já utilizados nos detectores de tempestades a bordo das aeronaves e tem o potencial de evitar perturbações em larga escala da aviação comercial, como as que foram provocadas pelo vulcão da Islândia.

Testes nos próximos dois meses

A easyJet diz que investiu um milhão de libras (cerca de um milhão e duzentos mil euros) no novo sistema e espera tê-lo instalado numa dúzia de aviões até ao final do ano. Recorde-se que, em Abril, a companhia "low cost" britânica perdeu mais de 90 milhões de euros com o encerramento do espaço aéreo europeu.

Os primeiros testes do "AVOID" vão ser realizados nos próximos dois meses pela Airbus, a pedido da easyJet, utilizando um Airbus 340.

Mesmo que tudo corra bem, antes de entrar ao serviço o sistema terá ainda de ser certificado pela Agência Européia de Segurança da Aviação, (AESA) sediada em Colônia.

Jeremie Tehan, um porta-voz da AESA, disse que a agência está pronta a acolher pedidos de certificação de qualquer equipamento que tenha o potencial de aumentar a "segurança aérea", mas adiantou que ainda não foi recebido nenhum pedido nesse sentido por parte da easyJet.

A companhia "low cost" diz que ainda não se debruçou sobre o modelo de comercialização do novo sistema, mas garante que quer partilhar a tecnologia com os outros operadores aéreos.



"Aquilo que nós não queremos é obter uma vantagem comercial sobre as outras companhias aéreas, ao estar numa posição em que nós possamos voar e elas não", disse o diretor executivo da easyJet, Andy Harrison. "Este é um grande passo em frente e a melhor coisa será colocar esta tecnologia em centenas de aviões, operados por muitas companhias", disse.

Concorrência observa

Outras companhias aéreas estão a observar os testes do novo sistema com interesse, mas sem se comprometerem. A Virgin Atlantic emitiu um comunicado em que diz "saudar os ensaios de qualquer tecnologia que possa contribuir, quando estiver provada e certificada, para evitar a repetição dos encerramentos discricionários e desnecessários do espaço aéreo do Reino Unido”. Também a British Airways emitiu idêntico comunicado dizendo que vai aguardar os resultados dos testes.

Recorde-se que o encerramento sem precedentes do espaço aéreo europeu em Abril causou perdas direta de mil milhões de euros ás companhias de aviação e cerca de mil e seiscentos milhões de euros a outras indústrias do continente.

As companhias aéreas acusaram então as autoridades reguladoras da Europa de reagirem de forma alarmista e exagerada ao que disseram ser uma ameaça "que podia ser gerida" e exigiram que fossem estabelecidos padrões internacionais de contaminação por cinza.

Os especialistas de segurança aérea dizem a cinza vulcânica pode representar um perigo sério para os aviões, pois reduz a visibilidade, danifica os controles de voo e pode acabar por provocar a avaria dos motores a jato.

Fonte: RTP (Portugal) - Foto: AFP

Tripulantes da British Airways iniciam greve de 5 dias

Os tripulantes da British Airways iniciaram à 0h de sábado (hora local) uma greve de cinco dias, em mais um capítulo de uma disputa que já custou cerca de 180 milhões de dólares à empresa.

As paralisações são resultado da decisão tomada em novembro pela BA de reduzir o salário dos aeronautas e quantidade de tripulantes por voo.

O executivo-chefe da empresa, Willie Walsh, e sindicalistas culpam-se mutuamente pelo impasse nas negociações. A BA busca um acordo que representaria uma economia equivalente a 90 milhões de dólares por ano, num momento de queda da demanda, volatilidade nos preços dos combustível e maior concorrência.

O sindicato Unite, que representa a categoria, disse na sexta-feira que não havia nenhuma negociação programada. Já a BA informou que o serviço de conciliação Acas tentava agendar discussões entre os envolvidos.

Nos últimos seis meses, a BA já teve de paralisar seus voos em 17 ocasiões. A BA disse que a atual paralisação não afetará seus voos para a África do Sul, onde a Copa do Mundo acontece a partir de sexta-feira que vem.

A empresa disse que manteria 80 por cento dos seus voos de longa distância oriundos de Heathrow, perto de Londres, e 60 por cento dos voos de curta distância. Nos aeroportos de Gatwick e City, os serviços não foram afetados.

A BA, terceira maior companhia aérea da Europa, disse que o prejuízo com a greve só poderá ser avaliado ao final da paralisação. Analistas dizem que as paralisações podem tirar passageiros habituais da companhia, prejudicando as chances de suas contas voltarem ao azul neste ano.

Por causa das greves, a BA teve em maio 11,5 por cento menos passageiros do que no mesmo mês do ano passado. Enquanto isso, as concorrentes Air France-KLM, Ryanair e easyJet tiveram maior movimento.

Fonte: Rhys Jones (Reuters) via Yahoo! Notícias

Fechamento do espaço aéreo por nuvem vulcânica pode custar fortuna a Governo britânico

As companhias aéreas britânicas reivindicam uma indenização milionária do Ministério de Transportes do Reino Unido pelo fechamento do espaço aéreo por causa da nuvem vulcânica procedente da Islândia.

Segundo o diário "The Independent", as companhias aéreas acusam o Governo de ter exagerado ao proibir os voos por quase uma semana, sem a existência de provas concretas sobre os efeitos da nuvem vulcânica.

Além disso, as empresas argumentam que não podem suportar sozinhas os custos de eventuais perturbações no tráfego aéreo devido a desastres naturais. Depois de uma primeira reunião com o ministro britânico dos transportes, Philip Hammond, as duas partes devem começar as negociações para solucionar o impasse.

Fonte: EFE via EPA

Membro do Pentágono chefiará inteligência

O presidente americano, Barack Obama, irá nomear James Clapper (foto) como diretor de inteligência nacional, informou uma autoridade do governo dos Estados Unidos nesta sexta-feira. Clapper, general aposentado e atual sub-secretário de defesa para serviços de inteligência, substituirá Dennis Blair, que renunciou ao cargo no mês passado na primeira alteração na equipe de segurança nacional de Obama.

A expectativa era de que Obama não tardasse para substituir a vaga de chefe das diversas agências de inteligência do país. O detentor do cargo também age como o principal conselheiro do presidente para assuntos de inteligência relacionados à segurança nacional.

Blair deixou o posto após apenas 16 meses em meio a crescentes preocupações sobre a segurança do país depois de dois ataques frustrados na Times Square, Nova York, em 1o de maio e a um avião no Natal.

O cargo foi criado pelo presidente George W. Bush em uma reforma das agências de inteligência em 2004 para corrigir falhas expostas pelos ataques de 11 de Setembro.

Fonte: Reuters via O Globo - Foto: AFP

Passageiros ganham novos direitos

Usuários que enfrentam atrasos em seus voos terão assistência por parte das companhias a partir de 13 de junho Porto Alegre – Uma regulamentação da Agência Nacional de Aviação Civil (Anac) que começa a vigorar em uma semana prevê novos direitos para os passageiros quando houver atrasos, cancelamentos ou suspensões de voos. As companhias aéreas se comprometem a cumprir as determinações, mas já avisaram: as medidas vão aumentar o custo de operação das empresas.

A Resolução 141, que vem sendo discutida pelo setor de aviação há pelo menos um ano, entra em vigor no dia 13 de junho. Entre outras novidades, reduz pela metade – de quatro para duas horas – o tempo para fornecimento de alimentação em voos com atraso. Também obriga o ressarcimento dos valores pagos em caso de desistência do passageiro de viajar e estabelece regras para o direito de informação, reacomodação de passageiros, cancelamentos e overbooking.

Segundo o diretor técnico do Sindicato Nacional das Empresas Aeroviárias (Snea), Ronaldo Jenkins, itens como recolocação de passageiros de voos cancelados e ressarcimento por desistências adicionarão custos às companhias. O repasse às tarifas é uma tendência natural.

Segundo o diretor do Snea, as empresas vão cumprir as exigências da Anac “com ressalvas”. Jenkins disse que em pelo menos dois pontos houve negociação com a Agência para que a resolução seja flexibilizada, especialmente em relação ao ressarcimento dos passageiros que desistirem de viagens com atraso ou canceladas.

O texto obriga as empresas a devolver o dinheiro em caso de desistência, respeitando a forma de pagamento usada pelos clientes na hora da compra. Se o bilhete foi adquirido à vista e em dinheiro, a devolução deve ser feita da mesma forma. Segundo o diretor, a determinação não poderá ser cumprida nos finais de semana nem em voos em que o volume de desistências seja elevado.

Outro item que foi negociado com a Anac pelas empresas é a obrigatoriedade de facilitar a comunicação dos clientes, por telefone ou internet, já a partir da primeira hora de atraso. Se os passageiros já estiveram embarcados, as companhias não deverão cumprir a norma. As empresas também estão negociando a flexibilização de itens como alimentação adequada a partir de duas horas de atraso, especialmente em terminais com poucos recursos materiais.

Segundo a diretora jurídica do Instituto de Defesa do Consumidor (Idec), Maíra Alves Feltrin, cabe às empresas encontrar alternativas para cumprir as normas.

Fonte: Flavio Ilha (Zero Hora)

MAIS

ATRASO

- Antes da Resolução 141, a empresa podia esperar até quatro horas para reacomodar os passageiros. Com a nova norma, se a companhia tiver voo para o mesmo destino, será obrigada a recolocar seus passageiros imediatamente. Também terá de reembolsar integralmente o passageiro que desistir da viagem depois de quatro horas de atraso.

CANCELAMENTO

- Em caso de cancelamento, a empresa tinha até quatro horas para providenciar a reacomodação do passageiro em voo próprio ou de outra companhia. Agora, precisa tomar a providência imediatamente.

- Pode ser usada outra modalidade de transporte (rodoviário, por exemplo), a ser paga pela empresa.

- Se o passageiro desistir da viagem, a empresa tem de fazer o reembolso integral e imediato respeitando o prazo e o meio de pagamento usado pelo cliente.
- Em caso de uma conexão cancelada, a empresa fica obrigada a transferir o passageiro de volta ao aeroporto de origem caso o cliente desista de prosseguir a viagem.

OVERBOOKING

- A empresa podia esperar até quatro horas para providenciar a reacomodação dos passageiros que sobrassem em caso de venda de bilhetes superior à capacidade do avião. A partir de 13 de junho, terá de fazer isso imediatamente em caso de superlotação de aeronaves.

- O passageiro também pode optar por outro meio de transporte, cujo custo será bancado pela empresa.

ASSISTÊNCIA MATERIAL

- Depois de uma hora, a companhia terá de garantir facilidade de comunicação aos clientes por telefone ou meio eletrônico (internet).

- Depois de duas horas, precisa garantir alimentação adequada.

- Depois de quatro horas, passa a ser obrigada a disponibilizar acomodações em local adequado e, quando necessário, serviço de hospedagem (pernoite).

O QUE FAZER

- Em caso de reclamação, o consumidor deve se dirigir à Anac pelo telefone 0800 725 4445 ou pelo site www.anac.gov.br.

Claudia Leitte passa sufoco em avião antes de show

Voo da cantora é desviado e pousa em outra cidade, que não era a do espetáculo

A cantora Claudia Leitte passou momentos de sufoco antes de uma apresentação na cidade de Ourinhos, interior de São Paulo, na noite desta sexta (4). O avião em que ela estava fez duas tentativas de pouso e só conseguiu descer em Bauru, cidade próxima a da apresentação.

Em seu Twitter, Claudia registrou a aflição que viveu.

- Duas tentativas frustradas de pouso. Estamos distantes da cidade. O show estava previsto para começar à meia noite...

Logo depois, a cantora e sua equipe seguiram de microônibus até Ourinhos. Em seu microblog, ela demonstrou-se preocupada com o público e afirmou que o trajeto entre uma cidade e outra demoraria cerca de uma hora e meia.

No fim do espetáculo, a baiana fez questão de registrar que o show “foi incrível”.

- Valeu a pena essa aventura. Foram mais de oito horas de viagem pra ver quase 8o mil pessoas dando um espetáculo! Amei!

Fonte: R7 - Foto: AgNews

Diário uruguaio acusa proteção dos EUA a terrorista

Sob o título O terrorista que zomba da Justiça, o diário uruguaio La República publicou neste sábado (5) um editorial onde comenta "os diversos e misteriosos adiamentos" do julgamento de Luis Posada Carriles (foto) nos Estados Unidos. O jornal assinala que a data do julgamento foi fixada para 11 de janeiro de 2011.

Posada Carriles é acusado de planejar uma série de atentados a bomba em pontos turísticos de Cuba e da explosão de um avião que matou 73 pessoas em 1976. O editorial assinala que a juíza Kathleen Cardone, do Tribunal de El Passo, no Texas, prometeu que a data do julgamento é "firme" e não haverá novos atrasos.

"Mas, claro, os diversos e misteriosos adiamentos não são um bom antecedente para as promessas da juíza norte-americana. A última data anunciada foi 1º de março, mas foi postergada", recorda o La República.

Os promotores, destaca o jornal, alegam que Posada Carriles cometeu fraude migratória e falso testemunho sobre sua entrada nos EUA, em 2005. A acusação não trata das ações terroristas do acusado.

O editorial comenta que no último dia 31 o jovem italiano Fabio di Celmo teria completado 45 anos, "mas Posada Carriles não deixou".

"Em 1997, a 4 de setembro, Fabio morreu na explosão de uma bomba no Hotel Copacabana, depois de vários atentados que o terrorista e seus cúmplices executaram em diversos hotéis e restaurantes de Havana", recorda.

E comenta: "Os infames terroristas tinham em sua mira os hotéis Meliá Cohíba, Capri, Nacional e o restaurante La Bodeguita del Medio, muito frequentados por turistas que visitam a capital cubana".

La República assinala que Posada Carriles se vangloriou de ser o autor intelectual desses atentados em Havana, assim como da derrubada do avião em Barbados, em entrevista exclusiva para o jornal The New York Times em 1998.

"As autoridades cubanas entregaram a suas homólogas dos EUA numerosas evidências sobre estes fatos. No entanto, o julgamento do terrorista não é por assassinato em massa, como seria de esperar, mas por violação das leis migratórias."

La República destaca que o governo do presidente Barack Obama tem pleno conhecimento de que Posada Carriles, além disso, é foragido da Justiça Venezuelana, com 73 condenações por assassinato, uma por cada vítima do atentado em pleno voo contra o avião da Cubana de Aviación".

"A onipotente Justiça dos EUA vira as costas. Porém os mortos, seus familiares e entes queridos, reclamam justiça. Em 6 de outubro se completará mais um aniversário, o 34º, do horrendo crime múltiplo de Barbados", afirma o editorial.

"Luis Posada Carriles tem passeado por Miami e outros lares deste planeta, com prisões mais ou menos periódicas. Mas conseguiu evitar a condenação que merece", conclui o texto.

Fonte: Portal Vermelho - Foto: EFE

Mais um gol da indústria aeronáutica brasileira

O Lockheed Martin C-130 Hercules é o avião de transporte militar mais vendido no mundo. O Lockheed Martin C-130 Hercules é o avião de transporte militar mais vendido no mundo. A notícia segundo a qual o Uruguai se dispõe a adquirir aviões militares da Argentina tem um subjacente significado que ressalta em importância a indústria aeronáutica na América do Sul. Deve-se enfatizar que a saída da Lockheed Martin da empresa aeronáutica Argentina não significará o fenecimento da indústria que agora assume o caráter militar. Em segundo lugar, deve-se observar que a preferência uruguaia pelo produto aeronáutico argentino significa a existência de um mercado interno continental capaz de fazer ficejar o empreendimento argentino agora sob controle militar.

É de crucial importância a existência de um mercado interno sulamericano capaz de incentivar o crescimento da indústria aeronáutica interna. Assim, por exemplo, o projeto do avião militar da Embraer poderá ser iniciado com a garantia de encomendas feitas ex ante ao início da produção conforme garante a ministra da Defesa argentina. É que o projeto do avião de transporte militar inicialmente referido com a referência C-390 tem a sua viabilidade garantida se as perspectivas de vendas forem compatíveis com o investimento no seu projeto e início de fabricação.

A concepção desta aeronave de transporte não a credencia como um concorrente dos formidáveis Hércules C-130 americanos nem com o Búfalo, também americano. Com estas aeronaves os americanos praticamente dominam o mercado mundial de aviões de transporte militar. O Lockheed C-130 Hercules é um avião com quatro turbopropulsores cuja função principal é a de transporte aéreo em várias forças armadas em todo o mundo sendo o maiis usado avião de transporte do mundo da atualidade.

O projeto brasileiro do C-390 tem por característica ser um avião de menor capacidade de carga que o Hércules. Porém, dotado de turbinas a jato, espera-se que o avião brasileiro será mais ágil - por mais rápido - que o gigante americano. O comprometimento dos países sul-americanos com o projeto poderá viabilizá-lo fazendo com que o Brasil apresente ao mundo um avião de transporte militar, que poderá ter uma versão para uso civil, num nicho de mercado não atendido pela poderosa indústria aeronáutica americana.

Fonte: Didymo Borges (Folha Online) via Brasil! Wiki - Foto: FAB

sexta-feira, 4 de junho de 2010

Foto do Dia

Clique sobre a foto para ampliá-la

O Boeing 787-8 Dreamliner, prefixo N787BX, o "Boeing 003 Heavy Experimental" (ZA003), faz o taxiamento para o hangar depois de um voo de teste, no Seattle-Boeing Field / Aeroporto Internacional King County (BFI/KBFI), em Seattle, Washington, nos EUA, em 25 de maio de 2010.


Foto: Alevik (Airliners.net)

Avião pousa em açude no Litoral Norte do RS

Aterrissagem assustou moradores da região, que comunicaram o fato ao Corpo de Bombeiros

Na foto acima, o Paturi prefixo PU-BAR, similar ao que pousou no açude

O médico Ivo Schmidt, piloto de um avião anfíbio Paturi, prefixo PU-IVO, pousou no açude de uma fazenda no final da tarde de hoje (4), na localidade de Morro Grande, em Santo Antônio da Patrulha, no Litoral Norte, na Região Metropolitana de Porto Alegre, no Rio Grande do Sul. De acordo com o piloto, que ia de Torres para Porto Alegre, a visibilidade começou a reduzir um pouco depois de passar por Capão da Canoa, por volta das 16h30min.

— Achei arriscado seguir viagem porque escureceu muito e à noite este avião não voa. Foi um pouso tranquilo. Amanhã, se o tempo estiver bom, sigo viagem para Porto Alegre — disse o médico de 69 anos, que pilota há uma década.

A aterrissagem, embora comum por se tratar de um avião anfíbio, assustou moradores da região, que comunicaram o fato ao Corpo de Bombeiros. O susto foi desfeito quando soldados da corporação localizaram o piloto, sem ferimentos, e o avião, estabilizado sobre as águas do açude.

Ontem, um ultraleve caiu no meio da mata nativa, em local de difícil acesso, em Três Forquilhas, causando a morte de duas pessoas. Os corpos de Adalberto Padilha Silveira, do Mato Grosso, e de uma mulher foram resgatados hoje do Morro do Oratório. Os dois participariam de um concurso de ultraleves na cidade de Torres.

Fonte: Zero Hora - Foto: www.barichello.com.br/paturi/projeto.htm

Uruguai quer comprar aviões militares fabricados pela Argentina

A Força Aérea do Uruguai se mostrou interessada na compra de dois modelos de aviões elaborados por uma fábrica militar argentina, nacionalizada após uma década em mãos da americana Lockheed Martin, informaram hoje fontes oficiais.

"A Força Aérea uruguaia manifestou seu interesse por duas versões do Pampa"(na foto, o Pampa II), uma de interceptação e outra de treinamento avançado, afirmou hoje a ministra de Defesa argentina, Nilda Garré, em declarações a rádios locais.

Ela antecipou que o Governo estará em condições de oferecer esses dois modelos de aeronaves "dentro de um ano e meio ou dois". Segundo ela, será impulsionado "todo projeto viável para a recuperação da indústria aeronáutica" local.

Esses aviões são produzidos na Fábrica Militar de Aviões da cidade argentina de Córdoba (centro do país), nacionalizada no ano passado depois de o Senado transformar em lei um projeto que autorizou o Estado a comprar as ações da empresa que pertencia à americana Lockheed Martin.

Garré também destacou o acordo que o Governo argentino mantém com o Brasil para que a Embraer forneça 20 aviões à companhia aérea Aerolíneas Argentinas, em processo de desapropriação da espanhola Marsans.

Como parte deste acordo, assinado no ano passado pelos dois Governos, a Embraer produzirá partes dessas aeronaves na Fábrica Militar de Córdoba.

O convênio representa para companhias aéreas gastos de US$ 600 milhões, valor que será 85% financiado por um crédito do Banco Nacional de Desenvolvimento Econômico e Social (BNDES).

A ministra indicou também que "está avançando" o acordo com a Embraer para se associar na produção do avião de transporte militar C-390.

"O concreto é que estamos interessados em nos associar a este projeto porque definitivamente será um avião para a região", manifestou Garré.

Fonte: EFE via Terra - Foto: Wikipédia

Atraso revolta passageiros da Gol em aeroporto de SP

Um avião da Gol, que havia partido às 2h20 da madrugada desta sexta-feira (4) de Cuiabá com destino a São Paulo, teve uma pane no sistema hidráulico e não pôde prosseguir viagem depois de fazer escala no aeroporto de Presidente Prudente, extremo oeste paulista. A aeronave estava quase lotada e deveria, após a escala, decolar para a capital paulista às 5h20. No entanto, os passageiros só conseguiram embarcar por volta das 10h50, em outra aeronave enviada pela empresa.

Houve tumulto em razão do atraso de mais de cinco horas e funcionários da Gol precisaram chamar a Polícia Militar (PM) para controlar os passageiros. Muitos perderam conexões na capital paulista para cidades como Aracaju, Vitória e até para Nova York. "O pessoal não entendeu que era preciso esperar outro avião", disse Mauro Sato, encarregado do setor de tráfego aéreo do Departamento Aeroviário do Estado de São Paulo (Daesp) no aeroporto de Presidente Prudente. Ele tachou de "ignorantes" os passageiros mais exaltados.

"A aeronave pousou aqui (em Prudente), teve uma pane no sistema hidráulico e foi substituída. Não tinha como prosseguir a viagem, o avião não decolaria. Era perigoso voar. O sistema hidráulico controla a aeronave, agindo, principalmente, no freio e no trem de pouso", explicou.

Já foi feito o conserto na aeronave, que permanece no aeroporto de Presidente Prudente e só deve voltar a voar amanhã.

Fonte: Sandro Villar (Agência Estado)

Avião ultraleve cai no RS e mata os dois ocupantes

Corpos de vítimas de queda de ultraleve são encaminhados ao DML de Osório

Irmão de uma das vítimas contatou Bombeiros e deve vir ao Estado

Os corpos das vítimas da queda de um ultraleve em Três Forquilhas, Adalberto Padilha Silveira, 49 anos, e de Joana D'Arc Chaves, nascida em 1972, foram encaminhados ao Departamento Médico Legal (DML) de Osório, no Litoral Norte, no final da tarde desta sexta-feira.

Eles foram encontrados pela manhã e resgatados durante a tarde em um local de difícil acesso no Litoral Norte. Pelo menos um familiar de Silveira se deslocava hoje em direção ao Estado para buscar o corpo.

O Comando Regional dos Bombeiros de Tramandaí recebeu contato do irmão de Silveira durante o dia. Ele viajaria de avião do Mato Grosso, Estado das vítimas, até o Rio Grande do Sul.

O ultraleve decolou às 12h45min de Canela para participar do 10° Encontro Nacional de Ultraleves, em Torres, de 3 a 6 de junho. O alerta de socorro foi feito por volta das 14h15min do dia 3 de junho. O avião teria sofrido "perda da potência do motor".

Fonte: André Mags (Zero Hora) - Foto: Divulgação/Brigada Militar RS

quinta-feira, 3 de junho de 2010

Foto do Dia

Clique sobre a foto para ampliá-la

O Douglas C-47A Skytrain, prefixo HC-ALD, ou melhor, o que restou dele, foi fotografado em 18 de abril de 2010, descansando no Aeroporto Internacional de Tabatinga (TBT/SBTT), no Amazonas.

Entregue à Força Aérea dos EUA com o registro 42-100583, essa antiga versão militar do Douglas DC-3, voou pela TACA Hunduras (XH-TAZ), pela TACA Costa Rica (TI-62 e remarcado com o prefixo TI-1003), pela empresa LACSA (TI-1003C), na Lanica (AN-AOK). Ainda voou nas empresas ATESA, San Equador, AL Condor e Aviopacifico, usando o mesmo e atual prefixo: HC-ALD. Foi apreendido pela Polícia Federal brasileira transportando contrabando.

Foto: Joao Henrique (Airliners.net) - Fonte do histórico da aeronave: Projeto DC-3 Brasil