quarta-feira, 12 de novembro de 2008

TAM e Gol obtêm áreas para terminais em Guarulhos

A TAM e a Gol conseguiram áreas no aeroporto internacional de Guarulhos para construir terminais de cargas. A Infraero, estatal que administra a infra-estrutura aeroportuária, informou que apenas as duas companhias aéreas mostraram interesse por dois terrenos existentes, de forma que não foi aberto processo de licitação para a concessão das áreas.

A TAM terá um terreno de aproximadamente 8,8 mil m, segundo a Infraero. A Gol informou que sua área está próxima de 10 mil m.

A TAM calcula que serão necessários investimentos de aproximadamente US$ 30 milhões para erguer o terminal. A estrutura dará suporte ao manuseio de carga internacional, segmento em ascensão desde que a companhia aérea ampliou a oferta de vôos ao exterior, especialmente para a Europa.

Os investimentos podem acontecer em 2009 desde que a TAM consiga financiamento com o BNDES, disse o vice-presidente de finanças e relações com investidores da empresa, Líbano Barroso. Na segunda-feira, durante apresentação para investidores, o executivo informou que a prioridade da companhia aérea no próximo ano é preservar o caixa e o nível de liqüidez, de forma que projetos dependentes de recursos próprios podem ser adiados. A TAM também disse que pretende cortar entre R$ 300 milhões e R$ 400 milhões em custos não ligados diretamente às operações aéreas.

A Gol informou, por meio de sua assessoria de imprensa, que pretende começar os investimentos o mais rápido possível. A empresa depende apenas de algumas assinaturas finais no processo de concessão.

Entre janeiro e setembro, a TAM obteve receita de R$ 730 milhões com transporte de cargas, o que representa pouco mais de 9% da receita bruta total da companhia no período, de R$ 7,97 bilhões. A carga internacional, sozinha, gerou R$ 393 milhões. Neste ano, a empresa ampliou sua oferta internacional de vôos para carga e passageiros em 40%. Um dos impulsos para esse aumento foi a incorporação de dois Boeings 777 na frota, que têm porões maiores, em substituição a aeronaves MD-11.

No caso da Gol, a companhia obteve receita líquida de R$ 170 milhões com cargas nos primeiros nove meses deste ano, valor 46% superior ao registrado no mesmo período de 2007. A empresa atua principalmente com carga doméstica.

Fonte: Roberta Campassi (Valor Econômico)

Parentes de vítimas da TAM entregam plano de memorial

Prédio projetado por Ruy Ohtake custaria R$ 6 milhões e teria auditório e estacionamento

As famílias das vítimas do acidente com o A320 da TAM entregaram à Prefeitura de São Paulo o projeto de um memorial, elaborado pelo arquiteto Ruy Ohtake, em homenagem aos 199 mortos no maior desastre da história da aviação brasileira. O Memorial 17 de Julho, como foi batizado, é mais ambicioso do que a Praça dos Ipês Amarelos, proposta apresentada pela Prefeitura em setembro do ano passado, sem aval dos parentes.

O novo desenho, obtido com exclusividade pela reportagem do Jornal da Tarde, está sob análise da Secretaria Municipal de Governo. A secretária-adjunta da pasta, Stela Goldenstein, diz que não há definição sobre o assunto, mas adianta que a intenção é conciliar o interesse das famílias às demandas sociais e resolver a situação rapidamente.

O desenho de Ohtake prevê um marco, materializado por meio de uma grande rosa estilizada, e a construção de um prédio multiuso, com térreo e dois subsolos. A obra abrigaria, distribuídos pelos três pavimentos, um auditório, um espaço destinado a oficinas artísticas, um estacionamento e um ponto para que passageiros do Aeroporto de Congonhas façam check-in. O arquiteto doou o projeto às famílias.

Os nomes das vítimas do desastre aéreo ficariam gravados no hall de entrada, numa estrutura metálica revestida com aço carbono, mesmo material que comporia a flor projetada no anexo do prédio. A árvore remanescente do desastre seria preservada. O projeto está orçado em R$ 6 milhões.

As informações são do jornal O Estado de S. Paulo

Alitalia anuncia cancelamento de cerca de 50 vôos

A companhia aérea Alitalia anunciou que hoje está previsto o cancelamento de cerca de 50 vôos para permitir uma reorganização operacional, devido ao impacto sofrido na terça-feira na operabilidade da companhia aérea, devido à operação-padrão de trabalhadores.

Ao final desta terça-feira, 124 vôos haviam sido cancelados e outros tiveram atrasos na saída e na chegada, "como conseqüência tanto da agitação provocada por uma parte dos trabalhadores quanto pela operação-padrão de parte do pessoal de vôo", afirmou a empresa, em comunicado.

Até o momento, no aeroporto de Fiumicino, foram cancelados cerca de 20 vôos domésticos, que afetaram os aeroportos de Turim, Gênova e Milão (internacionais), Amsterdã, Frankfurt, Londres e Tirana, e o único intercontinental operacional é Roma-Chicago.

Parte do pessoal da Alitalia continua hoje a operação-padrão que desacelera significativamente as operações aeroportuárias.

Enquanto isso, o Ente Nacional de Aviação Civil (Enac) avalia a imposição de sanções aos grevistas e pediu à companhia os nomes dos funcionários que não foram trabalhar.

O primeiro-ministro italiano, Silvio Berlusconi declarou que "o Estado usará toda sua autoridade para os que violarem a lei, já que, na Alitalia, há pessoas que impedem os outros de trabalhar".

Fonte: EFE

Suécia lança primeiro aeroporto portátil do mundo

Base aérea militar pode ser usada em áreas atingidas por catástrofes naturais.

Imagem mostra a torre de controle móvel do aeroporto sueco

As Forças Armadas da Suécia acabam de desenvolver o primeiro aeroporto móvel do mundo, que será utilizado para agilizar missões internacionais e proporcionar ajuda aérea rápida e eficaz em áreas atingidas por catástrofes naturais.

Com o novo sistema, que começou a ser desenvolvido em 2002, os militares suecos serão capazes de montar um aeroporto totalmente operacional simplesmente abrindo alguns contêineres, virtualmente em qualquer região do globo.

O equipamento inclui torre de controle, computadores, radares, sensores meteorológicos, sofisticados sistemas de rádio e luzes de pouso - tudo facilmente embalado, transportado e montado.

"Se um tsunami destruir um aeroporto, por exemplo, nosso aeroporto móvel pode ser rapidamente instalado em um campo aberto para que as operações de ajuda aérea possam ser iniciadas", disse à BBC Brasil Jan Sorberg, líder do projeto no Departamento de Materiais de Defesa (Försvarets Materielverk, FMV).

Os testes finais estão sendo conduzidos atualmente no campo de testes de mísseis de Vidsel, no norte da Suécia. O novo aeroporto móvel estará pronto para entrar em operação em dezembro, e vários países já expressaram interesse na nova tecnologia.

"O equipamento é tão único que estamos recebendo a visita esta semana de militares da Inglaterra, Holanda e Polônia", disse Sorberg.

"Países como a Alemanha e a Holanda possuem alguns sistemas móveis para bases aéreas, mas esta é a primeira vez que um aeroporto totalmente móvel é desenvolvido", acrescentou ele.

Contêineres

O líder do projeto explica que o aeroporto móvel é constituído por módulos, que são usados dependendo do tipo de operação aérea necessária.

Um aeroporto móvel básico pode ser embalado em dois contêineres. Outras unidades podem ser então acopladas ao aeroporto móvel, que em sua capacidade máxima pode ser acomodado num total de 22 contêineres.

A dimensão do aeroporto móvel varia, portanto, de acordo com a complexidade da operação.

"Quando falamos em dimensão em termos militares, queremos dizer dimensão em termos de capacidade de operação de tropas e recursos. Não podemos comparar esta base aérea móvel a nenhum aeroporto civil em termos de tamanho", observou Sorberg.

A sofisticada rede de comunicações do aeroporto móvel foi desenvolvida para assegurar um alto nível de segurança operacional, mesmo em condições críticas de segurança de vôo. O sistema de rádio inclui equipamentos para a cooperação com unidades civis de resgate.

No frio ou no calor

As unidades de comando móveis estão equipadas com TV, telefone, fax, internet, rádio, projetores e tecnologia de vídeo-conferência, além de sistemas de vigilância.

O sistema de pouso é controlado por meio de sinais de rádio. A base móvel contém ainda amplos sistemas de manutenção de aeronaves, e inclui hangares móveis.

"Podemos basicamente operar em qualquer tipo de região com temperaturas entre -4ºC e 49ºC", ressalta o líder do projeto nas Forças Armadas.

A unidade de serviços da base aérea envolve todos os elementos necessários ao gerenciamento de um aeroporto, incluindo equipamentos de raio-X e de carga e descarga.

Uma unidade de suporte contém recursos médicos e controla o fornecimento de água, combustível e alimentos na base aérea.

O sistema prevê ainda uma força de proteção, para fazer frente a potenciais ameaças à base aérea. Esta unidade pode ser parte do batalhão ou ser apoiada por recursos de outros países.

Fontes: G1 / BBC - Foto: Anders Hafslund (BBC)

terça-feira, 11 de novembro de 2008

Tráfego aéreo comercial doméstico cai e internacional sobe, diz Anac

Movimento nos vôos domésticos caiu 3,9% em outubro sobre 2006.

Freqüência nos internacionais em aéreas brasileiras cresceu 14,8%.


O movimento de passageiros nos vôos domésticos caiu 3,9% em outubro deste ano, na comparação com o mesmo mês do ano passado, segundo dados divulgados nesta segunda (11) pela Agência Nacional de Aviação Civil (Anac). A taxa média de ocupação dos aviões recuou de 69% em outubro de 2007 para 62% no mês passado.

Entre as empresas aéreas, a TAM manteve a liderança do mercado com fatia de 51,77% do movimento doméstico em outubro, ante 46,39% em igual mês de 2007. A Gol reduziu sua participação para 35,23%, ante 42,31% obtida em outubro do ano passado. A nova Varig (VRG) ficou com 5,07%, ante 2,74% de outubro de 2007.

A WebJet aparece com uma participação de 3,27% em outubro de 2008, ante 0,94% em igual mês do ano passado, enquanto a OceanAir teve fatia de 2,49% no mês passado, ante 2,95% um ano antes.

A ocupação média dos aviões da TAM caiu cinco pontos porcentuais, na mesma base de comparação, para 65%. No caso da Gol, a taxa de ocupação média recuou de 73% em outubro de 2007 para 58% no mesmo mês deste ano. A nova Varig elevou seu indicador e teve 55% dos seus assentos dos seus aviões ocupados, ante 49% em outubro de 2007.

A WebJet reduziu sua taxa de ocupação no décimo mês do ano para 65%, ante 71% de igual mês de 2007. A OceanAir, por sua vez, elevou o indicador para 74% em outubro, ante 65% obtido em igual intervalo do ano passado.

Tráfego internacional

O movimento de passageiros nos vôos internacionais operados por companhias brasileiras cresceu 14,8% em outubro na comparação com o mesmo mês do ano passado, segundo a Anac. A taxa média de ocupação ficou em 73%, cinco pontos porcentuais acima do registrado em igual mês de 2007.

A TAM lidera o mercado internacional com participação de 83,84% em outubro, acima dos 71,19% obtidos no mesmo mês do ano passado. A Varig aparece em segundo lugar com 9,09%, ante os 15,49% de outubro do ano passado, enquanto a Gol deteve 6,70%, ante os 11,54% obtidos um ano antes.

A ocupação média dos aviões da TAM foi de 78% em outubro, contra 73% há um ano. Na mesma base de comparação, a Varig reduziu o indicador em quatro pontos porcentuais para 59%, enquanto a Gol registrou queda para 50%, ante 61% registrado em outubro de 2007.

Fonte: Agência Estado

PF faz operação para fechar rádios piratas na Grande SP

70 agentes da PF e 16 fiscais da Anatel participam da ação.

Operação quer conscientizar população sobre perigo das rádios ilegais.

A Polícia Federal realiza nesta terça-feira (11) na Grande São Paulo uma operação para fechar rádios irregulares que funcionam sem a autorização da Agência Nacional de Telecomunicações (Anatel). A chamada Operação Marconi – I conta com a participação de 70 policiais federais e 16 agentes de fiscalização da Anatel.

Segundo a PF, além de cumprir os mandados de busca e apreensão, a ação também quer conscientizar a população do funcionamento irregular desse tipo de rádio. O sinal emitido pelas rádios clandestinas pode prejudicar os sinais de emissoras autorizadas e também interferir em aviões e trens.

Os transmissores apreendidos serão levados para perícia e ficarão posteriormente, junto com outros equipamentos, à disposição da Justiça.

Neste ano, foram fechadas 180 rádios clandestinas na região metropolitana, segundo a PF. Destas 20 causavam interferência na operação de aeronaves.

Fonte: G1

EUA perderam bomba nuclear na Groenlândia

Investigação da BBC revela que arma estava em avião que caiu no gelo em 1968.

Os Estados Unidos abandonaram uma arma nuclear sob o gelo no norte da Groenlândia depois da queda de um avião no gelo em 21 de janeiro de 1968, de acordo com documentos previamente secretos obtidos pela BBC.

O Pentágono sempre disse que todas as quatro bombas nucleares a bordo do avião haviam sido destruídas, mas os documentos, juntamente com os depoimentos de dois pilotos ouvidos pela BBC - John Haug e Joe D'Amario - revelaram que uma das armas perdeu-se quando a superfície de gelo onde ela se encontrava derreteu.

O avião era um dos bombardeiros B-52 que sobrevoavam regularmente a Base Aérea de Thule, na Groenlândia, construída pelos Estados Unidos em meados da década de 50. Ele se chocou no gelo do mar a poucos quilômetros da base.

Segundo o correspondente da BBC para assuntos de segurança, Gordon Corera, ela tinha um radar que monitorava o céu caso mísseis soviéticos passassem pelo Pólo Norte.

Era o auge da Guerra Fria entre os Estados Unidos e a União Soviética, e a estratégia era que os bombardeiros, armados com armas nucleares, pudessem responder a uma eventual agressão militar com ataques contra Moscou.

A Groenlândia é uma província autônoma da Dinamarca, e o transporte de armas nucleares em espaço aéreo dinamarquês era mantido em segredo - assim como a natureza das buscas realizadas para tentar recuperar a arma.

Busca

Uma busca realizada por um submarino Star III fracassou e as autoridades americanas decidiram abandonar a operação para tentar recuperar a bomba perdida, de número de série 78252, de acordo com William H. Chambers, um ex-projetista de armas nucleares do laboratório de Los Álamos, nos Estados Unidos.

"Houve decepção por causa do que pode ser chamado de fracasso na recuperação de todos os componentes", disse Chambers à BBC, referindo-se à bomba não encontrada. "Seria muito difícil para mais alguém recuperar peças secretas se nós não podíamos encontrá-las."

A idéia vigente na época era que o revestimento da bomba apodreceria e o material radioativo se dissolveria no oceano - um vasto reservatório de água - tornando-o inofensivo, de acordo com Corera.

Segundo o repórter da BBC, moradores locais alegam que os resíduos da bomba afetaram o meio ambiente e a saúde de comunidades da área - alegação refutada pelas autoridades.

Apesar de a BBC ter obtido alguns dos documentos graças à legislação sobre a liberdade de informação nos Estados Unidos, alguns textos sobre o assunto continuam sendo mantidos em sigilo.

Fonte: BBC

Edital de ampliação de Cumbica deve sair em dezembro

A Empresa Brasileira de Infra-Estrutura Aeroportuária (Infraero) planeja divulgar até o próximo dia 15 de dezembro um novo edital para ampliação da capacidade do aeroporto internacional de Cumbica, em Guarulhos (SP).

As obras serão para construção do terceiro terminal de passageiros, o que ampliaria a capacidade máxima do aeroporto dos atuais 16,5 milhões de usuários por ano para 28,5 milhões de passageiros/ano. O novo edital está em fase final de elaboração dentro da estatal e tentará atender a todas as preocupações apontadas pelo Tribunal de Contas da União (TCU) no edital anteriormente divulgado para Guarulhos.

No último dia 7 de novembro, a Infraero publicou o edital para contratação de empresa de fabricação, fornecimento e instalação de 60 elevadores novos para o aeroporto internacional do Galeão (RJ). A substituição dos elevadores, de acordo com a estatal, faz parte do programa de revitalização do Galeão iniciado por melhorias no terminal 1 e com as obras de expansão do terminal 2. O prazo para conclusão das obras no Galeão é de quase dois anos.

Fonte: Agência Estado

Mulher é amarrada à poltrona com fita adesiva

Na foto ao lado: Maria Esther Castillo

Uma das mais versáteis e indispensáveis ferramentas já inventadas, foi usada no sábado último a bordo de um avião da United Airlines.

A fita adesiva serviu para amarrar a passageira Maria Esther Castillo, de Oswego, Nova York, após ela resistir à prisão e interferir com as operações do vôo 645, que ia de Puerto Rico para Chicago.

De acordo com testemunhas, a mulher de 45 anos deu um tapa (lá) em uma comissária, tropeçou e caiu sobre a cabeça de um passageiro cego, e passou a lhe puxar os cabelos.

Castillo estava visivelmente agitada e ficou ainda mais nervosa quando lhe foi recusada mais bebida alcoólica.

Mesmo com os tornozelos algemados era difícil segurá-la, até que um comissário surgiu com um rolo de silvertape, (uma fita adesiva larga de tecido, prateada e muito resistente), com a qual a passageira foi firmemente amarrada à poltrona, enquanto o avião era desviado para Charlotte, na Carolina do Norte, onde ela finalmente foi presa.

Fontes: JetSite / Associated Press

Dezenas de vôos são cancelados em Milão e Roma por greve na Alitalia

A greve não autorizada convocada por um grupo de pilotos e assistentes de vôo da companhia aérea Alitalia levou ao cancelamento hoje de dezenas de vôos no aeroporto de Fiumicino, em Roma, e de Linate, em Milão.

Segundo informações da imprensa italiana, às 12h (9h de Brasília), tinham sido cancelados 25 vôos no aeroporto de Fiumicino, dos quais 16 eram de chegada.

Entre os cancelamentos, estão vôos nacionais e internacionais como os procedentes de Teerã, Atenas, Tel Aviv, Madri e Nova York, e outros 20 vôos acumulam atrasos de até duas horas.

No aeroporto de Linate, em Milão, 37 vôos tinham sido cancelados às 12h, devido à paralisação brusca de 24 horas decidida por este grupo de trabalhadores da companhia aérea, que se somou à operação-padrão que os pilotos estão realizando há vários dias.

A greve sem prévio aviso começou ontem às 18h (15h de Brasília) e durará 24 horas.

Estes trabalhadores optaram pela linha dura como protesto diante do novo convênio coletivo oferecido pelos futuros compradores da Alitalia, mas os sindicatos autônomos Anpav, Avia, UP, SDL e Anpac, que tinham sido contra a assinatura dos novos contratos, não apoiaram esta mobilização.

O Governo anunciou que os trabalhadores que participaram desta paralisação brusca, considerada ilegal, serão multados e, se continuarem, serão tomadas decisões de tipo penal.

A Procuradoria de Roma abriu uma investigação sobre a greve sob a acusação de interrupção do serviço público.

Assim, hoje pode ser um novo dia de caos aeroportuário na capital italiana, como ontem, com centenas de vôos com saída e destino a Roma cancelados devido aos protestos dos trabalhadores da Alitalia.

Assim como ontem, os problemas em Fiumicino se unem aos do aeroporto de Ciampino, também em Roma, que permanece fechado após a aterrissagem de emergência desta segunda-feira de um vôo da companhia Ryanair, e está previsto a reabertura às 17h (14h de Brasília) de hoje.

Fonte: EFE

Monomotor faz pouso forçado no interior de São Paulo

Avião levava produtos de informática, apreendidos durante transporte.

Duas pessoas foram presas sob suspeita de contrabando.



O monomotor EMB-721C Sertanejo, prefixo PT-EXO, fez um pouso forçado nesta segunda-feira (10) em Adolfo, a 455 km de São Paulo. A mercadoria que estava dentro do avião foi apreendida em três veículos na região de Sales, a 435 km da capital paulista. Duas pessoas foram presas sob suspeita de contrabando dos produtos - equipamentos de informática.

O avião com capacidade para seis pessoas fez o pouso forçado em uma fazenda. A aeronave ficou danificada e os trens de pouso quebraram. Segundo a polícia, caixas com material de informática foram transferidas para uma caminhonete e dois furgões.

Os veículos pertenciam a uma empresa de transporte de Ribeirão Preto, distante 313 km de São Paulo. Os carros e os produtos foram apreendidos durante uma abordagem da polícia em Sales.

Os dois presos e a mercadoria apreendida foram encaminhados para a Polícia Federal de São José do Rio Preto, a 438 km de São Paulo.

Fontes: G1 / Bom Dia São Paulo (TV Globo) / ANAC

Pane atrasa vôo da TAM para CE

Passageiros do vôo JJ3891 da TAM, que viriam, domingo, de Belém (PA) para Fortaleza, sofreram com o atraso do embarque depois que o avião apresentou problemas ao decolar.

Segundo um passageiro, que preferiu não se identificar, a mesma aeronave já havia apresentado o defeito às 15h15, em um vôo que iria de Belém para Brasília. Ao decolar, o trem de pouso não recolheu e o avião teve de sobrevoar Belém por 45 a 50 minutos, até gastar todo o combustível para o pouso ser feito com segurança.

Os passageiros deste avião foram remanejados para o vôo que iria de Manaus para Fortaleza, às 17h30. Por sua vez, os ocupantes deste último avião foram colocados em outra aeronave às 20h, a mesma que já havia apresentado problemas. Novamente, o trem de pouso não recolheu na decolagem.

A TAM confirmou a pane com a aeronave, que foi retida para manutenção. A companhia aérea informou que os passageiro seriam acomodados em um outro avião que sairia de Brasília para Belém com previsão de partida para Fortaleza à 1h de ontem.

Fonte: Diário do Nordeste

Feira na China termina com vendas de 102 aviões e negócios superiores a três bilhões de Euros

A maior feira de aviação da China terminou no domingo com acordos de quatro mil milhões de dólares (3,111 mil milhões de euros) para a venda de 102 aviões, refere hoje a imprensa estatal chinesa.

Apesar da crise financeira que afecta a economia mundial, os negócios realizados em Zhuhai, cidade do Sul da China adjacente a Macau, acabaram por ser superiores à anterior edição do certame, em 2006, quando foi acordada a venda de 98 aparelhos no valor global de três mil milhões de dólares (2,333 mil milhões de euros).

A indústria chinesa da aviação comercial, que começa agora a entrar nos mercados internacionais, aproveitou a feira de seis dias para assegurar a primeira venda a uma empresa norte-americana, diz o jornal Diário do Povo, órgão oficial do Partido Comunista Chinês.

A Sociedade de Aviões Comerciais da China (SACC) fechou em Zhuhai o contrato para a venda de cinco dos seus aparelhos à empresa de leasing de aeronaves do grupo General Electric que tem ainda a opção de compra de outros 16 aviões.

Com a venda dos aviões chineses, a SACC encaixou 732,4 milhões de dólares, no maior negócio de venda de aviões chineses para o exterior, diz o Diário do Povo.

Cerca de 600 produtores de aviões comerciais e militares e fabricantes de acessórios de 35 países e regiões estarão presentes, incluindo representantes da americana Boeing, da europeia Airbus e da brasileira Embraer, na esperança de que o crescimento do mercado da aviação da China possa servir de amortecedor do impacto da crise financeira mundial na indústria.

Ao longo dos seis dias da exposição, a Airbus garantiu a venda de 20 aviões do modelo A320 à companhia de leasing de aviões do Banco da China, num negócio estimado em 1,1 mil milhões de dólares.

A próxima feira de aviação regressa a Zhuhai em Novembro de 2010.

Fonte: Agência Lusa (Portugal)

TAM tem prejuízo de R$ 112,7 milhões no trimestre

A desvalorização do real perante o dólar também prejudicou o resultado trimestral da TAM. A companhia aérea voltou ao vermelho no terceiro trimestre, ao registrar prejuízo líquido de R$ 112,7 milhões. Segundo a empresa, essa perda reflete a queda de 4,1% do real ante o dólar e as perdas com operações de hedge de combustível. No mesmo intervalo de 2007, a TAM havia tido lucro de R$ 48,5 milhões.

" A TAM não tem operações de hedge cambial, apenas de combustível " , informa a companhia, em nota. Essas operações foram as principais responsáveis pelo resultado financeiro líquido negativo em R$ 301,5 milhões no trimestre.

Do lado operacional, a companhia conseguiu elevar as receitas em ritmo superior ao do aumento dos custos. Segundo a TAM, sua receita operacional bruta total aumentou 40,1% em relação ao terceiro trimestre de 2007, para R$ 3 bilhões. Em contrapartida, a despesa operacional e os custos dos serviços prestados tiveram alta de 36,2%, para R$ 2,7 bilhões. O resultado da operação antes das despesas financeiras e impostos (EBIT) atingiu R$ 167 milhões (margem de 5,8%), contra R$ 57,4 milhões no ano passado (margem de 2,8%).

Segundo a TAM, seus gastos com combustíveis cresceram 68,2% no trimestre, para R$ 1,1 bilhão. Isso ocorreu, principalmente, pelo aumento de 16,6% no volume consumido, assim como por conta dos altos preços do petróleo. O preço médio por litro de combustível, em reais, subiu 44,2% perante o intervalo julho-setembro de 2007. Em parte, afirma a empresa, isso foi compensado pela maior participação do abastecimento de combustível no mercado internacional e pela elevação de 5,9% na etapa média percorrida por seus aviões.

Para 2009, a TAM prevê crescimento de 5% a 9% na demanda por vôos domésticos. Pretende elevar em 8% a oferta de assentos nas rotas nacionais e em 20% nas internacionais. A empresa também quer manter uma taxa de ocupação total por volta de 70% e lançar uma freqüência ou destino internacional.

No terceiro trimestre de 2008, segundo os dados da companhia, a TAM ficou com 52,4% do mercado doméstico, com média de ocupação de 67,6%. Nos vôos internacionais, a fatia de mercado foi de 75,8%, com média de ocupação de 79,6%.

Fonte: Valor Online

Choques com pássaros obrigaram avião a fazer pouso de emergência em Roma

Pouso foi feito com sucesso no aeroporto de Ciampino.

Cinco pessoas tiveram ferimentos leves, diz empresa.


Um avião da Ryanair que vinha da cidade alemã de Frankfurt teve de fazer um pouso de emergência no aeroporto de Ciampino, em Roma, nesta segunda-feira (10) depois de sofrer várias colisões com pássaros, segundo a empresa.

O pouso foi feito com sucesso, e ele provocou o fechamento das instalações aeroportuárias.

Segundo um comunicado da companhia aérea, dois membros da tripulação e três passageiros foram transferidos para um hospital, "como medida de precaução", após sofrerem "ferimentos leves".

A companhia aérea afirmou na nota que o Boeing 737 experimentou dificuldades quando ia aterrissar no aeroporto de Roma por causa dos "múltiplos impactos de pássaros" que sofreu.

"Aparentemente, o trem de aterrissagem esquerdo sofreu danos substanciais ao tocar em terra, o que atrasará durante várias horas a retirada do avião da pista de aterrissagem", declarou a companhia aérea, especializada em vôos econômicos.

A Agência Nacional para a Segurança do Vôo enviou uma equipe de investigação para o aeroporto de Ciampino para averiguar as causas do episódio.

O Boeing 737-8AS, prefixo EI-DYG da empresa Ryanair vindo de Frankfurt fez um pouso de emergência no aeroporto de Ciampino, em Roma. Os vôos do aeroporto foram cancelados

Fonte: G1, com agências internacionais - Foto: Chris Helgren (Reuters)

Gaudenzi: obra do terminal 3 do Galeão iniciará em 2014

A Empresa Brasileira de Infra-Estrutura Aeroportuária (Infraero) quer iniciar a construção do terceiro terminal do Aeroporto Internacional Antonio Carlos Jobim (Galeão) a partir de 2014, informou hoje o presidente da empresa, Sergio Gaudenzi. Esse é o prazo de conclusão da reforma dos terminais 1 e 2, cujas obras tiveram início na semana passada, com orçamento de R$ 600 milhões. Gaudenzi estima que no ano que vem serão desembolsados pelo menos metade desses recursos.

O presidente da Infraero disse que as melhorias nos terminais 1 e 2, além da construção do 3, independem da privatização ou da concessão do Galeão, processo que ele critica. Gaudenzi afirmou que já avisou o ministro da Defesa, Nelson Jobim, que irá abrir mão do cargo caso os aeroportos rentáveis sejam privatizados ou administrados pelo setor privado. De um total de 68 aeroportos sob administração da Infraero, Gaudenzi disse que apenas 15 dão lucro.

"Se o caminho adotado for o da privatização, eu não sou a pessoas mais acertada para conduzir esse processo. Deve ser alguém que tenha esse perfil", afirmou Gaudenzi, que tem defendido publicamente a abertura de capital da Infraero. De acordo com ele, algumas empresas estrangeiras especializadas em administração de aeroportos, como a Aéroports de Paris, já demonstraram interesse em investir na Infraero caso a opção seja abrir seu capital.

Fonte: Agência Estado

Anac proíbe vôos de empresa de táxi-aéreo de Sorocaba

Inspetores da agência encontraram irregularidades em aeronaves.

Anac marcou reunião com a NHR para a terça-feira.


A Agência Nacional de Aviação Civil (Anac) proibiu vôos de aeronaves da empresa de táxi-aéreo NHR. A proibição entrou em vigor no último sábado (8), quando a agência suspendeu o Certificado de Homologação de Empresa de Transporte Aéreo da empresa sediada em Sorocaba (a 99 km de São Paulo).

De acordo com a Anac, inspetores da agência encontraram irregularidades nas aeronaves da empresa em vistorias realizadas em junho, agosto e outubro. A proibição dos vôos irá vigorar até que os problemas sejam sanados.

Procurada pelo G1, a NHR disse que não foi informada sobre o motivo da suspensão e que só irá se pronunciar quando souber os resultados das inspeções nas aeronaves.

Todas as nove aeronaves executivas da empresa tiveram seus certificados de aeronavegabilidade suspensos. A Anac marcou para a terça-feira (11) uma reunião com a empresa para discutir soluções para o problema.

Fonte: G1

Avião vira monumento no interior de SP

Aeronave doada pela FAB é erguida na entrada da cidade

Quem visitar Pompéia, no interior de São Paulo, já poderá conferir, logo na entrada da cidade, a aeronave doada pelo brigadeiro Juniti Saito, de 66 anos, à cidade natal dele.

Erguido a sete metros de altura em homenagem ao comandante da Força Aérea Brasileira (FAB), o avião AT 26 Xavante recebe os últimos retoques antes da inauguração, prevista para o dia 22 de novembro.

Avião AT 26 Xavante antes de ser erguido

Fonte: G1 - Fotos: Eduardo Soares Meira (VC no G1)

segunda-feira, 10 de novembro de 2008

Mooney, empresa fabricante de aviões, encerra sua produção

A Mooney Airplane Company anunciou na quarta-feira (o5) que encerrará a produção de aeronaves, enquanto tenta vender seu estoque em um mercado em forte declínio e menos aviões sendo produzidos significa que menos trabalhadores serão necessários para construí-los.

A produção da Mooney, que demitirá 229 empregados estava fabricando 100 aviões por ano.

O fim da produção foi anunciado em uma semana em que a Grob Aerospace declarou a sua insolvência e a Cessna e a Hawker Beechcraft anunciaram cortes na produção e na força de trabalho.

A Mooney Airplane Company foi criada em 1929 e até o momento já havia comercializado 11 mil aviões em todo o mundo. O Mooney é considerado o monomotor mais rápido do mundo.

Chávez ordena tomar militarmente aeroporto de uma cidade na Venezuela

O presidente venezuelano Hugo Chávez ordenou neste domingo que o aeroporto da cidade de Carúpano (Estado Sucre, nordeste) seja controlado militarmente se o governador desta região continua negando que a estatal Petróleos de Venezuela (PDVSA) instale uma base de operações no terminal.

"Petróleos de Venezuela necessita instalar no aeroporto uma base de helicópteros e de operações e o governador se nega", explicu o presidente, falando à Rádio Nacional da Venezuela (RNV).

"Se isso continuar assim, almirante Víctor Bellera (responsável pela guarnição de Carúpano), tome o aeroporto ", ordenou.

O estado Sucre é governado atualmente por Ramón Martínez, dissidente do chavismo, a quem o presidente chamou de "asqueroso e traidor" em um comício neste domingo.

Fonte: France Presse

BRA anuncia volta ao mercado de aviação

A empresa de transporte aéreo BRA, que há um ano suspendeu as atividades devido a dificuldades financeiras, deve voltar a operar em dezembro. O nome BRA será mantido, mas os controladores desistiram da aviação regular e vão passar a se dedicar aos chamados vôos charter (fretados), ramo que deu origem à companhia.

A BRA passa por um processo de recuperação judicial que teve início logo depois da suspensão de seus vôos.

Passageiros da BRA procuram loja no Aeroporto de Congonhas em 2007

A dívida da empresa é de cerca de R$ 240 milhões. Os maiores credores são os bancos. Apenas para o ABN e o Santander (hoje fundidos), ela deve em torno de R$ 100 milhões. As dívidas trabalhistas somam mais R$ 10 milhões.

Na época da interrupção das atividades, a BRA detinha 4,6% do mercado de vôos domésticos. Era a terceira maior companhia aérea do país, atrás de TAM e Gol, e contava com 1.100 funcionários. Todos foram demitidos.

Cerca de 60 mil pessoas tinham bilhetes da BRA nas mãos. A maioria conseguiu voar por empresas rivais, principalmente pela OceanAir, com quem a BRA fez um acordo. Mas 3.200 passageiros ainda tentam reaver na Justiça o valor gasto com as passagens.

O advogado da BRA, Joel Thomaz Bastos, disse que os prazos estipulados no plano de recuperação foram todos cumpridos. A direção da empresa, disse ele, faz os acertos finais para que ela volte a operar ainda neste ano.

A idéia é aproveitar as férias de verão e vender pacotes para destinos turísticos.

"O plano de recuperação da BRA prevê a volta das operações em dezembro. Mas ela vai voltar a voar como uma empresa de charter [vôo fretado], que foi o tipo de operação que a gerou, e não como uma companhia de transportes regular."

A BRA foi criada em 1999 e operou vôos fretados até 2005, quando entrou no mercado de transporte regular de passageiros (ramo em que estão empresas como TAM e Gol). De acordo com o advogado, essa mudança levou a BRA a ter prejuízos e, por fim, fez com que entrasse em recuperação judicial.

Com a volta ao charter, disse Bastos, a empresa desiste também de operar os jatos encomendados à Embraer --o acordo previa a compra de até 40 aeronaves pela BRA, a um custo total, na época, de US$ 1,46 bi.

Segundo Bastos, o contrato com a fabricante ainda está em vigor, mas a BRA não faz mais os pagamentos. A saída deve ser a venda dos ativos.

"Agora quero ver se consigo, pelo menos, o reembolso do que eu paguei. Estou aguardando, não tenho muita informação sobre o que está acontecendo no processo. Mas sei que existem ações que têm preferência, como as trabalhistas. Pode ser que ainda demore [para receber]", disse o aposentado Secondino Machado, 60, que cobra R$ 3.320,86 em pacotes turísticos da BRA.

Fonte: Folha Online - Foto: Rivaldo Gomes (Folha Imagem)

Quatro italianos morrem em acidente na Tanzânia

Quatro cidadãos italianos morreram na sexta-feira (08) em um acidente aéreo na Tanzânia, informaram fontes chancelaria italiana.

Os quatro italianos estavam a bordo de um Cessna U206F, prefixo 5Y-AOO, da empresa Luca Safaris Ltda., baseada Nairobi, no Quênia.

O avião havia decolado de Kyulu Hills, no lado queniano do monte Kilimanjaro.

A aeronave de seis assentos colidiu contra o Pico Mawenzi, nas Montanhas do Kilimanjaro, em Mwanza, na Tanzânia Setentrional, a uma altitude de 4.330m acima do nível do mar.

Segundo a emissora Kenia NTV, o piloto do avião teria sobrevivido ao acidente e foi levado para um hospital em Moshi, uma cidade a nordeste do sopé do Monte Kilimanjaro.

Fontes: ANSA / ASN

domingo, 9 de novembro de 2008

Passagens aéreas brasileiras estão entre as mais caras do mundo

O combustível de aviação caiu de preço, mas no Brasil as passagens aéreas ainda estão entre as mais caras do mundo. E as promoções desapareceram do mercado. Quem está acostumado a viajar de avião sente no bolso a diferença no preço das passagens.

Na ponte aérea Rio - São Paulo, o aumento chegou a quase 190% em um a ano. Já a passagem de ida e volta de São Paulo para Curitiba subiu 153%. Isso sem falar que as promoções praticamente desapareceram.

Nos postos de combustível, os motoristas também reclamam. O preço do barril de petróleo despencou mais de 50% nas últimas semanas. Na bomba, nada mudou.

A Petrobrás diz que não reajustou os preços quando o barril do petróleo atingiu o recorde e agora também não deverá reduzir o preço.

No caso da aviação, a situação é diferente. Os gastos com combustível representam cerca de 40% do custo das companhias aéreas. E ao contrário do que acontece com a gasolina e o diesel, as mudanças no mercado internacional se refletem rapidamente no valor do querosene usado para abastecer os aviões.

O litro do produto era vendido no começo do ano por R$1,40. Chegou a R$1,87 em agosto no auge da alta do petróleo e no fim do mês passado já tinha baixado para R$1,70.

As empresas alegam que o aumento do dólar também influencia o valor das passagens. Para este economista, a explicação vai mais além. Falta concorrência. Juntas, as duas maiores empresas do setor controlam 92% do mercado nacional.

Fonte: Primeiro Jornal (TV Band)

Pesquisador luta para manter Museu do Aeroclube de São Paulo

Fotos, troféus, livros e medalhas estão em sala improvisada.

Criado em 1990, centro histórico fica no Campo de Marte.


O pesquisador Edgar Prochaska segura um gorro de piloto da década de 1950 - Foto: Carolina Iskandarian (G1)

O ciúme está estampado no rosto do senhor simpático de olhos azuis. “Tenho ciúme. Só eu mexo; é precioso”, diz ele. O ‘tesouro’ em questão são as centenas de fotos, troféus, medalhas, livros e objetos que contam um pouco da aviação brasileira, sobretudo em São Paulo. Aos 76 anos, é Edgar Orlando Prochaska, fundador do Museu do Aeroclube de São Paulo, quem cuida de tudo e luta por um espaço para suas peças.

O centro histórico, do qual ele é também curador, fica no Aeroporto do Campo de Marte, na Zona Norte da capital, onde funciona a sede do Aeroclube desde 1931. Ali, jovens se formam pilotos da aviação civil na “melhor escola da América Latina”, como garante Prochaska. Sócio do local há 40 anos, é piloto amador, escritor, pesquisador, dentista aposentado e um apaixonado por aviões.

Há um ano, viu seu acervo ser colocado em caixas e móveis improvisados porque a antiga sala foi demolida para reforma. Junto com ela, também virou entulho o antigo restaurante social do Aeroclube, que será totalmente reformado. “Estou ansioso para ver o espaço que vão reservar para mim”, brinca o paulistano.

Foto mostra dia de vôo inaugural da falida Vasp, em 1933, no Campo de Marte (Foto: Reprodução/ Arquivo Aeroclube de SP)

Carta

A obra só deve ficar pronta no meio do ano que vem. Enquanto a nova sala não chega, as peças ficam no auditório, disputando espaço com mesas e carteiras de estudante. Prochaska explica que não existem muitos documentos com a história do Campo de Marte e do Aeroclube de São Paulo. Por isso, a ajuda dos amigos foi fundamental.

As primeiras peças do museu foram descobertas por acaso, depois do esbarrão em uma caixa jogada em um hangar. “Vi que o caixote tinha troféus históricos, que estavam oxidados. Mandei restaurar. Daí surgiu a idéia de montar o centro histórico”, conta.

Com o argumento de que “precisava preservar o passado do Campo de Marte” e aumentar seu acervo, o pesquisador resolveu mandar uma carta aos sócios do Aeroclube, pedindo que cedessem objetos pessoais da aviação. “Passaram a vir quadros, jornais antigos, troféus, medalhas. Isso constitui o passado da aviação em São Paulo”.

Passado em foto

Entre as fotos, está a da primeira turma de pilotos formados no Aeroclube paulista em 1933. Há também a imagem do avião da Vasp, que fez o vôo inaugural da empresa no Campo de Marte, no mesmo ano de 1933. Gente bem vestida e carros de época ajudam a compor a foto naquele dia de festa. No álbum em que todas estão misturadas, tem ainda registrada a cena de um dos tradicionais jantares do Aeroclube em 1951.

O Campo de Marte, segundo Prochaska, o primeiro aeroporto de vôo comercial na capital, foi criado em 1920. O Aeroporto de Congonhas, hoje o mais movimentado da cidade, surgiu 16 anos depois, em 1936. É um pouco da história do aeroporto de Santana que o pesquisador quer contar no seu quinto livro. Os outros também falam de aviação e mergulho (outra paixão de Prochaska), além de uma publicação infanto-juvenil.

Aeroporto de Campo de Marte é cenário de vôos de exibição (Foto: Reprodução/ Arquivo Aeroclube de SP)

Enquanto dava a entrevista, na sexta-feira (7), Prochaska passava os olhos por suas peças, parecendo saber o local exato de casa uma delas. Tirava o pó de algum quadro que seria fotografado pela reportagem e apontava livros considerados por ele como raridades.

Um deles, publicado em 1910 em francês, é sobre o Aeroclube da França. Outro que o curador considera valioso é o Tratado de Aeronáutica, de 1991, sobre navegação de dirigíveis. Não podia faltar um exemplar com a história de Santos Dumont. Curioso que o livro sobre o homem tido como o pai da aviação brasileira foi escrito em inglês. “Mas tem tradução em português”, apressa-se em explicar Prochaska.

Para o homem que calcula voar desde os 20 anos, tem um filho piloto e se dedica a livros sobre aviação, é difícil calcular em números o valor do acervo. Mas não em palavras. “É modesto, pequeno e único”.

Prochaska mexe nos livros da estante, onde diz ter raridades (Foto: Carolina Iskandarian/G1)

Fonte: Carolina Iskandarian (G1)

História do Aeroclube de SP é marcada por glamour

Pesquisador diz que jantares pediam rigor nos trajes.

Encontros desde a década de 1930 reuniam personalidades.

Encontros no restaurante do Aeroclube exigiam rigor no traje - Foto: Reprodução (Arquivo Aeroclube de SP)

A vida social no Aeroclube de São Paulo não é mais a mesma. Os tempos são outros e o restaurante usado como ponto de encontro está fechado, em obras. Instalado no Aeroporto Campo de Marte, em Santana, Zona Norte da capital, o Aeroclube foi fundado em 1931 e tem sua história misturada ao glamour da época e das décadas seguintes. Enquanto o restaurante não fica pronto, os sócios da escola de aviação civil paulista comem lanches em um quiosque improvisado.

Quem sente saudade das “conversas de hangar” é Edgar Orlando Prochaska, sócio há 40 anos e fundador do Museu do Aeroclube. “Está fazendo falta esse ponto de encontro. Ali, ninguém fala de futebol e política”, brinca Prochaska, que é dentista aposentado e sempre conciliou o trabalho com a paixão pela aviação.

Veja galeria de fotos

Segundo ele, uma empresa particular – o Aeroclube sobrevive dos cursos de formação de piloto – é quem vai erguer o novo restaurante, por onde passou gente famosa, como o ex-prefeito e governador de São Paulo Ademar de Barros. “Ele foi um dos fundadores do Aeroclube. Para pertencer, tinha que ser gente de projeção na sociedade”.

Prochaska conta que o traje nos eventos era sempre formal. “Não se concebia entrar sem paletó e gravata. Naquela época (entre as décadas de 1930 e 1960), as mulheres vinham em vestidos longos, cerimoniais. Não usavam calça jeans”. As palavras carregam certa crítica quando ele fala do que vê hoje. “O aluno vem estudar de bermuda e chinelo. Antes, se formar piloto era como se formar na faculdade”.

A cada trimestre, surgem turmas com cerca de 300 alunos. Prochaska, que é piloto amador, conta que muita gente desiste ao longo do curso porque descobre que tem medo de voar, não pode pagar a mensalidade (o ensino básico pode chegar a R$ 20 mil) ou é cortado no exame médico.

Para guardar um pouco da memória do Aeroclube de São Paulo, o pesquisador fundou o Centro Histórico em 1990. Por falta de espaço, as peças estão em uma sala improvisada. São troféus, medalhas, fotos antigas, livros e outros objetos sobre aviação no Brasil e no estado paulista.

Tapumes cobrem a obra do novo restaurante que só deve ficar pronto em 2009 - Foto: Carolina Iskandarian (G1)

Prochaska não esconde que o Aeroclube é uma entidade “elitista”. Os 40 sócios são médicos, empresários, advogados e outros profissionais que podem dispor de um jatinho particular para voar por diversão. O Aeroporto do Campo de Marte é o reduto da aviação executiva de São Paulo.

Apesar de afirmar que a escola de pilotos civis – existe a formação militar – é “a melhor da América Latina”, Prochaska diz estar preocupado com o futuro. “O maior temor é a renovação da frota. O lucro do Aeroclube não é suficiente (para comprar aeronaves)”, afirma ele, que defende investimentos do governo no setor. A escola paulista de aviação tem 23 aeronaves na frota, muitas das décadas de 1980 e 1990.

Fonte: Carolina Iskandarian (G1)

Embraer diz que crescimento do mercado na A. Latina continuará firme

A Embraer mantém boas perspectivas de longo prazo para a aviação internacional e prevê que o crescimento do mercado na América Latina e em outras regiões emergentes continuará firme.

Segundo o relatório de perspectivas de longo prazo divulgado nesta sexta-feira (07), a empresa acredita que será mantido o crescimento dos segmentos de aviação executiva e aviões comerciais médios, apesar da atual crise financeira mundial.

O anúncio foi feito no Encontro Anual de Analistas e Investidores, que terminou nesta sexta-feira em São José dos Campos, interior de São Paulo, onde fica a sede principal da empresa.

"A demanda do transporte aéreo mundial deverá crescer, em média, cerca de 5% ao ano entre 2009 e 2028", diz o relatório.

"A Embraer estima que a indústria de transporte aéreo reagirá positivamente, após o término do atual período de crise econômica, e que no longo prazo a tendência de crescimento da demanda será mantida", acrescentou.

A entidade ratificou sua previsão de que a China será a maior responsável pelo crescimento do mercado nos próximos 20 anos, com uma taxa anual superior a 7,5%, "seguida pelas regiões da América Latina, Rússia e Comunidade dos Estados Independentes (CEI)", ambas com taxa média anual de 6%.

A demanda da Ásia Pacífico e da África crescerão em torno de 5%, e os mercados da Europa e da América do Norte, 4%.

A Embraer prevê uma demanda mundial de 6.750 aviões com capacidade de 30 a 120 assentos nos próximos 20 anos, com vendas de novas aeronaves no valor de US$ 220 bilhões.

Desse total, 2.950 aviões deverão ser entregues entre 2009 e 2018 e os outros 3.800 entre 2019 e 2028.

No segmento de aviões executivos, a empresa prevê uma demanda mundial de 11.880 unidades entre 2009 e 2018, o que poderá gerar negócios de aproximadamente US$ 204 bilhões em entregas de novas aeronaves, acrescenta o relatório.

Para 2009, a empresa prevê entregar aos seus clientes 270 aviões para os segmentos comerciais, executivos e de defesa e Governo (companhias aéreas estatais e transporte de autoridades). Também planeja investir US$ 450 milhões no próximo ano.

As previsões indicam que o segmento de 30 a 60 assentos ficará sob pressão nos próximos cinco anos devido à crise econômica e ao preço do combustível, fatores que forçam as companhias aéreas a revisarem suas estratégias, especialmente na América do Norte.

A Embraer também prevê que as emissões de gases serão um dos pontos cruciais que influenciarão no desenvolvimento de aeronaves no futuro, pois hoje mais de 700 unidades de 30 a 120 assentos têm mais de 20 anos e logo deverão ser substituídas - o que resultará em benefícios ambientais significativos, afirmou.

Fonte: EFE

Primeira missão lunar indiana chega à órbita da Lua

A primeira missão lunar indiana, a "Chandrayaan-1", chegou hoje à órbita da Lua, anunciou o porta-voz da Organização de Pesquisa Espacial Indiana (Isro, em inglês), S. Satish.

Segundo a fonte, citada pela agência "Ians", a nave não-tripulada da Isro chegou à órbita lunar às 17h15 (9h45 de Brasília) após efetuar complexas manobras.

A "Chandrayaan-1" foi lançada no último dia 22 das instalações da Isro na ilha de Sriharikota, na baía de Bengala, sul da Índia, e alcançou a órbita lunar no dia previsto.

Com o lançamento da "Chandrayaan-1", a Índia se uniu ao clube de potências com missões na Lua, integrado por Rússia, Estados Unidos, Agência Espacial Européia, China e Japão.

Com custo de 3,86 bilhões de rúpias (cerca de US$ 80 milhões), a sonda viajou à Lua equipada com 11 instrumentos científicos que servirão para traçar um mapa tridimensional do satélite e estudar sua composição geológica.

A "Chandrayaan-1" orbitará a 100 quilômetros do satélite durante dois anos, segundo previsões da Isro.

Fonte: EFE

Coréia do Norte diz que quer explorar espaço com fins pacíficos

A Coréia do Norte manifestou nesta sexta-feira (07) interesse em se juntar à corrida espacial com fins pacíficos, da qual já participam países emergentes como a Índia e China, segundo afirmou o jornal oficial "Rodong Sinmun".

Segundo ele, o país vem exercendo seu "direito justo" de investigar e desenvolver tecnologia espacial com fins pacíficos e no futuro "continuará avançando" rumo a essa meta.

O jornal referiu-se aos satélites lançados ao espaço por países em desenvolvimento, como China e a Índia, e assinalou que a corrida espacial é agora uma tendência global, embora anteriormente fosse um monopólio dos países desenvolvidos.

"O interesse internacional no espaço como fonte comum de riqueza para a humanidade aumenta a cada dia e muitos países se esforçam no uso e expansão pacíficos de suas pesquisas espaciais", ressaltou o diário.

A Coréia do Norte disparou sobre o Japão, em 1998, um míssil de longo alcance, chamado Taepodong-1.

O regime comunista afirmou que o míssil transportava o primeiro satélite norte-coreano, chamado Kwangmyongsong, e que o satélite entrou em órbita cinco minutos após haver disparado a bomba.

Analistas americanos consideraram que o lançamento do satélite da Coréia do Norte fracassou rapidamente.

Fonte: EFE

Documentário: Panair do Brasil

Longa revela a trajetória da empresa pioneira na aviação comercial do Brasil

A Panair do Brasil iniciou suas operações em 1929 e ganhou este nome no ano seguinte, quando passou a ser controlada pela estrangeira Pan Am. As atividades foram encerradas em 1968, quando determinações dos militares impossibilitaram a continuidade da companhia. O acontecimento poderia estar relacionado com a antipatia que o governo nutria contra os donos, Celso da Rocha Miranda e Mário Wallace Simonsen.

Os aviões foram incorporados pela Varig e pela Cruzeiro, assim como as oficinas e rotas aéreas. Segundo relatos, até hoje um grupo de funcionários da empresa se reúne anualmente para um evento, no qual se celebra o orgulho e a saudade da companhia.

As pessoas que fazem parte da família PanAir do Brasil participam do documentário e falam sobre a utopia de um dia ver a empresa voar novamente.

Veja o trailer



Informações

Censura: Livre
Diretor: Marco Altberg
Elenco: (documentário)
Nome Original: Panair do Brasil
Ano: 2007
País: BRA
Duração: 70 minutos

Fonte: Guia da Semana

Polícia investiga mais 3 comunidades que debocham acidente da TAM

A Polícia investiga outras três comunidades criadas num site de relacionamento que debocham o acidente da TAM, que deixou 199 mortos em julho do ano passado. Nesta sexta-feira, dois adolescentes que brincavam com a tragédia foram obrigados a comparecer à delegacia. Eles criaram uma comunidade (Churrasco da TAM) para zombar das vítimas e mostrar fotos dos cadáveres. A polícia conseguiu tirar a página do ar.

- Os pais ficaram surpresos quando souberam do envolvimento dos filhos. É preciso impor limites às crianças. Não de pode deixar um adolescente livre na internet - disse o delegado Wilson Roberto Zampieri, titular da 4ª Delegacia de Meios Eletrônicos do Deic.

R.D.M.S. tinha 12 anos quando criou a comunidade no Orkut no passado. O primo dele, E.R.S.C, de 16 anos, estava com ele. O delegado disse que ao chegar à casa do garoto mais novo, nesta sexta-feira, não encontrou os pais, que estavam trabalhando. O adolescente, que está na sétima série do ensino fundamental, admitiu que passava boa parte do tempo navegando na internet. O computador ficava no quarto do garoto, no fundo da casa, localizada no bairro da Vila Guilherme, zona norte de São Paulo. O primo dele mora em São Bernardo do Campo e passava alguns dias na casa de R.D.M.S.

A polícia terminou o inquérito que investiga essa comunidade somente agora, um ano e meio após a tragédia. O delegado reclamou da demora em conseguir a quebra do sigilo dos adolescentes na internet. Os garotos serão chamados para comparecer à Vara da Infância e Juventude. Eles podem receber uma advertência e até mesmo serem encaminhados para a Fundação Casa. Se fossem maiores de idade, teriam de responder por vilipêndio de cadáver, pena que vai de um a três anos de detenção.

As investigações continuam e o escrivão Márcio Antonio Pinto disse que está próximo de descobrir a identidade dos autores das outras comunidades: Churrastam, Churrascão 3054 e Churrascão 3054 em Congonhas. A primeira dessas três comunidades tinha uma foto do terrorista Bin laden na capa.

- Todas elas mostravam fotos de cadáveres e imagens que foram copiadas da própria internet. Os parentes das vítimas ficaram indignados - disse Pinto.

Fonte: Wagner Gomes (O Globo)

Casas vizinhas ao Aeroporto de Congonhas 'encalham'

Congonhas antes da inauguração em 1936

Congonhas em 1975

Congonhas em 2007

Risco de acidente aéreo, obras de ampliação das pistas, barulho de turbina. Esses são alguns dos motivos que fazem um imóvel levar até um ano para ser vendido na região do Aeroporto de Congonhas, na Zona Sul de São Paulo. Algumas residências no Parque Jabaquara chegam a ostentar quatro placas de "vende-se" no portão.

A imobiliária Kauffmann disse que possui cerca de 234 imóveis à venda na região do aeroporto e o tempo para fechar o negócio chega a ser de um ano. Segundo Everton Lúcio, gerente comercial da imobiliária, os proprietários ficam decepcionados com as ofertas abaixo dos valores da residência.

- Essa falta de demanda não é somente por causa do acidente. Acontecia antes, pois são poucos os que querem ter imóvel em uma região de rota de avião, não só pela insegurança, mas também pelo barulho - disse Everton Lúcio.

De acordo com as imobiliárias que trabalham na região, muitos proprietários colocaram seus imóveis à venda após o acidente com o avião da TAM, em julho de 2007, mas nem sempre recebem a oferta que esperam. Segundo informação do Conselho Regional de Corretores de Imóveis do Estado de São Paulo (Creci), o tempo médio de venda de um imóvel na capital paulista é de seis meses, metade do tempo da vizinhança de Congonhas.

O imóvel do vendedor Paulo Garbujo, de 54 anos, está há um ano à espera de um comprador. Ele teme que o projeto de ampliação da pista de Congonhas e desapropriação de casas no entorno dificulte ainda mais o negócio.

- Tinha uma pessoa interessada em olhar o imóvel, mas, depois dessa notícia, temo que ela desista - afirmou. Ele mora há 10 anos na Rua Marques Perdigão, que fica a cerca de 100 metros da cabeceira da pista. "Mas estou acostumado com o barulho", garante Paulo.

As desapropriações de casas custariam cerca de R$ 400 milhões ao estado, mas os moradores temem que suas casas sejam desvalorizadas.

- Isso aqui é um elefante branco, mas, se eles oferecerem um preço justo, eu vou embora - afirmou o aposentado José Massi Neto, de 62 anos.

Ele disse que, nos últimos anos, cerca de 15 pessoas interessadas na compra visitaram sua casa.

- Da última vez, a pessoa ia fechar o negócio, até que um avião subiu e seu neto começou a chorar. Ele desistiu na hora - afirmou.

O aposentado, que mora há 30 anos na Rua Monsenhor Antônio Pepe, a cerca de 10 metros do muro da pista, é favorável à mudança do aeroporto.

- Todo mundo lutou para comprar uma casa neste bairro, agora vai lutar para vender - contou.

A imobiliária R Santos, que negocia imóveis na região há 35 anos, confirmou a queda de vendas nos últimos meses.

- Estávamos com uma média de 20 casas vendidas por mês e esse número caiu para menos de dez - disse o consultor de imóveis Antônio Monteiro, que culpa ainda a crise financeira. "Isso tudo contribui", disse.

A assistente financeira Maria Graça dos Santos, de 44 anos, trabalha há seis meses em frente ao Aeroporto de Congonhas. E já apresenta sinais de estresse por causa do barulho dos aviões.

- Tenho dor de cabeça constantemente e chego a sonhar com avião caindo - reclama.

Ela disse que a ampliação da pista pode definir seu futuro profissional.

- Se a empresa for desapropriada e eles mudarem de endereço eu permaneço, mas se continuar por aqui eu peço demissão. Eu moro em Cotia e estou acostumada com um clima tranqüilo, de paz - disse.

A sede da empresa de segurança onde Maria Graça trabalha funciona em uma residência na Rua Monsenhor Antônio Pepe, a cerca 10 metros da cabeceira da pista do Aeroporto de Congonhas, no Parque Jabaquara, Zona Sul de São Paulo. Uma das janelas da casa chegou a trincar por causa do ruído das turbinas.

- Quando o avião manobra na pista para decolar as janelas trepidam. Até hoje não consigo entender como tem uma área residencial aqui - conta ela.

Mas a assistente diz que é preciso ter paciência para falar ao telefone.

- Por volta das 16h, quando o tráfego é intenso, tenho que pedir para a pessoa do outro lado da linha esperar um pouco cada vez que passa um avião - afirmou, minutos antes de encerrar o expediente e voltar para a calmaria em Cotia, na Grande São Paulo.

Fonte: Fabiano Nunes (Diário de S.Paulo) - Fotos: Blog do Milton Jung

sábado, 8 de novembro de 2008

Presidente do México promete investigar causas de acidente

O presidente do México, Felipe Calderón, prometeu que vai "investigar a fundo" as causas do acidente aéreo que matou o ministro do Interior, Camilo Mouriño, e o ex-procurador José Luis Santiago Vasconcelos, que chefiou a luta contra o narcotráfico no país.

"Os lamentáveis acontecimentos do 4 de novembro serão investigados e esclarecidos. Nessa delicada tarefa, contamos com o apoio dos melhores especialistas do mundo", afirmou Calderón, durante uma cerimônia em homenagem aos falecidos.

Calderón classificou Mouriño como "um funcionário franco, honesto e eficaz" e disse que, "por mais cumprida que seja a noite, ainda virá a luz do dia".

No campo militar Marte, próximo ao local do acidente e da residência oficial de Los Pinos, foram enterrados os oito ocupantes do avião que caiu em um bairro nobre da Cidade do México.

Segundo versões divulgadas pela imprensa mexicana, a aeronave teria explodido no ar ou então sido atrapalhada por um Boeing 767 da Mexicana de Aviación antes de cair. Porém, as autoridades aeronáuticas disseram que não há evidências de explosão.

O ministro de Comunicações e Transportes, Luis Téllez, declarou que em uma semana serão obtidas as conversas das caixas-pretas do avião.

Mouriño, um dos homens mais próximos ao presidente Calderón, nasceu em Madri, filho do dono do clube de futebol Celta de Vigo. Morreu aos 47 anos.

Fonte: ANSA

Sobrevivente se recupera bem de acidente aéreo no PR

A única vítima sobrevivente do acidente aéreo registrado na última quarta-feira em Ponta Grossa, Renata Canteiro, de 29 anos, se recupera bem e está fora de perigo, segundo informações da Santa Casa de Misericórdia de Ponta Grossa. Ela nem precisou ir para a Unidade de Terapia Intensiva (UTI), e está em um apartamento do hospital para se recuperar das lesões que sofreu. Apesar disso, Renata ainda não tem previsão de alta.

Quando sair, Renata deve ser ouvida pela polícia, que ainda investia as causas do acidente em que morreram o piloto Paulo César da Silva Duarte, 51 anos, e o empresário Ronaldo Lopes Canteiro, 57, pai de Renata.

Fonte: bonde.com.br

FAB pretende fechar compra de caças no segundo semestre de 2009

O comandante da Aeronáutica, tenente-brigadeiro Juniti Saito, disse na quarta-feira (05) que a FAB pretende fechar a compra de caças de múltiplo emprego no segundo semestre de 2009 e a transferência de tecnologia para a Embraer será um dos critérios mais importantes na seleção. Ele negou veementemente a existência de favoritismo da francesa Dassault no projeto F-X2. Boa parte do mercado acredita que, devido à associação estratégica entre Brasil e França na indústria de defesa, a escolha dos caças Rafale acabará prevalecendo sobre os outros dois concorrentes selecionados para a fase final do projeto: o Gripen NG, da sueca SAAB, e o F-18 E/F Super Hornet, da Boeing.

Saito explicou ao Valor os próximos passos da Aeronáutica no processo de seleção. As três empresas deverão apresentar suas propostas detalhadas até o dia 2 de fevereiro. " Em seguida, cada empresa será chamada a prestar esclarecimentos. Isso deve ocorrer até julho " , afirmou o comandante. A encomenda seria feita no segundo semestre. " A nossa intenção é receber os primeiros aviões em 2015 " , acrescentou.

A estimativa de gastos superiores a US$ 2 bilhões para a compra dos caças, conforme cogita o mercado, não foi confirmada pelo brigadeiro. " Eu diria que é um dinheiro considerável, mas não sei quanto exatamente. De qualquer forma, é por isso que temos que fazer algo bem criterioso. "

Para 2009, a expectativa de Saito é receber um orçamento em torno de R$ 1 bilhão para modernização e reaparelhamento da FAB. Diante da crise internacional e da queda de receitas, ele se preocupa com a possibilidade de cortes. Mesmo assim, " por enquanto não houve nenhuma sinalização do governo " , afirmou.

A compra dos caças, no entanto, que pode chegar a 36 unidades em um primeiro momento, não envolve o desembolso imediato de recursos. A aquisição de equipamentos militares costuma ser financiada ao longo de vários anos. No projeto F-X original, suspenso em 2005, algumas empresas chegaram a propor financiamentos de até 15 anos.

Saito reiterou o caráter técnico da escolha da Dassault, da Gripen e da Boeing para a última etapa do F-X2. Também haviam apresentado ofertas iniciais os russos da Sukhoi (para o caça Su-35), os americanos da Lockheed Martin (F-16) e o consórcio europeu Eurofighter (para o Typhoon). " Posso garantir que não houve interferência política. "

De acordo com o comandante, a falta de transferência de tecnologia foi uma das causas para a eliminação dos russos, que surpreendeu o mercado no mês passado. " Eu não quero denegrir a imagem da Sukhoi, mas o projeto não se encaixou nas nossas necessidades " , disse Saito. Segundo ele, a inclusão da Boeing se justifica pela aparente e nova disposição dos americanos em abrir códigos-fonte e repassar tecnologia ao Brasil. " Eles prometeram isso. Agora quero ver no papel " , afirmou.

Saito afirmou que a tecnologia a ser transferida e as contrapartidas comerciais oferecidas pelos fornecedores (off-set) serão os dois aspectos mais relevantes na escolha do vencedor. " A transferência deverá ser repassada para a Embraer " , esclareceu o brigadeiro, deixando claro que a fabricante de São José dos Campos sairá beneficiada da aquisição dos caças. Consciente de que os fornecedores não aceitarão compartilhar indiscriminadamente suas tecnologias, Saito adiantou que a Aeronáutica pretende focar a transferência em áreas como softwares operacionais e sistemas de integração de armas.

Questionado se os sintomas da crise e a esperada queda de receitas comprometem o reaparelhamento das Forças Armadas, o ministro da Defesa, Nelson Jobim, desconversou: " Tudo a seu tempo " . Ele confirmou, porém, a intenção de fechar o contrato de compra dos caças em 2009 e afirmou que a crise não afetará a aprovação do Plano Estratégico de Defesa, entre o fim de novembro e início de dezembro.

Fonte: Daniel Rittner (Valor Econômico)

Airbus e Boeing podem ficar com 200 aviões em estoque

A Airbus e a Boeing podem não conseguir vender cerca de 200 aviões, durante o próximo ano, já que as companhias aéreas não têm dinheiro para os comprar devido à actual crise económica e financeira.

A Airbus e a Boeing podem não conseguir vender cerca de 200 aviões, durante o próximo ano, já que as companhias aéreas não têm dinheiro para os comprar devido à actual crise económica e financeira.

“Há falta de fundos e não sabemos ao certo de onde poderá vir o dinheiro”, afirmou Eddy Pieniazek, director da Ascend, empresa que analisa o mercado aéreo. “Se o dinheiro não chegar podemos ter 200 aviões estacionados no deserto”, alertou o mesmo responsável.

Os bancos cortaram as linhas de crédito às companhias aéreas devido à crise financeira. Esta situação pode criar um “gap” de fundos de 20 mil milhões de dólares na Airbus e na Boeing, que pode chegar aos 65 mil milhões de dólares em 2009, de acordo com as previsões da JP Morgan Securities.

“Neste momento, a liquidez é quase zero”, alertou Vicente Alava-Pons, director regional do DVB Group Merchant Bank. “Vai demorar muito tempo até os bancos voltarem a emprestar devido à previsão de mais amortizações de activos”, acrescentou Alava-Pons.

A maior companhia aérea da Indonésia, a Garuda, está a procurar de financiamento para poder pagar 14 dos 25 Boeing 737 que encomendou.

A maior companhia de Hong Kong já revelou que os resultados de 2008 vão ser “desapontantes” e a Air France-KLM anunciou que vai ser muito difícil atingir os “targets” anuais.

Fonte: Jornal de Negócios (Portugal)

Hacker romeno pega 16 meses de prisão por invadir sistema da Nasa

Victor Faur, um romeno de 24 anos que entrou ilegalmente nos servidores da Nasa e de instituições militares americanas, foi condenado por um tribunal local a pagar uma multa de US$ 250 mil e a 16 meses de prisão, embora essa última pena não vá ser executada.

O jovem, conhecido na internet com o apelido de "Sir Vic", não ingressará na prisão por não ter antecedentes criminais, embora terá que abonar US$ 250 mil aos litigantes por danos materiais, segundo informou hoje a imprensa local.

Faur foi considerado culpado de adquirir ilegalmente dados informáticos, modificar, apagar e deteriorar informações e perturbar de forma contínua sistemas.

O jovem hacker foi acusado de se infiltrar entre setembro de 2005 e novembro de 2006 nos sistemas da Nasa, dos departamentos de Energia e Marina dos Estados Unidos e de vários centros tecnológicos e de defesa.

O romeno atacou 150 computadores da Nasa que continham dados científicos, e utilizou as contra-senhas de pessoal autorizado e dos vínculos de segurança destes servidores na rede para criar uma rede de bate-papo para seus contatos.

Faur, filho de um conhecido médico romeno, reconheceu parcialmente ter invadido os sistemas da Nasa e de outras instituições dos EUA, embora tenha dito que fez isso por acaso, após receber alguns dados por parte de um de seus contatos on-line.

O advogado do jovem romeno disse que recorrerá da sentença.

Fonte: EFE

Cassini faz vôo rasante sobre Encélado, lua de Saturno

Objetivo era o de identificar origem de jatos emanados da superfície.

Encélado pode ter água líquida sob sua superfície congelada.


A espaçonave Cassini, da Nasa, concluiu na última sexta-feira (31) um sobrevôo da pequenina lua Encélado, uma das muitas que orbitam o planeta Saturno. O veículo passou a 200 km da superfície e obteve imagens espetaculares, recém-divulgadas pela agência espacial americana.

Imagem da Cassini mostra superfície de Encélado, uma das luas de Saturno

Apesar de suas pequenas dimensões (500 km de diâmetro), Encélado é um dos lugares mais interessantes do sistema saturnino. Aparentemente, o efeito de maré provocado pelo planeta faz com que lagos - e talvez até um oceano - de água sejam mantidos em estado líquido sob a superfície congelada do astro.

Os cientistas detectaram jatos compostos principalmente por água emanados do satélite em sobrevôos anteriores e agora trabalham para identificar de onde eles estavam partindo, na esperança de compreender os mecanismos envolvidos em sua formação. Eles parecem servir de material para alimentar um dos famosos anéis de Saturno.

Fonte: G1 - Foto: Nasa

Piloto britânico que ficou cego em pleno vôo aterrissa avião

Homem de 65 anos sofreu derrame e foi orientado por outro avião da Força Aérea.

Na foto: RAF usa o avião Tucano para treinamento

Um piloto britânico que perdeu a visão em pleno vôo, a mais de 4 mil metros de altitude, conseguiu aterrissar seu avião Cessna 152 Skylane com orientação de outra aeronave, da Força Aérea britânica (RAF, na sigla em inglês).

O incidente ocorreu na sexta-feira da semana passada. Jim O'Neill partiu do aeroporto de Prestwick, na Escócia, para Chochester, na Inglaterra. O piloto de 65 anos voava com um avião Cessna, quando sofreu um derrame e perdeu a visão. O'Neill tem 18 anos de experiência com aviões.

Ele passou um alerta de socorro para a base da RAF em Linton-on-Ouse. Um avião partiu da base de RAF para ajudar O'Neill a aterrissar, com instruções passadas por rádio.

"No começo, pensamos que ele tinha sido cegado pela luz do sol, porque ele tinha dificuldades para ler os instrumentos e fez um alerta de segurança", disse o comandante de operações da RAF em Linton-on-Ouse, Andy Hynd.

Esforço

Hynd conta que O'Neill não conseguiu ver a pista e que a RAF despachou um avião para ajudá-lo.

O comandante Paul Gerrard, que trabalha como instrutor de vôo, seguiu O'Neill com um Tucano T1 a uma distância de 50 metros.

"Ele usou sua voz para guiar [O'Neill], orientando para esquerda e para direita, para que ele baixasse seu avião e para que iniciasse os procedimentos de aterrissagem", contou Hynd.

"A uma distância muito pequena, ele ainda não conseguia ver a pista, e foi apenas no último minuto que ele conseguiu", acrescentou. "Ele aterrissou a partir da metade da pista e parou a aeronave no fim dela."

Hynd contou que a RAF está acostumada a orientar aviões que estão perdidos e sem rumo, mas nunca com pilotos sofrendo de cegueira.

"Foi um esforço fantástico de equipe de todos os envolvidos e estamos orgulhosos que conseguimos trazê-lo de forma segura ao solo."

O'Neill foi analisado por médicos da RAF antes de ser transferido para o Queen's Hospital, em Romford, onde está internado em estado grave.

Fonte: BBC

Avião faz pouso de emergência na Bahia

Piloto foi resgatado por equipes do Corpo de Bombeiros.

Ele era o único ocupante da aeronave, que era de uso agrícola.

Avião faz pouso de emergência na Bahia

O piloto Renato Guido Guiongo saiu ileso hoje de um acidente com o monomotor em um trecho de mata fechada da Serra do Oti, localizada entre os municípios baianos de Santa Terezinha e Castro Alves, a cerca de 200 quilômetros a oeste de Salvador. De acordo com Guiongo, ele havia decolado de Feira de Santana com destino a Ribeirão Preto, no interior paulista, onde fica a sede da empresa dona da aeronave. Porém, o monomotor apresentou problemas e, no pouso forçado, perdeu uma das asas e pegou fogo.

O trajeto até o interior de São Paulo seria o trecho final de uma viagem iniciada ontem em Areias, no Rio Grande do Norte, onde o Embraer 201A, prefixo PT-JDJ, foi usado para trabalhos de pulverização em plantações. O piloto contou que ao passar por Santa Terezinha o avião começou a apresentar problemas que, segundo ele, faziam o aparelho "afundar". Ele, então, começou a procurar lugares para fazer um pouso de emergência. Optou pelo trecho da serra por acreditar que as copas das árvores fariam a aeronave desacelerar com mais facilidade.

No entanto, uma das asas do avião foi arrancada no choque com a vegetação e o aparelho se incendiou. Guiongo conseguiu sair da aeronave antes de ela ser consumida pelo fogo. Localizado por um agricultor da região, o piloto, de 43 anos, foi levado ao Hospital Regional de Castro Alves, para fazer avaliações médicas, e à delegacia do município, para prestar depoimento.

Fonte: A Tarde - Foto: Diego Mascarenhas (Agência A Tarde/AE)

Marsans confirma pedido de 61 aviões à Airbus por US$ 7,8 bilhões

A companhia turística espanhola Marsans confirmou hoje o pedido anunciado há dois anos de 61 aviões à Airbus, entre eles quatro A380, o que representa um investimento, pelo preço de catálogo, de US$ 7,8 bilhões (6,1 bilhões de euros).

O presidente de Marsans, Gonzalo Pascual, que assinou o pedido junto ao diretor operacional de clientes de Airbus, John Leahy, indicou em entrevista coletiva que mantém a compra dos quatro aviões gigantes de passageiros A380 destinados a integrar a frota de Air Comet em seus destinos à América Latina.

Além deles, as 61 unidades confirmadas hoje por Pascual na sede da Airbus em Toulouse (França) se dividem entre 42 aviões do tipo A320, 10 do modelo A350-900 e mais 5 aeronaves A330-200, que se somam aos 12 modleos A330-200 que a Marsans já encomendara anteriormente.

Pascual assinalou que em um momento de crise econômica como o atual "esta importante aquisição evidencia o plano de desenvolvimento que a Marsans tem preparado para melhorar sua posição, tanto em médio quanto em longo prazo".

Sobre a concorrência que a Air Comet pode fazer à Iberia no mercado latino-americano, o presidente de Marsans disse que "não temos a proposta de fazer concorrência a ninguém, o que queremos é que nossa companhia cresça".

Quanto ao tipo de crescimento que Marsans pode alcançar com a criação ou aquisição de alguma companhia aérea, Pascual disse não se inclina "em um sentido nem em outro", podendo estar nos aviões de um só corredor, de pequeno e médio porte, na América Latina, embora não tenha especificado onde nem como ou quando.

Sobre o setor turístico espanhol, principal negócio da Marsans, seu presidente afirmou que "é o que melhor está resistindo à crise", embora tenha sido cauteloso porque "é uma das primeiras vezes em que estão caindo os números e é claro que nos preocupa, mas devemos ser otimistas".

Fonte: EFE