sexta-feira, 30 de outubro de 2009

Foto do Dia

Clique na imagem para ampliá-la

Enquanto o Boeing 737-3H4 da Southwest Airlines decola da pista 24L do Aeroporto Internacional de Los Angeles (LAX), o Boeing 747-400 "Speedbird" da British Airways acaba de pousar na pista 24R. Fotografado em dezembro de 2007.

Foto: Ricardo Morales - flyAPM (Airliners.net)

Endividada, velha Varig deve parar amanhã

Flex deve R$ 8 milhões e não paga o aluguel de seu único avião há 4 meses

Aérea tem 210 funcionários, que não receberam o salário de outubro; liberação de depósitos em juízo pode dar sobrevida à empresa


A Flex, empresa remanescente da recuperação judicial da Varig, deve paralisar as operações a partir de amanhã. Com uma dívida de R$ 8 milhões e sem pagar o aluguel de seu único avião há quatro meses, a Flex não tem dinheiro para renovar o seguro da aeronave (US$ 150 mil), que vence hoje, e sem o qual não pode operar.

A proprietária do avião, a Wells Fargo, também já avisou que, se a empresa não pagar o que deve até hoje, vai iniciar um processo de arresto do jato. "Agora é esperar que algum credor peça a falência", afirma o gestor judicial da Flex, Aurélio Penelas.

A empresa possui 210 funcionários e não tem de onde tirar recursos para pagar a folha de salários de outubro. "Mais uma vez os funcionários da Varig serão dispensados de forma abrupta", diz a presidente do Sindicato Nacional dos Aeronautas, Graziella Baggio.

A Flex contava com um crédito de R$ 5 milhões que fora depositado em juízo em ações trabalhistas anteriores ao processo de recuperação judicial, iniciado em 2005. A liberação foi autorizada pelo juiz Luiz Roberto Ayoub, da 1ª Vara Empresarial do Rio de Janeiro, sob o entendimento de que os credores trabalhistas aderiram à recuperação judicial. No entanto, há cerca de um mês o Tribunal Regional do Trabalho (TRT) do Rio determinou que os recursos devem continuar retidos. "Estamos aguardando uma decisão definitiva do Conselho Nacional de Justiça sobre os depósitos judiciais, mas não temos mais fôlego para operar", diz o gestor judicial.

A Flex opera voos fretados e tem como principal cliente a Gol, que tem obrigação contratual de adquirir 140 horas mensais de seus serviços de fretamento. Essa obrigação foi uma das formas encontradas pela Justiça do Rio em 2006, quando a Varig foi vendida para a VarigLog, para manter a Flex operando até o julgamento da ação da defasagem tarifária da Varig contra a União no STF (Supremo Tribunal Federal).

Uma eventual falência da Flex pode ainda atrapalhar as negociações do chamado encontro de contas entre dívidas e créditos da Varig com a União, que se arrastam há sete meses.

De acordo com a AGU (Advocacia Geral da União), que coordena as negociações, o relatório final com uma proposta do órgão deve ser apresentado no próximo dia 3. Graziella Baggio, que acompanha as negociações, afirma que uma das ideias é "eliminar as dívidas que estão prescritas e enquadrar o que sobrar no Refis da crise", novo programa de parcelamento de débitos federais e previdenciários que permite o pagamento em até 15 anos.

Fonte: Mariana Barbosa (jornal Folha de S. Paulo)

Após pane, Lula voltará em avião oficial

O presidente Luiz Inácio Lula da Silva embarca nesta noite de volta a Brasília no avião oficial da Presidência da República. O Airbus presidencial sofreu uma pane logo depois de aterrissar na pista de pouso de El Tigre, região a 460 quilômetros de Caracas, na Venezuela, mas já foi consertado. Por conta dessa pane, a Presidência cogitou em utilizar o avião reserva, o Boeing 737.

O avião reserva havia trazido parte de sua comitiva e a imprensa de Caracas a El Tigre, na manhã de hoje.

Esse foi o segundo incidente da visita de Lula e do presidente venezuelano Hugo Chávez a um projeto agrícola de plantação de soja, realizado em cooperação com a Embrapa. Depois de observarem a colheita da soja, Lula e Chávez reuniram-se em uma tenda improvisada. Ao saírem em direção ao local onde seria realizada a assinatura de 15 acordos bilaterais, foram surpreendidos por uma forte chuva e pelas consequências da tempestade, que destruiu toda estrutura de apoio ao evento.

Ainda assim, Chávez fez Lula caminhar duas vezes debaixo de chuva. Na primeira vez, até a tenda onde assinaram os acordos e, na segunda, até um busto do general brasileiro José Ignacio Abreu e Lima, patrono do projeto agrícola.

Fonte: Estadão

Companhias aéreas têm cerca de US$ 165 bi em milhas não usadas

Na American, United e US Airways, qualquer conta que não tenha nenhuma atividade - seja acúmulo de milhas ou uso delas - por 18 meses consecutivos é cancelada. Não são as milhas que expiram, são as contas inteiras

As pessoas estão deixando que o equivalente a bilhões de dólares em milhas de companhias aéreas sejam canceladas sem uso, em parte por causa das confusas políticas das empresas e da falta de alertas sobre os vencimentos que se aproximam.

Estima-se que haja 10 trilhões de milhas não usadas em circulação agora, que valem cerca de US$ 165 bilhões. A maioria das companhias aéreas não divulga quantas vão expirar sem ser usadas, mas algumas pistas sugerem um número grande: 20% ou mais de todas as milhas em programas de fidelidade talvez nunca sejam resgatadas.

Muitas milhas serão extirpadas dos consumidores, que às vezes acreditam ter uma reserva de centenas de milhares de milhas e descobrem que a conta foi cancelada por falta de atividade. Nos Estados Unidos, as empresas aéreas endureceram as regras de vencimento para se livrar de mais passivos em seus balanços e algumas deixaram mais cara a recuperação de milhas.

Quando os programas começaram, as milhas não tinham datas de vencimento. Em meados dos anos 90, as várias aéreas impuseram um prazo de três anos - cada milha expiraria se não fosse resgatada em três anos. Muitas companhias asiáticas e europeias, assim como algumas dos EUA e as brasileiras TAM e Gol/Varig, ainda têm datas de validade nas milhas ou pontos. E nos últimos dois anos as regras voltaram a mudar na maioria das empresas americanas.

Na American, United e US Airways, qualquer conta que não tenha nenhuma atividade - seja acúmulo de milhas ou uso delas - por 18 meses consecutivos é cancelada. Não são as milhas que expiram, são as contas inteiras. A Delta dá aos clientes dois anos antes que as contas sejam canceladas. A Continental informa que pode cancelar contas depois de 18 meses, mas não pratica a política atualmente. No programa reformulado da JetBlue, que será lançado segunda, todos os pontos vão expirar se uma conta ficar inativa por apenas 12 meses consecutivos.

À medida que as aéreas trocam de alianças e os viajantes mudam de preferências por causa de troca de emprego ou cortes nos orçamentos das empresas, ou mesmo mudam o endereço de e-mail sem atualizar uma companhia, mais e mais viajantes perdem contato com um programa de fidelidade e acabam surpresos quando descobrem que todas as milhas desapareceram por causa de apenas 18 meses de inatividade.

"Fiquei chocado de ver que elas podiam desaparecer tão rapidamente", diz Chris Beddow, do Havaí, cuja mulher Mary tinha 61.000 milhas da United que foram apagadas em junho.

Beddow havia marcado uma viagem para a Argentina pela United em abril, usando 220.000 milhas de sua conta para um assento da classe executiva e comprando um bilhete de econômica para o outro assento, para o qual ele fez depois um upgrade usando outras 60.000 milhas de sua conta. A United informou que enviou e-mails com o aviso do iminente cancelamento da conta, mas os Beddow não se lembram de ter recebido. Se soubesse que a conta de sua mulher ia vencer, Beddow diz que teria usado as milhas dela para o upgrade.

Depois de um mês brigando com a United, a empresa cedeu e usou as milhas de Mary na viagem à Argentina, devolvendo as 60.000 milhas de Chris. "Fiquei chocado que eles fizeram a coisa certa", diz ele. Moral da história: não desista. "Não aceite 'não' como resposta e continue pressionando. Às vezes funciona."

A boa notícia é que, no caso dessas aéreas americanas, você não tem de voar para manter as milhas ativas. Quaisquer milhas obtidas - em cartões de crédito, hotéis, aluguéis de carros ou voos de companhias parceiras - zera o relógio das contas. Conseguir pontos num programa de hotel ou num cartão de crédito como o American Express, que lhe permite transferir os pontos a várias aéreas, é um meio fácil de "alimentar" contas de milhagem que a pessoa talvez não use com tanta frequência.

A quantidade de milhas canceladas é informação exclusiva que as companhias não divulgam. Um sinal, contudo, de quanto desperdício há por aí: a Southwest, uma aérea de baixo custo dos EUA, oferece passagens gratuitas aos clientes depois que 16 créditos são obtidos (8 viagens de ida e volta), e os certificados vencem depois de um ano. A Southwest afirma em seus informes financeiros que 16% dos certificados nunca são usados. E isso não inclui créditos que nunca se tornam parte de um prêmio e vencem.

Uma mudança contábil no ano passado aumentou o passivo das milhas não usadas no balanço das companhias americanas. Elas têm agora de contabilizar o passivo de milhas ao "valor justo" do que os créditos poderiam obter se vendidos, em vez de apenas estimar o custo em combustível e serviço para dar assentos que estariam de outro modo vazios. Isso deu às companhias mais incentivos para tirar as milhas de seus livros.

Fonte: Scott McCartney (The Wall Street Journal) via Diário do Turismo

MAIS

Leia a matéria em inglês no The Wall Street Journal

Senado ignora divulgação de passagens

Mesa não explica atraso na divulgação de dados sobre uso da cota aérea pelos senadores. Casa havia informado que publicaria informações até 3 de setembro

A página de transparência do Senado deveria divulgar os gastos feitos pelos senadores com passagens aéreas. Segundo a Resolução da Mesa 5/09, a publicação na internet deve ser feita a cada 90 dias. Como a norma é de 27 de abril, os dados deveriam estar disponíveis desde 27 de julho. Mas nada foi publicado até hoje e, a julgar pelo comportamento da Mesa sobre o caso, os dados dificilmente serão divulgados.

Na terça-feira (27), O Congresso em Foco procurou as assessorias de imprensa do Senado e da Segunda Secretaria, além do primeiro-secretário da Casa, Heráclito Fortes (DEM-PI). Nem as assessorias, nem o primeiro-secretário souberam dizer o motivo do atraso na divulgação das passagens aéreas e o que será feito para cumprir a nova norma do Senado.

No final de agosto, a Coordenação de Atividades Externas (Coatex) do Senado prometeu resolver o problema em dez dias. À época, disse que fazia ajustes finais para publicar as informações até 3 de setembro.

“O procedimento de lançamento no Portal da Transparência do Senado Federal, das despesas com passagens aéreas dos senhores senadores, está na fase final de ajustamento por parte do Prodasen. O atraso está ocorrendo por conta do ajuste técnico por parte do Prodasen." De lá pra cá, o cenário continua o mesmo: nenhuma transparência nos gastos com as passagens aéreas dos senadores.

Congresso abandona transparência sobre cota aérea

Câmara não divulga uso de passagens por deputados, culpa companhias aéreas e retém pagamento para empresas.

Depois de reduzir despesas, mudar regras e obter até devoluções de dinheiro por causa da farra das passagens, o Congresso Nacional ainda patina na transparência sobre o uso da cota aérea a que cada parlamentar tem direito para se deslocar em razão do mandato. Cinco meses após ser anunciada como uma das principais medidas para evitar o uso indevido do benefício, a divulgação dos bilhetes aéreos de deputados e senadores não saiu do papel.

As novas regras obrigam a publicidade dos gastos, o que não tem sido feito por nenhuma das duas Casas legislativas. A Câmara culpa as companhias aéreas e diz que suspendeu há três meses o pagamento a essas empresas até que elas se ajustem às suas exigências. O Senado afirma não ter ideia do motivo do atraso nem sinaliza que divulgará as informações. Já as companhias aéreas se eximem de qualquer responsabilidade.

O Ato 43/09 da Câmara determina que os deputados divulguem os gastos com a Cota para o Exercício da Atividade Parlamentar (Ceap), inclusive as passagens aéreas, a cada três meses. A Ceap, batizada pelos deputados de cotão, reúne as despesas da Casa com os benefícios garantidos aos deputados, como a verba indenizatória e a cota aérea. Mas apenas parte dos bilhetes foi publicada: mais especificamente os casos em que os parlamentares pedem reembolso de gastos feitos com recursos próprios.

Reembolso

Segundo a assessoria de imprensa da Casa, só estão no ar informações dos bilhetes que os deputados compraram do próprio bolso e pediram restituição à Câmara. Os bilhetes comprados por meio de crédito parlamentar não estão sendo divulgados.

De acordo com a Câmara, isso acontece porque as companhias aéreas não estão colaborando no envio dos dados, como o nome dos passageiros, a data dos voos e os trechos voados, a serem incluídos no sistema de informática utilizado pela Casa. Algumas empresas, explica a assessoria, sequer repassaram as informações solicitadas.

A Câmara diz que está em negociação com as companhias e promete resolver o problema até novembro. Desde julho, a Casa retém o pagamento das empresas aéreas para pressioná-las a enviarem os dados conforme suas especificações. O valor devido, até agora, é mantido em sigilo.

Companhias se defendem

Mas as companhias aéreas não endossam a versão da Câmara. A assessoria da Gol, por exemplo, negou a existência de problemas nos dados. “Todas as vezes que nos passaram informação, nós repassamos imediatamente”, informou a empresa.

A assessoria da companhia sustenta que tudo foi feito conforme as solicitações dos deputados. “Inclusive usamos o modelo definido em portaria da Câmara. Não existe nenhuma forma de nós não entregarmos. Essa portaria está sendo atendida plenamente. Estamos seguindo rigorosamente os pedidos da Câmara”, acrescentou a assessoria de imprensa da Gol.

Funcionários da companhia Webjet isentaram a empresa de responsabilidade e reclamaram da Câmara. “Colocar a culpa nas empresas é fácil”, ironizou um deles, que pediu para não ser identificado. Segundo esse mesmo funcionário, todos os dados foram repassados em papel para a Câmara, mas, somente agora os parlamentares passaram a exigir a entrega por correio eletrônico, o que começou a ser feito na última terça-feira (27). “Se o problema era esse, está resolvido”, diz.

Informalmente, funcionários da TAM disseram que existe um problema de compatibilidade de sistemas entre a companhia e a Câmara. Mas afirmaram que tudo será resolvido no dia 14 de novembro, quando um novo sistema de informática passará a funcionar. As assessorias da TAM e da Oceain Air não retornaram os pedidos de informação do site.

Farra das passagens

A partir do dia 16 de março, o Congresso em Foco começou a mostrar ao país que deputados e senadores de todos os partidos, líderes de bancada, ministros, ex-parlamentares, integrantes da Mesa Diretora, como o presidente da Câmara, todos usavam como queriam passagens aéreas pagas com dinheiro público. Até artistas de TV e cantores gospel foram transportados com a cota parlamentar. Pelo menos 261 congressistas viajaram para o exterior.

As revelações mostraram que até o presidente do Supremo Tribunal Federal (STF), Gilmar Mendes, voou para o exterior com recursos públicos. As investigações mostraram que ele foi vítima de um esquema, pelo qual 44 servidores da Câmara foram processados administrativamente outros seis deputados, investigados.

Como efeito da série de reportagens, vários parlamentares devolveram o dinheiro gasto, Senado e Câmara mudaram as regras de uso de passagens para reduzir as despesas e, ao mesmo tempo, perdoar as práticas do passado, consideradas irregulares pelo Ministério Público Federal e pelo Tribunal de Contas da União (TCU). No entendimento dos ministros do TCU, a farra das passagens foi uma “afronta à moralidade administrativa”.

Fonte: Eduardo Militão (Congresso em Foco)

HRW alerta para situação de menores estrangeiros retidos em aeroporto francês

A organização de defesa dos direitos humanos Human Rights Watch (HRW) denunciou nesta quinta-feira (29) em relatório a situação dos menores estrangeiros retidos no aeroporto Roissy Charles de Gaulle, em Paris, e pediu a abolição do estatuto jurídico que regula esta situação.

"A França tem o direito de vigiar suas fronteiras, mas não de pôr em perigo a vida destes menores", disse Simone Troller, autora do relatório, apresentado em Paris.

O documento revela que, em 2008, a Polícia aeroportuária repatriou aproximadamente um terço dos mil menores estrangeiros que chegaram a este aeroporto e que tiveram seu direito de acesso ao país negado.

"O argumento da França é de que os menores ainda não entraram em território francês. Por isso, os retém em uma 'área de espera', onde são privados de direitos que outros menores estrangeiros que se encontram no país possuem", explicou Troller.

"O conceito de 'área de espera' não é um conceito geográfico, mas uma ficção jurídica, pois quando se deslocam ao tribunal ou ao hospital, continuam sem estar na França", disse.

O estudo da HRW mostra que estes menores são retidos em centros de detenção com adultos, colocando-os em "uma situação de perigo".

Troller ressaltou que policiais frequentemente os ameaçam com a expulsão, os obrigam a ficar nus para revistá-los, os algemam durante os trajetos para hospitais e os ordenam a se submeter a exames de verificação de idade, "inclusive em casos nos quais é evidente que a pessoa é menor de 18 anos".

Além disso, o documento acusa a Polícia francesa de abusar da vulnerabilidade emocional e psíquica destes menores, pois em algumas ocasiões são intimidados e pressionados a assinar documentos que não compreendem.

Os menores são devolvidos a países que não são os de sua origem, onde são forçados a continuar sua viagem para outro destino, sem que se garanta sua segurança durante o trajeto e em chegada, alerta o relatório da HRW.

Estes menores, adolescentes em sua maioria, voam para Paris fugindo de seus países em guerra ou de uma situação de perseguição para reencontrarem suas famílias ou simplesmente para visitar parentes.

"Em algumas ocasiões, são acompanhados por um adulto que leva o passaporte do menor em situação regular, mas que, uma vez no aeroporto, desaparece com a documentação", comentou Troller.

A representante do HRW assegurou, no entanto, que o objetivo de sua investigação é o tratamento recebido pelos menores e não os motivos que os levam até ali.

Fonte: EFE via G1 - Foto: HRW

Aeroporto em Florianópolis pode ter voos da Azul Linhas Aéreas

Empresa aguarda autorização da Anac para operar no Hercílio Luz

Florianópolis poderá ganhar novas linhas aéreas. A Azul Linhas Aéreas Brasileiras mostrou o interesse de operar no Aeroporto Hercílio Luz, em Florianópolis. A empresa paulista apenas aguarda a autorização da Agência Nacional de Aviação Civil (Anac) para passar a atuar na cidade.

Segundo a assessoria de imprensa da Azul, a autorização pode sair a qualquer momento. A companhia aérea não quer falar sobre o investimento e sobre a nova rota até que haja a confirmação da Anac.

A Azul, que recebeu a concessão para trabalhar com voos domésticos em novembro de 2008, investiu cerca de 200 milhões de dólares para começar a operar no Brasil. A intenção da empresa é que, até 2012, ela consiga atender as principais cidades brasileiras.

Atualmente, a companhia tem voos com destinos para Campinas, Vitória, Curitiba, Recife, Rio de Janeiro, Manaus, Fortaleza, Campo Grande, Maringá, Maceió e Belo Horizonte. Em Santa Catarina, ela já atua em Navegantes, no Litoral Norte.

Fonte: Diário Catarinense

No Irã, piloto de avião com problemas pede a passageiros que rezem

Aeronave decolou de Teerã com seis horas de atraso, segundo agência.

Mesmo assim, avaria obrigou o Boeing a voltar ao ponto de partida.

Um piloto de um avião de uma companhia iraniana pediu aos passageiros que rezassem depois que seu avião foi vítima de uma pequena avaria na quinta-feira (29).

O Boeing 727-200 da Aseman Airlines havia decolado do aeroporto de Teerã com um atraso de seis horas e teve de voltar 45 minutos depois por conta de um problema técnico, segundo um passageiro ouvido pela agência Isna.

O piloto teria dito aos passageiros: "O avião está enfrentando um problema técnico. Então, por favor, rezem".

As sanções internacionais sobre o Irã afetam sua aviação, impedindo o paíse de comprar aviões mais modernos e mesmo peças de reposição. Com isso, o número de acidentes aéreos no país cresceu nos últimos anos.

Em julho, um Tupolev da Caspian Airlines caiu no país, matando todos os 168 que estavam a bordo.

Fonte: AFP via G1

PF procura tripulação do avião interceptado

A Polícia Federal ainda não localizou nenhum dos ocupantes do avião interceptado pela FAB, no Entorno do DF, que estaria sendo usado para transportar drogas.



A aeronave aterrissou numa fazenda, entre Cristalina (GO) e Luziânia (GO), nessa quinta-feira (29) à tarde. Ela vinha da Bolívia e não tinha autorização para o voo. Assim que entrou no espaço aéreo brasileiro, foi acompanhada por um avião tucano da Força Aérea Brasileira (FAB). Como o piloto não respondeu às tentativas de contato por rádio, o caça deu rajadas de alerta, forçando o pouso. O procedimento é previsto na lei brasileira.

Quando a polícia chegou ao local, os traficantes já tinham fugido, mas ainda conseguiram transferir a droga para um carro encontrado pela Polícia Federal em um matagal perto do avião. Foram apreendidos 124 quilos de cocaína e muita munição.

“Pelas características do material, demonstra ser um produto de alta qualidade. Poderia chegar a algo em torno de R$ um milhão, dada a quantidade apreendida”, afirma o delegado Wesley Almeida.

A Polícia Federal vai investigar a origem e o destino final da aeronave. E acredita que a região pode ser uma nova rota do narcotráfico internacional.

Fonte: Júlio Mosquera / Juarez Dornelles / Marcos Tavares (DFTV)

Supertucano da FAB intercepta avião no espaço aéreo de Goiás

O avião foi abandonado com 124kg de cocaína. Os traficantes fugiram. Provavelmente, levando o que puderam da droga



A aeronave Cessna 182P Skylane, prefixo PT-KDB, pousou numa pista de terra entre Cristalina e Luziânia. Vinha da Bolívia e, assim que entrou no espaço aéreo brasileiro, foi acompanhada por aviões da Força Aérea Brasileira, que tentaram fazer contato com o piloto. Sem resposta, próximo à Cristalina, um caça da FAB deu duas rajadas de tiros, forçando o piloto a pousar na pista de uma fazenda da região.

O pouso foi feito a 20km da sede. Policiais Federais chegaram ao local, minutos depois, mas o avião estava vazio. Buscas foram feitas e numa estrada próxima foi encontrado um carro, também abandonado, com 124kg de cocaína, que teriam sido descarregados da aeronave. A polícia ainda não sabe dizer se a droga seria distribuída no Distrito Federal.

“O Entorno é um grande pólo recebedor e, posteriormente, distribuidor de drogas para o próprio Entorno e também para o DF. Pode indicar uma nova rota de tráfico, mas a confirmação vai depender do andamento das investigações”, esclarece o delegado federal Wesley Almeida.

A polícia ainda não localizou nenhum suspeito. De acordo com o delegado responsável pela investigação, pelo menos quatro pessoas teriam participado dessa ação.

A aeronave segue para Goiânia. O carro está na Superintendência da Polícia Federal do DF, onde vai passar por perícia. Os policiais também recuperaram 105 cápsulas, calibre 44 e 50 cápsulas 9 milímetros.

Fonte: Leonardo Ribbeiro / Marcos Tavares / Juarez Dornelles (DFTV) / ANAC

Avião faz pouso forçado em Jacareacanga, no Pará

O avião monomotor Embraer EMB-720D Minuano, prefixo PT-VMY, que era pilotado por Haroldo Biery, fez um pouso forçado nesta quinta-feira (29) no pasto da Fazenda Ceará do Boi, que fica as proximidades de Jacareacanga, no Pará. Segundos as informações colhidas no local, o piloto sentiu perda de potência do motor e tentou chegar na pista do aeroporto de Jacareacanga. O avião teve uma asa e o trem de pouso arrancada ao bater em um pé de tucumã.

Os ocupantes do monomotor, o piloto Haroldo Biery e o chefe de Posto da Aldeia Sai Cinza, Edivan Rodrigues, saíram sem ferimentos do acidente.

A aeronave tinha saído da Aldeia Sai Cinza e estava programada para pousar no aeroporto de Jacareacanga.

No mesmo dia do acidente uma equipe de investigadores do SERIPA I, estiveram no local e fizeram uma minuciosa investigação.

Fonte e fotos: Anderson Pantoja (No Tapajos)

Suposta falha da torre de controle faz avião da Gol arremeter em Brasília

No momento da aterrissagem, outro avião estava na pista, diz passageiro.

Caso foi comunicado à Anac; para a Gol, procedimento foi 'corriqueiro'.


Um suposto erro da torre de controle do Aeroporto Internacional Juscelino Kubitschek, em Brasília, obrigou um piloto da Gol Linhas Aéreas a arremeter a aeronave no momento do pouso na tarde desta sexta-feira (30). Segundo um dos 128 passageiros do voo 1846, que saiu de Guarulhos por volta das 14h, o piloto teria cancelado a aterrissagem ao constatar a presença de outro avião na pista.

"O piloto arremeteu e, em seguida, se desculpou dizendo que a torre de comando havia autorizado o pouso quando um avião já estava na pista. Foi um susto. Outros passageiros passaram mal e precisaram receber auxílio médico", recorda o empresário João Carlos Bruno, 56 anos.

O empresário comunicou o incidente à unidade da Agência Nacional de Aviação Civil (Anac) no aeroporto. A Anac confirmou o recebimento da reclamação e relatou que o caso foi repassado ao comando da Aeronáutica.

A Aeronáutica confirmou que havia outro avião na pista, mas a uma distância que permitiria o pouso do avião da Gol com segurança. Segundo a Aeronáutica, a decisão de arremeter foi do piloto da Gol.

Em nota, a Gol confirmou que a "aeronave Boeing 737-700 arremeteu antes de aterrissar em Brasília, às 15h38". A assessoria da companhia, no entanto, não comentou as causas que levaram o piloto a desistir do pouso e classificou o incidente como "procedimento corriqueiro".

"O pouso e o desembarque dos 128 passageiros que estavam a bordo transcorreram normalmente. A companhia esclarece que a arremetida é um procedimento corriqueiro na aviação comercial e, embora exija cuidados e atenção, não configura uma operação perigosa", disse a nota da assessoria.

Fonte: Robson Bonin (G1 - com informações do DFTV)

Nasa confirma lançamento da nave "Atlantis" para novembro

A Nasa (agência espacial americana) confirmou hoje o dia 16 de novembro como data para o lançamento da nave "Atlantis" em uma missão de abastecimento à Estação Espacial Internacional (ISS).

A partida do ônibus espacial em uma missão de 11 dias será às 17h28 (Brasília) a partir do Centro Espacial Kennedy, em Cabo Canaveral (Flórida).

O anúncio foi feito após uma reunião de engenheiros e técnicos da Nasa em que ficou determinado que todos os sistemas e equipamentos já estão prontos para a missão.

O ônibus "Atlantis" terá como objetivo instalar equipamentos na parte exterior da estação e, dentro da missão, estão incluídas três caminhadas para a colocação de duas plataformas na viga central do complexo.

As plataformas serão utilizadas para o armazenamento de peças que servirão às operações da ISS depois da retirada da frota de naves dos EUA, no final de 2010.

Em seu retorno, a nave "Atlantis" trará a bordo a astronauta Nicole Stott, que esteve na estação espacial nos últimos dois meses.

Fonte: EFE via EPA

Falha em dois paraquedas danifica novo foguete da Nasa

Gerente da missão diz que dano causado pelo impacto no oceano não reduz o sucesso do teste

Mergulhadores trabalham no resgate do estágio danificado do foguete, sob o mar

Dois dos três paraquedas que deveriam fazer o primeiro estágio do foguete Ares I-X, lançado no início da semana pela Nasa, descer suavemente no Oceano Atlântico falharam, e a peça foi danificada no impacto com a água. O resgate do estágio foi realizado para que os engenheiros da agência espacial possam estudar suas condições após o uso.

O gerente da missão, Bob Ess, disse que o dano é "irrelevante", porque esse estágio não deve voar novamente. A falha dos paraquedas não diminui o sucesso do lançamento de quarta-feira, afirmou ele.

"Não deem muito destaque a isso", pediu ele aos jornalistas. "O negócio com o paraquedas foi tipo, 'ei, olhe só'. Não estamos preocupados com isso. Não estamos fazendo nada incomum. Estamos fazendo apenas os nossos testes normais de pós-voo".

Todos os três paraquedas do primeiro estágio abriram-se após o voo de dois minutos. Um fechou-se logo em seguida. Outro só se abriu parcialmente.

O estágio, na prática, teve a queda suavizada pelo equivalente a um paraquedas e meio.

Ess disse que as cordas dos paraquedas podem ser culpadas, mas os engenheiros não saberão com certeza até que as partes sejam inspecionadas, na próxima semana.

O teste de US$ 445 milhões foi o primeiro passo da Nasa em seu esforço para substituir os ônibus espaciais e, um dia, levar astronautas de volta à Lua. A Casa Branca pode alterar essa programação, no entanto, e cancelar de vez o Ares I.

Indicações iniciais dão conta de que o foguete se manteve "firme como uma rocha" durante o lançamento. Ano passado, alguns engenheiros manifestaram temores de que o foguete pudesse vibrar excessivamente ao ser lançado.

Fonte: Associated Press via Estadão - Foto: United Space Alliance/Nasa

Centro Educacional de Aviação do Brasil abre 30 vagas

Vagas são para instrutores e professores em São Paulo.

Os currículos devem ser enviados até o dia 6 de novembro.


O Centro Educacional de Aviação do Brasil (Ceab) abriu 30 vagas para instrutores e professores. Os profissionais darão aulas de postura e etiqueta, maquiagem, segurança e emergência, regulamentos da profissão, sistema de aviação civil, primeiros socorros, meteorologia, navegação aérea, entre outros assuntos.

Os candidatos às vagas podem ser de ambos os sexos. Os currículos devem ser enviados até o dia 6 de novembro para o e-mail ceab@ceabbrasil.com.br, com o assunto “Vaga" e a disciplina que o candidato se julga apto a lecionar.

O Centro Educacional de Aviação do Brasil oferece diversos cursos, como atendimento em aeroportos (check-in), inglês, sobrevivência na selva, comissário de bordo, combate ao fogo e marinharia.

O Ceab fica em Pinheiros, Zona Oeste de São Paulo. Outras informações podem ser obtidas pelo telefone (11) 3081-4949.

Fonte: G1

MAIS

Confira lista de concursos e oportunidades em várias áreas

Air France recebe seu primeiro avião Airbus A380

Aeronave transportará 538 passageiros em três classes.

Aérea é a primeira da Europa a receber o modelo.


Pierre-Henri Gourgeon, presidente da Air France, com o primeiro Airbus A380 da empresa, em Hamburgo, na Alemanha

A Air France recebeu seu primeiro A380 nesta sexta-feira (30), em cerimônia nas instalações da Airbus em Hamburgo, na Alemanha, tornando-se a primeira companhia europeia a possuir o avião gigante.

O A380 é uma "excelente resposta para a crise econômica", disse o presidente da Air France, Pierre-Henri Gourgeon, que espera economizar 15 milhões de euros a cada ano para cada A380 em serviço.

Com um A380, a Air France poderá substituir dois aviões de longo curso menores.

Assim, "para Nova York, retiraremos um Boeing 777-200 e um Airbus A340, e passaremos de cinco vôos diários a quatro", obtendo, assim, 20% de redução dos custos, explicou Gourgeon.

O A380 da Air France poderá transportar 538 passageiros em três classes: nove na primeira, 80 na executiva e 449 na classe turística. Está dotado de seis bares e oferecerá mais espaço aos passageiros de todas as categorias.

O voo comercial inaugural do aparelho, que custa cerca de US$ 330 milhões no catálogo, acontecerá no dia 20 de novembro, entre Paris e Nova York. A companhia encomendou um total de 12 aviões A380.


Fonte: France Presse via G1 - Fotos: Axel Heimken (AP) / EFE / AFP

Buscas por dois desaparecidos em acidente da FAB continua; há mergulhadores no local

A Força Aérea Brasileira (FAB) afirmou em nota nesta sexta-feira (30) que as buscas por dois desaparecidos do acidente da aeronave da FAB continuam na Amazônia. Nove pessoas sobreviveram e passam bem. Ao todo, 11 pessoas estavam a bordo.

Um helicóptero HM-3 Cougar do Exército procura por João de Abreu Filho, funcionário da Funasa, e pelo suboficial Marcelo dos Santos Dias, ambos ainda desaparecidos. Uma equipe de buscas com equipamentos de mergulho será reforçada por barcos - já que o avião fez o pouso forçado em um rio - e contará com a colaboração de índios da região.

"A aeronave está totalmente submersa no igarapé em que o piloto tentou pousá-la e nós vamos utilizar mergulhadores para tentar localizar o C-98 e os dois ocupantes que ainda não foram localizados", afirmou Jorge Cruz Souza e Mello, comandante do 7º Comando Aéreo Regional (Comar), durante entrevista coletiva concedida em Manaus no final da tarde desta sexta.

Segundo Souza e Mello, a sobrevivência de nove dos 11 ocupantes da aeronave só foi possível graças a perícia da tripulação do C-98. "Tenho certeza que foi a competência da tripulação que possibilitou a sobrevivência de boa parte dos ocupantes. Tanto a do piloto que conduziu o pouso forçado até a equipe de mecânicos responsáveis pela abertura da aeronave na água", afirmou. O piloto está entre os sobreviventes.

Fonte: UOL Notícias

Grávida está entre sobreviventes de avião da FAB

Diretor-clínico de hospital diz que todos estão bem

O diretor-clínico Fábio Pimentel, do Hospital Reginoal do Juruá, em Cruzeiro do Sul (AC), disse que há uma mulher grávida entre os sobreviventes do acidente com o avião C-98, desaparecido na manhã desta quinta-feira (29) e localizado nesta sexta-feira (30) por índios. O médico diz que todos os resgatados estão aparentemente bem, mas passam por exames, como radiografias e tomografias, por precaução.

Pimentel disse que a gestante passou por um ultrassom e que o feto, de pouco mais de três meses, está bem. Mesmo com o impacto do pouso forçado, a grávida não teve sangramentos, disse o médico. Ele disse que ainda não sabia o nome da mulher.

O diretor-clínico disse que o hospital mobilizou todo o setor de emergência para receber os sobreviventes. Pimentel disse que os profissionais esperavam receber pessoas muito machucadas. Porém, os sobreviventes chegaram ao hospital sem ferimentos graves, porém, muito assustados:

- É incrível que todos estejam bem. O piloto teve muita perícia para aterrissar [no rio]. Eles só estão assustados, porque passaram por um acidente.

Os nomes dos sobreviventes divulgados pela FAB são:

1° Tenente Carlos Wagner Ottone Veiga
2° Tenente José Ananias da Silva Pereira
1° Sargento Edmar Simões Lourenço
Sra. Josiléia Vanessa de Almeida
Sra. Maria das Graças Rodrigues Nobre
Sra. Maria das Dores Silva Carvalho
Sra. Marina de Almeida Lima
Sra. Diana Rodrigues Soares
Sr. Marcelo Nápoles de Melo

A equipe de funcionários da Funasa que estava no avião da seguiria de Tabatinga de barco até Atalaia do Norte, para participar da operação gota, uma campanha de vacinação do Ministério da Saúde em parceria com a FAB para áreas de difícil acesso, principalmente em áreas indígenas.

Fonte: Carolina Farias (R7) - Arte: O Globo

FAB analisa hipótese de falha técnica para acidente com avião

Condições de tempo e altura indicam que aeronave pode ter levado 16 minutos para cair

A FAB (Força Aérea Brasileira) analisa como principal hipótese para o acidente com o C-98 uma falha técnica do avião, que pode ter levado 16 minutos para cair. O avião desapareceu na manhã desta quinta-feira (29) quando partiu, com 11 pessoas a bordo, de Cruzeiro do Sul (AC) com destino a Tabatinga (AM) e foi localizado na manhã desta sexta-feira (30). Nove pessoas sobreviveram e duas estão desaparecidas.

Um dos coordenadores da operação de resgate do avião major-brigadeiro Souza Melo disse que as condições do tempo no momento do acidente eram boas e que não havia área de turbulência. O C-98 estava a 9.000 pés de altura (equivalente a 2.743,2 metros) e por isso Souza Melo calculou que o avião levou 16 minutos para cair. Às 9h25 de quinta, 58 minutos após decolar, a aeronave enviou o sinal de emergência. O major-brigadeiro descartou falha por parte dos pilotos.

- Em uma situação de pânico [e pela altura], pode ter levado 16 minutos para cair. Melo disse que o primeiro-tenente Carlos Wagner Ottone Veiga, piloto do avião tem sete anos de experiência, com 2.000 horas de voo e, com base nisso, descartou a erro humano na pilotagem. O avião pousou no rio Ituí, afluente do rio Javari, entre as Aldeias Aurélio (da Tribo dos Matis) e Rio Novo (da Tribo dos Murugos).

O major-brigadeiro informou que o trabalho de buscas pelo técnico da Funasa, João de Abreu Filho, e pelo suboficial da FAB Marcelo dos Santos Dias acontecerão durante toda a noite. Mergulhadores e barcos realizam os trabalhos, inclusive com a ajuda de índios Matis e Marubo. Um helicóptero e o Exército também atuam nas buscas. A aeronave está no rio Ituí a aproximadamente cinco metros de profundidade, disse o major.

Todos os nove sobreviventes da aeronave foram encaminhados ao hospital Geral do Juruá, em Cruzeiro do Sul (AC). Em entrevista ao R7, o diretor-clínico do hospital, Fábio Pimentel, afirmou que há uma mulher grávida entre os sobreviventes do acidente.

O médico diz que todos os resgatados estão aparentemente bem, mas passam por exames, como radiografias e tomografias, por precaução.

Fonte: R7, com TV A Crítica - Arte: R7

Avião está submerso em rio, diz FAB

Resgate das vítimas foi feito por guinchos, em helicópteros.

Causas do acidente ainda não foram determinadas.





O Comando da Aeronáutica informou, em entrevista coletiva realizada nesta sexta-feira (30), que as causas do acidente com a aeronave da Força Aérea Brasileira ainda não foram determinadas.

O avião caiu na região amazônica na quinta-feira (29). No total, 11 pessoas estavam a bordo. Nove foram resgatadas e levadas para o Hospital Geral do Juruá, em Cruzeiro do Sul (AC).
Segundo a FAB, a prioridade é encontrar os dois desaparecidos. O avião afundou em um rio e não há previsão de quando será retirado do local. As buscas estão sendo feitas por helicópteros da FAB e por lanchas da Marinha. Índios de aldeias da região também foram mobilizados.

Índios avisaram sobre o acidente

Segundo o Comando da Aeronáutica, índios avisaram a Fundação Nacional do Índio (Funai) sobre a queda de uma aeronave na região. A Funai avisou a FAB, que imediatamente mandou equipes de busca ao local.

Com as coordenadas passadas pelos índios, foi possível localizar a aeronave. Enquanto as equipes da FAB chegavam ao local, índios seguiram até o ponto do acidente.

Todos os sobreviventes estavam próximos ao avião, às margens do igarapé, em bom estado de saúde. O resgate das vítimas foi feito por meio de guinchos, em helicópteros.

Sobreviventes fazem exames e passam bem, segundo direção de hospital em Cruzeiro do Sul, no Acre

Quando o primeiro helicóptero chegou ao local, não havia condições de pouso. Uma equipe médica desceu e informou que os sobreviventes estavam em boas condições de saúde. Eles foram resgatados e enviados ao hospital.

O Comando da Aeronáutica informou que os relatos dos passageiros sobre o acidente não são precisos. Eles devem voltar a ser ouvidos pela FAB.

Sinal

Segundo o Comando da Aeronáutica, um equipamento da aeronave envia uma frequência em caso de impacto brusco. Um sinal chegou a ser captado por um satélite, mas não foi possivel determinar as coordenadas. Pouco depois, o avião submergiu e não foi captado nenhum outro sinal.

A aeronave está submersa em um igarapé, distante 150 metros de onde estavam os sobreviventes. Não há informações se houve falha no motor.

As circunstâncias do acidente serão investigadas por equipe do Centro de Investigação e Prevenção de Acidentes. Ainda não foi determinado o prazo para que o relatório final sobre a queda da aeronave seja entregue, pois a prioridade é encontrar os desaparecidos.

No total, 125 pessoas e nove aeronaves estão envolvidas na operação de busca.

Tripulação experiente

Segundo o Comando da Aeronáutica, a tripulação era extremamente experiente. A experiência do piloto contribuiu muito para o sucesso do pouso de emergência e para que todos os passageiros saíssem em segurança.

A aeronave era considerada segura. Era robusta, forte e adequada para muitas missões.

Fonte: G1 - Foto: Aureo Neto / Parceiro / Agência O Globo

"Estamos felizes porque estamos vivos", diz sobrevivente

"Estamos felizes porque estamos vivos. A aeronave parou no ar e entramos em pânico, e o piloto jogou o avião pra dentro do rio." O relato é de um dos nove sobreviventes do acidente com a aeronave da Força Aérea Brasileira (FAB) na Amazônia, dado ao chefe do Distrito Sanitário Especial Indigena do Alto Juruá, da Funasa, José Francisco Corrêa de Araújo.

Sobreviventes de acidente em hospital no Acre

O avião modelo Cessna Caravan, da FAB, que havia desaparecido na manhã de ontem (29) quando ia de Cruzeiro do Sul (AC) a Tabatinga (AM), foi encontrado por índios no meio da floresta nesta sexta-feira (30). Segundo o Comando da Aeronáutica, há nove sobreviventes que passam bem. Um dos ocupantes do avião está desaparecido e há indícios de um possível óbito. Ao todo, 11 pessoas viajavam na aeronave.

Seis dos sobreviventes estão no Hospital do Juruá, na cidade de Cruzeiro do Sul, no Acre, recebendo cuidados médicos e os outros três. todos militares, foram encaminhados a outro local. Havia ambulâncias do Samu e da Infraero em Cruzeiro do Sul aguardando a chegada dos sobreviventes no aeroporto da cidade. De acordo com informações do diretor-técnico do hospital, todos passam bem.

De acordo com informações da FAB, os sobreviventes podem seguir, ainda hoje, em um voo da Força Aérea para Tabatinga (AM) e Manaus. Mas, a pedido dos médicos, as vítimas devem permanecer no hospital até amanhã.

Os sobreviventes são três militares identificados como tenente Carlos Wagner Ottone Veiga, tenente José Ananias da Silva Pereira e sargento Edmar Simões Lourenço. Os demais são civis: Josiléia Vanessa de Almeida, Maria das Graças Rodrigues Nobre, Maria das Dores Silva Carvalho, Marina de Almeida Lima, Diana Rodrigues Soares e Marcelo Nápoles de Melo.

Os outros dois ocupantes do avião ainda não encontrados são: João de Abreu Filho (técnico) e o suboficial Marcelo dos Santos Dias, segundo listas divulgadas anteriormente. Um helicóptero HM-3 Cougar do Exército está no local para continuar as buscas. Uma equipe com equipamentos de mergulho será reforçada por barcos e contará com a colaboração de índios da região, diz ainda a FAB.

José Francisco que recebeu os sobreviventes no aeroporto comenta que aparentemente, todos estão bem e sem ferimentos, apenas com muitas picadas de insetos por todo o corpo, já que ficaram na floresta por mais de 24 horas. Araújo relata que todos estão em estado de choque, mas muito emocionados.

Fonte: Andréa Zílio (UOL Notícias) - Foto: G1

Quatro vítimas do acidente com avião da FAB chegam a hospital no Acre

Helicóptero da Aeronáutica pousou no Aeroporto de Cruzeiro do Sul.

Sessenta médicos foram escalados para socorrer vítimas.


O Hospital no Acre

Um helicóptero da Aeronáutica pousou no Aeroporto Internacional de Cruzeiro do Sul (AC), às 13h15 (horário local), desta sexta-feira (30), com os primeiros quatro sobreviventes do acidente com a aeronave da Força Aéra Brasileira (FAB). Eles foram levados para o Hospital Regional do Juruá, na cidade em ambulâncias do SAMU.

Segundo informações da Empresa Brasileira de Infraestrutura Aeroportuária (Infraero), sete pessoas, sendo cinco mulheres e dois homens, desceram andando do helicóptero da FAB. Todos vestiam camisetas indicando a campanha de vacinação em que trabalhavam.

A direção da unidade hospitalar escalou os 60 médicos registrados na cidade para ajudar na prestação de socorro às vítimas. Segundo Fábio Pimentel, diretor clínico do hospital, os sobreviventes serão submetidos a uma avaliação médica completa. "Serão feitos radiografias, tomografias, ressonâncias, exames laboratoriais em todos os sobreviventes trazidos. Aparentemente, todos estão bem."

A família da técnica em enfermagem Marina de Almeida Lima, que sobreviveu à queda do avião, passou a madrugada desta sexta-feira rezando na casa da vítima, em Atalaia do Norte (AM).

A aeronave desapareceu nesta quinta-feira (29) com quatro tripulantes e sete passageiros. O avião foi encontrado por integrantes da tribo Matis em meio à Floresta Amazônica, entre as Aldeias Aurélio (da Tribo dos Matis) e Rio Novo (da Tribo dos Murugos), próximo ao Rio Ituí, afluente do Rio Javari.

Pimentel disse que os 40 médicos que atuam na unidade foram chamados para fazer plantão no Pronto-Socorro. "Ainda não sabemos ainda a gravidade das lesões."

Pimentel informou ainda que as vítimas foram retiradas do local do acidente de helicóptero e levadas para a cidade. "Por se tratar de um acidente aéreo, preventivamente, convoquei todos os profissionais da saúde para ficar aqui no PS."

Vítimas

A FAB informou nesta sexta-feira que Estavam no avião 4 militares: 1° Tenente Carlos Wagner Ottone Veiga; 2° Tenente José Ananias da Silva Pereira; Suboficial Marcelo dos Santos Dias; e 1° Sargento Edmar Simões Lourenço.

A aeronave levava também sete funcionários da Funasa: os técnicos Diana Rodrigues Soares, João de Abreu Filho, Marcelo Nápoles de Melo, Maria das Dores Silva Carvalho, Maria das Graças Rodrigues Nobre e Marina de Almeida Lima, além da enfermeira Jositéria Vanessa de Almeida.

Segundo a Fundação Nacional de Saúde (Funasa), que tinha uma equipe no avião, são nove os sobreviventes entre as 11 pessoas que estavam a bordo.

Fonte: Glauco Araújo (G1) - Foto: Divulgação/Governo do Acre

Avião da FAB é encontrado por índios na Amazônia com nove sobreviventes

O avião C-98 da FAB (Força Aérea Brasileira), modelo Cessna Caravan, que desapareceu ontem na Amazônia foi encontrado no meio da floresta nesta sexta-feira (30). Segundo o Comando da Aeronáutica, há nove sobreviventes que passam bem. Um dos ocupantes do avião está desaparecido e há indícios de um possível óbito. Ao todo, 11 pessoas viajavam na aeronave.

Segundo nota do Comando da Aeronáutica, a aeronave foi encontrada nesta manhã por índios da tribo matis, que notificaram a Funai (Fundação Nacional do Índio) sobre a descoberta. A Força Aérea agora resgata as vítimas, que estão sendo encaminhadas para o Hospital Regional do Juruá, em Cruzeiro do Sul, no Acre.

O C-98 Caravan fez um pouso forçado no rio Ituí, afluente do rio Javari, entre as aldeias Aurélio, do povo matis, e Rio Novo, da etnia marubo. Uma aeronave C-105 Amazonas localizou o avião que estava desaparecido às 9h40, a partir das informações fornecidas pelos índios.

O avião acidentado pertence ao 7º Esquadrão de Transporte Aéreo (7º ETA), sediado em Manaus (AM). Ele decolou de Cruzeiro do Sul (AC) por volta das 10h30 (horário de Brasília) de ontem e deveria ter chegado às 12h15 no seu destino: Tabatinga (AM). O avião transportava técnicos da Fundação Nacional de Saúde (Funasa) e emitiu um sinal de emergência 58 minutos após a decolagem. Segundo a Aeronáutica, eram boas as condições meteorológicas no horário do desaparecimento da aeronave.

Os sobreviventes são três militares identificados como tenente Carlos Wagner Ottone Veiga, tenente José Ananias da Silva Pereira e sargento Edmar Simões Lourenço. Os demais são civis: Josiléia Vanessa de Almeida, Maria das Graças Rodrigues Nobre, Maria das Dores Silva Carvalho, Marina de Almeida Lima, Diana Rodrigues Soares e Marcelo Nápoles de Melo.

Os outros dois ocupantes do avião ainda não resgatados são: João de Abreu Filho (técnico) e o suboficial Marcelo dos Santos Dias, segundo listas divulgadas anteriormente.

Mais de cem militares participam da operação de buscas e resgates, sendo que 36 militares -entre médicos, enfermeiros e especialistas em resgate-, foram deslocados para a região delimitada pela FAB como provável local do acidente.

A Funasa informou que os familiares dos profissionais que estavam no avião estão recebendo assistência da prefeitura de Atalaia do Norte (AM), município onde residem. O diretor do Departamento de Saúde (Desai) da Funasa, Wanderley Guenka, viajou para Cruzeiro do Sul (AC) para acompanhar os trabalhos da FAB.

Segundo o secretário de Planejamento de Atalaia do Norte, João Bosco Lopes, a população indígena que mora no Vale do Javari, área do Amazonas onde desapareceu a aeronave, foi acionada para ajudar nas buscas. Nessa localidade, a única presença humana é das comunidades indígenas.

Para orientar os indígenas que se dispuseram a ajudar em Atalaia, funcionários da Funasa e da Funai estão em contato - por rádio - desde o início da manhã desta sexta com as aldeias da região.

Equipe da Funasa

A equipe que estava a bordo do avião fazia o trabalho de vacinação em aldeias indígenas do vale do Javari, no extremo oeste do Estado do Amazonas.

Em nota, o órgão afirma que os "colaboradores foram designados para ações de imunização (Operação Gota) em cerca de 3,7 mil indígenas de, aproximadamente, 40 aldeias, no vale do Javari, no Amazonas".

A operação é uma parceria entre o Ministério da Saúde e o Ministério da Defesa, por intermédio do Comando da Aeronáutica, que levava às populações residentes em áreas rurais e indígenas de difícil acesso as vacinas do calendário básico de vacinação nacional, além de vacinas específicas para povos indígenas.

Informações técnicas

Além de ser utilizado no transporte de cargas, o Caravan é bastante usado pela FAB no transporte de equipes médicas em missões do Correio Aéreo Nacional (CAN), que leva atendimento de saúde a comunidades isoladas da Amazônia. O avião é usado pela Força Aérea desde 1987.

A velocidade máxima que o C-98 Caravan pode chegar é 341 km/h. A aeronave, de fabricação da empresa norte-americana Cessna, possui 15,88 m de envergadura e 11,46 m de comprimento. O avião é utilizado no Brasil, Estados Unidos, Bolívia e Libéria. A aeronave tem capacidade para até 14 passageiros e um tripulante.

Fonte: UOL Notícias (com informações da Agência Brasil)

Avião da Guarda Costeira se choca com helicóptero na Califórnia

Pelo menos nove pessoas estariam desaparecidas em razão da colisão entre um avião da Guarda Costeira com um helicóptero militar na costa sul da Califórnia nesta quinta-feira (29), disseram as autoridades.

A colisão foi comunicada às 19:10 (hora local) e ocorreu a cerca de 24 km (15 milhas) a leste de San Clemente Island, disse o porta-voz da Guarda Costeira, o contramestre Allyson Conroy.

Um piloto disse que viu uma bola de fogo perto do local do acidente, disse o porta-voz da Administração Federal de Aviação, Ian Gregor.

Segundo informações preliminares, disse Gregor, a colisão foi entre um helicóptero Bell AH-1 Cobra do Corpo de Fuzileiros Navais e um avião de transporte Lockheed C-130 Hercules da Guarda Costeira.

Havia sete pessoas no C-130 e duas no helicóptero, disse Gregor.

O porta-voz do Corpo de Fuzileiros Navais, Corporal Michael Stevens, confirmou que um helicóptero AH-1 Cobra tinha se acidentado, sem oferecer mais detalhes.

As autoridades levaram a cabo uma missão de busca e salvamento.

Fontes: AFP / www.rescate.com

Piloto passa mal e avião da Qantas faz pouso de emergência

Um copiloto da Qantas foi forçado a declarar uma emergência, quando o capitão adoeceu durante o voo de Adelaide para Perth, na Austrália.

Um porta-voz da Qantas disse que o capitão do voo QF593 passou mal e foi incapaz de continuar conduzindo o Boeing 737-800, cerca de uma hora antes da aterrissagem prevista para a manhã desta sexta-feira (30).

Ele disse que o piloto havia sofrido um pequeno problema de saúde durante o voo e uma ambulância foi chamada para aguardar sua chegada ao aeroporto. O Boeing deixou Adelaide cerca de 6h50 (hora local) e pousou em Perth às 7h30.

O copiloto foi orientado a aterrissar na pista mais longa do aeroporto. O avião teve de ser rebocado para fora da pista em direção ao terminal doméstico da Qantas.

"O primeiro-oficial, ou segundo em comando, aterrissou a aeronave em segurança", disse o porta-voz da empresa aérea.

A Qantas informou disse que tecnicamente não foi uma aterrissagem de emergência.

O piloto doente foi atendido por paramédicos e levado de ambulância para um hospital de Perth. A Qantas informou, também, que a doença do piloto não é grave.

O voo levava 110 passageiros.

O porta-voz do Australian Transport and Safety Bureau disse que está o incidente está sendo investigado, já que o capitão foi descrito como "incapacitado" durante o voo.

Fontes: AAP via Sydney Morning Herald / WA Today / Aviation Herald

Alemão que 'vivia' em Viracopos é levado para hospital



Uma assistente social da Prefeitura de Campinas e médicos do Serviço de Atendimento Móvel de Urgência (Samu) retiraram o alemão Heinz Müller do Aeroporto Internacional de Viracopos à força, no fim da tarde desta quinta-feira. Müller estava no local desde o dia 16 de outubro. Ele dizia esperar uma mulher chamada Josiane Alves, moradora de Indaiatuba, motivo pelo qual disse ter vindo ao Brasil no começo do mês. "Nos conhecemos pela internet, em março deste ano", disse o alemão na terça-feira.

Segundo informações da Empresa Brasileira de Infraestrutura Aeroportuária (Infraero), Müller foi retirado do aeroporto após empurrar pessoas no saguão. A Infraero informou que na quarta-feira uma equipe do Samu já tinha ido ao aeroporto para conversar com o alemão, que não quis sair dali. O alemão foi levado em uma ambulância pelos profissionais para o Centro de Psiquiatria da Universidade Estadual de Campinas (Unicamp).

Müller contou ter desembarcado no Brasil em 1º de outubro e conhecido pessoalmente no dia 3 a moça por quem diz ter se apaixonado. Após ficar cinco dias em um hotel em Indaiatuba e o restante da estada, até o dia 16, em duas pensões, ele foi encaminhado para o setor de imigração de Viracopos por uma assistente social. Müller mostrou seu passaporte, válido até 2013, e uma identificação de piloto. O alemão afirma sofrer de Mal de Parkinson.

Fonte: Agência Estado via UOL Notícias

Após buscas durante a madrugada, avião da FAB continua desaparecido na Amazônia

Avião similar ao desaparecido

Em nota na manhã desta sexta-feira (30), o Comando da Aeronáutica informa que as buscas ao avião C-98 Caravan da Força Aérea Brasileira (FAB), desaparecido desde ontem (29) com 11 pessoas a bordo, prosseguiram durante toda a madrugada com um helicóptero do Exército e a aeronave de reconhecimento R-99, que possui um sensor para varredura térmica - mesmo modelo usado nas buscas pelo avião da Air France que caiu no oceano Atlântico no mês de maio. No entanto, não foram encontrados sinais da aeronave.

As buscas prosseguem hoje, segundo a Aeronáutica. Neste momento, sete aeronaves da FAB e uma do Exército brasileiro procuram o avião desaparecido: dois helicópteros H-60L BlackHawk, um helicóptero HM-3 Super Cougar (Exército), um KC-130 Hércules, um SC-95 Bandeirante, dois C-105 Amazonas e um R-99.

A aeronave decolou de Cruzeiro do Sul por volta das 10h30 (horário de Brasília) de ontem e deveria ter chegado às 12h15 no seu destino: Tabatinga (AM). O avião transportava técnicos da Fundação Nacional de Saúde (Funasa) e emitiu um sinal de emergência 58 minutos após a decolagem. Até o momento, não há informações sobre seu paradeiro.

"Com base nas informações do ELT (sinal de emergência) e dos últimos contatos por radar e rádio com o controle de tráfego aéreo, foi possível estabelecer uma área para início das buscas", disse a FAB, em nota.

Mais de cem militares participam da operação de resgate, sendo que 36 militares - entre médicos, enfermeiros e especialistas em resgate-, foram deslocados para a região, anunciou o órgão.

A Aeronáutica informa que eram boas as condições meteorológicas no horário do desaparecimento da aeronave e as mesmas prosseguem nessa situação neste momento.

Dos 11 passageiros, sete são funcionários da Funasa e quatro são militares. A Força Aérea ainda não confirma a queda do avião.

Equipe da Funasa

A equipe que estava a bordo do avião fazia o trabalho de vacinação em aldeias indígenas do vale do Javari, no extremo oeste do Estado do Amazonas.

A assessoria de comunicação da Funasa em Brasília confirmou que havia técnicos do órgão dentro do avião. Em nota, o órgão afirma que os "colaboradores foram designados para ações de imunização (Operação Gota) em cerca de 3,7 mil indígenas de, aproximadamente, 40 aldeias, no vale do Javari, no Amazonas".

A operação é uma parceria entre o Ministério da Saúde e o Ministério da Defesa, por intermédio do Comando da Aeronáutica, que levava às populações residentes em áreas rurais e indígenas de difícil acesso as vacinas do calendário básico de vacinação nacional, além de vacinas específicas para povos indígenas.

Informações técnicas

Além de ser utilizado no transporte de cargas, o Caravan é bastante usado pela FAB no transporte de equipes médicas em missões do Correio Aéreo Nacional (CAN), que leva atendimento de saúde a comunidades isoladas da Amazônia. O avião é usado pela Força Aérea desde 1987.

A velocidade máxima que o C-98 Caravan pode chegar é 341 km/h. A aeronave, de fabricação norte-americana, possui 15,88 m de envergadura e 11,46 m de comprimento. O avião é utilizado no Brasil, Estados Unidos, Bolívia e Libéria. A aeronave tem capacidade para até 14 passageiros e um tripulante.

Fonte: UOL Notícias - Arte: G1 - Foto: Divulgação/FAB

quinta-feira, 29 de outubro de 2009

Foto do Dia

Clique na foto para ampliá-la

Treinamento de formação em voo com helicópteros Mil Mi-28N da Força Aérea da Rússia, em 16 de agosto de 2009, sobre o Aeroporto Moscovo Zhukovsky (Ramenskoye)(UUBW), em Moscou Oblast, na Rússia.

Foto: Oleg V. Belyakov (Airliners.net)

Equador recebe os três aviões doados pela Venezuela

Os três aviões Mirage 50 doados pelo governo de Venezuela chegaram hoje à Base Aérea de Taura, na costa equatoriana. A operação de transferência das aeronaves foi acompanhada pelo alto-comandante da aviação venezuelana, o general Gregório Pérez.

A informação foi confirmada à ANSA pela Força Aérea Equatoriana. Os aviões foram entregues em uma cerimônia especial presidida pelo chefe do Comando de Operações Aéreas e Defesa do Equador, Alonso Espinosa.

O oficial assegurou que os aviões serão usados para operações de defesa, já que são "interceptores puros". As aeronaves, segundo Espinosa, "estão em condições de decolar em dois minutos para realizar qualquer defesa em qualquer avião que esteja voando no céu equatoriano".

O Equador aceitou a doação de seis aeronaves do mesmo modelo da Venezuela. A intenção do governo do presidente Rafael Correa é potencializar a frota de sua Força Aérea. Em dezembro, o país deverá receber as outras aeronaves.

A doação por parte da Venezuela gerou críticas devido ao fato de que os aviões foram fabricados no fim da década de 1960, apesar de já terem passado por modernizações.

Fonte: ANSA - Fotos: Carlos Ramírez (El Nacional) / EFE

TAM incluirá mais um avião na linha de Rio de Janeiro a Nova York

O diretor de Alianças e Relações Internacionais da TAM, Marcelo Varella, afirmou que a empresa vai incluir um avião Airbus A 330 para fazer a linha Rio-Nova York em alguns dias da semana. Atualmente, a rota é realizada por um Boeing 767. Varella afirmou que é provável que a rota se torne diária.

- Apostamos no Rio antes de a cidade ser escolhida para os Jogos Olímpicos, Hoje, procuramos aumentar a capacidade de operação entre o Rio e Nova York. O tesouro de se ter um slot (autorização de operação) no aeroporto John F. Kennedy tem de ser muito bem explorado - disse Varella, na terça-feira, no aeroporto de Newark , em Nova Jersey, onde a Continental anunciou sua entrada na Star Alliance, rede global de companhias aéreas em que a TAM também negocia a sua entrada.

Fonte: Gustavo Alves (O Globo)

Diretor da TAM defende aumento de tarifas

O diretor de Alianças e Relações Internacionais da TAM, Marcelo Varella, defendeu o reajuste das tarifas aéreas da companhia, durante a cerimônia de anúncio da entrada da Continental Airlines para a Star Alliance, realizada na terça-feira no aeroporto de Newark, em Nova Jersey.

- O ano não foi muito feliz por causa da crise mundial e da gripe suína. A recuperação do setor foi forte, mas talvez haja a necessidade de aumentar um pouco as tarifas - avaliou Varella.

Em todo o mundo, as companhias aéreas estão procurando cortar custos, ainda para enfrentar a crise mundial. Nos EUA, a Southwest e a AirTran lançaram pacotes de tarifas até US$ 25 mais baratas para viagens durante o inverno americano. E a United Airlines aposentou ontem seu ultimo boeing 737, para usar aviões que consomem menos combustível.

Fonte: Gustavo Alves (O Globo)

Pilotos violaram claramente normas da empresa, diz CEO da Delta

O executivo-chefe da Delta Air Lines Inc. disse na quinta-feira que a empresa vai avaliar o caso dos pilotos de um voo da Northwest Airlines que passou do seu destino, já que o uso de laptops na cabine do avião é uma clara violação das normas da companhia aérea.

No começo desta semana, as autoridades do setor de regulamentação aérea dos Estados Unidos revogaram a licença dos dois pilotos da Northwest, que admitiram ter perdido sua posição durante o voo de 21 de outubro porque usavam laptops e discutiam sobre a política da empresa.

Os pilotos do voo 188 da Northwest, que ia de San Diego a Minneapolis, perderam contato com controladores aéreos por mais de uma hora e passaram mais de 240 quilômetros do aeroporto de Minneapolis-St Paul, disseram autoridades da aviação.

"A melhor maneira de eu descrever o incidente a vocês é: 'nós não operamos aviões desse modo'", disse o executivo-chefe da Delta, Richard Anderson, em uma mensagem gravada a empregados da companhia. "Nós operamos profissionalmente, nós seguimos nossos procedimentos padrão nas operações ..."

Anderson acrescentou que "ter laptops abertos em uma cabine de avião foi uma clara violação de nossas regras" e disse que o incidente foi uma "anomalia".

Os pilotos disseram ao Conselho Nacional de Segurança em Transporte (NTSB, na sigla em inglês) que "perderam a noção do tempo" durante uma conversa sobre a nova escala de trabalho da tripulação. Como parte da discussão, eles usavam seus computadores pessoais, disseram autoridades.

A Delta informou ter suspendido os pilotos, identificados como Timothy Cheney e Richard Cole, enquanto espera o resultado da investigação da NTSB e de uma averiguação interna da companhia.

"Isto é de fato algo básico ao conduzir um avião: que você esteja atento e atue com profissionalismo," acrescentou Anderson na mensagem. "Aquela tripulação não fez isso e nós vamos agir em relação a isso da maneira apropriada".

A Delta se tornou a maior companhia aérea do mundo quando comprou a Northwest um ano atrás.

Fonte: Karen Jacobs e John Crawley (Reuters/Brasil Online) via O Globo

Crédito tributário turbina lucro da Embraer no trimestre

A Embraer fechou o terceiro trimestre de 2009 com lucro líquido de R$ 221,9 milhões, beneficiada, segundo a empresa, "pela reversão de provisões de imposto de renda e contribuição social diferidos, como consequência da apreciação do real sobre os ativos não monetários, em especial os estoques".

Traduzindo: a empresa havia registrado pagamento de imposto diferido por conta da desvalorização no real no passado, que havia inflado o valor em reais de ativos no exterior, sem que de fato tivesse tido ganhos efetivos. Agora que o dólar recuou, ela pode reverter as provisões feitas e ativar créditos tributários.

No terceiro trimestre de 2008, a fabricante de aviões tinha registrado prejuízo líquido de R$ 39,2 milhões, sob o impacto de perdas com derivativos cambiais.

A receita líquida com vendas da fabricante de aviões totalizou R$ 2,327 bilhões no trimestre, ante os R$ 2,578 bilhões apurados entre julho e setembro de 2008, uma queda de 9,7%. Já o lucro bruto recuou 29%, para R$ 411,2 milhões, com a margem bruta caindo de 22,5% para 17,7%.

O lucro operacional diminuiu 42,2%, para R$ 162 milhões no terceiro trimestre.

No trimestre, foram entregues 57 aeronaves, incluindo 29 jatos para o setor de aviação comercial, 27 para o segmento de aviação executiva e 1 para a área de defesa. Foram 9 aviões a mais do que o total entregue no mesmo trimestre do ano passado.

No final de setembro, a carteira de pedidos firmes da empresa somava US$ 18,6 bilhões, o que representa uma queda ante os US$ 19,8 bilhões do fim de junho.

Do lado dos gastos, a empresa mencionou que houve redução de 17% nas despesas operacionais da companhia, para R$ 249,2 milhões, "refletindo os ajustes efetuados na estrutura de custos, o rígido controle das despesas e os ganhos de produtividade, principalmente por conta dos ajustes iniciados em 2008 nas estruturas de pessoal de todas as áreas e no controle de custos e gastos das mesmas".

No início deste ano, a Embraer demitiu 4,27 mil empregados, o equivalente a 20% de sua força de trabalho.

Fonte: Paula Cleto e Fernando Torres (Valor Online) via O Globo

Helicóptero da PRF sofre danos no motor e está sem uso

Aeronave só deve voltar a funcionar em dezembro

Santa Catarina deve ficar sem monitoramento e resgate feitos pelo helicóptero Bell 407, prefixo PT-YZJ (foto acima), da Polícia Rodoviária Federal (PRF) pelo menos até dezembro. A aeronave teve danos no motor, que precisou ser enviado para a fábrica nos Estados Unidos, após uma vistoria em São Paulo. Já faz dois meses que o helicóptero está quebrado, mas a expectativa é que volte a funcionar para a temporada de verão.

Enquanto a aeronave da PRF não fica pronta, as vítimas de acidentes no Estado contam com atendimento aéreo feito pela Polícia Militar (PM). De acordo com o inspetor da PRF, Leandro Andrade, viaturas e equipes do Corpo de Bombeiros e do Serviço de Atendimento Móvel de Urgência (Samu) também fazem o resgate:

— No momento estamos inviabilizados, mas as equipes em terra, as viaturas, atendem normalmente na região da Grande Florianópolis, onde nós temos uma ambulância de resgate — disse o inspetor.

Na BR-101, no trecho duplicado, a empresa concessionária também auxilia no atendimento às vítimas de acidentes.

No Brasil, há 10 helicópteros como este. Em Santa Catarina, ele entrou em operação em 2003, e até agosto deste ano, já foram efetuadas 1.072 missões de resgate e socorro.

O helicóptero tem equipamentos necessários para fazer o transporte das vítimas e é autorizado pela Agência Nacional de Aviação Civil (Anac) para atender a este tipo de ocorrência. Conta com um convênio com o Samu, que disponibiliza médicos, enfermeiros e equipamentos necessários para se tornar uma unidade de terapia intensiva (UTI) aérea.

Assista à reportagem da RBS TV

Fonte: Jornal de Santa Catarina - Foto: airfln.com.br

Memória: acidentes envolvendo aeronaves da FAB nos últimos oito anos

Nos últimos oito anos, aviões e helicópteros da Força Aérea Brasileira (FAB) estiveram envolvidos em pelo menos sete acidentes. O mais recente deles aconteceu em novembro do ano passado, quando três militares morreram e outros três ficaram feridos na queda de um helicóptero na cidade de Icapuí, no interior do Ceará. A aeronave modelo H-IH fazia a rota entre Natal, no Rio Grande do Norte, e Fortaleza e teria tentado um pouso forçado em um campo de futebol na periferia da cidade. Um incêndio acabou matando os três militares.

Em abril de 2007, uma aeronave A-29 Super Tucano caiu quando sobrevoava Boa Vista, capital de Roraima. A queda, que teria sido causada pelo mau tempo na região, provocou a morte de um co-piloto.

Em dezembro do mesmo ano, um caça modelo AT 26 Xavante caiu em Formosa, interior de Goiás. O acidente aconteceu quando o avião se deslocava de Brasília para Petrolina, em Pernambuco. O piloto sobreviveu porque conseguiu se ejetar da aeronave antes do acidente.

Este não tinha sido o primeiro acidente com um Xavante. Em novembro de 2006, outro avião do mesmo modelo caiu em Anápolis quando fazia um treinamento de rotina. O piloto também conseguiu se ejetar e sobreviveu.

Em 2005, dois militares morreram devido a queda de um helicóptero do Segundo Esquadrão do Décimo Grupo de Aviação, sediado na Base Aérea de Campo Grande (MS). O acidente ocorreu durante uma missão de treinamento realizada nas proximidades da pista de pouso da base aérea.

Três anos antes, três pessoas morreram e 14 ficaram feridas em um acidente com um avião Bandeirante C-95 próximo ao Aeroporto Afonso Pena, em São José dos Pinhais, na região metropolitana de Curitiba.

Em 2001, uma aeronave C-130 Hércules caiu na serra da Tiririca, em Niterói, causando a morte de nove pessoas.

Fonte: O Globo

Buscas ao avião desaparecido vão continuar durante toda a noite

As buscas ao avião C-98 Caravan da Força Aérea Brasileira (FAB) vão continuar durante toda a noite, segundo nota divulgada há pouco pelo Centro de Comunicação Social da Aeronáutica. Uma aeronave de reconhecimento, equipada com um sensor térmico, está fazendo uma varredura na região onde o Caravan mandou um sinal de emergência.

De acordo com a nota, o Salvaero, órgão da FAB que coordena as operações de busca e resgate no país, recebeu um sinal de emergência do avião que ia de Cruzeiro do Sul, no Acre, para Tabatinga, no Amazonas, 58 minutos depois da decolagem.

A FAB diz ainda que será montada uma base de operações na cidade de Cruzeiro do Sul, com a presença de 36 militares, entre médicos, enfermeiros e especialistas em resgate.

O Caravan transportava 11 pessoas, quatro tripulantes e sete passageiros. O grupo iria participar de uma campanha de vacinação do Ministério da Saúde numa comunidade indígena. As famílias dos militares e dos civis estão recebendo assistência e informações sobre o trabalho de busca.

Fonte: Agência Brasil via 45 graus

Policiais fecham rádio pirata que interferia em aeroporto de SP

Uma rádio pirata foi fechada na manhã desta quinta-feira no Jardim Jaguaribe, em Osasco, na Grande São Paulo, durante a Operação Gênese, da Polícia Civil. De acordo com a polícia, a rádio denominada 107 FM, de frequencia 107,1 fm, interferia no tráfego aéreo do Aeroporto Internacional de Guarulhos (Cumbica).

Dentro de um apartamento localizado 16° andar de um edifício do Condomínio Amazonas foram apreendidos um transmissor, um receptor de link e um computador que eram usados pela rádio.

A operação Gênese acontece em todo o Estado de São Paulo desde o início da madrugada desta quinta-feira. Segundo nota da Polícia Civil, entre os objetivos da operação estão a prisão de foragidos, apreensão de produtos piratas e máquinas caça-níqueis, cumprir mandados de prisão e de busca e apreensão.

Diversos departamentos da corporação participam da operação, que se estende até as 13h desta quinta. Não foram dados detalhes sobre os casos, para não atrapalhar as investigações.

Fonte: Terra

Queda de helicóptero na selva peruana mata dois

A queda de um helicóptero hoje (29) entre as localidades de Trompeteros e Saramurona, na região de Loreto, na Amazônia peruana, deixou dois mortos e dois feridos, informaram veículos de imprensa em Lima.

Os falecidos foram identificados como Hernie Córdova, o piloto da aeronave, e Edgard Zevallos, segundo o portal de notícias Peru.com.

A aeronave era um Eurocopter Ecureuil (Esquilo) da empresa Helinka.

Na terça-feira passada, um helicóptero do Exército do Peru caiu em uma região remota do departamento (estado) de Huancavelica, no sudeste do país, após enfrentar fortes ventos, mas seus tripulantes ficaram apenas feridos.

Fonte: EFE via G1 / Rádio CPN / Tiempos De La Internet / peru.com - Atualizado às 09:13 hs de 30.10.09 com a retirada da foto.