quinta-feira, 18 de junho de 2009

TAM tem novo programa de fidelização

A TAM acaba de criar uma nova unidade de negócios que será responsável fidelização dos clientes. Batizado de Multiplus Fidelidade, a novidade pretende funcionar como uma espécie de programa conjunto de retenção de clientes.

A intenção é que várias empresas, em especial do varejo, participem junto com a companhia aérea desta iniciativa. Assim, os pontos poderiam ser acumulados e trocados em todos os locais participantes. "O cliente poderá usar os pontos de um parceiro para retirar os prêmios de outro: os pontos acumulados na farmácia, por exemplo, valerão para compras no supermercado, abastecimento em postos de gasolina ou retirada de bilhetes aéreos - e vice-versa", diz Líbano Barroso, vice-presidente financeiro da TAM.

A nova unidade de negócios recebeu investimentos de R$ 20 milhões em marketing e até o final deste ano terá a mesma quantia para o desenvolvimento para a tecnologia.

Os parceiros que farão parte deste grupo de fidelização ainda não estão definidos. Segundo a TAM, alguns já foram contatados e estão em fase avançada de negociação. Mas antes de bater o martelo a companhia aérea pretende saber quais empresas os seus clientes querem que participem. A ideia é que os usuários do serviço acessem o site www.multiplusfidelidade.com.br e dêem suas sugestões. Para agosto, está previsto o lançamento de um catálogo eletrônico em parceria com um grande portal de internet, ainda não revelado.

Fonte: Época Negócios

Fabricante diz que todas suas caixas-pretas foram recuperadas

Um executivo da fabricante das caixas-pretas a bordo do voo AF 447 disse que 100% dos equipamentos produzidos pela empresa foram recuperados após acidentes aéreos. Paolo Carmassi, presidente da Honeywell Aerospace para a Europa, Oriente Médio, África e Índia, afirmou que espera manter a média, apesar da preocupação que os aparelhos estejam perdidos no Oceano Atlântico. As informações são da CNN.

"Nós temos uma taxa de 100% de recuperação de todas as caixas-pretas que instalamos que, infelizmente, foram envolvidas em acidentes. Portanto, esperamos que possamos manter nosso recorde e possibilitar esclarecer o que aconteceu", afirmou Carmassi. "Acreditamos que nossa tecnologia está bem posicionada para, neste caso, contribuir para resolver a grande questão nesse acidente".

Mas Carmassi afirmou ser difícil de estimar quanto à vida da bateria do equipamento. "Existe uma certa duração que depende das particularidades nas condições ambientais, se está sob a água ou na terra, quer esteja a 10 m ou a 4 mil m. Então, é muito difícil de identificar exatamente a duração", afirmou.

Embora alguns destroços tenham sido encontrados no mar, investigadores do acidente aéreo permanecem sem conhecer as causas do acidente com o Airbus A330 da Air France, que caiu após decolar do Rio de Janeiro em direção a Paris no dia 31 de maio, com 228 pessoas a bordo. Acredita-se que as caixas-pretas estejam a uma profundidade de 4,5 mil m de profundidade, em uma região de montanhas subaquáticas.

Fonte: Terra

Nasa lança sondas para preparar o retorno do homem à Lua

Plano estabelecido após o desastre do Columbia em 2003 prevê a volta de astronautas ao satélite em 2019

A Nasa lançou nesta quinta-feira, 18, a bordo de um único foguete Atlas 5, as sondas LRO e Lcross, que estudarão a Lua em busca de sinais de gelo e de locais para um futuro desembarque de astronautas. O plano de exploração espacial da Nasa, que se encontra em revisão, atualmente prevê o retorno de seres humanos à Lua em 2019, a bordo de uma nova geração de naves, que começou a ser desenvolvida após o desastre do ônibus espacial Columbia, em 2003.

A busca por gelo é parte da prospecção de um terreno para uma futura base lunar. Ele seria um recurso precioso, fornecendo não só água, mas também combustível e oxigênio aos astronautas e reduzindo, assim, a massa total de insumos que teria de ser lançada da Terra para sustentar os habitantes de um posto lunar.

A LRO (Lunar Reconnaissance Orbiter, ou Orbitador de Reconhecimento Lunar) deverá ficar em órbita do satélite durante pelo menos um ano, a cerca de 50 km da superfície, fazendo leituras com uma série de instrumentos. Entre eles, há um detector de nêutrons, para mapear a distribuição de hidrogênio na Lua e avaliar o risco da radiação ambiente para os futuros astronautas, e um altímetro laser, para mapear detalhadamente a topografia.

Já a sonda Lcross vai se dividir em duas seções, que colidirão, a uma velocidade de mais de 7.000 km/h, com o fundo de uma cratera localizada perto do polo sul da Lua. O objetivo é produzir uma massa de dejetos que possa ser analisada por cientistas, a fim de determinar se há gelo no local do impacto.

O foguete Atlas 5 parte com as duas sondas da base de Cabo Canaveral, na Flórida

O alvo escolhido fica permanentemente à sombra, sem jamais receber luz direta do Sol. Alguns cientistas acreditam que locais assim podem acumular e preservar água congelada, transferida para a superfície lunar pelo impacto de cometas.

Ambas as sondas devem chegar à Lua quatro dias após o lançamento. Uma vez na vizinhança lunar, a LRO levará cerca de uma semana para entrar na órbita adequada para iniciar suas atividades científicas, e depois passará até 60 dias realizando testes em seus instrumentos, além de outros ajustes.

Já a Lcross dará uma série de voltas ao redor da Lua para posicionar-se o melhor possível para o impacto com o fundo da cratera. Cada órbita da sonda seguirá uma trajetória alongada e levará 37 dias para completar-se.

Imagem gerada a partir de fotos de sondas mostra crateras de sombra eterna na Lua

Uma vez posicionada, a Lcross arremessará seu primeiro componente, na verdade um estágio do foguete responsável por levá-la à Lua, de encontro à cratera escolhida. O segundo componente então mergulhará atrás do foguete, atravessando a nuvem de dejetos liberada pelo impacto da carcaça de metal com o fundo da cratera e transmitindo os dados de volta para Terra.

Quatro minutos depois do impacto do foguete, o segundo componente também deverá chocar-se com a Lua, liberando uma segunda nuvem. Ambas as nuvens serão observadas e estudadas por telescópios baseados na Terra.

Fonte: Carlos Orsi (estadao.com.br) - Fotos: NASA

Venezuela estuda comprar aviões militares da China

O JL-8 (K-8) Chinês

O governo da Venezuela pretende adquirir aviões militares de combate da China, além das aeronaves de treinamento já negociadas entre os dois países, informou nesta quinta-feira o ministro da Presidência, Luis Reyes.

Segundo a estatal Agência Bolivariana de Notícias (ABN), o ministro disse que a intenção é negociar um avião de combate intermediário, "como o L15". Ele fez as declarações após uma reunião com diretores da Coorporação da Indústria de Aviação Chinesa de Aerotecnologia, Importação e Exportação.

Reyes afirmou que "será avaliado se é necessário incrementar a frota", uma vez que o país dispuser dos aviões de treinamento K8 e tiver usado as aeronaves por aproximadamente dois meses.

O contrato de compra de 18 aviões de treinamento para a aeronáutica militar venezuelana "avança com muito êxito" e sua entregue está prevista para janeiro de 2010, informou o vice-presidente da coorporação chinesa, Yang Yng.

A Venezuela está incrementando o intercâmbio comercial com a China, que passou de US$ 742 milhões em 2008, segundo números do Ministério de Comércio.

Fonte: ANSA - Foto: DefTalker

Em meio aos problemas das companhias aéreas, há uma fábula sobre a Índia

A Kingfisher Airlines da Índia prometeu aos passageiros um tratamento especial - os atendentes do voo eram tão atraentes que eram chamados de "modelos voadores", as refeições eram completas até em voos curtos e havia valets a postos para carregar as malas. Mas o mais importante decaiu.

Com um aperto financeiro e impossibilitado de pagar suas contas, a companhia foi forçada a se endividar em bancos públicos da Índia, hipotecar bens em troca de garantias de empréstimo, adiar entregas de novos aviões e buscar por investidores estrangeiros.

O mais simbólico talvez seja, não o início de voos internacionais da Índia para a Califórnia - como foi previsto pelo fundador exibicionista da companhia, Vijay Mallya -, mas sim a nova rota da linha aérea de Calcutá para Dhaka, capital de Bangladesh.

Companhias aéreas em todo o mundo estão sofrendo com os cortes de viagens sem necessidade tanto de executivos quanto a lazer, mas na Índia, em certos casos, eles estão sofrendo mais. E analistas dizem que nos próximos meses, a Kingfisher, uma das empresas de transporte nacionais e uma das marcas mais reconhecidas do país, pode estar mais vulnerável aos problemas do que qualquer outra companhia no país.

Os problemas da Kingfisher mostram uma história com moral para investidores e fornecedores ansiosos para fazer negócios em uma das poucas maiores economias ainda com crescimento significativo. Mesmo que a receita e o consumo continuem a subir na Índia, o sucesso não é garantido – como também nem mesmo um caminho fácil.

Dos US$ 9 bilhões que a Associação Internacional de Transporte Aéreo estima que a indústria aérea global perderá em 2009, quase um quarto pelas linhas indianas, que levam 2% dos passageiros do mundo.

Para as companhias aéreas privadas, "nos próximos seis a nove meses, o importante é sobreviver", disse Kapil Arora, parceiro do treinamento de aviação da Ernst & Young. Para fazê-lo, eles terão que cortar agressivamente os custos em marketing, tecnologia e folha de pagamento, disse.

Mesmo assim pode não ser o suficiente. Após resistir por anos, o governo indiano considera deixar que linhas aéreas estrangeiras tomem conta de 25% das companhias indianas. Mas o resto delas no mundo também está sem dinheiro. "Será preciso um envolvimento ativo do governo" para manter as companhias aéreas do país nos negócios, disse Arora.

Para Mallya, cujo império também inclui a United Spirits e a United Breweries, maiores produtoras de licor e cerveja da Índia, como também uma companhia de fertilizantes e uma firma de engenharia, cortar gastos pode ser difícil.

Conhecido como o "rei dos bons momentos", Mallya persegue um estilo de vida dispendioso que inclui uma coleção de centenas de carros sport e uma vila na Riviera francesa. Ele criou a Kingfisher como uma companhia aérea "premium" e, quando o número de passageiros começou a crescer, ele fez grandes pedidos de aviões, incluindo cinco jatos A380 superjumbo da Airbus, embora a Kingfisher nunca tenha trazido lucros.

Em uma entrevista de e-mail, Mallya refutou sugestões de que a companhia estava lutando para sobreviver. A empresa se tornará lucrativa no próximo ano fiscal, disse, e um empréstimo de US$ 500 milhões, recentemente fornecido pelo Banco Estadual da Índia, e negociado por um consórcio de bancos, é o suficiente para mantê-la funcionando neste ano.

Ele também está confiante de que encontrará um investidor estrangeiro que queira entrar com parte na companhia. "Estamos discutindo com investidores de ações privadas", disse. "Certas empresas aéreas também mostraram bastante interesse, mas estes estão sujeitos às políticas governamentais precisam permitir o investimento".

Banqueiros e analistas dizem que o preço objetivado por Mallya para qualquer acordo é tão alto quando oito vezes o preço das ações da Kingfisher, que caíram mais de 80% desde seu auge no fim de 2007. Ele não confirmou esses números, mas disse "que há um valor de reconhecimento pela maior empresa de transporte com a mais ampla rede de comunicações de um país com grande potencial como a Índia".

Mesmo assim, tal brinde poderia ser difícil de conseguir mesmo em bons momentos. A Kingfisher perdeu 10,1 bilhões de rúpias, ou US$ 210 milhões, nos nove meses que terminaram em dezembro, os números mais recentes disponíveis. Outra grande companhia aérea privada da Índia, a Jet Airways, informou um pequeno lucro para o primeiro trimestre deste ano, em parte por causa das taxas de impostos passadas. A Kingfisher ainda deve US$ 100 milhões a companhias de petróleo por combustível de avião comprado em 2008, disse Mallya. Esses pagamentos serão feitos em novembro.

Fonte: Heather Timmons e Vikas Bajaj (The New York Times) via Último Segundo - IG

TAP perde menos bagagens

A TAP subiu no ranking das companhias aéreas europeias que perdeu menos bagagens, no Inverno IATA, que vai de Novembro de 2008 a Março de 2009. No entanto ainda está quase no fim da tabela, anunciou hoje a Associação Europeia das Companhias Aéreas.

A companhia aérea portuguesa está neste momento no 24º lugar do ranking da AEA, com uma perda de 17,3 bagagens por cada mil, segundo a AEA. A TAP estava no 26º lugar, entre as 28 companhias que fazem parte da AEA.

Em termos de pontualidade, a TAP está no 9º lugar, quanto a voos de médio curso, tendo caído cinco posições, já em voos de longo curso, a companhia nacional está na sexta posição, sendo que anteriormente a companhia estava na 17ª posição.

De uma forma geral todas as companhias da AEA melhoraram as suas performances e a associação diz que isso se deve à quebra do tráfego aéreo. O número de passageiros caiu 6%, enquanto o número de voos operados também decresceu em 9%.

Fonte: Ana Torres Pereira (Jornal de Negócios)

Air Nimbus obteve Certificado de Operador Aéreo

A empresa portuguesa Air Nimbus anunciou que concluiu o seu processo de certificação, tendo obtido o Certificado de Operador Aéreo (COA), emitido pelo Instituto Nacional de Aviação Civil (INAC).

“A Air Nimbus congratula-se em anunciar ter terminado o seu processo de certificação, tendo obtido o Certificado de Operador Aéreo (COA) Nº 01/09/01”, refere à companhia em nota enviada à comunicação social.

A Air Nimbus é uma companhia aérea de voos não regulares que presta um variado leque de serviços, como voos de lazer, executivos e táxi aéreo, e que pretende proporcionar também experiências aos seus clientes, sendo a única a possuir Alvará de Animação Turística em Portugal.

A companhia funciona a partir do Aeródromo Municipal de Cascais, sendo que para mais informações está disponível o site www.airnimbus.pt, bem como o e-mail geral@airnimbus.pt.

Fonte: Turisver (Portugal)

Cliente do Oriente Médio usará A380 como jato particular

Concepção artística do exterior do palácio voador

A enorme dimensão do Airbus A380 permite que ele tenha características como as de uma casa, algo nunca visto antes em uma aeronave, como um elevador entre os andares

O grande hall de concebido para o A380 particular

Uma empresa de customização de interiores britânica, a Design Q, está trabalhando para criar um luxuoso Airbus A380, o chamado "avião gigante", totalmente personalizado conforme o pedido de um "cliente do Oriente Médio", de acordo com o jornal Sydney Morning Herald.

Segundo a publicação, o "palácio voador" pode ser do príncipe saudita Alwaleed bin Talal - o primeiro a comprar o maior avião de passageiros do mundo para uso privado, em novembro de 2007. O A380 pode levar até 840 passageiros em uma configuração "classe econômica" e custa cerca de US$ 300 milhões.

Para a Design Q, a aeronave permite a construção de um espaço nunca visto antes em aviões. O projeto contempla um elevador que dispensaria a escada lateral e levaria o passageiro direto a um hall de entrada, onde uma escada em espiral liga os três andares da aeronave.

Com detalhes em mármore, o avião terá também uma sala de oração no terceiro andar, um espaço de concertos para dez pessoas sentadas e cinco quartos privativos luxuosos. "Este avião será a experiência definitiva de viajar com luxo e transpira a confiança do dono", disse o diretor da empresa Gary Doy ao jornal.

Por sua vez, o diretor da empresa responsável pela engenharia do projeto admite que não será fácil construir o avião. "Há muitos desafios técnicos e de certificação neste projeto, mas estamos confiantes de que o conceito desenvolvido é possível", afirmou Noureddine Madoui, da Case4de.

Segundo o Sydney Morning Herald, o avião deve tomar mais três anos de trabalho para ficar pronto.

Fonte: Terra - Imagens: Case4de/Design Q

Previsão de investimentos da Infraero nas cidades sedes dos jogos da Copa 2014

Dez das doze cidades eleitas para sede dos jogos da Copa tem projetos de ampliação e modernização de aeroportos previstos pela Infraero. A empresa possui planejamento de investimentos da ordem R$ 4,25 bilhões ao longo dos próximos 5 anos, conforme detalhamento abaixo:

Belo Horizonte (MG)

Aeroporto Internacional de Confins – Tancredo Neves
Obras: ampliação do Terminal de Passageiros
Valor: R$ 215,5 milhões

Aeroporto de Belo Horizonte/Pampulha – Carlos Drummond de Andrade
Obras: ampliação do pátio de aeronaves, infraestrutura para área de hangares de aviação geral e construção de nova torre de controle, entre outras.
Valor: cerca de R$ 7 milhões (recursos da Infraero)

São Paulo (SP)

Aeroporto Internacional de São Paulo/ Guarulhos
Obras: construção do Terminal de Passageiros 3 e reforma de pistas e pátios.
Valor: R$ 1,37 bilhão

Aeroporto de São Paulo/Congonhas
Obras: construção de nova torre de controle e pátio de autoridades, reforma do pátio e da ala sul do terminal de passageiros.
Valor: R$ 300 milhões

Rio de Janeiro (RJ)

Aeroporto Internacional do Rio de Janeiro/Galeão – Antônio Carlos Jobim
Obras: reformas nos Terminais de Passageiros 1 e 2, ampliação do Terminal de Passageiros 2, Edifício Garagem, Terminal de Aviação Geral e ampliação do pátio de aeronaves.
Valor: R$ 687,9 milhões

Porto Alegre (RS)

Aeroporto Internacional de Porto Alegre – Salgado Filho
Obras: ampliação da pista de pousos e decolagens.
Valor: R$ 122 milhões

Curitiba (PR)

Aeroporto Internacional de São José dos Pinhais/Curitiba – Afonso Pena
Obras: Ampliação do sistema de pátios, infra-estrutura, macrodrenagem e obras complementares.
Valor: R$ 30 milhões

Brasília (DF)

Aeroporto Internacional de Brasília – Presidente Juscelino Kubitschek
Obras: ampliação do Terminal de Passageiros.
Valor: R$ 439 milhões

Cuiabá (MT)

Aeroporto Internacional de Várzea Grande/Cuiabá – Marechal Rondon
Obras: Complementação da reforma do Terminal de Passageiros.
Valor: R$ 30,90 milhões

Manaus (AM)

Aeroporto Internacional de Manaus – Brigadeiro Eduardo Gomes
Obras: Reforma e ampliação do Terminal de Passageiros e da segunda pista.
Valor: R$ 793,5 milhões

Recife (PE)

Aeroporto Internacional do Recife/Guararapes – Gilberto Freyre
Obras: construção de conector e quatro pontes de embarque.
Valor: R$ 8,75 milhões

Fortaleza (CE)

Aeroporto Internacional de Fortaleza – Pinto Martins
Obras: reforma e ampliação do Terminal de Passageiros.
Valor: R$ 525 milhões

Fonte: Infraero

Gol é condenada por maltratar animais durante voo

A Primeira Turma Recursal do Rio de Janeiro manteve a sentença que condenava a companhia aérea Gol a pagar R$ 8 mil de indenização, a título de dano moral, a uma passageira por maus tratos aos seus animais. A sentença em primeira instância é da juíza Isabela Lobão dos Santos, titular do 20º Juizado Especial Cível, da Ilha do Governador.

Cintia Leisgold viajou de São Paulo ao Rio de Janeiro com um gato e um cachorro. No momento do embarque, porém, ela foi avisada de que o voo partiria de outro aeroporto e que os animais seriam transportados para o novo local junto com as bagagens. Na chegada ao Rio, percebeu que os animais estavam estressados, desidratados e com o batimento cardíaco acelerado.

Fonte: JB Online

Presidente do Senado francês faz homenagem às vítimas do voo 447

Ele jogou uma coroa de flores na Baía de Guanabara.

Comitiva francesa faz visita oficial ao Brasil.

Presidente do Senado francês Gérard Larcher faz uma homenagem às vítimas do voo 447 na Baía de Guanabara, no Rio

O presidente do Senado francês, Gérard Larcher, fez uma homenagem às vítimas do voo 447 na manhã desta quinta-feira (18), no Rio. Ele jogou uma coroa de flores em nome do Consulado Geral da França, no mar, na presença de outros cinco senadores e do cônsul do seu país. A comitiva seguiu numa embarcação da Marinha brasileira pela Baía ed Guanabara até as proximidades do Pão de Açúcar.

"É um gesto simbólico em memória aos desaparecidos e para as famílias, que estão sofrendo com essa situação", disse o senador.

Indenização

Segundo Larcher, a indenização às famílias dos passageiros do voo 447 da Air France deverá ser feita segundo a convenção internacional de aviação civil. A declaração foi dada em uma entrevista coletiva à imprensa nesta quinta-feira (18), no Rio, antes da homenagem às vítimas do acidente.

"Quaisquer que sejam as nacionalidades, temos certeza que a Air France vai respeitar todos os procedimentos de indenização e nós, como parlamento, vamos zelar pelo respeito à convenção internacional", afirmou Larcher. No Brasil, a Justiça já concedeu a primeira indenização à família de uma vítima do acidente.

Apesar de afirmar que o senado francês tem a possibilidade de arguir o governo sobre as investigações e abrir seções públicas para isso, o presidente da Casa disse que o "sentimento é de que tudo tem sido conduzido de maneira extremamente correta de cada um dos países em suas missões".

Senador francês elogia buscas brasileiras

Durante viagem ao Brasil, o presidente do senado francês Gérard Larcher elogiou e agradeceu o país por sua atuação no caso do acidente com o voo 447 da Air France.

“Recebemos o convite há alguns meses, como parte das comemorações do ano da França no Brasil, mas a visita acontece depois desse acidente dramático e é marcada pela homenagem e a gratidão que queremos expressar ao Brasil e suas forças armadas pela maneira como conduziram e continuam a conduzir as buscas”, disse Gerard.

O comentário do senador surge depois de declarações do chefe de investigações franceses causarem polêmica em relação à participação de peritos franceses no auxílio dos exames dos corpos resgatados. "Essa é uma questão que será rapidamente solucionada localmente", sintetizou Larcher.

Fonte: Alícia Uchôa (G1)

Erro de companhia aérea faz menina de 10 anos parar na cidade errada nos EUA

Garota de Massachusetts ia para Ohio, mas acabou em Nova Jersey.

Empresa disse que houve erro de comunicação e pediu desculpas.

Foi o segundo caso em menos de uma semana.

Uma menina de 10 anos, do estado americano de Massachusetts, voou por engano para Nova Jersey em vez de Ohio, por um erro da empresa Continental Airlines. A empresa pediu desculpas.

Jonathan Kamens disse que levou sua filha, Miriam, ao aeroporto internacional Logan, em Boston, no domingo. Ela iria voar até Cleveland para visitar seus avós.

Ele disse à TV local que, logo depois que o avião pousou em Ohio, seu padrasto ligou dizendo que a menina não estava novoo.

Kamens disse que, durante 45 minutos, ninguém sabia onde a menina estava, o que deixou a família em pânico. Ela acabou sendo localizada, sã e salva, em Newark, Nova Jersey.

A empresa disse que houve um erro de comunicação entre os funcionários. Os dois voos usam o mesmo portão de embarque.

Fonte: AP via G1

Outro caso semelhante

No sábado (13), Taylor Williams, 8, de College Station, no Texas, voava sozinha num voo da Continental Express de Houston para Fayetteville, Arkansas.

O problema é que ela supunha estar indo para Charlotte, na Carolina do Norte, para encontrar seu pai, relatou o Houston Chronicle na quarta-feira.

Fonte: UPI

Copilotos pousam Boeing 777 com 247 a bordo após morte de piloto em pleno voo

Voo 61 da Continental Airlines vinha de Bruxelas, na Bélgica.

Pouso ocorreu no aeroporto norte-americano de Newark.



Dois copilotos de um Boeing 777 da Continental Airlines pousaram o avião em segurança nesta quinta-feira (18) depois que o piloto morreu em pleno voo, segundo fontes do Aeroporto de Newark, no estado norte-americano de Nova Jersey.

O pouso ocorreu pouco antes das 12h locais (13h de Brasília).

O voo 61 partiu de Bruxelas, na Bélgica, às 9h54 locais (4h54 de Brasília) rumo ao aeroporto de Newark, em Nova Jersey, com 247 pessoas a bordo, segundo a empresa, e o piloto, de 61 anos, morreu no meio do caminho, aparentemente de causas naturais.

Os copilotos assumiram o controle do avião depois da morte, segundo uma porta-voz da FAA (Administração Federal de Aviação). Eles receberam toda a assistência do aeroporto para realizar o pouso.

De acordo com a empresa, o piloto, cuja identidade ainda não foi revelada, era funcionário da companhia havia 21 anos e ficava baseado em Newark.

Após a morte do piloto, avião pousa em segurança

Fonte: G1 (com agências internacionais) - Foto: reprodução

Piloto morre durante o voo rumo aos EUA

Voo 61 da Continental Airlines vinha de Bruxelas, na Bélgica.

Dois co-pilotos farão pouso em Newark, NY.

O piloto de um Boeing 777 da Continental Airlines morreu durante um voo nesta quinta-feira (18), levando as autoridades aeroportuárias a decretar situação de emergência no voo.

O voo 61, com 247 passageiros a bordo, ia de Bruxelas até o aeroporto de Newark, em Nova York. Ele deve fazer um pouso controlado pelos dois co-pilotos, segundo uma porta-voz da FAA (Administração Federal de Aviação).

Ainda não há informações sobre as causas da morte do piloto.

Fonte: G1 (com agências internacionais)


Mais informações em breve.

quarta-feira, 17 de junho de 2009

Resumo das últimas notícias sobre o acidente - 20

ACOMPANHE OUTRAS NOTÍCIAS SOBRE O ACIDENTE

QUARTA (17)

- 19h42 - TJ-RJ concede indenização de R$ 881 mil a família

- 18h04 - Destroços e bagagens. Destroços do avião foram resgatados, segundo os comandos da Aeronáutica e da Marinha.

- 16h26 - Corpos em Recife. Seis corpos de vítimas do voo 447 chegaram ao Recife para perícia, segundo nota divulgada pelos centros de comunicação da Aeronáutica e da Marinha.

- 16h06 - Destroços. A Marinha divulgou novas fotos de destroços da aeronave recolhidos.

- 12h57 - Resposta. A PF e a Secretaria de Defesa Social de Pernambuco informaram que três peritos franceses acompanham os trabalhos de identificação dos corpos das vítimas. Foi uma resposta a críticas dos investigadores franceses.

- 11h01- Corpos em Recife. Seis corpos de vítimas do voo 447 vão para o Recife na tarde desta quarta, segundo nota divulgada pelos centros de comunicação da Marinha e Aeronáutica. No total, 50 corpos foram resgatados.

- 7h44. Sem pistas. O Escritório de Investigação e Análise da França (BEA) anunciou que não há novas pistas sobre as causas do acidente. Segundo Paul-Louis Arslanian, diretor, mais informações podem sair nos próximos dias.

- 06h49 - Investigação sobre o 447 se aproxima de conclusão, diz França

Resumo anterior:

Clique aqui para ler o resumo das notícias anteriores - 19

Fontes: G1 / Terra

Famílias das vítimas do voo 447 já recebem adiantamento das indenizações

Valor, equivalente a R$ 48 mil, é para pagar primeiras despesas.

Seis famílias de brasileiros já receberam, diz seguradora da Air France.




A Axa Corporate Solutions, que representa os seguradores da Air France, informou que um adiantamento das indenizações para as famílias de vítimas do voo 447 já começou a ser pago.

O adiantamento, que tem o objetivo de cobrir as primeiras despesas das famílias, equivale a 17,6 mil euros (cerca de R$ 48 mil).

As famílias de seis brasileiros que estavam a bordo do avião que caiu sobre o Oceano Atlântico já teriam recebido esse valor, segundo a empresa.

As famílias de vítimas são informadas sobre as indenizações por cartas.

Após receber esse valor inicial, elas dão à seguradora informações sobre a situação social e profissional das vítimas. Com base nessas informações, a seguradora calcula o valor a ser pago caso a caso.

Fonte: G1

Justiça do Rio concede indenização a parentes de passageiro do voo 447

Família vai receber cerca de R$ 14 mil por 24 meses, mais R$ 50 mil.

Air France pode recorrer da decisão.

A Justiça do Rio concedeu nesta terça-feira (17) a primeira indenização a parentes de uma vítima do acidente aéreo com o voo 447 da Air France. A família do passageiro Walter Nascimento Carrilho Júnior vai receber 30 salários mínimos por mês, cerca de R$ 14 mil, durante 24 meses, mais um seguro de R$ 50 mil.

A decisão do juiz Magno Alves Assunção, da 28ª Vara Cível, leva em conta a renda mensal da vítima, que seria de aproximadamente 18 salários mínimos, além de 12 salários mensais para o custeio de um tratamento psicológico. A decisão beneficia a mulher e os três filhos menores do passageiro.

"Isto posto, DEFIRO Parcialmente o pedido de tutela antecipada requerida pelos quatro primeiros autores, Daniela Mortari Carrilho (esposa), Bruno Mortari Carrilho, Tatiana Mortari Carrilho e Mariana Mortari Carrilho (filhos da vítima e de quem dependiam financeiramente, por serem menores impúberes) para determinar que o réu disponibilize através de depósito judicial mensal, pelo período de 24 (vinte e quatro meses) ou até prolação de sentença nestes autos, quando poderá ser revista esta decisão, no valor corresponde a 30 (trinta) salários mínimos mensais", diz a decisão.

“Essa decisão abrevia o tempo para que a família comece a pagar escola, fazer compras de supermercados e ter tratamento médico, que é necessário. É muito grande a dor de quem perde um ente querido morto nessas condições e não consegue sepultar de maneira digna”, disse o advogado João Tancredo, autor da ação.

Segundo ele, o cálculo do valor da pensão usou como referência a renda mensal da vítima mais a sobrevida de Walter, que tinha 42 anos e trabalhava para uma empresa francesa. Já para o valor de danos morais, foi considerado a gravidade do dano causado e também a capacidade econômica de quem causou o dano.

“Indiscutivelmente, trata-se de uma das maiores empresas de aviação do mundo e a indenização tem que ser exemplar”, acrescentou Tancredo.

De acordo com a decisão do juiz, a companhia pode recorrer , mas o recurso, nesse caso, não suspende o cumprimento da determinação. A Air France tem que depositar o valor da pensão até o dia 30 de junho, sob pena de ter que pagar uma multa equivalente a R$ 1 mil por dia.

No argumento para a tutela antecipada o advogado ressaltou que, sem a certidão de óbito, a família não pode receber pagamentos previdenciários, seguro e nem mesmo a rescisão da empresa que a vítima trabalhava. Ele pretende pedir revisão dos valores da pensão, já que inicialmente foi pedido o equivalente a 79 salários mínimos.

Outras três famílias também já entraram na Justiça do Rio com pedido de tutela antecipada.

A Air France pode recorrer da decisão. O G1 não conseguiu localizar a companhia por meio de sua assessoria de imprensa para comentar a decisão da Justiça do Rio.

Fonte: Aluizio Freire (G1)

Voo 447: encontrada possível parte de corpo, diz FAB

A tripulação do navio Mistral, da Marinha francesa, recolheu hoje mais possíveis pedaços de corpos humanos no Oceano Atlântico, além de destroços do Airbus A330 da Air France e bagagens. O assessor de imprensa da Força Aérea Brasileira (FAB), tenente-coronel Henry Munhoz, afirmou que ainda não há data para o encerramento das buscas. "Não existe uma previsão. As datas que foram apresentadas são relativas a suprimento", disse.

Munhoz explicou que os comandantes das operações consideram suficientes as condições logísticas para a continuidade da operação. Eles conversaram hoje, por telefone. Para sexta-feira, está programado um encontrou no Centro Integrado de Defesa Aérea e Controle de Tráfego Aéreo (Cindacta) III, no Recife, em Pernambuco.

À tarde, um avião C-130 Hércules transportou seis corpos de Fernando de Noronha para a capital pernambucana. Lá, eles serão submetidos a exames de identificação no Instituto Médico Legal (IML). Ao todo, 49 corpos já estão no prédio. O quinquagésimo corpo encontrado continua armazenado no navio Gastão Mota, que está a caminho do arquipélago.

A corveta Caboclo contém uma quantidade de destroços considerada "expressiva" pela Marinha e bagagens dos passageiros do voo 447, que caiu no último dia 31 com 228 pessoas a bordo. A embarcação deverá chegar ao porto de Recife na manhã de sexta-feira. No mesmo dia, os militares entregarão o material para os representantes da Escritório de Investigações e Análises para a Aviação Civil (BEA, na sigla em francês), órgão responsável pela apuração das causas da tragédia.

Fonte: Agência Estado

Médicos da Força Aérea Portuguesa pagam para evitar missão em Cabul

Equipe de Saúde Militar dos três ramos das Forças Armadas vai cumprir missão de um ano ao serviço da NATO no Afeganistão, sendo os efetivos substituídos de quatro em quatro meses.

Uma oficial médica da Força Aérea Portuguesa (FAP) deixou recentemente o ramo, pagando uma indenização superior a 100 mil euros, para não ir para o Afeganistão, soube o DN junto de fontes militares.

Mais dois clínicos militares da FAP já "manifestaram a intenção" de pedir o abate aos quadros, para também não prestarem serviço no Afeganistão, adiantaram as fontes. Estes dois casos, que ainda não terão sido formalizados junto do ramo, são dados como saídas certas nos bastidores da Força Aérea.

A FAP, questionada terça-feira sobre o assunto pelo DN, não respondeu. Fontes da Armada e do Exército, que também participam na missão, asseguraram não haver qualquer caso do gênero.

Este novo contributo militar português para a força da NATO no Afeganistão terá a duração mínima de um ano e será formada por 15 efetivos dos três ramos das Forças Armadas, cabendo à FAP o comando da missão. A rotação dos efetivos ocorrerá a cada período de quatro meses, partindo o primeiro grupo no próximo dia 1 de Julho, a bordo de um avião da Força Aérea, disse ontem ao DN o porta-voz do Estado-Maior General das Forças Armadas, comandante Ramos de Oliveira.

Quanto à portaria do Ministério da Defesa Nacional que vai enquadrar a missão, o presidente da Associação de Sargentos, Lima Coelho, afirmou ao DN que "continua por publicar". "Dizem que está a ser feita. Há quanto tempo [é que o Ministério o repete]?", questionou o sargento-ajudante.

Dentro da FAP, o caso é semelhante ao dos pilotos - pelo menos mais três oficiais decidiram sair nos últimos dias, para companhias aéreas privadas, de acordo com algumas fontes - que, há anos, deixam o ramo.

No caso dos médicos, assinalou uma das fontes, um eventual alastramento dos pedidos de abate aos quadros terá repercussões a dois níveis: ao nível das missões operacionais no estrangeiro (dentro de um ramo que se assume como expedicionário) e, depois, no plano do apoio hospitalar de retaguarda ao universo dos militares, que inclui os da reserva e reforma e, em certas situações, os familiares.

A dificuldade da Força Aérea em conseguir nomear médicos para a missão da NATO no Afeganistão é apenas a última expressão de problemas com que os ramos têm lidado ao longo dos anos, tanto a nível operacional como de treino e no próprio dia a dia dos hospitais.

A título de exemplo, é frequente lembrar-se a história - ocorrida há alguns anos - de um diretor do hospital de Marinha que, segundo a expressão de caserna usada por uma das fontes, "acabou encostado à parede" por tentar que os médicos militares cumprissem um horário mínimo naquela unidade.

A verdade é que, como enfatizou outra fonte, o universo militar é insuficiente para garantir aos médicos o treino e o número de atos clínicos suficientes para ganhar e manter competências clínicas e técnicas (como é o caso dos cirurgiões, por exemplo). Daí que muitos desses profissionais optem por trabalhar em hospitais civis e tenham consultórios particulares (também por questões salariais) -, algo que deveria ser adequadamente "tratado no âmbito da reforma da Saúde Militar", frisou um oficial superior.

Fonte: Diário de Notícias (Portugal)

Trip planeja fazer oferta de ações até 2011

A Trip Linhas Aéreas planeja fazer uma oferta pública de ações em 2010 ou 2011, informa o presidente da empresa, José Mário Caprioli. Em fevereiro, a companhia de voos regionais deu início aos trâmites para obter o registro como companhia de capital aberto na Comissão de Valores Mobiliários (CVM), mas interrompeu esse processo por causa da programação de novas aeronaves na frota e implementação de sistemas de gerenciamento. A Trip tinha até o final de março para concluir o registro, mas desistiu no início daquele mês.

O portal de internet da CVM indica que o registro da Trip como companhia de capital aberto foi "indeferido". O diretor financeiro e de relações com investidores da empresa, Fernando Calaes, diz que vai retomar o processo para obter o documento da CVM no segundo semestre.

"Até o final do ano, seremos uma empresa de capital aberto, mas sem ações negociadas em bolsa", afirma o presidente da Trip. Caprioli diz que a empresa já deu alguns passos no sentido de manter práticas de governança corporativa mesmo sem ter capital aberto. Como exemplo, citou a publicação do balanço financeiro de 2008. Segundo ele, a partir de agora, a publicação de resultados será trimestral.

O desempenho financeiro da Trip, em 2008, mostrou um prejuízo de R$ 7 milhões. Calaes afirma que se fosse levado em conta o impacto da variação cambial, de R$ 24 milhões, o resultado do ano passado teria sido um lucro de R$ 17 milhões. O faturamento da companhia ficou em R$ 310,2 milhões.

A Trip vai investir este ano R$ 370 milhões em novas aeronaves. Deste total, cerca de R$ 200 milhões serão financiados pelo Banco Nacional de Desenvolvimento Econômico e Social (BNDES) para a compra de quatro jatos da Embraer. A empresa já recebeu dois Embraer 175. O terceiro chega no dia 24 e o quarto, um modelo usado, em julho. Havia um quinto avião programado para novembro, mas que foi adiado para abril do ano que vem. Outros R$ 170 milhões serão gastos para a compra de quatro modelos turboélice ATR 72-500.

Os jatos da Embraer serão usados para expandir a operação da Trip no aeroporto Santos Dumont, no Rio de Janeiro. Na semana que vem, a empresa inicia 15 novos voos entre o Rio e cidades do interior paulista e mineiro com o avião para 86 passageiros. São localidades como São José do Rio Preto, São José dos Campos, Juiz de Fora e São João del Rey. A companhia também vai ligar o Rio a Curitiba e Belo Horizonte, de onde tem conexões para cidades do interior do Paraná e Minas Gerais.

Ao todo, a Trip passará a ter 23 voos diários a partir do Santos Dumont. Em maio, a empresa respondeu por 1,32% dos voos domésticos. Caprioli estima que a Trip deverá encerrar este ano com 2,4% de participação de mercado.

Fonte: Alberto Komatsu (Agência Estado) via Abril.com

PF rebate crítica de franceses sobre acesso às autópsias

Em nota, polícia e Secretaria de Defesa Social afirmam que só não participa quem não tem credencial

A Polícia Federal e a Secretaria estadual de Defesa Social (SDS) rebateram nesta quarta-feira, 17, as críticas do Escritório de Investigações e Análises sobre a Aviação Civil (BEA), que investiga o acidente com o Airbus da Air France. Em nota, a PF afirmou que, sem credencial, ninguém pode participar dos trabalhos realizados pelo Instituto de Medicina Legal (IML), no Recife, que realiza autópsias nos corpos de vítimas do voo 447.

O chefe da investigação, Paul-Louis Arslanian, disse estar descontente pelo fato de um patologista francês não ter obtido permissão para tomar parte nas autópsias realizadas pelo Brasil nos corpos recuperados após a queda da aeronave. "A participação de qualquer autoridade francesa nos trabalhos realizados pelo IML deverá ser feita pelas vias diplomáticas necessárias, isto é, junto à Embaixada francesa e à Polícia Federal", explica a nota.

Curta, com dois parágrafos, a nota destaca que quatro peritos franceses "credenciados" participam dos trabalhos "na condição de observadores" desde o dia 10 de junho, uma vez que "a França é responsável pela investigação das causas do acidente". São eles: a comandante de polícia Sylvie Garnier, o investigador Gil Delehaye, o cirurgião dentista Charles Danjart e o médico Alain Sanvoisin.

Fonte: Angela Lacerda (O Estado de S.Paulo)

Presidente da BRA diz que cia. está de volta "às origens"

Conforme anunciado ontem no Portal Pantotas, a Anac autorizou a BRA dar continuidade aos voos não-regulares (charter e fretamento). A companhia vinha operando voos exclusivamente fretados desde abril, pois obtivera da Anac a liberação do Certificado de Homologação de Empresas Aéreas (CHETA) em fevereiro deste ano e aguardava a autorização da diretoria da Anac para operação também de voos charter.

Para o presidente da BRA, Danilo Amaral, o retorno da BRA exclusivamente aos voos não-regulares, recoloca a BRA no seu nicho original de negócios. “Nossa empresa se consagrou no passado como a maior companhia de fretamento da América do Sul e estamos certos que sua expertise e capacitação, amplamente reconhecidas em voos não-regulares, podem contribuir positivamente para o desenvolvimento do mercado de aviação do Brasil e América do Sul”, afirma o presidente da BRA.

Fonte: Marjori Schroeder (Panrotas)

"Bola de fogo" intriga população de Rondônia

Objeto não identificado foi visto próximo a uma aldeia indígena na divisa com a Bolívia - Foto: Ricardo da Rocha Ribeiro Junior

O mistério em torno do objeto incandescente visto há seis dias no céu de Rondônia segue intrigando a população local. Nas buscas realizadas pela Força Aérea Brasileira (FAB), nada que pudesse indicar a queda de uma aeronave foi encontrado.

Na noite de quinta-feira, 11/6, diversas pessoas relataram ter visto uma "bola de fogo" em queda livre na região de Guajará-Mirim (RO), na fronteira com a Bolívia. Avisada pelo Serviço de Busca e Salvamento (Salvaero), a FAB enviou à cidade um esquadrão para investigar o caso.

Nos relatos recebidos via telefone, os moradores descreveram uma explosão seguida de fumaça. Nos dois dias em que vasculhou a área, porém, o 2º esquadrão do 10º Grupo de Aviação não encontrou objetos ou destroços.

Segundo a corporação, todos os aviões devem apresentar um plano de vôo antes de decolarem no País. Nesse plano, são indicados os horários de saída e pouso. Caso a aterrissagem não seja confirmada, um alerta é enviado ao Salvaero, que inicia uma investigação.

Na quinta-feira, no entanto, a FAB afirma não ter registrado nenhum caso do tipo. Isso descarta a possibilidade de o fogo ser consequência de um acidente aéreo com avião autorizado. A FAB não descarta a hipótese de uma aeronave ilegal ter se acidentado no Estado, apesar da falta de evidências.

Enviado na sexta-feira, o Esquadrão Pelicano, que tem base em Campo Grande (MS), percorreu as imediações da aldeia indígena Sagarana, onde os moradores afirmam ter visto o objeto não identificado, em busca de indícios. A região, segundo o morador e jornalista local Marcio Martins, é "alagadiça", o que dificultaria as buscas.

Fontes: Marcio Martins, de Porto Velho (RO), e Ricardo da Rocha Ribeiro Junior, de Guajará-Mirim (vc repórter - Terra)

Embraer espera voltar ao lucro no 2º trimestre

A Embraer espera ser lucrativa no segundo trimestre deste ano e em todo o restante de 2009, apesar do prejuízo registrado no primeiro trimestre, afirmou o presidente da companhia, Frederico Fleury Curado, durante a Paris Air Show. Segundo o executivo, a Embraer está no caminho certo para cumprir sua meta de ampliar a margem de ganhos Ebit para 10% neste ano, de 8,5% no ano passado, embora a variação do câmbio externo apresente certa incerteza, dada a propensão do real à flutuação.

A Embraer e seus concorrentes enfrentam um ano difícil e 2010 provavelmente será mais desafiador, de acordo com Curado. No entanto, o executivo acrescentou que espera que 2011 tragar progressos, apesar de isso não estar garantido. "Falar em 2011 atualmente é como planejar no longo prazo", disse. "Acredito que 2011 não será materialmente muito melhor nem muito pior que 2010", acrescentou Curado.

Para o presidente da Embraer, a companhia vai superar a turbulência econômica com ajuda de US$ 20 bilhões em encomendas. "Estamos relativamente bem posicionados para emergir dessa crise tão forte quanto possível", disse Curado. O prejuízo registrado no primeiro trimestre deste ano, afirmou o executivo, foi quase todo devido às despesas relacionadas a demissões, já que a companhia se reestruturou no início do ano para enfrentar o atual ambiente econômico.

Durante a reestruturação, a Embraer fez um corte de 20% em sua força de trabalho, mas Curado afirmou que novos cortes não são planejados. "Vamos nos esforçar duramente para não fazer isso", declarou o executivo. A Embraer deve reduzir os estoques que cresceram no primeiro trimestre, com a velocidade ganhando ritmo no segundo semestre do ano, segundo Curado. O executivo prevê que os estoques vão cair abaixo dos níveis do fim de 2008 até o fim deste ano.

Curado afirmou também que a Embraer está recebendo pedidos de empresas aéreas por adiamento de entregas de aviões. No início deste ano, a companhia concordou em reduzir pela metade a encomenda de 50 aeronaves feita por um parceiro chinês. A Embraer está operando com 70% da capacidade e pouca melhora é esperada até 2011. Segundo Curado, a Embraer não tem planos para fazer aquisições em breve e dará preferência para o crescimento orgânico. O executivo afirmou ainda que os mercados mais promissores geograficamente para a empresa são a América Latina e a Ásia, embora haja esperança de que o congelado mercado dos EUA se abra novamente. As informações são da Dow Jones.

Fonte: Agência Estado via Abril.com

Concluído terminal de embarque do aeroporto em Alta Floresta (MT)

A partir de segunda-feira, as estruturas antigas do aeroporto de Alta Floresta passarão por reformas, segundo o diretor do departamento de projetos do Executivo, Gércio França. Serão feitas a ampliação na área do check in, reformas nas instalações elétricas e nos forros, construção do estacionamento e a pavimentação na frente do terminal aeroportuário.
Os investimentos são de aproximadamente R$ 300 mil, correspondentes a recursos estaduais. De acordo com França, as obras correspondem a segunda etapa do projeto e poderá ser finalizado em 90 dias.

A primeira etapa corresponde a construção do novo terminal de embarque e desembarque finalizada na última semana e que está pronto para uso. Para o terminal, os investimentos foram em torno de R$ 280 mil, também oriundos do governo do Estado. As obras começaram em agosto do ano passado e tiveram algumas paralisações.

As modificações feitas pelo Executivo visam cumprir as restrições da Agência Nacional de Aviação Civil. Em vista disto, a prefeitura busca ainda adquirir o caminhão AP2, de combate a incêndio, para o terminal. Conforme Só Notícias informou, com a visita do presidente à Alta Floresta, lideranças políticas devem cobrar de Lula a autorização para que a Infraero adquirira o caminhão, que foi o motivo usado por uma das companhias aéreas para suspender suas atividades no local.

Fonte: Karoline Kuhn (Só Notícias) - Foto: cdlaf.com.br

Lucas R. Verde (MT) busca verba para compra de caminhão contra incêndio para aeroporto

Aeroporto Municipal Lucas do Rio Verde-MT

A prefeitura de Lucas do Rio Verde, em Mato Grosso, começa a definir a documentação para aquisição de um caminhão de combate a incêndio, avaliado em R$ 700 mil, que ficará no aeroporto, atendendo exigências de segurança determinadas pela Agência Nacional de Aviação Civil - Anac - e espera que sejam retomados os voos comerciais no município por uma empresa que tem a concessão de linha e já atuou no município.

De acordo com o chefe de gabinete da prefeitura, Edu Pascoski, a aquisição foi definida quando esteve, há poucos dias, em Brasília, na Anac. "Assumi o compromisso que o caminhão de combate a incêndio será providenciado", disse, ao Só Notícias. A prefeitura ainda não dispõe do recurso para a compra o que pode levar algum tempo. "O município tem que primeiro preparar as questões de segurança para operar. Estamos buscando atender as normas e fazer com que qualquer empresa interessada possa conquistar rotas", acrescentou. Segundo o secretário, a empresa que busca trabalhar com voos no município trabalhou no município entre 2005 e 2006. "O diretor da empresa participou da reunião [com Anac] e disse que voltará a operar a rota que ele já fazia", disse.

A rota trabalhada pela empresa era de voos na segunda, quarta e sexta-feira, para Cuiabá, Lucas R.Verde, Guarantã do Norte, Novo Progresso, Itaituba e Santarém. Não há prazo para retomada destes voos e, Edu ressalta que esse acordo é diretamente entre empresa e Anac, mas que caso seja retomado, trará inúmeros benefícios ao município. "Com o processo de agroindustrialização, o município está tendo investidores que precisam vir com certa urgência fazer seus negócios, com certeza facilitará e muito para esses empresários. Essa opção de transporte, encurta os horários e facilita para aqueles com agendas bastantes ocupadas", ressaltou.

Atualmente, está sendo construído o terminal de embarque e desembarque, também atendendo as exigência da agência, que deverá ser finalizado em até 90 dias.

Fonte: Só Notícias - Foto: Everton Ventura (panoramio.com)

Trabalhar de graça é a receita para salvar a British Airways

A companhia britânica de transporte aéreo registrou uma perda anual recorde no último exercício. O diretor executivo considera a situação desesperada e decidiu abdicar dos mais de 70 mil euros de salário no mês de Julho.

Para Willie Walsh “é impossível que o negócio se mantenha dentro de dois anos se as pessoas olharem para a presente situação como algo temporário. Este negócio não vai sobreviver.”

O patrão da BA e o diretor financeiro vão trabalhar de graça em Julho e desafiaram os empregados para se oferecerem a trabalhar também de graça uns dias ou em part-time, ou pedirem um mês de licença sem vencimento.

Para um perito do transporte aéreo, a iniciativa da direção visa “convencer os trabalhadores da companhia a renegociarem os contratos, a fazê-los aceitar cortes salariais e regalias, que são alguns dos mais favoráveis do mercado, de forma a tornar a BA competitiva face a companhias como a Easyjet e a Ryanair.”

A perda operacional da British Airways no último exercício é de 260 milhões de euros. Outras companhias aéreas, como a Cathay Pacific, tomaram medidas semelhantes para tentar decolar de novo.

Fonte: Euronews

Associação Empresarial de Criciúma trabalha para trazer voo comercial para a cidade

Ainda esta semana a diretoria da Associação Empresarial de Criciúma (Acic) pode agendar uma reunião com representantes da Trip Linhas Aéreas, de Campinas, para conversar sobre uma possível vinda da empresa para o aeroporto Diomício Freitas, em Forquilhinha. A intenção da associação é trazer representantes da empresa para Criciúma, onde uma reunião com entidades empresariais, governos municipais e empresas de turismo ocorreria.

Segundo Helder Martins, responsável pela área de aeroportos e núcleos setoriais da Acic, a ideia de agendar uma reunião com a Trip Linhas Aéreas partiu do princípio de que a empresa é voltada para a aviação regional e opera em aeroportos menores. A intenção é que o Diomício Freitas não fique parado, e volte a ter voos comerciais com destino a São Paulo, maior demanda do empresariado da região.

Fonte: Jornal A Tribuna - Foto: Arquivo / A Tribuna

Fuso horário poderá ser unificado

Os três fusos horários do Brasil em vigor desde o dia 24 de junho de 2008

Um projeto aprovado ontem pela Comissão de Assuntos Econômicos do Senado poderá unificar o fuso horário em todo o país. A proposta estabelece que a única hora oficial brasileira deve ser o horário de Brasília (DF), com três horas de atraso em relação à hora de Greenwich, em Londres.

O próximo passo é a apreciação em caráter terminativo pela Comissão de Relações Exteriores, também no Senado. Se for aprovado, o projeto seguirá para ser votado pela Câmara dos Deputados, sem a necessidade de passar pelo plenário do Senado.

Segundo o relator do projeto, senador Gim Argelo (PTB-DF), o projeto é importante para promover maior integração econômica às regiões do país.

– Facilita, e muito, até no desenvolvimento de algumas regiões. Alguns dos grandes Estados do Norte tinham dificuldade, pois o mercado financeiro fechava duas horas mais cedo. Há também dificuldade de fuso horário em aviação – disse o senador.

Ano passado, lei havia mudado fuso no Acre e no Amazonas

Atualmente, o território brasileiro é dividido em três fusos horários. No ano passado, o fuso horário do Acre e de parte do Amazonas já tinha sido alterado. Os dois Estados passaram a ter uma hora de diferença em relação ao horário de Brasília enquanto o Pará passou a ter o mesmo horário da capital federal. A mudança ocorreu por meio de uma lei sancionada pelo presidente Luiz Inácio Lula da Silva.

Fonte: Zero Hora - Imagens: georessu.files.wordpress.com

Meteorologistas britânicos identificam novo tipo de nuvem

A nova Asperatus, que possui aspecto de um manto escuro e ondulado, ainda não foi reconhecida internacionalmente

Membros da Royal Meterological Society, no Reino Unido, identificaram um novo tipo de nuvem que recebeu a denominação Asperatus ("Áspero" na tradução do latim). Os cientistas informaram que a nova massa de vapor registrada possui o aspecto de um manto escuro e ondulado.

A Royal Meterological Society está tratando para que a Asperatus seja reconhecida internacionalmente e incluída pela Organização Meteorológica Internacional na lista de nuvens. Se for aceita, será a primeira variedade a ser classificada desde 1953.

Segundo Gavin Pretor-Pinney, fundador da sociedade, observar uma Asperatus é como ver de baixo a superfície de um mar agitado. Acredita-se que este tipo de nuvem se forma pela mistura de duas massas de ar - uma muito quente e úmida e outra muito fria -, desenvolvendo-se no limite de ambas. Alguns especialistas também sustentam que este tipo de massa de ar seria o resultado de uma turbulência no "ventre" de uma nuvem de tormenta.

Existem dez tipos de formações de nuvens conhecidos. Entre eles, estão a tradicional Cumulus (Cu), que geralmente é vista em dias de tempo bom, e a Cumulonimbus (Cb), temida pela aviação aérea por ser instável em seu interior. As Cumulonimbus atingem a temperatura de -75°C em seu topo e podem ter entre 10 e 20 km de altura.

Fonte: Terra (Peru - com informações do Terra Chile e agências internacionais) - Imagem: Reprodução

Maringá ganha aeroporto internacional de cargas com alfandegamento

O alfandegamento do Aeroporto Regional Silvio Name Júnior é o passo concreto para internacionalização do local

O alfandegamento do Aeroporto Regional Silvio Name Júnior é o passo concreto para internacionalização do local. A empresa que administra o aeroporto, SBMG, autorizou a concessão da área alfandegada por meio de licitação. A empresa vencedora investiu em torno de R$ 4 milhões para instalar equipamentos e efetivar a reforma necessária na área do terminal de cargas, segundo critérios da Receita Federal para o controle da entrada e saída de mercadorias em caráter de importação e exportação.

Com um aeroporto internacional de cargas, a cidade ganha com o processo alfandegário no que se refere à logística aérea e redução de custos em condições de receber cargas internacionais. Dentre os benefícios para o município, estão o aumento de arrecadação de tributos municipais, a geração de negócios e a instalação de empresas, principalmente de novas tecnologias. Na prática, o terminal de cargas está previsto para operar em 45 dias.

O superintendente da Receita Federal na 9ª Região Fiscal, Luiz Bernardi, assinou no último dia 12 o ato declaratório, publicado ontem no Diário Oficial da União com título de fiscalização aduaneira ininterrupta até 30 de dezembro de 2039. O ato compreende as áreas de pistas e de pátio de manobras utilizados por aeronaves em vôos internacionais, as áreas destinadas ao carregamento e descarregamento de aeronaves no transporte internacional bem como as áreas de pistas de circulação de veículos e equipamentos para acesso às áreas destinadas ao carregamento e descarregamento de aeronaves no transporte internacional.

De acordo com os superintendentes do aeroporto e Porto Seco, Marcos Valêncio e Marcos Capellazzi, respectivamente, a projeção estimada até o fim do ano é de movimentar R$ 90 milhões por mês. A partir de agosto, a idéia é ter seis aeronaves operando por mês. “Com esta média, tem-se o movimento de um terço do PIB de Maringá”, calcula Capellazzi. O Produto Interno Bruto (PIB) da cidade gira em torno de R$ 2,2 bilhões de dólares. Um terço deste valor seria R$ 700 milhões da moeda americana – quantia prevista segundo cálculos para 2010.

O processo burocrático levou cerca de três anos, desde a portaria para habilitar o tráfico internacional pela Agência Nacional de Aviação Civil (Anac) em 2007, o processo de licitação e adequações no terminal. O superintendente do aeroporto acredita que a concretização de todo o trâmite se deve à mobilização da sociedade civil como o Conselho de Desenvolvimento Econômico de Maringá (Codem), a Associação Comercial e Empresarial de Maringá (Acim), universidades, poder público e envolvimento de políticos. “Há 15 anos se falava nisso. Trata-se de um projeto de muitos anos que agora se tornou realidade”, diz Valêncio, que vislumbra num futuro próximo, a viabilização de vôos internacionais, ampliação das pistas e rotas internacionais para aeronaves de grande porte.

Fonte: HNews - Foto: Allan Nascimento

Curtinhas

“British Airways “convida” a trabalhar sem receber salário”

E se a sua empresa lhe propusesse trabalhar sem receber? A maior companhia aérea britânica está a pedir a cerca de 40 mil trabalhadores que prescindam do seu ordenado durante um período não superior a um mês. Esta é uma das várias respostas da British Airways à crise, com vista a reduzir custos após registar mais de 400 milhões de prejuízos.

“Companhias vão enfrentar “tempestade” em 2010”

As companhias aéreas vão enfrentar em 2010 um ano de “perdas e fracassos significativos”, com cortes na capacidade e no número de rotas, indica o Relatório Executivo da consultora Deloitte, que fala mesmo em “tempestade na aviação comercial”.

Fonte: Jornal de Negócios

“Comissário europeu sugere processo rápido no TGV”

O Governo confirmou ontem que o TGV só arrancará depois das eleições, remetendo a polémica sobre se o projecto deve ou não avançar para um mero tema de campanha eleitoral. Mas o Governo recebeu um aliado de peso para a argumentação: o Comissário Europeu dos Transportes, Antonio Tajani, que considerou ontem ser “importante para Portugal que no próximo ano avance para a alta velocidade”.

Fonte: Diário Económico

“SATA motiva conflito entre Açores e Madeira”

Os deputados do PSD-Madeira protestaram contra o Governo açoriano por não permitir que responsáveis da SATA vão à Madeira explicar-se perante os deputados madeirenses sobre o alegado incumprimento da companhia aérea açoriana quanto a frequências diárias, horários, redução e cancelamento de voos semanais entre a Madeira e o Porto Santo. O líder do grupo parlamentar do PSD-M, em declarações à Rádio Açores/TSF, lamentou a “teimosia da SATA, com a cobertura do Governo dos Açores”, apelando a um “recuo” na recusa em esclarecer a situação numa audição parlamentar a ter lugar na Madeira.

“México espera 600 portugueses por semana”

Voos para a Riviera Maia foram retomados esta semana, com os operadores turísticos a fazerem descontos de 50%. Direcção-Geral de Saúde não desaconselha as viagens, lembrando que, desde que entramos em pandemia, o risco é global.

Fonte: Diário de Notícias

Fonte geral: Ambitur (Portugal)

Anac: índice de atrasos de voos atingiu 7,5% em maio

O número de voos regulares que decolaram com atrasos superiores a 30 minutos atingiu 7,5% do total em maio, conforme divulgou ontem a Agência Nacional de Aviação Civil (Anac). Em abril, o indicador havia sido de 6,9%. O índice é calculado pela Empresa Brasileira de Infra-Estrutura Aeroportuária (Infraero) nos 67 aeroportos que administra no País e considera as partidas realizadas após 30 minutos do horário marcado.

Dentre as maiores companhias aéreas, o melhor resultado foi da TAM (6,0%), seguida pela Gol/Varig (6,6%), OceanAir (6,9%) e Webjet (12,6%). Já entre as demais empresas com operações regulares, a mais pontual foi a Total (7,7%). A Trip veio na sequencia, com 10,1%, seguida de Pantanal (11,0%), Azul (14,4%) e Passaredo (22,3%). A Infraero começou a fazer a medição em maio de 2007. Foi somente em fevereiro de 2009 que o índice de atrasos passou a ficar abaixo de 10%.

Fonte: Agência Estado

Comandante rondoniense que estava em evento nacional de ultraleve é abordado por caças da FAB

No último final de semana deste mês de junho o comandante rondoniense Cardoso, que participou do 9º Encontro Nacional de Ultraleves, em Foz do Iguaçu (PR), que contou com a participação de 116 aeronaves, foi surpreendido por dois Tucanos da FAB (Força Aérea Brasileira), quando estava voltando para Rondônia no domingo (14), após 2h30 do município de Cárceres (MT), onde havia feito a sua última parada para abastecimento.

De acordo com o comandante Cardoso uma das aeronaves da FAB emparelhou ao seu lado, onde verificou as características do ultraleve e em nenhum momento os pilotos entraram em contato via rádio com o comandante. Para Cardoso o piloto, ao perceber o prefixo da aeronave com os órgãos competentes do espaço aéreo brasileiro e ao identificar o seu plano de vôo, percebeu a regularidade, pois o Ultraleve é uma aeronave desenvolvida para a prática de passeio e não de cargas. Sobrevoou alguns minutos a sua lateral e logo depois o caça da FAB tomou a direção de Campo Grande (MT).

“Eu estava com o meu piloto automático e de repente apareceu uma aeronave do meu lado, fiquei muito surpreso e logo tirei uma foto. Como nenhum contato foi feito entre eu e o piloto, daí então preferir tirar uma fotografia para registrar o momento”, disse Cardoso.

CASO COMUM

Segundo pilotos de Rondônia casos como este vem acontecendo no espaço aéreo brasileiro. Exemplo disto aconteceu há um mês com um comandante do Estado, pois no terminal que fica a 25 km de Porto Velho, na região do município de Ariquemes, aeronaves da FAB adotaram a mesma estratégia que foi feita com o Comandante Cardoso, mas monitoraram este piloto até o momento de seu pouso em Ariquemes.

“Todos os pilotos que fazem vôos regularmente no espaço aéreo brasileiro ficam mais tranquilos, por que fazem planos, se identificam para os órgãos competentes, como a ANAC, e isso dá uma credibilidade tremenda”, disse o piloto Jair Medeiros.

Para o comandante Jair esses vôos de aeronaves irregulares que sobrevoam o espaço aéreo brasileiro comprometem a segurança em geral daqueles que voam regularmente.

“Nós pilotos brasileiros que voamos regularmente veríamos com bons olhos se fosse montada uma base aérea na fronteira dos nossos países vizinhos, uma vez que dificultariam alguns vôos irregulares na região fronteiriça, chamada Zona da Mata”, concluiu o piloto.

Vale salientar que o Governo Federal comprou um radar de dois milhões de reais somente para a região que compreende: Mato Grosso, Mato Grosso do Sul e Paraná para o combate ao narcotráfico no país.

Fonte: Rondoniaovivo.com

Eurocopter: Brasil poderá ter helicóptero nacional em 10 anos

O fabricante europeu de helicópteros Eurocopter quer desenvolver sua filial no Brasil, onde poderá criar e fabricar um de seus aparelhos nos próximos dez anos, anunciou nesta quarta-feira o presidente do grupo, Lutz Bertling.

No final de 2008, o Brasil assinou um contrato de compra de 50 helicópteros de transporte EC-725 (foto), que serão montados no Brasil pela sociedade Helibras, filial local da Eurocopter.

"Vamos utilizar este contrato para criar oportunidades no Brasil nos próximos anos, em termos de engenharia, de produção de manutenção para concluir na capacidade de desenhar helicópteros", afirmou o presidente da Eurocopter, filial do grupo europeu EADS.

"A Helibras não apenas duplicará o número de seus empregados e seu volume de negócios; em 10 anos, poderá ter seu primeiro produto próprio, desenvolvido, projetado e construído no Brasil", acrescentou.

A Eurocopter quer de maneira mais geral aumentar sua atividade em nível internacional, disse ainda. Em relaçao à crise, informou que em 2009 o grupo terá uma queda em termos de unidades vendidas, mas não de valor.

O grupo Eurocopter é o principal fabricante de helicópteros do mundo e foi criado em 1992 a partir da fusão do setor do francês Aerospatiale Matra e do alemão DaimlerChrysler Aerospace AG (DASA).

No setor civil, a Eurocopter tem uma parte do mercado mundial de 52%, superando em muito seus principais competidores, Bell, Augusta, Boeing e Sikorsky.

Fonte: Invertia via Terra - Imagem: divulgação

Aeroporto Regional do Planalto Serrano (SC) deve ter administação privada

Com orçamento de R$ 15,9 milhões, obras em Correia Pinto estão paralisadas há quase dois anos

Terraplanagem do terreno, construção da pista, do pátio de manobras e estacionamento dos aviões custaram mais que o previsto

Assim que estiver pronto para entrar em operação, o que não ocorrerá este ano, o Aeroporto Regional do Planalto Serrano, em Correia Pinto, Santa Catarina, deverá ser administrado pela iniciativa privada. As negociações estão bem adiantadas, e alguns grupos já se mostram interessados em assumir o empreendimento.

Iniciadas em 2002, as obras do aeroporto já sofreram várias interrupções e, atualmente, estão paralisadas há quase dois anos. Orçadas inicialmente em R$ 15,9 milhões, já consumiram R$ 10 milhões a mais dos governos estadual e federal, entre a terraplanagem do terreno, construção da pista, do pátio de manobras e estacionamento dos aviões, faltando ainda outros R$ 15 milhões para serem concluídas.

Destes, R$ 5,7 milhões estão no orçamento do Estado para a construção dos terminais de cargas e passageiros, torre de controle, seção de combate a incêndios e instalações hidráulicas e elétricas.

O edital de licitação para os trabalhos foi assinado pelo governador Luiz Henrique da Silveira durante a 21ª Festa Nacional do Pinhão, em Lages, com a empresa vencedora sendo conhecida em até dois meses. Os outros R$ 10 milhões serão investidos posteriormente na construção do acesso e na aquisição dos equipamentos necessários para proteção aos voos, possibilitando o início das operações em 2010.

Com tudo isso feito e comprado, a ideia é repassar a administração do aeroporto à iniciativa privada, nos moldes das concessões das rodovias federais, em que num prazo a ser estipulado, de 25 ou 30 anos, a empresa devolverá o patrimônio e as benfeitorias ao poder público.

O prefeito de Correia Pinto, Vânio Forster, e o presidente da Associação Empresarial de Lages (Acil), Roberto Amaral, lembram que já existem alguns grupos interessados na proposta, dentre os quais, um do Rio de Janeiro, que já opera aeroportos no país e no exterior; um da Argentina e um catarinense, sediado em Lages e que seria, neste momento, o mais próximo de fechar o acordo.

Apesar de a empresa preferir se manter no anonimato por enquanto, o prefeito de Correia Pinto e o presidente da Acil garantem que a possibilidade deste grupo assumir o aeroporto é grande, tanto que já teria até se comprometido em expandir a pista dos atuais 1,8 mil metros de comprimento por 30 de largura para 2,4 mil metros de comprimento e 45 de largura.

Assim, o aeroporto estaria adequado para sua prioridade, que é receber aviões de carga. Localizado às margens da BR-116 e a poucos quilômetros das BRs 282 e 470, além de estar bem próximo da rede ferroviária, contará com zona alfandegária e poderá ser um dos principais pontos de distribuição de cargas de Santa Catarina.

Quanto aos voos domésticos, poderá receber aeronaves com capacidade para até 300 pessoas, com escalas de linhas nacionais e passageiros das regiões de Lages, Caçador, Joaçaba, Rio do Sul e Vacaria (RS).

Fonte: Jornal de Santa Catarina - Foto: Alvarélio Kurossu

Helicóptero com governador de Alagoas faz pouso forçado em Pernambuco

O mau tempo e nuvens carregadas de chuva pegaram de surpresa o helicóptero que levava o governador de Alagoas Teotonio Vilela Filho (PSDB) na manhã desta quarta-feira (17) da capital Maceió a Santana do Ipanema, sertão do Estado. Segundo as assessorias de Comunicação e do Governo, uma manobra do piloto obrigou os passageiros a pousarem na cidade de Bom Conselho, interior de Pernambuco.

Seguranças do chefe do Executivo foram acionados, de Santana do Ipanema, às pressas, e seguiram em comboio a uma fazenda, onde estavam Vilela, o assessor do Governo, Jarbas Omena, e o secretário de Saúde, Herbert Motta. Ninguém se feriu.

Depois do incidente, Vilela seguiu para Santana, onde lançou programa de Combate a Mortalidade Infantil. "O helicóptero perdeu visibilidade porque o tempo fechou de repente. Não havia segurança de voo. Então, eles desceram em Bom Conselho", disse o assessor do governador, Beto Jucá. "Não houve pouso forçado, apenas uma decisão do piloto", explicou a assessora Eliane Aquino.

As fortes chuvas em Alagoas derrubaram pontes, casas e destruíram estradas. 16 cidades decretaram situação de emergência. O rio Paraíba, que fica na região do Vale do Paraíba, invadiu casas. Prefeitos se uniram para ir a Brasília tentar R$ 10 milhões, do Governo Federal, para recuperar os estragos.

Fonte: Odilon Rios (especial para o Terra)- Imagem: Gazeta de Alagoas

Marinha divulga fotos de destroços recolhidos

Imagens de peças do Airbus da Air France foram veiculadas nesta quarta.

Área de buscas chegou a 19 quilômetros quadrados na terça (16).

Peça do Airbus da Air France, recolhida pela Marinha brasileira. A imagem foi divulgada nesta quarta-feira (17). A área de buscas, definida diariamente por estudos de correntes marítimas e ventos, chegou a mais de 19 quilômetros quadrados na terça-feira (16).

A Força Aérea Brasileira (FAB) atua com dez aeronaves nas buscas por destroços e corpos de vítimas do voo 447. Na segunda-feira (15), a operação superou um total de mil horas voadas por aeronaves brasileiras e estrangeiras.

Clique aqui e veja mais fotos.

Fonte: G1 - Fotos: Divulgação/Marinha

Perto do novo aeromóvel

Estudo de transporte, que fará a ligação entre a Estação Aeroporto e o Salgado Filho, foi entregue ontem à prefeituraDepende da prefeitura o avanço de uma obra que aproximará a atual Capital daquela que deverá existir em 2014. Secretarias municipais irão analisar o Estudo de Viabilidade Urbanística do projeto de aeromóvel que ligará a Estação Aeroporto da Trensurb e o Salgado Filho, entregue ontem pela empresa. Somente com a concessão das licenças a obra poderá se iniciar.

O presidente da Trensurb, Marco Arildo Cunha, entregou o estudo ao secretário extraordinário da Copa de 2014, o vice-prefeito José Fortunati. O projeto já havia ganho notoriedade no ano passado, quando entrou em um pacote de sugestões levadas à Presidência da República para integrar o chamado Plano de Mobilidade Urbana a ser implantado até a Copa do Mundo em diferentes cidades.

Ao ressuscitar um meio de transporte conhecido dos porto-alegrenses, hoje ponto turístico próximo do Gasômetro, a Trensurb criará uma conexão direta do trem com o aeroporto. Segundo o presidente da Trensurb, a expectativa é de que as obras comecem no início do próximo semestre, com previsão de término para um ano. Com recursos federais, custará R$ 30 milhões.

A linha teria dois terminais, um na área da Estação Aeroporto com acesso apenas para quem já atravessou a roleta. O outro terminal seria junto à passarela de acesso ao edifício garagem do Salgado Filho. O passageiro que desembarcar no aeroporto pagaria o valor unitário da passagem para usar o aeromóvel até a estação, embarcando no trem sem pagar outro bilhete. Da mesma forma, quem descesse na Estação Aeroporto poderia ir ao Salgado Filho com o mesmo bilhete.

Clique aqui e veja o que diz o projeto (em .pdf)

Fonte: Zero Hora - Imagem: aeromovel.com.br

Propostas do Expresso Aeroporto (SP) devem ser entregues até 22 de julho

O edital de concorrência internacional do Expresso Aeroporto (da Linha 14 -Ônix) já está em andamento. As empresas interessadas em participar da concorrência para a criação da linha devem entregar as propostas no dia 22 de julho, às 15h, na sede da Companhia Paulista de Trens Metropolitanos (CPTM).

O Expresso Aeroporto consiste em um serviço ponto a ponto entre o Aeroporto Internacional Governador André Franco Montoro, em Guarulhos, e o centro da capital, que será operado por um concessionário privado. Com 28,3 quilômetros de extensão, o trajeto será percorrido em aproximadamente 20 minutos. A tarifa máxima de R$ 35 do serviço deve beneficiar 20 mil usuários por dia.

O setor privado vai criar a infraestrutura e adquirir os trens. Também será responsabilidade dessa empresa construir a "obra bruta" da Linha 13 -Jade, uma parte da infraestrutura do elevado e da Estação Cecap. Para fazer as obras, a corporação terá três anos, e por 32 anos irá operar os serviços.

Ao mesmo tempo, a CPTM vai criar a Linha 13 -Jade-Trem de Guarulhos, que sairá da Estação Brás e seguirá até Guarulhos. Com 20,8 quilômetros de extensão, a linha vai interligar as duas maiores cidades do estado.

A demanda inicial prevista é de 100 mil usuários por dia. A tarifa será a mesma vigente no sistema metroferroviário, atualmente de R$ 2,55.

A previsão de investimento total nas duas linhas é de R$ 2,386 bilhões. O concessionário arcará com R$ 1,44 bilhão para criação do Expresso Aeroporto, mais R$ 120 milhões para fazer a obra bruta do elevado do Trem de Guarulhos e da Estação Cecap, na mesma cidade, onde haverá um terminal de integração com ônibus. O Governo de São Paulo investirá R$ 826 milhões na criação da Linha 13 -Jade.

Fonte: DCI - Imagem: CPTM