quarta-feira, 5 de agosto de 2009

Obras no aeroporto de Salvador modificam 26 voos diários

Trabalhos ocorrerão na parte central da pista; 12 voos noturnos foram cancelados e 14 tiveram horários alterados

A reforma na pista do Aeroporto Internacional de Salvador, iniciada em março ao custo de R$ 13,2 milhões, entrou em fase final nesta terça-feira, 4. De acordo com a Empresa Brasileira de Infraestrutura Aeroportuária (Infraero), 26 voos diários serão modificados - 12 voos noturnos serão cancelados e 14 terão seus horários alterados.

Segundo a estatal, as obras serão realizadas na parte central da pista e o aeroporto precisará ficar fechado durante os trabalhos. As obras seguem até 2 de novembro e vão ocorrer diariamente, entre às 0h30 e às 6h30. A Infraero orienta os passageiros a procurar a companhia aérea responsável pelo voo em caso de dúvida.

Fonte: iBahia - Foto: Revista Bahia Acontece

VOOS REMANEJADOS

VOO - HORÁRIO ATUAL - HORÁRIO NO PERÍODO DA OBRA

TAM 3170/3171
00:55 (chegada) /06:00 (partida)
00:05 (chegada) /06:30 (partida)

TAM 35650
6:25(chegada) /07:00 (partida)
06:35 (chegada) /07:05 (partida)

TAM 3178
22:00(chegada) /22:45 (partida)
22:30 (chegada) /23:15 (partida)

TAM 3564

00:05 (chegada) /00:40 (partida)
22:50 (chegada) /23:25 (partida)

GOL 1606
00:00 (chegada) /00:40 (partida)
23:39 (chegada) /00:11 (partida)

GOL 1714
23:50 (chegada) /00:40 (partida)
23:35 (chegada) /00:10 (partida)

GOL 1805
23:20 (chegada) /23:50 (partida)
23:20 (chegada) /00:15 (partida)

GOL 1896
00:10 (chegada) /00:40 (partida)
23:40 (chegada) /00:10 (partida)

GOL 1607
06:10 (chegada) /07:10 (partida)
06:35 (chegada) /07:10 (partida)

GOL 1642
SAÍDA 06:55
SAÍDA 07:00

GOL 1643
CHEGADA 23:45
CHEGADA 23:30

GOL 1715
06:05 (chegada) /06:50 (partida)
06:30 (chegada) /07:10 (partida)

GOL 1804
06:20 (chegada) /07:10 (partida)
06:30 (chegada) /07:10 (partida)

GOL 1897
06:10 (chegada) /06:55 (partida)
06:30 (chegada) /07:10 (partida)

Fonte: Infraero

Foto do Dia

Atmosfera terrestre é fotografada por tripulação do Endeavour

Foto mostra atmosfera terrestre (azul claro e escuro) no exato momento em que era colorida pela luz do Sol (alaranjado)
Clique na imagem para ampliá-la

A Nasa, agência espacial americana, divulgou na segunda-feira (3) uma imagem em cores da atmosfera terrestre no exato momento em que era colorida pela luz do Sol. A foto foi captada pela tripulação do ônibus espacial Endeavour no último dia 29 de julho - um dia antes do retorno à Terra após missão de 16 dias na Estação Espacial Internacional (ISS).

A fotografia registra as camadas de gases que protegem os organismos vivos da Terra, impedindo que o oxigênio escape e diminuindo a força dos raios ultravioleta emitidos pelo Sol. A atmosfera é composta pela troposfera, estratosfera, mesosfera, ionosfera e exosfera.

Fonte: Terra - Foto: NASA

Crônica sobre OVNIs: Brasil

O avistamento de objetos no céu, as mensagens vindas de outras galáxias e as visitas de extraterrestres ao nosso planeta tornaram-se temas cotidianos da cultura popular latino-americana.

O Brasil não está isento da ocorrência de tais fenômenos. Muitos de seus habitantes – de moradores de zonas rurais a militares da Força Aérea – já foram testemunhas de estranhas aparições nos céus do país.

Acompanhe-nos nesta fascinante viagem por terras brasileiras em busca de histórias que são apenas uma pequena amostra dos casos registrados diariamente. Estamos diante de um delírio coletivo ou podemos falar de uma realidade oculta? Uma produção original e exclusiva do Infinito realizada no Brasil.

CLIQUE AQUI E ASSISTA O DOCUMENTÁRIO

Fonte: Infinito TV On Demand via TV UOL - Foto: allnewsweb.com

Amiga de adolescente morta em voo conta últimos momentos com garota

Menina de 13 anos sofre com lembrança da morte de Jacqueline Ruas.

'Uma amiga nossa encostou e sentiu a Jacque fria', disse Marinna Sordi.


Jacqueline Ruas, adolescente que morreu durante voo para SP

Após duas semanas de muita diversão na Disney, a rotina da estudante Marinna Sordi, de 13 anos, mudou drasticamente. Agora, quando não está dormindo, pensa apenas na amiga Jacqueline Ruas e no fim abrupto da vida da colega.

Marinna é uma das 29 crianças e adolescentes que participaram de uma excursão ao parque temático em Orlando, nos Estados Unidos, no último dia 19. No retorno ao Brasil, ocorrido entre a noite do último sábado (1º) e a madrugada de domingo (2), Jacqueline, de 15 anos, morreu em pleno voo.

Em entrevista ao G1 nesta quarta-feira (5), a estudante relatou que a amiga estava muito debilitada por causa da doença. O pai dela, o consultor de segurança Marcos Sordi, de 44 anos, acusa a empresa Tia Augusta, responsável pela excursão, de ter sido negligente.

Procurada pela reportagem nesta quarta (5), a empresa informou que seguiu todos os procedimentos necessários, negou ter cometido qualquer erro e disse que Jacqueline foi liberada pelas autoridades de saúde dos Estados Unidos para viajar.

Nota

Na tarde desta quarta, a agência de turismo enviou uma nota à imprensa (veja a íntegra no fim desta reportagem) e não quis comentar especificamente as declarações da colega de Jacqueline.

Companheiras em hotel

Marinna afirmou que, apesar de ter conhecido pessoalmente Jacqueline há apenas duas semanas, quando embarcavam no aeroporto de Cumbica, em Guarulhos, na Grande São Paulo, ambas tornaram-se amigas. Tanto é que, junto com outras duas garotas, dividiram o mesmo quarto no hotel em que ficaram. “Ela era muito feliz. Vivia sorrindo”, lembra.

Na primeira semana de viagem, as amigas aproveitaram ao máximo as atrações da Disney. “Íamos a todos os brinquedos juntas”, disse. Durante os passeios no parque, foram a brinquedos de água e chegaram a tomar chuva.

Na segunda semana, porém, as quatro colegas que dividiam o mesmo quarto acordaram sentindo-se mal. Foram atendidas no próprio hotel e medicadas. Em menos de 24 horas, três delas melhoraram e voltaram aos passeios normais. Jacqueline, porém, não se recuperava, segundo relato da garota.

No dia 26, Marinna diz que a amiga começou a apresentar sintomas de forte gripe. O serviço médico novamente foi acionado. “Minhas amigas ouviram uma médica dizer, em inglês, que nem precisava fazer exame porque a Jacque estava com sintomas da nova gripe”, afirmou.

Piora

Desse dia em diante, Jacqueline piorou cada vez mais, de acordo com a garota. Foi levada a um hospital norte-americano e submetida a exames para a detecção de gripe suína. Com o resultado negativo para a presença do vírus, foi liberada.

Nos últimos dias, porém, a saúde de Jacqueline se deteriorou. Ela mal conseguia caminhar, segundo a amiga.

Menina morreu no domingo

"Fomos a um outlet e ela ficou sentada. Ela pedia para a gente comprar as coisas que queria.” Marinna conta que a mala da garota teve de ser feita pelas outras amigas porque Jacqueline não tinha forças para isso.

Na noite de sábado, a adolescente teria se sentido muito cansada. Foi nessas condições que embarcou nos Estados Unidos. “Na viagem ao Panamá [onde o avião fez uma escala], dormiu o tempo todo”, lembrou Marinna.

Antes de sair do avião, de acordo com a colega, Jacqueline ficou tonta e só conseguiu se locomover em cadeira de rodas, com o auxílio das amigas. No país centro-americano, onde permaneceu por três horas, novamente dormiu. “Ela nem quis nos acompanhar nas compras”, disse Marinna.

Cadeira de rodas

Ao embarcar em uma aeronave que seguia para o Brasil, foi levada na cadeira de rodas. Ao chegar a seu assento, dormiu mais uma vez. Acordou apenas para comer uma garfada de espaguete. “Depois, chamamos a Jacque de novo, e ela nem conseguia abrir os olhos”, disse Marinna.

Por volta das 3h30, segundo relatou Marinna, colegas tentaram acordar Jacqueline, mas ela não respondeu. “Uma amiga nossa encostou e sentiu a Jacque fria. Ela chamou a guia”, afirmou. Assustados com a saúde da jovem, a guia e a tripulação pediram ajuda a dois médicos que estavam no mesmo voo.

Ao perceberem a gravidade da situação, disse, os médicos iniciaram os procedimentos de reanimação no corredor, ao lado das crianças. “Todos começamos a chorar.”

De acordo com a garota, Jacqueline foi, então, levada pelos médicos, a tripulação e a guia que acompanhava os jovens ao fundo do avião, onde passou a receber massagem cardíaca. Minutos de suspense depois, a guia voltou chorando.

“Ela nem precisou falar nada. Só pela cara já sabíamos que a Jacque estava morta”, disse Marinna.

No restante da viagem, o clima era de luto. Muitos não continham as lágrimas, inclusive Marinna. Quando se pensava que o pior já havia acontecido, um novo incidente deixou todos chocados.

“Quando o avião pousou, a aeromoça disse que devíamos permanecer sentados por causa de uma emergência médica. ”Em seguida, disse, duas pessoas passaram pelo corredor levando o corpo da adolescente pelos braços e pernas.

Ao contar para os pais sobre o que aconteceu, Marinna Sordi foi levada ao Hospital Albert Einstein, onde ficou internada por um dia e liberada. Apesar do trauma, ela está bem.

Pai

Indignado com a morte da amiga da filha, o pai de Marinna, o consultor de segurança Marcos Sordi, de 44 anos, acusa a empresa Tia Augusta, responsável pela excursão, de ter sido negligente.

“Havia o risco de contágio e mantiveram as quatro no mesmo quarto. Pelo menos deviam ter isolado a menina [Jacqueline]”, afirmou.

Para ele, a guia responsável pelos adolescentes não tinha capacidade para exercer a função. Após saber, por meio da filha, que uma das garotas estava com sintoma da nova gripe, ele ligou para a guia.

“Ela falou que era uma gripe normal, por conta da fadiga, do calor. Falei que tinha de ver direito, fazer exames, mas ela rebateu que não havia problema.”

Outro lado

Veja aqui a íntegra do comunicado enviado pela Tia Augusta Turismo:

Em respeito aos nossos clientes, parceiros e amigos, e a partir de algumas informações desencontradas que têm sido divulgadas sobre as circunstâncias que levaram ao falecimento da jovem Jacqueline Ruas no último domingo, a Tia Augusta Turismo vem a público prestar os seguintes esclarecimentos:

1) A agência jamais omitiu quaisquer informações à família sobre a saúde da jovem desde a primeira vez em que a guia Gisele dos Santos acionou a médica do seguro-viagem para prestar o primeiro atendimento a Jacqueline, no dia 28 de julho;

2) O diretor executivo da Tia Augusta Turismo, Filipe Fortunato, fez vários contatoscom a família de Jacqueline para prestar solidariedade diante da lamentável fatalidade. A agência reitera que ofereceu à família todo o suporte necessário para que os pais ou outro familiar de Jacqueline possam viajar para Orlando para que obtenham junto ao Hospital Celebration todos os exames feitos na jovem durante o período em que lá permaneceu, na madrugada do dia 31 de julho, que incluem a radiografia no pulmão e o teste para detecção de gripe A, com o resultado negativo. Importante ressaltar que a agência, na última segunda-feira, já havia disponibilizado à imprensa o documento de alta do atendimento emergencial no hospital;

3) Não é verdade, portanto, que a Tia Augusta Turismo tenha sonegado qualquer tipo de informação sobre o caso. Foi informado à família que o hospital em Orlando só fornece os exames a partir de pedido expresso da própria família;

4) Importante ainda esclarecer que Jacqueline Ruas não foi internada, mas que recebeu apenas atendimento no pronto-socorro, de onde foiliberada para seguir viagem;

5) Também cabe aqui destacar que a cadeira de rodas que levou Jacqueline à área de embarque durante a escala no Panamá foi oferecida pela guia, já que a jovem afirmou estar com tontura. Ainda assim, a guia perguntou a Jacqueline se ela estava bem para viajar. Com a resposta afirmativa, todo o grupo seguiu viagem;

6) A Tia Augusta Turismo entrou em contato com os familiares dos jovens queestavam no mesmo grupo de Jacqueline para explicar sobre os procedimentos adotados pela agência durante a viagem em relação à Jacqueline. O mesmo comunicado foi divulgado à imprensa na última segunda-feira;

7) Na conversa com os pais, ficou constatado que não havia um caso de gripe A no grupo. Segundo a agência apurou, tratava-se, na verdade, de resultado positivo de uma criança para quadro viral, sem definição de que se tratava de gripe A. Logo, nenhum passageiro do grupo viajou com Gripe A no voo de volta ao Brasil, o que inclui a própria Jacqueline, segundo o Hospital Celebration;

8) A Tia Augusta Turismo, por meio de seu diretor executivo, Filipe Fortunato, tomou a iniciativa de pedir um encontro com a família para esclarecer quaisquer outros fatos ligados ao caso. Mesmo com as informações veiculadas pela imprensa sobre os eventuais procedimentos jurídicos analisados pela família, a Tia Augusta Turismo reitera que continua absolutamente aberta aos familiares para que se dirijam até a agência, onde serão recebidos;

9) Até o momento, a agência ainda não obteve retorno dos comunicados enviados na terça-feira, dia 4, ao Ministério da Saúde e à Embaixada do Brasil nos Estados Unidos para que nos auxiliem ou à própria família da Jacqueline na busca de informações junto ao hospital e às autoridades americanas para conhecer com detalhes todos os procedimentos médicos adotados no Hospital Celebration, que deu alta a jovem do atendimento emergencial realizado na madrugada do dia 31;

10) Por fim, agradecemos todas as manifestações de solidariedade de clientes e amigos por nossa conduta no caso, e ainda da Braztoa (Associação Brasileira das Operadoras de Turismo), Fenactur (Federação Nacional do Turismo) e Abav (Associação Brasileira de Agências de Viagem). Todos, assim como nós,convictos de que a Tia Augusta Turismo fez tudo o que estava ao seu alcance em relação à jovem Jacqueline Ruas. Queremos ainda reiterar que em mais de 35 anos de história, com mais de 300 mil turistas levados aos Estados Unidos, a Tia Augusta Turismo jamais teve qualquer problema como a fatalidade que levou ao falecimento da jovem.

São Paulo, 5 de agosto de 2009
Tia Augusta Turismo


Fonte: Paulo Toledo Piza (G1) - Fotos: Reprodução/Tv Globo

Avião dos EUA mata mulher de chefe do Taliban paquistanês

A mulher do líder do Taliban do Paquistão Baitullah Mehsud estava entre três pessoas que morreram nesta quarta-feira em um ataque realizado por um avião teleguiado norte-americano na região tribal do Waziristão, no sul do país, informaram parentes da vítima à Reuters.

Segundo um parente da mulher, Mehsud não estava presente quando os mísseis atingiram uma casa pertencente a seu sogro em Makeen, uma aldeia praticamente inacessível no centro das terras de Mehsud, na fronteira do Afeganistão.

"Baitullah está seguro e vivo", disse Iqbal Mehsud, um primo da mulher morta, à Reuters por telefone.

Os Estados Unidos ofereceram 5 milhões de dólares de recompensa pela cabeça de Mehsud, um aliado da Al Qaeda considerado por muitos no Paquistão como o inimigo público número 1.

Fonte: Alamgir Bitani (Reuters/Brasil Online) via O Globo

Tripulação do avião não foi informada sobre problema de saúde de adolescente que morreu em voo

A diretora do Sindicato Nacional dos Aeronautas, a comissária de voo Marlene Ruzza, disse que a empresa de turismo Tia Augusta cometeu um erro ao não informar o estado de saúde de Jacqueline Ruas para os comissários do voo 758 da Copa Airlines. Segundo ela, é obrigação do passageiro ou do responsável fazer esse comunicado para que a companhia aérea tome determinadas providências.

A Copa não foi avisada de que a jovem havia sido diagnosticada com pneumonia nos EUA. O certo seria ela viajar com um atestado médico ou acompanhada de enfermeiros ou médicos. Se a companhia aérea fosse avisada, poderia tomar providências, como, por exemplo, arrumar um cilindro de oxigênio ou impedir a jovem de embarcar. Segundo Marlene, as condições climáticas da cabine do avião podem agravar o estado de saúde de uma pessoa com doença respiratória.

- O avião é pressurizado, com uma pressão atmosférica que equivale a cerca de 2.500 metros de altura. E, para piorar, o clima é seco por causa do ar-condicionado. Ela precisaria de um cuidado especial.

A diretora diz que, além das máscaras de oxigênio para casos de emergência, o avião é equipado com cilindros de oxigênio.

- No caso da estudante, o ideal é que ela fosse atendida com o oxigênio que tem a bordo, esse é um dos primeiros procedimentos - diz.

Mas, segundo a Copa Airlines, o cilindro de oxigênio não fazia parte dos primeiros socorros neste caso. A Tia Augusta não comentou por que não avisou a companhia sobre o estado de saúde da menina. No Panamá, Jacqueline disse à guia que estava com tontura. Segundo a Tia Augusta, a guia perguntou a ela se estava bem para embarcar. O caso continua sendo investigado pela Polícia Federal.

A família da adolescente Jacqueline Ruas, de 15 anos, que morreu no avião, na volta de uma excursão à Disney, decidiu processar a empresa de turismo Tia Augusta, que organizou a viagem.

- A decisão de processá-los (agência de turismo) já foi tomada, por causa da soma de negligências que levou à fatalidade. Em nenhum momento, comunicaram à família a gravidade do caso. Minha sobrinha poderia até vir a óbito, mas a família tinha que ser informada sobre a gravidade do caso. Se ela passou mal no voo, não deveria ter embarcado de cadeira de rodas no Panamá. Deveria ter sido atendida por um médico e a família deveria ser avisada - diz Magda Paz Santos, tia da menina.

Fonte: Fabiano Nunes (Diário de S.Paulo) via O Globo

Avião que fez pouso forçado após turbulência terá caixas-pretas analisadas

As caixas-pretas do voo CO 128 da Continental Airlines, que fez um pouso forçado na manhã de segunda-feira em Miami, depois que uma severa turbulência deixou 26 pessoas feridas, foram recolhidas para investigação. A informação é da Federal Aviation Administration (FAA) - agência de aviação americana. Entre os dados que serão analisados, estão as informações do radar, para se saber se houve falha no equipamento ou erro de avaliação do piloto.

A Continental informou que o voo enfrentou uma turbulência de céu claro. Segundo a empresa, o Boeing foi levado para Houston, onde passará por reparos. Só houve danos, informou, na parte interna, como em componentes da iluminação. A empresa divulgou que um passageiro continua internado.

Especialistas brasileiros acreditam que provavelmente o radar não tinha como detectar a turbulência de céu claro.

- Quando a turbulência é de céu claro, o radar não tem como detectar a severidade do fenômeno. O radar detecta volume de água, e não de vento - explicou o meteorologista Humberto Alves Barbosa.

Fonte: O Globo

Cães ganham protetor auditivo para passear de avião

Criadora do produto queria levar seu labrador em voos curtos.

Cães das forças armadas no Iraque e no Afeganistão usam proteção.

Se seres humanos usam protetores auditivos principalmente para trabalhar em locais barulhentos, animais de estimação ganharam sua versão para poder passear de avião com seus donos.

Idealizados pela pela piloto norte-americana Michelle Macguire, que queria proporcionar uma viagem mais tranquila para seu labrador Cooper, os protetores auditivos são comercializados pela empresa Mutt Muffs. De acordo com reportagem do jornal britânico "Daily Mail". Michelle fez voos curtos acompanhada pelo cão com e sem a proteção para comprovar a utilidade do objeto.

Ouvidos protegidos do barulho

Produzido em cinco tamanhos, o produto que isola o barulho é usado por diferentes raças de cachorros e até mesmo por gatos. No site da empresa, há fotos de animais com policiais, em corridas de carros, em passeios de barco e outras situações.

Segundo a criadora, os protetores são usados por cachorros das forças armadas baseados no Iraque e no Afeganistão. Além de resolverem o problema dos inúmeros bichinhos em noites de fogos de artifício.

Protetor é usado por cachorros de vários tamanhos e até por gatos

Fonte: G1 - Foto: Divulgação

Deslocamento do ônibus espacial Discovery atrasa por incidência de raios

Plataforma de lançamento pode sofrer descarga elétrica.

Missão parte no final de agosto com 15 toneladas de equipamentos.


Deslocamento do ônibus espacial atrasa por causa de tempestade de raios

O lento procedimento de transporte de um ônibus espacial para sua plataforma de lançamento ficou ainda mais demorado por causa da incidência de raios na região do Cabo Canaveral, na Flórida, informou nesta quarta-feira (5) a Nasa, a agência espacial americana.

A primeira movimentação do ônibus para fora das instalações de montagem do Centro Espacial Kennedy começou às 3h07 (horário de Brasília) de ontem. A Discovery, cuja missão deve durar 13 dias, vai deixar um novo tripulante na Estação Espacial Internacional (ISS) e descarregar quase 15 toneladas de equipamentos, incluindo um novo compartimento-dormitório e um freezer para armazenamento de amostras laboratoriais. O lançamento está programado para o final de agosto.

Fonte: G1 - Foto: Justin Dernier/Nasa

Fogo em Airbus antes de decolagem deixa 8 feridos em Paris

Avião foi esvaziado após o início do incêndio no motor direito.

O fogo começou quando a aeronave taxiava.


Foto mostra o avião parado no aeroporto de Orly após o fogo

Oito pessoas a bordo de um jato Airbus operado pela companhia espanhola Vueling ficaram feridas nesta quarta-feira (5) quando um dos motores da aeronave pegou fogo pouco antes da decolagem prevista no aeroporto de Orly, em Paris, informou a empresa.

O avião foi esvaziado após o início do incêndio no motor direito do modelo A320 da Airbus às 10h36 (5h36 de Brasília). O fogo começou quando a aeronave taxiava, informou a Vueling em comunicado.

A empresa não especificou se os feridos eram passageiros ou tripulantes. Um avião substituto continuaria o voo para Alicante, na Espanha.

Fonte: Reuters via G1 - Foto: AFP

Infraero só terá licença renovada se mudar rota de pouso do Aeroporto Santos Dumont

Moradores de pelo menos sete bairros do Rio estão prestes a se ver livres de uma dor de cabeça que há anos os atormenta e que vem do céu. A secretária estadual do Ambiente, Marilene Ramos, afirmou nesta terça-feira que a renovação da licença da Infraero para o funcionamento do Aeroporto Santos Dumont, após o processo de reforma, só será concedida caso a Agência Nacional de Aviação (Anac) cancele a Rota Dois de aproximação para o pouso. Esta rota passa sobre regiões residenciais numa altitude que amedronta a população. Além disso, o barulho dos jatos, que hoje cruzam o céu do Rio até de madrugada, ultrapassa os limites de decibéis permitidos.

- Há cerca de dois meses, pedimos à Anac que estudasse a alteração da Rota Dois. A resposta foi evasiva. Disseram que a rota já era usada antes da reforma do aeroporto. A reforma aumentou o fluxo de pousos e decolagens nitidamente. Garanto que a licença só será dada se a rota for alterada - garantiu Marilene.

Ela e o presidente do Instituto Estadual do Ambiente (Inea), Luiz Firmino Martins Pereira, se reuniram nesta terça-feira com presidentes de associações de moradores e representantes de bairros como Cosme Velho, Laranjeiras, Santa Teresa, Flamengo, Catete, Botafogo e Urca. Eles foram reclamar mais uma vez do barulho dos aviões, do risco de acidentes graves e do aumento do fluxo após o término das obras de reforma. Além do cancelamento da Rota Dois, ficaram decididas outras duas restrições na atividade do aeroporto: pousos e decolagens só serão permitidos das 6h às 22h e o fluxo será limitado a 5 milhões de usuários por ano. A Infraero havia requisitado a liberação de 8 milhões de usuários anualmente.

- É uma questão econômica. Não usam outra rota, que passa sobre a Baía, para não gastar mais combustível. E infernizam a nossa vida. Você fica surdo de dois em dois minutos, é forçado a interromper ligações telefônicas e não consegue ouvir a televisão - reclama o presidente da Associação de Moradores de Santa Teresa, Paulo Saad.

A Infraero diz que ainda não recebeu qualquer comunicado oficial do Inea. A Anac informou que a alteração da rota ainda está em estudo e que quem determina a mudança é o Departamento de Controle do Espaço Aéreo, da Aeronáutica. Na sexta-feira, Marilene e Firmino se reunirão com procuradores e promotores dos ministérios públicos Federal e Estadual para colherem opiniões a respeito. E na segunda-feira, o Conselho Diretor do Inea se reunirá para decidir sobre a liberação da licença. Segundo o presidente do Inea, o aeroporto opera sem licença desde 2007:

- Eles não solicitaram a licença ainda porque não pagaram a compensação ambiental, de 0,5% do valor da obra de reforma. Nesse caso, como a obra custou R$ 300 milhões, a compensação é de R$ 1,5 milhão.

Fonte: Gustavo Goulart (O Globo) - Foto: Custódio Coimbra

RS contrata obra para construção do aeroporto de Vacaria

O governo do Estado do Rio Grande do Sul autoriza, nesta quarta-feira (5), contrato para implantação do aeroporto de carga de Vacaria, no valor de R$ 16.144.546,21. O contrato prevê execução final de terraplenagem, drenagem, pavimentação e enleivamento para construção da pista de pouso e decolagem (com 2.020 metros de extensão por 30 metros de largura), do taxiway (235 metros de comprimento por 23 metros de largura) e do pátio de aeronaves (130 metros de extensão por 97 metros de largura).

O empreendimento tem prazo de 24 meses para conclusão e é de responsabilidade da construtora Toniolo Busnello S/A. A contratação será oficializada pelo secretário de Infraestrutura e Logística, Daniel Andrade, e pelo diretor do Departamento Aeroportuário do Estado (DAP), Fernando Coronel, às 11h30min, na sede da Superintendência de Portos e Hidrovias (SPH), em Porto Alegre.

O projeto foi elaborado pelo DAP e aprovado pelo 5º Comando Aéreo Regional (Comar). Os serviços que compõem a implantação inicial para a pista são limpeza do terreno, execução final de terraplenagem, enleivamento de taludes, drenagem superficial, pavimentação asfáltica da pista, táxi e pátios, pintura sinalizadora horizontal, sinalização noturna (referente a dutos de passagem) e cercamento da área. Os recursos são provenientes de convênio do Programa Federal de Auxílio a Aeroportos, (Profaa), da Agência Nacional de Aviação Civil (Anac), com parcelas de 70% da União (R$ 11.301.182,34) e 30% correspondendo à contrapartida do Estado (R$ 4.843.363,86).

Fonte: Gazeta do Sul - Foto: Gazeta de Vacaria

Embraer mosta jato Legacy 600 em turnê na Ásia e Pacífico

Empresa exibirá aeronave executiva da categoria super midsize na região até 8 de setembro.

A Embraer iniciou esta semana uma turnê para demonstrar o jato executivo Legacy 600, da categoria super midsize, na região da Ásia e Pacífico.

Até o dia 8 de setembro, o jato visitará 12 países: Austrália, Cingapura, Filipinas, Hong Kong (China), Índia, Indonésia, Japão, Malásia, Nova Zelândia, República da Coréia, , Taiwan e Tailândia. “O mercado de jatos executivos na Ásia e Pacífico tem grande importância para a Embraer e esta é uma oportunidade estratégica para mostrar os diferenciais do nosso bem-sucedido jato executivo Legacy 600”, disse José Eduardo Costas, diretor de Marketing e Vendas da Embraer – Mercado Ásia e Pacífico – Aviação Executiva. “A região demonstra interesse no produto e o Legacy 600 é adequado para operar na vasta região da Ásia e Pacífico, apoiando viagens a negócios com desempenho superior, conforto e privacidade em três zonas de cabine, comunicação via satélite de alta tecnologia e sistema de entretenimento.”

O Legacy 600 transporta 13 passageiros (configuração padrão). O refinado interior oferece poltronas revestidas em couro, divã, credenza e mesas para refeição ou reunião. O avião também tem uma espaçosa cozinha (galley) para o preparo de alimentos quentes e frios, amplo lavatório na parte traseira, guarda-roupas, armários e sistema de entretenimento com DVD e comunicação via satélite. O equipamento opcional High-Speed Data (HSD) e a melhor utilização do tempo, aumento da produtividade no trabalho e mais opções de entretenimento. A aeronave conta com um amplo compartimento de bagagem facilmente acessível em vôo e tem capacidade total de carga de 8.100 litros (8,1 metros cúbicos).

O jato atinge velocidade de cruzeiro Mach 0,80 e tem alcance de 6.019 km (3.250 milhas náuticas) com oito passageiros ou 6.297 km (3.400 milhas náuticas) com quatro passageiros, ambos com reservas de combustível NBAA IFR, podendo voar sem escalas de Manaus para Nova York (EUA); de Nova York para Londres (Reino Unido); de Jacarta (Indonésia) para Sydney (Austrália); ou de Bancoc (Tailândia) para Dubai (Emirados Árabes Unidos).

Mais de 170 jatos Legacy 600 operam atualmente em 26 países com altos índices de confiabilidade e baixos custos operacionais. O preço da aeronave, nas condições econômicas de 2009, é de US$ 27,45 milhões.

Fonte: Portal Fator Brasil - Foto: Divulgação

Embraer diz que crise permanece em 2010 e sustenta que demissões foram inevitáveis

A indústria aeronáutica mundial não terá em 2010 um ano melhor do que o atual, quando enfrenta forte retração em suas atividades em decorrência da crise financeira global. A afirmação foi feita pelo vice-presidente-executivo da Embraer, Horácio Aragonês Forjaz, em audiência na Comissão de Assuntos Econômicos (CAE), nesta terça-feira (4), proposta pelo senador Eduardo Suplicy (PT-SP).O objetivo do debate foi examinar os impactos da crise sobre a empresa, a única brasileira em seu setor e uma das cinco maiores do mercado mundial.

Antes de novembro de 2008, informou o executivo, a Embraer previa para 2009 entregas entre 315 a 350 aeronaves. Seriam de 195 a 200 aviões de maior porte e entre 120 a 150 pequenas aeronaves. Porém, já em fevereiro desse ano, na última informação ao mercado, a empresa anunciou que as entregas de aviões de grande porte (jatos executivos e comerciais) cairiam para 132 unidades, com previsão de apenas 110 pequenas aeronaves. Como disse, isso ocasionou uma redução de 32% na atividade industrial da empresa.

- As receitas da Embraer vêm principalmente do exterior. Assim, apesar de o mercado brasileiro constituir uma ilha de resistência aos efeitos da crise global, essa situação não beneficia a empresa, que está imersa no olho do ciclone - afirmou.

Demissões

Diante do quadro de crise, conforme Horácio Forjaz, a empresa não teve outra opção senão redimensionar seu quadro de empregados. Desse modo, decidiu pelo corte de 20% dos mais de 21 mil postos mantidos até o início do ano, anunciando em fevereiro, de uma só vez, a demissão de 4.270 trabalhadores. Segundo ele, a medida representou "a face mais dolorosa e visível da crise", mas não foi iniciativa apenas da Embraer, tendo recorrido a forte enxugamento todas as grandes do setor.

Para o presidente do Sindicato dos Metalúrgicos de São José dos Campos e Região, Vivaldo Moreira, no entanto, as demissões não eram inevitáveis. Mesmo concordando que a crise é mesmo intensa, ele lembrou que, como outros setores, a Embraer poderia ter feito a opção por férias coletivas e conceder licenças remuneradas. Segundo ele, alternativa ainda melhor seria a redução da jornada dos empregados, já que a empresa seria uma das poucas que ainda adotam a jornada de 43 horas semanais.

- O sindicato teve a preocupação de procurar a empresa imediatamente, para buscar alternativas que não fosse o afastamento de empregados. Não havia razão - afirmou.

Segundo o sindicalista, a empresa negou que faria demissões até o último momento, tendo anunciado a decisão subitamente, sem transparência. Ele informou que o Tribunal Regional do Trabalho, em Campinas, chegou a multar a Embraer, sem obrigar a empresa a voltar atrás na decisão, já que não há lei para impedir "demissões imotivadas".

- Precisamos pensar em como fazer uma legislação para isso. A Embraer não pode servir de exemplo negativo - disse Moreira, solicitando apoio para a normatização desta matéria.

Embora justificando falta de caixa para manter os empregos, conforme o sindicalista, a Embraer estaria distribuindo em bônus R$ 50 milhões a seus executivos esse ano, informação contestada com veemência por Horácio Forjaz. Segundo ele, os números referem-se ao total de salários, pagamento de plano de saúde e da complementação da aposentadoria. Salientou que esses e outros dados sobre a empresa são de conhecimento público, já que a Embraer tem uma política de total transparência, pois está enquadrada no chamado novo mercado, entre as empresas compromissadas em fornecer amplas informações aos investidores em bolsas.

Horácio Forjaz refutou ainda a declaração de Moreira de que a Embraer também especulou no mercado de derivativos e perdeu mais de US$ 180 milhões, dinheiro que faltou para manter os empregos. De acordo com o executivo, a empresa tem mais de 90% de suas receitas em dólares, já que suas vendas estão concentradas no exterior. Por isso, é obrigada a realizar operações para se proteger das variações do câmbio (hedge).

O sindicalista chegou a propor que a Embraer volte a ser estatizada, por entender que o apoio dado pelo setor público à empresa deveria ter maior retorno para os trabalhadores e a sociedade brasileira. Apesar do compromisso, na privatização, de que até 40% do capital votante da empresa deveria permanecer em mãos de nacionais, ele garantiu que esse limite já não estaria sendo respeitado. O executivo mostrou números para demonstrar que a empresa está muito melhor do que antes, inclusive gerando mais empregos e receitas para o país. Mesmo com a reforma dos estatutos, ele também garantiu que ainda agora o capital externo não pode formar mais de 40% dos votos nas decisões da empresa.

- Para que não reste dúvida sobre essas regras, a União pode exercer poder de veto em eventuais alterações estatutárias - disse.

Apoio do BNDES

A audiência contou ainda com a participação de Luiz Antônio Dantas, superintendente da Área de Exportação do Banco Nacional de Desenvolvimento Econômico e Social (BNDES). Segundo ele, o apoio da instituição à Embraer ocorre de forma indireta, por meio de financiamento a quem compra suas aeronaves, sobretudo empresas do exterior. Ele salientou que essa forma de atuação segue o padrão adotado das instituições oficiais de fomento de outros países. Os recursos fornecidos representariam cerca de 28% do total dos financiamento às exportações da empresa.

Segundo o expositor, a atuação da estatal em favor da empresa tornou-se mais incisiva depois da crise, em substituição a financiadores externos que se retraíram. Ele informou ainda que o BNDES detém 5% das ações da companhia, havendo atualmente o interesse do banco em estimular a cadeia produtiva aeronáutica, adensando o conjunto de empresas fornecedorasde peças e equipamentos para o setor.

Fonte: Gorette Brandão (Agência Senado)

Pesquisa aponta TAM como Marca de Confiança dos brasileiros

A TAM Linhas Aéreas foi apontada como a companhia aérea em que os brasileiros mais confiam na 8ª Pesquisa Marcas de Confiança, realizada pela Revista Seleções em parceria com o Ibope Inteligência. Dos 1.500 entrevistados pelo instituto, 48% escolheram a TAM na sua categoria.

O levantamento identificou ainda marcas de confiança para outras 41 categorias, além da marca mais socialmente responsável do país e as personalidades, profissões e organizações nas quais os leitores de Seleções mais confiam.

A cerimônia de entrega dos troféus aos vencedores foi realizada hoje, em São Paulo, em um evento que reuniu empresários, publicitários, formadores de opinião e imprensa para ouvir palestra do sociólogo Fernando Henrique Cardoso sobre o tema "Confiança".

Fonte: Mercado e Eventos

Azul oferece descontos nos voos entre Campinas e Manaus

A Azul Linhas Aéreas Brasileiras está com preços promocionais nos voos diretos entre Campinas e Manaus na tarifa Azul 30 dias. Quem comprar a passagem aérea com 30 dias de antecedência vai encontrar valores a partir de R$ 279 (por trecho para viagens de ida e volta). A Azul tem quatro freqüências diárias entre as duas cidades e os voos saem de Campinas às 9h30 e às 21h50 todos os dias, e diariamente as aeronaves partem da capital da Amazônia ao 12h55 e à 1h15.

É possível seguir de Manaus para os outros 12 destinos servidos pela companhia, sempre com conexão em Campinas. Nestas rotas as tarifas também estão reduzidas na tarifa Azul 30 dias. De Manaus para Porto Alegre ou de Manaus para Curitiba ou para Navegantes, por exemplo, a passagem aérea varia a partir de R$ 329 por trecho, de Manaus para Maringá o valor varia a partir de R$ 339.

Informações: www.voeazul.com.br / 3003 2985 (3003 AZUL)

Fonte: Mercado & Eventos

TAM terá que indenizar por venda de passagens, via internet, sem a emissão dos bilhetes aéreos

A TAM Linhas Aéreas teve seu recurso negado pela 18ª Câmara Cível do TJ do Rio e terá que indenizar um consumidor, por danos morais, em R$ 4.150 por ter vendido passagens aéreas através da Internet, sem a emissão dos bilhetes aéreos.

Paulo Sérgio Ribeiro Maia pagou inclusive a primeira parcela da passagem e a taxa de embarque no seu cartão de crédito. Como os bilhetes não foram emitidos, ele teve que comprar passagens em outra companhia área por valor superior. O relator da apelação cível, o juiz de Direito substituto de desembargador Claudio Dell' Orto, manteve sentença de primeira instância.

Segundo o relator, no cartão de crédito do consumidor consta que o débito foi realizado por TAM Site JJ. "Ao credenciar pessoa jurídica para comercializar seus bilhetes, a empresa apelante torna-se solidariamente responsável pela qualidade do serviço prestado ao consumidor final", afirmou o juiz Claudio Dell'Orto. Ele disse que a conduta da TAM de efetuar o débito do valor da primeira parcela, sem a emissão do bilhete aéreo, confirma que houve uma cobrança indevida a ser ressarcida em dobro conforme determinação judicial.

De acordo ainda com o desembargador, a sentença de primeira instância não mereceu nenhum reparo, devendo a empresa aérea restituir em dobro ao autor o valor cobrado na fatura (passagem e taxa de embarque), totalizando R$ 557,28 com juros e correção monetária, assim como, o valor de R$ 1.141,10 pelo pagamento da nova passagem adquirida.

O autor comprou um bilhete aéreo para o trecho Rio-Belém-Rio, em 2 de maio de 2008, pelo valor de R$ 399 mais a taxa de embarque, para viajar em junho do mesmo ano. Em 8 de maio, ele foi informado de que sua passagem não fora emitida, obrigando-o a comprar uma outra pelo valor de R$1.619,24, já que a reserva não existia no sistema. Acontece que, na fatura de seu cartão de crédito, com vencimento no dia 14, a primeira parcela do valor da passagem e a taxa de embarque foram debitados.

Uma das alegações de defesa da TAM Linhas Aérea foi que tal fato aconteceu porque o consumidor não comprou a passagem aérea diretamente com a empresa.

Fonte: O Dia Online

Equipes encontram corpos de avião que caiu na Indonésia

Uma equipe de resgate aéreo avistou os destroços do avião em meio a uma dessa floresta

Equipes de resgate da Indonésia encontraram hoje (5) os corpos dos 16 ocupantes do pequeno avião que desapareceu no domingo na remota região de Papua (leste), informou a companhia aérea local Meparti Nusantara.

Um dia depois de uma aeronave de reconhecimento ter avistado os restos do aparelho, uma patrulha terrestre, ajudada por moradores da região, achou os cadáveres, segundo Bambang Bhakti, presidente da empresa.

O pequeno avião, um bimotor, caiu numa região de mata, quando cobria a rota de 260 quilômetros entre as cidades de Sentani e Oksibil.

De acordo com a Merparti Nusantara, a aeronave decolou sem problemas e sob condições meteorológicas boas. Porém, pouco depois, perdeu contato com a torre de controle.

O avião, fabricado em 1979 e que faz pousos e decolagens em pistas curtas, tinha capacidade para 20 passageiros.

A estatal Meparti Nusantara é uma das companhias aéreas indonésias proibidas de sobrevoar o espaço aéreo da União Europeia (UE) devido a problemas de segurança.

Neste ano, mais de 150 pessoas já morreram na Indonésia vítimas de acidentes aéreos.

Fonte: EFE via G1 - Foto: AFP

Colômbia vai ceder 7 bases aos EUA

Decisão de ampliar instalações militares à disposição do Pentágono irrita vizinhos; acordo ainda não foi fechado

O acordo discutido entre Washington e Bogotá deverá permitir que as forças americanas utilizem sete e não apenas três bases militares da Colômbia, disse na terça-feira, 4, o comandante das Forças Armadas colombianas e ministro interino da Defesa, general Freddy Padilla. O anúncio foi feito em meio ao início de um giro do presidente da Colômbia, Álvaro Uribe, pelos países da região para explicar os objetivos do acordo militar.

Até então, a Colômbia havia confirmado a intenção de ceder apenas três bases aos EUA: Malambo, Palanquero e Apiay. As novidades estão no anúncio das bases do Exército de Tolemaida e Larandia e das bases navais de Cartagena e Bahía Málaga. "Serão três bases aéreas, duas bases do Exército e duas bases navais", confirmou Padilla, na abertura de uma conferência sobre segurança regional, na cidade colombiana de Cartagena de Índias, da qual participam representantes de nove países, entre eles o chefe do Comando Sul dos EUA, general Douglas Fraser.

"É importante deixar claro que ainda não temos nenhum tipo de acordo", disse Fraser. A prudência do general deve-se à resistência que os países da região - o Brasil à frente - manifestaram à assinatura do acordo, o que obrigou tanto a Colômbia quanto os EUA a visitarem diversos países-membros da União de Nações Sul-Americanas (Unasul) para explicar suas intenções.

O rechaço ao acordo teve início com a Venezuela e o Equador. Ambos temem que os EUA possam, a partir das bases colombianas, lançar operações aéreas contra países vizinhos. Outros países, como o Brasil e o Chile, dizem que os assuntos militares que possam ter implicações regionais devem ser debatidos em foros amplos, como a Unasul, que se reunirá no dia 10, em Quito.

A mensagem de Uribe aos presidentes latino-americanos deve seguir o tom expressado por seu ministro interino da Defesa em Cartagena. "Ninguém, a não ser os terroristas e narcotraficantes, deve ter medo deste acordo transparente, que respeita as soberanias e os acordos internacionais", disse Padilla. Segundo ele, a colaboração com os EUA "busca simplesmente fortalecer a capacidade na luta contra esse flagelo global".

Fraser lembrou que "já existem militares americanos trabalhando em colaboração (com a Colômbia). Isso (é feito) de forma muito aberta, em coordenação com o Congresso dos EUA e vai continuar", disse. O general americano não deu detalhes sobre o tipo de material militar que seria levado a essas bases, nem explicou que tipo de avião poderia operar nestes locais. "Não tenho, neste momento, detalhes específicos sobre o tipo de material (que seria levado às bases), mas é importante ressaltar que o tipo de material que estará ali depende da Colômbia", disse Fraser.

O encontro em Cartagena contou com a presença de chefes militares da Argentina, Chile, México, Panamá, Paraguai, Peru, EUA e Uruguai, além da Colômbia, anfitriã da reunião. O chefe do Estado-Maior da Defesa do Brasil, almirante Prado Maia, não foi ao encontro. A assessoria do Ministério da Defesa também não enviou nenhum representante e informou que Maia teve de "ficar em Brasília preparando um relatório para o presidente (Luiz Inácio Lula da Silva), atendendo a um pedido do (ministro da Defesa, Nelson) Jobim". A assessoria do Itamaraty também diz não ter enviado nenhum diplomata a Cartagena.

Fonte: O Estado de S. Paulo

Aéreas têm perdas na Europa e na Ásia

As principais empresas aéreas da Europa e da Ásia anunciaram na quinta-feira (30) pesados prejuízos, na esteira do agravamento da crise que assola o setor de aviação mundial. O diretor-geral da Associação Internacional de Transporte Aéreo (Iata, na sigla em inglês), Giovanni Bisignani, observou que as empresas aéreas foram atingidas por quedas de receita "chocantes", de até 30%, nos voos internacionais no início do período de viagens de junho a agosto, tradicionalmente bem movimentado e lucrativo para as companhias. "O panorama continua sombrio [...] Não há sinais de início de recuperação", afirmou.

A Air France-KLM, maior companhia aérea europeia em número de passageiros, anunciou prejuízo antes de impostos de € 612 milhões nos três meses encerrados em junho, em comparação ao lucro de € 211 milhões obtido no mesmo período do ano passado.

As três principais companhias aéreas europeias operam com grandes perdas e se viram obrigadas a buscar os mercados de capitais nas últimas semanas para reforçar seus recursos de caixa.

A British Airways deverá anunciar hoje prejuízo operacional pela primeira vez em sua história para o período de abril a junho, normalmente seu segundo melhor trimestre.

A Lufthansa, da Alemanha, em meio à compra de três empresas aéreas europeias de menor escala que enfrentam dificuldades financeiras, divulgou prejuízo no primeiro semestre, antes de impostos, de € 336 milhões, em comparação ao lucro de € 478 milhões verificado no mesmo período do ano passado.

Na Ásia, a Singapore Airlines, maior empresa do mundo em valor de mercado, alertou para a possibilidade de ter seu primeiro prejuízo anual desde sua criação, em 1972. A empresa apresentou perdas trimestrais pela primeira vez desde a crise com a síndrome respiratória aguda grave em 2003.

A Singapore Airlines teve prejuízo líquido de 307 milhões de dólares de Cingapura (US$ 213 milhões) no período de abril a junho. Nos mesmos meses de 2008, havia lucrado 359 milhões de dólares de Cingapura. A receita caiu 30%, para 2,87 bilhões de dólares de Cingapura. As perdas com operações financeiras feitas para proteger-se contra oscilações no preço dos combustíveis chegaram a 287 milhões de dólares de Cingapura.

As companhias aéreas com rotas de longa distância vêm sendo atingidas por fortes declínios na receita, especialmente na obtida com os passageiros de voos executivos, outrora sua maior fonte de lucro, e o transporte de cargas.

Bisignani afirmou que as empresas aéreas também se deparam com a volta do risco de aumento no preço do petróleo e o impacto potencial representado pela gripe A (H1N1), também conhecida com gripe suína.

"O fluxo de caixa está ameaçado pela baixa demanda, o que é exacerbado pelo desconto no preço das passagens; e depois de anos de redução de custos, o espaço para mais cortes é limitado", acrescentou Bisignani.

A Iata informou que a demanda por transporte aéreo de carga foi 16,5% menor em junho do que no mesmo mês de 2008, enquanto o tráfego internacional de passageiros encolheu 7,2%, também na comparação anual. (Tradução de Sabino Ahumada)

Fonte: Kevin Done e John Burton (Financial Times)

Bomba explode em frente a empresa de companhia aérea chilena

Uma bomba caseira explodiu na madrugada de ontem (4) em frente a um dos escritórios da companhia aérea chilena LAN Airlines em Buenos Aires, na Argentina.

O artefato foi detonado por volta das 2h30 no horário de Brasília, danificando a entrada do edifício, que é toda de vidro, e uma caminhonete que estava estacionada no local. Ninguém ficou ferido. Segundo a polícia, até o momento, nenhum grupo assumiu a autoria da ação, mas imagens de câmeras de segurança mostram que a bomba, que estava dentro de uma bolsa, foi deixada por um homem encapuzado próximo à entrada do estabelecimento.

Em um comunicado, a LAN disse que colaborará totalmente "com as autoridades para tentar estabelecer as causas que geraram" o ataque.

"Às 2h30 da madrugada de hoje, um artefato explosivo foi detonado na porta da loja localizada na esquina das ruas Cerrito y Paraguay", explica o documento, ressaltando que "como consequência do feito, se produziram danos na porta principal".

A LAN Airlines é uma das principais companhias aéreas da América do Sul, sendo que opera na região desde 1929 e, na Argentina, desde 2005.

Na noite desta segunda-feira, outra bomba explodiu em frente a uma filial do Banco do Chile em Providencia, a oeste da capital Santiago.

O explosivo danificou a fachada da agência e destruiu também janelas de um escritório ao lado, pertencente à administradora de fundos de pensão Cuprum.

O policial Fernando Vera informou à rádio Cooperativa que o ataque não pode ser atribuído a nenhuma organização até o momento. De acordo com o jornal El Mercúrio, nenhum grupo reivindicou a ação.

O Grupo de Operações Policiais Especiais do Chile enviou homens para o estabelecimento da procedência da bomba. Os vídeos de segurança também são analisados.

Fonte: DCI

Número de pessoas com medo de voar aumenta com acidentes aéreos

Especialistas garantem que a proximidade com acidentes aéreos aumenta o medo de voar, mesmo em quem está acostumado a viajar de avião. No consultório da psicoterapeuta Rosana D'Ório, que trabalha no tratamento de medo de avião, a procura cresceu 25% em junho, logo após a tragédia com o voo 447 da Air France.

- A maioria dos que me procuraram nesse período costuma viajar com medo. Para eles, o acidente funciona como uma confirmação de que o medo deles não é tão imaginário quanto tentam fazê-los pensar.

Além disso, Rosana explica que por ter acontecido com uma aeronave nova de uma companhia confiável, os passageiros sentem como se isso não garantisse mais a segurança do voo.

A consultora de marketing Michelle Dorf, de 31 anos, não costuma sentir medo de avião, mas depois da queda do Airbus da Air France está mais preocupada com a segurança nas viagens aéreas. Ela conta que durante uma tentativa de pouso no Aeroporto Santos Dummont na semana passada, ela tremeu quando o piloto arremeteu a aeronave.

- Todos os passageiros ficaram mudos. Eu sinceramente fiquei com medo e gritei "ai meu Deus". Não é a primeira vez que passo por isso, mas com certeza o acidente recente com o Airbus e a falta de informação sobre o que estava acontecendo aumentaram a minha preocupação - comenta.

A falta de explicação sobre o que aconteceu durante o voo 447 aumenta ainda mais a apreensão.

- Ficamos com medo de haver algo que não é possível controlar, como parece que aconteceu com o Airbus - ressalta Michelle.

Para Angela Donato Oliva, professora de terapia cognitiva comportamental da Uerj, a falta de explicação para o acidente pode estimular crenças em especulações que não são reais.

"Um acidente como o do Airbus mexe com muita gente, pois quebra a segurança e o controle da própria vida"

- Deste modo, os passageiros que ouviram falar que o voo 447 passou por turbulência já começam a se impressionar mais com o movimento das aeronaves analisa Angela.

Pesquisa do Ibope realizada em agosto de 2007, quase um mês após o acidente da TAM no aeroporto de Congonhas , revelou que 74% da população brasileira passaram a ter medo de voar em decorrência dos últimos acidentes aéreos, independente de já ter ou não andado de avião. Em outra pesquisa Ibope de 1998, apenas 42% dos entrevistados declararam ter medo.

- As pessoas gostam de um mundo controlado e com certezas. Um acidente como o do Airbus mexe com muita gente, pois quebra a segurança e o controle da própria vida - conclui Rosana D' Ório.

De acordo com o Conselho Nacional de Segurança dos Estados Unidos, é 25 vezes mais provável que alguém perca a vida a caminho do aeroporto do que na queda do avião que ele vai tomar.

Fonte: Madalena Romeo (O Globo)

terça-feira, 4 de agosto de 2009

Equipamentos de aviões não medem intensidade de turbulências

Impacto em voo que seguia do Rio para os EUA deixou 26 feridos.

Brasileiro de 13 anos relata susto no voo: 'Achei que ia morrer'.


Os equipamentos dentro de uma cabine de avião não conseguem medir a intensidade das turbulências durante o voo, segundo meteorologistas. Uma forte turbulência atingiu na segunda (3) um voo no trajeto entre o Rio e a cidade de Houston, nos Estados Unidos, deixando 26 pessoas feridas.

Meteorologistas dizem que na segunda (3), no Caribe, havia formação de nuvens convectivas. Isso é quando há uma diferença de temperatura. Ar frio desce, ar quente sobe. Correntes de ar em direções contrárias significam turbulência. O problema é que às vezes nessas correntes há poucas partículas de água.

A severidade de uma turbulência é medida de acordo com a quantidade de partículas de água pela frente. Quando as correntes de ar são fortes, sem água, vem a surpresa.

A turbulência é a principal causa de ferimentos em aviões, fora as quedas.

A cada ano, nos Estados Unidos, oito vôos, em média, passam por turbulências fortes. Dez passageiros sofrem ferimentos graves. Por ano, as turbulências custam para as empresas aéreas o equivalente a R$ 50 milhões.

O valor é repassado para as passagens, para o passageiro que, ao apertar o cinto, pode reduzir esse custo e poupar a própria vida.

A companhia aérea Continental Airlines disse que o sinal de "apertar cintos" estava aceso. Mas o alerta está em descrédito. Não é tão respeitado. Como os pilotos não conseguem prever a intensidade da turbulência - muitas vezes a luz é acionada e o avião nem chacoalha. No caso do voo 128, vê-se que o inverso também acontece.

'Achei que ia morrer'

Um brasileiro de 13 anos estava a bordo do voo não esquece os momentos de pânico.

"Todo mundo foi pro teto e começou a gritar que o avião tava caindo. Achei que fosse morrer", conta o Thiago Cândido, que estava dormindo no voo e acordou voando dentro do avião.

Um susto díficil de esquecer, segundo a mãe de Thiago, Rosana Cândido. "Ele falou que fechava os olhos e via tudo que tava acontecendo. Ele fica animado depois chora. Hoje ele está melhor e espero que não fique nenhuma sequela."

Thiago é um dos passageiros do voo que hoje diz: "Se tivesse de cinto, não teria me machucado." "Agora vou usar cinto com luz acesa, ou não", diz Thiago.

A Continental Airlines informou que o vôo 128 realmente encontrou turbulência de céu claro - sem a presença de nuvem e água. Ainda há um passageiro internado. A nacionalidade dele não foi informada. Segundo o consulado, os onze brasileiros hospitalizados tiveram alta ontem mesmo.

Fonte: G1 (com informações do Jornal Nacional)

Destroços de avião que sumiu na Indonésia são achados

Destroços de um avião que havia desaparecido com 16 pessoas a bordo quando sobrevoava a região montanhosa de Papua, na Indonésia, foram localizados nesta terça-feira (4) numa densa floresta, informou o diretor chefe da companhia aérea Merpati Nusantara Airlines, Bambang Bhakti.

As equipes de busca e salvamento estão tentando pousar na área com um helicóptero, mas há pouca esperança de que seja encontrado com vida algum passageiro ou tripulante. Todos os ocupantes eram indonésios.

O avião caiu na região montanhosa no domingo, quando voava da cidade de Jayapura para Oksibil. "A cauda da aeronave foi localizada às 6h (hora local, 18h de segunda-feira em Brasília)", disse Bhakti.

Uma equipe de busca aérea viu os destroços próximo ao vilarejo de Ampisibil, nas Montanhas Bintang, a uma altura de 2.850 metros. O local do acidente está a cerca de 37 km ao sul de Oksibil.

A Indonésia é um extenso arquipélago que depende muito do transporte aéreo, mas possui um dos piores históricos de acidentes da Ásia. As informações são da Dow Jones.

Mapa mostra local aproximado onde houve o desaparecimento

Fontes: Dow Jones / Agência Estado - Mapa: AFP

Passageiro do voo da Continental Airlines continua internado

Um passageiro que se feriu no avião da companhia área Continental Airlines , que partiu do Rio e fez pouso de emergência nos Estados Unidos , continua internado. A nacionalidade dele não foi revelada. No voo, 26 pessoas ficaram feridas quando o avião enfrentou uma forte turbulência.

Parte do interior do avião da Continental Airlines

O Boeing decolou do Rio às 21h45m de domingo e estava com 168 passageiros e 11 tripulantes a bordo. Seis horas depois da decolagem, quando o avião voava sobre Porto Rico, houve uma turbulência. Os passageiros e tripulantes que estavam sem cinto, foram jogados contra o teto. A turbulência não durou mais de dez segundos, mas os passageiros ainda esperaram por duas horas até que o pouso de emergência pudesse ser feito.

A Continental Airlines disse que, quando houve a turbulência, o avião estava na altitude correta e os avisos de "apertar cintos" estavam acesos. Os investigadores querem descobrir se a tripulação foi surpreendida pela força dos ventos ou se houve falha no radar.

Passageiros relatam momentos de terror

A Continental não explicou o que faziam tantos passageiros andando pela aeronave, se os sinais de apertar os cintos estavam ligados e eles deveriam estar em seus assentos. O voo 128 foi o primeiro da Continental numa rota permanente Rio-Houston-Rio, sem paradas, que a empresa operou temporariamente na última alta temporada.

De acordo com informações do jornal "Miami Herald", testemunhas relatam que durante a turbulência, uma mulher bateu violentamente com a cabeça no teto do avião e ficou presa. Em depoimento ao periódico, um brasileiro que se identificou como Cláudio Maia, que estaria no voo com a família, viu o filho de 7 anos ter o rosto cortado pelo metal de uma bandeja. A filha de 9 anos teve arranhões nas pernas. ( Acidentes aéreos recentes aumentam medo de voar )

"Eu tive sorte pois minha mãe estava me segurando", contou a jovem Mariana Maia.

Ainda de acordo com relatos dos passageiros, um homem que não estava usando o cinto de segurança só não voou para o teto porque prendeu os pés embaixo da poltrona de outro passageiro. Testemunhas disseram ainda que uma funcionária da companhia aérea que estava fazendo os inventários na parte traseira da aeronave, desmaiou quando relógios, frascos de perfumes e bebidas caíram em cima dela.

- Parecia que o avião estava caindo - contou Carolina Portella, de 18 anos, ao "Miami Herald".

Ela revelou ainda que os funcionários da Continental pediram imediatamente a ajuda de algum médico que estivesse a bordo, e foram atendidos por um passageiro da primeira classe, que socorreu os casos mais graves.

O jovem Thiago Candido, de 13 anos, que mora na Louisiana e voltava das férias com a família do pai no Brasil, bateu com a cabeça e chegou a vomitar. Segundo a tia do menino, Mariana Ribeiro, ele ia embarcar no dia 30, mas a Polícia Federal não permitiu porque faltava uma autorização do juiz de menor para que ele viajasse sozinho.

- Estava um clima de festa no aeroporto porque esse era o primeiro voo da Continental direto para Houston. De manhã, minha mãe acordou e entrou no site da companhia para ver se o avião já tinha chegado. Ela ficou aflita ao ver que o voo foi para Miami. Ficamos nervosas pensando que poderia ter havido alguma tentativa de atentado terrorista - contou Mariana.

Assim que o avião pousou, Thiago conseguiu um celular emprestado com uma passageira e ligou para a mãe, que estava esperando por ele no aeroporto em Houston. Segundo Mariana, a empresa deu assistência ao menino e à mãe. Um médico o atendeu e um representante da companhia aérea o acompanhou no voo Miami-Houston. De acordo com Mariana, ele já está com a mãe:

- O Thiago ficou muito assustado pois viu que outros passageiros se machucaram bastante. Graças a Deus, ele estava sentado. Agora, estamos tranquilos porque já escutamos a vozinha dele dizendo que está tudo bem. Tomara que ele não fique traumatizado e volte nas próximas férias - afirmou Mariana.

Em email ao site do GLOBO, a esposa de um dos passageiros do voo, que ficou no Brasil, contou que o marido está em estado de choque:

"Segundo ele, muitos se feriram, alguns saíram inconscientes, inclusive, o teto do avião foi danificado. Por sorte meu marido estava com cinto de segurança e não se feriu fisicamente, mas estava emocionalmente abalado e chorando muito. Muitos gritavam. Depois desse telefonema, olhei nosso filho de 3 anos, que dorme, e pensei o que diria a ele se algo pior tivesse acontecido", desabafou Flávia Abdala.

Também por email ao site do GLOBO, o leitor Paulo Roberto Linhares afirmou que estava no aeroporto de Miami quando viu a movimentação das ambulâncias e dos helicópteros, mas reclamou da falta de informações.

"Ao pousar em Miami, hoje, 3 de agosto, o avião, passou da entrada do terminal e foi para uma área remota. Ficamos algum tempo esperando e vimos várias ambulâncias cruzando a pista. (...)Vimos que um helicóptero sobrevoava o aeroporto a todo momento. E nada nos foi dito! Ao sair do terminal e telefonar para uma amiga, soube do problema com o avião da Continental", escreveu.

Fontes: Bom Dia Rio e O Globo - Foto da passageira Camila Machado

Menino que estava em excursão de jovem que morreu em voo teve nova gripe

Criança de 10 anos recebeu confirmação da doença nos Estados Unidos.



Um menino com cerca de 10 anos que viajou na mesma excursão da estudante Jacqueline Ruas, de 15 anos, para a Disney, nos Estados Unidos, teve a nova gripe diagnosticada, informou nesta segunda-feira (3) o diretor-executivo da agência Tia Augusta Turismo, Filipe Fortunato. A jovem morreu na madrugada de domingo (2) durante voo de volta de Orlando para Guarulhos, na Grande São Paulo.

A criança, que estava acompanhada dos pais, começou a apresentar sintomas de gripe e foi atendida nos Estados Unidos, segundo Fortunato. Após o exame confirmar a nova gripe, o menino ficou isolado, tomou Tamiflu e apresentou melhora. A criança embarcou no mesmo voo da adolescente de volta ao Brasil.

A agência apresentou, durante a entrevista, um relatório de alta do Florida Hospital, para onde Jacqueline Ruas foi levada nos Estados Unidos. Ela fez chapa no pulmão e teste da nova gripe, que deu negativo. Segundo o representante da agência, os médicos constataram que a jovem "estava com quadro leve de pneumonia, sem comprometimento respiratório".

Entretanto, "não houve restrição" do centro médico quanto à viagem da adolescente. Fortunato, considerou o caso uma “fatalidade”. O documento informa que a paciente já estava sendo medicada com Tamiflu e um antibiótico quando chegou ao hospital. E cita os procedimentos que devem ser adotados em casa para tratar sintomas de gripe. Em caso de agravamento do estado clínico, a recomendação dos médicos americanos era para que a paciente procurasse novamente um hospital.

Segundo histórico da agência de turismo, a adolescente começou a sentir os sintomas da gripe no dia 28 de julho e, assim como outros jovens, foi atendida por uma médica americana no hotel. Ela teria receitado os remédios à Jacqueline, inclusive um analgésico para a febre.

Fortunato contou que, no Panamá, onde o avião fez uma escala, a menina não manifestou nada além de "cansaço e fraqueza". De acordo com o representante da agência, a guia que estava com a jovem afirmou que ela não apresentava febre antes de embarcar para o Brasil. "Não houve quadro de piora que justificasse o retorno ao hospital", justificou.

Embaixadas

O diretor-executivo disse que vai pedir ao Ministério da Saúde, à Embaixada Brasileira nos Estados Unidos e à Embaixada Americana no Brasil que intercedam junto às autoridades americanas para apurar os procedimentos médicos que liberaram a estudante. “Queremos entender quais foram os critérios de, depois de examiná-la, darem alta”, afirmou em entrevista coletiva realizada em um hotel na Zona Sul de São Paulo.

Filipe Fortunato negou que tenha havido negligência por parte da agência, como afirmou a avó da menina. “Fizemos tudo o que estava ao nosso alcance. Ela estava acompanhada de guias, foi para o hospital, foi medicada e liberada, não consideramos que houve negligência.” Porém, existem aparentes divergências. A família de Jacqueline alega que só soube do quadro de pneumonia pelo Instituto Médico-Legal de São Paulo.

A versão de Fortunato é diferente: "A guia (que acompanhava a jovem) disse que a família da Jacqueline podia ficar tranquila porque ela não tinha o vírus H1N1 (que causa a nova gripe). Só um quadro de princípio de pneumonia e não havia restrição quanto à viagem", relatou ele.

Histórico

Os representantes da Tia Augusta Turismo deram aos jornalistas um comunicado sobre os últimos passos de Jacqueline. Nele, consta que a menina, que viajou dia 20 de julho em uma excursão de 12 dias com outras 28 pessoas, foi internada no Florida Hospital na madrugada do dia 31. Seis horas depois, por volta de 7h, ela teve alta e seguiu com o grupo para os passeios. O embarque foi no dia seguinte.

Ministério da Saúde

O ministro da Saúde, José Gomes Temporão, recomendou nesta segunda que amigos e pessoas próximas que viajaram com a estudante Jacqueline Ruas para a Disney sejam avaliadas para ver se têm os sintomas da nova gripe.

De acordo com Temporão, que esteve no Rio de Janeiro pela manhã, “todas as pessoas que viajaram no mesmo voo vão ser orientadas”, caso suspeitem de que estejam com a doença. Ele ressaltou: “quero chamar a atenção de que apenas passageiros que tiveram contato muito próximo correriam hipoteticamente algum risco de ter uma doença que a gente não sabe qual é; se foi gripe ou outra doença qualquer”. O corpo de Jacqueline foi enterrado nesta segunda, em São Caetano do Sul, no ABC.

Fontes: Carolina Iskandarian (G1) / SPTV

Família de garota que morreu ao voltar da Disney vai processar agência de turismo

Tia de Jacqueline Ruas disse que morte foi ‘sucessão de negligências’.

Segundo ela, pais da menina ainda estão sob o efeito de calmantes.



A família da adolescente Jacqueline Ruas, de 15 anos, que morreu no domingo (2) em um voo com destino a São Paulo após uma viagem à Disney, nos Estados Unidos, informou na manhã desta terça-feira (4) que vai processar a empresa de turismo Tia Augusta, que realizou a viagem, e outros possíveis responsáveis pela morte da menina. Segundo os médicos, a adolescente estava com uma pneumonia e morreu ainda dentro do avião.

“Vamos fazer todo o possível para resolver esse caso. Foi uma sucessão de negligências. Decidimos em uma reunião que vamos processar, de imediato, a agência de turismo, com certeza”, disse ao G1 Magda da Paz Santos, tia de Jacqueline.

Segundo Magda, os pais da menina estão sob o efeito de calmantes desde que ficaram sabendo da morte da filha única. Eles ainda não voltaram para o apartamento onde moravam com a menina, nem mexeram nas bagagens trazidas por ela dos Estados Unidos. “Foi tudo colocado no quarto dela. A gente não teve coragem, decidimos que ainda não é hora de mexer nisso. No apartamento era tudo em torno da minha sobrinha, os detalhes, as fotos”, disse.

A tia da menina contou que o que mais chocou a família foi que em nenhum momento a empresa de turismo informou que Jacqueline estava com pneumonia – constatada no Celebration Hospital, em Orlando, onde ela foi medicada e testada para verificar se estava com a nova gripe. Entretanto, o teste foi negativo e ela foi liberada pelas autoridades de saúde dos Estados Unidos para viajar, de acordo com a Tia Augusta.

“Em nenhum momento foi comunicado o estado de saúde dela. Ficamos sabendo que ela não estava bem na quarta (29), quando ela ligou para casa, mas disse que já estava medicada e melhor”, contou Magda. “Ela nunca teve nada, tinha a saúde perfeita, jogava vôlei. Ela estava plena de saúde, com uma felicidade total”.

Segundo ela, a família só conseguiu falar com a guia na quinta (30), e foi informada que a menina estava bem, tinha passado apenas por um mal estar. “Em nenhum momento ninguém falou da pneumonia. Se soubéssemos, não a teríamos deixado voltar, minha irmã [mãe da menina] teria ido para lá”, disse. “Nós ficamos porque a guia nos tranqüilizou, eu sinto que mentiram para nós. Nada vai trazer a Jac de volta, mas não vamos deixar isso impune.”

Outro lado

A assessoria de imprensa da Tia Augusta informou na manhã desta terça que desde domingo tem buscado se reunir com a família, e que foi marcado um encontro ainda esta semana. Além disso, a empresa disse que vai fazer o possível para esclarecer o caso.

Na segunda, Filipe Fortunato, diretor-executivo da agência, negou que tenha havido negligência por parte da empresa. “Fizemos tudo o que estava ao nosso alcance. Ela estava acompanhada de guias, foi para o hospital, foi medicada e liberada, não consideramos que houve negligência.” Porém, existem aparentes divergências. A família de Jacqueline alega que só soube do quadro de pneumonia pelo Instituto Médico-Legal de São Paulo.

A versão de Fortunato é diferente: "A guia (que acompanhava a jovem) disse que a família da Jacqueline podia ficar tranquila porque ela não tinha o vírus H1N1 (que causa a nova gripe). Só um quadro de princípio de pneumonia e não havia restrição quanto à viagem", relatou ele.

Fontes: Juliana Cardilli (G1) / Bom Dia SP

Veja imagens do acidente na Tailândia

Local do Acidente - Foto: AP

O HS-PGL após o choque com a torre de controle - Foto: APA/EPA/Sitthipoing Chareonjai

Pessoas trabalham para resgatar o co-piloto das ferragens - Foto: APA/EPA/Sitthipoing Chareonjai

Mapa da região do acidente - Google Earth

Imagem do Satélite Meteorológico em 3 de agosto às 06:00Z - Imagem: MTSAT

Mapa localiza ilha onde ocorreu o acidente de avião - Foto: Arte (G1)

Fonte: Aviation Herald

Mais sobre o acidente na Tailândia

O avião Aerospatiale ATR-72-500, matrícula HS-PGL, da Bangkok Airways, realizando o voo PG-266 a partir de Krabi para Koh Samui (Tailândia) com 68 passageiros e 4 tripulantes, derrapou escapando da pista 35 no Aeroporto Koh Samui (USM/VTSM), localizado a 6750 pés de altitude e com pista asfaltada de 2060 metros, e colidiu hoje (4) com uma antiga torre de controle não utilizada por volta das 14:30 locais (07:30 Z).

O piloto morreu e ao menos 7 feridos estão em estado grave e 30 com ferimentos leves. O co-piloto havia ficado preso nas ferragens e foi resgatado pelos serviços de emergência. O avião recebeu danos substanciais na área do nariz.

A companhia aérea acredita que a chuva pesada no momento da aterrissagem contribuiu para o acidente.

O Aeroporto Koh Samui

O Aeroporto Samui (IATA: USM, ICAO: VTSM), também conhecido como Aeroporto Koh Samui, é de propriedade privada e está localizado na ilha de Koh Samui, na Tailândia. O aeroporto está situado cerca de 2 km ao norte da povoação principal, Chaweng.

Ele considerado um aeroporto incomum, porque não existe uma área coberta, com exceção de um bangalô. O aeroporto tem dois terminais (doméstico e internacional) e tem maior utilização como aeroporto local, usado pelos turistas que viajam folga de final de semana.

O aeroporto é usado pela companhia aérea de baixo custo Firefly para percursos internacionais.

Fontes: Aviation Herald / Wikipédia / Samui Airport Online

Avião derrapa durante pouso e bate em torre de controle na Tailândia

Imprensa local diz que piloto morreu.

Aeronave levava 68 passageiros e quatro tripulantes.




Um avião da Bangkok Airways se chocou contra a torre de controle do Aeroporto da ilha turística de Koh Samui, ao noroeste da Tailândia, nesta terça-feira (4), informam as agências internacionais de notícias. O acidente ocorreu durante a aterrissagem, depois de a aeronave - ATR-72 Twin turboélice - derrapar e sair da pista.

No momento do pouso chovia muito na região, segundo as redes de TVs locais. A aeronave colidiu de frente com o edifício.

O avião decolou de Krabi, ao oeste da península, com 68 passageiros e quatro tripulantes, segundo a diretora do Departamento de Aviação Civil da Tailândia, Kannika Dechatiwongse. Ela não confirmou mortos ou feridos..

A agência de notícias EFE chegou a informar que dez pessoas morreram e 41 ficaram feridas. A Associated Press (AP) informou duas mortes, entre elas a do piloto da aeronave. A rede de TV americana CNN fala em um morto (o piloto) e 37 feridos, dos quais sete em estado grave, um deles o copiloto.

Avião da Bangkok Airways colide de frente contra a torre de controle do Aeroporto da Ilha de Koh Samui

A rota aérea que conecta as duas cidades turísticas é muita utilizada por estrangeiros, embora ainda não se conheça a nacionalidade dos passageiros. Koh Samui está a 700 km ao sul de Bangcoc, e é a terceira maior ilha do país. Durante o período de férias é um dos mais lugares mais procurados por turistas.

Fonte: G1 (com informações das agências de notícias EFE, Reuters e Associated Press) - Foto: AP Photo

Baixa demanda leva British Airways a prejuízo

A queda do tráfego aéreo provocada pela retração econômica global se fez sentir mais uma vez no resultado financeiro da British Airways. A companhia britânica registrou no segundo trimestre prejuízo de 106 milhões de libras. Um ano antes a aérea havia reportado lucro de 27 milhões de libras.

Apesar dos cortes de empregos e outros custos, o resultado foi ainda pior do que as estimativas, que apontavam para prejuízo de 95 milhões de libras. As vendas da companhia declinaram 12,2% e somaram 1,98 bilhão de libras.

O impacto financeiro veio da queda de venda de passagens para classe executiva, bem como da diminuição da demanda no segmento de cargas. Hoje a rival francesa Air France também divulgou prejuízo, de 431 milhões de euros, tendo apresentado as mesmas razões.

Fonte: Valor Online (com agências internacionais) via O Globo

British Airways tira canapés da classe executiva para poupar

Os clientes da classe executiva dos voos de longo curso da British Airways (BA) vão ter de dizer adeus aos canapés e aos chocolates.

A companhia aérea britânica está a redesenhar os seus menus como parte do plano de redução de custos para recuperar as perdas de 401 milhões de libras em 2008 (cerca de 469,6 milhões de euros), segundo publica, esta quinta-feira, o «Financial Times».

Com esta medida, a BA espera economizar cerca de 22 milhões de libras (26 milhões de euros), enquanto continua a negociar com os sindicatos os cortes de pessoal que podem custar o emprego a mais de 3.700 pessoas.

Centenas de trabalhadores, desde membros da tripulação ao pessoal da administração, tinham aceite trabalhar de graça, uma redução de horas de trabalho ou ter uma licença sem vencimento.

Os passageiros da classe turística serão os mais afectados. Se o voo durar menos de duas horas e meia, os passageiros não terão almoço não poderão comprar comida. Só será servido um pequeno-almoço gratuito aos que viajarem de madrugada.

Apesar dos cortes, os passageiros Premium terão almoço e jantar nos voos de longa duração. Se a viagem se realizar durante a noite e durar mais de duas horas e meia, será servida uma segunda refeição ligeira, mas sem canapés nem chocolates.

Fonte: TVI (Portugal)

TAM irá devolver frota de jatos 767

Boeing 767-33A/ER, prefixo PT-MSQ

A TAM está trabalhando para encontrar novos operadores para os jatos 767-300ER que têm arrendados.

Os três Boeings são operados nos voos que ligam o Rio Miami e Nova York, sem escalas.

Fonte: JetSite - Foto: Davi Pinto Ribeiro (Airliners)

Air France leilorá assentos em voos inaugurais do A380

A aeronave tem capacidade de transportar mais de 800 passageiros.

Primeiros voos entre Paris e Nova York acontecerão em novembro.

A companhia aérea Air France anunciou nesta segunda-feira (3) que leiloará lugares dos dois primeiros voos do Airbus 380 que comprou.

A aeronave Airbus A-380, que tem capacidade para transportar 853 passageiros

A renda que for obtida com a venda pública dos assentos será revertida para três projetos que atendem a crianças com dificuldades e são apoiados pela empresa.

Os voos acontecerão nos dias 20 e 21 de novembro. Eles cumprirão as rotas Paris-Nova York e Nova York-Paris.

Em nota à imprensa, a Air France disse que o leilão, que terá seus detalhes divulgados "posteriormente", acontecerá em outubro, na internet. Poderão participar dele interessados da França, dos Estados Unidos e de outros países.

Os ganhadores terão direito a uma ida na viagem inaugural e a uma volta num voo comercial.

Fonte: EFE via G1 - Foto: Reuters