terça-feira, 16 de março de 2010

British Airways reage à greve com marketing viral

Marcas devem responder às greves com ações de comunicação para reduzir efeitos negativos.

À ameaça de greve do pessoal de cabine, a British Airways respondeu com uma campanha de marketing viral, onde garante aos passageiros que, apesar de tudo, os aviões vão continuar no ar. Tudo para defender a reputação da marca, ao mesmo tempo em que as companhias rivais lançam novas campanhas publicitárias para tirarem partido do cenário de greve que paira sobre a gigante British Airways.

A promessa é feita por Willie Walsh, o CEO da companhia aérea, num vídeo de dois minutos e meio colocado no ‘site' BA.com e no canal da empresa no YouTube. No filme, Walsh diz estar "muito desapontado" pela decisão da greve, mas adianta que a companhia já tem em curso planos de contingência. "Vão ver que a British Airways se reuniu para servir os interesses dos nossos clientes e para garantir que esta grande companhia continua a voar", diz. E desta forma espera minimizar os efeitos da greve anunciada na semana passada pelo sindicato Unite, que prevê a paragem por três dias a partir do dia 20 de Março, e de mais quatro dias a partir de 27 de Março. Se esta greve se concretizar, o futuro da transportadora aérea britânica é posto em risco, advertiu já o ministro dos transportes britânico, e pode custar cerca de 154 milhões de euros, de acordo com analistas citados pela Reuters.

Esta crise já estava nas previsões da British Airways - a greve começou por estar marcada para o último Natal - e, por isso, logo no início deste mês contatou uma agência de comunicação digital - a Agency.com - para criar uma estratégia para os media sociais. O objetivo era encontrar uma solução para manter os clientes sempre informados sobre os serviços da transportadora aérea, caso a greve avançasse.

Carlos Coelho, presidente da Ivity Brand Corp. concorda que as greves nas companhias aéreas afetam a relação dos consumidores com as marcas. "As companhias têm de reagir e não podem ficar quietas a ver a erosão da sua marca. Não podem deixar que as opiniões negativas que se geram num momento destes afetem as marcas", diz. Por isso a solução será sempre avançar com uma ação de comunicação, seja ela qual for.

Mas se a British Airways teve tempo para se preparar para a greve, as companhias concorrentes também tiveram. Por isso, a bmi lançou uma campanha táctica em imprensa, que tem como público-alvo os clientes da British Airways afetados pela greve. E a easyJet vai oferecer aos passageiros com cartão dourado a possibilidade de embarque rápido a bordo dos seus aviões durante os dias de greve.

Fonte: Económico (Portugal)

'Não importa que país volte à Lua, desde que voltemos', diz ex-astronauta da Nasa

Para Dan Barry, o principal é que o ser humano não deixe de explorar.

Em visita ao Brasil, ele comentou decisão de Obama de cancelar missão.

Dan Barry durante uma de suas viagens ao espaço

Mesmo que os Estados Unidos não voltem à Lua, o mais importante é que algum país o faça, defende Dan Barry, ex-astronauta da Nasa, a agência espacial norte-americana. Para ele, que participou de três viagens espaciais e fez quatro caminhadas no espaço, a nacionalidade é o que menos importa nessa corrida pela supremacia, desde que o homem consiga retornar ao satélite.

"Não é tão importante que sejam americanos, mas que seres humanos o façam, independentemente da sua nacionalidade", afirmou ao G1, ao comentar a decisão de Barack Obama de cancelar as missões que promoveriam a volta à Lua em 2020. O anúncio, feito em fevereiro, recebeu críticas de outros ex-astronautas.

"Estou decepcionado que a política norte-americana esteja indo no sentido contrário das viagens tripuladas, mas, por outro lado, está tudo bem, porque outros países têm isso como prioridade, a exemplo da China e da Índia", disse Barry, pela primeira vez no Brasil. O objetivo da sua visita é o lançamento, nesta terça (16), de uma parceria acadêmica da Singularity University, onde é professor, com uma faculdade de tecnologia de São Paulo.

Voos comerciais

Em relação à política de Obama de transferir o transporte espacial para empresas comerciais, que já levam turistas aos espaço, Barry não a considera um problema. No caso da Lua e de Marte, porém, ele é categórico: "O governo é que deveria ir até a Lua e Marte, porque nenhuma companhia fará isso."

"Assim como foi a Nasa que desenvolveu a tecnologia para viabilizar os voos na órbita terrestre para só então a indústria comercial assumir, acho que agora deveríamos fazer o mesmo para a Lua e Marte."

Dan Barry faz uma caminhada no espaço

Viagens

Aos 57 anos, Barry conta que cada uma das suas três viagens espaciais teve um aspecto único. "A viagem em si já é uma experiência incrível. E, quando você viaja, as coisas que considera importantes mudam."

O primeiro voo, em 1996, diz, foi mais contemplativo. "A viagem durou nove dias e fiz uma caminhada no espaço de 6 horas e 9 minutos", relembra. "Pude admirar a beleza da Terra e vivenciar a experiência de flutuar sem gravidade. Comecei a entender como era viver naquele ambiente."

O segundo voo, mais complexo, envolveu a conexão com a Estação Espacial Internacional (ISS, na sigla em inglês). "Soube como era realmente voar no espaço e ser capaz de nos movimentarmos de uma maneira que as pessoas não tinham sido capazes de fazer antes." A viagem levou dez dias e ele caminhou no espaço por 7 horas e 55 minutos.

Quando fez a sua terceira viagem, em 2001, que também incluiu uma visita à estação espacial, havia pessoas morando lá. "Antes, tínhamos ido numa espaçonave que vazia. E, na última viagem, deu para perceber bem a diferença entre visitar a casa de alguém e visitar o lar de alguém." Na ocasião, foram duas caminhadas no espaço, num total de 11 horas e 45 minutos.

Ao espaço, Barry conta que embarcou com poucos pertences pessoais. "Levei coisas que representavam a minha família, como fotografias e um escudo que minha filha ganhara em uma competição esportiva, além de alguns itens especiais da minha esposa e do meu filho."

O ex-astronauta agora dá aulas sobre robótica e inteligência artificial

Sala de aula

Para a sala de aula na Singularity University, onde ensina robótica e inteligência artificial, ele garante levar mais do que o conhecimento de um ex-astronauta experiente.

"Ir para o espaço era um sonho que eu tinha desde que consigo me lembrar. Mas uma das coisas sobre ter o seu sonho realizado é que isso vira uma obrigação em ajudar outros a conquistarem os seus sonhos. É dessa maneira que eu vejo o papel de ensinar", afirmou.

"Ou seja, se você quer ser médico ou artista, a mensagem que eu trago é que é possível fazer isso, mesmo que, ao longo da sua vida, muitas pessoas lhe digam o contrário. Acho que essa mensagem é mais ampla do que simplesmente falar sobre o espaço ou a robótica."

Fonte: Fernanda Calgaro (G1) - Fotos: Divulgação/Singularity University

Mulher não é reconhecida após plástica e fica horas retida em aeroporto na China

Li tentou ficar parecida com a atriz coreana Kim Hee-sun, disse jornal.

Ela submeteu-se à cirurgia na Coreia do Sul, onde estava ilegalmente.


Uma mulher chinesa que passou por uma cirurgia plástica no rosto na Coreia do Sul teve que passar várias horas no aeroporto de Pequim, depois que as autoridades policiais não identificaram seu rosto, muito diferente da foto de seu passaporte.

Segundo o jornal "Xin Beijing", a mulher, de sobrenome Li, viajou em março de 2009 à Coreia do Sul para se submeter à operação, com o objetivo de ficar parecida com Kim Hee-sun, uma famosa atriz coreana.

Li, que se diz grande fã de Kim, decidiu ficar na Coreia do Sul com a esperança de conhecer a atriz pessoalmente, mas não conseguiu.

Após um ano na Coreia do Sul, as autoridades policiais descobriram que Li estava em situação ilegal no país, por isso ela foi detida durante sete dias, e finalmente deportada à China.

No entanto, seu retorno não foi tarefa fácil, pois a polícia não viu semelhança entre a imagem da mulher do passaporte e a que se apresentava no aeroporto.

A atriz sul-coreana Kim Hee-sun, que inspirou a cirurgia plástica de Li

Centenas de japonesas e chinesas operam os olhos, os seios ou o nariz todos os anos na Coreia do Sul, muitas delas querendo ganhar as feições de atrizes famosas.

Boa parte delas quer se parecer com o protótipo de beleza coreano, promovido nos lares asiáticos graças às séries televisivas de época que criaram verdadeiras estrelas de muito sucesso em toda a região.

Fonte: EFE via G1 - Foto: Reprodução

segunda-feira, 15 de março de 2010

Segunda unidade do 747-8 cargueiro completa 1º voo

Um avião Boeing 747-8, modelo 522 RC, terminou com sucesso seu primeiro voo na noite deste domingo. A segunda unidade do cargueiro decolou de Paine Field, em Everett, Washington, para duas horas e meia de voo e aterrizou em Boeing Field, em Seattle, também nos Estados Unidos.

Este é o segundo dos três cargueiros 747-8 que estão sendo usados no programa de testes do modelo. Cada avião será utilizado para um conjunto específico de ensaios, como o nível ruído feito para os moradores dos entornos dos aeroportos, sistemas de controle ambiental e padrões de desempenho prolongado de operação.

Durante o trajeto o avião atingiu uma altitude de 8,23 mil m e velocidade de 276 milhas por hora, equivalente a 444 km/h.

Fonte: Terra - Foto: Divulgação/Boeing

Cias aéreas pedem detalhes sobre direito do passageiro

Companhias aéreas não querem pagar por atrasos provocados por problemas climáticos ou nos aeroportos

As companhias aéreas querem detalhes sobre como a resolução que versa sobre os direitos dos passageiros tratará os atrasos e cancelamentos por situações que não podem controlar, como fatores meteorológicos. "Sentimos que faltou detalhamento sobre como proceder em eventos de força maior, como clima", afirmou hoje o presidente da TAM, Líbano Barroso.

O presidente da Gol, Constantino de Oliveira Júnior, questionou a presidente da Agência Nacional de Aviação Civil (Anac), Solange Vieira, sobre as perspectivas de o órgão regulador mapear as origens dos atrasos - se ocorreram por culpa das companhias aéreas ou por motivos alheios a essas empresas.

"Temos de assumir a responsabilidade pelo transporte dos passageiros, mas em algum momento deve-se criar um mecanismo para entender a origem do problema e definir compensações no caso de o problema não ser gerenciável pela companhia", observou o executivo, em conversa com jornalistas.

Ele acredita que essa medida trará despesas adicionais às empresas, pois será "mais severa". Porém, os custos serão "marginais" e não refletirão sobremaneira nos preços das passagens. Antes, quando indagada por Constantino durante palestra no Forum Panrotas, a presidente da Anac lembrou que há um projeto de lei em tramitação que prega à agência reestruturar-se para entender as origens dos atrasos e cancelamentos de voos.

A resolução publicada hoje pela Anac regulamenta o direito dos passageiros em casos de voos atrasados ou cancelados, ou por impedimento do embarque por overbooking. A resolução, que entrará em vigor em junho, acabou com o prazo atual de até quatro horas para que a companhia aérea inicie providências para reacomodar o passageiro, nos casos de voos cancelados ou interrompidos.

A partir de junho, segundo a Anac, a assistência será gradual, de acordo com o tempo de espera. "Após 1 hora do horário previsto para decolagem, a empresa deverá oferecer algum meio de comunicação. Após 2 horas, alimentação. Esses direitos são garantidos mesmo se o passageiro já tiver embarcado e estiver dentro da aeronave em solo. Após 4 horas, é exigida também a acomodação em local adequado (salas de espera vip, por exemplo) ou mesmo em hotel, se for o caso", conforme a agência.

Fonte: Michelly Chaves Teixeira (Agência Estado)

Preço da passagem aérea deve aumentar em 2011, diz Anac

O preço médio das passagens aéreas no Brasil devem aumentar a partir de 2011, puxados pela falta de investimento em infraestrutura aeroportuária no país. A afirmação foi feita nesta segunda-feira pela presidente da Agência Nacional de Aviação Civil (Anac), Solange Vieira, durante o Fórum Panrotas, em São Paulo. Para 2010, a expectativa da Anac é de estabilidade nos preços do serviço.

Se confirmada a expectativa da Anac, o mercado de aviação comercial reverterá a trajetória de redução de preços dos últimos anos. Em 2009, o preço pago por quilômetro voado foi o menor em oito anos, de R$ 0,48, quase 30% abaixo do registrado no ano anterior, de acordo com estatísticas da Anac.

Esse movimento de queda nos preços se deve à entrada de novas companhais aéreas no mercado de aviação e à liberalização progressiva das tarifas aéreas promovida pela Anac, afirma Solange. Segundo ela, o preço da passagem por rota cai em média 40% quando uma nova companhia aérea começa a operá-la. "A barreira à entrada de novas companhias aéreas existente pelo esgotamento da infraestrutura deve reverter essa trajetória de redução de preços", diz Solange.

O mercado brasileiro de aviação cresceu 17% em 2009 e a projeção da Anac é que a expansão seja entre 10% e 17% neste ano.

Fonte: Marina Gazzoni (iG)

Anac vai limitar operações em 6 aeroportos

Até o fim do ano, a Agência Nacional de Aviação Civil (Anac) vai impor limites às operações de seis aeroportos brasileiros - Brasília, Confins (MG), Salvador, Fortaleza, Cuiabá e Viracopos (SP) -, a fim de desafogá-los e evitar saturação em horários de pico. Segundo a presidente do órgão regulador, Solange Vieira, as restrições não devem refletir nos preços dos bilhetes, uma vez que esses terminais ainda operam com folga em sua capacidade operacional.

Embora acredite que em 2010 os preços das passagens ficarão estáveis em relação a 2009, a presidente da Anac avalia que a partir de 2011 as tarifas poderão subir, "se os investimentos em infraestrutura não andarem", disse Vieira, durante o Fórum Panrotas Tendências do Turismo, realizado em São Paulo.

Ela procurou dissociar a previsão de preços mais altos a partir de 2011 das medidas restritivas a serem definidas até o fim do ano para alguns aeroportos do País. "Essa medida é para o setor se programar melhor", comentou a dirigente. "A maioria desses aeroportos ainda vai ter muita capacidade de movimento. As restrições vão ser nos horários de pico - deve haver um impacto de uma ou duas horas ao dia", observou Vieira, explicando que, nos casos em questão, não haverá redução da quantidade diária de pousos e decolagens.

Um dos motivos que levam a dirigente da Anac a crer que a medida não elevará os preços das passagens neste momento é que nenhum desses aeroportos está ultrapassando seu limite de operação. A situação desses terminais é diferente, por exemplo, do caso do Aeroporto Internacional de São Paulo, em Guarulhos, cujas operações foram restritas em dezembro do ano passado, quando esse terminal já operava em algumas horas acima de seu limite - seu movimento por hora caiu de 56 para 45 pousos ou decolagens em horários de pico.

Além disso, as empresas aéreas têm folga em sua taxa de ocupação, o que inibe eventuais elevações de preços neste momento. "Mesmo que a gente estabeleça um limite para o aeroporto, o avião não voa com 100% de ocupação, então tem margem de crescimento para as companhias aéreas." No evento, a presidente da Anac ressaltou que um dos focos de 2010 será a infraestrutura aeroportuária para a aviação de pequeno porte.

Fonte: Michelly Chaves Teixeira (Agência Estado)

TAM vai ter revisão completa de design

O processo de design incluirá uma renovação do design dos assentos de todas as classes, das cozinhas, dos depósitos, sanitários e da arquitetura da cabine, quando possível. A Priestmangoode também desenvolverá um novo design para os uniformes da equipe da Tam e para os serviços de bordo.

O projeto de reforma de design é uma parte importante da estratégia de crescimento da companhia. Nos últimos quatro anos, desde que a empresa assumiu a posição de maior empresa área do Brasil em sucessão à Varig, seu crescimento foi rápido. A empresa continua uma acentuada curva de crescimento e deseja assumir uma posição entre as principais linhas aéreas internacionais, especialmente a posição de maior linha aérea operando no Hemisfério Sul.

"Nosso trabalho com a Tam é crucial para o desenvolvimento da marca, dando à empresa a experiência de cliente necessária para que ela se torne um grande nome internacional. A atual apresentação de marca simplesmente não está à altura da empresa. O design que aplicaremos a toda a frota a apresentará como um importante nome internacional e fornecerá as ferramentas necessárias à boa concorrência com as principais empresas aéreas do mundo", explicou Luke Hawes, diretor da Priestmangoode.

Conceito de interior para as aeronaves A350

Fonte: Mercado & Eventos - Imagens: Divulgação/Priestmangoode

GOL investe em redução do impacto ambiental

A Boeing recentemente terminou o novo avião de corredor único, 737-800, da Gol Linhas Aéreas com a aplicação do primer livre de cromo. A Gol é a primeira linha aérea das Américas e a primeira operadora de 737s a fazer parte do programa de avaliação.

Como parte da abordagem sobre o ciclo de vida dos produtos Boeing para a redução do impacto ambiental, e em resposta às solicitações da linha aérea brasileira e de outros clientes, a Boeing introduziu o primer livre de cromo, como um item da decoração externa da aeronave e que a Boeing já tem usado por mais de uma década.

Além deste esforço para simplificar os quesitos de saúde e segurança, um primer livre de cromo reduz o impacto ambiental da tinta durante o processo de descasque. O uso do primer livre de cromo elimina a necessidade de áreas específicas para o seu descarte e o manuseio especial da tinta, bem como sua limpeza. Tais vantagens também ajudam quando a aeronave é preparada para a repintura.A Boeing aplicará tinta e primer livres de cromo em seus modelos para avaliação em voo, com a intenção de fazer desta a sua escolha padrão no futuro.

Fonte: Mercado & Eventos - Foto: Divulgação/Boeing

Companhia aérea norte-americana não permite chats durante os voos por receio de terroristas

Um repórter de tecnologia foi instruído a fechar o aplicativo de vídeo chat com seus filhos devido às políticas da companhia aérea, que temem o uso desse tipo de comunicação por terroristas.

Durante um voo pela United Airlines na última semana, o jornalista de tecnologia John Battelle foi intruído pelas comissárias de bordo a encerrar um chat de vídeo que fazia com seus filhos e esposa em uma aeronave com rede Wi-Fi habilitada.

Segundo o site The Huffington Post, ao questionar o porquê da solicitação, o atendente de voo explicou que se tratava de questões de segurança, já que o uso da câmera trazia o risco de uma potencial comunicação com um terrorista em terra.

No entanto, o uso de email e a navegação na web não traziam nenhum tipo de risco, lembra ironicamente o site The Inquirer. Aparentemente, a razão ‘oficial’ para a proibição do uso de chat em vídeo é que ele pode ser irritante para os companheiros de voo, explica o site Gizmodo.

A paranóia das companhias aéreas, claro, provoca reações entre os passageiros, algumas bastante humoradas. Um exemplo é o site tinyurl.com/mqru63, cujos autores recomendam abrir no laptop, após um profundo suspiro, para irritar os colegas de vôo à sua volta.

Fonte: Jacqueline Lafloufa (geek.com.br) - Imagem: davitydave

SATA Air Açores recebe quarto Bombardier e completa segunda fase da renovação da frota

A SATA Air Açores recebeu esta manhã o quarto e último avião Bombardier Q400 NexGen completando a segunda fase da renovação da frota iniciada em Janeiro em Toronto.

Durante o mês de Fevereiro a SATA recebeu o segundo avião, tendo os dois restantes chegado em Março, diz um comunicado da companhia açoriana.

A mesma nota diz que desde 2 de Março que o Bombardier Q400 NextGen “Manuel de Arriaga” está a efectuar voos comerciais com passageiros nos Açores, obtendo avaliações "muito positivas por parte das tripulações, nomeadamente, dos pilotos, bem como, da parte dos clientes transportados".

A SATA indica ainda que muitos voo têm sido efectuados com mais de 60 passageiros que era a capacidade dos ATP, destacando as ligações entre Ponta Delgada e a Terceira, "onde já foram efectuados perto de uma dezena de voos com a capacidade da aeronave praticamente esgotada, ou seja, cerca de 80 passageiros a bordo".

Fonte: Presstur (Portugal)

Nova busca por caixas-pretas do AF447 começa na próxima semana

A busca submarina pelas caixas-pretas do avião que caiu no mar em 1º de junho de 2009 com 228 pessoas, quando fazia a viagem entre Rio de Janeiro e Paris, serão retomadas na próxima semana, assim que chegar ao Brasil a embarcação americana "Anne Candies", anunciaram nesta segunda-feira os investigadores.

"A chegada da 'Anne Candies', procedente dos Estados Unidos, atrasou, devido às condições marítimas". Está prevista para chegar a Recife no dia 24 de março", afirma em um comunicado o Escritório de Investigações e Análises (BEA), organismo público francês responsável pela investigação do acidente.

"Anne Candies" se juntará ao "Seabed Worker", que também participará da busca.

Os dois navios rastrearão uma área de 2 mil km² no oceano Atlântico por, pelo menos, quatro semanas, e contarão com quatro sonares e três robôs.

As duas fases de busca anteriores não deram resultados.

Esta terceira tentativa deveria começar nesta semana, mas foi adiada devido a dificuldades administrativas e técnicas, assim como pelas condições meteorológicas desfavoráveis.

Os dois navios tentarão encontrar os restos do Airbus da Air France e suas caixas-pretas, que podem esclarecer as razões da tragédia, que causou a morte dos 228 ocupantes do avião, entre eles 72 franceses e 59 brasileiros.

Os investigadores técnicos reiteram o mau funcionamento dos Pitot (sensores de velocidade), mas acreditam que eles "não podem ser a única causa" do acidente.

Fonte: AFP

Passageiros que ficaram retidos em aeroporto no Paraná chegam a Florianópolis

Com um atraso de quase 11 horas, os passageiros do voo 1812 da Gol pousaram em solo catarinense

Os passageiros do voo 1812 da Gol, que estavam desde a noite de domingo tentando sair do Paraná com destino a Florianópolis, enfim tocaram o solo catarinense na manhã desta segunda-feira.

O avião com 41 passageiros e a tripulação chegou às 10h50min no Aeroporto Internacional Hercílio Luz. O grupo pretende entrar na Justiça contra a companhia aérea.

De acordo com a jornalista Leniara Sabin, passageira do voo, a Gol mandou buscar uma aeronave que estava em Campinas (SP) e às 10h15min partiu do Aeroporto Afonso Pena somente com os passageiros do voo atrasado e a tripulação rumo à capital catarinense. A viagem durou 28 minutos, e o piloto teria pedido desculpas pela confusão.

Os 41 passageiros pretendem registrar um boletim de ocorrência junto à Polícia Civil contra o comandante do primeiro avião. Ele teria ligado o aquecedor da aeronave para deixar o ambiente quente e obrigar os passageiros a desembarcarem.

Ainda em São José dos Pinhais, onde fica o Aeroporto Afonso Pena, o grupo formalizou uma reclamação contra a companhia aérea junto à Agência Nacional de Aviação Civil (Anac). Dos 42 passageiros, somente uma pessoa não assinou o documento, pois optou por seguir a viagem de táxi, com as despesas pagas pela Gol.

Os 41 passageiros do voo 1812 pretendem agora se organizar, por meio de um grupo de e-mails, para abrir um processo contra a companhia aérea. O grupo está juntando todos os documentos necessários para levar o caso à Justiça.

A Gol informou por meio de sua assessoria que deve divulgar ainda nesta terça-feira um comunicado à imprensa para esclarecer o caso.

Entenda o caso

Na madrugada desta segunda-feira, um grupo de aproximadamente 40 pessoas se negou a deixar uma aeronave depois de ser avisado que teria de seguir a viagem entre São José dos Pinhais, na região metropolitana de Curitiba, e Florianópolis por terra.

Curitiba e Florianópolis estão a 300 quilômetros de distância, e uma viagem de ônibus executivo entre as duas capitais dura cerca de quatro horas.

A empresa aérea Gol, que transportava os passageiros do Rio de Janeiro a Florianópolis, com escala em São José dos Pinhais, sugeriu que as pessoas seguissem viagem em ônibus fretados.

A companhia não teria dado informações sobre o motivo da alteração, o que revoltou os passageiros. Os problemas teriam começado no primeiro embarque, no Rio de Janeiro, quando os passageiros esperaram quase seis horas para conseguir entrar no avião.

A escala no Paraná foi conturbada. O ar condicionado teria sido ligado no quente para obrigar os passageiros a saírem da aeronave. Alguns ocupantes do avião, entre eles crianças, teriam passado mal.

Fonte: Diário Catarinense

Publicidade proporcionava visão extravagante do futuro espacial

Os anos entre 1957 e 1962 foram uma era de ouro da ficção científica, bem como de paranoia e entusiasmo em escala cósmica. O futuro ainda era o futuro, então, e alguns dentre nós sonhavam com fazendas na Lua e foguetes de aletas heroicas decolando de paisagens extraterrestres. Já outros se preocupavam com a possibilidade de bases russas na Lua.

Os cientistas estavam debatendo se a exploração espacial deveria ser realizada por robôs ou seres humanos. Satélites e transistores eram emblemas moderninhos de tecnologia do pós-guerra, e estávamos a ponto de deslindar os segredos do universo e domar o átomo (se ele não nos matasse primeiro).

Algumas das mais extravagantes dessas visões de futuro não vinham de romances baratos, mas de empresas que desejavam lustrar suas credenciais tecnológicas e recrutar engenheiros de talento, nos inspiradores dias em que orçamentos cada vez mais altos para a defesa e a Administração Nacional da Aeronáutica e Espaço (Nasa) propiciavam uma corrida do ouro espacial.

Nas páginas de revistas como Aviation Week, Missiles and Rockets e até mesmo Fortune, empresas, algumas das quais famosas e outras hoje obscuras, se envolviam em um duelo de sonhos. Assim, por exemplo, a Republic Aviation, de Farmingdale, Nova York, "projetista e fabricante do incomparável Thundercraft", usou a revista "Aviation Week and Space Technology" para um anúncio sobre experiências de jardinagem lunar que estava realizando em 1959 para uma futura base da força aérea na Lua.

Ou podemos citar a American Bosch Arma, que exibiu na Fortune a sua ¿borboleta cósmica¿, um veículo elétrico carregado por energia solar que poderia transportar passageiros e cargas por todo o Sistema Solar.

A maioria dos americanos jamais viu essas engenhocas ou sua publicidade, mas agora os anúncios foram recolhidos e dissecados por Megan Prelinger, historiadora independente e entusiasta da exploração espacial, em um novo livro, "Another Science Fiction: Advertising the Space Race 1957-1962", que chegará às livrarias em 25 de maio.

Prelinger e seu marido, Rick, são proprietários da Prelinger Library, uma biblioteca privada de pesquisa em San Francisco, cujo acervo enfatiza a história da mídia, tecnologia e paisagismo.

Em mensagem de e-mail, Prelinger diz que cresceu "sob uma dieta cultural de ficção científica e exploração espacial", e que lembranças das missões lunares e da série "Jornada nas Estrelas" se misturam em sua mente. "Como resultado", afirma, "cresci acreditando ser integrante juvenil de uma sociedade tecnologicamente avançada".

O livro, ela conta, foi inspirado por uma carta de velhas publicações que foi adquirida pela biblioteca, incluindo revistas como Aviation Week & Space Technology e Missiles and Rockets. "Eu não imaginava que a publicidade em suas páginas despertaria minha atenção, se comparada aos artigos", ela escreve na introdução do livro. Os anúncios estão repletos de energia modernista e de uma iconografia rica, e Prelinger parece se divertir muito ao discorrer sobre os temas associados.

O final da década de 50 foi a era do chamado "Organization Man". A ilustração de capa do livro, extraída de um anúncio de seguros, mostra um homem de terno cinzento que parece sósia perfeito de Dan Draper, o publicitário confuso existencialmente da série "Mad Men", flutuando com expressão de susto e admiração em meio a planetas e estrelas. As montanhas e vales da Lua são repetidamente retratados como se fossem as montanhas, cânions e desertos do oeste dos Estados Unidos, o que tornava o programa espacial simplesmente um novo capítulo na marcha do progresso americano.

Em uma das ilustrações, as mãos de Deus e de Adão, extraídas dos afrescos de Michelangelo para a Capela Sistina, se transformam em um par de gigantescas luva espaciais que se aproximam para contato. Em outro, a silhueta de uma espaçonave forma uma cruz.

"Essas imagens sugerem que a dimensão mais ampla daquilo que a humanidade esperava encontrar no espaço era a essência mesma do infinito", escreve Prelinger. Folhear o livro é como um passeio pelas minhas memórias pessoais.

Cresci em Seattle, na época uma cidade industrial dominada pela sua maior empresa, a Boeing. Quase todo mundo trabalhava para a companhia, mais cedo ou mais tarde. O pai do meu melhor amigo ajudou a projetar o foguete Saturn V, que levou os seres humanos à Lua.

Depois de conquistar aos trancos e barrancos o meu diploma em Física pelo Instituto de Tecnologia de Massachusetts (MIT), no final dos anos 60, eu também trabalhei para a empresa por um ano, jogando uma espécie de guerra espacial - minha função era disparar bolas de alumínio em alta velocidade contra estruturas de alumínio montadas para simular aviões ou espaçonaves, para descobrir que danos eram causados em cada conjunto de circunstâncias.

No final do dia, minha mesa de trabalho terminava soterrada sob pilhas de chapas de alumínio retorcidas e amassadas, e eu tinha de contar o número de buracos em cada uma. É difícil determinar o que deveria causar mais nostalgia, se todos aqueles sonhos infantis de uma ópera espacial ou se o otimismo de uma era na qual a imaginação e a tecnologia estavam florescendo e metade dos anúncios terminava com um convite para que o leitor procurasse emprego em uma próspera "companhia do futuro".

"Se você deseja avançar profissionalmente, deveria se tornar membro de uma dessas equipes. Escreva aos cuidados de N. M. Pagan", diz um anúncio típico, publicado pela Martin, hoje parte do grupo Lockheed Martin. Não é mais o tipo de convite que estejamos acostumados a ouvir.

Na época, qualquer um podia ser herói espacial, mesmo que passasse o dia sentado a uma prancheta, em uma baia perdida entre dezenas de baias idênticas, desenhando antenas ou parafusos autovedantes. E os anúncios, é claro, mostravam quase que exclusivamente figuras masculinas. Uma exceção é um anúncio da NCR para uma nova máquina eletrônica para encaminhar cheques -"e o que a Post-Tronic faz de modo eletrônico, a operadora não pode fazer errado - simplesmente porque ela não faz coisa alguma!", afirma o anúncio, que mostra uma mulher flutuando no espaço diante do console de comando de uma máquina.

Naturalmente, todos esses anúncios de recrutamento tinham lá seus truques, como Prelinger revela. O negócio real de todas essas companhias aerospaciais não era viajar pelo espaço, mas sim a produção de equipamentos de defesa - caças, bombardeiros, mísseis e outros artefatos da guerra fria, e também, claro, jatos comerciais de passageiros. Para muitas dessas empresas, o programa espacial mais atrapalhava que ajudava em termos de lucros, e servia como um projeto vistoso, ainda que deficitário, usado para atrair os maiores talentos.

Ocasionalmente, como reporta Prelinger, o lado negro desse trabalho se deixava entrever em anúncios publicados em revistas especializadas, como por exemplo quando a Marquardt, que fabricava pequenos foguetes de controle para satélites, mostrou um satélite espião com a câmera apontada para a Terra.

Se a febre espacial começou em 1957 com o Sputnik, por volta de 1962, quando o plano básico para as missões lunares Apollo já estava definido, a situação já se havia aclamado e não restava tanto espaço para imaginação descontrolada. Além disso, àquela altura, o orçamento da Nasa já tinha deixado de crescer furiosamente a cada ano.

Prelinger afirma que, durante esse período, cerca de meio milhão de engenheiros, cientistas, desenhistas técnicos e outros profissionais atenderam ao convite e dedicaram seus talentos à nova era, participando de um avanço que engordou em mais de um milhão de pessoas as fileiras de trabalhadores do setor aerospacial.

Algumas dessas pessoas podem ter acabado da mesma maneira que eu. Quando o grupo de "mecânica de impacto" foi eliminado devido a um corte de custos, fui transferido ao grupo de "pesos e medidas". Nosso trabalho era estudar as plantas de foguetes e determinar a posição e peso de cada parafuso, porca, rebite e qualquer outro item presente em um pequeno propulsor de estágio superior que teria por missão colocar em órbita uma cara desconhecida. A informação era inserida em um programa de computador que calculava o centro de gravidade e outras propriedades dinâmicas do pacote de propulsão.

Era um trabalho importante, mas imensamente tedioso, e aprendi muito sobre guerras de elástico, porque travávamos uma delas quase todas as tardes.

Mas foram homens e mulheres como esses, trabalhando em baias, que salvaram os astronautas da Apollo 13 em 1969, ao descobrir como trazê-los de volta da Lua vivos, em uma espaçonave semidestruída. Depois das missões lunares e do final da guerra fria, muitos desses empregos - inspiradores ou não - desapareceram, e o mesmo se aplica a muitas das empresas que os ofereciam. O que não desapareceu, ao longo de todos esses anos e décadas, foi o anseio pelo espaço, e a discussão sobre ele.

Continuamos a debater o que a Nasa deveria fazer, em termos de exploração tripulada do universo, e, em modo coletivo, estamos cada vez mais parecidos com o executivo atônito que flutua pelo espaço na capa do fascinante livro de Prelinger. É uma discussão que durou minha vida inteira. Depois que aqueles anúncios foram publicados, a guerra do Vietnã foi decidida, a União Soviética desabou e a China ascendeu; e os Estados Unidos inteirinhos deixaram de fumar. Mas nunca encontramos a essência do infinito - pelo menos não até agora.

Fonte: The New York Times - Tradução: Paulo Migliacci - Via Terra - Imagem: ceticismo.net

Sagento da Força Aérea dos EUA perde emprego nos EUA depois que polícia denunciou que ela era lésbica

Jene Newsome afirmou que seguia a política do 'don't ask, don't tell'.

Ela processou a polícia, que disse que não teve intenção de a expor.

Jene Newsome, sagento da Força Aérea dos EUA, foi demitida depois que policiais da cidade de Rapid City, em Dakota do Norte, denunciaram ao seu comando que ela era lésbica.

Até então, Jene, de 28 anos, seguia as regras do 'don't ask, don't tell' (não pergunte, não conte), legislação que obriga os homossexuais no Exército americano a sconderem sua inclinação sexual e também impede o comando de perguntar a eles sobre o assunto.

Mas policiais descobriram, na casa de Jane, um certificado de casamento emitido em Iowa (um dos estados americanos que permitem o casamento entre homossexuais) e fizeram a denúncia para o comando da Base Aérea de Ellsworth, que a demitiu.

Agora, Jane e a organização União Americana pelas Liberdades Civil apelaram contra a polícia, argumentando que os agentes violaram a privacidade dela.

O caso joga luz sobre o problema de terceiros que "delatam" militares gays, em um momento em que, a pedido do presidente Barack Obama, o Pentágono está revisando a legislação sobre o tema.

"Eu jogava pela regra do 'don't ask, don't tell'", disse Jane à Associated Press. "Eu não concordo com o que a polícia fez. Eles violaram uma série de políticas internas, e eu sinto como se a minha privacidade tivesse sido violada."

A polícia disse que Jane não "cooperou" quando eles entraram na casa dela, com um mandado de prisão contra sua companheira, que era acusada de furto em Fairbanks, no Alasca.

Jane estava em serviço na base e se recusou a voltar para casa imediatamente para ajudar os policiais a encontrarem sua companheira, com quem ela se casou em outubro do ano passado.

Os policiais disseram ter visto o certificado de casamento na mesa da cozinha. Segundo a polícia, o documento era relevante para a investigação, porque provava que as duas tinham um relacionamento e moravam juntas. O chefe de polícia Steve Allender lamentou o fato de Jene ter perdido o emprego e disse que não era a intenção da polícia expor a inclinação sexual dela.

Um porta-voz da Força Aérea disse que a base de Ellsworth seguiu a legislação vigente e que não iria comentar o caso específico de Jane.

Jane, que é natural de Harrisburg, na Pensilvânia, está viajando para o Alasca. Ela disse que esperava pelo momento em que as Forças Armadas dos EUA revisariam sua política sobre gays e lésbicas. Mas a mudança não veio a tempo de salvar o seu emprego.

"Eu sentia que estava perto", disse ela. "Eu estava realmente esperançosa."

Fonte: AP via G1 - Foto: álbum de família

Infraero impede no Rio voo da TAM em direção a Guarulhos

Cerca de 300 passageiros foram impedidas de embarcar no voo 3961 da Tam que sairia do aeroporto Santos Dumont em direção à Guarulhos, na noite deste domingo, no Rio.

De acordo com passageiros, o voo que estava programado para sair às 20h40 teve sua decolagem impedida pela Infraero. Eles informaram que no momento em que estavam entrando na cabeceira do avião, houve o aviso da empresa.

Este impasse também ocorreu com a Gol Airlines, no entanto, a companhia direcionou seus passageiros para o Galeão, criando um novo voo para suprir a eventualidade.

A Tam ainda não decidiu como fará para remanejar os passageiros que, até o momento, estão sem saber para onde ir. Famílias que estavam programadas para viajar não tiveram uma posição da companhia - no caso, se haverá um novo voo para Guarulhos, em escala pela madrugada.

Ainda não foram confirmados pela Infraero os reais motivos para o cancelamento dos voos.

Fonte: JB Online

Aeroporto Regional de São Benedito (CE) começa a ser construído

Através do Governo do Estado mais um sonho, iniciado por João Almir, começa a se tornar realidade na administração de Junior Brandão e Agnes Gonçalves. Teve início dia 1º de março as obras de construção do Aeroporto Regional de São Benedito que custará mais de 5 milhões de reais e permitirá pousos e decolagens noturnas, pista de 1500 x 30 metros, apta a receber aeronaves de pequeno e médio porte, além da instalação da Seção contra Incêndio (Corpo de Bombeiros).

Segundo o Prefeito Junior Brandão, que esteve reunido com o Governador Cid Gomes, o Aeroporto Regional de São Benedito tem previsão de conclusão em 180 dias e alavancará o desenvolvimento econômico e turístico de São Benedito e da Ibiapaba.

Ainda de acordo com Junior Brandão mais obras já foram garantidas, frutos da aliança firmada com o governador Cid Gomes, com benefícios para nossa população, que serão anunciadas nos próximos informativos.

Fonte: Rádio Tabajara

Asfaltamento no acesso ao Aeroporto de Cabo Frio começa esta semana

A Coordenadoria-Geral de Indústria, Comércio, Trabalho e Pesca de Cabo Frio anunciou o asfaltamento da estrada que dá acesso ao Aeroporto Internacional de Cabo Frio. Devido ao crescimento do número de trabalhadores embarcados na Petrobrás, em Macaé, do aumento da frota de aeronaves neste município e do projeto de reestruturação do espaço aéreo da Bacia de Campos, a companhia tem como objetivo utilizar o aeroporto de Cabo Frio no primeiro semestre de 2010.

As obras de asfaltamento pela Fundação do Departamento de Estradas de Rodagem (DER) começam na quarta-feira, dia 17 de março, na estrada de chão que tem aproximadamente 1 km de extensão, e devem ser finalizados em 15 dias. As mudanças no aeroporto, no que diz respeito ao embarque e desembarque de profissionais offshore, estão previstas para iniciar no dia 5 de abril.

- Como havíamos falado anteriormente, a parceria com o governo estadual foi efetivada com o município, através do que tínhamos como objetivo nessa vinda da Petrobras: o asfaltamento da via que leva ao aeroporto – afirmou o Coordenador-Geral de Indústria, Comércio, Trabalho e Pesca, Ricardo Azevedo.

A Prefeitura Municipal de Cabo Frio acredita que o aumento de aeronaves no aeroporto terá um reflexo bastante positivo para a economia local, gerando aumento de receitas como é o caso do Imposto Sobre Serviços de Qualquer Natureza (ISS), através da vinda de novas empresas e do aumento da arrecadação das que já estão fixadas no município.

Fonte: Vivian Milazzo/PMCF - Foto: Divulgação

BAA atribui contrato à HETco para construir novo terminal em Heathrow

A BAA, gestora de aeroportos no Reino Unido detida pela Ferrovial, atribuiu o contrato para a construção do novo terminal em Heathrow à HETco. A construtora será responsável pelo novo terminal 2, um contrato que ascende aos 800 milhões de libras (882 milhões de euros).

A BAA, gestora de aeroportos no Reino Unido detida pela Ferrovial, atribuiu o contrato para a construção do novo terminal em Heathrow à HETco. A construtora será responsável pelo novo terminal 2, um contrato que ascende aos 800 milhões de libras (882 milhões de euros).

Este será o maior contrato individual para construção naquele aeroporto, incluirá escavações, construção das fundações do terminal e a estrutura principal que terá uma área de 40 mil metros quadrados, noticiou a Bloomberg, citando comunicado.

A HETco é uma joint-venture entre a Ferrovial Agroman e a Laing O’Rourke. A empresa será responsável ainda pela construção de um parque de estacionamento.

O actual terminal 2 de Heathrow irá encerrar em Novembro, após 54 anos de actividade.

Fonte: Ana Torres Pereira (Jornal de Negócios - Portugal) - Imagem: Daily Mail

Governo viabiliza pista paralela para o Aeroporto de Ji-Paraná (RO)

O Departamento de Estradas de Rodagem e Transportes (DER) está finalizando o processo para a contratação da empresa que executará o projeto de uma pista paralela no Aeroporto José Coleto, em Ji-Paraná, região Central do Estado. O processo para licitação do projeto – de acordo com o diretor operacional do Departamento, Ubiratan Gomes - será encaminhado à Superintendência Estadual de Licitação (Supel) nos próximos dias. “O DER aguardava a publicação da nova tabela de preço de serviços, que sofre reajuste anual. Agora, após a adequação dos preços o processo será encaminhado à Supel para licitação”, detalhou o diretor.

O diretor lembra ainda, que a construção de uma pista paralela foi uma decisão da comunidade jiparanaense em audiência pública realizada em dezembro do último ano. “Realizamos a audiência pública com a classe política e empresarial da cidade, na qual esteve presente o diretor-geral do DER, engenheiro Jacques Albagli. O tema (Aeroporto de Ji-Paraná) foi amplamente debatido. Ouvimos os anseios da população e agora o Governo do Estado agiliza a contratação da empresa para a execução do projeto.

Ressaltou também que, a escolha pela construção de uma pista paralela é para que o aeroporto de Ji-Paraná não pare de operar enquanto a nova pista é construída ao lado. Ubiratan Gomes destacou o empenho do Governo do Estado em manter as operações no José Coleto. “O governador Ivo Cassol tem atendido aos pedidos da direção do aeroporto e determinou ao DER que preste total apoio na conservação da pista daquele aeródromo”, afirmou.

Fonte: Rondoniaovivo.com

Justiça à atuação de pracinhas

Reconhecimento. Câmara dos Deputados irá homenagear ex-combatentes da Segunda Guerra Mundial

Parte da população desconhece esse capítulo da história; evento ocorre hoje

Memória. Na capital, a Associação dos Veteranos de Guerra do Brasil conta com um museu da FEB; ex-combatentes esperam por reconhecimento

Brasília. Sessenta e cinco anos depois do fim da Segunda Guerra Mundial, a participação da Força Expedicionária Brasileira (FEB) no conflito ainda é um capítulo ignorado por boa parte da população do país. Ao todo, 25.334 homens da FEB se arriscaram na Europa, principalmente em terras italianas, para, ao lado dos exércitos dos Aliados, derrotarem as forças do Eixo, composto pela Alemanha (de Adolf Hitler), Itália e Japão.

A campanha brasileira envolveu Exército, Aeronáutica e Marinha com as primeiras tropas sendo transportadas para o continente europeu em 2 de julho de 1944. Os soldados brasileiros permaneceram 239 dias em combate. Essa história da FEB ainda reside na memória dos ex-combatentes, a maioria acima dos 90 anos, mas agora deve ser recontada por um grupo interessado em fazer justiça com os militares envolvidos naquela campanha.

"Essa história precisa ser recontada, e da forma correta. Quem sabe desses feitos hoje? Esse material não faz parte do conteúdo da maioria das escolas públicas", lamenta o deputado Ciro Pedrosa (PV-MG), autor de um requerimento para homenagear e relembrar na Câmara a história dos pracinhas brasileiros na Segunda Guerra.

Conforme o deputado, a sessão de homenagem aos ex-combatentes na Câmara dos Deputados irá ocorrer hoje e deve reunir mais de 50 ex-integrantes da FEB. "Aproveitamos esta data, dos 65 anos do fim da guerra, para trazer os pracinhas ainda vivos e também homenagear uma maioria já morta", conta Pedrosa. Os militares de Belo Horizonte e do Rio de Janeiro serão transportados para a solenidade por um aviação da Força Aérea Brasileira (FAB).

A ideia da homenagem partiu do parlamentar, após um grupo, do qual faz parte João Barone, integrante do conjunto "Paralamas do Sucesso", pedir ajuda para recontar a história dos pracinhas. "Há muita injustiça e muitos casos contados de forma equivocada. A participação brasileira foi muito importante e decisiva para o fim da guerra. A campanha brasileira ainda é lembrada na Itália", comenta Pedrosa.

A homenagem feita na Itália ocorre nos meses de abril, durante as comemorações anuais da Tomada de Montese, uma das batalhas mais sangrentas da guerra. A Tomada de Montese está entre as principais conquistas da FEB e é atribuída aos mineiros, que estavam, naquela estratégia específica, na frente de ataque.

Dados. Estima-se que estejam vivos atualmente cerca de 2.500 ex-combatentes brasileiros. Desses, cerca de 220 são mineiros. Mas, como a média de idade é de 88 anos, não há um acompanhamento exato dos registros mensais de óbitos.

Símbolo. Um detalhe curioso é sobre um dos símbolos e lemas da FEB naquela guerra: "a cobra está fumando."

Segundo historiadores, a origem do símbolo foi em razão da demora do Brasil para tomar partido no conflito e se aliar contra o Eixo. A polêmica rendeu a expressão de que "era mais fácil uma cobra fumar do que o Brasil entrar na guerra".

Resultado

Mais de 400 morreram na guerra

Os livros de história não contam, mas a Força Expedicionária Brasileira (FEB) trouxe o melhor resultado proporcional de todas as tropas que foram para a Segunda Guerra Mundial. Os brasileiros capturaram 20.573 alemães e os colocaram em um único campo de confinamento. Por outro lado, 35 integrantes da FEB foram aprisionados pelo inimigo. Ao fim da guerra, todos foram libertados. Retornaram ao Brasil 2.722 feridos, e 457 morreram.

Mas, até hoje, nossos ex-combatentes estão à espera de reconhecimento. “Nós não nos julgamos heróis. Fomos privilegiados por ter tido oportunidade de servir à pátria numa época tão difícil para os brasileiros”, contou, com elevado patriotismo, o tenente Geraldo Campos Taitson.

Aos 88 anos, Taitson lembrou que, até ser convocado, em junho de 1944, ele não sabia muito bem de que lado poderia lutar. “O presidente Getúlio Vargas era um ditador, amigo de Mussolini e admirador do Hitler. Mesmo sabendo que eram alemães que estavam afundando navios na costa brasileira, alguns governantes queriam nos convencer de que poderiam ser armadilhas dos norte-americanos”. De acordo com Taitson, foi a pressão popular que obrigou o governo a tomar um posicionamento.

Várias histórias do conflito podem ser ouvidas nas Associações dos Veteranos de Guerra do Brasil, que funcionam em dezenas de cidades e têm matriz no Rio de Janeiro.

Em BH, alguns ex-combatentes passam o dia na sede, localizada na região Centro-Sul. Lá, trabalha o capitão Divaldo Medrado, 88, que foi comandante de grupo de combate na Itália.

Ao receber os visitantes, Medrado faz questão de contar suas experiências pessoais e mostrar objetos. Do conflito, ele traz cicatrizes dos 13 tiros que levou na Tomada de Monte Castelo, em 12 de dezembro de 1944.

Fonte: Murilo Rocha / Tereza Rodrigues (O Tempo) - Foto: Cristiano Trad

Greve dos pilotos da TAP causa receios

As agências de viagens antecipam “efeitos desastrosos” da greve dos pilotos da TAP prevista para as férias da Páscoa, de 26 a 31 de Março, como referiu o presidente da associação do sector.

João Passos receia que todos saiam prejudicados, desde a transportadora, aos clientes das agências, tendo em conta a coincidência do protesto com um dos picos anuais do turismo, sendo que, em termos de viagens de e para o exterior, “a TAP detém 50 por cento do share”.

A própria TAP assumiu, no sábado, que a greve vai colocar a empresa numa “situação muito difícil”, prevendo um custo de 30 milhões de euros (cinco milhões por dia), disse o porta-voz da companhia, António Monteiro, citado pela Agência Lusa.

Com a paralisação de seis dias, os pilotos reivindicam aumentos superiores a 1,8 por cento proposto pela administração da TAP, apesar de o governo ter dado indicações de congelamento salarial para todo o sector empresarial do Estado, embora prevendo algumas excepções não especificadas.

Os pilotos da TAP têm um salário mensal de 8.600 euros, mas rejeitam a proposta da administração da companhia, considerando-a “insuficiente, desequilibrada e discriminatória” em relação aos demais trabalhadores da empresa.

A greve foi aprovada com mais de 70 por cento de votos a favor, numa assembleia que demorou quase dez horas. Criados em 14 de Março de 1945 por Humberto Delgado, que, na altura, dirigia o Secretariado da Aeronáutica Civil, os Transportes Aéreos Portugueses inauguram a primeira linha comercial em 19 de Setembro de 1946, entre Lisboa e Madrid.

Fonte: Jornal de Angola

Passageiros se revoltam e se recusam a sair de avião no Afonso Pena

Atrasos e desencontros

Voo para capital catarinense foi cancelado e eles teriam que seguir de ônibus. PF foi acionada para negociar com os passageiros


A viagem de Viracopos (Campinas) para Florianópolis (SC) foi bastante cansativa para um grupo de 42 passageiros. Atrasos e desencontros de informações irritaram os passageiros que se negaram a sair do avião da Gol no Aeroporto Internacional Afonso Pena, em São José dos Pinhais, na região de Curitiba. A Polícia Federal (PF) teve de ser chamada para negociar e encerrar a confusão no aeroporto paranaense.

De acordo com o estudante de Engenharia Mecânica Pedro Henriques Mantelli, que às 9 horas desta segunda-feira (15) permanecia no Afonso Pena, o voo da Gol saiu às 20 horas de domingo (14) de Viracopos. A previsão de chegada em Florianópolis era às 0h45. O voo antes passaria pelo aeroporto do Galeão (RJ) e depois no Afonso Pena.

A forte chuva com ventos na noite de domingo fecharam o Galeão para decolagens. O voo saiu do Rio de Janeiro com 6 horas de atraso. “Quando chegamos aqui (Afonso Pena) ficamos sabendo que todos fomos realocados para um ônibus para continuar até Florianópolis”, afirmou Mantelli. A partir daí começou uma confusão, irritação e desencontro de informações.

O voo que sairia do Afonso Pena para Florianópolis, às 2h30, foi cancelado. “O problema é que você ligava para o aeroporto de Florianópolis e lá falavam que o voo já tinha pousado. E nós ainda estávamos no Afonso Pena. Esse voo não existia, era um voo fantasma?”, indagou, indignado o estudante.

Após serem informados que seguiriam de ônibus para a capital catarinense, os 42 passageiros se negaram a descer do avião da Gol na pista do Afonso Pena. “Perdi um pouco a noção do tempo, mas acho que ficamos cerca de uma hora dentro do avião. O piloto ligou o ar quente para que saíssemos do avião. Fomos tratados como cachorros. Um passageiro passou mal, porque tem pressão alta, e teve que receber atendimento médico”, disse o estudante, que às 9 horas, enquanto falava por telefone com a reportagem fazia um lanche no Afonso Pena.

Um funcionário da Polícia Federal e outro da Gol começaram a negociar com os passageiros. Depois da conversa eles foram convencidos a deixar o avião e a negociação continuou na sala de embarque do Afonso Pena. “Depois de muita insistência conseguiram arranjar um voo para nós, que deve chegar às 9h50 aqui no Afonso Pena. Não acredito que chegarei antes das 13 horas em Florianópolis”, disse Mantelli. Dos 42 passageiros, apenas um desistiu e seguiu de carro para Florianópolis.

Os outros 41 conseguiram embarcar por volta das 10 horas para a capital catarinense. "Fizemos uma reclamação coletiva na Anac (Agência Nacional de Aviação Civil) e em Florianópolis vamos fazer um boletim de ocorrência na Polícia Civil. Hoje todos já perdemos o dia”, definiu Mantelli.

A reportagem tenta o contato com a assessoria de imprensa da Gol para comentar o assunto.

Fonte: Adriano Kotsan (Gazeta do Povo)

Aerolíneas Argentinas inicia voos ao Brasil do aeroporto central

A Aerolíneas Argentinas começou ontem a realizar voos ao Brasil a partir do aeroporto central de Buenos Aires. A Agência Nacional de Aviação Civil (Anac) concedeu autorização para o período de 14 a 27 de março para todas as rotas que a Aerolíneas havia solicitado, inclusive Guarulhos. Com essa permissão, a companhia transfere ao Aeroparque Jorge Newbery, a cerca de 15 minutos do centro da capital argentina, os voos que eram realizados pelo terminal de Ezeiza, a 40 minutos de distância e cujo acesso possui dois pedágios.

Embora tenha obtido a permissão provisória, a companhia argentina continua proibida de vender passagens para voos em outras datas, como informou a Agência Nacional de Aviação (Anac). A Aerolíneas enfrenta ainda um processo administrativo, em andamento, pelo fato de ter vendido passagens antes de estar autorizada. O processo pode resultar em multa contra a companhia. A agência autuou a companhia na última terça-feira.

Segundo a Anac, as passagens só podem ser vendidas após a obtenção prévia de "hotrans", que são faixas de horário para pousos e decolagens. A decisão argentina de abrir o Aeroparque para voos internacionais com cidades do Mercosul foi tomada há um mês pela Secretaria de Transportes. A Aerolíneas enviou o pedido à Anac no final de fevereiro e a análise demora cerca de 30 dias.

TAM e Gol negociam com o governo argentino a mesma autorização para seus voos desde que a Aerolíneas Argentina anunciou que voaria para Guarulhos, Rio de Janeiro, Florianópolis, Porto Alegre e Salvador a partir do Aeroparque. Mas o secretário argentino de Transportes, Juan Pablo Schiavi, ainda não deu sinais de que o pedido será atendido. O governo também demora em conceder a abertura de operação similar para a chilena LAN.

As empresas acusam o governo de discriminação, já que a Aerolíneas é estatal. Contudo, na secretaria, o argumento é que o pedido foi feito somente há 30 dias, enquanto a Aerolíneas o teria feito há seis meses.

Fonte: Marina Guimarães (Agência Estado)

Voos cancelados nos Açores

O mau tempo que se faz sentir, fez com que a Sata tivesse de cancelar já oito ligações aéreas.

A transportadora aérea açoriana Sata, viu-se hoje forçada a cancelar oito ligações aéreas para as ilhas Terceira e Pico.

Em causa estão 300 passageiros, que permanecerão em terra até ao final da tarde de hoje, altura em que a transportadora regional conta normalizar as ligações. No entanto, destes 300 passageiros afectados, 86 têm como destino a ilha de S. Jorge, pelo que só poderão embarcar amanhã.

Também o voo para a ilha das Flores está atrasado, mas, a Sata espera uma melhoria do estado do tempo para poder realizar ainda hoje a referida ligação.
Recorde-se ainda que os grupos Ocidental e Central do Arquipélago se encontram hoje em alerta amarelo, devido ao vento forte a muito forte, que atinge rajadas que podem atingir os 100 quilómetros por hora, mas, tornar-se-á fresco de 30 a 40 Km/h.

Fonte: JornalDiario

Anac obriga reembolso imediato para passageiros por atraso em voo

Resolução aumenta direitos dos passageiros.

Novas regras passam a vigorar em 90 dias.

A Agência Nacional de Aviação Civil (Anac) aumentou os direitos dos passageiros em casos de atrasos e cancelamento de voos ou prática de overbooking pelas companhias aéreas, quando são vendidos mais bilhetes que a capacidade da aeronave. Uma resolução foi publicada nesta segunda-feira (15) no Diário Oficial trazendo as novas regras, que passam a vigorar em 90 dias.

Uma das alterações diz respeito ao reembolso aos passageiros. Antes, as empresas tinham até 30 dias para fazer o ressarcimento. Pelas novas regras, o reembolso será imediato caso a passagem já tenha sido quitada. Caso haja parcelamento em cartão de crédito, a companhia aérea fará o reembolso de acordo com a política da administradora do cartão.

Têm direito a reembolso passageiros que desistirem do voo após atrasos ou cancelamento de voos que levem a atrasos de embarque superiores a quatro horas. O reembolso também deve ser feito a passageiros prejudicados por práticas de overbooking das companhias aéreas.

Outra mudança nas regras obriga as companhias a dar assistência material aos clientes em um prazo mais curto. Antes, somente após quatro horas de atraso as empresas eram obrigadas a fornecer comunicação, alimentação e hospedagem aos passageiros. Com a resolução, o acesso a comunicação (telefone e internet) deve ser providenciado em uma hora. A alimentação deverá ser oferecida em caso de voos com atrasos de duas horas. Somente a questão da hospedagem continua com o prazo de quatro horas.

A resolução da Anac dá ainda prioridade para os passageiros de voos com problema em outros voos da companhia. Só será liberada a venda de bilhetes para o mesmo destino após todos os clientes vítimas de atraso serem realocados. A companhia poderá ainda ser obrigada a endossar a passagem para outra empresa mesmo quando não houver convênio entre elas.

Outra mudança é que o passageiro passa a ter direito expresso a informação. As companhias terão de informar o atraso, justificar o motivo e divulgar a previsão do novo horário de partida do voo. As companhias terão ainda de distribuir aos passageiros panfletos informando seus direitos.

Fonte: Eduardo Bresciani (G1)

Empresas aéreas terão de oferecer refeição se voo atrasar mais de 2 horas

A Agência Nacional de Aviação Civil (Anac) publicou nesta segunda-feira, no Diário Oficial da União, uma série de medidas de proteção ao consumidor que entrarão em vigor em 90 dias. Entre as resoluções, estão novas regras que as companhias aéreas deverão tomar em caso de atraso no voo.

Veja a integra da resolução da Anac (em .pdf)

A partir de junho, de acordo com as normas, após 1 hora de atraso no voo, as companhias terão ainda de oferecer facilidade de comunicação, como ligação telefônica e acesso gratuito à internet. Após duas horas, as empresas terão de providenciar alimentação para os passageiros. Pelas regras atuais, qualquer medida é feita a partir de quatro horas de atraso.

Em atrasos de superiores a 4 horas, os passageiros terão que ter disponibilizado uma acomodação em local adequado, traslado e, quando necessário, serviço de hospedagem. A companhia aérea só poderá deixar de oferecer serviço de hospedagem para o passageiro que residir na localidade do aeroporto de origem.

"A mudança representa um avanço significativo dos direitos dos passageiros do transporte aéreo. Buscamos compatibilizar a racionalidade do Código Brasileiro de Aeronáutica com os princípios e normas presentes no Código de Defesa do Consumidor, uma vez que existe relação de consumo entre o transportador e o passageiro” – explica o diretor de Regulação Econômica da Anac, Marcelo Guaranys.

Em casos de atrasos, cancelamentos ou preterição, a companhia aérea passa a ser obrigada a comunicar os direitos do passageiro, inclusive entregando a ele um folheto com essa informação. Caso solicitado, a empresa também terá que emitir uma declaração por escrito confirmando o ocorrido – para o passageiro que perdeu um compromisso por atraso de voo, por exemplo.

Além disso, a nova regulamentação prevê que a companhia possa oferecer outro tipo de transporte (rodoviário, por exemplo) para completar um voo que tenha sido cancelado ou interrompido, desde que o passageiro concorde. Caso contrário, ele poderá aguardar o próximo voo disponível ou mesmo desistir da viagem, tendo direito ao reembolso integral do bilhete.

Quanto ao prazo de reembolso, ele passa a ser solicitado imediatamente nos casos de preterição, cancelamento e quando houver estimativa de atraso superior a 4 horas. A devolução do valor será feita de acordo com o meio de pagamento. Por exemplo, se a passagem já está quitada, o reembolso será imediato, por transferência bancária ou mesmo em dinheiro. Já no caso de um bilhete financiado no cartão de crédito e com parcelas a vencer, o reembolso terá de obedecer à política da administradora do cartão.

Outras medidas são a exigência de endosso de passagem para outra companhia mesmo quando não houver convênio entre elas e, ainda, a obrigação de suspender as vendas de bilhetes para os próximos voos da empresa para o mesmo destino até que sejam reacomodados todos os passageiros prejudicados por atrasos, cancelamentos ou preterição.

O descumprimento das normas configura infração às condições gerais de transporte e podem resultar em multas às companhias de R$ 4 mil a R$ 10 mil por evento.

Fonte: iG

Passagem barata não torna cliente ‘fiel’, diz presidente da TAM

Líbano Barroso conversou com o G1 sobre os desafios da aviação.

Empresa quer conquistar classe C em horários ‘alternativos’.



Maior companhia aérea do Brasil, a TAM viu sua fatia do mercado nacional “encolher” no ano passado. Em janeiro de 2009, a empresa detinha 49,51% do mercado. Em fevereiro deste ano, a participação recuava para 42,42%.

Segundo o presidente da companhia, Líbano Miranda Barroso, a redução foi resultado da entrada de novas companhias nessa disputa, ganhando espaço com passagens de baixo custo. O foco da TAM, no entanto, não é vender barato; é tornar o cliente fiel, afirmou o executivo em entrevista ao G1.

“Nós não optamos apenas pelo preço, porque nós entendemos que o cliente ele quer ter uma experiência de uma viagem. Porque nós entendemos que a busca apenas pelo preço ela não fideliza, o que fideliza é um serviço de qualidade“, disse Barroso.

Mas a TAM não está alheia à expansão da classe C, e também está atrás do seu quinhão nesse novo público. Hoje com cerca de 85% vindos das classes A e B, a empresa quer ganhar novos passageiros em horários alternativos, oferecendo aos novos passageiros passagens mais baratas em voos fora dos horários de pico.

Com mais passageiros da classe C voando, e o aumento do tráfego esperado na Copa do Mundo e nas Olimpíadas, os próximos anos trarão uma série de desafios à aviação brasileira. O maior deles, segundo ele, será manter a qualidade do serviço oferecido para um público cada vez maior.

Barroso vê necessidade de incrementar a infraestrutura aeroportuária brasileira, especialmente em São Paulo, para acomodar essa expansão. Mas ele vê como passado o caos aéreo, vivido nos aeroportos brasileiros nos últimos anos.

O executivo também falou sobre os planos da TAM para outros negócios, e sobre a reabertura do museu da companhia, que deve ocorrer até o meio deste ano.

Leia abaixo os principais trechos da entrevista do G1 com Líbano Barroso.

Desafios para atender a demanda crescente

– O desafio principal é como manter a qualidade do serviço. É como fazer para atender os clientes cada vez melhor em uma indústria que tem crescido 15% nos últimos anos.

Hoje nós temos no Brasil uma infraestutura aeroportuária de qualidade. Porém, especialmente no terminal São Paulo, nós já vemos que em três anos, provavelmente, já teremos os aeroportos no limite da sua utilização. Então é necessário que nós tenhamos investimento para aumento dessa capacidade.

A experiência de gestão tem sido muito coordenada. Nós tivemos no final de ano agora, de 2009, uma operação muito coordenada, que funcionou bem, fluiu bem, mesmo com a adversidade climática que nós tivemos. Isso foi uma mostra de uma coordenação entre os vários entes dessa cadeia, que souberam coordenar esse sistema que é muito interligado.

Conquista da classe C

– Em termos de classes nós temos uma abrangência maior nas classes A e B, provavelmente cerca de 85%, 90% dos nossos clientes são das classes A e B. E nós queremos cada vez mais atrair o cliente da classe C. Nós temos visto que os centros médios, as cidades de médio porte, assim como a classe C, têm demonstrado um crescimento muito acima da média, da classe A e B e dos grandes centros.

E como fazer isso? Nós temos capacidade de, nos horários fora do pico, entre 10 da manhã e 5 da tarde, e das 8 da noite até as 6 da manhã, de sermos extremamente competitivos em preço, inclusive com os ônibus. Acima de mil quilômetros de uma viagem, nós somos competitivos com ônibus.

Tarifas em alta

– Nós tivemos uma correção das tarifas no quarto trimestre. As tarifas ainda ficaram cerca de 20% abaixo, ano sobre ano. Existe uma tendência de uma recuperação nos preços sim, mas essa questão de preço é muito dinâmica.

Nós estamos muito otimistas com o ano, acreditando que é um ano que o Brasil cresce, nosso setor cresce, e nós estamos estimulando o tráfego. Nós estamos acreditando que, dado que tem essa possibilidade de crescimento, [que] provavelmente nós conseguiremos aumentar os preços, mas mantendo a competitividade e o estímulo de viajar.

O preço ele é uma conseqüência de um serviço adequado. Nós não optamos apenas pelo preço, porque nós entendemos que o cliente ele quer ter uma experiência de uma viagem. Porque nós entendemos que a busca apenas pelo preço não fideliza, o que fideliza é um serviço de qualidade.

Planos de expansão

– Para o ano de 2010 nós receberemos mais dois aviões A 330, que num primeiro momento nós vamos atender a Copa da África do Sul em [cerca de] 40 voos fretados. Depois disso, esses aviões serão utilizados num novo destino, que nós estamos em processo de definição, e que será no Hemisfério Norte ou na África. Vamos divulgar nos próximos meses, mas pode ser um novo destino ou uma nova frequência onde nós já estamos voando.

A partir de abril seremos um membro Star Alliance (aliança mundial de empresas aéreas). Com isso nós estaremos oferecendo, para os brasileiros e também para os estrangeiros mais de mil destinos, mais de 170 países e também a integração com cerca de 26 companhias aéreas no mundo. Nós estimamos que com a entrada na Star Alliance nós teremos, de forma conservadora, no mínimo um aumento de US$ 60 milhões nas nossas receitas internacionais.

Participação de mercado

– No mercado doméstico, nós tivemos crescimento do número de passageiros em torno de 17%. Nós acompanhamos esse crescimento, mas tivemos novos entrantes. E aí é uma questão mais matemática mesmo. Essa diluição é uma diluição natural. Não perseguimos o market share [participação de mercado] pelo market share. Nós queremos sim é uma posição de mercado forte, para atender bem o cliente, oferecer destinos, e com rentabilidade.

Outros negócios

– Nossa visão de longo prazo para o grupo é que a espinha dorsal do grupo, o negócio principal, é a companhia aérea. E será [...] nos próximos dez a quinze anos. Mas nós, ao longo do tempo, estamos desenvolvendo algumas áreas de negócio que têm uma vocação ligada à aviação, mas que têm uma vocação e dinâmica própria.

Nós temos a nossa operadora de turismo, a TAM Viagens. Outro exemplo é a nossa área de carga, muito complementar à área de passageiros, porque nós utilizamos o porão das aeronaves para transporte de carga. E o outro exemplo é o Multiplus, que é o programa de fidelidade da TAM.

Então esses são exemplos de áreas que nós vamos desenvolver, ligadas à aviação, mas sempre tendo como visão estratégica que o negócio principal é a companhia aérea.

Multa por descumprimento das regras do call center

(A TAM foi multada este mês pelo Ministério da Justiça por descumprir as regras de atendimento telefônico)

– Nós investimos no call center, nós temos hoje uma capacidade de atendimento, dentro do que preconiza a legislação, de forma rápida, com toda a tecnologia, com toda a cortesia, atendimento humano. Nós temos o Fale com o Presidente, [com] pessoas preparadas para atender ao longo da semana, inclusive no final de semana.

Museu da TAM

– Nós estamos reabrindo nosso museu em junho, nessa reabertura nós mostraremos um investimento muito importante, patrimônio para os brasileiros, de cultivo à história da aviação brasileira. E vai ser reaberto com um acervo quase que o dobro do que tinha. Estamos investindo tanto em edificação quanto acervo, e teremos uma plataforma de tecnologia pra permitir interatividade. Estamos planejando os últimos detalhes.

Fonte: Laura Naime (G1)

Companhia aérea ‘abandona’ grupo de alagoanos no Rio de Janeiro

Um grupo de mais de 50 alagoanos está sentindo na pele as agruras da aviação comercial no Brasil. O grupo, que deveria ter embarcado no voo 1388, da Gol Linhas Aéreas, passou a madrugada no Aeroporto Tom Jobim, porque a tripulação da aeronave alegou ter excedido as horas de trabalho.

Em contato com a reportagem do Alagoas24horas, uma passageira disse que a madrugada foi de caos, falta de informação e bate-boca entre os passageiros e os funcionários da companhia. Segundo a passageira, eles obtiveram a informação do cancelamento do voo apenas cinco horas após o horário de embarque, e pelo guichê da companhia em Maceió.

Passageiros denunciaram, ainda, a ausência de policiais federais, civis ou de funcionários da Agência Nacional de Aviação Civil (Anac) para prestar queixa sobre o caso.

O grupo afirma que o voo deveria ter decolado às 21h10 deste domingo, dia 14, com destino a Maceió, mas devido a um temporal o aeroporto foi fechado para pousos e decolagens. Após a pista ser liberada, com os passageiros já dentro do avião, os passageiros foram orientados a desembarcar, uma vez que o comandante alegou o fim do horário de trabalho da tripulação.

Após cinco horas no saguão do aeroporto, os passageiros entraram em conflito com funcionários da Gol, que teriam se recusado a dar informações. Os passageiros permaneceram no check in durante toda a madrugada, sem que a companhia providenciasse o traslado para um hotel, conforme prevê o Estatuto de Defesa do Consumidor.

“Quando finalmente resolveram nos transferir, não havia táxis suficientes para levar os passageiros ao hotel”, afirmou uma passageira.

Ainda segundo o grupo, a companhia afirma que os passageiros só poderão embarcar no voo com saída prevista para as 21h10 de hoje, 15 - exatas 24 horas após o primeiro embarque. Contudo, a esposa de um passageiro teria conseguido comprar uma passagem para o voo da companhia que sai às 11h.

O grupo juntou fotos, vídeos, além de documentos e pretendem ingressar na Justiça contra a companhia por danos morais.

Fonte: Cláudia Galvão (Alagoas 24 horas)

Desmilitarização do controle aéreo não sai do papel

A desmilitarização do controle aéreo — proposta que surgiu em meio à crise que parou aeroportos brasileiros e deixou milhares de passageiros sem voo — está cada vez mais distante. Três anos depois do caos, o governo deixou de lado as promessas feitas durante as negociações. Projeto apresentado aos operadores de voo aponta que o início desse processo só será feito em 2017. Primeiro, nos destacamentos (torres de controle). E, depois, em 2025, nos Centros Integrados de Defesa Aérea e Controle de Tráfego Aéreo (Cindactas). A data não foi escolhida por acaso. A partir daquele ano, o controle aéreo mundial será feito por satélites e o Brasil é signatário do acordo de implantação do sistema Comunicações, Navegação, Vigilância e Tráfego Aéreo (CNS/ATM).

A troca de militares por civis continua sendo a maior reivindicação dos controladores. De acordo com a assessoria de imprensa do Comando da Aeronáutica, até o fim do ano, 4 mil militares estarão em atividade no país. A remuneração prevista é de R$ 3,1 mil e a preparação dura até dois anos. A nota não informa quantos foram contratados depois do apagão aéreo. Além da desmilitarização, o acordo com os profissionais feito pelo ministro do Planejamento, Paulo Bernardo, em 30 de março de 2007, prometia não punir participantes do movimento que suspendeu pousos e decolagens em todo o país naquele dia e levou caos aos aeroportos.

Na semana passada, integrantes da Auditoria Militar da 11ª Região começaram a ouvir os 51 controladores do Cindacta I, em Brasília, denunciados pelo Ministério Público Militar (MPM). Até agora, apenas três falaram. Os demais permaneceram em silêncio. Na quinta-feira, o sargento Wellington Andrade, na época presidente da Associação Brasileira de Controladores do Tráfego Aéreo (ABCTA), falou durante mais de três horas. “O ministro redigiu o documento quando procurava solucionar o problema, mas nem tudo aconteceu”, disse, destacando a criação de uma gratificação e a desmilitarização.

Na denúncia, a procuradora militar Ione de Souza Cruz diz que o acidente com o avião da Gol 1907, que se chocou contra um jato Legacy, em 2007, foi a brecha que os controladores encontraram para pôr em pauta suas reivindicações. Segundo o relatório do MPM, “apesar da comoção causada pela grande tragédia, 154 vidas e respectivas famílias e amigos inconsoláveis com a irrecuperável perda, os controladores de tráfego aéreo perceberam na colisão a oportunidade para alavancar um movimento classista”. Segunda ela, os militares reverteram normas de hierarquia e promoveram a indisciplina, colocando em risco a vida de brasileiros.

A procuradora afirma que a data da rebelião foi escolhida com antecedência e por motivos pontualmente analisados. “Trata-se de uma sexta-feira em que era comemorado o Dia do Meteorologista, além de haver formatura e um churrasco em homenagem aos especialistas de voo. Coincidentemente, o presidente Lula, o vice e o ministro da Defesa não se encontravam na capital. A ministra da Casa Civil e o procurador-geral militar também não. O comando da Força Aérea acabara de ser trocado e o próprio Cindacta estava mudando de chefia”.

Nada foi premeditado, diz militar

O sargento Wellington Andrade, presidente da Associação Brasileira de Controladores do Tráfego Aéreo (ABCTA), em 2007, tentou derrubar, em depoimento, a acusação de que o movimento foi planejado. “Sabíamos que havia um descontentamento e temíamos reuniões. Mas não tinha noção do que exatamente estava sendo discutido naquele dia”, disse. Em compensação, ele garante que o comando da Aeronáutica já sabia desde cedo o que aconteceria. “Houve conivência do próprio comando, que sabia, a partir das 7h da manhã, que aconteceria algo. Poderia ter evitado. O comando da Aeronáutica já sabia e nada fez para impedir”.

Apesar das negativas dos controladores, o Ministério Público Militar usou gravações feitas no dia do motim para defender a tese de que tudo foi planejado. Em uma das gravações telefônicas obtidas pela Justiça, o controlador Cristiano Cavalcanti Lopes diz em 30 de março de 2007: “Até que se prove o contrário, ganhamos a primeira batalha”. Em seguida, ele garante ao interlocutor que Paulo Bernardo tinha se comprometido a revogar as punições de seis meses atrás e daquele dia, se ocorressem.

As escutas revelam também como o movimento foi ganhando corpo ao longo do dia e como a situação ficou fora de controle. Em outra ligação, o controlador Alberto diz para Edivaldo, apontado pelo MPM como um dos líderes do movimento: “Seguinte, tô de supervisor na região. A gente tá suspendendo todas as decolagens aqui na região do centro de Brasília”. A partir daí começaram os intervalos de 30 minutos entre os pousos e decolagens. Às 18h44 daquele dia, os controladores decidiram paralisar todas as operações aéreas, inclusive o monitoramento do avião presidencial.

Fonte: Alana Rizzo (Estado de Minas) via Portal UAI - Arte: Folha Online

TAM terá voo extra para Orlando na alta temporada

A TAM Linhas Aéreas programou um voo extra de ida e volta entre São Paulo e Orlando, nos Estados Unidos, para atender à demanda da alta temporada, no período de 29 de junho a 6 de agosto. A companhia é a única aérea a voar sem escalas e diariamente do Brasil para o destino norte-americano.

O voo será operado por uma moderna aeronave Airbus A330 configurada para 223 passageiros, 4 na Primeira Classe, 36 na Executiva e 183 na Econômica. Diariamente, o JJ 9354 partirá às 14h30 do aeroporto internacional de Guarulhos, em São Paulo, e chegará a Orlando às 22h10 (hora local). No sentido inverso, o JJ 9355 decolará de Orlando às 1h45 (hora local) e pousará em Guarulhos às 11h35.

Fonte: Jornal da Mídia

Anac prevê que setor aéreo terá crescimento de 10%, no mínimo

O mercado aéreo deve crescer "na casa de 10% para mais" este ano em número de passagens, previu a diretora-presidente da Agência Nacional de Aviação Civil (Anac), Solange Vieira. Ela analisa também a forte demanda, que tem deixado abarrotados os maiores aeroportos do País, e que a Infraero, empresa responsável pela administração dos aeroportos brasileiros, começará a construir ainda este ano terminais provisórios no aeroporto de Guarulhos, para suprir o crescimento da demanda, até que obras de expansão fiquem prontas.

Em fevereiro, o crescimento do setor foi de quase 43% em relação a fevereiro de 2009. No entanto, de acordo com Solange Vieira, o aumento do movimento de passageiros este ano deve ser como o do ano passado, em que a alta foi de 17%. No ano passado, porém, o Produto Interno Bruto (PIB) recuou 0,2% e para este ano as expectativas para o PIB são de crescimento entre 5% e 6%.

A executiva citou os preços das passagens para explicar o motivo de a Anac não esperar expansão maior do número de passagens aéreas em 2010 devido ao aumento do PIB. "Tem uma variável que a gente não controla que é o preço", disse. A diretora presidente da Anac também disse que a Agência está fazendo estudos em aeroportos com maior volume de passageiros para "agir preventivamente" e verificar "quais estão próximos do limite".

Aeroportos

O presidente da estatal, Murilo Marques Barboza, informou que três módulos provisórios serão instalados no aeroporto paulista de Guarulhos, para atender a forte demanda do setor, podendo receber até 3 milhões de pessoas.

"A licitação está na rua. A construção de cada módulo leva cerca de dez meses. Teremos um primeiro módulo pronto ano que vem", disse, após participar de cerimônia relativa à assinatura de protocolo de intenções para a instalação de unidades judiciárias nos aeroportos das 12 cidades sede da Copa de 2014.

Mais dois terminais estão previstos no aeroporto de Brasília (DF), e um ou dois no aeroporto Tom Jobim, no Rio. Barboza não detalhou os investimentos nessas construções provisórias, mas destacou que estão programados investimentos de R$ 8 bilhões nos aeroportos brasileiros até 2014, sendo R$ 6 bilhões somente nas 12 cidades que abrigarão jogos da Copa do Mundo que será realizada no Brasil. Os módulos poderão ser transferidos para outros aeroportos. A medida da Infraero visa se antecipar ao aumento da demanda previsto para os próximos anos, especialmente em função da Copa de 2014 e da Olimpíada de 2016 no País.

Fonte: DCI

A companhia aérea mais admirada nos EUA

Revista Fortune volta a premiar Continental

Pelo nono ano consecutivo, a revista Fortune elegeu a Continental como a companhia aérea mais admirada nos Estados Unidos.

Num “ranking” baseado em inquéritos a executivos e diretores e analistas da indústria aérea, a Continental voltou a distinguir-se, este ano entre 14 companhias aéreas globais.

As companhias são avaliadas de acordo com critérios de inovação, gestão de pessoas, uso dos atributos corporativos, responsabilidade social, qualidade da gestão, estabilidade financeira, investimentos a longo prazo, qualidade dos serviços e produtos e competitividade global.

No item “gestão de pessoas” a Continental foi a mais bem classificada, além de na geral. “A cultura de trabalho conjunto da Continental ajuda-nos a dar um serviço líder na indústria e um excelente produto”, afirma Jeff Smisek, presidente e CEO da Continental. “Estou orgulhoso e honrado por ver reconhecido o árduo trabalho dos meus colegas”.

Fonte: Turisver