quarta-feira, 13 de agosto de 2008

Estudantes do Sul finalizam aviões para SAE AeroDesign, em outubro

Equipe Carancho, da Universidade Federal de Santa Maria, em São José dos Campos

Estudantes da Universidade Federal de Santa Catarina fazem os últimos reparos

Projeto é da equipe Anhanguera, da Universidade Federal do Paraná

Dezoito equipes do Sul do País trabalham na conclusão das aeronaves para participar da Competição SAE BRASIL AeroDesign, que terá sua 10ª edição realizada de 16 a 19 de outubro próximo, no Comando-Geral de Tecnologia Aeroespacial (CTA), em São José dos Campos, SP. O Rio Grande do Sul bateu recorde como segundo Estado com maior número de equipes na competição (9), depois de São Paulo (25). Santa Catarina possui 5 equipes inscritas e o Paraná 4.

No total, a competição conta com 77 equipes inscritas - 67 brasileiras, 8 venezuelanas e 2 mexicanas -, que representam 57 instituições de ensino superior. A região Sul também é a segunda em participação, após o Sudeste, com 36 equipes inscritas. “É uma competição muito importante para nós estudantes de engenharia, porque estimula o trabalho em equipe, o desenvolvimento de projetos e a prática da engenharia”, explica Ricardo Luis Salvador, capitão da equipe gaúcha Águia, da Faculdade de Horizontina (Fahor), que é estreante na competição.

Além da Fahor, o Rio Grande do Sul será representado por equipes da Universidade de Caxias do Sul, Universidade Regional Integrada, Universidade Federal do Rio Grande do Sul, Universidade Federal do Rio Grande, PUC, Universidade de Santa Cruz do Sul, Universidade Federal de Santa Maria e Universidade de Passo Fundo. Cada instituição tem uma equipe cada.

Estreante em 2006, quando obteve a 8a colocação, a equipe Aurora, da Universidade Positivo, do Paraná, projetou um avião para carregar o triplo do seu peso, que é de 3,5 kg. Com asas em madeira balsa e hélice em fibra de vidro, o monoplano tem fuselagem em alumínio extrudado. “Ele parece um inseto e, com certeza, vai nos garantir uma boa colocação”, comenta Cecil Skaleski, capitão da equipe, que agendou testes de vôo em setembro, no Aero Club Fênix. A Universidade Federal do Paraná e o UTFPR também possuem equipes inscritas na competição.

Em Santa Catarina, a equipe AeroTupy, do Instituto Superior Tupy, também participa pela primeira vez. Após dois anos de pesquisa e organização, a equipe sonha em completar a Competição de Vôo. “A falta de conhecimento em aerodinâmica e a dificuldade na obtenção de patrocínio foram nossas principais dificuldades, mas superamos”, conta Emerson de Almeida, capitão da equipe, formada por 9 estudantes de Engenharia Mecânica. Outras instituições do Estado com equipes inscritas são a Universidade Federal de Santa Catarina, Universidade da Região de Joinville, Universidade do Oeste e Universidade do Estado.

Em São José dos Campos, as 77 equipes inscritas, formadas por estudantes de Engenharia, Física e Ciências Aeronáuticas, irão submeter seus aviões radiocontrolados a avaliações quanto à concepção e desempenho, feitas por engenheiros da indústria aeronáutica. As avaliações e a classificação das equipes são realizadas em duas etapas: Competição de Projeto e Competição de Vôo, conforme o regulamento no site da SAE BRASIL - www.saebrasil.org.br

Ao final da competição, as duas equipes da Classe Regular e a primeira da Classe Aberta que obtiverem melhor pontuação durante a SAE BRASIL AeroDesign 2008 ganharão o direito de representar o Brasil na SAE Aerodesign East Competition, em 2009, nos Estados Unidos, onde equipes brasileiras acumulam histórico expressivo de participações, incluindo três primeiros lugares, nas duas categorias. A East Competition é realizada pela SAE International, instituição que deu origem a SAE BRASIL e da qual esta é afiliada.

O Projeto AeroDesign é um programa de fins educacionais, realizado pela SAE BRASIL, através de Seção São José dos Campos. O principal objetivo é propiciar a difusão e o intercâmbio de técnicas e conhecimentos de engenharia aeronáutica entre estudantes e futuros profissionais do segmento da mobilidade, através de aplicações práticas e da competição entre equipes.

Regulamento - Os aviões participantes da Competição são enquadrados em duas categorias: Classe Regular e Classe Aberta. Na primeira, os aviões são monomotores, com cilindrada padronizada em 10 cc (10 cm3 ou 0,61in3). O regulamento impõe restrições geométricas que delimitam as dimensões máximas das aeronaves, que devem ser capazes de decolar em uma distância máxima delimitada, de 30,5m ou 61m, conforme o desafio escolhido pela equipe. Já a Classe Aberta não impõe restrições geométricas às aeronaves ou ao número de motores instalados, desde que a soma das cilindradas dos motores não ultrapasse 14,9 cc (ou 0,91 in3). Esta categoria aceita também estudantes de pós-graduação e restringe distância máxima de decolagem: 61m ao projeto. O regulamento é elaborado baseado em desafios reais enfrentados pela indústria aeronáutica.

Vilmar Fistarol, presidente da SAE BRASIL, destaca a importância da Competição SAE BRASIL AeroDesign. “A possibilidade de participar, em equipe, do desenvolvimento de um projeto, da fase de concepção até a construção e teste do produto final, constitui uma antecipação de um cenário que caracterizada a vida, senão de todos, da grande maioria dos profissionais de engenharia”, afirma.

Fontes: Companhia de Imprensa / Notícias de Santa Catarina - Fotos: Divulgação

terça-feira, 12 de agosto de 2008

Pilatus Aircraft entrega PC-12 Next Generation ao Brasil

A Pilatus Aircraft é uma das expositoras da 5ª edição da LABACE (Latin American Business Aviation Conference and Exhibition), que será realizado entre os dias 14 e 16 de agosto, no aeroporto de Congonhas, em São Paulo. A empresa suíça se prepara para entregar ao mercado nacional o primeiro turboélice PC-12 da versão Next Generation. O modelo será entregue em outubro.

A nova versão da aeronave foi apresentada no ano passado durante a National Business Aviation Association (NBAA), maior feira de aviação executiva do mundo, realizada nos Estados Unidos.

Mas a OceanAir Táxi Aéreo já comercializa o novo modelo desde o ano passado. “A entrega do PC-12 Next Generation no Brasil será feita ao mesmo tempo em que a Pilatus entrega os primeiros modelos da nova versão no mundo. Isso é motivo de orgulho”, destaca José Eduardo Brandão, diretor-comercial da OceanAir Táxi Aéreo, representante comercial exclusiva da Pilatus no Brasil.

O PC-12 é o turboélice mais vendido do mundo. No Brasil, a aeronave também é muito bem aceita pelo mercado por oferecer baixíssimo custo operacional, performance inigualável e operação em pistas rudimentares, requisitos fundamentais para um país das dimensões do Brasil. O PC-12 pode transportar até nove passageiros em sua configuração executiva.

Na versão Next Generation, o PC-12 ganhou novos equipamentos, com sistemas avançados que vão melhorar ainda mais seu desempenho durante o vôo.

O painel totalmente integrado, formado por quatro telas grandes, de 10,5 polegadas, da Honeywell Primus Apex, segue uma tendência da indústria aeronáutica. Quatro telas oferecem melhor campo de visão e informações completas sobre o vôo, motor, configurações da aeronave, pressurização, e controle de ambiente.

A nova versão da aeronave também é equipada com motores Pratt & Whitney Canada mais potentes, passando de 1.600 HP para de 1.800 HP. Isso significa um aumento de 15% na velocidade de subida e de cruzeiro. Outras novidades são as hélices de cristal único (single crystal) e uma nova configuração de compressor.

Representante exclusiva - A OceanAir Táxi Aéreo é a representante exclusiva do Pilatus no Brasil. Além da Pilatus, a OceanAir Táxi Aéreo também comercializa no Brasil os jatos executivos da canadense Bombardier Aerospace, como o LearJet, o Challenger e o Global, bem como os helicópteros Agusta. A empresa faz parte do grupo Synergy, que também inclui a OceanAir Linhas Aéreas, a Vipsa (Equador), Avianca (Colômbia) e a Turbserv, dedicada à revisão de turbinas.

Fonte: Revista Fator

Lucro líquido da TAM cresce 72,7% no primeiro semestre

O lucro líquido da TAM cresceu 72,7% no primeiro semestre de 2008, até R$ 52,7 milhões, apesar do forte aumento dos custos dos combustíveis que afeta as empresas do setor de aviação.

A receita bruta no período chegou a R$ 5 bilhões, graças ao aumento do número de passageiros transportados, até 15,1 milhões, 8,7% a mais que entre janeiro e junho de 2007.

De abril a junho, a empresa lucrou R$ 50,2 milhões, enquanto a receita bruta no período foi de R$ 2,6 bilhões.

O Lucro antes de Juros, Impostos, Depreciação e Amortização (Ebitda) foi de 12% no mesmo período, até R$ 572 milhões.

No entanto, a TAM também reportou fortes aumentos de custos, principalmente de combustíveis, que alcançaram R$ 1,8 bilhão, com um aumento de 51,4% em relação ao primeiro semestre de 2007.

Esse custo maior foi causado pelo crescimento de 19,7% no volume consumido de combustível e de 26,5% no preço médio em reais por litro de combustível.

Para 2008, a TAM prevê um aumento da demanda do mercado nacional de entre 8,0% e 12% e espera aumentar sua oferta de assentos em 14% nos vôos domésticos e 40% nos internacionais.

Fonte: EFE

Petróleo em alta: brasileiro paga mais em passagem e tem menor oferta de assento

Com o efeito do encarecimento do petróleo, os brasileiros vêem os preços das passagens aéreas aumentar e, além disso, diminuir a oferta de assentos em vôos.

A GOL anunciou que o aumento dos gastos com combustíveis, devido ao encarecimento do petróleo, e a concorrência do setor fizeram com que a empresa diminuísse a estimativa de crescimento da oferta de assentos. O combustível corresponde a algo entre 30% e 40% dos custos das companhias e já subiu 34,76% este ano.

A previsão da empresa para a oferta de assentos, segundo informou a Agência Brasil, tanto nos vôos internacionais quanto nos domésticos, no terceiro trimestre deste ano, caiu 5%, em relação à estimativa anterior.

Tarifas mais caras

Além da redução de assentos ofertados, outro efeito do petróleo encarecendo é uma passagem aérea mais cara, a exemplo do reajuste anunciado pela TAM em maio.

Até dezembro, o yield (preço pago por cliente por quilômetro transportado) nacional da empresa deverá crescer 7%, enquanto o internacional sofrerá aumento de 5% (em dólar). A TAM confirmou que o reflexo no preço das tarifas deve ser diluído ao longo do ano. A companhia lembra que as passagens aéreas estavam 19% mais baratas no ano passado, na comparação com 2006.

Diante do encarecimento do petróleo, a OceanAir adotou a restrição de operação em 25 destinos e a uniformização da frota. "A crescente alta do petróleo no mercado mundial e a necessidade de maior eficiência operacional e de custos obrigam a OceanAir a adequar-se ao novo cenário", disse a companhia em nota à imprensa.

Fonte: InfoMoney

WebJet registra pior desempenho de pontualidade em julho

A WebJet foi a companhia aérea brasileira que mais prejudicou seus passageiros com atrasos de mais de 30 minutos em julho. Segundo a Agência Nacional de Aviação Civil (Anac), 31,5% dos vôos da empresa atrasaram mais de meia hora no mês passado. No total, conforme a agência, 15,4% dos vôos do país foram afetados por atrasos em julho.

Além da WebJet, a Varig, subsidiária da Gol, também apresentou resultado pior que a média da indústria em julho. A empresa registrou atrasos de mais de meia hora em 15,9% de seus vôos. Sua controladora, por outro lado, reverteu posição negativa no mês anterior, fechando julho com média de atrasos de 14,4%, abaixo da média geral - ao contrário do que ocorreu em junho.

O melhor desempenho foi obtido pela OceanAir. De acordo com a Anac, 13,2% dos vôos da companhia saíram atrasados em julho. O resultado é significativo, uma vez que, durante dez meses até abril deste ano, a empresa registrou o pior desempenho em atrasos entre as companhias aéreas do país. Em julho de 2007, a empresa registrou atraso de mais de meia hora em 56,2% de seus vôos. Naquele mês, a média da indústria foi de 42,7% das operações com atraso.

A Anac observou que a redução nos índices de atraso das companhias é fruto de medidas tomadas pela agência e por mudanças promovidas pelas próprias empresas. Do lado da Anac, foi elevada a fiscalização sobre as empresas aéreas, além de ter sido promovida mudanças na malha aérea nacional. A agência afirma esperar que as quedas nos atrasos continuem durante a segunda metade deste ano.

Fonte: José Sergio Osse (Valor Online)

Piloto vai ao Senado acusar fundo americano no caso Varig/Variglog

O caso Varig/Variglog volta à pauta do Senado nesta quarta-feira, quando o comandante Élnio Borges Malheiros, presidente da Associação dos Pilotos da Varig (Apvar), vai ser ouvido durante audiência pública na Comissão de Relações Exteriores e Defesa Nacional (CREDN). O novo depoimento de Malheiros – em 9 de julho, ele falou sobre o assunto na Comissão de Serviços de Infra-Estrutura (CI) – atende a um requerimento do senador Flexa Ribeiro (PSDB-PA). O objetivo, segundo o parlamentar, é: - esclarecer denúncia sobre suposto favorecimento, pela Casa Civil da Presidência da República, ao fundo americano de investimentos Matlin Patterson, durante o processo de compra da Varig pela Variglog.

- Em decorrência de novos fatos sobre a transação que envolveu a compra e venda da Varig e Varilog, o comandante Élnio Borges certamente tem informações que irão complementar os esclarecimentos que já prestou perante a Comissão de Serviços de Infra-Estrutura - afirma Flexa Ribeiro, na justificativa do requerimento.

Localizado em Bruxelas, na Bélgica, o comandante Malheiros falou por telefone com a reportagem do Jornal do Brasil. Ele não quis adiantar o conteúdo do depoimento desta quarta, mas ressaltou que está se preparando para falar sobre a suposta influência do fundo Matlin Patterson em ações do Judiciário e do Executivo.

– Os fatos novos dizem respeito a assuntos que demonstram o exercício de força feito pela Matlin Patterson e de como ela consegue influenciar os poderes Judiciário e Executivo – adiantou.

Malheiros chega ao Brasil nesta quarta e segue para Brasília. O comandante classificou seu depoimento no Senado como uma “apresentação”.

– É um conjunto que estamos preparando para poder apresentar no Senado. Mas não tenho como adiantar o conteúdo – insistiu.

Em 9 de julho, em seu depoimento na CI, o comandante classificou de “fraude” a negociação feita em 2006. Na época, a Variglog era controlada pelo fundo de investimentos americano Matlin Patterson junto aos sócios brasileiros Marco Antonio Audi, Marcos Haftel e Luis Eduardo Gallo, da empresa Volo do Brasil. Segundo Malheiros, os sócios da Volo seriam, na verdade, testas de ferro da Matlin Patterson. A legislação brasileira proíbe que grupos estrangeiros controlem mais de 20% de empresas aéreas nacionais.

Novos diretores

Em 1º de abril, por decisão do juiz auxiliar José Paulo Camargo Magano, da 17ª Vara Cível de São Paulo, os sócios brasileiros foram afastados da direção da Variglog por “gestão temerária”. Foi dado um prazo para a Matlin Patterson apresentar os nomes de novos diretores brasileiros, visando atender à legislação. As pessoas apresentadas são a chinesa naturalizada Chan Lup (51% das ações) e o americano, também naturalizado, Marcussen Miller (29%).

Denúncias sobre uma suposta atuação da Casa Civil na ação que resultou na venda da antiga Varig para a Variglog foram confirmadas pela ex-diretora da Agência Nacional de Aviação (Anac), Denise Abreu, que também prestou depoimento na Comissão de Infra-estrutura do Senado. Denise disse que foi pressionada pela ministra Dilma Roussef para beneficiar o Matlin Patterson na operação de compra da Varig. O advogado Roberto Teixeira, compadre do presidente Luiz Inácio Lula da Silva, também foi acusado, por Audi, de ter praticado tráfico de influência ao usar o nome de Lula para “abrir portas”.

Fonte: Jornal do Brasil

Boeing pode desistir de licitação bilionária

A Boeing pode desistir de participar da licitação da Força Aérea dos Estados Unidos para o fornecimento de aviões-tanque especiais que abastecem aeronaves militares em pleno vôo.

A informação, divulgada no site da revista Aviation Week, indica que a empresa aeronáutica não está segura de poder atender às exigências para o fornecimento em tempo hábil.

Tal decisão deixaria o caminho livre para o consórcio EADS-Northrop Grumman na disputa pelo contrato no valor de US$ 35 bilhões. O contrato havia sido atribuído inicialmente à EADS-Northrop, em prejuízo da Boeing, mas a decisão foi cancelada por decisão de uma comissão do Congresso norte-americano.

Fonte: Gazeta Mercantil

TAP com condições para sobrevoar a crise e sair ilesa

“Se achou a sua última visita a uma bomba de gasolina uma experiência dolorosa, agradeça o facto de não conduzir um Boeing 747.”

É com humor que começa o relatório do Blue Oar, banco de investimento britânico, sobre o sector de aviação, mas as páginas seguintes estão longe de ser animadoras.

Cerca de 50 companhias de aviação europeias podem não sobreviver à crise do petróleo e mesmo as medidas que estão em curso – a diminuição de voos, eliminação de rotas, aumento das tarifas, só para citar alguns – podem ser insuficientes para evitar o colapso da aviação europeia. Mas há boas notícias para algumas das companhias aéreas, TAP incluída.

O relatório veio confirmar que Fernando Pinto fez bem o trabalho de casa. A aposta no Brasil e em algumas capitais africanas – ao mesmo tempo que transformava Lisboa numa placa giratória – garantiu-lhe um mercado de longo curso baseados em relações culturais que irão sustentar a empresa ao longo deste período. Ainda assim, Fernando Pinto não baixa os braços e insiste em ouvir os trabalhadores sobre a melhor forma de cortar custos.

Fonte: Diário Econômico (Portugal)

Avião cai em estacionamento de supermercado e mata três nos EUA

Queda ocorreu em Easton, no estado de Massachusetts.

Aeronave levava paciente para tratamento em Boston.


Bombeiro observa destroços de avião que caiu em estacionamento de supermercado em Easton, no estado americano de Massachusetts, nesta terça-feira

Três pessoas morreram no acidente. O avião estaria levando um paciente para tratamento médico em Boston, capital do estado. Ainda não se sabe qual foi o motivo da queda

Três pessoas, incluindo um casal de Long Island, morreram nesta manhã de terça-feira (12), quando um monomotor Beechcraft G35 Bonanza(1956)numa missão de transporte de pacientes portadores de câncer, caiu no estacionamento de um supermercado na cidade de Easton a leste do Estado de Massachusetts, nos EUA.

Segundo testemunhas, após a queda, o avião explodiu e incendiou-se.

O avião 1956 Beechcraft Bonanza G35 voava de Westhampton Beach, NY, para o Aeroporto Internacional Logan. A operadora do avião, Angel Flights East faz vôos de caridade há 12 anos com voluntários da "rede aérea de caridade" que oferece transporte gratuito aos hospitais.

O impacto ocorreu logo após as 10:15 (hora local).

O avião é de propriedade da Janet Keene, 69, de Brookfield, no entanto, ela não estava a bordo.

Investigação preliminar sugere que não houve "nada de errado" com o avião. O avião desapareceu do radar a cerca de 20 milhas a sudoeste de Logan.

O Vice-Chefe de Polícia de Easton, Krajcik Allen, disse que testemunhas viram o avião voando baixo, a cerca de 300 a 400 pés acima do sol,o quando ele saiu das nuvens com o nariz inclinado para baixo mergulhando para a morte.

Testemunhas disseram que o Beechcraft pegou fogo logo após cair próximo ao Supermercado Hannaford.

"Foi muita sorte ninguém no estacionamento ficar ferido. Foi um milagre", disse Krajcik.

O gerente do supermercado Hannaford, Arthur DeChellis, disse: "Nós só ouvimos uma explosão. Eu pensava que na verdade fosse um caminhão."

DeChellis disse a um colega para ligar para o 911, enquanto ele correu para fora a fim de ajudar.

"Eu vi o fogo apenas quando vim para fora", disse ele.

Jennifer Esmond, 27, de Foxboro, que tinha acabado de estacionar no supermercado para ir às compras, disse que o avião estava voando tão baixo que lançou uma sombra escura sobre ela. Segundos depois, ele caiu no solo.

"Eu podia ver claramente a cauda. Não houve a descida do trem de pouso. Não houve qualquer tentativa de reverter a queda. Ele caiu com o nariz para baixo e irrompeu numa bola de chamas. Havia fumaça preta por toda parte ", disse ela para a imprensa.

Esmond disse acreditar que duas das pessoas a bordo foram lançadas para fora do avião. Ela viu dois corpos caídos sobre um aterro próximo, imediatamente depois que o avião caiu.




Fontes: Boston Herald / NECN - Foto: Robert Klein (AP) / Mark Garfinkel

Polícia prende casal suspeito de fraudar companhias aéreas

Prejuízo causado às empresas pode chegar a R$ 1 milhão.

Casal foi preso em uma cobertura de frente para o mar em Saquarema.

Agentes da Delegacia de Roubos e Furtos (DRF) vão apresentar na tarde desta terça-feira (12) um casal preso em Saquarema, Região dos Lagos do Rio, suspeito de participar de uma quadrilha acusada de fraudar companhias aéreas. Os prejuízos causados aos cofres destas empresas podem chegar a R$ 1 milhão. As informações são da assessoria da Polícia Civil.

O casal foi preso em uma cobertura de frente para o mar, em Saquarema. Segundo a polícia, na garagem deles foram apreendidas uma Mercedez Benz classe A e uma motocicleta importada.

Os agentes chegaram até os suspeitos por meio de uma investigação iniciada em janeiro deste ano. Segundo a polícia, o casal recebia dados de cartões de crédito furtados por um frentista. Depois, os suspeitos adquiriam passagens aéreas das empresas e vendiam os bilhetes pela metade do preço.

Fonte: G1

Avião da Força Aérea do Chile cai no mar. Piloto é resgatado

O piloto de um avião Piper Dakota PA28-236 da Força Aérea do Chile que caiu no mar quando se dirigía de Iquique a Tocopilla foi resgatado na tarde de segunda-feira (11) com vida, segundo confirmou a própria instituição.

O sub-tenente da FACh (Fuerza Aérea de Chile) Pablo Herbias alertou sobre problemas na aeronave às 14:30 (hora local), quando estava situado a uns 25 quilômetros da base aérea Los Cóndores, e alertou para uma emergência no vôo.

De imediato, foi alertado o "Servicio de Búsqueda y Salvamento Aéreo" o qual com meios institucionais e da Armada do Chile, iniciou o rastreamento da aeronave.

Em comunicado à imprensa, a FACh informou que o oficial foi encontrado às 17:15 horas, com lesões leves e fora de perigo.

O resgate foi realizado por um helicóptero com o apoio da Armada do Chile a 6 quilômetros da costa, em frente ao setor de Chanaballita, ao sul de Iquique.

Posteriormente o piloto foi levado ao hospital regional de Iquique.

Fonte: El Mercurio (Chile)

Geórgia diz que abateu pelo menos 80 aviões russos

Torre de radar militar georgiano, nos arredores de Tbilisi, destruído em bombardeio russo

A Geórgia abateu pelo menos 80 aviões russos, assegurou nesta segunda-feira o presidente georgiano Mikhail Saakashvili em uma coletiva por telefone.

"Os georgianos derrubaram entre 80 e 90 aviões russos, e mataram várias centenas de militares russos. Lamentamos profundamente a perda de vidas", afirmou Saakashvili.

Aviões russos bombardearam radares do aeroporto internacional de Tbilisi na madrugada desta segunda-feira, danificando-os "ligeiramente", e lançaram bombas sobre a cidade de Gori (centro da Geórgia), anunciou o ministro georgiano do Interior.

"Os russos bombardearam os radares do aeroporto internacional de Tbilisi. Os radares foram ligeramente danificados e o aeroporto continua funcionando normalmente", disse o porta-voz, Shota Utashvili.

Utashvili informou ainda que "dezenas de aviões militares russos bombardearam objetivos civis em Gori".

Gori é a maior cidade georgiana nas proximidades da região separatista e aliada da Rússia da Ossétia do Sul, onde forças russas e georgianas disputam o controle da região desde quinta-feira.

Fonte: AFP

Embraer entrega último avião de frota encomendada por Colômbia

A Embraer entregou na segunda-feira (11) o último dos 25 aviões de combate tático Super Tucano encomendados pela Força Aérea Colombiana (FAC), que vêm sendo usados no combate à guerrilha.

A aeronave foi entregue em cerimônia especial na sede da Embraer na cidade de São José dos Campos, já que a Colômbia foi o primeiro cliente estrangeiro a encomendar este tipo de avião militar brasileiro, informou a empresa em comunicado. O primeiro avião foi entregue em dezembro de 2006.

O acordo da Embraer com a Colômbia, assinado em dezembro de 2005 no valor de US$ 234 milhões, prevê ainda um projeto de treino e suporte às operações com estações em terra.

As aeronaves Super Tucano foram usadas por militares colombianos na operação efetuada há cinco meses no Equador, que resultou na morte de "Raúl Reyes", número dois das Forças Armadas Revolucionárias da Colômbia (Farc).

O Super Tucano, um turboélice militar multi-função, entrou em operação na Força Aérea Brasileira (FAB) em dezembro de 2003, para ser utilizado como avião de treino de pilotos e para algumas missões operacionais.

O avião é uma evolução do Tucano, que teve 650 unidades vendidas a forças aéreas de 15 países, e permite, além de treinamento de pilotos, eficácia operacional a baixo custo.

Segundo a Embraer, a aeronave é capaz de aterrissar em pistas de até 500 metros, alcançar uma altura de 35 mil pés e voar a uma velocidade de até 550 km/h.

Fonte: EFE - Foto: Embraer

Aposentado de 80 anos realiza sonho de voar


A paixão de Lodovino Costa por aviões surgiu ainda na infância. A realização do desejo dele foi um presente de Dia dos Pais. O vôo durou 15 minutos.

Fonte: Bom Dia São Paulo (TV Globo)

Cabral defende concessão do Galeão ao setor privado

O governador do Rio de Janeiro, Sérgio Cabral Filho (PMDB), defendeu ontem (11) na Assembléia Legislativa a concessão do Aeroporto Internacional Tom Jobim (Galeão) para a iniciativa privada. De acordo com o governador, o presidente Luiz Inácio Lula da Silva "se mostrou sensível" ao assunto tratado por ambos na viagem a Pequim para a abertura dos Jogos Olímpicos. Cabral disse que o tema foi debatido porque o Galeão teria sido o responsável pela pior nota atribuída pelo Comitê Olímpico Internacional (COI) à candidatura do Rio para sediar as Olimpíadas de 2016. "O COI exige a entrega de propostas concretas para resolver os problemas apontados pela entidade", afirmou.

"O presidente Lula não vai admitir que o Galeão seja o vilão responsável pela derrota do Brasil nas Olimpíadas de 2016", disse Cabral em seu discurso no evento "Tom Jobim: o futuro é agora - soluções para a retomada da importância estratégica do Aeroporto Internacional para o estado e o País". Cabral dirigiu-se ao presidente da Infraero, Sergio Gaudenzi, que estava no evento, e pediu "vamos largar esse osso. Os aeroportos de Lima e Quito hoje possuem mais investimentos que o Galeão. Esse debate não é ideológico, pois a soberania nacional está ligada apenas ao controle do espaço aéreo", defendeu Cabral.

O presidente da Infraero respondeu que a decisão de conceder ou não o aeroporto para iniciativa privada depende do presidente e do ministro da Defesa, Nelson Jobim. "Os aeroportos são da União. A Infraero apenas opera. Logo, a decisão de privatizar, conceder ou alugar não é nossa." Gaudenzi acrescentou que investimentos de R$ 400 milhões estão previstos até 2010 para o Galeão e que a "programação será cumprida". Ele defendeu a abertura de capital da estatal e disse que um estudo sobre o assunto realizado pelo Banco Nacional de Desenvolvimento Econômico e Social (BNDES) estará pronto em seis meses.

Fonte: Agência Estado

Acidente de helicóptero em Ceilândia completou um ano

No sábado (9) fez um ano que o helicóptero dos bombeiros caiu, perto de Ceilândia.

Em homenagem ao três mortos, a Corporação fez um minuto de silêncio.

O acidente aconteceu durante um atendimento. No momento da subida, a maca usada para transportar o corpo encontrado no meio da mata encostou numa das hélices. O piloto perdeu o controle e o helicóptero caiu. Os três bombeiros que estavam dentro morreram.

O inquérito militar que apura a causa do acidente ainda não foi concluído. Uma análise preliminar apontou que o vento pode ter contribuído para a queda. Diante do fato, o GDF passou a pagar seguro de vida para os bombeiros. E prometeu o chamado adicional de periculosidade. Mas um ano depois, o prometido não saiu do papel.

Uma emenda de autoria do deputado federal Geraldo Magela, que possibilitava a criação da gratificação, chegou a ser votada no Congresso. Mas foi vetada pelo presidente da República, por vício de iniciativa - quando o projeto só pode ser proposto pelo Executivo. Isso porque o dinheiro que seria usado para o pagamento sai do Fundo Constitucional, que vem da União.

“Os bombeiros arriscam a vida diuturnamente para dar segurança ao povo do Distrito Federal. Como a Polícia Civil e o Detran já recebem valor do risco de morte, é importante que esses profissionais também recebam”, argumenta o presidente da Associação dos Policiais e Bombeiro Militares do DF, deputado Cabo Patrício.

O GDF alega que a gratificação ainda está em estudo e não saiu por se tratar de aumento de despesa. Sobre o helicóptero que caiu, como o governo não pagou o seguro, não teve direito a outro. Mas a corporação ganhou do governo federal a aeronave usada nos Jogos Pan-americanos.

“Essa aeronave hoje serve para a corporação no serviço de busca, salvamento e combate a incêndios florestais. Na última vez, utilizamos na operação que ajudou o garoto que foi atacado por cães. Nesse caso, a aeronave funcionou no serviço aeromédico”, diz o tenente-coronel Maciel Nogueira, chefe da comunicação do Corpo de Bombeiros.

O GDF estuda a possibilidade de conceder a gratificação junto com o próximo reajuste que será dado a policiais militares e bombeiros. O aumento deve sair no início do ano que vem.

Fonte: DFTV (TV Globo)

Representante de controladores de vôo é detido pela Aeronáutica

Presidente da Febracta vai ficar detido por seis dias por ter "faltado ao serviço".

Sindicato acusa prisão de ser "terrível perseguição".


O presidente da Federação Brasileira das Associações de Controladores de Tráfego Aéreo (Febracta), sargento Carlos Henrique Trifilio, foi detido nesta segunda-feira (11) pelo Comando da Aeronáutica. O sargento cumprirá uma pena administrativa de seis dias de detenção no alojamento da Base Aérea de Guarulhos, em São Paulo, por ter faltado ao serviço, sem comunicar a ausência, segundo informou a assessoria de imprensa da Aeronáutica. De acordo com a Agência Brasil, é a segunda punição administrativa imposta a Trifilio.

Em junho do ano passado, o sargento foi preso por 20 dias por ter concedido uma entrevista sem estar autorizado. Na ocasião, ele criticou o sistema de controle de tráfego aéreo brasileiro. O advogado da Febracta Roberto Sobral confirmou a detenção, mas disse que não sabe onde Trifilio está detido. Sobral disse que a prisão do sargento era "uma represália às críticas da federação ao Comando da Aeronáutica".

Segundo Sobral, mais de 60 controladores de vôo foram afastados de suas funções, entre eles o sargento Trifilio. "O que a Força Aérea Brasileira está fazendo para ocultar as falhas do sistema aéreo é prender todos os que as apontam", denunciou Sobral. "O País está precisando de controladores e a Aeronáutica transfere alguns dos melhores profissionais para funções que não tem nada que ver com o controle do tráfego aéreo", acrescentou.

Sobral afirmou ainda que o sargento está com sérios problemas de saúde e que não vem recebendo o tratamento adequado da Aeronáutica. "Ele está com problemas psicológicos, com suspeita de hepatite, e não consegue se tratar. Ele chegou a perder 17 quilos. É covarde a perseguição que ele e a Febracta estão sofrendo."

O presidente do Sindicato Nacional dos Trabalhadores na Proteção ao Vôo (SNTPV), Jorge Botelho, disse que a prisão de Trifilio deixa claro a "terrível perseguição" que o profissional vem sofrendo. "Já não é mais uma questão institucional, de cumprir o regulamento, mas sim um retaliação covarde e mesquinha. A coisa com ele é pessoal", afirmou Botelho.

Regulamento

Pelo Regulamento Disciplinar da Aeronáutica, a determinação para que um militar cumpra prisão administrativa é precedida por um processo interno instaurado para apurar a gravidade da transgressão disciplinar. Durante o processo, o militar tem a oportunidade de apresentar sua justificativa. No entanto, nos casos de falta ao serviço, é comum que os militares comuniquem imediatamente a razão da ausência. A assessoria de imprensa da Aeronáutica informou que não comentaria as denúncias do advogado da Febracta

Fontes: G1 / Agência Estado

segunda-feira, 11 de agosto de 2008

Passageiros denunciam overbooking após colisão de avião da TAM com urubu

Anac recebeu reclamações de que empresa deixou de embarcar passageiros para resolver problema.

Anac recebeu reclamações de passageiros que se sentiram lesados

Na Agência Nacional de Aviação Civil - ANAC -, passageiros reclamam que a companhia aérea TAM estaria praticando overbooking, venda de passagens acima da capacidade da aeronave. O problema estaria acontecendo depois da colisão de um urubu com um air bus da companhia no início da tarde da quinta-feira (7), que forçou a acomodação de passageiros em outros vôos. Um problema teria sido criado para se resolver outro.

Rafaela Inocêncio, 26 anos, ia para Recife/PE no vôo das 15h55min. Agora só poderá viajar às 23h19min. "É uma falta de respeito. Passei mais de uma hora na fila", disse.

O empresário João Freitas pensa da mesma forma. Ele iria para São Paulo, mas teve de esperar depois do acidente. Ambientalista, João disse que a questão não deveria girar em torno dos urubus. "O problema é o lixão na região que as autoridades precisam resolver", analisou.

Carminia Freitas também ia para São Paulo. "Ainda bem que não tinha compromisso de negócios", afirmou, lembrando que várias pessoas podem ter ficado no prejuízo. Ela está desde 14h no aeroporto esperando para viajar.

A reportagem tentou localizar a assessoria de imprensa da TAM, mas não obteve retorno até a publicação da reportagem.

Fonte: Cidade Verde - Fotos: Yala Sena/Cidadeverde.com

Controladores divulgarão documentos na internet em resposta a afastamento de colegas pela Aeronáutica

Após meses de silêncio, os controladores de vôo vão divulgar na internet documentos relativos às panes e falhas sistêmicas do controle aéreo. Como mostra reportagem do" Globo", nesta segunda-feira (11), é uma resposta ao afastamento de 74 profissionais em todo o país pelo Comando da Aeronáutica, mais de um ano depois de adotar a linha dura contra os controladores como reação à crise aérea.

E vão além: em nova ação contra a Força Aérea Brasileira (FAB) no Supremo Tribunal Federal (STF), acusam o comandante Juniti Saito e o ex-comandante Luiz Carlos Bueno de omissão e responsabilidade pelos acidentes dos vôos TAM 3054 e Gol 1907.

Entre os controladores afastados - alguns deles com 20 anos de experiência - 24 foram acusados de crime de motim pela paralisação em 30 de março de 2007, que fechou o espaço aéreo brasileiro. O restante foi desligado ou transferido para cargos longe das salas de controle.

A assessoria de imprensa da FAB informou que os afastamentos não trazem maiores dificuldades no controle aéreo, onde a falta de pessoal foi o primeiro gatilho do apagão aéreo após o acidente da Gol, em setembro de 2006. Segundo a FAB, está sendo implementado um "estudo de substituição".

Fonte: O Globo

Anac: vôos registram menor nível de atraso em 15 meses

A Agência Nacional de Aviação Civil (Anac) informou hoje (11) que o índice de atrasos na aviação regular caiu em julho ao menor índice já registrado em 15 meses. Segundo o órgão, em julho de 2007, 42,7% dos vôos no Brasil decolavam com atrasos superiores a 30 minutos. Um ano depois da crise provocada após o acidente com o Airbus da TAM, em 17 de julho de 2007, quando 199 pessoas morreram, o índice de atrasos recuou para 15,4%. Segundo a Anac, o índice está dentro do padrão de países desenvolvidos. A agência informa que no Reino Unido, por exemplo, os atrasos acima de 30 minutos em 2008 estão entre 15% e 18%. No Brasil, por sua vez, os atrasos acima de 30 minutos não chegaram a superar a marca mensal de 25% nos sete primeiros meses de 2008.

Os dados são acompanhados pela Anac a partir de informações computadas pela Empresa Brasileira de Infra-Estrutura Aeroportuária (Infraero) nos 67 aeroportos administrados pela estatal e abrangem as operações das cinco maiores companhias da Aviação Regular nacional - TAM, Gol, Varig, Webjet e OceanAir, que detêm 98% do mercado doméstico brasileiro. A agência destaca ainda que se considerado o referencial de atrasos utilizado até o início do ano - de 60 minutos - a redução do índice seria ainda maior: de 25,8% em julho de 2007, para 5,5% no mês passado. A Anac destaca ainda que os aeroportos brasileiros receberam 2,4 milhões de passageiros a mais de junho de 2007 a junho de 2008 (as informações de julho de 2008 ainda não estão disponíveis).

Segundo avaliação da Anac, a redução dos atrasos deve-se a uma série de ações das autoridades do setor e a adaptações feitas pelas próprias empresas aéreas. "A Anac, por exemplo, reorganizou a malha aérea brasileira e aumentou a fiscalização sobre as companhias para identificar e corrigir as razões que provocavam atrasos", afirma em nota. A expectativa é de que os índices de atraso continuem em queda durante o segundo semestre de 2008.

Fonte: Agência Estado

TAM e Gol se antecipam à concorrência da Azul

A chegada da Azul Linhas Aéreas ao mercado, prevista para janeiro de 2009, já está mobilizando os concorrentes. Na semana passada, TAM e Gol entraram na Agência Nacional de Aviação Civil (Anac) com pedidos de autorização de vôo (hotrans) para rotas de interesse da nova companhia de David Neeleman.

As duas líderes, que detêm mais de 90% do mercado doméstico, querem autorização para voar do centro do Rio de Janeiro (Santos Dumont), para Vitória, Brasília e Pampulha (centro de Belo Horizonte) e também de Pampulha para Congonhas. Esses vôos hoje estão proibidos por uma portaria do antigo Departamento de Aviação Civil (DAC), antecessor da Anac, que limitou o uso do Santos Dumont para as rotas da Ponte Aérea (Congonhas) e para a aviação regional, enquanto Pampulha ficou restrito à aviação regional. Na época, o objetivo era transferir demanda para os aeroportos do Galeão e Confins, que estavam ociosos.

A movimentação de TAM e Gol acontece justamente no momento em que a Azul está se articulando para acabar com as restrições em Pampulha e Santos Dumont. "Dos contatos iniciais que a Azul teve com as autoridades brasileiras, ficou claro que o ambiente legal permite o uso dos aeroportos de Santos Dumont e Pampulha para outros destinos", afirma o diretor de assuntos institucionais da Azul, Adalberto Febeliano. Ele explica que a portaria que estabeleceu as restrições, ainda em vigor, é conflitante com a lei que criou a Anac, que a impede de estabelecer restrições em aeroportos por razões que não sejam de segurança.

O executivo afirma que a empresa foi informada sobre a ‘ilegalidade’ da portaria pelo próprio Ministério da Defesa e pela Anac e que o governo tem interesse em abrir esses dois aeroportos. "As companhias tiveram uma reunião com o ministro Nelson Jobim (Defesa) no dia 9 de julho e ele quis saber a opinião da indústria sobre a abertura dos dois aeroportos." Segundo Febeliano, TAM e Gol/Varig teriam se manifestado contra o fim das restrições. "Tudo o que a Azul quer é a livre competição e contamos que o bom senso prevalecerá", completa o diretor de marketing da Azul, Gianfranco Beting.

Por meio de sua assessoria de imprensa, a Anac confirma que a flexibilização das restrições no Santos Dumont e em Pampulha está em estudos e que novas regras devem ser anunciadas até o final do ano.

Em tese, o fim das restrições favorece a Azul e outras empresas pequenas, como OceanAir e a Webjet. Mas, como uma eventual abertura valeria para todos, as duas líderes saíram na frente.

"Quando a Azul começar a voar, em janeiro, ela terá apenas três aviões, enquanto TAM e grupo Gol/Varig terão cem ou mais aviões cada", compara o consultor Paulo Bittencourt Sampaio "Com essa capacidade, as duas líderes podem tranqüilamente perder dinheiro fazendo essas linhas do Neeleman. Elas põem a tarifa lá em baixo e inviabilizam a operação da Azul. O preço é livre, ninguém poderá impedi-las de fazer promoções."

De acordo com o plano de operações apresentado pela Azul à Anac, a nova companhia aérea pretende, inicialmente, estabelecer bases no Santos Dumont, em Campinas e em Curitiba. Operando com o jato Embraer 195, de cem lugares, a Azul nasce com um capital inicial de US$ 150 milhões. Ao anunciar o novo investimento no Brasil em março deste ano, David Neeleman declarou que sua intenção era oferecer prioritariamente vôos sem conexões entre grandes cidades fora do eixo Rio, São Paulo e Brasília. "Esperamos conseguir slots em Guarulhos, Congonhas e Santos Dumont. Mas o fato é que nossa estratégia não depende de obter slots nesses aeroportos", disse ele à época.

Congonhas - Além da disputa pela abertura de Pampulha e Santos Dumont, uma batalha ainda mais polêmica deverá ser travada em torno dos slots (espaços para pousos e decolagens) de Congonhas. A Anac apóia a entrada de novos concorrentes para fazer frente ao duopólio TAM e Gol e estuda a adoção de novas regras para a distribuição de slots. "A ponte aérea é a terceira rota mais movimentada do mundo e evidentemente nos interessa", afirma o presidente executivo da Azul, Pedro Janot. "Se forem disponibilizados mais slots em Congonhas, aceitaremos de muito bom grado."

Fonte: Repórter Diário

Aviões voarão mais lentamente para emitir menos CO2

As companhias áreas fazem parte do novo setor de comércio de emissões de gases poluentes da União Européia (UE). A partir de agora, eles terão que reduzir a velocidade dos aviões, utilizar biocombustíveis, modernizar a frota, e buscar rotas de vôo mais curtas são apenas algumas das medidas que terão que tomar. O objetivo é reduzir impactos ambientais derivados do consumo de combustíveis fósseis.

Empresas norte-americanas como a Southwest Airlines e JetBlue Airways foram pioneiras em diminuir velocidade de seus aviões. Cerca de US$ 42 milhões foram poupados em 2008 somente para a primavera. As conseqüências de tais medidas em vôos interiores parecem não incomodar os viajantes, já que o aumento da duração dos trajetos fica entre um e três minutos.

Outras companhias calculam que para vôos maiores, o tempo adicionado pode chegar em até oito minutos e o combustível economizado em 613 litros. A renovação das frotas será um dos principais meios encontrados pelas empresas aéreas para atingir os objetivos. O que ninguém parece conseguir definir, entretanto, é o impacto disso no preço dos bilhetes.

O prognóstico da UE é de que em 2020 se duplicará o aumento de emissões de gases poluentes caso nada seja feito. O ministro da Indústria, Miguel Sebástian, apresentou o plano de Economia e Eficiência Energética, no qual 31 pontos orientam a otimização de vôos que "permitirão que a longitude das rotas comerciais seja reduzida em 10%", explica Sebastián. A UE espera que cheguem 16 milhões de toneladas a menos à atmosfera por ano.

Lufthansa, Virgin Atlantic, Japan Airline e KLM têm realizado vôos testando biocombustíveis. Já o aeroporto de São Francisco, por exemplo, realizou desde dezembro de 2007 até março de 2008, 57 aterrissagens, que obedeceram a um sistema de economia de 39% do consumo de combustível.

Fonte: SRZD

Pequeno avião cai em floresta no Missouri (EUA)

Um homem morreu após seu pequeno avião Cessna 182 cair na Floresta Nacional Mark Twain, no Missouri (EUA), no domingo (10).

As autoridades identificaram o homem como Theodore "Ted" Anderson, de 77 anos.

O acidente aconteceu logo após 14:00 (hora local) próximo a Shell Knob, um pouco a oeste do entroncamento das rodovias 39 e 76.

Anderson havia acabado de decolar do aeroporto de Shell Knob e, segundo testemunhas, o avião voou direto para baixo e uma coluna de fumaça surgiu por entre as árvores.

As equipes de emergência tiveram que viajar ao longo de estradas inundadas para atingir o local da queda. Eles dizem que o avião ficou enterrado em uma ravina a cerca de duas milhas dentro da floresta.

Um relatório divulgado pelo escritório da polícia local informa que uma falha mecânica provocou o acidente, mas a FAA terá que confirmar isso.

Fonte: KY3.com

Avião da Gol cancela decolagem em Guarulhos

Um avião da Gol cancelou a decolagem, na manhã de domingo (10), no Aeroporto Internacional de São Paulo, em Guarulhos.

Segundo informações de funcionário do aeroporto, o problema ocorreu durante o push-back, e o avião foi empurrado por cerca de 15 metros, de volta a área remota.

Os 160 passageiros do vôo 1944, com destino a Porto Alegre (RS), tiveram de esperar quase 5 horas até que o problema fosse resolvido. A partida, prevista para as 10h40, aconteceu somente às 16h30, segundo informações da própria empresa.

Em nota, a companhia informa que "um problema técnico ao iniciar a partida dos motores" causou a interrupção da decolagem. Depois de passar por manutenção, o avião foi liberado para seguir vôo. Segundo a companhia, os passageiros foram desembarcados e receberam o atendimento de acordo com o regulamento da Agência Nacional de Aviação Civil (Anac).

Fonte: Jorge Tadeu

Avião russo ataca equipe da BBC na Geórgia

Apesar do anúncio de cessar-fogo da Geórgia, proposto no último domingo, a Rússia continuou a realizar ataques aéreos na região

Apesar do anúncio de cessar-fogo da Geórgia, proposto no último domingo, a Rússia continuou a realizar ataques aéreos na região.

Enquanto filmava um bombardeio da Rússia à cidade georgiana de Gori, no domingo à tarde, uma equipe da BBC foi atacada por um avião russo.

Equipe da BBC foi atacada por um avião russo enquanto filmava um bombardeio à cidade de Gori

Três mísseis foram disparados e caíram perto dos veículos da equipe. Ninguém ficou ferido.

A cidade de Gori, que fica perto da região da Ossétia do Sul, foi parcialmente destruída por bombardeios russos durante o último fim-de-semana.

Segundo a agência de refugiados da ONU, somente em Gori 46 mil pessoas estão sem abrigo.

Fonte: BBC

Aviões russos atacam Tbilisi

Pelo menos 50 aviões russos atacaram o território da Geórgia, incluindo a capital, Tbilisi, informou o ministério georgiano das Relações Exteriores na manhã desta segunda-feira (11).

"As ações da Federação da Rússia não colocam em risco apenas a vida dos cidadãos da Geórgia, mas também de convidados estrangeiros de alta hierarquia", afirmou a chanceleria em um comunicado, que referindo-se à "situação das 08H21 de segunda-feira" (04H21 GMT).

O ministro francês das Relações Exteriores, Bernard Kouchner, cujo país ocupa atualmente a presidência rotativa da União Européia, chegou neste domingo a Tbilisi.

Fonte: AFP

Comparação mostra desproporção entre forças da Rússia e da Geórgia

Geórgia tem cerca de 12 mil soldados, comparados com mais de 1 milhão da Rússia.

O poderio militar da Geórgia é minúsculo se comparado ao da Rússia, apesar do treinamento e armamento recebido dos americanos e israelenses nos últimos anos.

Ao todo, as tropas georgianas contam com cerca de 20 mil soldados, dos quais apenas aproximadamente 12 mil seriam preparados para o combate.

Em contrapartida, a Rússia conta com mais de 1 milhão de soldados, 1,7 mil aviões e 6 mil tanques.

Mesmo que apenas uma pequena parte deste poderio tenha sido enviado à Geórgia, não há muito que o Exército georgiano possa fazer para reagir uma vez que Moscou decida realizar uma ofensiva militar.

Ofensivas

Apesar de as Forças Armadas da Rússia não serem tão treinadas e eficientes quanto as dos seus parceiros ocidentais, a vantagem do país, especialmente no seu poder aeronáutico, foi decisiva.

Mesmo assim, a ação militar da Rússia na Geórgia foi, até agora, relativamente contida se comparada com suas ofensivas durante os dois anos de guerra na Chechênia, quando a capital, Grozny, foi reduzida a escombros.

Os bombardeios aéreos realizados pelas forças russas parecem ter sido esporádicos e programados principalmente para causar choque, ao invés de provocar destruição massiva.

Certamente a iniciativa militar continua com a Rússia, e apesar da pressão para o fim do conflito, pouco parece atrapalhar Moscou para que consiga atingir quaisquer que sejam seus principais objetivos.

Fonte: BBC

CLIQUE AQUI E VEJA A CRONOLOGIA DA OFENSIVA MILITAR

domingo, 10 de agosto de 2008

Anac eleva indenização por morte e bagagem

A Anac (Agência Nacional de Aviação Civil) reajustou em 188% as indenizações a serem pagas pelas companhias aéreas por morte ou lesão corporal em acidentes aéreos e por perda ou dano à bagagem.

No caso de morte ou lesão, o valor passa de R$ 14.223,64 para R$ 40.950. Para problemas com a bagagem, salta de R$ 609,59 para R$ 1.755.

As empresas têm 180 dias para adequar seus contratos de seguro à resolução. O prazo começou a contar na quinta-feira.

A decisão da Anac foi tomada após recomendação do Ministério Público Federal em SP.

Segundo o Cenipa (Centro de Investigação e Prevenção de Acidentes Aeronáuticos), 2007 registrou um recorde no número de acidentes aéreos e de mortes desde 1999 - foram 99 e 270, respectivamente.

A principal razão para isso foi o acidente com o Airbus-A320 da TAM, que fez 199 vítimas. Neste ano, o Cenipa contabiliza, até 31 de julho, 56 acidentes, com 38 mortes.

A Folha procurou o Snea (Sindicato Nacional de Empresas Aeroviárias). A entidade disse que tentaria achar seu advogado para comentar o assunto, o que não ocorreu até a conclusão desta edição.

Fonte: Folha Online

Relatório sobre acidente da Gol não tem prazo para ser concluído

O relatório do Centro de Investigação e Prevenção de Acidentes Aeronáuticos (Cenipa) com as causas do acidente entre o Boeing da Gol e o jato Legacy ainda levará vários meses para ser concluído. A informação foi repassada por representantes do órgão, que se reuniram neste sábado, em Brasília, com parentes dos 154 mortos no desastre, ocorrido em setembro de 2006.

No encontro, que teve a participação do brigadeiro Jorge Kersul Filho, chefe do Cenipa, e o presidente da Comissão de Investigação de Acidente Aeronáutico, coronel Rufino Antonio da Silva Ferreira, os parentes cobraram a entrega do relatório. Em julho, o ministro da Defesa, Nelson Jobim, havia dito que o documento ficaria pronto em 20 dias.

Os oficiais do Cenipa informaram que, somente na última quinta-feira, o documento foi enviado aos Estados Unidos e ao Canadá para ser avaliado pela comissão que investiga o acidente no exterior. A resposta, de acordo com a legislação internacional, só virá em 60 dias. Após esse prazo, o relatório ainda precisa ser reavaliado pela Aeronáutica antes de ser divulgado, sem um prazo ainda definido.

A presidente da Associação de Familiares e Amigos das Vítimas do Vôo 1907, Angelita de Marchi, considerou a reunião frustrante.

- Eles mostraram os trabalhos realizados até agora, mas não apresentaram nenhuma nova informação que ajudasse a esclarecer as causas do acidente - criticou ela, após sair do encontro.

O Cenipa não constatou problemas no projeto do jato Legacy que bateu no avião da Gol nem encontrou defeitos no transponder (equipamento que previne colisões). O órgão também afirmou não ter encontrado falhas na cobertura do radar nem nos equipamentos de comunicação e vigilância aérea.

- Se não havia nada de errado, então por que houve o acidente? - questionou Angelita.

Quanto aos controladores de vôo, cuja atuação no dia do acidente foi apontada pela Polícia Federal e pelo Ministério Público como uma das causas do desastre, o Cenipa informou que a investigação não obteve avanços. Segundo o órgão, os profissionais que monitoravam o tráfego aéreo no dia do desastre foram orientados pelo advogado de defesa a não falarem.

A Aeronáutica informou ainda que parte do atraso na conclusão do documento se deve à inclusão, em janeiro, dos esclarecimentos dos pilotos norte-americanos Jan Paul Paladino e Joseph Lepore, que conduziam o Legacy e negaram terem desligado o transponder acidentalmente. Como as respostas tiveram de ser acrescentadas, o fim da investigação foi adiado por mais três meses.

- Inicialmente nos haviam prometido a conclusão do documento para abril e que, dois meses depois, o relatório se tornaria público. Desde então, só temos enfrentado atrasos e a falta de respostas - reclamou a presidente da associação dos parentes das vítimas.

Insatisfeita com o andamento dos trabalhos do Cenipa, Angelita disse que famílias dos mortos agora pretendem recorrer ao Ministério Público e à Polícia Federal para buscar mais esclarecimentos e pressionar pela vinda dos pilotos norte-americanos ao Brasil.

- Eles precisam depor no país, em vez de serem apenas ouvidos por carta - argumentou.

Fonte: Agência Brasil

Leia relato de passageiro sobre problema em avião da TAM

A companhia aérea TAM informou em nota que o vôo 8065, que ia de Madri a São Paulo, voltou para o aeroporto Barajas, em Madri, após duas horas e meia de vôo devido a um aviso de inoperância de um dos pilotos automáticos. A empresa disse ainda que a aeronave realizou "um procedimento padrão ao liberar combustível para atingir o peso ideal para o pouso".

Cerca de 190 passageiros terão de esperar até amanhã para embarcar ao Brasil. Despesas de hospedagem, transporte e alimentação serão pagas pela companhia aérea. Um dos brasileiros que estava no vôo, Adam Leite, relatou, por e-mail, à Folha Online o que ocorreu durante o problema na aeronave.

"Decolamos com quase duas horas de atraso (às 15h, 10h no horário de Brasília) após uns 20 minutos taxiando. Trinta minutos depois, o comandante avisou que um problema nos forçaria a retornar para Madri e que seria despejada uma quantidade de combustível para deixar o peso (da aeronave) ideal para o desembarque em São Paulo."

O passageiro ainda relata que o avião permaneceu por 30 minutos "voando em círculos", para que o combustível fosse despejado.

"Feito isso, pousamos novamente em Barajas. Não houve pânico. O pessoal da TAM providenciou o transporte, hospedagem e jantar para todos e marcou o retorno para amanhã no mesmo horário e no mesmo avião", disse Leite.

Durante o alerta local foram mobilizados bombeiros, equipe médica e forças de segurança do Estado destacados no aeroporto, entretanto não foi necessária uma intervenção.

Fonte: Folha de S.Paulo

Anac atualiza valores de indenização por responsabilidade civil

A ANAC - Agência Nacional de Aviação Civil - resolveu atender à Recomendação PR/SP nº 12/08, de 5 de março de 2008, emitida pelo Ministério Público Federal de São Paulo, e atualizou os limites das indenizações decorrentes da responsabilidade civil do explorador do transporte aéreo previstos no Código Brasileiro de Aeronáutica - CBAer. O artigo 281 do CBAer dispõe que, para assegurar a "máxima efetividade da garantia da responsabilidade, vincula os valores de contratação do seguro aos valores referentes aos eventos a serem segurados estabelecidos nos arts. 257, 260, 262, 269 e 277 do CBAer.

Os valores não eram atualizado há mais de dez anos. Na justificativa da Resolução nº 37, a Anac admite que o último Comunicado DECAT-001/95, expedido pelo IRB em 23 de janeiro de 1995, dispunha sobre o quadro de responsabilidades e a tabela de prêmios atualizados, até 30 de novembro de 1994, "para fins de contratação do seguro obrigatório de responsabilidade civil do explorador ou transportador aéreo".

Depois do maior acidente aéreo do País, ocorrido em julho de 2007, o assunto ganhou destaque com as críticas dos familiares das vítimas do Vôo JJ3054 com o airbus da TAM que caiu próximo ao aeroporto de Congonhas. No mês passado, o presidente da Associação das Famílias e Amigos das Vítimas do Vôo JJ3054 (AfavTAM), Dario Scott, afirmou que embora o seguro de Responsabilidade da Empresa de Transporte Aéreo (Reta) já estivesse disponível dias após o acidente, e várias famílias precisassem do dinheiro depois de perder a pessoa responsável por seu sustento, muitas preferiram não receber a quantia por discordar do valor. Segundo ele, o Reta não era corrigido desde 1993.

Ele disse que a reclamação quanto ao valor do Reta já vem desde pelo menos 1996, quando um Fokker 100 da mesma TAM caiu sobre uma rua do bairro Jabaquara, na zona sul de São Paulo, matando 99 pessoas. E se repetiram após o acidente com o vôo 1907 da Gol, em setembro de 2007, no qual morreram 154 pessoas.

Pelo Código Brasileiro de Aeronáutica (CBA), de 1986, em casos de morte ou lesão, as companhias aéreas devem pagar 3.500 Obrigações do Tesouro Nacional (OTN) a cada passageiro e tripulante. A quantia, deduzida depois da indenização paga pela seguradora, pode ser maior caso as partes cheguem a um acordo.

Com a Resolução nº 37, foi adotado o Índice Nacional de Preços ao Consumidor Amplo - IPCA como critério de atualização monetária do valor unitário da OTN. O artigo 3º da resolução determinar que as empresas aéreas têm prazo de até 180 dias para adequar os seus contratos de seguro.

Leia, abaixo, a íntegra da Resolução nº 37 da ANAC:

"AGÊNCIA NACIONAL DE AVIAÇÃO CIVIL
DIRETORIA

RESOLUÇÃO Nº 37, DE 7 DE AGOSTO DE 2008

Dispõe sobre a atualização dos limites de indenização de que trata o título VII do Código Brasileiro de Aeronáutica - CBAer..

A DIRETORIA DA AGÊNCIA NACIONAL DE AVIAÇÃO CIVIL - ANAC, no exercício das competências que lhe foram outorgadas pelo art. 8º, incisos X, XIII, XIV e XLIV, da Lei nº 11.182, de 27 de setembro de 2005,
CONSIDERANDO os termos da Recomendação PR/SP nº 12/08, de 05 de março de 2008, no sentido da atualização dos limites das indenizações decorrentes da responsabilidade civil do explorador do transporte aéreo previstos no Código Brasileiro de Aeronáutica - CBAer;
CONSIDERANDO que a atualização dos limites de indenização previstos no CBAer decorre da própria fixação de valores indexados à Obrigação do Tesouro Nacional - OTN, e ainda da expressão constante dos artigos que tratam da matéria, de que os valores de indenização deverão ser atualizados para a data do pagamento;
CONSIDERANDO a competência desta Agência, prevista no art. 8º, inciso XLIV, da Lei nº 11.182, de 27 de setembro de 2005, para deliberar, na esfera administrativa, quanto à interpretação da legislação, sobre serviços aéreos e de infra-estrutura aeronáutica e aeroportuária, inclusive casos omissos, quando não houver orientação normativa da Advocacia-Geral da União;
CONSIDERANDO que o art. 281, no intuito de assegurar a máxima efetividade da garantia da responsabilidade, vincula os valores de contratação do seguro aos valores referentes aos eventos a serem segurados estabelecidos nos arts. 257, 260, 262, 269 e 277 do CBAer;
CONSIDERANDO que, desde a extinção da OTN até a conversão da moeda para o Real - quando se deixou de explicitar um critério de atualização -, os valores das apólices de seguros foram atualizados por critérios regularmente definidos pelo Brasil Resseguros S.A. - IRB;
CONSIDERANDO o último Comunicado DECAT-001/95, expedido pelo IRB em 23 de janeiro de 1995, dispondo sobre o quadro de responsabilidades e a tabela de prêmios atualizados, até 30 de novembro de 1994, para fins de contratação do seguro obrigatório de responsabilidade civil do explorador ou transportador aéreo; e
CONSIDERANDO a decisão prolatada na Reunião de Diretoria de 05 de agosto de 2008,

RESOLVE

Art. 1º Estabelecer, para efeitos de conversão dos limites de indenização fixados no Título VIII do Código Brasileiro de Aeronáutica - CBAer em valores expressos em moeda corrente, o valor unitário da OTN em R$ 11,70 (onze reais e setenta centavos), considerado na fixação do quadro de responsabilidades previsto no Comunicado DECAT-001/95, atualizado pela Tabela de Correção Monetária para Condenações em Geral - Item 2.1 do Capítulo IV do Manual de Orientação de Procedimentos para os Cálculos na Justiça Federal, aprovado pela Resolução nº 561, de 02 de julho de 2007, do Conselho da Justiça Federal -, que aplica o Índice Nacional de Preços ao Consumidor Amplo Especial - IPCA-E a partir de 01/2001.

Art. 2º Adotar o Índice Nacional de Preços ao Consumidor Amplo - IPCA como critério de atualização monetária do valor unitário da OTN definido nesta Resolução.

Art. 3º Determinar às empresas aéreas que, no prazo de até 180 (cento e oitenta) dias, procedam à adequação dos contratos de seguro de que trata o art. 281 do CBAer, aos termos da presente Resolução.

Parágrafo único. Aplica-se aos eventos ocorridos durante o prazo a que se refere o caput e que ensejem a responsabilização civil do explorador do transporte aéreo a atualização de que trata o artigo 2º, independentemente da adequação dos contratos de seguro.

Art. 4º Esta Resolução entra em vigor na data de sua publicação.
SOLANGE PAIVA VIEIRA
Diretora-Presidente

Confira, no site da ANAC, a legislação básica sobre temas correlatos:

Legislação Básica

CBAer – Código Brasileiro de Aeronáutica (Lei 7.565/86)
Lei do Aeronauta (Lei 7.183/84) e Portaria Interministerial 3.016 / 1988.
Lei de criação da ANAC (Lei 11.182/05)
Decreto 65.144/69
Decreto 5.731/06
Regimento Interno da ANAC (Texto Compilado)

Fonte: Expresso da Notícia

Familiares de vítimas de boeing que caiu em Mato Grosso cobram relatório final de investigação

Ainda aguardando posicionamentos oficiais sobre o segundo maior acidente da aviação brasileira, que resultou na morte de 154 pessoas, em setembro de 2006, no Norte de Mato Grosso, familiares das vítimas do Boeing da Gol, voltam a cobrar as autoridades a entrega do relatório final das investigações. No sábado haveria reunião com o Centro de Investigações e Prevenção de Acidentes Aeronáuticos - Cenipa, em Brasília.

Na pauta estará a cobrança por esclarecimentos do caso. As famílias questionam a contradição entre representantes do próprio governo quanto a divulgação do documento sobre o vôo 1907. Mês passado, o Ministério da Justiça havia dito que poderia ocorrer em 20 dias. Por outro lado, a própria Aeronáutica desmentiu e disse que levaria meses para ser concluído.

O descontentamento foi geral e as declarações não agradaram aos familiares. As promessas feitas à associação das vítimas até o momento não foram cumpridas. Familiares esperam posicionamento da Justiça norte-americana sobre o interrogatório dos pilotos Joseph Lepore e Jan Paladino. Há mais de três meses encaminhadas pela Justiça Federal de Sinop, as 53 perguntas, cada, ainda não foram respondidas. Conforme Só Notícias já informou, também não houve informações sobre a situação atualmente.

Representantes do Brasil querem saber, por exemplo, se os dois analisaram o plano de vôo e se estavam cientes que o percurso previa altitudes – nível 370, nível 360 e nível 380, e por que a aeronave voou sempre no nível 370.

Lepore e Paladino pilotavam o Legacy e seguiam do Rio de Janeiro a Manaus, de onde iriam para os Estados Unidos. No trajeto, o jato colidiu com o boeing, que caiu em uma reserva indígena em Peixoto de Azevedo. Ambos conseguiram fazer pouso forçado na Serra do Cachimbo, e os seis tripulantes saíram ilesos.

Fonte: Só Notícias

Boeing vence concorrência para demonstração das novas funcionalidades do sistema GPS

Boeing assinou um contrato de mais de 150 milhões de dólares com o Laboratório de Pesquisa Naval dos EUA para a demonstração dos conceitos de Alta Integridade do sistema GPS. Os trabalhos deverão ser realizados a partir de 2010.

O projeto de GPS de Alta Integridade combina sinais de satélites do sistema de telecomunicações de órbita baixa Iridium e dos veículos espaciais de órbita média GPS, com o objetivo de melhorar a disponibilidade, integridade e precisão do posicionamento e navegação, tanto para uso militar como civil.

Segundo os pesquisadores, melhorias significativas no sistema GPS podem ser alcançadas com baixo custo, usando sinais de plataformas já existentes e em órbita, como a constelação Iridium, por exemplo.

Equipe

O projeto de GPS de Alta Integridade conta, além da Boeing e da Iridium, com as empresas Phantom Works, Rockwell Collins e Coherent Navigation, além de especialistas da academia.

Fonte: MundoGEO

Jett8 afirma que irá substituir frota de 747 cargueiros

A Jett8 Airlines Cargo, de Cingapura, anunciou que não irá mais incorporar aeronaves Boeing 747-200F (cargueiros) à sua frota. Em substituição, irá adquirir modelos 747-400F, que têm maior capacidade e eficiência no uso de combustíveis.

Atualmente, a companhia tem dois 747-200F em operação, e tinha planos para elevar essa frota para cinco unidades desse modelo até março - o que não foi concretizado dado o aumento nos custos causado pelos altos preços do petróleo. Esses dois aviões são utilizados em rotas ligando Cingapura a Xangai (China), Chennai, Madras e Bombaim (Índia).

A Jett8 inciou suas operações no ano passado, após a compra desses dois 747-200F da japonesa Nippon Cargo Airlines (NCA). Os outros três aviões desse modelo que planejava adquirir também são da NCA.

Segundo a empresa, ela irá se desfazer até outubro de um de seus aviões 747-200F, sendo que o outro será utilizado apenas como apoio para as rotas atuais. A Jett8 opera ainda com um 747-400F obtido a partir de um leasing com a Jade Cargo International. Ele é utilizado na ligação entre Cingapura e Amsterdã (Holanda), Bangalore e Chennai (Índia), Hong Kong e Malmo (Suécia).

No mês de outubro, a empresa irá receber mais um 747-400F, obtido a partir de leasing com uma empresa não identificada, além de esperar receber outros dois no segundo trimestre de 2009.

Fontes: Valor Online / Agências Internacionais

Composto de cloro no solo de Marte surpreende a Nasa

Na Terra, percloratos são encontrados principalmente no deserto de Atacama, no Chile

O instrumento de análises químicas da sonda Phoenix encontrou sinais de percloratos, um tipo de sal comum no deserto chileno de Atacama, no solo da região ártica de Marte. Percloratos, formados por um átomo de cloro e quatro de oxigênio, não são especialmente hostis à vida, segundo os cientistas da Nasa: há plantas que convivem bem com eles, e bactérias que os utilizam em seus metabolismos. Além disso, alguns percloratos têm propriedades anticongelantes, o que levanta a possibilidade de haver pequenas quantidades de água em estado líquido em Marte.

O engenheiro Ramon De Paula, administrador da missão Phoenix, diz, no entanto, que não há comprovação da presença de água líquida na região de Marte investigada pela sonda. "O que vimos, até agora, foi uma coisa gelatinosa que está mudando, de uma foto para a outra", explica ele, referindo-se a imagens do solo marciano feitas pela nave. "Pode ser que o gelo, misturado com o sal, tenha o efeito anticongelante. É possível, mas ainda não foi investigado o bastante. Primeiro, precisamos medir direito o sal". Ele lembra, ainda, que a baixa pressão atmosférica de Marte faz com que o líquido, se houver, evapore muito rapidamente.

De Paula falou com a reportagem do estadao.com.br depois de uma entrevista coletiva convocada para responder a boatos que percorreram a mídia americana no último fim de semana - inclusive o de que a Casa Branca teria recebido um informe especial sobre descobertas feitas no planeta vermelho - e que apresentou os resultados, ainda inconclusivos, sobre o perclorato.

Trincheira escavada pela Phoenix no solo marciano

Tanto Michael Meyer, cientista-chefe do programa de exploração de Marte da Nasa, quanto Peter Smith, principal cientista da Phoenix, afirmaram que a divulgação dos resultados ocorria antes do momento ideal, e só era feita como reação à onda de boatos.

"O processo não está completo. Estamos abrindo uma janela no projeto, mostrando a vocês a ciência enquanto é feita", disse Smith.

A Nasa diz que vinha evitando divulgar a descoberta de percloratos em Marte porque a detecção, feita pelo analisador de microscopia, eletroquímica e condutividade (Meca, na sigla em inglês) - que misturou uma amostra de solo a água levada da Terra, e analisou a solução resultante -, ainda não foi confirmada por outro instrumento, o analisador térmico e de gás evoluído (Tega), que queima amostras em fornos para estudar os gases liberados.

Além disso, os pesquisadores ainda esperavam eliminar a possibilidade de os sinais de perclorato terem sido criados por uma contaminação causada por partículas do combustível do último estágio do foguete que levou a Phoenix a Marte. Essa hipótese de contaminação, disseram os cientistas na coletiva, é tida como "remota".

"Queríamos eliminar as explicações mais improváveis, porque o resultado é improvável", disse o cientista responsável pelo Meca, Michael Hecht. Os pesquisadores consideraram a descoberta de percloratos surpreendente, em vista de resultados anteriores que indicavam que o solo marciano era muito parecido com o terrestre.

A presença de percloratos, segundo Richard Quinn, outro cientista que tomou parte na coletiva, "pode nos dizer muito sobre a história da água em Marte", já que esses sais são altamente solúveis e podem ter sido transportados para seus depósitos atuais por água corrente, no passado. Quinn, que já realizou pesquisas em Atacama, disse ainda que informes feitos anos atrás, de que era impossível encontra vida nesse deserto, já estão superados. "Quando olhamos melhor, vimos vida ao redor do nitrato e do perclorato" típicos da região, declarou.

O perclorato é um oxidante, membro de uma classe de substâncias que costumam ter um efeito corrosivo em outros materiais. Nos anos 70, as sondas Viking, da Nasa, descobriram um forte efeito oxidante no solo marciano, o que levou muitos cientistas a especular que o ambiente marciano seria inóspito demais para suportar vida, ao menos na superfície. Mas Peter Smith disse que os percloratos são um tipo de oxidante diferente. "São muito estáveis e não destroem matéria orgânica. Há micróbios que vivem disso", afirmou.

Além de confirmar em definitivo a presença de percloratos, os cientistas da Nasa ainda têm que determinar quais minerais estão ligados a eles, em quais quantidades, e eliminar de vez a hipótese de contaminação pelo foguete da Phoenix. "Ainda temos muito trabalho pela frente", disse o cientista responsável pelo Tega, William Boynton.

Fonte: estadao.com.br - Foto: NASA

Brasil forma menos pilotos da aviação do que precisa, alerta associação

O Brasil tem um déficit de 40% na formação de pilotos comerciais e mecânicos de avião. Atualmente o país precisa formar 1.000 pilotos por ano, mas só consegue 600. As informações são do presidente da Associação Brasileira de Aviação Geral (Abag), Rui Thomaz de Aquino.

Ele e outros representantes da aviação se reuniram sexta-feira (8) com o ministro da Defesa, Nelson Jobim, para discutir os problemas do setor, como os serviços de taxi aéreo e a aviação de pequeno porte.

“O Brasil vem formando muito menos pilotos do que necessita. Vamos ter problemas a curto prazo para encontrar pilotos para atender os aviões de grande porte”, alertou Aquino.

O principal problema apontado por Aquino para o baixo número de pilotos é a falta de uma política governamental.

“Precisamos criar mais escolas e fomentar a formação [de pilotos e mecânicos]. É muito caro um curso de piloto, e não temos uma política definida de formação de mecânicos”, disse.

Hoje cada hora-aula de vôo custa cerca de R$ 350. Além do custo da hora-aula, Aquino disse que o setor também reclama do preço do combustível.

Ele propõe que o governo reduza os impostos, como a Contribuição de Intervenção no Domínio Econômico (Cide), que incide diretamente nos combustíveis.

O presidente da Abag informou que o ministro da Defesa pediu que fosse feito um levantamento real do déficit e da demanda da formação de pilotos e mecânicos, para que ele pudesse implantar um programa específico para atingir a necessidade do setor.

Segundo Aquino, uma prova de que a demanda por pilotos tem sido maior do que a entrada de novos profissionais no mercado foi a diminuição do tempo de experiência de horas de vôo para contratação de pilotos. Se há três anos as companhias exigiam três mil horas de experiência, hoje, segundo ele, estão contratando pilotos com mil horas de vôo.

Outro problema levado ao ministro da Defesa pelos representantes da aviação geral é a falta de funcionários da Agência Nacional de Aviação Civil (Anac) para fiscalizar todas as aeronaves. “Temos 11 mil aeronaves no setor que necessitam de inspeção, regularização, controle e isso tudo depende da Anac”, disse Aquino, acrescentando que os transportes aéreos regionais e as linhas regulares têm juntos 350 aeronaves.

“Então, [a aviação geral] requer muito mais gente, muito mais demanda de controle de eficiência. Além disso, a aviação regular e a regional atendem a 130 cidades, todo o resto é coberto pela aviação geral”, destacou.

A reunião de hoje foi a terceira de uma série de encontros do ministro Jobim com representantes da aviação civil. Já foram ouvidos os segmentos da avião regional e comercial.

O Ministério da Defesa além de fazer um levantamento dos problemas do setor para apontar soluções, quer criar um canal de interlocução mais ágil entre governo e as empresas.

Fonte: Agência Brasil

Avião da TAM evita pouso em Natal

Apesar do mau tempo, apenas um avião não pousou no Aeroporto Augusto Severo durante a tarde de quinta-feira (07). O vôo TAM 3370 (que fez o itinerário Rio de Janeiro, Belo Horizonte e Brasília) estava previsto para pousar às 15h55, porém, o piloto se viu obrigado a mudar o destino final e seguiu para Recife. O avião sobrevoou cerca de 30 minutos em Natal antes de seguir para a capital pernambucana.

Várias autoridades potiguares embarcaram em Brasília, mas não puderam concluir a viagem para Natal, entre elas a senadora Rosalba Ciarlini e o marido Carlos Augusto Rosado, os deputadores federais João Maia, Betinho Rosado e Rogério Marinho, além do deputado estadual Álvaro Dias e de Anita Catalão Maia, mulher do senador Agripino Maia.

A TAM se dispôs a completar o trecho por via terrestre, porém, nem todos os clientes acataram. O deputado João Maia estava no aeroporto, em Recife, quando atendeu à ligação da TN. “Não quero dormir no aeroporto, se o vôo para Natal atrasar demais, prefiro voltar para Brasília. O meu compromisso era um comício e será humanamente impossível cumpri-lo”.

A ouvidoria da Infraero informou que os aviões previstos para chegar ontem à tarde pousaram normalmente, à exceção do vôo 3370. Dos nove que pousaram em Natal, alguns atrasaram e outros se adiantaram. O que estava previsto para chegar às 16h20 demorou 55 minutos para pousar. Em compensação, o vôo da Trip, que partiu de Fernando de Noronha, chegou uns minutos adiantados.

A atendente informou que os passageiros que não puderam embarcar no vôo TAM 3370 foram encaminhados para um hotel na Via Costeira. A Tribuna do Norte não conseguiu falar com a empresa.

Fonte: Tribuna do Norte

Paraíba reivindica melhoria da TAM

Representantes do Turismo do Estado da Paraíba se reuniram para enviar carta ao presidente da companhia aérea Tam, comandante David Barioni. O objetivo é reivindicar a não suspensão dos vôos 3403 e 3404 da companhia, que deixaram de operar no aeroporto Castro Pinto, localizado em Bayeux, área metropolitana de João Pessoa, desde o dia 30 de julho.

Na carta, assinada pela Secretaria do Turismo e do Desenvolvimento Econômico do Estado da Paraíba, Secretaria de Turismo de João Pessoa, Associação Brasileira das Agências de Viagem (Abav-PB), Associação Brasileira da Indústria de Hotéis (ABIH-PB), João Pessoa Convention Bureau, Sindicado dos Hotéis, Restaurantes, Bares e Similares da Paraíba e Sebrae, aponta motivos como alíquota de ICMS reduzida em 3%, sobre o combustível de aviação, podendo gerar benefícios econômicos relevantes às empresas aéreas.

Uma tabela com informações atualizadas dos vôos 3403 e 3404, contendo taxa de ocupação entre os meses de outubro de 2007 e julho de 2008, e a taxa de ocupação média mensal nesses dez meses, foi anexada à carta comprovando o bom fluxo alcançado pelos vôos.

Foram 69% de ocupação na taxa de embarque e 71% na taxa de desembarque no período em que operou no aeroporto. Os vôos ligavam João Pessoa às regiões Sul e Sudeste, fazendo a rota João Pessoa - Rio de Janeiro - São Paulo - Florianópolis.

Além desta reivindicação, as entidades pediram mais atenção para as diferenças de tarifas existentes entre as passagens com embarque em João Pessoa e Recife, capital de Pernambuco, o que segundo a carta, causa uma diminuição considerável do embarque e desembarque de passageiros utilizando o Aeroporto Internacional Presidente Castro Pinto. Eles pediram justificativa adequada para diferença de 30% a 40% nos preços das passagens entre os dois aeroportos.

Fonte: Mercado & Eventos

Aviões russos bombardearam aeroporto de empresa militar em Tbilisi

Aviões russos bombardearam esta madrugada um aeroporto militar da fábrica de aviação, situada na capital georgiana, sem que deixasse vítimas, informaram fontes oficiais.

É a primeira vez que a aviação russa ataca Tbilisi.

O porta-voz do Ministério do Interior, Shota Utiashvili, assegurou que nos ataques não foram registradas vítimas, embora o aeroporto tenha sofrido severos danos.

Três bombas foram lançadas sobre a pista do aeroporto da fábrica, que produz os aviões georgianos Skorpion, baseados no caça-bombardeiro soviético Su-25.

Segundo fontes georgianas, nos três dias de combates no céu da Geórgia foram derrubados pelo menos 10 aviões russos.

A aviação também bombardeou esta madrugada o distrito georgiano de Zugdidi, na Geórgia Ocidental, segundo comunicou a emissora Imedi.

Por enquanto se desconhece se há vítimas e os danos que tenha podido ter causado o ataque contra essa região, contígua com a separatista Abkházia, cujas tropas entraram na faixa de segurança, controlada pelos "capacetes azuis" russos e se concentram na fronteira com a Geórgia.

As forças abkazes e russas também prosseguem com os ataques, até o momento infrutíferos, no desfiladeiro de Kodori, zona no norte da Abkházia que se manteve leal à Geórgia.

No principal palco de combates, a Ossétia do Sul, as partes reagrupam suas forças após intensos tiroteios e duelos de artilharia durante a noite na região dos montes de Prisa, que dominam a capital da Ossétia do Sul, Tskhinvali.

Apesar da aparente calma, "a situação continua tensa", disse o canal russo de notícias "Vesti-24" o general Marat Kulajmetov, comandante dos "capacetes azuis" russos na região, e acrescentou que "as partes se preparam" para novos ataques.

Também acrescentou que se conseguiu o acordo de evacuar a população civil, tanto da Ossétia quanto da Geórgia, da zona do conflito, à qual se espera proceder por volta de meio-dia de hoje.

Fonte: EFE