domingo, 2 de agosto de 2009

Embraer entrega 1º Jato Embraer 190 para a LAM de Moçambique

Companhia aérea também adere ao programa Pool de peças de reposição da Embraer.

A Embraer entregou neste sábado (1) o primeiro jato Embraer 190 à companhia aérea LAM – Linhas Aéreas de Moçambique, durante cerimônia realizada na sede da Embraer, em São José dos Campos, interior do Estado de São Paulo. O negócio foi anunciado em outubro de 2008 e inclui pedidos firmes para dois Embraer 190, mais direitos de compra para outros dois aviões.

“É uma grande satisfação entregar o primeiro Embraer 190 a um novo operador no continente africano”, disse Mauro Kern, vice-presidente executivo da Embraer para o Mercado de Aviação Comercial. “Estamos orgulhosos por desempenhar um papel importante na modernização da frota da LAM e por contribuir para a expansão da malha aérea dessa empresa no seu país e na região sul da África.”

O Embraer 190 da LAM é configurado com duas classes de serviço, com nove assentos na executiva e 84 na econômica. A aeronave ficará baseada na capital de Moçambique, Maputo, e substituirá antigos jatos narrowbody operados em rotas domésticas, principalmente nas cidades de Nampula e Pemba, e também será utilizada em vôos regionais para Luanda (Angola), Dar Es Salaam (Tanzânia), Nairobi (Quênia), Joanesburgo, e, em breve, Cidade do Cabo (África do Sul) e Adis Abeba (Etiópia).

“Estamos ansiosos para introduzir o primeiro Embraer 190 na região”, disse José Ricardo Viegas, presidente do Conselho de Administração da LAM. “Escolhemos este jato para substituir nossas aeronaves maiores no intuito de melhor atender nossos clientes e oferecer mais freqüências de vôo, novas rotas e um grande nível de conforto e espaço na cabine.

Tenho certeza que nossos passageiros apreciarão o conforto interno e o layout sem assentos do meio será muito bem recebido.”

A LAM também assinou contrato de serviços para o programa Pool de peças de reposição da Embraer, para apoiar de forma fácil e efetiva sua frota de jatos Embraer 190. O programa fornece peças de reposição para aeronaves de forma rápida, eliminando a necessidade de investimentos em estoque, uma vez que a Embraer assume a responsabilidade pela manutenção do estoque nos seus centros de distribuição e de serviços, de modo a fornecer peças para os operadores tão logo elas sejam solicitadas.

Perfil da LAM – Linhas Aéreas de Moçambique

A LAM – Linhas Aéreas de Moçambique foi criada em 1936 como DETA, uma divisão dos serviços portuários e ferroviários de Moçambique, e foi gradativamente transformada, ao longo dos anos, na atual companhia administrativa e financeiramente autônoma que é hoje, constituída como sociedade limitada. O Estado detém 91% das ações da empresa e gerentes, técnicos e empregados da LAM possuem os outros 9%.

A missão principal da LAM como uma empresa pública é oferecer serviço de transporte para passageiros, carga e correios em rotas regionais, domésticas e internacionais. Com sede em Maputo, a companhia aérea tem atualmente 677 empregados e possui escritórios e outras formas de representação por todo o país e no exterior, operando quatro jatos e dois turboélices. [ www.lam.co.mz].

Fonte: Portal Fator Brasil - Imagem: Divulgação

Abertas inscrições para vestibular do ITA

Provas acontecem entre os dias 15 e 18 de dezembro

Estão abertas as inscrições para o vestibular 2010 do ITA (Instituto Tecnológico da Aeronáutica), em São José dos Campos. O prazo de inscrição vai até 15 de setembro. As provas do vestibular serão aplicadas entre os dias 15 e 18 de dezembro.

São oferecidas 130 vagas nos cursos de engenharia aeronáutica, eletrônica, mecânica-aeronáutica, civil-aeronáutica e computação. Do total de vagas, 50 são privativas, ou seja, destinadas a não civis, e 80 ordinárias, destinadas a civis.

Os candidatos devem preencher o formulário de inscrição na internet no site http://www.ita.br/vestibular/instrucoes.htm, imprimi-lo e pagar o boleto bancário até o dia 15 de setembro. A inscrição só será efetivada depois do pagamento da taxa de R$100, é necessário guardar o comprovante original de pagamento até a comprovação da inscrição pela internet.

Para se inscrever, o candidato precisa ser brasileiro nato, solteiro e não arrimo de família, ter no máximo 23 anos de idade no dia 31 de dezembro de 2009 e ter concluído ou estar concluindo o ensino médio.

Outras informações podem ser obtidas no site da instituição.

Fonte: Jornal A Cidade

Webjet, a pequena que incomoda a concorrência

Desconhecida dos passageiros até recentemente, a companhia aérea Webjet decolou e já incomoda a concorrência. É o que mostra reportagem de Geralda Doca publicada na edição deste domingo do jornal "O Globo". Com uma frota razoável para quem ainda é pequena - 16 aviões - e atendendo dez cidades, a empresa alcançou o mesmo patamar de ocupação de TAM e Gol (65%), que dominam o setor. Os pacotes turísticos estão entre as principais razões para o seu desempenho: o dono da companhia é o grupo CVC, a maior operadora de turismo da América Latina. Em junho, a Webjet atingiu 4,2% de participação no mercado, contra 2,1% no mesmo período de 2008. A meta é chegar a pelo menos 5% até dezembro.

Nesta segunda-feira, a Webjet inaugura quatro voos diários a partir do Aeroporto Santos Dumont, no Rio, para Belo Horizonte (Confins). E aguarda, até o fim do ano, a chegada de mais duas aeronaves para reforçar a frota. As aquisições serão essenciais para combater sua maior deficiência: o índice de atraso é o maior entre as cinco principais empresas, 13,4% dos voos em junho. Segundo a Agência Nacional de Aviação Civil (Anac), a novata Azul atrasou 10,9% de seus voos e a OceanAir, 9,7%. A TAM registrou 8,8% e a Gol, 8,3%.

- Tarifas atrativas, bom serviço de bordo e maior conforto (poltronas mais largas) estão atraindo os passageiros, saturados de Gol e TAM - afirmou Paulo Sampaio, da Multiplan Consultoria Aeronáutica.

A Webjet iniciou as atividades com um único avião em 2005. Quatro meses depois, a companhia parou de voar e, em janeiro do ano seguinte, foi vendida para uma sociedade entre o grupo Jacoh Barata Filho, dono de uma frota de ônibus do Rio, e o empresário de São Paulo Wagner Abrahão, do ramo de turismo. Mas a virada, segundo fontes do setor, ocorreu em junho de 2007, quando a Webjet foi comprada pelo dono do grupo CVC, Guilherme Paulus.

Fonte: O Globo

Pelotões de Fronteira do interior do Amazonas recebem antenas do Sipam

O município de Tabatinga (Amazonas) e os Pelotões Especiais de Fronteira do Estirão do Equador, Palmeiras do Javary e Yauaretê receberam nesta semana uma equipe de técnicos do Centro Regional (CR) do Sistema de Proteção da Amazônia (Sipam) de Manaus para a instalação de terminais VSAT, compostos por antena e aparelhos de telefone, fax e computador, com acesso à internet. A missão, que tem o apoio da Aeronáutica, deve ser concluída em 8 de agosto.

As antenas serão instaladas nos postos da Comissão de Aeroportos da Região Amazônica (Comara) das localidades e serão o único meio de comunicação dessas unidades com outras regiões. De acordo com o técnico da coordenação de manutenção do Centro Regional, Nilton Geber, além dessas instalações, os profissionais farão a manutenção dos terminais.

“Quando a instalação dos quatro terminais for concluída, nossa equipe seguirá a Barcelos, de onde partirá para a comunidade Moura, onde fará a manutenção do terminal lá existente, pois as antenas do Sipam são o único meio de comunicação deles. Também vamos recuperar dois terminais com painel solar, instalados em unidades do Exército, em Palmeiras do Javary e Yauaretê”. (JK)

Fonte: Sipam via Portal Amazônia - Foto: sipam.gov.br

Agências fantasmas vendiam passagens aéreas da Câmara

Comissão indica que empresas sem registro eram as protagonistas do esquema

Conforme a investigação, os donos adquiriam passagens de deputados e revendiam para outras agências que de fato atuavam no mercado


Agências de turismo sem registro, falidas e com donos e endereços ocultos estão entre as protagonistas do esquema de comercialização de passagens aéreas de deputados, segundo investigação da Câmara.

A suspeita é que sejam empresas de fachada, que tinham como principal função dar cobertura formal para pessoas que atuavam como intermediárias do esquema.

Segundo o Ministério do Turismo, as agências brasilienses Morena Turismo, Special Tour e Terra Viagens não têm cadastro junto ao governo, uma exigência da lei para poderem atuar no mercado.

A investigação da Câmara indica que os donos dessas empresas adquiriam passagens aéreas das cotas de deputados, com a ajuda de servidores de gabinetes, e as revendiam para agências que realmente atuavam no mercado.

Cobravam comissão de até 10% para isso. Consumidores, sem suspeitar de nada, adquiriam passagens originadas de cotas de deputados.

A Morena pertence ao empresário Pedro Damião Pinto Rabelo, que comprava passagens de uma ex-servidora do gabinete do deputado Nazareno Fonteles (PT-PI). A Folha não conseguiu localizar Rabelo nem a sede de sua agência.

Já a Special Tour tem como representante Marco Aurelio Cunha Vilanova, que até o estouro do escândalo era servidor fantasma do gabinete do deputado federal Márcio Junqueira (DEM-RR).

A Special Tour funcionava até o ano passado no térreo de um hotel em Brasília, onde agora opera outra agência. No local, ninguém sabe do paradeiro de Vilanova.

Foi ele o responsável por intermediar uma operação com outra agência que resultou numa passagem para o ministro do Supremo Tribunal Federal (STF) Eros Grau emitida na cota parlamentar do deputado federal Fernando de Fabinho (DEM-BA).

Outra triangulação envolveu a Terra Viagens e Turismo e a Mania Tour para venda de uma passagem para o presidente do STF, Gilmar Mendes, e sua mulher. Ambos viajaram para Nova York com passagens emitidas com cotas parlamentares dos deputados federais Fernando Coruja (PPS-SC) e Paulo Roberto (PTB-RS).

A Terra não possui cadastro no ministério. A Mania Tour, embora tenha autorização ainda válida para operar, não funciona no endereço informado ao Ministério do Turismo. Lá hoje existe uma lan house.

O depoimento à comissão de sindicância de seu suposto proprietário, Paulo César Pereira de Medeiros, foi considerado "contraditório e inverossímil". A comissão descobriu que ele era uma espécie de "sócio oculto" da agência, que na verdade tinha apenas o CNPJ.

Outra empresa, a Mix Turismo, apareceu nas investigações sobre a comercialização de cotas aéreas do gabinete do deputado federal Vieira da Cunha (PDT-RS). Segundo o parlamentar, a agência foi a responsável pela venda de bilhetes aéreos- oriundos das cotas- para cinco passageiros.

Laura Senatore, dona da agência de viagens, não foi localizada pela comissão de sindicância da Câmara e nem pela Folha. Sua empresa fechou no final do ano passado, mesma época em que foi acusada de fraude por clientes.

Fonte: Fábio Zanini / Maria Clara Cabral (jornal Folha de S.Paulo)

As bases e as drogas

Por Clóvis Rossi

É bom que o governo brasileiro cobre transparência da Colômbia a respeito da instalação de três bases norte-americanas no vizinho. Transparência é sempre útil, e muito pouco praticada na América Latina (Brasil inclusive).

Mas seria melhor ainda se o governo brasileiro tivesse, por fim, a coragem de cobrar transparência também de Hugo Chávez a respeito dos lança-foguetes vendidos pela Suécia à Venezuela e que foram parar nas mãos das Farc (Forças Armadas Revolucionárias da Colômbia, nascidas como guerrilha política e transformadas, faz anos, em puro narcoterrorismo).

Chávez, em vez de transparência, adotou a tática clássica e barata de gritar "pega ladrão" e fugir, aproveitando-se da confusão. Ou seja, em vez de dar explicações, preferiu acusar a Colômbia, congelar as relações (pela quinta vez, aliás, no que já virou folclore) e deixar que o bafafá ficasse centrado nas bases norte-americanas.

Qual é a maior ameaça à segurança dos cidadãos da América Latina em geral, inclusive da Venezuela e do Brasil: as bases dos Estados Unidos na Colômbia ou as bases dos PCCs, Comandos Vermelhos e outros grupos delinquentes, como as Farc, nos diferentes países da região? Bases que fazem a delinquência desafiar o monopólio das armas que deveria ser do Estado.

O argumento de que as bases na Colômbia gerarão corrida armamentista no subcontinente é ridículo, como já demonstrou ontem Igor Gielow. Se os Estados Unidos quisessem invadir qualquer país da região não precisariam de bases neles, como o demonstrou o Reino Unido na Guerra das Malvinas (1982), ao fazer pó das Forças Armadas argentinas, sem precisar suporte territorial, mesmo partindo de muito mais longe.

O resto soa a esquerdismo caquético de quem não conseguiu ainda tirar o cérebro dos escombros do Muro de Berlim.

Fonte: jornal Folha de S.Paulo

FAB apresenta a Jobim avaliação de caças

Ministro da Defesa recebe nesta semana relatório sobre aviões que disputam concorrência que pode custar entre R$ 4 bi e R$ 8 bi

Nenhum dos 3 competidores deve ser reprovado; Força Aérea apresentará prós e contras e, talvez, faça uma classificação por pontos

Clique nas imagens para ampliá-las

O ministro Nelson Jobim (Defesa) recebe nesta semana o relatório da Força Aérea sobre a seleção do novo avião de caça que o Brasil deverá operar nas próximas décadas.

O negócio, que pode custar entre R$ 4 bilhões e mais que o dobro disso, é um dos mais vistosos no programa de reequipamento militar do país - estimado em mais de R$ 30 bilhões a serem financiados por cerca de dez anos. Em termos comparativos, as propaladas compras do venezuelano Hugo Chávez na Rússia não passaram ainda dos R$ 8 bilhões.

Se o quesito da decisão for apenas preço, o favorito de Jobim na disputa, o francês Dassault Rafale, terá problemas. Segundo a Folha apurou, a oferta francesa foi significativamente reduzida nas discussões finais, mas o avião manteve sua fama de caro - custando mais do que o dobro do que o sueco Gripen NG (da Saab).

Preços são difíceis de estabelecer na aviação militar. Tudo depende do pacote de armamentos, logística e suporte por ao menos cinco anos. A estimativa de envolvidos no processo é que o Rafale tenha saído unitariamente por algo em torno de R$ 263 milhões. O Gripen, cerca de R$ 132 milhões, e americano F-18 Super Hornet (Boeing), R$ 188 milhões.

Como são 36 aviões para entrega a partir de 2014, o custo superaria os R$ 10 bilhões no caso do Rafale. Mas não é só dinheiro que está em jogo.

A Defesa preconiza a ideia de parceria estratégica. Elegeu a França para tal, tendo costurado um acordo militar polêmico de cerca de R$ 23 bilhões para a compra de submarinos convencionais, desenvolvimento de um modelo nuclear e helicópteros de transporte.

Os defensores dessa parceria acreditam que a confiança mútua aumentaria a sinergia na hora de transferir tecnologia, ponto central da concorrência F-X2, como a compra dos aviões é chamada. A FAB exigiu uma contrapartida de transferência de tecnologia e compensações comerciais equivalente ao valor do contrato.

Contra a parceria, pesam duas coisas. Primeiro, o país se torna dependente do outro. Segundo, os franceses não têm boa fama na hora de transferir tecnologia: a experiência francesa como acionista da Embraer, no início da década, é considerada um fracasso, e a Índia reclama do processo de integração dos submarinos que comprou da França.

Contra o Gripen, pesa o fato de ele ser um avião mais leve, monomotor, e de ser um modelo inexistente - o NG é uma variante de demonstração sobre duas gerações anteriores do caça. Ter uma turbina o faz mais barato de operar, contudo, e os motores atuais são potentes o suficiente para as necessidades dos militares.

Mas piloto de caça gosta de avião maior e mais potente. Assim, além do também biturbina Rafale, o F-18 americano entra como produto tentador para a FAB. O preço ofertado, devido à grande escala industrial do avião (há mais de 350 voando), o tornou uma surpresa na competição. Só que pesa contra ele seu país de origem: os militares brasileiros temem o risco de vetos futuros à transferência de tecnologia e consideram o F-18 um produto fechado, do qual aprenderiam pouco.

A FAB não deverá reprovar liminarmente nenhum dos competidores. Irá apresentar em seu relatório os pontos pró e contra de cada um deles e, talvez, fazer uma classificação por pontos. Mas não deverá forçar uma solução, segundo a Folha ouviu de militares e de pessoas envolvidas no processo nas últimas semanas.

Rumo à aposentadoria, o comandante Juniti Saito quer pôr fim à novela que começou em 2001, quando o F-X foi lançado, para ser suspenso em 2003 e cancelado em 2005.

Vetar o Rafale, hipoteticamente, colocaria Jobim numa situação difícil e estimularia mais protelação na disputa. Se entrar em 2010, o negócio não sai no governo Lula. Isso significa que os franceses já ganharam? Não, uma vez que tudo dependerá das colocações da FAB em seu relatório.

Fonte: Igor Gielow (jornal Folha de S.Paulo) - Imagens: Folha Imagem

Queda de ultraleve mata dois no Pará

Um aparelho ultraleve caiu no início da manhã deste domingo (2) no quilômetro seis da rodovia PA-391, em Benevides, na região metropolitana de Belém, no Pará. O acidente aconteceu próximo a barreira da Polícia Rodoviária Estadual, onde funciona uma pista de pouso para esse tipo de aparelho.

A PRE confirmou a morte de duas pessoas no acidente. Os dois homens estavam na aeronave que caiu minutos depois de decolar. João Sampaio de Oliveira, 29 anos, e José Lauro Júnior, de 52 anos, morrem em consequência do trauma provocado pela queda do aparelho.

Os corpos já foram retirados dos destroços da aeronave e levados para o IML (Instituto Médico Legal) de Castanhal. As vítimas moravam neste município.

Fontes: O Liberal / JC Online

Provocador, chefe de aérea diz que preços compensam desconforto

Michael O'Leary, chefe-executivo da companhia aérea europeia de baixo custo Ryanair, discutia seu novo plano para cobrar passageiros de ir ao banheiro. Em suas previsões, a maioria dos passageiros - os "visitantes discricionários do banheiro" - acabariam desistindo de usar o banheiro durante o voo. O que é bom, porque ele também quer reduzir para um o número de banheiros por avião.

E se o avião fosse acometido por alguma doença asquerosa e residual, como intoxicação alimentar? Um som abafado ressoou da cadeira em que O'Leary sentava. "Não servimos bastante comida para que todos tenham intoxicação alimentar", disse.

"Se vamos dar-lhe um reembolso de um bilhete não reembolsável porque sua avó morreu inesperadamente? Não! Vá-se embora. Não estamos interessados em suas histórias!" - Michael O'Leary

Aos 48 anos, de fala ágil e usando jeans, O'Leary é um dos mais bem-sucedidos homens de negócio da Irlanda, presidindo uma companhia aérea que prospera de forma marcante em um clima hostil para linhas aéreas (e a maioria dos outros negócios). Ele é conhecido por sua agressividade desmedida, declarações públicas ultrajantes e crença implacável de que passageiros aéreos de voos de curta distância aguentarão qualquer indignidade imaginável, desde que as passagens sejam baratas e os aviões estejam no horário.

"Logo, ele estará nos cobrando pelo oxigênio e número de braços e pernas", queixou-se o jornal The Sun em junho, quando O'Leary apresentou sua mais recente proposta - fazer com que as pessoas levassem suas próprias malas até o avião. O'Leary diverte-se com a identidade de pugilista e provocador nacional, alternando-se entre o charme e a ofensa.

Certa vez, vestiu-se de papa para anunciar a nova rota da Ryanair de Dublin a Roma. Ele já disse que pessoas gordas deveriam pagar mais por seus assentos, mas que demoraria demais pesá-las no aeroporto. E, em coletiva de imprensa para discutir a possibilidade de iniciar voos transatlânticos, ele sugeriu - para a consternação da jovem heroicamente traduzindo seus comentários para o alemão - que consumidores da classe executiva receberiam sexo oral.

O'Leary às vezes parece lançar sugestões insanas apenas para chocar. Mas, reservadamente, ele é conhecido como um negociador duro, cuja sagacidade e cotoveladas lhe garantem acordos favoráveis, como na vez em que fez uma encomenda enorme de novos aviões quando o mercado entrou em colapso com os ataques de 11 de setembro.

Seus inimigos jurados incluem sindicatos (seus funcionários não são sindicalizados), políticos que impõem taxas de aeroporto, ambientalistas, blogueiros que reclamam do mau atendimento, agentes de viagem, repórteres que esperam assento gratuito, reguladores que frustram seus planos e proprietários de aeroporto como a BAA, a quem já chamou de "estupradores careiros". Parece haver um método em tudo isso.

Os insultos "à BAA, ao governo britânico e aos demais são pensados como um sinal forte para todo mundo que negocia com a Ryanair de que ninguém vai sair impune", disse Joe Gill, diretor de pesquisa de capital da Bloxham Stockbrokers, em Dublin.

A Ryanair possui mais de 850 rotas na Europa, normalmente para aeroportos obscuros afastados das grandes cidades - "de nenhum lugar a lugar algum", zomba Stelios Haji-Ioannou, que dirige a concorrente EasyJet. O lucro líquido da Ryanair caiu 78% no ano fiscal que terminou em março, mas ainda conseguiu US$ 149 milhões em lucros. Enquanto a maioria das empresas de transporte sofre com a hemorragia de passageiros, a Ryanair espera aumentar seus passageiros de 57 milhões, em 2008, para 68 milhões neste ano.

O mistério é por que tantas pessoas estão dispostas a suportar uma companhia que, segundo a revista The Economist, "se tornou sinônimo de péssimo atendimento ao consumidor, propagandas enganosas e grosseria insultante a qualquer um ou qualquer coisa que fique no seu caminho". "Ninguém te ajuda - simples assim", disse Malcom Ginsberg, editor-chefe do boletim de viagens aerbt.co.uk, descrevendo o que acontece quando passageiros da Ryanair precisam de assistência no aeroporto.

Esse não é o ponto, disse O'Leary em entrevista recente. "Nosso atendimento ao consumidor é diferente do de todas as outras linhas aéreas, que têm essa imagem de 'queremos cair a seus pés, abuse de nós, o cliente tem sempre razão' e todo esse absurdo." Em contraste, continuou O'Leary, a Ryanair promete quatro coisas: tarifas baixas, um bom registro de voos no horário, poucos cancelamentos e poucas bagagens perdidas.

"Se quiser algo mais - vá embora! Nós vamos pagar um hotel se seu voo for cancelado?", perguntou retoricamente. "Não! Vá embora." Em um momento, ele tomava café na câmara de comércio de Londres. No outro, conduzia uma coletiva de imprensa em que, entre outras coisas, chamou o primeiro-ministro Gordon Brown de "ridículo" e "escocês pão-duro".

Durante a entrevista, entoou o refrão sobre quando a Ryanair concede reembolsos, que é nunca. "Vamos reembolsar uma passagem não-reembolsável porque a vovó morreu de repente?", perguntou. "Não! Vá embora. Não estamos interessados em sua choradeira! Qual parte de 'sem reembolsos' você não entendeu?"

Perdeu o voo porque esperou demais no guichê da Ryanair? Azar! Sua bagagem está levemente acima do peso? Jogue fora o excedente ou use-o no voo! Está tentando levar as compras do duty-free em uma sacola ao avião, quando você já tem uma bagagem de mão? Prepare-se para desembolsar US$ 40 no portão.

As tarifas da Ryanair custam em média apenas e 40, ou US$ 56. O'Leary acabou de anunciar que venderia um milhão de assentos por e 5 cada no outono europeu. A companhia compensa esse dinheiro por meio de acordos com hotéis, locadoras de veículos e outros parceiros, além de taxar tudo, do check-in no aeroporto (US$ 56) ao feito online (US$ 7).

O'Leary também é rígido a bordo de seu escritório. Recados de post-it e marca-textos estão banidos. Executivos levam suas próprias canetas. Para ilustrar seu comprometimento a esse princípio, O'Leary tirou duas canetas de seu bolso, ambas roubadas de quartos de hotel.

Ele se hospeda em hotéis econômicos. E sempre voa pela Ryanair, surpreendendo seus colegas passageiros por checar suas passagens ao portão e depois embarcar por último, onde invariavelmente se senta no meio.

O'Leary não aproveita o lounge executivo, não tem BlackBerry, nem usa e-mail, porque "não quero ser incomodado por toda sujeira, porcaria e lixo que se envia por e-mail". Ele cresceu nos arredores de Dublin e estudou em um internato jesuíta, onde seu apelido era Ducksie (esquisito), por causa da forma como andava. "A educação vinha com pequenas doses de tapas bem doídos?", perguntou. "Sim. Sofremos um grande trauma emocional? Não."

Ele começou a trabalhar na Ryanair em 1988, se tornou vice-chefe-executivo em 1994 e chefe-executivo em 1997. Sua fortuna pessoal é estimada em cerca de US$ 500 milhões. "Ele é um dos poucos sucessos domésticos da Irlanda corporativa nos últimos 40 anos cujo sucesso tem sido sustentável", disse Gill.

O'Leary vive em uma fazenda nos arredores de Dublin, cria gado e cavalos de corrida e raramente tira férias. Ele irritou o governo irlandês ao pagar milhares de dólares por uma licença de táxi para que sua Mercedes pudesse usar a faixa exclusiva, fugindo do trânsito. Em casa, O'Leary e sua mulher têm três filhos com até quatro anos. Um deles nasceu neste verão irlandês. Não há babás. "É por isso que viajo com frequência e durmo em Londres", disse, em parte brincando.

O'Leary descarta as críticas a seu atendimento ao cliente mostrando o recorde da Ryanair de responder a reclamações em sete dias. A maioria vem de pessoas exigindo reembolsos, que são mandadas embora. Os ressentidos devem reclamar via fax ou carta. Se usarem e-mail, não haverá resposta. "As pessoas dizem" - aqui O'Leary adotou um tom choroso - "'Como os Pais Fundadores escreveram na Constituição americana, nós temos o direito inalienável de portar armas e enviar nossas reclamações por e-mail.' "Não, diabos, não têm!", disse. "Então, vão embora."

Fonte: Sarah Lyall (The New York Times) via Invertia - Tradução: Amy Traduções - Foto: Paul McErlane (Bloomberg News)

IML diz que jovem que morreu durante voo estava com pneumonia e libera corpo

O corpo da estudante brasileira de 15 anos que morreu na madrugada deste domingo durante um voo que partiu de Orlando (Estados Unidos) com destino ao Aeroporto de Cumbica, em Guarulhos (na Grande São Paulo), já foi liberado aos familiares pelo IML (Instituto Médico Legal). A causa da morte foi diagnosticada como pneumonia, segundo o IML.

A jovem voltava de uma viagem à Disney, organizada por uma agência de viagens, e apresentou sintomas de gripe ainda no país. Nos Estados Unidos, ela foi encaminhada a um hospital e submetida a exames para verificar se estava com gripe suína - a gripe A (H1N1) - e o resultado foi negativo. Constatou-se que ela estava com pneumonia e por isso teve permissão para voltar ao Brasil, de acordo com o testemunho de uma representante da agência de turismo.

Foto: Tios da jovem morta durante voo aguardam liberação do corpo em Guarulhos, em SP

Após passar mal durante o voo, a jovem foi atendida por dois médicos que estavam a bordo, que fizeram procedimentos para reanimá-la, mas não tiveram sucesso. Os médicos constataram que ela teria sofrido uma parada cardio-respiratória na aeronave. A Central de Emergências da Infraero foi acionada e uma equipe médica aguardou pela aterrissagem do voo, a conduziu para uma ambulância e posteriormente ao posto médico do aeroporto. Os médicos da equipe verificaram que a garota já estava morta.

O delegado Cristian Sant'ana Lanfredi, da Delegacia do Aeroporto, solicitou uma vistoria nas bagagens da garota, onde foram encontrados diversos medicamentos, entre eles o Tamiflu, utilizado no tratamento da gripe suína.

A Polícia Civil informou que irá pedir os exames feitos nos Estados Unidos à agência de viagens que teriam descartado a doença, e que serão feitos exames no corpo verificar se ela estava, ou não, com gripe suína.

A família, que aguardava a chegada da estudante no aeroporto, está em estado de choque. O corpo da brasileira foi encaminhado ao IML de Guarulhos e liberado por volta das 16h30, de acordo com funcionários do local.

Segundo a Copa Airlines, a passageira foi recebida por uma equipe médica do aeroporto, que constatou que a adolescente estava morta. "Através de uma certificação emitida pelo Posto Médico do Aeroporto Internacional de Guarulhos, a empresa aérea foi notificada do falecimento da passageira. A Copa Airlines lamenta profundamente o fato e se encontra, neste momento, assistindo os familiares da passageira e trabalhando em conjunto com as autoridades locais", informou.

Fonte: Tatiana Santiago (Folha Online) - Foto: Fabio Braga (Folha Imagem)

EUA recuperam restos mortais de piloto desaparecido na Guerra do Golfo

Os restos mortais do piloto americano Michael Scott Speicher (foto), cujo avião foi derrubado durante a Guerra do Golfo em 1991, foram recuperados após 18 anos de incerteza, informou hoje o Pentágono.

O capitão Speicher foi um dos primeiros combatentes americanos desaparecidos da Guerra do Golfo, mas, nestes 18 anos, o Exército americano não tinha conseguido esclarecer a situação, nem confirmar a morte.

A princípio, ele foi dado como morto, mas, ao não se localizar os restos mortais, seu status mudou para "desaparecido" e, posteriormente, para "desaparecido ou sequestrado".

Hoje se soube que Speicher morreu em 17 de janeiro de 1991 quando o caça que pilotava foi derrubado, e seu corpo foi enterrado em uma vala comum por beduínos que encontraram o aparelho.

Após anos de incerteza, os restos mortais foram encontrados no mês passado, na província de Anbar, graças a um grupo de civis iraquianos que indicou aos marines americanos na região o lugar do acidente.

O secretário da Marinha, Ray Mabus, expressou suas condolências à família, à qual agradeceu "o último sacrifício que Speicher fez por seu país".

Embora a análise dentária tenha dado positivo, o laboratório do Instituto Médico das Forças Armadas espera ter na próxima segunda-feira os resultados dos exames de DNA realizados com amostras de parentes de Speicher.

Fonte: EFE via IG

Avião da British Airways é evacuado em Barcelona

Aviões da British Airways

Um avião da British Airways fez um pouso de emergência neste domingo (2) em Barcelona depois de ter sido detectada fumaça na cabine.

Os 176 passageiros e os sete tripulantes a bordo do Boeing 757-200, prefixo G-CPEM, da companhia inglesa, foram obrigados a abandonar o avião, ajudados pelos bombeiros do aeroporto.

O incidente ocorreu instantes depois de o avião da British Airways, proveniente de Inglaterra, voo BA478, ter aterrissado no aeroporto de Barcelona.

As causas deste incidente estão sendo investigadas, segundo fonte da companhia.

Adolescente que morreu em voo para SP foi atendida no avião, diz aérea

Segundo a Copa Airlines, ela recebeu primeiros socorros durante a viagem.

A adolescente de 15 anos que morreu na madrugada deste domingo (2) em um voo com destino ao aeroporto de Cumbica, em Guarulhos, na Grande São Paulo, foi atendida por dois médicos ainda dentro da aeronave, de acordo com informações da assessoria de imprensa da Copa Airlines. O avião saiu de Orlando, nos Estados Unidos, fez escala no Panamá e pousou em Guarulhos às 5h44 deste domingo.

Segundo a companhia aérea, durante o voo 759 a tripulação foi notificada que uma passageira precisava de atendimento médico. Os demais passageiros foram avisados e dois médicos se apresentaram, realizando os primeiros socorros na menina.

A tripulação então informou o ocorrido a Cumbica, para que a passageira recebesse assistência assim que o avião pousasse. A aeronave foi recebida por funcionários do posto médico, que posteriormente informou a empresa da morte da menina.

Segundo a Infraero, a menina já chegou morta a Guarulhos. As causas da morte ainda não são conhecidas.

De acordo com a assessoria de imprensa da Tia Augusta Turismo, responsável pela excursão, a menina, que morava em São Caetano do Sul, no ABC, passou mal em Orlando durante a viagem, apresentando sintomas de gripe, como náuseas.

Segundo a empresa, ela foi levada ao Celebration Hospital, em Orlando, onde foi medicada e testada para verificar se estava com a nova gripe. Entretanto, o teste foi negativo e ela foi liberada pelas autoridades de saúde dos Estados Unidos para viajar, de acordo com a Tia Augusta. A viagem tinha se iniciado no meio de julho, segundo a empresa.

Ainda de acordo com a assessoria duas guias que acompanhavam o grupo prestaram depoimento na delegacia da Polícia Civil no aeroporto. Por volta das 13h50, o corpo da menina já estava no Instituto Médico-Legal (IML) de Guarulhos.

Leia a nota na íntegra:

"Voo 759- Panamá - Guarulhos

Panamá, 2 de agosto de 2009. A Copa Airlines informa que, durante o voo 759 com destino a São Paulo, Brasil, a tripulação auxiliar foi notificada que uma passageiria requeria assistência médica. Para salvaguardar a saúde da passageira e seguindo os protocolos internacionais de segurança estabelecidos, a tripulação solicitou imediatamente a presença de um médico a bordo. Dois profissionais se apresentaram, os quais aplicaram na passageira os primeiros socorros, dando a atenção médica devida.

Paralelamente, o Capitão da aeronave e a tripulação comunicaram sobre o ocorrido ao aeroporto de destino, para que a passageira recebesse a devida assistência médica tão logo ocorresse a aterrissagem do avião em São Paulo. Assim que aterrissou às 5h44, hora de Sao Paulo, a aeronave foi recebida pelo pessoal do Posto Médico do Aeroporto Internacional de Guarulhos, em São Paulo. Através de uma certificação emitida pelo Posto Médico do Aeroporto Internacional de Guarulhos, a empresa áerea foi notificada do falecimento da passageira. A Copa Airlines lamenta profundamente o fato e se encontra, neste momento, assistindo aos familiares da passageira e trabalhando em conjunto com as autoridades locais.

A Copa Airlines reitera que é sua prioridade a segurança e o bem-estar de seus passageiros e colaboradores."

Fonte: G1

Adolescente de 15 anos morre em voo com destino a SP

Menina passou mal nos EUA, foi medicada e liberada para voltar ao Brasil.

Segundo empresa de turismo, teste para a nova gripe deu negativo.


Adolescente morreu em voo que saiu de Orlando, nos EUA, fez escala no Panamá e pousou em Guarulhos

Uma adolescente de 15 anos morreu na madrugada deste domingo (2) após passar mal em um avião que fazia o voo que vinha do Panamá com destino ao aeroporto de Cumbica, em Guarulhos, na Grande Sâo Paulo. A jovem retornava de uma excursão aos parques de diversões da Disney, em Orlando, nos Estados Unidos.

O voo da companhia aérea Copa Airlines chegou ao Brasil às 5h44. Segundo a Infraero, a menina já chegou morta a Guarulhos. As causas da morte ainda não são conhecidas.

De acordo com a assessoria de imprensa da Tia Augusta Turismo, responsável pela excursão, a menina passou mal em Orlando durante a viagem, apresentando sintomas de gripe, como náuseas. Ela foi levada a um hospital, onde foi medicada e testada para verificar se estava com a nova gripe. Segundo a empresa, entretanto, o teste foi negativo e ela foi liberada pelas autoridades de saúde dos Estados Unidos para viajar.

Ainda de acordo com a assessoria, a adolescente passou mal durante o voo e morreu na madrugada deste domingo (2). Duas guias que acompanhavam o grupo prestavam depoimento na delegacia da Polícia Civil no aeroporto no início da tarde de domingo.

Procurada pelo G1, a assessoria de imprensa da Copa Airlines informou que lamenta o ocorrido e que está prestando assistência aos familiares da menina e colaborando com as investigações das autoridades. A empresa também informou que a menina foi atendida por dois médicos ainda dentro do avião.

Fonte: G1 - Ilustração: Editoria de Arte (G1)

Avião com 16 pessoas desaparece na Indonésia

Pequena aeronave decolou de província de Papua.

O aparelho foi fabricado em 1979, segundo autoridades.

Um avião De Havilland DHC-6 Twin Otter da companhia aérea indonésia Merpati Nusantara, com 16 pessoas a bordo, foi dado por desaparecido neste domingo (2) durante um voo nacional na província indonésia de Papua, na ilha de Nova Guiné.

Segundo informaram fontes da companhia aérea à rede "Metro TV", o avião desapareceu pouco após decolar do aeroporto de Sentani sob boas condições atmosféricas.

As autoridades iniciaram operações de busca para localizar o avião, que pode ter caído nas espessas florestas da Nova Guiné. O avião estava com combustível para até 3,5 horas de voo.

O aparelho, fabricado em 1979, voava de Sentani, em Papua, até a cidade de Oksibil.

O bimotor DHC-6 tem capacidade para 20 passageiros e pode ser usado em aeródromos de curta longitude.

Fonte: G1 (com agências) - Foto: AP

Novo foguete poderia reduzir viagem a Marte para 39 dias

O caminho para chegar a Marte pode estar muito mais próximo do que se imagina. Cientistas estão desenvolvendo foguetes impulsionados por motores de plasma que podem ajudar a reduzir a duração da travessia espacial entre a Terra e o planeta vermelho para apenas 39 dias, quando inicialmente a viagem seria de 250 dias. As informações são do jornal espanhol El Mundo.

Um voo de ida e volta da Terra a Marte, que a ESA, agência espacial europeia, acredita que terá condições de realizar em 2030, levaria ao total 520 dias: 250 para a ida, 30 no local e 240 para a volta. Com a redução no tempo de ida e, consequentemente, no de volta, permitiria que os astronautas passassem menos tempo expostos à radiação, perdessem menos massa óssea e muscular e não sofressem tanto com as alterações circulatórias provocadas por longos períodos em condições sem gravidade.

O Motor de Magnetoplasma de Impulso Específico Variável (VASIMR, na sigla em inglês), ainda em fase de testes, está sendo produzido pela empresa Ad Astra, comandada pelo ex-astronauta Franklin Chang Díaz - veterano de sete missões na Estação Espacial Internacional (ISS) -, com a colaboração da Nasa, agência espacial americana.

Clique na imagem para ampliá-la

Segundo o diário espanhol, o primeiro teste oficial está previsto para 2012 ou 2013, onde os cientistas avaliarão se a nova tecnologia proporcionará impulsos para que a ISS mantenha sua órbita. Os técnicos que trabalham no projeto explicaram que os foguetes impulsionados por combustíveis químicos consomem a maior parte de suas reservas no lançamento, já que no espaço as naves flutuam.

Propulsão durante anos

Os motores de plasma impulsionam a nave, acelerando átomos carregados eletricamente (também chamados de íons) através de um campo magnético. No momento do lançamento, produzem um empuxo muito menor que os motores de combustível porque não podem sair da órbita terrestre por si mesmos. No entanto, uma vez no espaço, o plasma permite uma impulsão durante anos, acelerando a nave de maneira progressiva até obter mais velocidade que os químicos.

Assista aos vídeos sobre o VASIMR:





Fonte: Redação Terra - Imagens: Ad Astra Rocket Company

Dono de relíquias da aviação

Jayme Meditsch, colecionador de aviões, morador do bairro Tristeza, em Porto Alegre (RS)

O dentista mantém com carinho quase 500 miniaturas da máquina que o fascinou quando era menino

O fascínio por aviões surgiu em 1927, quando Jayme tinha apenas quatro anos. O menino que recém vira os primeiros carrinhos de madeira ficou pasmo ao ouvir e avistar no céu uma enorme aeronave voando baixo sobre sua casa. Começava ali uma paixão que ultrapassa oito décadas.

Hoje, aos 85 anos, o dentista aposentado Jayme Meditsch segue aficionado pelo assunto. Guarda em casa, na Rua Pedro de Oliveira Bittencourt, no bairro Tristeza, uma coleção de 483 miniaturas de aviões. Em duas salas da residência, estão modelos que simbolizam toda a história da aviação mundial, desde a réplica do 14 BIS – o primeiro avião feito por Santos Dumont, em 1906 – a caças russos de última geração.

Apesar do encanto infantil, foi somente em 1954, já adulto, que o dentista iniciou sua coleção. Os primeiros modelos foram feitos por ele, usando pedaços de madeira, uma machadinha e inspirados apenas em imagens de papel. Com o passar dos anos, passou a comprar os objetos desmontados, em peças de plástico. A cada viagem que fazia, vasculhava lojas em busca de um modelo novo.

– Eu sempre quero mais um, e mais um. E ia comprando, pesquisando – lembra.

A miopia o impediu de tirar brevê para pilotar. Mas encontrou outras formas de se aproximar do mundo das aeronaves. Trabalhou como dentista durante 35 anos no Hospital da Base Aérea de Canoas e outros 17 anos na Varig. Entre uma obturação e um tratamento de canal nos pilotos, aproveitava para se informar sobre as novidades aeronáuticas. Virou uma enciclopédia viva do assunto. Conhece a história de cada modelo, em que ano foi usado e, em muitos casos, quem era o comandante do aparelho.

– Esse é um modelo da Esquadrilha da Fumaça que o major Braga pilotava – mostra o colecionador, que há 51 anos mora no bairro Tristeza.

Até hoje, Jayme segue ampliando o acervo. A última aquisição foi um modelo da marca alemã Blohm & Voss. Com mãos firmes e hábeis, ele montou peça por peça e pintou a aeronave. E tudo fica catalogado num livro, com fotos digitais tiradas por ele mesmo em anexo.

A coleção que lembra brincadeira de criança nunca chamou muito a atenção dos cinco filhos, 14 netos e três bisnetos.

– Eles sempre gostaram mais desses autinhos – lamenta.

Fonte: Zero Hora - Foto: Mauro Graeff Júnior

Tupolev Tu-154, o burro-de-carga russo

Tupolev Tu-154M, prefixo LZ-MIR, da Air VIA Bulgarian Airways
Clique na foto para ampliá-la


O avião Tupolev Tu-154 é um dos aparelhos de referência da indústria de aviação civil do século XX, um “burro-de-carga” que ainda hoje permanece como principal aeronave usada nas ligações aéreas internas na Rússia e outros países da antiga União Soviética.

Ele constituiu a resposta russa a dois outros aviões de médias distâncias e três motores, fabricados nos anos de 1960 no Ocidente - o norte-americano Boeing 727 e o britânico Hawker Siddeley Trident – e manteve-se ao longo de quase três décadas como um dos mais reverenciados aviões do mundo, com capacidade para 180 passageiros, mais três ou quatro tripulantes. Essa reputação acabou, porém, por ser profundamente afetada durante o caos económico russo do início da década de 1990, quando se registaram dez quedas fatais envolvendo aviões Tu-154.

Os dois maiores acidentes ocorreram em 1984 – quando um destes Tupolev das linhas russas Aeroflot colidiu com outras duas aeronaves na pista ao aterrissar no aeroporto de Omsk, na Rússia, morrendo 174 pessoas e, em 1985, numa queda de outro avião no Uzbequistão, em que morrerram 200 pessoas.

O avião é exportado e faz parte das frotas de pelo menos 17 linhas aéreas além da Aeroflot e serve também algumas forças militares aéreas. Seu uso regular começou em fevereiro de 1972.

A queda do Tupolev Tu-154, prefixo EP-CPG, da Caspian Airlines, que matou 168 pessoas no dia 15 de julho último, é o terceiro acidente fatal de um avião desse modelo no Irã desde 2002 e constitui o mais mortal acidente de aviação na República Islâmica desde 2003.

Assista vídeo da BBC com imagens do local da queda do Tupolev no Irã.

Versões da aeronave

Tu-154

A produção da primeira versão teve início em 1970, enquanto o primeiro vôo foi realizado em 9 de Fevereiro de 1972. Movido por Kuznetsov NK - 8 - 2 turbofans, ele transportava 164 passageiros. Cerca de 42 foram construídos. Números de identificação de matrícula de 85006 a 85055.

Tu-154A

A primeira versão atualizada do original Tu - 154, a um modelo, em produção desde 1974, acrescentou ao centro - seção de reservatórios de combustível e mais saídas de emergência, enquanto os motores foram atualizados para o Kuznetsov NK - 8 - 2U. Outras modficações incluem atualizações incluém abas / slats automáticos e controles de estabilizador e modificou a aviônica. O peso de decolagem aumentou para 94.000 kg. Havia 15 diferentes esquemas do interior para os diferentes clientes domésticos e internacionais do avião, carregava entre 144 e 152 passageiros. A maneira mais fácil de dizer a um modelo básico é o pico na junção do final. Números de matrícula de 85056 a 85119.

Tu-154B

Como o original Tu-154 e Tu-154A havia sofrido rachaduras nas asas após apenas alguns anos de serviço, uma versão com uma nova e mais forte asa, designada Tu-154B, entrou em prod ução em 1975. Ela também tinha um extra de combustível no tanque da fuselagem, saídas extras de emergência na cauda, e o peso máximo de decolagem cresceu para 98 toneladas. NA Aeroflot foi também importante para que o aumento da capacidade de passageiros conduzisse a custos operacionais mais baixos. Enquanto o avião tinha o NK - 8 - 2U motores a única forma de melhorar a economia do avião estava a aumentar o núemero de assentos. [6] O piloto automático foi certificado pela OACI Categoria II abordagens. As aeronaves previamente construídas Tu-154 e Tu-154A também foram modificados para esta variante, com a substituição da asa. Nelas o peso aumentou para 96.000 kg. 111 foram construídos. números de matrícula de 85120 até 85225.

Tu-154B-1

Requisição da Aeroflot para rotas domésticas. Carregava 160 passageiros e tinha modificações na aviônica, no ar-condicionado e no tanque de combustível. 64 foram produzidas de 1977 a 1978 e números de matrícula de 85226 até 85294.

Tu-154B-2

Modernização pequena das aeronaves que tiveram a capacidade aumentada de 160 para 180 passsageiros. Além de uma versão 'VIP' do Tu-154. Números de matrícula 85295 até 85605.

Tu-154S

Modelo de Carga do Tu-154B. Podia carregar 9 containers de 20 toneladas cada. Foram planejadas a construção de 20 aeronaves. Mas, apenas 9 foram construídas. Números de matrícula 85019,85037, 85060, 85062, 85063, 85067, 85081, 85084, 85086

Tu-154M

A mais famosa versão e, a maior modificação, desde seu lançamento. vôou pela primeira vez em 1982 e entrou em produção em massa em 1984 tinha 2 Soloviev D-30KU-154 turbofans que consumiam muito menos combustível e proviam maior aerodinâmica. Agora a aeronave tinha 2 conjuntos de flaps (antes eram 3) que podiam baixar até 36 graus a mais do que o anterior e diminuiam o barulho na aproximação para o pouso. Também ganhou uma nova unidade de força auxiliar (a famosa APU) que tinha várias modificações. O peso máximo de decolagem chegava, algumas aeronaves foram certificadas, a até 104 mil kilos(antes eram 100 mil).

Tu-154M-LK-1

Versão de treinamento de cosmonautas. Era uma modificação para treinamento de cosmonautas para o ônibus espacial Buran. Este Tu-154 foi utilizado porque a Buran necessitava de uma descida controlada para o pouso. O bagageiro frontal tornou-se uma câmara.

Tu-154M-100

Variante com aviônica não russa. 3 aeronaves foram entregues a Slovak Airlines, em 1998, e depois foram vendidas, novamente, a Rússia em 2003.

Tu-155/156

Projeto do Tu-154 para ser operado com turbinas movidas a hidrogênio ou gás natural Tu-155 e Tu-156. Usaram hidrogênio primeiramente e depois começaram a utilizar o gás natural. Seu primeiro vôo, do Tu-155, foi em 15 de Abril de 1988. O Tu-156 não chegou a produção de um protótipo.

Fontes: Público.pt / ASN / Wikipédia / BBC - Foto: Arcturus (Wikimidia)

Já imaginou pilotar um avião de 2,6 gramas?

Nunca vi um aviãozinho radio-controlado tão pequeno. O Micro Butterfly, da Plantraco, pesa apenas 2,6 gramas e tem cerca de 11 centímetros de comprimento de asa. Praticamente um inseto voador com motorzinho!

Tudo é micro no avião: o receptor para o rádio-controle pesa 0,38 grama. O motorzinho tem apenas 4 milímetros e aguenta o tranco de levantar o avião do chão.

Ele é feito de um tipo de espuma e fibra de carbono, materiais leves, mas resistentes às inevitáveis quedas.

Para um modelo tão mínimo, até que o tempo de voo é razoável: entre 5 e 10 minutos. O preço, como de qualquer coisa pequenininha, é grande: US$ 150.

Fonte: Renata Leal (Info Online) - Foto: Divulgação

sábado, 1 de agosto de 2009

Foto do Dia

Clique sobre a foto para ampliá-la

Thunderbirds em lados opostos manobrando em cruz no Dayton Airshow 2009.

Foto: AoA Photography

"Pai" do Pequeno Príncipe, Exupéry desapareceu há 65 anos

Não há quem não conheça a história do Pequeno Príncipe, a profunda, metafórica e enigmática obra de Antoine Jean-Baptiste Marie Roger de Saint-Exupéry, um piloto e escritor francês que desapareceu em um vôo de reconhecimento em 1944, durante a Segunda Guerra Mundial e virou uma lenda.

Saint-Exupéry nasceu no dia 29 de junho de 1900 em uma família nobre de Lyon, seu pai era visconde. Quando estava se formando em arquitetura na Escola de Belas Artes, acabou alistando-se no exército francês em 1921, primeiramente na cavalaria leve e depois passando por um treinamento para piloto, apesar do descontentamento de seus pais e se sua então noiva, a futura escritora Louise Leveque de Vilmorin.

A partir de 1926, sua paixão por voar o colocou no serviço postal entre Toulouse e Dakar, em uma época onde aviões eram precariamente equipados. Em 1929, passou um tempo na Argentina, onde foi diretor da Companhia Aeropostal daquele país. Foi nesse ano que publicou seu primeiro livro, Correio do Sul. De volta ao norte da África, passou a fazer a rota Casablanca-Dakar.

Em 1931, suas experiências profissionais o inspiram a lançar mais uma obra, Voo Noturno. Também neste ano, casou-se com a artista plástica e escritora salvadorenha Consuelo Suncin. O matrimônio, muito tumultuado, o levava a ficar mais tempo no ar do que em casa, por conta disso, tinha uma série de amantes por onde passava.

Em 1935, Exupéry e seu navegador sofreram um acidente no setor líbio do deserto do Saara quando tentavam bater o recorde de tempo entre Paris e Saigon. Apesar de saírem relativamente ilesos da queda, os dois passaram quatro dias vagando pelo inóspito local até serem encontrados por um beduíno. A desidratação era tão evidente que os dois nem mais suavam. Segundo o escritor, os dois experimentaram alucinações visuais e auditivas e a experiência que o inspiraria a escrever O Pequeno Príncipe, onde a história é justamente contada por um piloto que cai no deserto.

Com a segunda guerra mundial, ele voltou a se alistar e primeiramente fez parte da Força Aérea Francesa. Com a capitulação de seu país à Alemanha nazista, Antoine migrou para os Estados Unidos onde viveu em Nova York e em Long Island, mudando-se posteriormente para Quebec, no Canadá. Foi em 1942 que escreveu sua obra mais famosa, sobre o principezinho no planeta do tamanho de uma casa e com três vulcões (dois ativos e um inativo) e a bela flor.

As muitas mortes de Exupéry

Em 1944, de volta à Europa para lutar ao lado das Forças Livres da França, ele decolou de sua base na Córsega em uma missão de reconhecimento e nunca mais foi visto. Uma mulher reportou ter visto um avião caindo em 1º de agosto na costa de Carqueiranne, em Toulon, na França. Um corpo de uma soldado francês foi encontrado alguns dias depois, mas não foi possível identificar quem era e o corpo acabou sendo enterrado em Carqueiranne.

Em 1998, um pescador encontrou um bracelete de prata com os nomes de Saint-Exupéry e de sua mulher, Consuelo. Dois anos depois, o mergulhador Luc Vanrell encontrou um avião P-38 Lightning, o mesmo do voo fatídico do escritor na costa de Marselha. Em 2003, partes do aeroplano foram resgatadas. Investigadores do Departamento de Arqueologia Submarina da França confirmaram se tratar do avião de Exupéry, mas não encontraram marcas de balas na fuselagem.

Finalmente em março de 2008, o ex-piloto alemão da Luftwaffe, Horst Rippert, declarou ao jornal La Provence que fora ele quem derrubou o aeroplano de Exupéry. Segundo ex-piloto, ele derrubou um avião francês no dia 31 de julho de 1944, quando mais tarde soube que havia matado um de seus escritores favoritos, preferiu guardar segredo. O grande problema é que a versão de Rippert foi negada até pelo governo alemão, já que nos arquivos de sua força aérea não há qualquer menção sobre o fato. O mistério continua e, provavelmente, o mundo nunca saberá a verdade, apesar de ser sabido que Exupéry era o recordista de acidentes de sua companhia.

Após a morte de Exupéry, mais sete livros de sua autoria foram lançados. Sua importância na literatura francesa é imensa e sua história já foi contada em filmes como A Vida de Saint-Exupéry, de 1996, com Bruno Ganz como o escritor, e Wings of Courage, de Jean-Jacques Annaud. Seu último voo inspirou o livro The Last Flight of the Little Prince, de Jean-Pierre de Villers, e até mesmo um dos grandes mestres do quadrinho, o sensacional Hugo Pratt, chegou a imaginar essa aventura derradeira em Saint-Exupéry : Le Dernier Vol.

Eterno no imaginário das pessoas, Saint-Exupéry deixou valiosas lições de moral e ética e chegou a afirmar: "Se a vida não tem preço, nós comportamo-nos sempre como se alguma coisa ultrapassasse em valor a vida humana... Mas o quê?". Acreditamos que no caso dele foi o amor por voar.

Fonte: Claudio R S Pucci (especial para o Terra) - Fotos e Imagem: Divulgação

Pista do Aeroporto Salgado Filho será alargada

Recapeamento e alargamento da pista do Salgado Filho suspenderão pousos e decolagens entre 0h e 6h15min até dezembroA ampliação e a modernização do Aeroporto Internacional Salgado Filho começam a decolar na próxima terça-feira, dia em que se iniciam as obras de alargamento e recapeamento da pista. Orçada em R$ 15 milhões, a reforma será feita durante as madrugadas, até o fim do ano. Até lá, nenhum avião decolará ou pousará na Capital entre meia-noite e 6h15min.

Como o aumento da pista de 2.280 para 3.200 metros ficou para 2010, uma vez que depende da remoção de moradores da Vila Dique, a Empresa Brasileira de Infraestrutura Aeroportuária (Infraero) decidiu concentrar esforços em melhorias da pista atual. Além de receber uma nova camada asfáltica que reduzirá imperfeições, ela terá sua largura ampliada de 42 para 45 metros, dimensão idêntica à do novo trecho que será construído no ano que vem.

– Com o alargamento, a pista seguirá padrões internacionais. Assim, o aeroporto poderá receber aviões de grande porte – explica a superintendente do aeroporto, Lia Segaglio de Figueiredo.

Horários de 15 voos serão modificados

Para a reforma ser feita, no entanto, o calendário de pousos e decolagens teve de ser alterado. Infraero, Agência Nacional de Aviação Civil (Anac) e companhias aéreas acordaram, no início de abril, que os voos noturnos que saem ou chegam à Capital terão seus horários modificados para evitar que qualquer aeronave pouse ou decole durante a madrugada, período em que os operários estarão na pista.

– Estamos usando um tipo de asfalto próprio para pistas de aeroporto, que seca rápido, permitindo que a pista seja usada na manhã seguinte – revela Lia.

Em torno de 15 voos, entre partidas e chegadas, tiveram seus horários modificados – seis são regulares. Já as decolagens e pousos noturnos que ultrapassarem a barreira da meia-noite serão cancelados.

– Uma aeronave que não puder chegar a tempo em Porto Alegre sequer vai decolar do aeroporto de origem. Se estiver voando, será levada para outro aeroporto. O mesmo ocorre aqui: se passar da meia-noite, o avião não decola – explica.

Além das obras na pista, o sistema de balizamento também será modificado. Até o final de 2009, estará concluída a instalação do novo sistema de instrumentos para pouso, o Instrument Landing System Categoria II (ILS II), que permitirá ao piloto pousar e decolar mesmo sem boas condições de visibilidade.

– Esse novo sistema ficará pronto, instalado, apenas esperando o aumento da pista. Quando ela estiver ampliada, trocaremos o atual sistema de balizamento por este mais moderno.

Mais passageiros

- A ampliação do aeroporto tenta acompanhar o crescimento do número de passageiros. No primeiro semestre de 2009, foi registrado incremento de 5% no movimento em relação ao mesmo período do ano passado. Veja os números do primeiro semestre, em 2008 e 2009:
> 2009 = 2.573.003
> 2008 = 2.446.258

- O resultado obtido no Rio Grande do Sul está acima da média registrada nos 67 aeroportos administrados pela Infraero no país, que foi de 1,1%;

- Um recorde: em junho, 478 mil passageiros passaram pelo Aeroporto Internacional Salgado Filho, o maior movimento mensal de sua história. Foram, em média, quase 16 mil passageiros por dia.

Veja o que será feito: CLIQUE AQUI (em .pdf)

Fonte: Francisco Amorim (Zero Hora) - Foto: Júlio Cordeiro

Comissão Europeia retira TAAG de sua lista negra

Passados dois anos, o primeiro voo da TAAG – Linhas Aéreas de Angola de Luanda a Portugal ocorreu hoje, 1º de agosto de 2009, em um Boeing 777-200ER. A Angola Airlines volta a operar no espaço aéreo europeu depois que a Comissão Europeia decidiu retirar a empresa de sua lista negra, trazendo novas esperanças financeiras à TAAG que mantinha a rota Luanda/Lisboa graças à parceria com a South African Airlines.

De acordo com o comunicado lançado pela Comissão Europeia, a TAAG retomará os voos mas “apenas com certos aparelhos e segundo condições muito estritas.” O que significa que as linhas aéreas angolanas não têm ainda luz verde para viajar para outros países europeus como a França.

Segundo António Tajani, comissário europeu dos Transportes, a TAAG mantém-se na lista negra. A Comissão Europeia reconhece “os progressos feitos pelas autoridades de aviação civil de Angola e a sua transportadora TAAG na solução de deficiências de uma forma gradual e segura.”

Recorde-se que em Julho de 2007, a TAAG ficou proibida de voar nos céus da União Europeia devido à falta de condições de segurança nas operações. Naquela época, a empresa operava seis voos por semana entre Lisboa e Luanda, e um vôo semanal para Paris.

Eugénio Costa Almeida, do blog Pululu, dá a sua opinião sobre o assunto:

"O destino aprovado foi Lisboa, pelo que a TAAG irá fazer cerca de 10 voos semanais entre Luanda e a capital portuguesa. Todavia, as restantes companhias de bandeira ou registradas em Angola continuam proibidas de voarem para a Europa. Também as aeronaves tipo Boeing B-777, com as matrículas D2-TED, D2-TEE e D2-TEF, parecem estar impedidas de voar nos céus europeus. A não ser que haja alguma razão válida parece-me que continua a haver aqui uma “certa imposição” comunitária em compra de aviões da Airbus. Mas depois dos últimos acidentes com esta companhia…”

Afonso Loureiro do blogue Aerograma escreve igualmente sobre o assunto, mostrando opinião crítica sobre a forma como Angola conduziu este assunto:

“As atribulações da companhia aérea de bandeira angolana com as autoridades europeias são já sobejamente conhecidas. A habitual arrogância com que Angola encara críticas, esperando que se adaptem as leis internacionais à realidade angolana e não o contrário, apenas tem dificultado mais o processo de certificação da TAAG que a autorizará a voar para a Europa de novo. Tudo o que um estrangeiro possa dizer de Angola é passível de ser mal interpretado e distorcido, por isso, mais não digo, com receio de que tudo isto seja lido e interpretado como o devaneio de um estrangeiro branco em Angola. Na verdade, prefiro ser apenas porta-voz do que os angolanos pensam da situação da TAAG, que reconhecem haver uma certa desorganização e informalidade na maneira como a companhia opera.”

Para ver a lista completa de companhias aéreas na lista negra da Comissão Europeia acesse o release:

Comissão atualiza lista de companhias aéreas proibidas no espaço aéreo europeu.

Fonte: Global Voices - Foto: kaysha (Flickr)

Investimento em Rondônia aumenta movimento no Aeroporto de Porto Velho (RO)

O Aeroporto Internacional de Porto Velho registrou aumento de 20,5% no movimento de passageiros durante o primeiro semestre deste ano, em comparação com o mesmo período de 2008. Até o final de junho, cerca de 250 mil pessoas embarcaram e desembarcaram no terminal de passageiros.

Para o superintendente da Infraero, Daniel Sobrinho, o aumento no fluxo de passageiros acontece por causa do crescimento acelerado da economia na região, impulsionado pelas obras das duas hidrelétricas no Rio Madeira, Santo Antônio e Jirau.

"Os investimentos chegam à cifra de R$ 20 bilhões, praticamente a metade dos recursos do PAC para a região Norte do país", explica. "Rondônia está se consolidando como um pólo de desenvolvimento".

Carga Aérea

Outra demonstração de que a região se desenvolve em ritmo acelerado é o crescimento da demanda no cargas no Terminal de Logística de Cargas, cujas operações foram iniciadas pela Infraero há apenas três meses. Nesse curto período foram movimentadas 1.132 toneladas de carga. A maioria dos produtos é destinada às indústrias instaladas no Estado.

Fonte: Mercado & Eventos - Foto: aeroportosnobrasil.blogspot.com

ABETAR questiona posição da ANAC para os slots da Pantanal

Apostole Lazaro Chryssafidis, presidente da ABETAR (Associação Brasileira das Empresas de Transporte Aéreo Regional) comemora a decisão do juiz Caio Marcelo Mendes de Oliveira, da 2ª. Vara de Falências e Recuperação Judicial de São Paulo, que concedeu liminar contra a decisão da ANAC (Agencia Nacional de Aviação Civil) de retirar e redistribuir 61 slots (espaço para pousos e decolagens) da Pantanal Linhas Aéreas no aeroporto de Congonhas, em São Paulo.

"A ANAC precisa entender que as empresas são suas aliadas no projeto de desenvolvimento do transporte aéreo. A discussão precisa ser mais ampla, pois envolve a manutenção de empregos e essa decisão só prejudica ainda mais uma empresa que luta para ver aprovada a sua proposta de recuperação, afirma o dirigente. Para Lack, a medida da agência reguladora é estranha neste momento, onde ainda está em debate à revisão da Resolução número 2, que regulamenta a concessão de slots no país.

A Pantanal é a única regional que opera em Congonhas e nesse momento, o que precisamos é contar com o apoio da agência reguladora", informou o presidente da ABETAR. "A redistribuição dos slots deve considerar também as condições que passa a empresa. Foi assim com a Varig, quando se considerou os slots como parte do ativo da empresa. O que as aéreas regionais querem é receber um tratamento igualitário", conclui.

Pelo despacho do juiz Caio Marcelo, os slots não podem ser retirados da Pantanal até que seu plano de recuperação seja aprovado, nas próximas semanas – com a previsão da venda em leilão de uma parte da empresa que inclui os espaços no aeroporto.

Fonte: Brasilturis

Temor de bomba fecha terminal de aeroporto de Nova York por 4 horas

Homem aparentemente bêbado foi detido em operação.

Terminal do La Guardia foi reaberto após polícia esvaziar local.


Pessoas deixam terminal de aeroporto de Nova York

O principal terminal do aeroporto de La Guardia, em Nova York, foi fechado por cerca de quatro horas neste sábado (1) após um homem entrar no local e dizer ter uma bomba dentro de sua mochila.

Segundo autoridades do local, centenas de pessoas foram retiradas do Terminal Central por volta das 5h30 (6h30 de Brasília) deste sábado. Os voos tiveram que ser cancelados ou adiados. A reabertura do terminal aconteceu por volta das 9h20 (10h20 de Brasília).

Jack Kelly, porta-voz do órgão responsável pelos aeroportos de Nova York e Nova Jersey, disse que uma área do terminal, onde o homem foi mantido sob custódia, permanecerá fechado até que a investigação na área seja concluída.

Autoridades disseram que um homem, que não teve a identidade revelada, “começou a agir como um louco” e que o esquadrão antibomba acabou sendo chamado após o homem dizer que tinha explosivos em sua mochila.

Políciais disseram, conforme a agência de notícias “Associated Press”, que na bolsa havia fios e pilhas, e que o conteúdo não era perigoso.

O aeroporto de La Guardia fica no bairro de Queens e cerca de 10 quilômetros de Manhattan.

Pessoas deixam terminal e passam por carros dos bombeiros no aeroporto de La Guardia, em Nova York

O site do jornal "New York Daily News", citando fontes policiais, informou que pessoas começaram a reclamar de um homem aparentemente bêbado. Quando seguranças se aproximaram dele, ele disse que tinha uma bomba em sua mochila. Em seguida, o esquadrão antibomba foi acionado e o local, esvaziado.

O homem segue sob custódia da polícia americana.

Pessoas deixam terminal Central do aeroporto de La Guardia, em Nova York, neste sábado (1)

As autoridades aeroportuárias de Nova York, que operam os três maiores aeroportos da cidade, estavam trabalhando para reorganizar os voos afetados pelo fechamento do terminal.

Fonte: G1 (com informações da Associated Press e Reuters) - Fotos: Blair Allen (AP)

Avião de treinamento cai e dois pilotos morrem na Índia

Um avião da Força Aérea da Índia (IAF) caiu em Medak, na sexta-feira (31) pela manhã.

O avião era o HAL HPT-32 Deepak, prefixo X3216 usado para formação de pilotos.

Os dois pilotos morreram. Nitin Jain e Chaturvedi (o nome completo ainda não é conhecido) eram instrutores de formação na Academia da Força Aérea.

Medak é um dos 23 distritos do estado indiano de Andhra Pradesh, na Índia.

Fontes: IBN Live / ASN - Foto: CNN-IBN

Pequeno crocodilo causa pânico entre passageiros de avião

Animal foi entregue aos veterinários e depois levado ao zoológico.

Passageiro que transportava o pequeno crocodilo não foi identificado.


Bebês-Crocodilo como o de cerca de 30 centímetros que provocou pânico entre os passageiros de um voo da Egypt Air - Foto ilustrativa

Um pequeno crocodilo de cerca de 30 centímetros provocou nesta sexta-feira (31) pânico entre os passageiros de um voo que chegou ao Cairo ao escapar da bagagem de mão de um dos viajantes, informaram fontes oficiais.

Fontes do aeroporto internacional do Cairo disseram à agência oficial egípcia "Mena" que o animal chegou em um voo da companhia aérea Egypt Air procedente da capital dos Emirados Unidos, Abu Dabi.

O pequeno crocodilo escapou da bolsa onde tinha sido escondido, já que seu transporte é ilegal, e começou a se deslocar pelo avião.

Os passageiros começaram a gritar e o incidente terminou quando os viajantes conseguiram prendê-lo.

Quando o avião chegou ao aeroporto, o animal foi entregue aos veterinários e depois levado ao zoológico desta capital.

O passageiro que transportava o pequeno crocodilo não foi identificado.

Fonte: EFE via G1 - Foto: Reuters

Aeroporto de Salvador entra em reforma a partir de terça-feira

A partir da próxima terça-feira, 4, até o dia 2 de novembro, nove voos serão cancelados e 14 terão os horários de chegada ou partida modificados, diariamente, no Aeroporto Internacional Luís Eduardo Magalhães, em Salvador. As mudanças decorrem de reformas na pista principal de pousos e decolagens. Os trabalhos de recuperação da pista, que estão na terceira e última etapa, serão realizados sempre da 0h30 às 6h30.

“Os passageiros não serão prejudicados. Quem estiver com passagens compradas para os horários em que a pista estará interditada, basta procurar a empresa aérea, que irá acomodar o cliente em um outro voo ou irá indicar o novo horário de viagem”, informa Antônio Nogueira, superintendente da Empresa Brasileira de Infraestrutura Aeroportuária (Infraero) no aeroporto de Salvador.

Segundo ele, nenhum voo internacional será cancelado, e tanto a Infraero quanto as empresas aéreas estarão de plantão no aeroporto para esclarecer os passageiros.

De acordo com o superintendente da Infraero em Salvador, as obras irão restabelecer as condições de operacionalidade da pista principal, desgastada pelas intempéries e pela própria rotina de pousos e decolagens, além de proporcionar mais segurança aos passageiros, pilotos de aeronaves e os outros profissionais envolvidos com a aviação.

“Nas outras duas etapas das reformas, não houve a necessidade de cancelar ou alterar nenhum voo. No entanto, essa última parte da obra exige as modificações, pois irá abranger a parte central da pista principal. Não tinha como não interditar”, argumenta Antônio, lembrando que a pista será utilizada normalmente após às 6h30 e antes de 0h30, horários em que as obras de reformas não ocorrem.

A reforma no aeroporto de Salvador custará cerca de R$ 13 milhões.

Serviço

A Infraero tira dúvidas e fornece informações pelos telefones 3204-1544 /1555 (24 horas).

Fonte: A Tarde Online - Foto: Revista Flap

Relatório de 2006 liga sensor a risco de acidente aéreo

Estudo da fabricante aponta que falha em pitot poderia provocar acidente com os modelos da Airbus

Um documento técnico produzido pelo Advanced Air-Data Equipment for Airliners (Adeline) - um programa europeu de desenvolvimento tecnológico que contava com a participação da Thales Avionics S.A., fabricante de tubos de pitot - admitia já em 2006 o risco de queda de aeronaves em caso de perda das informações de velocidade durante um voo. A falha foi a primeira indicada pelas mensagens automáticas enviadas pelo Airbus A330 da Air France que caiu no Atlântico, em 31 de maio. De acordo com o texto, em caso de congelamento das sondas, uma das hipóteses da queda, o risco é ainda maior.

Desde o desastre do voo 447, dirigentes da Air France e peritos do Escritório de Investigações e Análises para a Aviação Civil (BEA) têm repetido que a perda das informações de velocidade foi verificada, mas não necessariamente seria a causa da queda. A Thales jamais se pronunciou sobre o tema nem tinha admitido riscos de panes nos equipamentos que fabrica.

O relatório, assinado pela Thales e por outras organizações, reconhece o risco criado pela eventual falha dos sensores. "Esses equipamentos geram parâmetros vitais para a segurança de voos, como velocidade do ar, ângulo de ataque e altitude." E prossegue: "A perda desses dados pode causar a queda de um avião, em especial em caso de congelamento das sondas." O objetivo do projeto, copatrocinado pela Comissão Europeia, era desenvolver pesquisas para reduzir em 50% o valor de produção de equipamentos como os sensores de velocidade. Procurada para se pronunciar, a Thales não respondeu.

A revelação das sucessivas falhas de pitots vem aumentando a pressão sobre os órgãos de controle da aviação civil. Ontem, o diretor de Comunicação da Agência Europeia de Segurança da Aviação, Daniel Hoeltgen, confirmou que uma ordem de substituição de todos os sensores pode ser publicada, se uma investigação determinar.

O Sindicato Nacional de Pilotos de Linha (SNPL), que reúne 70% dos comandantes da França, tem pedido à Air France que troque os sensores da Thales pelos da Goodrich, desde que veio à tona o caso de um A320 que teve problemas num voo entre Roma e Paris, no dia 13. O avião já tinha os novos modelos de sensores BA, em tese mais resistentes a congelamento. Em nota, a Air France reafirmou a segurança dos aviões.

Fonte: Andrei Netto (O Estado de S. Paulo)

Identificação em check-in terá revisão

Em razão das constantes e avançadas tecnologias para a realização do check-in dos passageiros, a Agência Nacional de Aviação Civil criou um grupo de trabalho que deverá avaliar e revisar as melhores práticas para a identificação além de definir as atribuições e os responsáveis pelas verificações dos passageiros. A primeira reunião foi realizada na quinta-feira (30) e até outubro o grupo deverá apresentar relatório conclusivo para a Anac.

Atualmente, entre os documentos de identificação aceitos para o embarque estão a carteira de identidade, Carteira Nacional de Habilitação, Carteira de Trabalho e passaporte. No voos domésticos a verificação é feita pelas empresas aéreas e nos voos internacionais também pela Polícia Federal.

Fonte: Brasilturis

Cada aeroporto terá um contrato na privatização

A proposta de privatização dos aeroportos em elaboração pela Agência Nacional de Aviação Civil (Anac) prevê para cada terminal um contrato específico de concessão, independentemente do processo a ser escolhido, de licitação individual ou por blocos, mostra reportagem do "Globo" nesta sexta-feira. No cado de licitação por blocos, quem levar um aeroporto rentável ficaria também com outros menos lucrativos.

Antes que o edital seja elaborado, a Anac e o BNDES terão de fazer um levantamento detalhado de cada aeroporto, com receitas, despesas, áreas comerciais e espaço em geral, incluindo hangares para aviação regular e jatos executivos, para, assim, decidir qual a melhor modelagem naquele caso individual.

Por isso, o que está prestes a ser concluído pelo órgão regulador, em parceria com o Ministério da Defesa e a Casa Civil, é um estudo com uma regra geral sobre como deverá ser a exploração do serviço aeroportuário pela iniciativa privada.

De acordo com a lei de criação da Anac, essas diretrizes serão transformadas depois em um decreto presidencial. Um dos pontos discutidos é que empresas aéreas não poderão administrar aeroportos para evitar a chamada concentração vertical, que poderia criar impedimento para que a concorrente opere naquele terminal.

Fonte: O Globo

André Esteves e Marco Bologna são indicados para o Conselho de Administração da TAM

O Conselho de Administração da TAM recebeu as cartas de renúncia dos conselheiros Pedro Pullen Parente e Adalberto de Moraes Schettert, durante reunião realizada nesta sexta-feira, na sede da empresa em São Paulo.

Com as renúncias, André Esteves, presidente do BTG, e Marco Antônio Bologna, presidente da TAM Aviação Executiva, foram indicados pela TAM Empreendimentos e Participações S/A para ocupar os assentos no conselho. Os nomes serão apresentados na Assembléia Geral Extraordinária da companhia, a ser convocada para o dia 18 de agosto de 2009.

Maria Cláudia Oliveira Amaro permanece na presidência do conselho e Maurício Rolim Amaro, na vice-presidência, cargos que ambos ocupam desde abril de 2007.

Fonte: O Globo

Polícia Militar terá seu primeiro helicóptero próprio em Santa Catarina

Governo federal irá liberar R$ 18,3 milhões para investimentos na segurança

A Polícia Militar (PM) de Santa Catarina terá o seu primeiro helicóptero próprio. A compra foi anunciada nesta sexta-feira, após o governo federal liberar R$ 18,3 milhões para investimentos na segurança pública.

Segundo a Secretaria de Estado da Segurança Pública (SSP), R$ 8,3 milhões serão usados na compra da aeronave. Os R$ 10 milhões restantes servirão para aquisição de equipamentos de videomonitoramento, informática e capacitação dos servidores, entre outros.

Os dois helicópteros — Águia 1 e Águia 2 — que a PM usa no Estado são alugados. A Polícia Civil também aluga um helicóptero.

O comandante do Batalhão de Aviação da PM de Santa Catarina, tenente-coronel Milton Kern Pinto, disse a compra é mais vantajosa do que a locação. Mas ele não quis falar sobre os valores pagos atualmente pelo aluguel das aeronaves.

O secretário nacional de Segurança Pública, Ricardo Balestreri, esteve em Florianópolis nesta sexta-feira para assinar o convênio da liberação dos recursos. Ele participou do 2º Fórum Nacional de Aviação de Segurança Pública.

Além dos dois helicópteros, a PM conta com três aviões: um bimotor próprio, modelo Sêneca, com capacidade para seis pessoas; e dois aviões cedidos pela Justiça Federal, modelo Corisco, com capacidade para quatro pessoas.

Por enquanto, disse o comandante, não está prevista compra de helicóptero para o Corpo de Bombeiros. A corporação não tem aeronaves, apesar de necessitar delas.

Milton Kern Pinto não informou o modelo do helicóptero que será comprado. Também não disse quando a compra será feita.

Fonte: Diogo Vargas (Diário de Santa Catarina)

Petrobras baixa o preço do querosene de aviação em 4,26%

A Petrobras reduziu o preço do querosene de aviação (QAV) vendido no país. A partir deste sábado, o combustível que abastece aviões estará 4,26% mais barato, acumulando uma queda de 20,27% este ano, depois de já ter recuado 3,71% no ano passado.

O QAV, maior fonte de custos das empresas aéreas, caiu em seis dos oito meses deste ano. O maior recuo foi em janeiro, quando o tombo das cotações do petróleo levou a estatal a reduzir em 16,76% o preço do combustível. A Petrobras aumentou os preços do QAV apenas em maio, em 6,1%, e em julho, em 12,23%.

Os preços do QAV são reajustados mensalmente pela estatal, que considera a variação cambial e as oscilações dos preços do petróleo para determinar os preços.

Fonte: Valor Online via O Globo

Astronauta japonês usa as mesmas cuecas por um mês no espaço

Roupas de baixo 'livres de odor' são experimentais.

Ele arrancou risadas dos colegas ao revelar seu 'segredo'.

O astronauta japonês Koichi Wakata está voltando à Terra com as mesmas roupas de baixo com que começou sua visita à Estação Espacial, há um mês.

As cuecas são experimentais e projetadas para serem "livres de odor".

O japonês, que volta à Terra a bordo do ônibus espacial Endeavour, só revelou agora o segredo para seus seis colegas de missão. "Eu as vesti por um mês, e os colegas não reclamaram de nada, então eu acho que a experiência deu certo", disse, arrancando risadas dos companheiros.

O astronauta japonês Koichi Wakata a bordo do laboratório japonês no espaço

Fonte: AP via G1 - Foto: AFP