domingo, 5 de julho de 2009

Condenado por usar avião da FAB em tráfico pede Habeas Corpus

O tenente-coronel da Aeronáutica Washington Vieira da Silva quer anular as provas obtidas contra ele por interceptações telefônicas. Ele foi condenado a 17 anos de reclusão, além de multa por tráfico de entorpecentes e associação internacional para o tráfico. Por isso, entrou com pedido de Habeas Corpus no Supremo Tribunal Federal.

De acordo com a denúncia, ele foi preso junto com outras pessoas enquanto tentava embarcar em Recife uma carga de aproximadamente 32 quilos de cocaína em um avião da Força Aérea Brasileira. As drogas teriam como destino países da Europa.

Segundo a defesa, o monitoramento mantido por mais de nove meses resultou em uma verdadeira “indústria de escutas telefônicas” que viola os princípios dos direitos fundamentais.

O delegado responsável pela investigação conseguiu ordens judiciais para prorrogar as interceptações telefônicas em desacordo com a lei, segundo a defesa. O próprio Ministério Público, afirma a defesa, representou contra o delegado, mas o processo foi trancado por uma decisão do Tribunal Regional Federal da 2ª Região.

A defesa alega que o acusado sofre constrangimento ilegal porque foi condenado com base em provas ilegais. Argumenta, ainda, que é injusta a determinação do TRF-2 que decretou a perda dos seus bens, inclusive um imóvel que mora sua família. Vieira afirma que pelo fato de o imóvel ter sido adquirido em data anterior ao processo, não poderia ser tomado de sua família que corre o risco de não ter onde morar.

Assim, pede para que o STF reconheça como ilícita as provas, uma vez que todas “são frutos daquela ilegalidade ou das mesmas derivadas”. O relator do pedido é o ministro Marco Aurélio. Com informações da Assessoria de Imprensa do STF.

HC 99.619

Fonte: Conjur

Avião da GOL pousa em Curitiba após problemas no medidor de altitude

Voo de São Paulo para Joinville pousou em Curitiba para manutenção.

Sistema medidor de altitude apresentou imprecisão, diz companhia.

O músico Apollo Pacífico, 39 anos, ficou assustado após ser comunicado pelo piloto, durante um voo que ia de São Paulo para Joinville (SC), sobre problemas com o sistema para medição de altitude da aeronave. O voo 1380, que saiu do Aeroporto de Congonhas na terça-feira (30), mudou sua rota e pousou em Curitiba após imprecisão no equipamento. De acordo com o músico, o comandante comunicou os passageiros sobre a alteração.

“O voo saiu de São Paulo com mais de 40 minutos de atraso. Depois de 20 minutos de voo, o piloto comunicou pelo sistema de som da aeronave que estava com um problema no medidor de altitude e que iria direto para Florianópolis para manutenção. Dez minutos depois, ele mudou de ideia e disse que iria pousar de Curitiba. Ficamos apreensivos e estressados dentro do avião, sem saber o que poderia acontecer”, diz Pacífico, que mora em Joinville e estava em São Paulo a trabalho com a mulher.

Em nota enviada ao G1, a GOL afirma que a troca de destino final ocorreu para que a aeronave pudesse passar por uma manutenção não programada, de caráter preventivo. “A aeronave apresentou imprecisão em um dos três sistemas independentes para medição de altitude. Trata-se de um componente com função redundante, servindo apenas de apoio, para o caso de eventual pane dos demais dois sistemas, o que não ocorreu”, diz a nota.

A companhia destaca que o comandante da aeronave optou por comunicar o procedimento aos passageiros, reforçando a credibilidade da segurança operacional.

Fonte: G1

Boeing da Air France volta a Santo Domingo por um pequeno defeito

Um Boeing 777 da Air France que fazia o trajeto Santo Domingo-Paris teve de voltar na noite de quinta-feira (2) à capital dominicana em um procedimento de emergência depois de detectada uma falha em seu sistema de ar condicionado, informou a companhia aérea

"Foi detecado um problema no sistema de climatização e preferimos regressar para verificar", informou nesta sexta à AFP María de Velásquez, diretora de Relações Públicas da Air France em Santo Domingo.

O voo AF493 decolou às 21H20 local de quinta do Aeroporto Internacional das Américas, na cidade de Santo Domingo, e regressou 20 minutos depois pasra verificar o defeito.

"A falha não foi do motor (...), é um avião novo", destacou Velásquez, explicando que o Boeing 777 estará em funcionamento a partir desta mesma sexta.

Fonte: AFP via CGN

Gripe A: portugueses "expulsos" de avião por usarem máscara

Estudantes regressavam de viagem de finalistas a Palma de Maiorca com máscaras

Treze estudantes portugueses foram "convidados" a abandonar o avião, em Palma de Maiorca, por recusarem tirar as máscaras de proteção respiratórias por receio da Gripe A.

O pedido foi feito pelo comandante do avião, sendo que 12 dos 25 estudantes que faziam parte do grupo atenderam ao pedido e puderam viajar para Portugal no mesmo voo.

O grupo de 13 estudantes ficou retido em Palma de Maiorca, depois de terem tentado entrar no avião de máscara, alarmados pelos telefonemas de familiares a relatar casos de contágio de Gripe A nas Ilhas Baleares.

No entanto, segundo o Jornal de Notícias, a tripulação considerou que o uso das mascaras estava a alarmar os restantes passageiros e pediu-lhes que retirassem as máscaras. Perante a recusa de 13 estudantes o comandante "convidou-os" a abandonar o avião.

Segundo o organizador da viagem, a "Air Berlim", companhia onde viajavam os estudantes, já providenciou alojamento para esta noite e o regresso para este sábado, em voo equivalente.

Fonte: IOL Diário (Portugal)

Número de acidentes com aviões diminuiu em relação a 2008

A segurança aérea melhorou e ocorreram menos acidentes de avião desde o começo do ano, em comparação ao mesmo período de 2008, anunciou nesta sexta-feira a Associação Internacional de Transporte Aéreo (IATA).

"Este ano ocorreram acidentes importantes, mas é preciso ter ciência de que a segurança é globalmente melhor este ano do que no ano anterior", indicou à AFP um porta-voz da IATA.

No total foram registrados 37 acidentes desde o começo do ano, contra 67 no mesmo período de 2008, entre eles 11 graves (contra 12 no ano passado).

O balanço as pessoas que morreram nos acidentes aéreos não se encontra disponível ainda, segundo o porta-voz, acrescentando que o mesmo só será estabelecido para o ano completo.

Duas grandes catástrofes aéreas ocorreram em apenas um mês. O Airbus A330 da Air France que voava entre o Rio de Janeiro e París desapareceu em 1o. de junho no Oceano Atlântico com 228 pessoas a bordo.

Na terça-feira, um Airbus A310 da Yemenia caiu no mar perto do litoral comorense com 153 passageiros e membros da tripulação. Apenas uma passageira de 12 anos, Bahia Bakari, foi encontrada com vida.

A IATA registrou no ano passado 109 acidentes, contra 100 em 2007. Os acidentes importantes aumentaram de 20 a 23 em um ano.

Fonte: AFP

França usará prospecção submarina se não encontrar caixas-pretas do voo 447

O secretário de Transportes francês, Dominique Bussereau, afirmou em entrevista nesta sexta-feira à emissora "RTL" que o governo francês irá se valer até de meios de prospecção submarinos para tentar encontrar as caixas-pretas do Airbus A330 da Air France, que caiu no dia 31 de maio deste ano com 228 pessoas a bordo.

Em entrevista realizada quinta-feira (2) em Paris para apresentar os resultados de um relatório preliminar das causas do acidente, Alain Bouillard, do Escritório francês de Investigação e Análise (BEA, na sigla em francês), afirmou que as buscas pelas caixas-pretas devem prosseguir até o dia 10 deste mês.

Hoje, entretanto, Bussereau afirmou que elas podem continuar além desta data. "Se não forem encontrados os meios clássicos até o dia 10 de julho, depois continuaremos com meios de prospecção submarinos", afirmou na entrevista que concedeu à emissora.

Isso ocorrerá, segundo ele, mesmo que as caixas tenham, de fato, deixado de emitir sinais. As caixas-pretas foram construídas para emitir sinais por cerca de 30 dias após a queda, prazo já vencido. "Esta perseverança se justifica para contar a verdade para as famílias, contar a verdade para o pessoal da Air France e também contar a verdade para cada um de nós que utiliza o transporte aéreo e quer saber o que aconteceu", explicou Bussereau.

As caixas-pretas são importantes para identificar os motivos do acidente. Os trabalhos são dificultados pela profundidade do local da queda do avião - estimada entre 3.000 metros e 3.500 metros - e pelo relevo de difícil acesso do oceano Atlântico na região da tragédia.

Segundo o relatório divulgado ontem, o Airbus da Air France não se partiu em voo. Segundo as investigações, o avião tocou a água inteiro, com muita velocidade.

A França é a responsável pelas investigações do acidente. Segundo Bouillard, as equipes de buscas francesas devem entrar na segunda fase de buscas entre os dias 14 e 20 de julho que deve se estender até o dia 20 de agosto. Nesta nova fase, serão usados robôs e sonares para localizar partes de Airbus A-330.

Fonte: Folha Online

Monomotor é interceptado pela FAB transportando cocaína em Rondônia

Um avião monomotor de matrícula boliviana foi identificado pela Aeronave-Radar da Força Aérea Brasileira (FAB) sobrevoando o município de Alta Floresta d'Oeste, no interior de Rondônia, sem autorização, na sexta-feira (3).

A aeronave foi interceptada por tráfego irregular, e após um tiro de aviso fez pouso forçado numa pista de terra.

Dentro do avião havia 166 quilos de pasta base de cocaína. A droga foi apreendida pela Polícia Federal. Os dois pilotos estão presos na cidade de Pimenta Bueno aguardando julgamento.

Fonte: TV Rondônia via O Globo

Voo 447: A330 estava inteiro ao cair no mar

O A 330 que realizava o voo 447 e se acidentou no dia 31 de maio atingiu ainda inteiro o mar e em "forte aceleração vertical", ou seja, não houve explosão nem incêndio antes da queda, afirma o Escritório de Investigações e Análises (BEA), o órgão responsável pelas investigações do acidente que causou a morte de 228 pessoas. Os especialistas da entidade, no entanto, não são capazes de concluir se houve despressurização durante o voo ou se os passageiros ainda estavam vivos no momento do choque.

A falha nos sensores de velocidade segue como principal pista para explicar a queda, mesmo que não haja certeza de que a pane seja a causa original da catástrofe.

As conclusões fazem parte do primeiro relatório apresentado publicamente pelo BEA, um mês depois da tragédia. As informações dadas frustraram as famílias. "Não sabemos se houve despressurização ou não, nem se no momento do impacto no mar as pessoas estavam vivas ou não. Só espero que essas questões não se prolonguem por anos", disse Christophe Noël-Guillot, coordenador da Associação pela Verdade, Auxílio e Defesa das Vítimas do Voo 447 (mais informações nesta página).

"O avião não foi destruído em voo. Parece ter atingido a superfície da água em linha de voo e com uma forte aceleração vertical", disse o responsável pelos trabalhos de investigação, Alain Bouillard, em entrevista ontem à tarde na sede do escritório do BEA, em Le Bourget, periferia de Paris.

A constatação vem do fato de que a parte de baixo do avião estava "muito danificada" e deformada em direção ao alto. As observações nos destroços recuperados também permitem aos investigadores concluir que o leme, encontrado ainda fixado ao avião, foi rompido em um movimento brusco de trás para a frente, o que deve significar que foi arrancado no momento do choque.

PITOT

O defeito nos sensores de velocidade - os chamados tubos de pitot -, apontado como uma das possíveis causas do acidente, é por enquanto o único elemento concreto de que os investigadores dispõem. Esse defeito, no entanto, ainda não pode ser apontado como a razão da tragédia. "O pitot é um dos primeiros elementos da cadeia eletrônica. É algo fortemente suspeito. Mas, hoje, o pitot é um dos elementos, não é a causa."

Conforme Bouillard, nenhum colete de salvamento foi encontrado cheio, dando a entender que os passageiros não estavam preparados para a queda.

TURBULÊNCIA

As 24 mensagens automáticas enviadas pela aeronave a partir das 2h10 (23h10 no horário de Brasília) indicam que, em decorrência da falha nos pitots, o piloto automático foi desativado e a aeronave passou a ser comandada manualmente, ao mesmo tempo em que enfrentava uma zona de turbulência. É a partir desse momento que sucessivos sistemas estruturais do avião começam a entrar em pane da mesma forma, de acordo com as mensagens.

Os testemunhos recolhidos com outros pilotos que efetuavam rotas semelhantes no mesmo horário apontam que todos, naquela região, tiveram dificuldades de comunicação com os controladores de Dacar e optaram por contornar a zona de turbulência. Não se sabe se o piloto do 447 tentou fazer o mesmo.

Fonte: Agência Estado via Último Segundo - IG

Ataque de avião americano mata pelo menos dez no Paquistão

Pelo menos dez insurgentes morreram em um novo ataque com mísseis supostamente lançados por aviões não-tripulados dos Estados Unidos na sexta-feira (3) em Waziristán do Sul, uma área fronteiriça com o Afeganistão.

Segundo o canal Geo TV, que cita fontes não identificadas, o míssil se chocou contra um campo de treinamento no município de Kokatkhel, feudo do líder talibã Baitulá Mehsud.

Um segundo míssil atingiu a região de Mantoi, mas segundo testemunhas não fez vítimas. Em 23 de junho, 65 pessoas que acompanhavam um funeral morreram em um ataque similar também em Waziristán do Sul.

Ataques com aviões não-tripulados dos EUA são frequentes em áreas tribais paquistanesas, especialmente em Waziristán, considerada refúgio de membros da rede terrorista Al Qaeda e onde o Exército paquistanês prepara uma grande ofensiva, segundo fontes militares.

Fonte: Band

Gaúchos lançam simulador de voo

A Anac acaba de homologar o primeiro dispositivo de treinamento de voo brasileiro, desenvolvido pela equipe da SBPA Simulators, empresa especializada em simuladores de aviação e incubada há um ano na Unitec.

Para ser homologado e então utilizado em instrução de voos, o dispositivo deve ter o tamanho exato dos painéis de controle de um avião e incluir software e hardware necessários para simular operações no solo ou no ar.

Sem concorrente no estado, mas disputando com nomes de peso nos mercados nacional e internacional, a companhia aposta na customização de seus produtos como diferenciação.

“Nossos concorrentes já têm a marca consolidada no mercado, porém a morosidade no suporte e manutenção dos equipamentos, além do preço elevado pelos serviços, desagrada os consumidores”, declara Luciano Mohr Zoppo, um dos sócios da SBPA Simulators.

Antes de se dedicar à incubada, Zoppo trabalhou por onze anos como responsável técnico dos simuladores de vôo da Faculdade de Ciências Aeronáuticas da PUC-RS enquanto o outro sócio, Adriano Oliveira, atuava na área de software de design, documentação e normas da aviação civil.

A empresa recentemente foi contemplada pelo programa Prime da Finep e receberá R$ 120 mil para desenvolver novos projetos. Em termos de faturamento, 50% da meta para 2009 já foi batida.

Agora, a SBPA Simulators foca no desenvolvimento e em pesquisas a fim de substituir a tecnologia importada por nacional. Entre os planos estão a fabricação de um simulador para jatos e helicópteros e o desenvolvimento de produtos, tanto para venda quanto para aluguel, no setor de simuladores para entretenimento eletrônico em temas como aviação, esportes e automobilismo.

Na carteira de clientes, nomes como TAM Linhas Aéreas, Escola Nacional de Vôo por Instrumento, Universidade Estácio de Sá, Westwings, Brigada Militar, Aeroclube de Caxias do Sul, PUC-RS e Escola de Aviação Congonhas.

Fonte: Baguete - Imagem: flysbpa.com.br

Agente de viagem dá golpe de $250 mil em Nova Iorque

Renato Costa vendeu mas não entregou as passagens de 250 brasileiros

Renato Costa (foto ao lado) trabalhava vendendo passagens, compradas de uma agência de viagens. As vítimas recebiam apenas as reservas das passagens que não eram pagas.

Um agente de viagens em Nova Iorque lesou centenas de brasileiros. Renato Costa trabalhava como agente autônomo da Brazilian Travel Service efetuando as reservas mas ficava com o dinheiro. O dono da agência, João de Matos, disse que os brasileiros vão poder embarcar para o Brasil.

De acordo com João de Matos o agente lesou 250 brasileiros. Renato era um agente independente que comprava as passagens da agência e revendia para os clientes. Mas na hora os brasileiros ficavam impossibilitados de embarcar porque as passagens não haviam sido emitidas. Quem pagou, deu dinheiro somente para uma reserva.

Renato portava um cartão de visitas em nome da Brazilian Travel Service mas emitia recibos no próprio nome, sem o timbre da agência. O envolope timbrado da agência teria sido roubado, segundo o proprietário.

O caso foi parar na polícia. Brasileiras lesadas foram até uma delegacia registrar ocorrência. “Lógico que nós fomos vítimas de um golpe”, afirmou Marilene Broeto, que perdeu $2,100. Outra brasileira, Márcia Pinheiro, chegou a pagar $5,700 por oito passagens aéreas, e se sente lesada. Para Linca Martino, que perdeu $2,500, o mais triste de tudo é ver um compatriota lesando outros e tachou o golpe de baixo. Jania gastou $4,300 na compra de quatro bilhetes. O golpe pode chegar a $300 mil.

Em entrevista ao Comunidade News, João de Matos disse que antes do golpe vir à tona ele foi procurado por Renato que estava acompanhado de um advogado criminalista na sexta-feira (19). Segundo o dono da agência, o acusado chorava bastante e o advogado dizia que uma tragédia havia ocorrido. Ainda conforme João de Matos, o advogado propôs que ele assinasse promissórias dando a Renato um prazo de até 30 anos para repor o dinheiro evitando que acusações formais fossem efetuadas contra ele.

Viagens garantidas

João de Matos disse que Renato comprava e revendia passagens da Brazilian Travel Service há cerca de 2 anos e meio, e nunca tinha apresentado problemas até então. Há duas semanas, João de Matos foi procurado por aproximadamente 10 passageiros lesados. Segundo ele, a família de uma das vítimas já tinha sido lesada pelo mesmo agente, em Belo Horizonte, há 15 anos.

Os passageiros prejudicados mostraram a João de Matos papéis da TAM e o cartão de visita da Brazilian Travel, emitido por Renato sem a autorização da empresa. Segundo o levantamento da agência, o número de passageiros lesados chega a 250.

João de Matos garantiu que todos os brasileiros lesados por Renato embarcariam para o Brasil. “Todo mundo que aparecer com a reserva feita nós iremos honrar e eles irão viajar. Apesar de não ser reponsável pelas passagens, eu não quero ver estas pessoas que trabalharam tanto para comprar as passagens no prejuízo. Se tiver que ter uma vítima que seja eu ”, declarou. Ele calcula um prejuízo de $250.000.

Brasileiro foragido

Até o momento Renato Costa está foragido, mas João de Matos disse que a polícia está em contato com o advogado do brasileiro para negociar a sua apresentação à justiça. O empresário disse que o golpe praticado por Renato se enquadra no crime de pirâmide.

O agente acusado dos golpes não foi localizado nem no telefone celular, nem no endereço que ele apresentou como residência.

Fonte: Comunidade News - Foto: Reprodução

Webjet dobra o desconto para crianças nas férias de julho

Até o dia 31 de julho, a Webjet Linhas Aéreas dobra o desconto oferecido para crianças de 2 a 11 anos completos. Os pequenos passageiros, viajando acompanhados ou desacompanhados, passam a pagar 50% do valor da tarifa adulto.

Normalmente, o desconto das tarifas para crianças é de 25% do valor adulto. A promoção é válida para todos os trechos operados pela Webjet. Bebês de 0 a 23 meses são isentos de tarifa. Os bilhetes com desconto já estão à venda.

Perfil da Webjet

Conectando 10 cidades com Boeings 737-300, a Webjet Linhas Aéreas acrescenta este mês mais dois aviões à sua frota, totalizando 16 aeronaves, e passa a oferecer cerca de 100 voos diários, a partir de julho. A companhia ocupa a terceira colocação no mercado em 2009, com 3,94% de participação acumulada no ano, segundo dados da Agência Nacional de Aviação Civil (Anac). Telefone 0300 21 01234 ou no site www.webjet.com.br

Fonte: Portal Fator Brasil

Homem sofre acidente com parapente em Florianópolis (SC)

Vítima estava consciente quando foi levada para o Hospital Celso Ramos

Um homem sofreu um acidente de parapente por volta das 15h40min deste domingo (5) na praia do Matadeiro, em Florianópolis. Segundo informações do Corpo de Bombeiros, o parapente caiu de uma altura de aproximadamente 15 metros nas proximidades de um bar na praia, que fica no sul da Ilha de Santa Catarina.

Luciano Viago, de 26 anos, foi resgatado pelo helicóptero Águia, da Polícia Militar, e levado para a sede do Grupo de Busca e Salvamento dos Bombeiros, no Centro da Capital.

De acordo com o Grupamento de Radiopatrulhamento Aéreo da Polícia Militar (Graer), a vítima estava consciente e sentindo dores lombares quando foi levada para o Hospital Celso Ramos, onde passaria por exames médicos.

Fonte: Diário Catarinense - Imagem Ilustrativa

Jovem perde controle de paraglider e cai na Grande São Paulo

Acidente ocorreu na manhã deste domingo (5) em Pirapora do Bom Jesus.

Helicóptero Águia, da PM, levou piloto para hospital em Osasco.


Um jovem de 18 anos perdeu o controle do paraglider (semelhante ao da foto ao lado) e caiu no fim da manhã deste domingo (5) no Morro do Capuava, em Pirapora do Bom Jesus, na Grande São Paulo, de acordo com o Corpo de Bombeiros. Ele foi levado pelo helicóptero Águia, da Polícia Militar, ao Hospital Regional de Osasco.

A queda ocorreu por volta das 11h45 em uma mata perto da Estrada dos Romeiros - o local é considerado de difícil acesso. Três equipes do Corpo de Bombeiros de Barueri, que atende o município, foram para o local do acidente. Dois helicópteros da PM pousaram em uma clareira perto do morro para auxiliar no socorro ao ferido.

O jovem foi resgatado por volta das 13h10 deste domingo. Segundo os bombeiros, ele estava consciente, recebeu o primeiro atendimento no local e foi colocado no helicóptero para ser levado ao hospital em Osasco.

Fonte: G1 - Foto: flybubble.co.uk

Helicóptero simula acidente e chama atenção em Campo Grande (MS)

O helicóptero da Sejusp (Secretaria de Estado de Justiça e Segurança Pública) chamou a atenção de quem passava pela Avenida Afonso Pena, em Campo Grande. Uma simulação de acidente de trânsito ocorria em comemoração aos 150 anos do Corpo de Bombeiros.

Policiais militares em viaturas de cor preta participam da cerimônia de formatura de 50 PMs, na Ciptran (Companhia Independente de Trânsito), no trecho perto da Rua Bahia.

Foto: Adriano Hany

Foto: Moisés Palácios (O Estado de MS)

Helicóptero da Sejusp chamou a atenção de público no Centro da Capital

Durante a simulação, um episódio real chamou a atenção dos militares. Um princípio de incêndio, no banco Itaú, na Barão do Rio Branco, mobilizou a equipe, mas não teria sido nada grave.

Fontes: Jacqueline Lopes (Midiamax) / Adriany Vital e Nadyenka Castro (Campo Grande News)

Lufthansa amplia presença no mercado angolano lançando 2.o voo semanal Luanda-Frankfurt

A Lufthansa anunciou o segundo voo semanal na rota Luanda-Frankfurt, que facilitará as conexões aéreas de Angola para o Brasil. A empresa aérea acrescentou um voo à rota entre Angola e a Alemanha desde junho. O voo LH 561 parte de Angola às sextas-feiras, às 21h25, chegando em Frankfurt no dia seguinte, às 6h50. Os voos são operados por Airbus A340-300.

O novo voo complementa o serviço Lufthansa já existente partindo de Luanda aos domingos e chegando em Frankfurt às segundas-feiras de manhã, possibilitando aos clientes maior flexibilidade e mais oportunidades de viagem. Passageiros Lufthansa dispõem de mais de 4.600 voo semanais para 107 destinos na Europa e 23 cidades nos EUA a partir do centro de distribuição Frankfurt – uma malha aérea superior à de qualquer outra empresa aérea no mercado.

Durante sua visita a Luanda, Karl-Ulrich Garnadt, diretor executivo de Serviços a Passageiros e Gestão dos Centros de Distribuição da Lufthansa Passage Airlines, afirmou que “apesar dos atuais desafios econômicos, a Lufthansa investe em mercados em desenvolvimento selecionados, entre eles Angola.” Referindo-se à importância estratégica do continente africano para a Lufthansa, Garnadt acrescentou: “Angola oferece excelentes oportunidades para continuarmos desenvolvendo nossa malha aérea na África, transformando a Lufthansa na primeira escolha para passageiros que viajam a negócios.”

De acordo com Karl Ulrich Garnadt, em sintonia com a filosofia da Lufthansa de continuar expandindo seu portfólio de petróleo e energia, a proposta é ampliar continuamente a presença nos mercados africanos. O maior foco de expansão da Lufthansa no continente africano foi o sucesso alcançado com o lançamento dos novos destinos Malabo e Luanda no ano passado, e com o de Libreville, a ser inaugurado em 15 de julho deste ano. Salvo autorização governamental, a oferta de espaço também deverá ser ampliada nas rotas da África Ocidental. Em Angola, o sucesso obtido no ano passado pela Lufthansa deve-se principalmente ao apoio e à cooperação recebidos das diferentes agências governamentais e autoridades locais.

Exercendo papel-chave na indústria da aviação, a Lufthansa é sinônimo de especialista em aviação, conhecidos padrões de serviços e uma malha aérea global sem paralelos. A Lufthansa continua mantendo o foco nas necessidades de seus clientes e investindo no desenvolvimento de novos produtos e serviços inovadores, fortalecendo seu papel de líder entre as empresas aéreas européias. Ao transformar a viagem de seus clientes em um evento com o máximo de tranquilidade e conforto, a empresa aérea mostra estar estrategicamente focada no segmento premium. Outro exemplo dessa iniciativa são os produtos e serviços oferecidos no Lufthansa First Class Terminal em Frankfurt.

A Lufthansa também estreita laços com organizações renomadas como o alemão Instituto Goethe, que inaugurou uma nova filial em Luanda em 15 de junho. Cooperações desse tipo são valiosas plataformas de intercâmbio cultural. A recente introdução do Lufthansa PartnerPlusBenefit em Angola para empresas de pequeno e médio porte despertou grande interesse na comunidade empresarial. “Para clientes que planejam sua viagem com bastante antecedência, a Lufthansa introduziu atraentes tarifas Economy Class para a Europa”, afirmou Manfred Rosenthal, diretor geral da Lufthansa em Angola. Os clientes também se beneficiam com o ‘conceito de peças’, que permite transportar duas peças de bagagem no total de 23 quilos na Economy Class e duas peças no total de 32 quilos na Business Class. Passageiros que partem de Luanda têm a possibilidade de agilizar seu procedimento de embarque fazendo uso do ‘home printed boarding pass’, o cartão de embarque impresso em casa, emitido logo após o check-in online no www.lufthansa.com. Passageiros com bagagem portadores do cartão de embarque impresso em casa podem dirigir-se diretamente ao balcão de check-in prioritário.

Aos clientes corporativos da indústria do petróleo, a Lufthansa oferece sociedade com benefícios atraentes no “Oil & Energy Club”: são 221 assentos no total disponíveis em First, Business e Economy Class no Lufthansa Airbus A340-300, o avião que serve a rota Luanda-Frankfurt.

Fonte: Aviação Brasil

Aeronave é roubada de aeroporto de Três Lagoas (MS)

Foto: Aviação Paulista

Uma aeronave (foto acima) que estava no pátio do aeroporto Municipal de Três Lagoas, em Mato Grosso do Sul, foi levado na madrugada de sexta-feira (3) por bandidos armados e encapuzados.

Segundo informações, um funcionário foi rendido pelos bandidos e obrigado a abrir a porta que dá acesso à pista. Os acusados amarraram a vítima e a abandonaram em um mato próximo à pista.

De acordo com o funcionário, três bandidos fugiram no avião Cessna 182P, prefixo PT-KQY, de propriedade particular e os outros em uma caminhonete preta com características de uma Blazer. Ninguém foi localizado.

Localização de Três Lagoas

Fontes: Correio do Estado / ANAC - Mapa: Raphael Lorenzeto de Abreu

Conheça outros acidentes aéreos que tiveram um único sobrevivente

Enquanto equipes de resgate buscam pela caixa-preta e por corpos de pessoas que estavam a bordo do voo da Yemenia que caiu no Oceano Índico nesta semana, a história de Bahia Bakari, a adolescente que foi a única a ter escapado com vida da tragédia, faz recordar outras histórias de quem viveu proeza semelhante.

Os feitos inacreditáveis incluem o de Vesna Voluvic, a aeromoça sérvia que estava em um avião que explodiu sobre a então Tchecoslováquia em um suposto atentado terrorista em janeiro de 1972.

Vesna, que recebeu posteriormente um prêmio da organização Guinness World Records pela "mais alta queda do espaço sem paraquedas", despencou de mais de 10 mil metros de altitude junto com uma parte da fuselagem do avião, para cair nos montes nevados da hoje República Checa.

Apesar dos ferimentos sérios, que incluíram duas pernas quebradas, a sobrevivente diz que uma conveniente perda de memória a poupou dos horrores do trauma pós-acidente: "Até hoje gosto de viajar e não tenho medo de voar", afirmou.

Semanas antes, na véspera do Natal de 1971, um avião de passageiros também explodiu depois de ser atingido por um raio sobre a Amazônia peruana. Todos morreram, à exceção da garota de 17 anos Juliane Koepcke, que caiu de uma altitude de cerca de 3 mil metros ainda abotoada ao seu assento.

Acredita-se que os fortes ventos que sopravam de baixo para cima suavizaram a queda, fazendo o assento descer em espiral e não em queda livre. A adolescente alemã passou 11 dias vagando na selva, sem comida, em busca de civilização.

História semelhante é a de George Lamson Jr, que tinha 17 anos quando sobreviveu à queda do Lockheed L-188 Electra da Galaxy Airlines, que matou as outras 70 pessoas a bordo em janeiro de 1985.

Lamson Jr também foi lançado ainda atado à sua cadeira quando a aeronave caiu logo após decolar do aeroporto de Reno, em Nevada, explodindo em seguida. Outros dois passageiros sobreviveram ao impacto inicial, mas morreram dias depois.

As histórias de sobreviventes nestas circunstâncias incluem a de uma garota de quatro anos que escapou da queda do voo 255 da Northwest Airlines em agosto de 1987. Mais de 150 pessoas morreram no acidente, segundo os organizadores de um memorial pelas vítimas da catástrofe.

Jovens e adultos

Os relatos levantam debates sobre como elevar as chances de sobrevivência em caso de acidente aéreo, e até se crianças e jovens têm mais chances de escapar de um acidente que um adulto.

Lembrando outros casos de jovens que escaparam de um desastre aéreo, a BBC perguntou a especialistas se a idade pode aumentar ou diminuir as chances de sobrevivência.

"Um adulto cuja cabeça se eleva acima do encosto da cadeira e as pernas no chão tem mais chances de receber algum tipo de golpe em virtude de destroços sendo lançados na cabine. Você está mais propenso a quebrar algum membro", disse o professor da Universidade de Greenwich Ed Galea.

"Um jovem em sua própria poltrona pode estar mais ou menos protegido e menos suscetível a receber ferimentos corporais. Eles estão mais ou menos protegidos em um ambiente sólido e rígido", afirmou.

Entretanto, ele evitou aplicar o raciocínio ao caso de Baya, afirmando que não há aparentemente razões fisiológicas que justifiquem uma criança ter mais chances de sobrevivência que um adulto.

Em 1995, uma garota de nove anos foi a única sobrevivente da explosão em pleno ar de um avião na Colômbia.

Dois anos depois, um garoto tailandês escapou de um acidente que matou 65 pessoas durante um voo da Vietnam Airlines.

Em 2003, um menino de três anos foi o único sobrevivente de um acidente aéreo no Sudão que matou 116 pessoas.

Dicas de sobrevivência

Em uma série de reportagens especiais sobre o tema, veiculada em 2006, a BBC pediu a especialistas que dessem dicas de como sobreviver a um acidente aéreo.

Autor de uma base de dados com relatos de 2 mil sobreviventes, o professor Ed Galea disse à época que a sobrevivência "não é uma questão de destino".

"Há coisas que você pode fazer para melhorar suas chances de sobreviver", afirmou. Uma delas é se familiarizar com as saídas de emergência do avião e com a melhor maneira de desabotoar o cinto de segurança. Ed Galea disse que, surpreendentemente, muitos passageiros tendem a tentar se livrar do cinto apertando-o, como se fosse de um carro.

Já o especialista Tom Barth, da AmSafe Aviation, disse que praticar a posição de emergência, na qual o passageiro abraça as próprias pernas ou se recosta na poltrona da frente, pode fazer diferença.

"O mais importante é abaixar o torso superior o mais que puder, limitando o efeito das forças de impacto", disse Tom Barth. "A posição de emergência é a que oferece melhor chance de sobrevivência em um acidente aéreo, porque evita que o passageiro seja lançado de um lado para o outro."

Segundo o especial, embora muitos acreditem que suas chances de sobreviver a um impacto aéreo são praticamente nulas, a realidade conta uma história mais otimista. Mais de 90% dos acidentes aéreos têm sobreviventes hoje em dia, graças aos avanços tecnológicos e no conhecimento desses episódios.

Apenas nos Estados Unidos, afirmou a série, entre 1983 e 2000 foram registrados 568 acidentes. Das 53.487 pessoas a bordo, 51.207 sobreviveram.

Fonte: BBC Brasil via O Globo

Professor vê preconceito em cobertura de tragédia em Comores

Seja no oceano Atlântico ou no Índico, 137 franceses perderam a vida em um acidente de avião em menos de um mês - 72, dos quais 11 eram da tripulação, no voo AF 447 da Air France, e 65 no voo IY 749 da Yemenia. No entanto, esta segunda tragédia, que deixou como saldo um número vítimas semelhante à primeira, não suscitou a mesma comoção no país. E o motivo, lamenta Jérémie Gandin, da Escola Superior de Jornalismo, é o que pode ser definido no mínimo como preconceito.

"Infelizmente, no imaginário dos franceses, um francês de origem comoriana parece ser menos francês do que um que nasceu em Paris. É triste. Como os passageiros eram todos negros, parece que a França e a mídia francesa se interessam menos por essas vítimas, sendo que, na verdade, eles são igualmente compatriotas", afirma o professor, especialista em televisão e titular da escola que uma das mais respeitadas na formação de comunicadores no país.

Ao longo da terça-feira, dia do segundo acidente, os telejornais não gastaram mais do que dez minutos para falar da catástrofe, mesmo que mais do que um terço das 152 vítimas fosse de nacionalidade francesa. Nos sites dos principais jornais, como o Le Monde ou o Libération, o acidente, por poucos instantes, ocupou os espaços de maior destaque, como a manchete. O interesse era nitidamente menor, se comparado ao vôo proveniente do Brasil.

No acidente da Air France, ao contrário, a mídia francesa não falou de outro assunto durante diversos dias consecutivos. Tal como na imprensa brasileira, na França todas as abordagens relativas ao acidente - investigações, causas, localização de destroços e corpos, famílias de vítimas ou indenizações - recebiam atenção especial.

O fato de este novo drama não envolver uma companhia aérea francesa e de o acidente ter ocorrido no último percurso de um trajeto com três escalas influencia a cobertura menos intensa. Resta saber o quanto pesa o fato de os 65 mortos serem humildes, de origem africana, e em sua maioria habitantes da periferia de Paris ou, principalmente, Marselha. A cidade litorânea abriga a segunda maior comunidade imigrante e muçulmana do país.

Nos debates televisivos que se sucederam a esta segunda tragédia, o tema da segurança aérea imperou. A França se exime de toda a responsabilidade na queda da aeronave, uma vez que os passageiros que tinham como destino a capital do Comores, Moroni, trocaram de aeronave tão logo pousaram pela primeira vez além do espaço europeu, no Iêmen. Em Sanaa, os passageiros deixaram o avião no qual partiram de Paris, um Airbus A330-200, e embarcaram em um Airbus A310, cujas condições de segurança estavam sob suspeita desde 2007, quando a aeronave foi proibida de sobrevoar a Europa.

Mesmo que as responsabilidades não sejam as mesmas que as implicadas no vôo entre Rio de Janeiro e Paris, a comunidade comoriana vem pedindo, desde que o acidente se confirmou, que a França se engaje com o mesmo vigor na busca por corpos ou pelas caixas-pretas da aeronave. Por enquanto, mergulhadores e um número incerto de navios e helicópteros foram postos à disposição no local e estão auxiliando nas buscas, junto com um apoio norte-americano. O número de mergulhadores americanos é maior do que os franceses: são 15 dos Estados Unidos e nove da França.

O presidente francês, Nicolas Sarkozy, prometeu comparecer a uma cerimônia em homenagem às vítimas, que acontecerá no final da tarde de hoje na Grande Mesquita de Paris.

Sobrevivente causou comoção

Em meio a tanto desânimo na cobertura jornalística, uma história enfim desperta a mídia francesa: a única sobrevivente do drama era uma adolescente francesa: Bahia Bakira. Os relatos de seu pai, Kassim Bakira, ocuparam o espaço que o acidente, sozinho, não tinha conseguido atingir.

"Foi o evento que de fato despertou a França para a história", atesta Gandin. "A partir de então, todos quiseram saber sobre o milagre que aconteceu com a jovem francesa."

Fonte: Lucia Jardim (Terra) - Imagem: AFP

Boeing entrega um avião a menos que no 2º trimestre de 2008

A Boeing anunciou na quinta-feira que entregou 125 aviões comerciais durante o segundo trimestre, acumulando 246 unidades na primeira metade do ano. O dado referente ao período de abril a junho se compara com 126 aeronaves comerciais entregues em igual período do ano passado.

Para o analista Alex Hamilton, da Jesup & Lamont Securities, os números apresentados pela Boeing não trazem nada de incomum.

"Onde eu acho que realmente não há visibilidade, e que tem pressionado as ações, são as novas encomendas, as entregas previstas para 2011 e para depois disso", disse o analista.

As ações da Boeing têm caído desde que a fabricante de aviões anunciou na semana passada que iria adiar o voo teste de seu revolucionário jato comercial Dreamliner 787. O voo deveria acontecer durante o segundo trimestre.

A Boeing, segunda maior fabricante mundial de jatos comerciais depois da europeia Airbus, também divulgou nesta quinta-feira que suas operações de Defesa entregaram 33 aviões no segundo trimestre, com um total de 59 unidades de janeiro a junho.

Fonte: Reuters via Invertia

Homem passa mal e obriga avião com ex-BBBs a pousar em MG

Um avião da TAM, que partiu de Guarulhos (SP) em direção a Salvador, na quinta-feira (02), teve que fazer um pouso urgente por volta das 12h no aeroporto de Confins, em Minas Gerais, por causa de um passageiro que passou mal. Estavam na aeronave os ex-participantes da nona edição do reality show Big Brother Brasil, da TV Globo, Nana, Maíra Cardi e Leo Jancu.

Segundo a companhia aérea, não ocorreu um pouso de emergência, mas um procedimento de urgência para que o passageiro recebesse atendimento médico. Depois de deixar o homem, o avião partiu para Salvador.

Fonte: Terra

easyJet abre novas rotas em Portugal a partir de 2 de Novembro

A low-cost easyJet vai começar a voar diariamente entre Lisboa-Roma e Porto-Londres a partir de 2 de Novembro e vai reforçar a ligação entre a capital portuguesa e Madrid para três voos diários a partir de Outubro.

A companhia colocou hoje no mercado tarifas desde 26,99 euros por trajecto, com taxas incluídas para a nova rota que liga Lisboa e o aeroporto de Fiumicino em Roma.

Os voos de segunda a sexta-feira saem de Lisboa às 14h30 e chegam a Roma às 18h25. No sentido inverso a ligação efectua-se às 12h00 e chega a Lisbo às 14h00. Aos sábados o voo sai da capital portuguesa às 13h25 e chega a Roma às 17h20 e no sentido inverso saí às 10h55, chegando a Lisboa às 12h55. No domingo os voos realizam-se de Lisboa às 15h25 com chegada a Roma às 19h20, enquanto que no regresso o voo sai de Roma às 12h55 e chega a Lisboa às 14h55.

Londres/Gatwick será para a easyJet, o quinto destino no aeroporto do Porto, depois de Lyon, Basileia, Paris e Genebra, e a nova rota foi colocada à venda com preços desde 30,99 euros por trajecto.

Os voos para Londres realizam-se de segunda a sexta-feira às 14h30 com chegada à capital inglesa às 16h55. No sentido inverso os voos saem às 11h40 e chegam ao Porto às 14h00. Aos sábados os voos saem da Invicta às 14h20 e chegam a Londres às 16h45, sendo o voo no sentido inverso às 11h30 com chegada às 13h50. No domingo os voos saem às 15h05 do Porto e chegam às 17h05 a Londres, no sentido inverso sai às 12h15 e chega ao Porto às 14h35.

A low-cost easyjet está presente em Portugal há dez anos e opera voos de Lisboa, Porto e Funchal.

Fonte: PressTur (Portugal)

Ryanair cria base no Porto com dois aviões e 16 rotas

A Ryanair anunciou a criação da base no Porto, que há cerca de dois anos o CEO da companhia, Michael O’Leary, dizia estar nos seus planos mas que não avançava por os custos do aeroporto serem “muitos altos” e faltar às “autoridades de Lisboa” uma “atitude mais comercial”.

A abertura da base do Porto, a 33ª da low cost e a primeira em Portugal, com dois aviões baseados e quatro novas rotas (Basileia, Eindhoven, St. Etienne e Tours), com as quais passa a ter na Invicta 16 rotas e até 50 voos diários ida e volta, foi anunciada hoje por Michael Cawley, CEO Adjunto.

A Ryanair começou a operar de e para o Aeroporto do Porto em 2005, no ano seguinte ascendeu à posição de terceira maior companhia aérea na Invicta, depois da TAP e da Portugália, e a partir do ano seguinte passou a ser a segunda maior.

Em 2006, a Ryanair transportou de e para o Porto 521.475 passageiros, mais 122,5% que em 2005, em 3.305 voos, mais 122,3% que um ano antes, e em 2007 já era a segunda maior companhia, com 798.700 voos, mais 53,2% que no ano anterior, e 5.388 voos, mais 63% que um ano antes.

Em 2008, a Ryanair passou o milhão de passageiros, tendo transportado 1.063.624 passageiros (+23,5% que em 2007) em 7.119 voos (+32,1% que um ano antes).

A Ryanair representou, assim, em 2008, 23,5% do total de passageiros em voos de e para o Porto, apenas atrás da TAP (39,6%) e a grande distância da easyJet, nº 3, com 7,1% (321.058 passageiros).

Fonte: PressTur (Portugal)

Queda de helicóptero mata 26 em região tribal do Paquistão

A queda de um helicóptero militar Mil Mi-17 em uma região tribal no norte do Paquistão deixou 26 soldados mortos, segundo informações divulgadas na sexta-feira (03) pelo Exército do país.

O porta-voz das Forças Armadas, Athar Abbas, disse à BBC que o helicóptero MI-17 viajava da região tribal de Orazkai, perto da fronteira com o Afeganistão, para a cidade de Peshawar e caiu em uma "região hostil".

O piloto teria acionado o alerta de emergência ao atravessar a área. O porta-voz não soube dizer se o piloto relatou tiros durante o alerta.

Abbas afirmou ainda que soldados paquistaneses foram enviados ao local do acidente e trocaram tiros com militantes na tentativa de manter a segurança dos destroços.

Segundo ele, o acidente não deixou sobreviventes.

Talebã

Ainda não se sabe o que teria provocado a queda, mas Abbas afirma que poderia se tratar de uma falha técnica.

As Forças Armadas informaram ainda que realizarão uma investigação sobre o incidente.

De acordo com o correspondente da BBC em Islamabad Mike Woodridge, o incidente acontece quando o Exército se prepara para levar a ofensiva contra o Talebã para o principal reduto da milícia na região tribal no noroeste do país, perto da fronteira afegã.

Na ofensiva mais recente, aviões militares teriam atacado posições do Talebã no Waziristão do Sul e do Norte.

A região, na fronteira afegã, é controlada por Baitullah Mehsud, um dos líderes mais importantes do Talebã.

Fonte: BBC Brasil via O Globo - Mapa: NY Times

40 anos de conquista da lua

Como o evento que marcou a humanidade contribuiu para o avanço da astronomia e da ciência em geral


Clique na imagem para ampliar

Foi às 23 horas, 56 minutos e 20 segundos (horário de Brasília) da fria noite de 20 de julho de 1969 que o homem pisou a Lua pela primeira vez. Há 40 anos, portanto. E pisou com o pé esquerdo. Não vai aqui nenhuma superstição, é que de fato foi esse o pé que o astronauta americano Neil Armstrong conseguiu pôr em primeiro lugar no poroso e irregular solo lunar, após descer a escada metálica do módulo (batizado de Águia) da Apollo 11. Armstrong era um homenzarrão de quase 100 quilos. Naquele momento, sem a gravidade da Terra, começou a andar em leves saltos e experimentou em seu corpo a sensação de pesar feito uma criança de 15 quilos. Nosso planeta conquistara a Lua.


HISTÓRICO: Armstrong vai pisar a Lua e revolucionar a astronomia. Uma de suas pegadas ficou em nosso satélite natural

A ciência espacial, dali para a frente, nunca mais seria a mesma - e seu desenvolvimento chegou ao inimaginável. Na verdade, deve-se à Lua - tal foi a tecnologia que se teve de criar para alcançá-la - um legado fantástico não somente nesse setor, mas em diversas áreas científicas. Também esse é um precioso ganho da conquista do nosso satélite natural. No que se relaciona diretamente ao espaço, hoje se sabe, por exemplo, que existe água em Marte e as sondas que lá estiveram devem um tributo à quarentona Apollo 11 - e, se lá há água, é bem provável que tenha havido vida ou, quem sabe, ainda existam formas de vida bacterianas em condições de sobrevivência em ambientes extremos.

Fora do campo da astronomia e das metas espaciais, a herança tecnológica daquela noite do pé esquerdo é diversificada. Por exemplo: na medicina foi possível a criação do marca-passo e da tomografia computadorizada. Na dieta, criaram-se os alimentos desidratados. No vestuário, foram desenvolvidos materiais sintéticos, mais leves e resistentes, que atualmente entram na confecção de tênis e roupas. Na cozinha, quem diria, a revolucionária panela revestida de teflon tem um pé na Lua: ele foi criado para revestir a Apollo 11 com a finalidade de ela resistir a altas temperaturas.

No campo da política internacional, os americanos conquistaram a Lua no cenário da chamada Guerra Fria entre EUA e União das Repúblicas Socialistas Soviéticas (a ex-URSS), na qual a corrida ao espaço era também um fator para se marcar a hegemonia da democracia capitalista sobre as ditaduras comunistas. Some-se tudo que derivou daquela noite de 20 de julho de 1969, some-se ciência e ideologia, e se verá que faz sentido o fato de Armstrong ter cravado no satélite a bandeira de seu país. "Esse é um pequeno passo para um homem, mas um salto gigantesco para a humanidade", disse o astronauta.

Na Terra a Agência Espacial Americana (Nasa) transmitiu a cena ao vivo (a primeira transmissão ao vivo via satélite para televisão) a cerca de 1,2 bilhão de pessoas - muitas maravilhadas, outras temerosas, sem falar nas incrédulas. A comerciante da cidade paulista de Rio Claro Maria de Lourdes Marchiori relembra, emocionada. "Minha família estava toda reunida ao redor da tevê. A imagem era em preto e branco. Ficamos impressionados e ao mesmo tempo não acreditávamos", disse ela à ISTOÉ na semana passada. "Mas jamais esqueci aquela noite. Eu tinha 15 anos, meus pais não permitiam que eu ficasse acordada até mais tarde, mas naquela ocasião essa regra se quebrou."


MISSÃO: O satélite LRO foi lançado pelo foguete Atlas em junho para procurar água na Lua

Na cidade mineira de Capitólio, outra família uniu-se na sala. "A tevê que tínhamos na época exigia que um parente ficasse sentado ao lado dela porque a todo momento a tela corria verticalmente e era preciso regulá-la no botão. Mas vimos o homem pisar a Lua. Ninguém nem respirava", diz João Vianei Soares, hoje coordenador-geral de Observação da Terra do Instituto de Pesquisas Espaciais (Inpe). "Eu era criança e acho que ali se definiu a minha vocação profissional".

As imagens através da tela que teimava em correr e lhe ficaram na lembrança dão conta também dos dois companheiros de Armstrong, os astronautas Michael Collins e Edwin Aldrin: o primeiro em estado contemplativo, o segundo retirando uma hóstia de um estojo e levando- a à boca. Aldrin era católico fervoroso e, ao mesmo tempo, um homem convicto da racionalidade de sua missão espacial. Ciência e Deus se entrelaçaram. Foi a primeira comunhão na Lua. Quatro anos depois ele mergulhou no alcoolismo: "Alguns de nós sofrem de tendências ao vício. As minhas vieram à tona depois de meu voo à Lua." Aldrin passou seis anos em clínicas e hoje se dedica a divulgar o turismo espacial.


SPIRIT: O robô munido de alta tecnologia explora Marte desde 2004 e já enviou 250 mil imagens

Com intervalos entre maiores e menores investimentos, é certo que a Nasa, em média, acelerou a produção de equipamentos para uma série de lançamentos da missão Apollo - US$ 25 bilhões foram gastos e 400 mil profissionais envolveram-se no projeto. Desde que a Apollo 11 e os três astronautas pioneiros retornaram à Terra na madrugada de 24 de julho de 1969 (pousando no oceano Pacífico), foram seis as missões tripuladas que alunissaram - ao todo 12 homens - em diversos pontos do satélite, mas sempre em sua face que está voltada à Terra, para segurança de comunicação. A última visita humana se deu em 1972.

Na exploração do universo, as agências espaciais americana e europeia voltaram então seu interesse para a descoberta de galáxias e a exploração de Marte. Mas a Lua, pelo menos em planos, continuou presente. Foi a partir de um jipe lunar que se chegou ao robô Spirit e à sonda Phoenix, que em 2008 encontrou água em Marte. Quarenta anos, em termos de história da humanidade, é ainda ontem, mas em termos de tecnologia já é uma eternidade, dada a velocidade com que ela progride. E o futuro é amanhã. Prova disso é que a Nasa se prepara para montar bases de colonização na Lua, com o satélite LRO. E, dela, saltará para Marte.

Fonte: Luciana Sgarbi (IstoÉ) - Fotos: NASA/REUTERS - Arte: Fernando Brum

Astronauta cria primeiro Twitter bilíngue da Nasa

O astronauta José Hernández pôs em marcha o primeiro Twitter bilíngue da Nasa, com mensagens em inglês e em espanhol. Hernández, que integrará a tripulação da Discovery em uma missão à Estação Espacial Internacional (ISS) em agosto, destacou que o objetivo é compartilhar suas experiências por meio desta moderna forma de comunicação.

Hernández, de origem mexicana, disse que sempre sonhou com o espaço quando trabalhava nos campos ao norte da Califórnia. "Espero poder expandir esse entusiasmo pelo espaço, pela ciência e pela engenharia e inspirar outras pessoas a seguirem seus sonhos compartilhando minhas atividades através do Twitter", disse.

Os posts do astronauta podem ser seguidos em:

http://www.twitter.com/astro_jose

Além de Hernández, a missão STS-128 levará em sua tripulação o astronauta hispânico Danny Olivas, que realizou duas caminhadas espaciais durante a missão STS-117, em 2007.

Fonte: EFE - Foto: NASA

Aeroporto de Sorocaba (SP) é alternativa para a capital

Nos primeiros cinco meses deste ano o número de passageiros cresceu perto de 30%

O Aeroporto Estadual de Sorocaba Bertram Luiz Leupolz (foto acima) já é opção para o problema do tráfego aéreo de aviões particulares na Capital. Os proprietários estão optando por locar garagens no interior devido à falta de espaço em São Paulo. Em Sorocaba, o reflexo é sentido no aumento de passageiros e no total de garagens alugadas. O Departamento Aeroviário do Estado de São Paulo (Daesp), não descarta a possibilidade de o aeroporto ajudar a desafogaro tráfego aéreo de aviões particulares de São Paulo.

Conforme os dados repassados pelo órgão, nos primeiros cinco meses deste ano o número de passageiros cresceu perto de 30% comparado ao mesmo período no ano passado, saltando do total de 19.811 passageiros entre janeiro e maio de 2008 para 25.538 no mesmo período neste ano. Segundo uma fonte ligada ao aeroporto que preferiu não se identificar, esses passageiros são provenientes de voos particulares e táxi aéreo. Tanto que não há mais vaga para locação de garagem nos 38 hangares locais.

Questionado sobre a procura pelos hangares do aeroporto, o informante disse que não se trata do preço praticado com a locação do espaço no interior, comparado à Capital, mas sim que a aviação está num crescente muito grande e está entrando muitos aviões no país, assim torna-se inviável para o empresário manter o avião na Capital por falta de espaço e estes optam pelo interior.

E para preparar o aeroporto, o Daesp anunciou a instalação, ainda este ano, de uma estação prestadora de serviços de telecomunicações Aeronáuticas (Epta), para auxiliar no tráfego aéreo do aeroporto. Segundo o órgão, há a possibilidade do aeroporto local desafogar o tráfego aéreo de vôos particulares na Capital com a instalação desta torre de controle. Mesmo assim, o Daesp afirmou que não há previsão de o aeroporto começar a operar voos comerciais; por enquanto, apenas voos particulares.

Mais investimentos

Além da instalação da torre, o governo irá investir um total de R$ 2,8 milhões em melhorias, para garantir um aumento ainda mais contundente no número de passageiros.

O Daesp divulga no próximo dia 27 o nome da empresa vencedora da licitação para a realização das obras de melhorias no aeroporto. A principal obra apontada pelo órgão é a extensão e pavimentação de mais 542 metros da atual pista de rolamento e de acessos. Além desta obra o investimento de R$ 2,8 milhões garantirá ainda a construção do anexo operacional e fechamento do beiral frontal e lateral do terminal de passageiros.

Ao todo 30 aeroportos administrados pelo Governo do Estado receberão benfeitorias. Um total de R$ 21 milhões será investido tanto para a modernização e segurança da infraestrutura aeroportuária; manutenção e recuperação dos sistemas de pátios e pistas (taxiamento, pouso e decolagem), ampliações e reformas de terminais de passageiros e instalação de equipamentos de auxílio à navegação aérea.

Fonte: Jornal Cruzeiro do Sul - Foto: Daesp

Caça britânico cai na Escócia

Caças Tornado da RAF semelhante ao acidentado - Foto: RAF

Um caça da Força Aérea britânica (RAF) caiu, às 11:45 (hora local), na Escócia, causando a morte aos dois tripulantes. Desconhecem-se as causas do acidente.

De acordo com a polícia, o avião Panavia Tornado F3, prefixo ZE982[FR], do 43º Esquadrão, caiu junto ao Loch Lomond, o maior dos lagos escoceses.

O Ministério da Defesa não se pronunciou ainda sobre o incidente, mas a BBC adiantou que o Tornado pertence à base de Leuchars, em Fife, no Sul da Escócia. Informa ainda que nenhum civil ficou ferido na queda.

A zona é habitualmente usada para voos de treino da força aérea britânica, mas testemunhos ouvidos no local e citados pela agência Reuters dizem que os aparelhos voavam a uma altitude inferior ao habitual.

Justiça acusa empresário por acidente aéreo na Venezuela


A Procuradoria da Venezuela acusou na quarta-feira passada o dono da empresa aérea Transaven, Efraín Rodríguez, por homicídio devido a um acidente de avião ocorrido em janeiro de 2008, no qual 14 pessoas morreram, entre elas oito italianos.

O procurador José Gregorio Morales responsável pelas investigações declarou à ANSA que Rodríguez também foi acusado de interferência ilícita, pela qual o empresário pode enfrentar penas de 6 a 18 anos de prisão.

Morales preparava ainda acusações contra outros sócios da Transaven, e responsáveis da manutenção das aeronaves.

No dia 4 de janeiro de 2008, o bimotor let 410 da Transaven saiu do aeroporto de Maiquetía em direção ao arquipélago de los Roques. O piloto relatou falhas nos dois motores e disse que tentaria fazer um pouso forçado.

O avião desapareceu do espaço aéreo próximo da ilha Gran Roque e apenas o corpo do co-piloto foi resgatado.

Segundo informaram pessoas que participaram das investigações, a acusação aponta para uma falha de manutenção na aeronave, já que ela havia sobrevoado na data em que deveria passar por uma revisão.

Rodríguez negou as acusações, às quais atribuiu ao interesse econômico por parte das famílias das vítimas.

"Aqui não há elementos de convicção para abrir uma investigação penal contra pessoas. Existe um interesse particular em estabelecer uma responsabilidade penal para possibilitar uma demanda civil, que lhes permita exigir uma indenização adicional", afirmou o acusado à imprensa local.

O empresário disse que "seis dos italianos cobraram indenização". "Através de uma lei na Itália demonstraram que houve um acidente e lhes deram uma ata de óbito. Eles a trouxeram e meu seguro os indenizou", assegurou Rodríguez.

Na época do acidente, familiares das vítimas vieram à Venezuela para pedir o esclarecimento do caso, enquanto especialistas italianos colaboraram na busca pelos restos da aeronave.

Fonte: ANSA (02/07/2009)

Aérea mostra funcionários nus em vídeo de segurança a bordo

Com objetivo de chamar a atenção dos viajantes para as tradicionais instruções de segurança a bordo de aeronaves, a Air New Zealand colocou seus funcionários sem roupa, mas com os corpos pintados no mesmo estilo do uniforme, em um vídeo para mostrar aos seus clientes o que fazer em casos de emergência, procedimentos de pouso e decolagem.



O vídeo de 3min28s é o segundo de uma campanha iniciada pela empresa em maio. Na primeira ação, a intenção da aérea de baixo custo era mostrar que as tarifas cobradas "não têm nada a esconder". No vídeo de segurança, uma comissária dá a dica logo no começo: "mesmo que você faça vôos regulares conosco, gostaríamos que desse uma segunda olhada dessa vez".

Enquanto dão as instruções, máscaras de oxigênio, coletes salva-vidas, cintos de segurança e malas de viagem são estrategicamente colocados em frente às partes íntimas dos funcionários. Apenas no fim, uma comissária caminha no corredor do avião mostrando a parte de trás do seu corpo. Os tripulantes não receberam nada a mais pela participação no vídeo, segundo o jornal britânico Telegraph.

Um porta-voz da aérea neozelandesa informou ao The New York Times que o vídeo custou apenas de 10% a 15% de uma campanha comercial regular. Em um site de vídeos na rede mundial, as instruções de voo com os comissários pintados já foram acessadas cerca de 2 milhões de vezes.

Fonte: Terra

Localizados sinais das caixas-pretas do avião da Yemenia

Investigadores receberam um sinal das caixas-pretas, no sábado, do avião da Yemenia Air que caiu nas ilhas Comores na semana passada, segundo a CNN.

- Um sinal foi captado de dois transmissores acústicos dos registros de informação do avião durante uma busca marítima esta manhã - anunciou o Escritório de Investigação e Análise francês, em um comunicado.

As caixas-pretas contêm informação importante para determinar o que causou o a queda do avião. O Airbus A310 da Yemenia transportava 142 passageiros e 11 tripulantes. Ele saiu da capital do Iêmen, Sanaa, e caiu a poucos quilômetros de Moroni, capital das ilhas Comores. Apenas uma adolescente de 13 anos sobreviveu.

Fonte: O Globo

Coreia do Norte pode ter lançado mísseis de médio alcance

O representante dos EUA nas discussões de sanções contra a Coreia do Norte inicia conversações na Malásia no domingo, possivelmente sobre os vínculos de bancos com as finanças norte-coreanas, enquanto uma informação dava conta de que Pyongyang pode ter lançado mísseis de médio alcance numa série de disparos feitos no sábado.

O Ministério da Defesa sul-coreano disse que a Coreia do Norte lançou sete mísseis balísticos, num ato de desafio aos Estados Unidos no Dia da Independência dos EUA, intensificando mais ainda as tensões regionais, já altas devido ao teste nuclear feito por Pyongyang em maio.

"Estamos em estado de alerta alto", disse uma fonte do Ministério da Defesa da Coreia do Sul, acrescentando que não havia sinais iniciais de mais disparos de mísseis no domingo.

O lançamento dos mísseis, que marca uma escalada das tensões promovida pela Coreia do Norte, provavelmente vai se refletir nos mercados asiáticos quando abrirem na segunda-feira, mas os investidores não prevêem um impacto grande.

Aparentemente a Coreia do Norte disparou dois mísseis de médio alcance Rodong, que têm alcance suficiente para atingir toda a Coreia do Sul e a maior parte do Japão, e cinco mísseis Scud, que podem atingir quase toda a Coreia do Sul, teria dito um representante sul-coreano, segundo a agência de notícias Yonhpa.

O representante disse que dois dos mísseis se deslocaram em velocidade maior que os outros, indicando que teriam sido do tipo Rodong.

"Constatamos que cinco dos sete mísseis caíram perto do mesmo ponto no Mar Oriental (Mar do Japão), o que indica que sua precisão melhorou", disse outro funcionário à Yonhap.

Os mísseis percorreram aproximadamente 420 quilômetros, e levará alguns dias para se confirmar o que foi disparado, disse o funcionário. Os relatos iniciais no sábado disseram que aparentemente todos os mísseis teriam sido Scuds.

Resoluções da ONU proíbem a Coreia do Norte de disparar mísseis balísticos. O Japão estuda a possibilidade de instalar um novo sistema de defesa terrestre antimísseis para complementar os interceptores que já possui, informou o diário japonês Mainichi.

O lançamento acontece no momento em que os EUA estão reprimindo empresas suspeitas de ajudarem a Coreia do Norte com seu comércio de armas e mísseis, que foi sujeito a sanções da ONU impostas após o teste nuclear.

Fonte: Jon Herskovitz e Seo Eun-kyung (Reuters) Via UOL Notícias

Neeleman celebra Azul em aeroportos menores, mas mira Congonhas

A Azul alcançou em maio a terceira posição em termos de passageiros transportados no mercado brasileiro de aviação. Seis meses após a estréia da companhia, em dezembro, o fundador da Azul, David Neeleman, diz estar satisfeito com a estratégia implementada. O executivo defende as vantagens de operar em aeroportos localizados em cidades vizinhas a grandes centros (casos de Campinas, Maringá e Navegantes), mas também reclama do acesso a Congonhas. "Nossos concorrentes (Gol e TAM) têm 92% dos slots (permissões de pouso e decolagem) e essa política não é muito boa", diz Neeleman.

O executivo também comentou em entrevista exclusiva ao Terra que a aposta em tentar diferenciar-se da concorrência com melhor serviço e promoções de bilhetes têm dado certo e explicou porque não possui transmissão de TV ao vivo em suas aeronaves. "Nossa meta é para ter, antes da Copa do Mundo, todas as aeronaves com TV ao vivo, para que as pessoas possam assistir aos jogos."

Confira a entrevista com o presidente da Azul.

Terra - A Azul aposta muito - mais do que as outras aéreas brasileiras - na divulgação de bilhetes com desconto. A estratégia tem dado certo? Quais os benefícios da Azul com esse tipo de estratégia comercial?

David Neeleman - Acreditamos que o mercado brasileiro para passageiros deve ser dois, três, quatro vezes maior do que é hoje. Temos 250 milhões de pessoas que andam de ônibus de longa distância e acreditamos que esse número seria bem maior se não fosse tão chato andar de ônibus. Então temos as pessoas que estão viajando de ônibus, mas o número, talvez maior, é o de pessoas que não estão viajando. Porque é caro demais, elas não têm dinheiro para viajar de avião e é difícil por ônibus. Para criar esse novo mercado criamos essa tarifa chamada Azul 30, que você pode comprar com 30 dias de antecedência, que é o preço de ônibus ou menos. Às vezes, dá até para comprar (por este preço) com menos antecedência, porque a concorrência está com preços bem baixos.

O importante é que todo mundo que queira viajar tem que tentar pelo avião, tem que ter uma opção que eles não tinham antes. É uma maneira para tentar criar esse mercado e estamos fazendo. Nós acreditamos que 80% das pessoas que viajam com a Azul - 80% a 85% - são viajantes novos, que não estariam viajando naquele dia se não fosse pelos preços bons, o Azul 30, com frequência e com voos entre cidades que não tinham voos antes. A maioria de nossos voos é entre cidades que não tinham ligação direta.

Terra - Como tem sido a experiência de montar "hubs" em cidades com aeroportos menores, mas próximas de mercados maiores, como é o caso de Campinas-São Paulo? Como tem sido a receptividade a ligação por ônibus saindo da capital até Viracopos?

Neeleman - Se você mora na zona oeste, na zona norte, vamos pegar Alphaville (Barueri), por exemplo, e de manhã quer ir para Congonhas ou Guarulhos, é muito mais rápido ir diretamente para Viracopos. Se você sai (com o ônibus da Azul) da Barra Funda, se você sai do (shopping) Eldorado, se você sai de Alphaville, todos eles (até Viracopos) são menos de uma hora. Se você vai pela Marginal Pinheiros (até Congonhas), não sabe. Da marginal até a (avenida dos) Bandeirantes, pode demorar mais de uma hora, uma hora e meia, pela manhã. Se você vai para Guarulhos, mesma coisa: pode ser (um trajeto de) duas horas, três horas. Então as pessoas que estão pegando ônibus estão vendo isso. Mas a maioria de nossos clientes é do interior de São Paulo.

Outra coisa, se você mora no lado oeste e quer ir para o Nordeste, não tem voos diretos de Congonhas para o Nordeste. Tem que ir para Guarulhos. Então a decisão é fácil, principalmente à tarde. Viracopos é muito mais fácil. Se você vai de táxi, fica muito caro, até pelo pedágio. Então nós aproveitamos para dar o ônibus e uma carona para o aeroporto. É uma coisa que as pessoas estão gostando bastante, embora a maioria dos nossos clientes venha mesmo do interior.

Terra - Existe prazo para que o ônibus deixe de ser gratuito?

Neeleman - Não. Ainda não existem planos para uma cobrança nos ônibus.

Terra - Quanto ao ônibus Blumenau-Navegantes, porque não uma ligação até Florianópolis?

Neeleman - Há muitos voos para Florianópolis, precisamos ver o preço das tarifas cobradas (pela concorrência). A ligação (rodoviária) é um pouco longe, pensamos sobre isso no início, mas Navegantes está indo bem. Talvez essa ligação não seja necessária.

Terra - Há planos no curto prazo de voar para Brasília?

Neeleman - Brasília seria um mercado muito bom. Mas, tem muito serviço para lá por conta do hub (ponto de conexões) das outras companhias, por isso tem muitos voos diretos. Mas, Brasília é um lugar que estamos olhando, mas tem outros lugares que têm menos voos. Lugares como Goiânia, Cuiabá, tem muitas outras cidades que talvez tenham menos concorrência e que vamos fazer antes de voar para Brasília.

Terra - Como tem sido a experiência de operar os jatos E190 e E195 da Embraer?

Neeleman - São aviões muito bons, eles estão voando muito bem. É interessante, porque quando viajo, pergunto "quem aqui já viajou com avião brasileiro?". A resposta é ninguém. A maioria, 99% dos brasileiros, nunca voou com um avião brasileiro, principalmente o E190 e o E195. Fico muito orgulhoso, tenho muito orgulho deste avião. Porque é muito mais confortável do que o (Boeing) 737 e que o (Airbus) A320. Eles (os clientes) estão gostando muito, nós estamos gostamos muito, então é muito bom para nós.

Terra - A Azul pensa em encomendar aeronaves maiores?

Neeleman - Não. Estamos muito felizes e temos muita oportunidade com o E190 e o E195. Temos opções e pedidos firmes, temos mais de 70 encomendas vindo e estamos muito felizes com estas aeronaves.

Terra - O sr. abriu uma companhia aérea nos Estados Unidos e agora uma no Brasil. Quais as vantagens e desvantagens do Brasil para fazer negócios?

Neeleman - O mercado brasileiro tem o desafio de tentar convencer as pessoas que você pode viajar de avião. Pelo passado, as pessoas têm um pouco de medo de voar. Muito mais do que acontece nos EUA. Então esse é um desafio: convencer as pessoas de que é bom para viajar, é mais seguro ir de avião do que de ônibus. O desafio aqui é grande, mas a oportunidade é muito maior. Até hoje a JetBlue (aérea fundada por Neelemn nos EUA) só tem, depois de dez anos, 6%, 7% de mercado nos EUA e, depois de seis meses, nós temos 4,5% do mercado brasileiro. Isso mostra que tem muita oportunidade e o mercado pode ser muito maior do que é.

A única coisa que queria ter era acesso para Congonhas, (atualmente) não temos isso. Nossos concorrentes (Gol e TAM) têm 92% dos slots (permissões de pouso e decolagem) e essa política não é muito boa. Isso vai mudar depois de algum tempo, a capacidade de Congonhas pode aumentar. Essa é uma coisa que, depois do acidente, as pessoas ficaram muito assustadas. Então eles abaixaram o número de operações e nós acreditamos que é bem seguro para voar mais.

Terra - Ainda em relação aos planos anunciados durante o lançamento da empresa, o sr. disse que a Azul pretendia diferenciar-se pelos serviços prestados. Após seis meses, essa estratégia deu certo?

Neeleman - As pessoas gostaram. Não é só mais espaço para as pernas e a falta do assento do meio nos aviões. A palavra que mais ouço quando estou andando nos corredores dos aviões é atendimento. "Vocês têm um atendimento muito bom". Nós temos uma meta para que as pessoas não tenham um filho no aeroporto quando os voos não saem na hora. Espero que quando as pessoas liguem para nós, cheguem ao aeroporto, entrem nos aviões, elas sintam a diferença. Nosso pessoal aqui tem essa preocupação para ser o melhor. Não apenas a melhor aérea do Brasil, mas o melhor serviço para os clientes. É importante para que as pessoas se sintam bem enquanto viajam. Não apenas para que elas voltem a voar conosco, mas falem para todos os amigos.

Terra - Por que o serviço de TV ao vivo está sendo tão difícil de implementar?

Neeleman - O problema é que no hemisfério sul há outra tecnologia para o satélite. Então estamos desenvolvendo um novo disco que vai ficar em cima da aeronave. Há uma empresa nos EUA que está fazendo isso e está demorando para que eles terminem essa adaptação. Mas, esperamos que ao fim do primeiro trimestre do ano que vem vamos ter o primeiro avião. Nossa meta é para ter, antes da Copa do Mundo, todas as aeronaves com TV ao vivo, para que as pessoas possam assistir aos jogos.

Terra - Qual a maior dificuldade em se lançar uma empresa aérea durante a maior crise econômica dos últimos 80 anos?

Neeleman - Conseguir o financiamento das aeronaves, porque ninguém pode pagar à vista por isso. Conseguimos com a ajuda de bancos internacionais e também do BNDES, mas foi a coisa mais difícil para conseguir atualmente. Conseguimos tudo para esse ano, as 14 aeronaves que vamos ter, e vamos ter sete no ano que vem. Estamos trabalhando com isto agora e acho que vamos conseguir. Vai ser muito mais fácil porque são menos aeronaves e também o mercado está ficando melhor agora.

Terra - Há uma percepção de que São Paulo capital está saturada com relação a operação em aeroportos. O que seria melhor, ampliar os aeroportos atuais ou construir um terceiro aeroporto?

Neeleman - No curto prazo podemos aumentar as frequências. Podemos colocar mais pátio também em Guarulhos, porque falta isso lá. Mas, no longo prazo, é preciso um terceiro aeroporto. Então tem que achar um lugar, começar a planejar e fazer a construção. Isso demora mais de dez anos para fazer. Então tem que começar agora, para pensar onde colocar o terceiro aeroporto.

Fonte: Fabiano Klostermann (Terra)

Mais oito corpos de passageiros do voo AF 447 são identificados

São três brasileiros, dois homens e uma mulher, e cinco estrangeiras.

Dos 51 corpos resgatados em alto-mar, 43 já foram identificados.


Carro da Polícia Científica estacionado próximo ao IML do Recife, após a chegada dos primeiros corpos de vítimas do voo 447

Mais oito corpos de vítimas do acidente com o voo 447 da Air France foram identificados. A informação foi divulgada pela Secretaria de Defesa Social em Pernambuco (SDS-PE) em nota na manhã deste sábado (4). O avião da Air France, que seguia do Rio de Janeiro com destino a Paris, caiu no Oceano Atlântico, próximo ao arquipélago de Fernando de Noronha, no dia 31 de maio.

De acordo com a Força Tarefa composta pela Polícia Federal e pela SDS, três corpos são de brasileiros, sendo dois homens e uma mulher, e cinco são de estrangeiros do sexo feminino.

As identificações confirmadas foram feitas por análise de impressões digitais, da arcada dentária e também por meio de exames de DNA. Duas vítimas foram identificadas a partir dos exames na arcada dentária combinados com DNA, uma por impressão digital combinada com DNA e as outras cinco apenas por exames de DNA.

O Airbus da Air France transportava 228 pessoas de 32 nacionalidades, entre passageiros e tripulantes. O voo deixou o Rio de Janeiro com destino a Paris no dia 31 de maio às 19h30 (horário de Brasília) e fez o último contato de voz às 22h33. Às 22h48, o avião saiu da cobertura do radar de Fernando de Noronha.

As buscas pelas vítimas foram encerradas no dia 26 de junho. Até este sábado, a Força Tarefa identificou 43 vítimas dos 51 corpos encontrados. Por solicitação dos familiares das vítimas, as identidades serão mantidas em sigilo.

Fonte: G1 (com informações do pe360graus/Globo Nordeste) - Foto: Maurício Lima (AFP)

FAB divulga nota sobre relatório do acidente do voo 447

Investigadores franceses disseram que avião não foi destruído no voo.

Aeronáutica diz que tomou as providências necessárias para a busca.




A Aeronáutica divulgou nota, nesta sexta-feira (3), sobre o relatório preliminar sobre o acidente do voo 447, divulgado na quinta-feira (2), na França. No texto, a Força Aérea Brasileira diz que foi acionada às 3h40 do dia 1º de junho e "o primeiro avião, já ao nascer do sol, encontrava-se em deslocamento para realizar as buscas visuais". Além disso, a FAB informa que encaminhou aos técnicos franceses as conversas relacionadas ao avião da Air France.

O documento da BEA (Escritório de investigações e análises, na sigla em francês), órgão do governo francês que investiga o caso, informa que o Airbus A330 não foi destruído durante o voo.

O relatório diz ainda que o Brasil não fez a transferência do voo do controle aéreo brasileiro para o controle aéreo do Senegal. Segundo o investigador-chefe francês, Alain Bouillard, o controlador brasileiro realizou a coordenação, mas não a transferência. Os dois procedimentos são obrigatórios. A Aeronáutica nega.

O Airbus da Air France transportava 228 pessoas de 32 nacionalidades, entre passageiros e tripulantes. O voo deixou o Rio de Janeiro com destino a Paris no dia 31 de maio às 19h30 (horário de Brasília) e fez o último contato de voz às 22h33. As buscas pelos corpos foram encerradas na sexta-feira passada, dia 26. No total, 51 corpos foram retirados do mar. Desses, 35 foram identificados.

Leia na íntegra a nota da FAB:

"No dia 2 de julho de 2009, às 10h (horário de Brasília), o Bureau D´Enquêtes et D´Analises Pour la Securité de I´Aviation Civile (BEA) divulgou o Relatório Preliminar sobre as investigações do acidente com o voo AFR 447, ocorrido no dia 31 de maio.

Com o objetivo de eliminar dúvidas sobre os procedimentos adotados pela autoridade aeronáutica brasileira em relação a essa ocorrência, este Centro esclarece o seguinte:

- o Voo AFR 447, como a maioria dos voos regulares de aviões comerciais internacionais, utiliza um plano de voo denominado Plano de Voo Periódico, haja vista que o desempenho, a rota e os horários das aeronaves são normalmente os mesmos. Esses planos são disponibilizados pelas respectivas companhias aéreas a todos os órgãos de controle de tráfego aéreo encarregados do controle da aeronave na rota prevista para o voo, independentemente do país a que pertencem. Esse procedimento foi seguido no caso do AFR 447.

- às 22h33 do dia 31 de maio, a tripulação do AFR 447 fez o último contato rádio com o órgão de controle de tráfego aéreo brasileiro, informando a hora estimada em que sobrevoaria as próximas posições virtuais previstas na rota. Imediatamente depois, o órgão de controle de tráfego aéreo brasileiro (ACC ATLÂNTICO) informou ao Centro de Controle de Dacar (ACC DAKAR) que o AFR 447 estaria na posição virtual TASIL às 23h20, haja vista que, a partir dessa posição, caberia a DAKAR o controle sobre a movimentação dessa aeronave rumo à França. O ACC DAKAR confirmou o recebimento dessa informação.

- cabe salientar que, por meio de um acordo operacional entre os dois países (Brasil e Senegal), se uma aeronave entrar no espaço aéreo de Dacar no horário previsto, ou até três minutos depois desse horário, não se faz necessária qualquer comunicação entre os órgãos de controle de tráfego aéreo em questão para formalizar a transferência desse vôo. Consequentemente, às 23h20 o controle sobre o AFR 447 passou, teoricamente, para o controle do ACC DAKAR, visto que não houve qualquer questionamento daquele ACC sobre a aeronave.

- por se tratar de uma região onde o controle de tráfego aéreo é realizado essencialmente por comunicação, caberia ao ACC DAKAR conferir o ingresso da aeronave no seu espaço aéreo, às 23h20, e alertar sobre eventuais problemas, como por exemplo a impossibilidade de contato rádio com o AFR 447.

- no caso do AFR 447 não houve, em momento algum, captação por satélites da transmissão do sinal do equipamento de emergência (ELT) e, também, nenhuma aeronave sobrevoando a rota recebeu pedido de socorro por meio da frequência internacional de emergência (121,5MHz).

- somente à 1h20 do dia 1º de junho, o ACC DAKAR questionou o órgão de controle de tráfego aéreo brasileiro sobre a posição do AFR 447. Assim, às 2h20 o SALVAERO Recife iniciou as ações necessárias para o início da operação aérea para localizar a aeronave desaparecida, por meio dos procedimentos iniciais de busca de informações.

- em consequência, às 03h40 do dia 1º de junho, o SALVAERO Recife acionou os meios da Força Aérea Brasileira (FAB), sendo que o primeiro avião, já ao nascer do sol, encontrava-se em deslocamento para realizar as buscas visuais na rota sobrevoada pelo AFR 447.

Por fim, cabe destacar que toda a gravação da fraseologia relacionada ao Vôo AFR 447 foi encaminhada ao BEA, sendo este um procedimento previsto e que faz parte da coleta de dados necessária à análise da dinâmica do voo.

Brigadeiro do Ar Antonio Carlos Moretti Bermudez
Chefe do CENTRO DE COMUNICAÇÃO SOCIAL DA AERONÁUTICA"

Fonte: G1