domingo, 2 de março de 2008

Testemunhas contam que avião virou bola de fogo

Moradores dizem que bimotor soltava uma fumaça preta ao decolar do aeroporto.

Dos quatro homens mortos apenas o piloto da aeronave foi identificado.

Veja onde foi a queda do avião na Barra da Tijuca

Uma bola de fogo despencando e explosões simultâneas. Essa foi a cena descrita por funcionários de uma concessionária de automóveis, na Barra da Tijuca, na Zona Oeste, e moradores do bairro sobre a queda do avião monomotor modelo Cirrus SR-22 é PR-IAO, na manhã deste domingo (2). Os quatro homens que estavam na aeronave morreram carbonizados.

“Eu estava trabalhando no computador quando vi a aeronave virar uma bola de fogo e cair de bico. Depois, foram várias explosões. Uma coisa terrível. Na hora, muita gente começou a correr, gritando, apavoradas”, contou o vendedor Leonardo Soriano, 27 anos, que viu o avião cair no pátio da empresa.

De acordo com a Infraero, o piloto da aeronave era Frederico Carlos Xavier de Tolla. Segundo testemunhas, o piloto teria desviado de um condomínio, no momento do acidente, e tentado fazer um pouso forçado. O avião havia decolado do Aeroporto de Jacarepaguá logo após abastecer. Testemunhas afirmaram ainda que o avião estava soltando muita fumaça quando levantou vôo.

Segundo o comandante da Infraero, Alonso Junior, a hipótese é que o acidente tenha sido causado por problemas com o combustível ou uma pane elétrica. O avião seguia para Santa Catarina.

As documentações da aeronave e do piloto foram consideradas regulares pela Infraero. No avião, bombeiros encontraram documentos de Joci José Martins, que seria o dono do monomotor. No entanto, não há confirmação se ele é uma das vítimas.

Moradores da região disseram que já temiam acidentes desse tipo, devido à proximidade do aeroporto, localizado em uma área residencial com muitos prédios. “Isso aqui é um perigo para todos nós”, disse uma moradora.

A unidade da Infraero do Aeroporto de Jacarepaguá informou os pousos e decolagens estão liberados no local.

Fonte: G1 - Foto: Arte G1 ( SP)

Laudo preliminar sobre queda de avião deve sair em dez dias, diz polícia

O documento preliminar vai apontar causas do acidente na Barra da Tijuca.

Moradores se reúnem para pedir redução do tráfego aéreo no local.


O delegado da 16ª DP (Barra da Tijuca), na Zona Oeste do Rio, Carlos Augusto Nogueira Pinto, informou, nesta tarde de domingo (2), que a apuração sobre a queda do avião monomotor qua matou quatro pessoas será um trabalho conjunto da Polícia Civil, Agência Nacional de Aviação Civil (Anac) e Centro de Investigação e Prevenção de Acidentes Aeronáuticos (Cenipa). O laudo preliminar sobre as causas do acidente deve ficar pronto em dez dias.

"Será uma apuração conjunta por que várias coisas podem ter ocorrido. Já entramos em contato com as famílias das vítimas", disse. No entanto, o laudo conclusivo sairá somente em 90 dias.

De acordo com informações da Anac, o piloto teria visto fumaça no motor do avião e avisado a torre que retornaria à pista em Jacarepaguá. Os controladores teriam visto a fumaça.

Segundo o delegado Nogueira Pinto, os documentos das vítimas foram encontrados entre os destroços do avião, mas confirmou somente o nome do piloto, Frederico Carlos Xavier de Tolla. Os demais corpos ainda não foram identificados pela polícia. De acordo com o delegado, os corpos das vítimas ficaram irreconhecíveis e será necessária a identificação de cada um dos mortos por meio de exames de DNA ou arcada dentária.

Segundo o assessor de imprensa da Cota Empreendimentos Imobiliários, Raul Schimitt, estavam na aeronave, além do piloto, o presidente da empresa, Joci Martins; o dono de uma rede de revendas de veículos, Gilmar Detoni; e o fazendeiro do Mato Grosso do Sul, com negócios em Florianópolis, Silvio Pedro Vanzella. Os empresários estavam voltando de uma convenção da Cirrus (fabricante do avião) em Piraí, na região Sul Fluminense, para onde tinham ido no sábado, segundo o assessor. Ele desmentiu que os três estivessem pescando no Mato Grosso. Segundo Raul, a família de Martins sai na noite deste domingo de Florianópolis para identificar o corpo do empresário. O avião tinha sido comprado há 45 dias.

O diretor da Câmara Comunitária da Barra da Tijuca, Odilon de Andrade, informou que realizará uma reunião na próxima quinta-feira (5) com os síndicos dos condomínios da Barra para elaborar um documento e encaminhar ao Ministério Público para reduzir o tráfego aéreo no local.

O delegado Carlos Augusto afirmou que a aeronave saiu de Vassouras, região Centro-Sul Fluminense, no Rio de Janeiro. Fez um pouso no Aeroporto de Jacarepaguá para abastecer, e seguiria para Florianópolis, Santa Catarina. Por volta de 15h15, um carro da Defesa Civil levou os corpos das vítimas para o Instituto Médico-Legal.

Fonte: G1

Piloto teria tentado voltar após ver fumaça no motor, diz Anac

Piloto havia sido comandante da Varig durante muitos anos.

Avião tinha sistema de pára-quedas, mas não teria havido altura suficiente para acioná-lo.

O piloto do avião que caiu na manhã deste domingo (2) na Barra da Tijuca, no Rio de Janeiro, teria visto fumaça saindo do motor antes do acidente, segundo informações da Agência Nacional de Aviação Civil (Anac). De acordo com a agência, o piloto teria avisado à torre de controle que retornaria à pista em Jacarepaguá. Os controladores teriam visto a fumaça.

Segundo o gerente regional da agência, Enzo Schiavo, o avião era novo e seguro. O acidente provocou a morte de quatro pessoas. "O aparelho era supernovo, foi fabricado em 2007. Toda a documentação, tanto da aeronave quanto do piloto, estavam em dia", diz Schiavo. "Não tenho notícia de acidente com esse tipo de avião no Brasil".

A aeronave, um modelo Cirrus SR 22, com capacidade para transportar três passageiros além do piloto, possui um sistema de pára-quedas para auxiliar em caso de emergências. Segundo o gerente da agência, no entanto, a aeronave caiu a cerca de 800 metros da pista de decolagem e não teria, assim, altura suficiente para acionar o sistema. De acordo com Schiavo, Frederico Carlos Xavier de Tolla, que comandava a aeronave, era um piloto experiente e havia sido comandante da Varig durante muitos anos.

Além dele, estavam na aeronave, segundo Raul Schimitt, assessor de imprensa da Cota Empreendimentos Imobiliários, o presidente da empresa, Joci Martins; o dono de uma rede de revendas de veículos, Gilmar Detoni; e o fazendeiro do Mato Grosso do Sul, com negócios em Florianópolis, Silvio Pedro Vanzella.

O avião bateu no telhado de um prédio em construção durante a queda

Fonte: G1 - Foto: Fabio Goncalves (O Dia)

Modelo de avião acidentado é febre no Brasil

Foto do avião que caiu na Barra da Tijuca neste domingo - Foto: Juliano Damásio (Divulgação)

O avião monomotor da Cirrus é sucesso de vendas na aviação geral no mundo e virou febre no Brasil. Cerca de 120 destas aeronaves já foram importadas. Pilotos e donos do monomotor preparam-se para lançar uma associação de proprietários no mês que vem. De olho na demanda, a Cirrus Brasil fez um evento de marketing em Barra do Piraí, interior do Rio, neste fim de semana, para potenciais compradores, com direito a vôos da aeronave. De lá, vieram as quatro pessoas que morreram no acidente de hoje.

O evento, chamado Cirrus Weekend 2008, começou na sexta-feira à noite. Vôos da marca estavam previstos para as manhãs de sábado e domingo, além de outras atividades, como test-drive de automóveis de luxo, apresentação musical, sorteio de brindes e uma palestra com o especialista em segurança de vôo Jorge Barros, no sábado à tarde. Pelo menos treze empresas patrocinaram ou apoiaram o evento.

"É o avião mais vendido do mundo para uso particular. O que caracteriza ele é a segurança", disse o consultor em aviação André Castelini, dono há três anos de um Cirrus, com o qual já foi duas vezes para os Estados Unidos e viaja pelo Brasil. Ele participa da organização de uma associação de pilotos e proprietários do avião, nos moldes da que já existe internacionalmente, com cerca de três mil integrantes. Castelini preferiu não comentar o acidente, alegando que é preciso aguardar as investigações.

O diretor técnico do Sindicato Nacional das Empresas Aéreas (Snea), Ronaldo Jenkins, confirma que o Cirrus tem tido boa vendagem e "tem bom conceito". O monomotor custa menos do que o jatinho mais barato. A estimativa é de que o modelo que caiu no Rio custava algo entre US$ 500 mil e US$ 600 mil enquanto um jato executivo mais barato custa US$ 3 milhões. Executivos e empresários de grupos de pequeno e médio portes são o público principal e o monomotor é usado para trabalho e lazer.

"É a aeronave que está sendo comprada por quem não tem 'bala' para comprar um jatinho", disse um executivo de uma grande companhia aérea brasileira. O avião Cirrus SR22 é fabricado pela empresa americana Cirrus Design, que iniciou suas atividades em 1984 como um fabricante de kit de aeronaves em Baraboo, Winsconsin.

Uma das peculiaridades do projeto é o pára-quedas projetado para frear a queda do avião em caso de pane. A questão é que a proteção só pode ser acionada a partir de determinada altura. Uma fonte do setor comenta que as demonstrações para certificação do sistema teriam sido feitas acima de mil pés (300 metros de altura).

Um empresário comentou que caso a pane no motor tivesse ocorrido a uma altura maior provavelmente teria dado tempo de o pára-quedas funcionar. "Foi muito azar o que aconteceu, logo na decolagem", afirmou. Segundo o National Transportation Safety Board (NTSB), agência de segurança de transporte dos EUA, o equipamento foi acionado em treze ocasiões e, em 11 delas, salvou 24 pessoas.

Pesquisa no site do NTSB mostra que nos últimos dez anos, só nos Estados Unidos houve 93 notificações de acidentes com aviões Cirrus, dos quais 61 foram com modelos da família SR-22 e, desses, 22 foram fatais para 45 pessoas. O NTSB investiga todos os acidentes de aviação civil naquele país e acidentes significativos envolvendo ferrovias, estradas, transporte marítimo e dutos e dá recomendações de segurança para prevenir futuros acidentes.

Fonte: Agência Estado

Veja mais fotos do acidente no Rio de Janeiro

Bombeiros resgatam corpo de destroços de avião que caiu na Barra da Tijuca, no Rio de Janeiro - Fotos: Tasso Marcelo/Agência Estado


Veja onde foi a queda do avião na Barra da Tijuca

Foto do avião que caiu na Barra da Tijuca neste domingo - Foto: Juliano Damásio (Divulgação)

Fonte: Foto: Arte G1

Piloto de avião que caiu no RJ tinha 30 anos de experiência

O piloto do monomotor que caiu no Rio, Frederico Carlos Xavier de Tolla, tinha 30 anos de experiência na área. Em entrevista ao jornal A Notícia, em julho de 2007, Tolla afirmou ter confiança no transporte aéreo.

Com 65 anos, Tolla já trabalhou na Vasp e foi comandante da Varig. Ultimamente, o piloto morava em Florianópolis e tinha um monomotor para passeios de lazer. Ele dizia que apenas um imprevisto ocorreu em toda sua carreira, quando o trem de pouso de um avião que pilotava quebrou.

Recentemente, Tolla havia participado de um curso para pilotos de Cirrus, modelo que caiu no Rio de Janeiro. Além disso, era campeão de pouso de precisão do Aeroclube de Santa Catarina.

Fonte: UOL Últimas Notícias

Saiba mais sobre o monomotor Cirrus SR 22

Um Cirrus SR22 (prefixo N1527C) na pista do Aeroparque de Eagle Creek (EUA)

O monomotor SR 22 é fabricado pela empresa americana Cirrus. O avião de pequeno porte tem capacidade para quatro ocupantes. A aeronave é, segundo o site de seu fabricante, a mais vendida no mundo entre os aviões pessoais de seu tamanho.

O SR 22 é um avião monomotor com autonomia de vôo para cerca de 2.000 km. O avião acidentado neste domingo na Barra da Tijuca, zona oeste do Rio de Janeiro, é da versão G3, a mais recente, lançada pela empresa em 2007.

O monomotor custa cerca de US$ 500 mil dólares, de acordo com a fabricante.

Fonte: Folha Online

Depoimentos sobre a queda de avião em Condomínio na Barra da Tijuca

Um avião monomotor caiu na manhã deste domingo (2 mar) na Barra da Tijuca no conjunto de condomínios Park de Prince. Depoimentos de jovens que estavam na piscina no momento da queda.

Queda de avião no Rio deixa quatro mortos

Segundo moradores, a aeronave alçou vôo e, logo em seguida, teve problemas.

Avião caiu em uma área em anexo a uma concessionária de veículos e pegou fogo.


Assista a reportagem da Globonews


Quatro pessoas morreram na manhã deste domingo (2) na queda de um avião monomotor no bairro da Barra da Tijuca, na zona oeste do Rio de Janeiro. De acordo com a assessoria de imprensa da FAB (Força Aérea Brasileira), o avião levava combustível para cinco horas de vôo o que, com o impacto, fez com que ele explodisse. Não houve vítimas no solo, disse a FAB.

A queda, ocorrida cerca de um minuto depois da decolagem, aconteceu em um prédio em construção na avenida das Américas, entre o bosque da Barra da Tijuca e o condomínio Mandala, ao lado de uma concessionária da Citröen.

De acordo com a polícia, estavam no avião monomotor modelo Cirrus SR 22 de prefixo PR-IAO, três passageiros e o piloto, Frederico Carlos Xavier de Tolla. Um dos três passageiros era o dono da aeronave, o empresário de Santa Catarina Joci Martins, proprietário da Cota Empreendimentos Imobiliários. Os outros dois eram Gilmar Detoni, dono de uma revenda de carros em São José (SC) e Silvio Pedro Vanzella, também empresário.

A família de Martins já viajou para reconhecer o corpo do empresário. Segundo Raul Schmitt, assessor de imprensa da Cota Empreendimentos, as quatro vítimas estavam em m Barra do Piraí (RJ) onde aconteceu o Cirrus Weekend, convenção da fabricante do monomotor.

Segundo o delegado Carlos Augusto Nogueira Pinto, da 16ª Delegacia de Polícia, da Barra, os corpos estão carbonizados e deverão ser identificados pelo exame de DNA e de arcada dentário. Nogueira Pinto informou que um laudo preliminar sobre o acidente deve ser divulgado em dez dias. Com esse laudo, já deve ser possível saber o que causou o acidente. O laudo complementar deve sair em 90 dias. Anac (Agência Nacional de Aviação Civil), Polícia Civil e Cenipa (Centro de Investigação e Prevenção de Acidentes Aeronáuticos) devem participar da apuração.

Bombeiros trabalham em destroços de avião de pequeno porte que caiu na tarde de hoje na avenida das Américas, no Rio de Janeiro - Foto: Kaio Sartori

Testemunhas

Simone Araújo, funcionária da loja de veículos, disse que o piloto desligou o motor e desviou de um prédio residencial, supostamente para não causar mais vítimas. "A impressão que deu é que o avião iria cair na parte de seminovos da concessionária. Quando ele estava em cima do prédio, ele desviou e caiu no terreno ao lado", contou.

Simone disse que os clientes saíram correndo, assustados, quando o monomotor caiu. "Ouvimos quatro explosões, uma quando caiu e outras três em seguida. Assim que o fogo começou, todos saíram correndo para a rua", lembrou. Segundo Leonardo Floriano, 27, que também trabalha na concessionária, o avião teria caído de bico.

Robson de Souza Martiniano, 30, segurança da concessionária Citroën, sofreu um corte no pé ao pular do segundo andar do prédio na hora da queda do avião. Segundo os bombeiros, ele teria se assustado e achado que a aeronave iria chocar-se no edifício. Martiniano disse que "agradece a Deus" por ainda estar vivo.

A Infraero (Empresa Brasileira de Infraestrutura Aeroportuária) informou que o avião partiu do aeroporto de Jacarepaguá às 11h43, e caiu logo em seguida, a 200 metros da cabeceira da pista. A assessoria da Infraero disse ainda que a aeronave estava registrada no aeroclube de Santa Catarina.

Testemunhas disseram ter visto uma fumaça negra saindo do aparelho durante o vôo. A Infraero negou que o avião tenha apresentado problemas na decolagem.

O avião estava vindo de Vassouras (RJ), onde Martins havia participado de um encontro de proprietários de monomotores Cirrus na Aero Fazenda Ribeirão. A nave tinha parado em Jacarepagúa para reabastecer. Depois, partiu rumo a Florianópolis (SC).

De acordo com Willian Alcar, cunhado do piloto, a aeronave havia sido comprada pelo empresário Joci Martins em dezembro, e Tolla havia voado com ela do exterior ao Brasil.

A assessoria de imprensa da Anac comunicou que, segundo informações preliminares, o piloto teria avisado a torre de comando do aeroporto que havia fumaça no motor. Para Alencar, ainda é cedo para avaliar o que aconteceu. "Ainda é cedo para dizer as causas do acidente. Certamente será aberta uma investigação pelo Seripa [Serviço Regional de Investigação e Prevenção de Acidentes Aeronáuticos]", afirmou.

Segundo a FAB, uma equipe do Cenipa já começou as investigações no local do acidente.

O especialista em aviação civil e comercial Valtécio Alencar disse que esse modelo de avião é "muito bom, bastante moderno, com equipamentos modernos e com ótimo desempenho". Ele afirmou que é o modelo mais vendido nos Estados Unidos e um dos mais comercializados no Brasil, e custa em torno de US$ 450 mil.

Moradores

Odylon Andrada, presidente da Câmara Comunitária da Barra da Tijuca, disse que a associação de moradores deve encaminhar um ofício ao Ministério Público e à Infraero pedindo a diminuição do tráfego aéreo no aeroporto de Jacarepaguá. Segundo ele, os moradores estão com medo de que acidentes como este ocorram. A região já havia sido palco de um acidente semelhante, também com 4 mortos, em 1998.

Fontes: G1 / Terra / O Dia / UOL (atualizado às 20:08hs.)

A320 da Lufthansa arremete após tocar a asa na pista


Ontem (01), ao tentar aterrissar na pista 23 do Aeroporto Hamburgo, na Alemanha, o Airbus A320-211 da Lufthansa, prefixo D-AIQP, os ventos fortíssimos desestabilizaram a aeronave que chegou a tocar sua asa esquerda na pista antes de arremeter.

O avião, que fazia a rota Munique-Hamburgo, retornou ao Aeroporto e aterrissou com segurança na pista 33. Nenhum passageiro ficou ferido.

Assista o vídeo:


Fontes: ASN / Airliners / LiveLeak

Medo durante vôo que trouxe ministro a Campo Grande

Quando os cerca de 180 passageiros do vôo JJ 3805 da TAM se preparavam para uma escala em Cuiabá (MT), rumo a Campo Grande, uma manobra brusca provocou pânico na sexta-feira (29), conta o jornalista João Pedro Marques. Ele acompanhava a comitiva do ministro Gilmar Mendes, vice-presidente do STF (Supremo Tribunal Federal), para o lançamento em Mato Grosso do Sul do livro “Curso de Direito Constitucional”.

Como conhece bem Cuiabá, o jornalista suspeita que a aeronave teve de arremeter porque estava prestes a pousar na pista errada, destinada apenas à aviação executiva. “Estávamos na pista do distrito industrial, não na do aeroporto Marechal Rondon”, diz João Pedro.

“Houve gritaria, medo, pânico mesmo”, relata o passageiro. Uma cena agravada pelo que o jornalista considera “displicência” da tripulação. “Um daqueles carrinhos de alimentação estava solto e saiu pelo corredor”, relata.

A troca de pista pode parecer inacreditável, mas o jornalista lança uma suspeita sobre o motivo. “Não tem como julgar que foi erro do piloto, tudo é computadorizado, pode ter sido erro no sistema da aeronave.” O fato, segundo ele, é que no momento em que finalmente houve o pouso no local certo, um caminhão do Corpo de Bombeiros esperava o avião na pista do aeroporto de Cuiabá. “Um sinal de que a coisa era feita mesmo”, comenta. Imediatamente o jornalista diz ter procurado respostas do piloto, mas não conseguiu, o que aumentou a indignação. “Ele disse que eu deveria procurar a assessoria de imprensa da TAM. Apenas comentou que o que vale é que estávamos bem e vivos.”

O embarque ocorreu em Brasília ás 16h15, mas só por volta das 16h50 a aeronave levantou vôo. “Disseram que era por excesso de peso”, diz o jornalista, o mesmo motivo que teria sido apontado depois para a manobra brusca em Cuiabá.

A aeronave envolvida é um Airbus A320, o mesmo modelo envolvido no acidente em São Paulo que matou 187 passageiros da Tam em julho do ano passado.

Resposta

A orientação dada via telefone de serviços da TAM (0800) e de que, como a assessoria de comunicação não funciona em plantão aos finais de semana, uma resposta deveria ser cobrada na segunda-feira, dia 3.

Fonte: Campo Grande News / Só Notícias

Aviões são arrastados pelo vento no aeroporto de Salzburgo, Áustria

Aviões arrastados pelo vento no aeroporto de Salzburgo, Áustria

Ventos ciclônicos mataram neste sábado (01) pelo menos oito pessoas no centro da Europa, em tempestades registadas na Áustria, Alemanha e República Tcheca, que afetaram os transportes e provocaram cortes de eletricidade.

Fonte: SIC Online (Portugal) - Foto: EPA

sábado, 1 de março de 2008

Ameaça de bomba em avião gera tensão e demoras em Buenos Aires

Vôo da Aerolíneas Argentinas ia para Montevidéu, no Uruguai.
Chamado anônimo alertou sobre o suposto explosivo.

A tensão contagiou neste sábado (1º) o Aeroporto Jorge Newbery de Buenos Aires quando um vôo da Aerolíneas Argentinas com destino ao Uruguai se atrasou por causa de uma ameaça de bomba no avião, informaram fontes do aeroporto.

O fato aconteceu quando um chamado anônimo alertou sobre o suposto explosivo em uma das malas dos passageiros que se preparavam para embarcar no vôo com destino à cidade de Montevidéu.

Como conseqüência, a polícia aeroportuária revistou as bagagens das pessoas que iam viajar, o que gerou uma demora na partida.

Alguns dos passageiros concordaram em mudança de vôo, enquanto outros viajaram depois que o procedimento foi finalizado. O ocorrido não afetou o resto das decolagens programadas, segundo os porta-vozes do local.

Fontes: G1 / EFE

Colisão entre aviões de pequeno porte deixa dois mortos na Flórida

Acidente aconteceu no Arthur Dunn Airpark, em Titusville.

Duas outras pessoas ficaram gravemente feridas.

Um avião de pequeno porte que provavelmente teve problemas ao pousar colidiu neste sábado (1º) por volta das 8:30 hs. (horário local) com outra aeronave RV-8 que estava na pista do Arthur Dunn Airpark, em Titusville, na Flórida (EUA).


Os dois aviões pegaram fogo. Duas pessoas morreram no acidente e outras duas ficaram gravemente feridas, segundo informações divulgadas por autoridades.

Veja fotos do acidente:

Foto: Martin McMahon

Foto: Martin McMahon

Foto: Al Whidden

Foto: Al Whidden

Craig Bailey (Florida Today)

Foto: Craig Bailey (Florida Today)

Foto: Craig Bailey (Florida Today)

Foto: Craig Bailey (Florida Today)

Fonte: G1 / Flórida Today / Sentinela Sun

Queda de avião agrícola mata piloto em MS

Aeronave que pulverizava lavouras teria atingido fios de alta tensão.

Foi o terceiro acidente com aviões agrícolas este ano no estado.

Um acidente com o avião agrícola EMB 202 Ipanema, prefixo PT-URR, no pasto de uma fazenda na região de Ivinhema, distante 286 quilômetros de Campo Grande, em Mato Grosso do Sul, na manhã deste sábado (1º), terminou com a morte do piloto Flávio Borges do Couto, de 31 anos.

A aeronave da empresa Produtiva Aviação Agrícola, que fazia a pulverização de lavouras na região, teria atingido fios de alta tensão, caído e se incendiado, segundo a polícia civil local.

Foi o terceiro acidente com avião agrícola este ano em Mato Grosso do Sul.

No dia 24 de janeiro, um avião agrícola caiu em Chapadão do Sul. O piloto sobreviveu. No dia 3 de fevereiro outro avião agrícola caiu em Aral Moreira. O piloto e um tripulante morreram.

Fontes: G1 / Correio do Estado (MS)

Jobim desiste de enviar MP para compensar atrasos

O ministro da Defesa, Nelson Jobim, afirmou que não enviará mais ao Congresso Nacional, por medida provisória, uma série de regras para compensação dos passageiros que sofrerem nos aeroportos com atrasos superiores a uma hora.

"Não é compatível o projeto com MP. Tem uma série de medidas que são tomadas após e uma MP não pode ser para vigir daqui a 60 dias", afirmou. O ministro chegou a dizer que o ressarcimento - que pode ser por créditos em passagens ou dinheiro - sairia antes do Natal. O ministro garantiu que um projeto como esse deve ser negociado no Congresso. "Vou negociar. Eu negocio tudo sempre", disse.

No cargo há sete meses, Jobim enfrentou o momento mais crítico da aviação civil brasileira e tenta reestruturar o funcionamento das Forças Armadas no País. O ministro, que por vezes usa a retórica como principal arma para combater os problemas que se apresentam, afirmou que quer discutir o papel do Exército, da Marinha e da Aeronáutica no País. Segundo ele, as Forças têm que estar preparadas para enfrentar insurgências, o contrabando e até ajudar Garantia da Lei e da Ordem (GLO).

Jobim afirmou ainda que tem pressa para reestruturar a Infraero e negou recentemente que o governo pense em privatizar a empresa. Leia abaixo os principais trechos da entrevista concedida na sexta-feira, dia 29.

O senhor assumiu a pasta com várias pendências com as Forças Armadas. Nesse período em que o senhor está no Ministério, o que mudou na relação com as Forças e qual o papel elas devem exercer no Brasil?

A relação pessoal e institucional é ótima. Não há nenhum problema. Os comandantes são homens muito dedicados à causa, têm um conceito de brasilidade muito forte e têm uma preocupação muito forte em relação às suas questões específicas. O grande problema que nós tínhamos e que estamos compondo é que assunto de Defesa não interessava ao setor civil. O setor civil, depois do regime militar, passou a desconsiderá-lo, trouxe consigo a mentalidade anterior em que identificava as questões de defesa como perseguição política. E, com isso, quando se veio para o regime democrático tivemos o abandono (das Forças Armadas). Com isso, os militares ficaram isolados. O que estamos tentando é fazer com que a questão de Defesa venha a ser algo da agenda nacional e não algo exclusivamente da agenda da corporação militar. Isso deu novo alento aos militares. Inclusive as discussões da elaboração do Plano Estratégico Nacional de Defesa têm surpreendido alguns militares, por estarem pela primeira vez debatendo com civis e com o governo esse tipo de assunto. Estou enfrentando temas paralisados, como o submarino nuclear, a reequipagem das Forças, que não falamos mais nisso, porque definimos tarefas a serem cumpridas e perguntamos como a Força pode cumpri-la. Daí surge a pergunta: a organização e o tamanho da Força são compatíveis para cumprir tarefas ou tem que sofrer alterações? A outra questão que se apresenta daí é se a tarefa definida como executável demanda ou não demanda mudanças nas práticas operacionais. E aí sim quais são os equipamentos adequados para executar a tarefa. O que significa que estamos pensando o futuro. Trabalhando com um novo conceito de guerra, de guerra futura. Hoje, por exemplo, o pensamento militar não pode ser restrito à guerra convencional - Estado Nacional contra Estado Nacional. O século 20 tem mostrado que as insurgências são muito fortes, temos que ter doutrinas de contra insurgência, temos que ter trabalho que se vincule aos problemas das guerras assimétricas, que você não tenha disputa com Estado Nacional e sim com organizações criminosas. Há uma remodelagem disso.

Mas como vamos perceber isso? A Força vai atuar na proteção dos morros do Rio de Janeiro, por exemplo?

Não. Aí temos o GLO (Garantia da Lei e da Ordem). Nós temos duas linhas de atuação das Forças. Por exemplo, o problema do contrabando, do narcotráfico utilizando o Brasil é algo que atinge a soberania nacional. É que estou usando a palavra insurgência no sentido da doutrina militar e você no sentido da insurgência civil. Os problemas de insurgências civis são problemas de garantia da lei e da ordem. Para isso aí a capacidade de ação da força militar é auxiliar em logística e inteligência as forças de segurança que têm objetivo próprio. Mas quero abrir a discussão da lei e da ordem.

O que não está previsto em lei...

É, exatamente. Eu quero abrir nessas tarefas que estão sendo discutidas a questão da garantia da lei da ordem. Como é que se pretende que as forças ajam e que condicionamentos as Forças (terão) na garantia da lei e da ordem. Nós sabemos que militares dispõem de expertise para tratar de problemas urbanos. Exemplo clássico disso é o Haiti. Indo ao Haiti você verifica que aquilo é uma zona urbana que tinha lá dentro gangues de desordeiros e bandidos e os militares atacaram aquele pessoal dentro de área urbana com civis. O problema que quero discutir é o estatuto da tropa. Uma coisa é você ter tropa brasileira operando no Haiti em que o estatuto jurídico da tropa que lá opera é definido pela ONU (Organização das Nações Unidas) e pelos tratados internacionais da ONU com o Haiti. Aqui no Brasil tu não tens isso. Ou seja, aconteceu nas operações durante do governo Itamar, eu era ministro da Justiça e logo segui no governo Fernando Henrique. Fui eu que encerrei aquela atividade no Rio, onde o Exército subiu o morro e houve ação geral. Lá resultaram várias ações (judiciais) contra soldados, porque não tem estatuto próprio.

Se ele desse um tiro era julgado pela Justiça comum...

É tinha que responder na Justiça militar comum, por delito. Então são essas coisas que temos que examinar. Quero abrir essa discussão. Porque para utilizar as Forças dessa natureza você não vai conseguir (se não tiver legislação específica).

O senhor quer abrir a discussão no sentido de poder usar?

Poder usar. E discutir as condições. Vamos discutir as possibilidades que existem para usar. Vai constar no Plano Estratégico Nacional de Defesa (previsto para ser apresentado no dia 7 de setembro desse ano, data em que País comemora a Independência).

Outro campo da Defesa que parece estar sendo reativado é a discussão de um plano integrado de Defesa. É no sentido de ter uma estratégia de defesa continental?

Não é no sentido de criar uma OTAN. Não é uma forma clássica de coesão. O que eu quero nessa discussão com a América é fazer o seguinte (pega um papel para rascunhar a proposta): em cada País teria dois assuntos. Um seria a proposta brasileira de criação de um Conselho Sul-americano de Defesa, integrado pelos ministros de Defesa e que teria como objetivo discutir questões comuns de Defesa. Plataforma da indústria de Defesa, as questões de posições iguais na América do Sul em debates internacionais em questões de Defesa, ter posição coordenada dos países sul-americanos, ter condições de troca de experiência, etc. Porque hoje as trocas são de Força para Força, não de Estado para Estado. Nós queremos fazer troca de experiências nas academias, discutir cultura e doutrina militar. Ou seja, fazer haver coesão mínima dos países sul-americanos a bem de ter o Continente força e voz nos encontros internacionais sobre isso.

Isso também serve para fortificar uma posição do Brasil para conseguir um assento no Conselho de Segurança da ONU?

Não, não. Não tem nada a ver. Isso é coisa minha. Não é do Itamaraty. O objetivo disso aqui (aponta para o papel) não é para que o País se fortaleça. Você não tem ninguém que fale pelo Continente. Aí você não tem condições (de fazer isso). Nós temos que fazer com que quem fale pelo Continente seja a nossa comunidade. O que isso pode resultar, se lá na frente vai virar uma comunidade mais integrada, é outra coisa. Nós precisamos conversar. Não podemos mais achar que a América do Sul tem que ser tratada com países isolados. Vamos ver se a gente consegue criar uma coesão.

Mas vai tratar de áreas de inteligência, por exemplo?

Não, isso ainda vamos formatar. Temos que começar com certa humildade. Não adianta querer fazer uma coisa enorme, que não faz nada. Queremos trabalhar pontualmente na discussão das questões de defesas regionais e internacionais e depois vai se consolidando aquilo que for consensual. O segundo objetivo dessas conversas são as colaborações que o Brasil possa ter com os países bilateralmente. É o caso, por exemplo, em que estamos colaborando com a Bolívia, nesse problema terrível que eles estão tendo (com as inundações). Determinamos a remessa de uma equipe de engenheiros para examinar o problema de pontes que eles têm lá, porque as águas destruíram tudo. Então estamos tentando ajudar.

Ainda nessa área de Defesa, ministro, o senhor conseguirá atender a reivindicação dos militares por reajustes salariais nesse ano, mesmo sem a receita com a CPMF? O Congresso Nacional fez cortes menores nas áreas militares em comparação com outros ministérios. Isso garante o reajuste?

Isso já demonstra que tivemos uma vitória. Quando eu assumi a proposta do orçamento de Defesa, ele era de R$ 6 bilhões para custeio e investimento e foi para R$ 9 bilhões, podendo chegar a R$ 10 bi na execução orçamentária. Isso tudo antes das CPMF. Agora, o próprio Congresso adotou cortes diferenciados para no orçamento, o que mostra que a questão da Defesa passou a fazer parte da agenda nacional. Vai ser possível dar os reajustes. Eu ainda não tenho os números, porque na segunda-feira eu terei reunião com o ministro Paulo Bernardo (do Planejamento) e depois na quarta-feira deve haver a reunião da Junta Orçamentária, que vai definir os limites, e daí eu parto para a definição numérica. Mas não quero colocar na mesa também proposta que sejam superiores ou inferiores do que será possível. Isso não é uma disputa de ministérios e sim uma decisão de governo.

Há quase um ano, ministro, tivemos o episódio da revolta dos controladores, um dia de caos. De lá para cá, houve uma série de reivindicações dos controladores, algumas ainda em negociação e outras guardadas na gaveta. O que para um controlador de 31 de março de 2007 mudou para aquele que está trabalhando em 31 de março de 2008? Ele vai ter um salário melhor ou apenas se tem uma tropa mais unida?

Temos uma tropa mais unida, desapareceu aquele sentido corporativo sindicalista que passaram a eles e nós pacificamos o sistema. Mas, evidente que na discussão da carreira, mantido que seja o modelo militar e não quero discutir esse assunto já, vou mandar fazer uma auditoria, estou atrás de quem faça isso, completa no sistema aéreo brasileiro...

Mas a ICAO (Organização de Aviação Civil Internacional, sigla em inglês) não virá ao Brasil fazer essa auditoria nesse ano?

Não, vem só no ano que vem. Mas a ICAO não faz vistoria. A ICAO faz vistoria sobre o cumprimento por parte do sistema estabelecido por eles. Mas eu quero ir mais longe, quero a ver a eficácia e ver onde podemos melhorar o sistema. Tem gente internacional que faz isso, estou atrás disso. A doutora Solange (Solange Vieira, presidente da Agência Nacional de Aviação Civil) está indo aos Estados Unidos e vai verificar lá, existem quatro ou cinco empresas no mundo que fazem isso. Eu quero que eles venham aqui e me mostrem o que pode ser melhorado no sistema.

O senhor não teme que as vísceras do sistema apareçam?

Não tem mais vísceras está tudo sob controle.

Mas uma auditoria pode apontar que determinadas pistas não são adequadas para o número de aviões que a utiliza, pode mostrar que o sistema de radar é falho e ultrapassado?

Isso é o que precisamos saber. Aí tenho condições de consertar isso. Isso é que eu quero. Não tenho intenção de ocultar nada. Eu preciso é compor o sistema. O crescimento da demanda no Brasil é brutal. Então, tem que ter sistema eficaz. Você tem os dois lados da moeda, um é o controle do espaço aéreo e outra é a infra-estrutura aeroportuária, que é questão da Infraero. Por isso, estamos tocando uma reestruturação da Infraero e vamos tocar também a verificação para saber se essa nossa "plataforma" do sistema de controle do espaço aéreo está compatível.

O senhor desistiu de enviar por Medida Provisória a proposta de ressarcimento aos passageiros que enfrentarem atrasos nos seus vôos acima de uma hora? Vai ser enviado por projeto de lei?

Não é compatível o projeto com MP. Tem uma série de medidas que são tomadas após e uma MP não pode ser para vigir daqui a 60 dias.

O senhor vai pedir urgência constitucional para o projeto?

Não. Vou fazer urgência lá. Prefiro a urgência com participação parlamentar. Vou negociar. Eu negocio tudo sempre. Lembro que quando aprovaram a lei de lavagem de dinheiro em que eu era ministro da Justiça foi toda ela negociada. Eu não quero á partidarizar isso. Esse assunto não é político-partidário. A Medida Provisória não ajuda para esse tipo de coisa. Não ajuda porque tu entras em vigor com um negócio e depois no processo é mudado e gera confusão infernal.

Durante a sua gestão o senhor tem tido uma relação mais rígida com as companhias. Com esse novo marco legal que o senhor irá propor vai ficar ainda mais difícil para as empresas? O que pode mudar para elas?

O marco legal que temos que trabalhar é da perspectiva do usuário. Ou seja, o que cabe a nós do Ministério da Defesa é dar infra-estrutura aeroportuária para que sirva ao usuário. Ao servir o usuário servirá às empresas, mas as empresas têm que servir ao usuário.

Pode ter maior abertura para investimento estrangeiro nas companhias brasileiras?

Pode. Tem proposta no Congresso de até 49% (hoje esse investimento é limitado a 20% do capital). O ministério vê dessa forma também. Não há problema nenhum. Porque o nosso problema é o seguinte: é ter sistema que seja dentro dos critérios de segurança, pontualidade e regularidade e isso você cria. Um é responsabilidade nossa e a definição de toda estrutura é da perspectiva do usuário. Precisamos dar segurança e conforto a ele. E evidente que as empresas têm que ser vistas como parceira disso e não como inimigas disso.

Essa reestruturação da Infraero é para esse governo ainda?

Ah, espero que sim. Eu tenho muita pressa.

Abertura de capital inclusive?

Não, primeiro a reestruturação. Depois decidimos. Eu não estou examinando essa questão da abertura de capital. Eu sou favorável. Não estou dizendo que deva ou não.

Mas o horizonte dessa mudança é 2010?

Espero que sim, eu tenho pressa. Já tenho 62 anos.

Fonte: Terra

ETs: luzes no céu de SP alvoroçam ufólogos

O mistério dos E.T.s

Marcas em canaviais e luzes no céu de cidades paulistas alvoroçam moradores e ufólogos


O garoto Pedro Henrique Próbio, dez anos, é apaixonado pelos fenômenos do espaço. Ele costuma passar horas no quintal de sua casa, na pequena Riolândia, cidade paulista de apenas oito mil habitantes, com uma lupa, tentando desvendar os mistérios do céu estrelado. Por causa desse hobby, o menino passou a exibir com orgulho, desde o início do ano, um pequeno troféu animado em seu celular, que ele não cansa de mostrar a todos que o solicitam. É um filme curto, no qual luzes coloridas se movimentam no céu. Para muitos, essas luzes são Objetos Voadores não Identificados (Óvnis). E, por causa delas, Riolândia entrou para o circuito dos ufólogos de todo o País. E dos curiosos em geral.

Desde o dia 19 de janeiro, a cidade, que fica a 565 quilômetros da capital paulista, virou destaque após estranhos acontecimentos supostamente conectados à aparição de óvnis, mobilizando pesquisadores e moradores das cidades próximas. O alvoroço começou depois que Maurício Pereira da Silva, proprietário de uma pousada em Riolândia, afirmou ter visto uma nave iluminada em cima do seu canavial. No dia seguinte, a cana apareceu dobrada, numa circunferência de 60 metros de diâmetro. A partir daí, mais atentos ao céu, vários moradores começaram a ver luzes praticamente todos os dias.

CAÇADORES: Os irmãos Carlos Henrique (ao fundo) e Rodolpho: plantão, todas as noites, em busca dos ETs

Esse foi só o início. Em outras seis cidades do interior de São Paulo surgiram então mais relatos. No município de Monte Azul Paulista, um lavrador disse ter visto uma estranha luz descer do céu. No dia seguinte, foi até o canavial e, para sua surpresa, as plantações estavam tombadas num trecho de 20 metros. Numa madrugada de fevereiro, o canavial de Amélio Zanchin, em Araraquara, apareceu dobrado numa área de 25 metros de comprimento por 20 de largura, mas ele não deu importância. “Já vi isso acontecer antes. O vento dobra a cana, principalmente as que estão altas e maduras. Não existe essa história de ET”, afirma. Seu vizinho discorda. “Moro há 14 anos aqui e nunca vi o vento fazer isso com a plantação”, rebate o metalúrgico Carlos Alberto Bezerra.

Na cidade de Itápolis, o fenômeno se repetiu no dia 21 de fevereiro, mas, desta vez, em proporções gigantescas. Um canavial de 48 mil m2 apareceu tombado, com ondulações uniformes da cana a cada dois metros. O terreno, localizado no centro de outras oito plantações do mesmo tamanho, se destaca entre os demais quadrantes, que não foram afetados. Silva, de Riolândia, que chegou a ser chamado de mentiroso por ter sido o primeiro a testemunhar os fatos, comemora. “Eu ainda consegui a prova em vídeo”, diz ele, mostrando a filmagem das luzes no céu na noite do dia 26 de fevereiro. A imagem mostra intensos pontos de luz, em formato de disco, que brilham seqüencialmente, num comprimento de aproximadamente 40 metros. “São naves com sondas que se juntam para fazer a leitura do local”, acredita o ufólogo Ademar Gevaerd.

VESTÍGIOS: Marca cravada em solo próximo ao canavial, na cidade de Riolândia. Especialistas estudam possíveis indícios de óvnis

Nem todos os ufólogos acreditam na presença de óvnis nas outras cidades, mas apostam com unanimidade nos acontecimentos em Riolândia. “Os dobramentos nos canaviais podem ter sido gerados por ventos fortes. O que importa mesmo são as luzes que foram vistas lá”, afirma o ufólogo Claudeir Covo. “O canavial não é indício. O fundamental é a aparição dos objetos discoidais”, concorda Gevaerd. O ufólogo Gener Silva discorda dos colegas e acredita que todos os acontecimentos estão ligados à ação de óvnis. “Eles não pousaram, mas as dobras no canavial mostram que o magnetismo das naves provocou um envelhecimento molecular da cana”, diz. Os especialistas em ciências atmosféricas descartam qualquer possibilidade. “As luzes dos sinalizadores de aviões em nuvens altas podem dar a impressão de um rápido deslocamento”, sentencia o professor Augusto José Pereira, da Universidade de São Paulo. Alheios à polêmica, os moradores dessas cidades paulistas continuam vidrados no céu.




Fonte: Carina Rabelo ( Isto É Independente)

Tributo aos Bombardeiros Soviéticos

Fonte: Roberto "Skylord" de A. Guimarães (You Tube)

Mais vídeos: http://www.youtube.com/raguimaraes2k

American Airlines investiga falha em outro 777 em vôo

A American Airlines esta investigando outro episodio semelhante ao ocorrido em Heathrow. O incidente envolveu um 777-200 ER, vôo AA299, que saiu de Miami na segunda-feira (25), e ocorreu quando o aviao estava a 2,000' de altura, durante a aproximacao ao aeroporto de LAX.

Segundo informou um representante da associacao dos pilotos, o aviao estava em procedimento de descida, com o autothrotle ligado, quando o motor da esquerda subitamente desacelerou ate o iddle. O motor da direita continuou funcionando normalmente.

A tripulacao estima que o motor ficou sem responder de 10 a 15 segundos, e depois acelerou novamente. Todos os 777-200ERs da AA estao equipados com motores Rolls Royce Trent 800, o mesmo usado pelo 777 que se acidentou em Heathrow. Nesse caso, a comissao investigadora ainda nao achou a causa (ou as causas), da parada dos motores.

A AA ja fez o download do conteudo do FDR, e esta examinando os tanques e os filtros de combustivel. Tambem serao feitos testes no FADEC.

Nem a FAA e nem o NTSB comentaram o incidente, mas estao participando das investigacoes.

Fontes: Fórum F-SIM / flightglobal.com

Em avião próprio, Iron Maiden aterrissa em SP

Batizado de Ed Force One, boeing 757 que transporta a banda desceu em Guarulhos.

Aeronave vinha pilotada pelo vocalista Bruce Dickinson, de acordo com assessoria.


Aterrissou por volta das 19:45 hs desta sexta-feira (29) no Aeroporto de Guarulhos, na Grande São Paulo, o Ed Force One, o Boeing 757-200, prefixo G-OJIB, da companhia Astraeus Airlines que transporta a banda Iron Maiden em sua turnê mundial, "Somewhere back in time". O grupo de heavy metal inglês faz três shows em sua passagem pelo Brasil, no dia 2 de março, em São Paulo, no dia 4, em Curitiba, e 5, em Porto Alegre.

O pouso da aeronave, que é pilotada pelo vocalista da banda Bruce Dickinson, se deu por volta das 19h45, de acordo com informações da assessoria de imprensa responsável pela divulgação dos shows no Brasil.

Em entrevistas recentes à imprensa inglesa, Dickinson revelou que vinha pilotando aviões comerciais da companhia em seu período de férias.

Além dos integrantes da banda - Dickinson, Steve Harris (baixo), Dave Murray (guitarra), Adrian Smith (guitarra), Janick Gers (guitarra) e Nicko McBrain (bateria) - o Ed Force One carrega toda a equipe de profissionais que acompanha o Iron Maiden, além dos equipamentos do grupo, alocados em um compartimento nos fundos da aeronave.

A passagem do Ed Force One pelas diversas cidades que recebem a turnê de "Somewhere back in time" está sendo registrada pelos fãs no site oficial da banda.

Veja fotos do avião


Fontes: Desastres Aéreos / G1 - Fotos: rafarocker ( Site Iron Maiden Brasil)

Interditado hangar de empresa de helicóptero a serviço da Petrobras

Segundo Ministério do Trabalho, local apresentava irregularidades.

Hangar ficará interditado até que a empresa regularize a situação.

Segundo Ministério do Trabalho, local apresentava irregularidades (Foto: Reprodução/TV Globo)

Um hangar de manutenção de helicópteros da empresa BHS, que presta serviços para a Petrobras, foi interditado na tarde desta sexta-feira (29) pela Delegacia Regional do Trabalho do Rio de Janeiro (DRT-RJ), órgão do Ministério do Trabalho, em Macaé, no Norte Fluminense.

A empresa é responsável pela aeronave que fez um pouso forçado em alto-mar no dia 26 de fevereiro logo após decolar da plataforma P-18, no Campo de Marlim, na Bacia de Campos. O acidente deixou 15 pessoas feridas, quatro mortos e um ainda desaparecido.

Segundo José Roberto Aragão, auditor fiscal do Ministério do Trabalho, a interdição do hangar aconteceu por falta de certificação de alguns equipamentos e por problemas nas instalações elétricas. Ele afirmou que as irregularidades desses aparelhos poderiam causar acidentes graves.

"Existem equipamentos muito antigos, usados desde o tempo em que ali funcionava uma outra empresa", explicou o auditor, que exemplificou os produtos como compressores e sistemas de pressurização.

Para o auditor, houve negligência da empresa em relação aos equipamentos auxiliares. Sobre a capacitação de funcionários, Aragão informou que a empresa está regular. O hangar ficará interditado por tempo indeterminado até que a empresa providencie manutenção dos equipamentos.

No entanto, Aragão afirmou que a interdição não impede a BHS de continuar os serviços de manutenção em outro estabelecimento. O G1 entrou em contato com a BHS, mas a empresa informou que não vai se pronunciar sobre a decisão do Ministério do Trabalho.

Fontes: G1 / Intertv

Boeing anuncia ter encerrado primeiro teste de resistência da fuselagem do 787 Dreamliner


A Boeing anunciou que concluiu com sucesso o primeiro teste de fuselagem de seu novo jato comercial, o 787 Dreamliner. Fabricada quase totalmente a partir de compostos artificiais, como fibra de carbono, os testes iniciados no fim do ano passado e agora encerrados são parte do processo de certificação da aeronave.

A empresa teve problemas com o projeto no final do ano passado e no começo deste, sendo obrigada, em ambas as ocasiões, a atrasar seu cronograma de entregas em seis meses. No total, agora o projeto está defasado em cerca de um ano em relação à previsão original.

Os testes (da fuselagem) foram muito bem sucedidos - não poderiam ter sido melhores, disse o chefe de testes do 787, Kevin Davis.

Segundo a Boeing, o teste envolveu colocar a fuselagem sobre pressões crescentes até o limite de carga máxima, para simular as condições mais extremas esperadas para a vida útil do avião. Depois, a carga foi elevada para 50% além do limite, que é o patamar exigido para certificação.

Por fim, a fuselagem foi exposta a uma carga ainda mais intensa, no limite de sua integridade estimada. Segundo a fabricante, embora os engenheiros tenham ouvido sons de rachaduras e quebras, a fuselagem resistiu a pressão sem ser destruída como era esperado.

A preocupação da Boeing em divulgar esse tipo de testes tem a ver não apenas com o fato de querer mostrar que não haverá mais atrasos - o que afetou duramente a concorrente Airbus no caso do superjumbo A380. A intenção é, também, demonstrar a segurança da fuselagem, uma das primeiras projetadas e fabricadas principalmente a partir de compostos, e não de alumínio ou outros metais comuns na aviação, para uso em jatos comerciais. Jatos militares já utilizam esses materiais há alguns anos.

O 787 Dreamliner, apresentado no meio do ano passado, deve entrar em operação comercial apenas no início do ano que vem, segundo a Boeing. A previsão inicial era entregar o primeiro avião ainda no primeiro semestre deste ano.

Fonte: José Sergio Osse (Valor Online)

Presença de médico em aviões pode tornar-se obrigatória

Henrique Afonso: o pronto atendimento nos casos de mal-estar súbito de passageiros é indispensável.

A Câmara analisa o Projeto de Lei 2529/07, do deputado Henrique Afonso (PT-AC), que obriga as companhias aéreas a contratar profissionais de saúde para prestar assistência aos passageiros de vôos comerciais. Pela proposta, a presença de médico ou enfermeiro na equipe de tripulação será obrigatória em todos os vôos, domésticos e internacionais, com partida do Brasil.

Para o deputado, o pronto atendimento, nos casos de mal-estar súbito de passageiros é indispensável. "Atualmente, na ocorrência de qualquer problema mais sério de saúde durante o vôo, o paciente depende exclusivamente do atendimento dos comissários de bordo, cujos conhecimentos nesse campo são extremamente limitados", explica.

Socorro especializado

Em alguns casos, complementa o parlamentar, é necessário que a aeronave faça pouso de emergência no aeroporto mais próximo, quando é exigido socorro especializado. "Isso normalmente leva um tempo considerável, que pode significar a diferença entre a vida e a morte do paciente", enfatiza.

Conforme Henrique Afonso, o atendimento imediato de um profissional de saúde capaz de fazer diagnóstico e providenciar os primeiros-socorros "é fundamental para que o paciente tenha chance de ser atendido em solo e continuar o tratamento médico adequado em uma clínica ou hospital."

O projeto altera o Código Brasileiro de Aeronáutica (Lei 7.565/86), ao acrescentar a exigência.

Tramitação

A proposta tramita apensada ao PL 6454/05, que obriga as aeronaves comerciais a portarem equipamentos de primeiros socorros. As matérias, que tramitam em caráter conclusivo, serão analisadas pelas comissões de Seguridade Social e Família; de Viação e Transportes; e de Constituição e Justiça e de Cidadania.

Mais sobre a proposta: CLIQUE AQUI

Fonte: Câmara dos Deputados
Reportagem: Antonio Barros
Edição: Renata Tôrres
Foto: Bernardo Hélio

sexta-feira, 29 de fevereiro de 2008

Segundo acidente aéreo em dois dias mata 4 no Chile

Fotos e imagem: La Tercera

Quatro pessoas morreram e outras duas ficaram gravemente feridas na quinta-feira num acidente aéreo no sul do Chile. Na véspera, um outro avião havia caído em um campo esportivo de Santiago, matando 11 pessoas.

O novo incidente ocorreu por volta de 12h (14h em Brasília) na região de Riñinahue, perto do lago Ranco, cerca de 950 quilômetros ao sul da capital. O avião particular Piper PA-34-200 Seneca, prefixo CC-PIL, havia decolado pouco antes na localidade de Bandurrías com destino à turística Pucón.

A Direção Geral de Aviação Civil do governo disse que o avião levava cinco passageiros não identificados, além do piloto Rafael Cañas Alemparte.

"Aparentemente algo provocou uma explosão no avião e isso fez com que se precipitasse à terra", disse o prefeito de Rango, Santiago Rosas, ao canal público TVN.

Ele acrescentou que os passageiros residiam em Santiago e estavam em visita à região do sul do Chile, coberta por bosques e lagos.

Imagem: emol.com

Fontes: O Globo / ASN

OceanAir oferece 50% de desconto para passageiros com mais de 65 anos

Passageiros com mais de 65 anos poderão ganhar 50% de desconto nos vôos domésticos oferecidos pela companhia aérea OceanAir. A promoção será válida para as viagens que acontecem às terças, quartas e quintas-feiras e encerrará no dia 22 de março.

O benefício oferecido pela empresa, aos passageiros, permitirá que eles viajem para os 45 destinos oferecidos pela OceanAir que vão de norte a sul do Brasil. As reservas estarão, sujeitas à disponibilidade de assentos e poderão ser feitas através dos telefones 40044040 (para as principais capitais) e 0300 789 8160 (para as demais cidades) ou ainda através de agentes de viagens. O regulamento da promoção está no site da companhia (http://www.oceanair.com.br/).

A OceanAir foi criada em 1998 e realiza vôos em 45 cidades do Brasil e para a Cidade do México. A frota da companhia é composta por dois Boeing 767-300, um Boeing 757, 14 jatos MK 28, cinco Fokker 50 e cinco Brasília.

Fonte: JC OnLine

Justiça Federal Sinop retoma processo da queda de Boeing

O juiz federal Murilo Mendes aguarda a comunicação oficial da decisão do Superior Tribunal de Justiça (STJ) para dar andamento ao processo da queda do boeing da Gol no Nortão, em 2006. Só Notícias apurou que algumas testemunhas já foram ouvidas, por meio de cartas precatórias e rogatórios (em outro país), estando em etapa adiantada.

Após todas, tanto as de acusação quanto de defesa, serem interrogadas, o juiz dará prazo para juntada de provas pelas partes, somente depois desse procedimento dará a sentença.

No processo, são acusados quatro controladores de vôo - Felipe Santos dos Reis, Jomarcelo Fernandes dos Santos, Lucivando Tibúrcio de Alencar e Leandro José dos Santos de Barros - e os americanos Joseph Lepore e Jan Paladino. Os dois pilotavam o jato Legacy, que envolveu-se na colisão com o boeing, mas conseguiu pousar.

O processo estava parado desde outubro passado, quando o juiz Murilo Mendes suscitou conflito de competência, já que outra ação corre na Justiça Militar. Porém, segundo entendimento do STJ, os controladores responderão por dois processos distintos, um na Justiça Militar – pelos crimes militares – e outro na Justiça Federal – por crime comum, já que são imputações distintas.

Os quatro foram denunciados, junto à Justiça Federal, pelo crime de atentado contra a segurança de transporte aéreo, definido de modo diferente na legislação militar. Já na ação em curso na auditoria da 11ª Circunscrição Judiciária Militar do Distrito Federal, Felipe, Lucivando e Leandro foram denunciados pelo crime de inobservância de lei, regulamento ou instrução, previsto exclusivamente na legislação militar. Já, Jomarcelo responde por homicídio culposo, que tem igual definição na lei penal comum e na militar.

Joseph Lepore e Jan Paul Paladino foram denunciados pelo delito de inobservância de regra técnica da profissão e os controladores de vôo, pelo crime de atentado contra a segurança de transporte aéreo.

No acidente, 154 pessoas que estavam no boeing morreram.

Fonte: Tania Rauber (Só Notícias)

VARIG implementa Central de Atendimento ao Surdo

Deficientes auditivos terão canal de comunicação em tempo real com a Empresa.

São Paulo - A VRG Linhas Aéreas, que opera a marca VARIG, implementou uma Central de Atendimento ao Surdo. A iniciativa visa inserir os cerca de seis milhões de deficientes auditivos brasileiros, entre os quais 1,1 milhão são surdos totais, no universo de clientes da Empresa -de maneira confortável e apropriada.

O serviço funcionará 24 horas por dia, todos os dias da semana, pelo telefone 0800 - 727 1076. Para oferecer esse canal de atendimento, a VARIG investiu na compra de tecnologia, software e equipamentos desenvolvidos pela empresa especializada Koller&Sindicic.

As ligações podem ser feitas de qualquer lugar do Brasil por meio do TS, sistema telefônico especial instalado nas residências de pessoas com deficiência auditiva, ou a partir dos quase 800 telefones públicos especiais localizados em rodoviárias, aeroportos e shoppings do país.

Trata-se de um aparelho especial com um visor, onde se lê a mensagem, e um teclado como o de um computador. O fone do telefone convencional, inclusive do orelhão, fica encaixado nesse visor e alguns modelos funcionam ligados diretamente à rede telefônica convencional. A campainha é substituída por um alarme luminoso.

Para viabilizar a comunicação, os computadores de atendimento têm um aparelho decodificador que lê o que foi digitado pelo cliente e transforma a mensagem em texto na tela. Dessa forma, os atendentes da Central de Vendas e Reservas estabelecem uma comunicação em tempo real com seus interlocutores.

Perfil da VARIG

A VRG Linhas Aéreas S.A., adquirida pela GOL Linhas Aéreas Inteligentes S.A. em abril de 2007, oferece 140 vôos diários para 14 destinos no Brasil: Brasília, Belo Horizonte (Confins), Curitiba, Fernando de Noronha, Florianópolis, Fortaleza, Manaus, Porto Alegre, Recife, Rio de Janeiro (Santos Dumont e Tom Jobim), Salvador e São Paulo (Congonhas e Guarulhos).
Também realiza 30 vôos diários para dez destinos internacionais: Buenos Aires, Bogotá, Caracas e Santiago, na América do Sul; Cidade do México, na América do Norte; e Frankfurt, Londres, Madri, Paris e Roma, na Europa. Atualmente, a frota da VARIG é composta por 36 aeronaves Boeing.

Para mais informações, tabela de vôos e tarifas da VARIG, acesse o site www.varig.com.

Fonte: Revista Fator

Empregados da Petrobras se recusam a embarcar em helicóptero

Sindicato afirma que em dez anos 210 trabalhadores da Petrobras morreram em acidentes.

Na terça, aeronave com 20 pessoas fez um pouso forçado na área da bacia de Campos.

Cinco trabalhadores tercerizados e cinco funcionários da Petrobras se recusaram nesta sexta-feira (29) a embarcar em um helicóptero da empresa BHS que os levaria para a plataforma P-8, no campo de Marimbás, na bacia de Campos, Norte Fluminense, com medo de novos acidentes e preocupados com as condições de trabalho, informou a Federação Única dos Petroleiros (FUP).

"Existe um medo dos empregados e dos terceirizados. Nos últimos anos houve muitos acidentes e mortes com essa e outras empresas", disse o diretor das FUP, João Antonio de Moraes. O Sindicato dos Petroleiros do Norte Fluminense também confirmou a informações.

Mortes

Os dados da FUP apontam que nos últimos dez anos 210 trabalhadores da Petrobras morreram em acidentes, sendo 39 empregados próprios e 171 de empresas contratadas pela estatal.

"Os terceirizados não param de crescer na empresa. Hoje são 170 mil contra 50 mil concursados. Isso ocorre principalmente na área de exploração e produção. Os terceirizados ganham menos, têm jornada de trabalho maior e não têm a mesma proteção. Isso prejudica a segurança", acrescentou Moraes.

Mobilização

A FUP quer realizar na semana que vem uma mobilização nacional para chamar a atenção da Petrobras e da sociedade para as condições de trabalho na estatal.

"O objetivo não é parar a produção. É atrasar a troca de turno para podermos conversar com o pessoal sobre o que está acontecendo", disse Moraes.

Ele entregou uma carta ao presidente da Petrobras, José Sergio Gabrielli, cobrando medidas da companhia. A estatal confirma a recusa dos funcionários de embarcar em helicópteros da BHS, mas considera o fato isolado e afirmou que alguns vôos programados para a sexta-feira de manhã foram transferidos para sábado por uma questão de logística.

Na terça-feira, uma aeronave da empresa com 20 pessoas fez um pouso forçado no mar, na área da bacia de Campos, e quatro empregados morreram e um está desaparecido.

A empresa BHS diz desconhecer a informação sobre a recusa dos funcionários subir em sua aeronave.

Fontes: G1 / Reuters

EADS/Northrop consegue contrato para renovar frota de aviões-tanque nos EUA

O Pentágono selecionou o grupo europeu EADS, empresa mãe da Airbus, e sua sócia americana Northrop Grumman, como fornecedores, num contrato milionário para renovar sua frota de aviões de abastecimento aéreo.

Fonte: France Presse

Companhia finlandesa encomenda mais três jatos Embraer 190

As aeronaves serão entregues entre 2010 e 2011.

O modelo 190 da empresa brasileira é um avião de 100 assentos.

A empresa aérea finlandesa Finnair encomendou mais três jatos Embraer 190. As aeronaves serão entregues entre 2010 e 2011. O valor do negócio não foi informado. O modelo 190 da empresa brasileira é um avião de 100 assentos, que a Finnair utiliza em seu tráfego doméstico e na Europa.

"Por meio do pedido nós asseguramos a disponibilidade de capacidade sob as presentes condições. Os registros de pedidos da fabricante de aeronaves estão cheios para os próximos anos, e estimamos que nosso tráfego na Europa crescerá com a onda de tráfego asiática", afirmou o chefe de operações da Finnair, Henrik Arle.

A companhia finlandesa já possui seis jatos Embraer 190 e uma sétima aeronave será entregue hoje. Além dos aviões encomendados agora, mais um Embraer 190 se juntará à frota da Finnair no fim deste ano, e mais dois em 2009. A Finnair também possui dez aeronaves Embraer 170, de 76 assentos. As informações são da Dow Jones.

Fonte: Agência Estado

Maior terminal do mundo começa a operar em Pequim

O novo terminal do aeroporto internacional de Beijing, o maior do mundo e um dos principais projetos de ampliação para receber uma onda de passageiros durante o período da Olimpíada deste ano, entrou em operação hoje pela manhã. O Terminal Nº 3 do Aeroporto Internacional de Pequim recebeu o primeiro vôo comercial às 8h50 (horário local), quando os passageiros a bordo do vôo SC1151, vindo da província de Shangdong, leste da China, começaram a desembarcar.

Com uma superfície de 986 mil metros quadrados, duas vezes maior que a área total dos dois terminais antigos, o novo terminal deve ser o maior do mundo, revelou o chefe do projeto de construção, Fan Jun. O novo terminal foi desenhado pelo famoso arquiteto britântico Lord Foster e começou a ser construído em 28 de março de 2004. Com a inauguração, o aeroporto internacional de Beijing poderá receber 76 milhões de passageiros a cada ano.

Antes, o aeroporto tinha apenas uma capacidade de 53 milhões de passageiros. A China também está reformando e renovando vários aeroportos próximos à capital chinesa, que poderão ser usados no período dos Jogos Olímpicos.

Fontes: Terra / Fotos: Agência Xinhua

Boeing entrega 1400ª unidade do jumbo 747, 40 anos após primeiro avião ser entregue

A Boeing anunciou a entrega da 1400ª unidade do jumbo 747. O avião, um 747-400 cargueiro, foi enviado à empresa de leasing aeronáutico norte-americana GE Commercial Aviation Services (Gecas), que vai repassá-lo à AirBridgeCargo Airlines.

Estamos honrados em receber o 1400º 747, disse o vice-presidente de Produção da companhia aérea, Gennady Pivovarov. O 747 é um avião de alta qualidade e muito confiável, e tem sido importante para nosso sucesso, acrescentou.

O avião entregue é o sétimo 747 na frota da companhia. Além disso, a controladora da AirBridgeCargo, a Volga-Dnepr, tem ainda pedidos para outros cinco 747-8 de carga, a versão mais moderna do avião cargueiro.

Esse marco mostra a solidez da fundação criada logo no começo do programa do 747, disse o vice-presidente e diretor geral do Programa do 747, Ross Bogue. A Boeing entregou sete vezes mais aviões do que sua estimativa de mercado inicial de 200 unidades, feita na época em que o 747 entrou em serviço, completou.

Os 1.400 aviões desse modelo construídos na fábrica de Everett (estado de Washington, nos EUA) têm em conjunto um total de 17 milhões de vôos entre 1968 e 2007, com 89 milhões de horas de vôo, equivalente a 10 mil anos de vôo ininterrupto. Essas aeronaves, segundo a Boeing, já voaram cerca de 78 bilhões de quilômetros, o equivalente a 101,5 mil viagens de ida e volta à Lua.

Fonte: José Sergio Osse (Valor Online)

Petrobras busca último desaparecido em acidente com helicóptero

Corpo encontrado na quinta-feira está no IML, mas ainda não foi identificado.

Funcionário da Petrobras será enterrado na manhã desta sexta-feira, no Caju.

Veja onde foi o acidente com o helicóptero a serviço da Petrobras (Foto: Arte G1 SP / Fonte: Petrobras)

A Petrobras informou, na manhã desta sexta-feira (29), que a última vítima do acidente com o helicóptero que saiu da plataforma P-18 na Bacia de Campos, na terça-feira (26), continua desaparecida.

O corpo do passageiro encontrado na manhã de quinta-feira (28) chegou ao Instituto Médico Legal de Macaé durante a madrugada. Ele ainda não foi identificado. De acordo com a lista da empresa, o corpo pode ser do piloto Paulo Roberto Calmon ou do funcionário terceirizado Guaraci Novaes Soares.

Enterro na sexta

As duas vítimas que foram encontradas dentro do helicóptero, no fundo mar, foram resgatadas e identificadas. Uma delas é o funcionário da De Nadai Serviços de Alimentação, Durval Barros da Silva, sepultado na manhã dequinta-feira (28) no Cemitério de Inhaúma, no subúrbio. O outro corpo pertence a Adinoelson Simas Gomes, funcionário da Petrobras, que será enterrado na manhã desta sexta-feira (29) no Cemitério São Francisco Xavier, no Caju, Zona Portuária.

Buscas

A Petrobras informou na quinta que as buscas estão sendo feitas com dez embarcações, três helicópteros e cinco barcos especiais com equipamentos submarinos para procurar no fundo mar.

Dos 20 passageiros, 15 foram resgatados com vida. A assessoria do Hospital da Unimed, em Macaé, informou na quinta-feira que 14 feridos resgatados continuavam internados na unidade. O passageiro Júlio Ribeiro da Silva deixou o hospital, sem alta médica, na noite de quarta-feira.

Vítima foi enterrada

O corpo de Marcelo Manhães dos Santos, morto no acidente com o helicóptero a serviço da Petrobras na terça-feira (26), e o primeiro a ser localizado, foi enterrado na quarta (27) em Rio das Ostras, na Região dos Lagos. Ele trabalhava para uma empresa de engenharia, terceirizada da estatal.

O acidente

O helicóptero Super Puma da empresa BHS Táxi Aéreo saiu da plataforma P-18, no Campo de Marlim, na Bacia de Campos, no Norte Fluminense, fez um pouso forçado em alto-mar e começou a afundar em algumas horas. A Petrobras afirmou, durante coletiva na quarta, que uma comissão interna acompanha as investigações da polícia, da Marinha e da Aeronáutica. A direção da estatal acredita que tenha ocorrido falha mecânica. A 123ª DP (Macaé) confirmou que o inquérito que apura as causas do acidente já foi aberto.

Documentos em dia

De acordo com a Agência Nacional de Aviação Civil (Anac), a aeronave estava com o documento da inspeção anual em dia. O seguro e a habilitação do piloto também estavam válidos.A Petrobras informou que suspendeu as operações com dois helicópteros do mesmo modelo até que eles sejam reavaliados pelos fabricantes.

BHS lamenta o acidente

Em nota oficial, a empresa BHS informou que "lamenta profundamente o acidente ocorrido na Bacia de Campos com um dos seus helicópteros". Segundo a empresa, a maior preocupação tem sido o resgate das vítimas e a assistência aos seus familiares.

A BHS declarou ainda seu compromisso na prestação das informações que possam contribuir com as investigações do acidente.

Fonte: G1